A promessa do lean na área da saúde*

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A promessa do lean na área da saúde*"

Transcrição

1 A promessa do lean na área da saúde* Dr. John S. Toussaint e Leonard L. Berry, PhD** Resumo Uma necessidade imperativa na área da saúde norte-americana é melhorar a qualidade e a eficiência e, ao mesmo tempo, controlar custos. Uma abordagem de gestão promissora implementada por algumas instituições líderes da área da saúde é o lean, uma filosofia de melhoria da qualidade e um conjunto de princípios originários da Toyota. Alguns casos revelam que o lean é tão aplicável em trabalhos intelectuais complexos quanto em linhas de montagem. Quando bem executado, o lean transforma a maneira como uma organização trabalha e leva a uma busca insaciável por melhoria. Neste artigo, definimos lean e apresentamos seis princípios que constituem a dinâmica essencial dessa maneira de gerenciar: postura de melhoria contínua, criação de valor, unidade de propósito, respeito pelos colaboradores da linha de frente, acompanhamento visual e regimento flexível. Estudos de caso da área da saúde ilustram cada princípio. O objetivo deste artigo é proporcionar um modelo para que líderes da área da saúde utilizem ao considerar a implementação do sistema de gestão lean ou ao avaliar o estado atual da implementação em suas organizações. Cirurgiões pediatras da Seattle Children s competem para realizar cirurgias na nova clínica Bellevue por causa do fluxo eficiente de pacientes, dos familiares e da equipe médica. O tempo clínico, definido como o momento em que curativos são colocados em um paciente ao momento da incisão em outro, é cinquenta por cento menor do que o de operações parecidas realizadas no centro de cirurgia principal do campus. As operações começam no tempo estipulado em noventa e nove por cento das vezes. Mais de noventa por cento dos pacientes e familiares dão ao centro de cirurgia Bellevue um nove ou um dez para o atendimento global. O ThedaCare, sistema de saúde integrado de Wisconsin, reduziu o custo total das internações em vinte e cinco por cento e melhorou a satisfação dos pacientes de maneira que quase todos atribuem nota máxima. Depois de cinco anos funcionando, nenhum erro de conciliação de medicamentos ocorreu para pacientes em unidades hospitalares servidas por uma equipe médica que continha um farmacêutico. 1 Os colaboradores do departamento de otorrinolaringologia da clínica Christie, em

2 Champaign, Illinois, começam cada dia com uma reunião para identificar problemas e discutir soluções em potencial. O ritmo diário das reuniões, que incluem médicos, melhorou as comunicações internas e o trabalho em equipe. Em menos de um ano após começar as reuniões, o tempo de espera para consultas diminuiu em vinte e oito por cento, a capacidade departamental melhorou em dez por cento sem que houvesse aumento no quadro de pessoal, e a satisfação dos clientes melhorou de 4.3 a 4.7, em uma escala que vai de 1 a 5. A liderança das reuniões muda semanalmente entre o pessoal do departamento. O que conecta essas três instituições são suas jornadas de implementação de uma filosofia de melhoria da qualidade e um conjunto de princípios originado na Toyota Motor Company, comumente referido como lean. Os três sistemas de saúde apresentados e tantos outros, claramente, demonstraram que a abordagem lean é tão aplicável e útil em trabalhos intelectuais complexos quanto em linhas de montagem. Experiências anteriores no sistema de saúde com o lean revelam, também, a natureza ardilosa da jornada. 2 O lean não é um programa, um conjunto de ferramentas de melhoria da qualidade, um conserto rápido ou uma responsabilidade que pode ser delegada. Ao contrário, o lean é uma transformação cultural que muda a forma de uma organização trabalhar; ninguém fica à margem da busca pela descoberta de como melhorar o trabalho diário. Isso exige novos hábitos, novas habilidades e, muitas vezes, uma nova atitude por toda a organização, da gestão sênior aos prestadores de serviço da linha de frente. O lean é uma jornada, não um destino. Ao contrário de programas específicos, o lean não tem um final. Criar uma cultura lean é criar um apetite insaciável pela melhoria; não há como voltar. Como o consultor lean Joan Wellman declara: Com o lean, você continua mudando sua definição de o que bom quer dizer. 3 A aparição das histórias de sucesso do lean na área da saúde, um ambiente que muda rapidamente e que necessita de qualidade e eficiência melhoradas, a tendência de revelar publicamente os dados de desempenho da saúde 4,5 estão convergindo para encorajar os líderes da área da saúde a considerar o lean em suas instituições. Nenhuma organização ou clínicos da área da saúde estão imunes às pressões simultâneas para melhorar a qualidade e reduzir os custos. Como antigo administrador da Centers for Medicare & Medicaid Services e fundador do Institute for Healthcare Improvement, Dr.

3 Donald Berwick declara: A única forma de resgatar a saúde norte-americana é melhorando-a... Sabemos o que fazer melhor atendimento, melhor saúde, menor custo. 6 O crescente interesse da área da saúde no lean resulta em apressar algo que não pode ser apressado, compreender mal o que não é facilmente entendido e investir pouco em algo que exige investimento constante e multifacetado. Tentativas de até mesmo definir o lean têm sido elusivas. O pessoal da área da saúde encontrou várias versões do lean. Contaram-nos que é um treinamento de cinco dias de um lado e a mudança cultural de todo um sistema de outro. Neste artigo, aplicamos nossas experiências coletivas em liderar uma transformação lean no ThedaCare, em visitar mais de cem sistemas da área da saúde que aplicam o lean (J.S.T.) e em nossa longa carreira de pesquisas de qualidade de serviço dentro e fora da área da saúde (L.L.B.) para definir o lean e apresentar seus princípios essenciais. Os princípios são ilustrados por estudos de caso da área da saúde com base em informações fornecidas pelas instituições apresentadas, visitas pessoais e comunicações de seguimento. Nosso objetivo é proporcionar um modelo para que líderes da área da saúde utilizem ao considerar a oportunidade que o lean oferece a suas instituições ou ao avaliar o estado atual da implementação em suas organizações. Definição e Princípios do Lean Influenciados pelo trabalho de Womack e Jones, 8 definimos lean na área da saúde como um compromisso cultural de uma organização de aplicar o método científico ao projeto, ao desempenho e, continuamente, à melhoria do trabalho feito por equipes de pessoas, levando a, mensuravelmente, melhor valor para pacientes e outras partes interessadas. O lean é um sistema operacional composto de seis princípios que constituem a dinâmica essencial da gestão lean. Não seguir qualquer desses princípios significa não aproveitar todo o potencial do lean para beneficiar as partes interessadas da organização. Princípio 1: lean é atitude de melhoria contínua A melhoria contínua tem sua base em um princípio introduzido por Shewhart 9 e refinado pelo pioneiro de melhoria de qualidade, Edward Deming. O ciclo Deming é a base do Plan-Do-Study-Act (PDSA), uma doutrina central do lean. 10 A abordagem

