Aula 11: Análise Dinâmica - 2a. parte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 11: Análise Dinâmica - 2a. parte"

Transcrição

1 Aula 11: Análise Dinâmica - 2a. parte Nesta aula, continuaremos nossa discussão a respeito da análise dinâmica, focando na atividade de teste. Iremos dar uma breve olhada em algumas das noções básicas sobre as quais a atividade de teste está baseada, iremos analisar também as técnicas mais utilizadas na prática. No final, iremos reunir algumas diretrizes para lhe ajudar em seu próprio trabalho de testes Testando Os testes são muito mais efetivos, e menos dolorosos, se você utilizar uma abordagem sistemática. Antes de você começar, pense a respeito dos seguintes itens: quais propriedades você quer testar e para quê; quais módulos você quer testar, e em qual ordem você os irá testar; como você vai gerar casos de teste; como você irá checar os resultados; quando você vai saber que o trabalho está terminado. Para se decidir quais propriedades testar, e quais testes executar sobre estas propriedades, será necessário conhecimento a respeito do domínio do problema, visando compreender quais tipos de falhas serão consideradas as mais sérias, e será necessário também, conhecimento do programa, visando entender qual será a dificuldade em se detectar a variedade dos erros. A escolha dos módulos é direta. Você deve testar, especialmente, os módulos que são críticos, que são complexos, ou que foram escritos pelo pior dos seus programadores (ou por aquele que mais adora utilizar truquezinhos dentro do código). Ou, talvez, o módulo que foi escrito tarde da noite, ou em cima da data de lançamento... O diagrama de dependência modular ajuda a determinar a ordem. Se o seu módulo depende de um módulo que ainda não foi implementado, você precisará escrever um stub (o esqueleto de um módulo, que no máximo simula seu funcionamento) que irá fazer o papel do módulo que está faltando durante os testes. O stub fornece comportamento suficiente para os testes a serem realizados. Ele pode, por exemplo, procurar respostas em uma tabela ao invés de realizar a computação verdadeira. A checagem dos resultados pode ser difícil. Alguns programas - como o Foliotracker que você estará construindo nos exercícios 5 e 6 - nem mesmo possuem comportamento repetitivo. Para outros programas, os resultados são apenas a ponta do iceberg, e para se certificar que as coisas estão realmente funcionando, você terá que checar estruturas internas. Mais adiante, iremos discutir 118

2 questões sobre como gerar casos de teste e como saber quando o trabalho está completo Testes de Regressão É muito importante ser capaz de reexecutar seus testes quando você modificar seu código. Por esta razão, não é uma idéia muito boa realizar testes específicos que não podem ser repetidos. Pode parecer um trabalho árduo, mas em longo prazo, é muito menos trabalhoso construir um conjunto prático de testes, isto é, um suíte de testes que podem ser reexecutados a partir de um arquivo. Tais testes são conhecidos como testes de regressão. Uma abordagem de testes conhecida pelo nome de 'test first programming', e que é parte do novo tratado de desenvolvimento conhecido como 'extreme programming', encoraja a construção de testes de regressão antes mesmo de se escrever qualquer código da aplicação. JUnit, oframework de testes que você tem utilizado, foi projetado para a isto. A construção de testes de regressão para um sistema grande é um ótimo negócio. É possível que a execução dos scripts de testes leve até uma semana. Por conta disto, uma área de pesquisas de muito interesse atualmente é a que tenta descobrir quais testes de regressão podem ser omitidos. Se você souber quais casos de teste testam quais partes do código, você pode ser capaz de determinar que uma alteração local em uma parte do código não exige que todos os casos sejam reexecutados Normas Para se compreender como os testes são gerados e avaliados, podemos pensar de maneira abstrata a respeito do propósito e da natureza das atividades de teste. Suponha que temos um programa P que, espera-se, satisfaça a uma especificação S. Vamos assumir, por simplicidade, que P é uma função que transforma entradas de dados em saídas de dados, e S é uma função que recebe uma entrada de dados e uma saída de dados, retornando um tipo boolean. Nosso objetivo na realização dos testes é encontrar um caso de teste t tal que S (t, P(t)) é falso: ou seja, P produz um resultado para a entrada t quenãoépermitidopors. Iremos denominar t como um 'caso de teste falho', apesar de se tratar, na verdade, de um caso de teste de sucesso, pois nosso objetivo é encontrar erros! UmsuítedetestesT é um conjunto de casos de teste. Fazemos, então, a seguinte pergunta: quando um suíte pode ser considerado bom o suficiente? Ao invés de tentamos avaliar cada suíte de testes 119

