Pedro Celso Campos (1) Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pedro Celso Campos (1) Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho"

Transcrição

1 HUMAN ECOLOGY The role of communication in the quality of life of seniors: considerations about the body and the mind on the third age ECOLOGIA HUMANA O papel da Comunicação na qualidade de vida da pessoa idosa: considerações sobre Corpo e Mente na Terceira Idade Pedro Celso Campos (1) Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Resumo Com o acentuado envelhecimento da população, muitos pesquisadores procuram respostas para uma velhice com mais qualidade de vida. Todos concordam que não basta viver mais, é necessário viver bem. Uma das principais preocupações é com a medicina preventiva que busca preparar o corpo e a mente para uma terceira e quarta idade mais felizes. Neste artigo queremos destacar a contribuição dos processos comunicacionais no envelhecimento saudável, relacionando Comunicação, Saúde e Terceira Idade. Também queremos chamar a atenção dos estudantes de jornalismo para essa pauta cada vez mais presente do envelhecimento demográfico, visando, ainda, contribuir com a superação de potenciais conflitos intergeracionais resultantes do envelhecimento populacional. Palavras-chave: Comunicação, Idoso, Corpo, Saúde, Integração. Abstract With the continued aging of the population, many researchers look for answers for aging with quality of life. All agree that living longer is not enough, it is necessary to live well. One of the main concerns is with the preventive medicine that aims to prepare the body and the mind for a happier third age. In this article we want to highlight the contribution of the communication processes for a healthy aging, correlating Communication, health, and the Third age. We also want to call the attention of the journalism student for this subject that is progressively more present, that is the demographic aging, aiming also to contribute with the overcoming of potential conflict between generations resulting from the population aging. Keyword: communication, seniors, body health, Integration. (1) Pedro Celso Campos é doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (2006), tem pós-doutorado na mesma área pela Universidade de Sevilha (2008), integra o Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação-FAAC da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP e sua pesquisa na área do jornalismo ambiental e da ecologia humana relaciona Comunicação, Saúde e Qualidade de Vida da Pessoa Idosa / 120

2 Communication + Management + Education + Leadership + Informing Science + Peace Culture + Politics + Sociology + Economy + REVISTA indizada, incorporada o reconocida por instituciones como: LATINDEX / REDALyC / REVENCYT / CLASE / DIALNET / SERBILUZ / IBT-CCG UNAM /EBSCO Directorio de Revistas especializadas en Comunicación del Portal de la Comunicación InCom-UAB / / Directory of Open Access Journals (DOAJ) / / Yokohama National University Library jp / Stanford.edu, / University of Rochester Libraries / Korea Fundation Advenced Library.kfas.or.kr / / / fr.dokupedia.org/index / / Universitè de Caen Basse-Normandie SICD-Rèseau des Bibliothéques de L'Universitè / Base d'information Mutualiste sur les Périodiques Electroniques Joseph Fourier et de L'Institutè National Polytechnique de Grenoble / Biblioteca OEI / / / / / / Cit.chile, Journals in Electronic Format-UNC-Chapel Hill Libraries / / / / / / / / / / / EBSCO /www.opac.sub.unigoettingen.de / / / / / / / / / / / www. /phoenicis.dgsca.unam.mx / / / / / / / / / / / / / +++ / Universal Impact Factor No bureaucracy / not destroy trees / guaranteed issues / Partial scholarships / Solidarity / / Electronic coverage guaranteed in over 150 countries / Free Full text /Open Access INTRODUÇÃO Chama atenção nos estudos sobre envelhecimento o fato de que esse processo não ocorre de forma igual para todas as pessoas - apresentando características que exigem atenção específica para cada sujeito mas que isto ocorre de modo diferenciado em cada sociedade, em cada região do mundo. As pesquisas indicam que em determinadas regiões o processo se desenvolveu de forma mais gradual, quando se comparam as taxas de fecundidade e de mortalidade. Em outras, entretanto, a velocidade do envelhecimento é duas vezes mais rápida, o que está a exigir dos governantes medidas mais eficientes no que se refere ao atendimento das necessidades desse grupo social, especialmente no que se relaciona com a saúde pública e preventiva. A pesquisa Saúde, Bem-Estar e Eenvelhecimento -SABE, financiada pela Organização Pan-Americana de Saúde, em colaboração com a Organização Mundial da Saúde, em 2003, envolvendo sete países da América Latina e Caribe, revelou claramente essa situação, conforme relata Martha Peláez, assessora de Envelhecimento da OPAS, na apresentação da pesquisa que, no Brasil, teve o apoio da USP, FAPESP e Ministério da Saúde, sendo 108 / 120

3 conduzida, em nosso país, pelas professoras da USP Maria Lúcia Lebrão e Yeda A. de Oliveira Duarte, (Cf. LEBRÃO -2003). Ao historiar a natureza desse estudo da OPAS, os pesquisadores Alberto Palloni e Martha Peláez observam: Nas sociedades da região (AL e Caribe), onde a diminuição da mortalidade e da fecundidade está concentrada em poucos anos, a velocidade do envelhecimento é muito mais elevada do que em áreas como a Europa Ocidental e América do Norte, onde a diminuição da mortalidade e da fecundidade ocorreu mais gradualmente, em períodos de tempo mais prolongados. Os contrastes entre a velocidade do envelhecimento na América Latina e no Caribe, de um lado, e América do Norte, Oeste dos Estados Unidos e Europa Ocidental, por outro lado, é surpreendente... De fato, indicam que a velocidade do envelhecimento na região será ao menos duas vezes mais elevada que em outras regiões do mundo levando à passagem de uma sociedade jovem a uma mais idosa. A principal implicação dessa regularidade é que a transição para sociedades mais idosas nos países da região se acelera quando suas distribuições de idade ainda estão relativamente jovens. A pesquisa também revela que quatro países da região Argentina, Barbados, Cuba e Uruguai estão em estágios muito avançados do processo de envelhecimento, enquanto os outros três Chile, México e Brasil estão ligeiramente atrás dos precursores. Com efeito, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística- IBGE 1, desde os anos 1960 que a taxa de crescimento da população brasileira vem experimentando paulatinos declínios, intensificando-se juntamente com as quedas mais pronunciadas da fecundidade. No período , a taxa de crescimento da população recuou de 3,04% ao ano para 1,05% em Mas, em 2050, a taxa de crescimento cairá para 0,291%, que representa uma população de 215,3 milhões de habitantes. Segundo as projeções, o país apresentará um potencial de crescimento populacional até 2039, quando se espera que a população atinja o chamado crescimento zero. A partir desse ano serão registradas taxas de crescimento negativas, que correspondem a queda no número da população. Vale ressaltar que se o ritmo de crescimento populacional se mantivesse no mesmo nível observado na década de 1950 (aproximadamente 3% ao ano), a população brasileira chegaria, em 2008, a 295 milhões de pessoas e não nos 189,6 milhões divulgados pelo IBGE. Essas informações podem ser encontradas no estudo do IBGE Uma abordagem demográfica para estimar o padrão histórico e os níveis de subenumeração de pessoas nos censos demográficos e contagens da 1 Cf. acessado em 27/04/ / 120

4 população, que traz ainda a projeção da população do Brasil, por sexo e idade, para o período A Revisão 2008 incorpora a revisão da trajetória recente e futura da fecundidade, com base nas informações provenientes da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2002 a 2006, cujo nível limite se estabiliza em 1,5 filho por mulher (hipótese recomendada). Esses dados indicam a urgência de se discutir políticas públicas sobre envelhecimento em todos os níveis da sociedade, envolvendo o Estado e a Sociedade. Naturalmente não se pode excluir desse processo o papel da Universidade Pública e dos Meios de Comunicação. Com efeito, têm crescido, amplamente, nos últimos anos, os programas da Universidade Aberta à Terceira Idade que permitem aos idosos exercitarem corpo e mente no ambiente saudável e seguro dos campi universitários. Também os meios de comunicação estão se abrindo cada vez mais para essa pauta tão humana e tão destacada do envelhecimento demográfico. Em algumas instituições de ensino superior já existe uma tendência de se integrar os programas da Terceira Idade com os cursos de graduação voltados para as áreas de Humanas e Ciências Sociais Aplicadas, visando a preparação dos jovens para uma compreensão melhor desse fenômeno demográfico e contribuindo, de alguma forma, para a superação dos potenciais conflitos geracionais decorrentes. Iniciamos este artigo com breves considerações sobre a presença do idoso na sociedade de consumo dos nossos dias onde ele se torna alvo de todo tipo de publicidade voltada à venda de bens e serviços. Seu corpo, que denuncia a idade nas praças, nas ruas, nos supermercados, no trânsito etc, vai se tornando alvo preferencial de toda uma campanha relacionada com saúde e bem-estar. Crescem, assim, as preocupações com o exercício físico, já praticado gratuitamente em inúmeras academias ao ar livre em várias cidades. O idoso já não precisa esconder o corpo, o que importa é exercitar-se e manter-se saudável. Não é raro vermos senhores de elevada idade praticando exercícios ao ar livre usando bermudas ou até mesmo sem camisa. Tempos atrás não era usual mostrar o corpo assim, esperando-se do idoso um comportamento discreto. Agora, porém, vivenciamos a cultura do corpo que pode ser belo se cuidarmos dele e se soubermos aliar os cuidados com o corpo e os cuidados com a mente, conforme o slogan latino mens sana in corpore sano. Compreendemos, entretanto, que as convenções sociais relacionadas com o corpo humano mudaram muito ao longo do tempo. O CONCEITO DE CORPO FRÁGIL As pesquisas médicas ocupam-se amplamente das fragilidades do corpo humano, principalmente as decorrentes da idade avançada. Desde cedo o 110 / 120

5 corpo é alvo de inúmeras campanhas de saúde pública e muitas fortunas se desenvolvem com o comércio de produtos para o corpo. Na idade produtiva o corpo deve estar apto para o trabalho todo o tempo e em plena forma, pois não basta trabalhar, é preciso produzir mais. Mais além do trabalho em si, o objetivo buscado é o desempenho, a concorrência, a superação dos limites. A observação capitalista sobre as potencialidades do corpo humano acentua-se com o próprio surgimento do capitalismo. Com efeito, a partir do século XVIII desenvolve-se toda uma arte do corpo: Começa-se a observar de que maneira os gestos são feitos, qual o mais eficaz, rápido e melhor ajustado. É assim que nas oficinas aparece o famoso e sinistro personagem do Contra-Mestre, destinado não só a observar se o trabalho foi feito, mas como é feito, como pode ser feito mais rapidamente e com gestos melhor adaptados. ( Foucault, 1979). Também nessa época já existe a noção de que é necessário cuidar do meio ambiente porque a doença decorre das reações do corpo ao ambiente insalubre. Por isto, no alvorecer do capitalismo e da urbanização, a nova medicina social dá a sua contribuição para a correta circulação da água, a destinação dos esgotos, a disposição dos cemitérios e abatedouros de gado que antes funcionavam em pleno centro de Paris, por exemplo. O desenvolvimento das cidades, o aparecimento de uma população operária pobre que vai tornar-se o proletariado no século XIX, aumentará as tensões políticas no interior das cidades. Com a aglomeração, logo surgiriam as epidemias, a violência e a necessidade de se organizar o espaço urbano. Conta ainda Foucault que é a partir de 1780 que aparece o cemitério individualizado, em lugar afastado, com o sepultamento em caixões individuais, com sepulturas onde as famílias escrevem o nome de cada um. Portanto, a noção de respeito ao cadáver é mais uma medida de profilaxia ambiental do que um ensinamento religioso ou algo parecido. É uma prática que se inscreve nas medidas político-sanitárias de respeito aos vivos no final do século XVIII 2. Esse mesmo corpo, antes desprezado e ignorado, surge, em nossos tempos de consumismo desenfreado, como a grande seara cosmética onde é possível plantar e colher incessantemente, sempre com os melhores resultados. Vende-se de tudo para o novo corpo, desde próteses de silicone a remédios para emagrecimento, dietas milagrosas, roupas que realçam as curvas do corpo, associando-se o corpo estético e belo aos mais diferentes produtos como carro, cerveja, investimentos, destinos turísticos, alimentos etc. 2 ) Com base em textos antigos, Michel Foucault dá conta que no Cemitério dos Inocentes, no centro de Paris, os corpos dos pobres e indigentes eram amontoados de tal forma, antes do Séc. XVIII, que as pilhas superavam a altura dos muros e alguns caíam nas ruas laterais. 111 / 120

6 O corpo, antes cuidado para produzir com o melhor resultado, agora oferece ao mercado sua última oportunidade de gerar um lucro extra ao ser preparado para o envelhecimento sustentável. Aparece, assim, o conceito burguês de Terceira Idade em que todos são estimulados a cuidar da saúde corporal para estarem aptos a seguir vivendo com qualidade. Do ponto de vista da comunicação, esse corpo será sempre um livro aberto através do qual é possível resignificar toda a história de uma pessoa ou grande parte dela. Como um outdoor ambulante, ele informa sobre as origens, a ocupação, o estado mental e psicológico da pessoa observada. Com o assessório da vestimenta, o corte do cabelo, o calçado, o perfume.. esse corpo é pura comunicação que atua no sentido de atrair ou afastar as pessoas. Na quarta idade e adiante, será um corpo recluso, cuidado por terceiros, já praticamente invisível à sociedade. A fragilidade excessiva agora recomenda esconder o que antes era mostrado. Espera-se que todos guardem na memória a imagem de um corpo exuberante, sadio, belo, estético. É comum, nas mídias sociais, blogueiros mais velhos exibirem fotos mais jovens. Entretanto, a visão do corpo frágil pelas ruas da cidade enquanto as condições de saúde permitem - tende a nos levar a uma atitude de respeito e consideração, fruto da educação recebida no lar, na escola, em parte da mídia onde são passadas noções de ética, cidadania, inclusão social, aceitação da alteridade etc. É uma grande sorte, para um mundo melhor e menos violento, quando os jovens são ensinados a rejeitar qualquer tipo de preconceito, seja de raça, ideologia, cor, status socio-econômico, cultural, de gênero, étnico etc. Infelizmente esse mundo ideal não existe em toda parte, todo o tempo. Se existisse não veríamos jamais os casos de violência contra idosos denunciados pela mídia quando são descobertos. E os que não são comunicados pelos mais variados motivos? No entanto, quando são divulgados, geram revolta na sociedade que não aceita tanta violência. Podemos discutir, então, o papel da comunicação no sentimento de respeito aos idosos. Mas qual comunicação? Que instâncias comunicacionais podem contribuir com o fortalecimento desse segmento social, empoderando-o, fortalecendo-o coletivamente, criando uma mentalidade de convívio civilizado? COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO Através dos meios de comunicação convencionais, os produtores de bens e serviços dirigem-se permanentemente ao segmento da Terceira Idade chamando a atenção desse rico filão do mercado de consumidores. Esta é uma comunicação vertical, especialmente dirigida ao consumo - e surte seus efeitos, claro. Mas há um outro tipo de comunicação, defendida na pesquisa 112 / 120

