el meg ICT Ma nu al de Instalação Por tu guês

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "el meg ICT Ma nu al de Instalação Por tu guês"

Transcrição

1 el meg ICT Ma nu al de Instalação Por tu guês

2 Declaração de conformidade e sím bo lo CE Este apa rel ho cum pre os re qui si tos da di rec ti va R&TTE 999/5/CE:»Di rec ti va 999/5/CE do Par la men to e do Con sel ho Eu ro peu de 9 de Mar ço de 999 so bre instalações ra dioe léc tri cas e equi pa men tos de telecomunicação e o re spec ti vo re con he ci men to mú tuo da sua con for mi da de«. A declaração de con for mi da de pode ser con sul ta da no se guin te en de re ço de Internet: O sím bo lo com um cai xo te do lixo ris ca do, si tua do no apa rel ho, sig ni fi ca que o apa rel ho no fim da sua vida útil deve ser eli mi na do se pa ra da men te do lixo do més ti co, pe los cen tros de recolha adequados. bintec elmeg GmbH - To dos os di rei tos re ser va dos. Uma reprodução des ta documentação, mes mo que par ci al, só é per mi ti da com a autorização ex pres sa do edi tor e designação ex ac ta da fon te, in de pen den te men te do tipo de meio (me câ ni co ou elec tró ni co), com que o processo é efectuado. As descrições de fun cio na men to des ta documentação, re fer en tes a pro du tos de soft wa re de ou tros fab ri can tes, ba sei am-se no soft wa re uti li za do na data de ti ra gem des ta documentação. Os no mes de pro du tos e de em pre sas re fer idos nes ta documentação são marcas registadas.

3 Con tent Con tent Instruções de segurança... Indicações de montagem Montagem...2 Montagem ICT....4 PPCA elmeg ICT PPCA elmeg ICT88 / PPCA s com extensão elmeg ICT880xt Conectar ICT880 e ICT880xt PPCA elmeg ICT880-rack / elmeg ICT880xt-rack Montagem na parede do elmeg ICT 880-rack Ligações e indicadores da elmeg ICT880-rack Tomadas conectoras Router Montagem do módulo Router elmeg X000 / X Montagem do campo de ligação do Router Montagem do módulo Router elmeg Módulos da cen tral automática...26 Expansão dos PPCAs do tipo ICT Montagem dos módulos Fonte de alimentação ICT...29 Módulos a/b Módulo 4 ab II Módulo 8 a/b / Módulo 8 a/b V Módulos S Módulo 2 S0 V Módulo 4 S0 V Módulo protecção fina (MPF)...32 Módulos UP0 / Conversor...34 Módulo 4 UP0, módulo 8 UP Conversor Up0/S Módulo Dect...37 Módulo elmeg Dect multicell (Dect 400 Sistema) Registo dos terminais móveis num sistema elmeg DECT I

4 Con tent elmeg Dect rfp Medição do tempo de execução (cable delay measurement) Medição do alcance de rádio do sistema elmeg DECT elmeg DECT Repeater II Módulo S2m (multi plexer primário PRI)...43 Módulo Router...45 Módulos POTS...46 Módulo VoIP-VPN Gate way...48 Montagem dos módulos DSP Módulo de porteiro...50 Contactos dos módulos...59 Módulo anúncio...6 Módulo de emergência de falha de energia (NSP)...62 Smart-Media-Card Instalação Bornes de ligação Cabos de ligação Tipos de cabos para a instalação fixa Ligações do PPCA Ligação NT- Ligação RDIS externa do PPCA Ligação dos terminais analógicos Tipos de ligação RDIS do PPCA Ligação interna RDIS Ligação USB Colocação em funcionamento...85 Gestão de potência inteligente elmeg ICT880-rack, elmeg ICT880xt-rack Díodos luminosos módulo VoIP-VPN Gateway Díodos luminosos módulo Router Ocupação de ligação na placa frontal ICT-rack (tomadas conectoras e díodos luminosos) Símbolos, sinais de chamar e ciclos de chamada Internos sinais acústicos do PPCA Ciclos de sinalização do PPCA II

5 Con tent $M[Töne der VST]>Toques da central pública específicos por país Primeiro colocação em funcionamento Configuração do PPCA através de um PC Da dos técnicos dos PPCA s...2 Índice remissivo...7 III

6 IV Con tent

7 Indicações de montagem Instruções de segurança Instruções de segurança Indicações de montagem Indicações importantes para o manuseamento da central automática A abertura não autorizada da cen tral automática, assim como, reparações incorrectas podem resultar em perigos para o utilizador do equipamento. Desconecte a ficha de rede de 230V~, an tes de re mover a tampa da caixa e de proceder aos trabalhos no cam po de bornes de ligação. Volte a colocar a tampa da caixa, an tes de conectar a ficha de rede de 230V~. Nenhuns líquidos podem penetrar a cen tral automática. Caso contrário poderá sofrer um choque eléctrico. A entrada de líquidos na cen tral automática pode danificar a mesma. Du rante uma trovoada não deverá ligar ou separar fios. Ao aparelho só podem ser ligadas unidades terminais, que fornecem a tensão SELV (circuito de segurança de pequena tensão) e/ou que correspondam à norma ETS O uso consoante os fins de unidades terminais autorizadas cumpre esta prescrição. Proceda à ligação da terra funcional (ver página 7) A cen tral automática é conectada à rede de 230 V~. Tenha em conta, que a instalação da ligação eléctrica (tomada com contacto de segurança) para a cen tral automática (event. aparelhos adicionais) tem de ser realizada por um electricista autorizado, para excluir riscos para pessoas ou objectos! Uti lize, se possível, um circuito eléctrico in di vid ual para a ligação de 230 V~ da sua cen tral automática. Desse modo, eventuais curtos-circuitos de outros aparelhos de uso doméstico não desactivam a cen tral automática. Adicionalmente, recomendamos que proteja a sua cen tral automática com um dispositivo de protecção con tra sobretensões que podem, por exemplo, ocorrer du rante trovoadas. Consulte, para esse efeito, um electricista. De modo a evitar interferência en tre os vários aparelhos, recomendamos que não monte a cen tral automática perto de aparelhos electrónicos como, por exemplo, aparelhos de alta-fidelidade, aparelhos de escritório ou mi - cro-ondas. Evite igualmente a montagem do aparelho perto de fontes de calor (p. ex.: radiadores) ou em quar tos húmidos. Ob serve a temperatura ambiente para a armazenagem e a operação da cen tral automática nos da dos técnicos.