4 PDSA é um método científico aplicado no trabalho diário: definindo uma hipótese explícita e mensurável sobre como um processo pode ser melhorado, testando, objetivamente, a hipótese e, se a melhoria acontecer, tornando o processo melhorado em trabalho padrão até o tempo no qual novas melhorias possam ser demonstradas. 11 O pessoal da área da saúde é familiar com o método científico na forma de estudos doubleblind controlados para testar novos tratamentos. O lean utiliza a mesma abordagem básica de medição toda vez que um novo processo é superior a um que está sendo utilizado. Para o lean entrar em uma organização e transformar sua cultura para uma de melhoria contínua, a gestão sênior deve renunciar à função de solucionadora de problemas mestre em favor daqueles que estão mais próximos dos problemas a serem resolvidos para aproveitar o benefício de seu conhecimento do processo local, para dála experiência na utilização dos métodos lean, para enxergar, em primeira mão, a melhoria de desempenho e o trabalho em equipe que isso pode criar e para promover uma atitude de que o que existe pode, provavelmente, ser melhorado. Membros das equipes, clínicas ou não, que recebem encorajamento, treinamento e tempo para fazer melhorias significativas em como o trabalho é feito não vão querer, provavelmente, voltar a um período quando o esforço formalizado para melhorar processos existentes estava fora de seu domínio de responsabilidade. Conforme membros da equipe ganham confiança em suas habilidades de resolução de problemas e conforme presenciam mudanças positivas, o ímpeto para melhorar ainda mais o trabalho provavelmente aumenta. Esse é o lean em seu melhor; colaboradores continuam a elevar o nível, a organização torna-se muito mais inovadora, mais colaboradores desejam ser envolvidos diretamente e uma atitude de melhoria contínua torna-se a força propulsora por trás de todo o trabalho. No centro médico St. Jude em Fullerton, Califórnia, uma equipe reconheceu um problema significativo no agendamento de radiologias. O tempo médio de espera no telefone era de vinte minutos, com uma taxa que variava entre dezessete e vinte por cento de quedas de ligação. Um processo baseado no PDSA conhecido como melhoria rápida levou a mudanças que incluíram uma reunião do pessoal toda manhã para monitorar e discutir as métricas do tempo de espera, o volume de ligações, a taxa de queda de ligações, entre outros tópicos. A equipe resolve os problemas do dia anterior e antecipa problemas para o próximo dia. Em qualquer momento do dia, qualquer membro da equipe pode pedir uma reunião se problemas de desempenho aparecerem.

5 Tal reunião permite à equipe identificar e resolver problemas. O volume total de ligações cresceu enquanto o tempo de espera foi reduzido a menos de um minuto, e a taxa de quedas de ligações, a menos de três por cento sem que houvesse novas contratações. Princípio 2: lean é pra criar valor A área da saúde é para os pacientes; seus recursos, direta ou indiretamente, devem ser utilizados para beneficiá-los. O objetivo fundamental do lean na área da saúde é gerar valor para pacientes. Com isso, as outras partes interessadas da área da saúde também são beneficiadas. Menos erros de medicação, menos infecções hospitalares, menos tempo de enfermagem longe da cama, menos tempo de preparação da sala de cirurgia, melhor comunicação sobre pacientes na equipe de atendimento e menor tempo de resposta para emergências não beneficiam apenas pacientes, mas também médicos, enfermeiras, organizações da área da saúde, contribuintes e a comunidade. O valor na área da saúde tem sido conceituado como resultados obtidos por dólar gasto 12 e resultados obtidos por dólar ao longo do tempo. 13 Os pacientes, entretanto, tipicamente enxergam valor de maneira mais ampla, já que os benefícios recebidos de encargos a suportam. 14 Os encargos incluem tanto custos monetários quanto não monetários. Os benefícios versus os encargos incluem resultados médicos e custos financeiros, mas se estendem além dessas construções para, também, incluir as percepções dos pacientes de toda a experiência na área da saúde. A sensibilidade de um clínico na resposta às perguntas dos pacientes, uma cirurgia que começa na hora marcada e um centro médico quieto e calmo podem ser auxiliares aos resultados médicos, mas podem ser ainda importantes para percepção de valor dos pacientes. Em contrapartida, a insensibilidade de um clínico, uma operação atrasada e um centro médico que aumenta o estresse podem ser encargos não monetários significativos em na avaliação de valor dos pacientes. 15,16 Melhorias mensuráveis em processos devido a intervenções do lean, idealmente, deveriam envolver um efeito benefícios versus encargos em todas as partes interessadas afetadas. Quem é afetado pelos processos alterados e de que forma? Os benefícios aumentam? Os encargos aumentam? Essas são as questões que a gestão lean robusta deve responder. Mapeamento do fluxo de valor é a principal ferramenta lean utilizada para distinguir entre etapas em um processo que geram ou não valor (Figura 1). Uma equipe de

6 trabalho cria um mapa visual de cada fase de um processo existente para melhor entendê-lo (por exemplo, o estado atual). Entender claramente o estado atual é essencial para melhorá-lo, e criar uma representação detalhada do processo facilita o entendimento. Um mapa de fluxo de valor difere de outros mapas ao combinar fluxo de informação com fluxo de materiais e pessoas; isso permite à equipe enxergar, mais claramente, o estado atual de um sistema complexo e oferece diretrizes para melhoria. Ao estudar um mapa de fluxo de valor, a equipe pode fazer perguntas como: Por que fazemos esta etapa?, O paciente estaria disposto a pagar por esta parte do processo se tivesse escolha?, Existe uma alternativa mais eficiente ou efetiva?, Quais fases do processo são mais vulneráveis a erros?. Figura 1: exemplo de mapa de fluxo de valor O mapeamento do fluxo de valor exige atenção aos detalhes; cada etapa distinta em um processo deve ser capturada no mapa. O lean é, primariamente, sobre especialização em detalhes, isto é, desempenhar melhor muitas tarefas pequenas e criar valor pelo efeito cumulativo de pequenas melhorias. O ThedaCare tem uma sala de reuniões que contém um grande e bem detalhado mapa das experiências dos pacientes durante sua internação hospitalar. O processo de admissão envolve cento e vinte e quatro etapas, o processo de demissão, cento e quarenta. Esse mapa passou por sete estágios de refinamento até o momento. Muitas equipes interfuncionais trabalham com diferentes partes do mapa na busca pela melhorias mensuráveis. Uma equipe, por exemplo, tem trabalhado na redução das taxas de readmissão do hospital ao melhorar o processo de alta. A sala do mapa de fluxo de valor do hospital é onde dezenas de colaboradores do ThedaCare trabalham em várias melhorias que as equipes buscam para, profundamente, entender o estado atual do sistema de atendimento do hospital com o objetivo de criar mais valor aumentando os benefícios e reduzindo os encargos para todas as partes interessadas. 17 Em serviços perioperatórios em oito hospitais-membro da New York City Health e da Hospital Corporations, a gestão reconheceu a necessidade de uma estrutura diferente para auxiliar na melhoria. Para empenhar equipes interdisciplinares da linha de frente na aplicação de ferramentas lean, um sensei (professor) externo treinou os facilitadores lean internos em cada local para projetar e liderar melhorias. Essas equipes procuraram reduzir as transferências de pacientes e as etapas em testes pré-operatórios para que,

