Jornalismo Multiplataforma Tecnologias Redes e Convergência. Mídias.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Jornalismo Multiplataforma Tecnologias Redes e Convergência. Mídias. eduardo.barrere@ice.ufjf.br"

Transcrição

1 Jornalismo Multiplataforma Tecnologias Redes e Convergência Mídias

2 O Texto Exemplo 1: Hoje tem aula do professor Eduardo!!! Quanto espaço isso ocupa? Tem algo além dos caracteres? Como faço pra enviar (para qualquer lugar do mundo)?

3 O Texto Exemplo 1: Hoje tem aula do professor Eduardo!!! Quanto espaço isso ocupa? R.: 38 caracteres, o que corresponde a tradicionalmente a 38 bytes Tem algo além das e símbolos tradicionais? R.: Somente a fonte, mas podemos ter também informações sobre formatação (negrito, itálico, sublinhado, etc...) Como faço pra enviar (para qualquer lugar do mundo)? R.: Basta compartilhar ( , site, etc), mas observe que desprezamos a fonte

4 O Texto: formatos Podemos trabalhar com diversos formatos, os mais conhecidos são: - ASCII (American Standard Codefor InformationInterchange): muito utilizado para documentos em geral. Ocupa 1 byte para cada símbolo. (ISO ) - - UNICODE: referência para a internet (UTF-8). Ocupa de 1 a 4 bytes, conforme o padrão UTF - Além do formato para representação dos caracteres, temos os formatos dos arquivos: - Word - PDF - Excel - Txt - Etc.

5 O Texto Exemplo 2: No próximo sábado, infelizmente não teremos aula do professor Barrére Quanto espaço isso ocupa? R.: 71 caracteres Tem algo além das letras tradicionais? R.: A Fonte, a carinha e... Como faço pra enviar (para qualquer lugar do mundo)? R.: Como tem acentuação e outros símbolos, o problema é maior!!!!

6 O Texto Exemplo 2: No próximo sábado, infelizmente não teremos aula do professor Barrére ISO UTF-8 ChinesTradicional(Big5)

7 O Texto Exemplo 3: Daqui a três semanas, teremos aula novamente com o professor Barrére Além do conteúdo do texto, qual a grande diferença desse exemplo para os demais? E agora?

8 O Texto Resumindo: Texto não é somente um conjunto de letras e símbolo, mas envolve também: - Codificação - Formatação (fonte, cor, diagramação, etc) - Formato do arquivo

9 Imagem

10 Representação Digital de Imagens Imagem matriz de pontos ou pixels, com resoluçãohorizontal (eixo X) e vertical (eixo Y), para cada ponto da matriz tem-se uma cor associada (obtida de forma direta ou através de uma tabela de acesso indireto -"tabela de palette ). Fonte: Casacurta, A., Osório, F., Figueroa, F. e Musse, S. R., Computação Gráfica Introdução.

11 Representação Digital de Imagens A quantidade de bits requerida por um pixeldepende principalmente da representação adotada para as cores. Quanto mais cores representadas na imagem, mais espaço ocupado por cada pixel. Exemplo: Imagem: 1000 x 1000 (resolução espacial) Quantidade de Cores Tamanho do Pixel Tamanho da Imagem 2 (preto e branco) 1 bit(8 pixels por byte) ~ 122 KB 4 2 bits (4 pixels por byte) ~ 244 KB bits (1 pixels por byte) ~ 976 KB bits (1 pixel em 2 bytes) ~ KB (1.9GB) bits (1 pixel em 3 bytes) - TrueColor ~ KB (2,9GB)

12 Representação Digital de Imagens Sistema de cores utilizado nos computadores Usualmente o sistema RGB (Red-Green-Blue) sistema aditivo controla a intensidade da geração das três cores básicas-primárias aditivas. Definição de cor no computador especifica-se a intensidade (valor associado) aos emissores R, G e B. Sistema aditivo fontes emissoras de luz. Sistema subtrativo utilizadas tintas, os pigmentos absorvem determinadas cores e refletem outras.

13 Sistema RGB

14 Representação Digital de Imagens Sistema subtrativo (CMY -Cyan, Magenta e Yellow) cores fundamentais-ciano, magenta, amarelo; Complementar ao RGB (inverso) ; funciona por combinação subtrativa: mistura de pigmentos; é usada a variante CMYK (cyan-magenta-yellow-black) devido à dificuldade de obter pigmentos com alta pureza de cor. Pode ser representado também por um cubo vértices são simétricos em relação ao cubo RGB utilização- impressão, fotografia.

15 Cores Primárias e Secundárias da Luz e de Pigmentos Fonte:GONZALEZ, R. C. e WOODS, R., Processamento de Imagens Digitais, Editora Edgard Blücher, Ltda, 2000.

16 Representação de Imagem Digital Três tipos básicos: 1. Imagem Vetorial (gráfico ou desenho) 2. Imagem por Modelos Matemáticos 3. Imagem Matricial ou Bitmap (raster)

17 Imagem Vetorial Imagem vista como um conjunto de primitivas mais complexas: segmentos, elipses, polígonos,... As primitivas possuem atributos como espessura, cor, padrões de preenchimento, etc. Imagens técnicas (mapas, diagramas, plantas,...) Geradas por editores ou programas Podem ser editadas: objetos podem ser removidos, adicionados, movidos, modificados, etc. Escala não altera a qualidade Ex. de formatos padrão: PHIGS, GKS, IGS,...

18 Imagem por Modelos Matemáticos Modelos matemáticos que eliminam redundâncias contidas na informação compressão Fractais (fractal -fractional dimension): Qualquer curva ou superfície que é independente da escala Propriedade (self-similarity) quando a escala aumenta, a superfície gerada contém porções idênticas ao fractal Processo de escalamento iterativo Cenários virtuais, textura, artes,...

19 Imagem Matricial ou Bitmap Imagem vista como uma matriz de células, quadradas e de cor única Descrita como uma função que retorna o valor da intensidade e cor da luz de cada ponto de uma região plana Não contém informações estruturais: objetos que compõem a imagem não podem ser modificados Resultam de capturas do mundo real (scannerou câmeras) ou de síntese (capturas, paints, conversão de gráficos,...) Foto-realismo

20 Resolução Espacial Resolução espacial (geométrica): m x n(pixels) Define a freqüência de amostragem final da imagem Se a resolução aumenta, as altas freqüênciasda imagem podem ser captadas na representação matricial (mais detalhes) OBS: resolução espacial resolução real Tamanho físico do pixel do dispositivo de apresentação da imagem

21 Resolução Real CRT, LCD, Plasma, outra tecnologia? Quantos pontos por polegada o monitor tem que mostrar? Dotpitch: distância entre 2 pontos da mesma cor em qualquer direção

22 Resolução de Imagens Digitais Resolução: pixelspor unidade linear de medida Em Pixels Per Inch(PPI) ou DotsPer Inch(DPI) Imagem = matriz de pontos resolução cresce, o tamanho das células diminui aumenta a quantidade de pixels por unidade de distância (PPI) Achar a resolução ideal envolve: Saber comoa imagem foi gerada e ondeserá utilizada

23 Resolução de imagens digitais Quanto de resolução necessito? Resposta: depende do destino da imagem... Para uma aplicação Web: 72 PPIé um bom número Escala e Resolução: inversamente proporcionais Ex: Se uma imagem de 72 PPI é escalada em 50%, a resolução resultante dobra para 144 PPI Aumento no tamanho da imagem (zoom) implica em queda da resolução: Pixels tornam-se bastante visíveis... Aparece o efeito de serrilhamento (aliasing)

