O Projeto da Estação UFF de Ensaio Natural de Revestimentos de Paredes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Projeto da Estação UFF de Ensaio Natural de Revestimentos de Paredes"

Transcrição

1 O Projeto da Estação UFF de Ensaio Natural de Revestimentos de Paredes Ivan Ramalho de Almeida Regina Helena F. de Souza Maria do Rosário Veiga Prof. da Universidade Federal Fluminense, Niterói (RJ) Brasil Profª da Universidade Federal Fluminense, Niterói (RJ) Brasil Investigadora do LNEC, Portugal Resumo: Os casos de deterioração de fachadas prediais são cada vez mais freqüentes, mesmo em edificações novas, e isso vem mobilizando o meio técnico na busca de soluções mais adequadas de materiais e técnicas de revestimento. No Brasil, a diversidade de ambientes naturais obriga a realização do estudo em função das condições climáticas e de mão de obra de cada região particular. Neste contexto, inicia-se na Universidade Federal Fluminense um projeto de pesquisa que visa avaliar o desempenho ao longo do tempo dos revestimentos normalmente utilizados nas fachadas prediais. O trabalho descreve o projeto, especialmente no que tange aos diferentes tipos de acabamentos estudados. Palavras chave: fachadas, revestimentos, argamassas, edificações, deterioração. 1. INTRODUÇÃO A enorme freqüência dos casos de deterioração nas fachadas prediais (Figura 1) em edificações novas ou antigas está mobilizando o meio técnico e científico para a busca de soluções mais adequadas de materiais e técnicas de revestimento. Muitos cursos e estudos vêm sendo desenvolvidos, com o objetivo de compreender os mecanismos de degradação, aprimorar as técnicas construtivas, buscar as melhores soluções de reparação, etc. Por outro lado, os diferentes ambientes naturais de que dispõe o Brasil, obrigam o estudo do desempenho dos materiais em função das condições climáticas e de mão de obra de cada região em particular, de modo que se possa projetar soluções mais específicas para cada caso. Nesse contexto, está-se iniciando, na Universidade Federal Fluminense (UFF), em Niterói (RJ), um projeto de pesquisa que visa avaliar o desempenho dos revestimentos normalmente utilizados nas fachadas prediais, ao longo do tempo. Com ele pretende-se acompanhar, por pelo menos 10 anos, o desempenho de diversos

2 tipos de materiais comumente empregados como revestimento de concreto aparente e de paredes de alvenaria, principalmente nas fachadas prediais do Rio de Janeiro, no que tange à durabilidade, sob a ação de um ambiente real e agressivo, ou seja, da chuva, do vento, do sol, da poluição, da variação de temperatura e da maresia. Figura 1: Exemplos de reportagens relativas à degradação de fachadas prediais. O projeto conta com o apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e tem caráter multidisciplinar, pois mobiliza construtores locais, fabricantes de materiais de construção, arquitetos e engenheiros civis brasileiros e portugueses, e ainda alunos e professores de quatro universidades públicas brasileiras. 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1 Revestimentos de proteção das superfícies de concreto aparente Produtos dos tipos hidrofugantes e impermeabilizantes vêm sendo utilizados como revestimentos protetores em superfícies de concreto aparente, com o objetivo de

3 minimizar a penetração da água da chuva e dos agentes agressivos. Os hidrófugos (silicones) são produtos que, apresentados sob a forma de solução incolor, tornam a superfície do concreto repelente à água, sem contudo impedir a passagem de gases e do vapor d'água. Os impermeabilizantes (polímeros acrílicos e acrílico-estirenos) formam uma película flexível contínua na superfície do concreto e atuam como barreira à água e como barreira parcial aos gases, e ao vapor d'água; são normalmente pinturas, que requerem substrato homogêneo e liso e, por serem mais flexíveis que o concreto, acompanham pequenas movimentações estruturais, como, por exemplo, fissuras de pequena abertura já existentes. Apesar da sua importância, as membranas e pinturas de revestimento existentes no mercado brasileiro não têm sido objeto de muitos estudos e, por isso, precisam ser avaliadas, de modo a identificar as limitações e os benefícios efetivos que possam trazer para a proteção das superfícies do concreto. 2.2 Revestimentos utilizados em fachadas Nos últimos anos, o revestimento de argamassa tradicionalmente constituído por chapisco, emboço e reboco foi substituído por revestimentos em camada única, quer formulados à partida com esse objectivo (caso dos revestimentos industriais monocamada), quer usando os mesmos produtos preparados em obra mas aplicados em camada única, com, neste último caso, a consequente redução de desempenho. Outras alterações significativas também vêm sendo verificadas na forma de produção da argamassa e na técnica de execução do serviço. Na categoria dos materiais cerâmicos, o revestimento com pastilha porcelanizada é largamente utilizado, pois é considerado no Brasil como o material mais durável para revestir fachadas. No rol dos revestimentos, incluem-se ainda as tintas, os vidros e os painéis pré-moldados. Todos possuem aspectos positivos e a maioria vem, ao longo do tempo, incorporando qualidades técnicas que aprimoram ainda mais o seu desempenho. O Sindicato da Indústria da Construção, SINDUSCON, publicou, em 2000 [1], os resultados da avaliação de 31 produtos de construção e verificou que os blocos cerâmicos e as argamassas industrializadas estavam entre os seis produtos que mais causaram problemas para as empresas do setor (Figura 2). Apesar da garantia da qualidade ser um diferencial procurado tanto pelos fabricantes de produtos quanto pelos consumidores em geral, um patamar satisfatório ainda está longe de ser alcançado. Muitas empresas de construção civil confundem tradição com garantia de qualidade e transferem aos clientes os ônus dos defeitos e das soluções inadequadas. A avaliação custo x benefício coerente, o conhecimento sobre as normas técnicas e comportamentos dos materiais e sistemas construtivos, e as boas práticas de execução de serviços relativas ao revestimento de fachadas são aspectos fundamentais para o avanço tecnológico do segmento edificações da construção civil.