7 acadêmica e em outros fóruns onde nem sempre a razão de tudo é o lucro. Neste caso trata-se de situar o idoso como sujeito da história e não como objeto de consumo. Também no bom jornalismo de serviço à comunidade podemos ver situações em que o objetivo não é falar para o idoso, mas sobre o idoso, dando-lhe espaço e voz para que manifeste o seu olhar sobre o mundo, sobre a realidade à sua volta. Esta é a comunicação que empodera, que valoriza, que respeita. E não é difícil produzi-la porque o idoso tem muitas histórias, basta buscar o contexto adequado para situar depoimentos e histórias de vida, criativamente. Ressalta-se, aqui, o papel a ser exercido pelos responsáveis, pelos familiares, afinal, pelos profissionais que cuidam da pessoa idosa, notadamente na idade mais avançada. Essas pessoas devem ter preparo para não privar o idoso dos seus programas favoritos na TV, no rádio etc. Muitas pesquisas revelam que isto é fator de saúde, de equilíbrio para a pessoa que já não pode mais sair de casa. Essa orientação deve estar presente nos cursos de preparação dos cuidadores de idosos, agora cada vez mais comuns em toda parte devido à elevada procura de profissionais dessa área. Todavia, enquanto a pessoa sente-se em condições, outro modo de comunicação muito salutar é possível e necessário. Trata-se da comunicação horizontal, pela integração, que pode se dar em associações, clubes, igrejas etc. Há alguns anos vem crescendo, em todo o mundo, a compreensão de que a Universidade Pública, financiada pelos contribuintes, tem uma dívida social com as pessoas idosas, das quais recebeu apoio e sustentação em toda a sua vida de contribuintes e pagantes de impostos. Por isto vem se ampliando, cada vez mais, o número de idosos nos programas denominados Universidade Aberta à Terceira Idade. Ali, além da integração, as pessoas também são desafiadas a aprender mais, a estudar coisas novas, a discutir novas abordagens para assuntos que antes julgavam imutáveis e empedernidos. É necessário cuidar mesmo no ambiente universitário para que a integração não se transforme em segregação. Por isto é sempre aconselhável quando possível - implantar as UNATIs junto aos Departamentos de Comunicação Social ou de Ciências Sociais, de modo a estimular o contato com os jovens que lidam com as artes da linguagem, da estética, da expressividade verbal, da produção textual, afinal, da Comunicação. Um exemplo prático desse tipo de UNATI pode ser observado na Faculdade de Comunicação da Universidade de Sevilha, na Espanha, onde os idosos têm seu próprio curso universitário, mas convivem todo o tempo com os jovens. Esse convívio irá estimular o sentimento de pertença social, de cidadania, unindo a experiência do idoso com as expectativas do jovem. Cidadania é a afirmação do indivíduo dentro do espaço público, onde tem o direito de ser tratado como igual e não como excluído. Esse é um aprendizado fundamental em uma sociedade considerada doente pela intolerância e o preconceito. 113 / 120

8 Historicamente, o conceito de cidadão aparece como resultante da Revolução Francesa, mas só vai se desenvolver na sociedade capitalista de fundo positivista que difunde a ideologia de que todos são iguais perante a lei. É necessário constatar, porém, que os séculos de capitalismo desenfreado e de destruição da natureza, em função do lucro privado, evidenciaram que isto não vai além da pregação ideológica, porque as oportunidades não são iguais. Até 1930 a cidadania era bastante incipiente no Brasil, segundo Canoas (2008) 3, levando mais de meio século para se firmar no país. Só em 1988 foi promulgada a chamada Constituição Cidadã que realmente se preocupa com o cidadão, apesar de muitas normas não terem sido ainda regulamentadas. Pela primeira vez a Constituição contempla a questão ambiental e a pessoa idosa, além dos direitos do consumidor. Não tenhamos ilusão, porém, pois sempre será necessário lutar pela afirmação dessa cidadania e mesmo assim ela jamais será plena pois, como vimos em sua origem, será sempre uma concessão do estado burguês, como também observa Canoas (2008): A extensão e o conteúdo da cidadania variam conforme as metas e objetivos que o Estado traça para a sociedade. Desta forma, podemos concluir que a cidadania estará sempre dentro dos limites possíveis do Estado. 3. Decorre daí o importante papel da escola, da família, dos meios de Comunicação, da Universidade etc na constante preparação e afirmação da cidadania, em um processo de educação continuada. É na Universidade Aberta à Terceira Idade que esse processo atingirá o seu ápice, quando cidadãos maduros convivem com futuros profissionais e as gerações se encontram nesse ágape da natureza humana fulcrada na busca do saber e do conhecimento. São inúmeros os especialistas da área de gerontologia que valorizam essa exercitação da mente e essa integração comunicativa como importantes elementos que contribuem com a qualidade de vida da pessoa idosa. Cabe destacar que os programas universitários voltados para idosos cumprirão tanto melhor sua finalidade quanto mais seus dirigentes se lembrarem que estão lidando com um público interessado em aprender, que tem noção do processo de conhecimento. Muitas vezes são pessoas que trazem toda uma bagagem cultural ou de experiências práticas e que pode interagir em trabalhos de grupo bem organizados. A educação bancária, que Paulo Freire tanto critica no ensino convencional, destinada a depositar ideias na cabeça dos jovens, torna-se pior ainda no caso dos idosos que preferem 3 ) Cf. CANOAS, C.S. A Cidadania na Velhice. In SOARES,N. e JOSÉ FILHO M. (Orgs.) UnATI-Construindo Cidadania. Franca-SP: UNESP, / 120

