COMO PREPARAR ACIDENTES E CATÁSTROFES O HOSPITAL PARA ENFRENTAR. Especialista afirma que hospitais brasileiros precisam inovar. págs.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMO PREPARAR ACIDENTES E CATÁSTROFES O HOSPITAL PARA ENFRENTAR. Especialista afirma que hospitais brasileiros precisam inovar. págs."

Transcrição

1 Ano XXX ed. 344 Nov 2013 JORNAL DO SINDHOSP A N O S COMO PREPARAR O HOSPITAL PARA ENFRENTAR ACIDENTES E CATÁSTROFES Seminário realizado pelo SINDHOSP e pela FEHOESP, com organização do IEPAS, alerta para a importância do treinamento da equipe e da elaboração de um plano de contingência em caso de catástrofe. Páginas centrais Especialista afirma que hospitais brasileiros precisam inovar. págs. 8 e 9 Projeto Bússola promove seminários sobre acreditação. pág. 3

2 Editorial A SAÚDE QUE TEMOS, A SAÚDE QUE QUEREMOS E A QUE PODEMOS TER A FEHOESP e o SINDHOSP estão lançando, neste mês de dezembro, o Anuário Brasileiro da Saúde, que tem como tema central A Saúde que temos, a saúde que queremos e a que podemos ter. Após quatro edições de sucesso do Anuário SINDHOSP, a FEHOESP, entidade de segundo grau de representação no sistema confederativo, se une ao Sindicato no projeto, o que agrega ainda mais valor à publicação foi um ano emblemático. Milhares foram às ruas pedir por transporte coletivo de qualidade, educação e saúde. Paralelamente, o ano foi marcado por datas importantes, como os 25 anos do SUS e os 15 anos da lei 9.656/98, que regulamentou os planos de saúde. Médicos e governo federal travam até hoje uma batalha graças ao eleitoreiro programa Mais Médicos, anunciado como a solução dos problemas da saúde. Essas datas e fatos servem de pano de fundo para a discussão do tema central proposto pelo Anuário. Prestadores de serviços e população sofrem com o subfinanciamento, que compromete a saúde financeira de muitos hospitais e a qualidade da assistência. No setor suplementar o atual modelo de financiamento é insustentável. Como se não bastasse, ainda há o maior de todos os desafios: o envelhecimento populacional. Todas essas questões são abordadas no Anuário Brasileiro da Saúde, além de pautas como as instituições de longa permanência, que já estão consolidadas em várias partes do mundo; o custo da burocracia no Brasil; o papel das tecnologias da informação; uma análise sobre as manifestações de junho de 2.013, feita pelo economista do Banco Mundial, André Medici; e, por fim, um exercício de futurologia sobre a saúde que queremos e a que podemos ter com três grandes pensadores: Gonzalo Vecina Neto, Rubens Belfort Jr e Januário Montone. O Anuário Brasileiro da Saúde será enviado gratuitamente a todos os sócios e contribuintes do SINDHOSP e da FEHOESP a partir do mês de janeiro. Temos certeza que a publicação poderá ajudar os gestores na tomada de decisões ou no planejamento estratégico das empresas. Acreditamos no espírito empreendedor e altruísta dos empresários e profissionais do setor privado de saúde. Por isso, a FEHOESP e o SINDHOSP atuam para que cada estabelecimento de saúde tenha condições de inovar e oferecer serviços com mais qualidade. Que todos apreciem a leitura! Foto: NEUZA NAKAHARA presidente Yussif Ali Mere Jr SINDHOSP - Sindicato dos Hospitais, Clínicas, Casas de Saúde, Laboratórios de Pesquisas e Análises Clínicas e Demais Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Estado de São Paulo Diretoria Efetivos Yussif Ali Mere Jr (presidente) Luiz Fernando Ferrari Neto (1 o vice-presidente) George Schahin (2 o vice-presidente) José Carlos Barbério (1 o tesoureiro) Antonio Carlos de Carvalho (2 o tesoureiro) Luiza Watanabe Dal Bem (1 a secretária) Ricardo Nascimento Teixeira Mendes (2 o secretário) / Suplentes Sergio Paes de Melo Carlos Henrique Assef Danilo Ther Vieira das Neves Simão Raskin Marcelo Luis Gratão Irineu Francisco Debastiani Conselho Fiscal Efetivos Roberto Nascimento Teixeira Mendes Gilberto Ulson Pizarro Marina do Nascimento Teixeira Mendes / Suplentes Maria Jandira Loconto Paulo Roberto Rogich Lucinda do Rosário Trigo Delegados representantes Efetivos Yussif Ali Mere Jr Luiz Fernando Ferrari Neto Suplentes José Carlos Barbério Antonio Carlos de Carvalho Escritórios regionais BAURU (14) , CAMPINAS (19) , RIBEIRÃO PRETO (16) , SANTO ANDRÉ (11) , SANTOS (13) , SÃO JOSÉ DO RIO PRETO (17) , SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (12) , SOROCABA (15) , BRASÍLIA (61) / JORNAL DO SINDHOSP Editora Ana Paula Barbulho (MTB 22170) Reportagens Ana Paula Barbulho Aline Moura Fabiane de Sá Rebeca Salgado Produção gráfica Ergon Ediitora (11) Periodicidade Mensal Tiragem exemplares Circulação entre diretores e administradores hospitalares, estabelecimentos de saúde, órgãos de imprensa e autoridades. Os artigos assinados não refletem necessariamente a opinião do jornal Correspondência para Assessoria de Imprensa SINDHOSP R. 24 de Maio, 208, 9 o andar, São Paulo, SP, CEP Fone (11) , ramais 245 e Jornal do SINDHOSP Nov 2013

3 Em dia PROJETO BÚSSOLA REALIZA SEMINÁRIOS DE SENSIBILIZAÇÃO De 29 de outubro até final de novembro, foram realizados dez seminários de sensibilização que integram a primeira etapa do Projeto Bússola, iniciativa da FEHOESP e do SINDHOSP que visa facilitar a obtenção da acreditação por parte das clínicas médicas. Eles ocorreram na Capital paulista, Bauru, Ribeirão Preto, Campinas, Presidente Prudente, Santo André, Sorocaba, Santos, São José do Rio Preto e São José dos Campos. Ministrados pela Relações Institucionais da Organização Nacional de Acreditação (ONA), Maria Carolina Moreno, os eventos levaram aos participantes os conceitos de qualidade, por que ela é importante, as diferenças dos processos de qualidade nos ambientes industrial e de serviços, o que é necessário para uma boa gestão assistencial, os fatores que interferem na qualidade, o que é acreditação, o papel da ONA e das instituições acreditadoras credenciadas, aspectos do manual de acreditação, entre outros tópicos. O Projeto Bússola é muito importante para a FEHOESP e o SINDHOSP, pois acreditamos que a qualidade pode ser a solução para os inúmeros desafios do setor de saúde hoje. Ela é o caminho para a sustentabilidade, afirmou na abertura do evento na Capital paulista o presidente da FEHOESP e do SINDHOSP, Yussif Ali Mere Jr. Enquetes realizadas durante o último Congresso Brasileiro de Gestão em Clínicas de Serviços de Saúde, em maio, durante a feira Hospitalar, sinalizaram que as clínicas gostariam de participar de um projeto de qualidade, como a acreditação, mas que o custo e as dificuldades do processo eram os principais obstáculos. Quando tomamos conhecimento desses resultados resolvemos agir justamente nesses dois pontos, para facilitar o processo e reduzir o custo, frisou Luiz Fernando Ferrari Neto, vice-presidente do SINDHOSP e guardião do Bússola. Por se tratar de um projeto-piloto, a ideia é angariar pelo menos dez clínicas que estejam dispostas a participar do processo e embarcar nesse caminho sem volta, que é a gestão da qualidade. Alguns critérios deverão ser obedecidos pelas empresas que desejam participar do Projeto Bússola. São eles: serem sócias e/ou contribuintes do SINDHOSP e dos demais sindicatos da FEHOESP; serem pessoas Fotos: DIVULGAÇÃO Maria Carolina Moreno, da ONA jurídicas legalmente constituídas há mais de um ano, com CNPJ, CNES, alvará sanitário e licença de funcionamento; atuarem nas especialidades de clínica médica geral, alergologia, angiologia, cardiologia, vascular, cirúrgica, dermatologia, endocrinologia, gastroenterologia, ginecologia, infectologia, oncologia, ortopedia, otorrinolaringologia, pediatria, pneumologia, urologia e vacinação; a estrutura da clínica não ser classificada como consultório; terem máximo de 45 a 50 funcionários; e preencherem e enviarem o Questionário Preliminar do Perfil da Clínica, com a ficha de inscrição, que foi entregue durante os seminários. Informações pelo tel (11) , ramal 258. A QUALIDADE EM SAÚDE Maria Carolina Moreno, da ONA, lembra que a percepção da qualidade muda de pessoa para pessoa. Ela não é um conceito objetivo. E, no setor de serviços, como a saúde, a qualidade está exatamente na prestação, ela depende de pessoas, se dá na interação entre o cliente e o colaborador, frisa Maria Carolina. Portanto, se o profissional não estiver comprometido dificilmente a qualidade do serviço será percebida pelo cliente. Na saúde, o paciente está presente ao logo do processo produtivo, ele dá um feedback imediato e estabelece as dimensões da qualidade. Por ela exigir uma mudança de cultura é imprescindível que a liderança da organização conduza o processo, caso contrário ele não terá êxito, adianta a representante da ONA. A demora do setor de saúde em incorporar práticas de qualidade se dá, segundo Maria Carolina, pela baixa competitividade existente na área, alta variabilidade dos serviços, pelos colaboradores possuírem motivações e interesses conflitantes e pelos usuários desconhecerem referências técnicas que permitem a escolha. A gestão da qualidade assistencial está sustentada nas melhores práticas, na avaliação permanente (é preciso medir o que se faz e se produz), transparência da informação e no compromisso de todos. A grande dificuldade do processo é trabalhar a gestão da qualidade com profissionais formados há 20, 30 anos e que não tiveram essas noções durante a sua formação. Este é, talvez, o maior desafio. A acreditação é um método de avaliação voluntário, periódico e reservado, que busca a qualidade da assistência por meio de padrões previamente definidos. Trata-se de um programa de educação continuada e, jamais, de uma forma de fiscalização. O sistema de acreditação serve para demonstrar que na empresa existe menos probabilidade de ocorrência de erros e resultados adversos, que ela se encontra em conformidade com determinados padrões e que é referência de garantia de qualidade assistencial para a sociedade como um todo, ressalta Maria Carolina Moreno. A implementação da acreditação exige a prévia definição de papéis e responsabilidades, que a empresa tenha visão de médio e longo prazo e compromisso com resultados. A certificação se dá em três níveis. No primeiro acreditado são analisados aspectos relacionados à segurança. No segundo pleno mostra que a organização dispõe de uma gestão integrada e, por fim, o terceiro com excelência atesta o total comprometimento da instituição com a qualidade. Uma empresa que está no nível 2, por exemplo, e não se preparou para chegar ao 3 pode cair de posição na próxima avaliação ou até perder a certificação. Por isso dizemos que se trata de um processo de melhoria contínua, diz Maria Carolina. Mesmo com todos os desafios ela garante que investir em qualidade vale a pena. Entre os benefícios que o processo traz para a organização ela cita o aumento da receita, a redução de custos, o aumento da competitividade e a fidelização dos clientes. O vice-presidente do SINDHOSP, Luiz Fernando Ferrari, apresenta os benefícios do Projeto Nov 2013 Jornal do SINDHOSP 3

