Governador Cid Ferreira Gomes. Vice-Governador Francisco José Pinheiro. Secretário Antônio Luiz Abreu Dantas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Governador Cid Ferreira Gomes. Vice-Governador Francisco José Pinheiro. Secretário Antônio Luiz Abreu Dantas"

Transcrição

1

2

3 Governador Cid Ferreira Gomes Vice-Governador Francisco José Pinheiro Secretário Antônio Luiz Abreu Dantas Secretário Executivo Luiz Xavier Oliveira Filho Coordenador Administrativo - Financeiro Rosa Maria Chaves Coordenador da Cidadania Heline Joyce Barbosa Monteiro Coordenador do Sistema Penal José Bento Laurindo de Araújo Supervisor do Núcleo de Saúde Francisco Pereira Alencar

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13 Antônio Luiz Abreu Dantas Secretário da Justiça e Cidadania

14

15

16

17

18

19

20

21 1. Assistência à Saúde no Sistema Penitenciário do Estado do Ceará 1.1. Missão A Saúde no Sistema Prisional Recursos Humanos da Equipe de Saúde A População Carcerária no Estado do Ceará Assistência Farmacêutica no Sistema Penitenciário 2.1. As Bases da Assistência Farmacêutica no Sistema Penitenciário Seleção de Medicamentos Programação e Aquisição de Produtos Farmacêuticos Recebimento e Armazenamento Prescrição, Distribuição e Dispensação Unidades de Farmácia nas UPs A Padronização no Sistema Penitenciário 3.1. A Implantação de uma Padronização no Sistema Penitenciário Etapas Seguidas na Implantação do Processo de Padronização de Medicamentos Critérios Empregados no Processo de Padronizados de Medicamentos Critérios para Exclusão de Medicamentos da Padronização Comissão de Padronização de Medicamentos Medicamentos Padronizados 4.1. Medicamentos Padronizados Medicamentos Padronizados por Classificação Terapêutica Analgésicos e antipiréticos Analgésico Narcótico Anestésicos Locais Ansiolíticos Antagonista de Angiotensina II Antiagregante Plaquetário Antianêmicos Antianginosos Antiarrítmicos Anticoagulante Anticonvulsivantes Antidepressivos Antieméticos... 57

22 Antiespasmódicos Antiespasmódicos, Analgésicos Antifiséticos Antifúngicos Sistêmicos Antifúngicos Tópicos Anti-hipertensivos Anti-Histamínico H Antiinflamatório Esteroidal (Corticóide) Sistêmico Antiinflamatórios não-esteroidal (Aine) Sistêmico Antiinflamatórios não-esteroidal (Aine) Tópico Antimicrobiano Aminoglicosídeo Antimicrobiano Aminoglicosídeo Tópico Antimicrobiano Aminoglicosídeo Oftálmico Antimicrobiano Anaeróbico Antimicrobiano Anaeróbico Tópico Antimicrobiano Anfenicol Tópico Antimicrobiano Cefalosporina 1ª Geração Antimicrobiano Cefalosporina 3ª Geração Antimicrobiano Macrolídeo Antimicrobianos Penicilinas Antimicrobianos Quinolonas Antimicrobiano Sulfa Antimicrobiano Tetraciclina Antimicrobianos Tópicos Antimicrobiano Otológico + Corticóide Antiparasitário, Anti-Helmíntico Antipsicóticos, Neurolépticos Anti-Sépticos Tópicos Antitussígeno Antiulcerosos Antivirais Betabloqueadores Bloqueador de Canal de Cálcio Broncodilatadores Cardiotônico Dermatológicos Descongestionante Nasal Diuréticos Eletrólitos, Diluentes Flebotônico Hipoglicemiantes... 63

23 Inibidores da ECA Laxantes Mucolíticos Relaxante Muscular Vitaminas Sistema Medicamentos Sujeitos a Controle Especial (Portaria 344/98) 5. Medicamentos sob Controle Especial (Portaria 344/98) Classificação Tipos de Receituários Notificação da Receita Notificação da Receita A Notificação da Receita B Receita de Controle Especial Recomendações Adicionais Antimicrobianos 6. Antimicrobianos Resistência: Conseqüências do uso Abusivo e Irracional Uso Racional: Um Compromisso de Todos Reação Adversa a Medicamento 7. Reação Adversa a Medicamento Como Reconhecer as RAMs O que Deve ser Notificado Informações Adicionais 8.1. Lei dos Genéricos Medicamentos Fornecidos pelo Ministério da Saúde Programa para DSTs/AIDS Serviços Prestados em cada UP para o Diagnóstico, Aconselhamento e Tratamento em DST/HIV/AIDS HIV Associado à TB Programa para Tuberculose Mudanças no Tratamento da TB Esquema Básico Esquema para Meningoencefalite por Tuberculose Esquemas Especiais Sistema de Distribuição de Medicamentos de Qualidade no Sistema Penitenciário Sistema de Dose Individualizada Procedimentos Operacionais em Fase de Implantação no Hospital Otávio Lobo

24 9. Referências Referências Apêndices Apêndice A Apêndice B

25

26

27 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 27

28 28 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

29 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 29

30 30 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

31 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 31

32

33

34

35 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 35

36 36 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

37 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 37

38

39

40

41 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 41

42 42 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

43 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 43

44 44 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

45 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 45

46 46 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

47 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 47

48

49

50

51 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 51

52 52 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

53 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 53

54 54 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

55 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 55

56 56 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

57 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 57

58 58 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

59 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 59

60 60 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

61 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 61

62 62 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

63 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 63

64 64 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

65

66

67 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 67

68 68 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

69 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 69

70 70 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

71 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 71

72 72 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

73 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 73

74 74 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

75

76

77 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 77

78 78 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

79 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 79

80

81

82

83 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 83

84 84 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

85 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 85

86 86 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

87 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 87

88 88 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

89 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 89

90

91

92

93 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 93

94 94 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

95 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 95

96 96 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

97 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 97

98 98 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

99 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 99

100 100 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

101 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 101

102 102 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

103 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 103

104 104 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

105 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 105

106 106 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

107

108

109 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 109

110 110 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

111 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 111

112 112 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

113

114

115 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 115

116 116 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

117 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 117

118 118 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

119 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 119

120 120 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

121 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 121

122 122 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

123 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 123

124 124 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

125 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 125

126 126 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

127 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 127

128 128 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

129 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 129

130 130 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO

131 GUIA FARMACOTERAPÊUTICO SISTEMA PENITENCIÁRIO 131

132

Deliberação n.º 051/CD/2014

Deliberação n.º 051/CD/2014 Deliberação n.º 051/CD/2014 O Conselho Diretivo do INFARMED - Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P. (INFARMED, I.P.), considerando que: a) A Portaria n.º 1471/2004, de 21 de dezembro,

Leia mais

Relatórios gerenciais customizados Apresentação de dados por área de interesse

Relatórios gerenciais customizados Apresentação de dados por área de interesse Nov.2005 GESTÃO DE MEDI CAMENTOS Relatórios gerenciais customizados Apresentação de dados por área de interesse Demanda: por classe terapêutica, ou princípio ativo Perfil: empresa, unidade, centro de custo,

Leia mais

10 º FORÚM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM

10 º FORÚM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM 10 º FORÚM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM PERFIL DOS FÁRMACOS CAUSADORES DE REAÇÕES ADVERSAS NOTIFICADOS AO PROJETO HOSPITAL SENTINELA, HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ, DE 2007 A 2011. Letícia Maria Gozzi

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROF MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município:TUPÃ Eixo Tecnológico:AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO EM TÉCNICO EM FARMÁCIA

Leia mais

Disciplina: Específica

Disciplina: Específica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Concurso Público para provimento de vagas de cargos Técnico-Administrativos Edital nº 293/2016 Resultado do julgamento dos recursos interpostos contra as questões

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA Código da Disciplina: ODO122 Curso: Odontologia Semestre de oferta da disciplina:

Leia mais

PERFIL DE UTILIZAÇÃO DE MEDICAMENTOS GENÉRICOS EM 31 FARMÁCIAS DA CIDADE DE CURITIBA

PERFIL DE UTILIZAÇÃO DE MEDICAMENTOS GENÉRICOS EM 31 FARMÁCIAS DA CIDADE DE CURITIBA PERFIL DE UTILIZAÇÃO DE MEDICAMENTOS GENÉRICOS EM FARMÁCIAS DA CIDADE DE CURITIBA THE PROFILE OF GENERIC MEDICINE USE IN DRUGSTORES OF THE CITY OF CURITIBA MONTRUCCHIO, Deise Prehs ; MIGUEL, Marilis Dallarmi

Leia mais

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL?

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? Profa. Dra. Rosália Morais Torres VI Diretrizes Brasileiras de hipertensão arterial Arq Bras Cardiol 2010; 95 (1 supl.1): 1-51 HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, SAÚDE E TECNOLOGIA - IMPERATRIZ. CURSO: ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, SAÚDE E TECNOLOGIA - IMPERATRIZ. CURSO: ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, SAÚDE E TECNOLOGIA - IMPERATRIZ. CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO DISICIPLINA FARMACOLOGIA Período 4º PROFESSOR (a) Carga Horária: 90 Dr.

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 CFT COMISSÃO DE FARMÁCIA E TERAPÊUTICA

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 CFT COMISSÃO DE FARMÁCIA E TERAPÊUTICA RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 CFT COMISSÃO DE FARMÁCIA E TERAPÊUTICA 1. APRESENTAÇÃO O objetivo principal da Comissão de Farmácia e Terapêutica é elaborar a cada dois anos a padronização de medicamentos disponível

Leia mais

F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA. F 17 - FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor. Titulação: Aprimoramento

F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA. F 17 - FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor. Titulação: Aprimoramento F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA F 17 - FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor Titulação: Aprimoramento Supervisor: Dra Ana Carolina Colmanetti Nogueira Garcia Características: (duração 12 meses) Dirigido

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFº MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Área de conhecimento: Ambiente, Saúde e Segurança Componente Curricular: Introdução a Ciências Farmacêuticas

Leia mais

Data Versão/Revisões Descrição Autor 16/11/ Proposta inicial CESC, FA, LAS, RFC. 14/01/ Atualização CESC, LAS, MBJ, CAMS, LR

Data Versão/Revisões Descrição Autor 16/11/ Proposta inicial CESC, FA, LAS, RFC. 14/01/ Atualização CESC, LAS, MBJ, CAMS, LR 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 16/11/2012 1.00 Proposta inicial CESC, FA, LAS, RFC. 2.00 Atualização CESC, LAS, MBJ, CAMS, LR 1 Objetivo Promover assistência

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Farmácia e Terapêutica

Regimento Interno da Comissão de Farmácia e Terapêutica Regimento Interno da Comissão de Farmácia e Terapêutica Da natureza e finalidade Art. 1º - A Comissão de Farmácia e Terapêutica (CFT) é instância de caráter consultivo e deliberativo da Direção Médica

Leia mais

TUBERCULOSE NO RIO GRANDE DO SUL: PANORAMA EPIDEMIOLÓGICO MAURÍCIO VIEIRA RODRIGUES

TUBERCULOSE NO RIO GRANDE DO SUL: PANORAMA EPIDEMIOLÓGICO MAURÍCIO VIEIRA RODRIGUES TUBERCULOSE NO RIO GRANDE DO SUL: PANORAMA EPIDEMIOLÓGICO MAURÍCIO VIEIRA RODRIGUES PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE PECT/RS HOSPITAL SANATÓRIO PARTENON Julho - 2016 Lucia Mardini DVAS Histórico

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS EM GERMES MULTIRRESISTENTES

USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS EM GERMES MULTIRRESISTENTES USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS EM GERMES MULTIRRESISTENTES Francisco Eugênio Deusdará de Alexandria Infectologista e Mestre em Genética e Toxicologia Aplicada 14/04/2015 13:19 1 O QUE É USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS?