9 discutir os assuntos ao invés de engolirem tudo que ouvem. Daí a necessidade de não focar as atividades da UNATI apenas na recreação. Se concordarmos com a pedagogia de Paulo Freire, se acatarmos a visão de rede exposta por Manuel Castells, então aceitaremos que o conhecimento não está só com o professor. Ele não é dono da verdade, porque toda verdade é relativa, no plano material. O que se espera do professor é que ele seja um organizador, um facilitador dos saberes coletivos, que seja uma oportunidade de voz e de manifestação para todos os saberes. Aprendendo junto, alunos e professores poderão desvendar novas formas de abordagem, novos modos de estudar a realidade, novas técnicas de ensinar e de aprender. Mas isto só será possível quando, pelo diálogo e pelo respeito civilizado, todas as instâncias compreenderem que só a humildade diante do conhecimento nos leva a adquirir mais conhecimento. A arrogância, a prepotência, o dogmatismo tendem a nos afastar do conhecimento. Por isto Pascal indaga: Onde está o saber que perdemos com o conhecimento? A boa organização dos cursos da Universidade Aberta à Terceira Idade deve começar pelo conhecimento do perfil dos alunos potenciais. Quem é o idoso hoje? De que geração ele vem? Como ele se relaciona com as novas tecnologias? Quais os desafios que se colocam hoje para a qualidade de vida da pessoa idosa? É aconselhável lembrar, por exemplo, que o senhor de 70 anos, hoje, era adolescente nos anos 60 e pertence à chamada geração babyboomer, fenômeno de explosão demográfica ocorrido logo após a Segunda Guerra Mundial. Essa geração foi para a Universidade, protestou contra a Guerra do Vietnã, proclamou um novo estilo de vida baseado no despojamento dos hippies, na paz e no amor. É uma geração que se deixou embalar pelo romantismo, pelo rock and roll e depois mandou seus filhos para a Universidade também. É uma geração que não se intimida com as novas tecnologias e se adapta muito bem às novidades de nossos tempos. Mas é preciso que a UNATI apoie essa busca do idoso pelo contato com as tecnologias que vão permitir o diálogo com as novas gerações. Isolar o idoso do mundo digital não é uma boa medida para quem está preocupado com a qualidade de vida da pessoa idosa. A marginalização a que muitos idosos são expostos, principalmente em segmentos populacionais mais humildes, é prejudicial porque reduz o nível de informação e de comunicação, portanto de interatividade. Na Sociedade da Informação, em que todo conhecimento está ao alcance de um clic, a participação plena do idoso é conveniente e necessária. Em outros tempos o idoso exercitava outras formas de comunicação, muito mais baseada no saber oral transmitido de geração em geração, o que contribuía, também, para manter a autoridade, o protagonismo do idoso sobre o grupo, como lembra Bobbio: 115 / 120

10 Nas sociedades tradicionais e estáticas, que evoluem lentamente, o velho reúne em si o patrimônio cultural da comunidade, destacando-se em relação a todos os membros do grupo. O velho sabe por experiência aquilo que os outros ainda não sabem e precisam aprender com ele, seja na esfera da ética, dos costumes, das técnicas de sobrevivência etc. Mas, nas sociedades evoluídas, as transformações cada vez mais rápidas, quer dos costumes, quer das artes, viraram de cabeça para baixo o relacionamento entre quem sabe e quem não sabe. Cada vez mais o velho passa a ser aquele que não sabe em relação aos jovens que sabem, e estes sabem, entre outras razões, também porque têm mais facilidade para aprender. (Bobbio: ). Ao proporcionar um continuado exercício para a mente, o papel da Universidade Aberta à Terceira Idade é tão significativo na boa qualidade de vida da pessoa idosa que já está a exigir a devida regulamentação por parte do Ministério da Educação e Cultura e do governo, em geral. Medidas como o Estatuto do Idoso, a Política Nacional do Idoso, o Conselho Nacional do Idoso têm contribuído para conscientizar a sociedade sobre o respeito ao cidadão idoso. Isto já se reflete na obrigatoriedade do estacionamento privativo no comércio e da preferência em filas de bancos, lojas etc. Igualmente não passa desapercebida na sociedade a excelente contribuição que dão alguns meios de comunicação ao colocarem em debate a questão do envelhecimento e do conflito geracional, como tem ocorrido em novelas, por exemplo. São muito produtivos, também, os filmetes educativos apresentados nos intervalos da programação em rede. Na verdade, toda a sociedade deve estar envolvida nesse processo de estudo e conhecimento sobre a questão geracional que vai se tornando cada vez mais presente entre nós, já não sendo mais possível ignorá-la ou fingir que ela não existe. Essa educação para a inclusão, por exemplo, deve ser meta do ensino básico onde, muitas vezes, o aluno é ensinado a separar e não a incluir, como observa Morin (2003): Na escola primária nos ensinam a isolar os objetos (de seu meio ambiente), a separar as disciplinas (em vez de reconhecer suas correlações), a dissociar os problemas (em vez de reunir e integrar). Obrigam-nos a reduzir o complexo ao simples, isto é, a separar o que está ligado; a decompor, e não a recompor; a eliminar tudo que causa desordens ou contradições em nosso entendimento. Em tais condições, as mentes dos jovens perdem suas aptidões naturais para contextualizar os saberes e integrá-los em seus conjuntos. (Morin, ). A questão do envelhecimento é semelhante à questão ambiental. Sempre achamos que isto não é problema nosso, é assunto do governo e da 116 / 120

11 sociedade. Mas todo mal que fazemos contra o meio ambiente resulta em prejuízos para nós mesmos e para nossos descendentes. Do mesmo modo não podemos ignorar a questão do envelhecimento demográfico porque o idoso de hoje sou eu amanhã, se tivermos a felicidade de envelhecer. Cada vez mais devemos compreender que o idoso não está inserido na sociedade, ele é a própria sociedade, na medida em que o envelhecimento é um processo que se dá de modo diferenciado para cada pessoa. Para Bobbio (1997-9) a velhice não é uma cisão em relação à vida precedente. É uma continuação da adolescência, da juventude, da maturidade que podem ter sido vividas de diversas maneiras. À medida que avança o percentual de idosos no país, avizinhando-se o cenário de uma sociedade majoritariamente idosa, tornam-se necessárias políticas públicas que vão resultar em mais respeito e consideração com essas pessoas 4. Naturalmente, estamos diante de uma pauta que os meios de comunicação não podem ignorar, muito menos os futuros jornalistas que hoje estão nos bancos da universidade. Com tal objetivo foi criado, na Faculdade de Comunicação da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP, O Grupo de Estudos Idosomídia, voltado para a pesquisa e a extensão, acessível em alunos de Jornalismo que estudam, espontaneamente, a questão do envelhecimento demográfico. Eles se reúnem semanalmente para discutir o assunto e desenvolvem, permanentemente, atividades de pesquisa e extensão financiadas e apoiadas pela Pró-Reitoria de Extensão da UNESP/PROEX. É uma tentativa de preparar melhor os futuros jornalistas, de modo que vivenciem as questões sociais ao invés de receberem apenas ensino teórico. Com efeito, o aluno de jornalismo não suporta mais o excesso de aulas teóricas. Com as novas mídias sociais, com a comunicação instantânea via blogs, twitter, facebook etc todo mundo se tornou produtor de conteúdos. A chamada Geração Y 5 que chega aos bancos escolares procura desafios maiores e mais interessantes caracterizados por uma formação sistêmica que vê o todo e não apenas a parte. O projeto político-pedagógico de graduação em Jornalismo, da Universidade Estadual Paulista, persegue o perfil de um profissional crítico, capaz de ver a floresta e não apenas a árvore, em 4) Trata-se de um importante contingente populacional que, certamente, tem experiência de vida, qualificação e potencialidades a oferecer à sociedade. Em termos absolutos, significa que o País deve estar preparado para atender, já, demandas sociais, sanitárias, econômicas e afetivas de magnitudes muitas vezes desconhecidas de uma população que se incrementa anualmente em meio milhão de idosos ao longo da primeira década deste século e de mais de um milhão ao chegar em Cf. LEBRÃO (2003). 5 ) Convencionou-se, na mídia, sem autoria precisa, classificar de Geração Y os nascidos entre 1982 e 2000, tal como se conceitua Geração Z os nascidos a partir de Os idosos de hoje, na faixa de 52 a 69 anos, são da Geração Baby Boomers, nascida entre 1943 e / 120