7 mais vezes, o primeiro processo começasse na hora certa, para reduzir o tempo de resposta entre casos e para reduzir o desperdício na procura de materiais e o potencial para erros causados por estoques mal administrados. Antes das melhorias, o facilitador e os gerentes da área coletavam dados para estudar as etapas do processo, os tempos de ciclo, o fluxo e as transferências de pacientes para, então, elaborar uma precisa definição sobre o problema. Durante quatro ou cinco dias de melhorias rápidas, as equipes revisaram o problema, mapearam o estado atual e o que desejam alcançar, descreveram o estado ideal (perfeição) e analisaram a lacuna (gap) entre o estado atual e o que desejam alcançar, desenvolveram, testaram e implementaram soluções bem sucedidas e estabeleceram as métricas necessárias para garantir o alcance do estado que desejam alcançar. Resultados como os da primavera de 2012, incluem: Porcentagem de procedimentos que começam na hora marcada aumentou de 50% para 70%; Número de cirurgias aumentou de 329 para 351 ao mês; Tempo de resposta na sala cirúrgica caiu de 60 para menos de 40 minutos; Porcentagem de casos remarcados devido a atrasos caiu de 21% para 4,4%; Cirurgias canceladas no dia caíram de 7% para 3% dos casos totais. Princípio 3: lean é unidade de propósito Porque organizações da área da saúde são sistemas complexos, é difícil para o pessoal saber quais tarefas são mais importantes. Corretamente executado, o lean clarifica prioridades e guia o pessoal no trabalho de melhoria. O trabalho lean é focado; as prioridades governam o investimento em recursos voltados para a melhoria. Um papel chave da gestão sênior no lean é priorizar e comunicar claramente um pequeno número de categorias de metas estratégicas que são relevantes para toda a organização e que têm maior chance de fortalecê-la e criar valor para as partes interessadas. Idealmente, todos os projetos de melhoria lean devem se ajustar ao quadro estratégico. Projetos de melhorias específicas (o como ) ajudam a organização em suas categorias de metas priorizadas (o o quê ). A gestão utiliza um processo chamado catchball. Do CEO ao supervisor da linha de frente, uma série de conversas está, constantemente, ocorrendo. Essas conversas são documentadas em uma simples folha de papel e alteradas cada vez que surgem ideias diferentes dos membros da equipe. Nessa folha (chamada de A3, simplesmente para denotar o tamanho do papel), a

8 experiência e as condições atuais são documentadas para a estratégia sendo estudada. Uma declaração estratégica é desenvolvida e metas são estabelecidas. As oportunidades do mercado que a estratégia está tentando aproveitar são identificadas e contramedidas são sugeridas. Finalmente, um plano é estabelecido. No processo catchball, não é incomum ter quinze rascunhos de A3, indicando que muitas pessoas foram envolvidas na definição da nova estratégia. 18 Essa comunicação circular na organização cria consenso, entendimento e empenho nas prioridades. 19 As organizações lean muitas vezes utilizam o termo simbólico norte verdadeiro e a expressão visual para comunicar e reforçar prioridades estratégicas. O quadro de representação do norte verdadeiro do ThedaCare (Figura 2) coloca o paciente no meio de um triângulo e as categorias de metas estratégicas nas pontas. Duas métricas são utilizadas para mensurar progresso para cada categoria de meta e uma para o paciente, que é uma pontuação de fidelidade do cliente. Essa figura específica aparece nos quadros de trabalho de melhoria em quase todos os departamentos e unidades pelo sistema ThedaCare de hospitais, clínicas e escritórios administrativos. As muitas equipes que conduziram melhorias rápidas de quatro dias todas as semanas no ThedaCare mostram como seus trabalhos auxiliam no quadro de representação do norte verdadeiro no quinto dia, quando apresentam suas descobertas em uma reunião de colaboradores chamada Report Out. O centro médico St. Jude definiu seu norte verdadeiro como Atendimento Perfeito, Comunidades Saudáveis e Encontros Sagrados. Atendimento Perfeito é traduzido como iniciativas e métricas específicas para internação, ambulatório e áreas de apoio. O foco do Atendimento Perfeito na área de cuidados intensivos é a eliminação da pneumonia associada à ventilação mecânica. Antes da melhoria rápida, o pessoal da área de cuidados intensivos acreditava que estava fazendo o possível para prevenir esse tipo de pneumonia. A melhoria mostrou o contrário e o pessoal implementou um quadro de gestão visual em cada quarto no qual o paciente recebia assistência ventilatória. Nesse quadro, ímãs vermelhos e verdes eram invertidos a cada duas horas, conforme medidas de prevenção eram executadas. Essa técnica permitiu aos colaboradores determinar, rapidamente, potenciais falhas nas medidas de prevenção. A equipe de atendimento, regularmente, revê evidências clínicas e discute qualquer falha nas medidas de prevenção. A unidade de cuidados intensivos não teve, até hoje, nenhum

9 caso evitável de pneumonia associada à ventilação mecânica por mais de três anos, o resultado da unidade de propósito por volta de um norte verdadeiro métrico. Princípio 4: lean é respeito pelas pessoas que fazem o trabalho Um sistema de liderança e gestão lean difere de um hierárquico, no qual gerentes e supervisores de níveis superiores dizem aos colaboradores de níveis mais baixos o que e como fazer. Esse é, talvez, o maior desafio da implementação do lean em muitas organizações: as pessoas no comando precisam mudar muito para que uma cultura lean se desenvolva. Segurança e Qualidade * Sistema de pacotes *Mortalidade evitável; de segurança do *Readmissão de 30 dias. paciente; * DART. Cliente Pontuação de Fidelidade do Cliente Pessoas Administração Financeira * Índice de comprometimento; * Margem operacional; * Ferramenta de avaliação da saúde. * Produtividade. Figura 2: Quadro de representação do norte verdadeiro da ThedaCare. DART indica dias restantes, restritos e transferidos e é uma fórmula de Segurança Ocupacional e Administração de Saúde para acompanhar as lesões e doenças dos colaboradores. O lean, em consenso, vira a liderança de cabeça para baixo, com colaboradores da linha de frente fazendo muitas das inovações e gerentes confiando e apoiando-os. O respeito pelo potencial dos colaboradores da linha de frente tem o poder mental e o compromisso de melhorar o trabalho que deve permear a organização. O respeito flui para baixo, não apenas para cima. Nas organizações lean, os gerentes de níveis superiores apoiam os melhoradores ao visitar, regularmente, o local de trabalho (ou Gemba, na linguagem lean) para aprender, em primeira mão, sobre os problemas e barreiras da melhoria, ao tornarem-se professores e modelos funcionais de melhoria da qualidade e ao investir na educação, treinamento de habilidades e ferramentas necessárias para que colaboradores da linha de frente sejam efetivos no trabalho de melhoria. A gestão deve esforçar-se para criar um ambiente seguro para inovação, atacando processos, e não pessoas para que os membros da equipe não sintam medo de relatar problemas. 3 Organizações lean da área da saúde, muitas vezes, comprometem-se a reter e, se necessário, a requalificar colaboradores cujas posições são eliminadas por causa de ganhos de produtividade ou inovações estruturais. Tal política alivia as preocupações dos colaboradores perderem seus empregos.

