ANEXO B- ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ÍNDICE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO B- ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ÍNDICE"

Transcrição

1 ANEXO B- ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS DEFINIÇÕES CÓDIGOS E NORMAS ESCOPO DE FORNECIMENTO E SERVIÇOS OBRAS CIVIS TERRAPLENAGEM PAVIMENTAÇÃO MUROS E PORTÕES ILUMINAÇÃO DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA COMBATE À INCÊNDIO SISTEMAS DE CFTV SERVIÇO DE CONTROLE DE ESTOQUE E MOVIMENTAÇÃO DOS COMPONENTES SERVIÇO DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUTENÇÃO DO SITE LIMPEZA E CONSERVAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ESTOCADOS VIGILÂNCIA PATRIMONIAL DISPOSIÇÕES FINAIS...11 ANEXO B - 1 -

2 1. INTRODUÇÃO Estas Especificações Técnicas objetivam propiciar à LICITANTE a compreensão dos parâmetros gerais para projetos e obras para ARMAZENAGEM DOS EQUIPAMENTOS PARA CONSTRUÇÃO DA LINHA LESTE, NOS SITES DE PAPICÚ E XICO DA SILVA, EM FORTALEZA- CE. Para o recebimento e correta armazenagem dos componentes e sistemas das Tuneladoras, foram disponibilizadas duas áreas: um terreno no Papicú, com dimensões de 200 x 80m e um local próximo à Estação Chico da Silva, com 400 x 40m, ambos perfazendo uma área de m² (dezesseis mil metros quadrados) cada. Estas Especificações Técnicas, juntamente com os demais documentos a ele relacionados, estabelecem os objetivos e condições técnicas gerais, sendo que qualquer item ou serviços não expressamente mencionados, mas necessário ao perfeito funcionamento dos sistemas, deverão ser previstos pelo CONTRATADO, caso contrário deverá ser fornecido sem quaisquer ônus adicional para a CONTRATANTE. 2. INFORMAÇÕES GERAIS 2.1. DEFINIÇÕES A seguinte nomenclatura deve ser usada nos documentos técnicos: SEINFRA - Secretaria da Infra Estrutura do Governo do Estado do Ceará, eventualmente denominada nesta Especificação como CONTRATANTE; PROPONENTE - Empresa que está participando da concorrência; CONTRATADO/CONTRATADA - Empresa vencedora da concorrência e responsável pelo fornecimento do equipamento; INSPETOR - Profissional ou Empresa designada pela SEINFRA para inspecionar a fabricação, montagem e testes do equipamento; FISCALIZAÇÃO da Coordenadoria de Transportes e Obras da SEINFRA, ou qualquer outra instituição designada pela mesma; METROFOR Companhia Cearense de Transportes Metropolitanos CÓDIGOS E NORMAS Quando aplicáveis, as normas padrões deverão ser utilizadas para o objeto desta licitação. 3. ESCOPO DE FORNECIMENTO E SERVIÇOS ANEXO B - 2 -

3 3.1. O escopo inclui os serviços de mão-de-obra inclusive vigilância, canteiro da obra, terraplenagem e pavimentação de arruamento interno, muros, instalação de iluminação de operação e segurança, extintores para combate a incêndio, sistemas de CFTV, descarga dos componentes da tuneladoras efetuada através de guindaste de 60T, sistemas de controle de estoque, guarda e manutenção dos sites e equipamentos À exceção de itens especificamente excluídos, os serviços especificados, deverão ser fornecidos como "unidades operacionais completas", ou seja, farão parte do fornecimento às licenças, taxas, todos os equipamentos, materiais, componentes, mão-de-obra e acessórios requeridos para garantir sua correta instalação e operação, ainda que não estejam explicitamente indicados nesta Especificação Técnica O escopo inclui, ainda, todos os subitens a seguir detalhados: Execução dos Projetos Executivos, com suas respectivas atualizações e detalhamento de instalações em campo, conforme fornecimentos; Instalação de Canteiro de Obras, sendo de responsabilidade da CONTRATADA as providências para suprimento de água, energia, comunicações etc; Terraplenagem e Pavimentação completas dos arruamentos; Sinalização completa do site, incluindo as de trânsito e segurança, localização das peças por sistemas da tuneladora etc; Execução de muros de fechamento ou complemento dos mesmos, quando necessário, de forma a garantir a segregação da área; Fornecimento e Montagem de Sistema de Iluminação completo, compostos de Postes de Concreto com Luminárias de Vapor Metálico ou de Sódio de 250W, incluindo todos os seus acessórios, cabos elétricos, quadro de distribuição completo e todos os materiais de instalação que se façam necessários para a operação eficiente do Sistema de Iluminação; Fornecimento e Montagem de Combate à Incêndio com utilização de extintores, os quais devem seguir as normas vigentes; Fornecimento e Montagem de Sistema de Circuito Fechado de Televisão tecnologia IP, incluindo cameras fixas e materiais e serviços especificados no Anexo C- Planilha Orçamentária; Manuais de operação e manutenção dos equipamentos do Sistema de CFTV; ANEXO B - 3 -

4 Serviços de controle de estoque dos materiais, peças e equipamentos, os quais devem ser dispostos e devidamente catalogados conforme o sistema em que participam nas Tuneladoras, de forma a priorizar a eficiência nas etapas de operação; Fornecimento de Guindaste, incluindo sua manutenção, operação e todos os serviços que se façam necessários, prezando sempre pela eficiência da etapa de operação; Elaboração dos projetos executivos especificados no Anexo C Planilha Orçamentaria, os quais devem ser aprovados pela FISCALIZAÇÃO; Vigilância patrimonial, sendo a CONTRATADA a única responsável pela guarda, segurança e integridade do material estocado nos sites; Manutenção dos sites; Limpeza e conservação dos equipamentos estocados; Fornecimento de lonas para a proteção de sistemas elétricos; Todos os demais serviços não mencionados nesta Especificação Técnica, mas que se façam necessários para a perfeita operação dos sistemas EXCLUSÕES Não farão parte do escopo de fornecimento da CONTRATADA os seguintes serviços e/ou equipamentos: a) Licenciamento ambiental; b) Transporte dos componentes da Tuneladora até o local do site. 4. OBRAS CIVIS 4.1. TERRAPLENAGEM A terraplenagem dos sites deverá ser executada onde houver arruamentos, de forma a proporcionar a posterior execução da pavimentação e o trânsito de caminhões e guindastes móveis pela região. Será constituída de conformação da plataforma, escavação, carga e transporte do material escavado, devendo ser executada de acordo com as normas e especificações do DNER PAVIMENTAÇÃO A pavimentação será constituída pela regularização do subleito, seguida de um revestimento com solo (piçarra). ANEXO B - 4 -