12 condições de identificar o aspecto humano da cobertura jornalística. Ensinamos aos nossos alunos que jornalismo só tem sentido quando envolve gente, pessoas, sentimentos, compreensão, compaixão, revolta. Não se vai a lugar algum com um jornalismo assentado friamente só em números, estatísticas e gráficos. Também o Programa de Pós-Graduação em Comunicação da FAAC/UNESP oferece uma disciplina voltada para o tema, relacionando-o com ecologia humana e meio ambiente. Outra iniciativa da FAAC nesse sentido é a Universidade Aberta à Terceira Idade, que agora funciona junto ao curso de Relações Públicas do Departamento de Comunicação Social da instituição. No final de 2011 o Programa de Pós-Graduação em Comunicação da FAAC/UNESP esteve representado na Oficina Internacional sobre Envelhecimento promovida pela Faculdade de Medicina da UNESP/Botucatu, a convite da Pró-Reitoria de Pesquisa/PROPe. Na ocasião, diversos especialistas, do Brasil e do exterior, discutiram relevantes estudos que estão em andamento na área médica visando o bem-estar da pessoa idosa. O observador da PROPe chamou atenção para o papel da Comunicação na boa saúde dos idosos, que poderia ser um item a ser considerado nos estudos sobre medicina preventiva, tanto quanto a integração com o núcleo familiar, os hábitos sociais, os exercícios do corpo e da mente para o bom equilíbrio na chamada Terceira Idade. CONSIDERAÇÕES FINAIS Discutimos, neste artigo, o acelerado processo de envelhecimento demográfico da América Latina e do CARIBE, conforme apurado pelo inquérito SABE, da OPAS, observando que, nessa região, esse processo é ainda mais rápido em quatro dos países pesquisados: Argentina, Barbados, Cuba e Uruguai. Chamamos atenção para a necessidade urgente de políticas públicas capazes de preparar o país para um futuro próximo em que teremos um incremento superior a um milhão de idosos a cada década, tornando-nos um país majoritariamente idoso. Destacamos que a Universidade e os Meios de Comunicação devem ter papel destacado no estudo desse processo e que isto já vem ocorrendo, ainda que timidamente, através da Universidade Aberta à Terceira Idade e das iniciativas de preparação dos futuros comunicadores para o convívio com essa pauta cada vez mais presente que é o envelhecimento demográfico. Também tratamos de aspectos que envolvem o conceito de corpo idoso na sociedade do consumo, quando a prática de exercícios físicos é incentivada pela medicina preventiva, a qual também recomenda a integração social do idoso como estratégia de boa qualidade de vida na Terceira Idade. Concluímos relacionando alguns esforços da Faculdade de Arquitetura, Artes e 118 / 120

13 Comunicação da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, campus de Bauru-SP, no sentido de disponibilizar recursos e conscientizar os futuros comunicadores sobre a importância dos estudos intergeracionais. Nossa proposta é que o poder público, através dos organismos competentes, estimule medidas integradas no sentido de inserir a Universidade Pública no debate sobre o envelhecimento demográfico, fato que ajudaria a atrair o olhar dos meios de comunicação para a questão, contribuindo com o empoderamento desse expressivo segmento populacional. No âmbito da formação acadêmica dos futuros comunicadores, o que propomos é a criação de grupos interessados em estudar os fenômenos sociais com os quais terão de lidar uma vez formados. Entre os tantos fenômenos do mundo pós-moderno, podemos considerar, naturalmente, este recorte do envelhecimento demográfico que é uma característica acentuada e crescente de nosso tempo, em todo o mundo, como vimos neste artigo. Parece estranho convidar jovens a discutir problemas de velhos, mas o jornalista eticamente comprometido com a sociedade, no seu todo, tem o direito de ignorar uma notícia, uma pauta, uma possibilidade de entrevista, uma reportagem de história oral apenas porque não gosta de determinado assunto? Por outro lado, a contingência do envelhecimento demográfico é fato irrecorrível porque toca o jovem de duas formas: ele está inserido nesse contexto do mundo idoso (no lar, na profissão, na sociedade) e ele sabe que um dia também vivenciará este processo, inelutavelmente, se lhe for dado o privilégio da longevidade. Portanto, esta pauta não tem a ver com outra realidade, com outro planeta, mas com nós mesmos, com nosso país, com nossa sociedade e é no meio da sociedade que exercemos o nosso ofício. A ideia é que tais estudantes recebam orientação teórica no campus, na forma de estudo em grupo, sobre esse fenômeno social e saiam a campo para inserir-se nessa realidade tal como ela é, estudando todos os aspectos que envolvem esta realidade, quem sabe até propondo formas pró-ativas, dentro do discurso da mídia e também das empresas, das entidades, dos poderes públicos etc no modo de tratar este segmento geracional cada vez mais expressivo e cada vez mais presente em todas as áreas, no mercado de trabalho, na cultura, no esporte, no lazer, na saúde, na política etc. Formar jornalistas mais sensíveis no que se refere à condição humana parece ser um bom modo de colocar em prática uma nova modalidade de ensino, dentro da categoria do fazerfazendo. Com razão afirma o professor Nilson Laje, da Universidade Federal de Santa Catarina, que ensinar jornalismo é como pedalar bicicleta: é no fazer que se aprende melhor. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 119 / 120

14 BEAUVOIR, S. de. A Velhice. Trad. de Maria Helena Franco Martins. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, BOBBIO, N. O Tempo da Memória: De Senectute e outros escritos auto-biográficos. Trad. Daniela Versiani. Rio de Janeiro: Campus, BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, BRASIL. Lei n de 4 de janeiro de Dispõe sobre a Política Nacional do Idoso e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 5 de janeiro de Seção I. BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE. 272, acessado em 27/04/2012. DUARTE, Y.A.O. Família Rede de Suporte ou fator estressor. A ótica de idosos e cuidadores familiares. São Paulo, Tese (Doutorado)-Escola de Eenfe3rmagem da Universidade de São Paulo. FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. Trad. Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, LEBRÃO, M. L. e DUARTE, Y.A.O. SABE-Saúde, Bem-Estar e Envelhecimento O Projeto SABE no Município de São Paulo:Uma abordagem inicial. Brasília: Organização Pan Americana da Saúde, MAGALHÃES, D. N. A Invenção Social da Velhice. Rio de Janeiro: Edição do Autor, MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Trad. Eloá Jacobina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, PALLONI, A. & PELÁEZ, M. SABE: Survey on Health and Well-Being of elder: preliminary report. Washington DC: Organización Panamericana de la Salud, PRETI, D. A Linguagem dos Idosos. São Paulo: Contexto, SIERRA, F. Políticas de Comunicación y Educación Crítica y Desarrollo de la Sociedad del Conocimiento. Barcelona: GEDISA, VELÁZQUEZ, M. Reflexiones sobre los Progamas Universitarios de Mayores Una Visión desde la Práctica en el Aula de la Experiencia de la Universidad de Sevilla. Sevilla: Secretariado de Publicaciones de la US, THUROW, Lester C. O Futuro do Capitalismo Como as forças econômicas moldam o mundo de amanhã. Trad. de Nivaldo Montingelli Jr..Rio de Janeiro: Rocco, / 120