10 Liderar uma transformação lean pelo topo da organização demanda perseverança (porque contratempos são inevitáveis, assim como a resistência) e humildade (porque o lean expõe muitos problemas, alguns dos quais são causados pelos próprios líderes). O lean tem o potencial para transformar a organização em uma comunidade de inovadores. Entretanto, isso só pode acontecer em uma cultura de respeito. O sistema de saúde Martin, sediado em Stuart, Florida, teve um incidente em seu hospital satélite, no qual uma enfermeira do departamento de emergência (ED) não conseguiu localizar, rapidamente, uma bomba de infusão (IV) para um paciente. Tempo crítico foi gasto antes que a bomba fosse localizada. Esse incidente levou a uma avaliação compreensiva dos processos de atendimento de enfermagem. Uma descoberta foi que cada enfermeira gastava, em média, trinta e oito minutos por transferência procurando pelo equipamento necessário. Se o equipamento não estava disponível, mais tempo era gasto esperando para que fosse providenciado. O efeito nos pacientes foi menos tempo de enfermagem e menor quantidade de tratamentos atrasados. O pessoal da enfermagem pensava que nunca haveria bombas suficientes e que a solução era pedir mais. Conceitos lean foram aplicados para determinar se existia uma escassez e, em caso afirmativo, quantas bombas eram necessárias. O hospital tinha um estoque de quinhentas e oito bombas de infusão para trezentas e quarenta e quatro camas. Considerando a taxa nacional de 1.2 bombas por cama, existia, na verdade, um excesso de noventa e seis bombas. O problema não era a escassez, mas a falta de um procedimento para enfermeiras terem acesso às bombas rápida e facilmente. A falta de procedimento levou à acumulação de bombas não utilizadas, o que agravou o problema. Para melhorar, o sistema de saúde Martin instalou supermercados de equipamentos em unidades de enfermagem. Os supermercados tinham todos os equipamentos necessários para unidades específicas, por exemplo, bombas IV, bombas de analgesia controladas pelo paciente, bombas de alimentação, dispositivos de compressão sequencial e alertas de cama. O trabalho padrão foi desenvolvido para facilitar a disponibilidade do equipamento necessário. As prateleiras do supermercado de equipamentos eram codificadas e numeradas com a quantidade de itens por cor: verde indica que o suprimento é adequado, amarelo, que o suprimento precisa de reabastecimento e vermelho, que é necessário ligar imediatamente para reabastecer o item. Essa melhoria de processo reduziu o tempo de enfermagem médio gasto com a coleta de equipamento para menos de um minuto, contribuindo na economia de dinheiro em espécie e em ganhos de produtividade. Por exemplo, quando o uso de uma medicação é descontinuada, a bomba IV é limpa e retornada ao supermercado de equipamentos. Ao melhorar o uso ou turnos das bombas IV, o hospital foi capaz de substituir o estoque atual de bombas com cem unidades a menos, o que produziu uma economia direta de trezentos mil dólares. O tempo total de enfermagem gasto com a coleta de suprimentos foi reduzido em trinta e quatro horas por dia.

11 Muitos departamentos colaboraram com o desenvolvimento, teste e refinamento do processo de fluxo de equipamentos de enfermagem, incluindo o de enfermagem, o de gestão de materiais, o de limpeza e o de descontaminação. Esses membros da equipe tornaram-se uma comunidade de inovadores para descobrir uma forma melhor de garantir que o equipamento hospitalar essencial estaria disponível onde e quando fosse necessário ao mesmo tempo em que minimizaria o desuso do equipamento. Um resultado adicional na Martin: enfermeiras pararam de acumular bombas IV. Princípio 5: lean é visual Centros de acompanhamento visual existem em vários lugares em um hospital ou clínica lean. Esses centros de acompanhamento são visualizações de informações montadas nas paredes de áreas reservadas a colaboradores. Sua proposta é múltipla: apresentar dados de desempenho diário e sua tendência em métricas chave (por exemplo, métricas de satisfação do paciente, custo e qualidade), servir de local dedicado para que qualquer membro da equipe possa comunicar um problema que precisa de atenção ou postar uma ideia de melhoria, organizar toda informação de melhoria relevante em um único lugar (incluindo projetos que ainda não começaram, em progresso e completos), servir de local para reuniões, tanto marcadas como de improviso e para simbolizar uma cultura de transparência. Uma visão comum em uma instalação lean da área da saúde é reunião do pessoal em frente a um centro de monitoramento com o líder da reunião, continuamente, referindo-se à informação postada. Essa prática é conhecida como working the wall. A instrução do centro de acompanhamento visual está sempre mudando e, portanto, é comum utilizar caneta marca-texto apagável, lápis ou notas adesivas para apresentá-la. Sempre que os quadros de aviso convencionais do local de trabalho tornam-se obsoletos porque a instrução, ou não é relevante ou, raramente muda, o que ocorre com frequência, a conversa é mais produtiva usando os centros de monitoramento lean; a instrução é dinâmica e relaciona-se diretamente com o pensamento do pessoal em termos de quão bem se está providenciando o que os pacientes precisam e querem. Quando a Seattle Children s construiu sua nova clínica e centro de cirurgia Bellevue, utilizou o Projeto de Instalação Integrado, um processo baseado na abordagem de Processo de Planejamento de Produção da Toyota. O Projeto de Instalação Integrado traz um conjunto diverso de interessados para o planejamento antes que uma pá sequer entre no chão. O envolvimento antecipado das partes interessadas, tipicamente, resulta em menos pedidos de alterações de projeto e uma construção mais eficiente. Durante o planejamento, a Seattle Children s trouxe enfermeiras, médicos, equipes de apoio, pacientes, arquitetos, projetistas e outros para ajudar a determinar as necessidades, os objetivos e as métricas para a instalação e para pensar no fluxo e utilização de espaço mais eficientes. Mapas do fluxo de valor representando o fluxo de trabalho foram desenvolvidos e acordados por todas as partes envolvidas, incluindo pacientes e famílias. As famílias tiveram um papel importante para fornecer entendimento sobre suas necessidades e desejos. Por exemplo, os pais evidenciaram seu desejo de ficar com

12 seus filhos na área pré-operatória, e o espaço foi projetado para acomodar a presença de pais. Os mapas de fluxo de valor ajudaram a priorizar as exigências de projeto, o que contribuiu para que a instalação fosse construída com trinta milhões de dólares a menos do que era estimado inicialmente. O mapeamento permitiu que a equipe enxergasse o desperdício em seu processo de atendimento atual, muito do qual foi removido no projeto de um novo processo de atendimento de estado ideal. O novo estado ideal foi utilizado para projetar o espaço necessário para a construção, o que custou menos, se compararmos com o espaço proposto no projeto de arquitetura original. Os mapas são, ainda, exibidos no salão dos fundos do prédio e são, regularmente, revisados e atualizados. Métricas para a clínica e para o centro de cirurgia são exibidas em centros de monitoramento visual por toda a instalação. Princípio 6: lean é regimento flexível Os processos são perfeitamente projetados para produzir os resultados que ocorrem. 21 Mas e se os resultados não são ótimos? E se os resultados de processos específicos indicam espera desnecessária, perda de produtividade, taxas de erros inexplicáveis, descontentamento do pessoal ou danos ao paciente? A chave para a melhoria é determinar a causa raiz (ou causas raízes) do déficit de desempenho e livrar o processo da(s) causa(s) através de contramedidas. Essa é a essência do lean: transformar processos de trabalho não padronizados em processos padrão que melhoram o desempenho e, então, continuam a melhorar o trabalho padrão através do PDSA. O trabalho padrão é mais bem descrito como regimento flexível, uma frase cunhada por Dr. Robert Wilson, um cardiologista do ThedaCare. Regimento refere-se ao desenvolvimento de um processo comum ou padrão para desempenhar um serviço específico baseado na melhor evidência disponível; flexível refere-se a esforços contínuos para melhorar o processo padrão. Um paradoxo do trabalho padrão é que os padrões estabelecidos liberam criatividade. 3 Com abordagens clínicas padronizadas, pacientes que se desviam do padrão são, mais facilmente, atendidos, fazendo com que clínicos possam gastar sua energia mental em problemas e pacientes. Um exemplo na Seattle Children s é a unidade de atendimento a pacientes com asma, na qual a padronização da terapia com salbutamol permitiu aos médicos identificar melhor pacientes que não estão seguindo o percurso típico. O fato de que a abordagem padrão ao tratamento não funciona põe em questão o diagnóstico da asma e força o médico a procurar por outras causas. O projeto específico de um processo padrão oferece a oportunidade para estudo focado e teste. O trabalho é mais fácil de estudar quando foi bem definido como um conjunto de atividades esperadas. Resultados do processo são, algumas vezes, tão variáveis que, primeiro, devem ser estabilizado antes de poder ser padronizados. Estabilizar um processo envolve encontrar um método em curto prazo para conter resultados inaceitáveis até que uma solução padronizada possa ser desenvolvida. Por exemplo, um paciente caindo de uma mesa ortopédica pode ser considerado um never event. Se isso acontecer, o hospital pode