24 Formatos Web standards ARQUIVO CONTEÚDO & MODELO DESCRIÇÃO GIF JPG GIF Graphics Interchange Format Matricial com forte compressão sem perdas JPEG Joint Photographic Expert Group Padrão Internacional para compressão com perdas Formato padrão na Web proposto por CompuServe. Ideal para imagens em 256 cores. Suporta animação Aceita todos os tipos de imagens matriciais: PB + color. Vários níveis de qualidade possíveis, de acordo com a compressão (1:10, 1:30, etc. - 1: 20 é normal...). Padrão Web PNG PNG Portable Network Graphics Matricial com compressão com perdas desenvolvido como opção ao GIF Apareceu recentemente como forma de evitar o licenciamento do algoritmo de compressão GIF. PNG-8: 8-bits comparável ao GIF PNG-24: 24-bits comparável ao JPEG Suporte à animação em estudo...

25 GIF x JPG De uma forma geral, JPEG é superior ao GIF para armazenar imagens em cores reaisou em tons de cinzaque retratem cenas reais. Imagem com variação na cor, como aquelas que ocorrem em áreas brilhantes ou sombreadas, irão apresentar melhor qualidade e menor espaço quando representadas pelo formato JPEG. O formato GIF apresenta melhores resultados em imagens com um pequeno número de cores distintas, como desenhos em linhas e cartões simples. Para estas imagens o GIF obtém uma compressão maior que o JPEG pode obter, além de conseguir isto sem perdas.

26 GIF x JPG JPEG possui dificuldade em tratar imagens com bordas bem definidas. Estas bordas tendem a perder a definição ficando com um aspecto embaçado, a não ser que se utilize uma configuração de alta qualidade para a imagem. Não é recomendado: Escrever texto em imagem que será comprimida em formato JPEG. Que imagens em preto e branco sejam convertidas para JPEG. É necessário no mínimo 16 níveis de cinza para se obter uma compressão razoável com JPEG. GIF comprime sem perdas imagens em tons de cinza com até 256 níveis enquanto JPEG não.

27 GIF x JPG Recursos oferecidos pelo GIF: Capacidade de utilizar fundo transparente. É possível, por exemplo, que um site publique uma imagem em GIF e esta terá como fundo a cor da página. O GIF permite que uma seqüência de imagens seja salva em um único arquivo, em que cada imagem surge no lugar da anterior após um tempo pré-determinado -> sensação de animação. Exemplo:

28 GIF x JPG x PNG Formato GIF Cobrava royalties PNG - Concorrente do GIF Consegue trabalhar com esquema de 24 bits de cores (16,8 milhões de cores). Comparação com o JPEG: a compressão obtida é mais eficiente e não proporciona perda de qualidade a cada salvamento, o que permite maior fidelidade à imagem original.

29 Exemplo: Imagem 1 Dimensão: 500 x 500 Formato Tamanhodo arquivo bmp 732 KB 100 % Em relação ao BMP Jpg 156 KB ~ 21,3% Gif 160 KB ~ 21,8% png 462 KB ~ 63,1%

30 Exemplo: Imagem 2 Dimensão: 500 x 500 Formato Tamanhodo arquivo bmp 732 KB 100 % Em relação ao BMP Jpg 4,61 KB ~ 0,0063% Gif 1,63 KB ~ 0,0022% png 5,34 KB ~ 0,0073%

31 Como enviar via Internet A imagem pode ser muito grande ou a internet da pessoa ser lenta Quando carregamos uma página, é feita a solicitação da imagem ao servidor (site). Duas abordagens básicas: Espera receber tudo antes de exibir Vai apresentando, conforme recebe Lembre-se do videoda aula anterior: a imagem é quebrada em pequenos pedaços, que por sua vez são enviados para o cliente.

32 Áudio

33 Apresentação de Áudio no Computador Dispositivos analógicos: pressão mecânica em sinais magnéticos ou elétricos Dispositivos digitais: sinais representados por seqüência de bits

34 Representação Digital do Som Sinal original Filtro Analógico Sinal filtrado Sinal digital Amostrador Sinal amostrado Sinal digital Sistema Digital Quantizador filtragem- limitação da faixa de freqüências; amostragem-conversão do sinal analógico em seqüência de pulsos; quantização-conversão dos pulsos em números binários via conversores A/D; gravação dos arquivos de áudio.

35 Representação Digital do Som Amostragem: 1,500 1,000 0,500 0,000-0, ,000-1,500 Tempo

36 Representação Digital do Som Quantização: 9,000 8,000 7,000 6,000 5,000 4,000 3,000 2,000 1,000 0, Tempo Amostrado Quantizado

37 Áudio Digital Parâmetros para áudio digital: Bits por amostra(quantização) Taxa de amostragem Número de canais(mono, stereo, surround, AC-3, ) Taxa de Amostragem (Sampling rate) Taxa de amostragem ~ Qualidade do som ~ Espaço Bytes Qualidade CD = 44.1 KHz Tapes de áudio digital (DAT) = 48KHz Telefonia (mais comum) = 8KHz Quantização (bits per sample) Qualidade CD = 16 bits (65536 valores) Compressão de voz = 8 bits (256 valores)

38 Não comprimidos Formatos de Áudio Amostragem quantização codificação PCM(Pulse Code Modulation). Padrão básico para conversão de sinais analógicos para armazenamento ou transmissão em dispositivos digitais. Esta codificação é feita sem uso de algoritmos de compressão.

39 Formatos de Áudio Exemplos: Waveform Audio Formato de áudio digital do Windows. Desenvolvido pela IBM para o Windows 95. Os arquivos neste formato utilizam a extensão wav. RIFF Waveform Format Formato de som Wave da Microsoft Windows. Usado para o sistema de som Windows. Arquivos Waveform RIFF têm extensão WAV. APLICAÇÕES MULTIMÍDIA E HIPERMÍDIA USANDO JAVA

40 Formatos de Áudio Formato de voz Creative Formato de som da SoundBlaster. Tem a extensão VOC. Formato de Amostra de 8 bits crus(raw) o formato do som não contém codificação ou compressão.

41 Formatos de Áudio O Musical Instrument Digital Interface Um padrão que permite conectar sintetizadores, teclados eletrônicos e outros instrumentos eletrônicos ao computador. Os arquivos midinão são exatamente um formato de arquivo de áudio, mas, por armazenarem notas musicais, encontram-se dentro desta categoria e têm a extensão midou midi. Basicamente, existem 128 possíveis vozes ou instrumentos

42 Compressão de Áudio Diferente de imagens ou vídeo, existe pouca relação entre amostras vizinhas ou quadros consecutivos para o áudio. Os níveis de compressão práticos são limitados para muito menos de 10:1 (compressão de vídeo de 25:1 pode ser produzida).

43 Compressão de Áudio Formas de compressão de um arquivo de áudio: Com perdas de informação; Sem perdas de informação. Formatos de compressão com perdas Os mais populares provêm da família dos Motion Picture Experts Group (MPEG). MPEG -refere-se a uma família de padrões para áudio e vídeo que inclui o MPEG-1, MPEG-2, MPEG-1 Layer 3 (MP3) e o MPEG-4.

