11 Vamos dar uma voltinha?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "11 Vamos dar uma voltinha?"

Transcrição

1 A U A UL LA Vamos da uma votinha? A patinadoa desiza sobe o geo, baços estendidos, movimentos eves, música suave. De epente encohe os baços junto ao copo, gia veozmente como um pião, vota a estende os baços e páa po aguns instantes. O púbico, encantado, apaude. Cistiana, comovida, assiste à cena pea teevisão. Então, uma pegunta he ocoe. Po que sempe que giam desse jeito os patinadoes encohem os baços e, quando queem paa, votam a estendê-os? Seá que isso tem aguma coisa a ve com a Física? É cao que sim. Tudo tem a ve com a Física. Se ea fize essa pegunta a um físico, ee povavemente he diá que a patinadoa encohe os baços paa gia mais depessa, devido ao pincípio da consevação do momento angua. É uma foma compicada de expica uma idéia azoavemente simpes. Suponha que um copo está giando e não há nenhuma ação extena atuando sobe ee. Quanto mais concentada a massa desse copo estive no seu eixo de otação, mais apidamente ee pode gia, ou vice-vesa. Se a distibuição da massa se afasta do eixo de otação, ee vai gia mais entamente. Figua 1a Obseve a Figua 1a. Com os baços encohidos, a massa da patinadoa está mais concentada junto ao seu eixo de otação, po isso ea gia mais apidamente do que com os baços abetos. Abindo os baços, ea distibui sua massa de foma a afastá-a ao máximo do seu eixo de otação. Assim, o seu movimento fica mais ento e mais fáci de paa. Uma demonstação expeimenta muito inteessante pode iusta essa afimação.

2 A U L A Figua 1b Obseve a Figua 1b. Uma pessoa sentada numa cadeia giatóia, seguando dois hatees com os baços estendidos, é posta a gia. Se ea encohe os baços, tazendo os hatees paa junto do seu copo, a apidez do seu movimento de otação aumenta. Se ea vota a estendê-os, a apidez diminui, sem que paa isso tenha sido feita quaque ação extena. Essa compensação ente apidez de otação e distibuição de massa é expicada peo ta pincípio da consevação do momento angua. Mas essas não são as únicas caacteísticas inteessantes do movimento de otação. Um pião, po exempo, só pode pemanece em equiíbio enquanto gia; as bicicetas só podem se mante em equiíbio devido ao movimento de otação de suas odas. Figua 2 Veja na Figua 2 que, gaças à otação, o pião se mantém em pé sozinho, em equiíbio, apoiado apenas numa extemidade do seu eixo. A pópia Tea mantém constante a incinação do seu eixo gaças ao seu movimento de otação. O movimento de otação está sempe pesente em nosso dia-a-dia. Todos os veícuos têm odas, quase todas as máquinas têm eixos e poias que giam igadas po coeias e engenagens. Infeizmente, nem todos os aspectos da otação podeão se estudados neste cuso. Muitos exigem uma fomuação matemática muito compicada, mas agumas noções básicas necessáias à sua compeensão seão vistas aqui. Rotação: um movimento peiódico Imagine uma oda de biciceta ou a poia de um moto giando. Duante esse movimento, cada ponto da oda ou da poia desceve cicunfeências, continuamente. Em outas paavas, duante o movimento, cada ponto passa epetidas vezes pea mesma posição. Po isso, o movimento de otação é consideado um movimento peiódico. O númeo de cicunfeências, ou cicos, descitos numa unidade de tempo é a feqüência desse movimento. Assim, se cada ponto da poia de um moto desceve 600 cicos em 1 minuto, dizemos que essa poia gia com uma feqüência de 600 cicos po minuto. Nesse caso, ao invés de cicos, costuma-se dize otações. Logo, a feqüência é de 600 pm (otações po minuto). Se adotamos o SI, a unidade de tempo deve se o segundo. Potanto, como essa poia desceve 600 cicos em 60 segundos (1 minuto), a sua feqüência seá: 600 cicos 60 segundos = 10 cicos / s

3 A U L A A unidade cicos/s é denominada hetz, cujo símboo é Hz. Potanto, a feqüência dessa poia, no SI, é de 10 Hz. É fáci ve que 1 Hz = 60 pm. Se um ponto passa váias vezes pea mesma posição, há um intevao de tempo mínimo paa que ee passe po duas vezes po essa posição. É o intevao de tempo que ee gasta paa desceve apenas uma vota ou um cico. Esse intevao de tempo é denominado peíodo do movimento. Qua seá o peíodo do movimento de otação da poia do nosso exempo? Paa esponde essa pegunta, vamos, iniciamente, adota o minuto como unidade de tempo. Se a poia desceve 600 cicos em 1 minuto, paa detemina o seu peíodo, é peciso cacua o tempo que ea gasta paa desceve 1 cico. Uma ega de tês simpes esove o pobema: 600 cicos 1 minuto 1 cico x minutos Logo, teemos: x = min que é o peíodo do movimento da poia, em minutos. Se fizemos o mesmo cácuo utiizando o segundo, como unidade de tempo, vamos obte: x = 1 10 s, que é o peíodo do movimento da poia, em segundos. Obseve que quando a feqüência ea 600 pm, o peíodo ea 1/600 min, quando a feqüência ea 10 Hz, o vao do peíodo ea 1/10 s. É fáci ve que o vao do peíodo é sempe o inveso do vao da feqüência. Simboizando a feqüência com f e o peíodo com T podemos epesenta essa eação pea expessão: f = 1 T ou ainda: T = 1 f Sempe que o peíodo estive em segundos a feqüência coespondente seá dada em hetz. Passo-a-passo Qua a feqüência e peíodo do movimento dos ponteios de um eógio? Um eógio geamente tem tês ponteios: (a) um, que maca os segundos, (b) um, que maca os minutos e (c) um, que maca as hoas. Cada um dees, tem feqüência e peíodo difeentes. a) O ponteio dos segundos dá uma vota a cada 60 segundos. Potanto, o seu peíodo é: T = 60 s Como a feqüência é o inveso do peíodo, temos: f = 1 T = 1 60 Hz

4 b) O ponteio dos minutos dá uma vota po hoa, ou 60 minutos, ou segundos. Logo, o seu peíodo em segundos, é: A feqüência é: T = s f = 1 T = Hz A U L A c) Com aciocínio semehante, você pode obte paa o ponteio das hoas: 1 T = s e f = Hz Passo-a-passo Um satéite de teecomunicações fica paado em eação à Tea. Qua o peíodo e a feqüência desse satéite? Paa que o satéite fique paado em eação à Tea, é peciso que ee acompanhe o movimento de otação do paneta. Isso significa que, quando a Tea de uma vota em tono do seu eixo, o satéite também deveá faze o mesmo (veja a Figua 3). Logo, o peíodo do satéite é igua ao peíodo da Tea. Potanto: T = 1 dia, ou T = 24 h, ou T = s 1 A feqüência é: f = 1 otação/dia, ou f = 24 otações/hoa, ou f = Hz Movimento da Tea Movimento do Sat ite Figua 3 Veocidade angua Figua 4 Suponha que um disco está giando. Num intevao de tempo Dt seus aios descevem ou vaem um deteminado ânguo Dj (veja a Figua 4). A eação ente esse ânguo e o tempo gasto paa descevê-o é a veocidade angua do disco. Matematicamente: w = D j D t