13 decidir colocar uma enfermeira em cada lado da mesa. Estabilizar esse processo com duas enfermeiras garante a segurança do próximo paciente na mesma situação, mas isso pode não ser a solução final para resolver o problema. A causa raiz da queda deve ser identificada antes que um novo trabalho padrão possa ser projetado para, permanentemente, eliminar o defeito. A Inova, um sistema de saúde integrado da Virginia, tem nove departamentos de emergência que tratam, aproximadamente, quatrocentos mil pacientes por ano. No começo de 2008, os departamentos de emergência da Inova estavam conseguindo um desempenho médio em qualidade, satisfação do paciente, custo e medidas de rentabilidade. Durante o ano de 2008, a Inova começou um processo de melhoria em seus departamentos de emergência juntamente com a implementação de um novo sistema de prontuário eletrônico. Cada departamento de emergência completou os mapas de fluxo de valor desenvolvidos pelos colaboradores que indicavam problemas de fluxo significativos na entrada e triagem. Os pacientes eram, rotineiramente, empurrados a outros departamentos entre o registro, a triagem e a entrada, até mesmo quando havia médicos disponíveis para atendê-los. A cultura predominante na maioria dos departamentos de emergência era que uma enfermeira sempre checaria um paciente na sala de exames antes do médico. O trabalho de mapeamento de fluxo de valor mudou isso de forma que médicos podiam entrar na sala a qualquer tempo e em qualquer momento e sua avaliação do paciente seria antecipada. Outros novos padrões incluíam registro rápido (três minutos) seguido por uma triagem rápida (três minutos) e pelo encaminhamento do paciente, diretamente, ao local do tratamento. Muitos dos departamentos de emergência preferiram fazer toda a triagem ao lado da cama do paciente. O uso do novo sistema de prontuário eletrônico para medir e direcionar todos os estágios do processo e para tornar visual o desempenho foi fundamental nas melhorias realizadas entre todos os departamentos de emergência em 2011: o tempo de permanência até a alta dos pacientes caiu de duzentos e quinze para cento e trinta e cinco minutos, o tempo para ver um médico caiu de cinquenta e cinco para vinte e dois minutos, o desvio caiu de mil e trezentas para cinquenta horas anuais e a satisfação do paciente aumentou de sessenta para oitenta por cento no banco de dados nacional de um fornecedor de pesquisas. Os departamentos de emergência forneceram, aproximadamente, dez milhões de dólares em renda adicional a cada ano desde 2009, baseando-se no ano de O volume cresceu de seis a sete por cento a cada ano com poucas camas adicionadas nos departamentos de emergência. No final de 2012, os departamentos de emergência terão fornecido mais de seis milhões de dólares em ganhos de produtividade laboral. CONCLUSÃO O lean é uma abordagem de gestão inovadora que tem provado seu sucesso em organizações da área da saúde. Ele promete melhorias na qualidade e na eficiência enquanto controla custos no

14 de atendimento ótimo ao paciente. Para implementar a filosofia e os princípios lean, entretanto, é entrar em uma jornada de melhoria ardilosa e inacabável. Porque o lean transforma a cultura organizacional de dentro para fora, ele oferece tanto desafios quanto oportunidades. Ele exige uma grande troca de papéis: gerentes e líderes devem tornar-se facilitadores, mentores e professores e permitir aos colaboradores da linha de frente fazerem melhorias. Isso engaja todo o pessoal na identificação e resolução de problemas baseado em uma atitude de melhoria contínua, a força motriz atrás do trabalho lean. O objetivo subjacente do lean é gerar valor para o paciente. A inovação através dos métodos comprovados do lean oferece esperança de melhor saúde com menos custo, ao invés de pior saúde com menos custo. Para nós, a escolha é nítida. Abreviações e Acrônimos: IV = intravenoso; PDSA = Plan-Do-Check-Act. REFERÊNCIAS 1. Bielaszka-DuVernay C. Redesigning acute care health services in Wisconsin. Health Aff (Millwood). 2011;30(3): Toussaint J, Gerard RA. On the Mend: Revolutionizing Healthcare to Save Lives and Transform the Industry. Cambridge, MA: Lean Enterprise Institute; Wellman J. Paper apresentado em: Nemours Foundation Board of Directors Meeting; November 7, 2011; Orlando, FL. 4. Partnership for Healthcare Payment Reform. Acessado em 13 de Maio de Toussaint J. Potent Medicine: The Collaborative Cure for Healthcare. Appleton, WI: ThedaCare Center for Healthcare Value; Berwick D. Paper apresentado em: Institute for Healthcare Improvement National Forum; 7 de Dezembro de 2011; Orlando, FL. 7. Petersen J. Defining lean production: some conceptual and practical issues. TQM J. 2009;21(2): Womack J, Jones D. Lean Thinking: Banish Waste and Create Wealth in Your Corporation. 2nd ed. New York, NY: Free Press; Shewhart WA. Statistical Method from the Viewpoint of Quality Control. Washington, DC: US Dept of Agriculture; Moen R, Norman C. Evolution of the PDCA Cycle. Acessado em 7 de Junho de 2012.

15 11. Staats BR, Upton DM. Lean knowledge work. Harv Bus Rev. 2011;89(10): Porter ME, Teisberg EO. Redefining Health Care: Creating Value- Based Competition on Results. Cambridge, MA: Harvard Business Review Press; Smoldt RK, Cortese DA. Pay-for-performance or pay for value? Mayo Clin Proc. 2007;82(2): Berry LL. Discovering the Soul of Service. New York, NY: Free Press; 1999: Bendapudi NM, Berry LL, Frey KA, Parish JT, Rayburn WL. Patients perspectives on ideal physician behaviors. Mayo Clin Proc. 2006;81(3): Fung CH, Elliott MN, Hays RD, et al. Patients preferences for technical versus interpersonal quality when selecting a primary care physician. Health Serv Res. 2005;40(4): Toussaint J. Writing the new playbook for U.S. health care: lessons from Wisconsin. Health Aff (Millwood). 2009;28(5): Shook J. Gerenciando para o Aprendizasdo. São Paulo, SP: Lean Institute Brasil; Dennis P. Getting the Right Things Done. Cambridge, MA: Lean Enterprise Institute; Barmas K. ThedaCare s business performance system: sustaining continuous daily improvement through hospital management in a Lean environment. Jt Comm J Qual Patient Saf. 2011;37(9): Deming WE. Out of the Crisis. Cambridge, MA: MIT Press; *Publicado originalmente na Revista da Fundação Mayo para Educação e Pesquisa Médica/ Mayo Clin Proc. 2013; 88 (1):74-82 **Do Centro ThedaCare for Healthcare Value, Appleton, WI (J.S.T.) e do Departamento de Marketing da Escola Mays Business, Universidade de Texas A&M, College Station (L.L.B.). Correspondências: Endereçar a Leonard L. Berry, PhD, Departamento de Marketing, Mays Business School, Universidade Texas A&M, 4112 TAMU, College Station, TX

16

A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva

A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva Sergio Kamada* Este artigo tem como objetivo descrever a importância da Cadeia de Ajuda no processo de estabilização produtiva e apresentar métodos

Leia mais

UM FOCO DE LUZ Cuidado de saúde mais seguro por meio da transparência

UM FOCO DE LUZ Cuidado de saúde mais seguro por meio da transparência UM FOCO DE LUZ Cuidado de saúde mais seguro por meio da transparência Lucian Leape Institute, The National Patient Safety Foundation Relatório da Mesa-redonda [Roundtable] sobre transparência SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