5 Esta deve se apresentar devidamente nivelada e compactada, estando disposta nas áreas previamente terraplenadas (onde houver arruamento), proporcionando consolidação suficiente para resistir aos esforços da movimentação de caminhões e guindastes móveis. Este serviço deverá ser executado de acordo com as normas e especificações do DNER MUROS E PORTÕES Os muros e portões serão executados conforme definido na planilha orçamentária, tendo-se em conta que: a) No papicú, por se tratar de uma área previamente murada, o muro só será executado em situações que sejam detectadas falhas ou ausências; b) Na região próxima à Chico da Silva, considerou-se executar o muro em todo o perímetro. Os portões deverão ter dimensão necessária para o trânsito livre de carretas e guindastes móveis. A pintura deve ser fornecida na cor padrão do Governo do Estado, em demãos necessárias a um perfeito acabamento. Deverá ser dado tratamento prévio, se necessário ILUMINAÇÃO DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA Considerações Gerais Deverá ser executada iluminação ao longo do perímetro do muro para ambos os sites, sendo previsto um sistema de iluminação central para a área do Papicú, conforme projeto A iluminação deverá atender ao disposto nas seguintes normas com relação aos níveis de iluminação, em conformidade com locais e os materiais a serem utilizados: o o o NBR Sistema de Iluminação de Emergência NBR Iluminância de Interiores NBR 5101(18) Iluminação Pública; O sistema de iluminação deverá atender as recomendações do PROCEL (Programa de Conservação de Energia Elétrica Eletrobrás) no tocante a consumos e demandas Luminárias ANEXO B - 5 -

6 As luminárias devem ser próprias para instalação em suportes metálicos especiais próprios para instalação no topo de postes de concreto. A luminária deve ser apropriada para iluminação pública, devendo ser do tipo fechada, protegida com vidro plano temperado, e deve possuir alojamento incorporado para abrigar os equipamentos auxiliares de partida. Deve ser própria para alojar, em seu interior, uma lâmpada de vapor metálico ou vapor de sódio de alta pressão, de bulbo tubular ou ovóide, de potência 250 W. O corpo e o aro da luminária devem ser de alumínio injetado ou fundido, ou ainda de poliéster reforçado, resistentes às deformações e à corrosão, abrigando a lâmpada e seus equipamentos auxiliares. A pintura final de acabamento deve ser na cor cinza RAL O vidro de proteção deve ser claro, transparente, temperado e do tipo plano. Deve ser a prova de choques térmicos e mecânicos, não podendo apresentar fissuras, riscos, bolhas ou opacidades que possam comprometer o desempenho óptico da luminária. O refletor deve ser do tipo assimétrico, fabricado em chapa de alumínio de alta pureza, 99,85%, com espessura mínima de 0,6 mm, superfície polida de alto brilho e anodizado. O refletor também deve possibilitar pequenos ajustes. A vedação entre as partes fixa e móvel deve ser de borracha de silicone esponjoso, devendo apresentar resistência ao calor na temperatura de 150 ºC, e ao envelhecimento. O compartimento óptico da luminária deve ser a prova de chuva e umidade, com perfil de vedação etileno-propileno-dieno-monômero EPDM. O grau de proteção exigido para a vedação é IP-65. A fixação do aro ao corpo da luminária deve ser feita através de fechos de pressão e dobradiças de aço inoxidável, passíveis de serem abertos e fechados sem a utilização de ferramentas, permitindo assim, o rápido acesso ao compartimento óptico e à lâmpada, facilitando a manutenção e a limpeza. O porta-lâmpada deve ser de porcelana reforçada, tipo E-40, com contato central telescópico e dispositivo anti-vibratório, para impedir que vibrações causem um autodesrosqueamento da lâmpada. O seu isolamento deve ser de mica reforçado ou outro material similar. Os seus contatos e rosca devem ser de cobre ou liga de latão niquelados. A luminária deve ter condições de ser instalada em suportes especiais, de diâmetro de até 60 mm, com encaixe de profundidade de até 120 mm. ANEXO B - 6 -

7 A fixação deve ser feita através de parafusos de aço inoxidável, com travamento de segurança que impeça qualquer rotação ou desprendimento da luminária, decorrente de oscilações sofridas pelo poste ou pelo vento. A luminária deve, obrigatoriamente, ser aterrada por razões de segurança do operador, mantenedor ou usuário. Deverão ser instalados nos Painéis de Iluminação, acionamento da iluminação por meio manual e ou automático, sendo esta através de CLP Lâmpadas As lâmpadas para iluminação das áreas externas devem ser lâmpadas de descarga de alta intensidade, a vapor de sódio ou metálico, fabricação nacional, potência de 250W. Podem ter formato ovóide ou tubular, de forma a melhor se ajustarem às luminárias, proporcionando melhor rendimento do conjunto. Devem ser compostas por um tubo, bulbo, de descarga, de construção robusta e resistente, preenchido com vapor de sódio em alta pressão ou multivapor metálico. Devem ser de alta eficiência, elevado tempo de vida útil, e possuir a temperatura de cor em torno de 1950 K. O bocal deve ser com rosca do tipo E Reatores Os reatores devem ser compactos e apropriados para utilização em lâmpada a vapor de sódio de alta pressão. A temperatura de operação do reator não deve ser superior a 70 ºC. Devem ser fabricados com carcaça de aço protegida contra corrosão ou alumínio. Devem ser construídos com condutores de cobre. Devem ser do tipo eletromagnético impregnado, fabricados com bobinas de fio de cobre e aço silício, ou outro material similar ou superior tecnicamente, tendo as áreas internas livres preenchidas com resina isolante, que permita uma alta dissipação térmica. Deve possuir baixas perdas internas e proporcionar alto fator de potência, de valor igual ou superior a 0,95. Devem ser apropriados para instalação no interior de alojamento incorporado de luminária para iluminação pública. ANEXO B - 7 -