3 de uma forma dependente da situação, podemos aplicar uma norma geral. Você pode pensar em uma norma como uma função: C: Suite, Program, Spec Boolean que recebe um suíte de testes, um programa, e uma especificação, retornando true ou false de acordo com o fato do suíte de testes ser bom o suficiente para avaliar o programa e a especificação fornecidos, o que deve ser feito de maneira sistemática. A maioria das normas não envolve, ambos, o programa e a especificação. Uma norma que envolve apenas o programa é denominada norma program-based (baseada em programa). Outros termos também são usados como 'whitebox', 'clearbox', 'glassbox', ou 'structural testing' para se descrever testes que utilizam as normas do tipo program-based. Uma norma que envolve apenas a especificação é denominada norma specification-based (baseada em especificação). O termo 'blackbox testing' é utilizado em associação com o termo specificationbased, para sugerir que os testes são julgados sem que se possa analisar a parte interna do programa. Você pode escutar também o termo 'functional testing' Subdomínios Normas práticas tendem a ter uma estrutura particular e propriedades. Por exemplo, elas podem aceitar um suíte de testes T, mas rejeitar um suíte de testes T' queéigualat, possuindo apenas alguns casos de teste extras. As normas práticas também tendem a não ser sensíveis a quais combinações de testes são escolhidas. Estas características não são, necessariamente, boas propriedades; elas apenas surgiram a partir da maneira simples a partir da qual as normas são definidas. O domínio de dados de entrada é dividido em regiões normalmente chamadas de subdomínios, cada um dos quais contendo um conjunto de entradas. Os subdomínios juntos englobam todo o domínio de dados de entrada - ou seja, toda entrada está em pelo menos um subdomínio. Uma divisão do domínio de dados de entrada em subdomínios define uma norma implícita: que define que deva existir pelo menos um caso de teste para cada subdomínio. Subdomínios, normalmente, não são disjuntos, portanto, um único caso de teste pode estar em vários subdomínios. A intuição por trás dos subdomínios pode ser compreendida em duas partes. Primeiro, é uma maneira fácil (pelo menos conceitualmente) de se determinar se um suíte de testes é bom o suficiente. Segundo, esperamos que, ao exigir um caso de teste de cada subdomínio, faremos com 120

4 que os testes sejam orientados às regiões mais propensas a revelar bugs. Intuitivamente, cada subdomínio representa um conjunto de casos de teste similares; desejamos maximizar o benefício de nossa atividade de teste escolhendo casos de teste que não sejam similares - ou seja, casos de teste de diferentes subdomínios. No melhor caso, um subdomínio pode ser considerado revelador. Isto significa que todo caso de teste pertencente a este subdomínio faz com que o programa ou falhe ou tenha sucesso. O subdomínio, portanto, agrupa casos de teste verdadeiramente equivalentes. Se todos os subdomínios são reveladores, um suíte de testes que satisfaz à norma implícita estará completo, pois teremos a certeza de que o suíte irá encontrar qualquer bug. Na prática, no entanto, é muito difícil conseguir subdomínios reveladores, mas através de uma escolha cuidadosa dos subdomínios é possível ter-se, no mínimo, alguns subdomínios cuja taxa de erros - a proporção de entradas de dados que levam a saídas de dados erradas - é bem maior que a média de erros do domínio de dados de entrada como um todo Norma de Subdomínio A norma padrão e mais amplamente utilizada para a atividade de teste do tipo program-based é denominada 'statement coverage', ou 'cobertura das sentenças': que define que toda a sentença de um programa deve ser executada pelo menos uma vez. Você pode perceber, através da definição da norma, por que ela é considerada uma norma de subdomínio: defina para cada sentença do programa um conjunto de entradas que fazem com que esta sentença seja executada, e escolha no mínimo um caso de teste para cada subdomínio. Obviamente, o subdomínio nunca é, explicitamente, construído; trata-se de uma noção conceitual. Ao invés disso, tipicamente, executase uma versão instrumentada do programa que registra cada sentença executada. Deve-se continuar acrescentando casos de teste até que todas as sentenças sejam executadas. Existem outras normas ainda mais trabalhosas do que o statement coverage. A norma denominada 'decision coverage', por exemplo, requer que todas as arestas do gráfico do fluxo de controle do programa sejam executadas - é como exigir que todos os ramos de um programa sejam executados. Não é tão óbvio o porquê desta abordagem ser considerada mais trabalhosa do que o statement coverage. Pois, então, considere aplicar esta norma a um procedimento que retorna o menor de dois números: static int minimum (int a, int b) { if (a b) return a; else return b; 121

5 Para este código, statement coverage, irá exigir entradas com a menor do que b evice-versa.no entanto, para o código static int minimum (int a, int b) { intresult=b; if (b a) result = b; return result; um único caso de teste com b menor do que a irá satisfazer a norma statement coverage, masnão poderíamos identificar o bug que está presente no código. Para satisfazer à norma decision coverage seria exigido um caso (um ramo) no qual o comando if não seja executado, expondo, desta forma, o bug. Existem muitas formas de 'condition coverage' que exigem, de diversas formas, que as expressões boolenas testadas como condição sejam avaliadas tanto para true como para false. Uma forma particular de condition coverage conhecida como MCDC, é exigida por um padrão denominado DoD específico para softwares de segurança crítica, como os da aviação. Este padrão, o DO-178B, classifica as falhas em três níveis, e requer um diferente nível de cobertura para cada nível: Nível C: a falha reduz a margem de segurança Exemplo: link de dados via rádio Requer: statement coverage Nível B: a falha reduz a capacidade da aeronave ou da tripulação Exemplo: GPS Requer: decision coverage Nível A: a falha causa a perda da aeronave Exemplo: sistema de gerenciamento de vôo Requer: MCDC coverage Uma outra forma de norma de subdomínio do tipo program-based é utilizada em testes denominados boundary testing, ou testes limite. Estes tipos de testes exigem que os casos extremos para toda sentença condicional sejam avaliados. Por exemplo, se o seu programa testa x<n, seriam necessários casos de teste que produzissem x=n, x=n-1, ex=n

6 Normas do tipo specification-based são, também, muitas vezes moldadas em termos de subdomínios. Pelo fato de que as especificações são, normalmente, informais - ou seja, não são escritas em nenhuma notação muito precisa - as normas tendem a ser um tanto vagas. A abordagem mais comum é definir subdomínios de acordo com a estrutura da especificação e de acordo com os valores dos tipos de dados subjacentes. Por exemplo, os subdomínios de um método que insere um elemento em um conjunto podem ser: o conjunto é vazio o conjunto é não vazio e o elemento não está no conjunto oconjuntoénãovazioeoelementoestánoconjunto. Você pode, também, utilizar na especificação qualquer estrutura condicional para guiá-lo na divisão do domínio de dados de entrada em subdomínios. Além disso, na prática, as pessoas incumbidas de realizar os testes utilizam seu conhecimento a respeito dos tipos de erros que muitas vezes surgem no código. Por exemplo, se você estiver testando um procedimento que encontra um elemento em um array, você, provavelmente, irá colocar o elemento de teste no início, no meio e no fim, simplesmente porque estes casos são propensos a ser manipulados diferentemente no código Viabilidade Cobertura total é raramente possível. De fato, mesmo que se alcance 100% das sentenças do código, é normalmente impossível alcançar a cobertura total. No mínimo, esta impossibilidade ocorre em razão de código decorrente de programação defensiva, código que, em grande parte, nunca é executado. As operações de um tipo abstrato de dado, que não possuem nenhum cliente, também não serão testadas pelos casos de teste, independente do rigor aplicado; no entanto, estes testes podem ser executados por testes de unidade. Uma norma é considerada viável se for possível satisfazê-la. Na prática, as normas normalmente não são viáveis. Em termos de subdomínio, elas contêm subdomínios vazios. A questão prática é determinar se um subdomínio particular é vazio ou não; se for vazio, não há razão em se procurar um caso de teste que o satisfaça. Falando de forma geral, quanto mais elaborada a norma, mais difícil é a sua determinação. Por exemplo, a norma denominada path coverage exige que todos os caminhos do programa sejam executados. Suponha que o programa se pareça com isto: 123