Leia mais

Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos

Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos Portaria MS 2.616 / 98 regulamenta as ações de controle de infecção hospitalar no país Estabelece o serviço de farmácia como membro consultor da Comissão

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RDC 44/2010

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RDC 44/2010 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A RDC 44/2010 1. A RDC 44/2010 é válida para quais tipos de antimicrobianos? A RDC nº 44/2010 estabelece o controle para os antimicrobianos de uso sob prescrição (faixa vermelha)

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓREITORIA DE GRADUAÇÃO Dados de Identificação Campus: Uruguaiana Curso: Farmácia Componente Curricular: Química Farmacêutica I Código: UR

Leia mais

Uso racional de medicamentos

Uso racional de medicamentos Uso racional de medicamentos Acesso aos medicamentos é direito de todos, seu uso indiscriminado faz mal à saúde, e eles devem atender os interesses das pessoas e coletividades. Uso racional de medicamentos

Leia mais

Medicamentos genéricos comercializados en España (Mayo 2004)

Medicamentos genéricos comercializados en España (Mayo 2004) MEDICAMENTOS Medicamentos genéricos comercializados en España (Mayo 2004) 199 MEDICAMENTOS MEDICAMENTOS Los genéricos son medicamentos identificados con las siglas EFG (especialidades farmacéuticas genéricas).

Leia mais

Código: ENFANM. Disciplina: ANTROPOLOGIA MÉDICA Fase: 3ª Grade curricular: 2000 Pré-requisitos: DESCRIÇÃO DO PROGRAMA:

Código: ENFANM. Disciplina: ANTROPOLOGIA MÉDICA Fase: 3ª Grade curricular: 2000 Pré-requisitos: DESCRIÇÃO DO PROGRAMA: Código: ENFANM Disciplina: ANTROPOLOGIA MÉDICA Teoria: 45 Teoria: 03 A disciplina propicia entendimento e a relativização dos aspectos sócio-culturais através dos principais conceitos e instrumento antropológicos.

Leia mais

RELAÇÃO MUNICIPAL DE MEDICAMENTOS ESSENCIAIS REMUME 2016

RELAÇÃO MUNICIPAL DE MEDICAMENTOS ESSENCIAIS REMUME 2016 PREFEITURA MUNICIPAL DE CACIQUE DOBLE/RS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE RELAÇÃO MUNICIPAL DE MEDICAMENTOS ESSENCIAIS REMUME 2016 FARMÁCIA PÚBLICA MUNICIPAL CACIQUE DOBLE, RS, Novembro de 2016. Sumário 1.

Leia mais

ECTS - Escola Superior de Saúde Curso: Licenciatura em Radiologia Unidade Curricular: Farmacologia em Radiologia

ECTS - Escola Superior de Saúde Curso: Licenciatura em Radiologia Unidade Curricular: Farmacologia em Radiologia ECTS - Escola Superior de Saúde Curso: Licenciatura em Radiologia Unidade Curricular: Farmacologia em Radiologia Ano Lectivo: 2012/2013 Ano curricular: 2 Período Lectivo: 2º Semestre Frequência: Obrigatória

Leia mais

Fluxo das Doenças de Notificação Compulsória no HMVSC

Fluxo das Doenças de Notificação Compulsória no HMVSC Fluxo das Doenças de Notificação Compulsória no HMVSC Nas unidades de internação, UTIs ou ambulatório A equipe assistencial identifica possível ou confirmada DOENÇA OU AGRAVO DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA

Leia mais

Considerações sobre os medicamentos dispensados pelo SUS no município de Garruchos - RS

Considerações sobre os medicamentos dispensados pelo SUS no município de Garruchos - RS Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences vol. 44, n. 3, jul./set., 2008 Considerações sobre os medicamentos dispensados pelo SUS no município de Garruchos

Leia mais

Relação de Padronização de Medicamentos, Material Hospitalar e Suporte Nutricional

Relação de Padronização de Medicamentos, Material Hospitalar e Suporte Nutricional OBRAS SOCIAIS IRMÃ DULCE HOSPITAL SANTO ANTÔNIO SERVIÇO DE FARMÁCIA Relação de Padronização de Medicamentos, Material Hospitalar e Suporte Nutricional I. RELAÇÃO DE MEDICAMENTOS PADRONIZADOS E CATEGORIA

Leia mais

AUTOMEDICAÇÃO NA POPULAÇÃO RURAL DO MUNICÍPIO DE REDENÇÃO, CEARÁ

AUTOMEDICAÇÃO NA POPULAÇÃO RURAL DO MUNICÍPIO DE REDENÇÃO, CEARÁ AUTOMEDICAÇÃO NA POPULAÇÃO RURAL DO MUNICÍPIO DE REDENÇÃO, CEARÁ Francisco Washington Araújo Barros Nepomuceno¹, Jeferson Falcão do Amaral², Emanuella Silva de Melo³, Nicásio Urinque Mendes 4. 1 Universidade

Leia mais

RDC Nº 16, DE 2 DE MARÇO DE 2007.

RDC Nº 16, DE 2 DE MARÇO DE 2007. RDC Nº 16, DE 2 DE MARÇO DE 2007. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o inciso IV do art. 11 do Regulamento aprovado pelo Decreto nº

Leia mais

Glicocorticóides tópicos

Glicocorticóides tópicos Otosynalar fluocinolona acetonida sulfato de polimixina B sulfato de neomicina cloridrato de lidocaína Roche Glicocorticóides tópicos IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome do produto: Otosynalar Nome genérico:

Leia mais

DIVISÃO DE ENSINO E PESQUISA DEP COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME PROVA FARMÁCIA

DIVISÃO DE ENSINO E PESQUISA DEP COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME PROVA FARMÁCIA 1 - (SESA/ES, 2013) Com relação ao processo de seleção de medicamentos e controle de infecção hospitalar, assinale a opção correta. (A) Dentro das atuações do farmacêutico, não se inclui fazer sugestões