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

Considerações. Acesso à Pesquisa: www.fpa.org.br/area/pesquisaidosos www.sescsp.org.br

Considerações. Acesso à Pesquisa: www.fpa.org.br/area/pesquisaidosos www.sescsp.org.br IDOSOS NO BRASIL: Vivências, Desafios e Expectativas na 3 a. Idade Pesquisa realizada pela Fundação Perseu Abramo em parceria com SESC Nacional e SESC São Paulo Considerações Para viabilizar a pesquisa

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE *Luciano Leal Loureiro *Jéssica Finguer RESUMO O presente texto busca explicar o que é o projeto Futebol Para Todos, oferecido pelo curso

Leia mais

Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária *

Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária * Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária * Olga Collinet Heredia UNISINOS Palavras chaves: estrutura etária, população ativa, envelhecimento. INTRODUÇÃO Modificações na dinâmica demográfica

Leia mais

As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero

As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero Fausto Brito José Alberto Magno de Carvalho Cássio Maldonato Turra Bernardo Lanza Queiroz Nas três primeiras décadas da segunda metade do século

Leia mais

Entrevista com o antropólogo Luis Donisete Benzi Grupioni

Entrevista com o antropólogo Luis Donisete Benzi Grupioni 1 Guia Prático para Professores de Ensino Fundamental 1, publicação mensal da Editora Lua ( entrevista do mês da edição de abril de 2009. Ano 06, No. 62). ISBN 1679-9879. Entrevista com o antropólogo Luis

Leia mais

Comportamento do leitor e hábitos de leitura: comparativo de resultados em alguns países da América Latina 1

Comportamento do leitor e hábitos de leitura: comparativo de resultados em alguns países da América Latina 1 Comportamento do leitor e hábitos de leitura: comparativo de resultados em alguns países da América Latina 1 Março de 2012 Introdução Para aqueles que no dia-a-dia atuam no mundo do livro, na leitura e/ou

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro?

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro? População mundial Leia as manchetes abaixo: População mundial superará 9,2 bilhões em 2050, estima ONU BBC Brasil Casais ricos burlam lei do filho único na China BBC Brasil A população mundial atingiu

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

GESTÃO PÚBLICA RELACIONAL. Antecedentes e contexto

GESTÃO PÚBLICA RELACIONAL. Antecedentes e contexto GESTÃO PÚBLICA RELACIONAL. Antecedentes e contexto O presente curso de capacitação está inserido no sistema intermunicipal de capacitação em planejamento e gestão local participativa a partir da experiência

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA Adenilton Santos Moreira* RESUMO Este trabalho analisa a Inclusão social como a capacidade

Leia mais

Educação e Mão de Obra para o Crescimento

Educação e Mão de Obra para o Crescimento Fórum Estadão Brasil Competitivo: Educação e Mão de Obra para o Crescimento Maria Alice Setubal Presidente dos Conselhos do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária Cenpece

Leia mais

Entrevista CADERNOS DE SEGURO

Entrevista CADERNOS DE SEGURO Entrevista 6 Marco Antonio Rossi Presidente da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) POR Vera de Souza e Lauro Faria

Leia mais

Comunicação em Saúde: Experiências da Rádio Web Saúde com jovens latino-americanos Comunicação em Saúde

Comunicação em Saúde: Experiências da Rádio Web Saúde com jovens latino-americanos Comunicação em Saúde Comunicação em Saúde: Experiências da Rádio Web Saúde com jovens latino-americanos Comunicação em Saúde Ana Valéria Machado Mendonça¹ Grasiela de Sousa Pereira² Dyego Ramos Henrique Raelma Paz Silva Maria

Leia mais

Introdução: Este é um estudo sobre atividades culturais praticadas por

Introdução: Este é um estudo sobre atividades culturais praticadas por SOCIABILIDADE DOS IDOSOS: FATOR DE PROMOÇÃO DA SAÚDE Autores: Natália Aparecida de Meira Franco Beltrina Côrte Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) Introdução: Este é um

Leia mais

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Experiência Brasil Eliane Ribeiro UNIRIO/UERJ/ Secretaria Nacional

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUIDADOS PREVENTIVOS PARA O ENVELHECER SAUDÁVEL E ATIVO

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUIDADOS PREVENTIVOS PARA O ENVELHECER SAUDÁVEL E ATIVO TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUIDADOS PREVENTIVOS PARA O ENVELHECER SAUDÁVEL E ATIVO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO SOCIAL INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS DE BOTUCATU

Leia mais

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS Agostinho Both3 3, Carmen Lucia da Silva Marques 3,José Francisco Silva Dias 3 As instituições, em especial as educacionais, não podem se furtar

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014 Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização Levantamento das questões de interesse Perfil dos alunos, suas necessidades e expectativas; Condições de trabalho e expectativas dos professores;

Leia mais

QUEM SOMOS PARA TODAS

QUEM SOMOS PARA TODAS Mídia Kit QUEM SOMOS O site Beleza e Conteúdo é uma proposta inovadora para quem deseja aprender uma nova língua. Unindo aprendizado com qualidade de vida, o portal permite que o usuário possa aperfeiçoar

Leia mais

I Fórum Políticas Públicas do Idoso"

I Fórum Políticas Públicas do Idoso I Fórum Políticas Públicas do Idoso" O idoso no mundo Em 2050, a Organização das Nações Unidas (ONU) estima que 30% da população mundial será de idosos; 2 bilhões dos habitantes do planeta terão mais de

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo

A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo Projeções da Fundação Seade para a trajetória até 2050 indicam que o grupo populacional com mais de 60 anos será triplicado e o com mais

Leia mais

GINÁSTICA DANÇANTE COM IDOSOS: CONVIVÊNCIA, EDUCAÇÃO E EXERCÍCIO DA CIDADANIA Nadia Dumara Ruiz Silveira Vanessa Idargo Mutchnik

GINÁSTICA DANÇANTE COM IDOSOS: CONVIVÊNCIA, EDUCAÇÃO E EXERCÍCIO DA CIDADANIA Nadia Dumara Ruiz Silveira Vanessa Idargo Mutchnik GINÁSTICA DANÇANTE COM IDOSOS: CONVIVÊNCIA, EDUCAÇÃO E EXERCÍCIO DA CIDADANIA Nadia Dumara Ruiz Silveira Vanessa Idargo Mutchnik Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Brasil RESUMO O grupo de ginástica

Leia mais

InfoReggae - Edição 32 Inclusão Digital 11 de abril de 2014. Coordenador Executivo José Júnior

InfoReggae - Edição 32 Inclusão Digital 11 de abril de 2014. Coordenador Executivo José Júnior O Grupo Cultural AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens das camadas populares.

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO. Palavras-chave: Inclusão. Pessoas com deficiência. Mercado de trabalho.

A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO. Palavras-chave: Inclusão. Pessoas com deficiência. Mercado de trabalho. 1 A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO Marlene das Graças de Resende 1 RESUMO Este artigo científico de revisão objetiva analisar importância do trabalho na vida das pessoas portadoras

Leia mais

COMÉRCIO E CIDADE : UMA RELAÇÃO DE ORIGEM

COMÉRCIO E CIDADE : UMA RELAÇÃO DE ORIGEM 1 COMÉRCIO E CIDADE : UMA RELAÇÃO DE ORIGEM Heliana Comin Vargas Publicado no Portal do Estado de São Paulo. www.estadao.com.br/ext/eleicoes/artigos31/08/2000 Desde o início das civilizações, comércio

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE: O EXERCICIO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL

UNIVERSIDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE: O EXERCICIO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL UNIVERSIDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE: O EXERCICIO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL (2006) Salvador Loureiro Rebelo Junior Graduando do 6º ano de Psicologia da Universidade Estadual Paulista Bauru, Intercambista

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

44% 56% 67.896 respostas no Brasil. 111.432 respostas na América Latina. 0,5% Margem de erro. Metodologia e Perfil. homens.

44% 56% 67.896 respostas no Brasil. 111.432 respostas na América Latina. 0,5% Margem de erro. Metodologia e Perfil. homens. Brasil A pesquisa em 2015 Metodologia e Perfil 111.432 respostas na América Latina 44% homens 67.896 respostas no Brasil 0,5% Margem de erro 56% mulheres * A pesquisa no Uruguai ainda está em fase de coleta

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

É um dos países mais complexos do nosso planeta. Com

É um dos países mais complexos do nosso planeta. Com O que foi a Revolução Cultural na China? Caio Lóssio Botelho * É um dos países mais complexos do nosso planeta. Com uma superfície de mais de 9.500.000 km², com a população superior a 1.180.000.000 habitantes.

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA BR/2001/PI/H/4 EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA Os Ministros da Educação da América Latina e do Caribe, reunidos a pedido da UNESCO, na VII Sessão do Comitê Intergovernamental Regional do Projeto

Leia mais

Melhor Idade Oficinas de Produção 1

Melhor Idade Oficinas de Produção 1 Melhor Idade Oficinas de Produção 1 Patrícia da Silva Fonseca. Economista Doméstica e estudante não-vinculado do Programa de Pós-Graduação em Economia Doméstica da Universidade Federal de Viçosa. Endereço:

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso Como se Tornar um Município Amigo do Idoso Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso 2 3 GERALDO ALCKMIN Governador do Estado de São Paulo ROGERIO HAMAM Secretário de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL

INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL 2011 Bruno Fernandes Carla Brasilino Juliano Fávero Mariabile Túlio Email: bruno.fergon@hotmail.com RESUMO O objetivo deste artigo é discutir a questão

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

O valor da educação Um aprendizado para a vida. Relatório do Brasil

O valor da educação Um aprendizado para a vida. Relatório do Brasil O valor da educação Um aprendizado para a vida Relatório do Brasil A pesquisa O valor da educação é uma pesquisa do consumidor independente sobre tendências globais de educação realizada para o HSBC. O

Leia mais

LEI PAULISTA DE INCENTIVO AO ESPORTE PIE PROGRAMA DE INCENTIVO AO ESPORTE DECRETO 55.636/2010

LEI PAULISTA DE INCENTIVO AO ESPORTE PIE PROGRAMA DE INCENTIVO AO ESPORTE DECRETO 55.636/2010 LEI PAULISTA DE INCENTIVO AO ESPORTE PIE PROGRAMA DE INCENTIVO AO ESPORTE DECRETO 55.636/2010 ESCOLA DE Pedal Batatais Histórico da Entidade e Descritivo de Atividades Fundada em 1999 por JOSÈ REGINALDO

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N LABORATÓRIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ESPAÇO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E AMPLIAÇÃO DE CONHECIMENTOS REFERENTES À INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Florianópolis SC - maio 2012 Categoria: C Setor

Leia mais

PASSOS A SEGUIR :) BAIXAR PACOTE GRÁFICO

PASSOS A SEGUIR :) BAIXAR PACOTE GRÁFICO PASSOS A SEGUIR :) ORGANIZAR OU ADICIONAR O SEU EVENTO PREENCHER O FORMULÁRIO BAIXAR PACOTE GRÁFICO COMEMORAR DIA DA TERRA ENVIAR-NOS SUAS FOTOS E GRÁFICOS ORGANIZAR UM EVENTO OU ADICIONAR O QUE VOCÊ ESTÁ

Leia mais

Combate às Drogas: Fracasso Anunciado

Combate às Drogas: Fracasso Anunciado Combate às Drogas: Fracasso Anunciado Um mundo sem droga ONU, 1998 - Uma Utopia? José Mauro Braz de Lima Professor Associado da Faculdade de Medicina UFRJ. Diretor Geral do HESFA Hospital Escola São Francisco

Leia mais

PLANO DE CURSO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO 2013

PLANO DE CURSO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO 2013 PLANO DE CURSO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO 2013 ESCOLA: 1ºANO OBJETIVO GERAL OBJETIVO ESPECIFICOS CONTEÚDOS AVALIAÇÃO BIBLIOGRAFIA Construir com o educando sobre a importância da sua existência e os cuidados

Leia mais

TÍTULO: INCLUSÃO DIGITAL PARA A MELHOR IDADE: DESAFIOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: INCLUSÃO DIGITAL PARA A MELHOR IDADE: DESAFIOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: INCLUSÃO DIGITAL PARA A MELHOR IDADE: DESAFIOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes > Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), inicialmente, tinha como objetivo avaliar o desempenho

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

Construindo uma cultura de paz. Tornando-se política pública

Construindo uma cultura de paz. Tornando-se política pública Construindo uma cultura de paz Em 2000, no marco do Ano Internacional para uma cultura de paz, a Representação da UNESCO no Brasil lançou o Programa Abrindo Espaços: educação e cultura para a paz, uma

Leia mais

Vida Universitária Maio 2007 Ano XVII Nº 172

Vida Universitária Maio 2007 Ano XVII Nº 172 Mercado exige velocidade na atualização profissional Trabalhadores precisam estar capacitados para solucionar problemas, ser criativos e flexíveis e gostar da sua atividade A competição pela colocação

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL Bruna Maria de Oliveira (¹) ; Elcione Trojan de Aguiar (2) ;Beleni Salete Grando (3) 1.Acadêmica

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer?

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? 15º Congresso Português De Gerontologia Social Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? Dia: 28/11/13 Envelhecimento em Portugal Portugal, de acordo com os Censos 2011, apresenta um quadro

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A TERCEIRA IDADE NA UNIVERSIDADE ABERTA: NAVEGANDO, BUSCANDO, APRENDENDO EM UM MAR SEM FIM Elizabeth Thomaz Pereira FATEC Prof. Waldomiro May Cruzeiro, São Paulo, Brasil Objetivos: identificar as percepções

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Habilidades e competências no Cuidado à pessoa idosa. Karla Giacomin, MD, PhD

Habilidades e competências no Cuidado à pessoa idosa. Karla Giacomin, MD, PhD Habilidades e competências no Cuidado à pessoa idosa Karla Giacomin, MD, PhD Roteiro Seminário Preâmbulo Envelhecimento ativo Cuidado Habilidades e competências Ferramentas da gestão 2003 Estatuto do

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROTAGONISMO JUVENIL

EDUCAÇÃO E PROTAGONISMO JUVENIL 1 EDUCAÇÃO E PROTAGONISMO JUVENIL Fabio Barbosa Ribas Jr. 1 Novembro 2004 A juventude sempre foi considerada um período delicado e decisivo da vida humana. No entanto, no mundo atual os conflitos e desafios

Leia mais

INDICAÇÃO N O, DE 2011 (Da Comissão de Educação e Cultura)

INDICAÇÃO N O, DE 2011 (Da Comissão de Educação e Cultura) COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA INDICAÇÃO N O, DE 2011 (Da Comissão de Educação e Cultura) Sugere ao Ministério da Educação a criação da Universidade Federal do Litoral Paulista, com sede na cidade de Santos,

Leia mais

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM Falar em mobilização e participação de jovens na escola de ensino médio implica em discutir algumas questões iniciais, como o papel e a função da escola

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES CAMARGO, Victor Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva ZUTTIN, Fabiana Docente da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva CR I S G U E R R A p u b l i c i tá r i a, e s c r i to r a e pa l e s t r a N t e PERFIL Começou sua trajetória na internet em 2007, escrevendo o blog Para Francisco, que virou livro em 2008 e irá para

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL

MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL Prof. Dr. José Alberto Carvalho dos Santos Claro Mestrado em Gestão de Negócios Universidade

Leia mais

CIDADES EDUCADORAS DICIONÁRIO

CIDADES EDUCADORAS DICIONÁRIO CIDADES EDUCADORAS A expressão Cidade Educativa, referindo-se a um processo de compenetração íntima entre educação e vida cívica, aparece pela primeira vez no Relatório Edgar Faure, publicado em 1972,

Leia mais

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU Estudo faz balanço de serviços urbanos básicos, como a gestão dos resíduos sólidos. (Foto: Reprodução) Apesar do crescimento econômico,

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

Década Mundial de Ações para a Segurança no Trânsito ( ONU ) Semana Nacional de Trânsito 2012 ( Denatran ) e Dia Mundial Sem Carro

Década Mundial de Ações para a Segurança no Trânsito ( ONU ) Semana Nacional de Trânsito 2012 ( Denatran ) e Dia Mundial Sem Carro 1 Em apoio às campanhas Década Mundial de Ações para a Segurança no Trânsito ( ONU ) Semana Nacional de Trânsito 2012 ( Denatran ) e Dia Mundial Sem Carro A Universidade Federal de Santa Catarina e a Rede

Leia mais

O PERFIL DO ENGENHEIRO SEGUNDO AS EMPRESAS

O PERFIL DO ENGENHEIRO SEGUNDO AS EMPRESAS O PERFIL DO ENGENHEIRO SEGUNDO AS EMPRESAS Michelle Mike Nose 1, Daisy Aparecida do Nascimento Rebelatto 2 Universidade de São Paulo 1 Escola de Engenharia de São Carlos Av. Trabalhador São Carlense, 400

Leia mais

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE ECONOMIA E O ENVELHECIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO. Eduardo L.G. Rios-Neto Demógrafo e Economista CEDEPLAR/UFMG

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE ECONOMIA E O ENVELHECIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO. Eduardo L.G. Rios-Neto Demógrafo e Economista CEDEPLAR/UFMG A FORMAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE ECONOMIA E O ENVELHECIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO Eduardo L.G. Rios-Neto Demógrafo e Economista /UFMG ENVELHECIMENTO E CURSOS DE ECONOMIA O grande problema de discutir

Leia mais

UBM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIDADE CICUTA PROJETO OUTONO I - OFICINA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE

UBM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIDADE CICUTA PROJETO OUTONO I - OFICINA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE 1 UBM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIDADE CICUTA PROJETO OUTONO I - OFICINA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA IDOSO: UM BATE PAPO COM A SAÚDE "COMO ENVELHECER

Leia mais

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual:

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Educação Especial no Espaço da Escola Especial Trabalho, Emprego e Renda Autogestão, Autodefesa e Família APAE : INTEGRALIDADE DAS AÇÕES NO CICLO

Leia mais

O PROJETO. Exercícios físicos, boa alimentação, cuidados com o corpo e a mente. A busca. por um estilo de vida saudável é o atual

O PROJETO. Exercícios físicos, boa alimentação, cuidados com o corpo e a mente. A busca. por um estilo de vida saudável é o atual Exercícios físicos, boa alimentação, O PROJETO cuidados com o corpo e a mente. A busca por um estilo de vida saudável é o atual desafio da humanidade, que vive um cotidiano cada vez mais caótico. Na correria

Leia mais

Vani Moreira Kenski USP/SITE As coisas têm outro sentido se as olharmos retrospectivamente. (Morley, M., 2014)

Vani Moreira Kenski USP/SITE As coisas têm outro sentido se as olharmos retrospectivamente. (Morley, M., 2014) Pedagogia em 2044 Vani Moreira Kenski USP/SITE As coisas têm outro sentido se as olharmos retrospectivamente. (Morley, M., 2014) Pedagogia hoje: Para quem? Para que? ÁREAS DE ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL FORMADO:

Leia mais

História. ADAV: Associação para o Desenvolvimento e a Assistência de Talentos e Vocações

História. ADAV: Associação para o Desenvolvimento e a Assistência de Talentos e Vocações História ADAV: Associação para o Desenvolvimento e a Assistência de Talentos e Vocações Em 1929, convidada a dirigir um dos primeiros laboratórios de psicologia de Minas Gerais, ligado à Escola de Aperfeiçoamento

Leia mais

Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1

Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1 Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1 Juliana Paul MOSTARDEIRO 2 Rondon Martim Souza de CASTRO 3 Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. RESUMO O Projeto Jornalismo

Leia mais

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino.

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino. A TERCEIRA EDIÇÃO DA CAMPUS PARTY BRASIL, REALIZADA EM SÃO PAULO ENTRE OS DIAS 25 E 31 DE JANEIRO DE 2010, REUNIU QUASE 100 MIL PARTICIPANTES PARA DISCUTIR AS TENDÊNCIAS DA INTERNET E DAS MÍDIAS DIGITAIS.

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA Carla Braz Evangelista (NEPB-UFPB/ Email: carlabrazevangelista@gmail.com) Indiara Carvalho dos Santos Platel (NEPB-UFPB/ Email: indiaracs@hotmail.com)

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG RECICLAGEM E CIDADANIA: UMA VISÃO SOCIO AMBIENTAL DOS CATADORES DE RESIDUOS SOLIDOS NO MUNICIPIO DE GARANHUNS

Leia mais

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década 1 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PROFESSOR BAHIA TEXTO DE CULTURA GERAL FONTE: UOL COTIDIANO 24/09/2008 Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década Fabiana Uchinaka Do UOL Notícias

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Aline Silveira SANTOS 2 Lorena PADRINI 3 Maria Claudia COSTA 4 João de CASTRO 5 Centro Universitário

Leia mais

O desenvolvimento de qualquer país passa por uma atuação ativa de sua sociedade.

O desenvolvimento de qualquer país passa por uma atuação ativa de sua sociedade. O desenvolvimento de qualquer país passa por uma atuação ativa de sua sociedade. O Estadão criou uma iniciativa para debater e gerar ideias, propostas e soluções que contribuam com o desenvolvimento do

Leia mais

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE Elaine Barbosa da Silva Xavier Faculdade de Ciências da Administração de Pernambuco - Mestranda Neuma Kelly Vitorino

Leia mais

A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA

A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA Claudiane Lorini claudianelorini@hotmail.com Silvana Rodrigues da Silva madonalongati@hotmail.com Tânia Marli Peçanha de Brito taniam.brito@hotmail.com RESUMO: O ambiente

Leia mais