7 if C1 then S1; if C2 then S2; então, para se determinar se o caminho S1;S2 é viável, precisamos determinar se as condições C1 e C2 podem, ambas, serem verdadeiras. Para um programa complexo, esta não é uma tarefa trivial e, no pior caso, não é mais fácil do que determinar seu programa está correto, ou não, através do raciocínio! A despeito destes problemas, a idéia de se cobrir as possibilidades do programa é muito importante na prática. Se existe um número significante de partes do seu programa que nunca foram executadas, não há como se ter muita certeza que este programa está correto! 11.7 Diretrizes Práticas Deve estar claro porque nem as normas program-based, nem as normas specification-based são, se utilizadas isoladamente, boas o suficiente. Se você apenas olhar o programa, você não identificará erros por ser omisso. Se você olhar apenas a especificação, você não irá identificar os erros que surgem em decorrência de problemas de implementação, como, por exemplo, quando os limites de um determinado recurso computacional são alcançados, ocasião quando um procedimento de compensação é necessário. Na implementação da classe ArrayList do Java, por exemplo, o array da representação é substituído quando fica cheio. Para se testar este comportamento, será necessário inserir uma quantidade suficiente de elementos para que o array fique cheio. A experiência sugere que a melhor forma de se desenvolver um suíte de testes é utilizando-se normas do tipo specification-based para guiar o desenvolvimento do suíte e, para testar o suíte, é melhor que se utilizem normas do tipo program-based. Assim, você será capaz de examinar a especificação, e capaz de definir subdomínios de entrada. Baseando-se nessas premissas, você pode escrever os casos de teste. Então, você executa os casos de teste, e mede a cobertura dos testes em relação ao código. Se a cobertura não for adequada, basta que se adicionem novos casos de teste. Nos padrões industriais, você utilizaria uma ferramenta especial para medir a cobertura dos testes em relação ao código. No curso 6170, não exigiremos que você aprenda a utilizar qualquer ferramenta. Ao invés disso, você deve apenas escolher casos de teste suficientemente elaborados para que possa argumentar que alcançou uma cobertura considerável do código. As certificações em tempo de execução, especialmente as que representam checagens de invariante, irão dramaticamente aumentar o poder dos seus testes. Você irá encontrar mais bugs e poderá solucioná-los mais facilmente. 124

a) Teste das funções do sistema com outros sistemas b) Teste de componentes que em conjunto compõem a função do sistema

a) Teste das funções do sistema com outros sistemas b) Teste de componentes que em conjunto compõem a função do sistema Simulado CTFL- BSTQB Tempo de duração: 60 minutos 1. Considerando as seguintes afirmações: I. 100% de cobertura de sentença (comando) garante 100% de cobertura de desvio II. 100% de cobertura de desvio

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Técnicas de Teste de Software

Técnicas de Teste de Software Técnicas de Teste de Software Fabrício Sousa fabricio@uesb.br Projeto de Caso de Teste Conjunto de técnicas para criação de casos de testes Série de casos de testes que tem grande probabilidade de encontrar

Leia mais

6.170 Revisão para a Prova

6.170 Revisão para a Prova 6.170 Revisão para a Prova Tópicos: 1. Desacoplamento 2. Abstração de dados 3. Funções de Abstração e Invariantes de Representação 4. Abstração de Iteração & Iteradores 5. Modelos de Objeto e Invariantes

Leia mais

Como melhorar a Qualidade de Software através s de testes e nua. Cláudio Antônio de Araújo 22/11/2008

Como melhorar a Qualidade de Software através s de testes e nua. Cláudio Antônio de Araújo 22/11/2008 Como melhorar a Qualidade de Software através s de testes e integração contínua. nua. Cláudio Antônio de Araújo 22/11/2008 Objetivos Fornecer uma visão geral da área de testes de software, com ênfase em

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral Capítulo 1 Extreme Programming: visão geral Extreme Programming, ou XP, é um processo de desenvolvimento de software voltado para: Projetos cujos requisitos são vagos e mudam com freqüência; Desenvolvimento

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software

Processos de Desenvolvimento de Software Processos de Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Projetos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

Teste de software. Definição

Teste de software. Definição Definição O teste é destinado a mostrar que um programa faz o que é proposto a fazer e para descobrir os defeitos do programa antes do uso. Quando se testa o software, o programa é executado usando dados

Leia mais

1. Qual das seguintes alternativas não é um tipo de revisão? 2. Qual das alternativas é um atributo da qualidade?

1. Qual das seguintes alternativas não é um tipo de revisão? 2. Qual das alternativas é um atributo da qualidade? Simulado CTFL- BSTQB Tempo de duração: 30 minutos 1. Qual das seguintes alternativas não é um tipo de revisão? a) Acompanhamento b) Revisão técnica c) Revisão informal d) Aprovação da gerência 2. Qual

Leia mais

Sumário. Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões. Testes de Software 2

Sumário. Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões. Testes de Software 2 Testes de Software Sumário Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões Testes de Software 2 Objectivos Verificação o programa está de acordo com a especificação (construímos bem o produto?) Validação

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Testar os programas para estabelecer a presença de defeitos no sistema. Teste de Software. Teste de defeitos. Objetivos. Tópicos