Leia mais

Gestão da Medicação nas Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas (ERPI)

Gestão da Medicação nas Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas (ERPI) RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO SETORIAL PARA A SAÚDE DO SISTEMA PORTUGUÊS DA QUALIDADE CS/09 (REC CS09/01/2014) Gestão da Medicação nas Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas (ERPI) Contexto O número de

Leia mais

P R O T O C O L O M U L T I D I S C I P L I N A R

P R O T O C O L O M U L T I D I S C I P L I N A R Controle Nome/Cargo Assinatura Daniela Alencar Moreira Liciana Leticia de Maraes Diego Antonio de S. Fidelis Coordenador de Farmácia Dr. Jorge Lafeta Coordenador CTI Dr. Fábio Liberalli Coordenador Pronto

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a implantação do Sistema Nacional de Controle de Medicamentos e definição dos mecanismos para rastreamento de medicamentos, por meio de tecnologia

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM FARMÁCIA CLÍNICA

ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM FARMÁCIA CLÍNICA ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM FARMÁCIA CLÍNICA Especialização Lato Sensu em Farmácia Clínica 1.1 Área do Conhecimento: Ciências da Saúde Grande área: Farmácia Subárea: Farmácia Clínica 1.2 Unidade Responsável:

Leia mais

SIMPÓSIO SATÉLITE O ACESSO AOS ARV E A COOPERAÇÃO SUL-SUL: DA UTOPIA À REALIDADE. Rosa Alencar Coordenação Estadual DST/AIDS- SP CRT-DST/Aids

SIMPÓSIO SATÉLITE O ACESSO AOS ARV E A COOPERAÇÃO SUL-SUL: DA UTOPIA À REALIDADE. Rosa Alencar Coordenação Estadual DST/AIDS- SP CRT-DST/Aids SIMPÓSIO SATÉLITE O ACESSO AOS ARV E A COOPERAÇÃO SUL-SUL: DA UTOPIA À REALIDADE Rosa Alencar Coordenação Estadual DST/AIDS- SP CRT-DST/Aids Maio 2009, Rio de Janeiro Início da Distribuição de Antirretrovirais

Leia mais

APLICAÇÃO DE INSTRUMENTO AVALIATIVO PARA A GESTÃO DA ASSISTÊNCIA

APLICAÇÃO DE INSTRUMENTO AVALIATIVO PARA A GESTÃO DA ASSISTÊNCIA APLICAÇÃO DE INSTRUMENTO AVALIATIVO PARA A GESTÃO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Vanessa A. Paiva de Carvalho 1, Sonia R. Riado 2, Regina M. B. Chain 3, Maria L. B. Ribeiro 1,

Leia mais

Capítulo 74 - Medicamentos em Urologia - Dosagem e Posologia

Capítulo 74 - Medicamentos em Urologia - Dosagem e Posologia 278 Capítulo 74 - Medicamentos em Urologia - Dosagem e Posologia Rafael Mamprin Stopiglia MEDICAMENTOS APRESENTAÇÃO DOSE AMINOGLICOSIDEO AMICACINA IM 500 mg/ 2ml CRIANÇAS E ADULTOS 5 mg/ Kg de 8/8 h GENTAMICINA

Leia mais

Of. NEP n.º 01/11 São Paulo, 11 de abril de 2011.

Of. NEP n.º 01/11 São Paulo, 11 de abril de 2011. Of. NEP n.º 01/11 São Paulo, 11 de abril de 2011. À Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) A/C: Dr. Dirceu Brás Aparecido Barbano Diretor-Presidente Substituto em exercício Ref.: Resolução nº

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE ANTIBIÓTICOS EM AMBULATÓRIO NO ALGARVE

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE ANTIBIÓTICOS EM AMBULATÓRIO NO ALGARVE EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE ANTIBIÓTICOS EM AMBULATÓRIO NO ALGARVE FCT - SFRH/BD/60249/2009 Isabel Ramalhinho, PhD Profª Auxiliar da FCT-UALG Seminário: Infeções associadas aos Cuidados de Saúde Escola Superior

Leia mais

Nota Técnica Conjunta SESA N 01/2014 1

Nota Técnica Conjunta SESA N 01/2014 1 Nota Técnica Conjunta SESA N 01/2014 1 Assunto: Fluxo para solicitação, distribuição e dispensação do medicamento Palivizumabe para o tratamento profilático do Vírus Sincicial Respiratório (VSR) no Estado

Leia mais

Prefeitura da Cidade de São Paulo

Prefeitura da Cidade de São Paulo Página 1 de 7 Serviços A Cidade Compras Notícias Governo Busca no portal Pesquisa de Legislação Municipal N o 82 Ano: 2015 Secretaria: SMS Voltar Imprimir PORTARIA 82/15 - SMS A Secretaria Municipal da

Leia mais

EDITAL Nº. 01/2015 INSCRIÇÃO PARA ESTÁGIO REMUNERADO NA REDE DE FARMÁCIAS PAGUE MENOS

EDITAL Nº. 01/2015 INSCRIÇÃO PARA ESTÁGIO REMUNERADO NA REDE DE FARMÁCIAS PAGUE MENOS EDITAL Nº. 01/2015 INSCRIÇÃO PARA ESTÁGIO REMUNERADO NA REDE DE FARMÁCIAS PAGUE MENOS A Coordenação do Curso de Bacharelado em das Faculdades INTA, torna público o lançamento do presente Edital e convida

Leia mais

PROPOSTA DE MODELO DE IMPLANTAÇÃO DE UM SERVIÇO DE FARMÁCIA EM UMA MATERNIDADE PÚBLICA DE PEQUENO PORTE.