8 Sempre devem ser alimentados na tensão de 220 VAC, e devem suportar oscilações de tensão de até + 10% da tensão nominal, sem causar danos internos e nem desligar a lâmpada na qual está ligado. Deve, obrigatoriamente, ser usado em conjunto com ignitor apropriado para lâmpada a vapor de sódio de alta pressão. O reator deve seguir as recomendações da norma NBR da Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT. O reator deve ser totalmente compatível com a lâmpada e com o ignitor sendo, preferencialmente, do mesmo fabricante. Caso não sejam todos do mesmo fabricante, o fornecedor deve prover, juntamente com o conjunto, um certificado de compatibilidade deste, emitido por órgão idôneo e reconhecido pelo INMETRO. O reator deve, obrigatoriamente, ser aterrado, por razões de segurança do operador, mantenedor ou usuário Ignitores Os ignitores são dispositivos de partida para lâmpadas de descarga. Durante a ignição, o ignitor fornece um alto pico de voltagem aos eletrodos da lâmpada, que é sobreposto à tensão da rede, provocando a descarga inicial da lâmpada. O pico de partida do ignitor deve se situar na faixa entre 3000 V e 4000 V. Devem ser do tipo eletrônico, apropriados para instalação no interior de alojamento incorporado de luminária para iluminação pública. Devem ser sempre alimentados na tensão de 220 Vca, e devem suportar oscilações de tensão de até + 10% da tensão nominal, sem causar danos internos. Deve, obrigatoriamente, ser usado em conjunto com reator apropriado para lâmpada a vapor de sódio de alta pressão. O ignitor deve seguir as recomendações das normas NBR e NBR da ABNT. O ignitor deve ser totalmente compatível com a lâmpada e com o reator sendo, preferencialmente, do mesmo fabricante. Caso não sejam todos do mesmo fabricante, o fornecedor deve prover, juntamente com o conjunto, um certificado de compatibilidade deste, emitido por órgão idôneo e reconhecido pelo INMETRO. O ignitor deve, obrigatoriamente, ser aterrado, por razões de segurança do operador, mantenedor ou usuário Postes de Concreto ANEXO B - 8 -

9 O poste de iluminação deve ser de concreto, do tipo 9/150 duplo T. Os furos para a passagem dos parafusos devem ter eixo perpendicular ao eixo do poste, totalmente desobstruídos e sem deixar nenhuma parte da armadura exposta. Deve ter superfícies planas, sem fendas ou fraturas (exceto pequenas trincas capilares não orientadas segundo o comprimento do poste e inerentes ao próprio material) e sem armadura aparente, não sendo permitida pintura. O poste deve estar devidamente identificado, de forma legível e indelével, através dos elementos abaixo: a) Identificação do poste: data de fabricação (dia/mês/ano), comprimento nominal, resistência nominal em dan, nome ou marca comercial do fabricante; b) Traço de referência do engastamento; c) Traço demarcatório e inscrição CG na posição do centro de gravidade do poste. Devem ser fornecidos com suportes especiais, para instalação no topo do mesmo, que suportarão uma luminária de iluminação pública. A fixação da luminária deve ser feita através de parafusos de aço inoxidável, com travamento de segurança, que impeçam qualquer rotação ou desprendimento da luminária decorrente de oscilações sofridas pelo poste ou pelo vento. A instalação, fixação e elementos acessórios devem seguir as disposições das normas aplicáveis COMBATE À INCÊNDIO Por se tratar de área sujeita à baixo risco de incêndio, o Combate à incêndio deverá ser realizado através de extintores do tipo ABC espaçados em, no máximo 20 (vinte) metros, conforme versa a NT04 do Corpo de Bombeiros do Estado do Ceará, item Deve ser instalado, pelo menos, um aparelho extintor de incêndio a não mais de 5 m da entrada principal da edificação. Os aparelhos extintores devem estar desobstruídos, devidamente sinalizados e com boa visibilidade para que os possíveis operadores possam se familiarizar com sua localização. Os extintores devem possuir marca de conformidade concedida por órgão credenciado pelo Sistema Brasileiro de Certificação, sendo o prazo de validade/garantia de funcionamento dos aparelhos, aquele estabelecido pelo fabricante e/ou pela empresa de manutenção certificada pelo Sistema Brasileiro de Certificação. ANEXO B - 9 -

10 Em suma, os extintores devem estar de acordo com a Norma Técnica N.º 004/2008 do Corpo de Bombeiros do Estado do Ceará SISTEMAS DE CFTV DESCRIÇÃO DO SISTEMA DE CFTV O sistema será formado por câmeras IP fixas em número e posicionamento estratégicos para cobertura segura dos sites. As câmeras fixas devem ser de alta resolução, tecnologia sobre IP, com capacidade de registrar e identificar a imagem (com detalhes) do rosto de uma pessoa, cores e formas de roupas, etc. Todas as imagens serão gravadas no Sistema de Gerenciamento e Armazenamento de Imagens de alta resolução, compatível com as câmeras fixas para manutenção das resoluções das câmeras, com tecnologia atualizada e de última geração. Todas as câmeras terão sua interligação de vídeo e comando com a Sala de Controle através de tecnologia de fibra óptica monomodo E9,125µm, com equipamentos conversores para rede Ethernet e conexão direta ao Switch UNIDADES DE GERAÇÃO DE IMAGEM Câmeras Fixas O Sistema de CFTV possuirá câmeras fixas de alta resolução, instaladas em caixas de proteção em alumínio e projetadas para ambientes internos/externos com dispositivo de segurança e anti-vandalismo. As câmeras fixas deverão ter tecnologia baseada em IP, com transmissão de imagens através de rede Ethernet exclusiva, deverão ser de alta resolução, com capacidade de registrar e identificar a imagem (com detalhes) do rosto de uma pessoa, cores e formas de roupas, etc. As câmeras deverão possuir lente varifocal 2,6~6mm e a alimentação deverá ser a partir das portas PoE dos respectivo Switch SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE IMAGENS Será instalada na Sala de Controle, uma moderna e robusta estação de trabalho para gerenciamento, armazenamento e visualização de imagens e sistema de alarmes. Com suporte a full HD, redundância, compressão a partir de H.264 e suporte a câmeras. A estação de trabalho deverá ter tecnologia baseada em PC, com gravação digital, compressão de imagens por MJPEG, HDD de armazenamento de imagens de 1 TB. ANEXO B

11 O Software deverá vir pré-configurado de fábrica para rápida e perfeita integração com a infraestrutura TI existente, com Sistema Operacional Windows 7, conexões de comunicação com rede Ethernet TCP/IP, memória RAM de 4GB, HDD de 6TB. O equipamento de Gerenciamento e Armazenamento de Imagens e Integrador do Sistema de Utilidades deverá ser em plataforma TCP/IP, com possibilidade de montagem de matriz virtual real, com arquitetura aberta, compatível com o protocolo H.264, com suporte a mapas e integração com outros sistemas, plataforma aberta e disponibilidade de API s grátis. Deverá conter ainda na estação de trabalho um monitor de LCD 32 Full HD. 5. SERVIÇO DE CONTROLE DE ESTOQUE E MOVIMENTAÇÃO DOS COMPONENTES 5.1. SERVIÇO DE CONTROLE DE ESTOQUE O serviço de controle de estoque deverá ser realizado através de SOFTWARE e profissional capacitado, tendo como metas as diretrizes abaixo expostas: a) Executar e controlar as atividades relacionadas ao recebimento, guarda e distribuição de material; b) Catalogagem dos componentes, distribuindo-os de acordo com os sistemas em que participam nas tuneladoras como, por exemplo, componentes da cabeça de corte, componentes da correia transportadora, etc; c) Armazenagem dos componentes de acordo com os sistemas em que participam nas tuneladoras, de forma a evitar procedimentos desnecessários de movimentação de cargas dentro do canteiro, provendo maior economia à organização; d) Controle de suprimento e demanda, quando houver. A movimentação dos componentes ocorrerá através de guindaste de 60 T, com auxilio de uma caminhão equipado com Guindaste e mão-de-obra de capatazia, através de um processo eficiente aliado ao controle de estoque. 6. MANUTENÇÃO DO SITE No serviço de manutenção do site deverão ser alocados profissionais e ferramentas necessários para executar as atividades relacionadas à manutenção, conservação e limpeza dos componentes, instalações, canteiros, obras e da área por completo. 7. LIMPEZA E CONSERVAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ESTOCADOS Os serviços de limpeza e conservação dos equipamentos estocados deverão ser realizados conforme instruções do fabricante. ANEXO B

12 8. VIGILÂNCIA PATRIMONIAL Consiste das atividades relacionadas à guarda, segurança e garantia de integridade dos componentes estocados nos sites. Convém mencionar que a CONTRATADA é a responsável exclusiva guarda, segurança e garantia de integridade dos componentes estocados. 9. DISPOSIÇÕES FINAIS A CONTRATADA deve ter pleno conhecimento de montagem e manutenção de equipamentos industriais com vistas às complexidades dos procedimentos de manuseio e armazenagem dos equipamentos elétricos, instrumentação eletrônica, automação industrial, pneumática, componentes mecânicos, hidráulicos, entre outros, no sentido de definir tecnicamente critérios de armazenagem, cuidados no manuseio, conservação dos equipamentos, elaboração de procedimentos de controle do estoque, dentre outras atividades previstas no escopo. Considerando ainda a gestão da armazenagem (logística de recebimentos, layouts, seqüências de armazenagem, etc..), é ideal que a empresa possua em seu quadro técnico funcionários capacitados no gerenciamento destas atividades. ANEXO B

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Instalações Elétricas Gerais 02.1. Geral 02.2. Normas 02.3. Escopo de Fornecimento 02.4. Características Elétricas para Iluminação de Uso Geral 02.4.1. Geral 02.4.2. Tensões de Alimentação

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA D SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Condições Gerais 04 5.2. Condições Especificas

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0022 CRUZETAS DE CONCRETO ARMADO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE COMISSÃO ESPECIAL DE LICITAÇÃO PARA PROJETOS ESTRUTURANTES

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE COMISSÃO ESPECIAL DE LICITAÇÃO PARA PROJETOS ESTRUTURANTES Esclarecimentos Concorrência nº 002.081016.14.0 Objeto: contratação de empresa ou consórcio de empresas para a execução das OBRAS INTEGRANTES DO PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DA ORLA DO GUAÍBA trecho 1. Solicitamos

Leia mais

EDITAL DE PREGÃO N.º 50/15 RETIFICADO EM 07/12/2015

EDITAL DE PREGÃO N.º 50/15 RETIFICADO EM 07/12/2015 SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO - SAAE CNPJ: 21.260.443/0001-91 - Inscrição Estadual: isento Rua Nonô Ventura, 394, CEP 35680-205, Bairro Lourdes - Itaúna/MG EDITAL DE PREGÃO N.º 50/15 RETIFICADO EM

Leia mais

nano 1 2 a luz sustentável

nano 1 2 a luz sustentável nano 1 2 a luz sustentável 1 nano CARACTERISTicas LUMINária Design: A. Baré DESCRIção A Nano 1 é um bom exemplo de design inteligente. Baseada no conceito da miniaturização, esta luminária pode ser utilizada

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO ELETRÔNICO SESC MINAS Nº 0117/2014

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO ELETRÔNICO SESC MINAS Nº 0117/2014 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO ELETRÔNICO SESC MINAS Nº 0117/2014 1 1. OBJETO 1.1. Aquisição de materiais elétricos, lâmpadas e reatores, para iluminação das unidades do Sesc durante as campanhas Outubro

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

MANUAL DE ENGENHARIA

MANUAL DE ENGENHARIA 02.04.2007 1/6 1. OBJETIVO Esta especificação padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas de concreto armado destinadas ao suporte

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS Uma empresa que tem orgulho de iluminar! CATÁLOGO DE PRODUTOS 1 PROJETORES ESTAMPADOS - LANÇAMENTO A Tec & Luz está com novidades em sua linha de produtos. Conheça a nova linha de Projetores Estampados

Leia mais

EQUIPAMENTO ESTERILIZADOR - Autoclave Horizontal - Especificação Técnica

EQUIPAMENTO ESTERILIZADOR - Autoclave Horizontal - Especificação Técnica EQUIPAMENTO ESTERILIZADOR - Autoclave Horizontal - Especificação Técnica Descrição Geral: Equipamento esterilizador horizontal automático para esterilização por vapor saturado de alta temperatura com duas

Leia mais

APÊNDICE "D" Descrição Técnica dos Pequenos Serviços de

APÊNDICE D Descrição Técnica dos Pequenos Serviços de APÊNDICE "D" Descrição Técnica dos Pequenos Serviços de A INTRODUÇÃO Neste apêndice estão discriminados os Serviços de Adequação (PSA) de menor complexidade para atendimento da dinâmica funcional da ECT,

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

1. DESCRIÇÃO: - Renovação do ar; - Movimentação do ar. 1.1 SISTEMA ADOTADO:

1. DESCRIÇÃO: - Renovação do ar; - Movimentação do ar. 1.1 SISTEMA ADOTADO: 1. DESCRIÇÃO: OBJETO: O sistema de ventilação mecânica visa propiciar as condições de qualidade do ar interior nos vestiários do mercado público de Porto Alegre. Para a manutenção das condições serão controlados

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: setembro/08 FOLHA : 1 / 6 FURAÇÃO DA CRUZETA

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS 1 OBJETIVO Revisão 00 fev/2014 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam

Leia mais

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR PARA A ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS COMPANHIA DOCAS DO CEARÁ Secretaria de

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

gl2 plus DESCRIção VANTAGENS

gl2 plus DESCRIção VANTAGENS gl2 PLUS gl2 plus CARACTERÍSTICAS - PROJETOR Estanqueidade: IP 66 (*) Resistência ao impacto (vidro): IK 08 (**) Classe de isolamento elétrico: I (*) Tensão nominal: 127 a 277V, 50-60 Hz Peso: 13.6 kg

Leia mais

ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO

ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO Contratação de Serviços de Engenharia para Instalação de Novos Pontos de IP e Complementação da Eficientização do Sistema de Iluminação Pública de Porto Alegre ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS VENTILADORES AXIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA DE VENTILADORES AXIAL Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: EAFN 500 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação G = Gabinete

Leia mais

REATORES ELETROMAGNÉTICOS

REATORES ELETROMAGNÉTICOS REATORES ELETROMAGNÉTICOS Os reatores eletromagnéticos ORION são fabricados com os mais rígidos controles de qualidade conforme normas ABNT - NBR, COPEL (homologados tecnicamente), além de possuírem os

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE REDE /25 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA /25 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Esta Especificação Técnica define os requisitos gerais

Leia mais

Eletrônicos. Convencionais. Manual do do Reator. Partida rápida. Fabricamos produtos com certificação: Descarga OCP 0018.

Eletrônicos. Convencionais. Manual do do Reator. Partida rápida. Fabricamos produtos com certificação: Descarga OCP 0018. Eletrônicos Convencionais Manual do do Partida rápida Fabricamos produtos com certificação: Descarga es BV OCP 0018 Índice Eletrônico de Descarga Índice PIS FPN 10 PIS AFP 10 PIS DICRÓICA 11 PID FPN 11

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE - MG OUTUBRO DE 2.014 1 OBJETIVO: Especificar os materiais a serem empregados na

Leia mais

ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 054/2014. Termo de Referencia

ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 054/2014. Termo de Referencia ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 054/2014 Termo de Referencia 1. OBJETO Aquisição de equipamentos de sistema de segurança (circuito fechado DVR), sendo DVR, Câmeras e Fontes 2. Descrição Quantidade Equipamento

Leia mais

À PROVA DE TEMPO ILUMINAÇÃO

À PROVA DE TEMPO ILUMINAÇÃO E A versatilidade é uma das principais características da linha de Aparelhos Blindados WETZEL, permitindo as mais variadas opções de aplicação. Adequados a ambientes cuja atmosfera contenha umidade, gases

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

INDICE CONTROLE DE REVISÃO

INDICE CONTROLE DE REVISÃO INDICE 1.0 FINALIDADE PG 03 2.0 APLICAÇÃO PG 03 3.0 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA PG 03 4.0 TERMINOLOGIA PG 03 5.0 CARACTERÍSTICAS GERAIS PG 03 6.0 INSTALAÇÃO PG 06 7.0 COMPONENTES PG 07 8.0 OPERAÇÃO PG 22

Leia mais

SITRANS LVL200H.ME****A****

SITRANS LVL200H.ME****A**** Vibrating Switches SITRANS LVL200H.ME****A**** NCC 14.03368 X Ex d IIC T6 Ga/Gb, Gb Instruções de segurança 0044 Índice 1 Validade... 3 2 Geral... 3 3 Dados técnicos... 4 4 Condições de utilização... 4

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PADRÃO PARA QUADRA POLIESPORTIVA COBERTA COM

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título. Medidor Eletrônico de Energia Elétrica Quatro Quadrantes de Múltiplas Funções Medição Indireta

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título. Medidor Eletrônico de Energia Elétrica Quatro Quadrantes de Múltiplas Funções Medição Indireta 1 Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

Leia mais

2.5. Placas eletrônicas da central

2.5. Placas eletrônicas da central 2.5. Placas eletrônicas da central Placa eletrônica de laço Piezo Placa de laço Na placa eletrônica de laço podem ser ligados quatro laços de detecção, compostos por detectores de fumaça, detectores termovelocimétricos

Leia mais

Projetor AlphaLED Ex nc / Ex tb (com alojamento para driver)

