UM ESTUDO DE CASOS SOBRE A APLICAÇÃO DE PRINCÍPIOS ENXUTOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UM ESTUDO DE CASOS SOBRE A APLICAÇÃO DE PRINCÍPIOS ENXUTOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE NO BRASIL"

Transcrição

1 i UM ESTUDO DE CASOS SOBRE A APLICAÇÃO DE PRINCÍPIOS ENXUTOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE NO BRASIL Augusto Castejón Lattaro Silberstein Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto COPPEAD de Administração Mestrado em Administração Orientador: Kleber Fossati Figueiredo Rio de Janeiro 2006

2 ii UM ESTUDO DE CASOS SOBRE A APLICAÇÃO DE PRINCÍPIOS ENXUTOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE NO BRASIL AUGUSTO CASTEJÓN LATTARO SILBERSTEIN Dissertação submetida ao corpo docente do Instituto COPPEAD de Administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro como parte dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Ciências (M.Sc.). Aprovada por: Prof. Kleber Fossati Figueiredo, Ph. D. COPPEAD/UFRJ Presidente da Banca Profª. Cláudia Affonso Silva Araújo, Ph. D. COPPEAD/UFRJ Prof. Octavio Fernandes da Silva Filho, D. Sc. FIOCRUZ RIO DE JANEIRO 2006

3 iii Silberstein, Augusto Castejón Lattaro Um estudo de casos sobre a aplicação de princípios enxutos em serviços de saúde no Brasil / Augusto Castejón Lattaro Silberstein. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPEAD, xiii; 161f: il. Orientador: Kleber Fossati Figueiredo Dissertação (mestrado) UFRJ/ COPPEAD/ Programa de Pós-graduação em Administração, Referências Bibliográficas: f Princípios enxutos. 2. Gestão de serviços de saúde. I. Figueiredo, Kleber F. (Orient.). II. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Instituto COPPEAD de Administração. III. Título

4 iv Zeit ist Leben und das Leben liegt im Herzen *. Michael Ende * Tempo é vida e a vida reside no coração.

5 v To mom and dad for whom my love spans from the sky to the fireplace.

6 vi AGRADECIMENTOS Após me debruçar sobre este tema fascinante saio com a convicção do potencial que a mentalidade enxuta possui de contribuir positivamente em todos os processos que compõem as operações. A aplicação dos princípios enxutos, no entanto, não abarca tudo. Muitíssimas pessoas possibilitaram a realização desta pesquisa e não pretendo ser enxuto nos agradecimentos. Em primeiro lugar, agradeço a Deus que torna a vida uma aventura absolutamente apaixonante e a meus pais sempre na torcida a quem dedico este trabalho. Agradeço ao Prof. Kleber pela presteza com que respondia as minhas dúvidas e inquietações, pela sinceridade de apontar os aspectos positivos e negativos do trabalho durante seu desenvolvimento, pelos conselhos e indicações que viabilizaram sua conclusão. Sua dinâmica de orientação constituiu o principal ponto de aprendizado nestes anos de mestrado. Um agradecimento especial cabe à Profª. Cláudia Araújo pela sua presença na Banca examinadora e pelos seus valiosos comentários ao trabalho apresentado. Sou imensamente grato ao Dr. Octávio não só pelo esforço necessário para comparecer à banca e pelos seus comentários instigantes e provocadores (durante a defesa e depois por escrito!) como também pelo acolhimento na nossa primeira conversa e pelas as indicações que foram fundamentais para o desenvolvimento do trabalho. Quero expressar minha gratidão ao Dr. Cláudio Nunes, a Ana Butter Nunes, a Patrícia Prates e ao Dr. José Marcos Badim pela calorosa recepção, pela paciência em ouvir o tema em estudo e por terem facilitado a escolha dos casos. Sem a valiosíssima contribuição de Dr. Jackson Caiafa, Dr. André Volschan, Helaine Miranda, Marcelo Dibo, Fabiana Barini, Alex de Sá e Carlos Inácio este trabalho não existiria. Quero agradecer o tempo que me dedicaram nas entrevistas e dizer que o entusiasmo de cada um pelo seu trabalho é extremamente contagiante. Aprendi muitíssimo de cada um.