8 Montagem Indicações de montagem Montagem Procedimentos de montagem Nes te pon to são des cri tos os pro ce di men tos para a montagem na parede. O utilizador deve cumprir este procedimento. µ Se oper ar o PPCA ICT880rack num am bien te com for tes in ter fer ên ci as (p. ex. em comp ar ti men tos com máquinas, elevadores, impressoras, etc.), todas as ligações conectadas através do módulo de protecção con tra des car ga (FSM) de vem ser pro te gi das. Nes tas situações é de ex tre ma im por tân cia a ligação da ter ra fun cio nal ao PPCA. Ten ha igu al men te atenção aos avi sos nas páginas se guin tes: Página 7 Terra funcional Página 2 Par te tra sei ra Página 0 Vis ta in te ri or do el meg ICT880-rack Página Mon ta gem dos ca bos de ligação Página 27 Página 50 Expansão dos PPCAs do ti po ICT Avi so pa ra a mon ta gem do TFE no ICT800rack as sim co mo avisos especiais para a aplicação dos módulos utilizados É de ex tre ma im por tân cia ob ser var e cum prir as instruções de se gu ran ça. Escolha um lo cal de montagem de livre acesso que se encontre no máx. a,5 met ros de uma tomada de rede de 230V~ e do NTBA (ligação RDIS) do operador de rede. Tenha em atenção que a cen tral automática possa ser removida da parede a qualquer momento e que a mesma não seja apertada por estantes ou armários. Assim que tiver definido o lo cal de montagem adequado, deve posicionar o gabarito de perfuração no respectivo lo cal de montagem. Posicione o gabarito de perfuração de um modo ver ti cal e cumpra as distâncias de perfuração do mesmo. Proceda à marcação dos furos na parede, utilizando para o efeito o gabarito de perfuração. Verifique o apoio fixo de todos os pontos de fixação da cen tral automática na parede. Certifique-se que na zona de marcação para os futuros furos de perfuração, não se encontrem cabos de alimentação, tubos ou similares. Proceda à perfuração do furos de fixação nos pontos marcados (nos trabalhos de montagem com buchas deve utilizar uma broca para pedra de 6 mm). Insira as buchas. Aparafuse os dois parafusos nas duas buchas superiores, de modo a que en tre a cabeça do parafusos e a parede exista uma distância de cerca de 5 mm. Atenção! Poderá estar com carga electrostática. An tes de proceder à abertura da cen tral automática deve proceder à descarga electrostática do seu corpo tocando, para o efeito, num objecto ligado à»terra«(p. ex. Tubo de canalização da água). Proceda à abertura da cen tral automática. Encaixe a cen tral automática, com os suportes traseiros, por cima, nas cabeças dos parafusos. Aparafuse o terceiro parafuso através do furo, situado na caixa da cen tral automática, na bucha in fe rior. Atenção! Este parafuso destina-se apenas para a montagem e tem que ser novamente removido an tes da colocação em funcionamento. Proceda à ligação da terra funcional com a cen tral automática através de um fio terra de 5,5mm. Esta conexão é necessária na utilização de módulos de protecção fina (FSM). Instale as tomadas de ligação para as unidades terminais RDIS e as unidades terminais analógicas. Proceda à união da instalação das tomadas de ligação com a cen tral automática. Insira os conectores das unidades terminais nas tomadas de ligação. Se pre tender configurar pessoalmente a cen tral automática via PC poderá fazê-lo, dependendo da cen tral automática em questão, através da»conexão para o PC«, da ligação USB ou através da ligação RDIS. Para proceder à configuração do aparelho através da ligação interna de RDIS, o seu PC tem que dispor de uma 2

9 Indicações de montagem Montagem placa PC-RDIS instalada e operacional. Para executar a configuração através da ligação do PC, é necessário conectar o PC com a cen tral automática, através do cabo de ligação para PC incluído no fornecimento (RS232 ou USB), com a respectiva in ter face do seu PC. A ficha rede da NTBA não tem que estar conectada para o funcionamento da cen tral automática. Não proceda já à conexão da NTBA com a cen tral automática! Verifique se a sua cen tral automática se encontra no estado base. Se não tiver a certeza sobre o estado da mesma, deve repor a cen tral automática no estado base. Para tal deve fazer uso do procedimento de reposição descrito nas instruções de operação ou executar a mesma através da configuração. Atenção! A comutação das ligações RDIS externas e internas só é possível através da configuração. An tes de proceder à comutação deve certificar-se que as ligações não são alimentadas externamente. Caso contrário poderá danificar a saída da cen tral automática ou a NT! Proceda à conexão da ligação»s02:int/ext«(elmeg ICT 46) ou»s04:int/ext«(elmeg ICT 88 / 880) com a NTBA, através do cabo de ligação RDIS incluído no fornecimento. Remova o terceiro parafuso. Feche a caixa. A cen tral automática pode, agora, ser colocada em funcionamento. Falha da rede Numa fal ha da rede eléc tri ca (tensão de rede de 230V~) o PPCA fica in ope ra cio nal tor nan do im pos sí vel reali zar te le fo ne mas in ter nos e ex ter nos. As sim sen do, deve uti li zar uma alimentação eléc tri ca de emer gên cia (USV) ou um mó du lo NSP, de modo a po der uti li zar um te le fo ne RDIS (pas sí vel de alimentação de emer gên cia) na sua cen tral automática. Após o res ta be le ci men to da rede as ligações in ter nas e ex ter nas se pa ra das, não voltam a ser automaticamente unidas. No en tan to, as ca rac ter ís ti cas de de sem pen ho ajus ta das du ran te a configuração não so frem quais quer alterações du ran te uma falha de rede. Abrir e fechar o PPCA An tes de pro ce der à aber tu ra da cen tral automática é necessário re ti rar a fi cha de rede da cen tral automática. Pres sio ne as duas mo las de en cai xe para den tro e puxe a tam pa da cai xa na ex tre mi da de fron tal para cima, até a tam pa de sen cai xar. De se gui da, a tam pa pode ser fa cil men te re ti ra da para cima. Por bai xo da tam pa da cai xa visualizará o cam po dos bor nes de ligação. Para fe char no va men te a cai xa deve in se rir os dois pi nos de en cai xe (par te tra sei ra da tam pa da cai xa) nas re spec ti vas aber tu ras si tua das na par te in fe ri or da cai xa da cen tral automática. Pres sio ne, de se gui da, a tampa da caixa (na parte frontal) para baixo, até encaixar. 3

10 Montagem ICT PPCA elmeg ICT46 Montagem ICT PPCA elmeg ICT46 Modelo base 2 Ligações RDIS, S0 comutáveis para interno ou externo 6 Ligações analógicas Ponto de conexão para uma Smart Me dia Card 2 Pontos de conexão para módulos (4 a/b II, 8 a/b, UP0, S0, S0 2, S0 4, DECT e VoIP-VPN Gate way) 2 Slots especiais (x módulo de porteiro, contactos, anúncio, POTS e módulo de emergência de falha de energia) Campo de ligação do elmeg ICT ? $ % & / ( ) = Ligação USB (ver página 77) 2 Ligação USB (ver página 76) 3 Conector fêmea para ligação externa RDIS S02:EXT 4 Conector fêmea para o módulo de protecção fina S02 (ver página 33) 5 Ligação RDI S externa S02: INT/EXT (ver página 73) 6 Interruptor para as resistências de terminação S02 7 Ligação RDIS interna / externa S0:EXT (ver página 73) 8 Interruptor para as resistências de terminação S0 9 Conector fêmea para ligação interna RDIS S0:INT 0 Conector fêmea para o módulo de protecção fina S0 ß Entrada para música em espera externa (MOH) com regulador do vol ume (ver página 75) Regulação do vol ume para música em espera externa Ligação terra funcional ) $ Ligação para unidades de terminais analógicos 5 e 6 (a/b5 a/b6) (ver página 74) % Conector fêmea para o módulo de protecção fina & Ligação para unidades terminais analógicas 3 e 4 (a/b3 a/b4) / Conector fêmea para o módulo de protecção fina ( Ligação para unidades terminais analógicas e 2 (a/b a/b2) ) Conector fêmea para o módulo de protecção fina = Saída 2 V= máx.50 ma 4

