Governador Cid Ferreira Gomes. Vice-Governador Francisco José Pinheiro. Secretário Antônio Luiz Abreu Dantas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Governador Cid Ferreira Gomes. Vice-Governador Francisco José Pinheiro. Secretário Antônio Luiz Abreu Dantas"

Transcrição

1

2

3 Governador Cid Ferreira Gomes Vice-Governador Francisco José Pinheiro Secretário Antônio Luiz Abreu Dantas Secretário Executivo Luiz Xavier Oliveira Filho Coordenador Administrativo - Financeiro Rosa Maria Chaves Coordenador da Cidadania Heline Joyce Barbosa Monteiro Coordenador do Sistema Penal José Bento Laurindo de Araújo Supervisor do Núcleo de Saúde Francisco Pereira Alencar

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13 Antônio Luiz Abreu Dantas Secretário da Justiça e Cidadania

14

15

16

17

18

19

20

21 1. Assistência à Saúde no Sistema Penitenciário do Estado do Ceará 1.1. Missão A Saúde no Sistema Prisional Recursos Humanos da Equipe de Saúde A População Carcerária no Estado do Ceará Assistência Farmacêutica no Sistema Penitenciário 2.1. As Bases da Assistência Farmacêutica no Sistema Penitenciário Seleção de Medicamentos Programação e Aquisição de Produtos Farmacêuticos Recebimento e Armazenamento Prescrição, Distribuição e Dispensação Unidades de Farmácia nas UPs A Padronização no Sistema Penitenciário 3.1. A Implantação de uma Padronização no Sistema Penitenciário Etapas Seguidas na Implantação do Processo de Padronização de Medicamentos Critérios Empregados no Processo de Padronizados de Medicamentos Critérios para Exclusão de Medicamentos da Padronização Comissão de Padronização de Medicamentos Medicamentos Padronizados 4.1. Medicamentos Padronizados Medicamentos Padronizados por Classificação Terapêutica Analgésicos e antipiréticos Analgésico Narcótico Anestésicos Locais Ansiolíticos Antagonista de Angiotensina II Antiagregante Plaquetário Antianêmicos Antianginosos Antiarrítmicos Anticoagulante Anticonvulsivantes Antidepressivos Antieméticos... 57

22 Antiespasmódicos Antiespasmódicos, Analgésicos Antifiséticos Antifúngicos Sistêmicos Antifúngicos Tópicos Anti-hipertensivos Anti-Histamínico H Antiinflamatório Esteroidal (Corticóide) Sistêmico Antiinflamatórios não-esteroidal (Aine) Sistêmico Antiinflamatórios não-esteroidal (Aine) Tópico Antimicrobiano Aminoglicosídeo Antimicrobiano Aminoglicosídeo Tópico Antimicrobiano Aminoglicosídeo Oftálmico Antimicrobiano Anaeróbico Antimicrobiano Anaeróbico Tópico Antimicrobiano Anfenicol Tópico Antimicrobiano Cefalosporina 1ª Geração Antimicrobiano Cefalosporina 3ª Geração Antimicrobiano Macrolídeo Antimicrobianos Penicilinas Antimicrobianos Quinolonas Antimicrobiano Sulfa Antimicrobiano Tetraciclina Antimicrobianos Tópicos Antimicrobiano Otológico + Corticóide Antiparasitário, Anti-Helmíntico Antipsicóticos, Neurolépticos Anti-Sépticos Tópicos Antitussígeno Antiulcerosos Antivirais Betabloqueadores Bloqueador de Canal de Cálcio Broncodilatadores Cardiotônico Dermatológicos Descongestionante Nasal Diuréticos Eletrólitos, Diluentes Flebotônico Hipoglicemiantes... 63

23 Inibidores da ECA Laxantes Mucolíticos Relaxante Muscular Vitaminas Sistema Medicamentos Sujeitos a Controle Especial (Portaria 344/98) 5. Medicamentos sob Controle Especial (Portaria 344/98) Classificação Tipos de Receituários Notificação da Receita Notificação da Receita A Notificação da Receita B Receita de Controle Especial Recomendações Adicionais Antimicrobianos 6. Antimicrobianos Resistência: Conseqüências do uso Abusivo e Irracional Uso Racional: Um Compromisso de Todos Reação Adversa a Medicamento 7. Reação Adversa a Medicamento Como Reconhecer as RAMs O que Deve ser Notificado Informações Adicionais 8.1. Lei dos Genéricos Medicamentos Fornecidos pelo Ministério da Saúde Programa para DSTs/AIDS Serviços Prestados em cada UP para o Diagnóstico, Aconselhamento e Tratamento em DST/HIV/AIDS HIV Associado à TB Programa para Tuberculose Mudanças no Tratamento da TB Esquema Básico Esquema para Meningoencefalite por Tuberculose Esquemas Especiais Sistema de Distribuição de Medicamentos de Qualidade no Sistema Penitenciário Sistema de Dose Individualizada Procedimentos Operacionais em Fase de Implantação no Hospital Otávio Lobo