44 Compressão de Áudio Formato MPEG-1 MPEG-2 MPEG-1 Layer 3 (MP3) MPEG Layer 3 (MP3) MPEG 4 Audio AAC Descrição Padrão para vídeo e CD-ROM Padrão para DVD e TV digital Os arquivos apresentam tamanhos pequenos e com um som de qualidade. A sua característica principal é a sua universalidade. Formato muito utilizado nas transmissões de música pela Internet. O seu processo de compactação funciona através da eliminação de frequências sonoras não audíveis pelo ouvido humano. Transforma arquivos com 40MB de tamanho em 4MB, mantendo uma qualidade razoável. O MPEG-4 é o padrão que permite introduzir áudio e vídeo na Internet, em dispositivos móveis, em jogos e em aparelhos sem fios,...

45 Compressão de Áudio Outros formatos de compressão com perdas: QuickTime Audioé essencialmente a tecnologia MPEG-4, suportando áudio, vídeo e o formato MP3. A extensão dos arquivos é qtou mov. Windows Media Audioé um formato de áudio digital da Microsoft, desenvolvido como um formato alternativo ao MP3. A extensão de arquivos é wma.

46 Compressão de Áudio Formatos de compressão sem perdas Windows Media Audio Lossless formato da Microsoft, disponível nas versões 9 e 10 do Windows Media Player. Usa a mesma extensão do formato wma. O Apple Lossless Audio Codec Formato disponível para ser usado com o itunes e o ipod da Apple. A extensão dos arquivos é m4a.

47 Como enviar via Internet Podem ser enviados como as imagens (arquivo todo), mas dessa forma, existe a necessidade de se receber o arquivo todo antes de iniciar sua reprodução (tocar). Solução: trabalhar com stream de audio O arquivo é enviado em pequenos pedaços, que são recebidos no destino e exibidos por um software elaborado para essa ação. Streamde audio-> fluxo de audio Dois tipos básicos: - Download streaming e http streaming

48 APLICAÇÕES MULTIMÍDIA E HIPERMÍDIA USANDO JAVA Video

49 Compressão de Video Compressão: os algoritmos de compressão são absolutamente indispensáveis no caso do vídeo, por duas razões: 1. para que não ultrapassem a taxa de transferência de dados permitida pelo suporte em que estão armazenados (se isso acontecer não são reproduzidos de forma regular mas aos pulos ); 2. para ocuparem menos espaço pois, sem compressão, os valores são assustadores: 1 segundo de vídeo a 30 fpspode ocupar 30 Mb; 1 minuto de vídeo a 30 fpspode ocupar 1,8 Gb. O processo de compressão de vídeo é o mais complexo de todos, existindo dezenas de algoritmos de compressão diferentes.

50 Compressão de Video Um sistema de compressão de vídeo objetiva reduzir a taxa de transmissão e opera reduzindo a redundância e/ou informações de menor importância do sinal antes da transmissão. Codificador de Fonte(encoder): implementa o sistema de compressão. Decodificador de Fonte(decoder): reconstrói uma aproximação da imagem a partir da informação remanescente do processo de codificação.

51 Compressão de Video A codificação de vídeo busca reduzir as informações redundantes presentes no vídeo. Redundância Espacial Redundância Temporal Redundância Psicovisual* Redundância de Codificação (entrópica)* * Não tratadas nessa aula

52 Compressão de Video Redundância Espacial + Redundância Temporal Valores de pixels não são independentes, são correlacionados com seus vizinhos, tanto do mesmo frame (redundância espacial) quanto entre framesconsecutivos (redundância temporal). Valor do pixel (dentro de alguns limites) -pode ser preditoa partir dos valores dos pixels vizinhos assim como regiões de um framefuturo podem ser preditas a partir do frameatual.

53 Compressão de Video Redundância Espacial Pixels vizinhos no espaço tendem a ser muito parecidos ou iguais. Assim usa-se menos bits por pixel para representar o quadro.

54 Redundância Temporal Compressão de Video Quadros vizinhos temporalmente, possuem diversos pixels similares ou idênticos. Se for considerado o movimento, isto é, pixels deslocados de um quadro para outro, esta similaridade é ainda maior. Usando técnicas como estimação de movimento, é possível reduzir drasticamente o número de bits usados para representar o vídeo.

55 Compressão de Video Redundância Temporal

56 Compressão de Video Redundância Temporal

57 Exemplo: Frame N

58 Exemplo: Frame N-1 (com vetores de movimento)

59 Exemplo: Diferença entre quadros sem compensação de movimento

60 Exemplo: Diferença entre quadros com compensação de movimento

61 Formatos de Video Formatos mais populares: AVI (Audio-Video Interleaved) -desenvolvido pela Microsoft para ambiente Windows; MOV (QuickTime Movie Format) -desenvolvido pela Apple para ambiente Macintosh. MPEG (Moving Picture Experts Group).

62 Formatos de Video Formato MOV: MOV -é um formato de arquivo padronizado para produção e reprodução que permite que o vídeo e o áudio sejam capturados e combinados num arquivo único, para uma determinada máquina, e reproduzidos em conjunto em qualquer outra máquina que utilize o QuickTime; Suporta vários tipos de compressão.

63 Formatos de Video Formato AVI: Similar ao MOV, este formato combina a produção e reprodução de áudio e vídeo simultaneamente. Este formato pode ser convertido para MOV. Suporta vários tipos de compressão.

64 Formatos de Video Formato MPEG (Motion JPEG): A maior vantagem do MPEG em relação a outros formatos para a codificação de vídeo e áudio: os arquivos MPEG são bem menores para a mesma qualidade. Utiliza técnicas de compressão muito sofisticadas atingindo taxas na ordem dos 200:1 com imagens e sons de qualidade extremamente alta.

65 MPEG-2 MPEG-2: grupo de padrões de codificação para áudio e vídeo digital estabelecido pelo MPEG (MovingPictures Experts Group) e publicado como a norma ISO/IEC Dividida em: Part1 : MPEG Systems sincronização e multiplexação de vídeo e áudio Part2 : MPEG Video codec de compressão para sinais de vídeo entrelaçados e não entrelaçados Part3 : MPEG Audio-codec de compressão para codificação perceptual de sinais de áudio. Extensão multicanal do MPEG-1 Audio(MP3). Part 4 : descreve procedimentos de testes de conformidade Part 5: descreve sistemas para simulação de software Part6 : descreve extensões para o DSM-CC (Digital StorageMedia CommandandControl) Part7 : AdvancedAudioCoding(AAC) Part 9 : Extensão para interfaces tempo-real Part10 : Extensões de Conformidade para DSM-CC.