4 Em dia PRONTO-ATENDIMENTO É MAIOR QUEIXA SEGUNDO PESQUISA APM/DATAFOLHA, DIVULGADA EM OUTUBRO Pelo segundo ano consecutivo, a Associação Paulista de Medicina (APM) divulga pesquisa realizada junto ao Instituto Datafolha, revelando a insatisfação dos usuários em relação aos planos de saúde. Espera e lotação nas unidades de pronto-atendimento foram as maiores queixas dos usuários na edição 2013 da pesquisa, apresentada em coletiva de imprensa, na sede da APM, em 17 de outubro. Entre os pesquisados, 80% afirmaram encontrar o local de espera lotado nos prontos-socorros, e consequente demora no atendimento (citada por 55% das pessoas). Em comparação com os resultados de 2012, a espera só aumentou: naquele ano, 77% haviam reclamado da demora em PS. Para o presidente da APM, Florisval Meinão, a lotação dos prontos-socorros é preo cupante, já que nestes locais é que estão os casos mais urgentes e graves. As pessoas deixaram o SUS para fugir das dificuldades, agora enfrentam esta realidade com os planos, criticou. Segundo ele, o problema acontece porque os planos limitam ao máximo sua rede de atendimentos, oferecendo poucas opções aos usuários, mesmo num momento de elevação de carteira. Os planos de saúde trabalham com uma rede credenciada extremamente enxuta. Os que custam mais barato são ainda mais limitados. E a situação tende a se agravar com o crescente aumento de usuários. Meinão lembrou alerta recente, feito pela Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), que revelou déficit de leitos hospitalares na iniciativa privada e a engessada capacidade de investimento. Segundo as estimativas da Anahp, o Brasil precisa investir R$ 5 bilhões nos próximos cinco anos para suprir a carência de 14 mil leitos hospitalares. Se o número de pessoas com planos de saúde crescer 2,1% ao ano, os hospitais precisarão ter até 2016 pelo menos mais 13,7 mil novos leitos com investimento de R$ 4,3 bilhões. A projeção da Anahp no estudo é conservadora e leva em consideração o desempenho do setor de planos de saúde no ano passado, quando foi registrada a menor taxa de crescimento nos últimos sete anos - de 2,1%. Se for considerada a média de crescimento dos últimos cinco anos, ou seja, 4,1%, a demanda seria de 23,2 mil leitos. O investimento necessário, R$ 7,3 bilhões. Na visão do presidente do SINDHOSP e da Fehoesp, Yussif Ali Mere Jr, o setor privado sofre com a falta de acesso a recursos financeiros. Somos um segmento extremamente regulado, complexo e exigido em relação à qualidade do serviço prestado, uma vez que estamos lidando com vida e não com um produto que pode ser trocado em caso de insatisfação ou defeito. Temos que acompanhar a evolução da medicina no que diz respeito a equipamentos, medicamentos e diagnósticos, ao mesmo tempo em que temos de lidar com uma enorme insegurança jurídica em relação a contratos, que não preveem reajustes periódicos, afirma. Segundo ele, os reajustes praticados nas mensalidades dos planos, justificado pelo aumento de custos da saúde, não é repassado aos honorários médico-hospitalares pelas operadoras de planos de saúde. Outro obstáculo, apontado pelo presidente do SINDHOSP, é a barreira imposta aos hospitais, que não podem abrir capital em busca de investimentos estrangeiros, ao contrário do que acontece com os planos. Além do pronto atendimento, a internação hospitalar também foi apontada como uma dificuldade por 41% dos entrevistados pela pesquisa APM/ Datafolha. Destes, 30% alegaram que há poucas opções de hospitais. As consultas médicas também continuam sendo um problema para quem tem plano de saúde. A demora na marcação de consultas foi relatada por 55% dos pesquisados. Entre os que precisaram de exames diagnósticos, 47% afirmaram enfrentar algum problema, como demora para marcar ou poucas opções de locais. Para Florisval Meinão, o problema persiste mesmo Ocorrência de problemas nos serviços do plano de saúde Estimulada, em % Exames Diagnósticos A demora para marcar e as poucas opções de locais são as principais dificuldades mencionadas. Índice de usuários com problema Foram estimulados 4 tipos de problemas Não teve problema Teve problema Ocorrência de problemas nos serviços do plano de saúde Estimulada, em % Pronto-atendimento Local de espera lotado é o principal problema apontado pelos usuários do Pronto Atendimento. Demora para ser atendido também é um aspecto importante, mencionado por 55% dos usuários. Índice de usuários com problema 2013 Demora para marcação de exames ou procedimentos Poucas opções de laboratórios ou clínicas especializadas Demora para autorização do exame ou procedimento O plano não cobriu algum exame ou procedimento Média de problemas (por pessoa) Foram estimulados 6 tipos de problemas Não teve problema 74 Local de espera lotado Demora muito para ser atendido 16 Teve problema Negativa de atendimento Média de problemas (por pessoa) , ,2 Demora ou negativa para realização de procedimentos nescessários Locais inadequados para receber medicação Demora ou negativa na transferência para leito hospitalar Ocorrência de problemas nos serviços do plano de saúde Estimulada, em % Internações Hospitalares A falta de opção de hospitais é a principal reclamação. Índice de usuários com problema Foram estimulados 8 tipos de problemas Não teve problema Teve problema Média de problemas (por pessoa) ,8 Teve poucas opções de hospitais Demora na liberação de exames dentro do hospital durante o atendimento Dificuldade ou demora para o plano autorizar a internação Falta de vaga para internação Negativa ou demora de transferência para hospital especializado Transferência para outro hospital sem concordância do paciente Dificuldade ou demora para internação na UTI Alta hospitalar antes da hora 4 Jornal do SINDHOSP Nov 2013

5 Eventos DE USUÁRIOS com a resolução normativa da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estipula prazos máximos para que consultas e exames de diagnóstico sejam marcados. A grande verdade é que isso não tem sido observado. Em algumas especialidades a marcação tem levado de 2 a 3 meses. Outro dado contundente, revelado pela pesquisa, é que 30% dos entrevistados afirmaram recorrer ao SUS ou a consultas particulares quando encontram dificuldades de acesso. Em comparação à última pesquisa APM/Datafolha, realizada há um ano, houve um aumento de 10 pontos percentuais neste quesito. Para João Sobreira de Moura Neto, diretor de Defesa Profissional da APM, este fenômeno é gravíssimo. Se os usuários que possuem planos de saúde, que pagam suas mensalidades, estão recorrendo ao SUS, as empresas estão lucrando muito, porque deixam de atender e não ressarcem o sistema público. A despeito de tantas queixas, apenas 15% dos entrevistados afirmaram que realizam algum tipo de reclamação junto aos órgãos competentes quando enfrentam alguma dessas situações. Segundo o Datafolha, 11% reclamam diretamente com o plano, 2% ao Procon e apenas 1% à ANS. Chama a atenção o número de dificuldades e o índice tão baixo de reclamações, comparou Meinão. Num panorama geral, 79% dos entrevistados relataram algum tipo de problema. Projetando este número para os 10,4 milhões de usuários de planos de saúde existentes no Estado de São Paulo, chega-se a uma razão de 8,2 milhões de pacientes enfrentando problemas. Apesar disso, 67% das pessoas que responderam à pesquisa afirmaram que estão satisfeitas com seu plano. Na avaliação de Meinão, esta contradição se explica porque, no final das contas, o usuário recebe atendimento de qualidade por parte dos médicos, dos hospitais e dos laboratórios, mesmo depois de tantos obstáculos. A qualidade do atendimento é boa, a questão é o acesso, definiu. Foram entrevistadas 861 pessoas, entre homens e mulheres acima de 18 anos que utilizaram plano de saúde nos últimos 24 meses. A margem de erro é de 3 pontos percentuais, para mais ou menos, com nível de confiança de 95%. BRITCHAM DEBATE REGULAMENTAÇÃO E VIGILÂNCIA 2.0 REMODELAÇÃO DO SISTEMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA FOI DESTAQUE DE SEMINÁRIO Devido ao processo de reestruturação de governança e novos modelos de gerência de diretoria adotados pela Anvisa - Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Britcham - British Chamber of Commerce and Industry in Brazil realizou, em outubro, o seminário Vigilância Sanitária discussão sobre a remodelação do sistema brasileiro de vigilância sanitária e seu impacto no mercado. O seminário teve como objetivo debater o contexto, profundidade e possíveis consequências das mudanças para regulados, reguladores e sistema de saúde. O SINDHOSP foi um dos apoiadores do evento. Na abertura, Rodrigo Correia da Silva, coordenador do Comitê de Saúde e presidente da Câmara, destacou a importância da implementação da AIR - Análise de Impacto Regulatório para desburocratizar o sistema de regulamentação atual, que pode demorar de 2 a 7 anos, dependendo das atividades propostas. Em seguida, Jadir Proença, assessor da Casa Civil e coordenador técnico do PRO-REG (Política Regulatória e Governança), comentou sobre as ações da Presidência para avançar nas ações. Nós ainda somos um país burocrático quando o assunto é abertura de empresas. Para se ter uma noção, estamos no 179 O lugar num ranking mundial de 183 países, afirmou. Ele apresentou ainda dados da última pesquisa Vox Populi (2012) sobre a satisfação dos empresários sobre a regulação no Brasil: 36,1% deles estão insatisfeitos e destacam como ponto negativo do sistema a lentidão/ morosidade nos processos e o excesso de burocracia que eles apresentam. É por isso que vamos adotar a AIR e uma unidade de qualidade regulatória que tenha comunicação direta com o governo federal. Temos excessos de normas no Brasil, seguimos diariamente cerca de 4,6 milhões delas, sendo 200 mil referentes à área tributária. 788 normas são editadas por dia útil no país. Carlos Gouvêa, representante da ABIIS - Aliança Brasileira da Indústria Inovadora em Saúde, destacou a comunicação como fator chave para a redução do tempo nos processos regulatórios. O procedimento poderia ser mais simples se pelo menos Foto: DIVULGAÇÃO O coordenador do Comitê na abertura do evento houvesse interação entre o governo e o público afetado pela regulação, através de consulta pública. Além disso, com as mudanças surgindo, temos que pensar mais no uso da tecnologia. A competitividade gera novas tecnologias que consequentemente geram redução de custos. O seminário foi encerrado pelo diretor da Anvisa na área de Regulamentação Sanitária - DIREG, Renato Porto, que apresentou um breve histórico do processo de regulamentação da Agência desde sua criação até os dias atuais, apresentando um dos projetos novos a serem implementados nos próximos anos. Estamos trabalhando com um modelo de consulta pública que agirá de forma mais rápida, encurtando alguns processos, principalmente os mais burocráticos, que se referem à análise regulatória. Queremos que o despacho inicial para regulação de novos produtos já venha completo, com todas as informações necessárias, incluindo uma análise jurídica, e que ele já vá diretamente para consulta pública e deliberação final. Pretendemos cortar de 12 para 4 etapas. Nov 2013 Jornal do SINDHOSP 5

6 Manchete PLANEJAMENTO E TREINAMEN PARA ATENDIMENTO A CATÁST Era véspera de Natal, há seis anos, quando um incêndio atingiu parte do prédio dos ambulatórios do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, zona Oeste de São Paulo. Além do socorro Fotos: LEANDRO GODOI A médica do HC, Maria Cecília Damasceno eficiente de pelo menos 33 equipes do Corpo de Bombeiros, que se deslocaram até o hospital, o movimento de pacientes era reduzido, por conta da proximidade do Natal. Este conjunto de fatores evitou que o episódio se transformasse numa tragédia, tendo em vista as condições de remoção, socorro e as causa do incêndio propriamente dito. A opinião é de quem vive de perto esses incidentes. Gerenciar catástrofes é a especialidade de Maria Cecília Damasceno, médica do Hospital das Clínicas e responsável pelo plano de catástrofes dos hospitais públicos do Estado. Pegou fogo no centro cirúrgico, que era perto do centro obstétrico. Tivemos que remover as gestantes, principalmente por causa da fumaça. Só não foi uma tragédia porque era véspera de Natal, revela a médica. Ela mesma conta que faltou comando durante a operação, fazendo com que muitos pacientes fossem removidos sem controle, causando depois um enorme tumulto das famílias que buscavam informações. Esse tipo de desencontro pode ser comum em situações de desastre. Principalmente quando o problema acontece dentro de uma instituição hospitalar, ou quando uma enorme quantidade de vítimas precisa ser atendida, por conta de algum acidente de grandes proporções. Esta foi a abordagem do Seminário Catástrofes: Prevenção e Gestão de Riscos para ao Prestadores de Serviços em Saúde, realizado pelo SINDHOSP e pela Fehoesp e organizado pelo Instituto de Ensino e Pesquisa na Área da Saúde (IEPAS), no início de novembro, em São Paulo. Para o presidente do IEPAS, José Carlos Barbério, este assunto é de suma importância para os prestadores de serviços em saúde, principalmente para os que atuam em São Paulo. Para uma cidade dinâmica, pensar em riscos e acidentes deve ser uma obrigação, afirmou. Ele ressaltou o trabalho desempenhado pelo departamento Jurídico do SINDHOSP e da Fehoesp, que tem se debruçado sobre as questões relacionadas à segurança e saúde há alguns anos, trazendo resultados importantes para o segmento. Já o vice-presidente do SINDHOSP e da Fehoesp, Luiz Fernando Ferrari Neto, lembrou da relação do tema com a segurança do paciente. Se não pensarmos em gestão de risco, colocaremos o paciente em risco, disse. Estiveram presentes ainda a superintendente Jurídica do SINDHOSP, Eriete Dias Ramos Teixeira, e a advogada Lucineia Nucci, que coordenou os debates. A importância de treinamento constante ficou evidente durante o evento. Todos os especialistas convidados reforçaram a tese de que é preciso preparar as equipes para o inesperado, tanto as que atuam dentro do hospital e que integram as brigadas de incêndio, quanto os bombeiros, que muitas vezes precisam de orientação específica para remover pacientes de UTI, por exemplo. Segundo Maria Cecília Damasceno, a Secretaria Estadual de Saúde tem feito treinamentos constantes, com o Corpo de Bombeiros, para remoção em UTIs. No caso de um incêndio dentro de um hospital, o doente que está na UTI, com ventilação mecânica, é o último a ser removido. Nessa hora, pode ser que não exista mais equipe de apoio para ajudar. Por isso os bombeiros têm que treinar e saber como retirar um paciente em estado grave, ou com baixa possibilidade de locomoção, disse. Para o coronel do Corpo de Bombeiros, Valdeir Rodrigues Vasconcelos, o treinamento é importante, mas não é tudo. O Corpo de Bombeiros do Estado de São Paulo não tem todo este contingente para atender emergências e remoção em UTIs. Pode ser que não chegue a tempo. Portanto, recomendo que façam o treinamento de seus brigadistas para atuarem em emergência, já que o tempo pode ser fatal. É preciso treinar a mente para situações de emergência e seguir à risca o plano de contingência, afirmou. A existência deste plano de contingência é fundamental. Carlos Alberto Cassiavillani, coordenador de Segurança do Trabalho da Superintendência de Recursos Humanos do Hospital Samaritano de São Paulo, contou o caso real de incêndio, vivido há quatro anos pela instituição. E mostrou a importância de um plano elaborado previamente. O fogo, iniciado nas obras de expansão, não chegou a atingir o hospital, mas a fumaça produzida por ele, sim. A fumaça, segundo especialistas, mata quatro vezes mais do que o fogo. Coincidentemente, o incêndio ocorreu no mesmo dia e hora em que uma simulação de incêndio seria realizada em determinada área assistencial do Samaritano. A prática da simulação, segundo Cassiavillani, acontece periodicamente em todos os setores. A coincidência acabou atrapalhando a comunicação do incêndio real. Ninguém acreditava que estava pegando fogo. E, para piorar, utilizamos fumaça cinematográfica em O presidente do IEPAS, José Carlos Barbério; a superintendente Jurídica do SINDHOSP, Eriete Teixeira, e o diretor da FEHOESP e do SINDHOSP, Luiz Fernando Ferrari Neto, abrem o evento nossos simulados, ressaltou Cassiavillani. O incêndio se iniciou no pavimento em obra, no subsolo, e se alastrou até o sexto andar do edifício em construção. Embora não tenha feito vítimas - os operários saíram rapidamente do local antes que o fogo se alastrasse - a fumaça entrou pela janela da ala pediátrica do hospital, causando pânico entre pacientes. Imagine se você está acompanhando seu filho numa internação e recebe a ligação de alguém dizendo que viu, na TV, que o hospital está pegando fogo, indagou. Segundo o especialista, a situação foi controlada e contornada graças à impecável atuação da equipe de enfermagem, que conseguiu conter o 6 Jornal do SINDHOSP Nov 2013

7 Manchete TO SÃO ESSENCIAIS ROFES nervosismo das famílias em torno da fumaça e dos boatos. O incêndio propriamente dito foi contido em cerca de vinte e cinco minutos. Os prejuízos contabilizados giraram em torno de R$ 350 mil, mas não houve feridos. Já a engenheira Laureen Panadés, supervisora de Segurança do Trabalho da Rede D or São Luiz, apresentou sua experiência em situações de simulação. Reafirmou a importância do envolvimento de todos - brigada, equipe assistencial, pessoal administrativo e da diretoria - para o sucesso de um evento deste porte. Laureen relatou o caso de simulação de incêndio com abandono de local na maternidade do hospital, e outro no centro cirúrgico. Um plano de incêndio precisa existir antes do simulado, para que as equipes saibam o que fazer, para onde ir, e que decisões tomar, destacou. A engenheira elegeu, após a experiência, pontos fortes e fracos da simulação. Um problema apontado foi a forma de abordagem e comunicação com os pacientes. Um ponto forte foi o alto grau de envolvimento das equipes. Segundo o coronel Valdeir, o envolvimento é fundamental, assim como a estreita ligação das equipes com seus pacientes, e o conhecimento sobre quantas pessoas estão internadas, quantas podem se locomover, número de acompanhantes, entre outros elementos. Ano passado, a cidade de São Paulo teve 68 incêndios em favelas. Duas pessoas morreram, um O evento reuniu mais de cem pessoas número extremamente baixo. E sabem o motivo? É que as pessoas das favelas se conhecem. Sabem quem trabalha à noite, quem sai de manhã. Quem tem deficiência, quem tem filho. E os líderes da comunidade, em geral, comandam o plano de abandono, ensinou. Valdeir defendeu o treinamento do brigadista para que seja capaz de apagar pequenos incêndios, antes que se tornem grandes. Também falou sobre a importância de se ter uma brigada de incêndio para cada área específica de um hospital, já que a intimidade com o local de trabalho ajuda na hora do pânico. O fator humano, portanto, é decisivo em situações emergenciais. De nada adianta um bom plano de contingência sem treinamento árduo. Saber o número do bombeiro é o primeiro passo. Pode parecer óbvio, mas eu estava no incêndio do Joelma, e as pessoas ali sequer sabiam para que número discar, refletiu Valdeir. Para Sérgio Amir Arap, gerente do centro cirúrgico do Hospital Sírio-Libanês, o fator humano é a ponta da pirâmide. E duas coisas interferem no fator humano: a capacitação do profissional e a sensibilidade. Esta última pode, inclusive, ser o divisor de águas na tomada de decisão, avaliou. O especialista contou uma experiência que pode ser relativamente corriqueira dentro de um hospital, mas que exige um bom plano de contingência: a manutenção do sistema de gases. O corte iria afetar toda a instituição. Tivemos que traçar um planejamento detalhado para a execução, sempre considerando os riscos residuais, porque não é possível O coronel do Corpo de Bombeiros, Valdeir Rodrigues Vasconcelos ter 100% de acerto. Ainda mais se considerarmos as instalações destinadas ao cuidado da vida, que são muito complexas, contou. Segundo estudos de viabilidade de instalação de um novo hospital, áreas críticas como centro cirúrgico e UTI deveriam ser construídas em andares mais baixos, a fim de facilitar a remoção de pacientes graves. Segundo explicou Maria Cecília Damasceno, a lógica do atendimento pré-hospitalar (no caso de um acidente, por exemplo, em que as vítimas serão socorridas antes de serem levadas ao hospital), os pacientes em estado mais crítico são atendidos primeiro. Já num incidente dentro do hospital, retiramos os mais graves por último. Quem está em ventilação mecânica, na UTI, vai precisar de ajuda. E quanto mais fácil for o acesso deste local ao andar térreo, melhor, afirmou. Esta compatibilização do projeto arquitetônico dos hospitais, no entanto, nem sempre é possível, já que muitas instituições funcionam em construções antigas e projetadas sem levar em conta um plano de contingência. A Rede D or São Luiz é um exemplo de inovação em São Paulo, já que algumas de suas unidades têm sido adaptadas a estes e outros parâmetros, como a possibilidade especial de remover os pacientes acamados em seus próprios leitos. Temos capacidade de fazer o transporte horizontal e praticamos isso durante os simulados. Só realmente se houver necessidade é que existiria um abondono vertical, garantiu a engenheira Laureen Panadés. Fora dos hospitais, o atendimento a tragédias também precisa ter um bom comando, planejamento, mas, sobretudo, preparo para ocorrências impensáveis. O evento pode ser traumático, como um grande acidente com muitas vítimas, ou epidemiológico, como uma epidemia de dengue. Sabemos que o pico de entrada de pacientes, após um grande acidente, é de uma hora depois. Nesse caso a emergência hospitalar mais próxima deve estar preparada, contou a médica Maria Cecília Damasceno. No trágico acidente da boate Kiss, em Santa Maria (RS), o envolvimento das equipes médicas para dar conta dos feridos sensibilizou o país. Uma grande falha de comunicação, no entanto, passou despercebida. Domingo à tarde, o Faustão convocou o país, em rede nacional, a doar sangue em prol das vítimas do incêndio. Acontece que nenhum banco de sangue tinha capacidade para armazenar as doações. E as vítimas não precisavam de sangue, mas de antídoto, de respirador. Nessas horas, quem tem que vir a público pedir sangue não é o Faustão, é a Fundação Pró-Sangue. Daí a importância de uma boa comunicação, de uma assessoria de imprensa integrada e de conhecimento, finalizou a representante da SES. Nov 2013 Jornal do SINDHOSP 7

