Manual de Definições técnicas da Compensação de Cheques por Imagem

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Definições técnicas da Compensação de Cheques por Imagem"

Transcrição

1 Manual de Definições técnicas da Compensação de Cheques por Imagem Março 2012

2 Sumário Controle de Versões Introdução Arquivo-imagem Resolução e Tipo de Imagem Formato do Arquivo Tipo de arquivo Compressão Indexação Qualidade da imagem Captura da Imagem Transmissão Tamanho do registro Tamanho do lote Compressão Criptografia Ferramenta de transmissão Topologia de rede Segurança Integridade Sigilo Assinatura digital Certificado Digital Selo de tempo Devolução motivo Considerações Finais Março/2012 3

3 Controle de Versões / março de 2012 Item alterado Descrição das alterações: 2.5 Retirado o item "Uso de TAGs". 3 Retirada a estrutura de indexação CEL Alteração da figura para o layout do CEL Exclusão do trecho: "Um dos principais desafios para a viabilização da compensação de cheques por imagem no Brasil é a transmissão das imagens dos cheques dentro das janelas de tempo apropriadas. O processo de transmissão deveria incorporar as seguintes atividades". 6.1 Alteração do trecho "Neste valor estão inclusos 200 Bytes do CEL605, o arquivo TIFF e a assinatura digital. No caso de um registro maior que o 27KB este deverá ser dividido. Para cada cheque serão gerados 2 registros, sendo que em um estará a imagem da frente do cheque e em outro a imagem do verso, com os seus respectivos certificados." para "Neste valor estão inclusos 200 Bytes do CEL605, código binário da assinatura digital que abriga o certificado digital utilizado e o binário da imagem (arquivo TIFF). Para cada cheque serão gerados dois registros, sendo que em um estará a imagem da frente do cheque e em outro a imagem do verso, com os seus respectivos certificados. No caso do código binário da imagem com a assinatura digital concatenada ser maior que 27 KB, este conjunto deverá ser dividido, sendo que a assinatura digital deverá ser inserida sempre ao final da imagem do cheque. Este tamanho de registro foi definido a partir de análise de tamanho de buffer de controladora de transmissão e de segmentos de disco, sendo considerado o mais otimizado de forma genérica." 6.3 Alteração do trecho "Deverá haver compressão do lote já que é possível que haja registros com preenchimento de brancos no caso de imagens de cheques com mais de 22 KB. Nos primeiros testes efetuados houve um ganho de cerca de 30% no tamanho do arquivo a ser transmitido decorrente desta compressão. A compressão deverá ser feita pela ferramenta e ser compatível com a ferramenta em uso pelo Executante e pelo Sacado." para "Deverá haver compressão do lote já que é possível que haja registros com preenchimento de brancos (vide item 6.2). Nos primeiros testes efetuados houve um ganho de cerca de 30% no tamanho do arquivo a ser transmitido decorrente desta compressão. A compressão deverá ser feita pela ferramenta e ser compatível com a ferramenta em uso pelo Executante e pelo Sacado." Março/2012 4

4 Exclusão do trecho: "A segurança do processo foi uma das principais preocupações do GT desde o início das discussões. Para atender ao requisito permitir que imagens fidedignas dos cheques sejam disponibilizadas com segurança foram definidos os seguintes itens:" e a figura que estava após este trecho. Alteração do item "Uso de Hash" para "Integridade" e substituição do texto antigo pelo texto "Para que as imagens dos cheques sejam disponibilizadas com segurança, optou-se pelo uso do hash da assinatura digital, visto que este já é utilizado no processo de geração da assinatura, além de ser padronizado, não implicando em processamento adicional e oferecendo criptografia com nível de segurança suficiente." Alteração do item "Criptografia" para "Sigilo" e substituição do texto antigo por "No processo da compensação por Imagem, o uso sigilo será provido pela implementação de criptografia na transmissão das imagens conforme definição anterior." Inclusão do trecho "e deverá ser feita no momento da troca dos cheques na COMPE" após o texto "O uso de assinatura digital nas imagens dos cheques que serão utilizadas para a compensação é obrigatória em cada imagem, seja ela de frente ou verso." Exclusão do trecho "A certificação digital implementa mecanismos de integridade e não repúdio e a temporalidade da imagem. Após a análise de algumas alternativas o GT optou pela assinatura baseada no padrão definido pela ICP-Brasil. As seguintes razões levaram a essa decisão: Geração e verificação da assinatura padronizadas; Validação possível a médio e longo prazo, lembrando que a temporalidade do cheque é de 10 anos; Maior segurança; Robustez: padrão validado pelo Governo Federal Interoperabilidade; Redução de custos de desenvolvimento." Exclusão do trecho "O certificado a ser utilizado para assinatura digital das imagens dos cheques deve ser do tipo definido no ANEXO B, emitido em nome da Instituição Participante acolhedora." Inclusão do trecho "O formato da assinatura digital deverá ser binário com padrão de codificação no formato DER. A assinatura digital deve conter somente o certificado digital que esta assinando a imagem, e não a cadeia completa, visto que cada instituição financeira já deve possuir os certificados das cadeias instalados em seus sistemas para permitir a validação dos certificados." Exclusão do trecho "Nos testes realizados de assinatura digital no padrão proposto, incluindo o certificado digital da instituição, produziram arquivos com um tamanho médio entre 2 e 5 KB. Será obrigatório o uso de certificados com chaves RSA2048 e SHA256." Março/2012 5

5 7.3 Exclusão do trecho "O certificado COMPE deve ser emitido em nome da Instituição Participante ou de Associação Participante da COMPE ou da Instituição Representante devidamente autorizada. Certificado emitido por CA interna não são válidos para o processo de troca de arquivos entre os Participantes e o Executante. Apenas os Certificados Digitais ICP-BRASIL de quatro ACs deverão ser considerados como válidos para a COMPE por Imagem: Caixa Econômica Federal (CNPJ: / Site: Certisign (CNPJ: / Site:www.certisign.com.br) Serasa Experian (CNPJ: / Site:www.serasaexperian.com.br) Serpro (CNPJ: / Site: Apenas e tão somente as três ACs ICP-Brasil seguintes deverão ser consideradas para a compra dos Certificados Digitais para a COMPE por Imagem. São elas: Certisign (CNPJ: / Site:www.certisign.com.br) Serasa Experian (CNPJ: / Site:www.serasaexperian.com.br) Serpro (CNPJ: / Site: 7.3 Exclusão do trecho "Caso haja o interesse de alguma Autoridade Certificadora em participar na emissão de Certificados Digitais para a COMPE por Imagem, esta deverá mostrar seu interesse de forma oficial via pedido à FEBRABAN. Este pedido deverá passar pela Subcomissão responsável pela Certificação Digital da COMPE por imagem na FEBRABAN para aprovação. A assinatura digital deve conter somente o certificado digital que esta assinando a imagem, sem a cadeia completa, visto que cada instituição financeira já deve possuir os certificados das cadeias instalados em seus sistemas para permitir a validação dos certificados. O formato da assinatura digital deverá ser Binário, já que não há restrições quanto a este formato na ICP-Brasil." Março/2012 6

6 Exclusão do trecho "Será aceito apenas um formato de Signing Time, segundo a RFC 5126 do CMS: UTC (YYMMDDHHMMSSZ), onde: o YY: ano o MM: mês o DD: dia o HH: hora o MM: minuto SS: segundo o Z: A letra Z é uma constante e é inserida no final do horário apenas para indicar que esse horário é relativo ao GMT ou Greenwich. (No Brasil: UTC/GMT -3 horas/ em horário de verão -2 horas). Segue o formato abaixo como exemplo: 2194:d=6 hl=2 l= 30 cons: SEQUENCE 2196:d=7 hl=2 l= 9 prim: OBJECT :signingtime 2207:d=7 hl=2 l= 17 cons: SET 2209:d=8 hl=2 l= 13 prim: UTC : Z Caso o formato seja diferente do UTC, poderá haver devolução por Motivo 38 por Assinatura Inválida. Abaixo, seguem as causas que poderão gerar devolução por Motivo 38: Certificado expirado Certificado inválido Certificado revogado Assinatura inválida Não deverão ser consideradas como causa de devolução por Motivo 38: LCR indisponível LCR expirada LCR inválida Cadeia incompleta" Exclusão do trecho "É importante ressaltar que as definições que geram devolução por motivo 38 são de responsabilidade do Cenecomp, e que as sugestões do grupo técnico são como um complemento ao que for estabelecido pelo Cenecomp." Inclusão do trecho "A assinatura será considerada inválida quando a data/hora da assinatura for posterior à data/hora de validade do certificado, ou anterior à data/hora de emissão do certificado. A assinatura será considerada inválida quando a data/hora da assinatura for posterior à data/hora de revogação do certificado presente na LCR, ou seja, se o certificado tiver sido revogado antes da data/hora da assinatura esta não poderá ser considerada válida." 7.4 Alteração do título "Selo do tempo" por "certificado digital". 7.4 Alteração completa do item. 7.5 Alteração do título "Certificado expirado" por "selo do tempo". 7.5 Alteração completa do item. 7.6 Alteração do título "Certificado revogado" por "Devolução por motivo 38". 7.6 Alteração completa do item. Março/2012 7