11 PPCA elmeg ICT88 /880 Montagem ICT µ Se oper ar o PPCA num am bien te com for tes in ter fer ên ci as (p. ex. em comp ar ti men tos com máquinas, ele - va do res, im pres so ras, etc.), to das as ligações co nec ta das atra vés do mó du lo de protecção con tra des car ga (FSM) de vem ser pro te gi das. Nes tas situações é de ex tre ma im por tân cia a ligação da terra funcional ao PPCA. PPCA elmeg ICT88 /880 Modelo base 4 Ligações RDIS, comutáveis para interno ou externo 8 Ligações analógicas Ponto de conexão para uma Smart Me dia Card 2 Pontos de conexão para módulos (4 a/b II, 8 a/b, UP0, S0, S0 2, S0 4, DECT e VoIP-VPN Gate way) 2 Slots especiais (módulo de porteiro, contactos, anúncio,s2m,pots e módulo de emergência de falha de energia) (apenas elmeg ICT880) Conector para a ligação da ampliação elmeg ICT880xt Campo de ligação da elmeg ICT88 / 880 Ligação USB (ver página 77) 2 Ligação USB (ver página76) ? $ % & / ( ) = Q W E R T U Z I O P 3 Conector fêmea para ligação externa RDIS S04:EXT 4 Conector fêmea para o módulo de protecção fina S04 (ver página 33) 5 Ligação RDIS interna / externa S04:EXT (ver página 73) 6 Interruptor para as resistências de terminação S04 7 Conector fêmea para ligação externa RDIS S03:EXT 8 Conector fêmea para o módulo de protecção fina S03 9 Ligação RDIS interna / externa S03:EXT Interruptor para as resistências de terminação S03 0 ß Conector fêmea para ligação externa RDIS S02:EXT Conector fêmea para o módulo de protecção fina S02 Ligação RDIS interna / externa S02:EXT $ Interruptor para as resistências de terminação S02 % Ligação RDIS interna / externa S0:EXT & Interruptor para as resistências de terminação S0 / Conector fêmea para ligação interna RDIS S0:INT ( Conector fêmea para o módulo de protecção fina S0 ) Entrada para música em espera externa (MOH) com regulador do vol - ume (ver página 75) = Regulação do vol ume para música em espera externa Q Ligação da terra funcional FE W Ligação para unidades de terminais analógicos 7 e 8 (a/b7 a/b8) (ver página 74) E Conector fêmea para o módulo de protecção fina R Ligação para unidades terminais analógicas 5 e 6 (a/b5 a/b6) T Conector fêmea para o módulo de protecção fina Z Ligação para unidades terminais analógicas 3 e 4 (a/b3 a/b4) U Conector fêmea para o módulo de protecção fina I Ligação para unidades terminais analógicas e 2 (a/b a/b2) O Conector fêmea para o módulo de protecção fina P Saída 2 V= máx.50 ma 5

12 Montagem ICT PPCA s com extensão elmeg ICT880xt µ Se oper ar o PPCA num am bien te com for tes in ter fer ên ci as (p. ex. em comp ar ti men tos com máquinas, ele va do res, im pres so ras, etc.), to das as ligações conectadas através do módulo de protecção contra des car ga (FSM) de vem ser pro te gi das. Nes tas situações é de ex tre ma im por tân cia a ligação da terra funcional ao PPCA. PPCA s com extensão elmeg ICT880xt Modelo base 6 Ligações UP0 internas 4 Ligações analógicas 2 Pontos de conexão para módulos (4 a/b II, 8 a/b, UP0, S0, S0 2, S0 4, DECT e VoIP-VPN Gate way) 2 Pontos de conexão (módulo de porteiro, contactos, anúncio, e módulo de emergência de falha de energia) Ficha para a ligação ao PPCA elmeg ICT880 Campo de ligação da extensão elmeg ICT880xt Ligação da terra funcional FE 2 Ligação RS232 (função somente possível a partir da versão de soft ware.2) 3 Conector fêmea para o módulo de protecção fina (ver página 33) 4 Ligação UP0 UP0 5 / UP0 6 (ver página 77) 5 Conector fêmea para o módulo de protecção fina 6 Ligação UP0 UP0 4 / UP0 3 7 Conector fêmea para o módulo de protecção fina 8 Ligação UP0 UP0 2 / UP0 9 Conector fêmea para o módulo de protecção fina 0 Ligação para os terminais analógicos 3 e 4 (a/b3 a/b4) (ver página 74) ß Conector fêmea para o módulo de protecção fina Ligação para unidades terminais analógicas e 2 (a/b a/b2) 9 0? 6

13 PPCA s com extensão elmeg ICT880xt Montagem ICT µ Se oper ar o PPCA num am bien te com for tes in ter fer ên ci as (p. ex. em comp ar ti men tos com máquinas, ele va do res, im pres so ras, etc.), todas as ligações conectadas através do módulo de protecção contra des car ga (FSM) de vem ser pro te gi das. Nes tas situações é de ex tre ma im por tân cia a ligação da terra funcional ao PPCA. 7

14 Conectar ICT880 e ICT880xt Conectar ICT880 e ICT880xt A ca pa ci da de do PPCA el meg ICT880 pode ser au men ta da atra vés da conexão à»expansão el meg ICT880xt«. Com a expansão terá à sua disposição um mai or nú me ro de por tos para ter mina is. A conexão é efec tua da com o cabo de ligação in cluí do no vo lu me de fornecimento. 3 2 Cabos de ligação 2 elmeg ICT880 3 elmeg ICT880xt X O filtro assinalado com»x«deve apontar para o elmeg ICT 880 Primeiro o PPCA e a expansão têm que ser montados na parede. Com a ajuda do gabarito (matriz) de perfuração pode ser definida a distância lat eral correcta en tre os dois sistemas. A montagem do elmeg ICT880 e do elmeg ICT880xt é executada conforme descrito na página 2. Terra funcional Vis to que o seu PPCA dispõe de uma ligação de ter ra fun cio nal, na pro xi mi da de do lo cal de mon ta gem deve si tu ar-se uma»ligação à ter ra«(cano de água, de aque ci men to ou um ter mi nal de e qui po tencia lidade da instalação do més ti ca). Esta conexão é necessária na utilização de mó du los de protecção fina (FSM) et de mó du los POTS. A ligação à cen tral automática deve ser efec tua da com um cabo de ligação de pelo menos 2,5 mm2. Se utilizar unidades terminais que estão conectadas à cen tral automática via USB ou RS232, é necessário instalar a terra funcional, de modo a evitar a formação de»zumbido. As duas ligações da terra funcional (FE) dos componentes da instalação têm que ser ligadas com um fio terra com uma secção transversal de 2,5mm2. No exemplo indicado a seguir são apresentadas três possibilidades, das quais duas são realizadas em combinação com um módulo POTS Bornes de ligação FE elmeg ICT880xt 2 Bornes de ligação FE elmeg ICT880 3 No exemplo: módulo POTS 4 Ligação, p. ex., ao ter mi nal de equipotencialidade«5 Cabo de ligação en tre elmeg ICT880 e elmeg ICT880xt 8

15 PPCA elmeg ICT880-rack / elmeg ICT880xt-rack De uma das duas ligações de terra funcional é posteriormente realizada a ligação à terra funcional, conforme descrito no ponto sobre a montagem na página. De seguida, é possível conectar o cabo de ligação en tre o PPCA e a expansão. Tenha em atenção que a extremidade do cabo assinalada com»x«tem que apontar para o elmeg ICT880. A ligação dos terminais bem como dos portos externos pode agora ser realizada. Se o PPCA estiver operacional deve fechar as carcaças do elmeg ICT880 e do elmeg ICT880xt. 230V~ Ligar alimentação eléctrica Para ligar o PPCA é estritamente necessário ligar os dois conectores de rede em duas tomadas de um circuito eléctrico (Tomada dupla é opcionalmente incluída no vol ume de fornecimento). Ligue sempre simultaneamente a alimentação eléctrica dos dois sistemas elmeg ICT880 e ICT880xt. Nunca ligue primeiro a alimentação eléctrica do elmeg ICT880 visto que, neste caso, a expansão elmeg 880xt não é detectada e não pode ser utilizada. Se, du ran te o fun cio na men to, sur gir uma fal ha (interrupção) e pos te ri or res ta be le ci men to da alimentação eléc tri ca do el meg ICT 880 ou el meg ICT880xt, o sis te ma exe cu ta au to ma ti ca men te um re set da instalação. Pos te ri or men te am bas as instalações estão novamente operacionais. PPCA elmeg ICT880-rack / elmeg ICT880xt-rack Placas frontais Para a mon ta gem na rack (armação) estão in cluí dos na em ba la gem dois ân gu los. Mon te cada um dos ân gu los com 3 pa ra fu sos na car ca ça ICT (ver fi gu ra em bai xo). Os pa ra fu sos têm que ser mon ta dos com uma das anil has den ta das. A se guin te fi gu ra mo stra a pla ca fron tal do PPCA el meg ICT880-rack na mon ta gem completa. A se guin te fi gu ra mo stra a pla ca fron tal do PPCA el meg ICT880xt-rack na mon ta gem com ple ta. As pla cas fron tais estão apa ra fu sa das com 6 pa ra fu sos no apa rel ho. 4 pa ra fu sos na face fron tal e 2 pa ra fu sos na face in fe ri or da placa frontal. No»Kit de aces só ri os para mó du los rack«(não in cluí do no vo lu me de for ne ci men to) en con tram-se fi tas de inscrições que po dem ser co la das nos lo cais pre de fi ni dos na placa frontal. 9

16 PPCA elmeg ICT880-rack / elmeg ICT880xt-rack Parte traseira ligação de fonte de alimentação com interruptor 2 Grelha de ventilação 3 Condução (passagem) para, por exemplo, um cabo TFE 4 Ligação à terra de protecção (M6) 5/7 6 com chapa de ligação. ICT880-rack ou ICT880xt-rack Cabos de ligação µ A ligação à ter ra de protecção tem que es tar li ga da ao Rack de ter ra, atra vés de um ca bo de con du tor de protecção. As par tes tra sei ras dos el meg ICT880-rack e el meg ICT 880xt-rack dis tingu em-se atra vés da cha pa de ligação mon ta da na ligação à ter ra de protecção»xt«. Des se modo, é es ta be le ci da a ligação equi po ten ci al en tre os dois sis te mas. A ligação ao Rack deve ser efec tua da atra vés de um con du tor de protecção de, pelo me nos, 2,5 mm2. A disposição dos com po nen tes dos dois PPCAs (em cima ou em bai xo) é alea tó ria, isto é, pode ser realizada à vontade do instalador. Tenha atenção que a saída do ar na grelha de ventilação não seja obstruída por fios ou cabos. A corrente de ar é realizada de dentro para fora. Vista interior do elmeg ICT880-rack ? Ventilador 2 Cabos de ligação para extensão elmeg ICT880xt-rack 3 Ponto de conexão es pe cial para módulo de porteiro, contactos, anúncio, emergência de falha de energia 4 Conector para módulos 5 Slot de módulo 2 6 Ligação à terra de protecção na carcaça 7 Slot de módulo 8 Ponto de conexão es pe cial 2 para módulo de porteiro, anúncio, contactos, POTS, emergência de falha de energia, S2m 9 Cabo de ligação en tre a placa de circuitos impressos da base fron tal e a placa base. Ver também»montagem dos cabos de ligação«página 0 Cabo de ligação da base fron tal da placa de circuitos impressos para o módulo fron tal da placa de circuitos impressos ß Placa de circuitos impressos do módulo fron tal Placa de circuitos impressos da base fron - tal 0

17 Montagem na parede do elmeg ICT 880-rack Vista interior do elmeg ICT880xt-rack ? Ventilador 2 Cabos de ligação para extensão elmeg ICT880xt-rack 3 Ponto de conexão es pe cial 3 para módulo de porteiro, contactos, anúncio, emergência de falha de energia 4 Conector para módulos 5 Slot de módulo 5 6 Ligação à terra de protecção na carcaça 7 Slot de módulo 4 8 Slot es pe cial 4 para módulo de porteiro, módulo de pré-atendimento, contactos, módulo de emergência de falha de energia 9 Cabo de ligação en tre a placa de circuitos impressos da base fron tal e a placa base. Ver também»montagem dos cabos de ligação«página 0 Placa de circuitos impressos da base fron - tal Montagem dos cabos de ligação Montagem correcta dos cabos de ligação: O cabo plano aponta para a base do PPCA. 2 Montagem errada dos cabos de ligação: O cabo plano aponta para cima. 2 Montagem na parede do elmeg ICT 880-rack Em ca sos espe cia is é pos sí vel mon tar o PPCA el meg ICT880-rack na pa re de (p. ex. cam pos Patch). No en tan to dei xa de ser pos sí vel uti li zar a expansão el meg ICT880xt-rack. Na par te su pe ri or e in fe ri or do PPCA man ten ha uma dis tân cia de 200 mm em relação a, por exem plo, tec to do quar to, armários ou pa vi men to. A pla ca fron tal do PPCA aponta para baixo. Montagem em mesa Para a mon ta gem do PPCA el meg ICT880-rack e el meg ICT880xt-rack numa mesa po dem ser co la dos os 4 pés (de plástico) in cluí dos no vo lu me de for ne ci men to às fa ces in fe rio res dos apa rel hos. Es tes ser vem como protecção con tra des li ze e pro te gem a mesa contra arranhões e danos.

18 Montagem na parede do elmeg ICT 880-rack Medidas de distância do PPCA 2

19 Ligações e indicadores da elmeg ICT880-rack Ligações e indicadores da elmeg ICT880-rack ? 0 $ % Ângulo 2 Placa fron tal elmeg ICT880-rack 3 Parafusos de fixação da placa fron tal 4 Entradas da router e ligações (ver página 24) 5 Indicação de funcionamento LED (ver página 85) 6 Indicação de funcionamento LED 7 Ligação MoH externa (3,5mm ligação estéreo, ver página 75) 8 Ligação USB (ver página 77) 9 Ligaçãode série (ver página 76) 0 Indicadores LED para a ligação S2m ß Ligação S2M Ligação RDIS...4 S0/BRI (ver página 73) Indicadore LED para a ligação $ Ligações para módulos a/b, S0, DECT e VoIP-VPN Gate way (UP0 ver página 77) % Indicadores LED para a ligação & Ligações analógicas a/b...a/b8 (ver página 74) / Indicadores LED para a ligação ( Ligações para módulos (a/b, S0, UP0, DECT e VoIP-VPN Gate way) ) Indicadores LED para a ligação = Cam pos assinalados para fitas de inscrições (ver página 9) / ) & ( = 3

20 Ligações e indicadores da elmeg ICT880-rack Placa de circuitos impressos da base frontal Na»Placa de circuitos impressos da base frontal«situam-se«as tomadas (conectoras) e os díodos luminosos. Esta está mon ta da so bre pi nos dis tan cia do res na base do apa rel ho e é li ga da por dois ca bos pla nos ao PPCA. Além dis so en con tram-se aqui»jum per«, com os quais as saí das RDIS (S0 / BRI= Ba sic Rate In ter fa ce ) po dem ser ajus ta das em»interna«ou»externa«. Duas tomadas (conectoras) RJ45 estão conectadas paralelamente. Três díodos luminosos mo stram os es ta do ac tu al da ligação (ver página 85). Para cada ligação é possível instalar um módulo de protecção contra descarga. Regulador do vol ume para a entrada externa MoH 2 Conector fêmea para o módulo de protecção fina (S2m/PRI) ? $ % & / ( ) = Q W 3 Interruptor para as resistências de terminação S0/BRI4 4 Comutação S0/BRI4 Externo- Interno 5 Conector fêmea para o módulo de protecção fina S0/BRI4 6 Ficha de conexão para módulo base 7 Interruptor para as resistências de terminação S0/BRI3 8 Comutação S0/BRI3 Externo- Interno 9 Conector fêmea para o módulo de protecção fina S0/BRI3 0 Interruptor para as resistências de terminação S0/BRI2 ß Comutação S0/BRI2 Externo- Interno Conector fêmea para o módulo de protecção fina S0/BRI2 Ficha de ligação para a placa de circuitos impressos do módulo fron tal 2 $ Interruptor para as resistências de terminação S0/BRI % Comutação S0/BRI Externo- Interno & Conector fêmea para o módulo de protecção fina S0/BRI / Ficha de conexão para módulo base ( Conector fêmea para o módulo de protecção fina a/b7 a/b8 ) Conector fêmea para o módulo de protecção fina a/b5 a/b6 = Conector fêmea para o módulo de protecção fina a/b3 a/b4 Q Ficha de ligação para a placa de circuitos impressos dmódulo fron tal W Conector fêmea para o módulo de protecção fina a/b a/b2 4

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro João Ferrão Resumo As visões recentes sobre o mundo rural revelam grande permeabilidade à ideia de património

Leia mais

In for má ti ca, ar qui vos, me mó ria, in ter net.

In for má ti ca, ar qui vos, me mó ria, in ter net. UMA MEMÓRIA PARA A TECNOLOGIA Fa us to Co lom bo Re su mo O tema da me mó ria, quan do as so ci a do ao das no vas tec no lo gi as, pro duz in te res san tes cor re la ções na me di da em que a in for

Leia mais

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA Filipe Carreira da Silva Resumo Este artigo tem por objectivo discutir a noção de esfera pública proposta por Jürgen Habermas. Para tanto,

Leia mais

CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL

CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL Miguel Correia Pinto e Manuel Mira Godinho Resumo Com os avanços nos domínios da biotecnologia registados nas décadas mais recentes, os conhecimentos

Leia mais

REGULAÇÃO POLÍTICA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

REGULAÇÃO POLÍTICA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAÇÃO POLÍTICA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL José Nuno Lacerda Fonseca Resumo Analisando vários indícios da existência de efeitos anti-sociais da actividade dos meios de comunicação social, reflecte-se

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil.

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil. Outubro de 2003 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Sexta-feira 31 34351 ares, me diante a exibição de ofí cio ou mandado em forma regular. 1º So men te se ex pe di rá pre ca tó ria, quando, por essa for ma, for

Leia mais

A Gonçalves no México I N F O R M A

A Gonçalves no México I N F O R M A I N F O R M A Novembro de 2007 Depois de atuar por quase três anos no México com um escritório comercial, a Gonçalves investe em uma unidade industrial no país, que entrará em operação no início de 2008.

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010 UNICAMP 2010 - GEOGRAFIA 13. Ob serve o gráfico abaixo e responda às questões: a) Indi que a(s) re gião(ões) do glo bo com ta xa de es pe ran ça de vi da ao nas cer in fe ri or à mé dia mun di al, nos

Leia mais

FORMAÇÃO, TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIOLOGIA EM PORTUGAL José Madureira Pinto

FORMAÇÃO, TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIOLOGIA EM PORTUGAL José Madureira Pinto FORMAÇÃO, TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIOLOGIA EM PORTUGAL José Madureira Pinto Primórdios Afir mar que a so ci o lo gia por tu gue sa só co me çou ver da de i ra men te

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010 da Unicamp 010 ª fase - Física 1.01.010 UNICAMP 010 - FÍSICA Esta prova aborda fenômenos físicos em situações do cotidiano, em experimentos científicos e em avanços tecnológicos da humanidade. Em algumas

Leia mais

A SEGMENTAÇÃO DO ESPAÇO DE INOVAÇÃO NA INDÚSTRIA PORTUGUESA

A SEGMENTAÇÃO DO ESPAÇO DE INOVAÇÃO NA INDÚSTRIA PORTUGUESA A SEGMENTAÇÃO DO ESPAÇO DE INOVAÇÃO NA INDÚSTRIA PORTUGUESA Luísa Oliveira e Helena Carvalho Resumo A inovação tecnológica como força motriz de um novo padrão de competitividade coloca, como questão central,

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia

IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia José Manuel Leite Viegas Introdução Na úl ti ma dé ca da do sé cu lo pas sa do as sis tiu-se

Leia mais

UNICAMP 2012 (2ª Fase)

UNICAMP 2012 (2ª Fase) 1. Re so lu ção (se rá con si de ra do ape nas o que es ti ver den tro des te es pa ço). a)...in te res se do pú bli co (L1): Tra ta-se de um subs tan ti vo pos to que de ter mi na do pe lo ar ti go o,

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

PROTAGONISTAS E CONTEXTOS DA PRODUÇÃO TECNOLÓGICA EM PORTUGAL O caso da invenção independente

PROTAGONISTAS E CONTEXTOS DA PRODUÇÃO TECNOLÓGICA EM PORTUGAL O caso da invenção independente PROTAGONISTAS E CONTEXTOS DA PRODUÇÃO TECNOLÓGICA EM PORTUGAL O caso da invenção independente Cristina Palma Conceição Resumo Tendo como pano de fundo algumas das questões suscitadas pelo debate teórico

Leia mais

UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA

UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA Pedro Diniz de Sousa Resumo Parte-se de uma definição do conceito de dramatização e da identificação das funções que o discurso dramático pode desempenhar

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

Este manual de instruções é parte integrante do produto e deve ficar na posse do cliente final. Imagem 1: Vista frontal

Este manual de instruções é parte integrante do produto e deve ficar na posse do cliente final. Imagem 1: Vista frontal Painel de comando e sinalização N.º art. MBT 2424 Manual de instruções 1 Indicações de segurança A instalação e a montagem de aparelhos eléctricos apenas devem ser realizadas por electricistas especializados.

Leia mais

andréa del fuego os malaquias

andréa del fuego os malaquias andréa del fuego os malaquias 1 Serra Morena é ín gre me, úmi da e fértil. Aos pés de la vi vem os Malaquias, ja ne la com ta manho de porta, porta com autoridade de madeira escura. Corre, Adolfo! Donana

Leia mais

Painel sinóptico BAT 100 LSN. Guia de instruções

Painel sinóptico BAT 100 LSN. Guia de instruções Painel sinóptico BAT 100 LSN pt Guia de instruções Painel sinóptico Índice pt 3 Índice 1 Instruções de segurança 4 2 Descrição funcional 4 3 Vista geral do sistema 6 4 Instalação 7 5 Ligação 11 6 Manutenção

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

Tecnologia de dados solar POWER MODUL

Tecnologia de dados solar POWER MODUL Tecnologia de dados solar POWER MODUL Manual de instalação PModul-IPT094510 98-0020710 Version 1.0 PT SMA Solar Technology AG Índice Índice 1 Observações relativas ao presente manual........... 4 1.1

Leia mais

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL Carlos Bernardo González Pecotche RAUMSOL A Herança de Si Mesmo Editora Logosófica A HerAnçA de Si Mesmo Ao publicar o presente tra balho, o autor levou em conta a repercussão que ele pode alcançar no

Leia mais

edificações vias públicas leis e normas

edificações vias públicas leis e normas mobilidade acessível na cidade de são paulo edificações vias públicas leis e normas ACESSIBILIDADE prefeitura da cidade de são paulo secretaria municipal da pessoa com deficiência e mobilidade reduzida

Leia mais

O PARLAMENTO PORTUGUÊS NA CONSTRUÇÃO DE UMA DEMOCRACIA DIGITAL. Gustavo Cardoso, Carlos Cunha e Susana Nascimento

O PARLAMENTO PORTUGUÊS NA CONSTRUÇÃO DE UMA DEMOCRACIA DIGITAL. Gustavo Cardoso, Carlos Cunha e Susana Nascimento O PARLAMENTO PORTUGUÊS NA CONSTRUÇÃO DE UMA DEMOCRACIA DIGITAL Gustavo Cardoso, Carlos Cunha e Susana Nascimento Resumo O presente artigo pretende analisar as práticas e representações dos deputados portugueses

Leia mais

SOCIOLOGIA E CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO A distância entre nós. Pedro Abrantes

SOCIOLOGIA E CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO A distância entre nós. Pedro Abrantes SOCIOLOGIA E CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO A distância entre nós Pedro Abrantes A aná li se so ci al dos fe nó me nos edu ca ti vos cons ti tui, hoje, uma ac ti vi da de im por - tan te quer da so ci o lo gia quer

Leia mais

mas, en quan to ob jec tos ma te riais da lin gua gem, foi de ta lha da men te ana li za da; o fac to de as pa la vras al fa e be ta pos suí rem le

mas, en quan to ob jec tos ma te riais da lin gua gem, foi de ta lha da men te ana li za da; o fac to de as pa la vras al fa e be ta pos suí rem le A Subjectivação da Linguagem Para comunicarem entre si, os homens edificaram, pouco a pouco, no decurso dos séculos, uma massa de sonoridades que constituem a linguagem. Michel Sages As for mas es cri

Leia mais

ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1

ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1 ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1 Eládio Torret Rocha Ju iz de Direito do TJSC SUMÁRIO: 1. Intro du ção; 2. A im pren sa e a li mi ta

Leia mais

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT RECENSÃO COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT [Lígia Noronha, Nelson Lourenço, João Paulo Lobo-Ferreira, Anna Lleopart, Enrico Feoli, Kalidas Sawkar, e A. G. Chachadi (2003),

Leia mais

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Informativo mensal da unidade Contagem da PUC Minas nº 78 Agosto de 2008 Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Com três li nhas de pro du tos bá si ca, es cri tó rio e es por ti va, a

Leia mais

O PODER DAS REDES OU AS REDES DO PODER Análise estratégica numa organização com intranet

O PODER DAS REDES OU AS REDES DO PODER Análise estratégica numa organização com intranet O PODER DAS REDES OU AS REDES DO PODER Análise estratégica numa organização com intranet Sandra Pereira Introdução O po der é um pro ble ma cen tral nas or ga ni za ções en quan to es pa ços de con fli

Leia mais

Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos

Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos Pesqui Odontol Bras 2003;17(Supl 1):33-41 Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos Conselho Nacional de Saúde - Resolução 196/96 Pes qui sa Qu a li fi ca ção do pesquisador

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22

botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22 botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22 sumário Introdução... 17 Gua ra ná Porrada... 25 Muletas... 39 Exó ti cas gan gues... 47 Um mons tro e um pinguim... 55 Si ga o cão... 61 Dia de campeão...

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10 VESTIBULAR FGV 2011 OUTUBRO/2010 RESOLUÇÃO DAS 10 QUESTÕES DE MATEMÁTICA APLICADA QUESTÃO 1 O gráfico no plano cartesiano expressa a alta dos preços médios de televisores de tela plana e alta definição,

Leia mais

Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná.

Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná. Advo ga dos Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná. Man da do de Se gu ran ça 768.003-5 Jul ga men to: Órgão Espe ci al. Rel.:

Leia mais

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13 O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 To dos so mos igua is, ape nas te - mos di fi cul da des di fe ren tes. Le o nar do

Leia mais

FUTUROS PROVÁVEIS Um olhar sociológico sobre os projectos de futuro no 9.º ano

FUTUROS PROVÁVEIS Um olhar sociológico sobre os projectos de futuro no 9.º ano FUTUROS PROVÁVEIS Um olhar sociológico sobre os projectos de futuro no 9.º ano Sandra Mateus Resumo Pretende-se, neste artigo, analisar as opções escolares e profissionais constitutivas dos projectos de

Leia mais

Mapeamento de Ações e Discursos de Combate às Desigualdades Raciais no Brasil

Mapeamento de Ações e Discursos de Combate às Desigualdades Raciais no Brasil Mapeamento de Ações e Discursos de Combate às Desigualdades Raciais no Brasil Rosana Heringer Resumo O ar ti go apre sen ta as prin ci pa is con clu sões da pes qui sa Ma pe a - men to de Ações e Dis cur

Leia mais

En si no de jor na lis mo no Bra sil: re fle xões so bre a for ma ção do jor na lis ta

En si no de jor na lis mo no Bra sil: re fle xões so bre a for ma ção do jor na lis ta QUÓ RUM ACA DÉ MI CO Vol. 11 Nº 1, ene ro-junio 2014, Pp. 11-23 Uni ver si dad del Zu lia ISSN 1690-7582 En si no de jor na lis mo no Bra sil: re fle xões so bre a for ma ção do jor na lis ta Ma ría Eli

Leia mais

Análise sobre a (não) caracterização do crime de racismo no Tri bu nal de Justiça de São Paulo

Análise sobre a (não) caracterização do crime de racismo no Tri bu nal de Justiça de São Paulo Análise sobre a (não) caracterização do crime de racismo no Tri bu nal de Justiça de São Paulo Anal y sis of the (non) char ac ter iza tion of the crime of rac ism in São Paulo Court of Jus tice Simone

Leia mais

VIOLÊNCIA NA ESCOLA: DAS POLÍTICAS AOS QUOTIDIANOS. João Sebastião, Mariana Gaio Alves, Joana Campos

VIOLÊNCIA NA ESCOLA: DAS POLÍTICAS AOS QUOTIDIANOS. João Sebastião, Mariana Gaio Alves, Joana Campos VIOLÊNCIA NA ESCOLA: DAS POLÍTICAS AOS QUOTIDIANOS João Sebastião, Mariana Gaio Alves, Joana Campos Resumo A existência de um alargado conjunto de situações, que designamos globalmente por violência na

Leia mais

MUDANÇA E MODERNIZAÇÃO NAS EMPRESAS PORTUGUESAS

MUDANÇA E MODERNIZAÇÃO NAS EMPRESAS PORTUGUESAS NOTA DE PESQUISA MUDANÇA E MODERNIZAÇÃO NAS EMPRESAS PORTUGUESAS João Freire O pre sen te tex to apre sen ta de uma for ma mu i to sin te ti za da os re sul ta dos de um in - qué ri to so ci o ló gi co

Leia mais

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins:

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: «Diz que quer con tar tu do dos prin cí pios? Dos prin cí pios a gen te nun ca sa be. Quan do é o ca so de se lhe pôr

Leia mais

Sensor da temperatura ambiente TEMPSENSOR-AMBIENT

Sensor da temperatura ambiente TEMPSENSOR-AMBIENT Sensor da temperatura ambiente TEMPSENSOR-AMBIENT Manual de instalação TempsensorAmb-IPT110610 98-0042910 Versão 1.0 PT SMA Solar Technology AG Índice Índice 1 Indicações relativas ao presente manual.............

Leia mais

Con ver gên cia e divergência na co ne xão en tre gê ne ro e le tra men to: no vos avan ços *

Con ver gên cia e divergência na co ne xão en tre gê ne ro e le tra men to: no vos avan ços * Con ver gên cia e divergência na co ne xão en tre gê ne ro e le tra men to: no vos avan ços * Nelly P. Stromquist Uni ver sity of Sout hern Ca li for nia Re su mo Cor res pon dên cia: Nelly P. Strom quist

Leia mais

jornal abrapa_120:jornal abrapa_120.qxd 12/2/2010 17:04 Page 1

jornal abrapa_120:jornal abrapa_120.qxd 12/2/2010 17:04 Page 1 jornal abrapa_120:jornal abrapa_120.qxd 12/2/2010 17:04 Page 1 jornal abrapa_120:jornal abrapa_120.qxd 12/2/2010 17:04 Page 2 EDI TO RI AL ABRAPA EM AÇÃO De tem pos em tem pos, so mos sur pre en di dos

Leia mais

DA INSOLÊNCIA À OBEDIÊNCIA Alterações nas atitudes dos despossuídos (1900-1945)

DA INSOLÊNCIA À OBEDIÊNCIA Alterações nas atitudes dos despossuídos (1900-1945) ENSA I O DA INSOLÊNCIA À OBEDIÊNCIA Alterações nas atitudes dos despossuídos (1900-1945) Eduardo Cintra Torres Aquela onda de insolência A che ga da do ca pi ta lis mo aos cam pos e o cres ci men to do

Leia mais

ESTUDAR AS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS. Stephen Castles. Introdução

ESTUDAR AS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS. Stephen Castles. Introdução ESTUDAR AS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS Stephen Castles Resumo As mudanças globais e a crescente importância dos fluxos e das redes transnacionais em todas as áreas da vida social criam novos desafios às ciências

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL COMPARADO E PROCESSO DE REFORMA DO ESTADO I. INTRODUÇÃO

DIREITO CONSTITUCIONAL COMPARADO E PROCESSO DE REFORMA DO ESTADO I. INTRODUÇÃO DIREITO CONSTITUCIONAL COMPARADO E PROCESSO DE REFORMA DO ESTADO José AFONSO DA SILVA SUMARIO: I. Introdução II. Direito constitucional comparado III. Pro - cessos de re for ma do Esta do. IV. Conclusões.

Leia mais

Versão à prova de explosão do telefone resistente às intempéries FernTel IP. FernTel IP Z2. Manual de instruções FHF BA 9620-25 07/11

Versão à prova de explosão do telefone resistente às intempéries FernTel IP. FernTel IP Z2. Manual de instruções FHF BA 9620-25 07/11 Versão à prova de explosão do telefone resistente às intempéries FernTel IP FernTel IP Z2 Manual de instruções FHF BA 9620-25 07/11 O telefone FernTel IP Z2 é uma versão à prova de explosão do telefone

Leia mais

DESEMPENHO DA DEMOCRACIA E REFORMAS POLÍTICAS O caso português em perspectiva comparada

DESEMPENHO DA DEMOCRACIA E REFORMAS POLÍTICAS O caso português em perspectiva comparada DESEMPENHO DA DEMOCRACIA E REFORMAS POLÍTICAS O caso português em perspectiva comparada André Freire Resumo Este artigo analisa comparativamente o apoio dos portugueses ao sistema político democrático.

Leia mais

Boa Pro va! INSTRUÇÕES

Boa Pro va! INSTRUÇÕES INSTRUÇÕES A du ra ção da pro va é de 2 ho ras. Escreva um texto argumentativo. Cer ti fi que-se de ha ver es co lhi do um dos te mas pro pos tos e dê um tí tu lo a seu tex to. Use as informações disponíveis

Leia mais

Responsabilidade civil do Estado por da nos pro ve nien tes de vei cu laç ão de da dos nos si tes dos tri bu nais

Responsabilidade civil do Estado por da nos pro ve nien tes de vei cu laç ão de da dos nos si tes dos tri bu nais Responsabilidade civil do Estado por da nos pro ve nien tes de vei cu laç ão de da dos nos si tes dos tri bu nais Má rio Antônio LOBATO DE PAIVA Resumen Má rio Antônio Loba to De Pai va ini cia su ar tícu

Leia mais

OITO TEMAS PARA DEBATE Violência e segurança pública. Alba Zaluar

OITO TEMAS PARA DEBATE Violência e segurança pública. Alba Zaluar OITO TEMAS PARA DEBATE Violência e segurança pública Alba Zaluar Resumo O texto aborda algumas das idéias mais disseminadas hoje nos meios de comunicação de massa, assim como no acadêmico, para entender

Leia mais

SÊNECA Sobre os enganos do mundo

SÊNECA Sobre os enganos do mundo coleção idealizada e coordenada por Gustavo Piqueira SÊNECA Sobre os enganos do mundo fotos Olegario Schmitt 3 são paulo 2011 Quem se la men ta de que al guém te nha mor ri do se la men ta de ter nas

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA

INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES GERAIS PARA LUMINÁRIAS DE UTILIZAÇÃO DOMÉSTICA INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA O fabricante aconselha um uso correcto dos aparelhos de iluminação!

Leia mais

GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante com dois sensores Instruções de instalação e funcionamento

GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante com dois sensores Instruções de instalação e funcionamento Labkotec Oy Myllyhaantie 6 FI-33960 PIRKKALA FINLAND Tel: + 358 29 006 260 Fax: + 358 29 006 1260 19.1.2015 Internet: www.labkotec.fi 1/12 GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante

Leia mais

Exer cí ci o s CA PÍ TU LO 1. Exer cí ci os Introdução à Perfuração Direcional

Exer cí ci o s CA PÍ TU LO 1. Exer cí ci os Introdução à Perfuração Direcional Exer cí ci os Introdução à Perfuração Direcional CA PÍ TU LO 1 Exer cí ci o s 1) Atingir alvos de difícil acesso Desvio de poços já perfurados (side track) De sen vol vi men to de um cam po a par tir de

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Biologia feita pelo Intergraus. 10.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Biologia feita pelo Intergraus. 10.01.2010 UNICMP 21 - CIÊNCIS IOLÓGICS 13. s figuras abaixo mostram o isolamento, por um longo período de tempo, de duas populações de uma mesma espécie de planta em consequência do aumento do nível do mar por derretimento

Leia mais

Instruções de instalação

Instruções de instalação Instruções de instalação Acessórios Cabos de ligação do acumulador da caldeira de aquecimento Para técnicos especializados Ler atentamente antes da montagem. Logano plus GB225-Logalux LT300 6 720 642 644

Leia mais

Relator Lúdio Coelho José Roberto Arru da.

Relator Lúdio Coelho José Roberto Arru da. 14288 Sexta-feira 30 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Junho de 2000 Constant ter aberto mão de 150 casas e demonstrar in - teresse específico em apenas 13 casas? 7. Como se justifica a tamanha necessidade des

Leia mais

Nunca utilizar objectos afiados, ácidos ou solventes orgânicos para a limpeza. Dispositivo

Nunca utilizar objectos afiados, ácidos ou solventes orgânicos para a limpeza. Dispositivo Smart Control N.º art. SC 1000 KNX Manual de instruções 1 Indicações de segurança A instalação e a montagem de aparelhos eléctricos apenas devem ser realizadas por electricistas especializados. Risco de

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Química feita pelo Intergraus. 11.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Química feita pelo Intergraus. 11.01.2010 UNICAMP 2010 - QUÍMICA As questões dessa prova exploram matérias da Revista Pesquisa FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), uma publicação men sal disponível gratuitamente na rede

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE COMPUTADOR E DA INTERNET PELA POPULAÇÃO PORTUGUESA

A UTILIZAÇÃO DE COMPUTADOR E DA INTERNET PELA POPULAÇÃO PORTUGUESA A UTILIZAÇÃO DE COMPUTADOR E DA INTERNET PELA POPULAÇÃO PORTUGUESA Maria de Lurdes Rodrigues e João Trocado da Mata Resumo Com base no tratamento dos resultados obtidos no inquérito à utilização de computador

Leia mais

Mediação e tecnologia

Mediação e tecnologia NOVAS TECNOLOGIAS Mediação e tecnologia RESUMO Neste trabalho o autor discute o atual momento pelo qual passa o sujeito da comunicação no ciberspaço, analisando as diferentes formas de mediação que ela

Leia mais

Art. 243. Vender, fornecer ain da que gratuita -

Art. 243. Vender, fornecer ain da que gratuita - Agosto de 2003 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Qu in ta-fe i ra 7 22447 LEGISLAÇÃO CITADA ANEXADA PELA SECRETARIA-GERAL DA MESA LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990 Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente

Leia mais

Boa Pro va! INSTRUÇÕES

Boa Pro va! INSTRUÇÕES INSTRUÇÕES Escreva um texto argumentativo. Seu texto deve apresentar introdução, desenvolvimento e conclusão. Cer ti fi que-se de ha ver es co lhi do um dos te mas pro pos tos e dê um tí tu lo a seu tex

Leia mais

GUIA DO USUÁRIO. Dome fixo AXIS T90C10 IR-LED. Dome fixo AXIS T90C20 IR-LED PORTUGUÊS

GUIA DO USUÁRIO. Dome fixo AXIS T90C10 IR-LED. Dome fixo AXIS T90C20 IR-LED PORTUGUÊS GUIA DO USUÁRIO Dome fixo AXIS T90C10 IR-LED Dome fixo AXIS T90C20 IR-LED PORTUGUÊS Medidas de segurança Leia com atenção este guia de instalação até o final antes de instalar o produto. Guarde o guia

Leia mais

Selvagens, Exóticos, Demoníacos. Idéias e Imagens sobre uma Gente de Cor Preta

Selvagens, Exóticos, Demoníacos. Idéias e Imagens sobre uma Gente de Cor Preta Selvagens, Exóticos, Demoníacos. Idéias e Imagens sobre uma Gente de Cor Preta Gislene Aparecida dos Santos Resumo Na cul tu ra oci den tal, a cor ne gra está as so ci a da ora a um sen ti - men to de

Leia mais

O MODELO DE WELFARE DA EUROPA DO SUL Reflexões sobre a utilidade do conceito. Pedro Adão e Silva

O MODELO DE WELFARE DA EUROPA DO SUL Reflexões sobre a utilidade do conceito. Pedro Adão e Silva O MODELO DE WELFARE DA EUROPA DO SUL Reflexões sobre a utilidade do conceito Pedro Adão e Silva Resumo Este texto começa por discutir as características comuns do modelo de welfare dos países da Europa

Leia mais

MANUAL DO PROPRIETÁRIO

MANUAL DO PROPRIETÁRIO MANUAL DO PROPRIETÁRIO REFRIGERADOR FHIABA GUIA-RÁPIDO Índice Página Instruções Importantes 00 Instruções importantes de segurança Os requisitos técnicos 00 Características e requisitos na instalação do

Leia mais

ARTISTAS EM REDE OU ARTISTAS SEM REDE? Reflexões sobre o teatro em Portugal. Vera Borges. Para uma investigação sobre o teatro

ARTISTAS EM REDE OU ARTISTAS SEM REDE? Reflexões sobre o teatro em Portugal. Vera Borges. Para uma investigação sobre o teatro ARTISTAS EM REDE OU ARTISTAS SEM REDE? Reflexões sobre o teatro em Portugal Vera Borges Resumo Neste artigo apresentam-se algumas pistas de análise para o estudo das trajectórias individuais da carreira

Leia mais

DEH-X8700DAB DEH-X8700BT

DEH-X8700DAB DEH-X8700BT RECETOR RDS COM LEITOR DE CD Português DEH-X8700DAB DEH-X8700BT Manual de instalação Ligações/ Instalação Ligações Importante Ao instalar a unidade em veículos sem a posição ACC (acessório) na ignição,

Leia mais

Instruções de Utilização Manual do Sistema. Aparelho de comando áudio 1287 00

Instruções de Utilização Manual do Sistema. Aparelho de comando áudio 1287 00 Instruções de Utilização Manual do Sistema Aparelho de comando áudio 1287 00 Índice Informações acerca do sistema...3 Tipologias de montagem...5 Montagem de uma estação externa encastrada...7 Montagem

Leia mais

Kit de Carregador de Bicicleta Nokia. Edição 3.0

Kit de Carregador de Bicicleta Nokia. Edição 3.0 Kit de Carregador de Bicicleta Nokia 2 3 6 1 4 5 8 7 9 10 11 Edição 3.0 12 13 15 14 16 17 18 20 19 21 22 PORTUGUÊS 2010 Nokia. Todos os direitos reservados. Introdução Com o Kit de Carregador de Bicicleta

Leia mais

Fi si o te ra pia re a li za jor na da aca dê mi ca nos 40 anos da pro fis são

Fi si o te ra pia re a li za jor na da aca dê mi ca nos 40 anos da pro fis são Informativo mensal da PUC Minas em Betim nº 91 Agosto de 2009 Fi si o te ra pia re a li za jor na da aca dê mi ca nos 40 anos da pro fis são As ins cri çõ es para apre sen ta ção de pôs ter es tão aber

Leia mais

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS DE ORIGEM IMIGRANTE EM PORTUGAL Oportunidades étnicas e estruturais e recursos pessoais

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS DE ORIGEM IMIGRANTE EM PORTUGAL Oportunidades étnicas e estruturais e recursos pessoais ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS DE ORIGEM IMIGRANTE EM PORTUGAL Oportunidades étnicas e estruturais e recursos pessoais Catarina Reis de Oliveira Introdução A par tir da dé ca da de 1980 o flu xo imi gra tó rio

Leia mais

Casamento, ritual, política social.

Casamento, ritual, política social. CASAR PELO CIVIL OU NA IGREJA Piedade Lalanda Resumo O presente artigo pretende reflectir sobre o casamento, em particular sobre a escolha da forma da celebração, civil ou religiosa. A nossa questão de

Leia mais

A Construção Sociológica da Raça no Brasil 1

A Construção Sociológica da Raça no Brasil 1 A Construção Sociológica da Raça no Brasil 1 Sérgio Costa Resumo Par tin do da cons ta ta ção de que as ads cri ções ra ci a is no Bra sil im - pli cam de si gual da des so ci a is que po dem ser re u

Leia mais

PowerMust Office Fonte de alimentação ininterrupta

PowerMust Office Fonte de alimentação ininterrupta MANUAL DO UTILIZADOR PT PowerMust Office Fonte de alimentação ininterrupta INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA IMPORTANTES GUARDE ESTAS INSTRUÇÕES Este manual contém instruções importantes relativas aos modelos da

Leia mais

Marcação máxima. Observar as informações na placa de características. II 1/2 G. Ex d + e/d IIC Ga/Gb I M 1. Ex d + e I Ma. Certificado Conformidade

Marcação máxima. Observar as informações na placa de características. II 1/2 G. Ex d + e/d IIC Ga/Gb I M 1. Ex d + e I Ma. Certificado Conformidade s relativas às instruções Ao trabalhar em zonas com risco de explosão, a segurança de pessoas e equipamentos depende do cumprimento dos regulamentos de segurança relevantes. As pessoas que são responsáveis

Leia mais

M. J. Ryan. O poder da autoconfiança

M. J. Ryan. O poder da autoconfiança M. J. Ryan O poder da autoconfiança Para a verdade, a beleza e a sabedoria que existem em cada um de nós. E, em particular, para Dawna Markova, que me ensinou a cultivar essas qualidades. Confie em si

Leia mais

1 Indicações de segurança. 2 Estrutura do aparelho. Facility Pilot Server. N.º art. : FAPV-SERVER-REG N.º art. : FAPVSERVERREGGB. Manual de instruções

1 Indicações de segurança. 2 Estrutura do aparelho. Facility Pilot Server. N.º art. : FAPV-SERVER-REG N.º art. : FAPVSERVERREGGB. Manual de instruções Facility Pilot Server N.º art. : FAPV-SERVER-REG Facility Pilot Server N.º art. : FAPVSERVERREGGB Manual de instruções 1 Indicações de segurança A instalação e a montagem de aparelhos eléctricos apenas

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

Instruções de Utilização. Equalizador Instabus de 4 vias 0531 00

Instruções de Utilização. Equalizador Instabus de 4 vias 0531 00 Instruções de Utilização Equalizador Instabus de 4 vias 531 Informações acerca do sistema Este aparelho é um produto do Sistema EIB Instabus e está em conformidade com as normas EIBA. Para a compreensão

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Módulos de função xm10 para Caldeiras de aquecimento Murais, de Chão e para a parede. Para os técnicos especializados Leia atentamente antes da montagem 7 747 005 078 03/003 PT Prefácio

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Modelo: VPJ5.6C V Í DEO PORTEIRO COLORIDO COM CONTROLE DE ACESSO. Especificações sujeitas à mudanças sem aviso prévio

MANUAL DO USUÁRIO. Modelo: VPJ5.6C V Í DEO PORTEIRO COLORIDO COM CONTROLE DE ACESSO. Especificações sujeitas à mudanças sem aviso prévio V Í DEO PORTEIRO COLORIDO COM CONTROLE DE ACESSO Parabéns por adquirir um produto com a qualidade COP! Para mais informações sobre nossa empresa e produtos, Visite o site: www.copbr.com.br Especificações

Leia mais