66 MPEG-4: Histórico MPEG-4: versão 1 (10/1998), versão 2 (12/1999) (?) MPEG-3: originalmente planejado para HDTV, mas acabou sendo incorporado ao MPEG-2 Focado em taxas de transmissão baixas (4.8 a 64 Kbits/sec), mais especificamente: Vídeo: 5 Kb a 10 Mb / sec Áudio: 2 Kb a 64 Kb / sec Padrão para conteúdo A/V na Internet e Redes Móveis

67 Codificação Baseda em Objetos Object #2: Object #1: Main Program (Newscast) Graphic Overlay (Station ID) Object #4: Graphic Overlay (Stock Ticker) Philips 40% SONY 25% Panasonic 12% Thomson 34% Gemstar 30% Object #3: Graphic Overlay (Sponsor) Composed Image Philips 40% SONY 25% Panasonic 12% Thomson 34% Gemstar 30% Object Oriented s s s s s s s Composição de objetos gráficos e videos em cenas(overlays) Objetos áudio e vídeo manipulados independentemente BIFS : formatobináriotexto, 2D e 3D Front/ background separados Múltiplos objetos foreground Posicionamento espacial dinâmico de objetos Alpha shape para proteger visual objetos visuais Codificação baseada em objetos permite: s s s Interação no nível do usuário Captura do user profile Adição de valor ao conteúdo

68 Vídeo Personalizado

69 Aplicações Potenciais MPEG-4 Streaming sobre IP Aprimoramento de programas de TV Armazenagem em Set Top Boxes Serviços personalizados Serviços escaláveis Combinação de tudo isso Formato de aplicação única Aplicações multimídia complexas Mas Já existem diversos formatos HTML, SMIL, MHP, etc. Modelo de negócios?

70 Como enviar via Internet Mesmo problema do audio, mas com um agravante, os videos são bem maiores!!! Diferença de video ao vivo e o video em arquivo (pré-gravado): Controle de fluxo somente para o video em arquivo Video ao vivo, somente em streaming Sucesso garantido: Youtube Futuro : IPTV (depende de banda e padrões)

Mídias Contínuas. Mídias Contínuas

Mídias Contínuas. Mídias Contínuas Mídias Contínuas Processamento da Informação Digital Mídias Contínuas Mídias Contínuas (dinâmicas ou dependentes do tempo) Digitalização de Sinais Áudio Vídeo 1 Digitalização de Sinais Codificadores de

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16 Informática Prof. Macêdo Firmino Representação da Informação Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16 Introdução Estamos acostumados a pensar nos computadores como mecanismos complexos,

Leia mais

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.1. Imagem. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.1. Imagem. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Sistemas e Conteúdos Multimédia 4.1. Imagem Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Cores O que é a cor? Distribuição espectral do sinal de excitação. Função da reflectância e da iluminação

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Formatos de Imagens

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Formatos de Imagens IntroduçãoàTecnologiaWeb HTML HyperTextMarkupLanguage XHTML extensiblehypertextmarkuplanguage FormatosdeImagens ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger FormatosdeImagens Índice 1 FORMATOS

Leia mais

19/11/2015. Um pouco de história antes... A FOTOGRAFIA. James Clerk Maxwell (1831 1879) Escócia (Reino Unido) físico, filósofo e matemático.

19/11/2015. Um pouco de história antes... A FOTOGRAFIA. James Clerk Maxwell (1831 1879) Escócia (Reino Unido) físico, filósofo e matemático. Prof. Reginaldo Brito Um pouco de história antes... A FOTOGRAFIA Joseph-Nicéphore Niepce * França, (1765-1833) James Clerk Maxwell (1831 1879) Escócia (Reino Unido) físico, filósofo e matemático. 1826,

Leia mais

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4)

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4) Prof. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4) 1 Classificação da imagem Em relação à sua origem pode-se classificar uma imagem,

Leia mais

Codificação/Compressão de Vídeo. Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão)

Codificação/Compressão de Vídeo. Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão) Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão) Um vídeo pode ser considerado como uma seqüência de imagens estáticas (quadros). Cada um desses quadros pode ser codificado usando as mesmas técnicas empregadas

Leia mais

ferramentas da imagem digital

ferramentas da imagem digital ferramentas da imagem digital illustrator X photoshop aplicativo ilustração vetorial aplicativo imagem digital 02. 16 imagem vetorial X imagem de rastreio imagem vetorial traduz a imagem recorrendo a instrumentos

Leia mais

Compressão de Imagens

Compressão de Imagens Compressão de Imagens Compressão de Imagens Geradas por Computador (Gráficos) Armazenamento (e transmissão) como um conjunto de instruções (formato de programa) que geram a imagem Utilização de algum esquema

Leia mais

TRATAMENTO DE IMAGENS. Elisa Maria Pivetta

TRATAMENTO DE IMAGENS. Elisa Maria Pivetta TRATAMENTO DE IMAGENS Elisa Maria Pivetta CATEGORIAS DE IMAGENS Distinguem-se geralmente duas grandes: Bitmap (ou raster) - trata-se de imagens "pixelizadas", ou seja, um conjunto de pontos (pixéis) contidos

Leia mais

Desenho e Apresentação de Imagens por Computador

Desenho e Apresentação de Imagens por Computador Desenho e Apresentação de Imagens por Computador Conteúdo s: Aspetos genéricos sobre o trabalho com imagens computacionais. Imagens computacionais e programas que criam ou manipulam esse tipo de imagens.

Leia mais

Introdução à multimídia na Web

Introdução à multimídia na Web Aplicações Multimídia Aplicações Multimídia para Web Introdução à multimídia na Web Co-autoria com Profº. Diogo Duarte Aplicações Multimídia para Web Multimídia Multimídia é tudo que você ouve ou vê. Textos,

Leia mais

Introdução à Multimédia conceitos

Introdução à Multimédia conceitos 1. Introdução à Multimédia conceitos Popularidade mercado potencial aparece nos anos 90 Avanços Tecnológicos que motivaram o aparecimento/ desenvolvimento da MULTIMÉDIA Indústrias envolvidas - Sistemas

Leia mais

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.4. Áudio. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.4. Áudio. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Sistemas e Conteúdos Multimédia 4.4. Áudio Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt O som é um fenómeno físico causado pela vibração da matéria (p. ex. a pele de um tambor) A vibração provoca

Leia mais

Imagem digital. Unidade 3

Imagem digital. Unidade 3 Imagem digital Unidade 3 Objectivos Reconhecer o potencial comunicativo/ expressivo das imagens; Reconhecer as potencialidades narrativas de uma imagem; A criação de sentido nas associações de imagens

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 703/8 Págs. Duração da prova: 120 minutos 2007 2.ª FASE PROVA PRÁTICA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS

Leia mais

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress O pacote BrOffice é um pacote de escritório muito similar ao já conhecido Microsoft Office e ao longo do tempo vem evoluindo e cada vez mais ampliando as possibilidades

Leia mais

Escola Secundária da Trofa Aplicações Informáticas A 11º Ano Curso Tecnológico de Informática T E S T E T I P O

Escola Secundária da Trofa Aplicações Informáticas A 11º Ano Curso Tecnológico de Informática T E S T E T I P O Grupo I (Utilização de Sistemas Multimédia) 1. Indique os atributos elementares das imagens 2. Complete as seguintes afirmações de forma a torná-las verdadeiras: a. A resolução de uma imagem digital é

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação Anual. Disciplina: APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B - Ano: 12º

Ano letivo 2014/2015. Planificação Anual. Disciplina: APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B - Ano: 12º Código 401470 Escola Secundária com 3º Ciclo do Ensino Básico Dr. Joaquim de Carvalho DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Ano letivo 2014/2015 Planificação Anual Disciplina: APLICAÇÕES INFORMÁTICAS

Leia mais

Formatos de Arquivos da Internet

Formatos de Arquivos da Internet Guia de Consulta Rápida Formatos de Arquivos da Internet Marcelo Silveira Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida Formatos de Arquivos da Internet de Marcelo Silveira Copyright

Leia mais

Entenda os formatos mais populares de vídeo

Entenda os formatos mais populares de vídeo Entenda os formatos mais populares de vídeo Com o grande crescimento da internet banda larga no país muitos internautas estão cada vez mais tendo contato com arquivos de vídeo, tanto na visualização online

Leia mais

Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica

Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica Professora Andréia Freitas 2012 7 semestre Aula 02 (1)AZEVEDO, Eduardo. Computação Gráfica, Rio de Janeiro: Campus, 2005 (*0) (2) MENEZES, Marco Antonio

Leia mais

Estão corretas: (A) I, II e IV (B) II e III (C) II e IV (D) III e V (E) I, III e V

Estão corretas: (A) I, II e IV (B) II e III (C) II e IV (D) III e V (E) I, III e V FUNDAÇÃO VISCONDE DE CAIRU FACULDADE VISCONDE DE CAIRU CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF.: AFONSO CELSO M. MADEIRA DISCIPLINA: COMPUTAÇÃO GRÁFICA (TACOG) 4º SEMESTRE GABARITO Segundo a

Leia mais

Prova Escrita de Aplicações Informáticas B

Prova Escrita de Aplicações Informáticas B EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Aplicações Informáticas B 12.º Ano de Escolaridade Prova 703/1.ª Fase 10 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Disciplina:FERRAMENTAS E TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO WEB. Professora Andréia Freitas

TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Disciplina:FERRAMENTAS E TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO WEB. Professora Andréia Freitas TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Disciplina:FERRAMENTAS E TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO WEB Professora Andréia Freitas 2012 3 semestre Aula 03 MEMORIA, F. Design para a Internet. 1ª Edição. Rio de Janeiro:

Leia mais

ETI - Edição e tratamento de imagens digitais

ETI - Edição e tratamento de imagens digitais Curso Técnico em Multimídia ETI - Edição e tratamento de imagens digitais 2 Fundamentos "Conserva o modelo das sãs palavras que de mim tens ouvido, na fé e no amor que há em Cristo Jesus." 2 Timóteo 1:13

Leia mais

Considerações gerais sobre arquivos abertos e fechados

Considerações gerais sobre arquivos abertos e fechados Considerações gerais sobre arquivos abertos e fechados Este tutorial tem por finalidade esclarecer algumas dúvidas sobre arquivos abertos e arquivos fechados. Leia e entenda um pouco mais sobre PDF, diferenças

Leia mais

Multimídia. Hardware/Software para Multimídia (Parte I) Sistemas Multimídia. Tópico. Hardware e Software para Multimídia

Multimídia. Hardware/Software para Multimídia (Parte I) Sistemas Multimídia. Tópico. Hardware e Software para Multimídia Multimídia Hardware/Software para Multimídia (Parte I) Sistemas Multimídia Tópico Hardware e Hardware para Multimídia Com a popularização dos sistemas multimídia foi criado o padrão MPC (PC Multimídia)

Leia mais

Representação de Imagens

Representação de Imagens Representação de Imagens Primitivas Gráficas As primitivas gráficas são os elementos básicos que formam um desenho. Exemplos: Ponto, segmento, polilinha, polígono, arco de elipse, etc. Primitivas já definidas

Leia mais

Figura 1: Formato matricial de uma imagem retangular. Figura 2: Ampliação dos pixels de uma imagem

Figura 1: Formato matricial de uma imagem retangular. Figura 2: Ampliação dos pixels de uma imagem Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Departamento de Eletrônica e Computação - DELC Introdução à Informática Prof. Cesar Tadeu Pozzer Julho de 2006 Imagens Uma imagem é representada por uma matriz

Leia mais

Bitmap X Vetorial OS DOIS PRINCIPAIS TIPOS DE ARQUIVOS NA COMPUTAÇÃO GRÁFICA

Bitmap X Vetorial OS DOIS PRINCIPAIS TIPOS DE ARQUIVOS NA COMPUTAÇÃO GRÁFICA OS DOIS PRINCIPAIS TIPOS DE ARQUIVOS NA COMPUTAÇÃO GRÁFICA Editores vetoriais são frequentemente contrastadas com editores de bitmap, e as suas capacidades se complementam. Eles são melhores para leiaute

Leia mais

PDI 1 - Projeto e Design de Interfaces Web

PDI 1 - Projeto e Design de Interfaces Web Introdução a HTML e XHTML Elementos básicos parte 2 Professor: Victor Hugo L. Lopes Agenda: --Adicionando imagens; --Trabalhando com vídeos e sons em HTML; Disponível em http://wp.me/p48yvn-43 2 Inserindo

Leia mais

Multimédia. 3.4. Video. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Multimédia. 3.4. Video. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Multimédia 3.4. Video Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt O que é? Consiste de um conjunto de imagens que quando visualizadas sequencialmente dão a sensação de movimento à semelhança do

Leia mais

Visualização de um vídeo = movimento sequencial de um conjunto de imagens (fotogramas ou frames)

Visualização de um vídeo = movimento sequencial de um conjunto de imagens (fotogramas ou frames) 6.2. Compressão 6.3. Software Visualização de um vídeo = movimento sequencial de um conjunto de imagens (fotogramas ou frames) FRAME RATE = nº de frames por segundo (fps) Os valores mais utilizados pelas

Leia mais

O vídeo. O vídeo. Sistemas analógicos de vídeo. O vídeo. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho

O vídeo. O vídeo. Sistemas analógicos de vídeo. O vídeo. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho O vídeo O vídeo Interfaces de vídeo Sistemas de televisão: as características do sinal de vídeo são determinadas pelos padrões de televisão principais padrões existentes: televisão em preto-e-branco televisão

Leia mais

Aquisição e Representação da Imagem Digital

Aquisição e Representação da Imagem Digital Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Aquisição e Representação da Imagem Digital Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Sala AEP/33 Sumário. Introdução 2. Aquisição e Representação da Imagem

Leia mais

FORMATOS DE ARQUIVOS FORMATOS DE ARQUIVOS NATIVOS FORMATOS DE ARQUIVOS GENÉRICOS. Produção Gráfica 2 A R Q U I V O S D I G I T A I S -

FORMATOS DE ARQUIVOS FORMATOS DE ARQUIVOS NATIVOS FORMATOS DE ARQUIVOS GENÉRICOS. Produção Gráfica 2 A R Q U I V O S D I G I T A I S - Produção Gráfica 2 FORMATOS DE ARQUIVOS A R Q U I V O S D I G I T A I S - FORMATOS DE ARQUIVOS PARA IMAGEM BITMAPEADAS Uma imagem bitmapeada, uma ilustração vetorial ou um texto são armazenados no computador

Leia mais

COMPRESSÃO DE DADOS MULTIMÍDIA

COMPRESSÃO DE DADOS MULTIMÍDIA COMPRESSÃO DE DADOS MULTIMÍDIA Por que Compressão? Apesar da expansão das capacidade de comunicação e computação, a demanda das novas aplicações multimídia cresce rapidamente Custo de transmissão e armazenagem

Leia mais

2. O que é Redundância de código ou informação? Como a compressão Huffman utiliza isso? Você conhece algum formato de imagem que a utiliza?(1.