PROPOSTA DE MODELO DE IMPLANTAÇÃO DE UM SERVIÇO DE FARMÁCIA EM UMA MATERNIDADE PÚBLICA DE PEQUENO PORTE. ISSN 1984-9354 PROPOSTA DE MODELO DE IMPLANTAÇÃO DE UM SERVIÇO DE FARMÁCIA EM UMA MATERNIDADE PÚBLICA DE PEQUENO PORTE. Talita Amaral Teixeira taliubs@yahoo.com.br (LATEC/UFF) Resumo: As maternidades públicas

Leia mais

Elotin. Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Solução otológica

Elotin. Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Solução otológica Elotin Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Solução otológica 0,275 mg/ml de fluocinolona acetonida 3,85 mg/ml de sulfato de neomicina 11.000 UI/ml de sulfato de polimixina B 20 mg/ml de cloridrato de

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA. Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA:

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA. Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA QUESTÃO 21 Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA: a) não há estudos sistematizados que avaliem a

Leia mais

Assistência Farmacêutica no SUS Política de Medicamentos. Dirce Cruz Marques. agosto/2010

Assistência Farmacêutica no SUS Política de Medicamentos. Dirce Cruz Marques. agosto/2010 Assistência Farmacêutica no SUS Política de Medicamentos Dirce Cruz Marques agosto/2010 INSERÇÃO DOS MEDICAMENTOS Políticas públicas de saúde, medicamentos, etc Pesquisa de novos fármacos Prescrição Sistema

Leia mais

parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27

parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27 Sumário parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27 1 Terapêutica: estratégia geral... 29 terminologia de doenças... 29 História do caso... 34 Disposição do fármaco... 39 Seleção do fármaco...

Leia mais

3ª CAPACITAÇÃO E ATUALIZAÇÃO EM TESTE RÁPIDO PARA DIAGNÓSTICO DO HIV, HEPATITES VIRAIS E SÍFILIS.

3ª CAPACITAÇÃO E ATUALIZAÇÃO EM TESTE RÁPIDO PARA DIAGNÓSTICO DO HIV, HEPATITES VIRAIS E SÍFILIS. 1º ENCONTRO ESTADUAL E REGIONAL DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE ENVOLVIDOS NA ASSISTÊNCIA E TRATAMENTO DAS PESSOAS VIVENDO COM HIV/AIDS, HEPATITES E SIFILIS. E 3ª CAPACITAÇÃO E ATUALIZAÇÃO EM TESTE RÁPIDO PARA

Leia mais

AULA 2 A FORMAÇÃO FARMACÊUTICA

AULA 2 A FORMAÇÃO FARMACÊUTICA FACULDADE CATÓLICA RAINHA DO SERTÃO CURSO DE FARMÁCIA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PROFESSOR: MÁRCIO BATISTA AULA 2 A FORMAÇÃO FARMACÊUTICA A FORMAÇÃO FARMACÊUTICA A RESOLUÇÃO CNE/CES

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1.NOME DO MEDICAMENTO Diclofenac Bluepharma, 10 mg/g, gel 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada grama de gel contém 10 mg de diclofenac de sódio equivalente

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina EFG115 Farmacologia Humana

Programa Analítico de Disciplina EFG115 Farmacologia Humana 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Medicina e Enfermagem - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO FARMACÊUTICO QUANTO A ADESÃO A TERAPIA ANTI-HIPERTENSIVA E REDUÇÃO DE PROBLEMAS RELACIONADOS À FARMACOTERAPIA

IMPORTÂNCIA DO FARMACÊUTICO QUANTO A ADESÃO A TERAPIA ANTI-HIPERTENSIVA E REDUÇÃO DE PROBLEMAS RELACIONADOS À FARMACOTERAPIA IMPORTÂNCIA DO FARMACÊUTICO QUANTO A ADESÃO A TERAPIA ANTI-HIPERTENSIVA E REDUÇÃO DE PROBLEMAS RELACIONADOS À FARMACOTERAPIA FERREIRA 2, Vinicius Lins FONTES 1, Jacyguara Silva MELO 3, Maria Ladjane Sodré

Leia mais

Cid Manso de Mello Vianna - Doutor em Economia, professor e pesquisador da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ.

Cid Manso de Mello Vianna - Doutor em Economia, professor e pesquisador da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ. Cid Manso de Mello Vianna - Doutor em Economia, professor e pesquisador da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ. Gabriela Bittencourt Gonzalez Mosegui - Doutora em Saúde Coletiva, professora

Leia mais

II CONGRESSO DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DE TEIXEIRA DE FREITAS BA CIRCUITO DE ESPECIALIDADES

II CONGRESSO DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DE TEIXEIRA DE FREITAS BA CIRCUITO DE ESPECIALIDADES PROGRAMAÇÃO Dia 13/10 19:00 h - Abertura do Evento: Solenidades Palestra: Até onde Podemos Ir? As Áreas de Atuação do Farmacêutico Mesa Redonda (Representantes da instituição, SBAC FENAFAR- CFF ANFARMAG

Leia mais

Resolução n. 003/2016

Resolução n. 003/2016 Resolução n. 003/2016 A Presidente do INSTITUTO CORPORE PARA O DESENVOLVIMENTO DA QUALIDADE DE VIDA, no uso de suas atribuições Estatutárias, RESOLVE: 1. CRIAR a COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

Leia mais

ANEXO 3 CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE

ANEXO 3 CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE ANEXO 3 PROGRAMA CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE 1. Conhecimentos sobre o SUS - Legislação da Saúde: Constituição Federal de 1988 (Título VIII - capítulo II - Seção II); Lei 8.080/90 e Lei 8.142/90; Norma

Leia mais

MEDICAMENTO DE USO PRÓPRIO - DOMICILIAR

MEDICAMENTO DE USO PRÓPRIO - DOMICILIAR 1 de 5 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta CESC, FA, LAS, RFC. 1 Objetivo Validar Estabelecer processo de segurança para o paciente

Leia mais

Otosynalar. (fluocinolona acetonida, sulfato de polimixina B, sulfato de neomicina, cloridrato de lidocaína)

Otosynalar. (fluocinolona acetonida, sulfato de polimixina B, sulfato de neomicina, cloridrato de lidocaína) Otosynalar (fluocinolona acetonida, sulfato de polimixina B, sulfato de neomicina, cloridrato de lidocaína) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Solução otológica (0,250 mg/ml de fluocinolona acetonida,

Leia mais

NORMAS DE INFECÇÕES DO TRATO URINÁRIO

NORMAS DE INFECÇÕES DO TRATO URINÁRIO NORMAS DE INFECÇÕES DO TRATO URINÁRIO Um Exemplo Pratico de Implementação VI CONGRESSO CIENTIFICO ANL IV JORNADAS CIENTIFICAS JIQLAC Lisboa 21 de Maio de 2016 Dulce Pascoalinho Coordenadora do Grupo Coordenador

Leia mais

REPERCUSSÃO DAS DEMANDAS JUDICIAIS NA ESFERA ADMINISTRATIVA E JURÍDICA DA SES/SC - PROBLEMAS E SOLUÇÕES

REPERCUSSÃO DAS DEMANDAS JUDICIAIS NA ESFERA ADMINISTRATIVA E JURÍDICA DA SES/SC - PROBLEMAS E SOLUÇÕES SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE REPERCUSSÃO DAS DEMANDAS JUDICIAIS NA ESFERA ADMINISTRATIVA E JURÍDICA DA SES/SC - PROBLEMAS E SOLUÇÕES O SUS É (...) Uma nova formulação política e organizacional para o

Leia mais

INCIDÊNCIA DA AUTOMEDICAÇÃO NA FARMÁCIA AVENIDA NO MUNICIPIO DE MAURITI-CE

INCIDÊNCIA DA AUTOMEDICAÇÃO NA FARMÁCIA AVENIDA NO MUNICIPIO DE MAURITI-CE INCIDÊNCIA DA AUTOMEDICAÇÃO NA FARMÁCIA AVENIDA NO MUNICIPIO DE MAURITI-CE Hégida Nóbrega Brilhante; Geanni Rívia X. Moura Lima; Newton Nascimento Ciraulo; Fábio Henrique Tenório-Souza; Charlane Kelly

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE (QUESTÕES DE 01 A 15)

CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE (QUESTÕES DE 01 A 15) _ Questão 01 (Peso 0,50) CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE (QUESTÕES DE 01 A 15) é o estudo sistemático das dimensões morais - incluindo visão moral, decisões, conduta e políticas - das ciências da vida e

Leia mais

O Tratamento na População Carcerária. Dr. Lindomar Antonio Possa Médico responsável pelo Programa de Tuberculose do PCPA/AHVN

O Tratamento na População Carcerária. Dr. Lindomar Antonio Possa Médico responsável pelo Programa de Tuberculose do PCPA/AHVN O Tratamento na População Carcerária Dr. Lindomar Antonio Possa Médico responsável pelo Programa de Tuberculose do PCPA/AHVN Histórico O Presídio Central, inaugurado em 1959 no bairro Partenon, está localizado

Leia mais

FICHA DE VERIFICAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL EM FARMÁCIAS. Lei 3.820/60 Artigo 10 Item-C - Resolução 357/2001 do CFF. T. I. n º: / 20 Profissional:

FICHA DE VERIFICAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL EM FARMÁCIAS. Lei 3.820/60 Artigo 10 Item-C - Resolução 357/2001 do CFF. T. I. n º: / 20 Profissional: FICHA DE VERIFICAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL EM FARMÁCIAS Lei 3.820/60 Artigo 10 Item-C - Resolução 357/2001 do CFF Ficha n º: / 20 N º de Processos: T. I. n º: / 20 Profissional: Estabelecimento: Nome

Leia mais

Atenção farmacêutica especializada. Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica. Para poder... Objetivos dos tratamentos

Atenção farmacêutica especializada. Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica. Para poder... Objetivos dos tratamentos Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica William Rotea Junior Atenção farmacêutica especializada Objetiva atender a todas as necessidades relativas aos dos pacientes, com foco nas especificidades da doença

Leia mais

ERRATA AO EDITAL Nº 002/2016 DE 29 DE JUNHO DE 2016

ERRATA AO EDITAL Nº 002/2016 DE 29 DE JUNHO DE 2016 ERRATA AO EDITAL Nº 002/2016 DE 29 DE JUNHO DE 2016 A Fundação de Ensino Superior de Goiatuba - FESG, no uso de suas atribuições, tendo em vista o que consta na Constituição Federal, considerando o julgamento

Leia mais

FINANCIAMENTO EM SAÚDE: A QUESTÃO DOS MEDICAMENTOS

FINANCIAMENTO EM SAÚDE: A QUESTÃO DOS MEDICAMENTOS IV Jornada de Economia da Saúde da Associação Brasileira de Economia da Saúde (ABRES) Salvador /BA 20 a 22 agosto de 2008 Profª Iola Gurgel Grupo de Pesquisa em Economia da Saúde Faculdade de Medicina

Leia mais

Conselho Federal de Farmácia

Conselho Federal de Farmácia RESOLUÇÃO Nº 568, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2012 Ementa: Dá nova redação aos artigos 1º ao 6º da Resolução/CFF nº 492 de 26 de novembro de 2008, que regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento

Leia mais

de 5 ml) Anexos - Relato detalhado do médico assistente. Obrigatórios - Formulários médico e farmacêutico, devidamente preenchidos

de 5 ml) Anexos - Relato detalhado do médico assistente. Obrigatórios - Formulários médico e farmacêutico, devidamente preenchidos GLAUCOMA Portaria SAS/MS n 1279 19/11/2013 CID 10 H40.1; H40.2; H40.3; H40.4; H40.5; H40.6; H40.8; Q15.0 Medicamento BIMATOPROSTA BRIMONIDINA BRINZOLAMIDA DORZOLAMIDA Apresentação 0,3 mg/ml solução 2,0

Leia mais

Conselho Federal de Farmácia

Conselho Federal de Farmácia 1 RESOLUÇÃO Nº 549, de 25 de agosto de 2011 Ementa: Dispõe sobre as atribuições do farmacêutico no exercício da gestão de produtos para a saúde, e dá outras providências. O Conselho Federal de Farmácia,