7 vii Sou muitíssimo grato à Dra. Cláudia Telles pelo interesse tanto no tema da pesquisa quanto na sua viabilização e à Cristiane Cabral pelos dados fornecidos. O corpo docente do Instituto COPPEAD de Administração é conhecido pela excelência. Sou imensamente agradecido a todos os professores. Além dos professores, os colegas de mestrado ajudaram a tornar este tempo de aprendizagem particularmente gratificante. Considero-me privilegiado por fazer parte desta turma e agradeço a cada um. Sou extremamente agradecido à Cida e à Simone que sabem acolher tão bem os novos alunos e cuja eficiência e apoio foram totais durante todo o período do mestrado. Agradeço ao amigo Herbert Missaka pela apresentação de textos interessantíssimos que serviram de espinha dorsal para a tese bem como pelo olhar clínico capaz de detectar inúmeros erros na minha versão já final do trabalho. Os erros que permaneceram são de minha total responsabilidade. Também agradeço aos amigos Leonardo Barbosa Soares e Ricardo Miyashita pelos estímulos e dicas de quem tem a autoridade da experiência. Devo gratidão ao Christian Orglmeister e ao Renato Nishimura por ouvirem com o entusiasmo próprio de amigos a evolução dos trabalhos e facilitarem o acesso a pessoas importantes na discussão dos temas da pesquisa. Quero manifestar gratidão aos colegas e amigos Mário Sozzi (que me introduziu ao mundo lean), Newton Santana, Celso Sapienza, Carlos Eduardo Almeida e Mateus França. Formamos uma equipe de trabalho inesquecível na qual começamos a explorar o conceito lean. Agradeço também ao Maurício Rio pelo incentivo em estudar os processos nas organizações. Este trabalho pode ser considerado uma seqüência dos nossos anos de trabalho em conjunto. Agradeço ao amigo Carlos Bremer pelo apoio e indicações de especialistas no assunto. Sou grato ao Douglas Tacla e à Mayuli Fonseca, fornecedora dos textos que deram um ponta-pé inicial ao trabalho. Agradeço, por fim, ao CAPES pelo apoio concedido.

8 viii RESUMO SILBERSTEIN, Augusto Castejón Lattaro. Um estudo de casos sobre a aplicação de princípios enxutos em serviços de saúde no Brasil. Orientador: Kleber Fossati Figueiredo. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPEAD, Dissertação (Mestrado em Administração). O pensamento enxuto pode ser considerado um novo paradigma industrial ao sintetizar a eficiência da produção em massa e a flexibilidade da produção artesanal. Operações enxutas têm apresentado resultados superiores tanto em termos de qualidade como de eficiência, dois indicadores de desempenho tradicionalmente considerados em conflito. O dilema entre qualidade e eficiência também se encontra no contexto dos serviços e é uma questão particularmente sensível nos serviços de saúde. O presente estudo analisa o potencial de contribuição do pensamento enxuto para superar o conflito entre qualidade e eficiência nos serviços de saúde. Através da análise de cinco serviços de saúde brasileiros, o estudo pretende verificar como os princípios enxutos se aplicam nestes serviços, em que medida esses princípios estão presentes e quais as adaptações necessárias dadas as especificidades do setor. Os processos e os serviços de saúde estudados são: a atenção integral ao paciente diabético do Projeto do Pé Diabético, o diagnóstico e atendimento de emergência no Hospital Pró-Cardíaco, a recepção no Hospital Dr. Badim, suprimentos no Hospital Copa D Or, a logística de suporte da Diagnósticos da América. O estudo conclui que a aplicação dos princípios enxutos nos serviços de saúde é possível, exige algumas adaptações, admite diversos graus e tem potencial para contribuir na solução dos conflitos entre qualidade e eficiência. A aproximação da linguagem médica com a linguagem de processos é necessária para a expansão da mentalidade enxuta neste setor. O estudo sugere a existência de sinergias interessantes entre a medicina baseada em evidências e a mentalidade enxuta para a promoção de uma prática médica de qualidade e uma gestão eficiente de processos.

9 ix ABSTRACT SILBERSTEIN, Augusto Castejón Lattaro. Um estudo de casos sobre a aplicação de princípios enxutos em serviços de saúde no Brasil. Orientador: Kleber Fossati Figueiredo. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPEAD, Dissertação (Mestrado em Administração). Lean thinking can be considered a new industrial paradigm because it synthesizes the efficiency of traditional mass production and the flexibility of craft production. Lean operations have brought forth superior results in both quality and efficiency measures, two performance indicators traditionally considered to be in conflict. The dilemma between targeting quality versus efficiency is also present in the service sector and is a particularly sensitive issue in health care. The present study analyzes the potential contribution of lean thinking to the solution of this dilemma in health care. Through the analysis of five Brazilian health care organizations, this study intends to verify how lean principles apply to these services, in what extent these principles are present and to what degree these principles need modifications due to uniqueness of the health sector. The following processes and organizations compose the study: end-to-end care of a diabetic patient at the Projeto do Pé Diabético, diagnosis and emergency service at the Hospital Pró-Cardíaco, the reception process (first front-line employee contact) at the Hospital Dr. Badim, supply at the Hospital Copa D Or and support logistics at Diagnósticos da América. The study concludes that applying lean principles in health care is possible, requires some modifications, admits different degrees of incorporation and has potential to contribute to the solution of the conflict between quality and efficiency. A greater approximation between the medical language and the process management language is necessary to deepen the application of lean principles in health care. The study suggests the existence of interesting synergies between evidence-based medicine and lean thinking which may enable further advances in the integration of a high quality clinical practice and an efficient process management in health care.

10 x SUMÁRIO 1 Introdução O problema Objetivo A relevância do assunto A contribuição do pensamento enxuto nas operações O apelo da abordagem enxuta aos stakeholders dos serviços de saúde Delimitações Organização do Estudo Contexto de Estudo Revisão de literatura O conceito lean Evolução da aplicação do conceito lean Princípios lean Princípios da provisão enxuta Reduzir os trade-offs de desempenho Eliminar as atividades que não agregam valor Estabelecer fluxo contínuo, puxado pelo cliente Envolvimento do cliente Delegar poder aos empregados Princípios do consumo enxuto Resolver o problema do cliente completamente Não desperdiçar o tempo do cliente Oferecer exatamente aquilo que o cliente quer Oferecer o que o cliente quer exatamente onde ele quer Oferecer o que o cliente quer onde ele quer exatamente... quando ele quer Agregar continuamente soluções para reduzir tempo e aborrecimento do cliente Conjugando os princípios da provisão e do consumo enxutos Princípios Enxutos aplicados à saúde Princípios da provisão enxuta Reduzir os trade-offs de desempenho Eliminar as atividades que não agregam valor Estabelecer fluxo contínuo, puxado pelo cliente... 52

11 xi Envolvimento do paciente Delegar poder aos empregados Princípios do consumo enxuto Resolver o problema do paciente completamente Não desperdiçar o tempo do paciente Oferecer exatamente aquilo que o paciente quer Oferecer o que o paciente quer exatamente onde ele quer Oferecer o que o paciente quer onde ele quer exatamente quando ele quer Agregar continuamente soluções para reduzir tempo e aborrecimento do paciente Medicina baseada em evidências Quadro Conceitual Metodologia Tipo de pesquisa Seleção dos casos Coleta e tratamento dos dados Limitações do Método Descrição dos Casos Pólo do Pé Diabético Diabetes Gênese do Pólo do Pé Diabético O projeto do Pé Diabético Educação continuada Capacitação do pessoal de atendimento Próximos passos Atendimento de emergência no Pró-Cardíaco Introdução Decisões sob risco Excelência no atendimento A lógica do diagnóstico baseado em evidências O protocolo de atendimento de dor torácica Melhoria Contínua O processo de atendimento no Hospital Dr. Badim Introdução Atendimento no Hospital Dr. Badim Problemas no processo de atendimento Solução adotada

12 xii Fluxo do consumo e provisão de uma cirurgia eletiva Suprimentos no Copa D Or Introdução Pressão pela redução de custos Consignação Projeto de Dispensário Eletrônico Melhoria contínua na farmácia A logística de suporte da Diagnósticos da América Introdução Valores da empresa Estratégia de marcas da DA O papel da logística Coleta Domiciliar Análise dos Casos Princípios da provisão enxuta Reduzir os trade-offs de desempenho Eliminar as atividades que não agregam valor Estabelecer fluxo contínuo, puxado pelo cliente Envolvimento do cliente Delegar poder aos empregados Princípios do consumo enxuto Resolver o problema do cliente completamente Não desperdiçar o tempo do cliente Oferecer exatamente aquilo que o cliente quer Oferecer o que o cliente quer exatamente onde ele quer Oferecer o que o cliente quer onde ele quer exatamente... quando ele quer Agregar continuamente soluções para reduzir tempo... e aborrecimento do cliente Conclusões e Recomendações Conclusões Recomendações Referências Bibliográficas Índice de Quadros... xiii

13 xiii ÍNDICE DE QUADROS Quadro 1-1: Gasto per capita com saúde pública Quadro 1-2: Gasto público com saúde e expectativa de vida Quadro 2-1: Etapas do processo de consumo Quadro 2-2: Interdependência dos Princípios Lean Quadro 2-3: Serviços de saúde citados para ilustrar os princípios enxutos Quadro 2-4: Melhoria de Eficiência no Virgínia Mason Medical Center Quadro 2-5: Fonte de desperdício nos serviços de saúde Quadro 2-6: Plano estratégico do Virginia Mason Quadro 2-7: Iniciativas para implementar o "acesso-livre" Quadro 2-8: Suprimentos convencionais e suprimentos enxutos Quadro 2-9: Paralelo - Med. Baseada em Evidências e a Mentalidade Lean Quadro 3-1: Casos selecionados Quadro 4-1: Evolução dos índices de amputação alta Quadro 4-2: Nomograma de Fagan Quadro 4-3: Protocolo de Dor Torácica do Hospital Pró-Cardíaco Quadro 4-4: Cirurgia eletiva antes do redesenho dos processos Quadro 4-5: Cirurgia eletiva depois do redesenho dos processos Quadro 4-6: Portfólio de marcas da Diagnósticos da América Quadro 5-1: Processo de consumo para o tratamento do diabetes

14 1 1 Introdução 1.1 O problema Como pólos iguais de dois ímãs se repelem, assim parecem se comportar os termos eficiência e serviços de saúde. As ineficiências nos cuidados da saúde se manifestam de diversos modos e evidenciam que suas operações, via de regra, não estão estruturadas para pôr o paciente em primeiro lugar. A situação do setor de saúde no Brasil tem sido descrita como caótica 1 ou calamitosa 2. Os problemas que denotam a falta de eficiência deste setor têm freqüentado as manchetes dos jornais: Longas filas de espera: Paciente morre na fila de um posto de saúde ; Até um ano de espera (O Globo, 3/05/2005) Aumento desnecessário de exames: A epidemia dos exames médicos (O Globo, 9/05/2005) Má distribuição de responsabilidades entre gestores: O abismo e sua beira (O Globo 28/10/05) Má gestão da capacidade: Menos leitos nos hospitais Oferta de vagas do SUS no Estado cai 26% em dez anos, mas população cresce 12% (O Globo, 29/10/05); Maternidade sem uso se deteriora ao lado de outra superlotada (O Globo, 23/11/05) Dificuldades de acesso ao sistema de saúde: A via-crúcis até o hospital, reportagem premiada (O Globo, 29/10/05) Ineficiência no controle de estoques: Faltam materiais e medicamentos no Salgado Filho (O Globo, 5/11/05), Estoque zero na principal emergência do Rio (O Globo, 22/10/05) 1 Costa, Célia e Engelbrecht, Daniel. Saúde novamente à beira do caos. O Globo, Rio de Janeiro, 26 out Sales, Eugenio. Situação Calamitosa. O Globo, Rio de Janeiro, 12 nov

15 2 Segundo Araújo (2005), o setor de saúde no Brasil está marcado por custos crescentes na assistência juntamente com uma piora na qualidade dos serviços e restrições crescentes no acesso aos serviços de saúde. O aumento dos custos por si só não é negativo, uma vez que é desejável a incorporação de novas tecnologias que melhorem o diagnóstico e tratamento dos problemas de saúde. São as ineficiências denunciadas nas manchetes acima mencionadas e oriundas dos desperdícios na gestão dos serviços de saúde que constituem um problema. A ineficiência na saúde não é uma situação exclusivamente brasileira. Um levantamento feito pelo governo norte-americano identificou uma série de indícios de sub-uso, mau uso e uso em excesso dos serviços de saúde dos EUA para ilustrar tais ineficiências (DHHS, 1998). Sub-usos dos serviços: A sub-utilização dos serviços de saúde pode conduzir a complicações adicionais, custos de tratamento mais altos e mortes prematuras. Entre outros exemplos, o relatório cita que cerca de 80% dos pacientes com ataque cardíaco não receberam tratamento com beta-bloqueadores levando a cerca de mortes desnecessárias; 60% dos diabéticos com mais de 31 anos não fizeram o exame óptico recomendado no ano anterior, 30% das mulheres entre 52 e 69 anos não tinham feito uma mamografia nos últimos 2 anos. Mau uso dos serviços: erros na utilização dos serviços de saúde levam a diagnósticos falhos ou tardios, maiores custos e mortes desnecessárias. Num estudo dos hospitais do estado de Nova Iorque o relatório aponta que um em cada 25 pacientes foram lesados pelo tratamento médico que receberam e que estas lesões redundaram em mortes em 13,6% dos casos. Utilização em excesso dos serviços: serviços desnecessários acrescentam custos em todo o sistema e também podem minar a saúde dos pacientes. Metade dos pacientes com uma gripe comum foram tratados desnecessariamente com antibióticos, o que anula a ação destes antibióticos em tratamentos futuros encarecendo-os. 16% das histerectomias 3 realizadas nos EUA foram consideradas desnecessárias. 3 Histerectomia: remoção do útero

16 3 O IOM 4 (2001) publicou um estudo sobre a qualidade dos serviços de saúde nos EUA afirmando que as tentativas de entregar as tecnologias disponíveis hoje com os atuais meios de produção médicos são, no campo da saúde, o equivalente a produzir microprocessadores numa fábrica de aspirador de pó. Afirma o estudo que os custos de desperdício, baixa qualidade e ineficiência são enormes. Os serviços de saúde, portanto, apresentam muitas fontes de ineficiência e problemas de qualidade que constituem um verdadeiro desafio para os promotores da saúde. Tais ineficiências têm chamado a atenção dos meios de comunicação e requerem estudos para encontrar maneiras de superar estes problemas. 1.2 Objetivo Este estudo pretende verificar a possibilidade de inverter o ímã dos serviços de saúde para que seja atraído em direção ao ímã da eficiência. Há uma maneira de encarar as operações, nascida no ambiente industrial, que busca conciliar simultaneamente qualidade e eficiência. Trata-se da mentalidade enxuta da qual derivam uma série de princípios que norteiam as operações de uma organização. O objetivo deste estudo é o de analisar a aplicabilidade dos princípios enxutos no contexto dos serviços de saúde. Para isso, o estudo quer mostrar em que medida esses princípios estão presentes nestes serviços, entender a necessidade de adaptar os princípios levando em consideração as especificidades deste setor e analisar seu potencial de contribuição para melhorar o atendimento ao paciente em relação à qualidade e à eficiência. 4 O IOM (Institute of Medicine) é uma organização não-governamental dos EUA, associada ao National Academy of Sciences, formada por um grupo de notáveis que tem como missão fornecer análises científicas e sugestões de melhoria nos serviços de saúde.

17 4 1.3 A relevância do assunto A relevância do assunto pode ser auferida pela contribuição que a mentalidade enxuta tem dado às operações de inúmeras organizações nos mais variados setores e pelos benefícios potenciais desta abordagem aos diversos stakeholders dos serviços de saúde A contribuição do pensamento enxuto nas operações Para atingir os níveis de qualidade e de custos exigidos pelos consumidores, as empresas precisam olhar para suas operações, uma compilação de processos que geram valor para o cliente sob a forma de um produto ou serviço. Segundo Allway e Corbett (2002), é necessário olhar para as operações das empresas para fazer frente aos desafios do ambiente que se encontram presentes inclusive nos serviços de saúde: expectativas crescentes do cliente. No caso da saúde, é o bem-estar e em última análise a vida do paciente que está em jogo. pressão por aumentar o faturamento. Nos EUA, por exemplo, a Medicare reduziu os pagamentos aos hospitais em decorrência do Balanced Budget Act. No Brasil, o SUS tem preço tabelado para cada tipo de intervenção médica. pressões competitivas. No setor de saúde, os centros especializados (centros cardiovasculares, centros de tratamento de câncer, etc.) apresentam uma vantagem em custo de 20% a 40% em relação aos centros não especializados. custos crescentes. Os hospitais enfrentam a necessidade de incorporar novas tecnologias, comprar novos medicamentos que implicam custos crescentes.

18 5 Os princípios enxutos aplicados nas operações têm dado uma resposta mais que satisfatória a estes desafios de ambiente e têm introduzido, segundo Bowen e Youngdahl (1998), um novo paradigma industrial. Para Allway e Corbett (2002) a abordagem enxuta das operações tem trazido resultados lendários em termos de excelência operacional e lucratividade. Estes autores afirmam que na indústria automotiva e siderúrgica, as empresas enxutas extraem o dobro da produtividade do espaço, estoque e equipamentos do que as empresas tradicionais de produção em massa. Na indústria de computadores, empresas enxutas apresentam um crescimento de vendas e um retorno aos acionistas de 15 a 20 vezes superior que as empresas tradicionais. Em termos operacionais, as empresas enxutas contabilizam melhorias de 35% a 50% na produtividade da mão-de-obra, requerem quase metade do tempo de desenvolvimento de um produto (do conceito ao lançamento), baixam a um décimo a taxa de rejeição de produtos por defeito e têm um tempo de processamento de 80% a 90% mais eficiente O apelo da abordagem enxuta aos stakeholders dos serviços de saúde A abordagem enxuta busca analisar as operações e verificar o fluxo de atividades necessárias para atender o consumidor, identificando entre as atividades aquelas que efetivamente geram valor para o consumidor daquelas que não geram valor. Feita esta análise passa-se a questionar o porquê da existência das atividades que não geram valor e como estas podem ser eliminadas. Este procedimento sistemático e reiterativo aperfeiçoa continuamente as operações e pode trazer benefícios para todos os stakeholders envolvidos. A seguir apresentam-se os possíveis benefícios de uma abordagem enxuta para os diferentes stakeholders dos serviços de saúde. Os pacientes. Em primeiro lugar esta abordagem pode beneficiar o próprio paciente, que é a razão de ser de todo o sistema (Araújo, 2005). Fácil acesso ao médico, praticidade ao marcar uma consulta, tempos de espera reduzidos, atendimento mais rápido devido à eliminação do excesso de movimentação do

19 6 paciente e da duplicidade de exames pedidos podem ser alguns dos resultados de uma gestão enxuta dos serviços de saúde. Os profissionais da saúde. Um processo de atendimento que gera consumidores frustrados também gera insatisfação nos profissionais que os atendem. É uma reivindicação do pessoal da saúde um exercício de sua profissão mais rico, mais centrado e mais responsável (Latas e Robert, 2000). O tempo de um neurocirurgião, por exemplo, que não é empregado em cirurgia constitui um desperdício. O tempo do pessoal de saúde que não for empregado no atendimento dos pacientes, idem (as enfermeiras precisam cuidar dos pacientes e não do sistema). O esforço por eliminar estes desperdícios pode contribuir positivamente para o enriquecimento do trabalho destes profissionais. Os gestores dos hospitais. A diminuição do custo do desperdício aumenta a produtividade e a rentabilidade dos serviços hospitalares. Um dos dilemas da saúde é como fazer mais com os recursos disponíveis. O Brasil tem investido de 7% a 8% do PIB na saúde nos últimos anos. O gasto per capita em saúde tem aumentado. Mas este aumento tem um limite. Como atender à demanda pelos serviços de saúde dentro destes limites senão através da otimização dos serviços e eliminação destes desperdícios? Um hospital enxuto pode fazer mais com cada real gasto em saúde. Os planos de saúde. Os planos de saúde ganham dinheiro recusando-se a pagar por serviços ou restringindo aos assegurados o acesso a médicos e hospitais (Porter e Teisberg, 2004). Os hospitais entram num braço de ferro com os planos de saúde para que as despesas com os pacientes sejam pagas integralmente. Predomina uma desconfiança mútua entre os hospitais e os planos de saúde. Esta desconfiança gera custos que são desperdícios. Os planos de saúde precisam, por exemplo, contratar médicos como auditores para conferir as contas dos hospitais. Processos enxutos, mais transparentes, podem eliminar estes desperdícios. As empresas. Na maioria dos pacotes de benefícios oferecidos aos funcionários está contido um plano de saúde corporativo. Tais custos acabam corroendo as margens de lucro das empresas uma vez que a competição muitas

20 7 vezes determina o preço final do produto. Segundo uma estimativa do Deutsche Bank Securities, o custo de cuidados com a saúde por empregado da General Motors chegou a US$ 19,14 por hora em 2003, ao passo que a Toyota, recém instalada nos EUA, e com um quinto de empregados, tem um custo de US$ 3,76 por hora por empregado (Panchak, 2003). Não é à-toa que na GM há um forte movimento de disseminação de práticas enxutas aplicadas aos hospitais conveniados. A tentativa de redução destes custos sem afetar a qualidade do atendimento aos empregados é uma questão que envolve a própria competitividade das empresas. Vê-se que as conseqüências da aplicação de uma abordagem enxuta nos hospitais podem trazer um forte apelo a todos seus stakeholders. O que se propõe não é aplicar nos pacientes um conjunto de ferramentas e técnicas ótimas para a produção de veículos. Trata-se de analisar a aplicabilidade dos princípios enxutos nos serviços de saúde, levando-se em consideração as especificidades deste setor (Hines et al., 2004). Trata-se de avaliar a saúde sob o prisma do pensamento enxuto e verificar se esta abordagem é capaz de auxiliar a solução dos problemas comuns enfrentados na operação dos serviços de saúde. 1.4 Delimitações O problema da ineficiência do sistema de saúde brasileiro é complexo. Sua solução passará por uma coordenação multidisciplinar de esforços envolvendo inúmeras áreas. Sua solução passará pela mudança na forma de financiamento do sistema, regulamentação dos seguros de saúde, estabelecimento de um marco regulatório do setor para estimular a competição, profissionalização da gestão do sistema, melhor utilização de sistemas de informação para coordenar as diferentes esferas de atendimento, re-estruturação das operações dos serviços de saúde, entre outros. Este estudo ficará delimitado na questão das operações, isto é, como aumentar a eficiência e melhorar a qualidade através dos processos que suportam suas operações.

21 8 1.5 Organização do Estudo Este trabalho está estruturado em 6 capítulos. No primeiro, encontram-se o problema, o objetivo do estudo, sua relevância, suas delimitações e uma contextualização do estudo. O capítulo 2 é dedicado à revisão de literatura onde se apresenta o conceito lean utilizado, a evolução da aplicação do conceito em indústrias e em serviços, a descrição dos princípios enxutos e sua aplicação em serviços de saúde e uma breve descrição de um novo paradigma da prática clínica conhecido como medicina baseada em evidências. O capítulo 3 descreve a metodologia utilizada, o porquê da escolha da estratégia de estudo de caso, como os casos foram selecionados, como foram feitas a coleta e tratamento dos dados e as limitações do método. O capítulo 4 está dedicado à descrição dos casos. Cinco organizações foram escolhidas para compor o estudo: o Projeto do Pé Diabético (da Prefeitura do Rio de Janeiro), o Hospital Pró-Cardíaco, o Hospital Dr. Badim, o Hospital Copa D Or e a Diagnósticos da América. O capítulo 5 analisa como cada um dos princípios enxutos descritos na revisão de literatura se aplicam a estes casos. O capítulo 6 apresenta as conclusões do trabalho e algumas recomendações para futuras pesquisas. 1.6 Contexto do Estudo Esta pesquisa se desenvolve num contexto de escassez de material bibliográfico: artigos, estudos de caso, livros. A difusão dos princípios enxutos oriundos da manufatura no contexto dos serviços é recente. O artigo de Bowen e Youngdahl (1998) pode ser considerado um marco ao defender a adoção destes princípios nos serviços. Dentre o amplo leque de serviços existentes, os serviços de saúde podem ser considerados como a próxima fronteira da expansão dos princípios enxutos. Embora o artigo de Bowen e Youngdahl (1998) traga um exemplo de um hospital com características enxutas, a preocupação por pensar de maneira estruturada e

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS Semana LIAG Limeira: 09/05/2011 1 Apresentação Palestrante: José Augusto Buck Marcos Engenheiro com formação e especialização

Leia mais

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74 Sumário Prefácio, xi Introdução, 1 Parte I - HISTÓRICO E COMPONENTES DO LEAN, 5 1 Conceito Enxuto: das Origens à Consolidação, 6 As indústrias da produção em massa, 8 Crise na indústria automobilística

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Excelência Operacional

Excelência Operacional Excelência Operacional Inter-relação entre Lean Manufacturing e TPM ( Total Productive Management) Paulo Yida - Diretor Solving Efeso America do Sul Renato Cosloski Iamondi Consultor Senior Solving Efeso

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

O Processo De Melhoria Contínua

O Processo De Melhoria Contínua O Processo De Melhoria Contínua Não existe mais dúvida para ninguém que a abertura dos mercados e a consciência da importância da preservação do meio ambiente e a se transformaram em competitividade para

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos como posso assegurar uma experiência excepcional para o usuário final com aplicativos

Leia mais

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) De um modo geral, o mercado segurador brasileiro tem oferecido novas possibilidades de negócios mas,

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

GembaConsulting. Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE. de nossos clientes

GembaConsulting. Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE. de nossos clientes Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE de nossos clientes Atuação em todos os processos e atividades industriais ou administrativas que ocorrem entre a realização do pedido e a entrega do produto

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Inédito! Hospital e Instituto mostram aplicação do Sistema Lean na gestão hospitalar

Inédito! Hospital e Instituto mostram aplicação do Sistema Lean na gestão hospitalar RELEASE À IMPRENSA: Inédito! Hospital e Instituto mostram aplicação do Sistema Lean na gestão hospitalar São Paulo, 9 de junho de 2009 *Hospital São Camilo e Lean Institute Brasil fazem workshop inédito

Leia mais

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br O QUE ESTÁ POR TRÁS DA IDÉIA DE EMPRESA ENXUTA? ELIMINAÇÃO DE TODO TIPO DE DESPERDÍCIO NO SUPPLY VELOCIDADE FLEXIBILIDADE QUALIDADE

Leia mais

David Vicentin (dvicentin@setecnet.com.br) Gerente de Lean Six Sigma

David Vicentin (dvicentin@setecnet.com.br) Gerente de Lean Six Sigma Carta do Leitor Por: David Vicentin (dvicentin@setecnet.com.br) Gerente de Lean Six Sigma Engenheiro de produção pela Escola Politécnica da USP e especialista em PNL pela SBPNL. Gerente da área de Lean

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting Soluções personalizadas para acelerar o crescimento do seu negócio Estratégia Operacional Projeto e Otimização de Redes Processos de Integração Eficácia

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção Fascículo 6 Arranjo físico e fluxo O arranjo físico (em inglês layout) de uma operação produtiva preocupa-se com o posicionamento dos recursos de transformação. Isto é, definir onde colocar: Instalações

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Sumário INFORMAÇÕES GERAIS... 1 SYMANTEC UNIVERSITY PARA PARCEIROS... 1 TREINAMENTO... 2 SERVIÇO DE INFORMAÇÕES... 4 COLABORAÇÃO... 5 Informações

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Orçamento Empresarial Definição Instrumento que traz a definição quantitativa dos objetivos e o detalhamento dos fatores necessários para atingi -los, assim como o controle do desempenho. Permite acompanhar

Leia mais

Concessionárias Lean: A Competição no Futuro Será Vencida com. Vendas e Serviços

Concessionárias Lean: A Competição no Futuro Será Vencida com. Vendas e Serviços Concessionárias Lean: A Competição no Futuro Será Vencida com Vendas e Serviços Este artigo mostra porque a competição será vencida com vendas e serviços. Tradução: Odier Araujo por James Womack A indústria

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS BRUNO ROBERTO DA SILVA CESAR HENRIQUE MACIEL RIBEIRO GUSTAVO HENRIQUE PINHEIRO RICARDO SALLUM DE SOUZA VITOR

Leia mais

AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI

AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI CUSTOMER SUCCESS STORY Março 2014 AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI PERFIL DO CLIENTE Indústria: Manufatura Empresa: AT&S Funcionários: 7.500 Faturamento: 542 milhões

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 A GSMA representa os interesses da indústria mundial de comunicações móveis. Presente em mais de 220 países, a GSMA

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Vendas na Empresa Lean

Vendas na Empresa Lean Vendas na Empresa Lean Autor: Alexandre Cardoso Publicado: 29/04/2011 Introdução Em uma empresa, a área de Vendas é de extrema importância para o sucesso do negócio. Aprimorar o seu desempenho tem sido

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

no Brasil O mapa da Acreditação A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais

no Brasil O mapa da Acreditação A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais O mapa da Acreditação no Brasil A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais metodologias Thaís Martins shutterstock >> Panorama nacional Pesquisas da ONA (Organização

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Marketing 4ª Série Gestão do Relacionamento com os Consumidores A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido por

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Os esforços devem se concentrar em garantir que cesáreas sejam feitas nos casos em que são necessárias, em vez de buscar atingir uma taxa específica de cesáreas.

Leia mais

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Investir em pessoal com um programa de gestão de desempenho permite que uma operação de abastecimento não só sobreviva, mas cresça

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico IETEC Instituto de Educação Tecnológica Artigo Técnico A Importância Do Desenvolvimento Dos Fornecedores Para A Atividade De Compras Autor: Fernando de Oliveira Fidelis Belo Horizonte MG 11 de Agosto de

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Informações sobre a disciplina: Professor: Eng. Carlos Bernardo Gouvêa Pereira Site: www.carlosbernardo.com Email: prof_carlospereira@camporeal.edu.br

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME 1 LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME Marcio Alves Suzano, M.Sc. Marco Antônio Ribeiro de Almeida, D.Sc. José Augusto Dunham, M.Sc. RESUMO.

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Governança, risco e. compliance Chega de redundâncias. 24 KPMG Business Magazine

Governança, risco e. compliance Chega de redundâncias. 24 KPMG Business Magazine Governança, risco e compliance Chega de redundâncias 24 KPMG Business Magazine Programa Risk University transmite aos executivos uma visão abrangente dos negócios A crise financeira de 2008 ensinou algumas

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS

PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS FÁBIO ANDRÉ DE FARIAS VILHENA (UFPA) vilhena.fabio@hotmail.com JOSÉ

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais