Relatório. Atividades e contas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório. Atividades e contas"

Transcrição

1 2015 Relatório Atividades e contas

2 Índice Preâmbulo... 2 Atividades realizadas... 2 Anexo A... 5 Relatório de contas Memória Descritiva

3 Preâmbulo Relatório de Atividades de 2015 A SUPERA foi desde a sua constituição e pretende continuar a ser, uma associação científica e técnica de natureza multidisciplinar, tal como as suas congéneres internacionais. Esta organização, atualmente com mais de 150 sócios, conta com engenheiros de várias especialidades, informáticos, arquitetos, docentes e estudantes do ensino superior, investigadores, docentes do ensino especial, médicos, terapeutas, psicólogos, técnicos especializados em tecnologias de apoio, entre outros profissionais, tendo em comum um interesse forte pelas Tecnologias de Apoio e pela Acessibilidade. O ano de 2015 foi marcado por eleições para os órgãos sociais da SUPERA que decorreram em Lousã no dia 27 de junho. Destas eleições, apesar da linha de continuidade traçada pela lista única concorrente, surgiram algumas alterações nos membros quer da Direção quer do Conselho Fiscal. Atividades realizadas As atividades realizadas encontram-se organizadas de acordo com as alíneas 1-5 do Artigo 4º dos estatutos da SUPERA. 1. Incentivar a cooperação científica e técnica entre profissionais, instituições e empresas para o desenvolvimento de ambientes, produtos e serviços que conduzam à satisfação das necessidades e à acessibilidade de populações com necessidades especiais: Conclusão do processo de criação dos Grupos Profissionais (GER, GID, GPS e GPE) e dos Grupos de Interesse (GUIA e GISTA) da SUPERA e respetivas coordenações; Reuniões com a Doutora Ana Jorge (Hospital Garcia de Orta, EPE), dando o primeiro passo numa colaboração conjunta; Reuniões com o Senhor Professor Doutor Carlos Salema, Presidente do Instituto de Telecomunicações, dando um primeiro passo nesta colaboração conjunta. 2. Promover o desenvolvimento e a divulgação pública do conhecimento científico e técnico de matérias relacionadas com a Engenharia da Reabilitação e Acessibilidade: 2

4 Organização do debate "O futuro da formação em Engenharia de Reabilitação em Portugal" realizado no Auditório das instalações do Instituto Nacional para a Reabilitação (INR), em Lisboa, no dia 7 de janeiro de 2015; Organização do seminário II Encontro Nacional da SUPERA acessibilidade sustentável realizado no Salão do Parque Alameda Carlos Reis, na Lousã, no dia 27 de junho de 2015; Colaboração trimestral na revista Plural&Singular através de artigos de opinião sobre áreas afins à acessibilidade e reabilitação. No âmbito do Ciclo de Formações SUPERA, realizou-se o Curso de Formação Sinais Biomédicos no Acesso ao Computador: Brain Computer Interface e Sensores Electromiográficos no dia 5 de dezembro nas Instalações da Play Planet em Lisboa. 5. Assessorar e emitir pareceres a pedido de organismos governamentais e outros, bem como formular recomendações por sua própria iniciativa sobre políticas relacionadas com Ciência e Tecnologia aplicada à melhoria da qualidade de vida de populações com necessidades especiais: Mediante resultado positivo da análise pela assembleia da república da Petição para a criação de legislação sobre residências e melhoria dos cuidados prestados a Pessoas com Deficiência Motora Severa, entregue a 17 de fevereiro de 2015 com o total de 5385 subscrições, a SUPERA como 1.º subscritor participou numa audição na sala 3 da Assembleia da República para efeito da apreciação da referida Petição no dia 9 de abril de 2015; Outras atividades: A SUPERA concorreu, junto da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), a um Fundo de Apoio à Comunidade Científica (FACC), o qual foi aceite e atribuído em agosto de Toda a conceção e realização do processo foi da responsabilidade do sócio e antigo vogal da Direção da SUPERA Professor Doutor Gabriel Pires. Por este facto, a Direção da SUPERA torna público o seu agradecimento e uma nota de louvor pela dedicação, empenho e trabalho de excelência. 3

5 Vila Real, 25 de outubro de 2016 A Direção David Pinheiro, Presidente Márcio Martins, Vogal João Henriques, Vogal Francisco Godinho, Vogal 4

6 Anexo A Relatório de contas 2015 Relatório de contas em Rúbricas Notas Datas Saldo da conta bancária 21,58 Receitas Quotas de sócios 90,00 Donativos 100,00 Ações de formação I Curso de Formação 20,00 Subsídios FCT - FACC 2.500,00 Total receitas 2.710,00 Despesas Ações de formação I Curso de Formação 90,00 Despesas diversas Deslocações AR, intérpretes LGP Lousã 254,00 Adiantamento aquisição software 786,46 Despesas de manutenção de conta 81,64 Total despesas 1.212,10 Resultados líquidos 1.497,90 Saldo conta bancária 1.519,48 5

7 Memória Descritiva No que respeita a despesas, pode-se comprovar que, durante o ano de 2015, a maior fatia pertence a despesas diversas e de representação como deslocações, adiantamento para aquisição/elaboração de software e outras, já que foram poucas as atividades desenvolvidas e conseguiram-se apoios e parcerias que minimizaram as despesas. Outra rúbrica onde se pode verificar saldo negativo na relação receita/despesa é no I Curso de Formação. A explicação para a situação deve-se ao facto de a formação Sinais Biomédicos no Acesso ao Computador: Brain Computer Interface e Sensores Electromiográficos ser gratuita para sócios da SUPERA e colaboradores da empresa que cedeu o espaço (Play Planet). A parcela restante das despesas é incontornável e diz respeito a despesas de manutenção de conta cobradas, no caso da SUPERA, pelo BPI. Durante o ano de 2015, a SUPERA teve um aumento significativo de receitas. Este facto deve-se essencialmente à obtenção de subsídio do Fundo de Apoio à Comunidade Científica financiado pela FCT. A Direção da SUPERA deixa aqui o agradecimento especial ao seu sócio e antigo membro da Direção, o Professor Doutor Gabriel Pires pela elaboração e sucesso da candidatura apresentada. Nota: Em 2014 a Direção da SUPERA fez o apelo aos sócios para efetuarem o pagamento das quotas, esse apelo traduziu-se nos 446,00 apurados em Já em 2015, esse apelo não foi feito, pelo que se verificou uma redução significativa desse valor ( 190,00 incluindo o valor pago pela Mobilitec em forma de donativo). Por esse motivo e também para não tornar a cobrança de quotas em 2016 acrescida do valor de 2015 demasiado dispendioso para os sócios, foi decidido assumir o prejuízo de 2015, deixando à consideração dos sócios o pagamento da quota em atraso de forma voluntária. Desta forma, em 2016, foi solicitado aos sócios apenas o pagamento da quota correspondente ao ano corrente. Alguns decidiram voluntariamente pagar também a quota transata. Essa situação alterou-se já em 2016, visto que, em resposta ao apelo da Direção, para a conta da SUPERA foram, até 30 de setembro de 2016, transferidos 616,00 relativos a pagamento de quotas. 6

7. RELATÓRIOS, PARECERES E DECLARAÇÃO EM CONFORMIDADE DO CONSELHO FISCAL RELATÓRIO E PARECER DO CONSELHO FISCAL SOBRE O MG - AM E A CEMG

7. RELATÓRIOS, PARECERES E DECLARAÇÃO EM CONFORMIDADE DO CONSELHO FISCAL RELATÓRIO E PARECER DO CONSELHO FISCAL SOBRE O MG - AM E A CEMG 7. RELATÓRIOS, PARECERES E DECLARAÇÃO EM CONFORMIDADE DO CONSELHO FISCAL RELATÓRIO E PARECER DO CONSELHO FISCAL SOBRE O MG - AM E A CEMG Exmos. Senhores Associados: No cumprimento das competências definidas

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO CAPITULO I ARTIGO 1.º (Denominação, natureza, sede e âmbito) 1. A Associação adopta a designação de Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos dos Louros. 2. É uma

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE INVESTIGAÇÃO EM CANCRO PARA 2016

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE INVESTIGAÇÃO EM CANCRO PARA 2016 PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE INVESTIGAÇÃO EM CANCRO PARA 2016 1. NOTA INTRODUTÓRIA 1.1.Missão A ASPIC, Associação Portuguesa de Investigação em Cancro, tem como objectivo

Leia mais

U.P.P.S.S. União dos Pensionistas da Previdência e Segurança Social RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCICIO DE 2014

U.P.P.S.S. União dos Pensionistas da Previdência e Segurança Social RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCICIO DE 2014 INTRODUÇÃO RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCICIO DE 2014 Dando cumprimento à alínea b) do nº 1 do Artigo 13º do Decreto-Lei 119/83 de 25 de Fevereiro e á alínea b) do Artigo 31º dos Estatutos, vem a Direcção

Leia mais

Acta nº 11. Acta nº 11 pg. 1 de 5

Acta nº 11. Acta nº 11 pg. 1 de 5 Acta nº 11 Ao vigésimo dia do mês de Março do ano de dois mil e dez, pelas treze horas e trinta, reuniu, em Assembleia Geral Ordinária, a Associação dos Bolseiros de Investigação Científica, no Foyer do

Leia mais

REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS INVESTIGADORES DO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA. Preâmbulo

REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS INVESTIGADORES DO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA. Preâmbulo REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS INVESTIGADORES DO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA Preâmbulo O presente regulamento é elaborado ao abrigo do artigo 75º da Lei Geral do Trabalho em Funções Publicas, aprovado

Leia mais

1. A associação tem os seguintes associados fundadores:

1. A associação tem os seguintes associados fundadores: ASSOCIAÇÃO Artigo 1.º Denominação e sede 1. A associação adopta a denominação. 2. A associação tem a sua sede na, freguesia de, concelho de. 3. A associação tem o número de pessoa colectiva e o número

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO A UNIVERSIDADE DO RIO GRANDE FAURG CONSELHO FISCAL ANÁLISE DO CONSELHO FISCAL

FUNDAÇÃO DE APOIO A UNIVERSIDADE DO RIO GRANDE FAURG CONSELHO FISCAL ANÁLISE DO CONSELHO FISCAL FUNDAÇÃO DE APOIO A UNIVERSIDADE DO RIO GRANDE FAURG CONSELHO FISCAL ANÁLISE DO CONSELHO FISCAL Recebemos o Balancete Analítico de 31/12/08, Parecer da Auditoria Externa e Relatório de Auditoria número

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISA EM NUTRIÇÃO E DIETÉTICA ESTATUTO GEPNuDi

GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISA EM NUTRIÇÃO E DIETÉTICA ESTATUTO GEPNuDi GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISA EM NUTRIÇÃO E DIETÉTICA ESTATUTO GEPNuDi CAPÍTULO I DA FINALIDADE E CONSTITUIÇÃO Art. 1º - Ora em diante, o denominado GEPNuDi Grupo de Estudos e Pesquisa em Nutrição e Dietética

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SUBCOMISSÃO DE POLÍTICA GERAL INTRODUÇÃO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SUBCOMISSÃO DE POLÍTICA GERAL INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A Subcomissão de Política Geral, em 23 de junho de 2015, procedeu à apreciação, relato e emissão de parecer sobre a Proposta de Lei n.º 342/XII/4 que altera o Código Civil, aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

INSTITUTO ETHOS DE EMPRESAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. 31 de dezembro de 2003 e Índice

INSTITUTO ETHOS DE EMPRESAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. 31 de dezembro de 2003 e Índice INSTITUTO ETHOS DE EMPRESAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Índice Parecer dos Auditores Independentes...1 Demonstrações Financeiras Auditadas Balanços Patrimoniais...2 Demonstrações

Leia mais

A FCT e a CooperaçãoemCiênciae Tecnologia com ospaísesdo EspaçoCPLP

A FCT e a CooperaçãoemCiênciae Tecnologia com ospaísesdo EspaçoCPLP A FCT e a CooperaçãoemCiênciae Tecnologia com ospaísesdo EspaçoCPLP 2ª CONFERÊNCIA SOBRE O FUTURO DA LÍNGUA PORTUGUESA NO SISTEMA MUNDIAL 30 de outubro2013 Maria João Maia Departamento das Relações Internacionais,

Leia mais

Da Atividade da Associação. Dos Sócios

Da Atividade da Associação. Dos Sócios REGULAMENTO GERAL INTERNO Associação Trilhos da Boa Viagem (ATBV) Artigo 1º Da Atividade da Associação Objetivos e Atividades 1 A ATBV é uma associação de carácter desportivo, recreativo, cultural e educativo,

Leia mais

Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS

Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS PARECER SOBRE O PROJECTO DE DECRETO-LEI QUE APROVA O REGIME DE PROTECÇÃO NAS EVENTUALIDADES DE INVALIDEZ E VELHICE DOS BENEFICIÁRIOS DO REGIME GERAL DE SEGURANÇA SOCIAL Angra do Heroísmo, 26 de Fevereiro

Leia mais

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras 1 NOTA JUSTIFICATIVA O Município de Chaves entende como sendo de interesse

Leia mais

PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS

PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA, A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES, A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA, O

Leia mais

ESTATUTOS DO GRUPO DESPORTIVO SANTANDER TOTTA. CAPÍTULO I SEÇÃO I CONSTITUIÇÃO ART.º 1.º (Denominação e Natureza)

ESTATUTOS DO GRUPO DESPORTIVO SANTANDER TOTTA. CAPÍTULO I SEÇÃO I CONSTITUIÇÃO ART.º 1.º (Denominação e Natureza) ESTATUTOS DO GRUPO DESPORTIVO SANTANDER TOTTA CAPÍTULO I SEÇÃO I CONSTITUIÇÃO ART.º 1.º (Denominação e Natureza) 1. O Grupo Desportivo Santander Totta, é uma Associação de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

REGISTO DE ALTERAÇÕES

REGISTO DE ALTERAÇÕES Versão Nº REGISTO DE ALTERAÇÕES Data de elaboração Data de divulgação 1 2012.06.14 2012.07.10 Elaborado por Ana Jorge; Ana Fazenda; Helena Mira; Manuel Quintãos; Marlene Gonçalves; Nuno Crespo; Rita Fernandes;

Leia mais

Grupos Parlamentares de Amizade

Grupos Parlamentares de Amizade Grupos Parlamentares de Amizade Resolução da Assembleia da República n.º 6/2003, de 24 de janeiro (TP), com as alterações introduzidas pela Resolução da Assembleia da República n.º 26/2010, de 30 de março

Leia mais

[DIRETOR] Despacho D-19/2015

[DIRETOR] Despacho D-19/2015 [DIRETOR] Despacho D-19/2015 Regulamento de Colaborador Externo Alumni De acordo com os Estatutos da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa, publicado no Diário da República, 2. série,

Leia mais

Regulamento de Formação. CAPÍTULO I Objetivo e caracterização da formação profissional contínua. Artigo 1.º Conceito

Regulamento de Formação. CAPÍTULO I Objetivo e caracterização da formação profissional contínua. Artigo 1.º Conceito Regulamento de Formação CAPÍTULO I Objetivo e caracterização da formação profissional contínua Artigo 1.º Conceito A formação profissional contínua compreende um conjunto de atividades para o desenvolvimento

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2296 Diário da República, 1.ª série N.º 88 7 de maio de 2015 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Resolução da Assembleia da República n.º 47/2015 Primeiro orçamento suplementar da Assembleia da República para 2015

Leia mais

Concursos de Principais alterações face a João Carreira

Concursos de Principais alterações face a João Carreira Concursos de 2014 Principais alterações face a 2013 João Carreira Que novos concursos são lançados hoje? São lançados 6 concursos: 2 Concursos de 2014: Principais alterações face a 2013 TIPOLOGIAS DE PROJETO:

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2008 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 II. PLANO DE ACTIVIDADES 4 2.1. FORMAÇÃO 4 2.1.1. Mestrado em Reabilitação Psicossocial Especialidade em Perturbação Mental 4 2.1.2.Publicação

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. Capítulo I Princípios Gerais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. Capítulo I Princípios Gerais ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação, sem fins lucrativos, adota a denominação ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. 2. A

Leia mais

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO DO CHL MAPA DE REVISÕES REGULAMENTO. Destinatários. Data Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO DO CHL MAPA DE REVISÕES REGULAMENTO. Destinatários. Data Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO Destinatários Todos Profissionais do CHL Elaboração Centro de Investigação do CHL Aprovação Conselho de Administração Assinatura (s) Responsável (eis) pela Aprovação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JÚLIO BRANDÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JÚLIO BRANDÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JÚLIO BRANDÃO REGULAMENTO DOS QUADROS DE VALOR E EXCELÊNCIA INTRODUÇÃO O Regulamento dos Quadros de Valor e de Excelência do Agrupamento de Escolas Júlio Brandão rege-se pelo Despacho

Leia mais

I - Total do saldo da gerência na posse do serviço ,13

I - Total do saldo da gerência na posse do serviço ,13 Saldo da gerência anterior (*): Dotações orçamentais 4.983.387,27 Estado Receitas Gerais 4.446.911,41 Funcionamento 313 P13 - Estado-Saldos de RG não afectas a projectos cofin-medida 16 77.461,25 313 P13

Leia mais

ARCTEL RELATÓRIO E CONTAS ANO 2015

ARCTEL RELATÓRIO E CONTAS ANO 2015 ARCTEL Associação de Reguladores de Comunicações e Telecomunicações da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa RELATÓRIO E CONTAS ANO 2015 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE Designação da entidade ARCTEL - Associação

Leia mais

ADITAMENTO AO ACORDO ENTRE OS MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS, DA ECONOMIA E DA SAÚDE E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

ADITAMENTO AO ACORDO ENTRE OS MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS, DA ECONOMIA E DA SAÚDE E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA ADITAMENTO AO ACORDO ENTRE OS MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS, DA ECONOMIA E DA SAÚDE E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Os Ministérios das Finanças, da Economia e da Saúde, e a Indústria Farmacêutica, por intermédio

Leia mais

(Favor preencher com letra de forma ou datilografado.) (1) Organização:... (2) Endereço:... Cidade:... Estado:...

(Favor preencher com letra de forma ou datilografado.) (1) Organização:... (2) Endereço:... Cidade:... Estado:... ASSISTÊNCIA A PROJETOS COMUNITÁRIOS E DE SEGURANÇA HUMANA 1. Requerente FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO (Favor preencher com letra de forma ou datilografado.) (1) Organização:... (2) Endereço:... Cidade:...

Leia mais

Estatutos para associações, clubes e colectividades

Estatutos para associações, clubes e colectividades Estatutos para associações, clubes e colectividades Artigo 1.º Designação e Objectivos O/A (nome da colectividade ou associação), adiante designada por (sigla) é uma associação de fins (concretização dos

Leia mais

Autonomia e Gestão Novos Desafios

Autonomia e Gestão Novos Desafios Autonomia e Gestão Novos Desafios Francisco Oliveira Reforço da participação das famílias e comunidades na direcção estratégica da Escola Reforçar a liderança das Escolas Reforço da autonomia das Escolas

Leia mais

Estatutos da Associação de Estudantes da ETPZP

Estatutos da Associação de Estudantes da ETPZP CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação, âmbito e sede 1. A Associação de Estudantes adiante designada por Associação, é a organização representativa dos alunos da (ETPZP). 2. A presente Associação,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. SANCHO I. Regulamento dos Quadros de Excelência, Honra e Mérito

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. SANCHO I. Regulamento dos Quadros de Excelência, Honra e Mérito AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. SANCHO I Regulamento dos Quadros de Excelência, Honra e Mérito ARTIGO 1º ÂMBITO E NATUREZA Os Quadros de Excelência, Honra e Mérito destinam-se a reconhecer as competências/ capacidades

Leia mais

SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, SAD

SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, SAD SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, SAD Sociedade Aberta Capital Social: 39 000 000 euros Capital Próprio: (75.593.000) euros aprovado em Assembleia Geral de 28 de Setembro de 2012 Sede Social: Estádio

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS FY CFA Society Portugal

RELATÓRIO & CONTAS FY CFA Society Portugal CFA Society Portugal Conteúdo I Nota Introdutória... 3 II Órgãos Sociais e Estrutura de Governo... 4 III Estrutura Organizacional... 5 IV Resumo de Atividades... 6 IV.1 Atividades Desenvolvidas... 6 IV.2

Leia mais

REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA

REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Escola de Engenharia REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA (Fevereiro de 2010) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1 (Definição) O Departamento de Engenharia Mecânica, a seguir designado por

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE SETÚBAL APOIO À FORMAÇÃO ESPECIALIZADA REGULAMENTO

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE SETÚBAL APOIO À FORMAÇÃO ESPECIALIZADA REGULAMENTO ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE SETÚBAL APOIO À FORMAÇÃO ESPECIALIZADA REGULAMENTO Setúbal, 9 de Março de 2009 Índice Artigo 1º Condições Gerais do Apoio p. 3 Artigo 2º Candidatura

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL 2014

REGULAMENTO ELEITORAL 2014 REGULAMENTO ELEITORAL 2014 Artigo 1.º Organização 1. A organização das eleições é da competência do Conselho Diretivo Nacional da OET Ordem dos Engenheiros Técnicos, doravante designado por Conselho Diretivo

Leia mais

Indicadores de excelência

Indicadores de excelência Indicadores de excelência 2012-2015 2 +40 documentos certificações estratégicos de obtidas: qualidade planeamento e e ambiente avaliação, desde 2012 83 procedimentos descritos no MPCI Planeamento, Informação

Leia mais

PROGRAMA ELEITORAL LISTA A

PROGRAMA ELEITORAL LISTA A PROGRAMA ELEITORAL 2011-2012 LISTA A ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. RELAÇÕES COM OUTROS ORGANISMOS 3. FORMAÇÃO 4. JANTARES-DEBATES E CONFERÊNCIAS 5. ANGARIAÇÃO E RETENÇÃO DE ASSOCIADOS 2 1. INTRODUÇÃO A Lista

Leia mais

ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE VILA NOVA DE TAZEM

ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE VILA NOVA DE TAZEM ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DE BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE VILA NOVA DE TAZEM PLANO DE ACTIVIDADES ORÇAMENTO 2012 Plano de Actividades e Orçamento de 2012 Página 1 ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIADE BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Ac. Câmara (AO-01) COBRANÇA DO IVA NA TARIFA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PEDIDOS DE PARECER

MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Ac. Câmara (AO-01) COBRANÇA DO IVA NA TARIFA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PEDIDOS DE PARECER (AO-01) COBRANÇA DO IVA NA TARIFA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PEDIDOS DE PARECER Pelo Vereador senhor João Araújo foi questionado o facto de nos recibos de água se estar a cobrar IVA na tarifa de resíduos sólidos

Leia mais

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS)

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) Preâmbulo De acordo com a legislação em vigor e o regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA

REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA A integração no espaço europeu de ensino superior das instituições académicas portuguesas trouxe consigo a necessidade de adoptar

Leia mais

ASSOCIAÇÃO. (Documento complementar elaborado nos termos do nº 2 do artigo 64º do Código do Notariado)

ASSOCIAÇÃO. (Documento complementar elaborado nos termos do nº 2 do artigo 64º do Código do Notariado) ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS (Documento complementar elaborado nos termos do nº 2 do artigo 64º do Código do Notariado) SOCIEDADE PORTUGUESA DE VIDA SELVAGEM CAPÍTULO PRIMEIRO Denominação, Duração, Sede e Objecto

Leia mais

da Universidade Sénior de Alfândega da Fé

da Universidade Sénior de Alfândega da Fé Regulamento Interno da Universidade Sénior de Alfândega da Fé Capítulo I Natureza e Âmbito Artigo 1º Âmbito 1- O presente regulamento disciplina a criação e funcionamento da Universidade Sénior de Alfândega

Leia mais

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A.

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BALANÇO INDIVIDUAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2001 E 2000 2001 ACTIVO Notas Activo Amortizações Activo 2000 Bruto e Provisões líquido 1. Caixa e disponibilidades

Leia mais

SOLUÇÃO ARRENDAMENTO - FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO PARÁ ARRENDAMENTO HABITACIONAL RELATÓRIO DE AUDITORIA. Introdução

SOLUÇÃO ARRENDAMENTO - FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO PARÁ ARRENDAMENTO HABITACIONAL RELATÓRIO DE AUDITORIA. Introdução I Te[: +351 217 990 420 Av. da República, 50-100 Fax: +351 217990439 1069-211 Lisboa www. bdo. pt SOLUÇÃO ARRENDAMENTO - FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO PARÁ ARRENDAMENTO HABITACIONAL RELATÓRIO

Leia mais

Lugar da Escola Contrib: Tel:

Lugar da Escola Contrib: Tel: 01 Impostos directos 0102 Outros CORRENTES 010202 Imposto municipal sobre imóveis 1.000,00 TOTAL Rúbrica 01 1.000,00 02 Impostos indirectos 0202 Outros 020206 Impostos indirectos específicos das autarquias

Leia mais

ESTATUTOS SECÇÃO DE INTERNOS SOCIEDADE PORTUGUESA DE ANESTESIOLOGIA PORTUGUESE TRAINEE NETWORK (SI/SPA-PTN) Artigo 1º Definição e símbolo

ESTATUTOS SECÇÃO DE INTERNOS SOCIEDADE PORTUGUESA DE ANESTESIOLOGIA PORTUGUESE TRAINEE NETWORK (SI/SPA-PTN) Artigo 1º Definição e símbolo ESTATUTOS SECÇÃO DE INTERNOS SOCIEDADE PORTUGUESA DE ANESTESIOLOGIA PORTUGUESE TRAINEE NETWORK (SI/SPA-PTN) Artigo 1º Definição e símbolo 1 - A Seção de Internos da Sociedade Portuguesa de Anestesiologia

Leia mais

MINUTA DO CONTRATO-PROGRAMA ENTRE A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA E. (designação da entidade) No âmbito do Programa Investigador FCT

MINUTA DO CONTRATO-PROGRAMA ENTRE A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA E. (designação da entidade) No âmbito do Programa Investigador FCT MINUTA DO CONTRATO-PROGRAMA ENTRE A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA E (designação da entidade) No âmbito do Programa Investigador FCT Considerando que o investimento sustentável em investigação

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Aldeia Galega da Merceana

Santa Casa da Misericórdia de Aldeia Galega da Merceana Santa Casa da Misericórdia de Aldeia Galega da Merceana Relatório de Gestão 05 Introdução Nos dias de hoje, qualquer Instituição ou Entidade tem como dever a apresentação de contas, sendo esta apresentação

Leia mais

Manual de Procedimentos ADENDA_1 IRC. Ver. A Mar.25

Manual de Procedimentos ADENDA_1 IRC. Ver. A Mar.25 Manual de Procedimentos ADENDA_1 IRC Ver. A0.1 2015.Mar.25 I DO FINANCIAMENTO PASSÍVEL DE IRC A1 Fontes de financiamento Meios de financiamento das atividades desenvolvidas nas Unidades de Investigação

Leia mais

REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL

REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL PREÂMBULO O programa de doutoramento organiza, estrutura e explicita o percurso dos estudantes de doutoramento

Leia mais

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Securitas Portugal O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Agosto de 2016 1 O Sistema de Gestão da Responsabilidade Social A SECURITAS desenvolveu e implementou um Sistema de Gestão de aspetos de

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO MUNICIPIO DE MANTEIGAS E NERGA NÚCLEO EMPRESARIAL DA REGIÃO DA GUARDA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL Considerando: Que o NERGA é uma Pessoa Coletiva de Utilidade Pública que, tem como objetivo

Leia mais

REGULAMENTO DE QUOTAS E TAXAS DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS

REGULAMENTO DE QUOTAS E TAXAS DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS REGULAMENTO DE QUOTAS E TAXAS DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS NOTA PRÉVIA A Lei n.º 131/2015, de 4 de setembro, procedeu à quarta alteração ao Estatuto da Ordem dos Farmacêuticos, aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO As Autarquias, devido à sua proximidade com a população, são os órgãos de poder que mais facilmente poderão desenvolver condições

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Resumo do anúncio

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Resumo do anúncio AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Resumo do anúncio Determina-se a abertura de concurso para a atribuição de 1 (uma) Bolsa de Iniciação Científica, (adiante

Leia mais

DESPACHO. Em anexo é republicado o Regulamento nº 10/2012 com a nova redação, agora como Regulamento nº 10/2013. O PRESIDENTE DA ESTeSL

DESPACHO. Em anexo é republicado o Regulamento nº 10/2012 com a nova redação, agora como Regulamento nº 10/2013. O PRESIDENTE DA ESTeSL DESPACHO N.º 12/2013 Data: 2013/03/08 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e não Docente ASSUNTO: Alteração ao Regulamento nº 10/2012. A recente revisão do Regulamento do Ciclo de Estudos Conducente

Leia mais

Entendendo a Contabilidade Orçamentária Aplicada ao Setor Público

Entendendo a Contabilidade Orçamentária Aplicada ao Setor Público Paulo Henrique Feijó Jorge Pinto de Carvalho Júnior Carlos Eduardo Ribeiro Entendendo a Contabilidade Orçamentária Aplicada ao Setor Público Brasília - 2015 Editora ~estão Pública SUMÁRIO Prefácio Apresentação

Leia mais

Conselho Geral Transitório. Ag4 de Odivelas LINHAS ORIENTADORAS DO ORÇAMENTO PARA 2014

Conselho Geral Transitório. Ag4 de Odivelas LINHAS ORIENTADORAS DO ORÇAMENTO PARA 2014 Conselho Geral Transitório Ag4 de Odivelas LINHAS ORIENTADORAS DO ORÇAMENTO PARA 2014 Comissão Eventual do Conselho Geral Transitório, nomeada na sua sessão de 13 de Janeiro de 2014, para elaborar um Projecto

Leia mais

RESUMO DE CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA E EXPEDIDA SESSÃO ORDINÁRIA DE 20 DE ABRIL DE 2015

RESUMO DE CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA E EXPEDIDA SESSÃO ORDINÁRIA DE 20 DE ABRIL DE 2015 CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA: 1 A Assembleia Municipal recebeu convites de diversos Organismos, Associações e Entidades, a convidar o Exmo. Senhor Presidente deste Órgão Autárquico a participar e assistir

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO GERAL DO ORÇAMENTO

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO GERAL DO ORÇAMENTO ANO ECONÓMICO DE 24 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS EM CUMPRIMENTO DO DISPOSTO NO N. 2 DO ART. 5 DO DEC. LEI 71/95, DE 15 DE ABRIL, ENVIA-SE A RELAÇÃO TRIMESTRAL DAS ALTERAÇÕES ORÇAMENTAIS EFECTUADAS NOS ORÇAMENTOS

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA PROPOSTA DE CERTIFICAÇÃO DE EVENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA PROPOSTA DE CERTIFICAÇÃO DE EVENTOS GABINETE DE FORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO PRÓ-REITORIA PARA OS PROJETOS ESTRUTURANTES MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA PROPOSTA DE CERTIFICAÇÃO DE EVENTOS 1 ÍNDICE 1 ÍNDICE 2 NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Regulamento para atribuição de apoio financeiro a projetos submetidos no âmbito do Fundo de mobilidade FLAD-UAc Crossing the Atlantic

Regulamento para atribuição de apoio financeiro a projetos submetidos no âmbito do Fundo de mobilidade FLAD-UAc Crossing the Atlantic Regulamento para atribuição de apoio financeiro a projetos submetidos no âmbito do Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento, elaborado nos termos do disposto na cláusula quinta do protocolo de cooperação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA O ESTUDO DA DOR-APED. ESTATUTOS (aprovados em Assembleia Geral de 25 de Janeiro de 2002)

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA O ESTUDO DA DOR-APED. ESTATUTOS (aprovados em Assembleia Geral de 25 de Janeiro de 2002) ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA O ESTUDO DA DOR-APED ESTATUTOS (aprovados em Assembleia Geral de 25 de Janeiro de 2002) OBJECTIVOS e SEDE Artigo 1º Parágrafo 1. A Associação Portuguesa para o Estudo da Dor,

Leia mais

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1º Constituição e denominação É constituída uma associação civil sem fins lucrativos denominada Academia

Leia mais

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE ASSOCIAÇÕES DE CONSUMIDORES DE PAÍSES, TERRITÓRIOS E REGIÕES ADMINISTRATIVAS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA OU COM ACORDOS

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE ASSOCIAÇÕES DE CONSUMIDORES DE PAÍSES, TERRITÓRIOS E REGIÕES ADMINISTRATIVAS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA OU COM ACORDOS ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE ASSOCIAÇÕES DE CONSUMIDORES DE PAÍSES, TERRITÓRIOS E REGIÕES ADMINISTRATIVAS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA OU COM ACORDOS ESPECIAIS NO DOMÍNIO DA PRESERVAÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA

Leia mais

MATRÍCULAS/INSCRIÇÕES 2015/2016 3º CICLO DE ESTUDOS EM CRIMINOLOGIA 1º ANO/1ªVEZ. PRAZO DE MATRÍCULA Até 12 de agosto de 2015

MATRÍCULAS/INSCRIÇÕES 2015/2016 3º CICLO DE ESTUDOS EM CRIMINOLOGIA 1º ANO/1ªVEZ. PRAZO DE MATRÍCULA Até 12 de agosto de 2015 MATRÍCULAS/INSCRIÇÕES 2015/2016 3º CICLO DE ESTUDOS EM CRIMINOLOGIA 1º ANO/1ªVEZ PRAZO DE MATRÍCULA Até 12 de agosto de 2015 As matrículas/inscrições no ano letivo de 2015/2016 serão eletrónicas (via e-mail).

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização

Quadro de Avaliação e Responsabilização ANO: Ministério da Educação e Ciência Fundação para a Ciência e Tecnologia, I.P. MISSÃO: A FCT tem por missão apoiar, financiar e avaliar o Sistema Nacional de Investigação e Inovação, desenvolver a cooperação

Leia mais

Quem é o meu próximo? Proximidade, justiça e responsabilidade

Quem é o meu próximo? Proximidade, justiça e responsabilidade Quem é o meu próximo? Proximidade, justiça e responsabilidade A evolução de um conceito ( próximo ), matriz de uma civilização global. A proximidade, relação que reclama justiça e responsabilidade pelo

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES PARA NOMEAÇÃO DEFINITIVA Isabel Maria Henriques Ferreira da Mota Mónica de Oliveira

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES PARA NOMEAÇÃO DEFINITIVA Isabel Maria Henriques Ferreira da Mota Mónica de Oliveira RELATÓRIO DE ACTIVIDADES PARA NOMEAÇÃO DEFINITIVA 2001-2006 Isabel Maria Henriques Ferreira da Mota Mónica de Oliveira Nos termos do nº 2 do Artº 25 do Decreto Lei 448/79 de 13 de Novembro, do Estatuto

Leia mais

Articulação com a Comunidade na Prestação de Cuidados Integrados

Articulação com a Comunidade na Prestação de Cuidados Integrados Articulação com a Comunidade na Prestação de Cuidados Integrados Filipa Rodrigues SERVIÇO DE PEDIATRIA IPOLFG, EPE Fevereiro 2016 Serviço de Pediatria - Objetivos dos Cuidados Cuidar das Crianças com doença

Leia mais

APESPE-RH-Assoc.Port.das Emp.do Sector Priv.de Emp.e dos Rec.Humanos ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE

APESPE-RH-Assoc.Port.das Emp.do Sector Priv.de Emp.e dos Rec.Humanos ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE (Montantes expressos em euros) ÍNDICE Páginas 1. Nota introdutória 2 2. Referencial contabilístico de preparação nas demonstrações financeiras 2 3. Principais políticas contabilísticas 2 4. Políticas contabilísticas,

Leia mais

ESTATUTO REMUNERATÓRIO. Conselho de Administração remunerações globais mensais ilíquidas:

ESTATUTO REMUNERATÓRIO. Conselho de Administração remunerações globais mensais ilíquidas: ESTATUTO REMUNERATÓRIO Ao abrigo do artigo 8.º dos Estatutos da CP, aprovados pelo Decreto-Lei n.º 137- A/2009, de 12 de junho, conjugado com o n.º 2 do artigo 28.º do EGP, com a aplicação das regras constantes

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE INCENTIVO Á NATALIDADE

PROJETO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE INCENTIVO Á NATALIDADE PROJETO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE INCENTIVO Á NATALIDADE Preâmbulo Considerando: - A crescente intervenção dos Municípios, no âmbito das políticas de ação social, com vista, por um lado, à progressiva

Leia mais

Despacho N.º 32/2015

Despacho N.º 32/2015 Despacho N.º 32/2015 Publicam-se, em anexo, os Regulamentos de Propinas dos Ciclos de Estudos (1.º, 2.º e 3.º) e Pós-Graduação para o ano letivo de 2015/2016. Lisboa, 16 de julho de 2015 O Diretor (Prof.

Leia mais

A CONTA GERAL DO ESTADO

A CONTA GERAL DO ESTADO Seminario sobre Responsabilização Financeira e Prestação de Contas Ministerio de Finanças e Cooperação Internacional(MFCI) S.Tomé, 28 à 30 de Maio 2012 A CONTA GERAL DO ESTADO Prestação de Contas Aprovação

Leia mais

Estatutos da Musikarisma Associaça o

Estatutos da Musikarisma Associaça o Estatutos da Musikarisma Associaça o SECÇÃO I DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1º A Musikarisma é uma Associação Cultural, Sem Fins Lucrativos, tendo a sua sede na Rua José Estêvão, com o número cento e treze, na

Leia mais

F L U X O S D E C A I X A ANO 2006 ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 R E C E B I M E N T O S

F L U X O S D E C A I X A ANO 2006 ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 R E C E B I M E N T O S ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 R E C E B I M E N T O S SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR... 809.124,29 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL... 550.398,68 OPERAÇÕES DE TESOURARIA... 258.725,61 RECEITAS ORÇAMENTAIS...

Leia mais

Freguesia de Aradas. Mapa do Orçamento (Inicial) Ano de 2014

Freguesia de Aradas. Mapa do Orçamento (Inicial) Ano de 2014 Mapa do (Inicial) Ano de 2014 Copyright Globalsoft 1992-2014 Pag.: 1 04 04.01 04.01.23 Correntes Taxas, multas e outras penalidades Taxas Taxas especificas das autarquias locais Canídeos Cemitério TMCA

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO RELATÓRIO DE ACTIVIDADES EXTRA-CURRICULARES INSTITUTO DE PSICOLOGIA E CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ANO LECTIVO 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO RELATÓRIO DE ACTIVIDADES EXTRA-CURRICULARES INSTITUTO DE PSICOLOGIA E CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ANO LECTIVO 2010/2011 UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO RELATÓRIO DE ACTIVIDADES EXTRA-CURRICULARES INSTITUTO DE PSICOLOGIA E CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ANO LECTIVO 2010/2011 Centro de Investigação em Psicologia para o Desenvolvimento

Leia mais

GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário)

GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário) GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário) Versão de 17 de maio de 2012 1 CARACTERIZAÇÃO DO CICLO DE ESTUDOS A.1. Instituição

Leia mais

Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores COMISSÃO DE ASSUNTOS PARLAMENTARES, AMBIENTE E TRABALHO RELATÓRIO E PARECER

Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores COMISSÃO DE ASSUNTOS PARLAMENTARES, AMBIENTE E TRABALHO RELATÓRIO E PARECER RELATÓRIO E PARECER NO ÂMBITO DA AUDIÇÃO DOS ÓRGÃOS DE GOVERNO PRÓPRIO DAS REGIÕES AUTÓNOMAS, SOBRE O PROJECTO DE DECRETO-LEI REG. DL 380/2005 TRANSPÕE PARA A ORDEM JURÍDICA NACIONAL A DIRECTIVA N.º 2001/86/CE,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE MANGUALDE PLANO DE ACTIVIDADES

ASSOCIAÇÃO DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE MANGUALDE PLANO DE ACTIVIDADES ASSOCIAÇÃO DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE MANGUALDE PLANO DE ACTIVIDADES 2007 PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO 2007 INTRODUÇÃO No cumprimento das disposições estatutárias, a Direcção da Associação dos Bombeiros

Leia mais

PROJETO CUIDAR TRATAR DAS NOSSAS PESSOAS REDE INTERMUNICIPAL DE CUIDADOS DE SAÚDE. Metodologia de Avaliação e Seleção de Candidatos

PROJETO CUIDAR TRATAR DAS NOSSAS PESSOAS REDE INTERMUNICIPAL DE CUIDADOS DE SAÚDE. Metodologia de Avaliação e Seleção de Candidatos PROJETO CUIDAR TRATAR DAS NOSSAS PESSOAS REDE INTERMUNICIPAL DE CUIDADOS DE SAÚDE PROTOCOLO INTERMUNICIPAL ENTRE OS MUNICÍPIOS DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO E OLHÃO Metodologia de Avaliação e Seleção de

Leia mais

Reunião de Câmara de 7 de dezembro de Informação sobre os despachos do senhor presidente e dos senhores vereadores.

Reunião de Câmara de 7 de dezembro de Informação sobre os despachos do senhor presidente e dos senhores vereadores. Reunião de Câmara de 7 de dezembro de 2016 De acordo com o Regimento elaborado nos termos da alínea a) do artigo 39º da Lei 75/2013, de 12 de setembro e aprovado em reunião ordinária de 05 de novembro

Leia mais

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS Programa Operacional Factores de Competitividade Deliberações CMC POFC: 16/07/2008 Assistência Técnica do POFC Entrada em vigor DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO em 17/07/2008 Artigo 1.º Objecto O presente regulamento

Leia mais

IDO. Cobrança de Quotas. Aplicação Móvel Aplicação Web Impressora Portátil AGILE

IDO. Cobrança de Quotas. Aplicação Móvel Aplicação Web Impressora Portátil AGILE IDO AGILE Cobrança de Quotas Aplicação Móvel Aplicação Web Impressora Portátil WWW.SPOTFOKUS.PT info@spotfokus.pt +351 220 938 155 +351 916 534 623 Centro Empresarial Candal Park Rua 28 de Janeiro nº 350

Leia mais

APPASSI. Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17

APPASSI. Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17 Associação Portuguesa para o Serviço Social Internacional (Instituição particular de solidariedade social) PLANO DE A C CÃO PARA 2O17 ÍNDICE Introdução Enquadramento 1 Estrutura e Organização Interna 2

Leia mais

Ilha Terceira. Codificação nas Regiões Autónomas: 26 e 27 de Fevereiro de Lisandra Martins Médica 4º ano do IFE Cirurgia Geral

Ilha Terceira. Codificação nas Regiões Autónomas: 26 e 27 de Fevereiro de Lisandra Martins Médica 4º ano do IFE Cirurgia Geral 26 e 27 de Fevereiro de 2016 Codificação nas Regiões Autónomas: Ilha Terceira Lisandra Martins Médica 4º ano do IFE Cirurgia Geral Coordenadora do Gabinete de Codificação Clínica: Dr.ª Mª Helena Correia

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 17 Data: 2013/03/26 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento das Provas Especialmente Adequadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência

Leia mais

FREGUESIA DE SINES FLUXOS DE CAIXA. Despesas Orçamentais. Data inicial : Data final : 31/12/2015. (unidade EUR) Ano: 2015 PAGAMENTOS

FREGUESIA DE SINES FLUXOS DE CAIXA. Despesas Orçamentais. Data inicial : Data final : 31/12/2015. (unidade EUR) Ano: 2015 PAGAMENTOS Despesas Orçamentais 503.189,41 Correntes 459.808,63 010000.0101110000 Representação 5.865,96 010000.0101130000 Subsidio de refeição 010000.0102130200 Outros 010000.0103090200 Seguros de saúde 010000.0201150000

Leia mais

Regimento do Conselho de Ilha da Terceira

Regimento do Conselho de Ilha da Terceira Regimento do Conselho de Ilha da Terceira ARTIGO 1º COMPOSIÇÃO O conselho de Ilha da Terceira é composto por: a) Os Presidentes das Assembleias Municipais de Angra do Heroísmo e Praia da Vitória: b) Os

Leia mais

01 DESPESAS COM O PESSOAL ,00. Titulares de Órgãos de Soberania e Membros de Órgãos Autárquicos ,00

01 DESPESAS COM O PESSOAL ,00. Titulares de Órgãos de Soberania e Membros de Órgãos Autárquicos ,00 01 DESPESAS COM O PESSOAL 9.837.610,00 0101 Remunerações Certas e Permanentes 7.276.640,00 010101 Titulares de Órgãos de Soberania e Membros de Órgãos Autárquicos 168.720,00 010104 Pessoal dos Quadros

Leia mais

REGULAMENTO DO QUADRO DE MÉRITO

REGULAMENTO DO QUADRO DE MÉRITO Escola-Sede: Escola Secundária Rafael Bordalo Pinheiro CÓDIGO: 170239 REGULAMENTO DO QUADRO DE MÉRITO (Integra a 1ª revisão do Regulamento Interno aprovada em reunião do Conselho Geral de 12 de novembro

Leia mais

Auto avaliação dos Estudantes de Graduação

Auto avaliação dos Estudantes de Graduação Auto avaliação dos Estudantes de Graduação Ano: 2009 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MINAS UFG / CAC Subdividimos os questionário em tópicos: Didática e Obrigações dos Professores perguntas 1 a 12; Monitoria

Leia mais