24 9. Referências Referências Apêndices Apêndice A Apêndice B

25

26

27 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 27

28 28 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

29 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 29

30 30 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

31 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 31

32

33

34

35 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 35

36 36 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

37 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 37

38

39

40

41 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 41

42 42 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

43 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 43

44 44 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

45 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 45

46 46 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

47 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 47

48

49

50

51 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 51

52 52 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

53 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 53

54 54 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

55 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 55

56 56 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

57 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 57

58 58 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

59 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 59

60 60 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

61 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 61

62 62 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

63 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 63

64 64 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

65

66

67 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 67

68 68 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

69 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 69

70 70 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

71 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 71

72 72 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

73 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 73

74 74 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

75

76

77 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 77

78 78 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

79 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 79

80

81

82

83 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 83

84 84 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

85 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 85

86 86 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

87 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 87

88 88 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

89 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 89

90

91

92

93 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 93

94 94 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

95 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 95

96 96 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

97 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 97

98 98 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

99 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 99

100 100 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

101 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 101

102 102 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

103 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 103

104 104 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

105 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 105

106 106 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

107

108

109 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 109

110 110 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

111 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 111

112 112 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

113

114

115 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 115

116 116 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

117 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 117

118 118 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

119 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 119

120 120 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

121 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 121

122 122 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

123 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 123

124 124 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

125 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 125

126 126 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

127 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 127

128 128 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

129 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 129

130 130 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

131 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 131

132

Deliberação n.º 051/CD/2014

Deliberação n.º 051/CD/2014 Deliberação n.º 051/CD/2014 O Conselho Diretivo do INFARMED - Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P. (INFARMED, I.P.), considerando que: a) A Portaria n.º 1471/2004, de 21 de dezembro,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

RELAÇÃO DE MEDICAMENTOS ESSENCIAIS E PARA SAÚDE MENTAL

RELAÇÃO DE MEDICAMENTOS ESSENCIAIS E PARA SAÚDE MENTAL RELAÇÃO DE MEDICAMENTOS ESSENCIAIS E PARA SAÚDE MENTAL 1.Acido Acetilsalicílico Analgésico, antiinflamatório, Comprimidos 100 mg antiagregante plaquetário 2.Acido Acetilsalicílico Analgésico, antiinflamatório,

Leia mais

Relatórios gerenciais customizados Apresentação de dados por área de interesse

Relatórios gerenciais customizados Apresentação de dados por área de interesse Nov.2005 GESTÃO DE MEDI CAMENTOS Relatórios gerenciais customizados Apresentação de dados por área de interesse Demanda: por classe terapêutica, ou princípio ativo Perfil: empresa, unidade, centro de custo,

Leia mais

10 º FORÚM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM

10 º FORÚM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM 10 º FORÚM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM PERFIL DOS FÁRMACOS CAUSADORES DE REAÇÕES ADVERSAS NOTIFICADOS AO PROJETO HOSPITAL SENTINELA, HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ, DE 2007 A 2011. Letícia Maria Gozzi

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: FARMACOLOGIA BÁSICA Código: ENF-109 Pré-requisito: ENF-103 Bioquímica Período

Leia mais

atendente de FARMÁCIA Prof. Dr. Luis Antonio Cezar Junior Farmacêutico Bioquímico

atendente de FARMÁCIA Prof. Dr. Luis Antonio Cezar Junior Farmacêutico Bioquímico atendente de FARMÁCIA Prof. Dr. Luis Antonio Cezar Junior Farmacêutico Bioquímico atendente de FARMÁCIA CLASSIFICAÇÃO DOS FÁRMACOS Introdução o que são FÁRMACOS? Substância química conhecida e de estrutura

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROF MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município:TUPÃ Eixo Tecnológico:AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO EM TÉCNICO EM FARMÁCIA

Leia mais

Portaria n.º 45/2014, de 21 de fevereiro (DR, 2.ª série, n.º 37, de 21 de fevereiro de 2014)

Portaria n.º 45/2014, de 21 de fevereiro (DR, 2.ª série, n.º 37, de 21 de fevereiro de 2014) (DR, 2.ª série, n.º 37, de 21 de fevereiro de 2014) Quinta alteração à Portaria n.º 924-A/2010, de 17 de setembro, que define os grupos e subgrupos farmacoterapêuticos que integram os diferentes escalões

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA I. IDENTIFICAÇÃO DISCIPLINA: FARMACOLOGIA II CÓDIGO: CB04055 Ano Letivo: 2ª série Semestre: 3º PLANO DE ENSINO DE FARMACOLOGIA

Leia mais

PERFIL DE UTILIZAÇÃO DE MEDICAMENTOS GENÉRICOS EM 31 FARMÁCIAS DA CIDADE DE CURITIBA

PERFIL DE UTILIZAÇÃO DE MEDICAMENTOS GENÉRICOS EM 31 FARMÁCIAS DA CIDADE DE CURITIBA PERFIL DE UTILIZAÇÃO DE MEDICAMENTOS GENÉRICOS EM FARMÁCIAS DA CIDADE DE CURITIBA THE PROFILE OF GENERIC MEDICINE USE IN DRUGSTORES OF THE CITY OF CURITIBA MONTRUCCHIO, Deise Prehs ; MIGUEL, Marilis Dallarmi

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA Código da Disciplina: ODO122 Curso: Odontologia Semestre de oferta da disciplina:

Leia mais

Disciplina: Específica

Disciplina: Específica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Concurso Público para provimento de vagas de cargos Técnico-Administrativos Edital nº 293/2016 Resultado do julgamento dos recursos interpostos contra as questões

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE FÁRMACOS. Dada a complexidade dos processos envolvidos, há vários sistemas de classificação.

CLASSIFICAÇÃO DE FÁRMACOS. Dada a complexidade dos processos envolvidos, há vários sistemas de classificação. CLASSIFICAÇÃO DE FÁRMACOS Dada a complexidade dos processos envolvidos, há vários sistemas de classificação. Os mais comuns têm em consideração: 1) A origem do fármaco Essencialmente 3 tipos de fontes:

Leia mais

Osteoporose. Paula Prilip, Thaina Brumatti e Vinicius Almeida

Osteoporose. Paula Prilip, Thaina Brumatti e Vinicius Almeida Osteoporose Paula Prilip, Thaina Brumatti e Vinicius Almeida Farmacêutico Clínico Consulta com o farmacêutico Rondas com a equipe e revisão das prescrições Revisão de prescrições em urgência e emergência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, SAÚDE E TECNOLOGIA - IMPERATRIZ. CURSO: ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, SAÚDE E TECNOLOGIA - IMPERATRIZ. CURSO: ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, SAÚDE E TECNOLOGIA - IMPERATRIZ. CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO DISICIPLINA FARMACOLOGIA Período 4º PROFESSOR (a) Carga Horária: 90 Dr.

Leia mais

X X Comunicação Técnica no Âmbito Farmacêutico /04/ /04/2016

X X Comunicação Técnica no Âmbito Farmacêutico /04/ /04/2016 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E CRONOGRAMA DE EECUÇÃO Relacionar os módulos e as disciplinas com a respectiva carga horária. Descrever a ementa de cada disciplina e a bibliografia básica, com até três obras por

Leia mais

Kelly Braga. Farmácia Hospitalar

Kelly Braga. Farmácia Hospitalar Curso de Atualização em Boas Práticas de Farmácia Hospitalar Aula Inaugural Introdução as Boas Práticas da Farmácia Hospitalar Kelly Braga Farmácia Hospitalar Unidade clínica, administrativa a e econômica,

Leia mais

PLANO DE ENSINO semestre DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA SEMESTRE 2011/2 Nome da disciplina ODT 7111 Terapêutica Medicamentosa I

PLANO DE ENSINO semestre DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA SEMESTRE 2011/2 Nome da disciplina ODT 7111 Terapêutica Medicamentosa I UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA COORDENADORIA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA Campus Prof. João David Ferreira Lima CEP 88040-900 Trindade

Leia mais

Monitorização mensal do consumo de medicamentos no ambulatório do SNS. Direção de Informação e Planeamento Estratégico Janeiro - Dezembro 2016

Monitorização mensal do consumo de medicamentos no ambulatório do SNS. Direção de Informação e Planeamento Estratégico Janeiro - Dezembro 2016 Monitorização mensal do consumo de medicamentos no ambulatório do SNS Direção de Informação e Planeamento Estratégico Janeiro - Dezembro 2016 Sumário Executivo Janeiro-Dezembro 2016 Despesa do SNS com

Leia mais

Desconto e- Pharma. OTC Classe Terapêutica Subclasse Terapêutica

Desconto e- Pharma. OTC Classe Terapêutica Subclasse Terapêutica ACCOLATE Comp 20mg cx 28 ZAFIRLUCAST ASTRAZENECA 27,66% Pneumologia Antagonista de Receptor de Leucotrienos PMC PMC 2 R$ 73,51 R$ 53,18 R$ 72,62 R$ 52,53 R$ 71,74 R$ 51,90 ACCUPRIL Comp 10mg cx 28 QUINAPRIL

Leia mais

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: MEDICINA DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS DISCIPLINA: FARMACOLOGIA II CARGA HORÁRIA: 120 HORAS CRÉDITOS: 06 CÓDIGO: SCF0020 PROFESSOR: CARLOS ALBERTO LACERDA

Leia mais

2 MATERIAIS E MÉTODOS

2 MATERIAIS E MÉTODOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 OCORRÊNCIA DE INTOXICAÇÕES MEDICAMENTOSAS NO ANO DE 2009 EM MARINGÁ PR Patrícia Fernanda Premero 1 ; Tanimaria da Silva Lira Ballani 2 ; Silvana Lorenzi

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 14 Psicotrópico é toda substância que pode causar dependência. 15 Os medicamentos pertencentes ao grupo B devem ser

PROVA OBJETIVA. 14 Psicotrópico é toda substância que pode causar dependência. 15 Os medicamentos pertencentes ao grupo B devem ser PROVA OBJETIVA CESPE / UnB SES-DF/FUB/MULT De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas da prova objetiva, para cada item: o campo designado com o código

Leia mais

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL?

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? Profa. Dra. Rosália Morais Torres VI Diretrizes Brasileiras de hipertensão arterial Arq Bras Cardiol 2010; 95 (1 supl.1): 1-51 HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS)

Leia mais

F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA. F 17 - FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor. Titulação: Aprimoramento

F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA. F 17 - FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor. Titulação: Aprimoramento F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA F 17 - FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor Titulação: Aprimoramento Supervisor: Dra Ana Carolina Colmanetti Nogueira Garcia Características: (duração 12 meses) Dirigido

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 CFT COMISSÃO DE FARMÁCIA E TERAPÊUTICA

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 CFT COMISSÃO DE FARMÁCIA E TERAPÊUTICA RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 CFT COMISSÃO DE FARMÁCIA E TERAPÊUTICA 1. APRESENTAÇÃO O objetivo principal da Comissão de Farmácia e Terapêutica é elaborar a cada dois anos a padronização de medicamentos disponível

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFº MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Área de conhecimento: Ambiente, Saúde e Segurança Componente Curricular: Introdução a Ciências Farmacêuticas

Leia mais

Prof. Márcio Batista

Prof. Márcio Batista Prof. Márcio Batista OBJETIVOS DA AULA Conhecer os principais conceitos em farmácia hospitalar. Conhecer os aspectos técnicos e legais de localização, construção e instalação e estruturação da farmácia

Leia mais

RELAÇÃO MUNICIPAL DE MEDICAMENTOS ESSENCIAIS REMUME 2016

RELAÇÃO MUNICIPAL DE MEDICAMENTOS ESSENCIAIS REMUME 2016 PREFEITURA MUNICIPAL DE CACIQUE DOBLE/RS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE RELAÇÃO MUNICIPAL DE MEDICAMENTOS ESSENCIAIS REMUME 2016 FARMÁCIA PÚBLICA MUNICIPAL CACIQUE DOBLE, RS, Novembro de 2016. Sumário 1.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓREITORIA DE GRADUAÇÃO Dados de Identificação Campus: Uruguaiana Curso: Farmácia Componente Curricular: Química Farmacêutica I Código: UR

Leia mais

ÁREA: FARMÁCIA QUÍMICA INDUSTRIAL E FARMACÊUTICA

ÁREA: FARMÁCIA QUÍMICA INDUSTRIAL E FARMACÊUTICA RELAÇÃO DE ASSUNTOS E BIBLIOGRAFIAS INDICADOS PARA O CONCURSO DE ADMISSÃO / 2012 AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DA ÁREA DE SAÚDE-FÁRMÁCIA / 2013 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ÁREA: FARMÁCIA QUÍMICA

Leia mais

EMENTAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FARMÁCIA CLÍNICA EM INFECTOLOGIA EAD

EMENTAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FARMÁCIA CLÍNICA EM INFECTOLOGIA EAD S DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FARMÁCIA CLÍNICA EM INFECTOLOGIA EAD DISCIPLINA: Farmácia Clínica e Atenção Farmacêutica Histórico da farmácia clínica, áreas de atuação da farmácia clínica, situação

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Farmácia e Terapêutica

Regimento Interno da Comissão de Farmácia e Terapêutica Regimento Interno da Comissão de Farmácia e Terapêutica Da natureza e finalidade Art. 1º - A Comissão de Farmácia e Terapêutica (CFT) é instância de caráter consultivo e deliberativo da Direção Médica

Leia mais

Medicamentos genéricos comercializados en España (Mayo 2004)

Medicamentos genéricos comercializados en España (Mayo 2004) MEDICAMENTOS Medicamentos genéricos comercializados en España (Mayo 2004) 199 MEDICAMENTOS MEDICAMENTOS Los genéricos son medicamentos identificados con las siglas EFG (especialidades farmacéuticas genéricas).

Leia mais

Professor. Evandro Carlos Lebarch

Professor. Evandro Carlos Lebarch Professor. Evandro Carlos Lebarch Realização: Curso de Farmácia Apoio: Portaria 344/98 PORTARIA Nº 344, DE 12 DE MAIO DE 1998. Aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle

Leia mais

Medicamentos e voz: será que existe relação?

Medicamentos e voz: será que existe relação? Medicamentos e voz: será que existe relação? Apresentação: Gabriele de Luccas; Maria Gabriela Cavalheiro Orientação: Carla Xavier (Consultora Vocal) Convidados: PET Farmácia da Unifal-MG; Sandra Marchesano

Leia mais

TUBERCULOSE NO RIO GRANDE DO SUL: PANORAMA EPIDEMIOLÓGICO MAURÍCIO VIEIRA RODRIGUES

TUBERCULOSE NO RIO GRANDE DO SUL: PANORAMA EPIDEMIOLÓGICO MAURÍCIO VIEIRA RODRIGUES TUBERCULOSE NO RIO GRANDE DO SUL: PANORAMA EPIDEMIOLÓGICO MAURÍCIO VIEIRA RODRIGUES PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE PECT/RS HOSPITAL SANATÓRIO PARTENON Julho - 2016 Lucia Mardini DVAS Histórico

Leia mais

Data Versão/Revisões Descrição Autor 16/11/ Proposta inicial CESC, FA, LAS, RFC. 14/01/ Atualização CESC, LAS, MBJ, CAMS, LR

Data Versão/Revisões Descrição Autor 16/11/ Proposta inicial CESC, FA, LAS, RFC. 14/01/ Atualização CESC, LAS, MBJ, CAMS, LR 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 16/11/2012 1.00 Proposta inicial CESC, FA, LAS, RFC. 2.00 Atualização CESC, LAS, MBJ, CAMS, LR 1 Objetivo Promover assistência

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código:136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: TÉCNICO EM FARMÁCIA Qualificação: Técnico

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA. Estudo das bases farmacológicas envolvendo a cinética e a prescrição de fármacos.

PLANO DE DISCIPLINA. Estudo das bases farmacológicas envolvendo a cinética e a prescrição de fármacos. PLANO DE DISCIPLINA 1. Identificação: Departamento: Ciências Básicas (FCB) Disciplina: Farmacologia Cód.: FCB00005 Período Ministrado / Semestre / Ano / Turma: 1ºS/2010/F1 Responsável: Profa. Dra. Etyene

Leia mais

Relação de Padronização de Medicamentos, Material Hospitalar e Suporte Nutricional

Relação de Padronização de Medicamentos, Material Hospitalar e Suporte Nutricional OBRAS SOCIAIS IRMÃ DULCE HOSPITAL SANTO ANTÔNIO SERVIÇO DE FARMÁCIA Relação de Padronização de Medicamentos, Material Hospitalar e Suporte Nutricional I. RELAÇÃO DE MEDICAMENTOS PADRONIZADOS E CATEGORIA

Leia mais

Código: ENFANM. Disciplina: ANTROPOLOGIA MÉDICA Fase: 3ª Grade curricular: 2000 Pré-requisitos: DESCRIÇÃO DO PROGRAMA:

Código: ENFANM. Disciplina: ANTROPOLOGIA MÉDICA Fase: 3ª Grade curricular: 2000 Pré-requisitos: DESCRIÇÃO DO PROGRAMA: Código: ENFANM Disciplina: ANTROPOLOGIA MÉDICA Teoria: 45 Teoria: 03 A disciplina propicia entendimento e a relativização dos aspectos sócio-culturais através dos principais conceitos e instrumento antropológicos.

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RDC 44/2010

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RDC 44/2010 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RDC 44/2010 1. A RDC 44/2010 é válida para quais tipos de antimicrobianos? A RDC nº 44/2010 estabelece o controle para os antimicrobianos de uso sob prescrição (faixa vermelha)

Leia mais

MANUAL DE PRÁTICAS FARMACÊUTICAS DE VENDAS

MANUAL DE PRÁTICAS FARMACÊUTICAS DE VENDAS MANUAL DE PRÁTICAS FARMACÊUTICAS DE VENDAS TRANSPORTES TRANSLOVATO LTDA 1. OBJETIVO 1 Estabelecer o procedimento quanto às boas práticas em relação a correta comercialização de medicamentos, cosméticos

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO. 4º Fica acrescentado ao antigo Edital 001/2005, com os seguintes aspectos, mantendo as demais Cláusulas:

CONCURSO PÚBLICO. 4º Fica acrescentado ao antigo Edital 001/2005, com os seguintes aspectos, mantendo as demais Cláusulas: CONCURSO PÚBLICO ADITIVO 001 ao Edital Nº 001/2005, de 26 de agosto de 2005. A PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAREMA, Estado do Ceará, no uso de suas atribuições e prerrogativas legais e de acordo com o art.

Leia mais

Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos

Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos Portaria MS 2.616 / 98 regulamenta as ações de controle de infecção hospitalar no país Estabelece o serviço de farmácia como membro consultor da Comissão

Leia mais

UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO FMC-CCB

UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO FMC-CCB UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Nome da disciplina Departamento Carga horária semestral prática Carga horária

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS EM GERMES MULTIRRESISTENTES

USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS EM GERMES MULTIRRESISTENTES USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS EM GERMES MULTIRRESISTENTES Francisco Eugênio Deusdará de Alexandria Infectologista e Mestre em Genética e Toxicologia Aplicada 14/04/2015 13:19 1 O QUE É USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS?

Leia mais

Farmacêutico na Área Hospitalar. Professor: Dr. Eduardo Arruda

Farmacêutico na Área Hospitalar. Professor: Dr. Eduardo Arruda Farmacêutico na Área Hospitalar Professor: Dr. Eduardo Arruda Introdução Administração de recursos materiais é intimamente ligada ao Farmacêutico Hospitalar; Medicamentos + correlatos = 75% $ no hospital;

Leia mais

RDC Nº 16, DE 2 DE MARÇO DE 2007.

RDC Nº 16, DE 2 DE MARÇO DE 2007. RDC Nº 16, DE 2 DE MARÇO DE 2007. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o inciso IV do art. 11 do Regulamento aprovado pelo Decreto nº

Leia mais

Data: 18/06/2013. NTRR 100/2013 a. Medicamento x Material Procedimento Cobertura. Solicitante: Juiza de Direito Dra. Herilene de Oliveira Andrade

Data: 18/06/2013. NTRR 100/2013 a. Medicamento x Material Procedimento Cobertura. Solicitante: Juiza de Direito Dra. Herilene de Oliveira Andrade NTRR 100/2013 a Solicitante: Juiza de Direito Dra. Herilene de Oliveira Andrade Data: 18/06/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Número do processo: 335.13.1151-3 Réu: Município de Itapecerica

Leia mais

ECTS - Escola Superior de Saúde Curso: Licenciatura em Radiologia Unidade Curricular: Farmacologia em Radiologia

ECTS - Escola Superior de Saúde Curso: Licenciatura em Radiologia Unidade Curricular: Farmacologia em Radiologia ECTS - Escola Superior de Saúde Curso: Licenciatura em Radiologia Unidade Curricular: Farmacologia em Radiologia Ano Lectivo: 2012/2013 Ano curricular: 2 Período Lectivo: 2º Semestre Frequência: Obrigatória

Leia mais

Considerações sobre os medicamentos dispensados pelo SUS no município de Garruchos - RS

Considerações sobre os medicamentos dispensados pelo SUS no município de Garruchos - RS Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences vol. 44, n. 3, jul./set., 2008 Considerações sobre os medicamentos dispensados pelo SUS no município de Garruchos

Leia mais

Uso racional de medicamentos

Uso racional de medicamentos Uso racional de medicamentos Acesso aos medicamentos é direito de todos, seu uso indiscriminado faz mal à saúde, e eles devem atender os interesses das pessoas e coletividades. Uso racional de medicamentos

Leia mais

Glicocorticóides tópicos

Glicocorticóides tópicos Otosynalar fluocinolona acetonida sulfato de polimixina B sulfato de neomicina cloridrato de lidocaína Roche Glicocorticóides tópicos IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome do produto: Otosynalar Nome genérico:

Leia mais

Relação dos medicamentos que possuem maior demanda judicial

Relação dos medicamentos que possuem maior demanda judicial Relação dos medicamentos que possuem maior demanda judicial Pregabalina medicamento utilizado no tratamento da dor, não padronizado na Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (RENAME 2014). No entanto,

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO RDC Nº 16, DE 2 DE MARÇO DE 2007

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO RDC Nº 16, DE 2 DE MARÇO DE 2007 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO RDC Nº 16, DE 2 DE MARÇO DE 2007 Aprova Regulamento Técnico

Leia mais

Capítulo 74 - Medicamentos em Urologia - Dosagem e Posologia

Capítulo 74 - Medicamentos em Urologia - Dosagem e Posologia 278 Capítulo 74 - Medicamentos em Urologia - Dosagem e Posologia Rafael Mamprin Stopiglia MEDICAMENTOS APRESENTAÇÃO DOSE AMINOGLICOSIDEO AMICACINA IM 500 mg/ 2ml CRIANÇAS E ADULTOS 5 mg/ Kg de 8/8 h GENTAMICINA

Leia mais

Exame Farmacoterapia Época normal 2012

Exame Farmacoterapia Época normal 2012 Exame Farmacoterapia Época normal 2012 1. Sindrome metabólico explicar a diabetes, fármacos na terapêutica. 2. 4 antibióticos, num individuo com infecção urinaria resistente aos beta-lactamicos qual o

Leia mais

Mara Rúbia Keller Sartori

Mara Rúbia Keller Sartori Curso De Atualização Em Boas Práticas De Farmácia Hospitalar Modulo I Comissão de Farmácia Hospitalar - 2012 Modulo 1 SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS E MATERIAIS PARA A SAÚDE Mara Rúbia Keller Sartori Comissão

Leia mais

PLANO DE CURSO 5 PERÍODO

PLANO DE CURSO 5 PERÍODO PLANO DE CURSO 5 PERÍODO 2015.1 CURSO: MEDICINA DISCIPLINA: Farmacologia Médica CARGA HORÁRIA: 144 h PROFESSOR RESPONSÁVEL: Miguel de Lemos Neto PROFESSORES: EMENA: Sistema cardiovascular e renal: Diuréticos

Leia mais

AUTOMEDICAÇÃO NA POPULAÇÃO RURAL DO MUNICÍPIO DE REDENÇÃO, CEARÁ

AUTOMEDICAÇÃO NA POPULAÇÃO RURAL DO MUNICÍPIO DE REDENÇÃO, CEARÁ AUTOMEDICAÇÃO NA POPULAÇÃO RURAL DO MUNICÍPIO DE REDENÇÃO, CEARÁ Francisco Washington Araújo Barros Nepomuceno¹, Jeferson Falcão do Amaral², Emanuella Silva de Melo³, Nicásio Urinque Mendes 4. 1 Universidade

Leia mais

DIVISÃO DE ENSINO E PESQUISA DEP COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME PROVA FARMÁCIA

DIVISÃO DE ENSINO E PESQUISA DEP COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME PROVA FARMÁCIA 1 - (SESA/ES, 2013) Com relação ao processo de seleção de medicamentos e controle de infecção hospitalar, assinale a opção correta. (A) Dentro das atuações do farmacêutico, não se inclui fazer sugestões

Leia mais

Despacho n.º 3/91, de 8 de Fevereiro 1 (DR, 2.ª série, n.º 64, de 18 de Março de 1991)

Despacho n.º 3/91, de 8 de Fevereiro 1 (DR, 2.ª série, n.º 64, de 18 de Março de 1991) 1 (DR, 2.ª série, n.º 64, de 18 de Março de 1991) Acesso aos medicamentos pelos doentes insuficientes renais crónicos e transplantados renais Os doentes insuficientes crónicos e transplantados renais,

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Nota Técnica N 265/2013 Brasília, agosto de 2013. Princípio Ativo: cabergolina Nome Comercial 1 : Dostinex. Sumário 1. O que é a cabergolina?... 1 2. O medicamento possui registro na Agência Nacional de

Leia mais

Vendas de Medicamentos Não Sujeitos a Receita Médica fora das Farmácias

Vendas de Medicamentos Não Sujeitos a Receita Médica fora das Farmácias Vendas de Medicamentos Não Sujeitos a Receita Médica fora das Farmácias (MNSRM) Março de 2010 (Vendas até Fevereiro de 2010) RESUMO MEDICAMENTOS NÃO SUJEITOS A RECEITA MÉDICA O Decreto-Lei nº. 134/2005

Leia mais

Relação Municipal de MEDICAMENTOS ESSENCIAIS REMUME ª edição

Relação Municipal de MEDICAMENTOS ESSENCIAIS REMUME ª edição Relação Municipal de MEDICAMENTOS ESSENCIAIS REMUME 014 1ª edição EXPEDIENTE PREFEITURA DE FLORES DA CUNHA Prefeito: Lídio Scortegagna Secretário da Saúde: Vanderlei Luiz Stuani Elaboração, distribuição

Leia mais

Palavras-chave: Automedicação; Analgésicos; Disfunção erétil.

Palavras-chave: Automedicação; Analgésicos; Disfunção erétil. CLASSES TERAPÊUTICAS MAIS CONSUMIDAS NO MUNICÍPIO DE CERES-GO NO ANO DE 2012. GARCEZ 1a,E.A.M., SOUZA 1b,K.S., BRITO 2,A.F. 1 Acadêmicas do curso de Farmácia da Faculdade de Ceres a ellisgarcez@hotmail.com

Leia mais

Relação Municipal de Medicamentos Essenciais

Relação Municipal de Medicamentos Essenciais Relação Municipal de Medicamentos Essenciais Elaboração, Distribuição e Informações Prefeitura de Maringá Secretaria Municipal de Saúde Central de Abastecimento Farmacêutico - CAF Avenida Prudente de Moraes,

Leia mais

GUIA FARMACÊUTICO HOSPITALAR E AMBULATORIAL

GUIA FARMACÊUTICO HOSPITALAR E AMBULATORIAL MATERNIDADE ESCOLA DE VILA NOVA CACHOEIRINHA - Hospital Selado CQH - Hospital Amigo da Criança - HOSPITAL MUNICIPAL E MATERNIDADE ESCOLA DR. MÁRIO DE MORAES ALTENFELDER SILVA G U I A GUIA FARMACÊUTICO

Leia mais

Reunião Plenária do Conselho Federal de Medicina

Reunião Plenária do Conselho Federal de Medicina Reunião Plenária do Conselho Federal de Medicina Brasília DF, 29 de maio de 2.014 Tarcísio José Palhano Assessor da Presidência do Conselho Federal de Farmácia (CFF) Coordenador Técnico-Científico do Centro

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências da Saúde

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências da Saúde Centro de Ciências da Saúde R E S O L U Ç Ã O Nº 131/2013-CI/CCS CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 11/12/13. Aprova a estrutura curricular

Leia mais

Fluxo das Doenças de Notificação Compulsória no HMVSC

Fluxo das Doenças de Notificação Compulsória no HMVSC Fluxo das Doenças de Notificação Compulsória no HMVSC Nas unidades de internação, UTIs ou ambulatório A equipe assistencial identifica possível ou confirmada DOENÇA OU AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA

Leia mais

REMUME ª edição. Relação Municipal de MEDICAMENTOS ESSENCIAIS

REMUME ª edição. Relação Municipal de MEDICAMENTOS ESSENCIAIS PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORES DA CUNHA Secretaria Municipal da Saúde Comissão de Farmacoterapia - COFAT Relação Municipal de MEDICAMENTOS ESSENCIAIS REMUME 014 1 ª edição Flores da Cunha RS 014 EXPEDIENTE

Leia mais

P R O T O C O L O M U L T I D I S C I P L I N A R

P R O T O C O L O M U L T I D I S C I P L I N A R Controle Nome/Cargo Assinatura Daniela Alencar Moreira Liciana Leticia de Maraes Diego Antonio de S. Fidelis Coordenador de Farmácia Dr. Jorge Lafeta Coordenador CTI Dr. Fábio Liberalli Coordenador Pronto

Leia mais

Elotin. Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Solução otológica

Elotin. Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Solução otológica Elotin Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Solução otológica 0,275 mg/ml de fluocinolona acetonida 3,85 mg/ml de sulfato de neomicina 11.000 UI/ml de sulfato de polimixina B 20 mg/ml de cloridrato de

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina EFG115 Farmacologia Humana

Programa Analítico de Disciplina EFG115 Farmacologia Humana 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Medicina e Enfermagem - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM FARMÁCIA CLÍNICA

ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM FARMÁCIA CLÍNICA ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM FARMÁCIA CLÍNICA Especialização Lato Sensu em Farmácia Clínica 1.1 Área do Conhecimento: Ciências da Saúde Grande área: Farmácia Subárea: Farmácia Clínica 1.2 Unidade Responsável:

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA NO PROJETO USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS

LOGÍSTICA REVERSA NO PROJETO USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA. 1. Identificação: 2. Ementa: 3. Objetivo Geral: 4. Objetivos Específicos:

PLANO DE DISCIPLINA. 1. Identificação: 2. Ementa: 3. Objetivo Geral: 4. Objetivos Específicos: PLANO DE DISCIPLINA 1. Identificação: Departamento: Ciências Básicas (FCB) Disciplina: Farmacologia Cód.: FCB00005 Período Ministrado / Semestre / Ano / Turma: 1ºS/2010/F1 Responsável: Prof.a. Etyene Castro

Leia mais

ERRATA AO EDITAL Nº 002/2016 DE 29 DE JUNHO DE 2016

ERRATA AO EDITAL Nº 002/2016 DE 29 DE JUNHO DE 2016 ERRATA AO EDITAL Nº 002/2016 DE 29 DE JUNHO DE 2016 A Fundação de Ensino Superior de Goiatuba - FESG, no uso de suas atribuições, tendo em vista o que consta na Constituição Federal, considerando o julgamento

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE (QUESTÕES DE 01 A 15)

CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE (QUESTÕES DE 01 A 15) _ Questão 01 (Peso 0,50) CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE (QUESTÕES DE 01 A 15) é o estudo sistemático das dimensões morais - incluindo visão moral, decisões, conduta e políticas - das ciências da vida e

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a implantação do Sistema Nacional de Controle de Medicamentos e definição dos mecanismos para rastreamento de medicamentos, por meio de tecnologia

Leia mais

Prefeitura da Cidade de São Paulo

Prefeitura da Cidade de São Paulo Página 1 de 7 Serviços A Cidade Compras Notícias Governo Busca no portal Pesquisa de Legislação Municipal N o 82 Ano: 2015 Secretaria: SMS Voltar Imprimir PORTARIA 82/15 - SMS A Secretaria Municipal da

Leia mais

O beneficiários do Plano 28, aposentados e pensionistas estão contemplados no benefício nos mesmos moldes dos demais beneficiários.