Testar os programas para estabelecer a presença de defeitos no sistema. Teste de Software. Teste de defeitos. Objetivos. Tópicos Teste de defeitos Teste de Software Testar os programas para estabelecer a presença de defeitos no sistema Ian Sommerville 2000 Software Engineering, 6th edition. Chapter 20 Slide 1 Ian Sommerville 2000

Leia mais

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos White Paper TenStep 2007 Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos Não há nenhuma duvida

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

1.6. Tratamento de Exceções

1.6. Tratamento de Exceções Paradigmas de Linguagens I 1 1.6. Tratamento de Exceções Uma exceção denota um comportamento anormal, indesejado, que ocorre raramente e requer alguma ação imediata em uma parte do programa [GHE 97, DER

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Roteiro Inspeção Defeitos dos Software Classificação dos Erros Técnica de Leitura Ad-hoc Checklist Exercício Inspeção Inspeção de Software Definição É um método de análise estática

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 Extreme Programming (XP); DAS (Desenvolvimento Adaptativo de Software)

Leia mais

1/26/2009. Baseadas em http://www.voelter.de/services/mdsdtutorial.html. Experiência pessoal/profissional/acadêmica

1/26/2009. Baseadas em http://www.voelter.de/services/mdsdtutorial.html. Experiência pessoal/profissional/acadêmica Baseadas em http://www.voelter.de/services/mdsdtutorial.html Experiência pessoal/profissional/acadêmica 1 Metamodelo UML Meu Metamodelo Meu processo de negócios Meu processo de negócios Stereotypes Perfis

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

Common Core Standards

Common Core Standards Common Core Standards O Common Core nos estados EDUCATION WEEK Estados que adotaram o Common Core (43 + DC) Estados que não adotaram o Common Core (4) Estados que adotaram o Common Core em apenas uma matéria

Leia mais

Feature-Driven Development

Feature-Driven Development FDD Feature-Driven Development Descrição dos Processos Requisitos Concepção e Planejamento Mais forma que conteúdo Desenvolver um Modelo Abrangente Construir a Lista de Features Planejar por

Leia mais

UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009)

UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009) GESTÃO DE PROCESSOS UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009) 1. O QUE É PROCESSO? Processos têm sido considerados uma importante ferramenta de gestão, um instrumento capaz de aproximar

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.ufma.br

Leia mais

Java Como Programar, 8/E

Java Como Programar, 8/E Capítulo 5 Instruções de controle: Parte 2 Java Como Programar, 8/E (C) 2010 Pearson Education, Inc. Todos os 5.1 Introdução Instrução de repetição for Instrução de repetição do while Instrução de seleção

Leia mais

Aula 05 Raciocínio Lógico p/ INSS - Técnico do Seguro Social - Com Videoaulas

Aula 05 Raciocínio Lógico p/ INSS - Técnico do Seguro Social - Com Videoaulas Aula 05 Raciocínio Lógico p/ INSS - Técnico do Seguro Social - Com Videoaulas Professor: Arthur Lima AULA 05: RESUMO Caro aluno, Para finalizar nosso curso, preparei um resumo de toda a teoria vista nas

Leia mais

Aula 27 Testes Caixa Branca. Alessandro Garcia Willian Oizumi LES/DI/PUC-Rio Novembro 2014

Aula 27 Testes Caixa Branca. Alessandro Garcia Willian Oizumi LES/DI/PUC-Rio Novembro 2014 Aula 27 Testes Caixa Branca Alessandro Garcia Willian Oizumi LES/DI/PUC-Rio Novembro 2014 Especificação Objetivo dessa aula Apresentar os conceitos básicos utilizados ao testar módulos Apresentar 3 critérios

Leia mais

Introdução. Módulo 1: Necessidade de Informação, introdução

Introdução. Módulo 1: Necessidade de Informação, introdução 1 Introdução Objetivo Este módulo ajudará os gerentes a identificarem as necessidades de informação, a definirem prioridades, e a determinarem que módulos do PAG APS serão mais úteis para eles. A planilha

Leia mais

3.5. Cuidado com o modelo anêmico

3.5. Cuidado com o modelo anêmico 3.5. Cuidado com o modelo anêmico public Periodo adiaumasemana() { Calendar novofim = (Calendar) this.fim.clone(); novofim.add(calendar.day_of_month, 7); return new Periodo(inicio, novofim); E, com uma

Leia mais

BCC202 - Estrutura de Dados I

BCC202 - Estrutura de Dados I BCC202 - Estrutura de Dados I Aula 04: Análise de Algoritmos (Parte 1) Reinaldo Fortes Universidade Federal de Ouro Preto, UFOP Departamento de Ciência da Computação, DECOM Website: www.decom.ufop.br/reifortes