A Abordagem Lean na Integração da TI com o negócio, parte quatro: O Líder Lean Aprendiz

A Abordagem Lean na Integração da TI com o negócio, parte quatro: O Líder Lean Aprendiz A Abordagem Lean na Integração da TI com o negócio, parte quatro: O Líder Lean Aprendiz Steve Bell Enquanto me preparava para escrever o quarto artigo desta série, cheguei a um importante marco. Semana

Leia mais

Trabalho padrão do líder: uma das chaves para sustentar os ganhos de desempenho. Joe Murli

Trabalho padrão do líder: uma das chaves para sustentar os ganhos de desempenho. Joe Murli Trabalho padrão do líder: uma das chaves para sustentar os ganhos de desempenho Joe Murli O trabalho padrão do líder, incluindo o comportamento de liderança lean, é um elemento integral de um sistema de

Leia mais

Desenvolvendo Capacidades de PDSA

Desenvolvendo Capacidades de PDSA Desenvolvendo Capacidades de PDSA Karen Martin Como com qualquer habilidade, desenvolver as capacidades do PDSA (planejar fazer estudar agir) tem tudo a ver com a prática. Para conquistar a disciplina

Leia mais

Gerenciamento diário para executar a estratégia

Gerenciamento diário para executar a estratégia Gerenciamento diário para executar a estratégia José Roberto Ferro e Robson Gouveia Uma empresa tinha sua estratégia definida com metas e ações desdobradas para todas as áreas e níveis do negócio. O acompanhamento

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE AS 14 ETAPAS DE CROSBY

FERRAMENTAS DA QUALIDADE AS 14 ETAPAS DE CROSBY FERRAMENTAS DA QUALIDADE AS 14 ETAPAS DE CROSBY Como pensador e filósofo da gestão empresarial moderna, Philip Crosby se fundamentou em mais de 40 anos de experiências vividas. Em suas palestras, proporcionava

Leia mais

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo.

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. A Manutenção Produtiva Total (TPM) tem sido uma ferramenta muito importante para os setores de manufatura intensivos em equipamentos.

Leia mais

AGENDA A CONFIRMAR* Minneapolis - MN. OptumLabs https://www.optum.com/optumlabs.html. University of Minnesota - School of Public Health

AGENDA A CONFIRMAR* Minneapolis - MN. OptumLabs https://www.optum.com/optumlabs.html. University of Minnesota - School of Public Health Minneapolis - MN OptumLabs https://www.optum.com/optumlabs.html AGENDA A CONFIRMAR* OptumLabs é o primeiro centro aberto e colaborativo de pesquisa e inovação da indústria de Healthcare. Através dos mais

Leia mais

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS por David Miller The European Business Review, março/abril 2012 As mudanças estão se tornando mais frequentes, radicais e complexas. Os índices de falha em projetos

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

Inovação e Tecnologia na Saúde dos Estados Unidos

Inovação e Tecnologia na Saúde dos Estados Unidos Inovação e Tecnologia na Saúde dos Estados Unidos André Medici Congresso Internacional de Serviços de Saúde (CISS) Feira Hospitalar São Paulo (SP) 21 de Maio de 2014 1 Nossos Palestrantes Tecnologia em

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

Performance em Saúde Práticas de Excelência e de Pagamento

Performance em Saúde Práticas de Excelência e de Pagamento Performance em Saúde Práticas de Excelência e de Pagamento IQG Instituto Qualisa de Gestão Março 2011 Martha Savedra Práticas Excelência X Pagamento Qualidade Segurança Percepção do cliente FFS Pacotes

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa. Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica

Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa. Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica 21-Maio-2014 1 O que (quem) é a Cadeia Terapêutica Medicamentosa? 2 É um sistema complexo de fornecimento de medicação.

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr Projetos na área de TI Prof. Hélio Engholm Jr Projetos de Software Ciclo de Vida do Projeto Concepção Iniciação Encerramento Planejamento Execução e Controle Revisão Ciclo de Vida do Produto Processos

Leia mais

Vendas na Empresa Lean

Vendas na Empresa Lean Vendas na Empresa Lean Autor: Alexandre Cardoso Publicado: 29/04/2011 Introdução Em uma empresa, a área de Vendas é de extrema importância para o sucesso do negócio. Aprimorar o seu desempenho tem sido

Leia mais

Como Eu Começo meu A3?

Como Eu Começo meu A3? Como Eu Começo meu A3? David Verble O pensamento A3 é um pensamento lento. Você está tendo problemas para começar seu A3? Quando ministro treinamentos sobre o pensamento, criação e uso do A3, este assunto

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

É O MOMENTO DE INTRODUZIR A RASTREABILIDADE DE INSTRUMENTAIS?

É O MOMENTO DE INTRODUZIR A RASTREABILIDADE DE INSTRUMENTAIS? É O MOMENTO DE INTRODUZIR A RASTREABILIDADE DE INSTRUMENTAIS? Os centros cirúrgicos provavelmente envolvem tanto dinheiro no seu armazenamento de materiais quanto em suprimento cirúrgicos, de US$ 1 milhão

Leia mais

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Marcos Tadeu Moraes de Castro Mestre em Administração de Produção administração@asmec.br

Leia mais

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Marcos Tadeu Moraes de Castro Mestre em Administração de Produção administração@asmec.br

Leia mais

Concessionárias Lean: A Competição no Futuro Será Vencida com. Vendas e Serviços

Concessionárias Lean: A Competição no Futuro Será Vencida com. Vendas e Serviços Concessionárias Lean: A Competição no Futuro Será Vencida com Vendas e Serviços Este artigo mostra porque a competição será vencida com vendas e serviços. Tradução: Odier Araujo por James Womack A indústria

Leia mais

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum. Guia do Nexus O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.org Tabela de Conteúdo Visão Geral do Nexus... 2 O Propósito

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Exame de Fundamentos ITIL v.3

Exame de Fundamentos ITIL v.3 Exame de Fundamentos ITIL v.3 Exame de Fundamentos ITIL v.3: Exame simulado A, versão 3.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Não existem perguntas capciosas.

Leia mais

Uma nova forma de gestão

Uma nova forma de gestão Uma nova forma de gestão por Michael Ballé ARTIGO Desvio da missão, silos e uma força de trabalho desengajada são alguns dos efeitos negativos da gestão tradicional. Michael Ballé oferece uma alternativa

Leia mais

Apagando Incêndios em Organizações. Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão

Apagando Incêndios em Organizações. Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Apagando Incêndios em Organizações Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Dezembro de 2005 A síndrome de apagar incêndios é um dos problemas mais sérios e frequentes de muitas organizações. Esta síndrome

Leia mais

Melhorando o retorno do investimento do lean seis sigma com equipes de ação rápida

Melhorando o retorno do investimento do lean seis sigma com equipes de ação rápida Especial - Lean Seis Sigma Melhorando o retorno do investimento do lean seis sigma com equipes de ação rápida Os líderes da implantação Lean Seis Sigma devem expandir suas ideias e adotar novas abordagens

Leia mais

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc.