7 7.7 Exclusão do item. Anexo B Anexo B Alteração do texto "Recomendamos inicialmente o uso de certificados do tipo A1 para aplicação/equipamento." por "É obrigatório o uso de certificados do tipo A1 para aplicação/equipamento." Alteração do texto "Recomendamos que este campo seja iniciado com a letra T nos certificados de testes e com a letra P nos certificados de produção." para "É obrigatório que este campo seja iniciado com a letra T nos certificados de testes e com a letra P nos certificados de produção." Anexo B Inclusão no "Anexo B" das LCRs válidas para emissão do Certificado COMPE. Anexo C Exclusão do Anexo C. Anexo D Exclusão do Anexo D. Revisores: Coord. e Participantes do GT Técnico, Comissão de Segurança e Management Solutions. Março/2012 8

8 1. Introdução Definições Técnicas da Compensação de Cheques por Imagem Este manual foi desenvolvido durante o processo de definição de requisitos técnicos para permitir a compensação de Cheques no Brasil através do uso de imagens digitais dos mesmos. Esse trabalho foi desenvolvido com a participação de profissionais técnicooperacionais das principais Instituições Participantes do mercado bem como do suporte de importantes fornecedores de tecnologia. Este manual define os padrões para participação na COMPE por Imagem. 2. Arquivo-imagem O padrão adotado para o arquivo imagem visa garantir a usabilidade das imagens dos cheques nos processos bancários permitindo a substituição do documento físico pelo uso da imagem do documento. 2.1 Resolução e Tipo de Imagem O cálculo do tamanho de um arquivo oriundo do processo de digitalização de um documento é feito da seguinte forma: Largura do documento x resolução x altura x resolução x número de bits para a representação do ponto. A resolução é um fator multiplicador ao quadrado, já que ela se aplica na linha e na coluna. Conseqüentemente, o aumento desnecessário da resolução impacta tremendamente nos requisitos de rede e de armazenamento.. Baseado no estudo conduzido pela Universidade de Pernambuco (vide Anexo I A Comparative Study on OCR Tools) verificamos que a resolução de 200 dpi (dots per inch pontos por polegada) atende de maneira bastante satisfatória os requisitos de OCR reconhecimento óptico de caracteres já que em 50% das ferramentas testadas com esta resolução obteve-se uma taxa de reconhecimento superior a 99%. E, os ganhos com resoluções superiores são mínimos, não se justificando o acréscimo de área de armazenamento. Março/2012 9

9 Para a definição do tipo de imagem podemos assumir: a) Preto e branco onde a representação de cada ponto se dá com um bit (0 branco; 1 preto); b) Tons de cinza para a representação de 16 tons de cinza utilizam-se 4 bits (combinação binária) e para a representação de 256 tons de cinza utilizam-se 8 bits; c) Colorido para a representação de um ponto colorido são necessários 24 bits, sendo 8 para a cor vermelha, 8 para a cor verde e 8 para a cor azul. Da combinação destas cores (RGB) se obtêm a cor do ponto. Como o tamanho do arquivo é obtido através da multiplicação, podemos afirmar que, antes da compressão, uma imagem colorida será 24 vezes maior que uma imagem de cheque preto e branco. Dado que o objetivo primário é a visualização do cheque para efeito de conferência e que a extração de dados é feita a partir de imagens preto e branco, optou-se então pelo uso de preto e branco no processo de digitalização. 2.2 Formato do Arquivo Como premissa básica para a seleção do formato de arquivo a ser utilizado foi definido um formato aberto de mercado e preferencialmente padronizado. A escolha recaiu sobre o formato TIFF - Tag Image File Format versão 6, do qual transcrevemos abaixo as principais características da própria norma ISO Formato de arquivos TIFF para imagens. O formato de arquivo TIFF Tag Image File Format possui três níveis de conformidade, sendo que o seu nível básico é o mais utilizado por programas geradores de imagens e por visualizadores de mercado. Este formato básico também é conhecido por TIFF versão 6.0. O objetivo desta norma é a de definir de uma forma simples arquivos utilizáveis. Para que estes arquivos possam ser visualizados, o software utilizado também deve ser aderente a esta norma. Março/

10 Os arquivos no formato TIFF basicamente possuem duas partes: Cabeçalho do arquivo Arquivos com imagens. Estes arquivos estão divididos em: o Descritor da imagem com informações como a resolução, tamanho, tipo e compressão utilizada; o Imagem propriamente dita. Cabeçalho Descritor da imagem Imagem 1 Descritor da imagem Imagem 2 As imagens contidas em um arquivo TIFF podem ser: Monocromáticas (preto e branco); Tons de cinza; Coloridas. Estas imagens podem ter uma imagem somente (normalmente uma página) ou múltiplas páginas, dependendo da forma como foram geradas. Para a compressão das imagens contidas em um arquivo TIFF podem ser utilizados os seguintes algoritmos de compressão: JPEG: utilizado para imagens em tons de cinza e coloridas. Este algoritmo de compressão é padronizado e possui uma norma definindo-o (ISO ) LZ77: também conhecido como LZW, utilizado para imagens em tons de cinza e coloridas; Huffman: mais popularmente conhecido como CCITT grupo 3 e MMR do grupo 4. Quando alguém se referencia a TIFF 3, na verdade está Março/

11 querendo dizer que a imagem está contida em um arquivo TIFF e comprimida com o algoritmo Huffman (CCITT G3). 2.3 Tipo de arquivo Conforme pode ser observado na norma ISO do TIFF, este formato permite o armazenamento de uma ou mais imagens dentro de um único arquivo (single ou multi-page). Por outro lado, a digitalização da frente e do verso de um cheque gera duas imagens. As alternativas avaliadas para o armazenamento destas imagens foram: Uso de arquivo no modo single page com as duas imagens montadas em uma única imagem. Como fatores impactantes temos o tempo necessário para fazer este processamento, o tamanho final da imagem (em algumas transações necessitamos somente a frente (extração dos dados, por exemplo)), a necessidade de alteração em aplicações de exibição existentes e o eventual desmonte da imagem. Uso de arquivo no modo single page com uma imagem por arquivo. Março/

12 Uso de arquivo no modo multi page com duas imagens por arquivo. Apesar de que um cheque ser composto de duas imagens, optou-se pelo uso do arquivo no modo single-page, ou seja, uma imagem de frente em um arquivo TIFF e uma imagem de verso em outro arquivo TIFF. Principais vantagens desse padrão: Base instalada: boa parte das instituições Participantes brasileiras já opera desta forma, minimizando-se alterações de sistemas existentes; Processamento: na extração de dados utiliza-se somente a imagem do cheque da frente do cheque. Neste caso não haverá tráfego desnecessário da imagem do verso; Aplicações de consulta na Internet: desmembrando-se o cheque em duas imagens, o tráfego na Web pode ser gerenciado de forma mais flexível. 2.4 Compressão A definição da imagem do cheque em preto e branco requer algoritmo de compressão padronizado do grupo 3 e do grupo 4. O grupo 3 normalmente consegue uma taxa de compressão de 5:1 até 8:1 em uma imagem a 200dpi; enquanto que o grupo 4 consegue uma compressão de até 15:1 em documentos do mesmo tipo. Março/

13 Como a compressão do segundo é em média quase o dobro da primeira já que este algoritmo também comprime linhas de bits repetidas,diminuindo consideravelmente o tamanho do arquivo sem perdas, optou- se pela definição do grupo 4 como algoritmo de compressão. 3. Indexação Após análise de diversas alternativas foi definido que, para efeito de minimização do tráfego de dados relativos ao cheque e redundância de dados, as imagens dos cheques serão inseridas em uma estrutura de arquivo derivada da série CEL605. Esta nova estrutura é denominada de série CEL604 e os registros têm o seguinte layout: 200 bytes bytes Dados lógicos do cheque Dados da assinatura e da imagem Arquivo TIFF imagem frente do cheque Assinatura Digital 200 bytes bytes Dados lógicos do cheque Dados da assinatura e da imagem Arquivo TIFF imagem verso cheque Assinatura Digital Nesta estrutura, os dados lógicos do cheque e da assinatura e imagem serão armazenados no modo EBCDIC (primeiros 200 bytes) e o restante do registro no modo binário, devendo ser desabilitada a conversão para ASCII em controladoras que eventualmente o façam para evitar problemas com a imagem. Ou seja, a composição do registro será: Março/

14 EBCDIC BINÁRIO Dados lógicos do cheque Dados da assinatura e da imagem Arquivo TIFF imagem frente do cheque Assinatura Digital EBCDIC BINÁRIO Dados lógicos do cheque Dados da assinatura e da imagem Arquivo TIFF imagem verso cheque Assinatura Digital No caso do campo 35 (binário das imagens) do arquivo CEL604 ser insuficiente para comportar a imagem com a assinatura digital concatenada, este conjunto deverá ser dividido, sendo que a assinatura digital deverá ser inserida sempre imediatamente ao final do binário da imagem do cheque. O header do CEL604 será: Descrição do registro Header (CEL/NRA604) Nome do Arquivo Descrição do Arquivo CEL/NRA604 REMESSA DE TROCA ELETRÔNICA DE CHEQUES COM IMAGEM Nome do registro Tamanho do Registro Header CEL/NRA604 Descrição dos Campos Númer Posição Picture Conteúdo do Campo Especificações o (047) Controle do Header Constante igual 0 (preencher com zeros) X(006) Nome do arquivo Constante igual a: - CEL604 (para sessão diurna) - NRA604 (para sessão noturna) (003) Local Origem Número Código COMPE de Origem do arquivo (004) Nº da versão do arquivo Número da Versão do arquivo (número único na sessão por COMPE de Origem) (003) Nº Código Inst. Partic. Número Código Instituição Participante Apres. apresentante X(001) Filler Branco (001) Indicador de Constante igual a: Remessa - 1 (para sessão diurna) - 2 (para sessão noturna) (008) Data do movimento Data do movimento de troca no formato AAAAMMDD X(077) Filler Brancos Março/

15 (010) Seqüencial de arquivo Número seqüencial do registro no arquivo, iniciando em 1 no Header, com evolução de +1 a cada novo registro, inclusive o Trailer X(27488) Filler Brancos Observação: Caso não informado ou informado código inexistente no conteúdo do campo Local Origem, o sistema assumirá código 018. O registro Detalhe do CEL604 será: Descrição do registro Detalhe (CEL/NRA604) Nome do Arquivo Descrição do Arquivo CEL/NRA604 REMESSA DE TROCA ELETRÔNICA DE CHEQUES COM IMAGEM Nome do registro Tamanho do Registro Detalhe bytes CEL/NRA604 30/04/2009 Descrição dos Campos Número Posição Picture Conteúdo do Campo Especificações (003) Local Destino Número da COMPE informado no CMC7 do documento (003) Nº Cód. Inst. Partic.Dest. Número da Instituição Participante informado no CMC7 do documento (004) Agência de Destino Número da Agência informado no CMC7 do documento (001) DV2 Número do DV2 Informado no CMC7 do documento (012) Conta de Destino Número da Conta Informado no CMC7 do documento (001) DV1 Número do DV1 Informado no CMC7 do documento (006) Número do Documento Número do Cheque Informado no CMC7 do documento (001) DV3 Número do DV3 Informado no CMC7 do documento X(002) UF Sigla da UF de acolhimento do documento (017) Valor líquido do cheque Valor do documento X(001) Tipificação Número da Tipificação informado no CMC7 do documento conforme CADOC X(004) Filler Brancos (003) Nº Cód. Inst. Partic.Apres. Número código da Instituição Participante Apresentante (004) Nº da Agência Apres. Número da Agência Apresentante (004) Nº da Agência de Depos. Número da Agência de Depósito (012) Nº da Conta de Depos. Número da Conta de Depósito (003) Cod. Local Acolhimento Número Código COMPE de acolhimento do documento (008) Data da Apresentação Data do movimento de troca no formato AAAAMMDD (007) Nº do Lote Número atribuído ao lote que contém o documento (003) Nº Seq. do lote Número seqüencial do documento no lote X(006) Centro Processador do Informação para controle do apresentante lote X(025) Nº Identificador Número do código identificador único do documento X(010) Filler Brancos (003) Local Origem Número Código COMPE de Origem do arquivo (004) Nº da versão do arquivo Número da Versão do arquivo (número único na sessão por COMPE de Origem) (003) Tipo de Documento Número TD - conforme tabela divulgada pelo Executante (010) Seqüencial de arquivo Número seqüencial do registro no arquivo, iniciando em 1 no Header, com evolução de +1 a cada novo registro, inclusive o Trailer X(040) Filler Brancos (002) Total de registros da Contém a quantidade de registros que compõe a imagem imagem assinada (002) Seqüencial de imagem Número seqüencial do registro da imagem (009) Tamanho da imagem Quantidade de bytes da imagem. Havendo mais de um segmento para a mesma, esse valor deve ser igual em todos os registros que descrevem o cheque, ou seja, que compõe a imagem. Março/

16 (009) Tamanho da assinatura Quantidade de bytes da assinatura da imagem (no caso de detached). deve indicar o tamanho total em bytes da assinatura digital. Será acrescentado após o último byte da imagem do cheque dentro do único ou último segmento. O restante do registro deve ser completado com brancos (carácter x 40 ) (001) Indicador do tipo da imagem Constante igual a: - F (para imagem da frente do cheque) - V (para imagem do verso do cheque) X(017) Filler Brancos X(27408) Binário das imagens binário da imagem e da assinatura Observações: 1. Caso não informado ou informado código inexistente no conteúdo do campo Local Origem, o sistema assumirá código 018 ; 2. O conteúdo dos campos 24 e 25 deve ser idêntico ao dos campos 3 e 4, respectivamente, do registro tipo Header; 3. Os campos 29, 30, 31 e 32 são distintos para cada tipo de imagem frente ou verso; 4. Os campos 1 a 26 deverão ser idênticos para os registros referentes a um mesmo documento; 5. Os registros referentes a um mesmo documento deverão ser apresentados na seqüência F -> V. O fechamento do lote do CEL604 será: Descrição do registro Fechamento do Lote (CEL/NRA604) Nome do Arquivo Descrição do Arquivo CEL/NRA604 REMESSA DE TROCA ELETRÔNICA DE CHEQUES COM IMAGEM Nome do registro Tamanho do Registro Fechamento do lote bytes CEL/NRA604 30/04/2009 Descrição dos Campos Número Posição Picture Conteúdo do Campo Especificações (003) Local Destino Número Código COMPE de destino do lote (003) Nº Cod. Inst. Partic. dest. Núm Código da Instituição Participante destinatário do lote (027) Controle do Fech. do Lote Constante igual a 9 s (preencher com noves) (017) Valor do lote Somatório do valor dos detalhes do lote X(005) Filler Brancos (003) Nº Cod. Inst. Partic.apres. Núm Código Instituição Participante apresentante do lote X(023) Filler Brancos (008) Data do movimento Data do movimento de troca no formato AAAAMMDD (007) Nº do Lote Número atribuído ao lote (003) Nº Seq. do lote Constante igual a (006) Centro Processador Informação para controle do apresentante X(035) Filler Brancos (003) Local Origem Número Código COMPE de Origem do arquivo (004) Nº da versão do arquivo Número da Versão do arquivo (número único na sessão por COMPE de Origem) (003) Tipo de Documento Número TD - conforme tabela divulgada pelo Executante (010) Seqüencial de arquivo Número seqüencial do registro no arquivo, iniciando em 1 no Header, com evolução de +1 a cada novo registro, inclusive o Trailer X(27488) Filler Brancos Observações: 1. Caso não informado ou informado código inexistente no conteúdo do campo Local Origem, o sistema assumirá código 018 ; 2. O conteúdo dos campos 13 e 14 deve ser idêntico ao dos campos 3 e 4, respectivamente, do registro tipo Header. O registro de trailler do CEL604 será: Descrição do registro Trailler (CEL/NRA604) Março/

17 Nome do Arquivo Descrição do Arquivo CEL/NRA604 REMESSA DE TROCA ELETRÔNICA DE CHEQUES COM IMAGEM Nome do registro Tamanho do Registro Trailler bytes CEL/NRA604 30/04/2009 Descrição dos Campos Número Posição Picture Conteúdo do Campo Especificações (047) Controle do trailer Constante igual a 9 s (preencher com noves) X(006) Nome do arquivo Constante igual a: - CEL604 (para sessão diurna) - NRA604 (para sessão noturna) (003) Local Origem Número Código COMPE de Origem do arquivo (004) Nº da versão do arquivo Número da Versão do arquivo (número único na sessão por COMPE de Origem) (003) Nº Cód Inst. Partic. Apres. Número Código da Instituição Participante apresentante X(001) Filler Branco (001) Indicador de Remessa Constante igual a: - 1 (para sessão diurna) - 2 (para sessão noturna) (008) Data do movimento Data do movimento de troca no formato AAAAMMDD (017) Valor do arquivo Somatório do valor dos detalhes do arquivo X(060) Filler Brancos (010) Seqüencial de arquivo Número seqüencial do registro no arquivo, iniciando em 1 no Header, com evolução de +1 a cada novo registro, inclusive o Trailer X(27488) Filler Brancos Observações: 1. Caso não informado ou informado código inexistente no conteúdo do campo Local Origem, o sistema assumirá código 018 ; 2. O conteúdo dos campos 3 e 4 deve ser idêntico ao dos campos 3 e 4, respectivamente, do registro tipo Header. O CEL604 terá inicialmente as mesmas regras do CEL605, ou seja, todos os registros serão de uma mesma Instituição Participante. O retorno se dará através do CEL614. O nome do arquivo-imagem será de critério de cada uma das Instituições Participantes. 4. Qualidade da imagem A desmaterialização dos cheques físicos implícita na compensação por Imagem faz com que a qualidade dessas imagens seja um aspecto fundamental ao processo. A qualidade da imagem impacta diretamente três fatores: A legibilidade da imagem; O tamanho do arquivo imagem já que imagens com problemas têm um nível de compressão bastante inferior, gerando arquivos maiores; A automação da extração de dados do cheque já que as ferramentas que Março/

18 fazem esta extração são extremamente sensíveis quanto à qualidade. O GT procurou embasamento para tratar esse tema na bibliografia produzida na implantação do Check 21st Norte Americano Image Quality Assurance Settings vigente a partir de Novembro de Dessa forma, está prevista a adoção de atributos de qualidade das imagens. Conforme o previsto no Manual Operacional da compensação por Imagem a falta de adequação de uma imagem a qualquer um desses atributos isoladamente já seria suficiente para que essa imagem torne-se passível de devolução. Os atributos a serem adotados no Processo de compensação por Imagem fazem parte do ANEXO A desse manual. O GT recomenda fortemente que as Instituições Participantes acolhedoras construam ao longo de seu processo de captura e envio dos arquivos de imagens mecanismos de controle de qualidade que sejam carregados com os padrões de qualidade definidos por esse manual. 5. Captura da Imagem A captura da imagem possui relevância acentuada no processo de digitalização de imagens. De maneira a orientar as Instituições Financeiras que participarão do processo de compensação por imagens e estabelecer um conceito comum para esta importante etapa foi definido o Processo Padrão de Captura. Trata-se de uma série encadeada de atividades e processos que inicia-se com a desmaterialização do cheque físico e termina com a montagem do arquivo TIFF que fará parte do CEL604. O processo padrão de captura sugerido pode ser representado como: Mapa de bits Melhoria de imagem Formatação Imagem comprimida Compressão Bitamp melhorado CCITT G4 Arquivo TIFF Março/

19 6. Transmissão Um dos principais desafios para a viabilização da compensação de cheques por imagem no Brasil é a transmissão das imagens dos cheques dentro das janelas de tempo apropriadas. O processo de transmissão deveria incorporar as seguintes atividades: 6.1 Tamanho do registro Foi definido que os registros do CEL604 terão um tamanho total de 27 KB (ou seja, Bytes). Neste valor estão inclusos 200 Bytes do CEL605, código binário da assinatura digital que abriga o certificado digital utilizado e o binário da imagem (arquivo TIFF). Para cada cheque serão gerados dois registros, sendo que em um estará a imagem da frente do cheque e em outro a imagem do verso, com os seus respectivos certificados. No caso do código binário da imagem com a assinatura digital concatenada ser maior que 27 KB, este conjunto deverá ser dividido, sendo que a assinatura digital deverá ser inserida sempre ao final da imagem do cheque. Este tamanho de registro foi definido a partir de análise de tamanho de buffer de controladora de transmissão e de segmentos de disco, sendo considerado o mais otimizado de forma genérica. Março/

20 6.2 Tamanho do lote Definições Técnicas da Compensação de Cheques por Imagem O arquivo CEL604 será loteado pelo mesmo critério que o CEL605, com 1 a 400 cheques (ou seja, 2 a 800 imagens). No caso do código binário da imagem com a assinatura digital concatenada ser maior que 27 KB, este conjunto deverá ser dividido, sendo que a assinatura digital deverá ser inserida sempre ao final da imagem do cheque e o espaço restante do último registro, se houver, deverá ser preenchido com brancos. 6.3 Compressão Deverá haver compressão do lote já que é possível que haja registros com preenchimento de brancos (vide item 6.2). Nos primeiros testes efetuados houve um ganho de cerca de 30% no tamanho do arquivo a ser transmitido decorrente desta compressão. A compressão deverá ser feita pela ferramenta e ser compatível com a ferramenta em uso pelo Executante e pelo Sacado. 6.4 Criptografia Para assegurar a segurança da sessão de transmissão esta deverá ocorrer em modo SSL (Secure Sockets Layer) onde é implementada a criptografia de forma nativa para a transmissão dos dados. 6.5 Ferramenta de transmissão As ferramentas de transmissão a serem utilizadas para o envio dos lotes do CEL604 deverão possuir as seguintes características: Permitir a criptografia no processo de transmissão com protocolo SSL; Utilização dos protocolos SSL ou TLS; Permitir a certificação digital na própria ferramenta; Permitir a automação do processo descrito acima (compressão, criptografia, transmissão, controle de integridade); Possibilitar transmissões simultâneas; Ter mais de um nível de compressão/compactação. As ferramentas com estas funcionalidades e homologadas pelo executante são: Março/

21 XFB a AXWAY ConnectDirect Definições Técnicas da Compensação de Cheques por Imagem 6.6 Topologia de rede O Banco do Brasil como Executante da compensação oferece uma estrutura para recebimento dos arquivos nos sites de processamento principal, em Brasília, e de contingência, no Rio de Janeiro de modo a conferir ao processo alta disponibilidade, confiabilidade e segurança. Para conectar-se a essa estrutura as Insttuições participantes devem observar o modelo abaixo: Este modelo é composto por: 1. Brasília - uma conexão no Edifício ICI - uma conexão no Edifício Sede IV 2. Rio de Janeiro - uma conexão no Prédio do Andaraí As especificações técnicas e informações adicionais acerca do processo de conectividade entre as Instituições e o Banco do Brasil são encontradas no arquivo abaixo. Março/

22 Definições Técnicas Rede.pdf 7. Segurança 7.1 Integridade Para que as imagens dos cheques sejam disponibilizadas com segurança, optou-se pelo uso do hash da assinatura digital, visto que este já é utilizado no processo de geração da assinatura, além de ser padronizado, não implicando em processamento adicional e oferecendo criptografia com nível de segurança suficiente. 7.2 Sigilo No processo da compensação por Imagem, o uso sigilo será provido pela implementação de criptografia na transmissão das imagens conforme definição anterior. 7.3 Assinatura digital O uso da assinatura digital implementa mecanismos que permitem verificar a integridade e autenticidade da imagem. O uso de assinatura digital nas imagens dos cheques que serão utilizadas para a compensação é obrigatória em cada imagem, seja ela de frente ou verso, e deverá ser feita no momento da troca dos cheques na COMPE. A assinatura digital deve ser aposta ao final do Processo de Captura Padrão anteriormente definido. Além disso, recomenda-se fortemente que cada Instituição Financeira acolhedora de cheques faça o uso das camadas de segurança necessárias ao longo desse processo de modo a impedir a existência de fraudes. O padrão de assinatura digital a ser utilizado deve ser o padrão ICP-Brasil - CadES sem carimbo do tempo, no modo detached, identificado como AD- RB, conforme previsto no DOCICP15.03, disponível em As Instituições Participantes acolhedoras são as responsáveis pela assinatura digital das imagens. O formato da assinatura digital deverá ser binário com padrão de codificação no formato DER. A assinatura digital deve conter somente o certificado digital que esta assinando a Março/

Manual de Definições técnicas da Compensação de Cheques por Imagem

Manual de Definições técnicas da Compensação de Cheques por Imagem Manual de Definições técnicas da Compensação de Cheques por Imagem Agosto 2010 1. Introdução Este material foi desenvolvido durante o processo de definição de requisitos técnicos para permitir a Compensação

Leia mais

CENTRALIZADORA DA COMPENSAÇÃO DE CHEQUES E OUTROS PAPÉIS TRUNCAGEM DE CHEQUES MANUAL OPERACIONAL

CENTRALIZADORA DA COMPENSAÇÃO DE CHEQUES E OUTROS PAPÉIS TRUNCAGEM DE CHEQUES MANUAL OPERACIONAL CENTRALIZADORA DA COMPENSAÇÃO DE CHEQUES E OUTROS PAPÉIS TRUNCAGEM DE CHEQUES MANUAL OPERACIONAL Brasília (DF) - 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...03 2. GLOSSÁRIO...03 3. ARQUIVOS UTILIZADOS...04 4. TD TIPO

Leia mais

Definições técnicas para a truncagem de cheques. Versão 5 Resumida

Definições técnicas para a truncagem de cheques. Versão 5 Resumida Definições técnicas para a truncagem de cheques Versão 5 Resumida Outubro 2008 Índice Introdução... 3 Arquivo imagem... 4 Indexação... 9 Qualidade... 13 Transmissão... 16 Segurança... 20 Legislação...

Leia mais

CENTRALIZADORA DA COMPENSAÇÃO DE CHEQUES COMPE POR IMAGEM MANUAL OPERACIONAL

CENTRALIZADORA DA COMPENSAÇÃO DE CHEQUES COMPE POR IMAGEM MANUAL OPERACIONAL CENTRALIZADORA DA COMPENSAÇÃO DE CHEQUES COMPE POR IMAGEM MANUAL OPERACIONAL Brasília (DF) - 2010 versão 18.08.2010 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. GLOSSÁRIO... 4 3. PARTICIPAÇÃO NO SISTEMA... 4 3.1 Representantes

Leia mais

Prevenção de fraudes em documentos eletrônicos

Prevenção de fraudes em documentos eletrônicos CIAB 2010 Prevenção de fraudes em documentos eletrônicos 09/06/10 Wander Blanco Agenda Documentos Eletrônicos Prevenção Casos de uso Boas Práticas Documentos Eletrônicos Fraudes com documentos eletrônicos

Leia mais

CONVÊNIO DE CHEQUE. Intercâmbio Eletrônico de Arquivos. Layout de Arquivos CNAB240 Remessa Versão 04.2 Retorno Versão 07.1

CONVÊNIO DE CHEQUE. Intercâmbio Eletrônico de Arquivos. Layout de Arquivos CNAB240 Remessa Versão 04.2 Retorno Versão 07.1 CONVÊNIO DE CHEQUE Intercâmbio Eletrônico de Arquivos Layout de Arquivos CNAB240 Remessa Versão 04.2 Retorno Versão 07.1 Índice 1. Noções Básicas... 3 1.1 Apresentação... 3 2. Informações Técnicas... 4

Leia mais

Manual de Transferências de Arquivos Para o DDA

Manual de Transferências de Arquivos Para o DDA Manual de Transferências de Arquivos Para o DDA - Março, 2009 - - 2 - DDA - Manual de transferência de arquivos CÂMARA INTERBANCÁRIA DE PAGAMENTOS - CIP Manual de Transferências de arquivos para o DDA

Leia mais

CONVÊNIO DE CHEQUE. Intercâmbio Eletrônico de Arquivos. Layout de Arquivos CNAB240 Remessa Versão 04.2

CONVÊNIO DE CHEQUE. Intercâmbio Eletrônico de Arquivos. Layout de Arquivos CNAB240 Remessa Versão 04.2 CONVÊNIO DE CHEQUE Intercâmbio Eletrônico de Arquivos Layout de Arquivos CNAB240 Remessa Versão 04.2 Índice 1. Noções Básicas... 3 1.1 Apresentação... 3 2. Informações Técnicas... 4 2.1 Convênio de Cheques...

Leia mais

Layout Padrão de Arrecadação/Recebimento. com Utilização do Código de Barras VERSÃO 04

Layout Padrão de Arrecadação/Recebimento. com Utilização do Código de Barras VERSÃO 04 Layout Padrão de Arrecadação/Recebimento com Utilização do Código de Barras VERSÃO 04 Vigência: a partir de 01.04.2005 não obrigatório manter contato prévio com os bancos G:\SERVBANC\CENEABAN\Padrões\Codbar4-v28052004.doc

Leia mais

MAPX-OP035-2012. Manual Técnico do Cheque Legal

MAPX-OP035-2012. Manual Técnico do Cheque Legal Manual Técnico do Cheque Legal OBJETIVO: O Manual Técnico do Cheque Legal tem como finalidade descrever os procedimentos que as Instituições Participantes devem seguir para configurar e permitir a conexão

Leia mais

Folha Pagamento Salário - Padrão 150 FEBRABAN

Folha Pagamento Salário - Padrão 150 FEBRABAN Arquivo com registros de 150 bytes próprios do sistema SICOV DESCRIÇÃO DOS REGISTROS DO ARQUIVO scrição do Registro "A" - HEADER Obrigatório em todos os arquivos A.01 1 1 X(01) Código do registro = "A"

Leia mais

POLÍTICA DE CARIMBO DO TEMPO DA AUTORIDADE DE CARIMBO DO TEMPO VALID (PCT da ACT VALID)

POLÍTICA DE CARIMBO DO TEMPO DA AUTORIDADE DE CARIMBO DO TEMPO VALID (PCT da ACT VALID) POLÍTICA DE CARIMBO DO TEMPO DA AUTORIDADE DE CARIMBO DO TEMPO VALID (PCT da ACT VALID) Versão 1.0 de 09/01/2014 Política de Carimbo do Tempo da ACT VALID - V 1.0 1/10 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1. Visão

Leia mais

Nota Técnica 2015/001

Nota Técnica 2015/001 Projeto Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais Divulga alterações no layout do MDFe, regras de validação, alterações nos DAMDFE e novo Web Service Consulta Não Encerrados Outubro 2014 Pág 1 / 16 1

Leia mais

5. Web Services Informações Adicionais

5. Web Services Informações Adicionais 5. Web Services Informações Adicionais 5.1 Regras de validação As regras de validação aplicadas nos Web Service estão agrupadas da seguinte forma: Grupo Aplicação A Validação do Certificado Digital utilizada

Leia mais

Manual de utilização do STA Web

Manual de utilização do STA Web Sistema de Transferência de Arquivos Manual de utilização do STA Web Versão 1.1.7 Sumário 1 Introdução... 3 2 Segurança... 3 2.1 Autorização de uso... 3 2.2 Acesso em homologação... 3 2.3 Tráfego seguro...

Leia mais

POLÍTICA DE CERTIFICADO DA SERASA AUTORIDADE CERTIFICADORA GLOBAL PARA CERTIFICADOS DE SERVIDOR

POLÍTICA DE CERTIFICADO DA SERASA AUTORIDADE CERTIFICADORA GLOBAL PARA CERTIFICADOS DE SERVIDOR POLÍTICA DE CERTIFICADO DA SERASA AUTORIDADE CERTIFICADORA GLOBAL PARA CERTIFICADOS DE SERVIDOR (PC SERASA AC GLOBAL) Autor: Serasa S.A. Edição: 20/01/2009 Versão: 1.3 1 INTRODUÇÃO 1.1 Visão Geral Esta

Leia mais

Soluções em Recebimentos. Manual Técnico

Soluções em Recebimentos. Manual Técnico Soluções em Recebimentos CNAB400/CBR641 Manual Técnico Layout de Arquivo Remessa para convênios na faixa numérica entre 000.001 a 999.999 (Convênios de até 6 posições) Orientações Técnicas Versão Set/09

Leia mais

Certificação Digital Automação na Assinatura de Documentos de Compras

Certificação Digital Automação na Assinatura de Documentos de Compras XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Certificação Digital Automação na Assinatura de Documentos de Compras Eder Soares

Leia mais

Entendendo a consulta NFC-e

Entendendo a consulta NFC-e Entendendo a consulta NFC-e Informações para o desenvolvedor do aplicativo 9 de março de 015 INFORMAÇÕES INICIAIS Para que qualquer um que detenha a informação da chave de acesso possa verificar a validade

Leia mais

MANUAL MAPX-OP016-2009

MANUAL MAPX-OP016-2009 MANUAL MANUAL DE Público CIP - 2010 OBJETIVO: Este documento tem como objetivo descrever os leiautes dos arquivos utilizados no DDA e as validações realizadas nos campos. A estrutura dos arquivos e o padrão

Leia mais

Banco Safra S.A. Tradição Secular de Segurança

Banco Safra S.A. Tradição Secular de Segurança Banco Safra S.A. Tradição Secular de Segurança MANUAL DE TRANSFERÊNCIA DE ARQUIVOS CARTÃO DE PAGAMENTO PRODUTO 710 LAYOUT PADRÃO SAFRA 400 Versão: Dezembro 2008 Central de Atendimento a Clientes Telefones

Leia mais

Manual de Utilização do Assistente do Certificado Digital Serasa Experian. Manual do Produto

Manual de Utilização do Assistente do Certificado Digital Serasa Experian. Manual do Produto Manual de Utilização do Assistente do Certificado Digital Serasa Experian Manual do Produto Índice Introdução - Assistente do Certificado Digital Serasa Experian 3 1. Verificação de Ambiente 4 2. Instalação

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 3: Políticas e Declaração de