2. O que é Redundância de código ou informação? Como a compressão Huffman utiliza isso? Você conhece algum formato de imagem que a utiliza?(1. Respostas do Estudo Dirigido Cap. 26 - Reducing the information:... ou Image Compression 1. Para que serve comprimir as imagens? Que aspectos estão sendo considerados quando se fala de: Compression Rate,

Leia mais

Utilização do Sistema Multimédia. 2. Formatos de ficheiros 2.1. Compressão 2.2. Formatos mais comuns 2.3 Captura de imagens. 2. Formatos de ficheiros

Utilização do Sistema Multimédia. 2. Formatos de ficheiros 2.1. Compressão 2.2. Formatos mais comuns 2.3 Captura de imagens. 2. Formatos de ficheiros Utilização do Sistema Multimédia 2.1. Compressão 2.2. Formatos mais comuns 2.3 Captura de imagens 2.1. Compressão Formatos com e sem compressão Técnicas de compressão (reduzem tamanho) de 2 tipos: Compressão

Leia mais

FUNDAMENTOS SOBRE IMAGENS PARA A WEB

FUNDAMENTOS SOBRE IMAGENS PARA A WEB FUNDAMENTOS SOBRE IMAGENS PARA A WEB Bons web sites necessitam de uma correta integração entre textos e imagens. Este artigo contém o mínimo que você precisa saber sobre imagens para a web. Introdução

Leia mais

Prova Escrita de Aplicações Informáticas B

Prova Escrita de Aplicações Informáticas B EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Aplicações Informáticas B 12.º Ano de Escolaridade Prova 703/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

Processamento de Imagem. Representação, Armazenamento e Formato de imagens Professora Sheila Cáceres

Processamento de Imagem. Representação, Armazenamento e Formato de imagens Professora Sheila Cáceres Processamento de Imagem Representação, Armazenamento e Formato de imagens Professora Sheila Cáceres Representação e armazenamento de imagens Process. de Imagem - Prof. Sheila Cáceres 2 Representação Matricial

Leia mais

2.1.2 Definição Matemática de Imagem

2.1.2 Definição Matemática de Imagem Capítulo 2 Fundamentação Teórica Este capítulo descreve os fundamentos e as etapas do processamento digital de imagens. 2.1 Fundamentos para Processamento Digital de Imagens Esta seção apresenta as propriedades

Leia mais

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 3)

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 3) Prof. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 3) Introdução A possibilidade de utilizarmos imagens, gráficos, desenhos e textos artísticos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Informática Aplicada a Radiologia

Informática Aplicada a Radiologia Informática Aplicada a Radiologia Apostila: Imagem Digital parte I Prof. Rubens Freire Rosa Imagem na forma digital A representação de Imagens na forma digital nos permite capturar, armazenar e processar

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 9 Representações de dados para gráficos e imagens

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 9 Representações de dados para gráficos e imagens Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 9 Representações de dados para gráficos e imagens Sumário Gráficos e imagens bitmap Tipos de dados para gráficos e imagens Imagens de 1-bit Imagens de gray-level

Leia mais

- Representação da Informação pelo computador - Sistemas de Numeração - Código Binário - Digitalização

- Representação da Informação pelo computador - Sistemas de Numeração - Código Binário - Digitalização Disciplina Bases Computacionais Aula 03 Informação, Dados, Variáveis, Algoritmos Roteiro da Aula: - Representação da Informação pelo computador - Sistemas de Numeração - Código Binário - Digitalização

Leia mais

Padrões ITU-T H.261 e H.263

Padrões ITU-T H.261 e H.263 Padrões ITU-T H.261 e H.263 Acadêmicos: Orlando L. Pelosi Jr. Rodrigo Matheus da Costa Vinicius Mariano de Lima Professor: Prof. Adair Santa Catarina Vídeo Digital Vídeos são compostos por frames que contém

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B PLANIFICAÇÕES SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B 12º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Introdução à Programação Introdução Linguagens naturais e formais Algoritmos

Leia mais

Ferramenta de Design Gráfico/ Imagem Digital Adobe Photoshop Fábio Fernandes

Ferramenta de Design Gráfico/ Imagem Digital Adobe Photoshop Fábio Fernandes Ferramenta de Design Gráfico/ Imagem Digital Adobe Photoshop Fábio Fernandes O Adobe Photoshop vem liderando o mercado de imagem digital há anos. Portanto, não podemos deixar de explorar essa ferramenta

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia Prof. Daniel Hasse Multimídia e Hipermídia AULA 02 Agenda: Algoritmos de Codificação/Decodificação; Codec de Áudio. Atividade complementar. Algoritmos de Codificação/Decodificação - Comunicação tempo real,

Leia mais

3 PROCESSOS DE COMPRESSÃO

3 PROCESSOS DE COMPRESSÃO Revista Mackenzie de Engenharia e Computação, Ano 5, n. 5, p. 13-96 Neste ponto existem duas possibilidades. Se o receptor for do tipo Digital o sinal de TV digitalizado oriundo do decompressor MPEG2 vai

Leia mais

Imagens Digitais Tratamento de Imagens

Imagens Digitais Tratamento de Imagens Imagens Digitais Imagens de Bitmap Bitmap = Mapa de Bits ou Imagens Raster São as imagens formadas por pixels em oposição às imagens vetoriais. Imagens de Bitmap Imagem de bitmap Imagem vetorial Imagens

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA #01 TÓPICOS DESENVOLVIDOS NESTE MÓDULO

COMPUTAÇÃO GRÁFICA #01 TÓPICOS DESENVOLVIDOS NESTE MÓDULO COMPUTAÇÃO GRÁFICA #01 TÓPICOS DESENVOLVIDOS NESTE MÓDULO Que é Computação Gráfica Quais as Áreas da Computação Gráfica Dimensões 2D e 3D Primitivas Gráficas Imagem Matricial e Imagem Vetorial Rasterização

Leia mais

Thales Trigo. Formatos de arquivos digitais

Thales Trigo. Formatos de arquivos digitais Esse artigo sobre Formatos de Arquivos Digitais é parte da Tese de Doutoramento do autor apresentada para a obtenção do titulo de Doutor em Engenharia Elétrica pela Escola Politécnica da USP. Thales Trigo

Leia mais

FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL. Objetivos do Sistema Digital. Digital. Comparação. (NTSC x ATSC) Transmissão simultânea de várias programações

FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL. Objetivos do Sistema Digital. Digital. Comparação. (NTSC x ATSC) Transmissão simultânea de várias programações PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL Prof. Alexandre A. P. Pohl Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica e Informática Industrial - CPGEI 1 Objetivos do Sistema

Leia mais

Codec. Finalização de audiovisual. Bit Rate (Taxa de Bits) formatos de exportação. Pro res. ProRes 16/05/13. Sigla de COmpressor/DEcompressor.