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. PRINCÍPIOS ANÁLISE ESTRATÉGICA (FOfA) BALANCED SCORECARD (BSC) EVOLUÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. ESCOLAS DE PENSAMENTO

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

Lean na Indústria Farmacêutica Quebrando paradigmas

Lean na Indústria Farmacêutica Quebrando paradigmas Lean na Indústria Farmacêutica Quebrando paradigmas Neste artigo, apresento um breve relato pessoal de como vivenciei de perto a transformação lean em um ambiente farmacêutico e como alguns paradigmas

Leia mais

Criando Processos de Negócio com Sucesso

Criando Processos de Negócio com Sucesso Criando de Negócio com Sucesso Professor Michael Rosemann, PhD, MBA Roger Tregear, Leonardo Consulting Business Process Management Group Disciplina de Sistemas da Informação Faculdade de Ciência e Tecnologa

Leia mais

inovadoras recrutamento

inovadoras recrutamento Avaliações inovadoras para recrutamento em grande volume Encontre agulhas no palheiro Nos processos de recrutamento em grande volume, você pode perder as pessoas certas por haver tantos candidatos menos

Leia mais

As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro

As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro DAVE ULRICH, JON YOUNGER, WAYNE BROCKBANK E MIKE ULRICH Qualquer bom profissional de RH quer ser melhor. Isto começa com um desejo

Leia mais

Dr. Sandro Fenelon é radiologista e editor médico do site www.imaginologia.com.br

Dr. Sandro Fenelon é radiologista e editor médico do site www.imaginologia.com.br Dr. Sandro Fenelon é radiologista e editor médico do site www.imaginologia.com.br Copyright Imaginologia.com.br - Todos os direitos reservados. Radiologia e Diagnóstico por Imagem para médicos clínicos

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

O que é Inovação em Saúde?

O que é Inovação em Saúde? Capa foto: dreamstime.com O que é Inovação em Saúde? A competitividade no setor da saúde depende essencialmente de melhorar a qualidade da assistência e a segurança do paciente reduzindo custos Por Kika

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Artigo Os 6 Mitos Do Seis Sigma

Artigo Os 6 Mitos Do Seis Sigma Artigo Os 6 Mitos Do Seis Sigma Celerant Consulting A metodologia do Seis Sigma a abordagem Definir, Medir, Analisar, Melhorar e Controlar (DMAIC) para resolução de problemas e as ferramentas a serem usadas

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean

A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean Paulo Cesar Brito Lauria Muitas empresas têm se lançado na jornada de implementar a filosofia lean nas últimas décadas. No entanto, parece que

Leia mais

Incentivo à qualidade como estratégia da Unimed-BH. Helton Freitas Diretor-presidente

Incentivo à qualidade como estratégia da Unimed-BH. Helton Freitas Diretor-presidente Incentivo à qualidade como estratégia da Unimed-BH Helton Freitas Diretor-presidente Agenda P P P P A Unimed-BH no mercado Qualificação da Rede Prestadora DRG Certificação e acreditação da Operadora A

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

Transformando a TI de uma agência governamental em ágil

Transformando a TI de uma agência governamental em ágil Transformando a TI de uma agência governamental em ágil Gavin Martin O governo é composto de programas independentes que, por causa de sua organização, inibem cadeias de valor eficientes. Por minha experiência,

Leia mais

T E X T O C O M P L E M E N T A R

T E X T O C O M P L E M E N T A R GESTÃO DE ATIVOS INTANGÍVEIS Prontidão do Capital Humano (*) Neste capítulo, mostramos como as organizações desenvolvem um indicador da prontidão do capital humano - CH. Esse indicador representa a disponibilidade

Leia mais

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico.

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. TECH DOSSIER Transforme a TI Transforme a empresa Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. Consolidar para conduzir a visibilidade da empresa e a

Leia mais

O redesenho dos sistemas de cuidado para a segurança do paciente: a importância da abordagem sistêmica nas instituições.

O redesenho dos sistemas de cuidado para a segurança do paciente: a importância da abordagem sistêmica nas instituições. O redesenho dos sistemas de cuidado para a segurança do paciente: a importância da abordagem sistêmica nas instituições. Victor Grabois Proqualis/Icict/Fiocruz Dia 11 de novembro de 2014 Características

Leia mais

Relatório A3: ferramenta para melhorias de processos*

Relatório A3: ferramenta para melhorias de processos* Relatório A3: ferramenta para melhorias de processos* Durward K. Sobek, II Montana State University Cindy Jimmerson Community Medical Center Tradução: Diogo Kosaka O relatório A3 é uma ferramenta que a

Leia mais

Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007

Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Com um processo funcional de planejamento

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação Serviços : Cursos e workshops especialmente criados para capacitar a sua organização no

Leia mais

Gurus da Qualidade. Gestão da Qualidade. Licenciatura em Eng. Alimentar ESAC 2006/2007

Gurus da Qualidade. Gestão da Qualidade. Licenciatura em Eng. Alimentar ESAC 2006/2007 Gurus da Qualidade Gestão da Qualidade Licenciatura em Eng. Alimentar ESAC 2006/2007 Walter Shewhart 1891-1967 Cartas de controlo Causas normais e causas especiais de variação Controlo estatístico do processo

Leia mais

Construa um sistema de gestão com a sua cara: inovando

Construa um sistema de gestão com a sua cara: inovando Construa um sistema de gestão com a sua cara: inovando Qual o gestor, que ainda não tenha se perguntado qual seria o sistema de gestão mais inteligente para buscar o resultado esperado? Alguns gestores

Leia mais

PRIMAVERA PORTFOLIO MANAGEMENT DA ORACLE

PRIMAVERA PORTFOLIO MANAGEMENT DA ORACLE PRIMAVERA PORTFOLIO MANAGEMENT DA ORACLE RECURSOS GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO Entrega valor por meio de uma abordagem de estratégia em primeiro lugar para selecionar o conjunto ideal de investimentos Aproveita

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

Transformação enxuta: aplicação do mapeamento do fluxo de valor em uma situação real

Transformação enxuta: aplicação do mapeamento do fluxo de valor em uma situação real Transformação enxuta: aplicação do mapeamento do fluxo de valor em uma situação real José Antonio de Queiroz (SC-USP) jaq@prod.eesc.usp.br Antonio Freitas Rentes (SC-USP) rentes@sc.usp.br Cesar Augusto

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

O que é ISO 9001:2000?

O que é ISO 9001:2000? O que é ISO 9001:2000? Um guia passo a passo para a ISO 9001:2000 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Conteúdo * SISTEMAS DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E PDCA... 1 * OITO PRINCÍPIOS DE GESTÃO DA QUALIDADE...

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Algumas ferramentas para a Logística Enxuta [8 de 11]

Algumas ferramentas para a Logística Enxuta [8 de 11] Algumas ferramentas para a Logística Enxuta [8 de 11] Rogério Bañolas Consultoria ProLean Logística Enxuta Nos artigos anteriores vimos que a Logística Enxuta é uma abordagem prática. Por isso, os profissionais

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado A, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema: Elaborador: ENGENHARIA DE PROCESSOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO Fernando de Almeida Berlitz. Farmacêutico-Bioquímico (UFRGS). MBA Gestão Empresarial e Marketing (ESPM). Lean Six Sigma Master Black Belt.

Leia mais

Preço da Venda. Custo operacional Preço de venda Melhoria

Preço da Venda. Custo operacional Preço de venda Melhoria Prof. Marcio Santos Antigamente Custo Operacional Preço da Venda Lucro Hoje Custo Operacional Preço de Mercado Lucro O mercado determina o preço! Custo operacional Preço de venda Lucro Melhoria Não me

Leia mais

Instrutora: Claudia Hazan claudinhah@yahoo.com. Motivações para Engenharia de Requisitos (ER) Processo de Requisitos

Instrutora: Claudia Hazan claudinhah@yahoo.com. Motivações para Engenharia de Requisitos (ER) Processo de Requisitos ,PSODQWDomRGHXP 3URFHVVR GH *HVWmR GH 5HTXLVLWRV VHJXLQGRR R &00, 0, Instrutora: Claudia Hazan claudinhah@yahoo.com Agenda Motivações para Engenharia de Requisitos (ER) Processo de Requisitos Visão Geral

Leia mais

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves QUALIDADE II Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor

Leia mais

Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados junho de 2014 - ano VIII - Número 22. Catálogo de Treinamentos 2014

Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados junho de 2014 - ano VIII - Número 22. Catálogo de Treinamentos 2014 Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados junho de 2014 - ano VIII - Número 22 Nesta edição Siqueira Campos valida Escala de Alienação Parental Novo cliente: Castrolanda Gráficos e análise de

Leia mais

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Investir em pessoal com um programa de gestão de desempenho permite que uma operação de abastecimento não só sobreviva, mas cresça

Leia mais

Implementar programas de qualidade e de segurança do doente: que ganhos podemos esperar?

Implementar programas de qualidade e de segurança do doente: que ganhos podemos esperar? Implementar programas de qualidade e de segurança do doente: que ganhos podemos esperar? Maria João Lage, Paulo Sousa A centralidade que as questões da Qualidade têm na área da saúde é um fenómeno relativamente

Leia mais

CALENDÁRIO DO TRABALHO PADRONIZADO DA LIDERANÇA DO IOV

CALENDÁRIO DO TRABALHO PADRONIZADO DA LIDERANÇA DO IOV CALENDÁRIO DO TRABALHO PADRONIZADO DA LIDERANÇA DO IOV Checklist diário Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Passe tempo no gemba ouvindo para entender Garanta que a planilha diária está atualizada Garanta

Leia mais

44 Summit Road, Suite 101 Riverside, CT 06878 (800) 573-4756 (203) 698-9323

44 Summit Road, Suite 101 Riverside, CT 06878 (800) 573-4756 (203) 698-9323 oferece consistência de suporte entre grupos de desenvolvimento Michel Vrinat, Diretor de Programa, PLM, CAE/Europa; Don Brown, Presidente Medição do desafio confrontando o desenvolvimento do produto A

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

t-doc 1000 SDM rastreabilidade total Always with you

t-doc 1000 SDM rastreabilidade total Always with you t-doc 1000 SDM rastreabilidade total Domine sua produção ESTÉRIL Always with you 2 T-DOC 1000 SDM OBTENHA CONTROLE TOTAL ALCANCE NOVOS NÍVEIS DE EFICIÊNCIA EM SEU DEPARTAMENTO DE ESTERILIZAÇÃO Fluxos de

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS SEÇÃO 7 Desenvolvimento de É importante pensar sobre como desenvolver os funcionários a fim de melhorar o trabalho da organização. O desenvolvimento de poderia consistir em ensino, oportunidades para adquirir

Leia mais

Exame simulado. EXIN Lean IT Foundation

Exame simulado. EXIN Lean IT Foundation Exame simulado EXIN Lean IT Foundation Edição julho 2015 Copyright 2015 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied or stored in a data processing system

Leia mais

CRI Minas Centro de Referência em Inovação Inovação e Comportamento Humano

CRI Minas Centro de Referência em Inovação Inovação e Comportamento Humano CRI Minas Centro de Referência em Inovação Inovação e Comportamento Humano Núcleo de Inovação Comportamento Humano Inovativo Comportamento Humano Inovativo em uma organização é resultado da interação de

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO

DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO Percentual dos consumidores por tipo de contratação 19.9% Individual Planos novos 66.9% Coletivo Empresarial 13.2% Coletivo por Adesão 202.455.983 Brasileiros 50.270.398

Leia mais

AUTORAS ROSANGELA SOUZA

AUTORAS ROSANGELA SOUZA AUTORAS ROSANGELA SOUZA Especialista em Gestão Empresarial com MBA pela FGV e Professora de Estratégia na Pós-Graduação da FGV. Desenvolveu projetos acadêmicos sobre segmento de idiomas, planejamento estratégico

Leia mais

Adaptar criativamente

Adaptar criativamente Adaptar criativamente Os fundamentos do benchmarking eficiente e o caminho para a obtenção de vantagem competitiva. Por Robert Camp DOSSIÊ 64 Um dos termos mais comentados e menos compreendidos atualmente

Leia mais

Alavancando a segurança a partir da nuvem

Alavancando a segurança a partir da nuvem Serviços Globais de Tecnologia IBM White Paper de Liderança em Pensamento Serviços de Segurança IBM Alavancando a segurança a partir da nuvem O quem, o que, quando, por que e como dos serviços de segurança

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

Gestão estratégica por KPIs 1

Gestão estratégica por KPIs 1 Gestão estratégica por KPIs 1 Sumário Introdução 03 Por que usar indicadores na gestão 05 Dado, informação ou indicadores? 07 KPI: Os indicadores chave de desempenho 09 KPIs do PMO Conclusão Sobre a Project

Leia mais

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Fortaleza, 28 de novembro de 2012. Análise de Causa-Raiz É um método utilizado na engenharia, nas investigações de acidentes industriais, nucleares,

Leia mais

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto

Leia mais

Piloto BIM Primeiros Passos

Piloto BIM Primeiros Passos Piloto BIM Primeiros Passos O que é o BIM? Estrutura para implantação do projeto piloto BIM Visão BIM Impulsão de Liderança BIM Nova liderança BIM Primeiros passos em seu projeto piloto BIM Mudar para

Leia mais

ano, mapear a abordagem dos hospitais e operadoras com relação aos

ano, mapear a abordagem dos hospitais e operadoras com relação aos Business Club Healthcare, a TM Jobs e a Integrare 360 - Marketing de Conteúdo deram início a uma série de estudos de mercado para, ao longo do ano, mapear a abordagem dos hospitais e operadoras com relação

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

Instruções para o preenchimento

Instruções para o preenchimento Instruções para o preenchimento Este questionário está desenhado para apoiar os sistemas (organizações, serviços) na avaliação e aperfeiçoamento dos cuidados prestados ao doente crónico. Os resultados

Leia mais

10 TÉCNICAS PARA GESTÃO COMERCIAL

10 TÉCNICAS PARA GESTÃO COMERCIAL 10 TÉCNICAS PARA GESTÃO COMERCIAL Os meses de dezembro e janeiro na maioria das empresas são marcados invariavelmente por atividades de planejamentos, orçamentos e metas para o ano novo. Para o próximo

Leia mais

13 erros comuns de ERP e como evitá-los

13 erros comuns de ERP e como evitá-los 13 erros comuns de ERP e como evitá-los A intenção é ajudá-lo a garantir que a sua implementação de ERP seja um sucesso, ou que você, ao menos, possa minimizar os problemas potenciais. Jennifer Lonoff

Leia mais

Compreendendo o Papel do Conselho Diretor nas Organizações Sem Fins Lucrativos

Compreendendo o Papel do Conselho Diretor nas Organizações Sem Fins Lucrativos Compreendendo o Papel do Conselho Diretor nas Organizações Sem Fins Lucrativos Entrevista com Marla Bobowick - BoardSource* A Revista IntegrAção realizou em primeira mão uma entrevista com Marla Bobowick,

Leia mais

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam definir termos e conceitos da qualidade. Para tal, pretende-se discutir a relação que se estabelece

Leia mais

Desempenho da Fase Analítica. Fernando de Almeida Berlitz

Desempenho da Fase Analítica. Fernando de Almeida Berlitz Indicadores de Desempenho da Fase Analítica Fernando de Almeida Berlitz Ishikawa Estratégia e Medição PARA QUEM NÃO SABE PARA ONDE VAI, QUALQUER CAMINHO OS SERVE... Processos PROCESSOS Não existe um produto

Leia mais