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

1 Revisão: Construção de fórmulas

1 Revisão: Construção de fórmulas 1 Revisão: Construção de fórmulas Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Introdução...3 Como efetuar uma operação...3 Construindo

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO)

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Parte: 1 Prof. Cristóvão Cunha Objetivos de aprendizagem

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1

QUALIDADE DE SOFTWARE. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1 Objetivos Apresentar o processo de gerenciamento de qualidade e as atividades centrais da garantia de

Leia mais

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Fundamentos em Teste de Software Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Objetivos do treinamento 1. Expor os fundamentos de Teste de Software; 2. Conceituar os Níveis de Teste; 3. Detalhar sobre

Leia mais

Subtipos e Subclasses

Subtipos e Subclasses Subtipos e Subclasses Aula 15 do curso 6.170 15 de outubro de 2001 Sumário 1Subtipos 32 2 Exemplo: Bicicletas 33 3 Exemplo: Quadrado e retângulo 37 4 Princípio de substituição 38 5 Subclasses e subtipos

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Teste de Regressão. R. Anido Baseado em notas de aulas da profa. Eliane Martins

Teste de Regressão. R. Anido Baseado em notas de aulas da profa. Eliane Martins Teste de Regressão R. Anido Baseado em notas de aulas da profa. Eliane Martins Testes de Regressão Objetivo Utilização Falhas de regressão Manutenção do conjunto de testes Redução do conjunto de testes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 6 Teste Dinâmico: Técnicas de Especificação SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 TÉCNICAS BASEADAS

Leia mais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Monitores Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Embora os semáforos sejam uma boa solução para o problema da exclusão mútua, sua utilização não é trivial. O programador é obrigado a

Leia mais

Aula 06 Introdução à Teste de Módulos II e Exercícios. Alessandro Garcia LES/DI/PUC-Rio Março 2014

Aula 06 Introdução à Teste de Módulos II e Exercícios. Alessandro Garcia LES/DI/PUC-Rio Março 2014 Aula 06 Introdução à Teste de Módulos II e Exercícios Alessandro Garcia LES/DI/PUC-Rio Março 2014 Princípios Discutidos até aqui Cada módulo deveria implementar uma única abstração similarmente: cada função

Leia mais

Aula 5 Metodologias de avaliação de impacto

Aula 5 Metodologias de avaliação de impacto Aula 5 Metodologias de avaliação de impacto Metodologias de Avaliação de Impacto Objetiva quantificar as mudanças que o projeto causou na vida dos beneficiários. Plano de Aula Método experimental: regressão

Leia mais

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte Sintaxe e Semântica mleal@inf.puc-rio.br Fases da Compilação programa fonte tokens parse tree árvore anotada ou outra forma intermediária código intermediário código objeto código objeto otimizado scanner

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CMP1132 Processo e qualidade de software II Prof. Me. Elias Ferreira Sala: 402 E Quarta-Feira:

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 01 INTRODUÇÃO A TESTES DE SOFTWARE Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático do Curso Introdução a Testes de Software Técnicas de Testes de Software

Leia mais

Javascript 101. Parte 2

Javascript 101. Parte 2 Javascript 101 Parte 2 Recapitulando O Javascript é uma linguagem de programação funcional Os nossos scripts são executados linha a linha à medida que são carregados. O código que está dentro de uma função

Leia mais

DIM0436. 26. Testes de caixa branca Cobertura estrutural DIM0436 20141104 1 / 37

DIM0436. 26. Testes de caixa branca Cobertura estrutural DIM0436 20141104 1 / 37 DIM0436 26. Testes de caixa branca Cobertura estrutural 20141104 DIM0436 20141104 1 / 37 Sumário 1 Introdução 2 Cobertura do fluxo de controle 3 Cobertura do fluxo de dados DIM0436 20141104 2 / 37 1 Introdução

Leia mais

Como Processos Criam Valor?

Como Processos Criam Valor? Como Processos Criam Valor? Eu comecei este Advisor há um mês. Li um artigo sobre processos e valor que pensei estar inadequado e decidi ver se eu poderia disponibilizar uma descrição mais clara e compreensível.