O beneficiários do Plano 28, aposentados e pensionistas estão contemplados no benefício nos mesmos moldes dos demais beneficiários. Regras de Custeio Modelo de Securitização Pré-pagamento Petrobras Arrecadação em Fundo (R$2,51-R$15,09) por beneficiário/mês Classe de Renda (MSB) Classe de Renda (R$) Contribuição (R$) 1,4 1.129,72 2,51

Leia mais

TÍTULO: PERFIL DE UTILIZAÇÃO DE ANTI INFLAMATORIOS NÃO ESTEROIDAIS DE UMA DROGARIA DE AGUAÍ-SP

TÍTULO: PERFIL DE UTILIZAÇÃO DE ANTI INFLAMATORIOS NÃO ESTEROIDAIS DE UMA DROGARIA DE AGUAÍ-SP 16 TÍTULO: PERFIL DE UTILIZAÇÃO DE ANTI INFLAMATORIOS NÃO ESTEROIDAIS DE UMA DROGARIA DE AGUAÍ-SP CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS

Leia mais

ANEXO II - PROGRAMAS DA PROVA ESCRITA. Processo de Seleção para Residência em Área Profissional da Saúde

ANEXO II - PROGRAMAS DA PROVA ESCRITA. Processo de Seleção para Residência em Área Profissional da Saúde ANEXO II - PROGRAMAS DA PROVA ESCRITA Processo de Seleção para Residência em Área Profissional da Saúde PERFIL: ATENÇÃO BÁSICA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para todas as categorias profissionais: Conhecimentos

Leia mais

Gestão da Medicação nas Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas (ERPI)

Gestão da Medicação nas Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas (ERPI) RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO SETORIAL PARA A SAÚDE DO SISTEMA PORTUGUÊS DA QUALIDADE CS/09 (REC CS09/01/2014) Gestão da Medicação nas Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas (ERPI) Contexto O número de

Leia mais

DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL DIRETORIA DO SISTEMA PENITENCIÁRIO FEDERAL

DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL DIRETORIA DO SISTEMA PENITENCIÁRIO FEDERAL DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL DIRETORIA DO SISTEMA PENITENCIÁRIO FEDERAL PORTARIA N o 63, DE 08 DE ABRIL DE 2009. O DIRETOR DO SISTEMA PENITENCIÁRIO FEDERAL, no uso de suas atribuições legais e com

Leia mais

AULA 2 A FORMAÇÃO FARMACÊUTICA

AULA 2 A FORMAÇÃO FARMACÊUTICA FACULDADE CATÓLICA RAINHA DO SERTÃO CURSO DE FARMÁCIA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PROFESSOR: MÁRCIO BATISTA AULA 2 A FORMAÇÃO FARMACÊUTICA A FORMAÇÃO FARMACÊUTICA A RESOLUÇÃO CNE/CES

Leia mais

parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27

parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27 Sumário parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27 1 Terapêutica: estratégia geral... 29 terminologia de doenças... 29 História do caso... 34 Disposição do fármaco... 39 Seleção do fármaco...

Leia mais

Amoxicilina+Clavulonato de Potássio Comprimido 500mg mg

Amoxicilina+Clavulonato de Potássio Comprimido 500mg mg 3. RELAÇÃO DOS MEDICAMENTOS DISPONÍVEIS NA REMUME 2016 3.1. ANALGÉSICOS Acido Acetilsalicílico Dipirona Sódica solução oral Frasco 500mg/ml Dipirona Sódica Comprimido 500mg Dipirona Sódica - injetável

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1.NOME DO MEDICAMENTO Diclofenac Bluepharma, 10 mg/g, gel 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada grama de gel contém 10 mg de diclofenac de sódio equivalente

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE ANTIBIÓTICOS EM AMBULATÓRIO NO ALGARVE

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE ANTIBIÓTICOS EM AMBULATÓRIO NO ALGARVE EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE ANTIBIÓTICOS EM AMBULATÓRIO NO ALGARVE FCT - SFRH/BD/60249/2009 Isabel Ramalhinho, PhD Profª Auxiliar da FCT-UALG Seminário: Infeções associadas aos Cuidados de Saúde Escola Superior

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 914/2017

DELIBERAÇÃO Nº 914/2017 DELIBERAÇÃO Nº 914/2017 Dispõe sobre a Assistência Técnica Farmacêutica nos Estabelecimentos Farmacêuticos Públicos O CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO PARANÁ CRF- PR, diante das atribuições legais

Leia mais

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA Nome:... Data: Assinatura:... ATENÇÃO: Responda todas as questões obrigatórias e 1 questão à sua escolha dos demais blocos (C à F). Para completar

Leia mais

A experiência dos Serviços Farmacêuticos da ARSC

A experiência dos Serviços Farmacêuticos da ARSC A experiência dos Serviços Farmacêuticos da ARSC O que fazemos na gestão da medicação nos cuidados de saúde primários (e não só!) Catarina de Oliveira Coelho Serviços Farmacêuticos ARS Centro 19 de abril

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FORTALEZA INSTITUTO DR. JOSÉ FROTA GUIA FARMACOTERAPÊUTICO

PREFEITURA MUNICIPAL DE FORTALEZA INSTITUTO DR. JOSÉ FROTA GUIA FARMACOTERAPÊUTICO PREFEITURA MUNICIPAL DE FORTALEZA INSTITUTO DR. JOSÉ FROTA GUIA FARMACOTERAPÊUTICO FORTALEZA 2006 2 PREFEITURA MUNICIPAL DE FORTALEZA Prefeita Luizianne de Oliveira Lins SECRETARIA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO CONSUMO DE PSICOTRÓPICOS EM UMA DROGRARIA NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ/RN

CARACTERIZAÇÃO DO CONSUMO DE PSICOTRÓPICOS EM UMA DROGRARIA NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ/RN CARACTERIZAÇÃO DO CONSUMO DE PSICOTRÓPICOS EM UMA DROGRARIA NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ/RN Amanda Fernandes de Araújo 1 ; Denner Alípio da Silva Lima 2 ; Diego Ramon dos Santos Souza 3 1 Universidade Federal

Leia mais