5 A U L A Como no SI os ânguos são medidos em adianos, a unidade de veocidade angua é ad/s. Assim, se um disco gia descevendo um ânguo de 60º, que é igua a p/3 ad, num intevao de tempo de 2 segundos, sua veocidade angua seá: p w = 3 2 = p 6 ad/ s A igo, essa é a veocidade angua média nesse intevao de tempo. Entetanto, como vamos estuda apenas movimentos de otação em que a veocidade angua é constante, não haveá, aqui, distinção ente veocidade angua média e veocidade angua instantânea. Ambas seão chamadas simpesmente de veocidade angua. Veja como se faz paa tansfoma gaus em adianos: Reações ente gaus e adianos p Sabe-se que p ad = 180º, ogo 1º = 180 ad. Então, paa tansfoma um ânguo em gaus paa adianos basta mutipica p o seu vao po. 180 Exempo: 60 = 60 p 180 ad = p 3 ad Paa tansfoma adianos em gaus, é só invete o pocedimento mutipicando po 180 p Exempo: p 3 ad = p p = 60 Se a veocidade angua de um disco fo constante, ee desceve ânguos iguais em tempos iguais. Isso significa que o tempo gasto paa da uma vota competa, que coesponde a um ânguo de 360º ou 2p ad, seá sempe igua. Potanto, o peíodo e a feqüência do disco seão, também, constantes. Aém disso é possíve, nessas condições, eaciona essas tês gandezas. Ao desceve uma vota competa, o disco vae um ânguo Dj igua a 2 p ad. Como o intevao de tempo Dt paa da uma vota competa é igua ao peíodo, T, a veocidade angua desse disco seá: w = D j D t Þ w = 2 p T Mas f = 1, potanto, podemos esceve: T w = 2 p 1 T Þ w = 2 pf

6 Movimento Cicua Unifome Suponha que um disco gie com veocidade angua constante. Como vimos, a feqüência e o peíodo também seão constantes. Nesse caso, cada ponto desse disco desceve um Movimento Cicua Unifome (MCU). Se você vi uma fomiguinha apavoada agaada a um disco giando no seu toca-discos, você estaá vendo a coitadinha desceve um movimento cicua unifome. Isso vae também, po exempo, paa quaque ponto de Figua 5 uma poia igada a um moto que gia com feqüência de otação constante. Como se pode equaciona o movimento cicua unifome? Que vaiáveis devemos escohe paa equaciona o movimento cicua unifome, embando que equaciona um movimento é estabeece uma eação matemática ente duas de suas vaiáveis (posição tempo, veocidade tempo etc.). As mesmas vaiáveis do MRU ou do MRUV? A esposta é não. Em vez de uma equação da posição em função do tempo, po exempo, seá mais úti uma equação do ânguo descito em função do tempo, uma equação angua. Isso poque a posição não é uma vaiáve muito conveniente, pois um móve com MCU passa seguidamente peo mesmo ponto. Isso não acontece com o ânguo D j que esse móve desceve ou vae enquanto se movimenta. Os seus vaoes nunca se epetem. Cada vez que o móve passa peo mesmo ponto, o vao do ânguo é acescido de 360º ou 2 p ad. Assim, é possíve estabeece uma eação matemática ente esse ânguo e o instante em que ee está sendo descito, poque não existem dois ânguos iguais paa instantes difeentes. Essa equação, conhecida como equação ou ei angua do MCU, é expessa po: j = j 0 + wt Tajet ia da fomiguinha A U L A Veja a dedução no quado abaixo: Dedução da ei angua de um MCU t t 0 Lembando a definição de veocidade angua w = D j D t (1) é fáci ve, na figua, que D j = j - j 0 (2), como D t = t - t 0. Figua 6 0 Fazendo t 0 = 0, temos D t = t (3), substituindo (1) e (2), em (3), obtemos: w = j - j t Þ j = j 0 + wt onde j é o ânguo, ou fase, no instante t e j 0 o ânguo ou fase inicia, no instante t 0 = 0.

7 A U L A Sabendo-se o ânguo descito po um móve num ceto instante e o aio da cicunfeência descita, é fáci detemina a posição de um móve em MCU. Suponha, po exempo, que a nossa pobe fomiguinha, ainda mais apavoada, está pesa a uma oda de biciceta de 0,5 m de aio, que gia com um peíodo constante de 2 s. Se acionamos um conômeto no instante em que o aio da oda em que está a fomiguinha desceve um ânguo nuo, qua seá a posição da coitadinha depois de 4,2 s? Paa esove esse pobema, é peciso, iniciamente, detemina o ânguo descito po esse aio no instante t = 4,2 s. Isso significa apica a ei angua do seu movimento e cacua o vao de j paa t = 4,2 s. Paa detemina a ei angua, j = j 0 + wt, basta detemina o vao de w já que o ânguo inicia j 0 = 0, confome o enunciado (o conômeto foi acionado quando o ânguo ea zeo). Lembando que w = 2 p/t e T= 2s obtemos w = p ad/s. Assim, a ei angua do movimento do ponto A é: j = p t No instante t = 4,2 s o ânguo descito é: j = p ad s 4,2 s = p 1800 p 4,2 = Onde estaá então a pobe fomiguinha? É fáci, basta desenha um ânguo de 756º, isto é, 2 360º + 36º e aí ocaizá-a. Veja a Figua 7. = 0,5m Locaiza o da fomiguinha 36 Figua 7 Veocidade de um ponto mateia em MCU Até agoa só faamos em veocidade angua de um ponto mateia. É uma veocidade meio esquisita - ea sempe nos obiga a imagina que existe um segmento de eta igando o ponto ao cento da cicunfeência. Senão, não podeíamos faa em ânguos descitos ou vaidos. Mas é cao que, estando em movimento, o ponto vai pecoe distâncias em intevaos de tempo, isto é, ee tem também uma veocidade. Essa é a sua veocidade (v), sem sobenome, a que temos nos efeido até aqui, no estudo dos outos movimentos. Muitos gostam de chamá-a de veocidade inea ou escaa paa distingui-a da veocidade angua, mas isso não é necessáio pois não estamos intoduzindo um novo conceito. Se cacuamos o vao da veocidade v de um ponto mateia com MCU, vamos obte sempe o mesmo esutado. Isso poque esse ponto pecoe distâncias (acos de cicunfeência) iguais em tempos iguais. Em cada cico, po exempo, o pecuso é sempe o mesmo, o compimento da cicunfeência. O tempo gasto paa pecoê-a também, pois, nesse caso, o tempo é o peíodo (T), e o peíodo no MCU é constante. Aiás, a pati dessa obsevação, podemos obte uma expessão paa o vao de v no MCU. Como o compimento da cicunfeência é 2p e o tempo paa desceve 1 cico é igua ao peíodo T, dividindo-se o compimento do pecuso, 2p, peo tempo gasto paa descevê-o (T), tem-se o vao da veocidade. Logo: v = 2 p T

8 Essa expessão pode se escita como v = 2 p 1 T Lembando que f = 1 T, temos v = 2 pf A U L A Lembando ainda que, se: w = 2 p T podemos acha uma eação ente a veocidade v e a veocidade angua w desse ponto mateia. Basta faze v = 2 p T o que nos eva a: v = w Essas eações nos ajudam a pecebe uma popiedade muito impotante do movimento cicua: a veocidade v do ponto mateia depende da feqüência (ou peíodo) do movimento e do aio da cicunfeência descita, enquanto a veocidade angua w depende apenas da feqüência (ou peíodo), mas não depende do aio. Esse, aiás, é um esutado espeado já que num MCU, a veocidade angua é constante. Passo-a-passo Os pneus de um cao têm 60 cm de diâmeto, com caotas de 30 cm de diâmeto. Suponha que o cao esteja com veocidade de 108 km/h. Detemine: a) a veocidade de um ponto ocaizado na boda de um pneu (v p ); b) a veocidade angua (w p ) desse ponto; c) a veocidade angua (w c ) de um ponto na boda de uma das caotas; d) a veocidade (v c ) desse ponto; e) a feqüência e o peíodo do movimento desses pneus. a) Se os pneus não estão deapando, os pontos ocaizados nas suas bodas, em contato com o chão, têm a mesma veocidade do cao. Potanto, a veocidade de um ponto ocaizado na boda de um pneu é: v p = 108 km/h ou v p = 30 m/s b) Lembando que v = w, podemos esceve: v p = w p Þ w p = v p Mas, como o ponto está na boda do pneu de 60 cm de diâmeto, o aio é: 60 cm = = 30 cm = 0,3 m 2 30 m /s Potanto, w p = 0,3 m Þ w p = 100 ad/s c) Como a veocidade angua é constante, w p = w c Logo, a veocidade angua de um ponto na boda da caota é: w c = 100 ad/s

9 A U L A d) Lembando, novamente, que v = w, podemos esceve v c = w c c, onde c é o aio da caota. 30 cm Como c = = 15 cm = 0,15 m, temos: 2 v c = 100 0,15 Þ v c = 15 m/s e) Como a eação ente veocidade angua e feqüência é w = 2 pf, pode-se obte f fazendo: f = w 2p Potanto, a feqüência do movimento dos pneus é: f = 100 Þ 16 Hz (apoximadamente) 2p Isso significa que o pneu dá 16 votas po segundo ou 960 otações po minuto. Sendo: T = 1 1, o peíodo de movimento do pneu é:t = f 16 s Movimentos cicuaes acopados Os motoes, em gea, têm uma feqüência de otação fixa que depende da foma como ees são constuídos e das suas condições de utiização. Entetanto, as máquinas acionadas po ees têm, quase sempe, sistemas giantes que exigem difeentes feqüências de otação fonecidas, muitas vezes, po um só moto. Paa isso, o eixo desse moto é acopado a poias de difeentes diâmetos po meio de coeias ou engenagens. Suponha, po exempo, que uma poia, fixa no eixo de um moto, tenha uma cicunfeência de aio 1 e gie com uma feqüência f 1. Ea está acopada, po intemédio de uma coeia, a outa poia de aio 2, igada a uma máquina quaque. Qua seá a feqüência de otação f 2, dessa poia? Como você pode ve na Figua 8, a coeia tem a mesma veocidade v dos pontos da peifeia de ambas as poias. Lembando que v = 2 p f, temos: v 1 v 2 paa a poia do moto: v = 2 p 1 f 1 (1) Figua 8 paa a poia igada à máquina: v = 2 p 2 f 2 (2) Compaando (1) e (2), obtemos: 2 p 1 f 1 = 2 p 2 f 2 Þ 1 f 1 = 2 f 2 Po essa eação, pode-se obte o vao de f 2 : f 2 = 1 f 1 2 Obseve que, se 1 fo maio que, f 2 2 seá maio que f 1, isto é, quando a poia do moto tive um aio maio que a poia da máquina, haveá um aumento na feqüência de otação e vice-vesa.

10 Aceeação centípeta Emboa o conceito não seja novo, a veocidade v de um ponto mateia que desceve um MCU apesenta caacteísticas ainda não vistas neste cuso. Apesa de te sempe o mesmo vao numéico, essa veocidade não é constante poque sua dieção e sentido vaiam continuamente. Obseve na Figua 9 que, em A, a veocidade está oientada paa a esqueda; em B, paa baixo; em C, paa a dieita e, em D, paa cima. Como a veocidade é sempe tangente à tajetóia, é fáci ve que ea tem uma dieção e sentido difeentes em cada ponto. Em esumo, no MCU, emboa o vao numéico da veocidade seja sempe o mesmo, ea não é constante poque sua dieção e sentido vaiam continuamente. Mas, se a veocidade de um móve em v A MCU vaia, existe uma aceeação atuando a c sobe esse móve pois aceeação é, po definição, a vaiação da veocidade com o tempo. v Essa aceeação denomina-se aceeação B D a centípeta, (a c a c c ). Centípeta poque, como o v pópio nome indica, ea está sempe oientada paa o cento da cicunfeência descita a c peo móve. O seu vao pode se obtido pea C v expessão: Figua 9 a c = v2 ou, como v = w, a c = w 2 A U L A (A dedução dessas expessões foge ao acance deste cuso.) Assim, se um automóve faz uma cuva cicua com veocidade constante, ee está aceeando, o que não aconteceia se ee estivesse em inha eta. Se essa veocidade fo 20 m/s (72 km/h), po exempo e o aio da cuva fo 100 m, a aceeação centípeta seá: ac = = 4 m/s2 É impotante nota que essa aceeação só contibui paa o automóve faze a cuva, não atea o vao numéico da veocidade. Essa é uma idéia nova que deve fica mais caa com o auxíio das eis de Newton, que vamos ve em seguida. O movimento cicua unifome e as eis de Newton Das tês eis de Newton, duas têm eação dieta com o MCU. A pimeia afima que, paa que um copo tenha veocidade constante em tajetóia etiínea, a foça esutante sobe ee deve se nua. Como no MCU a tajetóia não é etiínea, concui-se que a foça esutante não é nua. A segunda ei estabeece uma eação ente foça esutante e aceeação: F = ma. Se a foça esutante é popociona à aceeação, existindo aceeação existe foça esutante. Aém disso, se a aceeação é centípeta, oientada paa o cento da cicunfeência, a foça esutante também seá oientada paa o cento da cicunfeência, ou seja, a foça esutante é uma foça centípeta. Veja a Figua 10.

11 A U L A Se a c é a aceeação centípeta podemos epesenta po F c a foça centípeta. Nesse caso, paa o movimento cicua unifome a segunda ei de Newton pode se expessa assim: F c = m a c FF R R = F C Figua 10 É muito impotante entende que a foça centípeta é a esutante das foças que atuam sobe o copo, não é uma foça nova ou especia. Em outas paavas, no MCU, em cada situação, uma ou mais foças podem exece o pape de foça centípeta. A foça centípeta pode se o peso do copo, a foça de atito ente o copo e o pano, a tação num fio, a esutante de agumas dessas foças etc. Nas figuas a segui, apesentamos aguns exempos de movimentos cicuaes unifomes, identificando, em cada um, qua ou quais foças execem o pape de foça centípeta. P P Cento da cuva Figua. Um satéite de teecomunicações executa uma óbita cicua em tono da Tea. A foça centípeta nesse caso é a foça de atação que a Tea exece sobe ee, ou seja, o peso P do satéite. F a at Figua 12. Um cao faz uma cuva cicua numa estada pana e hoizonta. A foça centípeta, nesse caso, é a esutante das foças de atito ( f at ) ente os pneus e a estada. F a Fat R F R P R P F R Figua 13. Uma patinadoa executa movimentos cicuaes numa pista de geo pana e hoizonta. A foça centípeta é a foça esutante ( F R ) de duas foças: o peso da patinadoa ( P ) e a eação do pano ( R ) sobe a patinadoa. Figua 14. As pistas dos autódomos e das boas estadas e avenidas são incinadas (sobeevadas) nas cuvas. Isso é feito paa que os motoistas não dependam apenas do atito paa faze a cuva. Assim, a eação ( R ) da pista sobe o veícuo é incinada, o que ajuda a aumenta o vao da foça ( F R ) esutante que exece o pape de foça centípeta. Se não fosse assim, o motoista só iia conta com a foça de atito ( f a ) paa faze a cuva, como na Figua 12.

12 Passo-a-passo Um boco de massa m = 0,2 kg gia hoizontamente sobe uma mesa, descevendo cícuos com feqüência constante f = 6 pm. Ee está peso ao cento da cicunfeência po um fio de 1,5 m de compimento. Supondo despezíve o atito, qua a tação execida peo fio? Se o boco desceve cícuos com feqüência constante, ee tem um MCU. A foça esutante (F R ) que atua sobe ee é a foça centípeta (F C ). Veja na Figua 15 que, nesse caso, F R é igua à foça Figua 15 T (tação no fio). A U L A Logo, se F R = F C e F R = T, concui-se que: F C = T Mas F C = m a C e a C = v2 Logo, F C = m v2 Þ T = m v2 Então, cacuamos a veocidade v do boco, dada pea expessão: v = 2 pf. Admitindo que o tamanho do boco é despezíve, o aio da cicunfeência é igua ao compimento do fio, = 1,5 m. A feqüência, dada em pm (otações po minuto), deve se tansfomada em hetz paa que a veocidade seja obtida em m/s. Então: f = 6 pm = 6 Hz = 0,1 Hz 60 Potanto a veocidade do boco é: A tação no fio, potanto, é: v = 2 pf = 2 3,14 1,5 0,1 = 0,94 m/s T = m v2 = 0,2 0,942 1, 5 Þ T = 0,12 N (apoximadamente) Passo-a-passo Suponha que a patinadoa da Figua 13 executa tajetóias cicuaes de 2,5m de aio com uma veocidade de 5 m/s. Admitindo-se g = 10 m/s 2, qua deve se o ânguo de incinação da patinadoa com a hoizonta? Na figua, sendo P = mg, o peso da patinadoa e F R a foça esutante, pode-se ve que: tg a = mg F R Po outo ado, sabemos que F R = F C = m v2. Substituindo esse vao na expessão acima, temos: mg tg a = = g 2,5 10 = = 1,0 mv 2 v Se tg a = 1,0 Þ a = 45º

13 A U L A Vamos vota ao início da nossa aua, quando Cistiana, emocionada, via a patinadoa odopia. Como ea desconfiou, os gestos da patinadoa, a coeogafia da sua exibição, têm tudo a ve com a Física. Naquee caso, vimos que, encohendo e estendendo os baços, ea podia egua a feqüência de otação do seu copo em tono de si mesma. Esse útimo exempo mosta que a incinação do copo de uma patinadoa em eação à pista também infui paa que ea possa desceve cícuos com maio ou meno veocidade. É vedade que paa se uma gande patinadoa não é peciso estuda Física, emboa o seu conhecimento possa fazê-a entende meho como apimoa seus movimentos. Em outas áeas da atividade humana, no entanto, o conhecimento das eis físicas do movimento de otação é essencia. Uma cuva de estada ma constuída, sem a incinação adequada, pode acaeta inúmeos acidentes. Quase todas as máquinas, domésticas ou industiais, têm no movimento de otação, a base de seu funcionamento. Entende meho esse movimento e suas impicações paa o seu dia-a-dia foi o objetivo desta aua. Nesta aua você apendeu: o que são movimento peiódico; feqüência e peíodo; o que é veocidade angua e como ea se eaciona com f e T; o que é um Movimento Cicua Unifome (MCU); a equação do MCU; que a veocidade de um ponto em MCU é constante em móduo mas vaia em dieção e sentido; o que são movimentos cicuaes acopados; o que são aceeação e foça centípeta.

14 Execício 1 A poia de um moto tem 15 cm de aio e gia com uma feqüência de pm. Detemine: a) a sua feqüência em hetz e seu peíodo em segundos; b) a sua veocidade angua; c) a veocidade de um ponto na peifeia da poia; d) a aceeação centípeta desse ponto; e) qua deveia se o aio de uma outa poia que, acopada a essa, gie com uma feqüência de 400 pm. Execício 2 Um satéite está a 600 km de atua, em óbita cicua, efetuando uma otação em 2 hoas. Qua a veocidade e aceeação centípeta desse satéite, admitindo-se que ee está sobe o equado e que o aio da Tea é de km? Execício 3 Um ponto mateia executa um MCU de 0,6 m de aio em peíodo de 4 segundos. Suponha que no instante t = 0, o ânguo descito peo aio que passa peo ponto j 0, seja zeo. Detemine: a) a feqüência do movimento; b) a sua veocidade angua; c) a ei angua do movimento desse ponto mateia; d) epesente gaficamente a posição desse ponto mateia no instante t = 8,5 s. Execício 4 Suponha que, no satéite do Execício 2 há um astonauta de massa 70 kg. Qua a foça que a Tea exece sobe ee? Execício 5 Um cao de massa 800 kg faz uma cuva cicua pana e hoizonta de 100 m de aio, com veocidade de 72 km/h. Qua a esutante das foças de atito que atuam sobe ee? Execício 6 Uma patinadoa desceve tajetóias cicuaes de 2,5 m de aio, fomando um ânguo de 45º com a hoizonta. Qua a sua veocidade? Execício 7 No Execício 5, qua deveia se a incinação da pista paa que o cao pudesse faze a cuva sem depende da foça de atito? Nesse caso, a massa do cao infui? Po quê? A U L A

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista.

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista. Cao cusista, Todas as dúvidas deste cuso podem se esclaecidas atavés do nosso plantão de atendimento ao cusista. Plantão de Atendimento Hoáio: quatas e quintas-feias das 14:00 às 15:30 MSN: lizado@if.uff.b

Leia mais

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites OK Necessito de ee esta página... Necessito de apoio paa compeende esta página... Moimentos de satélites geoestacionáios: caacteísticas e aplicações destes satélites Um dos tipos de moimento mais impotantes

Leia mais

Os Fundamentos da Física

Os Fundamentos da Física TEMA ESPECAL DNÂMCA DAS TAÇÕES 1 s Fundamentos da Física (8 a edição) AMALH, NCLAU E TLED Tema especial DNÂMCA DAS TAÇÕES 1. Momento angula de um ponto mateial, 1 2. Momento angula de um sistema de pontos

Leia mais

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ LISA de GRAVIAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ 1. (Ufgs 01) Em 6 de agosto de 01, o jipe Cuiosity" pousou em ate. Em um dos mais espetaculaes empeendimentos da ea espacial, o veículo foi colocado na supefície do planeta

Leia mais

Unidade temática 1: Energia: Conservação, transformação e degradação

Unidade temática 1: Energia: Conservação, transformação e degradação Unidade temática 1: Enegia: Consevação, tansfomação e degadação A- O tabao. 1- oça. As foças podem defoma os copos ou povoca a vaiação da sua veocidade num dado intevao de tempo. São gandezas caacteizadas

Leia mais

PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON

PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON Pofa Stela Maia de Cavalho Fenandes 1 PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON Dinâmica estudo dos movimentos juntamente com as causas que os oiginam. As teoias da dinâmica são desenvolvidas com base no conceito

Leia mais

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da algeba geomética) 008 DEEC IST Pof. Calos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da álgeba geomética) 1 De Keple a Newton Vamos aqui mosta como, a pati das tês leis de Keple sobe

Leia mais

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL SEUNDA LEI DE NEWON PARA FORÇA RAVIACIONAL, PESO E NORMAL Um copo de ssa m em queda live na ea está submetido a u aceleação de módulo g. Se despezamos os efeitos do a, a única foça que age sobe o copo

Leia mais

PARTE IV COORDENADAS POLARES

PARTE IV COORDENADAS POLARES PARTE IV CRDENADAS PLARES Existem váios sistemas de coodenadas planas e espaciais que, dependendo da áea de aplicação, podem ajuda a simplifica e esolve impotantes poblemas geométicos ou físicos. Nesta

Leia mais

TEORIA DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

TEORIA DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL Aula 0 EORIA DA GRAVIAÇÃO UNIVERSAL MEA Mosta aos alunos a teoia da gavitação de Newton, peda de toque da Mecânica newtoniana, elemento fundamental da pimeia gande síntese da Física. OBJEIVOS Abi a pespectiva,

Leia mais

Dinâmica Trabalho e Energia

Dinâmica Trabalho e Energia CELV Colégio Estadual Luiz Vianna Física 1 diano do Valle Pág. 1 Enegia Enegia está elacionada à capacidade de ealiza movimento. Um dos pincípios básicos da Física diz que a enegia pode se tansfomada ou

Leia mais

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo A UU L AL A Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo, pra baixo todo santo ajuda, pra cima é um Deus nos acuda... Essas são frases conhecidas, ditos popuares

Leia mais

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação:

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação: Capítulo Gavitação ecusos com copyight incluídos nesta apesentação: Intodução A lei da gavitação univesal é um exemplo de que as mesmas leis natuais se aplicam em qualque ponto do univeso. Fim da dicotomia

Leia mais

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário Unidade 13 Noções de atemática Financeia Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto acional ou eal Desconto comecial ou bancáio Intodução A atemática Financeia teve seu início exatamente

Leia mais

Prof. Dirceu Pereira

Prof. Dirceu Pereira Aula de UNIDADE - MOVIMENTO VERTICAL NO VÁCUO 1) (UFJF-MG) Um astonauta está na supefície da Lua quando solta, simultaneamente, duas bolas maciças, uma de chumbo e outa de madeia, de uma altua de,0 m em

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Unesp 2013) No dia 5 de junho de 2012, pôde-se obseva, de deteminadas egiões da Tea, o fenômeno celeste chamado tânsito de Vênus, cuja póxima ocoência se daá em 2117. Tal fenômeno só é possível poque

Leia mais

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012 Física Geal I - F 18 Aula 8: Enegia Potencial e Consevação de Enegia o Semeste 1 Q1: Tabalho e foça Analise a seguinte afimação sobe um copo, que patindo do epouso, move-se de acodo com a foça mostada

Leia mais

Prof. Dirceu Pereira

Prof. Dirceu Pereira Polícia odoviáia edeal Pof. Diceu Peeia ísica 3.4. OÇAS EM TAJETÓIAS CUILÍNEAS Se lançamos um copo hoizontalmente, póximo a supefície da Tea, com uma velocidade inicial de gande intensidade, da odem de

Leia mais

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling Sejam todos bem-vindos! Física II Pof. D. Cesa Vandelei Deimling Bibliogafia: Plano de Ensino Qual a impotância da Física em um cuso de Engenhaia? A engenhaia é a ciência e a pofissão de adquii e de aplica

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA CONCURSO DE DMISSÃO O CURSO DE GRDUÇÃO FÍSIC CDERNO DE QUESTÕES 2008 1 a QUESTÃO Valo: 1,0 Uma bóia náutica é constituída de um copo cilíndico vazado, com seção tansvesal de áea e massa m, e de um tonco

Leia mais

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009 Temodinâmica - FMT 59 Notuno segundo semeste de 2009 Execícios em classe: máquinas témicas 30/0/2009 Há divesos tipos de motoes témicos que funcionam tanfeindo calo ente esevatóios témicos e ealizando

Leia mais

Movimentos: Variações e Conservações

Movimentos: Variações e Conservações Movimentos: Vaiações e Consevações Volume único Calos Magno S. da Conceição Licinio Potugal Lizado H. C. M. Nunes Raphael N. Púbio Maia Apoio: Fundação Ceciej / Extensão Rua Visconde de Niteói, 1364 Mangueia

Leia mais

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2 Matemática / Fíica SÃO PAULO: CAPITAL DA VELOCIDADE Diveo título foam endo atibuído à cidade de São Paulo duante eu mai de 00 ano de fundação, como, po exemplo, A cidade que não pode paa, A capital da

Leia mais

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6 73 )5d$0$*1e7,&$6%5( &1'875(6 Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a ação de um campo magnético sobe um conduto conduzindo coente. ½ Calcula foças sobe condutoes pecoidos po coentes,

Leia mais

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo.

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo. GEOMETRIA ESPACIAL ) Uma metalúgica ecebeu uma encomenda paa fabica, em gande quantidade, uma peça com o fomato de um pisma eto com base tiangula, cujas dimensões da base são 6cm, 8cm e 0cm e cuja altua

Leia mais

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2 67 /(,'(%,76$9$57()/8; 0$*1e7,& Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a elação ente coente elética e campo magnético. ½ Equaciona a elação ente coente elética e campo magnético, atavés

Leia mais

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão Placas - Lajes Placas são estutuas planas onde duas de suas tês dimensões -lagua e compimento - são muito maioes do que a teceia, que é a espessua. As cagas nas placas estão foa do plano da placa. As placas

Leia mais

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material.

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material. Campo magnético Um ímã, com seus pólos note e sul, também pode poduzi movimentos em patículas, devido ao seu magnetismo. Contudo, essas patículas, paa sofeem esses deslocamentos, têm que te popiedades

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Questão 3. alternativa C. alternativa E

Questão 1. Questão 2. Questão 3. alternativa C. alternativa E Questão 1 Dois pilotos iniciaam simultaneamente a disputa de uma pova de automobilismo numa pista cuja extensão total é de, km. Enquanto Máio leva 1,1 minuto paa da uma volta completa na pista, Júlio demoa

Leia mais

Renato Frade Eliane Scheid Gazire

Renato Frade Eliane Scheid Gazire APÊNDICE A CADENO DE ATIVIDADES PONTIFÍCIA UNIVESIDADE CATÓLICA DE MINAS GEAIS Mestado em Ensino de Ciências e Matemática COMPOSIÇÃO E/OU DECOMPOSIÇÃO DE FIGUAS PLANAS NO ENSINO MÉDIO: VAN HIELE, UMA OPÇÃO

Leia mais

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes.

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes. Univesidade edeal de lagoas Cento de Tecnologia Cuso de Engenhaia Civil Disciplina: Mecânica dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Pofesso: Eduado Nobe Lages Copos Rígidos: Sistemas Equivalentes de oças Maceió/L

Leia mais

DISCIPLINA ELETRICIDADE E MAGNETISMO LEI DE AMPÈRE

DISCIPLINA ELETRICIDADE E MAGNETISMO LEI DE AMPÈRE DISCIPLINA ELETICIDADE E MAGNETISMO LEI DE AMPÈE A LEI DE AMPÈE Agoa, vamos estuda o campo magnético poduzido po uma coente elética que pecoe um fio. Pimeio vamos utiliza uma técnica, análoga a Lei de

Leia mais

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F LIST 03 LTROSTÁTIC PROSSOR MÁRCIO 01 (URJ) Duas patículas eleticamente caegadas estão sepaadas po uma distância. O gáfico que melho expessa a vaiação do módulo da foça eletostática ente elas, em função

Leia mais

física eletrodinâmica GERADORES

física eletrodinâmica GERADORES eletodinâmica GDOS 01. (Santa Casa) O gáfico abaixo epesenta um geado. Qual o endimento desse geado quando a intensidade da coente que o pecoe é de 1? 40 U(V) i() 0 4 Do gáfico, temos que = 40V (pois quando

Leia mais

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2 3 75$%$/+(37(&,$/ (/(7567È7,& Ao final deste capítulo você deveá se capa de: ½ Obte a epessão paa o tabalho ealiado Calcula o tabalho que é ealiado ao se movimenta uma caga elética em um campo elético

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Escola Secundáia com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Medi - é compaa uma gandeza com outa da mesma espécie, que se toma paa unidade. Medição de uma gandeza

Leia mais

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA ELETOMAGNETMO 75 9 CAMPO MAGNETOTÁTCO PODUZDO PO COENTE ELÉTCA Nos capítulos anteioes estudamos divesos fenômenos envolvendo cagas eléticas, (foças de oigem eletostática, campo elético, potencial escala

Leia mais

LISTA COMPLETA PROVA 03

LISTA COMPLETA PROVA 03 LISTA COMPLETA PROVA 3 CAPÍTULO 3 E. Quato patículas seguem as tajetóias mostadas na Fig. 3-8 quando elas passam atavés de um campo magnético. O que se pode conclui sobe a caga de cada patícula? Fig. 3-8

Leia mais

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético Pof. Alexande A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Cuitiba EMENTA Caga Elética Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitância Coente e esistência Cicuitos Eléticos em

Leia mais

Densidade de Fluxo Elétrico. Prof Daniel Silveira

Densidade de Fluxo Elétrico. Prof Daniel Silveira ensidade de Fluxo Elético Pof aniel ilveia Intodução Objetivo Intoduzi o conceito de fluxo Relaciona estes conceitos com o de campo elético Intoduzi os conceitos de fluxo elético e densidade de fluxo elético

Leia mais

32 m. Sabendo que a medida de sua altura é o dobro da medida de seu

32 m. Sabendo que a medida de sua altura é o dobro da medida de seu IST DE EXERCÍCIOS PR RECUPERÇÃO DE MTEMÁTIC PROFESSOR MOBI IST DE CIINDROS - 0 atua de um ciindo eto vae e o aio da ase mede Detemine a áea tota e o voume do ciindo O voume de um ciindo equiáteo vae 5

Leia mais

Aplicação da Lei Gauss: Algumas distribuições simétricas de cargas

Aplicação da Lei Gauss: Algumas distribuições simétricas de cargas Aplicação da ei Gauss: Algumas distibuições siméticas de cagas Como utiliza a lei de Gauss paa detemina D s, se a distibuição de cagas fo conhecida? s Ds. d A solução é fácil se conseguimos obte uma supefície

Leia mais

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação Aula 5 Pof. D. Maco Antonio Leonel Caetano Guia de Estudo paa Aula 5 Poduto Vetoial - Intepetação do poduto vetoial Compaação com as funções

Leia mais

Aula ONDAS ELETROMAGNÉTICAS

Aula ONDAS ELETROMAGNÉTICAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS Aula 6 META Intoduzi aos alunos conceitos básicos das ondas eletomagnéticas: como elas são poduzidas, quais são suas caacteísticas físicas, e como desceve matematicamente sua popagação.

Leia mais

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 1 COMPLETE AS FASES USANDO AS PALAVAS DO QUADO: CUIDADOS INTENET CONTAS DIGITA TAEFAS COMPUTADO A COM O COMPUTADO É POSSÍVEL DE TEXTO B O COMPUTADO FACILITA AS tarefas digitar VÁIOS

Leia mais

No posto de gasolina

No posto de gasolina A UU L AL A No posto de gasoina Gaspar estava votando para casa, após passar um dia muito agradáve na praia, apesar da dor de ouvido. Ee parou num posto de gasoina para abastecer e verificar as condições

Leia mais

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência Sistemas Eléticos de Potência. Elementos de Sistemas Eléticos de Potência..4 apacitância e Susceptância apacitiva de Linhas de Tansmissão Pofesso:. Raphael Augusto de Souza Benedito E-mail:aphaelbenedito@utfp.edu.b

Leia mais

Gregos(+2000 anos): Observaram que pedras da região Magnézia (magnetita) atraiam pedaços de ferro;

Gregos(+2000 anos): Observaram que pedras da região Magnézia (magnetita) atraiam pedaços de ferro; O Campo Magnético 1.Intodução: Gegos(+2000 anos): Obsevaam que pedas da egião Magnézia (magnetita) ataiam pedaços de feo; Piee Maicout(1269): Obsevou a agulha sobe imã e macou dieções de sua posição de

Leia mais

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST 58-2BR Comando linea modelos, -B e I Gaiola de esfeas Esfea Eixo Castanha Vedação Fig.1 Estutua do comando linea modelo Estutua e caacteísticas O modelo possui uma gaiola de esfeas e esfeas incopoadas

Leia mais

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 10/08/13 PROFESSOR: MALTEZ

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 10/08/13 PROFESSOR: MALTEZ ESOLUÇÃO DA AALIAÇÃO DE MATEMÁTICA o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 0/08/ POFESSO: MALTEZ QUESTÃO 0 A secção tansvesal de um cilindo cicula eto é um quadado com áea de m. O volume desse cilindo, em m, é: A

Leia mais

Mecânica Clássica (Licenciaturas em Física Ed., Química Ed.) Folha de problemas 4 Movimentos de corpos sob acção de forças centrais

Mecânica Clássica (Licenciaturas em Física Ed., Química Ed.) Folha de problemas 4 Movimentos de corpos sob acção de forças centrais Mecânica Clássica (icenciatuas em Física Ed., Química Ed.) Folha de oblemas 4 Movimentos de coos sob acção de foças centais 1 - Uma atícula de massa m move-se ao longo do eixo dos xx, sujeita à acção de

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Escola de Educação Profissional SENAI Plínio Gilberto Kröeff MECÂNICA TÉCNICA

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Escola de Educação Profissional SENAI Plínio Gilberto Kröeff MECÂNICA TÉCNICA SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Escola de Educação Pofissional SENAI Plínio Gilbeto Köeff MECÂNICA TÉCNICA Pofesso: Dilma Codenonsi Matins Cuso: Mecânica de Pecisão São Leopoldo 2009 1 SUMÁRIO

Leia mais

Prova Teórica. Terça-feira, 5 de Julho de 2005

Prova Teórica. Terça-feira, 5 de Julho de 2005 36 a Olimpíada Intenacional de Física. Salamanca (Espanha) 5 Pova Teóica Teça-feia, 5 de Julho de 5 Po favo, le estas instuções antes de inicia a pova:. O tempo disponível paa a pova teóica é de 5 hoas..

Leia mais

Calculando engrenagens cilíndricas

Calculando engrenagens cilíndricas Cacuando engrenagens ciíndricas A UU L AL A Em uma empresa, o setor de manutenção mecânica desenvove um importante pape na continuidade do fuxo da produção. Após o diagnóstico do defeito, reaizam-se a

Leia mais

Professor: Newton Sure Soeiro, Dr. Eng.

Professor: Newton Sure Soeiro, Dr. Eng. UNIVERSIDDE FEDERL DO PRÁ MESTRDO EM ENGENHRI MECÂNIC GRUPO DE VIRÇÕES E CÚSTIC nálise Modal Expeimental Pofesso: Newton Sue Soeio, D. Eng. elém Paá Outubo/00 Gupo de Vibações e cústica UFP nálise Modal

Leia mais

Motores Elétricos. IX.1 Motores de Indução Trifásicos (MIT)

Motores Elétricos. IX.1 Motores de Indução Trifásicos (MIT) Eletotécnica Geal IX. Motoes Eléticos IX Motoes Eléticos Um moto elético é uma máquina capaz de tansfoma enegia elética em enegia mecânica, utilizando nomalmente o pincípio da eação ente dois campos magnéticos.

Leia mais

Fenômenos de Transporte I. Aula 10. Prof. Dr. Gilberto Garcia Cortez

Fenômenos de Transporte I. Aula 10. Prof. Dr. Gilberto Garcia Cortez Fenômenos de Tanspote I Aula Pof. D. Gilbeto Gacia Cotez 8. Escoamento inteno iscoso e incompessíel 8. Intodução Os escoamentos completamente limitados po supefícies sólidas são denominados intenos. Ex:

Leia mais

EM423A Resistência dos Materiais

EM423A Resistência dos Materiais UNICAMP Univesidade Estadual de Campinas EM43A esistência dos Mateiais Pojeto Tação-Defomação via Medidas de esistência Pofesso: obeto de Toledo Assumpção Alunos: Daniel obson Pinto A: 070545 Gustavo de

Leia mais

Exp. 10 - RESSONÂNCIA

Exp. 10 - RESSONÂNCIA apítulo Exp. 0 - RESSONÂNIA EÉTRIA. OBJETIVOS Estudo das oscilações eléticas foçadas em cicuitos essonantes em séie e em paalelo..2 PARTE TEÓRIA Muitos sistemas físicos estáticos e estáveis, quando momentaneamente

Leia mais

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA ACIONAMENTO A VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSICOS COM OPERAÇÃO OTIMIZADA

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA ACIONAMENTO A VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSICOS COM OPERAÇÃO OTIMIZADA ESTRATÉGA DE CONTROLE PARA ACONAMENTO A VELOCDADE VARÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSCOS COM OPERAÇÃO OTMZADA Ronilson Rocha * Pedo F Donoso Gacia * Selênio Rocha Silva * Mácio Fonte Boa Cotez x UFMG -CPDEE *

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Vesão pelimina de setembo de Notas de Aula de ísica 8. CONSRVAÇÃO DA NRGIA... ORÇAS CONSRVATIVAS NÃO-CONSRVATIVAS... TRABALHO NRGIA POTNCIAL... 4 ORÇAS CONSRVATIVAS - NRGIA MCÂNICA... 4 negia potencial

Leia mais

a ± g Polícia Rodoviária Federal Física Aula 2 de 5 Prof. Dirceu Pereira 2.5.4. MOVIMENTO VERTICAL NO VÁCUO

a ± g Polícia Rodoviária Federal Física Aula 2 de 5 Prof. Dirceu Pereira 2.5.4. MOVIMENTO VERTICAL NO VÁCUO Polícia odoiáia edeal Pof. Diceu Peeia ísica ula de 5.5.4. MOVIMENTO VETIL NO VÁUO O moimento etical de um copo póimo ao solo é chamado de queda lie quando o copo é abandonado no ácuo ou se considea despezíel

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL OBJETIVOS DO CURSO UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL Fonece ao aluno as egas básicas do cálculo vetoial aplicadas a muitas gandezas na física e engenhaia (noção de

Leia mais

Questão 2. Questão 1. Resposta. Resposta

Questão 2. Questão 1. Resposta. Resposta Atenção: Esceva a esolução COMPLETA de cada questão no espaço esevado paa a mesma. Não basta esceve apenas o esultado final: é necessáio mosta os cálculos e o aciocínio utilizado. Utilize g 10m/s e π3,

Leia mais

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br F-38 - º Semeste de 013 Coodenado. José Antonio Rovesi IFGW-DEQ-Sala 16 ovesi@ifi.unicamp.b 1- Ementa: Caga Elética Lei de Coulomb Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitoes e Dieléticos Coente

Leia mais

ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO CFS B 2/2002 PROVA DE MATEMÁTICA FÍSICA QUÍMICA

ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO CFS B 2/2002 PROVA DE MATEMÁTICA FÍSICA QUÍMICA ESCOL DE ESPECILISTS DE ERONÁUTIC CONCURSO DE DMISSÃO O CS /00 PROV DE MTEMÁTIC ÍSIC QUÍMIC CÓDIGO D PROV 9 MRQUE NO CRTÃO DE RESPOSTS O CÓDIGO D PROV. s questões de 0 a 0 efeem se a Matemática 0 Se a

Leia mais

Análise de Correlação e medidas de associação

Análise de Correlação e medidas de associação Análise de Coelação e medidas de associação Pof. Paulo Ricado B. Guimaães 1. Intodução Muitas vezes pecisamos avalia o gau de elacionamento ente duas ou mais vaiáveis. É possível descobi com pecisão, o

Leia mais

11 Sistemas resolvem problemas

11 Sistemas resolvem problemas A UA UL LA Sistemas resovem probemas Introdução Na aua anterior, mostramos como resover sistemas de duas equações de 1º grau com duas incógnitas. Agora vamos usar essa importante ferramenta da matemática

Leia mais

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO NÁLIE D IBILIDDE D REDE DE TRNPORTE E DITRIBUIÇÃO. Maciel Babosa Janeio 03 nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição. Maciel Babosa nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição ÍNDICE

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 - RESPOSTA EM FREQUENCIA EM UM CIRCUITO RLC - RESSONÂNCIA

EXPERIÊNCIA 5 - RESPOSTA EM FREQUENCIA EM UM CIRCUITO RLC - RESSONÂNCIA UM/AET Eng. Elética sem 0 - ab. icuitos Eléticos I Pof. Athemio A.P.Feaa/Wilson Yamaguti(edição) EPEIÊNIA 5 - ESPOSTA EM FEQUENIA EM UM IUITO - ESSONÂNIA INTODUÇÃO. icuito séie onsideando o cicuito da

Leia mais

Leandro Lima Rasmussen

Leandro Lima Rasmussen Resoução da ista de eercícios de Resistência dos Materiais Eercício 1) Leandro Lima Rasmussen No intuito de soucionar o probema, deve ser feita a superposição de casos: Um, considerando a chapa BC como

Leia mais

FREIOS e EMBRAGENS POR ATRITO

FREIOS e EMBRAGENS POR ATRITO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DEPARTAMENTO DE PROJETO MECÂNICO APOSTILA FREIOS e EMBRAGENS POR ATRITO Auto: Pof.D. Auteliano Antunes dos Santos Junio Esta apostila

Leia mais

Triângulos especiais

Triângulos especiais A UA UL LA Triânguos especiais Introdução Nesta aua, estudaremos o caso de dois triânguos muito especiais - o equiátero e o retânguo - seus ados, seus ânguos e suas razões trigonométricas. Antes, vamos

Leia mais

As grandezas vetoriais

As grandezas vetoriais As gandezas vetoiais No capítulo I, vimos o poquê da utilização de vetoes na caacteização de algumas gandezas físicas, difeenciando as gandezas escalaes das vetoiais. As gandezas escalaes são aquelas pefeitamente

Leia mais

FAÇA AS ATIVIDADES NAS DATAS SUGERIDAS PARA RELEMBRAR O QUE JÁ APRENDEMOS.

FAÇA AS ATIVIDADES NAS DATAS SUGERIDAS PARA RELEMBRAR O QUE JÁ APRENDEMOS. NOME: QUEIDO(A) EDUCANDINHO(A). FAÇA AS ATIVIDADES NAS DATAS SUGEIDAS PAA ELEMBA O QUE JÁ APENDEMOS. APOVEITE AS FÉIAS PAA DESCANSA E FAZE MUITAS COISAS GOSTOSAS E DIVETIDAS. VEJA ALGUMAS DICAS: BINCA

Leia mais

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 18:20. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 18:20. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, LISTA 3 - Pof Jason Gallas, DF UFPB 1 de Junho de 13, às 18: Execícios Resolvidos de Física Básica Jason Alfedo Calson Gallas, pofesso titula de física teóica, Douto em Física pela Univesidade Ludwig Maximilian

Leia mais

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET ELETRÔNICA II Engenaia Elética Campus Pelotas Revisão Modelo CA dos tansistoes BJT e MOSFET Pof. Mácio Bende Macado, Adaptado do mateial desenvolvido pelos pofessoes Eduado Costa da Motta e Andeson da

Leia mais

Engenharia Electrotécnica e de Computadores Exercícios de Electromagnetismo Ficha 1

Engenharia Electrotécnica e de Computadores Exercícios de Electromagnetismo Ficha 1 Instituto Escola Supeio Politécnico de Tecnologia ÁREA INTERDEPARTAMENTAL Ano lectivo 010-011 011 Engenhaia Electotécnica e de Computadoes Eecícios de Electomagnetismo Ficha 1 Conhecimentos e capacidades

Leia mais

17 Como escolher um extintor de incêndio?

17 Como escolher um extintor de incêndio? A UA UL LA Como escoher um extintor de incêndio? O que você vai aprender Como apagar fogo Tipos de incêndios Tipos de extintores O que fazer em caso de incêndio? Seria bom já saber O que é fogo Composição

Leia mais

3 - DESCRIÇÃO DO ELEVADOR. Abaixo apresentamos o diagrama esquemático de um elevador (obtido no site da Atlas Schindler).

3 - DESCRIÇÃO DO ELEVADOR. Abaixo apresentamos o diagrama esquemático de um elevador (obtido no site da Atlas Schindler). 3 - DESCRIÇÃO DO EEVADOR Abaixo apesentamos o diagama esquemático de um elevado (obtido no site da Atlas Schindle). Figua 1: Diagama esquemático de um elevado e suas pates. No elevado alvo do pojeto, a

Leia mais

CAPÍTULO III- DESCRIÇÃO DE UM FLUIDO EM MOVIMENTO. 1. Leis Físicas Fundamentais. 3 leis escoamentos independentes da natureza do fluido

CAPÍTULO III- DESCRIÇÃO DE UM FLUIDO EM MOVIMENTO. 1. Leis Físicas Fundamentais. 3 leis escoamentos independentes da natureza do fluido CAPÍTULO III- DESCRIÇÃO DE UM FLUIDO EM MOVIMENTO 1. Leis Físicas Fundamentais 3 leis escoamentos independentes da natueza do fluido Leis Básicas Equações Fundamentais Lei da Consevação de Massa Equação

Leia mais

Capítulo III Lei de Gauss

Capítulo III Lei de Gauss ELECTROMAGNETISMO Cuso de Electotecnia e de Computadoes 1º Ano º Semeste 1-11 3.1 Fluxo eléctico e lei de Gauss Capítulo III Lei de Gauss A lei de Gauss aplicada ao campo eléctico, pemite-nos esolve de

Leia mais

FORÇA ENTRE CARGAS ELÉTRICAS E O CAMPO ELETROSTÁTICO

FORÇA ENTRE CARGAS ELÉTRICAS E O CAMPO ELETROSTÁTICO LTOMAGNTISMO I FOÇA NT CAGAS LÉTICAS O CAMPO LTOSTÁTICO Os pimeios fenômenos de oigem eletostática foam obsevados pelos gegos, 5 séculos antes de Cisto. les obsevaam que pedaços de âmba (elekta), quando

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A PROA DE FÍSICA º ANO - ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A 1) Os ios, agos e oceanos ocaizados em egiões de cima fio congeam da supefície paa as egiões mais pofundas. A camada de geo fomada funciona como um

Leia mais

Avaliação: por que? Técnicas de Avaliação. Avaliação: Estudos em Laboratório. Objetivos da Avaliação. Avaliação Outros Grupos

Avaliação: por que? Técnicas de Avaliação. Avaliação: Estudos em Laboratório. Objetivos da Avaliação. Avaliação Outros Grupos intemidia.usp.b Avaliação: po que? intemidia.usp.b Técnicas de Avaliação Avalia adequação de designs Testa a usabilidade e a funcionalidade do sistema Requisitos dos usuáios estão efetivamente sendo atendidos?

Leia mais

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES CAPÍTULO 4 PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA Nota de aula pepaada a pati do livo FUNDAMENTALS OF ENGINEERING THERMODINAMICS Michael J. MORAN & HOWARD N. SHAPIRO. 4. GENERALIDADES Enegia é um conceito fundamental

Leia mais

Resistência dos Materiais IV Lista de Exercícios Capítulo 2 Critérios de Resistência

Resistência dos Materiais IV Lista de Exercícios Capítulo 2 Critérios de Resistência Lista de Execícios Capítulo Citéios de Resistência 0.7 A tensão de escoamento de um mateial plástico é y 0 MPa. Se esse mateial é submetido a um estado plano de tensões ocoe uma falha elástica quando uma

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice:

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice: ANEXO 4 ROTEIRO DE VERIFICAÇÃO DO CÁLCULO DO CUSTO DO CAPITAL Roteio de Veificação do Cálculo do Custo do Capital Índice: Índice: Conceitos Veificações 1 VISÃO GERAL... 3 1.1 O QUE É CUSTO DE CAPITAL...

Leia mais

Como se pode proteger o ferro?

Como se pode proteger o ferro? Como se pode proteger o ferro? A UUL AL A Todos os componentes de uma bicieta recebem proteção contra ferrugem. A proteção do aço. Gavanização,cromação, zincagem e estanhagem A importância dos óxidos na

Leia mais

Condensador esférico Um condensador esférico é constituído por uma esfera interior de raio R e carga

Condensador esférico Um condensador esférico é constituído por uma esfera interior de raio R e carga onensao esféico Um conensao esféico é constituío po uma esfea inteio e aio e caga + e uma supefície esféica exteio e aio e caga. a) Detemine o campo eléctico e a ensiae e enegia em too o espaço. b) alcule

Leia mais

Módulo 5: Conteúdo programático Eq da continuidade em Regime Permanente. Escoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais

Módulo 5: Conteúdo programático Eq da continuidade em Regime Permanente. Escoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais Módulo 5: Conteúdo pogamático Eq da continuidade em egime Pemanente Bibliogafia: Bunetti, F. Mecânica dos Fluidos, São Paulo, Pentice Hall, 7. Eoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais Popiedades Intensivas:

Leia mais

Transformações geométricas

Transformações geométricas Instituto Politécnico de Bagança Escola upeio de Educação Tansfomações geométicas 1 Tanslações endo dado um vecto u, a tanslação associada a u é a aplicação que faz coesponde ao ponto M o ponto M tal que

Leia mais

1ª Aula do Cap. 6 Forças e Movimento II

1ª Aula do Cap. 6 Forças e Movimento II ATRITO 1ª Aula do Cap. 6 Foças e Movimento II Foça de Atito e Foça Nomal. Atito e históia. Coeficientes de atito. Atito Dinâmico e Estático. Exemplos e Execícios. O efeito do atito ente duas supefícies

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenhaia Tansmissão de calo 3º Ano Aula 4 Aula Pática- Equação Difeencial de Tansmissão de Calo e as Condições de Contono Poblema -4. Calcula a tempeatua no

Leia mais

Interações Eletromagnéticas 1

Interações Eletromagnéticas 1 Inteações Eletomagnéticas 1 I.H.Hutchinson 1 I.H.Hutchinson 1999 Capítulo 1 Equações de Maxwell e Campos Eletomagnéticos 1.1 Intodução 1.1.1 Equações de Maxwell (1865) As equações que govenam o eletomagnetismo

Leia mais

Os aplicativos e sua utilização

Os aplicativos e sua utilização Os apicativos e sua utiização Baixando, Instaando e usando o Avast A B C D Os Apicativos Tipos de Apicativos Baixando e Instaando Usando o apicativo Tipos de Apicativos/Programas Os apicativos são programas

Leia mais

2.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD. 2.6.1 Introdução

2.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD. 2.6.1 Introdução Capítulo Técnicas de Caacteização Estutual: RS.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD.6. Intodução De modo a complementa a análise estutual das váias amostas poduzidas paa este tabalho, foi utilizada a técnica

Leia mais

'CRYSTAL :FASHION EVENTO! alimentares '- -. ---- BULIMIA e ~'... C;;ritiba b~ distúrbios. os mais caro! e veloze! do mundc. MARIAlpU ,-- UTOMÓVEI!

'CRYSTAL :FASHION EVENTO! alimentares '- -. ---- BULIMIA e ~'... C;;ritiba b~ distúrbios. os mais caro! e veloze! do mundc. MARIAlpU ,-- UTOMÓVEI! , a --,;-,,; BULMA e ' C;;itiba b ANO REliA distúbios alimentaes '- - ---- MARAlpU \, EVENTO! sobe o Tudo 'CRYSTAL,-- UTOMÓVE! os mais cao! e veloze! do mundc :FASHON -- - - - - - - ---==--- - - - " ",

Leia mais