Leia mais

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual Aplicativo da Manifestação do Destinatário Manual Novembro de 2012 1 Sumário 1 Aplicativo de Manifestação do Destinatário...4 2 Iniciando o aplicativo...4 3 Menus...5 3.1 Manifestação Destinatário...5

Leia mais

Parcerias Negociais. CSH300 Remessa CSH310 Retorno. Versão 1.2

Parcerias Negociais. CSH300 Remessa CSH310 Retorno. Versão 1.2 Parcerias Negociais CSH300 Remessa CSH310 Retorno Versão 1.2 12/03/2014 1 - Introdução Este manual apresenta o padrão para troca de arquivos entre Empresas e o Banco para confirmação de informações na

Leia mais

Particularidades BB. Leiaute CNAB 240. julho / 2011

Particularidades BB. Leiaute CNAB 240. julho / 2011 Particularidades BB Leiaute CNAB 240 julho / 2011 Sumário Assunto página Últimas Alterações 3 Header de Arquivo 5 Header de Lote 6 Segmento P 8 Segmento Q 11 Segmento R 13 Segmento S 15 Segmento Y-01 16

Leia mais

Manual de Registro de Saída. Procedimentos e Especificações Técnicas

Manual de Registro de Saída. Procedimentos e Especificações Técnicas Manual de Registro de Saída Procedimentos e Especificações Técnicas Versão 1.0 Dezembro 2010 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO GERAL... 3 2 INTRODUÇÃO AO MÓDULO REGISTRO DE SAÍDA - SIARE... 3 2.1 SEGURANÇA... 4 2.2

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.381

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.381 Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.381 Institui Regime Especial para dispensa da guarda e arquivo das Notas Fiscais de Serviços, condicionada à guarda e ao arquivo, pelo período decadencial, dos respectivos

Leia mais

Manual Técnico de Utilização do Web Service de Administração do Código de Segurança do Contribuinte - CSC

Manual Técnico de Utilização do Web Service de Administração do Código de Segurança do Contribuinte - CSC Projeto Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica Manual Técnico de Utilização do Web Service de Administração do Código de Segurança do Contribuinte - CSC Versão 1.00 19 de Agosto de 2014 Página 1/9 Controle

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA

MANUAL DO USUÁRIO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA SISTEMA CARTÓRIOS: Módulo Veículos Manual do Usuário Pág. 1 de 19 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA MANUAL DO USUÁRIO Versão 1.0 10/06/2014

Leia mais

Usuários. Manual. Pergamum

Usuários. Manual. Pergamum Usuários Manual Pergamum Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 1-2 2 CADASTRANDO UM NOVO USUÁRIO/OPERADOR... 2-1 3 UTILIZANDO O MÓDULO DE USUÁRIOS... 3-2 3.1 CONFIGURAÇÃO DE GUIAS NO EXPLORER... 3-3 4 CADASTRO...

Leia mais

67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado

67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado Carreira Policial Mais de 360 aprovados na Receita Federal em 2006 67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado Apostila

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 5: Certificado Digital e Nota

Leia mais

Manual de Credenciamento para Emissão do CT-e

Manual de Credenciamento para Emissão do CT-e Manual de Credenciamento para Emissão do CT-e Versão 1.0 Outubro/2009 Manaus/AM Sumário Apresentação... 2 Conceitos Básicos... 3 Requisitos... 5 Credenciamento... 6 Fase de Homologação... 7 o Fase de Testes...

Leia mais

MANUAL MAPX-OP057-2014

MANUAL MAPX-OP057-2014 MANUAL MANUAL DE LEIAUTES Serviço Processamento Nota Fiscal Paulista OBJETIVO: Este documento tem como objetivo descrever os leiautes das transferências utilizadas pelos Participantes no Serviço de Processamento

Leia mais

Soluções em Recebimentos. Cobrança BB. Manual Técnico

Soluções em Recebimentos. Cobrança BB. Manual Técnico Soluções em Recebimentos Cobrança BB Layout de Arquivo Remessa CNAB400 Manual Técnico Orientações Técnicas CONVÊNIOS COM NÚMERAÇÃO ACIMA DE 1.000.000 Versão Abril 2012 1. Apresentação CONCEITO: Arquivo

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica de Serviços

Nota Fiscal Eletrônica de Serviços Nota Fiscal Eletrônica de Serviços Arquivo de Envio de RPS em Lote - Instruções e Layout - Versão 1.0 Manual de Envio de RPS em Lote Instruções e Layout 1. Recibo Provisório de Serviços RPS O RPS é o documento

Leia mais

fonte: http://www.nit10.com.br/dicas_tutoriais_ver.php?id=68&pg=0

fonte: http://www.nit10.com.br/dicas_tutoriais_ver.php?id=68&pg=0 Entenda o que é um certificado digital SSL (OPENSSL) fonte: http://www.nit10.com.br/dicas_tutoriais_ver.php?id=68&pg=0 1. O que é "Certificado Digital"? É um documento criptografado que contém informações

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro Aula 1 Introdução à Certificação

Leia mais

Cheque Legal. Janeiro 2012. Cheque Legal. Resolução 3.972 artigo 9 º / BACEN 23.01.2012

Cheque Legal. Janeiro 2012. Cheque Legal. Resolução 3.972 artigo 9 º / BACEN 23.01.2012 Cheque Legal Resolução 3.972 artigo 9 º / BACEN 23.01.2012 Agenda Abertura O que é Cheque Legal? Fluxo de negócio Leiaute da tela de consulta Aspectos técnicos Cronograma Processo de adesão Plano homologatório

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Pág. 1/8 CONTRATAÇÃO DE SOLUÇÃO SMS Pág. 2/8 Equipe Responsável Elaboração Assinatura Data Divisão de Padrões de Tecnologia DIPT Aprovação Assinatura Data Departamento de Arquitetura Técnica DEAT Pág.

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Jurídica CONTRATO DE ASSINANTE A1

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Jurídica CONTRATO DE ASSINANTE A1 TERMO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL que entre si fazem, de um lado, como contratada a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, Empresa Pública de Direito Privado, inscrita no CNPJ/MF sob

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARI NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e) WEB SERVICE APRESENTAÇÃO 2 SERVIÇOS DISPONÍVEIS 3

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARI NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e) WEB SERVICE APRESENTAÇÃO 2 SERVIÇOS DISPONÍVEIS 3 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARI NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ÍNDICE APRESENTAÇÃO 2 SERVIÇOS DISPONÍVEIS 3 Enviar Lote de RPS Síncrono 3 Geração de NFS-e 3 Cancelamento de NFS-e 3 Substituição de NFS-e Consulta

Leia mais

Solução Planner para Nota Fiscal Eletrônica (P/NF-e 3.7)

Solução Planner para Nota Fiscal Eletrônica (P/NF-e 3.7) Solução Planner para Nota Fiscal Eletrônica (P/NF-e 3.7) Introdução Desde abril de 2008 a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) se tornou obrigatória para diversos setores da economia nacional. A cada 6 meses,

Leia mais

I T I. AC Raiz. Instituto Nacional de Tecnologia da Informação, órgão do Governo Federal. Receita Federal SERASA SERPRO CAIXA CERT PRIVADA

I T I. AC Raiz. Instituto Nacional de Tecnologia da Informação, órgão do Governo Federal. Receita Federal SERASA SERPRO CAIXA CERT PRIVADA I T I AC Raiz Instituto Nacional de Tecnologia da Informação, órgão do Governo Federal Receita Federal SERASA SERPRO CAIXA CERT AC PRIVADA AR Autoridade Registradora AR Autoridade Registradora Certificado

Leia mais

WORKSHOP CARTA CORREÇÃO ELETRONICA

WORKSHOP CARTA CORREÇÃO ELETRONICA WORKSHOP CARTA CORREÇÃO ELETRONICA Sistema JAD NOTA FISCAL ELETRÔNICA OBJETIVO: O objetivo deste WORKSHOP é apresentar a nova ferramenta do Sistema JAD, conforme o Ajuste Sinief 10 de 30/09/2011, que altera

Leia mais

SISDEB SISTEMA de DÉBITO ELETRÔNICO ITAÚ

SISDEB SISTEMA de DÉBITO ELETRÔNICO ITAÚ SISDEB SISTEMA de DÉBITO ELETRÔNICO ITAÚ Intercâmbio Eletrônico de Arquivos Layout de Arquivos CNAB150 Versão 4.0 Índice 1. Noções Básicas...3 1.1 Apresentação...3 1.2 Sistema de Débito Eletrônico Itaú...3

Leia mais

Minicurso MoReq-Jus Mar/2010

Minicurso MoReq-Jus Mar/2010 Minicurso MoReq-Jus Mar/2010 Pauta O que é um Modelo de Requisitos? Modelo de Requisitos: Benefícios Pirâmide de Requisitos MoReq-Jus Motivação Objetivos Principais referências Evolução Abrangência dos

Leia mais

Layout de Extração Relatório de Vendas DI NeoGrid v5.1

Layout de Extração Relatório de Vendas DI NeoGrid v5.1 Layout de Extração Relatório de Vendas DI NeoGrid v5.1 Copyright NEOGRID S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução ou transmissão de qualquer parte deste documento sem autorização escrita

Leia mais

Leiaute dos Registros do Arquivo de Interface de Depósito Eletrônico Banrisul e Custódia Eletrônica Banrisul

Leiaute dos Registros do Arquivo de Interface de Depósito Eletrônico Banrisul e Custódia Eletrônica Banrisul Leiaute dos Registros do Arquivo de Interface de Depósito Eletrônico Banrisul e Custódia Eletrônica Banrisul 1.1 Nomenclatura do arquivo BIUVCMR.MOV, onde R equivale ao número de remessa, incrementando

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO MANUAL PARA CONVERSÃO DE RECIBOS PROVISÓRIOS DE SERVIÇO EM NF-E

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO MANUAL PARA CONVERSÃO DE RECIBOS PROVISÓRIOS DE SERVIÇO EM NF-E PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO MANUAL PARA CONVERSÃO DE RECIBOS PROVISÓRIOS DE SERVIÇO EM NF-E (Modelo IV) 1 Introdução Este manual apresenta e detalha os procedimentos para a realização do processo

Leia mais

Sr. Advogado, leia com atenção antes de adquirir seu certificado digital:

Sr. Advogado, leia com atenção antes de adquirir seu certificado digital: Sr. Advogado, leia com atenção antes de adquirir seu certificado digital: Para adquirir o Certificado Digital OAB, o solicitante deverá seguir os seguintes passos: Realizar a compra através da página da

Leia mais

MANUAL PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTOS PARA EMISSÃO DE NF-e

MANUAL PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTOS PARA EMISSÃO DE NF-e MANUAL PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTOS PARA EMISSÃO DE NF-e Este documento tem por objetivo orientar a etapa de Credenciamento para emissão de Nota Fiscal eletrônica (NF-e) por contribuintes paranaenses.

Leia mais

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Física CONTRATO DE ASSINANTE A1

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Física CONTRATO DE ASSINANTE A1 TERMO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL que entre si fazem, de um lado, como contratada a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, Empresa Pública de Direito Privado, inscrita no CNPJ/MF sob

Leia mais

Certificado Digital: Como Funciona (www.bry.com.br)

Certificado Digital: Como Funciona (www.bry.com.br) Comércio Eletrônico Faculdade de Tecnologia SENAC Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Unidade Curricular: Comércio Eletrônico Edécio Fernando Iepsen (edecio@terra.com.br)

Leia mais

O que é GED GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED)

O que é GED GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED) Automação em Arquivos GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS (GED) O que é GED GED é a tecnologia que provê um meio de facilmente armazenar, localizar e recuperar informações existentes em documentos e

Leia mais

As principais alterações entre as versões 1.0 e 2.0 da NFS-e foram: Não obrigatória. Para informar o responsável pela retenção.

As principais alterações entre as versões 1.0 e 2.0 da NFS-e foram: Não obrigatória. Para informar o responsável pela retenção. As principais alterações entre as versões 1.0 e 2.0 da NFS-e foram: 1) Campos incluídos Campo País Prestador Tomador Prestação do serviço Data de competência no RPS Tipo Num (4) Não obrigatório Não obrigatória

Leia mais

Instruções Gerais para os arquivos encaminhados para cadastramento e atualização do código de integração dos cooperados.

Instruções Gerais para os arquivos encaminhados para cadastramento e atualização do código de integração dos cooperados. Instruções Gerais para os arquivos encaminhados para cadastramento e atualização do código de integração dos cooperados. VERSÃO ALTERAÇÃO 34 - Inclui informação sobre horário para tratamento de devolução

Leia mais

Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002

Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002 Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002 Ementa: Aprova as "Normas Técnicas para o Uso de Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio do Prontuário

Leia mais

Protocolos de Aplicação SSL, TLS, HTTPS, SHTTP

Protocolos de Aplicação SSL, TLS, HTTPS, SHTTP Protocolos de Aplicação SSL, TLS, HTTPS, SHTTP SSL - Secure Socket Layer Protocolos criptográfico que provê comunicação segura na Internet para serviços como: Telnet, FTP, SMTP, HTTP etc. Provê a privacidade

Leia mais

Soluções Eletrônicas

Soluções Eletrônicas Soluções Eletrônicas Manual Técnico DÉBITO EM CONTA VIA INTERNET LEIAUTE ARQUIVO - RETORNO FORMATO RCB001 Orientações Técnicas Versão Junho/2015 1. Apresentação CONCEITOS: As soluções em comércio eletrônico

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR MINISTÉRIO DA SAÚDE 1 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR RESOLUÇÃO - RDC Nº 3, DE 20 DE JANEIRO DE 2000 (*) Aprova normas de fornecimento de informações para cadastros de beneficiários. A Diretoria

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA. Item Unidade Qtd Objeto da proposta Valor máximo aceitável SCANNER TIPO PLANETÁRIO MARCA ZEUTCHEL MODELO OS 12002 C

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA. Item Unidade Qtd Objeto da proposta Valor máximo aceitável SCANNER TIPO PLANETÁRIO MARCA ZEUTCHEL MODELO OS 12002 C ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Fornecimento de scanner para a Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul FABICO/UFRGS, situada na Rua Ramiro Barcelos n. 2705,

Leia mais

Pagamento - Fornecedor

Pagamento - Fornecedor Pagamento - Fornecedor MT-212-00137 - 1 Última Atualização 30/08/2014 I. Objetivos Após este módulo de capacitação você será capaz de: Carregar Documentos Fiscais Verificar o status de envio dos documentos

Leia mais

UNICOM / SEFAZ-MS / Jan. 2015 - Versão 1.00

UNICOM / SEFAZ-MS / Jan. 2015 - Versão 1.00 UNICOM / SEFAZ-MS / Jan. 2015 - Versão 1.00 Manual para Emissão da Carta de Correção eletrônica (CT-e) Este Manual tem como finalidade a apresentação do procedimento operacional de uma Carta de Correção

Leia mais

Vincular Equipamento SAT

Vincular Equipamento SAT P á g i n a 1 Bem vindo ao Passo a Passo do Sistema de Gestão e Retaguarda do SAT-CF-e de SP para Vincular Equipamento SAT Atualizado em: 27/11/2014 Sistema Autenticador e Transmissor de Cupons Fiscais

Leia mais

Entendendo a Certificação Digital

Entendendo a Certificação Digital Entendendo a Certificação Digital Novembro 2010 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. O que é certificação digital?... 3 3. Como funciona a certificação digital?... 3 6. Obtendo certificados digitais... 6 8.

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação ICP e Certificados Digitais Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, junho de 2013 Criptografia de chave pública Oferece criptografia e também uma maneira de identificar

Leia mais

O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL INPI, no exercício das suas atribuições,

O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL INPI, no exercício das suas atribuições, Resolução PR nº 03/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA 18/03/2013 R E S O L U Ç Ã O Nº 03/2013

Leia mais

Orientações para Solicitantes de Certificados

Orientações para Solicitantes de Certificados Sistema de Gestão de Certificados Eletrônicos Orientações para Solicitantes de Certificados Organizadores de evento Introdução Este material foi elaborado no sentido de informar aos organizadores de eventos

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. NF-e e NFS-e

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. NF-e e NFS-e Bloco Comercial NF-e e NFS-e Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos NF-e e NFS-e, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Pagamentos MT-212-00137-6 Última Atualização 06/01/2015

Pagamentos MT-212-00137-6 Última Atualização 06/01/2015 Pagamentos MT-212-00137-6 Última Atualização 06/01/2015 I. Objetivos Após este módulo de capacitação você será capaz de: Carregar Documentos Fiscais Verificar o status de envio dos documentos fiscais Consultar

Leia mais

MS0013 - Deve ser utilizado certificado digital para transmissão dos eventos.

MS0013 - Deve ser utilizado certificado digital para transmissão dos eventos. 1. Objetivo O objetivo da Especificação de Mensagens do Sistema é documentar as mensagens que devem ser apresentadas aos usuários do sistema como resposta a alguma ação. 2. Mensagens 2.1. Gerais MS0001

Leia mais

COBRANÇA NÃO REGISTRADA

COBRANÇA NÃO REGISTRADA COBRANÇA NÃO REGISTRADA LAY-OUT TÉCNICO DE CHEQUES Versão: 1.1 Abril / 2008 PUBLIC LAY-OUT DE CHEQUES TIPOS DE REGISTROS TIPO " 0 " - HEADER TIPO " 1" - DETALHE TIPOS DE REGISTROS TIPO " 9 " - TRAILER

Leia mais

Introdução. Benefícios para todos

Introdução. Benefícios para todos Introdução Esta cartilha tem a finalidade de guiar as empresas na implantação da Nota Fiscal Eletrônica e demonstrar as facilidades e vantagens do sistema para o contribuinte e para a sociedade A Nota

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ. NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e) WEB SERVICE APRESENTAÇÃO 2 SERVIÇOS DISPONÍVEIS 3

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ. NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e) WEB SERVICE APRESENTAÇÃO 2 SERVIÇOS DISPONÍVEIS 3 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 2 SERVIÇOS DISPONÍVEIS 3 Enviar Lote de RPS Síncrono 3 Geração de NFS-e 3 Cancelamento de NFS-e 3 Substituição de NFS-e 4 Consulta de NFS-e por RPS 4 Consulta de NFS-e Serviços Prestados

Leia mais

Criptografia e Certificação Digital

Criptografia e Certificação Digital Criptografia e Certificação Digital Conheça os nossos produtos em criptografia e certificação digital. Um deles irá atender às necessidades de sua instituição. Criptografia e Certificação Digital Conheça

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Novo procedimento de cadastramento dos trabalhadores no cadastro Número de Inscrição Social (NIS)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Novo procedimento de cadastramento dos trabalhadores no cadastro Número de Inscrição Social (NIS) Novo procedimento de cadastramento dos trabalhadores no cadastro 11/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão...

Leia mais

Emissão e autorização da NF-e 2. Quais são as validações realizadas pela Secretaria de Fazenda na autorização de uma NF-e?

Emissão e autorização da NF-e 2. Quais são as validações realizadas pela Secretaria de Fazenda na autorização de uma NF-e? O QUE MUDA COM A NF-e 1. Como funciona o modelo operacional da NF-e? De maneira simplificada, a empresa emissora de NF-e, previamente credenciada segundo as normas ditadas pela Secretaria de Fazenda de

Leia mais

Linhas de Orientação de Media. GS1 Portugal. Sync PT Linhas de Orientação de Media 1

Linhas de Orientação de Media. GS1 Portugal. Sync PT Linhas de Orientação de Media 1 Linhas de Orientação de Media GS1 Portugal 1 Índice Introdução... 3 Especificações Gerais de Imagens... 4 Propriedades da imagem... 5 Cor e Qualidade... 5 Clipping Paths... 5 Fundo... 6 Borda... 6 Formato

Leia mais

Certidão Online Manual do Usuário

Certidão Online Manual do Usuário JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Certidão Online Manual do Usuário Versão 3.1 Lista de Tópicos - Navegação Rápida CADASTRANDO O USUÁRIO... 3 ACESSANDO O SISTEMA... 5 CERTIDAO SIMPLIFICADA NADA

Leia mais

Cash Management Folha de Pagamento

Cash Management Folha de Pagamento Cash Management Folha de Pagamento Layout de Arquivo Padrão CNAB 240 Padrão 240 Folha de Pagamento Versão Atualizada Composição do Arquivo Header do arquivo (registro tipo 0) Header do lote (registro tipo

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA GERENCIAMENTO DE REDES Segurança Lógica e Física de Redes 2 Semestre de 2012 SEGURANÇA LÓGICA: Criptografia Firewall Protocolos Seguros IPSec SSL SEGURANÇA LÓGICA: Criptografia

Leia mais

Cornélio Farias Pimentel Chefe

Cornélio Farias Pimentel Chefe CARTA-CIRCULAR Nº 3.330 Divulga procedimentos para a remessa das informações relativas a depósitos de poupança previstas na Circular nº 2.466, de 1994. Em conformidade com o disposto na Resolução nº 3.549,

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 2: Padrão X.509 O padrão X.509

Leia mais

Nota Fiscal de Serviços Eletrônica. NFS-e

Nota Fiscal de Serviços Eletrônica. NFS-e Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e Manual de Integração (Especificação Técnica de Integração entre Sistema ERP do Contribuinte e Cliente NFS-e) Sumário 1. Modelo Operacional... 3 2. Padrão de Mensagens

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Portaria CAT - 6, de 7-1-2009

Portaria CAT - 6, de 7-1-2009 Portaria CAT - 6, de 7-1-2009 Dispõe sobre o procedimento de pedido para o estorno do valor do imposto indevidamente debitado em Notas Fiscais de Serviço de Comunicações, modelo 21 ou Notas Fiscais de

Leia mais

PORTARIA N 1279, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010

PORTARIA N 1279, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010 PORTARIA N 1279, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 19 da Lei nº. 9.503, de 23 de setembro de 1997, que instituiu

Leia mais

www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução

www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução Cada pessoa cria sua assinatura de forma totalmente livre e a utiliza com significado de expressa concordância com os conteúdos dos documentos

Leia mais

Instruções do Banco de Portugal. Instrução nº 26/2003. ASSUNTO: Norma Técnica do Cheque

Instruções do Banco de Portugal. Instrução nº 26/2003. ASSUNTO: Norma Técnica do Cheque Instruções do Banco de Portugal Instrução nº 26/2003 ASSUNTO: Norma Técnica do Cheque O desenvolvimento das tecnologias de informação, nomeadamente no que respeita ao reconhecimento inteligente de caracteres

Leia mais

ÍNDICE CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO...3 CAPÍTULO 2. ACESSO AO LEILÃO...3. 2. 1. Identificação do Usuário... 3. 2. 2. Primeiro acesso...

ÍNDICE CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO...3 CAPÍTULO 2. ACESSO AO LEILÃO...3. 2. 1. Identificação do Usuário... 3. 2. 2. Primeiro acesso... ÍNDICE CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO...3 CAPÍTULO 2. ACESSO AO LEILÃO...3 2. 1. Identificação do Usuário... 3 2. 2. Primeiro acesso... 3 2. 3. Servidor Iniciado... 3 2. 4. LEILÃO Agendado... 3 2. 5. LEILÃO Suspenso...

Leia mais

TREINAMENTO. Novo processo de emissão de certificados via applet.

TREINAMENTO. Novo processo de emissão de certificados via applet. TREINAMENTO Novo processo de emissão de certificados via applet. Introdução SUMÁRIO Objetivo A quem se destina Autoridades Certificadoras Impactadas Produtos Impactados Pré-requisitos para utilização da

Leia mais

ATO COTEPE ICMS Nº 24 DE 21/07/2010 DOU de 22/07/2010

ATO COTEPE ICMS Nº 24 DE 21/07/2010 DOU de 22/07/2010 SECRETÁRIO EXECUTIVO DO CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA FAZENDÁRIA - CONFAZ ATO COTEPE ICMS Nº 24 DE 21/07/2010 DOU de 22/07/2010 Dispõe sobre as especificações técnicas para a geração de arquivo eletrônico

Leia mais

CENTRALIZADORA DA COMPENSAÇÃO DE CHEQUES MANUAL OPERACIONAL DA COMPE

CENTRALIZADORA DA COMPENSAÇÃO DE CHEQUES MANUAL OPERACIONAL DA COMPE CENTRALIZADORA DA COMPENSAÇÃO DE CHEQUES MANUAL OPERACIONAL DA COMPE Brasília (DF) - 2013 Versão 14.02.2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. GLOSSÁRIO... 4 3. PARTICIPAÇÃO NO SISTEMA... 6 3.1 Representantes

Leia mais

Leiaute do Arquivo Padrão FEBRABAN 150 - SIACC

Leiaute do Arquivo Padrão FEBRABAN 150 - SIACC Arquivo com registros de 150 bytes próprios do sistema SIACC DESCRIÇÃO DOS REGISTROS DO ARQUIVO DESCRIÇÃO DO REGISTRO "A" - HEADER - DÉBITO AUTOMÁTICO E FOLHA DE PAGAMENTO Obrigatório em todos os arquivos

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE PAGAMENTOS CNAB 240 FEBRABAN

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE PAGAMENTOS CNAB 240 FEBRABAN MANUAL DE INSTRUÇÕES DE PAGAMENTOS CNAB 240 FEBRABAN Versão 01 Agosto/2014 SUMÁRIO 1 Objetivo... 3 2 Público-Alvo/Aplicabilidade... 3 3 Glossário/Definições... 3 4 PAGAMENTOS... 3 4.1 Introdução... 3 4.2

Leia mais

ROTEIRO OPERACIONAL - PORTOCRED

ROTEIRO OPERACIONAL - PORTOCRED I - Site Portocred Para acessar o site Portocred, devemos entrar no link: extranet.portocred.com.br/cp e após clicar na opção Credito Pessoal Perto Check. *Lançar o usuário e a senha que serão informadas

Leia mais