8 Em dia HOSPITAIS BRASILEIROS PRECISAM INOVAR Para transformar a saúde no Brasil e na América Latina, é preciso repensar a forma como os hospitais estão sendo administrados. O modelo antigo e departamentalizado do passado não serve mais aos nossos estabelecimentos de saúde, nem aos públicos e nem aos privados. Esta foi a principal lição deixada pelos palestrantes do seminário A Profissionalização da Administração Hospitalar, realizado em 4 Michael Porter de novembro pelo jornal Valor Econômico em parceria com a Philips, no Hotel Hilton, na Capital paulista. O guru da administração, Michael Porter, foi o convidado de honra. Ele é professor do Instituto de Estratégia e Competividade da Harvard Business School e sabe do que está falando quando o assunto é concorrência. Ele é um dos autores mais respeitados do mundo no que diz respeito à gestão, e resolveu se debruçar sobre o setor de saúde ao escrever o livro Repensando a Saúde, lançado há alguns anos. A lógica de funcionamento do segmento, para Porter, é o inverso do que deveria ser. Segundo ele, os hospitais se organizam por áreas definidas pelas especialidades médicas, sem levar em conta o que a concorrência oferece e o real problema do paciente que chega precisando de atendimento. A divisão tradicional não cria valor, jogando o paciente de uma área para outra, afirmou. Ele defende o que chama de Integrated Practice Units (IPU), que nada mais é do que a especialização do atendimento. Hoje é impossível ser bom em tudo, disse. Sua ideia, que já é realidade em países como Estados Unidos, Alemanha e Suécia, foi ratificada pelo professor do departamento de Administração da FEA-USP, Marcelo Caldeira Pedroso. Ele também defende que a saúde atue mediante know-how, o que traz ganhos de eficiência e produtividade. Empresta da administração o conceito da economia de escopo, que menciona a capacidade de uma empresa em diversificar. Pedroso citou o exemplo do Hospital Canadense Shouldice, especializado em cirurgias de hérnia. Eles apresentam taxa de sucesso de 99,5%, e menores custos comparativamente aos hospitais gerais, disse. O custo total por tempo de permanência no Shouldice é de US$ 2.300, contra US$ em um hospital geral, segundo Caldeira. Michael Porter também apresentou dados que comprovam a eficiência de centros especializados. Na Alemanha, por exemplo, hospitais tradicionais e não especializados contam com mortalidade média de bebês prematuros com menos de 26 semanas na casa dos 33%. Nas IPUs, este índice cai para 15%. As sequelas que acometem pacientes com câncer de Foto: RAFAEL CUSATO próstata também mostram que o tratamento num centro que possui expertise em determinada doença pode fazer a diferença. Em geral, a sobrevivência dos pacientes atendidos em IPUs e os atendidos em sistema tradicional é a mesma, de 95%. Mas quando checamos aqueles que ficaram com disfunção erétil severa, os pacientes dos hospitais tradicionais alcançaram índice de 75%, contra 17,4% nas IPUs, afirmou. A chamada especialização, no entanto, não significa a divisão física dos serviços. Hospitais como Albert Einstein e Hospital das Clínicas da FMUSP seguem a especialização por meio de institutos e serviços especializados, mantendo a estrutura de hospital de grande porte. Esta, aliás, é uma peça fundamental para a sobrevivência das instituições. Segundo Marcelo Caldeira Pedroso, no Brasil a maioria dos hospitais (88%) possui até 150 leitos, o que é péssimo para os ganhos de escala. A economia de escala ocorre quando a empresa obtém maior eficiência como resultado do aumento do volume de produção de um determinado produto ou serviço. Em hospitais, a quantidade de leitos pode ser associada ao volume de produção, afirmou. Nos Estados Unidos, segundo ele, os 23 maiores hospitais possuem mais de mil leitos e existem mais de 100 hospitais que possuem acima de 670 leitos. No Brasil, são poucos os hospitais com mais de 500 leitos. Entre os maiores, estão o HC, com leitos, a Santa Casa de Porto Alegre com 1,2 mil, e a Beneficência Portuguesa, com leitos. Para melhorar o desempenho das organizações hospitalares, a estratégia de crescimento é relevante. Mas é imperativo que a estratégia de expansão não seja uma iniciativa isolada e seja concomitante à melhoria na eficiência operacional. Do contrário, corre-se o risco de ampliar a ineficiência, alertou. Na opinião de Gonzalo Vecina Neto, superintendente do Hospital Sírio-Libanês, a eficiência está ligada, cada vez mais, a uma abordagem intersetorial da administração hospitalar. A eficiência hoje é o nome do jogo. Não há mais filantropia. Até os anos 80 existiam grandes doadores, e o último deles foi Antonio Ermírio de Moraes, disse. A violência no trânsito, que mata e incapacita, é um exemplo de como um problema social invade a esfera da saúde, ampliando os seus custos. Como gerir este problema dentro de uma instituição hospitalar é um desafio para poucos, na visão de Vecina. O administrador, portanto, não precisa ser médico, mas tem que entender de medicina, de contabilidade e de pessoas. Numa visão global, perante o mercado, o Brasil ocupa posição desfavorável quando o assunto é competitividade. Segundo Luiz Carlos Di Serio, professor da Fundação Getúlio Vargas, fatores como excessiva regulação fiscal, burocracia, regulamentação trabalhista restritiva, corrupção, força de trabalho mal qualificada e capacidade insuficiente para inovação atrapalham o crescimento de todos os setores produtivos, inclusive o da saúde. A estrutura inadequada de funcionamento do Sistema Único de Saúde colabora para a piora da eficiência. O SUS segue uma dinâmica departamentalizada. O paciente chega ao pronto-socorro, passa pela triagem, realiza o atendimento, recebe uma indicação de exame, entra para a fila do exame, realiza o exame, passa pelo clínico geral, recebe encaminhamento para o especialista, enfrenta nova fila, passa com o especialista, realiza novos exames, nova fila, novo retorno, exemplificou. Em sua opinião, a tendência do mercado global segue um modelo pouco hierárquico, o avesso do que acontece no Brasil. Di Serio citou o sistema Lean, uma solução que nasceu da produção da Toyota, aplicada ao setor saúde. A proposta, importada para os hospitais, considera o paciente o ponto central do atendimento, busca eliminar a redução no tempo de espera, aumento da qualidade, redução de custos, aumento da motivação dos funcionários e da satisfação do cliente, além de combater desperdícios. Nada mais atual. Através de um mapeamento integral de todo o processo de atendimento desde a entrada do paciente no hospital até o recebimento da conta fechada -, o estabelecimento rastreia seus problemas e busca soluções para saná-los. O Hospital Sírio-Libanês é um dos brasileiros que 8 Jornal do SINDHOSP Nov 2013

9 Em dia E CRESCER já implantou o sistema, e conseguiu melhorar seus níveis de eficiência em diversos quesitos, como redução de 30% nas glosas. Nos Estados Unidos e Reino Unido, são exemplos bem-sucedidos de utilização do sistema Lean o Virginia Mason Medical Center e o Royal Bolton Hospital, respectivamente. Um dos grandes desafios do Brasil, no entanto, é driblar a imensa desigualdade regional. Segundo Ana Maria Malik, professora adjunta e pesquisadora da Fundação Getúlio Vargas, as diferenças estão em toda parte, inclusive na gestão. Somos quase sete mil hospitais, temos apenas 203 acreditados pela ONA, que é uma das certificadoras que atuam no país. Destes, 70% estão no Sudeste, contra 4% no Norte, exemplificou. A faceta multiprofissional da atividade também contribui para as dificuldades de gestão, já que dentro de um hospital convivem diversos mundos, nem sempre de maneira harmoniosa. São profissionais de diferentes níveis, há assimetria de informação e dificuldade de comunicação, avaliou. Uma das chaves para a melhoria dos processos é a tecnologia, cujo mercado está sendo amplamente explorado por gigantes do setor, como a Philips Healthcare. A companhia possui softwares de gestão implantados em mais de 600 hospitais brasileiros. Temos os equipamentos de radiologia e conseguimos saber por meio dos softwares quantos exames o paciente realizou. Como as pessoas não devem ser expostas muitas vezes a esse tipo de procedimento, transformamos a informação em inteligência, disse Vitor Rocha, vice-presidente sênior da Philips Healthcare na América Latina. O mundo ideal seria a completa integração de hospitais, e seus softwares. Esta é uma das estratégias propostas por Michael Porter. Mas toca numa questão delicada, que é a concorrência. O especialista defende que, para otimizar custos e dar conta da demanda, grupos de hospitais concorrentes se unam em torno de suas especialidades, para promover este atendimento integrado. A concorrência destrutiva, segundo Porter, não leva as organizações a vencer. E na área da saúde, na qual existe grande desconfiança entre os players, a relação é de soma zero. Você e o concorrente oferecem a mesma coisa e os consumidores acabam escolhendo na base do preço. Mas se você oferece uma coisa e seu concorrente outra, ambos podem ganhar. O sucesso de um não depende do fracasso do outro, disse Porter. SÍRIO-LIBANÊS REALIZA SEMINÁRIO SOBRE ABORDAGEM DA SAÚDE NA IMPRENSA O Hospital Sírio-Libanês realizou, em 29 de outubro, o seminário A comunicação do setor saúde com a imprensa, um evento voltado para jornalistas que debateu a forma como a saúde deve ser abordada na mídia. Paulo de Tarso Abrahão, coordenador geral de Urgência e Emergência do Ministério da Saúde e da Força Nacional do SUS, iniciou o evento, explicando como atuam os órgãos governamentais em casos de catástrofes e epidemias. Montamos o nosso QG em um local próximo ao acidente. Nos unimos às secretarias estaduais e municipais de Saúde, bombeiros, defesa civil e ao governo. Desta forma elegemos o porta-voz das notícias e começamos a pensar em uma estratégia de divulgação do que se passa. É claro que não é uma tarefa fácil, mas fazemos o máximo para sermos ágeis e fiéis aos acontecimentos. Nossa prioridade obviamente é o atendimento aos sobreviventes, explicou. Questionado se não era uma forma burocrática de se tratar as informações, Abrahão citou o caso do incêndio da Boate Kiss, ocorrido em Santa Maria, em janeiro deste ano. Chegamos a uma situação onde a dor e o medo eram palpáveis, as famílias em corrosão emocional e a grande imprensa ansiosa para poder reportar o caso. Nossa obrigação no momento era oferecer todo o suporte aos sobreviventes e às famílias que perderam seus entes queridos. Naquela ocasião, fizemos o que já é de praxe: primeiramente os sobreviventes, em segundo lugar as famílias e, em terceiro, a divulgação das notícias em formato de boletins e coletivas de imprensa. Coube ao médico oncologista e membro do corpo clínico do Sírio, Drauzio Varella, em conjunto com a editora-chefe do programa Bem Estar da TV Globo, Patrícia Carvalho, abordar o desafio da linguagem e como passar informações com qualidade para o grande público. Antes o médico precisava de autorização do CRM para dar entrevista à imprensa. Na minha primeira entrevista não gostei nem da minha voz, disse Varella. Hoje sabemos que as mensagens devem ser breves e objetivas. Não adianta usar termos técnicos. Temos que ser uma espécie de médico de família, falar pra dona de casa, pro senhor sentado no sofá após o almoço de domingo, falar para leigos. É claro que também devemos estudar antes o assunto. Faço questão de me dedicar a novas descobertas quando sou pautado pela TV ou outro veículo, finalizou. Para Patrícia Carvalho, o maior desafio é fazer com que as pessoas se prendam à televisão, principalmente no horário em que o programa vai ao ar (9h da manhã). Sabemos que a maioria do nosso público ou está ouvindo ou está vendo a TV. Uma pequena minoria e bem pequena mesmo está concentrada em ambas as coisas, então decidimos durante as reuniões de pauta que exemplificar muito alguma coisa requer muita propaganda anterior em cima do programa. O melhor a fazer é ser sucinto, claro e coeso. A informação vem com qualidade, com impacto apelativo na maioria das vezes, para que a pessoa continue prestando atenção independente das tarefas que estão sendo realizadas. Finalizando o evento, Antônio Carlos Onofre de Lira, diretor técnico-hospitalar e Patrícia Suzigan, gerente de Comunicação e Marketing, ambos do Sírio, falaram sobre os procedimentos do hospital para preservar a intimidade e privacidade de pacientes notórios. A decisão é toda do paciente e, em casos onde ele infelizmente não pode responder por si próprio, da família ou amigos mais próximos. Respeitamos a vontade deles e de suas assessorias. Sugerimos coletivas, abrimos nossos espaços para que a imprensa possa estar ciente dos casos, mas tudo isso só vai efetivamente acontecer se o paciente quiser, completou Drauzio Varella falou sobre o desafio da linguagem Onofre Lira. Foto: DIVULGAÇÃO ASSESSORIA SÍRIO-LIBANÊS Nov 2013 Jornal do SINDHOSP 9