Leia mais

Juciara Nepomuceno de Souza Rafael Garcia Miani. Teste de Software

Juciara Nepomuceno de Souza Rafael Garcia Miani. Teste de Software Juciara Nepomuceno de Souza Rafael Garcia Miani Teste de Software Técnicas de Teste de Software Testabilidade Operabilidade; Observabilidade; Controlabilidade; Decomponibilidade; Simplicidade; Estabilidade;

Leia mais

Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes

Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes Pág 4 Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes 1 APRESENTAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR A unidade curricular de Lógica para a programação tem como objetivo promover o estudo dos principais

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Introdução à Programação. Interface, Polimorfismo e Dynamic Binding

Introdução à Programação. Interface, Polimorfismo e Dynamic Binding Introdução à Programação Interface, Polimorfismo e Dynamic Binding Interface Programador Java PLENO Possuir sólida experiência em programação Desenvolvimento na linguagem JAVA Webservice, Struts ou JSF(desejável)

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MICROSOFT DYNAMICS AX 4.0 FINANCEIRO I

INTRODUÇÃO AO MICROSOFT DYNAMICS AX 4.0 FINANCEIRO I Introdução INTRODUÇÃO AO MICROSOFT DYNAMICS AX 4.0 FINANCEIRO I E-Learning O treinamento é um componente vital para a retenção do valor de investimento do seu Microsoft Dynamics. Um treinamento de qualidade,

Leia mais

Avaliação de Interfaces Humano- Computador

Avaliação de Interfaces Humano- Computador Avaliação de Interfaces Humano- Computador Classificação de métodos de avaliação Inspeção de usabilidade Não envolve usuários Usado em qualquer fase do desenvolvimento do sistema Testes de usabilidade

Leia mais

COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO 1. Artur Polónio CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA

COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO 1. Artur Polónio CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA 1 Artur Polónio Índice 1. O que é um ensaio filosófico? 2. O que se espera que um estudante mostre ao escrever um ensaio? 3. Como escolher o título do ensaio? 4. Como se prepara um ensaio? 5. Como se deve

Leia mais

MEDIDA E ANÁLISE DE DESEMPENHO AULA 14 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

MEDIDA E ANÁLISE DE DESEMPENHO AULA 14 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade MEDIDA E ANÁLISE DE DESEMPENHO AULA 14 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização de Computadores Linda

Leia mais

ARRAYS. Um array é um OBJETO que referencia (aponta) mais de um objeto ou armazena mais de um dado primitivo.

ARRAYS. Um array é um OBJETO que referencia (aponta) mais de um objeto ou armazena mais de um dado primitivo. Cursos: Análise, Ciência da Computação e Sistemas de Informação Programação I - Prof. Aníbal Notas de aula 8 ARRAYS Introdução Até agora, utilizamos variáveis individuais. Significa que uma variável objeto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Noções de Pesquisa e Amostragem. André C. R. Martins

Noções de Pesquisa e Amostragem. André C. R. Martins Noções de Pesquisa e Amostragem André C. R. Martins 1 Bibliografia Silva, N. N., Amostragem probabilística, EDUSP. Freedman, D., Pisani, R. e Purves, R., Statistics, Norton. Tamhane, A. C., Dunlop, D.

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Exemplo da Solução 1 da Lição de Casa 1.264 Exemplo de distribuição de peças da aeronave

Exemplo da Solução 1 da Lição de Casa 1.264 Exemplo de distribuição de peças da aeronave Exemplo da Solução 1 da Lição de Casa 1.264 Exemplo de distribuição de peças da aeronave Esta é uma solução apresentada em forma de esboço somente, e não abrange todas as formas e detalhes. Ela define

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Curso de Linguagem C

Curso de Linguagem C Curso de Linguagem C 1 Aula 1 - INTRODUÇÃO...4 AULA 2 - Primeiros Passos...5 O C é "Case Sensitive"...5 Dois Primeiros Programas...6 Introdução às Funções...7 Introdução Básica às Entradas e Saídas...

Leia mais

Engenharia de Software. Ficha T. Prática nº 9

Engenharia de Software. Ficha T. Prática nº 9 Objectivo: Testes de software Engenharia de Software Ficha T. Prática nº 9 Fonte: Eng. De Software, Colecção Schaum 1. Introdução Teste de software é a execução do software com os dados de testes actuais.

Leia mais

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Msc. Hélio Esperidião O QUE É UM ALGORITMO? É qualquer procedimento computacional bem definido que informa algum valor ou conjunto de valores como entrada

Leia mais

Tutorial 5 Questionários

Tutorial 5 Questionários Tutorial 5 Questionários A atividade Questionário no Moodle pode ter várias aplicações, tais como: atividades de autoavaliação, lista de exercícios para verificação de aprendizagem, teste rápido ou ainda

Leia mais

Batalha Naval Algoritmos de Busca. Correlações curriculares Matemática: Números: maior que, menor que, iguais a.

Batalha Naval Algoritmos de Busca. Correlações curriculares Matemática: Números: maior que, menor que, iguais a. Atividade 6 Batalha Naval Algoritmos de Busca Sumário Computadores são freqüentemente requisitados a encontrar informação em grandes coleções de dados. Estes precisam desenvolver métodos rápidos e eficientes

Leia mais

B.I.S.T. Built-In Self Test

B.I.S.T. Built-In Self Test Instituto Superior de Engenharia do Porto Mestrado de Engenharia Electrotécnica Automação e Sistemas Disciplina de Síntese Alto Nível de Componentes Programáveis B.I.S.T. Built-In Self Test Elaborado por:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 11 APRESENTAÇÃO Nesta aula serão discutidos os conceitos relacionados

Leia mais

INCENTIVE A SUA CRIATIVIDADE E EVITE ADIAMENTOS. Baseado em texto de Shelly Dorsey

INCENTIVE A SUA CRIATIVIDADE E EVITE ADIAMENTOS. Baseado em texto de Shelly Dorsey INCENTIVE A SUA CRIATIVIDADE E EVITE ADIAMENTOS Baseado em texto de Shelly Dorsey INCENTIVE A SUA CRIATIVIDADE E EVITE ADIAMENTOS Você batalhou muito para chegar à pósgraduação e agora que você está aqui,

Leia mais

Engenharia de Requisitos de Software

Engenharia de Requisitos de Software Engenharia de Requisitos de Software Marcelo Otone Aguiar, MSc, PMP PROJETOS 1 O que é Projeto Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. PMI

Leia mais

Como Eu Começo meu A3?

Como Eu Começo meu A3? Como Eu Começo meu A3? David Verble O pensamento A3 é um pensamento lento. Você está tendo problemas para começar seu A3? Quando ministro treinamentos sobre o pensamento, criação e uso do A3, este assunto

Leia mais

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e MÓDULO 2 - AULA 13 Aula 13 Superfícies regradas e de revolução Objetivos Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas

Leia mais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Threads Threads são linhas de execução dentro de um processo. Quando um processo é criado, ele tem uma única linha de execução, ou thread. Esta

Leia mais

MC-102 Aula 01. Instituto de Computação Unicamp

MC-102 Aula 01. Instituto de Computação Unicamp MC-102 Aula 01 Introdução à Programação de Computadores Instituto de Computação Unicamp 2015 Roteiro 1 Por que aprender a programar? 2 Hardware e Software 3 Organização de um ambiente computacional 4 Algoritmos

Leia mais

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Introdução O computador como ferramenta indispensável: Faz parte das nossas vidas; Por si só não faz nada de útil; Grande capacidade de resolução

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos 1. Domínio e Aplicação Orientação a Objetos Um domínio é composto pelas entidades, informações e processos relacionados a um determinado contexto. Uma aplicação pode ser desenvolvida para automatizar ou

Leia mais

Aula 4 Estatística Conceitos básicos

Aula 4 Estatística Conceitos básicos Aula 4 Estatística Conceitos básicos Plano de Aula Amostra e universo Média Variância / desvio-padrão / erro-padrão Intervalo de confiança Teste de hipótese Amostra e Universo A estatística nos ajuda a

Leia mais

3 Qualidade de Software

3 Qualidade de Software 3 Qualidade de Software Este capítulo tem como objetivo esclarecer conceitos relacionados à qualidade de software; conceitos estes muito importantes para o entendimento do presente trabalho, cujo objetivo

Leia mais

O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Thayssa Stefane Macedo Nascimento Graduanda do curso de Pedagogia da UFPI RESUMO O presente trabalho discute acerca da avaliação na educação infantil tendo como

Leia mais

CAPÍTULO 4. AG8 Informática

CAPÍTULO 4. AG8 Informática 2ª PARTE CAPÍTULO 4 Este capítulo têm como objetivo: 1. Tratar das etapas do projeto de um Website 2. Quais os profissionais envolvidos 3. Administração do site 4. Dicas para não cometer erros graves na

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ENGENHARIA DO PRODUTO FABIANO RAMOS DOS SANTOS SERGIO DA COSTA FERREIRA JOELSON

Leia mais

O que é qualidade? Qualidade de Software (2011.0) Prof. Me. José Ricardo Mello Viana

O que é qualidade? Qualidade de Software (2011.0) Prof. Me. José Ricardo Mello Viana O que é qualidade? Qualidade de Software (2011.0) Prof. Me. José Ricardo Mello Viana Conteúdo 1. Introdução 2. História 3. A crise do software 4. Papel da subjetividade 5. Qualidade e bugs I 6. Um erro

Leia mais

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais