SUPERINTENDENTE REGIONAL DA AMAZÔNIA ORIENTAL ADEMIR CONCEIÇÃO CARVALHO TEIXEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUPERINTENDENTE REGIONAL DA AMAZÔNIA ORIENTAL ADEMIR CONCEIÇÃO CARVALHO TEIXEIRA"

Transcrição

1

2 2 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO COMISSÃO EXECUTIVA DO PLANO DA LAVOURA CACAUEIRA MINISTRO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO MARCUS VINÍCIUS PRATINI DE MORAIS DIRETOR DA CEPLAC HILTON KRUSCHEWSKY DUARTE SUPERINTENDENTE REGIONAL DA AMAZÔNIA ORIENTAL ADEMIR CONCEIÇÃO CARVALHO TEIXEIRA SERVIÇO DE PESQUISA RAIMUNDO CARLOS MÓIA BARBOSA SERVIÇO DE EXTENSÃO RURAL CARLOS EDILSON SILVA DE OLIVEIRA SEÇÃO DE GERAÇÃO DE TECNOLOGIA PAULO JÚLIO DA SILVA NETO SUPERINTENDENTE REGIONAL DA AMAZÔNIA OCIDENTAL JOÃO VALÉRIO DA SILVA FILHO SERVIÇO DE PESQUISA CAIO MÁRCIO VASCONCELOS CORDEIRO DE ALMEIDA SERVIÇO DE EXTENSÃO RURAL PAULO GIL GONÇALVES DE MATOS

3 3 COMISSÃO EXECUTIVA DO PLANO DA LAVOURA CACAUEIRA SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CACAU PARA A AMAZÔNIA BRASILEIRA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DA AMAZÔNIA ORIENTAL Km 7, Rodovia augusto Montenegro, CEP Caixa Postal 1801, Belém, Pará, Brasil SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DA AMAZÔNIA OCIDENTAL Av. Jorge Teixeira, nº 85, Bairro Nova Porto Velho, CEP , Porto Velho, Rondônia, Brasil 2001

4 4 ORGANIZAÇÃO Paulo Júlio da Silva Neto - Coordenador Paulo Gil Gonçalves de Matos António Carlos de Souza Martins Acácio de Paula Silva S586 Silva Neto, P. J. da et ai Sistema de produção de cacau para a Amazónia brasileira. Belém, CEPLAC, p. ISSN Botânica 2. Agricultura 3. Cacau 4. Vassoura-de-bruxa I. Matos, Paulo Gil Gonçalves de II. Martins, António Carlos de Souza III. Silva, Acácio de Paula IV. Título.

5 5 APRESENTAÇÃO Nos últimos anos, e particularmente nesta década, o cenário agropecuário brasileiro tem passado por profundas transformações. Tais mudanças, sinalizam de forma bastante clara para a seguinte conjuntura: nos dias atuais, não basta simplesmente que o produtor rural disponha de determinação, força e terra disponível para plantar. A realidade tem demonstrado, que além desses fatores, é de suma importância que o homem do campo busque e utilize tecnologias que viabilizem a produção e o acúmulo de riquezas, ou seja, a qualificação e o uso de tecnologias apropriadas são condições indispensáveis para que o agricultor não só possa produzir com segurança e competitividade, mas principalmente, lhe possibilite manter a viabilidade económica de suas ati vidades agropecuárias. Com base nessas considerações e sintonizada com os anseios e necessidades advindas do meio rural, a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira - CEPLAC tem a satisfação de oferecer ao público em geral - e em particular aos seus parceiros - clientes (produtores), técnicos, empresários, organizações associativistas ligadas à cadeia produtiva do cacau e aos estudantes de Ciências Agrárias - a publicação revisada do "Sistema de Produção de Cacau para a Amazônia Brasileira". Dessa forma, este trabalho significa mais uma contribuição atualizada e organizada para difundir o elenco de tecnologias desenvolvidas através dos resultados da pesquisa e experimentação agrícola, bem como de experiências bem sucedidas de técnicos e produtores. Almeja-se desse modo, que as informações e recomendações possam reduzir os custos de implantação e de manutenção de áreas cacaueiras e gerar aumento de produtividade para os agricultores amazônidas, através da oferta de opções tecnológicas que sejam adaptáveis e acessíveis aos produtores tornando os sistemas de produção mais rentáveis técnica e economicamente. Hilton Kruschewsky Duarte Diretor Geral CEPLAC Ademir Conceição Carvalho Teixeira Superintendente Regional da Amazónia Oriental João Valéria da Silva Filho Superintendente Regional da Amazónia Ocidental

6 6 AGRADECIMENTOS O Grupo de Trabalho manifesta seu reconhecimento a todos aqueles que direta ou indiretamente contribuíram para a realização deste Sistema de Produção: Aos Srs. Superintendentes, da SUPOR, Dr. Ademir Conceição Carvalho Teixeira e da SUPOC, Dr. João Valério Silva Filho; Aos colegas interiorizados e aos agricultores, pela solicitude com que nos acompanharam, bem como pelas informações que de certa forma enriqueceram este trabalho; Agradecemos ainda, às seguintes pessoas: Cleber Novais Bastos, Jailson Rocha Brandão, Alino Zavarise Bis, Francisco das Chagas de Medeiros Costa, Paulo Herinque Fernandes Santos, Carlos Edilson de Oliveira, Diemerson Corrêa Barile, Paulo Sérgio Beviláqua de Albuquerque, Aliomar Arapiraca da Silva, Jasson Luiz Pinheiro Moreira, Caio Márcio Vasconcelos Cordeiro de Almeida, Gláucio César Vieira da Silva, Fernando António Teixeira Mendes, Ana Maria Duarte Lima, António Hermes Zacchi, Carlos Alberto Corrêa, Olzeno Trevizan, Suely Paraense Vidal, Renata Teixeira da Silva, Dorival Alves de Aguiar, Amintas de Oliveira Brandão, António Francisco Neto, José António Monteiro dos Santos, Pedro Paulo da Costa Mota, Pedro Corrêa do Santos, Admilson Mota de Brito pelas valiosas contribuições, comentários, críticas e sugestões. Na oportunidade, a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira, através das Superintendências Regionais da Amazónia Oriental e Amazónia Ocidental, e os autores agradecem o empenho especial do Banco da Amazónia S/A e da Associação de Assistência Técnica de Extensão Rural de Rondônia-EMATER(RO), pelo patrocínio prestado à edição desta publicação.

7 7 SUMÁRIO CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES... 8 INTRODUÇÃO... 9 CLASSIFICAÇÃO BOTÂNICA Característica da Planta REGIÕES PRODUTORAS DE CACAU NA AMAZÔNIA ASPECTOS EDAFOCLIMÁTICOS PARA O CULTIVO Clima Solo ESCOLHA E PREPARO DE ÁREA Escolha de área Preparo de área Balizamento FORMAÇÃO DE MUDAS Construção do Viveiro Semeadura Tratos Culturais no Viveiro PLANTIO DO SOMBREAMENTO PROVISÓRIO E DEFINITIVO PLANTIO DO CACAUEIRO MANEJO DE CACAUEIRO NO CAMPO Controle de Plantas Daninhas Poda e Desbrota Manejo do Sombreamento Manejo Químico do Solo para o Cacaueiro Manejo das Pragas Principais Doenças do Cacaueiro e Medidas de Controle Precauções Gerais no Uso de Agrotóxicos O CACAUEIRO NOS ECOSSISTEMAS DAS VÁRZEAS DOS ESTADOS DO PARÁ E AMAZONAS BENEFICIAMENTO DO CACAU ARMAZENAMENTO DE CACAU PADRONIZAÇÃO DE AMÊNDOAS DE CACAU APROVEITAMENTO DE SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DO CACAU ENFOQUES SOBRE CACAUEIROS EM SISTEMAS AGROFLORESTAIS ÍNDICES TÉCNICOS CALENDÁRIO AGRÍCOLA PARA O CULTIVO DO CACAUEIRO BIBLIOGRAFIA CONSULTADA... 79

8 8 CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES A exploração agropecuária do trópico úmido brasileiro tem se caracterizado como um grande desafio para todos aqueles diretamente envolvidos na elaboração, estabelecimento e condução de programas e projetos agrícolas sustentáveis. A necessidade de que esse ecossistema seja explorado racionalmente pelo homem, implica, não somente, na colocação em prática de sistemas agrícolas que possam contribuir para o desenvolvimento económico da região e à consequente melhoria de renda e do nível de vida das populações aí estabelecidas, mas, principalmente, com o equilíbrio do ecossistema. Em outras palavras, implica a necessidade do estabelecimento e exploração de atividades que apresentem comprovada relevância económica, bem como, reais possibilidades de incremento à sustentabilidade ambiental. Dentro desta perspectiva, não há dúvidas que a cacauicultura tem se mostrado um empreendimento apropriado e bastante promissor para a região. Isto porque, essa lavoura, pelas suas características particulares por possibilitar interessante retorno financeiro, mantenedora do equilíbrio ecológico, fixadora do homem à terra -. além de se enquadrar perfeitamente às peculiaridades agroecológicas dos trópicos úmidos, também tem demonstrado ser uma alternativa segura para a melhoria das condições sócioeconômícas de suas populações. A Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira - CEPLAC, no início das suas atividades junto aos agricultores e comunidades rurais amazônidas, se por um lado, dispunha de informações relevantes acerca das características, notencialidades e limitações edafoclnnáticas da região. Por outro, contava com limitado grau de informações e de conhecimentos específicos sobre o comportamento e possibilidades de desenvolvimento da cacauicultura nessas novas áreas. Como consequência, veio a conduzir seu programa de expansão da cacauicultura na Região Amazônica, calcada, em grande parte, na adaptação de resultados e procedimentos oriundos de experimentos de pesquisas produzidos no Estado da Bahia. Somente com o passar dos anos é que, paulatinamente, foram sendo produzidos conhecimentos, bem como, geradas informações mais adaptadas ao comportamento, possibilidades e desempenho dessa lavoura no âmbito desse novo contexto. Dessas observações e resultados de pesquisa, foram produzidos em 1980 e 1985 os Sistemas de Produção de Cacaueiros para a Amazónia Brasileira. O conteúdo de tais publicações, até o presente momento, tem se constituído em peças importantes da CEPLAC, principalmente, no que concerne à orientação e ao trabalho de assistência técnica aos agricultores. Evidentemente, que daquela época aos dias de hoje, muito já foi observado, estudado e produzido, não só pêlos setores da pesquisa - inclusive com experimentos concluídos e publicados -, como também por agricultores. Ou seja, existe sem dúvida, uma gama de resultados e informações de interesse relevante sobre a exploração racional da cacauicultura em condições amazônicas. Entretanto, a exemplo do que foi feito em anos anteriores, é preciso que todo esse acervo de conhecimentos seja analisado, discutido e repassado à clientela demandante do nosso trabalho, que são os agricultores. Com base nestas considerações, colocamos à disposição dos interessados esta publicação. Neste trabalho, procuramos revisar a literatura disponível, conversar com técnicos e especialistas que trabalham no setor de pesquisa, visitar áreas de agricultores, trocar ideias com os mesmos, com os extensionistas das diversas localidades, na tentativa de atualizar e consolidar o que de mais relevante e de mais aderente à realidade dos nossos produtores, tem sido produzido sobre a lavoura cacaueira nos trópicos úmidos. Além deste enfoque relacionado à atualização dos "Sistemas de Produção do Cacaueiro na Amazónia Brasileira", tendo em vista as novas demandas dos agricultores, também nos preocupamos em coletar, revisar e analisar informações disponíveis sobre o cultivo do cacaueiro em áreas de várzeas,bem como, a exploração dessa lavoura associada a outras culturas de reconhecido valor económico. Sobre estas temáticas, já existem alguns resultados de pesquisa, trabalhos publicados por diversas Instituições com atividades na área, unidades de observação e experimentos conduzidos por especialistas e agricultores com resultados surpreendentes. Com base nestas informações e dados, discorremos sobre alguns arranjos envolvendo cacaueiros com espécies perenes, semi-perenes e anuais que apresentam características favoráveis ao cultivo consorciado. Tal iniciativa tem por base oferecer novas possibilidades de exploração aos agricultores, que permitam, além de oferecer maior equilíbrio ecológico, maiores ganhos económicos por área explorada. COMISSÃO ORGANIZADORA

9 INTRODUÇÃO Antonio Carlos de Souza Martins 9 No Brasil, embora o cacaueiro (Theobroma cacao) se encontrasse vegetando naturalmente como uma parcela significativa do revestimento florestal amazônico, e já fizesse parte da cultura indígena desde muito antes da chegada dos colonizadores principalmente no que concerne ao aproveitamento da sua polpa para produção de vinho -, as primeiras iniciativas de exploração econômica do produto na Região Amazônica só começaram a ganhar impulso durante o período colonial. Os esforços deflagrados pela Coroa Portuguesa com vistas a solucionar deficiências financeiras irão desencadear uma série de intervenções governamentais, cujo objetivo primordial consistia em fomentar o cultivo deliberado dessa planta e o conseqüente aproveitamento comercial da matéria prima proveniente do seu beneficiamento. Entretanto, não obstante os significativos resultados obtidos e a constituição da cacauicultura no principal componente da pauta dos produtos vendidos ao exterior pela Amazônia especialmente no século compreendido entre os anos de 1730 e 1830, com exportações anuais de até 100 mil arrobas de amêndoas secas de cacau para o mercado português -, deve ser ressaltado que o desenvolvimento da lavoura cacaueira no Norte do Brasil sempre se efetivou e se encaminhou centralizado numa forma rudimentar de exploração. Ou seja, alicerçado no aproveitamento e beneficiamento de um produto que vegetava e se reproduzia espontaneamente, sem a menor preocupação com o melhoramento genético das plantações e o conseqüente emprego de práticas direcionadas ao aprimoramento das características de produção, produtividade, resistência as pragas, doenças etc. Tratava-se, na verdade, de uma economia efetuada sob regime eminentemente extrativista e que apresentava uma debilidade latente. Neste contexto, se de um lado foi uma atividade agrícola surgida como opção econômica viável e por muito tempo de importância no quadro das exportações regionais de outro, a falta de preocupação das autoridades governamentais quanto à necessidade do estabelecimento de um programa compromissado com a execução da política cacaueira fundamentada em bases técnicas e racionais de exploração constituiu-se no fator determinante para que o cultivo dessa planta não se desenvolvesse de maneira sustentada e permanente na Amazônia. Assim, com o decorrer do tempo, a fragilidade de uma economia do cacau calcada primordialmente na exploração extrativa começou a demonstrar sua vulnerabilidade. No início do século XIX, as plantações ingressaram em fase de decadência irreversível, caracterizada pelo declínio sistemático e acentuado na quantidade de frutos colhidos e no volume de matéria-prima produzida, cujos desdobramentos tiveram reflexos significativos no desempenho das exportações. Tal performance de "débâcle", coligada com alguns acontecimentos desencadeados na primeira metade deste século foi decisiva a perda de hegemonia da cacauicultura e sua paulatina substituição pela exploração econômica da borracha proveniente dos seringais da Amazônia. Isto se deu particularmente graças à descoberta da vulcanização por Goodyear em 1839, que conferiu maior rentabilidade econômica à exploração da seringueira (Hevea brasiliensis) e com isso tornou a atividade agrícola de extração do látex muito mais atraente em termos financeiros do que as demais opções agropecuárias colocadas à disposição dos colonos. Somente a partir da década de 1960, com o início das atividades da CEPLAC na Região Amazônica e mais precisamente no decorrer de 1976, com o advento do Plano de Diretrizes para Expansão da Cacauicultura Nacional (PROCACAU) 1, é que essa atividade iria receber um impulso notável e começar a se constituir em uma atividade econômica explorada de maneira racional e com orientação técnica qualificada nos Estados amazônicos. 1 Com esse programa - que objetivava a maximização da produção brasileira para elevá-la a um patamar de 700 mil toneladas de amêndoas secas/ano e garantir a consolidação do Brasil como principal produtor mundial -, o Governo Federal deu início, através da CEPLAC, a implantação de 300 mil hectares de novos cacaueiros e a renovação de outros 150 mil hectares em plantações decadentes e de baixa produtividade da Bahia e Espírito Santo. Além dessa área, tendo em vista a impossibilidade das regiões cacauicultoras tradicionais assumirem sozinhas as diretrizes e metas estabelecidas pelos planos de expansão da cacauicultura, a CEPLAC sincronizou seus objetivos com as ações do Governo Federal de apoio e incentivo à ocupação da Região Amazônica e também direcionou para o norte do país uma parcela desse programa.

10 10 No Brasil, o cultivo do cacaueiro encontra-se disseminado por cinco Estados da Federação. No Estado da Bahia figura como principal produto agrícola, bem como, tem sido durante décadas, um dos seus mais importantes fatores de desenvolvimento econômico. Em conformidade com as diretrizes do Ministério da Agricultura e do Abastecimento para as regiões produtoras do Brasil, a CEPLAC possui um programa de desenvolvimento sustentado na Amazônia com uma estrutura operacional que contempla, para o leste amazônico, a Superintendência Regional da Amazônia Oriental (SUPOR), com sede em Belém-PA e responsável pela coordenação das atividades dos pólos cacaueiros situados nos Estados do Pará e Mato Grosso. O oeste da região é de responsabilidade da Superintendência Regional da Amazônia Ocidental (SUPOC), com sede em Porto Velho-RO, e responsável pela coordenação das atividades dos pólos cacaueiros situados nos Estados de Rondônia e Amazonas. Desta forma, partindo de uma área inexpressiva em termos de produção de toneladas/ano, caracterizada por um estágio incipiente e limitada de conhecimentos tecnológicos, tanto com relação ao cultivo do cacaueiro, quanto ao beneficiamento do cacau e seus subprodutos. A CEPLAC atualmente assessora e orienta tecnicamente nos Estados do Pará, Rondônia, Amazonas e Mato Grosso o plantio de aproximadamente 90 mil hectares de lavouras cacaueiras. Assiste também a um total de estabelecimentos rurais que, juntos, produzem aproximadamente toneladas de amêndoas secas de cacau. Com base nestas considerações, almeja-se que as informações, experiências e conhecimentos oriundos da investigação e experimentação com o cultivo do cacaueiro, bem como as percepções e concepções emanadas dos produtores rurais, contidas neste trabalho, se traduzam não somente em contribuições relevantes aos sistemas de produção em uso pelos agricultores, mas que contribuam principalmente para manter a expansão da cacauicultura em bases técnicas e racionais na Região Amazônica. CLASSIFICAÇÃO BOTÂNICA Paulo Júlio da Silva Neto O cacaueiro é uma planta da família Sterculiaceae, gênero Theobroma. É uma planta originária do continente Sul Americano, provavelmente das bacias dos rios Amazonas e Orinoco, onde foi encontrado, em condições naturais, sob o dossel de grandes árvores da floresta tropical. No início do século XVII, o cacau foi citado pela primeira vez na literatura botânica, por Charles de L Écluse que o descreveu com o nome de Cacao fructus, porém, em 1737 foi classificado por Linneu como Theobroma fructus, para em 1753 ser modificado para Theobroma cacao, denominação que permanece atualmente. Característica da Planta O cacaueiro é uma planta que pode atingir 5 a 8m de altura e 4 a 6m de diâmetro da copa, quando proveniente de semente. Em conseqüência dos fatores ambientais que influenciam no crescimento estas dimensões podem ser ultrapassadas. Quando o cultivo é feito a pleno sol, sua altura pode ser reduzida, entretanto pode alcançar até 20m em condição de floresta, devido a competição por luz com outras espécies. O sistema radicular consta de uma raiz pivotante que tem o seu comprimento e forma variando de acordo com a estrutura, textura e consistência do solo. Em solos profundos com boa aeração constatou-se um crescimento da raiz pivotante de até 2m. As raízes secundárias estão localizadas em maior número na parte superior da pivotante e afastam-se desta de 5 a 6 metros. Estas raízes são responsáveis pela nutrição da planta e geralmente encontram-se de 70 a 90% nos primeiros 30cm do solo.

11 O caule é ereto, e com a idade aproximada de 2 anos, tem o crescimento da gema terminal detido a uma altura entre 1,0 e 1,5m, surgindo nessa ocasião a primeira ramificação ou coroa, composta de 3 a 5 ramos principais, os quais multiplicam-se em outros laterais e secundários. Nos primeiros anos, o cacaueiro apresenta a casca do tronco lisa. Mais tarde, em decorrência do permanente desenvolvimento das almofadas florais, a mesma torna-se áspera e rugosa. As folhas, quando novas, apresentam uma gradação de tonalidades a depender de cultivar ou clone, do verde pálido mais ou menos rosado ao violeta, de acordo com a quantidade de pigmentos de antocianina presente. Com o amadurecimento, as folhas perdem sua pigmentação, tornando-se de cor verde-pálidas, e por fim, verde-escuras, adquirindo rigidez. As folhas são oblongas, acuminadas e glabas com nervura central proeminente. O cacaueiro é uma planta caulifloria, as flores surgem em almofadas florais no tronco ou nos ramos lenhosos, em uma gema desenvolvida no lugar da axila de uma antiga folha. As flores são hermafroditas e possuem a seguinte constituição: cinco sépalas, cinco pétalas, cinco estaminóides, cinco estames e um pistilo cujo ovário possui cinco lojas. Na Região Amazônica o cacaueiro apresenta dois picos de floração: um menor que coincide com o início do período menos chuvoso e um principal que ocorre no final do período de estiagem e início do período chuvoso. Anualmente, um cacaueiro adulto pode produzir até mais de flores, das quais menos de 5% são fertilizadas, sendo que apenas cerca de 0,1% se transformam em frutos. As flores não polinizadas caem no período de quarenta e oito horas. Os botões florais, atingindo o máximo de desenvolvimento, iniciam a abertura à tarde com a separação das extremidades das sépalas, completando-se na manhã seguinte, nas primeiras horas. Quando as flores, depois de polinizadas, são realmente fertilizadas, permanecem fixadas no pedúnculo, desenvolvendo o ovário em futuro fruto. As flores do cacaueiro apresentam caracteres estruturais que limitam sua polinização quase que exclusivamente a insetos, apesar de hermafroditas e homógamas. Isto deve-se ao fato do estigma (feminino) encontrar-se envolvido por um círculo de estaminóides (masculino) e de suas anteras apresentarem envolvidas por formação recurvadas das pétalas, denominadas de cógula. Os principais agentes polinizadores do cacaueiro são constituídos por um pequeno grupo de insetos, da família Ceratopogonidae, gênero Forcipomya. A sincronização entre os períodos de floração intensa e o período de maior população de adultos Forcipomya é que permitirá o maior ou menor sucesso no processo reprodutivo do cacaueiro. Por esta razão não é recomendável realizar a aplicação de agrotóxicos, principalmente de inseticidas, evitando-se assim, prejudicar a polinização. O fruto de cacau apresenta um pericarpo carnoso composto de três partes distintas: o epicarpo que é carnoso e espesso, cujo extrato epidérmico exterior pode estar pigmentado, o mesocarpo, que é delgado e duro, mais ou menos lignificado, e o endocarpo, que é carnoso, mais ou menos espesso. O fruto está sustentado por pedúnculo lenhoso, proveniente do engrossamento do pedicelo da flor. Normalmente, os frutos quando jovens apresentam coloração verde, e amarela quando maduros. Outros são de cor roxa (vermelho-vinho) na fase de desenvolvimento e alaranjado no período de maturação. O período compreendido entre a polinização e o amadurecimento do fruto varia de 140 a 205 dias, com uma média de 167 dias. O índice de frutos (nº de frutos necessários para obter 1 kg de cacau comercial) é em geral, de 15 a 31 frutos. A semente de cacau tem a forma que varia de elipsóide a ovóide, com 2 a 3cm de comprimento é recoberta por uma polpa mucilaginosa de coloração branca, de sabor açucarado e ácido. O embrião é formado por dois cotilédones, cujas cores podem variar do branco ao violeta. 11

12 12 As sementes do cacaueiro são muito sensíveis às mudanças de temperatura e morrem em pouco tempo, quando sofrem desidratação. A semente é o principal produto comercializado, após fermentação e secagem, para fabricação de chocolate, nas diversas formas. Das sementes extrai-se também a manteiga, muito utilizada na indústria farmacológica e na fabricação de cosméticos. A polpa que envolve as sementes é rica em açúcares, sendo utilizada na fabricação de geléia, vinho, liquor, vinagre e suco. Com relação ao ciclo de vida, o cacaueiro apresenta características de perenidade, cujo o ciclo pode ultrapassar a cem anos, ainda apresentando desenvolvimento vegetativo com potenciais para boa produtividade. Na Região Amazônica, em condições naturais, na floresta, existem áreas, principalmente as de várzea, em que os agricultores que cuidam da lavoura cacaueira já estão na 3ª geração da família. REGIÕES PRODUTORAS DE CACAU NA AMAZÔNIA Antonio Carlos de Souza Martins Paulo Gil Gonçalves de Matos João Marivaldo Silva de Sousa A Amazônia brasileira é uma região possuidora de uma vasta extensão de terras, que totalizam 488 milhões de hectares. Destas, aproximadamente 32 milhões de hectares são solos com excelentes características físicas e químicas. No início da década de 70, como diretriz da política de integração nacional, o governo federal passou a incentivar a expansão da fronteira agrícola para a região. Para o estabelecimento dessa estratégia governamental, grandes rodovias foram abertas, projetos integrados de colonização foram criados, a política de incentivos fiscais facilitou a expansão do capital aos Estados localizados na região e, por conta dessas iniciativas, houve a implantação de um novo modelo agropecuário. Nesta nova perspectiva, o fato do cultivo do cacaueiro apresentar de um lado, significativo potencial no que diz respeito aos aspectos estratégicos, ecológicos e políticos, e de outro, reconhecida adaptabilidade a sistemas de multicultivos com outras espécies florestais, se constituíram em fatores determinantes para a criação, em parte desta área, dos pólos cacaueiros da Amazônia. O trabalho de expansão da cacauicultura na Região Amazônica foi efetivado com respaldo institucional da CEPLAC, Órgão do governo federal subordinado ao Ministério da Agricultura e do Abastecimento. O modelo agrícola usado está embasado na ação de um único órgão integrando todas as atividades necessárias ao desenvolvimento técnico e racional da cacauicultura: pesquisa agrícola, assistência técnica, fomento agrícola e treinamento de mão-de-obra, bem como ao Manejo Integrado de Sistemas Agroflorestais (SAF), com vistas ao enriquecimento das lavouras de cacau já existentes ou que venham a ser implantadas, com essências madeireiras florestais e frutíferas regionais de reconhecido valor econômico. Atualmente na Amazônia, a região produtora de cacau assistida pela CEPLAC, engloba os seguintes Estados: Rondônia, Amazonas, Pará e Mato Grosso. Nos Estados de Rondônia e Amazonas as atividades da CEPLAC são coordenadas e executadas pela Superintendência Regional da Amazônia Ocidental (SUPOC). No Estado de Rondônia, a CEPLAC desenvolve suas atividades em um universo de produtores rurais, em 31 Municípios, especificados no mapa político-administrativo de Rondônia (ver mapa nº1). Nesses Municípios estão implantados cerca de 40 mil hectares de cacaueiros, com produção em torno de 16 mil toneladas/ano, de amêndoas secas de cacau.

13 13 1. Ariquemes 2. Theobroma 3. Machadinho 4. Cacaulândia 5. Cujubim 6. Alto Paraíso 7. Rio Crespo 8. Buritis 9. Campo Novo 10. Monte Negro 11. Gov. Jorge Teixeira 12. Ji-Paraná 13. Presidente Médice 14. Urupá 15. Ouro Preto d'oeste 16. Jarú 17. Nova União 18. Teixeirópolis 19. Mirante da Serra 20. Alvorada do Oeste 21. Vale do Paraíso 22. Ministro Andreazza 23. Cacoal 24. Rolim de Moura 25. São Filipe 26. Santa Luzia 27. Corumbiara 28. Colorado do Oeste 29. Cerejeiras 30. Pimenteiras 31. Cabixi Mapa nº1 Localização dos Municípios assistidos pela CEPLAC/SUPOC no Estado de Rondônia No Estado do Amazonas, a CEPLAC atua com 706 famílias, nos seguintes Municípios: Manaus, Manacapurú, Careiro da Várzea, Itacoatiara, Silves, Itapiranga, São Sebastião do Uatumã, Urucurituba, Urucará, Apuí, Manicoré e Novo Aripuanã. Estes 12 Municípios possuem uma área de 5 mil hectares de cacaueiros e produzem mil e quinhentas toneladas de amêndoas secas de cacau/ano. Torna-se importante salientar que, no Estado do Amazonas, a CEPLAC vem dando ênfase a exploração de cacauais em várzeas, uma vez que o maciço cacaueiro nesse Estado concentra-se nessas áreas. Isso se justifica em função dos seguintes aspectos: essas plantações nativas se constituem na forma tradicional de exploração, tal atividade tem se configurado uma importante fonte de renda para os produtores ribeirinhos, haja vista o baixo custo de sua exploração e os preços praticados atualmente. Já no tocante aos Estados do Pará e Mato Grosso, os trabalhos estão ao encargo da Superintendência Regional da Amazônia Oriental (SUPOR). No âmbito do Estado do Pará, a atuação da CEPLAC encontra-se direcionada para o atendimento de agricultores e comunidades rurais estabelecidos em 45 Municípios e 7 pólos espontâneos localizados nas Mesorregiões Metropolitanas de Belém, Baixo Amazonas, Nordeste, Sudoeste e Sudeste Paraense, especificadas no mapa político-administrativo do Pará (ver mapa nº2). Mapa nº2 Localização dos Municípios assistidos pela CEPLAC/ SUPOR no Estado do Pará.

14 14 Baixo Amazonas Santarém, Alenquer, Óbidos, Curuá e Monte Alegre. Sudoeste do Pará Placas, Rurópolis, Itaituba, Aveiro, Trairão, Pacajá, Anapú, Altamira, Senador José Porfírio, Vitória do Xingú, Brasil Novo, Medicilândia e Uruará. Nordeste do Pará Tomé-Açu, Acará, Mojú, Concórdia do Pará, Cametá, Mocajuba, Oeiras do Pará, Limoeiro do Ajurú, Garrafão do Norte, Igarapé-Açu, São Francisco do Pará, Terra Alta, Santa Maria do Pará e São Miguel do Guamá. Metropolitana de Belém - Benevides, Santa Izabel, Santa Bárbara, Castanhal e Inhangapí. Sudeste do Pará Tucumã, São Félix do Xingú, Ourilândia do Norte, Cumaru do Norte, Água Azul, Novo Repartimento, Itupiranga e Paragominas. Pólos Espontâneos: Bannach, Eldorado do Carajás, Curinópolis, Parauapebas, Rio Maria, São Geraldo do Araguaia e Sapucaia. Nessa área trabalhada existem implantados ,00 hectares de lavouras cacaueiras, um público de agricultores e uma produção de toneladas de amêndoas secas de cacau/ano. Além da cacauicultura, a CEPLAC também desenvolve um trabalho de diversificação agroeconômica com assessoramento e orientação técnica direcionando as seguintes culturas: coco, cupuaçu, pupunha, açaí, pimenta-do-reino, banana, café, mandioca, maracujá entre outros. Com relação ao Estado de Mato Grosso as atividades da CEPLAC se desenvolvem nos seguintes Municípios: Alta Floresta, Paranaíta, Carlinda, Nova Bandeirante, Novo Mundo, Apiacá, Terra Nova do Norte e Nova Guarita. O espaço delimitado pela ação da CEPLAC engloba uma área de 2.712,0 hectares de lavouras cacaueiras, um público de 284 agricultores e uma produção de 900 toneladas de amêndoas secas de cacau/ano. ASPECTOS EDAFOCLIMÁTICOS PARA O CULTIVO Clima Ruth Maria Cordeiro Scerne Para expressarem plenamente seu potencial genético, as plantas necessitam ser cultivadas sob condições ótimas de solo e de clima, principalmente aos fatores relacionados com o crescimento e desenvolvimento vegetal. Na Amazônia, de um modo geral, o clima caracteriza-se pela abundância das chuvas e pela constância de temperaturas elevadas. O cacaueiro é uma planta típica dos trópicos úmidos, e é cultivado em regiões onde o clima apresenta variações relativamente pequenas durante o ano, especialmente em termos de temperatura, radiação solar e comprimento do dia. Pelo fato da precipitação pluvial, junto com a radiação global, ser o componente mais importante do clima e de esta apresentar muita variabilidade é que a chuva se constitui um dos principais fatores de risco para a cacauicultura regional. Por esse motivo é que, para o estabelecimento de plantios de cacauais economicamente viáveis, deve ser rigorosamente observado o regime das chuvas, principalmente em relação à sua distribuição ao longo dos meses, nas áreas onde deverão ser instalados os empreendimentos cacaueiros. A precipitação ideal para o cacau deve apresentar um total anual acima de 1.250mm, bem distribuídos em todos os meses, com mínimas mensais de 100mm e ausência de estação seca bem definida e intensa que apresente meses com menos de 60 mm de chuva. Por regra geral a quantidade ótima de chuva está entre a 2.500mm ao ano. Os períodos secos com mais de três meses são prejudiciais. Outro componente climático que deve ser considerado é a velocidade do vento, pois em localidades com ventos que apresentam velocidade superior a 2,5 m/s, é recomendável a instalação de quebra ventos, para que seja reduzida a evapotranspiração dos cacaueiros, a queima e queda das folhas, principalmente as mais novas, que são sensíveis ao movimento do ar. Cacaueiros expostos a ventos fortes crescem com as copas envassouradas e dificilmente atingem desenvolvimento normal.

15 15 Solo Raimundo Carlos Moia Barbosa O solo deve apresentar uma profundidade mínima de 1 metro e 20 centímetros sendo ideal em torno de 1 metro e 50 centímetros. Para o desenvolvimento normal do sistema radicular do cacaueiro, o solo não deve conter concreções lateríticas em sua parte superior, bem como não deve possuir camadas pedregosas e compactas no seu perfil. Solos com impedimentos físicos dessa natureza dificultam o desenvolvimento normal do sistema radicular do cacaueiro, provocando principalmente o atrofiamento da raiz principal (Fig. 1). Fig.1 Desenvolvimento do sistema radicular do cacaueiro. A Sistema radicular prejudicado por impedimento físico (camada pedregosa e/ou piçarra). B Sistema radicular com desenvolvimento normal quando em solos profundos e sem impedimento físico. Deve ser bem drenado e quando apresentar sinais de gleização, mosqueamento ou possuir lençol freático próximo a superfície, deve ser recuperado através da abertura de canais de drenagem. Sua textura deve permitir boa capacidade de retenção de água. Solos argilosos e siltosos são apropriados para regiões com períodos definidos de estiagem, embora possam ocorrer problemas de encharcamento do solo em períodos intensos de chuva. A textura areno-argilosa é apropriada para regiões de altas precipitações pluviométricas, mas bem distribuídas durante o ano. Solos leves, com pouca argila não são recomendados por apresentarem baixa retenção de umidade e permitirem a lixiviação intensa de nutrientes. A fertilidade é fundamental, considerando-se o alto custo dos corretivos e fertilizantes. O cacaueiro desenvolve-se, entretanto, em solos com os mais diferentes níveis de fertilidade, sendo ideal aqueles que apresentam níveis de média a alta fertilidade natural, com ph na faixa de 6,0 6,5, onde ocorre disponibilidade máxima de muitos nutrientes (Fig. 2) Fig. 2 Relação entre ph e disponibilidade de elementos no solo (Malavolta, 1980). Áreas ocupadas com mata, capoeira, outros cultivos ou até pastagem, podem ser selecionadas, desde que o clima e o solo apresentem condições desejáveis para a cacauicultura.

16 16 ESCOLHA E PREPARO DE ÁREA Escolha de área Paulo Júlio da Silva Neto Os critérios de escolha de áreas para o plantio de cacau na Região Amazônica brasileira devem levar em conta, preferencialmente, o relevo, a fertilidade e a profundidade efetiva dos solos, além de consulta prévia, em caso de existência, do zoneamento agroecológico de cada Município ou região, sem deixar de levar em consideração os aspectos climáticos, principalmente a precipitação pluviométrica. Preparo de área Para o preparo de área há que se considerar inicialmente o sistema de implantação a ser adotado, que por sua vez está condicionado ao tipo de cobertura florística existente e a condição do produtor para instalar e manter o modelo escolhido. Esses aspectos são de grande importância, pois, a partir dessas considerações deverá ser tomada uma decisão que terá implicações diretas no sucesso ou insucesso do empreendimento. O estabelecimento do cacaual, nas diversas regiões produtoras do mundo, é realizado basicamente de duas maneiras, após a eliminação parcial da vegetação original ou em seguida ao desmatamento completo. O primeiro método é conhecido no Brasil, como cabruca e o segundo, como derruba total. Têm-se verificado na Região Amazônica que no método de cabruca os cacaueiros, quando comparados com os que crescem e desenvolvem-se em áreas de derruba total, apresentam diâmetro do caule inferior, na fase de implantação (até 5 anos) e baixa produtividade na fase produtiva. Para o plantio do cacaual, a derruba total é o sistema mais utilizado na região e o que tem mostrado melhores resultados. Consiste na eliminação da vegetação primária ou secundária para posterior formação dos sombreamentos provisório e definitivo. Este sistema consiste nas seguintes fases: broca, derruba, queima, balizamento e plantio dos sombreamentos. Para implementação desse sistema, dependendo do tamanho da área a ser preparada, há necessidade de autorização prévia para desmatamento expedida pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA, conforme legislação vigente. Em áreas já trabalhadas com cultivo (ex.: pastagens, cana-de-açúcar, cultivos anuais etc.) ou em áreas alteradas, inicia-se o trabalho a partir do balizamento, após a limpeza de área. Balizamento Após o preparo de área inicia-se o balizamento para o cacaueiro. Recomenda-se o espaçamento de 3,0 x 3,0 metros o que eqüivale a plantas/hectare, porém, dependendo das condições poderá ser utilizado 3,5 x 3,5 metros (816 plantas/hectare); 4,0 x 4,0 metros (625 plantas/hectare) e 2,0 x 2,0 x 4,0 metros (1666 plantas/hectare). As balizas marcam os lugares onde serão abertas as covas para plantio das mudas de cacau. O balizamento tem a vantagem do melhor aproveitamento da área, bem como, permite melhor crescimento e distribuição uniforme da copa dos cacaueiros, permitindo ainda, maior facilidade na execução das práticas culturais como limpeza de área, combate às pragas e doenças, adubação e colheita.

17 FORMAÇÃO DE MUDAS 17 Paulo Gil Gonçalves de Matos O plantio de cacaueiros é feito a partir de mudas, por fornecerem vantagens como vigor e uniformidade dos cacaueiros, menor número de falhas nas plantações e provavelmente antecipação da fase produtiva das plantas. Os trabalhos de formação da muda de cacau devem ser iniciados durante o plantio dos sombreamentos provisório e definitivo. Na formação das mudas, três fases são bem distintas: construção do viveiro, semeadura e tratos culturais. Construção do Viveiro Alguns fatores devem ser considerados no sentido de fornecer as condições adequadas ao bom desenvolvimento das mudas e de reduzir seus custos durante a manutenção e transporte para o local definitivo. Tamanho - Varia em função do número de mudas que se pretende formar. Um método prático para se calcular o tamanho do viveiro é dividir o número de mudas por 30. Assim, se precisamos preparar mudas, temos: = 500. O viveiro deverá medir 500 m 2, podendo ser de 20x25 metros. Localização Deve-se considerar alguns fatores importantes: Distância não deve ficar distante da área do plantio definitivo, pois na época do transplantio o custo com transporte será menor. Também não deve ficar distante de uma fonte de água, já que durante o verão será necessário regar as mudas. Topografia o local deve ser plano ou levemente inclinado para facilitar a arrumação dos saquinhos. Drenagem deve ser construído em local com solos bem drenados para evitar excesso de umidade que possa favorecer o aparecimento de doenças. Penetração de luz a penetração dos raios solares é fundamental para permitir maior aeração ao ambiente, diminuindo assim os riscos de doenças. Permite ainda o desenvolvimento mais rápido das plântulas. Material Para construção do viveiro devem ser utilizados materiais de baixo custo, de preferência encontrados na propriedade. A altura deve permitir que um homem de estatura média caminhe normalmente dentro do mesmo. Com esteios de 2,50 metros consegue-se uma boa altura. Os esteios devem ser dispostos de 3 em 3 metros e a cobertura é feita com palhas de palmeira estendidas sobre fios de arame. A cobertura deve permitir 50% de entrada de luz e as laterais também devem ser protegidas contra a ação de ventos e animais. Semeadura Fig.3 Viveiro rústico Também devem ser considerados alguns fatores de relevada importância, como: Escolha e preparo do terriço O terriço pode ser retirado da manta superficial (até 20 centímetros de profundidade) de solos ocupados com mata primária ou secundária. Quando coletados a maior profundidade, o substrato deve ser misturado na seguinte proporção: utilizar 700 l de terra de subsolo (abaixo de 50 cm) acrescido de 300 l de esterco de galinha + 5,0 kg de Yoorin Master (P, Ca, Mg, B, Cu, Fe, Mn, Zn e Si) + 2,0 kg de calcário dolomítico + 0,5 kg de cloreto de potássio.

18 18 A utilização do subsolo diminui as sementeiras de ervas daninhas, nematóides, fungos e pragas do solo. Tamanho dos sacos A escolha dos sacos está em função do período de permanência das mudas no viveiro e este período depende das condições do sombreamento provisório, da disponibilidade de sementes e da precipitação pluviométrica na época do plantio e nos meses subsequentes. Quando as mudas, por quaisquer dos motivos acima citados tiverem de permanecer por maior período no viveiro (cinco a seis meses), devem ser utilizados sacos do tipo padrão (28 centímetros de comprimento por 38 centímetros de circunferência). Se no entanto, a permanência no viveiro for por um espaço de tempo mais curto (dois a quatro meses), devem ser utilizados sacos de dimensões menores (28 centímetros de comprimento por 32 centímetros de circunferência). Enchimento dos sacos e semeio Os sacos devem ser cheios até uns 3 centímetros da boca, tendo-se o cuidado de batê-los no chão algumas vezes, para que o terriço não fique muito fofo. Antes de encher as sacolas, deve-se ter o cuidado de abrir um orifício no fundo para facilitar a drenagem e evitar que a raiz principal (pivotante) dobre no seu interior. O terriço deve estar livre de torrões e pedras. Depois de cheios, os sacos devem ser arrumados em faixas de 1 metro de largura deixando-se ruas também de 1 metro. Após a quebra dos frutos, deve ser retirada a polpa ou mucilagem que envolve as sementes. Esta operação é feita misturando-se as sementes com pó de serra seco, esfregando-se em seguida com as mãos. O semeio é feito com sementes provenientes de material genético melhorado colocando-se a semente a 1 centímetro da superfície do terriço, com a parte larga voltada para baixo. Em caso de dúvida sobre qual a parte mais larga, pode-se colocá-la deitada. O restante dos 3 centímetros do saco deve ser preenchido com pó de serra bem curtido. Antes do semeio deve ser feita uma rega nos sacos para que as sementes encontrem ambiente propício ao início do processo de germinação. O semeio é feito em época que dê condições para a muda ir para o campo com dois a seis meses de idade. Como já foi discutido, o transplantio está em função da disponibilidade das sementes, sombreamento e condições de pluviosidade. É oportuno ressaltar, que a produção de mudas de cacaueiro e de bananeira, devem estar de acordo com a Portaria emitida pelas Delegacias Federal de Agricultura de cada Estado da Região: 2Estado de Rondônia - Portaria Nº 098, de 19 de Dezembro de Estado do Pará - Portaria Nº 069, de 01 de Julho de Estado de Mato Grosso - Portaria Nº 098, de 25 de Setembro de 1998 Tratos Culturais no Viveiro São os cuidados que devem ser dispensados às mudas até a época do transplantio. Basicamente consiste na retirada de plantas daninhas, irrigação, adubação, manejo de sombra e tratos fitossanitários. a) plantas daninhas Apesar da proteção exercida pelo pó de serra, periodicamente ocorre plantas daninhas que competem com as plântulas; tais invasoras devem ser eliminadas manualmente, e com zelo, para não abalar o sistema radicular da muda. b) irrigação Em dias chuvosos não há necessidade de molhar as mudas, entretanto, após alguns dias de estiagem deve ser feita a irrigação em dias alternados. 2 Normas Técnicas e Padrões para Produção de Mudas Fiscalizadas no Estado de Rondônia (atualizada pela Portaria nº 026, de 27 de Maio de 1999). 3 Normas Técnicas e Padrões para a Produção de Mudas Fiscalizadas no Estado do Pará (1997). 4 Normas Técnicas para a Produção de Mudas Fiscalizadas no Estado de Mato Grosso (1998).

19 c) adubação Esta prática deve ser realizada somente quando as mudas de cacau apresentarem deficiência de nitrogênio caracterizada pela coloração verde pálido das folhas velhas ou de outros nutrientes. Neste caso, recomenda-se pulverizar quinzenalmente uréia a 0,5% (cinqüenta gramas de uréia em dez litros de água) até que as plantas voltem a mostrar aspecto normal. d) manejo de sombra Para permitir melhor arejamento e penetração de luz no viveiro, ao iniciar o período chuvoso, deve-se retirar algumas palhas de sua cobertura. O mesmo procedimento deve ser feito nos dias que antecedem ao transplante, para que as mudas comecem a se adaptar às futuras condições ambientais. e) combate às pragas e controle de enfermidades Durante a fase de viveiro, as plântulas estão sujeitas ao ataque de pragas e à incidência de doenças. Nos quadros 1 e 2 estão relacionados às pragas e enfermidades, os danos causados às plantas e os métodos de controle. Tanto no combate às pragas como no controle de doenças é aconselhável usar máquinas manuais com o objetivo de não causar danos às plantas jovens. Quadro 1 Ocorrência das principais pragas de mudas enviveiradas, danos e medidas de controle. Enfermidade Ácaro Mexicano (Tetranychus mexicanus) Natureza dos Danos Aparecimento de manchas cloróticas no limbo foliar Inseticida (Principio Ativo) Malatol 50E (malation) Medidas de Controle Dosagem Formulação e/ou concentração Concentrado emulsionável 0,5% Época de aplicação e equipamentos recomendados Usar pulverizador manual 19 Vaquinhas (Percolaphis ornata) (Colaspis spp) (Taimbezinha theobroma) Rendilhamento das folhas novas, manifestam-se nas épocas de lançamento. Thiodan 20P ou 30P (endosulfan) malatol 4% (malation) Pó - Quando observado algum dano usar polvilhadeira manual Lagarta enrola-folha (Sylepta prorogata) Danifica o limbo das folhas novas que ficam rendilhadas de forma irregular e enroladas Dipterex 2,5% (trichlorfon) Dipterex 50E (trichlorfon) Pó 0,5% Concentrado emulsionável - Pulverizador manual Fonte: CEPLAC/CEPEC Seção de Zoologia

20 20 Quadro 2 Ocorrência das principais doenças em viveiros, danos e métodos de controle. Enfermidade Natureza dos Danos Antracnose (Colletotrichum gloeosporioides) O patógeno normalmente ataca folhas novas causando lesões circulares isoladas no ápice e nas margens do limbo. Fungicida (Principio Ativo) Dithane M-45 (mancozeb) Medidas de Controle Dosagem Formulação e/ou concentração Pó molhável 0,2% Época de aplicação e equipamentos recomendados 15 a 20 dias após a germinação das sementes realizar pulverizações quinzenais usando pulverizador manual. Caracteriza-se pelo aparecimento de grandes manchas irregulares nas folhas. Cobre Sandoz (óxido cuproso) Pó molhável 50% 0,3% Pulverizações mensais intercaladas com os tratamentos para a antracnose. Queima-dasfolhas (Phytophthora spp.) As folhas apresentam aspecto de queima. Em alguns casos, o coleto das plantas é lesionado, ocorrendo a morte da planta. Funguran (oxicloreto de cobre) Coprantol (oxicloreto de cobre) Kauritol (oxicloreto de cobre) Cupuran (hidróxido de cobre) Pó molhável 50% 0,3% F.W. 30% 0,5% Oleosa 35% 0,5% Pó molhável 45% 0,3% Usar pulverizador manual. Se necessário, usar espalhante adesivo a 0,1% em caso de usar pulverizador motorizado (não recomendado) a concentração deve ser de 2%. Obs.: Pode-se usar Preposan (oxicloreto + zineb + maneb) a 0,5% em pulverização, objetivando o controle às duas enfermidades e, neste caso, basta que se façam pulverizações de 30 dias no período crítico (condições favoráveis à ocorrência de doenças). Fonte: CEPLAC/CEPEC Seção de Fitopatologia

21 PLANTIO DO SOMBREAMENTO PROVISÓRIO E DEFINITIVO 21 Paulo Gil Gonçalves de Matos Por suas próprias características, o cultivo do cacaueiro, se constitui naturalmente, num sistema agroflorestal e trata-se de uma espécie que requer uma associação a outras espécies, cuja finalidade é a de sombreá-lo tanto durante a fase de implantação (sombra provisória), quanto durante a fase produtiva (sombra definitiva). O sombreamento tem como função amenizar os fatores ambientais adversos ao cacaueiro, em excesso não é desejável por propiciar maior umidade ao ambiente, proporcionando assim, condições favoráveis à proliferação de doenças. No entanto, a escassez de sombra permite a incidência direta dos raios solares sobre as copas dos cacaueiros, condicionando as plantas a um intenso metabolismo, exigindo com isso maior suprimento de água e nutrientes do solo. Se houver disponibilidade desses elementos ocorrerá intensa emissão de folhas, fato este desejável, por condicionar à planta um maior crescimento e produção, mas por outro lado, favorece o aparecimento de surtos de pragas que em condições normais não atingiriam níveis tão elevados. A escassez de água e nutrientes, nas quantidades exigidas pelas plantas, desencadeia transtornos fisiológicos graves, provocando efeitos depressivos sobre o rendimento das mesmas. Portanto, aconselha-se o maior cuidado na formação dos sombreamentos. Como regra, recomenda-se que nos primeiros estádios de desenvolvimento seja permitida entrada de luz em torno de 25 a 50%. À medida que as plantas se desenvolvem deve-se aumentar a quantidade de luz para Fig. 4 Sombreamento provisório 70% através do desbaste das espécies que foram utilizadas no sombreamento provisório. Sombreamento Provisório Protege as plantas durante a fase de crescimento juvenil contra os efeitos maléficos do excesso de sol e ventos. Recomenda-se o plantio de bananeiras das variedades prata, roxa, terra, caipira, FHIA-01, FHIA-02, FHIA-03, FHIA-20, FHIA-21, PV03-44 e pelipita, por serem mais resistentes às doenças e insetos. A bananeira é plantada em espaçamento de 3,0 x 3,0 metros, ficando cada cova no centro do quadrado formado por quatro balizas do cacaueiro. Em áreas cujo relevo permita o emprego de máquinas agrícolas, a bananeira deve ser plantada na mesma linha do cacaueiro. A bananeira também deverá ser plantada em espaçamentos de acordo com o utilizado no plantio do cacaueiro. Deve-se ter o cuidado de selecionar bananais sadios como fonte fornecedora de mudas. Na época do plantio adicionar na cova das bananeiras 30 gramas de Terracur como tratamento preventivo contra o moleque da bananeira (Cosmopolites sordidus Germar). Outras espécies que podem ser utilizadas como sombreamento provisório ou mesmo como complemento deste são: mandioca, macaxeira, feijão guandu e mamona. Estas espécies são plantadas a 1,0 x 1,0 metro ou 1,5 x 1,5 metros de modo a não fechar muito a área. A mamona deve sofrer a capação (retirada das flores) permitindo assim maior longevidade vegetativa. O mamão também pode ser utilizado num espaçamento de 2,5 x 2,5 metros ou 3,0 x 3,0 metros. O sombreamento provisório deve ser plantado de quatro a seis meses antes do plantio do cacaueiro, independentemente da existência de pimentais ou maracujazeiros remanescentes. No caso da área de mamoal, se este ainda apresenta estado vegetativo capaz de permanecer na área por dois anos ou mais, é dispensável o plantio de outras espécies para o sombreamento provisório. Sombreamento Definitivo Proporciona condições ambientais mais estáveis, sem oscilações bruscas de temperatura e umidade no cacaual. Recomenda-se o consórcio entre duas ou mais espécies arbóreas, utilizando-se inclusive plantas nativas, desde que apresentem bom desenvolvimento vegetativo e boa distribuição de

22 22 copa. Dentre as espécies arbóreas, as recomendadas são as seguintes: mogno (Swietenia macrophylla King), freijó (Cordia alliodora), bandarra (Schyzolobium amazonicum) e Eritryna spp. O espaçamento varia em função do diâmetro da copa, utilizado comumente de 18 x 18 metros, 21 x 21 metros e 24 x 24 metros entre plantas e linhas. As árvores de sombra podem ser plantadas na mesma linha do cacaueiro, permitindo assim a roçagem mecanizada na fase inicial da plantação. Neste caso é aconselhável utilizar essências florestais de menor competitividade com o cacaueiro. O plantio do sombreamento definitivo é feito na mesma época do sombreamento provisório, exceto o mogno, cujo plantio poderá ser efetuado de 2 a 3 anos após o plantio das mudas de cacau no campo. PLANTIO DO CACAUEIRO Paulo Gil Gonçalves de Matos Para o plantio das mudas de cacau no local definitivo, dois fatores importantes devem ser considerados: o sombreamento e a distribuição das chuvas. Se o sombreamento provisório já estiver formado, o plantio das mudas deve ser feito no início do período chuvoso, com mudas de dois a seis meses de idade. Em casos excepcionais, as mudas podem ainda ser transplantadas com uma antecedência de dois meses do início do período seco do ano, preferindo-se neste caso, plantas de maior idade, ou seja, de quatro a seis meses. Após a seleção das plantas vigorosas e sadias o plantio do cacaueiro deve ser feito em covas de 40 x 40 x 40 centímetros removendo-se o saco plástico sem que seja destruído o torrão. A muda deve ser colocada na cova de modo que o nível superior do torrão fique no mesmo plano da superfície do solo. Para isso, coloca-se a terra no fundo da cova até que se consiga a altura ideal e depois se completa com o enchimento dos lados, sempre fazendo ligeira pressão no solo. Recomenda-se deixar um montículo ao redor do caule e nunca uma depressão (Fig. 5). Fig. 5 Plantio de muda no campo

23 MANEJO DE CACAUEIRO NO CAMPO 23 Controle de Plantas Daninhas Paulo Júlio da Silva Neto O controle de plantas daninhas no cacaueiro tem como objetivo reduzir a competição pelos fatores do ambiente (luz, água, nutrientes etc.) exercida pelas invasoras sobre a cultura do cacau, bem como facilitar a realização de outras práticas culturais. Em cacaueiros jovens, a necessidade de controle é indispensável e deverá persistir até que a plantação de cacau atinja o estádio de bate-folha. Na etapa inicial as plantas daninhas podem ser controladas através de métodos de controle associados, os quais envolvem: Implantação e manejo do sombreamento provisório quando realizado, oferece efeitos positivos no controle de invasoras, tendo em vista que a pouca incidência de luz oferece redução no crescimento, no desenvolvimento e na quantidade de plantas daninhas. Utilização de cobertura morta o resto de material vegetal proveniente do raleamento e debaste do sombreamento provisório, ou de culturas implantadas na propriedade, deverá ser utilizado como mulching ao redor dos cacaueiros, pois tal prática evita a invasão de plantas daninhas e ajuda a conservar a umidade do solo em épocas de déficit hídrico, além de aumentar o teor de matéria orgânica e de fornecer nutrientes às plantas na camada superficial do solo. Culturas intercalares o sistema intercalar que é caracterizado pelo plantio de outras culturas de ciclo curto, nas entrelinhas dos cacaueiros, quando realizado de modo racional, considerando com cuidado a cultura intercalar a ser usada, poderá contribuir para reduzir os custos de implantação, além de proporcionar uma renda líquida imediata ao cacauicultor, com melhor uso da terra. Na Região da Transamazônica é comum os produtores realizarem após o preparo da área, o plantio do milho e em seguida o feijão nas entrelinhas no primeiro ano de cultivo do cacau. Roçagem manual deve ser realizada de modo a evitar que as plantas daninhas produzam sementes para reinfestar a área. Emprego de herbicidas o controle de plantas daninhas através do uso de herbicidas, promove efeito mais prolongado no controle e também na reinfestação do mato. Para se realizar a aplicação dos herbicidas, as plantas daninhas deverão estar a uma altura de, aproximadamente, 30cm do solo. Os herbicidas que estão registrados para serem utilizados na cultura do cacau, desde que observadas as instruções técnicas, eficiência e as precauções na aplicação, são os seguintes: Quadro 3 Herbicidas registrados para utilização na cultura do cacau. Nome comum Nome comercial Formulação Doses (l ou kg/ha) do produto comercial atrazine Atrazinax 500, Gesaprim 500, Herbitrim 500 Br e Siptran 500 SC SC, 500 g/l 3,0 6,0 Roundup, Glifosato Nortox, Glion e Trop SC, 360 g/l 2,0 5,0 glyphosate Rodeo SA 480 g/l 5,0 7,0 Direct GRDA, 720 g/kg 0,5 3,5 ghyphosate + simazin Tropazin SC, g/l 3,0 6,0 diuron + MSMA Fortex FW SC, g/l 8,0 diuron + paraquat Gramocil SC, g/l 2,0 3,0 Diuron Nortox e Karmex 800 PM, 800 g/kg 1,0 4,0 diuron Cention SC, Diuron 500 SC, Herburon 500 BR e Karmex 500 SC SC, 500 g/l 2,0 5,0 linuron Afalon 500 BR e Linurex PM, 500 g/kg 1,5 6,0 paraquat Gramoxone 200 SA, 200 g/l 1,5 4,0 Sipazina 800 PM PM 800 g/kg 2,5 5,0 simazine Gesatop 500 FW, Herbazin 500 BR e Sipazina 500 BR SC, 500 g/kg 4,0 8,0 Convenções: SA Solução Aquosa; SC Suspensão Concentrada; PM Pó Molhável; GRDA Grânulos Dispersíveis em Água.

24 24 Em cacaueiros safreiros, o controle de plantas daninhas é realizado somente nos locais onde há penetração de luz, em decorrência de falhas e/ou má formação de cacaueiros. Nestes locais, as plantas daninhas crescem e desenvolvem-se e o controle deverá ser realizado através de roçagens e/ou aplicação de herbicidas. Em época oportuna, realizar o replantio nas falhas com cacaueiro, bananeira, espécies arbóreas ou frutíferas. Poda e Desbrota Paulo Júlio da Silva Neto A poda de formação em cacaueiros jovens deve ser evitada devido aos seus efeitos danosos na planta e conseqüente aumento de lançamentos de brotos e chupões. Entretanto, aproximadamente 96% dos frutos produzidos em cacaueiros safreiros estão de 3,5m para baixo. Assim, surge a necessidade de se controlar a altura do cacaueiro desde a sua formação, eliminando-se ramas que possuem crescimento vertical, principalmente, as ramas chupadeiras, que são vigorosas, semelhantes aos chupões, de coloração marrom brilhante, e tendem, quando desenvolvidos, possuir uma forma achatada, atrofiando as ramas vizinhas e deformando a arquitetura inicial das plantas. Esta prática inicial contribuirá futuramente para redução dos custos de controle cultural da vassoura-de-bruxa (Crinipellis perniciosa). Em cacaueiros safreiros é desejável realizar a poda fitossanitária que consiste na retirada de ramos enfermos, sombreados, mal formados, de frutos secos e doentes. A desbrota ou retirada dos chupões deve ser realizada sempre que necessário, durante todo o ano. Manejo do Sombreamento Paulo Júlio da Silva Neto As touceiras de bananeiras devem ser evitadas, mantendo-se no máximo três bananeiras por cova, e as folhas secas também devem ser retiradas. Ao iniciar-se o período chuvoso, que ocorre após aproximadamente 10 a 12 meses após o plantio, eliminar filas alternadas de bananeiras na orientação norte-sul, observando o espaçamento de 3,0 x 6,0 metros. Ao final do segundo ano, no início do período chuvoso, eliminar a outra fila de bananeiras deixando o espaçamento em 6,0 x 6,0 metros. No período final do terceiro ano, o espaçamento deve ser de 12,0 x 12,0 metros, retirando-se filas alternadas do espaçamento de 6,0 x 6,0 metros. O sombreamento provisório deve ser totalmente retirado durante o quarto ano. As recomendações acima devem ser seguidas até que o sombreamento provisório do cacaueiro deva ser substituído pelo definitivo. Manejo Químico do Solo para o Cacaueiro Luiza Hitomi Igarashi Nakayama O cacaueiro é uma planta tropical de elevada exigência nutricional, encontrando-se, em geral, implantada em solos de média a alta fertilidade e sem limitações nas suas propriedades físicas. Há evidências de que na fase de expansão da cultura, nas principais regiões produtoras de cacau do mundo, os produtores tentaram utilizar solos de baixa fertilidade e, sem êxito, abandonaram as plantações ou substituíram-nas por outras culturas menos exigentes. A melhoria do nível de tecnologia utilizado através do emprego de fertilização da cultura, responsável por grande parte dos incrementos de produtividade alcançados, tem possibilitado o estabelecimento de plantações de cacau em solos de propriedades químicas menos favorecidas. Dentre os fatores de produção, a adubação e a calagem bem orientadas constituem o meio mais rápido e mais barato para aumentar a produtividade, podendo contribuir com até 40% da mesma.

25 25 Exigências nutricionais do cacaueiro Em termos práticos, o cacaueiro exige a aplicação dos macronutrientes N - Nitrogênio, P - Fósforo, K - Potássio, Ca - Cálcio, Mg - Magnésio e S - Enxofre e micronutrientes B - Boro, Cu - Cobre, Fe - Ferro, Mn - Manganês, Mo - Molibdênio e Zn - Zinco. As plantas diferem uma das outras quanto às quantidades de nutrientes requeridas, para atingir um determinado potencial de colheita. Além do conhecimento das quantidades dos nutrientes absorvidas, também é importante saber as quantidades exportadas na colheita e a remanescente nos restos de cultura, que podem ser devolvidas ao solo e, consequentemente, reduzir a quantidade de adubo requerida. No Quadro 4 estão apresentadas as exigências do cacaueiro nos diferentes estádios de desenvolvimento e para a produção de 1000 kg de sementes secas. Quadro 4 Exigências de nutrientes pelas plantas de cacaueiro nos diferentes estádios de desenvolvimento e para produção de 1000 kg de sementes secas (Thong e Ng, 1978). Fase da Planta Idade (meses) Requerimento Médio de Nutrientes (kg/ha) N P K Ca Mg Mn Zn Viveiro ,4 0,6 2,4 2,3 1,1 0,04 0,01 Desenvolvimento ,9 0,05 Início Produção ,1 0,09 Plena Produção ,1 1,5 Sementes (1) ,4 3,6 10,5 1,1 2,7 0,03 0,05 Casca (1) ,0 4,9 53,8 4,9 5,2 0,11 0,09 (1) Nutrientes extraídos em sementes e casca de uma plantação com meses de idade e produtividade de 1000 kg/ha de sementes secas de cacau. A ordem de extração dos nutrientes, portanto para plantas em plena produção, é: K > N > Ca > Mg > P > Mn > Zn. Verifica-se que os nutrientes K, Ca e N são removidos em maior quantidade pelo cacaueiro de meses de idade. Para manter seu crescimento e produzir 1000 kg de sementes secas por ano, precisa-se de 824 kg de K 2O, 529 kg de CaO, 469kg de N, 212 kg de MgO e 121 kg de P 2O 5. Avaliação da fertilidade do solo Existe um grande número de métodos para a avaliação da fertilidade do solo, todos apresentando vantagens e desvantagens, dependendo do propósito da avaliação. A escolha de um dos métodos depende da precisão exigida para melhor interpretar e manejar os solos. Os métodos mais utilizados para avaliar a fertilidade do solo são: a) diagnose visual avaliação dos sintomas de deficiências e toxidez, onde a falta ou excesso de um determinado elemento provoca sempre a mesma manifestação visível da anormalidade, visto que as funções exercidas pelo elemento na vida da planta são sempre as mesmas. Nas figuras (6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 14 e 15) observam-se os principais sintomas de deficiências de nutrientes em folhas de cacaueiro.

26 26 Fig.6 Deficiência de Nitrogênio Fig. 7 Deficiência de Fósforo Fig. 8 Deficiência de Cálcio Fig. 9 Deficiência de Potássio Fig Deficiência de magnésio Fig. 11 Deficiência de Enxofre Fig. 12 Deficiência de Zinco Fig. 13 Deficiência de Manganês Fig. 14 Deficiência de Cobre Fig. 15 Deficiência de Boro

27 b) diagnose foliar análises dos tecidos vegetais. O uso deste método baseia-se na premissa de que, dentro de certos limites, devem existir relações diretas entre: b1) dose de adubo (ou nível de fertilidade do solo) e produção; b2) dose do adubo e teor foliar; e b3) teor foliar e produção. Neste caso a avaliação do estado nutricional depende de um órgão representativo. De um modo geral, a folha recém madura, a 3ª folha a partir da ponta de lançamento recémamadurecido, reflete bem o estado nutricional da planta inteira. c) análises químicas do solo entre os métodos de avaliação da fertilidade, a análise do solo é o método mais difundido e utilizado devido as seguintes vantagens: c1) pode ser feita em tempo relativamente curto e permitindo analisar um grande número de amostras; c2) as análises podem ser feitas em qualquer época do ano, são relativamente baratas e oferecem boa precisão nas determinações; e c3) os resultados obtidos podem ser aplicados para a cultura do ano. Entretanto, o sucesso na interpretação correta de uma análise de solo exige um bom conhecimento dos solos de uma região, dos sistemas de produção utilizados e do meio ambiente (clima). Dentre as fases citadas acima, a amostragem do solo é a mais crítica, devido a heterogeneidade do solo. Uma amostragem mal feita pode causar facilmente erros de 50% ou mais na avaliação da fertilidade. A amostragem do solo em áreas para plantio deve ser coletada antes e depois da queima, a fim de considerar o efeito das cinzas como corretivo de solo e teor de nutrientes, principalmente cálcio e magnésio. O procedimento para a retirada de amostras a uma profundidade de 0 20 cm, deve ser efetuado da seguinte maneira: divide-se a gleba ou quadras em áreas homogêneas de 1,0 a 2,0 hectares, após esta etapa, percorre-se a área demarcada em zigue-zague, retirando amostras de solos, procurando-se cobrir toda a área. Cada amostra deve ser composta de, no mínimo, 15 amostras simples (sub-amostras) para cada quadra. As manchas de fertilidade de determinada área devem constituir amostras a parte. Em plantações que vem sendo adubada, a cada 2 a 3 anos é interessante retirar amostras para monitorar a fertilidade da mesma. A interpretação dos dados para o fósforo e potássio está dividida em três classes de teores, enquanto que para o Ca+ Mg e Al em duas classes. Quadro 5 Interpretação dos teores de P, K, Ca + Mg e Al em solos (Garcia et al, 1985). Teor P (mg/dm 3 ) K (meq g) Teor Ca + Mg Al 27 Baixo 6 0,12 meq g Médio ,13 0,30 Baixo < 3,0 < 0,5 Alto > 15 > 0,30 Médio/Alto 3,0 0,5 Quanto ao ph, há predominância de amostras com valores abaixos de 5,5 em todos os pólos, exceção para o pólo de Altamira, que apresenta 50% das amostras com ph > 5,6 (Pereira e Morais, 1987). No Quadro 5 está apresentada a correspondência entre ph em H 2O, a percentagem de saturação de bases (V%) e a saturação em alumínio (m).

28 28 Quadro 6 Relação aproximada entre parâmetros associados à acidez do solo. ph em H 2O V % m % 4, , , , , , , ,8 60-6,0 68-6,2 76-6,4 84-6,6 92-6, Calagem Os dados de pesquisas obtidos nos solos da Amazônia, têm mostrado que o crescimento e produção do cacaueiro não apresentaram resposta à calagem (Campos, 1981; Morais e Campos, 1984; Pereira e Morais, 1987). No Latossolo Amarelo, argiloso da série Manaus, Campos (1981) observou somente melhoria nas propriedades químicas deste solo quanto ao aumento do ph, dos teores trocáveis de Ca e Mg e diminuição do alumínio trocável. Pereira e Morais (1987) mostraram que os solos das áreas Bragantina e de Tomé-Açu(PA) apresentaram teores de Ca + Mg < 3,0 meq g, considerados baixos, numa freqüência de 60 a 95% das amostras analisadas. Apesar destes resultados é interessante considerar que: A calagem bem efetuada traz inúmeros benefícios, dentre os quais podem ser citados: a) fornece Ca 2+ e Mg 2+ como nutrientes; b) neutraliza o Al 3+ e Mn 2+ tóxicos às plantas; c) aumenta a disponibilidade de P e do Mo; d) favorece a mineralização da matéria orgânica; e) aumenta a fixação simbiótica do N; f) estimula o desenvolvimento do sistema radicular e a absorção de água e nutrientes; e g) melhora as propriedades físicas do solo (devido ao fato do Ca 2+ e Mg 2+ serem elementos floculantes) Apesar de todos estes benefícios, a calagem precisa ser criteriosa, pois pode reduzir a disponibilidade de K + e de micronutrientes. A resposta da cultura à calagem depende de uma série de fatores ligados à planta, ao solo e ao corretivo utilizado, a conjugação destes fatores, leva à obtenção da máxima eficiência desta prática agrícola. Assim, deve-se considerar que o cacaueiro não foge a regra das outras culturas, necessitando-se de cálcio e magnésio como nutrientes para o crescimento, desenvolvimento, início e plena produção, principalmente quando esta cultura está localizada na região com Latossolo Amarelo distrófico e de textura média, necessitando elevar os teores de cálcio e magnésio trocáveis, no mínimo, para 3, 0 meq g (ou 30 mmol c. kg -1 ). A calagem tem um efeito residual prolongado, que perdura por vários anos, sendo o retorno deste investimento, cumulativo. Os produtos considerados corretivos da acidez dos solos são aqueles que contêm como constituinte neutralizante, carbonatos, óxidos, hidróxidos ou silicatos de Ca 2+ e/ou Mg 2+. Os calcários agrícolas passam a ter as classificações:

29 29 I - Quanto à concentração de MgO a) calcítico menos de 5% b) magnesiano de 5 a 12% c) dolomítico acima de 12% II Quanto ao PRNT (Poder Real de Neutralização Total) a) Faixa A PRNT entre 45,0 e 60,0 b) Faixa B PRNT entre 60,1 e 75,0 c) Faixa C PRNT entre 75,1 e 90,0 d) Faixa D PRNT superior a 90,0 Os corretivos de acidez deverão ser comercializados de acordo com suas características próprias e com valores mínimos constantes no quadro a seguir: Quadro 7 Corretivos de acidez. Materiais corretivos de acidez Poder de Neutralização Soma % CaCO3 % CaO + % MgO Calcários Cal virgem agrícola Cal hidratada agrícola Escórias Outros materiais Critério de Recomendação: Calcário (t/ha) = 1,5 x Al Onde: Al = teor de alumínio trocável do solo Adubação verde e orgânica Em áreas de solos de textura média a arenosa é de extrema importância a utilização da adubação verde e orgânica. A adubação verde é prática agrícola muito antiga, porém de utilização restrita. Consta da incorporação ao solo de qualquer material vegetal, ainda não decomposto, produzido no próprio terreno, visando a incorporação de nutrientes e produção de húmus, com conseqüente aumento do teor de matéria orgânica do solo. As leguminosas são as plantas preferidas para a formação desta matéria orgânica, em virtude da grande massa produzida por unidade de área, da sua riqueza em elementos minerais, do seu sistema radicular bastante profundo e ramificado, capaz de uma melhor mobilização dos nutrientes minerais do solo e, principalmente pela possibilidade de aproveitamento no N atmosférico, através das bactérias nitrificadoras. Com base nestas informações, é possível a utilização da Pueraria phaseoloides, como adubo verde mais apropriado, em solos pobres, para o cacaueiro em formação e produtivo. Quanto à utilização de adubos orgânicos, tem-se verificado resultados positivos, principalmente quando utilizado para viveiro (Campos, 1982) e no plantio de mudas (Campos et al, 1982). Os estercos poderão substituir parcialmente a adubação de plantio, devendo-se, no entanto, proceder a análise do material, em termos de % de N, de P 2O 5 e de K 2O e do teor de umidade.

30 30 Quadro 8. Composição aproximada (%) de alguns adubos orgânicos Material C/N C Umid N P 2O 5 K 2O CaO MgO S Cu Zn g/kg mg/kg Esterco de gado Esterco de galinha Torta de cacau Torta de mamona Torta de algodão Torta de filtro ,6 5 0, Casqueiro de cacau Composto Adubação mineral A adubação é uma prática indispensável para o acréscimo ou manutenção da produtividade em níveis adequados e que a mesma exerce influência no custo de produção, tornase cada vez mais necessário o uso correto e racional da adubação, a fim de obter produções mais econômicas. Adubação com macronutrientes Nitrogênio A recomendação de nitrogênio é um dos poucos casos em que a análise do solo não é levada em conta. Isto se deve, principalmente, a própria dinâmica do N no solo. São considerados o manejo e histórico da área, a produtividade esperada e, para algumas culturas, o teor de N foliar. O nitrogênio juntamente com o potássio é um dos nutrientes absorvidos pelo cacaueiro, daí sua alta exigência. As principais fontes de N comercializadas no Brasil estão apresentadas no Quadro 9. O nitrogênio pode estar na forma amídica (uréia), amoniacal ou nítrica e todas as fontes são solúveis em água e apresentam elevado índice de salinidade. Uma vez aplicada no solo, o N amídico ou amoniacal passa para a forma nítrica, pouca retida no complexo de troca e, sujeita a perdas por lixiviação. Para minimizar as perdas, os adubos nitrogenados deverão ser parcelados nos períodos em que o N possa ser prontamente absorvido. A nitrificação de adubos contendo N amoniacal produz H +, e provoca a acidificação dos solos. A intensidade de acidificação depende do adubo utilizado. Quadro 9. Principais fertilizantes nitrogenados, equivalente de acidez (-) e suas garantias mínimas. Eq. em kg de N CaO MgO S Fertilizante CaCO 3 Por 100 kg do produto % Uréia Nitrato de amônio Sulfato de amônio Nitrocálcio Fosfato monoamônico Fosfato diamônico casos: As fontes de N apresentam resultados agronômicos semelhantes, excetuando em alguns a) quando existem condições favoráveis de volatilização da uréia, por exemplos: não incorporação; aplicação em superfície úmida que depois seca; quando ocorrem altas temperaturas; quando o ph é elevado e em condições de deficiência de S. Nestas condições o sulfato de amônio é mais eficiente que a uréia.

31 b) quando há condições de lixiviação e de desnitrificação. Nestes casos, as fontes amoniacais comportam-se melhor que as nítricas. c) quando há condições de excessiva acidificação do solo ou formação de H 2S em solos inundados. Nestes casos, a uréia supera a eficiência do sulfato de amônio. Fósforo A resposta do cacaueiro à adubação fosfatada é muito elevada (Morais, 1998), haja vista que, em mais de 80% dos solos analisados apresentaram teores baixos (<6 ppm) (Pereira e Morais, 1987). O emprego do fósforo para o cacaueiro na modalidade da adubação de manutenção diz respeito a reposição das quantidades de nutrientes exportadas pelas safras consecutivas, devendo ser utilizadas fontes solúveis em água e aquelas cujo P 2O 5 é solúvel em citrato neutro de amônio + água. Os principais fertilizantes fosfatados comercializados no Brasil estão caracterizados no Quadro 10, segundo as garantias mínimas de teores de fósforo, exigidas pelo Ministério da Agricultura e do Abastecimento. Quadro 10. Principais fertilizantes fosfatados e suas garantias mínimas. Fertilizantes Teores de P 2O 5 (%) Citrato de Fosfatos solúveis em água Água amônio + água Outros nutrientes Superfosfato simples % de S; 19% de Ca Superfosfato triplo % de S; 13% de Ca Fosfato diamônico % de N Fosfato monoamônico % de N Fosfatos insolúveis em água Total Ác.Citr. Farinha de osso 25-6% N; 32% Ca Fosfato natural Fosfato natural reativo 33 10,5 37% Ca; 1% S; 0,4% Zn; 0,03% Cu e Mn Multifosfato magnesiano % S; 13% Ca; 3% Mg; 0,6% Zn Hiperfosfato % Ca Yoorin Master % Ca; 14,5% Mg; 0,55% Zn; 0,1% B; 0,12% Mn e 0,05% Cu Yoorin BZ % Ca; 14,5% Mg; 0,15% B; 0,4% Zn Yoorin MG % Ca; 14,5% Mg Quanto a eficiência agronômica das diversas fontes de P 2O 5, tem-se que: a) os fosfatos solúveis > fosforitas > apatitas; b) o efeito dos superfosfatos se verifica tanto no primeiro ano, como nos anos posteriores, funcionando também como fonte de Ca; c) o fosfato de amônio não possuem Ca e S em sua composição; d) os termofosfatos e hiperfosfatos (fosforitas) possuem efeito neutralizante no solo; e) a eficiência dos fosfatos naturais brasileiros (apatitas), de baixa solubilidade, tende a aumentar com o tempo e em solos ácidos. Nas recomendações de adubação, determinados pelo método de extração, as quantidades de fósforo a aplicar dependem dos teores de P no solo e para muitas culturas a produtividade esperada também é levada em conta. 31

32 32 Potássio Para o cacaueiro o potássio é o nutriente absorvido em maiores quantidades. O potássio encontrado nos tecidos vegetais não é incorporado à fração orgânica, permanecendo como íon. Dessa forma, grande parte do material vegetal é reciclado após a colheita e o K presente pode voltar rapidamente ao solo, em forma prontamente disponível. Os fertilizantes potássicos empregados no Brasil estão listados no Quadro 11. As formas de cloreto, sulfatos ou nitratos são todos solúveis em água e prontamente disponíveis às plantas. Quadro 11. Principais fertilizantes portadores de potássio. Fertilizante N % K 2O Outros nutrientes Cloreto de potássio % de Cl Nitrato de potássio Sulfato de potássio % de S Sulfato de K e Mg % S; 5% Mg; 2,5%Cl Salitre potássico % de Na A análise de solo fornece informações seguras para se avaliar a disponibilidade de potássio às culturas e trata-se do principal parâmetro utilizado para definir a recomendação das doses de fertilizantes potássicos. Enxofre Respostas à utilização de S na adubação, têm sido obtidas principalmente pelo uso de fórmulas concentradas, pobres em enxofre, por longo período de tempo praticamente isento em teores destes nutrientes, bem como pelo cultivo em solos de textura arenosos e pobres em matéria orgânica. As principais fontes de S estão apresentadas no Quadro 12. Praticamente todas as fontes de S estão na forma de sulfato, prontamente disponível, mesmo na forma de sulfato de cálcio, de solubilidade relativamente baixa, presente no gesso e superfosfato simples. Quadro 12. Principais fertilizantes contendo enxofre Fertilizante S (%) Outros nutrientes Sulfato de amônio % de N Sulfato de potássio % de K Sulfato de potássio e magnésio % K; 5% Mg; 2,5% Cl Sulfato de cálcio (inclui fosfogesso) 13 16% de Ca Superfosfato simples % P 2O 5; 18% Ca Enxofre 95 - Adubação com micronutrientes O cultivo em solos de baixa fertilidade, a calagem e o aumento da produtividade, são fatores que tem favorecido o aumento das deficiências de micronutrientes. Em plantações de cacaueiros produtivos, de maneira geral, tem sido constatado com maior freqüência deficiências de zinco. Plantações cultivadas em áreas de alta fertilidade como os Terra Roxa Estruturada - TRE e em período de estiagem, observa-se plantas com deficiências de manganês. Em situações de áreas queimadas ocorrem plantas com deficiência de zinco, boro e cobre.

33 Os sais e óxidos inorgânicos, silicatos fundidos e quelatos são usados como fontes de micronutrientes, de forma isolada ou incorporados em formulações com macronutrientes, este último caso com tendência de aumento, devido à dificuldade de aplicações de pequenas quantidades normalmente necessárias nas adubações. No caso de culturas perenes existe grande possibilidade de utilizar fertilizantes simples portadores de micronutrientes em aplicações localizadas, no sulco ou em covas, ou mesmo na superfície do solo. Dependendo das quantidades aplicadas os micronutrientes apresentam efeito residual das adubações, com exceção do ferro. Para as diversas culturas perenes, a pulverização foliar com micronutrientes é uma prática comum, associado a aplicação de pesticidas. A aplicação foliar pode ser utilizada com sais inorgânicos solúveis em água e quelatos. Quadro 13. Principais fontes de micronutrientes utilizados no Brasil e garantias mínimas exigidas pelo Ministério da Agricultura e do Abastecimento. 33 Nutriente Boro Cobre Ferro Manganês Molibdênio Zinco Fertilizante Garantia mínima (conc. do elemento) % Solubilidade em água Bórax 11 Solúvel Ácido bórico 17 Solúvel Silicato 1 Insolúvel Sulfato 13 Solúvel Óxido cúprico (CuO) 75 Insolúvel Silicato 2 Insolúvel Quelato 5 Solúvel Sulfato ferroso 19 Solúvel Sulfato férrico 23 Solúvel Quelato 5 Solúvel Sulfato manganoso 26 Solúvel Óxido manganoso 41 Insolúvel Silicato 2 Insolúvel Quelato 5 Solúvel Molibdato de sódio 39 Solúvel Molibdato de amônio 54 Solúvel Silicato 0,1 Insolúvel Sulfato de zinco 20 Solúvel Óxido 50 Insolúvel Silicato 3 Insolúvel Quelato 7 Solúvel Recomendação de calagem e adubação Calagem: Aplicar calcário à lanço e em área total, para neutralizar o alumínio trocável do solo de forma a atingir o ph em água próximo de 5,5. Adubação de plantio: Com antecedência de 30 dias do plantio, incorporar por cova 4 kg de esterco de gado ou 2 kg de esterco de galinha ou 1 kg de torta de mamona, 300 g de calcário dolomítico, 60 g de P 2O 5, 100g de Fritted Trace Elements-FTE BR-8. Acrescentar 2 parcelas de 10 g de N em cobertura ao redor das plantas aos 6 e 9 meses após o plantio. Adubação mineral de formação: Aplicar, em cobertura ao redor das plantas, em duas parcelas no período inicial e final das chuvas, as seguintes quantidades de nutrientes N P 2O 5 K 2O, em gramas por planta (Campos 1981; Morais, 1987; modificados).

34 34 Quadro 14 Quantidades de nutrientes N P 2O 5 K 2O em gramas por planta N P Merlich, mg/dm Idade K trocável, meq/100cm 3 < > 15 0,12 0,13 0,30 > 0,30 Anos g/planta P 2O 5, g/planta K 2O, g/planta Em plantas com idade de 0 a 1 ano, localizar os adubos ao redor da coroa, num raio de 0,5 m; em plantas com idade de 1 a 2 anos, aumentar o raio para 1,0 m; em plantas com idade de 2 a 3 anos aumentar o raio para 1,5 m e do quarto ano em diante aplicar a lanço e em área total no espaço compreendido entre quatro cacaueiros. Adubação mineral de produção: Aplicar em cobertura e em área total, de acordo com a análise de solo, as seguintes quantidades de nutrientes (Campos, 1981; Morais, 1987; modificados). Quadro 15 Quantidades de nutrientes N P 2O 5 K 2O em quilogramas por hectare N P Merlich, mg/dm 3 K trocável, meq/100cm 3 < > 15 0,12 0,13 0,30 > 0,30 N, kg/ha P 2O 5, kg/há K 2O, kg/ha Parcelar em duas vezes a adubação, aplicando a lanço e em área total no início e final das chuvas. Quadro 16 Acrescentar boro, manganês e zinco de acordo com a análise de solo: B no solo mg/dm 3 B kg/ha Mn no solo mg/dm 3 Mn kg/ha Zn no solo mg/dm 3 0 0, , ,5 5 Zn kg/ha Composição química foliar do cacaueiro: Os limites de interpretação são definidos pelas seguintes faixas de teores adequados na matéria seca. g/kg N = P = 1,8 2,5 K = Ca = 9 12 Mg = 4 7 S = 1,7 2,0 mg/kg B = Cu = 8 15 Fe = Mn = Mo = 1,0 2,5 Zn = Manejo das Pragas Antonio Carlos de Barros Mendes A lavoura cacaueira apresenta um diversificado grupo de insetos associado ao cultivo, entre os quais os benéficos, constituído por espécies polinizadoras das flores e por parasitóides e predadores que se alimentam de outros insetos. Apresenta ainda o grupo dos nocivos que em determinadas condições favoráveis apresentam nível populacional elevado, causando danos econômicos, constituindo-se, desta forma, pragas da lavoura. Dependendo dos hábitos podem danificar brotos, folhas, flores, ramos, tronco e frutos, podendo até levar a planta à morte na fase juvenil. A seguir, são apresentadas informações gerais sobre as principais pragas do cacaueiro na Amazônia e o manejo integrado dessas espécies. Pretende-se com esse trabalho, oferecer aos extensionistas e produtores meios para racionalizar o uso dos inseticidas na lavoura, minimizando assim, os efeitos adversos sobre o ambiente.

35 35 Tripes (Selenothrips rubrocinctus) É considerado uma das pragas mais importantes para a cacauicultura Amazônica. O adulto apresenta um comprimento que varia de 1,1 a 1,4 mm, sendo sua coloração preta ou marrom escura. As asas são do tipo franjada, o que caracteriza a Ordem a que pertence. As formas jovens são de um colorido geral branco amarelado com os dois primeiros segmentos do abdome vermelhos. As ninfas carregam, entre os pêlos terminais, na extremidade do abdome, pequena gotícula de excremento líquido. Tanto as larvas como os adultos vivem em colônias, na face abaxial das folhas parcialmente maduras, próxima às nervuras ou na superfície dos frutos em fase de maturação (Fig. 16). Nas folhas a sintomatologia do ataque, em decorrência do hábito alimentar do tripes ser raspador sugador, se manifesta pela presença de manchas cloróticas no limbo, as quais após algum tempo, tornam-se necrosadas, dando origem à queima (Fig. 17). Se o ataque for intenso, ocorre a queda parcial ou total das folhas, caracterizando o emponteiramento. Após a brotação pode haver reinfestação causando o depauperamento ou mesmo a morte da planta. O ataque nos frutos causa a ferrugem dificultando o reconhecimento do estado de maturação dos mesmos, induzindo assim, a colheita de frutos verdoengos ou excessivamente maduros, afetando a qualidade do produto final (Fig. 18). Ocorre também redução no rendimento do trabalhador que está realizando a colheita, devido o mesmo testar o estado de maturação, raspando a casca do fruto antes de colhê-lo. A ferrugem é formada pela deposição na superfície do fruto, do excremento líquido que as formas jovens carregam na extremidade do abdome, bem como do derramamento e oxidação do conteúdo celular, provocado pelo hábito alimentar. a b Fig Adulto (a) e ninfas (b) sob a face abaxial das folhas Fig Queima das folhas Fig Frutos de cacau com ferrugem Pesquisas desenvolvidas em diversos países produtores de cacau, mostraram que nos períodos de maior precipitação pluviométrica, ocorre um acentuado decréscimo da população de tripes, sendo estes resultados, confirmados na Amazônia. Em áreas cacaueiras como a de Tomé-Açu e Transamazônica, no Estado do Pará, onde ocorrem altas infestações, tem-se que adotar medidas de controle cultural a fim de evitar a dependência total dos inseticidas. Os principais fatores que favorecem a sobrevivência e o crescimento de populações de tripes são: presença de folhas parcialmente maduras e de frutos, temperaturas elevadas, ausência de chuvas e de sombreamento. Dessa maneira o controle cultural deve ser feito com a manutenção do sombreamento provisório por maior tempo possível, bem como evitar o plantio de cacaual com sombreamento definitivo escasso ou ausente, já que o tripes tem preferência por áreas com excesso de sol.

36 36 O controle químico deve ser realizado somente quando a população do tripes atingir o nível de controle (Quadro 17). Para isso, deve-se efetuar amostragens no cacaual, subdividindo-o em quadras de 5 hectares, o mais uniforme possível quanto ao sombreamento e idade das plantas. De cada quadra amostrar 20 árvores distribuídas uniformemente na área, contando em cada árvore, a população do tripes na face abaxial de 5 folhas parcialmente maduras, totalizando 100 folhas por quadra. O levantamento deve ser iniciado no fim do período chuvoso e repetido a cada 15 dias. A população do tripes atingirá o nível de controle quando ao se constatar uma população, em média, de 3 tripes por folha. Quadro 17 Inseticidas recomendados para o controle químico do tripes. Princípio Ativo Produto Comercial Dosagem g. i.a/há Produto Comercial Hectare p/ 100 litros água carbaryl Carbaryl Fersol, Carvin, Sevin 5 P kg - III Classe Toxicológica endosulfan Thiodan 2 P, Malix 3 P III endosulfan Thiodan 35 CE ml 800 ml II malation Malatol 50 E ml 600 ml III malation Malatol 2 P kg - IV arprocarb Unden 1 P kg - II Obs.: - Nas pulverizações utilizar 100 litros de calda por hectare. g.i.a = grama de ingrediente ativo Classes Toxicológicas : I extremamente tóxico; II altamente tóxico; III medianamente tóxico; IV pouco tóxico. Monalonio (Monalonion annulipes) Existem 11 espécies do gênero Monalonion distribuídos nas Américas do Sul e Central, das quais oito associadas à cultura do cacaueiro. Até o momento, apenas Monalonion annulipes tem sido constatado nos pólos cacaueiros da Amazônia. Esses pequenos percevejos são também conhecidos vulgarmente como chupança, sendo uma praga de capital importância, pois provoca sérios danos a cultura. Tanto os adultos como as formas jovens (Figs. 19 e 20), sugam seiva dos ramos novos e frutos. Atacam também o pecíolo e as folhas. O ataque aos ramos, determina o aparecimento de áreas necróticas nos locais da picada, de origem toxicogênica (Fig. 21). Se intenso, há uma paralisação no crescimento dos ramos e posterior secamento e queda das folhas, contribuindo para o aparecimento do complexo conhecido por queima ou morte descendente (Fig. 22). Em decorrência do ataque, há perda de área foliar e consequentemente decréscimo de produção. Fig. 19 Adulto de Monalonion annulipes Fig. 20 Ninfa do monalonio Fig. 21 Ramos com sintomas de ataque (Abreu, et al. 1989)

37 Quando o ataque é dirigido aos frutos, há formação de pústulas (bexigas) em decorrência da toxina injetada pelo inseto, quando do ato alimentar (Fig. 23). Nos frutos com 8 cm ou mais de diâmetro, este dano não afeta diretamente as amêndoas, todavia, favorecem a penetração de agentes patogênicos que provocarão a deterioração das mesmas. No entanto, quando em frutos novos, estes apodrecem ou ficam enegrecidos, petrificam e morrem. Em ataques intensos até os frutos completamente desenvolvidos e maduros ficam com a coloração característica totalmente alterada, como se estivessem mumificados, a cor natural dos frutos fica substituída por cinza-claro, e assim podem ser colhidos em fase de maturação inadequada ou descartados pelos trabalhadores pela ocasião da colheita. Quando não controlada, a praga pode causar sérios danos à produção de cacau. As chupanças têm sido observadas com freqüência em cacauais a pleno sol, sugerindo que a presença de sombreamento é importante para evitar a proliferação do inseto. 37 Fig. 23 Frutos atacados pelo monalonio (Garcia, et al.,1985) Fig. 22 Queima causada por Monalonion annulipes Como medida de controle cultural recomenda-se o emprego de práticas culturais convencionais, principalmente o plantio de árvores de sombras nas áreas com deficiência, de modo a propiciar sombreamento adequado às plantações de cacau. Deve-se também manter as plantas livres de brotos ou chupões. O M. annulipes além de atacar normalmente o cacaueiro, tem como plantas hospedeiras, o cupuaçuzeiro e no Estado de Rondônia as seguintes espécies de fruteiras (araçá-pera, cajueiro, cruá, cacauí, bananeira, goiabeira e mangueira). O conhecimento do comportamento do monalônio e sua relação com as plantas hospedeiras alternativas visam auxiliar no manejo da praga em diferentes ecossistemas de cultivo. No controle biológico, a formiga vermelha (Ectatomma tuberculatum) é predadora de insetos e nos cacauais faz seu ninho no solo tendo o orifício de saída em forma de um chaminé fixo na base do tronco do cacaueiro. O chaminé é confeccionado com detritos e solo fixado na base do tronco do cacaueiro, medindo 10 e 40 cm de altura. A formiga faz controle significativo do monalônio na planta em que se estabeleceu e também nas plantas próximas que possuem ramos encostados à planta com o ninho. O percevejo vermelho Ricola spinosa é eficiente predador de monalonio; muitos outros predadores são freqüentemente encontrados associados a populações de monalonio e deverão ser considerados dentro de um programa de manejo de pragas do cacaueiro. A decisão de se realizar o controle químico do monalonio deve ser precedida de um levantamento da população existente na área, através de amostragens efetuadas nos períodos de lançamento e de maior bilração e frutificação. Sugere-se subdividir o cacaual em quadras de 5

38 38 hectares, uniformes quanto ao sombreamento e idade das plantas e amostrar 20 plantas por quadra, examinando 5 frutos por planta. Constatada a presença de pelo menos 1 fruto com ninfas e/ou adultos, está caracterizada a área-foco e a necessidade de se realizar o controle. Esta medida deve se restringir às áreas-foco. O intervalo entre as amostragens é de 15 dias. Vários inseticidas (Quadro 18) são atualmente recomendados para o controle químico do Monalonio com eficiência técnica e econômica satisfatórias quando se segue rigorosamente as prescrições técnicas para sua utilização. Quadro 18 - Principais inseticidas recomendados para o controle químico do Monalonio Princípio Ativo Produto Comercial g.i.a./ha Dosagem Produto Comercial hectare p/ 100 l água Classe Toxicológica Carbaryl Servin 5 P kg - III Endosulfan Thiodan 2 P kg - III Endosulfan Thiodan 35 CE ml 800 ml I Isoprocarb Mipcin 75PM g 400 g II Isoprocarb Mipcin 75PM(TN) g - II deltametrina Decis 25CE ml 200 ml II deltametrina Decis 25CE (TN) ml - II Malation Malatol 50CE ml 600 ml III malation Malatol 20P kg - IV malation Malatol 60 ST (TN) ml - II arprocarb Unden 1 P kg - III triclorfon Triclorfon 15 TN ml - II triclorfon Dipterex 50 S ml 600 ml II triclorfon Dipterex 2,5 P kg - III Obs: nas pulverizações utilizar 100 litros de calda por hectare. Classes Toxicológicas : I extremamente tóxico; II altamente tóxico; III medianamente tóxico; IV pouco tóxico. Escolitídeos (Xyleborus spp.) Ocorrem principalmente em cacaueiros adultos, brocando seus galhos e troncos. Quando o ataque se verifica nos galhos provoca o secamento dos mesmos. Se o ataque evolui para o tronco, a planta começa a apresentar sintomas de amarelecimento geral das folhas até secar totalmente. A morte é conseqüência da penetração de fungos patogênicos, através dos orifícios abertos por esses insetos. (Xylosandrus compactus) Ocorre em mudas no viveiro e no campo, mais freqüentemente em mudas recém - transplantadas. Os sintomas são caracterizados pelo escurecimento da casca e exudação de um líquido através do orifício de penetração do inseto, o qual, ao secar, exibe uma coloração esbranquiçada, culminando com o murchamento da parte superior e morte da planta (Fig. 24 e 25). Também há penetração de fungos patogênicos, entre os quais Fusarium spp. e Lasiodiplodia theobromae. Solos pobres e ácidos e deficiência hídrica são os fatores que favorecem o ataque da praga.

39 39 Fig. 24 Ataque de Xylosandrus compactus Fig. 25 Muda morta por Xylosandrus compactus O controle cultural de Xyleborus spp. e X. compactus é feito vistoriando-se o viveiro e o cacaual após o transplante das mudas, especialmente durante o período seco, eliminando e queimando as plantas atacadas. No caso do ataque no tronco de cacaueiros adultos, dificilmente a planta poderá ser salva, pois os sintomas aparecem quando já houve penetração e contaminação de fungos patogênicos. Recomenda-se a retirada e eliminação das plantas através da queima. Quando o ataque se dá nos ramos de cacaueiros adultos ou da parte aérea acima da região cotiledonar das mudas a poda e queima das partes atacadas devem ser realizadas. Solos pobres e ácidos devem receber correção e adubação para evitar os danos de X. compactus. O controle químico deve ser utilizado somente em mudas enviveiradas ou no campo, após eliminação daquelas atacadas pelo inseto. Utilizar o inseticida endosulfan (Thiodan 35 CE ou Malix) a alto volume, na dosagem de 300 ml do produto comercial para 100 litros de água. O controle químico em cacaueiros adultos não deve ser realizado. Manhoso (Steirastoma breve) Constitui-se numa das mais sérias pragas do cacaueiro em alguns países produtores, tais como Equador, Venezuela, Trinidad e Suriname. No Brasil, somente nos pólos cacaueiros da Amazônia os ataques são mais freqüentes, sendo que nos Estados de Rondônia e Mato Grosso ocorre em grandes infestações. Fig. 26 Adultos macho ( ) e fêmea ( ) de Steirastoma breve (Mendes & Garcia, 1984).

40 40 As larvas de S. breve iniciam o processo de alimentação no cambio da planta, abrindo galerias em espiral. Posteriormente, penetram no lenho, podendo resultar na morte dos ramos ou cacaueiro jovem. Plantas com 1 a 3 anos de idade são as mais preferidas pela praga, iniciando o ataque principalmente pelas regiões do coleto de bifurcação dos ramos principais. O aparecimento de serragem e exudação gomosa na região afetada, é uma indicação da presença do inseto. O ataque pode determinar a morte de cacaueiros jovens ou má formação da copa de plantas adultas (Figs. 26, 27 e 28). As maiores infestações da praga têm sido observadas durante o período menos chuvoso e nos plantios em áreas de mata recém-desbravadas e com deficiência de sombreamento. Os adultos (Fig. 26) alimentam-se do córtex da planta, possibilitando a entrada de agentes patogênicos. a b Fig. 27 A larva (a) e os sintomas de seu ataque ao tronco e ramos do cacaueiro (a, b) O controle do manhoso é feito da seguinte forma: a) Controle mecânico: realizar inspeções periódicas na lavoura e no caso de encontrar plantas atacadas no caule ou tronco e ainda possíveis de serem recuperadas, efetuar a retirada da larva com auxílio de um canivete, eliminando-a e tratando a região lesionada com uma pasta a base de óxido cuproso (Cobre Sandoz), para evitar a penetração de fungos. b) Controle cultural: plantas ou galhos mortos devem ser eliminados ou queimados. Manter o sombreamento provisório por maior tempo possível, bem como evitar o plantio do cacaual com sombreamento definitivo escasso ou ausente c) Controle químico: em lavouras jovens, até os três anos de idade, ao se constatar adultos na área ou 10% de plantas com sintomas de ataque de adultos ou de larvas, após amostragem de 100 plantas distribuídas ao acaso em quadras de 5 hectares, fazer duas ou três pulverizações em intervalos de 20 dias com uma solução de endolsulfan 35% (Thiodan 35) na dosagem de 350g de i.a./ha (1 litro do produto), adicionando 100 mililitros de espalhante adesivo (Ag-bem, Novapal etc.) para cada 100 litros da suspensão. Realizar duas aplicações no intervalo de 30 dias, pulverizando o tronco e ramos dos cacaueiros As pulverizações devem ser dirigidas ao tronco e galhos dos cacaueiros, gastando-se 250 litros da suspensão/hectare. O quiabeiro (Hibiscus sculentum) quando bem desenvolvido no período seco é uma planta que funciona como armadilha, pois atrai o manhoso para alimentação, acasalamento e postura. O controle deve ser realizado fazendo-se inicialmente a catação manual de insetos adultos no quiabeiro e quando as plantas estiverem com as larvas desenvolvidas, faz-se a eliminação dessas plantas queimando-as. Broca dos frutos (Conotrachelus humeropictus) Fig. 28 Tronco com sintomas de ataque de adultos. É uma praga que ataca o fruto do cacaueiro e do cupuaçuzeiro trazendo enormes prejuízos a produção, estimada em 50% e 52%, respectivamente. É de ocorrência generalizada em Rondônia e no Amazonas e recentemente em algumas lavouras da região de Alta Floresta (MT), sendo pouco comum ou mesmo inexistente em outros pólos cacaueiros da Amazônia brasileira. As fêmeas introduzem o ovopositor no pericarpo do fruto e em minúsculos orifícios depositam seus ovos. Após cerca de cinco dias da postura, emergem pequenas larvas que

41 imediatamente penetram nos frutos até atingirem a parte central, local de concentração do ataque (Figs. 29 e 30). Decorridos cerca de 30 dias, ao atingirem o máximo desenvolvimento larval, abrem orifícios, de saída para empuparem no solo. Através destes orifícios, penetram fungos patogênicos que irão contaminar os frutos e sementes, tornando-os impróprios para o consumo e beneficiamento, respectivamente. 41 a b Fig. 29 Adulto (a) e larva (b) de Conotrachelus humeropictus (Mendes, 1996) Os principais fatores que favorecem a sobrevivência e o crescimento das população de C. humeropictus são: presença de frutos, alta umidade, sombreamento excessivo, copa dos cacaueiros excessivamente adensadas e matas às proximidades da lavoura, onde podem ser encontrados hospedeiros nativos da broca. a Fig. 30 Frutos atacados pela broca do cacaueiro Para controle da praga, recomenda-se: 1. Controle cultural: a) realizar a colheita de todos os frutos atacados existentes nas árvores que devem ser retirados da lavoura ou quebrados em cima de lonas, chão compactado ou terreiros, as larvas devem ser coletadas e mortas ou oferecidas para aves a fim de evitar que penetrem no solo para completarem o ciclo e voltarem a reinfestar a área; b) efetuar o raleamento do sombreamento nas lavouras excessivamente sombreadas; c) a poda fitossanitária para o controle da vassoura-de-bruxa Crinipellis perniciosa é um meio auxiliar na redução populacional da praga; d) nas lavouras em que vêm sendo constatados ataques anuais da praga, recomenda-se estreitar o intervalo de colheitas, visando evitar que as larvas abandonem o fruto para empupar no solo. Os frutos, após retirados dos cacaueiros, devem ser imediatamente recolhidos em recipientes ou sacos para evitar que as larvas que abandonam os frutos antes de serem amontoados, penetrem no solo. Constatou-se que após duas horas da colheita em média 20% das larvas abandonam os frutos, como uma tentativa de sobrevivência, por perceberem a alteração da posição do fruto quando retirado da planta. 2. Controle químico: Após a quebra de frutos, no interior da lavoura, aplicar nos casqueiros, o inseticida endosulfan (Thiodan 35CE) na proporção de 300 ml do produto para 100 litros de água, objetivando o controle de larvas que ficam nas cascas após a quebra dos frutos colhidos, onde se desenvolvem, transformando-se em adultos, reinfestando a lavoura. A pulverização da lavoura com inseticidas após a constatação de frutos brocados quando da proximidade da colheita é inviável.

42 42 3. Controle biológico: Atualmente estão sendo desenvolvidas pesquisas com resultados satisfatórios para o controle biológico de C. humeropctus através dos fungos Metharizium anisopliae e Beauveria bassiana. Esses dois entomopatógenos, pulverizados na superfície do solo sob a forma de conídios, apresentam excelentes perspectivas de controle da broca. No Amazonas observaram-se pupas parasitadas por Lixophaga sp. (Diptera, Tachinidae) e Urosigalphus sp. (Hymenoptera, Braconidae). Vaquinhas Várias espécies encontram-se associadas ao cacaueiro na Amazônia, entre as quais Chrysodina spp., Colaspsis spp., Percolaspsis ornata, Costalimaita ferrugínea, Diabrotica septenliturata, Ephyraea spp., Nodonota spp., Rhabdopterus spp. Maecolaspis ornata e Metachroma spp., sendo as duas últimas, as mais abundantes e freqüentes nos cacauais. As vaquinhas são pequenos besouros que medem aproximadamente de 3 a 7mm de comprimento (Fig. 31). A coloração das espécies é variada, com as asas anteriores bastante vistosas. Estes insetos se alimentam de folhas novas e parcialmente maduras, provocando perfurações no limbo foliar que fica com aspecto rendilhado, causando a redução da área foliar e diminuindo conseqüentemente a capacidade fotossintética das plantas (Fig. 32). Alguns se alimentam da extremidade apical dos ramos e também tem sido encontrado roendo a casca de bilros e frutos. Fig. 31 A vaquinha Maecolaspis ornata (Abreu et al., 1989) Fig. 32 Folha atacada por vaquinha (Mendes et al., 1979) O controle químico das vaquinhas deve ser realizado apenas quando a(s) espécie(s) apresentar(em), densidade populacional que justifique a prática. As maiores populações de vaquinhas na Amazônia são observadas durante o período menos chuvoso na região, que via de regra coincide com a emissão de folhas novas pela planta. Neste período, realizar amostragens no cacaual, dividindo-o em quadras de 5 hectares. Em cada quadra, selecionar ao acaso 20 plantas, percorrendo uma a uma estendendo sob a copa lençol de coleta de 4 x 4. Sacudir rápida e vigorosamente a planta e seus galhos e coletar rapidamente as vaquinhas caídas sobre o lençol. Repetir quinzenalmente a amostragem. A aplicação do inseticida somente deve ser efetuada quando forem encontradas 10 vaquinhas em média por planta. Lagartas Constitui, como as vaquinhas, grupo dos mais diversificados em espécies. Poucas são aquelas que chegaram a causar danos econômicos. Surtos esporádicos de Euclystes plusioides, Cerconota dimorpha e da broca Cossula nigripennata foram registrados em Ouro Preto D'Oeste(RO), Tomé-Açu(PA) e Uruará(PA), respectivamente. As espécies mais comuns nos cacauais são: Euclystes plusioides ataca folhas, renovos, flores e frutos (Fig. 33). É a espécie de maior freqüência nos cacauais. Ao atacar os frutos novos, destroem a casca prejudicando o desenvolvimento dos mesmos. Cerconota dimorpha ataca as folhas maduras do cacaueiro, alimentando-se da parte do limbo entre as nervuras. As lagartas são de hábito noturno, escondendo-se durante o dia em ninhos ou "túneis" construídos com fios de seda e fezes, entre duas ou mais folhas secas presas entre si (Fig. 34). À noite abandonam seus esconderijos e saem a procura de alimento.

43 Cossula nigripennata bloqueia o tronco e os galhos do cacaueiro causando o secamento com posterior morte (Fig. 35). Surtos ocorridos em lavoura de Uruará(PA) foi controlado pela infecção natural das lagartas pelo fungo Beauveria bassiana. Pseudoplusia includens alimenta-se de folhas novas, sendo muito comum nos viveiros. As lagartas são verdes com cerca de 40 milímetros no último instar. Diopa sp. ataca folhas em estágio de maturação, mas sua população não chega atingir níveis elevados. Silepta prorogata chamada de lagarta enrola folha, alimenta-se de folhas novas de cacaueiros adultos e mudas. Oxyptilus sp. são pequenas lagartas com cerca de 13 milímetros de comprimento, que se alimentam de folhas novas. Nos primeiros estágios alimentam-se da parte central das folhas, próxima a nervura central, provocando pequenos furos arredondados. São muito comuns em viveiros. Zetesima baliandra vive em colônias entre duas folhas coladas por fios de seda. Alimenta-se da epiderme dessas folhas, atingindo no máximo 17 milímetros de comprimento no último estágio larval. Até o momento as populações dessas lagartas tem sido mantidas em nível populacional baixo, raramente ocorrendo em surtos. Seus inimigos naturais como anfíbios, pássaros, aranhas e principalmente insetos predadores e parasitóides como besouros, moscas, vespas e formigas, bem como nematóides e entomopatógenos, bastantes comuns nos cacauais da Amazônia, contribuem para a manutenção desse equilíbrio. O Controle químico é recomendado quando ao se constatar o início de surtos, caracterizados pelo aumento considerável das populações. Efetuar inspeções periódicas no cacaual, principalmente na época seca.. Constatado o aumento populacional da(s) espécie(s), pulverizar a lavoura com inseticidas piretróides, Bacillus thuringiensis ou fisiológicos como diflubenzuron. 43 Fig. 33 Lagarta de Euclystes plusioides Fig. 34 "Ninho" de Cerconota dimorpha Fig. 35 A broca Cossula nigripennata Formigas Os formicídios constituem um dos grupos de insetos de grande ocorrência nas lavouras cacaueiras da Amazônia. Algumas espécies causam danos diretos através da desfolhação e podação dos brotos terminais. Outras, indiretos, devido a simbiose (protocooperação) com homópteros que sugam a seiva do cacaueiro que por sua vez fornecem excreções açucaradas que servem de alimento às formigas. No cacaual encontramos também formigas benéficas, predadoras de outros insetos e que devem ser preservadas. Formiga de fogo (Solenopsis sp.) - As formigas pertencentes a este gênero vivem em colônias sob a casca e copa das árvores, cupinzeiros abandonados, madeira em decomposição, no solo e sobre os cacaueiros. Apesar de benéficas, já que são predadoras de outros insetos, causam prejuízos quando em altas infestações pela criação, proteção e transporte de cochonilhas e pulgões com os quais vive em protocooperação. Estes insetos sugam a seiva do cacaueiro definhando-o e fornecem uma substância açucarada através de suas fezes das quais as formigas se alimentam. As formigas de fogo causam ainda sérios problemas ao homem através de dolorosas ferroadas, dificultando a realização das práticas culturais na lavoura.

44 44 O controle químico somente deve ser realizado quando ocorrerem em altas populações, através da aplicação de inseticidas diretamente nos ninhos, que devem ser revolvidos durante o tratamento. Os seguintes produtos podem ser utilizados: carbaril 5% (Carvin 5 e Sevin 5) ou endosulfan (Thiodan e Malix) ou deltametrina (Decis 25 CE, K-otrine e K-obiol 25 CE). Formiga saúva (Atta sexdens) Estas formigas cortam as folhas do cacaueiro, provocando o desfolhamento parcial ou total da planta, podendo levá-la à morte. As saúvas estão entre as pragas mais importantes da agricultura brasileira. O controle deve ser dirigido, visando a destruição do formigueiro onde se encontra a rainha. As saúvas requerem um processo especializado de controle, necessitando para isso, a observação de diversos detalhes de suma importância como identificação das espécies, cálculo da área do formigueiro, escolha do produto, época de aplicação etc. A escolha do inseticida é feita de acordo com a época do ano e a quantidade a ser aplicada, multiplicando-se a área do formigueiro pela dosagem (Quadro 19). Quadro 19 Controle químico das saúvas Formicida Dosagem (m 2 ) Compasso (m 2 ) Época de aplicação Granulado sulfluramida (Mirex-S, Mirex Plus, Fluramin etc.) Gases liquefeitos brometo de metila (Brometila etc.) Líquidos bifetrin (Bistar) Pós clorfenvinfos (Birlane 50P) Termonebulização deltametrina TN (Decis Fog etc.) 6-10g - Seca 4 ml 5 Número de olheiros a serem tratados = área do formigueiro compasso Quantidade de formicida a usar = área do formigueiro x dosagem Chuvosa 5 ml 2 Chuvosa 30 g 3 Seca 2,5ml/queros. - Quente Principais Doenças do Cacaueiro e Medidas de Controle Vassoura-de-Bruxa (Crinipellis perniciosa) Luís Carlos de Almeida É a doença mais importante para a cacauicultura brasileira. Esta doença é endêmica na Região Amazônica, seu centro de origem, onde é conhecida há mais de dois séculos incidindo nos cacaueiros nativos semi-cultivados das áreas de várzea e nos cacaueiros e outros hospedeiros nativos dispersos nas matas primárias de terra firme. O primeiro registro científico desta doença data de 1895 em plantações de cacau do Suriname, onde causou perdas consideráveis na produção daquele país. Em 1918 foi constatada no Equador e posteriormente na Colômbia, Venezuela, Guianas e Ilhas do Caribe produtoras de cacau. Atualmente esta doença encontra-se presente em todos os países produtores de cacau do continente americano. Na Bahia, principal região brasileira produtora de cacau, a vassoura-de-bruxa foi constatada a partir de maio de O agente causador da vassoura de bruxa é o fungo basidiomiceto de nome científico Crinipellis perniciosa (Stahel) Singer, anteriormente denominado de Marasmius perniciosa. Este fungo é biotrófico, apresentando duas fases perfeitamente diferenciadas: uma fase parasítica com micélio grosso sem grampos de conexão, existente nos tecidos verdes infectados, e uma fase saprofítica com micélio fino e grampos de conexão, existente nos tecidos infectados e necrosados no hospedeiro.

45 Além das espécies pertencentes aos gêneros Theobroma e Herrania da família das Sterculiaceas, C. perniciosa tem sido relatado atacando espécies de outras famílias botânicas a exemplo das Bixacea, Solanacea e Malpigiaceae. Porém, maiores impactos econômicos verificam-se nas culturas do cacau (Theobroma cacao) e cupuaçu (Theobroma grandiflorum), por serem as duas espécies mais cultivadas. Este fungo ataca os tecidos meristemáticos do hospedeiro em crescimento, causando os mais variados sintomas a depender do tipo de infecção, natureza, idade e estágio fisiológico do tecido atacado. Provoca inchações (hipertrofias) dos ramos, acompanhadas de intensa brotação das gemas laterais, cujos sintomas assemelham-se a uma vassoura. Os ramos infectados são, geralmente, de diâmetro maior que os ramos sadios, com entrenós curtos e folhas grandes, curvadas e retorcidas (Figs. 36 e 37). Podem ocorrer também na superfície dos ramos infectados, hipertrofias que posteriormente necrosam e são denominadas cancros. As almofadas florais infectadas transformam-se num agrupamento de flores anormais, hipertrofiadas, de pedicelo alongado e inchado, dando origem a frutos partenocárpicos, deformadas que morrem prematuramente (Fig. 38). Nas almofadas florais infectadas podem também desenvolver vassouras semelhantes às que ocorrem nos lançamentos. As flores infectadas após a necrose ficam aderidas ao tronco por algum tempo. 45 Fig. 36 Vassoura de ramo (verde) Fig. 37 Vassoura de ramo (seca) Os frutos infectados exibem vários tipos de sintomas a depender do método de infecção e da idade no momento da infecção. Distinguem-se dois tipos de infecção: indireta, através das flores infectadas; e direta, por esporos através do epicarpo. A primeira origina frutos globosos, partenocárpicos, denominados morangos os quais posteriormente morrem tornam-se negros e endurecidos. Frutos infectados ainda jovens (um a dois meses) adquirem a forma alongada e paralisam seu crescimento com 15 centímetros aproximadamente, e são denominados cenouras, os quais também morrem e tornam-se negros e endurecidos (Fig. 39). Frutos infectados em estágios mais desenvolvidos (dois a três meses), apresentam, quando adultos, uma Fig. 39 Frutos cenouras mancha negra, geralmente deprimida e dura, de forma geralmente circular (Fig. 40). Internamente estes frutos apresentam as amêndoas apodrecidas e aderidas entre si (Fig. 41). Frutos infectados na fase adulta (5 a 6 meses), os sintomas ficam limitados à superfície das cascas, não comprometendo as amêndoas. Fig. 38 Vassouras de almofadas Fig. 40 Frutos com sintomas externos de vassoura-de-bruxa Na Amazônia brasileira, os maiores impactos econômicos Fig Frutos com sintomas internos de da vassoura-de-bruxa ocorrem nas plantações de cacau e de vassoura-de-bruxa cupuaçu tecnicamente implantadas nas terras firmes. No caso do cacaueiro, tem sido constatadas perdas de até 90% da produção, em plantações onde as medidas

46 46 de controle não são realizadas de forma sistemática todos os anos. Em tal situação, a viabilidade econômica da cultura pode ser agravada pelos efeitos indiretos da doença, a redução da área foliar e a danificação das almofadas florais, causando, desestímulo e em casos mais graves o abandono das plantações. Embora nos últimos anos tenha havido avanços dos conhecimentos sobre a biologia deste fungo, ainda não é conhecida a sua forma assexual, bem como o papel desempenhado pelas várias estruturas já verificadas in vitro no seu ciclo de vida (Fig. 42). Até o presente, a única forma infectiva conhecida que ocorre no campo é o basidiosporo que é disseminado pelo vento e, em menor escala, pelas chuvas. Ciclo de vida do Crinipellis perniciosa C Fig. 42 A- Basidiocarpo em fase de liberação dos basidiosporos; B- Basidiosporo em fase de germinação; C- Micélio primário (parasitivo) em crescimento; D- Micélio secundário (saprofítico), mostrando o grampo conexão. A doença é o resultado da interação entre o patógeno, o hospedeiro e o ambiente. No caso do cacaueiro x C. perniciosa, o diagrama abaixo mostra com detalhes as várias fases do desenvolvimento da vassoura-de-bruxa (Fig43). Fig. 43 Ciclo da doença como resultado da interação hospedeiropatógeno do Crinipellis perniciosa O controle da vassoura-de-bruxa faz parte de uma série de práticas normais das roças cacaueiras, práticas estas que constitui o manejo integrado da lavoura que reúne de forma compatível, as práticas agrícolas necessárias para a recuperação e manutenção dos cacauais. Este sistema integrado de práticas (tratos fitossanitários e culturais), com ênfase para o controle da

47 vassoura-de-bruxa de forma sistematizada, possibilita a convivência em bases econômicas da cacauicultura com esta doença, promovendo o aumento da produtividade com a conseqüente melhoria da renda da propriedade cacaueira. A poda normal do cacaueiro é prática realizada todos os anos e consiste na eliminação de galhos indesejáveis, promovendo o raleamento e rebaixamento de copas compactadas. Em regiões de alta incidência de vassoura-de-bruxa, a poda fitossanitária é realizada em conjunto com a poda normal do cacaueiro. Esta prática consiste na remoção das vassouras, almofadas florais infectadas e frutos infectados, além da eliminação dos ramos com intenso ataque da doença. A drasticidade da poda fitossanitária depende da severidade da doença. Em plantações onde a remoção das vassouras é feita desde o início do plantio e durante todos os anos, o nível da doença permanece baixo, não havendo necessidade de podas drásticas. Porém, em plantações com manejo deficiente e ou abandonadas por vários anos, o nível de incidência é elevado e neste caso há necessidade de podas severas, o que causa um efeito depressivo na produção nos dois primeiros anos após a poda de recuperação. Na nossa região, o período mais adequado para a realização da poda fitossanitária é durante os meses de Agosto e Setembro, ocasião em que são removidas as vassouras verdes e secas, os frutos doentes e mumificados e os ramos intensamente atacados. As vassouras de almofadas devem ser removidas com um pouco da casca do cacaueiro, tendo-se o cuidado de não atingir o lenho (Fig. 44). As vassouras vegetativas ou de ramas, devem ser removidas através de corte na distância de 25cm (cerca de um palmo) do ponto de infecção. Fig Remoção de almofada floral infectada de vassoura-de-bruxa Todo o material infectado removido deve permanecer no solo dentro das plantações, após serem picotados para permitir o acamamento na liteira, possibilitando a degradação mais rápida pelos microorganismos do solo. Repasse Esta prática é efetuada durante os meses de Novembro ou Dezembro, para a retirada de vassouras que escaparam à atenção do trabalhador por ocasião da remoção principal ou novas vassouras que apareceram após as brotações do cacaueiro devido as primeiras chuvas do período. A aplicação de fungicidas não deve ser uma prática isolada, mas uma prática complementar à poda fitossanitária, pois além de ajudar no controle da vassoura-de-bruxa, controla outras doenças, a exemplo da podridão parda, além de combater o limo que, no período chuvoso cresce na superfície do tronco do cacaueiro prejudicando a emissão de flores e causando queda da produção. Recomenda-se realizar cinco pulverizações anuais na época de floração e bilração, nos meses de Dezembro, Janeiro, Fevereiro, Março e Abril. O fungicida recomendado é o Cobre sandoz (óxido cuproso a 50% de ingrediente ativo), na dosagem de 6 kg do produto comercial por hectare, em cada aplicação. Deve-se adicionar um adesivo espalhante na dosagem de 1ml por litro de calda. A necessidade de aplicar fungicidas não é a mesma para todas as plantações de cacau. Em geral, plantações bem manejadas onde o controle da vassoura-de-bruxa é feito sistematicamente todos os anos, as condições fitossanitárias são boas, dispensando a aplicação de fungicidas. A severidade da vassoura-de-bruxa nas propriedades cacaueiras é resultado direto do manejo aplicado pelos produtores às plantações. Como esta prática não ocorre de forma igual, diferentes situações são encontradas em campo, exigindo do extensionista conhecimento e experiência para intervir de forma correta na estratégia a ser adotada pelo produtor no controle da doença. Produtividades maiores poderão ser obtidas em prazos mais longos (acima de três anos), desde que o produtor substitua as plantas mais suscetíveis e menos produtivas por material genético de melhor qualidade, isto é, por plantas mais resistentes e mais produtivas. 47

48 48 Resultados obtidos na recuperação de roças cacaueiras com alta incidência de vassoura-debruxa em Rondônia, mostram que após o terceiro ano de aplicação do manejo integrado podem ser obtidas produções de 800 a kg/ha, e em casos isolados até kg/ha. O Quadro a seguir demonstra os custos de controle da vassoura-de-bruxa. Quadro 20 Custos do Controle da Vassoura-de-Bruxa (1 hectare) Práticas Ano I Ano II Jornadas Valor (R$) Jornadas Valor (R$) Remoção , ,00 Repasse 4 28, ,00 Aplicação de fungicidas , ,00 Insumos Quantidade Valor(R$) Quantidade Valor (R$) Fungicida 30 kg 195,00 30 kg 195,00 Gasolina 60 l 50,50 60 l 50,50 Óleo 2T 3 l 18,00 3 l 18,00 Podão 3 unid 6,00 3 unid 6,00 Facão 2 unid 12,00 2 unid 12,00 Total - 596,50-594,50 Fonte: Relatório de avaliação das Unidades de Observação da Cacauicultura de Rondônia. CEPLAC/SUPOC, 1997 Preços utilizados: Mão-de-Obra: R$7,00/jornada Fungicida: R$ 6,50/kg Podão: R$ 2,00/unid Gasolina: R$0,84/litro Óleo 2 T: R$6,00/litro Facão: R$ 6,00/unid Podridão parda (Phytophthora palmivora) Esta doença é de ocorrência generalizada em todos os continentes produtores de cacau, causando perdas da produção mundial em torno de 10%. É causada por fungos do gênero Phytophthora da Classe dos Omicetos, com várias espécies. No Brasil, na principal região produtora de cacau, o Sudeste da Bahia, a podridão parda foi por vários anos atribuída à espécie Phytophthora palmivora, porém, posteriormente descobriu-se que Phytophthora capsici é o principal agente causador dessa enfermidade naquela região, causando perdas elevadas da produção nos anos favoráveis ao desenvolvimento de epidemias. Na Amazônia brasileira, estudos realizados em plantações de cacau estabelecidas nas terras firmes, mostram que Phytophthora palmivora é o principal agente causador da doença, cujas perdas da produção variam de região para região. No Estado do Pará, em plantações de cacau das regiões da Transamazônica, Tomé-Açu, Belém, além de outras, foram constatadas perdas em torno de 30 a 40% da produção, contrariamente ao verificado nas plantações do Estado de Rondônia, onde as perdas têm sido insignificantes. O fungo pode ser encontrado em qualquer parte do cacaual: no solo, no casqueiro, e em qualquer parte da árvore infectada, sendo o inóculo disseminado pela chuva, insetos, ventos e pelo homem. Sintomas Nos frutos - a infecção pode ocorrer em qualquer estágio de desenvolvimento e em qualquer parte da superfície. O primeiro sintoma pode ser visto 30 horas após a infecção, caracterizando-se pela presença de pequenas manchas escurecidas na superfície da casca (Fig. 45). Se a umidade é alta, a lesão expande e produz esporângios esbranquiçados na superfície. Em frutos novos (bilros) os sintomas comuns são: manchas e enrugamento e posterior escurecimento, podendo ser facilmente Fig. 45 Frutos atacados de podridão parda.

49 confundido com murcha fisiológica. Quando frutos já desenvolvidos são infectados, as amêndoas podem ser parcialmente ou totalmente aproveitadas. No tronco A doença se desenvolve no tronco como resultado da disseminação do micélio do fungo a partir de frutos infectados, atingindo o pedúnculo e interior das almofadas, onde por meio de ferimentos da casca pode atingir o câmbio. Em plantações mal manejadas e com alta incidência de podridão parda é comum a ocorrência no tronco de manchas escurecidas de forma geralmente arredondadas na superfície da casca, sintomas do cancro (Fig. 46). 49 Fig Câncro provocado pelo ataque de Phytophthora spp. Em estágio mais avançado, o cancro caracteriza-se pela exudação de fluido avermelhado através da casca. Ao remover a casca constata-se o tecido infectado apresentando uma coloração marrom. Às vezes esta infecção aprofunda-se no lenho, podendo matar a planta. Nas mudas em viveiros - Em viveiros, durante o período chuvoso, é comum o aparecimento de mudas de cacau apresentando queima das folhas seguido de tombamento e morte das plântulas, sintomas estes característicos do ataque de Phytophthora sp. Controle No campo: são recomendadas práticas culturais e aplicação de fungicidas cúpricos. Práticas culturais: remoção de todos os frutos infectados existentes nas árvores, fazendo-se amontoa dos mesmos, prática esta realizada nos meses de Setembro ou Outubro, na época da poda fitossanitária para o controle da vassoura-de-bruxa e no período de máxima frutificação, meses de Janeiro a Maio, deve-se fazer a colheita dos frutos infectados, para evitar a contaminação dos demais frutos. Caso haja excesso de umidade e excesso de sombra na plantação, deve-se fazer drenagem e raleamento das árvores de sombra, criando condições desfavoráveis para o desenvolvimento da doença. Aplicação de fungicidas Recomenda-se quatro pulverizações mensais nos meses de maior frutificação, meses de Janeiro, Fevereiro, Março e Abril, com fungicidas cúpricos (Cobre Sandoz a 50% de ingrediente ativo), na dosagem de 400 gramas do produto para 10 litros de água. No caso das plantações da Amazônia, não há necessidade de realizar esta prática, uma vez que o controle químico realizado para o controle da vassoura-de-bruxa, serve também para controlar a podridão parda. Outras Doenças Antracnose De pouca importância na região, esta doença é provocada pelo fungo, Colletotrichum gloeosporioides, que se manifestam nas folhas, ramos e frutos. As folhas novas são as mais suscetíveis ao ataque, nas quais provoca o aparecimento de manchas escuras, necróticas, com mais freqüência no ápice e nas bordas do limbo. É comum observar-se o enrolamento do ápice e das margens afetadas. Com o desenvolvimento da doença pode ocorrer a queda das folhas e morte regressiva dos ramos. Nos frutos adultos a doença é de pouca importância econômica, havendo maiores danos em condições de viveiro com umidade excessiva, onde o controle da incidência nas mudas é feito através de pulverizações quinzenais com Dithane M-45 ou Fungineb 80 S (40 gramas do produto para 10 litros de água mais 10ml de adesivo).

50 50 Mal Rosado Doença provocada pelo fungo Corticium salmonicolor, ataca com maior freqüência os galhos finos e a forquilha das plantas novas em condições de campo. No início do ataque, observa-se na superfície do galho afetado, o micélio na forma de pontuações brancas que posteriormente adquire cor rosada. Nas folhas observa-se o amarelecimento precoce seguido de morte do ramo afetado. A esporulação do fungo ocorre durante a noite, favorecida pelas condições de umidade elevada, sendo os esporos rapidamente disseminados pelo vento. Tem-se verificado maior incidência nos meses mais chuvosos em áreas bastante sombreadas. Para o controle desta enfermidade recomenda-se pulverizações quinzenais com Dithane M- 45 ou Fungineb 80 S (200 gramas do produto para 10 litros de água, mais 10 ml de adesivo). Após a primeira pulverização remover os galhos afetados com um corte a 30 cm abaixo do ponto de infecção na forquilha. A seguir fazer a raspagem dos tecidos lesionados e, em seguida, pincelar a parte afetada com Dithane M-45 a 50% (500 gramas do produto para 10 litros de água). Precauções Gerais no Uso de Agrotóxicos Paulo Júlio da Silva Neto Antonio Carlos de Souza Martins A utilização de agrotóxicos é normatizada pela Lei Federal Nº 7.802, de 11 de Julho de 1989 e regulamentada pelo Decreto Federal , de 11 de Janeiro de Dentre os vários aspectos existentes na Lei Federal, enfocam-se padronizações e rotulagem que orientam o uso seguro e adequado dos produtos pelos agricultores. A classificação toxicológica, que é a identificação do risco oferecido pelo uso de substâncias químicas, processos físicos ou biológicos, fornece informações a respeito da forma correta de seu emprego, bem como as medidas preventivas e curativas para os casos de uso indevido e conseqüente intoxicação. Um critério de segurança a ser seguido é a preferência por produtos com menor toxidez. Os produtos fitossanitários (herbicida, fungicida, inseticida, nematicida etc.) encontram-se no mercado identificados por quatro classes toxicológicas, que se referem à toxicidade do produto para o homem e ambiente, e não para a praga, doença ou planta daninha. Na maioria dos casos é possível selecionar produtos que sejam menos tóxicos ao homem, mas que mantenham o seu poder de controle sobre o problema fitossanitário. São as seguintes as classes toxicológicas: CLASSE I Extremamente Tóxicos Faixa Vermelha CLASSE II Altamente Tóxicos Faixa Amarela CLASSE III Medianamente Tóxica Faixa Azul CLASSE IV Pouco Tóxica Faixa Verde Todos os defensivos agrícolas têm seus usos devidamente registrados pelo Ministério da Agricultura e do Abastecimento e aprovados pelo Ministério da Saúde e pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Além dessas exigências, também são obrigados a fornecer informações quanto às culturas a serem protegidas, bem como aos cuidados a serem observados na proteção da saúde dos aplicadores e na preservação do meio ambiente, ou seja, os rótulos, as bulas e os folhetos complementares dos agrotóxicos devem conter todas as instruções de uso devidamente aprovadas, conforme determina a legislação. Porém, o grande problema dos agrotóxicos no Brasil está na sua utilização. Desta forma, de nada adiantam um registro perfeito, estudos toxicológicos e de resíduos, se no momento da aplicação não são obedecidas as prescrições necessárias e obrigatórias, sem as quais todo aquele esforço inicial deixa de ter sentido.

51 Outro fator a ser considerado refere-se ao fato de que, apesar de ser comum entre os agricultores, as misturas de tanque de produtos fitossanitários, não devem ser recomendadas, haja vista se desconhecer as características toxicológicas das misturas. É importante lembrar que o agricultor lida com diversos produtos químicos: solventes, tintas, lubrificantes, produtos para limpeza e desinfecção de estábulos, produtos de uso zoo e fitossanitários, e que em todos os casos há um risco potencial de intoxicação. Assim sendo, não se pode aceitar que um trabalhador use produtos potencialmente perigosos sem que antes passe por um treinamento sob orientação de um técnico habilitado, com o objetivo de adquirir conhecimentos relativos ao produto, aos equipamentos de aplicação, ao uso de roupas de proteção, aos cuidados com as pessoas e ao meio ambiente. Durante o seu trabalho, o aplicador se depara com situações diferentes, e precisa estar preparado para conhecer cada etapa desse trabalho. Deverá, portanto, ter conhecimento sobre preparo da calda, aplicação do produto no campo, transporte e armazenamento de produtos, além de cuidados com relação ao intervalo de segurança e reentrada na área tratada. A proteção ao aplicador através do uso de vestimenta apropriada, parte da premissa de que um produto somente poderá manifestar qualquer ação tóxica, se conseguir penetrar no organismo do trabalhador. A função da roupa protetora, portanto, é a de impedir a penetração do produto. São três as vias de entrada de produtos químicos no organismo humano: a) cutânea (dérmica) absorção do produto através da pele, sendo que neste caso a penetração poderá ser facilitada pela presença de cortes ou abrasões nela existentes. É a via mais importante de penetração. Pesquisas realizadas têm indicado que aproximadamente 97% dos casos de intoxicação são devidos a penetração do produto pela via cutânea, principalmente nos casos de pulverização; b) respiratória é a segunda em ordem de importância. Em todas as aplicações em que se tem o produto sob a forma de gás ou vapor, ou quando se tem partículas líquidas e sólidas em suspensão no ar, há a probabilidade de penetração do produto pela via respiratória; e, c) digestiva é a que menos perigo oferece ao aplicador. A contaminação só ocorre quando o trabalhador ingere alimentos contaminados com produtos químicos, ou quando come ou fuma com as mãos contaminadas. Feitas as considerações acima, é necessário analisar, para cada via de penetração, que tipo de equipamento de proteção individual (EPI) deverá ser usado. No trabalho com equipamento costal, não só as pernas do trabalhador ficam molhadas, pelo fato dele caminhar entre as linhas tratadas, bem como as costas, devido a possíveis vazamentos na tampa. Por outro lado, devido ao vazamento que poderá ocorrer na válvula que libera o jato do produto, as mãos também ficam sujeitas ao contato com agrotóxicos. Assim, estas partes do corpo deverão receber proteção especial. A mesma cultura sendo pulverizada com equipamento tratorizado, fará com que o tratorista (que é o aplicador), tenha uma exposição diferente, o que já evidencia que as roupas dos dois trabalhadores deverão ser diferentes. Se a aplicação dessa mesma cultura for por via aérea, não só a exposição do piloto como a dos bandeirinhas serão diferentes. Dentro dessa linha de raciocínio, há neste exemplo quatro tipos de exposição, e neste caso é necessário que cada um desses trabalhadores se proteja de maneira diferente. Considerando que a proteção só é necessária desde que haja exposição, haverá situações em que o trabalhador aplica produtos de Classe I Extremamente Tóxicos, sem necessitar de proteção alguma. Exemplos desse caso são aplicações de herbicidas com barras protegidas com saias para evitar a deriva, ou nos equipamentos que aplicam granulados no solo. Nesse caso o equipamento abre um sulco no solo, injeta o produto, e cobre o sulco com terra. O tratorista, que no caso é o 51

52 52 aplicador do produto, não tem nenhum contato com o produto, e portanto não necessita de roupa protetora. Dentro desta análise, o único equipamento de proteção individual a ser recomendado a um trabalhador que usa gás (brometo de metila) será o protetor respiratório (máscara), assim como o aplicador de iscas granuladas deverá apenas usar luvas, uma vez que as outras partes do corpo não estarão expostas ao produto. Quanto maior a diluição usada, menor será o risco de intoxicação. O momento crítico em termos de risco é o preparo da calda. Nesta situação o produto está puro, com alta concentração, além de estar veiculado na maioria das vezes em solventes que facilitam a penetração do ativo na pele do trabalhador. Como as situações de exposição ao produto são diferentes, a vestimenta protetora para as operações de preparo de calda e enchimento de tanque deverá ser diferente daquela recomendada para a aplicação do produto no campo. Para cada tipo de operação executada pelo agricultor, haverá um tipo de exposição diferente. Assim, nas operações de transporte, armazenamento, enchimento de tanques, aplicação propriamente dita, lavagem do tanque, lavagem das embalagens vazias, descarte de embalagens, partes diferentes do corpo do trabalhador são expostas, o que faz com que se devam recomendar as vestimentas protetoras de acordo com a avaliação da exposição a ser feita no momento da operação. Em resumo são os seguintes os equipamentos de proteção individual (EPI) a serem utilizados pelo trabalhador : a) no preparo da calda e enchimento do tanque: boné ou chapéu; viseira de acetato para proteção do rosto e principalmente dos olhos; luvas de nitrila ou neoprene; roupas de algodão (calças compridas e camisas de mangas compridas); botas de borracha e avental impermeável; e, b) na aplicação do produto: b1-) com equipamento costal ou operador de equipamento tratorizado que não seja o tratorista: roupas de manga comprida e calças compridas; luvas; chapéu; botas de borracha; folha de plástico para proteger os ombros e as costas do trabalhador para prevenir possíveis vazamentos da tampa do tanque do pulverizador costal; b2-) com equipamento tratorizado (tratorista): camisa de manga comprida e calças compridas; botas; boné ou chapéu comum de palha; as luvas devem ser usadas no enchimento do tanque e na regulagem de vazão e desentupimento de bicos; e, b3-) Na aplicação de gases ou fumigação: máscara (protetor respiratório) com filtro específico, de acordo com a recomendação do fabricante; roupas bastante ventiladas. O uso correto e seguro dos agrotóxicos devem objetivar melhores resultados econômicos da atividade agrícola e, ao mesmo tempo, evitar problemas de intoxicação de pessoas ou animais, de poluição ambiental e de contaminação de alimentos com resíduos acima dos limites permitidos. Assim, as pessoas que manipulam com produtos tóxicos devem tomar uma série de precauções no sentido de evitar sérios riscos a sua saúde e graves danos ao meio ambiente. As recomendações mais importantes são: Ler e entender as instruções do rótulo antes de abrir a embalagem. Se outras pessoas vão estar em contato com o produto durante sua utilização, alertá-los no sentido de tomarem conhecimento das precauções a serem adotadas; Seguir rigorosamente as instruções e as indicações dos rótulos e bulas dos produtos; Procurar manipular os produtos sempre ao ar livre; Guardar os produtos nas embalagens originais em locais separados de alimentos, longe do alcance de crianças e animais domésticos;

53 Em dias de ventos fortes, não realizar pulverizações porque ocorrerá muita deriva, tornando a aplicação antieconômica; Usar sempre água limpa para o preparo das soluções; Procurar não se alimentar, tomar líquidos ou fumar durante os trabalhos, evitando-se na medida do possível, todo contato direto com o produto; Lavar as mãos ou parte do corpo com sabão e bastante água sempre que, acidentalmente, entrar em contato com o produto; Usar o equipamento de proteção individual (EPI) de acordo com as recomendações; Nunca usar a boca para proceder o desentupimento de bicos, mangueiras, válvulas e barras do aparelho; Durante a aplicação, evitar que os operários trabalhem muito juntos; Evitar a aproximação de crianças ou outras pessoas e animais domésticos durante as aplicações; Conservar o produto sempre em sua embalagem original a qual, deve estar com a etiqueta legível; Evitar a contaminação de rios, lagos e mananciais ao aplicar o produto ou descartar os excedentes da aplicação; Nunca armazenar os produtos em garrafas de refrigerantes, cervejas, pinga etc; Imediatamente após o esvaziamento das embalagens, faça a tríplice lavagem, lavando-as internamente, por três vezes consecutivas, vertendo a água da lavagem no tanque do pulverizador; e, Após o término do trabalho com aplicação de agrotóxicos, retire a roupa, tome banho, e vista roupa limpa. Lave as roupas utilizadas separadamente. A tríplice lavagem de embalagens de produtos fitossanitários deve ser realizada durante a operação de preparo da calda, na ocasião em que o conteúdo da embalagem é totalmente despejado no tanque do pulverizador. Embora pareça óbvio, é importante salientar a importância de se realizar a tríplice lavagem imediatamente após o esgotamento do produto contido na embalagem para facilitar a remoção, aproveitar ao máximo o conteúdo líquido e evitar que o produto resseque e fique aderido nas paredes da embalagem, dificultando o processo de remoção dos resíduos internos. Também é importante destacar que, para permitir uma boa lavagem, a embalagem deve ser preenchida com água até atingir ¼ de sua capacidade, devendo ser novamente fechada, agitada por alguns segundos e, na seqüência, a calda resultante deverá ser despejada no tanque do pulverizador. Outro aspecto a ser observado, é que tal operação deverá ser repetida três vezes. Além dessas providências, é imprescindível que se tenha em mente, que após a tríplice lavagem, a embalagem deverá ser perfurada e inutilizada, para garantir que não será reutilizada para transportar água ou outras finalidades. Quando as embalagens de agrotóxicos são descartadas com a tríplice lavagem, os riscos de contaminação tornam-se bastantes reduzidos. Primeiros socorros: O pronto atendimento a uma pessoa intoxicada é fundamental para preservar a vida, e deve ser realizado ainda no campo se não houver recurso médico imediato. Os primeiros socorros são os seguintes: 1- retirar o paciente do local de trabalho; 2- Se a contaminação for por contato, tirar a roupa contaminada e lavar imediatamente as partes contaminadas do corpo com água fria e sabão. De preferência, tomar banho completo; 53

54 54 3- Contaminação dos olhos lavar com água limpa e corrente por 10 a 15 minutos; 4- Ingestão se o tóxico for ingerido, provocar vômito desde que recomendado no rótulo da embalagem; e, 5- Ingerir grande quantidade de água é geralmente benéfico para diluir o produto, facilitando a eliminação. Não deve ser administrado leite ou produtos alcoólicos. Nunca provocar vômito em pessoas inconscientes, semiconscientes ou em convulsão. Mesmo que tenha tomado as primeiras medidas de socorro, deve-se buscar imediatamente o atendimento médico. Sempre que possível, levar junto o rótulo do produto contendo nome, o ingrediente ativo, grupo químico e concentração. O CACAUEIRO NOS ECOSSISTEMAS DAS VÁRZEAS DOS ESTADOS DO PARÁ E AMAZONAS Luís Carlos de Almeida Aureliano Tavares de Góes Filho Antonio Carlos de Souza Martins As áreas de várzeas são planas e caracterizam-se por permanecer temporária ou permanentemente inundadas, pelos rios ricos em sedimentos organo-minerais, porém, sem interferência de água salina. Geralmente são solos férteis devido a esta constante deposição de matéria orgânica e nutrientes. Os Campos Equatoriais Higrófilos representam grande parte da área. Apresentam uma fisionomia campestre uniforme, caracterizada por solo com problemas de hidromorfismo, onde o alagamento periódico seleciona as espécies ecologicamente adaptadas, tais como: canarana (Panicum spp), aturiá (Machaerium lunatus), capim de marreca (Paratheria prostata), junco (Cyperus giganteus). Nas áreas mais altas (tesos), a vegetação é arbustiva, indicando melhor drenagem, onde se encontra o babaçu (Orbignya martiniana), em meio a vegetação arbustiva. Nas áreas de várzea predominam os Gleissolos (Glei Pouco Húmico), que são solos hidromórficos, pouco evoluídos, mediamente profundos, poucos porosos, extremamente a fortemente ácidos, originados de sedimentos recentes pertencentes ao Quaternário. São desenvolvidos sob grande influência do lençol freático próximo a superfície pelo menos em certas épocas do ano. Apresentam cores acinzentadas e neutras subsuperficialmente, possuindo seqüência de horizontes do tipo A e Cg ou A, Bg e Cg. Apresentam grande variação em decorrência da natureza do material de que são originados, podendo por conseguinte, apresentarem textura argilosa, muito argilosa, com elevada ou baixa saturação de bases e elevada ou baixa saturação com alumínio. Ocorrem na paisagem fisiográfica denominada Planície fluvio-marinha, pertencente ao Quaternário, sob vegetação campestre, floresta equatorial perenifólia de várzea, normalmente associados aos Plintossolos, solos Aluviais ou solos Salinos. Os solos Glei Pouco Húmico apresentam-se como álicos ou eutróficos com minerais de argila de atividade baixa e alta, o que demonstra uma correlação das características físico-químicas com a natureza dos sedimentos que dão origem a esses solos. Os Gleissolos Álicos com argila de atividade baixa, são de baixa fertilidade natural com ph variando de 3,9 a 4,7 até a profundidade de 40cm com média de ph = 4,3, valores esses considerados extremamente ácidos a fortemente ácidos. Os valores de soma de bases e saturação de bases trocáveis são muito baixos o que denota uma carência muito grande de nutrientes às culturas. O teor de fósforo também é muito baixo, limitando, ainda mais, o desenvolvimento das plantas.

55 O conteúdo de matéria orgânica desse solo é muito alto, variando de 24,6 a 99,4% na camada de 40cm com média de 62%, sendo responsável pela manutenção da nutrição das plantas cultivadas nessas áreas. Este fato ocorre pela deposição de sedimentos que anualmente ocorre por ocasião das enchentes e marés. A textura desse solo é dominantemente muito argilosa, embora superficialmente, até a profundidade de 15cm, apresenta textura média. Esses solos ocorrem na Planície Fluvial e em menor proporção nas margens dos rios que se encontram no interior do Município de Cametá. Já no tocante aos Glei Pouco Húmico eutróficos, trata-se de solos férteis, com alta saturação de bases trocáveis, decorrentes dos valores médios de cálcio e altos de magnésio, porém os valores de potássio são baixos, demonstrando que apesar de serem eutróficos necessitam de complementação desse elemento. O mesmo acontece com o teor de fósforo que é muito baixo, necessitando, por conseguinte, de adubação fosfatada para promover o crescimento e produtividade das culturas. A atividade alta dos minerais de argila é a principal diferença entre esses solos, sendo responsável pela constante liberação de nutrientes às plantas. Dentro dessas características, estão enquadrados os ecossistemas das várzeas da Microrregião de Cametá Baixo Tocantins e do Estado do Amazonas. A Microrregião de Cametá que compreende os Municípios de Abaetetuba, Baião, Cametá, Igarapé-Miri, Limoeiro do Ajuru, Mocajuba e Oeiras do Pará se constitui em uma das mais tradicionais zonas produtoras de cacau da Amazônia, com maior destaque para os Municípios de Cametá e Mocajuba. Os trabalhos da CEPLAC na Região foram iniciados a partir de 1969 através de um acordo de colaboração técnica celebrado entre a CEPLAC e o Governo do Estado do Pará. No decorrer de 1970 a CEPLAC deu início as atividades de assistência técnica aos produtores da Região, com o propósito de capacitá-los a práticas de manejo visando incrementar o aumento de produtividade dos cacauais. Inicialmente foi priorizado um programa de implantação de cacaueiros híbridos nas várzeas, pois, segundo as observações e considerações dos técnicos responsáveis pela implementação do programa à época, as cheias eram de menor proporção e aconteciam em períodos espaçados, aspectos estes, considerados como não impeditivos a implantação e exploração das lavouras com cacaueiros. Porém, a partir de 1974 as grandes cheias do Rio Tocantins se registraram com maior freqüência, e com isso, passaram a comprometer de forma significativa a atividade, haja vista que tais fatos, contribuíram de forma direta para o fenecimento de um elevado número de cacaueiros, notadamente os híbridos plantados até Por conta desses acontecimentos, o programa do plantio em várzeas sofreu um processo de estancamento. De certa forma, podemos dizer que, somente a partir de 1984, com o funcionamento da Hidrelétrica de Tucuruí, a cacauicultura tradicional começou a experimentar um novo alento, com evidência do efeito da barragem no controle das cheias do Tocantins. Nas várzeas da Microrregião de Cametá observa-se que a exploração do cacaueiro está inserida de forma muito intensiva na cultura e economia do homem da região, pois, não obstante a maioria das áreas com cacauais apresentar tamanho inferior a 10 hectares, a renda auferida com a exploração desse produto, contribui com cerca de 70% na composição da renda familiar dos agricultores. Além disso, embora outras atividades também contribuam para a formação da renda familiar das populações ribeirinhas, entre as quais: a exploração do açaí, da seringueira, a coleta de sementes de andiroba e ucuuba, à exceção do açaí, as demais vêm perdendo importância comercial devido o processo de exploração continuar eminentemente extrativo. De acordo com informações fornecidas pelo Setor de Extensão Rural da CEPLAC/SUPOR, estima-se em hectares a área com cacau na Microrregião Cametá, sendo a quase totalidade constituída por material nativo da região. O Município de Cametá destaca-se entre os demais com 55

56 56 uma área de aproximadamente hectares e, constitui-se assim, no centro de produção e comercialização do produto no âmbito dessa Microrregião. Entretanto, nessas áreas de várzeas, por serem constituídas de cacaueiros nativos, são geralmente de idade desconhecida, apresentam baixo nível de manejo, possuindo uma densidade média que varia de 200 a 400 touceiras por hectare, com elevado número de troncos/touceiras e apresentam baixa produtividade (cerca de 150 a 200 kg/ha). Salvo algumas situações isoladas, persiste o processo de exploração em que o produtor apenas colhe os frutos, não dispensando nenhum trato cultural às plantações. Preocupada com essa conjuntura, e compromissada em alcançar uma produtividade capaz de elevar o nível de renda do produtor tradicional e, conseqüentemente, melhorar o seu padrão de vida, a CEPLAC, com base em observações e na experiência adquirida ao longo desses anos, vem orientando os agricultores em alguns aspectos concernentes ao manejo de cacauais, haja vista que em algumas áreas sob manejo intensivo existem resultados que dão conta de lavoura que se encontra com produtividade de 400 kg/ha, apresentando bom aspecto vegetativo e fitossanitário. Nesse sentido, os agricultores estão sendo orientados a renovar e implantar novos cacaueiros, a partir de sementes que embora sejam originárias de material nativo, são previamente selecionadas, levando em consideração características interessantes dos materiais, tais como: produção, vigor, resistência à vassoura-de-bruxa e pragas, boa conformidade arquitetônica etc. Além disso, os agricultores também estão sendo orientados para a importância de efetuarem as seguintes práticas de manejo: remoção de vassoura-de-bruxa, roçagem, escoramento dos cacaueiros, desbaste de touceiras de cacaueiros, a autorenovação a partir de brotos surgidos em plantas decadentes, o adensamento via plantio de mudas de cacaueiros nos espaços entre as velhas, bem como, o raleamento de sombra através do desbaste de plantas componentes do revestimento florístico da área. Já no que concerne a exploração do cacaueiro no ecossistema das várzeas do Estado do Amazonas, onde tal planta também se encontra em condições naturais de consórcio com várias espécies vegetais e cuja exploração também sempre foi uma tradicional fonte de renda complementar para as populações ribeirinhas, podemos destacar que, nessa região, a CEPLAC já desenvolve um trabalho bem mais sistematizado, com aplicação de técnicas simples, as quais constituem "o manejo integrado do cacaueiro no ecossistema das várzeas do Estado do Amazonas". O manejo integrado tem início no mês de Setembro logo após a descida das águas, quando são realizadas as práticas seguintes: Roçagem: para facilitar a penetração na área e possibilitar a realização das demais práticas; Controle da Vassoura-de-Bruxa; consiste na remoção das vassouras da copa (geralmente em pequena quantidade), vassouras de almofadas e dos frutos doentes presos às arvores, cujos materiais removidos podem permanecer na superfície do solo dentro das plantações; Controle da Podridão Parda: realizar colheitas freqüentes (15 em 15 dias) no período de máxima frutificação, meses de Abril a Junho;; Desbaste de touceiras: é grande a variação do número de chupões e troncos nas touceiras e para a realização dessa prática deve-se, além da eliminação dos chupões, observar os aspectos seguintes: não há uma quantidade definida do número de troncos/touceira, assim, o desbaste deve levar em consideração o equilíbrio da touceira e a não abertura de buracos na copa das plantas, pois isto permitiria maior penetração de luz e aumentar a incidência de vassouras; Raleamento de sombra: os cuidados para realização desta prática são os mesmos anteriormente citados, ou seja, luz em excesso eleva a brotação do cacaueiro colocando maior quantidade de tecidos suscetíveis para o fungo causador da vassoura-de-bruxa. Para melhor entendimento, o Quadro 21 demonstra o manejo integrado com as referidas práticas e épocas de realização.

57 57 Quadro 21. Manejo integrado do cacaueiro no ecossistema das várzeas do Estado do Amazonas. Práticas Épocas de realização J F M A M J J A S O N D Roçagem X Controle da Vassoura-de-Bruxa X Controle da Podridão Parda X Desbaste de touceiras X Raleamento de sombra X Colheitas X X X BENEFICIAMENTO DO CACAU Jefferson Carlos Dias O processo do beneficiamento primário do cacau visa a obtenção de um produto comercial de qualidade (Tipo I Amazônia) constituído de amêndoas fermentadas, secas, com o máximo de 8% (oito por cento) de umidade, com aroma natural, não contaminadas por odores estranhos e livre de matérias estranhas, admitindo-se a tolerância de alguns defeitos. O beneficiamento é executado em quatro etapas distintas: colheita, quebra, fermentação e secagem. a) colheita É a fase inicial do beneficiamento e deve ser planejada para colher exclusivamente frutos maduros, pois somente estes possuem açúcar em quantidade adequada para que se consiga uma boa fermentação; evitar a colheita dos frutos verdes ou verdoengos, e de frutos excessivamente maduros. As amêndoas de frutos verdoengos não fermentam satisfatoriamente, devido a falta de açúcares, ficando os cotilédones compactos, de cor violácea, provocando o defeito amêndoas violetas que apresentam um grave defeito devido ao sabor amargo, adstringente e elevada acidez. As amêndoas de frutos sobre-maduros não fermentam convenientemente, perdem aroma e gosto e possibilita o aparecimento de amêndoas germinadas que é um defeito que desclassifica o cacau para exportação. O instrumento utilizado na colheita é o podão, que possui duas superfícies cortantes as quais permitem ao operário proceder o corte no pedúnculo do fruto, evitando causar ferimento na almofada floral e nos galhos do tronco da planta. Nos meses de Junho a Agosto, épocas de maior concentração de frutos no ano, a colheita numa mesma roça de cacau deverá ser repetida no máximo a cada três semanas. Durante a colheita, como medida profilática, pode se retirar da árvore, os frutos doentes, secos e danificados e separá-los dos frutos sadios, evitando a disseminação de doenças. b) quebra Após a colheita os frutos deverão ser juntados em montes para posteriormente se proceder a quebra, que poderá ser realizada até o quinto dia após a colheita. Na quebra utiliza-se um pedaço de facão apropriado chamado cutelo, que não deve ser amolado, para não danificar as amêndoas. O golpe dado com o cutelo deve apenas atingir a casca, partindo-a em duas e expondo as amêndoas, que após serem desprendidas da placenta são depositadas em caixas de madeira ou baldes de plástico. A massa de cacau deve ser pura, isenta de amêndoas podres ou germinadas, casca, folhas e placenta, para que não haja prejuízo no processo de fermentação.

58 58 As amêndoas devem ser transportadas, sempre que possível, no mesmo dia para os cochos de fermentação. Caso não haja esta possibilidade, recomenda-se proteger a massa com folhas de bananeira, contra eventuais chuvas. Se após a quebra, a massa permanecer por um dia no campo, este será considerado como o primeiro dia da fermentação. Amêndoas resultantes de quebras realizadas em dias diferentes não devem ser misturadas sob pena de promover uma fermentação desuniforme, prejudicando a qualidade do produto final. As cascas devem ser amontoadas e afastadas dos troncos dos cacaueiros, tendo em vista que elas se constituem em foco de doença. c) fermentação A fase mais importante no processo de beneficiamento do cacau é a fermentação, durante a qual, ocorre a morte semente e o início da formação dos precursores do sabor e aroma de chocolate. Nos três primeiros dias do processo, ocorre a fermentação propriamente dita e daí por diante processa-se a cura. A fermentação se processa na polpa que envolve as sementes pela ação de microrganismos e a cura no interior das mesmas. Para o processo de fermentação recomenda-se a utilização de caixas de madeira (comumente chamadas de cochos) que poderão ter as seguintes especificações: Cochos Áreas maiores que 10 ha Áreas com até 10 ha Largura (m) 1,20 0,60 Altura ( m) 1,00 0,60 Comprimento* (m) Variável Variável * De acordo com o volume de produção As divisões no sentido do comprimento deverão ser móveis para facilitar o revolvimento da massa, podendo variar o número, de acordo com a quantidade de cacau a fermentar. O cocho de fermentação deverá possuir drenos abertos no lastro com diâmetro de 10 milímetros (ou 3/8 de polegada) para o escoamento do mel e aeração, espaçados entre si de 15 centímetros. Geralmente um metro cúbico de cocho suporta 800 kg de cacau mole. A massa de cacau recebida da roça, livre de impurezas, deve ser colocada nas divisões do cocho deixando-se aproximadamente uns 10 cm abaixo de sua altura total e deverá ser coberta com folhas de bananeira ou sacos de aniagem evitando-se o uso de plástico. A finalidade da cobertura da massa é evitar a perda de calor produzido pela fermentação e o ressecamento das amêndoas que ficam na superfície. No enchimento do cocho, com cacau mole, deve-se deixar uma das divisões vazias, para possibilitar o revolvimento da massa, que se processa no seguinte esquema: 1º revolvimento: 24 horas após o enchimento do cocho 2º revolvimento: 48 horas após o primeiro revolvimento 3º revolvimento: 24 horas após o segundo revolvimento 4º revolvimento: 24 horas após o terceiro revolvimento. No período seco do ano o cacau mole possui pouca mucilagem, e a fermentação deverá ser efetuada em 5 dias, com três revolvimentos. No período chuvoso, o cacau mole possui maior quantidade de mucilagem, exigindo maior tempo de fermentação, que deverá ser efetuada em seis dias, com quatro revolvimentos. O reconhecimento de um cacau bem fermentado é feito pela perda da polpa mucilaginosa, mudança de cor externa, que inicialmente é rosada e branca, passando para castanho no final da fermentação. Observa-se também, o resfriamento da massa de cacau no cocho.

59 d) secagem A finalidade principal da secagem é eliminar o excesso de umidade que, na amêndoa de cacau ao final da fermentação contém mais de 50%, teor que deve ser reduzido para menos de 8% para um armazenamento seguro do produto. A secagem pode ser feita através de dois processos: natural e artificial. SECAGEM NATURAL É a realizada através de ação direta dos raios solares. Neste processo utilizam-se barcaças onde a massa de cacau fermentada é espalhada no lastro, auxiliado por um rodo, com o intuito de expor as amêndoas à radiação solar nas mais diversas posições, proporcionando a perda de umidade de maneira uniforme. Esta massa espalhada sobre o lastro da barcaça deve ter espessura de no máximo 5 centímetros, para melhor revolvimento, que nos primeiros dias deve ser de 30 em 30 minutos. Durante à noite dos primeiros dias da secagem deve-se juntar as amêndoas em montículos, a fim de reduzir a superfície de exposição das amêndoas em contato com o ar, evitando-se a proliferação do mofo branco externo. A secagem se complementará entre seis a dez dias a depender das condições do tempo. Outro modelo já bastante utilizado na região produtora da Bahia é a ESTUFA SOLAR cuja vantagem principal é o baixo custo de sua construção. No Quadro 22 compara-se o desempenho dos vários modelos atualmente disponíveis e em uso na região cacaueira da Bahia e que podem perfeitamente ser recomendados e implementados na Amazônia. SECAGEM ARTIFICIAL A utilização de secadores tendo como fonte de calor a queima de lenha, gás, diesel etc, é uma necessidade do agricultor principalmente durante a época chuvosa ou ainda durante a maior concentração da colheita nas propriedades. A secagem artificial requer cuidados especiais pois a temperatura deve subir lentamente sem ultrapassar 55ºC, mantendo-se por todo período de secagem que se completa em torno de 30 horas. Temperaturas altas e bruscas torram as amêndoas tornando-as quebradiças, prejudicando assim a qualidade do cacau. A secagem rápida, mesmo que não chegue a torrar as amêndoas, poderá acarretar a perda acelerada de umidade da periferia, deixando a parte interior úmida, sujeita ao aparecimento do mofo interno. Tradicionalmente, na região produtora de cacau da Bahia, a secagem artificial vem sendo feita através do secador tubular que embora eficiente é de custo elevado. Basicamente consiste em uma construção de alvenaria tendo uma câmara de calor, no interior da qual fica um tubulão de ferro que transmite o calor produzido pela queima de lenha em uma fornalha. Acima da câmara de calor fica o lastro de secagem. Em conseqüência do alto custo do secador tubular e mediante a necessidade da secagem artificial, foram projetados outros tipos de secadores, principalmente em função das exigências do pequeno produtor. O secador PLATAFORMA CEPEC foi um dos protótipos desenvolvidos e que pode perfeitamente ser recomendado para a secagem do cacau com algumas vantagens sobre o secador tubular. 1. menor área de lastro construída; 2. maior carga por metro quadrado de lastro; 3. maior capacidade anual de secagem; 4. maior relação entre peso de cacau seco e peso de lenha gasta; 5. menor custo de instalação. Quase três vezes menor que o secador tubular; e 6. possibilidade de ser instalado debaixo de uma barcaça com redução de seu investimento inicial da ordem de 26,3%. Outro modelo concebido principalmente para atender ao pequeno produtor é o SECADOR BURAREIRO. É de construção artesanal e visa a utilização da própria mão-de-obra familiar. Possui 4 m 2 59

60 60 de lastro de chapa de ferro perfurada (2,0 x 2,0 metros) com dois tubos de ferro de 15cm de diâmetro interno cada, funcionando como trocador de calor. A cobertura é rústica, podendo ser de zinco, alumínio, fibrocimento e até sapé. O secador burareiro pela sua alta eficiência e custo relativamente baixo em relação aos outros modelos, atende plenamente às necessidades do pequeno produtor de cacau. Pode-se ainda utilizar, a combinação dos dois processos de secagem; inicialmente, as amêndoas de cacau são submetidas ao sol, por um período de dois a três dias, sendo o processo complementado, em secador artificial, por um tempo de 15 a 20 horas. Qualquer que seja o processo de secagem utilizado, o controle da umidade final deve ser feito com critério. Os fabricantes de chocolate preferem amêndoas com 6 a 7% de umidade. Amêndoas com uma percentagem de umidade mais elevada ficam susceptíveis a uma contaminação por mofos, nos armazéns, e com um teor mais baixo se tornam quebradiças, o que resulta num processamento industrial menos eficiente. Quadro 22 Desempenho comparativo entre os diversos secadores Características Unid Tubular 6 x 6 m Pinhalense SECADORES Plataforma CEPEC Fornalha de tijolos Burareiro Fornalha de ferro Área de lastro m ,80 m Carga de cacau mole Kg Peso seco Kg ,2 215,2 250 Relação peso seco/peso úmido % 53,7 55,2 53,8 53,8 53,8 50,0 Estufa solar Tempo secagem H ,0 45,0 58,0 32, dias Revolvimento H 2 em 2 mecânico permanente 4 em 4 2 em 2 2 em 2 1,5 em 1,5 Alimentação da fornalha kg/h Consumo lenha 1 m 3 1,9 2 2,55 2,55 0,31 0,11 - Cacau seco/ano 2 arroba * 267 ** Cacau seco/lenha kg/kg 1,21 0,97 1,40 1,15 3,36 - Eficiência % 17,6 12,2 17,7 16,5 41,8-1 Densidade da lenha = 600 kg/m 3 2 Secadores usados 36 vezes/ano (uma vez por semana durante 8 meses). Secadores usados 72 vezes/ano (duas vezes por semana durante 8 meses). ** Secadores usados 16 vezes/ano (duas vezes por mês durante 8 meses). ARMAZENAMENTO DE CACAU Jefferson Carlos Dias Um armazém para guardar amêndoas beneficiadas de cacau deve obedecer aos seguintes requisitos: ser construído em local seco a fim de diminuir a influência da umidade; ter o eixo maior orientado no sentido nascente poente; dispor de janelas de arejamento não só voltadas para a direção dos ventos dominantes bem como serem protegidas com telas de malha fina para evitar a entrada de insetos; as fundações devem ser sólidas e com camada impermeabilizante na parte superior para evitar infiltrações nas paredes durante o período chuvoso; e ser construído de modo a não deixar frestas ou outros pontos de acesso a roedores. Para manipulação do produto a granel com vistas a posterior ensacamento, o armazém deve ter um ou dois cantos revestidos de madeira ocupando 15 a 20% do piso e as paredes adjacentes até 1,5 a 2 metros de altura, também forradas de madeira.

61 Se o piso for de cimento, haverá necessidade de empilhar os sacos sobre estrados de madeira. A estocagem de cacau beneficiado por longo período na propriedade, não é aconselhável, pelos sérios prejuízos que poderá sofrer o produto armazenado. Assim, a estocagem não deve ultrapassar 90 dias, correndo o risco de desenvolvimento de mofo, ataque de insetos e roedores. Não se pode deixar de registrar ainda que dada as características especiais de conter muita gordura, as amêndoas de cacau absorvem odores com facilidade, dentre eles o cheiro de fumaça que constitui defeito grave e objeto de desclassificação do produto. Portanto, é necessário isolar as amêndoas de substâncias que exalem odores tais como inseticidas, fungicidas, tintas etc. As amêndoas de cacau a serem armazenadas deverão apresentar um teor de umidade entre 7 a 8%. Se as condições de armazenamento não forem adequadas, o cacau pode readquirir umidade e apresentar mofo externo. Nestes casos, após tratamento da testa das amêndoas por pisoteio, o produto deverá ser novamente seco. Para conservar o cacau seco por mais tempo é recomendável usar uma cobertura plástica sobre os sacos, para evitar a reabsorção da umidade ambiental e/ou embalar o cacau beneficiado em sacos plásticos e posteriormente ensacar em sacos de juta ou similar. Finalmente, porém não menos importante as janelas de arejamento deverão estar sempre abertas em dias ensolarados, no período de 9 às 16 horas. Durante à noite, deverão ser mantidas fechadas, bem como nos períodos chuvosos diurnos. As dimensões e capacidade globais do armazém são apresentadas no Quadro 23, em função da produção média da fazenda de cacau e de dois períodos máximos previstos de estocagem do produto. Quadro 23 Dimensões e capacidade dos armazéns Produção média da fazenda ano (t) Período de armazenamento (dias) Comprimento (m) Largura (m) Área para manipulação a granel (m 2 ) Capacidade estática global (sc. 60 kg) 7,5 15 3,0 2,2 5, ,0 2,5 5, ,0 15 3,0 2,6 5, ,5 2,8 5, ,0 15 4,0 3,0 5, ,5 4,0 5, ,0 15 4,5 4,1 5, ,0 5,2 5, ,0 15 6,0 5,2 6, ,0 7,0 9,5 945 Fonte: CEPLAC/CEPEC 61 PADRONIZAÇÃO DE AMÊNDOAS DE CACAU Miguel Guilherme Martins Pina João Marivaldo Silva de Sousa As normas que especificam os padrões para amêndoas de cacau são regulamentadas pelo Conselho Nacional de Comercio Exterior (CONCEX), de acordo com as exigências do mercado internacional. A Resolução de nº 161 de 20 de Setembro de 1988 aprova as especificações da padronização do cacau em amêndoas, visando a sua classificação e fiscalização na exportação. Quanto a Origem e Qualidade o cacau da Amazônia é denominado: Tipo I Amazônia Tipo II Amazônia

62 62 Quanto às Especificações da Padronização: Quadro 24 Especificações para classificação do cacau Amazônia. Tipo Umidade Mofadas Tolerância Máxima ao Contato Danificadas p/ insetos Chochas ou Ardósias e/ou germinadas achatadas Outros defeitos I * 8% 3% 3% 3% 2% 2% II * 9% 4% 8% 6% 3% 4% a) em mau estado de conservação; Refugo b) fortemente impregnado de odores estranhos de qualquer natureza; c) com qualquer defeito em percentuais superiores aos admitidos para o cacau do tipo II. * Com aroma natural, não contaminada por odores estranhos e livres de matérias estranhas. Quanto às Definições: Características: a) amêndoas fermentadas: I amêndoas de coloração marrom, mesmo com variações de tonalidade em toda superfície exposta, e com cotilédones facilmente separáveis; II amêndoas de coloração marrom, em mistura com as cores violeta, roxo ou púrpura, em pontos ou difusas na superfície exposta e com cotilédones separáveis. b) amêndoas secas: Uniformemente secas, com teor de umidade não superior aos indicados para cada tipo. Defeitos, pela ordem decrescente da sua gravidade: a) amêndoas mofadas: as que se apresentam, internamente, com desenvolvimento miceliar de fungos, visíveis a olho nu; b) danificadas por insetos: amêndoas em cuja parte interna são visíveis a olho nu estragos causados por insetos ou larvas; c) amêndoas ardósias: não fermentadas, de coloração cinzenta escura (cor de ardósia) ou roxas, com embrião claro e compactas; d) odores estranhos: amêndoas contaminadas por odores estranhos de qualquer natureza; e) amêndoas germinadas: as que se apresentarem com a casca furada pelo desenvolvimento do embrião; f) amêndoas chochas ou achatadas: as que se apresentarem com ausência de cotilédones, ou tão finas que não permitam o corte; g) amêndoas quebradas: as que se apresentarem partidas ou fragmentadas; h) impurezas: restos de polpa, fragmentos da placenta ou cordão central e de casca de fruto que, acidentalmente, possam acompanhar a amêndoa fermentada e seca; i) matérias estranhas: qualquer material estranho à semente ou ao fruto do cacau. Cascas, películas e outros desperdícios de cacau: Compreende as cascas, películas e resíduos de cacau que se separam das amêndoas durante seu beneficiamento; os germes de cacau; bem como os fragmentos e poeira da amêndoa de cacau. Quanto ao Certificado: Todo cacau em amêndoa destinado à exportação deverá estar amparado por Certificado de Classificação, obrigatório por ocasião do desembaraço aduaneiro.

63 O prazo de validade do Certificado do cacau em amêndoas será de no máximo 45 dias contados da data de emissão. Quanto a Embalagem e Marcação: O cacau destinado a exportação deverá ser acondicionado exclusivamente em sacos novos, limpos, resistentes, bem costurados e contendo um peso líquido de 60 kg de amêndoas. Nas Figuras 47 e 48 são apresentadas sementes com as três formas de fermentação bem como alguns defeitos que são encontrados como mofo interno e ardósia na fase de classificação. 63 Fig Amêndoas de cacau bem fermentada (a), pouco fermentada(b), mal fermentada(c). MÔFO INTERNO ARDÓSIAS Fig O môfo interno é conseqüência de cacau com excesso de umidade enquanto que ardósia é por falta de fermentação. APROVEITAMENTO DE SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DO CACAU Miguel Guilherme Martins Pina O processamento primário e a industrialização do cacau, geram quantidades apreciáveis de diversos subprodutos e resíduos, potencialmente exploráveis. Esse expressivo potencial de biomassa encontra-se disponível, em nível de fazenda e da indústria, para uso racional na recuperação de energia, produção de alimento e reciclagem da matéria orgânica no solo. O potencial de aproveitamento de subprodutos e resíduos baseia-se no fato de que menos de 8% do peso do fruto do cacaueiro, em estado normal de maturação, têm uso nas indústrias moageiras (Quadro 25), onde as amêndoas secas são transformadas em massa de cacau ou liquor e seus derivados, manteiga e torta de cacau.

64 64 Quadro 25 Valores aproximados de algumas características físicas do fruto do cacaueiro maduro e seus componentes. Fruto e componentes Peso % em relação ao Densidade (kg) Peso do Fruto (kg/m 3 ) Fruto 0, ,0 500,00 Casca 0, ,0 350,00 Semente 0, ,0 900,00 Grão seco 0, ,0 600,00 Amêndoa 0,0400 8,0 - Testa 0,0075 1,5 - Outros 0,0025 0,5 - Fonte: Freire et al., Outro aspecto importante a ser detectado, concerne ao aproveitamento de subprodutos como a polpa e resíduos como a casca fresca do fruto da pós-colheita do cacau, que se apresenta como uma oportunidade de diversificação de atividades da propriedade cacaueira (Figura 49). O aproveitamento de tais produtos pode refletir no aumento da receita do produtor e, portanto, devem ser avaliadas perante uma conjuntura de baixos preços da matéria prima principal, tanto em nível de mercado interno como externo. Existem amplos conhecimentos tecnológicos para o aproveitamento dessas matérias primas, necessitando somente que se continue incentivando sua utilização e mostrando-se as reais possibilidades de mercado para esses produtos. Figura 49 Sistema Integrado de Manejo da Propriedade Cacaueira. Fonte: CEPLAC, Cerca de 6 toneladas, em média, de casca fresca, oriundas do processo de quebra dos frutos, são produzidas anualmente por hectare, as quais não são aproveitadas. Normalmente são deixadas em montes nas plantações para que, após sua decomposição, sirvam como fertilizante para o cacaueiro. Apesar do seu conhecido valor como fonte nutricional essas cascas podem se constituir, em determinadas situações, fonte de inóculo de doenças como podridão parda e vassoura-debruxa. Requerendo portanto tratamento com produtos químicos, onerando ainda mais o custo de produção do cacaueiro. A casca do fruto do cacaueiro pode ser empregada na alimentação animal, ao natural, na forma de farinha de casca seca ou, ainda, como silagem; e na alimentação de peixes diretamente em viveiros ou na fertilização destes. Pode também ser utilizada na produção de biogás e fertilizante, no processo de compostagem, e vermicompostagem, em construções à base de solocimento, na obtenção de proteína microbiana ou proteína unicelular, no fabrico de doces do endocarpo, na produção de álcool e na extração de pectina, entre outros produtos. No arraçoamento de animais, a casca pode ser considerada como um volumoso de boa qualidade e um excelente substituto do capim de corte, tanto pela sua composição quanto pela sua palatabilidade. Tem um conteúdo de proteína bruta de 8,9%. Sua participação na dieta alimentar, no entanto, varia em função da espécie animal. Para ruminantes é de até 70%, para suínos de 20% e para aves 10%. Essas limitações são impostas pela baixa digestibilidade dos nutrientes desse resíduo, que está em torno de 35,5% e pelo seu alto teor de fibras que é de 28%, aproximadamente.

65 A casca tem sido usada, preferencialmente, desidratada e transformada em farinha. Entretanto, para se obter uma secagem mais rápida, quer ao sol, quer artificialmente, a casca do fruto do cacaueiro deve ser triturada, utilizando-se equipamento apropriado. A secagem artificial, ao impedir perdas por fermentação e apodrecimento, possibilita a obtenção de um produto de maior valor nutritivo. Quando misturada a outros subprodutos os percentuais de mistura deverão atender às recomendações técnicas de modo a constituir uma mistura eficiente e econômica. O uso da casca ainda fresca, para bovinos, é possível e mais econômico, pois elimina a operação de secagem, bastando apenas triturá-la antes de oferecê-la aos animais. É bem aceita e pode constituirse no único volumoso da dieta, sem nenhum problema de distúrbios alimentares. Requer apenas um período inicial de cerca de 2 semanas para a adaptação dos animais, quando estes devem ser alimentados com uma mistura, em partes iguais, de casca e capim. Praticamente todos os animais domésticos podem se alimentar com casca de cacau. O percentual com que se deve compor a dieta para cada espécie está intimamente relacionado com o nível de fibra e com a capacidade de digeri-la que essa espécie apresenta. A polpa mucilaginosa que envolve as amêndoas é rica em açúcares fermentecíveis, pectina, ácidos, e outros componentes e chega a representar até 40% do peso da semente fresca, a depender do tipo de cacau, da estação do ano e região. Todavia, durante o processo fermentativo, perde-se parte desse material, sob forma de líquido parcialmente fermentado, que é drenado da massa de cacau. Pode-se extrair de 20 a 25% da polpa das sementes, em relação ao peso das sementes do cacau fresco. Esse subproduto pode ser aproveitado em nível caseiro ou de fazenda em escala de pequena, média e grande indústria. Do mel e polpa das sementes do cacau pode-se obter geleiados da mistura destas duas matérias-primas, além de proteína microbiana; geléias, destilados, fermentados (a exemplo do vinho e vinagre) e xaropes de mel de cacau para a indústria de confeitaria. Além disso, a polpa pode ser também empregada na produção de sucos, néctares, sorvetes, doces, iogurtes etc. O aproveitamento da polpa de cacau como matéria-prima industrial apresenta a vantagem, quando comparada às outras frutas tropicais potencialmente aproveitáveis na região, por tratar-se de um produto abundante proveniente de uma cultura já estabelecida. Considerando-se que para uma produção anual de toneladas de cacau seco foram utilizadas toneladas de sementes, e que se pode extrair 20% da polpa presente nas sementes. Verifica-se que é possível a obtenção de toneladas de polpa integral, a qual pode vir a ser aproveitada, se processada industrialmente. O mel de cacau, parte líquida da polpa, pode ser obtido por prensagem e processado em nível de fazenda ou em microindústrias. Neste líquido não está presente nenhum material insolúvel em água e sua composição básica é água, açúcar (10 a 18%), ácidos não voláteis (ácido cítrico 0,77 a 1,52%) e pectina (0,9 a 2,5%). Mais recentemente, parte da polpa integral vem sendo extraída em máquinas apropriadas, conservada sob congelamento e comercializada para a elaboração de néctar ou refresco. O suco de cacau possui sabor bem característico, considerado exótico e muito agradável ao paladar, assemelhando-se ao suco de outras frutas tropicais, como o bacuri, cupuaçu, graviola, acerola e taperebá. É fibroso e rico em açúcares (glicose, frutose e sacarose) e também em pectina. Em termos de proteína e de algumas vitaminas, é equivalente ao suco de acerola, taperebá, goiaba e umbu. O suco de cacau difere do mel por ser obtido pela extração da polpa integral e se caracteriza pela presença de insolúveis com uma concentração de fibras na faixa de 0,7% que, junto com a pectina e outras gomas, confere ao produto alta viscosidade, com o aspecto pastoso de um fluido não newtoniano. O mel e a polpa, após a obtenção, devem ser processados imediatamente. Em caso de estocagem, para posterior utilização, a matéria-prima deve ser submetida a um tratamento preservativo, a exemplo de pasteurização, tratamento químico com metabissulfito de potássio ou congelamento. Para a fabricação de fermentados e destilados, o mel deve ser armazenado, se for o caso, à temperatura de 4 o C sem tratamento a quente. 65

66 66 É importante ressaltar que a produção de suco, mel, geléia e outros produtos para consumo humano requer o cumprimento de normas e da legislação pertinentes, as quais são bastante restritivas e exigentes com relação, principalmente, à higiene do processo de obtenção e às características qualitativas desses produtos. A norma mais restritiva, entre todas as existentes, é a rejeição pelo consumidor, diante de um produto em estado de conservação que deixa a desejar. Desta forma, o aproveitamento de subprodutos tem como requisitos: pessoal capacitado e presença do proprietário em todas as fases do processamento até a entrega ao comerciante. Durante a comercialização, cuidados devem ser tomados para que não ocorram perdas de aceitabilidade do produto, devido à negligência de terceiros. O Quadro 26 mostra os rendimentos das operações de processamento dos subprodutos do cacau, em termos de uma produtividade média de 750 kg de cacau seco por hectare, aproveitandose 85% da colheita anual e, também, em função dos aumentos de eficiência de algumas práticas, conseguidos com o desenvolvimento da pesquisa. Quadro 26 Rendimentos normais das operações de utilização de subprodutos de cacau com referência a uma produtividade anual de 750 Kg do produto seco por hectare. Produto e subprodutos Amêndoas secas Semente fresca Mel de cacau Geléia Vinagre Destilado Polpa Suco congelado Néctar Geleiado Fonte: Freire et al., Rendimento por hectare 750 kg 1875 kg 200 litros 150kg 180 litros 25 litros 300 a 400 litros 300 a 400 litros 600 a 800 litros 200 a 300 litros Não se pode deixar de registrar ainda que a casca do grão obtida após o processo de torrefação na indústria, pode ser usada no preparo de chá, extração de pectina e theobromina; como ração animal, adubo orgânico e fonte de energia; através de sua combustão em geradores de calor como fornalhas e caldeiras. Entretanto, apesar da reconhecida importância econômica da casca e da polpa do cacau, a semente ainda é o principal produto gerador de riquezas. A sua maior utilização sem dúvida nenhuma, é na fabricação do chocolate, nas diversas formas (Fig. 50). No Brasil o alimento obtido da mistura de cacau tostado, descascado e moído (liquor de cacau) com açúcar, é denominado de chocolate. Na Colômbia e outros países é utilizado com toda a sua Fig Chocolate gordura na forma de suspensão aquosa quente (chocolate de mesa). Na Europa e América do Norte a bebida predileta é na forma de chocolate em pó (instantâneo); este produto é obtido através da prensagem do liquor de cacau para extração de uma parte da gordura ou manteiga, triturando-se posteriormente a torta resultante. No Brasil é bastante utilizado na forma de chocolate em pó, também para confecção de bebida. Possivelmente não exista outra guloseima de maior aceitação no mundo, por parte do público, que a obtida pela mistura de "liquor" de chocolate com leite, açúcar, manteiga de cacau, essências e outros ingredientes (ex. as barras de chocolate e os bombons). O consumo mundial de barras de chocolate e bombons alcança volumes significativos, especialmente na Europa e Estados Unidos onde as indústrias de confeitaria têm se desenvolvido bastante. Em 1996 o consumo "per capita" de chocolate no mundo, por continente, era o seguinte: Europa Ocidental 2,42 kg, Europa Oriental 0,85 kg, Ásia 0,68 kg (não incluindo a China), África 0,13 kg e nas

67 Américas 1,33 kg, sendo que no Brasil se consumia em média 1,94 kg. A média do consumo mundial, tabulada no ano agrícola de 95/96, era de 1,02 kg / pessoa (não incluindo a China). O produto cacau é considerado um bem de acesso restrito aos consumidores de renda elevada. Assim, os principais demandantes estão localizados nos países do primeiro mundo, onde o fator variável de renda não é limitante para o seu consumo. O principal uso da manteiga de cacau se encontra na fabricação de chocolate. Também existe um amplo consumo na indústria farmacêutica e na de cosméticos. Para a fabricação de sabões finos se utiliza a gordura de cacau extraída por solventes. O valor energético dos produtos de cacau é extraordinário por seu grande conteúdo de gorduras assimiláveis e de carboidratos. A bebida preparada com leite ou as barras de chocolate que o contém, pode se considerar quase como um alimento completo, além de se caracterizar por um sabor muito agradável. A barra de chocolate é bastante energética, daí sua venda maciça em países rigorosamente frios ou com estações frias. O valor nutritivo e energético do chocolate é indiscutível; 100 gramas equivalem em valor alimentício a seis ovos ou três copos de leite, ou 220 gramas de pão branco, ou 750 gramas de peixe ou ainda 450 gramas de carne bovina. Tem-se dito que o chocolate é de difícil digestão. Na realidade o que ocorre é que as gorduras contidas neste (ácidos graxos: palmítico, olêico e esteárico) são de absorção mais lenta, o que implica na sensação de satisfação alimentar por um maior tempo. No cacau em pó encontramos as vitaminas A, B1 (Tiamina), B2 (Riboflavina) e B5 (Ácido nicotínico), além de ferro e fósforo na forma assimilável. A cafeína e theobromina, presentes no chocolate, têm propriedades estimulantes e terapêuticas bastante notáveis. 67 ENFOQUES SOBRE CACAUEIROS EM SISTEMAS AGROFLORESTAIS Antonio Carlos de Gesta Melo Paulo Júlio da Silva Neto Antonio Carlos de Souza Martins Os sistemas agroflorestais então relacionados com a eficiência de utilização do espaço vertical, devido a presença de espécies de diferentes portes e a potencialização para otimizar a captura de energia solar e com a simulação de modelos ecológicos encontrados na natureza em relação a estrutura, formas de vida e conservação do meio ambiente. Assim, como ocorre em uma floresta natural, os sistemas agroflorestais estabelecem mecanismos de proteção contra a compactação, lixiviação e erosão do solo, como também propicia uma eficiente ciclagem de nutrientes, guardadas as devidas proporções de diversidade. As principais interações dos sistemas agroflorestais com os recursos ambientais referem-se ao microclima e ao solo, e à maneira como os componentes devem ser arranjados, de forma a não competirem seriamente pelos mesmos recursos do meio, muito embora os sistemas agroflorestais não sejam um simples arranjo espacial ou temporal de espécies e sim, formas de uso e manejo dos recursos naturais. O cultivo de espécies associadas ou combinadas em fileiras, faixas, renques ou alamedas alternadas, denominadas de sistema alley cropping, é um modelo específico dentro do universo agroflorestal, e foi idealizado como alternativa para conter a agricultura itinerante. Porém, muitos fatores podem interferir na performance de um alley cropping : a escolha das espécies (arbóreas e não arbóreas), a largura das fileiras ou faixas, a produção de biomassa, o número de ciclos das colheitas, a época e freqüência das podas, o preparo do solo, a fertilização e a dinâmica das plantas daninhas no local. Para atender os agricultores esse sistema está condicionado, também, além de sua adequação estrutural e ambiental, ao valor dos seus componentes, que devem ser de elevada expressão econômica e a sua capacidade de complementação ecológica. O objetivo maior da

68 68 agrossilvicultura é maximizar as interações positivas, tanto entre os componentes como em relação ao meio físico. A lavoura cacaueira deve ser vista como um sistema agroflorestal, onde os modelos, o manejo do cultivo e da sombra oferece maior sustentabilidade social, econômica e ambiental. Não obstante, ressente-se de mais informações sobre as interações biológicas no ambiente agroflorestal, arranjos espaciais, densidade de sombra, silvicultura que permita melhorar a qualidade da madeira, e o uso de novas espécies madeireiras, frutíferas e para outros propósitos úteis para cada região, sem se perder a perspectiva de mercado dos produtos, já que este condiciona e em muitos casos determina a sustentabilidade econômica do sistema agroflorestal com cacaueiros. As plantações diversificadas de cacau podem parecer um bosque natural e são capazes de proteger o solo, conservar a água e manter uma alta diversidade, e ainda também oferecer outros serviços como o seqüestro de carbono (5 t/ha/ano) sem ter que prescindir de uma produção agrícola. Ademais, é necessário quantificar os serviços que prestam uma plantação de cacaueiros em sistemas agroflorestais para incrementar ganhos aos produtores. Os sistemas agroflorestais, com o cacaueiro, apresentados a seguir, resultam de ações de pesquisas realizadas nos últimos anos, bem como de experiências bem sucedidas desenvolvidas por agricultores em diversas regiões na Amazônia: Sistema Seqüencial com Pimenta-do-Reino Trata-se do sistema praticado por produtores de pimenta-do-reino (Piper nigrum) na região Nordeste do Estado do Pará, no Município de Tomé-Açu. Este sistema surgiu em conseqüência do aparecimento da enfermidade conhecida como fusariose, causada pelo fungo Fusarium solani f.sp. piperis, que a partir de 1957 começou a dizimar as plantações de pimenta-do-reino. Quando as pimenteiras começam a apresentar os primeiros sintomas da doença, substituía-se, gradualmente, a plantação decadente por outros cultivos permanentes ou semipermanentes, como cacau, café, seringueira, guaraná, mamão, maracujá e outros. Neste sistema, tanto os cacaueiros quanto os demais componentes da comunidade vegetal, atingem a fase produtiva sem que sejam necessárias adubações adicionais, em virtude de se beneficiarem dos pesados esquemas de fertilização dado às pimenteiras. O plantio da pimenta-do-reino está sendo realizado pelos produtores nos seguintes espaçamentos: 2,0 x 2,0 x 3,0 m ; 1,8 x 2,0 x 4,0 m ; 2,5 x 2,5 m ou 2,0 x 2,0 m, prevendo-se, futuras associações com outros cultivos, e até mesmo fazendo-se o plantio de espécies arbóreas e frutíferas no mesmo momento do plantio da pimenta-do-reino. Para o cacau, neste sistema se usa o espaçamento de 4,0 x 5,0 m ; 4,0 x 4,0 m e de 5,0 x 5,0 m, dependendo do espaçamento inicial utilizado com a pimenta-do-reino. Atualmente, alguns produtores de Tomé-Açu (PA) já estão fazendo o plantio da pimentado-reino em conjunto com espécies arbóreas e outros cultivos e estão obtendo sucesso. Um dos esquemas mais comuns, dentre outros, é o seguinte: Pimenta do reino - 2,0 x 2,0 x 3,0 metros; Cacaueiro - 4,0 x 5,0 metros; e Seringueira - 5,0 x 8,0 metros.

Questão Resposta Argumentação

Questão Resposta Argumentação Questão Resposta Argumentação "Pequena propriedade" tem diversas interpretações. E de acordo com o Novo Código Florestal (Lei Lei 12.651, de 25 de maio de 2012 e Lei 11.326, de 24 de julho de 2006), associa-se

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum.

DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum. DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum. Maria Geralda de Souza; Olívia Cordeiro de Almeida; Aparecida das Graças Claret de Souza Embrapa Amazônia Ocidental, Rodovia AM-010,

Leia mais

UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS II CULTURA DO CAFEEIRO CLIMA E SOLOS. Profª Fernanda Basso

UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS II CULTURA DO CAFEEIRO CLIMA E SOLOS. Profª Fernanda Basso UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS II CULTURA DO CAFEEIRO CLIMA E SOLOS Profª Fernanda Basso FATORES CLIMÁTICOS IMPORTANTES Temperatura Precipitação Luminosidade Crescimento e

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Os polos irrigados do Estado do Ceará são seis, conforme relacionados: Baixo

Leia mais

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL Fase 1: Produção de Mudas e Recomendações de Adubação no Viveiro 1. Sistemas de Produção de Mudas de eucalipto e pinus Mudas em saquinhos Atualmente, os recipientes mais

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

Curso de Produção de Mudas Nativas. 9:30 a 11:00

Curso de Produção de Mudas Nativas. 9:30 a 11:00 Curso de Produção de Mudas Nativas 9:30 a 11:00 Solano Martins Aquino Diretor Presidente e fundador do Instituto Brasileiro de Florestas, biólogo, pesquisador e produtor de mudas florestais. Desenvolve

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA NESTA AULA SERÁ ABORDADO Importância de conservar o solo e sua influência sobre as plantas As formas e métodos de conservação do terreno Como combater

Leia mais

PROCESSAMENTO DE CACAU E FABRICAÇÃO DE CHOCOLATE

PROCESSAMENTO DE CACAU E FABRICAÇÃO DE CHOCOLATE PROCESSAMENTO DE CACAU E FABRICAÇÃO DE CHOCOLATE CARACTERÍSTICAS DA PLANTA O nome de Chocolate provém da palavra original dos astecas: Xocoatl, contudo o seu nome moderno é "Theobroma Cacao", que traduzindo

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura do Pepino Nome Cultura do Pepino Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura do Pepino Luiz

Leia mais

Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*)

Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*) Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*) RELATÓRIO SOBRE O MAPEAMENTO ADICIONAL DE AGROPECUÁRIA ÁREA COMPREENDIDA POR 18 MUNICÍPIOS DA ÁREA LIVRE DE AFTOSA DO PARÁ REALIZADO

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA Informações sobre o plantio do eucalipto no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta COLETA DE SOLO NA

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL. USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO -

III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL. USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO - III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL Vitória (ES), 06 de novembro de 2014 USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO - Adonias de Castro Virgens

Leia mais

MOGNO BRASILEIRO. "Mogno resssurge no cerrado mineiro

MOGNO BRASILEIRO. Mogno resssurge no cerrado mineiro MOGNO BRASILEIRO A valiosa madeira mogno está sendo cultivada no norte de MG. Cresce rápido, e agricultores já a veem como futura fonte de lucro. Vejam: "Mogno resssurge no cerrado mineiro A valiosa madeira

Leia mais

SISTEMAS AGROFLORESTAIS

SISTEMAS AGROFLORESTAIS SISTEMAS AGROFLORESTAIS O que é Sistema Agroflorestal? Sistema agroflorestal é uma forma de uso da terra na qual se combinam espécies arbóreas lenhosas (frutíferas e/ou madeireiras) com cultivos agrícolas

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Imbatíveis em seu crescimento rápido, os eucaliptos são fonte de matériaprima para uma série de produtos de primeira necessidade, presentes em todas as

Leia mais

II Simpósio de Mecanização. na Cultura do Cacau

II Simpósio de Mecanização. na Cultura do Cacau PRODECAU BRASIL - MAPA - CEPLAC II Simpósio de Mecanização na Cultura do Cacau Instalação de: 12 fábricas de chocolate; 12 usinas de beneficiamento de borracha; 325 unidades de extração de óleo de pequeno

Leia mais

RENDIMENTO DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DA REGIÃO DO MARAJÓ, PARÁ

RENDIMENTO DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DA REGIÃO DO MARAJÓ, PARÁ Área: Genética e Melhoramento RENDIMENTO DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DA REGIÃO DO MARAJÓ, PARÁ Sonia Maria Botelho 1 ; João Elias Lopes Rodrigues 2 ; Raimundo Nonato Teixeira

Leia mais

Fatores de cultivo CLIMA:

Fatores de cultivo CLIMA: Fatores de cultivo CLIMA: Os fatores climáticos influenciam de forma acentuada o desenvolvimento dos PMAC, bem como a produção dos princípios ativos. Estes fatores podem influenciar isoladamente ou em

Leia mais

Governo do Estado da Bahia Governador Jaques Wagner

Governo do Estado da Bahia Governador Jaques Wagner Cartilha 2007 Governo do Estado da Bahia Governador Jaques Wagner Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos SEMARH Secretário Juliano Matos Chefe de Gabinete Adolpho Ribeiro Netto Diretor Geral Wesley

Leia mais

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto José Henrique T. Rocha José Henrique Bazani Eduardo S. A. C. Melo José Leonardo de Moraes Gonçalves Departamento de Ciências Florestais ESALQ - USP Conceitos:

Leia mais

Passo a Passo Para Pequenos Produtores Produzirem Mudas Com Qualidade

Passo a Passo Para Pequenos Produtores Produzirem Mudas Com Qualidade PRODUÇÃO E PLANTIO DE MUDAS NATIVAS DA CAATINGA (através de sementes) ELABORAÇÃO MAGNUM DE SOUSA PEREIRA Engº Agrônomo Coordenador de Projetos da Associação Caatinga FUAD PEREIRA NOGUEIRA FILHO Graduando

Leia mais

Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta)

Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta) Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta) CULTURA DA MANDIOCA (Manihot esculenta subsp esculenta) 1 - Características É um arbusto perene, pertencente à família botânica Euphorbiaceae, planta

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

7.16.3 Fornecimento e plantio de palmeiras das espécies Palmeira Fênix (Phoenix roebelenii), Palmeira-rabo de raposa (Wodyetia bifurcata).

7.16.3 Fornecimento e plantio de palmeiras das espécies Palmeira Fênix (Phoenix roebelenii), Palmeira-rabo de raposa (Wodyetia bifurcata). Página 41 de 83 Grama amendoim - Arachis repens / Família: Fabaceae Origem: Brasil / Tipo: Forração / Cultivo: Deve ser cultivado a pleno sol ou meia-sombra, em solo fértil e preferencialmente enriquecido

Leia mais

10/12/2015. 01/02/2016 Show Rural Coopavel 2016 Cascavel - PR 07/03/2016 Expodireto 2016 Não-Me-Toque - RS 11/04/2016 TecnoShow Comigo 2016

10/12/2015. 01/02/2016 Show Rural Coopavel 2016 Cascavel - PR 07/03/2016 Expodireto 2016 Não-Me-Toque - RS 11/04/2016 TecnoShow Comigo 2016 1 de 7 10/12/2015 13:34 a Esqueceu a senha? Quero me cadastrar 10/12/2015 Palavra-chave Busca Avançada 01/02/2016 Show Rural Coopavel 2016 Cascavel - PR 07/03/2016 Expodireto 2016 Não-Me-Toque - RS 11/04/2016

Leia mais

ALERTA QUARENTENÁRIO. MONILÍASE DO CACAUEIRO (Moniliophthora roreri)

ALERTA QUARENTENÁRIO. MONILÍASE DO CACAUEIRO (Moniliophthora roreri) ALERTA QUARENTENÁRIO MONILÍASE DO CACAUEIRO (Moniliophthora roreri) O agronegócio do cacau é um dos mais importantes para o Brasil por envolver cerca de 50.300 famílias, responsáveis pela geração de 500.000

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama... Página 1 de 7 Olericultura A Cultura da Mandioca de Mesa Nome Cultura da Mandioca de Mesa Produto Informação Tecnológica Data Julho -2002 Preço - Linha Olericultura Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

SIPAM Sistema de Proteção da Amazônia Centro Técnico e Operacional de Porto Velho. PROBACIAS Bacia do rio Boa Vista Ouro Preto do Oeste

SIPAM Sistema de Proteção da Amazônia Centro Técnico e Operacional de Porto Velho. PROBACIAS Bacia do rio Boa Vista Ouro Preto do Oeste SIPAM Sistema de Proteção da Amazônia Centro Técnico e Operacional de Porto Velho PROBACIAS Bacia do rio Boa Vista Ouro Preto do Oeste PROBACIAS Sistema de Proteção da Amazônia Sipam Centro Técnico e Operacional

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 MAPEAMENTO DE ÁREAS COM BAIXO RISCO CLIMÁTICO PARA IMPLANTAÇÃO DO CONSÓRCIO MILHO COM BRACHIÁRIA NO ESTADO DE GOIÁS Fernando Antônio Macena da Silva¹, Natalha de Faria Costa², Thaise Sussane de Souza Lopes³,

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO

PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Idealizadores: Elias Alves de Souza Neusa Esperândio Santos Suporte e material: Lucas Marllon R. da Silva O CULTIVO ORGÂNICO Vamos conhecer e compreender

Leia mais

Como formar seu Gramado

Como formar seu Gramado Como formar seu Gramado Nada menos que mil pés de grama convivem em cada metro quadrado de um gramado. E, ao contrário de uma horta ou canteiro, onde o solo pode ser revolvido, corrigido e enriquecido

Leia mais

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos COMPOSTAGEM Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos Produzir adubo na propriedade rural é uma prática fácil porque a matéria prima a ser usada éobtida de resíduos orgânicos como o lixo doméstico

Leia mais

Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura

Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura CONFEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO BRASIL Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura Camila Soares Braga Assessora Técnica Bem estar humano F ood F resh water F uel F iber A gente não

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA AGROFLORESTAL NO SÍTIO SÃO JOÃO EM SÃO CARLOS.

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA AGROFLORESTAL NO SÍTIO SÃO JOÃO EM SÃO CARLOS. EIXO TEMÁTICO: Tecnologias PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA AGROFLORESTAL NO SÍTIO SÃO JOÃO EM SÃO CARLOS. Gabriella de Oliveira Daniel 1 Julia Lopes da Silva 2 Lorena Gamboa Abadia 3 Marina Ferracioli

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Manfred Willy Müller Fisiologia Vegetal, Ph.D.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Manfred Willy Müller Fisiologia Vegetal, Ph.D. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Manfred Willy Müller Fisiologia Vegetal, Ph.D. Pesquisas em andamento na Ceplac Manfred Willy Müller Eng. Agro. Ph.D. Centro de Pesquisas do Cacau GENÉTICA

Leia mais

Região Norte e Amazônia não são sinônimos

Região Norte e Amazônia não são sinônimos REGIÃO NORTE Região Norte e Amazônia não são sinônimos Não existe uma Amazônia, e, sim, várias. Amazônia Internacional: região natural coberta pela floresta Amazônica, que se estende por alguns países

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO E STADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL- SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS EMENTÁRIO:

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1293

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1293 Página 1293 CULTIVAR BRS NORDESTINA EM SISTEMA DE POLICULTIVO NA AGRICULTURA FAMILIAR DO MUNICÍPIO DE ESPERANÇA-PB - SAFRA 2009 1Waltemilton Vieira Cartaxo- Analista Embrapa Algodão, 2. José Aderaldo Trajano

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=125>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Recuperação de áreas degradadas com tração animal em Rondônia Ricardo Gomes de Araújo

Leia mais

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Introdução Nas décadas de 40 e 50 o Estado de São Paulo foi um dos maiores produtores nacional de palmito juçara atingindo praticamente 50% da produção nacional. Atualmente

Leia mais

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO Paulo Henrique Caramori, Armando Androcioli Filho, Francisco Carneiro Filho, Dalziza de Oliveira, Heverly Morais, Alex Carneiro Leal e Jonas Galdino.

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

A EXTENSÃO, A FLORESTA E A SUSTENTABILIDADE DA PROPRIEDADE RURAL

A EXTENSÃO, A FLORESTA E A SUSTENTABILIDADE DA PROPRIEDADE RURAL A EXTENSÃO, A FLORESTA E A SUSTENTABILIDADE DA PROPRIEDADE RURAL A questão da PRODUÇÃO florestal madeireira nos Sistemas tradicionais de exploração de Propriedades Rurais Paranaenses. Importância: crescente

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1 CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL Sebastião Renato Valverde 1 A economia do setor florestal brasileiro até o ano de 1965 era pouco expressiva, tanto que as atividades de

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

Rede Amazônia Sustentável. Pesquisas sobre vegetação

Rede Amazônia Sustentável. Pesquisas sobre vegetação Rede Amazônia Sustentável Pesquisas sobre vegetação > Quem somos A Rede Amazônia Sustentável (RAS) é formada por mais de 30 instituições de pesquisa e universidades que, em parceria com a sociedade civil,

Leia mais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Ativos do Campo - Nº 04/2013 Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Mesmo sendo as plantações florestais intensivas em utilização de mão de obra, sobretudo em regiões montanhosas,

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Regulamenta dispositivos da Lei no 11.428, de 22 de dezembro de 2006, que dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica.

Leia mais

Adaptação à mudança do clima*

Adaptação à mudança do clima* Agropecuária: Vulnerabilidade d e Adaptação à mudança do clima* Magda Lima - Embrapa Meio Ambiente Bruno Alves - Embrapa Agrobiologia OCB Curitiba Março de 2010 * Apresentação baseada em artigo publicado

Leia mais

Utilização de Composto Orgânico na Adubação de Plantas

Utilização de Composto Orgânico na Adubação de Plantas Utilização de Composto Orgânico na Adubação de Plantas Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Ministro: Jorge Alberto Portanova Mendes Ribeiro

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.854 DE 29 DE ABRIL DE 2009

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.854 DE 29 DE ABRIL DE 2009 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.854 DE 29 DE ABRIL DE 2009 Aprova o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia

Leia mais

No Brasil o Mogno Africano tem se mostrado bem adaptado dentro dos seguintes parâmetros:

No Brasil o Mogno Africano tem se mostrado bem adaptado dentro dos seguintes parâmetros: Origem: Mogno Africano é o nome comum dado a várias espécies do gênero Khaya, no Brasil são plantadas 03: Khaya ivorensis- A. Chev 1909. Ocorrência natural na África Ocidental, Costa do Marfim, Gana, Togo,

Leia mais

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS!

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! UMA OPORTUNIDADE DE PRODUZIR ALIMENTOS SAUDÁVEIS PARA CONSUMO E VENDA! ELABORAÇÃO: ENG. AGRÔNOMO MAURO LÚCIO FERREIRA Msc. CULTIVO DE HORTALIÇAS Agosto- 2006 ÍNDICE POR

Leia mais

Ações de Controle de Pragas do Cacaueiro

Ações de Controle de Pragas do Cacaueiro Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento de Sanidade Vegetal Ações de Controle de Pragas do Cacaueiro O cacau no Brasil: sua importância Programa

Leia mais

SAF no Estado do Amazonas - Brasil. Acácia Neves - INCRA

SAF no Estado do Amazonas - Brasil. Acácia Neves - INCRA SAF no Estado do Amazonas - Brasil Acácia Neves - INCRA Sistemas Agroflorestais no Estado do Amazonas - Brasil SAF mais ocorrentes 1. Quintais (Várzea e Terra Firme) - Alta diversidade de espécies, em

Leia mais

parcial de dotações orçamentárias, indicados nos anexos I e II desta Lei e nos montantes especificados.

parcial de dotações orçamentárias, indicados nos anexos I e II desta Lei e nos montantes especificados. LEIN 1666, DE 8 DE AGOSTO DE 26. Autoriza o Poder Executivo a abrir crédito adicional suplementar até o montante de R$ 7.797.9, em favor da Secretaria de Estado da Agricultura, Produção e do Desenvolvimento

Leia mais

Data: 05/10/2012 Assunto:

Data: 05/10/2012 Assunto: Veículo: Refrescante Data: 05/10/2012 Assunto: Manejo Integrado de Pragas promove cafeicultura sustentável http://refrescante.com.br/manejo-integrado-de-pragas-promove-cafeicultura-sustentavel.html Os

Leia mais

RELATORIO QUANTITATIVO

RELATORIO QUANTITATIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA RELATORIO QUANTITATIVO PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA O Programa de Aquisição de Alimentos - PAA, tem como finalidades

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 03/2011 Número de mudas plantadas: 150 (Cento e cinquenta) Data do plantio: 22/03/ 2011 Data da vistoria 01: 15/05/ 2011 Patrocinadores: Agência Ar - Hotel

Leia mais

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

Fruticultura. A Cultura do Maracujá. Nome Produto. Data. Fruticultura A Cultura do Maracujá

Fruticultura. A Cultura do Maracujá. Nome Produto. Data. Fruticultura A Cultura do Maracujá 1 de 7 10/16/aaaa 11:36 Fruticultura A Cultura do Maracujá Nome Produto Data Cultura do Maracujá Informação Tecnológica Julho-2001 Preço - Linha Fruticultura Informações resumidas Resenha sobre a Cultura

Leia mais

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD I. O PROBLEMA DE DESENVOLVIMENTO E PROBLEMAS IMEDIATOS ENFOCADOS A conversão da floresta primária na Amazônia ameaça a biodiversidade e libera estoques

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO DE SEMENTES FORRAGEIRAS

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO DE SEMENTES FORRAGEIRAS O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO DE SEMENTES FORRAGEIRAS Tomás Lérisson da Silva Augusto Hauber Gameiro 1. INTRODUÇÃO A semente forrageira tem amparo legal conforme a Lei n o 10.711, de 05 de agosto de 2003

Leia mais

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA 1º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA Maia Barnabé Sambongo Dir. Fazenda Quizenga TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA ÁREA DE 1º ANO 1. Supressão Vegetal

Leia mais

3 Plantio e Semeadura

3 Plantio e Semeadura 3 Plantio e Semeadura 1 Plantio Éo ato de se colocar mudas ou partes vegetativas no solo para a instalação de determinada cultura. Exemplos: - Cana-de-açúcar; - Mandioca; - Arroz no cultivo com transplantio

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura Júlio César C de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Sumário 1. História do café no Brasil 2. Conceitos e legislação

Leia mais

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ Área: Solos e Nutrição de Plantas CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ João Elias Lopes Rodrigues 1 ; Sonia Maria Botelho

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

Tecnologia da produção de fumo

Tecnologia da produção de fumo Tecnologia da produção de fumo ESALQ - USP Produção Vegetal Prof. Dr. José Laércio Favarin Sistemática e origem L 40º N N Equador CH 3 Alcalóide: nicotina L - 40º S Planta de fumo pertence a família Solanaceae,

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS Carlos Henrique A. Affonso & Luiz Gustavo Bento de Freitas Eng. Agrônomos; Verdyol Hidrosemeadura Ltda; São Paulo SP. vhl@uol.com.br 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA PRODUÇÃO DE MELANCIA E CENOURA COM FINANCIAMENTO EM ANAPOLIS GO

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA PRODUÇÃO DE MELANCIA E CENOURA COM FINANCIAMENTO EM ANAPOLIS GO ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA PRODUÇÃO DE MELANCIA E CENOURA COM FINANCIAMENTO EM ANAPOLIS GO Fernanda Martins Dias 1 ; Simone Janaína da Silva Morais 1 ; Ricardo Caetano Rezende 2 1 Licenciada

Leia mais

SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR - SEAF

SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR - SEAF SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR - SEAF PRODUZINDO COM SEGURANÇA O Seguro da Agricultura Familiar - SEAF foi criado pelo Governo Federal para que o produtor possa desenvolver sua lavoura com segurança, atendendo

Leia mais

6 Exploração florestal ATENÇÃO!

6 Exploração florestal ATENÇÃO! 6 Exploração florestal 6.1 O que depende de autorização ambiental? Uso alternativo do solo Toda intervenção na cobertura vegetal nativa (ou seja, desmatamento com ou sem destoca, raleamento ou brocamento

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

Roteiro de visita a campo

Roteiro de visita a campo Roteiro de visita a campo 4Fs Brasil - The Forest Dialogue (TFD) 11-14 Novembro 2012, Capão Bonito, Brasil Dia 1 Domingo, 11 de Novembro 8:00 Saída dos hotéis 8:30 Chegada ao IDEAS e informações sobre

Leia mais

PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro*

PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro* PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro* *não dispensa aconselhamento técnico 1 Avaliação da aptidão do solo, água e clima Fertilidade do

Leia mais

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Everto Geraldo de MORAIS 1 ; Chrystiano Pinto de RESENDE 2 ; Marco Antônio Pereira RESUMO LOPES

Leia mais

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha 1 de 6 10/16/aaaa 11:54 Olericultura A Cultura do Morango Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre a Cultura

Leia mais

MANDIOCA: da plantação a colheita

MANDIOCA: da plantação a colheita 1º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC MANDIOCA: da plantação a colheita PhD. Eng. Agrônomo Pascoal Muondo Técnico de Sistemas de Produção de Mandioca IIA Estação Experimental Agrícola de Malanje Índice 1. Origem

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

Projeto aposta no cultivo da seringueira em consorcio com pupunha como fonte de renda e sustentabilidade

Projeto aposta no cultivo da seringueira em consorcio com pupunha como fonte de renda e sustentabilidade Projeto aposta no cultivo da seringueira em consorcio com pupunha como fonte de renda e sustentabilidade De acordo com dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, apenas os estados de

Leia mais

Café, Manga e Embaúba

Café, Manga e Embaúba Laranja Café, Manga e Embaúba CAFÉ + CEDRO AUSTRALIANO Café + Macadâmia - Viçosa - MG Café + Nativas - Simonésia - MG SISTEMAS SIMULTÂNEOS Cacau sombreado Cacau + seringueira (sul da Bahia) Sistema cabruca

Leia mais