Leia mais

PERFIL DO USO DE MEDICAMENTOS POR IDOSOS ASSISTIDOS PELO PROGRAMA HIPERDIA DE CAMPINA GRANDE PB

PERFIL DO USO DE MEDICAMENTOS POR IDOSOS ASSISTIDOS PELO PROGRAMA HIPERDIA DE CAMPINA GRANDE PB PERFIL DO USO DE MEDICAMENTOS POR IDOSOS ASSISTIDOS PELO PROGRAMA HIPERDIA DE CAMPINA GRANDE PB Helimarcos Nunes Pereira 1* Maciel Araujo Oliveira 1 Jhonatta Alexandre Brito Dias 1 Rosemary Sousa Cunha

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO FARMACOECONÔMICO SOBRE OS ANTIMICROBIANOS ATRAVÉS DO SERVIÇO DE FARMÁCIA CLÍNICA E CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

ESTUDO DE IMPACTO FARMACOECONÔMICO SOBRE OS ANTIMICROBIANOS ATRAVÉS DO SERVIÇO DE FARMÁCIA CLÍNICA E CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 ESTUDO DE IMPACTO FARMACOECONÔMICO SOBRE OS ANTIMICROBIANOS ATRAVÉS DO SERVIÇO DE FARMÁCIA CLÍNICA E CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR RICIERI, Marinei Campos 1 ; MOTTA, Fabio de Araújo 2 ; BOZE, Patrícia

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS SET/2013

PRESTAÇÃO DE CONTAS SET/2013 PRESTAÇÃO DE CONTAS SET/2013 30/09/2013 COMPLEXO ESTADUAL DE SAÚDE V Relatório de gestão dos serviços assistenciais do Complexo Estadual de Saúde - CES, no Estado do Rio de Janeiro, pela entidade de direito

Leia mais

A segurança do paciente na Farmacovigilância. Zenith Rosa Silvino

A segurança do paciente na Farmacovigilância. Zenith Rosa Silvino A segurança do paciente na Farmacovigilância Zenith Rosa Silvino NOTIVISA - VIGIPÓS O NOTIVISA é o sistema de informação que visa fortalecer a vigilância pós-uso/ póscomercialização, hoje conhecida como

Leia mais

Descarte de Medicament os. Responsabilidade compartilhada

Descarte de Medicament os. Responsabilidade compartilhada Descarte de Medicament os Responsabilidade compartilhada Descarte de Medicamentos Aspectos gerais Situação atual... No Brasil ainda não se tem uma regulamentação específica no âmbito nacional relacionada

Leia mais

Alocação de recursos e equidade em assistência farmacêutica

Alocação de recursos e equidade em assistência farmacêutica Alocação de recursos e equidade em assistência farmacêutica Augusto Guerra Superintendência de Assistência Farmacêutica SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS Constituição Federal Direito a saúde

Leia mais

Volibris (ambrisentano) FORMULÁRIO DE NOTIFICAÇÃO INICIAL DE GRAVIDEZ. Data de nascimento: (Dia-Mês-Ano)

Volibris (ambrisentano) FORMULÁRIO DE NOTIFICAÇÃO INICIAL DE GRAVIDEZ. Data de nascimento: (Dia-Mês-Ano) Volibris (ambrisentano) FORMULÁRIO DE NOTIFICAÇÃO INICIAL DE GRAVIDEZ Secção 1 Dados da grávida Iniciais: nascimento: Idade: Peso: [ ] Anos [ ] kg Altura: [ ] cm Origem étnica: [ ] Asiático (Não Oriental)

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Controle de Infecções Hospitalares da Casa de Saúde São José

Regimento Interno da Comissão de Controle de Infecções Hospitalares da Casa de Saúde São José Regimento Interno da Comissão de Controle de Infecções Hospitalares da Casa de Saúde São José Dispõe o presente sobre o regimento da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH), de acordo com a

Leia mais

fluocinolona acetonida 0,250 mg/ml + sulfato de polimixina B UI/mL + sulfato de neomicina 3,50 mg/ml + cloridrato de lidocaína 20,00 mg/ml

fluocinolona acetonida 0,250 mg/ml + sulfato de polimixina B UI/mL + sulfato de neomicina 3,50 mg/ml + cloridrato de lidocaína 20,00 mg/ml fluocinolona acetonida 0,250 mg/ml + sulfato de polimixina B 10.000 UI/mL + sulfato de neomicina 3,50 mg/ml + cloridrato de lidocaína 20,00 mg/ml EMS SIGMA PHARMA LTDA. Solução otológica fluocinolona acetonida

Leia mais

Curso de Requalificação para administração de vacinas extra PNV e medicamentos injetáveis. Referencial Pedagógico

Curso de Requalificação para administração de vacinas extra PNV e medicamentos injetáveis. Referencial Pedagógico Curso de Requalificação para administração de vacinas extra PNV e medicamentos injetáveis Referencial Pedagógico 1. Objectivos/Competências Globais e Específicas Esta ação de formação visa requalificar

Leia mais

ASPECTOS JURÍDICOS DA FARMÁCIA CLÍNICA E DA PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA S Ã O P A U L O, 2 8 D E J U L H O D E

ASPECTOS JURÍDICOS DA FARMÁCIA CLÍNICA E DA PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA S Ã O P A U L O, 2 8 D E J U L H O D E ASPECTOS JURÍDICOS DA FARMÁCIA CLÍNICA E DA PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA S Ã O P A U L O, 2 8 D E J U L H O D E 2 0 1 6 FARMÁCIA CLÍNICA Definição da Sociedade Europeia de Farmácia Clínica: "uma especialidade

Leia mais

Candesartana Cilexetila. Legrand Pharma Indústria Farmacêutica Ltda. comprimido. 8, 16 e 32 mg

Candesartana Cilexetila. Legrand Pharma Indústria Farmacêutica Ltda. comprimido. 8, 16 e 32 mg Legrand Pharma Indústria Farmacêutica Ltda comprimido 8, 16 e 32 mg I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES é apresentado na forma de comprimido revestido

Leia mais

Beneficios do Circuito Fechado da Administração de Medicamentos (CLMA) Hospital Unimed Recife III

Beneficios do Circuito Fechado da Administração de Medicamentos (CLMA) Hospital Unimed Recife III Beneficios do Circuito Fechado da Administração de Medicamentos (CLMA) Hospital Unimed Recife III Brasil 2016 Erros de medicações Na Inglaterra, um levantamento em 19 hospitais apontou que uma em cada

Leia mais

PROVA FARMÁCIA. Nome: Data: 12/07/2016

PROVA FARMÁCIA. Nome: Data: 12/07/2016 Nome: Data: 12/07/2016 1 - (Imbituva, 2012) Os medicamentos fotossensíveis são aqueles que quando estocados devem ser mantidos em: a) Geladeira onde a temperatura é controlada entre 2 C a 8ºC para não

Leia mais

Tópicos Especiais em Economia e Gestão da Saúde. Desafios da Saúde Brasileira

Tópicos Especiais em Economia e Gestão da Saúde. Desafios da Saúde Brasileira Tópicos Especiais em Economia e Gestão da Saúde Desafios da Saúde Brasileira Patrícia Paula Dias de Sá Residente de Administração em Gestão Hospitalar Hospital Universitário - UFJF Objetivo Apresentar

Leia mais

Co-Orientadora, docente do Curso de Farmácia, UnuCET - Anápolis - UEG.

Co-Orientadora, docente do Curso de Farmácia, UnuCET - Anápolis - UEG. INTOXICAÇÕES MEDICAMENTOSAS REGISTRADAS PELO CENTRO DE INFORMAÇÕES TOXICOLÓGICAS DE GOIÁS Naiana Kelly Silva Bitencourt 1 ; Luciana de Melo Borges 1 ; Sueli Martins de Freitas Alves 2 ; Fabiane Hiratsuca

Leia mais

Dr. Pedro Eduardo Menegasso Presidente do CRF-SP

Dr. Pedro Eduardo Menegasso Presidente do CRF-SP Dr. Pedro Eduardo Menegasso Presidente do CRF-SP O Farmacêutico é um profissional da saúde, cumprindo-lhe executar todas as atividades inerentes ao âmbito profissional farmacêutico, de modo a contribuir

Leia mais

O papel do farmacêutico na segurança do paciente

O papel do farmacêutico na segurança do paciente O papel do farmacêutico na segurança do paciente Vanusa Barbosa Pinto Diretora da Divisão de Farmácia ICHC Coordenadora do Núcleo de Assistência Farmacêutica HCFMUSP Cenário Assistência Farmacêutica Hospitalar

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO IVAS

ESTUDO DIRIGIDO IVAS ESTUDO DIRIGIDO IVAS Leia atentamente e analise bem os dois casos clínicos abaixo. Depois abra IVAS diagnóstico e tratamento 1 e leia o tópico Rinofaringite Aguda (pg. 78). Leia também o texto IVAS - Antibioticoterapia

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA DISPENSAÇAO FARMACÊUTICA NO USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E NA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS

IMPORTÂNCIA DA DISPENSAÇAO FARMACÊUTICA NO USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E NA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS IMPORTÂNCIA DA DISPENSAÇAO FARMACÊUTICA NO USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E NA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS Anderson Fellyp Avelino Diniz¹; Layla Maria Neves dos Santos²; Débora Santos Dantas³; Caio Victor

Leia mais

LOCAL DE ATIVIDADE R1-Érika

LOCAL DE ATIVIDADE R1-Érika UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE PATOLOGIA TROPICAL E SAÚDE PÚBLICA DEPARTAMENTO DE MEDICINA TROPICAL E DERMATOLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM INFECTOLOGIA DO HC/UFG 1º ANO / 2016 R -

Leia mais

PERFIL DAS AÇÕES JUDICIAIS EM SAÚDE NO ESTADO DE SÃO PAULO. Setembro de 2016

PERFIL DAS AÇÕES JUDICIAIS EM SAÚDE NO ESTADO DE SÃO PAULO. Setembro de 2016 PERFIL DAS AÇÕES JUDICIAIS EM SAÚDE NO ESTADO DE SÃO PAULO Setembro de 2016 APRESENTAÇÃO A SES-SP É RESPONSÁVEL: Pela formulação das políticas estaduais de saúde, norteada pelos princípios do SUS Por parte

Leia mais

ANEXO I POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DAS PESSOAS PRIVADAS DE LIBERDADE NO SISTEMA PRISIONAL

ANEXO I POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DAS PESSOAS PRIVADAS DE LIBERDADE NO SISTEMA PRISIONAL ANEXO I POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DAS PESSOAS PRIVADAS DE LIBERDADE NO SISTEMA PRISIONAL TERMO DE ADESÃO DO ESTADO O Estado, por meio da Secretaria Estadual de Saúde, CNPJ nº. com sede

Leia mais

PROJETO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FARMACOLOGIA CLÍNICA E ATENÇÃO FARMACÊUTICA COM ÊNFASE EM PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA

PROJETO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FARMACOLOGIA CLÍNICA E ATENÇÃO FARMACÊUTICA COM ÊNFASE EM PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA PROJETO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FARMACOLOGIA CLÍNICA E ATENÇÃO FARMACÊUTICA COM ÊNFASE EM PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA DEZEMBRO DE 2016 APRESENTAÇÃO A Pró-reitoria de Pesquisa, Pós-graduação

Leia mais

O CENTRO DE CONFERÊNCIA DE FATURAS e a

O CENTRO DE CONFERÊNCIA DE FATURAS e a O CENTRO DE CONFERÊNCIA DE FATURAS e a UNIDADE DE EXPLORAÇÃO DE INFORMAÇÃO Resultados e Desenvolvimentos Julho de 2015 Isaura Vieira Coordenadora Unidade de Gestão do Centro de Conferência de Faturas da

Leia mais

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Nossa história Cenário Cenário Nossa história Setores Previsão segundo o Plano de Trabalho Quando

Leia mais