Projetor AlphaLED Ex nc / Ex tb (com alojamento para driver) Projetor AlphaLED Ex nc / Ex tb (com alojamento para driver) ALEDZnC Não centelhante e à prova de jatos potentes d água. Características Construtivas Projetor para área explosiva, com corpo e tampa fabricado

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 155ED +55 (16) 3383

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 155ED +55 (16) 3383 bambozzi A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 3383 3818 Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇO Nº 051/2015

ATA DE REGISTRO DE PREÇO Nº 051/2015 Página 1 de 7 PREGÃO PRESENCIAL Nº 036/2015 OBJETO: REGISTRO DE PREÇOS PARA EVENTUAL E FUTURA AQUISIÇÃO DE MATERIAIS ELÉTRICOS DE ALTA TENSÃO para recomposição e manutenção do estoque do almoxarifado,

Leia mais

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 029 Comercialização, distribuição e utilização de gás natural CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2

Leia mais

PLANILHA DE SERVIÇOS BÁSICOS FL. 01/12

PLANILHA DE SERVIÇOS BÁSICOS FL. 01/12 FL. 01/12 REGIÃO I estimados R$ Sub Total BDI 1 2 Execução de infra-estrutura para a instalação de ponto elétrico duplo (rede comum ou estabilizada), até 1.500 W. partindo do quadro elétrico até qualquer

Leia mais

BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA

BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA Especificação Técnica 02.112 - TI/SI 917a GERÊNCIA DE SUPORTE EM INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA

Leia mais

1ª RETIFICAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 413/2014 - CPL 04 SESACRE

1ª RETIFICAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 413/2014 - CPL 04 SESACRE 1ª RETIFICAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 413/2014 - CPL 04 SESACRE OBJETO: Aquisição de Equipamentos, Mobiliários, Eletroeletrônicos e Eletrodomésticos, para atender as Necessidades

Leia mais

Kit de conexão EMK padrão

Kit de conexão EMK padrão EMK Kits de conexão Kit de conexão EMK padrão Vantagens Todos os componentes de conexão necessários em um kit Seleção simples dos componentes necessários Grande diversidade Economia de tempo; manuseio

Leia mais

ENSAIOS DE EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA. Juliana Iwashita

ENSAIOS DE EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA. Juliana Iwashita ENSAIOS DE EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Juliana Iwashita 1 PROJETOS E CONSULTORIAS A EXPER desenvolve projetos e consultorias especializadas nas seguintes áreas: Certificações de produtos de iluminação

Leia mais

04. LUMINÁRIAS INDUSTRIAIS

04. LUMINÁRIAS INDUSTRIAIS 04. LUMINÁRIAS INDUSTRIAIS Fotos meramente ilustrativas. Lâmpadas e equipamentos elétricos a pedido. Reservamo-nos o direito de efetuar modificações para aprimoramento de nossos produtos sem aviso prévio..

Leia mais

Número PE022/2015. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega

Número PE022/2015. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega Folha 1 UNIVERSIDADE DO SUDOESTE DA - CAMPUS VITORIA DA CO 1 ALICATE, universal, de 8 polegadas, em aco, cabo com isolacao para 1000 volts e em conformidade com norma ABNT NBR vigente no que diz respeito

Leia mais

Manual Técnico. Ventilador de Conforto Industrial

Manual Técnico. Ventilador de Conforto Industrial Manual Técnico Aeroville Equipamentos Industriais Rua Otto Max Petersen, 158 Bairro Aventureiro CEP 89226-250 Joinville SC. www.aeroville.com.br aeroville@aeroville.com.br Fone: (47) 3419-0004 Fax: (47)

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011 Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/10/2011 18/10/2011 ELABORAÇÃO Marcelo Poltronieri SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. OBJETIVO...

Leia mais

Introdução... 2. Identificação do aparelho...3. Fixação do aparelho no box...3. Instalação elétrica...4. Acionamento do aparelho...

Introdução... 2. Identificação do aparelho...3. Fixação do aparelho no box...3. Instalação elétrica...4. Acionamento do aparelho... Introdução... 2 Identificação do aparelho...3 Fixação do aparelho no box...3 Instalação elétrica...4 Acionamento do aparelho...4 Dados técnicos...5 Certificado de garantia...6 ÍNDICE INTRODUÇÃO O gerador

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CAIXAS PARA EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO E PROTEÇÃO DE UNIDADES CONSUMIDORAS INDIVIDUAIS OU AGRUPADAS EMISSÃO: JANEIRO /02 REVISÃO: MARÇO /06 FOLHA : 1 / 23 A P R E S E N

Leia mais

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE 1. OBJETIVO Esta norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas

Leia mais

Administração de CPD Internet Data Center

Administração de CPD Internet Data Center Administração de CPD Internet Data Center Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados a um dos principais tipos

Leia mais

Cores. Cristal Opal Bronze Cinza. 0,98 Opal. 0,66 Bronze Cinza. 2100 x 5800 Não Consta. Azul. Reflexivo Hot Climate. Reflexivo.

Cores. Cristal Opal Bronze Cinza. 0,98 Opal. 0,66 Bronze Cinza. 2100 x 5800 Não Consta. Azul. Reflexivo Hot Climate. Reflexivo. POLICARBONATO AVEOLAR Chapas em policarbonato alveolar, com tratamento em um dos lados contra ataque dos raios ultra violeta (garantia de 10 anos contra amarelamento). Por possuir cavidades internas (alvéolos),

Leia mais

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP Aprova a Norma Técnica nº 010/2005-CBMAP, sobre atividades eventuais no Estado do Amapá,

Leia mais

Divisão Construção Civil PUR/PIR Av. Nações Unidas, 12551 conj. 2404 - WTC 04578-903 São Paulo - SP - Brasil Fone: +55 11 3043-7883 Fax: +55 11

Divisão Construção Civil PUR/PIR Av. Nações Unidas, 12551 conj. 2404 - WTC 04578-903 São Paulo - SP - Brasil Fone: +55 11 3043-7883 Fax: +55 11 1 Por que usar termoisolamento em PUR/PIR? 2 Soluções para canteiro de obra Danica. 3 Premissas construtivas 2.2.2 - COBERTURAS: A cobertura terá telhas termoisolantes com espessura de 30 mm com isolamento

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 004/2000-CBMDF, sobre o Sistema de Proteção

Leia mais

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva Com a linha Geafol, obteve-se um transformador com excelentes características elétricas, mecânicas e térmicas que, adicionalmente, ainda é ecológico. São produzidos sob certificação DQS, ISO 9001 e ISO

Leia mais

CATÁLOGO Network, Datacom e Telecom

CATÁLOGO Network, Datacom e Telecom CATÁLOGO Network, Datacom e Telecom 20 GABINETES Linha EF São diversas opções de gabinetes tanto para ambientes limpos quanto para o chão de fábrica, que comportam de a 1.000 de equipamentos. GABINETES

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Curso de Engenharia de Produção Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Introdução: Um rebite compõe-se de um corpo em forma de eixo cilíndrico e de uma cabeça. A cabeça pode ter vários formatos. Os rebites

Leia mais

A eficiência do laser. The Bend The Combi The Laser The Punch The System The Software

A eficiência do laser. The Bend The Combi The Laser The Punch The System The Software A eficiência do laser The Bend The Combi The Laser The Punch The System The Software Inovação e experiência Econômica e ecológica A máquina de corte a laser PLATINO Fiber 2D tem perfeito balanço entre

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS E QUALIDADE DE VIDA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS E QUALIDADE DE VIDA ESCOPO PRÉ-PROJETO Para implantação do Sistema de Segurança Eletrônica para o Laboratório de Engenharia Biomédica da UFPE 1. APRESENTAÇÃO 1.1. Este documento tem por finalidade servir de orientação para

Leia mais

POWER IP66 48-57 - 72. Externa / Integrada NW - CW. 6 a 12. 0 a 15º MIZAR LED IP66 48-72. Integrada NW - CW. Assimétrica. 3 a 6.

POWER IP66 48-57 - 72. Externa / Integrada NW - CW. 6 a 12. 0 a 15º MIZAR LED IP66 48-72. Integrada NW - CW. Assimétrica. 3 a 6. LED Luminárias LED Luminária BALOON POWER HELIOS LED NYX 80 Grau de proteção da luminária IP65 IP66 IP66 IP67 Qtd. de LEDs 48 48-57 - 72 2 x 24 3 Fonte Integrada Externa / Integrada Integrada Integrada

Leia mais

IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo A - Hidrantes de recalque do sistema de chuveiros automáticos 2 Aplicação B Sinalização dos Hidrantes de Recalque do Sistema de chuveiros

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA

MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA Orçamento Unidade Básica de Saúde - Fronteira Estrutura para o acesso e identificação do

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E-62.014

ESPECIFICAÇÃO E-62.014 ESPECIFICAÇÃO E-62.014 Transformador de Corrente com Tensão Igual ou Superior a 69 kv Processo: Medição e Perdas Versão: 0.0 Início de Vigência: 30-01-2014 Órgão de Origem: Divisão de Medição e Proteção

Leia mais

Terminador de barramento de campo

Terminador de barramento de campo Terminador de barramento de campo Manual de instruções Additional languages www.stahl-ex.com Índice 1 Informações Gerais...3 1.1 Fabricante...3 1.2 Informações relativas ao manual de instruções...3 1.3

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA DISPOSITIVOS ELÉTRICOS UTILIZADOS NAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

PROCEDIMENTO PARA DISPOSITIVOS ELÉTRICOS UTILIZADOS NAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET CONJUNTOS DE FACAS WINDJET CONJUNTO DE FACAS WINDJET SOPRADORES CONJUNTOS DE FACAS WINDJET SUMÁRIO Página Visão geral dos pacotes de facas de ar Windjet 4 Soprador Regenerativo 4 Facas de ar Windjet 4

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO POSTES DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DEDISTRIBUIÇÃO EMISSÃO: REVISÃO: PAGINA: 1/33 A P R E S E N T A Ç Ã O Esta Norma fixa as características básicas de poste de concreto

Leia mais

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Indústria e Comércio de Bombas D Água Beto Ltda Manual de Instruções MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Parabéns! Nossos produtos são desenvolvidos com a mais alta tecnologia Bombas Beto. Este manual traz

Leia mais

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001 TERMO DE ADJUDICAÇÃO Às 15:21 horas do dia 17 de dezembro de 2012, o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Palmas, designado pela portaria 027/2012-GAB/SEFIN após analise da documentação do Pregão

Leia mais

POLICARBONATO COMPACTO

POLICARBONATO COMPACTO POLICARBONATO COMPACTO Chapa em policarbonato compacto, com tratamento em um dos lados contra o ataque dos raios ultravioleta (garantia de 10 anos contra amarelamento). Por sua alta transparência, a chapa

Leia mais

CARROS DE APOIO À INDUSTRIA

CARROS DE APOIO À INDUSTRIA Carros de Mão Carros Ligeiros com Carros para Cargas Médias/Elevadas Carros Armário com e sem Prateleiras Carros com Banca de Trabalho Carros de Apoio à Industria Carros de Reboque Carros para Escritóio

Leia mais

Características de Isolamento

Características de Isolamento CONSTRUÇÃO CIVIL - COBERTURAS E FECHAMENTOS Características de Isolamento EPS (poliestireno expandido) O EPS é um plástico celular rígido, resultante da expansão do estireno com o auxílio de vapor d água.

Leia mais

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências.

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências. Titulação : Eletricista Nome Abreviado : Eletricista Nível : Aprendizagem Tipo de Curso : Aprendizagem Industrial Área : Eletroeletrônica Segmento de Área : Eletricidade Estratégia : Presencial Carga Horária

Leia mais

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária Nº: 2.0 ARQUITETURA E URBANISMO 2.1.1 2.1.1.1 DEMOLIÇÃO, RETIRADAS E REMOÇÕES 2.1.1.1.1 REMOÇÃO DE TELHAS EXISTENTES 2.1.1.1.1.1 REMOÇÃO DE TELHAS 161333 ICC - Salvador - Mão de Obra 53 2.1.1.1.2 REMOÇÃO

Leia mais

VÍDEO PORTEIRO COLORIDO VIP COLOR 4

VÍDEO PORTEIRO COLORIDO VIP COLOR 4 CERTIFICADO DE GARANTIA Este produto é garantido pela Amelco S.A. Indústria Eletrônica dentro das seguintes condições: 1- Fica garantida, por um período de 1 (hum) ano a contar da data de emissão da nota

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Detector / Sensor de Fumaça Autônomo Rede AC e Bateria - Com Saída Rele NA/NF - Código: AFDFAR. O detector de Fumaça código AFDFAR é um equipamento que deve ser instalado no teto ou na parede das edificações

Leia mais

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação.