10 Artigo A ARTE DE SOBREVIVER Já estamos próximos das festas de final de ano, e podemos refletir como 2013 passou rápido. A cada ano sentimos que o tempo urge, e que as 24 horas diárias são insuficientes para tantos compromissos profissionais, familiares e acompanhamento dos acontecimentos políticos, econômicos, policiais e sociais (estes desde junho em ebulição) do nosso Brasil, e por que não do mundo. A luta pela sobrevivência é diária, e torna-se desanimadora, quando falamos do relacionamento com as operadoras, e por que não, indiretamente com a própria Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS. Neste caso vou usar uma expressão que por si só é clara: estamos enxugando gelo. A Instrução Normativa - IN 49 teve início em maio do ano passado e até o momento a maioria dos prestadores não sentiu nenhum efeito positivo. Mas as orientações nela contidas foram aproveitadas totalmente pelas nossas parceiras da melhor forma possível, para elas próprias, como sempre ocorre. Os prestadores receberam, e ainda recebem, minutas ou aditivos contratuais com percentuais de índices de reajuste unilaterais e vergonhosos que, transformados em reais, resultam em um reajuste de centavos. Os nossos compradores de serviços condicionam os possíveis reajustes à acreditação das entidades, à apresentação da média evolutiva do número de atendimentos prestados aos usuários e a outros fatores, como custos. Observamos também cláusula contratual com o perdão dos débitos existentes da operadora com o seu credenciado. Também há casos de planos que utilizaram uma forma prejudicial quanto ao aniversário do contrato e a sua data de reajuste. Está explicitado que os reajustes serão a cada 12 meses, porém, haverá inicialmente uma livre negociação, e caso não haja consenso, deverá ser aplicada uma das formas constantes na IN 49. No entanto, as operadoras aplicarão o acordado somente após 60 ou 90 dias (conforme a operadora) do aniversário do contrato. Isto representa que não serão mais os 12 meses, mas 14 ou 15 meses, ou seja, deixarão de pagar um ano de reajuste a seus referenciados a cada 6 ou 4 anos, respectivamente. Imaginem o quanto representa esta quantia no final destes anos todos. E muitos prestadores assinaram sem ler atentamente e entender esse conteúdo. A ANS deve rever o processo de contratualização ou recontratualização, com uma nova norma que contemple as necessidades dos prestadores de serviços. Teremos em 2014 mais avanços para os usuários, com a vigência do novo Rol de Procedimentos Médicos, (Resolução Normativa 338, de 21/10/13), incluindo 87 novos serviços, entre eles 37 medicamentos para terapia medicamentosa oral para tratamentos oncológicos, 50 novos exames, consulta fisioterápica, ampliações de sessões de fonoaudiologia, nutrição e inclusões em psicologia e terapia ocupacional e cirurgias (28 por videolaparascopia). Vale salientar também que o Rol de Procedimentos Odontológicos foi ampliado. Não devemos esquecer que haverá um custo para estes avanços, o qual somente será conhecido no final de 2014 para, então, e se for o caso, compor o reajuste dos planos em Como já estava previsto desde outubro de 2012, através da RN 305, as operadoras de planos de saúde e os prestadores de serviços teriam a obrigatoriedade da implantação da nova TISS Troca de Informações da Saúde Suplementar, bem como também da TUSS Terminologia Unificada da Saúde Suplementar até 30/11/13, através das versões e Mas, em outubro passado, devido à solicitação da maioria das entidades participantes do COPISS, a Diretoria Colegiada da ANS alterou a data da implantação das novas TISS e TUSS para até 31/05/14, e aproveitou a oportunidade para substituir as versões anteriores de ambas pela nova versão Cabe ressaltar que esta nova versão da TUSS, além dos procedimentos médicos que já são do nosso conhecimento, disponibilizará tabela de diárias, taxas e gases medicinais (esta abrangendo algo em torno de 3600 códigos), além das tabelas de medicamentos, materiais, materiais especiais, próteses e órteses, bem como outras com códigos para dar suporte às novas guias da TISS, tais como, por exemplo, solicitações de tratamentos de quimioterapia e radioterapia. Não devemos esquecer de fazer uma lição de casa muito importante: antes do início desta nova versão da TUSS, o ponto mais importante para as clínicas, serviços de SADT que tenham salas de exames, hospitais gerais, especializados e day-hospital: negociar JÁ com as operadoras o seu DE/PARA de diárias, taxas, gases e pacotes, ou, se for o caso, negociar o DE/PARA preparado pelas operadoras, pois algumas já iniciaram o envio das suas propostas. Para uma correta negociação, temos que ter certeza absoluta dos valores que iremos propor, pois devem ser baseados no que demonstram as planilhas de custos. Sem custos corretos e confiáveis será difícil negociar corretamente. Sendo assim, não devemos postergar o andamento e a implantação da TISS e da TUSS em nossas entidades, pois na última hora as operadoras virão pressionando com os seus preços aviltantes. Acreditação dos hospitais, clínicas e serviços auxiliares de diagnose e terapia é mais que uma Foto: NEUZA NAKAHARA Danilo Bernik coordenador do departamento de Saúde Suplementar do SINDHOSP obrigação e deve ser encarada como sobrevivência, pois a própria ANS está obrigando as operadoras a divulgarem nos manuais (impressos ou eletrônicos) os seus credenciados indicando, através de ícones, os atributos de qualidade de cada prestador. Esta forma, além de ser um fator de concorrência, também deverá ser um plus para facilitar quando das negociações de reajustes. Noto em propostas de contrato que algumas operadoras estão atribuindo percentuais melhores aos acreditados. Não podemos deixar de destacar outros aspectos, que há operadoras deixando de atuar no mercado, operadoras estrangeiras aportando no Brasil, outras com planos suspensos para vendas pela ANS, operadoras em direção técnica e fiscal, algumas transferindo suas carteiras de planos individuais e familiares e diminuindo cada vez mais as opções dos clientes, pagamentos aos prestadores atrasados e/ou glosados parciais ou totais, negociações de glosas com abatimentos dos valores pendentes, e o pior: apesar dos índices de reajustes anuais que as mesmas recebem dos seus usuários, a remuneração continua minguada e aviltante aos prestadores de serviços. Finalizando, alguns leitores dirão quanta revolução no setor da saúde suplementar. Será que estamos no caminho certo? De que adianta tentar baixar os valores dos planos, aumentar o número de beneficiários atendidos por este sistema, se algumas operadoras não conseguem se sustentar? Devemos sempre nos lembrar de que a qualidade nunca deve ser colocada em jogo, em hipótese alguma e em qualquer segmento do mercado, pois a vida está acima de qualquer ambição empresarial. Feliz Natal e que 2014, além de ano eleitoral, seja um ano com muita SAÚDE e cheio de vitórias, alegrias e conscientizações. 10 Jornal do SINDHOSP Nov 2013

11 Eventos IESS DISCUTE ABSENTEÍSMO E SAÚDE NO TRABALHO SEMINÁRIO DEFENDEU PRÁTICAS DE INCENTIVO NAS EMPRESAS O 3 O seminário Promoção de Saúde nas Empresas, que aconteceu em 15 de outubro no auditório do Hotel Reinassance, organizado pelo IESS - Instituto de Estudos da Saúde Suplementar, abordou a importância de programas de saúde no ambiente de trabalho. Durante a abertura do evento, Luiz Augusto Carneiro, superintende executivo do Instituto, destacou que bons programas de promoção da saúde são capazes de promover melhorias para empregado e empregador. Ambos ganham, é uma troca. Empresas com pessoas saudáveis, dispostas, e empregadores que se preocupam com a saúde de seus funcionários, normalmente mostram ótimos retornos financeiros. Convidado para a primeira apresentação, Alberto Ogata, coordenador do Laboratório de Inovação Social da OPAS/ ANS e presidente da ABQV - Associação Brasileira de Qualidade de Vida, reforçou a fala de Carneiro. Um departamento de RH engajado, juntamente com uma equipe focada na saúde do trabalho, podem fazer do clima organizacional um ambiente extremamente positivo. Podemos reparar que pessoas que gostam daquilo que fazem são mais felizes, mais saudáveis, afirma. Ogata mencionou também que a maioria das empresas não consegue controlar seu índice de absenteísmo porque não se prepara para lidar com a saúde no trabalho. Muita gente vê o absenteísmo como ameaça, mas temos que vê-lo como uma oportunidade de mudança. Se podemos controlar quais pessoas são mais propensas a determinadas doenças dentro da nossa organização, vamos saber quando elas podem potencialmente ser afastadas por determinadas causas. Após a apresentação houve debate de ideias e sugestões, mediado pelo jornalista da TV e Rádio Bandeirantes, Ricardo Boechat. Participaram também Stela Gradim, gestora da área de Qualidade de Vida do Trabalhador, da Egesa Engenharia; Wagner Codinhoto, gerente de Saúde, Ambiente e Segurança da Caterpillar Brasil; e Alberto Ogata. Perspicaz nos comentários e questionamentos, Boechat parabenizou o IESS pela iniciativa e se mostrou surpreso com tantas ações para melhorar a saúde do trabalhador. É com muito prazer que escuto essas ideias e aqui aprendi muito sobre coisas que até então eram desconhecidas pra mim. E ainda brincou: Vou comunicar a Bandeirantes a respeito, viu?. Gradim comentou sobre o alto índice de satisfação dos empregados da Egesa após a criação do programa de saúde na empresa. Fazemos campanhas, espalhamos ideias e dicas sobre como ser mais saudável, cuidar mais de você mesmo. Deixamos o ambiente de trabalho menos engessado e mais confortável. Oferecemos terapia quando necessário. Posso olhar para o meu pessoal e dizer que pra eles, pelo menos em relação à saúde, está tudo bem. Codinhoto também falou sobre as ações na Caterpillar, destacando o envio de SMS para os funcionários como a principal arma de propagação de informações saudáveis. Nem todos os empregados estão na frente do computador, mas pelo menos 99% deles estão perto de um celular e recebem as informações. A segunda parte do evento teve como palestrante Michael O Donnel, fundador, presidente e editor chefe do American Journal of Health Promotion, uma publicação que destaca ações de empresas para melhorar a qualidade de vida dos Foto: DIVULGAÇÃO Um dos debates promovidos durante o seminário funcionários. Através de um boletim nomeado de Hero Scorecard, O Donnel faz a mensuração dos indicadores de qualidade da saúde de uma empresa perante as outras organizações do mesmo segmento e, a partir daí, oferece ideias que podem ajudar no sucesso do programa. Fazemos um planejamento minucioso e estratégico do que queremos. Colocamos metas, contratamos equipes capacitadas e, através de análises qualitativas e quantitativas, direcionamos a empresa em busca dos resultados. GUIA DE SAÚDE SUPLEMENTAR O IESS distribuiu aos participantes do evento o Guia de Saúde Suplementar IESS 2013, publicação que aborda a saúde no Brasil, números e desafios do setor privado, direitos e responsabilidades do beneficiário, além de explicar de forma clara e objetiva como funcionam os planos de saúde. Chama atenção o panorama de gastos da saúde suplementar ao longo dos anos, que crescem mais que os índices gerais de preço ao consumidor no mundo todo. A justificativa para tal fato vem de três fatores determinantes: a incorporação de novas tecnologias, o envelhecimento da população e o desperdício. Segundo estimativa do IESS, os gastos do setor de saúde suplementar no Brasil devem ultrapassar a marca dos R$ 80 bilhões em 2030, de acordo com valores calculados no ano de 2010, isso somente com a mudança no perfil populacional, com 19% de pessoas idosas. Já com o desperdício, estudos realizados nos Estados Unidos apontam que falhas assistenciais e na formação de preços de procedimentos e medicamentos consomem de U$$ 5 bilhões a U$$ 36 bi da saúde norte-americana. Projeção dos gastos com assistência à saúde e do número de beneficiários (em milhões) na saúde suplementar, em 2010, 2030 e 2050 Ano Gasto total (R$ bi) (em valores de 2010) nº beneficiários (em milhões) ,2 43, ,1 87,6 51, ,7 117,5 51,3 Variação ,4% 48,0% 16,4% Variação ,9% 98,5% 14,6% Fonte dos dados básicos: amostra de autogestão e de planos individuais. Valores em R$ de Elaboração: IESS. Nov 2013 Jornal do SINDHOSP 11

12 Em dia GRHOSP CHEGA AOS 19 COM NOVOS DESAFIOS O Grupo de Recursos Humanos do SINDHOSP (GRHosp) completou 19 anos em outubro e desde que foi criado, em 1994, vem contribuindo para a melhora da gestão de pessoas nas empresas de saúde. À frente da comissão desde sua criação, o consultor de Gestão Empresarial, Nelson Alvarez, comentou que os objetivos iniciais do grupo era congregar os gestores de RH das instituições associadas e buscar maior união, consenso e uniformização. Mas o grupo foi além. Da reunião de profissionais da área juntamente com a colaboração do departamento Jurídico do SINDHOSP, a comissão passou a atuar como um fio condutor em questões dúbias trabalhistas e sobre legislação, contribuindo para a redução de riscos e modernização do processo de gestão de pessoas. É muito bom ver a nova geração de gestores que surgiu a partir da criação do GRHosp, destacou. Ao longo dessas quase duas décadas, foram muitas as contribuições do grupo para os estabelecimentos de saúde. Uma delas foi a Comissão de Negociação que, a partir da troca de informações, organização e experiência dos profissionais, focou em atender a base sindical com suas diferenças e particularidades, incluindo o Interior do Estado. A partir daí o cenário foi outro. Conquistamos credibilidade no processo negocial, disse Alvarez. Outra contribuição do GRHosp foi o surgimento do grupo que reúne profissionais das áreas de Segurança Ocupacional e Medicina do Trabalho, um segmento que estava em desenvolvimento nas organizações de saúde. Essa comissão, que conta com a colaboração da advogada do departamento Jurídico do SINDHOSP, Lucinéia Nucci, atua nas consultas públicas e auxilia na gestão dos recursos humanos das entidades. Mais um feito da Grupo de RH foi trazer para o Sindicato o Selmed (Grupo de Seleção de Saúde) e incentivar para que o Grupo Informal de Salário dos Hospitais (Gisah) deixasse de ser somente um grupo de pesquisa. No SINDHOSP esses dois grupos tornaram-se mais fortes e ampliaram seus escopos, além de terem um local adequado para as reuniões mensais, comentou Alvarez. Apesar do balanço positivo da atuação do Grupo de RH, Alvarez acredita que é chegado o momento de dar um passo adiante. A área da saúde tornou-se mais atrativa para os profissionais de RH, mas vejo que ainda faltam investimentos e mais espaços para articulações. Temos que nos unir na busca por soluções mais eficazes, alertou. Ele disse ser importante entender que gerir recursos humanos nas entidades é um conjunto de ações e que alguns setores de RH, que normalmente são muito técnicos, precisam contribuir para a gestão da empresa, buscando ser o fiel da balança entre capital e trabalho. Para 2014, Alvarez acredita que as metas serão ainda mais desafiadoras para as empresas. Acredito que deva ser um ano bastante conturbado em termos de legislação e negociações. Vamos nos preparar para comemorar os 20 anos, contando com o apoio da diretoria do SINDHOSP e dos gestores. Certamente este conjunto de atores fez a diferença nesses 19 anos, concluiu. 12 Jornal do SINDHOSP Nov 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

Avaliação dos planos de saúde no estado de São Paulo

Avaliação dos planos de saúde no estado de São Paulo Artigo original Avaliação dos pl de saúde no estado de São Paulo Jorge Carlos Machado-Curi I, Tomás Patricio Smith-Howard II, Jarbas Simas III, Marcos Eurípedes Pimenta IV, Paulo Manuel Pêgo-Fernandes

Leia mais

PLANOS DE SAÚDE. O que é preciso saber?

PLANOS DE SAÚDE. O que é preciso saber? PLANOS DE SAÚDE O que é preciso saber? Queridos amigos, Estamos muito felizes por concluir a nossa segunda cartilha sobre direitos atrelados à saúde. Este trabalho nasceu com o propósito de levar informações

Leia mais

APRESENTAÇÃO UNIHOSP SAÚDE S/A CNPJ: 01.445.199/0001-24 Rua Campos Sales, 517 Centro Santo André - SP MANUAL DE ORIENTAÇÕES AO CREDENCIADO

APRESENTAÇÃO UNIHOSP SAÚDE S/A CNPJ: 01.445.199/0001-24 Rua Campos Sales, 517 Centro Santo André - SP MANUAL DE ORIENTAÇÕES AO CREDENCIADO APRESENTAÇÃO UNIHOSP SAÚDE S/A CNPJ: 01.445.199/0001-24 Rua Campos Sales, 517 Centro Santo André - SP MANUAL DE ORIENTAÇÕES AO CREDENCIADO Este manual visa esclarecer as regras e normas para o serviço

Leia mais

TEM QUE MELHORAR MUITO

TEM QUE MELHORAR MUITO Confira gráficos, tabelas, críticas e sugestões sobre o convênio médico na ZF revelados em levantamento feito pelo Sindicato Comprovado: convênio médico na ZF TEM QUE MELHORAR MUITO Um levantamento feito

Leia mais

ÍNDICE. - 1 Guia Padrão TISS Versão 3.01.00

ÍNDICE. - 1 Guia Padrão TISS Versão 3.01.00 ÍNDICE TÓPICO PAG. 1 Apresentação... 2 2 Definição do Padrão TISS... 3 3 Objetivo do Padrão TISS... 3 4 Guias (formulários) do Padrão TISS... 3 5 Preenchimento das Guias do Padrão TISS... 4 Guia de Consulta...

Leia mais

Avaliação dos planos e seguros saúde

Avaliação dos planos e seguros saúde 1 Avaliação dos planos e seguros saúde Estado de São Paulo Agosto/2012 Objetivo 2 Conhecer a opinião dos usuários de planos ou seguros de saúde do Estado de São Paulo, investigando a utilização dos serviços

Leia mais

TISS 3.01.00 CARTILHA. 1. Divulgação 3.01.00 - CNU/ANS. 2. Material TISS 3.01.00. 3. Componentes da TISS 3.01.00

TISS 3.01.00 CARTILHA. 1. Divulgação 3.01.00 - CNU/ANS. 2. Material TISS 3.01.00. 3. Componentes da TISS 3.01.00 1. Divulgação 3.01.00 - CNU/ANS CARTILHA TISS 3.01.00 2. Material TISS 3.01.00 3. Componentes da TISS 3.01.00 4. Rotina Operacional Central de Atendimento Autorização 5. Rotina Operacional Contas Médicas

Leia mais

ÍNDICE. - 1 Guia Padrão TISS Versão 3.02.00

ÍNDICE. - 1 Guia Padrão TISS Versão 3.02.00 ÍNDICE TÓPICO PAG. 1 Apresentação... 2 2 Definição do Padrão TISS... 3 3 Objetivo do Padrão TISS... 3 4 Guias (formulários) do Padrão TISS... 3 5 Preenchimento das Guias do Padrão TISS... 4 Guia de Consulta...

Leia mais

Pesquisa da relação entre. médicos, dentistas e fisioterapeutas. com planos de saúde

Pesquisa da relação entre. médicos, dentistas e fisioterapeutas. com planos de saúde Pesquisa da relação entre médicos, dentistas e fisioterapeutas Abril / 2013 Objetivo Conhecer a opinião dos médicos especialistas, cirurgiões-dentistas e fisioterapeutas sobre a relação com os planos ou

Leia mais

Divulgação Novo TISS 3.02.00

Divulgação Novo TISS 3.02.00 Manual TISS 3.0.00 Índice Tema Introdução Conteúdo e Estrutura Guia de Consulta Legenda Guia de Consulta Guia SP SADT Legenda Guia SP SADT Guia Solicitação de Internação Legenda Guia Solicitação de Internação

Leia mais

REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E OS PRESTADORES DE SERVIÇOS E A GARANTIA DA QUALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE

REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E OS PRESTADORES DE SERVIÇOS E A GARANTIA DA QUALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO - EAESP FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV REGULAÇÃO E QUALIDADE NO SETOR DE SAÚDE SUPLEMENTAR REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E

Leia mais

Gestão da Comunicação em Situações de Crise no Ambiente Médico-Hospitalar

Gestão da Comunicação em Situações de Crise no Ambiente Médico-Hospitalar Gestão da Comunicação em Situações de Crise no Ambiente Médico-Hospitalar Sumário Prefácio: Os hospitais não são essenciais Introdução: O sistema hospitalar mudou, mas continua o mesmo! Imagem pública

Leia mais

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos Gestão Foto: dreamstime.com Longo caminho Medida da ANS inicia discussão sobre a oferta de medicamentos ambulatoriais para doentes crônicos pelas operadoras de saúde Por Danylo Martins Acontece no mundo

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014

Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014 Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014 1 Mercado de Planos de Saúde Impactado por 5 Tendências E o Mercado? Continuará a Crescer? 5 Usuário

Leia mais

LUTA MÉDICA ENTREVISTA: JORGE SOLLA Entrevista publicada na Revista Luta Médica nº 02 (janeiro/fevereiro de 2007)

LUTA MÉDICA ENTREVISTA: JORGE SOLLA Entrevista publicada na Revista Luta Médica nº 02 (janeiro/fevereiro de 2007) LUTA MÉDICA ENTREVISTA: JORGE SOLLA Entrevista publicada na Revista Luta Médica nº 02 (janeiro/fevereiro de 2007) Médico Pesquisador do Instituto de Saúde Coletiva (ISC) da Universidade Federal da Bahia.Ex-Coordenador

Leia mais

Veja abaixo algumas perguntas e respostas que poderão esclarecer suas dúvidas sobre a RN 259/268

Veja abaixo algumas perguntas e respostas que poderão esclarecer suas dúvidas sobre a RN 259/268 Veja abaixo algumas perguntas e respostas que poderão esclarecer suas dúvidas sobre a RN 259/268 1) O que é a Resolução Normativa - RN 259/268? A RN 259, alterada pela RN 268, com vigência a partir do

Leia mais

Relato Reunião COPISS Coordenador 19 de abril de 2012, 52ª reunião ANS, Rio de Janeiro 9h00 às 17h00

Relato Reunião COPISS Coordenador 19 de abril de 2012, 52ª reunião ANS, Rio de Janeiro 9h00 às 17h00 Relato Reunião COPISS Coordenador 19 de abril de 2012, 52ª reunião ANS, Rio de Janeiro 9h00 às 17h00 1 Resumo e considerações* A reunião apresentou bastante debate, e deliberações importantes. Alguns pontos

Leia mais

LEI 13003 Manual Perguntas e Respostas

LEI 13003 Manual Perguntas e Respostas LEI 13003 Manual Perguntas e Respostas APRESENTAÇÃO A Federação Baiana de Hospitais e a Associação de Hospitais e Serviços de Saúde do Estado da Bahia, cumprindo com a função de orientar e assessorar hospitais,

Leia mais

no Brasil O mapa da Acreditação A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais

no Brasil O mapa da Acreditação A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais O mapa da Acreditação no Brasil A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais metodologias Thaís Martins shutterstock >> Panorama nacional Pesquisas da ONA (Organização

Leia mais

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010 Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde Atibaia, 21 de abril de 2010 Cenário atual DESAFIOS Desafios da Sustentabilidade Pressão constante sobre os custos Incorporação de novas tecnologias

Leia mais

Manual do Prestador SEPACO. Saúde. ANS - n 40.722-4

Manual do Prestador SEPACO. Saúde. ANS - n 40.722-4 Manual do Prestador Saúde o ANS - n 40.722-4 SEPACO Prezado prestador, Este manual tem como objetivo formalizar a implantação das rotinas administrativas do Sepaco Saúde, informando as características

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC)

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC) 1 A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR 2 CONCEITOS 3 SAÚDE SUPLEMENTAR: atividade que envolve a operação de planos privados de assistência à saúde sob regulação do Poder

Leia mais

HOSPITAL SÃO RAFAEL TUDO É POSSÍVEL A QUEM CRÊ

HOSPITAL SÃO RAFAEL TUDO É POSSÍVEL A QUEM CRÊ HOSPITAL SÃO RAFAEL TUDO É POSSÍVEL A QUEM CRÊ Origem A preocupação com as questões sociais fez com que o professor e sacerdote italiano D. Luigi Maria Verzé chegasse ao Brasil, em 1974, através do Monte

Leia mais

informe 30 anos de história no RN COOPERATIVA ODONTOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE Outubro 2012 www.uniodontorn.com.

informe 30 anos de história no RN COOPERATIVA ODONTOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE Outubro 2012 www.uniodontorn.com. Outubro 2012 NATAL www.unirn.com.br (84) 4009-4664 Rua Açu, 665 - Tirol Natal/RN - CEP 59020-110 30 anos de história no RN www.unirn.com.br COOPERATIVA LÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE ANS - n.º 34531-8 Palavra

Leia mais

Segurança do paciente. Foco nos processos é essencial para melhorar a assistência e prevenir eventos adversos. nº4. setembro/outubro de 2013

Segurança do paciente. Foco nos processos é essencial para melhorar a assistência e prevenir eventos adversos. nº4. setembro/outubro de 2013 Publicação da Federação dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo setembro/outubro de 2013 nº4 Segurança do paciente Foco nos processos é essencial para melhorar a assistência e prevenir

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2 MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2 1 Brasília/DF - 2007 1. Introdução A meta deste trabalho é estruturar e auxiliar no correto preenchimento das Guias

Leia mais

CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços

CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços Maio de 2014 2 A pesquisa Amostra 639 entrevistas A PESQUISA Intervalo de confiança 95% Margem de erro 7% por segmento Data da coleta 13 a 22 de Maio de 2014 3 DESCRIÇÃO

Leia mais

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames Introdução Fique atento aos padrões do CFM ÍNDICE As 6 práticas essenciais de marketing para clínicas de exames Aposte em uma consultoria de

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

REGULAÇÃO E QUALIDADE NO SETOR DE SAÚDE SUPLEMENTAR 18 de junho de 2013. Regulação e Qualidade no Setor de Saúde Suplementar - 18/06/2013.

REGULAÇÃO E QUALIDADE NO SETOR DE SAÚDE SUPLEMENTAR 18 de junho de 2013. Regulação e Qualidade no Setor de Saúde Suplementar - 18/06/2013. REGULAÇÃO E QUALIDADE NO SETOR DE SAÚDE SUPLEMENTAR 18 de junho de 2013 1 Informação para a Regulação da Qualidade da Saúde Suplementar Marizélia Leão Moreira Graduada em Ciências Sociais pela UNESP, Doutorado

Leia mais

Manual de Orientação ao Cliente. Bem vindo à

Manual de Orientação ao Cliente. Bem vindo à Manual de Orientação ao Cliente Bem vindo à Prezado Associado: Nós da São Miguel Saúde sentimo-nos honrados em poder atender você e sua família disponibilizando serviços médicos com qualidade. Seu Plano

Leia mais

REGULAMENTO E QUESTIONÁRIO DE AVALIÇÃO PARA PREMIAÇÃO.

REGULAMENTO E QUESTIONÁRIO DE AVALIÇÃO PARA PREMIAÇÃO. REGULAMENTO E QUESTIONÁRIO DE AVALIÇÃO PARA PREMIAÇÃO. A Revista Motoboy Magazine tem o prazer de realizar o Prêmio Motoboy Magazine Top Motofrete 2013, a fim de prestigiar o trabalho de empresas em prestação

Leia mais

Tire suas dúvidas sobre: PLANOS DE SAÚDE. Núcleo Especializado de. Defesa do Consumidor

Tire suas dúvidas sobre: PLANOS DE SAÚDE. Núcleo Especializado de. Defesa do Consumidor Tire suas dúvidas sobre: PLANOS DE SAÚDE Núcleo Especializado de Defesa do Consumidor O que é Plano de Saúde? EXPEDIENTE Texto Núcleo Especializado de Defesa do Consumidor Revisão Coordenadoria de Comunicação

Leia mais

Versão 1.0 MANUAL PRÁTICO TISS 3.02.00. 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Taubaté/ANS. 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.

Versão 1.0 MANUAL PRÁTICO TISS 3.02.00. 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Taubaté/ANS. 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02. Versão 1.0 MANUAL PRÁTICO TISS 3.02.00 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Taubaté/ANS 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.00 SUMÁRIO 1. Divulgação 3.02.00 - Unimed Taubaté/ANS...2 3.2.1. Guias

Leia mais

PLANOS DE SAÚDE: CONHEÇA SEUS DIREITOS CONTRA ABUSOS E ARMADILHAS

PLANOS DE SAÚDE: CONHEÇA SEUS DIREITOS CONTRA ABUSOS E ARMADILHAS PLANOS DE SAÚDE: CONHEÇA SEUS DIREITOS CONTRA ABUSOS E ARMADILHAS PLANOS DE SAÚDE: CONHEÇA SEUS DIREITOS CONTRA ABUSOS E ARMADILHAS Direito de todos e dever do Estado! Como determina a Constituição Federal

Leia mais

ÍNDICE TISS versão 3.0 Implantação 31/05/2014

ÍNDICE TISS versão 3.0 Implantação 31/05/2014 1 ÍNDICE 1. Visão Geral 3 2. O que é a TISS 3 3. Histórico da evolução do modelo 3 4. O que faz parte da TISS 4 5. Guias e demonstrativos 4 6. Plano de contingência 4 7. Guia de consulta 5 8. Guia de SP/SADT

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO 2009

PESQUISA DE SATISFAÇÃO 2009 PESQUISA DE SATISFAÇÃO 2009 Realização: Elaboração: Premissas A Percepção do Cliente Qualidade do e das instalações, Acesso Relacionamento com o Setor (expectativas) Apoio do SindusCon-SP Objetivos Explicitar

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM Introdução ÍNDICE Boas práticas no dia a dia das clínicas de imagem A Importância de se estar conectado às tendências As melhores práticas no mercado de

Leia mais

APRESENTAÇÃO DIRETORIA

APRESENTAÇÃO DIRETORIA APRESENTAÇÃO Com mais de 50 anos de dedicação á SAÚDE, o Hospital São Marcos se tornou referência no assunto. Aliamos a vanguarda tecnológica com a tradição do maior e melhor corpo de profissionais do

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

Qualificação e Remuneração de Prestadores. Ary Ribeiro MD; PhD

Qualificação e Remuneração de Prestadores. Ary Ribeiro MD; PhD Qualificação e Remuneração de Prestadores Ary Ribeiro MD; PhD Faz-se necessário reformar o modelo de remuneração dos prestadores hospitalares na saúde suplementar brasileira? Sim, pois o atual modelo,

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE. Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585

QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE. Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585 QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585 Sistema Unimed no Estado de São Paulo Singulares - 73 Intrafederativas - 6 Federação Estadual

Leia mais

PROCESSO ELETRÔNICO PADRÃO TISS. Agosto/2014

PROCESSO ELETRÔNICO PADRÃO TISS. Agosto/2014 PROCESSO ELETRÔNICO PADRÃO TISS Agosto/2014 PADRÃO DE TROCA DE INFORMAÇÕES NA SAÚDE SUPLEMENTAR Padrão TISS Histórico e Consulta Pública nº 43 Padrão TISS - Versão 3.0 3 Histórico RN 305 09/10/2012 - Termo

Leia mais

A Paralisia Decisória.

A Paralisia Decisória. A Paralisia Decisória. Começo este artigo com uma abordagem um pouco irônica, vinda de uma amiga minha, que, inconformada como a humanidade vêm se portando perante a fé em algo superior, soltou a máxima

Leia mais

Então resolvi listar e explicar os 10 principais erros mais comuns em projetos de CRM e como podemos evita-los.

Então resolvi listar e explicar os 10 principais erros mais comuns em projetos de CRM e como podemos evita-los. Ao longo de vários anos de trabalho com CRM e após a execução de dezenas de projetos, penso que conheci diversos tipos de empresas, culturas e apesar da grande maioria dos projetos darem certo, também

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012 Pesquisa CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria Executiva - DIREX José Augusto Coelho

Leia mais

RELATÓRIO FORMADORES DE OPINIÃO E ASSOCIADOS

RELATÓRIO FORMADORES DE OPINIÃO E ASSOCIADOS RELATÓRIO FORMADORES DE OPINIÃO E ASSOCIADOS RESULTADOS PESQUISA COM COMITÊS Definição e significado do PGQP para os comitês: Definições voltadas para ao Programa Significado do PGQP Qualificação das organizações

Leia mais

Palestra 1 Mudança Organizacional. Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças

Palestra 1 Mudança Organizacional. Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças Palestra 1 Mudança Organizacional Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças 02 de Dezembro de 2009 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças

Leia mais

Conselho protesta contra prefeitura

Conselho protesta contra prefeitura Informativo Eletrônico da SE/CNS para os conselheiros nacionais Ano VI, Brasília, 08/04/2009. Prezado (a) conselheiro (a), Estamos encaminhando um clipping de notícias do CNS na mídia. A intenção é socializar

Leia mais

Gestão da Qualidade. Conheça as vantagens de processos como a Acreditação para os serviços de saúde. nº3. julho/agosto de 2013. págs.

Gestão da Qualidade. Conheça as vantagens de processos como a Acreditação para os serviços de saúde. nº3. julho/agosto de 2013. págs. Publicação da Federação dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo julho/agosto de 2013 nº3 Gestão da Qualidade Conheça as vantagens de processos como a Acreditação para os serviços

Leia mais

Cover. Guia de Gestão de Contatos para Clínicas. Como converter novos contatos em agendamentos

Cover. Guia de Gestão de Contatos para Clínicas. Como converter novos contatos em agendamentos Cover Aprimorando o Atendimento ao Cliente para melhor Performance em Produtividade e Receita Text Guia de Gestão de Contatos para Clínicas Como converter novos contatos em agendamentos Gestão de contatos

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

Gerenciamento de leitos

Gerenciamento de leitos CAPA Gerenciamento de leitos O DESAFIO DE MAPEAR OS NÓS QUE EMPERRAM O FLUXO DA ASSISTÊNCIA E DE RECONSTRUIR PROCESSOS COM APOIO TECNOLÓGICO E INTERDISCIPLINAR Por Inês Pereira 24 Melh res Práticas Nunca

Leia mais

INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO

INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO PANORAMA DO SETOR DE SAÚDE - ANS Beneficiários Médico-Hospitalar

Leia mais

A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean

A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean Paulo Cesar Brito Lauria Muitas empresas têm se lançado na jornada de implementar a filosofia lean nas últimas décadas. No entanto, parece que

Leia mais

Registro Eletrônico de Saúde Unimed. Números do Sistema

Registro Eletrônico de Saúde Unimed. Números do Sistema Números do Sistema Números do Sistema 36 Prestadoras 300 Operadoras (30% das operadoras de saúde) 15 Federações Institucionais 351 Cooperativas 1 Confederação Nacional 1 Confederação Regional 1 Central

Leia mais

Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos

Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos Câmara dos Deputados (PL 3466/2004) PL 3466/2004 Deputado Inocêncio de Oliveira (PR/PE) Autor do projeto Banco de images / Câmara FOTO: BANCO

Leia mais

Saúde em risco: realizar exame desnecessário pode ser prejudicial

Saúde em risco: realizar exame desnecessário pode ser prejudicial Dezembro/2011 Nº 13 Saúde em risco: realizar exame desnecessário pode ser prejudicial Presidente da Sociedade Brasileira de Medicina de Família diz que problema diminui quando um médico generalista é a

Leia mais

Avaliação de Planos de Saúde. Maio de 2015

Avaliação de Planos de Saúde. Maio de 2015 Avaliação de Planos de Saúde Maio de 2015 Índice OBJETIVO METODOLOGIA PLANO DE SAÚDE O Mercado de plano de saúde Perfil do beneficiário vs Não beneficiário Beneficiários Satisfação, Recomendação, Continuidade

Leia mais

Unimed Brasil. A Unimed é a maior experiência cooperativista na área da saúde em todo o mundo e também a maior rede de assistência médica do Brasil:

Unimed Brasil. A Unimed é a maior experiência cooperativista na área da saúde em todo o mundo e também a maior rede de assistência médica do Brasil: Unimed Brasil A Unimed é a maior experiência cooperativista na área da saúde em todo o mundo e também a maior rede de assistência médica do Brasil: Presente em 83% território nacional; 375 cooperativas

Leia mais

Apresentação. Prezado beneficiário,

Apresentação. Prezado beneficiário, LANOIII Apresentação Prezado beneficiário, Visando dar continuidade à prestação dos melhores serviços em saúde e promover uma melhor qualidade de vida ao beneficiário, a CompesaPrev apresenta o CompesaSaúde

Leia mais

Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços RN nº 267/2011

Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços RN nº 267/2011 Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços RN nº 267/2011 Instrução Normativa sobre a divulgação da qualificação Primeira reunião do GT de Divulgação 07/02/2012 Quem divulgar? Todos

Leia mais

Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa.

Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa. Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa. A Fran Press está de cara nova, mantendo a sua reconhecida identidade estratégica. Nos tempos atuais

Leia mais

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões OBJETIVOS CONSULTAR A OPINIÃO DOS BRASILEIROS SOBRE A SAÚDE NO PAÍS, INVESTIGANDO A SATISFAÇÃO COM SERVIÇOS PÚBLICO E PRIVADO, ASSIM COMO HÁBITOS DE SAÚDE PESSOAL E DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS METODOLOGIA

Leia mais

Manual do Prestador. Versão 1.0 Maio/2014. Manaus - Amazonas ANS Nº 38809-2 1

Manual do Prestador. Versão 1.0 Maio/2014. Manaus - Amazonas ANS Nº 38809-2 1 Manual do Prestador Versão 1.0 Maio/2014 Manaus - Amazonas 1 SUMÁRIO Apresentação... 3 1. Identificação do beneficiário...3 2. Atendimento ao beneficiário... 4 2.1. Requisitos para o atendimento... 4 2.2.

Leia mais

BALANÇO PARTICIPAÇÃO ABIMED FEIRA HOSPITALAR 2008 ÍNDICE

BALANÇO PARTICIPAÇÃO ABIMED FEIRA HOSPITALAR 2008 ÍNDICE 1 BALANÇO PARTICIPAÇÃO ABIMED FEIRA HOSPITALAR 2008 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Plenária Abimed 3. Atividades no Estande Abimed - Perfil dos Visitantes 4. Outros Eventos Paralelos Jantar de 15 anos da Hospitalar

Leia mais

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde)

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Demonstrativo de retorno: modelo formal de representação e descrição documental do padrão TISS sobre o pagamento dos eventos assistenciais realizados

Leia mais

Para a sociedade Promover soluções de acesso a tratamentos odontológicos.

Para a sociedade Promover soluções de acesso a tratamentos odontológicos. REGIONAL VOLUNTÁRIO 2010 / 2011 CONHECENDO A TURMA DO BEM A Turma do Bem é uma OSCIP Organização da Sociedade Civil de Interesse Público fundada em 2002 que tem como missão mudar a percepção da sociedade

Leia mais

Filantropia e Responsabilidade Social do Hospital Sírio-Libanês

Filantropia e Responsabilidade Social do Hospital Sírio-Libanês Filantropia e Responsabilidade Social do Hospital Sírio-Libanês Í ndice Fi l a nt ro p i a e R e s p o n s a b i l i d a d e S o c i a l 0 5 A Sociedade e a Filantropia Hoje 07 Dezenove Projetos em Parceria

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 10

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 10 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU Nota Técnica nº 10 LIBERAÇÃO E SOLICITAÇÃO DE AMBULÂNCIA DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL

Leia mais

As perspectivas do mercado para os hospitais

As perspectivas do mercado para os hospitais As perspectivas do mercado para os hospitais Yussif Ali Mere Jr Presidente da Federação e do Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo (FEHOESP e SINDHOSP) 1. CONTEXTO 2.

Leia mais

Manual do Usuário do Plano CELOS Saúde Agregados PLANO CELOS SAÚDE

Manual do Usuário do Plano CELOS Saúde Agregados PLANO CELOS SAÚDE MANUAL DO USUÁRIO DO PLANO CELOS SAÚDE AGREGADOS Revisado em 04/05/2011 O objetivo deste manual é orientar os usuários sobre a correta utilização do. As informações e instruções aqui contidas devem ser

Leia mais

Manual de Preenchimento da TISS (Troca de Informações em Saúde Suplementar)

Manual de Preenchimento da TISS (Troca de Informações em Saúde Suplementar) Manual de Preenchimento da TISS (Troca de Informações em Saúde Suplementar) 0 Última Atualização: 16/05/07 9:30h SUMÁRIO I Introdução Página 2 II - Formulários/ Legendas Página 5 II.1 Guias Página 5 2.1.1

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

A Importância da Causa

A Importância da Causa A Importância da Causa Panorama do Cenário Brasileiro Leucemia é o câncer mais comum entre crianças, e o linfoma é o 3º câncer mais comum entre este público Se detectados logo e tratados adequadamente,

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

CUIDADOS AO CONTRATAR UM PLANO DE SAÚDE

CUIDADOS AO CONTRATAR UM PLANO DE SAÚDE 1 CUIDADOS AO CONTRATAR UM PLANO DE SAÚDE Ao contratar um Plano ou Seguro Saúde se faz necessário analisar alguns pontos como as questões das carências, das doenças pré-existentes, coberturas de emergências

Leia mais

PADRÃO TISS Versão 3.00.00 Troca de Informações na Saúde Suplementar

PADRÃO TISS Versão 3.00.00 Troca de Informações na Saúde Suplementar PADRÃO TISS Versão 3.00.00 Troca de Informações na Saúde Suplementar Diretoria de Desenvolvimento Setorial - DIDES Gerência-Geral de Integração Setorial - GGISE Gerência de Padronização e Interoperabilidade

Leia mais

O que é Inovação em Saúde?

O que é Inovação em Saúde? Capa foto: dreamstime.com O que é Inovação em Saúde? A competitividade no setor da saúde depende essencialmente de melhorar a qualidade da assistência e a segurança do paciente reduzindo custos Por Kika

Leia mais

TREINAMENTO DO PADRÃO TISS 3.00.01

TREINAMENTO DO PADRÃO TISS 3.00.01 TREINAMENTO DO PADRÃO TISS 3.00.01 Coordenadoras TISS: Elisandra Baldissera e Roseli Fistarol Colaboradores: Cesar Paz, Denise Bertoldo e Patrique Hedlund 1 Organização do evento Os slides estão disponíveis

Leia mais

A regulação médico-hospitalar nos sistemas de saúde público e privado

A regulação médico-hospitalar nos sistemas de saúde público e privado HUMANIZAÇÃO E ACESSO DE QUALIDADE A regulação médico-hospitalar nos sistemas de saúde público e privado Alexandre Mont Alverne 25/11/2015 Regulação Significado: Michaelis: Regular+ção: ato ou efeito de

Leia mais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Carlos Figueiredo Diretor Executivo Agenda Anahp Brasil: contexto geral e econômico Brasil: contexto

Leia mais

FORMULÁRIOS TISS SUMÁRIO

FORMULÁRIOS TISS SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Formulários Padrão TISS 2. Preenchimento das Guias Padrão TISS Guia de Consulta Guia de Serviço Profissional/Serviço Auxiliar de Diagnóstico e Terapia SP/SADT Guia de Solicitação de Internação

Leia mais

CCIH/SCIH: a Enfermagem à frente da prevenção de infecções hospitalares

CCIH/SCIH: a Enfermagem à frente da prevenção de infecções hospitalares freeimages.com CCIH/SCIH: a Enfermagem à frente da prevenção de infecções hospitalares A adesão dos profissionais de saúde e o envolvimento de pacientes e familiares nas medidas de prevenção reduzem o

Leia mais

BRADESCO SAÚDE SPG 100 e EMPRESARIAL 200

BRADESCO SAÚDE SPG 100 e EMPRESARIAL 200 NOVO SPG 100 e EMPRESARIAL 200 SPG 100 Empresarial 200 NOVOS PRODUTOS, NOVAS OPORTUNIDADES. Diversas soluções, MUITAS VANTAGENS. Na busca contínua pela melhoria, a Bradesco Saúde é pioneira mais uma vez,

Leia mais

RELATÓRIO DA CONSULTA PÚBLICA Nº 43/2011 ATUALIZAÇÃO DO PADRÃO DE TROCA DE INFORMAÇÃO NA SAÚDE SUPLEMENTAR (PADRÃO TISS)

RELATÓRIO DA CONSULTA PÚBLICA Nº 43/2011 ATUALIZAÇÃO DO PADRÃO DE TROCA DE INFORMAÇÃO NA SAÚDE SUPLEMENTAR (PADRÃO TISS) RELATÓRIO DA CONSULTA PÚBLICA Nº 43/2011 ATUALIZAÇÃO DO PADRÃO DE TROCA DE INFORMAÇÃO NA SAÚDE SUPLEMENTAR (PADRÃO TISS) Rio de Janeiro, 18 de julho de 2012 Gerência de Padronização e Interoperabilidade

Leia mais

DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO

DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO Percentual dos consumidores por tipo de contratação 19.9% Individual Planos novos 66.9% Coletivo Empresarial 13.2% Coletivo por Adesão 202.455.983 Brasileiros 50.270.398

Leia mais

Manual TISS Troca de Informaçõ

Manual TISS Troca de Informaçõ Manual TISS Troca de Informaçõ ções em Saúde Suplementar Versão o 1.1 Instruçõ ções para preenchimento das guias PREENCHER EXCLUSIVAMENTE COM CANETA PRETA OU AZUL GCES A Unimed Natal desenvolveu este manual

Leia mais

MANUAL DO PRESTADOR WEB

MANUAL DO PRESTADOR WEB MANUAL DO PRESTADOR WEB ÍNDICE ÍNDICE... 2 1) Apresentação... 3 2) Informações importantes... 3 3) Programas e configurações necessários... 4 3.a. Programas necessários.... 4 3.b. Configurações necessárias....

Leia mais

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 1 Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 2013 Índice 2 OBJETIVO E PÚBLICO ALVO METODOLOGIA PLANO DE SAÚDE O MERCADO DE PLANO DE SAÚDE PERFIL

Leia mais

Consórcio. Imobiliário. na prática. Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros!

Consórcio. Imobiliário. na prática. Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros! Consórcio Imobiliário na prática Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros! 1 Sobre a empresa A A+ Consórcios iniciou suas atividades com o objetivo de gerir

Leia mais

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES Conceitos CONSULTAS Atendimentos sem urgência por ordem de chegada. Não existe dentro do Pronto-Socorro e em nenhum local do hospital prévia marcação de

Leia mais

Formação e Estrutura do Programa Nacional de Segurança do Paciente

Formação e Estrutura do Programa Nacional de Segurança do Paciente Formação e Estrutura do Programa Nacional de Segurança do Paciente 29 de julho de 2015 Capacitação em segurança do paciente para a vigilância sanitária SESA-PR Rosângela Gomes Benevides Coordenadora de

Leia mais

Nossa proposta. Sobre a TM Jobs

Nossa proposta. Sobre a TM Jobs Nossa proposta Para ampliar as trocas de experiências já realizadas nos encontros do Business Club Healthcare, a TM Jobs e a Integrare Conhecimento para Negócios deram início a uma série de estudos de

Leia mais

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil Gestão de Qualidade O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, visando a qualidade assistencial e a satisfação do cliente compromete-se a um entendimento

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Institui o Programa Nacional de Segurança do

Leia mais

MANUAL DO REFERENCIADO TISS

MANUAL DO REFERENCIADO TISS MANUAL DO REFERENCIADO TISS Prezado Referenciado, As instruções contidas neste Manual têm como principal objetivo, servir como guia para que os agentes integrantes do processo de faturamento e conciliação

Leia mais