Codec. Finalização de audiovisual. Bit Rate (Taxa de Bits) formatos de exportação. Pro res. ProRes 16/05/13. Sigla de COmpressor/DEcompressor. Codec Finalização de audiovisual Sigla de COmpressor/DEcompressor. Conjunto de instruções que permite comprimir um sinal de vídeo ou áudio, para armazenamento, e descomprimir, para reprodução. Bit Rate

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Processamento de Imagem Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Visão Computacional Não existe um consenso entre os autores sobre o correto escopo do processamento de imagens, a

Leia mais

Representação Binária de Dados

Representação Binária de Dados Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Departamento de Eletrônica e Computação - DELC Introdução à Informática Prof. Cesar Tadeu Pozzer Janeiro de 2006 Representação Binária de Dados O computador utiliza

Leia mais

Mídias Discretas. Dados Multimídia

Mídias Discretas. Dados Multimídia Mídias Discretas Processamento da Informação Digital Dados Multimídia Representar letras, números e caracteres especiais é simples. O problema é representar de forma precisa e econômica sons, imagens,

Leia mais

DIGITALIZAÇÃO E EDIÇÃO DE VÍDEOS DIDÁTICOS DA DISCIPLINA F809 RELATORIO FINAL 25 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

DIGITALIZAÇÃO E EDIÇÃO DE VÍDEOS DIDÁTICOS DA DISCIPLINA F809 RELATORIO FINAL 25 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS 25-1 25 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Projeto de Instrumentação para o Ensino F809 RELATORIO FINAL DIGITALIZAÇÃO E EDIÇÃO DE VÍDEOS DIDÁTICOS DA DISCIPLINA F809 Aluno: Gustavo M. S. Valente Orientador:

Leia mais

Fotografia Digital. Aula 1

Fotografia Digital. Aula 1 Fotografia Digital Aula 1 FOTOGRAFIA DIGITAL Tema da aula: A Fotografia 2 A FOTOGRAFIA A palavra Fotografia vem do grego φως [fós] ("luz"), e γραφις [grafis] ("estilo", "pincel") ou γραφη grafê, e significa

Leia mais

CorelDRAW 11 1. UM PROGRAMA DE DESIGN

CorelDRAW 11 1. UM PROGRAMA DE DESIGN CorelDRAW 11 1. UM PROGRAMA DE DESIGN Com o Corel você vai trabalhar com um dos aplicativos mais usados no campo do design e da auto-edição, já que permite operar com dois tipos de gráficos (vetoriais

Leia mais

7 Introdução ao uso do LibreOffice Impress

7 Introdução ao uso do LibreOffice Impress Introdução a Informática - 1º semestre AULA 04 Prof. André Moraes Objetivos desta aula: Criar apresentações básicas com uso do LibreOffice Impress; o Manipular a estrutura de tópicos para a digitação de

Leia mais

a marca bematech Tudo o que você precisa para usar a marca. Dezembro de 2009

a marca bematech Tudo o que você precisa para usar a marca. Dezembro de 2009 16 a marca bematech Tudo o que você precisa para usar a marca. 17 Marca Dinâmica e evolutiva, a marca Bematech é formada pelo símbolo e logotipo. Suas elipses simbolizam a essência de uma empresa empreendedora.

Leia mais

Formação Movie Maker. FORMAÇÃO PERMANENTE PARA PROFESSORES DO LEI Dias 18 e 19 de setembro de 2014

Formação Movie Maker. FORMAÇÃO PERMANENTE PARA PROFESSORES DO LEI Dias 18 e 19 de setembro de 2014 Formação Movie Maker FORMAÇÃO PERMANENTE PARA PROFESSORES DO LEI Dias 18 e 19 de setembro de 2014 Sobre mim Antônio José Instrutor de Informática Desenvolvedor web Técnico em Informática Contatos: http://www.conceitomaster.com.br

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA REPRESENTAÇÃO DE IMAGENS

COMPUTAÇÃO GRÁFICA REPRESENTAÇÃO DE IMAGENS COMPUTAÇÃO GRÁFICA REPRESENTAÇÃO DE IMAGENS Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA ARQUITETURA GRÁFICA Frame-buffer

Leia mais

Nos itens de resposta fechada curta, é atribuída a classificação total à resposta correcta. É classificada com zero pontos qualquer outra situação.

Nos itens de resposta fechada curta, é atribuída a classificação total à resposta correcta. É classificada com zero pontos qualquer outra situação. 1. CRITÉRIOS GERAIS DE CLASSIFICAÇÃO Quando o examinando responder ao mesmo item mais do que uma vez, deve ter eliminado, inequivocamente, a(s) resposta(s) que considerou incorrecta(s). No caso de tal

Leia mais

Atividade: matrizes e imagens digitais

Atividade: matrizes e imagens digitais Atividade: matrizes e imagens digitais Aluno(a): Turma: Professor(a): Parte 01 MÓDULO: MATRIZES E IMAGENS BINÁRIAS 1 2 3 4 5 6 7 8 Indique, na tabela abaixo, as respostas dos 8 desafios do Jogo dos Índices

Leia mais

PAPEL BRANCO. Padrão de compactação de vídeo H.264. Novas possibilidades em vigilância por vídeo.

PAPEL BRANCO. Padrão de compactação de vídeo H.264. Novas possibilidades em vigilância por vídeo. PAPEL BRANCO Padrão de compactação de vídeo H.264. Novas possibilidades em vigilância por vídeo. Índice 1. Introdução 3 2. Desenvolvimento do H.264 3 3. Como funciona a compactação de vídeo 4 4. Perfis

Leia mais

Trabalhando com arquivos de som. Prof. César Bastos Fevereiro 2008

Trabalhando com arquivos de som. Prof. César Bastos Fevereiro 2008 Trabalhando com arquivos de som Prof. César Bastos Fevereiro 2008 Usando a mídia de som Vamos considerar os programas gratuitos como base de nossas ferramentas nesse curso, assim todos poderão usufruir

Leia mais

UM POUCO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA.

UM POUCO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA. UM POUCO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA. Imagem digital é a representação de uma imagem bidimensional usando números binários codificados de modo a permitir seu armazenamento, transferência, impressão ou reprodução,

Leia mais

Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari amanda@fcav.unesp.br

Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari amanda@fcav.unesp.br Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari amanda@fcav.unesp.br São representações dos números de uma forma consistente. Apresenta uma grande quantidade de números úteis, dando a cada número

Leia mais

Aula 2 Aquisição de Imagens

Aula 2 Aquisição de Imagens Processamento Digital de Imagens Aula 2 Aquisição de Imagens Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira mvieira@sc.usp.br EESC/USP Fundamentos de Imagens Digitais Ocorre a formação de uma imagem quando

Leia mais

Imagem digital. Configuração de 640 x 480 e 24 bits/pixel (RGB) 7,37 Mbits Solução compactação

Imagem digital. Configuração de 640 x 480 e 24 bits/pixel (RGB) 7,37 Mbits Solução compactação Imagem digital Configuração de 640 x 480 e 24 bits/pixel (RGB) 7,37 Mbits Solução compactação Imagem digital - compactação - JPEG Joint Photographic Experts Group Definido no padrão internacional 10918

Leia mais

Representação de Informação -- Texto -- Representação de Informação. Representação de Caracteres

Representação de Informação -- Texto -- Representação de Informação. Representação de Caracteres Representação de Informação -- Texto -- Sistemas Informáticos I, 2004/2005 (c) Paulo Marques SLIDES 5 Representação de Informação Como é que se representa texto? Como é que se representam imagens? Como

Leia mais

PRINCIPAIS ATALHOS. Função Windows Mac. Selecionar tudo Ctrl+A Command+A. Duplicar Ctrl+D Command+D. Desfazer Ctrl+Z Command+Z

PRINCIPAIS ATALHOS. Função Windows Mac. Selecionar tudo Ctrl+A Command+A. Duplicar Ctrl+D Command+D. Desfazer Ctrl+Z Command+Z PRINCIPAIS ATALHOS Esses são só alguns dos atalhos de teclado usados rotineiramente no fluxo de trabalho. Se você quiser visualizar todos os atalhos de teclado pode ir em Edit>Keyboard Shortcuts ou acessar

Leia mais

WEB DESIGN ELEMENTOS GRÁFICOS

WEB DESIGN ELEMENTOS GRÁFICOS ELEMENTOS GRÁFICOS Parte 4 José Manuel Russo 2005 24 A Imagem Bitmap (Raster) As imagens digitais ou Bitmap (Raster image do inglês) são desenhadas por um conjunto de pontos quadrangulares Pixel alinhados

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital Sumário Aúdio digital Digitalização de som O que é o som? Digitalização Teorema de Nyquist MIDI: Musical Instrument

Leia mais

Universidade Federal de Alagoas Instituto de Matemática. Imagem. Prof. Thales Vieira

Universidade Federal de Alagoas Instituto de Matemática. Imagem. Prof. Thales Vieira Universidade Federal de Alagoas Instituto de Matemática Imagem Prof. Thales Vieira 2014 O que é uma imagem digital? Imagem no universo físico Imagem no universo matemático Representação de uma imagem Codificação

Leia mais

Guia de Estudo Criação de Apresentações Microsoft PowerPoint

Guia de Estudo Criação de Apresentações Microsoft PowerPoint Tecnologias da Informação e Comunicação Guia de Estudo Criação de Apresentações Microsoft PowerPoint Aspectos genéricos sobre o trabalho com imagens computacionais Imagens computacionais e programas que

Leia mais

Aula 09. Exportação e Licenças

Aula 09. Exportação e Licenças Aula 09 Exportação e Licenças Exportação Como exportar um vídeo para celular, dispositivos móveis e internet? As propriedades para exportar um vídeo para celular e dispositivos móveis Dica Como saber qual

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Introdução à Computação Licenciatura em Computação Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Representação da informação Ao final deste capítulo você deverá ser capaz

Leia mais

Kingston Technology Programa de Customização DataTraveler

Kingston Technology Programa de Customização DataTraveler legacy.kingston.com/brasil/flash/cologo Kingston Technology Programa de Customização DataTraveler Envie um fax ou e-mail com o formulário preenchido para o seu Representante de Vendas. Lado A: Logotipo

Leia mais

Fotografia digital. Aspectos técnicos

Fotografia digital. Aspectos técnicos Fotografia digital Aspectos técnicos Captura CCD (Charge Coupled Device) CMOS (Complementary Metal OxideSemiconductor) Conversão de luz em cargas elétricas Equilíbrio entre abertura do diafragma e velocidade

Leia mais

PADRÕES NORMAS PROTOCOLOS FORMATOS

PADRÕES NORMAS PROTOCOLOS FORMATOS PADRÕES NORMAS PROTOCOLOS FORMATOS FORMATOS: São as várias conformações na qual uma informação digital pode ser armazenada. Um formato de arquivo é um algoritmo expresso por um software para codificação

Leia mais

Protótipo tipo de um Ambiente para Processamento de Imagens Raster 2D

Protótipo tipo de um Ambiente para Processamento de Imagens Raster 2D Protótipo tipo de um Ambiente para Processamento de Imagens Raster 2D Adriana Fornazari Prof. Dalton Solano dos Reis Orientador Roteiro Introdução Ambientes de processamento de imagens Arquivos gráficos

Leia mais

Uma nova maneira de interagir com a Gráfica Art3! A mais nova tecnologia em aprovação de arquivos via WEB.

Uma nova maneira de interagir com a Gráfica Art3! A mais nova tecnologia em aprovação de arquivos via WEB. Uma nova maneira de interagir com a Gráfica Art3! A mais nova tecnologia em aprovação de arquivos via WEB. O Portal Art3 é um sistema que permite uma grande flexibilidade na entrega e aprovação de seus

Leia mais

B. Piropo. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo

B. Piropo. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo B. Piropo Computadores usam internamente o sistema binário. O sistema binário adota apenas dois algarismos com os quais pode representar qualquer número. Portanto: Computadores só podem trabalhar com números.

Leia mais

Codificação de Vídeo em MPEG-4

Codificação de Vídeo em MPEG-4 Codificação de Vídeo em MPEG-4 Agenda O que é MPEG-4 Evolução da Norma Especificação Ferramentas e Algoritmos Empacotamento Scopus Aplicações Presentation for SSPI event 05-06-07 Entendendo a Sopa de Letrinhas

Leia mais

Computadores VII: Digitalizando Sons - Final

Computadores VII: Digitalizando Sons - Final Computadores VII: Digitalizando Sons - Final A2 Texto 4 http://www.bpiropo.com.br/fpc20050808.htm Sítio Fórum PCs /Colunas Coluna: B. Piropo Publicada em 08/08/2005 Autor: B.Piropo Semana passada vimos

Leia mais

Mídia Impressa X Mídia Eletrônica

Mídia Impressa X Mídia Eletrônica Diferenças entre Mídia Impressa e Eletrônica Resolução Web >> 72dpi Impressão >> 300dpi Padrão de cores Web >> RGB Impressão >> CMYK Tipos de Arquivos Web >> GIF / JPEG Impressão >> TIF / EPS Tamanho dos

Leia mais

POWER POINT 2003 CARREGANDO O POWER POINT

POWER POINT 2003 CARREGANDO O POWER POINT ÍNDICE POWER POINT 2003...2 CARREGANDO O POWER POINT...2 JANELA PRINCIPAL...3 PARTES DA JANELA...3 MENUS DO POWER POINT...4 BARRAS DE FERRAMENTAS...6 BARRA DE FERRAMENTA PADRÃO...6 BARRA DE FERRAMENTA

Leia mais

Conversores D/A e A/D

Conversores D/A e A/D Conversores D/A e A/D Introdução Um sinal analógico varia continuamente no tempo. Som Temperatura Pressão Um sinal digital varia discretamente no tempo. Processamento de sinais digitais Tecnologia amplamente

Leia mais

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO)

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) Há vários tipos de sistemas de gravações digitais. Os mais baratos consistem de uma placa para captura de vídeo, que

Leia mais

Formatos Imagem. Apontamentos CG + Edward Angel, Sec. 8.2. Instituto Superior Técnico Computação Gráfica 2009/2010

Formatos Imagem. Apontamentos CG + Edward Angel, Sec. 8.2. Instituto Superior Técnico Computação Gráfica 2009/2010 Formatos Imagem Apontamentos CG + Edward Angel, Sec. 8.2 Instituto Superior Técnico Computação Gráfica 2009/2010 1 Na última aula Ray-Tracing Ferramentas Utilizadas: POV-Ray 3.6 (modelling, texturing,

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída Dispositivos de Entrada e Saída Prof. Márcio Bueno {cgtarde,cgnoite}@marciobueno.com Fonte: Material do Prof. Robson Pequeno de Sousa e do Prof. Robson Lins Dispositivos de Entrada Teclado, Mouse, Trackball,

Leia mais

Imagens - Formatos. GIF (Graphics Interchange Format) JPEG (ou JPG) (Joint Pictures Experts Graphis)

Imagens - Formatos. GIF (Graphics Interchange Format) JPEG (ou JPG) (Joint Pictures Experts Graphis) Imagens - Formatos GIF (Graphics Interchange Format) - Muito popular na web. - Permite ter um máximo de 256 cores. - Indicado para cartoons, logos, imagens com áreas transparentes e animações. JPEG (ou

Leia mais