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação. 25 / 10 / 2011 1 de 7 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do pontalete de aço para utilização em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E INVESTIGAÇÃO RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

Leia mais

Torres Luminosas Compactas e Modulares

Torres Luminosas Compactas e Modulares Torres Luminosas Compactas e Modulares Safe solutions for your industry Índice TLC-60 Torre Luminosa Compacta Página 4 TLM-70 Torre Luminosa Modular Página 10 3 TLC-60 Torre Luminosa Compacta Desenvolvida

Leia mais

https://www.compras.rs.gov.br/egov2/leilao/acessarataeletronicasistema.jsp?idoferta=154977

https://www.compras.rs.gov.br/egov2/leilao/acessarataeletronicasistema.jsp?idoferta=154977 Página 1 de 5 ATA DA SESSÃO DO PREGÃO ELETRÔNICO EDITAL: 76/2013 PROCESSO: 2697-01.00/13-6 Em 13/08/2013, às 14:00 horas, na ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL - ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Leia mais

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0)

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1. Instalações e áreas de trabalho. NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1.1. Os pisos dos locais de trabalho onde se instalam máquinas e equipamentos devem ser vistoriados e limpos, sempre

Leia mais

Eletroímã VERSÃO DO MANUAL

Eletroímã VERSÃO DO MANUAL Eletroímã VERSÃO DO MANUAL 1.1 de 25/04/2013 3045 Sumário 1. Apresentação... 3 2. Itens que Acompanham... 3 2.1. FECHBEM SUPER FS 150 e FS 200... 3 2.2. AUTOMAG F300 E F600... 4 3. Especificações Técnicas...

Leia mais

Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO -

Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO - Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO - Material elaborado pelo departamento técnico da OfficeBrasil Desenvolvimento de Projetos e Produtos Última atualização: Março de 2013 Belo Horizonte, MG Linha Ohra

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS ANEXO XVIII AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica visa a adequar o texto da norma NBR 10897, que dispõe sobre

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Fumaça Óptico Endereçável 04 Níveis de Detecção Com Módulo Isolador - Código: AFS130IS. (Uso Conjunto às Centrais de Alarme da Série IRIS). O detector de fumaça código AFS130IS é um

Leia mais

Manual de instruções. Botões de comando Série 44

Manual de instruções. Botões de comando Série 44 Manual de instruções Botões de comando Série 44 1- Introdução A série 44 caracteriza-se pelo seu sistema modular de pelo seu sistema modular de elementos de contatos e, pela numerosa possibilidade de configuração

Leia mais

Soluções em Sistemas de Segurança e Automação. E algo mais. Botões, Comutadores, Sinaleiros e B l o c o d e C o n t a t o

Soluções em Sistemas de Segurança e Automação. E algo mais. Botões, Comutadores, Sinaleiros e B l o c o d e C o n t a t o Botões, Comutadores, Sinaleiros e B l o c o d e C o n t a t o Soluções em Sistemas de Segurança e Automação. E algo mais. Eletroeletrônica Industrial Ltda. Design Praticidade e economia Beleza e ergonomia

Leia mais

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Divisão de Subtransmissão / Departamento de Automação e Telecomunicação Especificação Técnica ETD 00.042 Rádio Comunicação Móvel VHF Dados e Voz Versão:

Leia mais

SEGURANÇA AUMENTADA IP65W BLOCO AUTÔNOMO DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA. Central de Relacionamento : (11) 2894-6470 www.brasdistribuidora.com.

SEGURANÇA AUMENTADA IP65W BLOCO AUTÔNOMO DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA. Central de Relacionamento : (11) 2894-6470 www.brasdistribuidora.com. BLOCO AUTÔNOMO DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Bloco de Iluminação de Emergência Ex d a prova de explosão e td proteção por involucro, Zonas 1 ou 2, 21 ou 22, Grupos IIA/IIB/IIC, IIIA/IIIB/IIIC. Tipo de Proteção

Leia mais

PLANILHA DE SERVIÇOS GERAIS DE OBRA

PLANILHA DE SERVIÇOS GERAIS DE OBRA 1 PRELIMINARES 1.1 Instalações do canteiro de obra vb 1,00 5.000,00 5.000,00 90,09 1.2 Placa de obra 2,00m x 3,00m, conforme orietações da administração vb 1,00 550,00 550,00 9,91 SUB TOTAL PRELIMINARES

Leia mais

Serie FKR-D-BR-60 D A 355 a 630 Serie FKR-D-BR-45 D A 200 a 315. TROX DO BRASIL LTDA. Fone: (11) 3037-3900 Fax: (11) 3037-3910

Serie FKR-D-BR-60 D A 355 a 630 Serie FKR-D-BR-45 D A 200 a 315. TROX DO BRASIL LTDA. Fone: (11) 3037-3900 Fax: (11) 3037-3910 4/1.3/BR/1 Damper Corta Fogo Serie FKR-D-BR-60 D A 355 a 630 Serie FKR-D-BR-45 D A 200 a 315 Testado no Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT - São Paulo Conforme a Norma NBR 6479/1992 Vedação da aleta

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL Resolução nº 002 de 09 de maio de 2011. O Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA Índice 1 Introdução 2 Local da Obra 3 Normas 4 Malha de Aterramento 5 Equipamento e Materiais 6 Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas 7 Cálculo dos Elementos

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

Bastidores para fibra óptica

Bastidores para fibra óptica Apresentação A gama de armários para fibra óptica Olirack foi concebida para a instalação, protecção e isolamento de terminadores e repartidores ópticos. A fibra óptica é um filamento feito de vidro ou

Leia mais