4 Figura 2: Produtos mais problemáticos no universo de 31 produtos utilizados na construção, de acordo com avaliação do SINDUSCON [1]. 3. PESQUISA DE CAMPO No sentido de conhecer os procedimentos adotados pelas construtoras locais, identificar seus sucessos e insucessos e dar subsídio a este projeto, Nascimento e Souza [2] efetuaram um levantamento de campo em que foram consultadas 10 importantes construtoras das cidades do Rio de Janeiro e de Niterói, e verificaram que, segundo essas empresas: a) os revestimentos de placas de granito, de pintura sobre argamassa e cerâmicos são os mais utilizados nas fachadas prediais, como pode ser visto na Figura 3. 13% 21% 13% 25% 28% Concreto aparente Pedras decorativas Pastilhas cerâmicas Revestimentos metálicos Emboço/Argam. para pintura Granito Vidros Figura 3: Resultados da pesquisa de campo: principais revestimentos.

5 b) as principais preocupações dos projetistas e construtores na especificação dos revestimentos referem-se à durabilidade e à estética das fachadas, como mostra a Figura 4. 3% 11% 9% 14% 9% 3% 3% 3% 9% 17% Custo de aquisição Tempo de aplicação Estética Isolamento Térmico Restauração/Recuperação Limpeza 19% Custo de aplicação Durabilidade Impermeabilização Isolamento Acústico Manutenção Figura 4: Resultados da pesquisa de campo: preocupação na especificação. c) as principais causas das deteriorações verificadas nas obras avaliadas e conforme os engenheiros responsáveis pelas obras visitadas, referiram-se à qualidade da aplicação dos materiais e da execução do rejunte, conforme a Figura 5. 16% 16% 2 12% Má especificação dos materiais Ataques marinhos Ataques físicos Qualidade dos materias Falta de manutenção 2 12% 4% Rejuntamento mal executado Ataques químicos Incompatibilidade dos materiais Qualidade na aplicação dos materias Figura 5: Resultados da pesquisa de campo: causas das deteriorações. d) poucos foram os problemas relatados pelas construtoras nas obras já executadas, embora, em inspeções realizadas, tenham sido detectados casos de má especificação dos materiais, infiltrações e problemas de aderência de pastilhas e emboço, conforme a Figura 6.

6 29% 14% 14% 29% 14% Trincas Infiltrações Manchas e/ou bolor Descolamento de emboço Destacamento de placas (granito) Eflorescência Falta de isolamento acústico Destacamento de pastilhas Falta de isolamento térmico Má especificação dos materiais Figura 6: Resultados da pesquisa de campo: principais problemas verificados. O passo seguinte do estudo consistiu em novo levantamento de campo, onde procurou-se identificar quais os produtos mais utilizados pelas construtoras locais como revestimentos e acabamentos de alvenaria e concreto. Os resultados encontrados nesta etapa da pesquisa foram semelhantes aos verificados em pesquisa realizada pela editora PINI, para atribuição do 7 o Prêmio PINI, em 2001 [3]. Em seguida estão listados os produtos mais utilizados no Estado do Rio de Janeiro: cal hidratada, principalmente devido à conformidade com as normas técnicas e homogeneidade do desempenho; cimento, principalmente devido à conformidade com as normas técnicas e homogeneidade do desempenho; rejunte colorido, principalmente devido à disponibilidade de cores, ao desempenho, aderência, impermeabilidade, à homogeneidade dos lotes e às orientações de aplicação; argamassa industrializada, principalmente pelas referências técnicas e uniformidade de desempenho; revestimento cerâmico para parede (azulejo), principalmente devido à disponibilidade de cores, modelos e padrões, à conformidade com normas e referências técnicas e à durabilidade. Com base nestas informações, foi possível identificar-se que revestimentos deveriam ser escolhidos para o estudo experimental (apresentados mais adiante). 4. OS MODELOS DE PAREDE A pesquisa será desenvolvida a céu aberto, em trechos de paredes construídos em escala quase real, especialmente para o estudo (Figura 7). Os modelos experimentais, inspirados em instalação semelhante existente no LNEC, em Lisboa, constituem-se de 12 paredes de alvenaria de tijolos cerâmicos, com dimensões de 2m x 2m, apoiadas sobre vigas de concreto armado e revestidas e acabadas com diferentes tipos de materiais. Tais modelos, cujo conjunto se denominou Estação UFF de Ensaio Natural de Revestimentos de

7 Paredes, estão sendo construídos no campus da UFF, entre a Escola de Engenharia e a Baía de Guanabara, onde ficarão expostos ao ambiente marinho e às intempéries. A disposição das paredes é tal que a face externa receba a maior incidência dos agentes agressivos, ou seja, são direcionadas para receber o vento e a chuva dominantes. 200 PAREDE DE ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS VIGA DE CONCRETO BLOCO DE FUNDAÇÃO Figura 7: Modelo experimental. As etapas construtivas comuns às paredes de alvenaria compreendem o assentamento de tijolos cerâmicos de 8 furos, com dimensões de 9 X 19 X 19 cm. Todas as paredes receberão chapisco, constituído por argamassa de cimento e areia, na proporção de 1: TIPOS DE REVESTIMENTOS ESTUDADOS 5.1 Nas paredes Os revestimentos das paredes em estudo serão compostos por argamassas de cimento fabricadas em canteiro, considerando diferentes composições (com ou sem adição de cal ou de aditivo) e por argamassas prontas (monocamada). Para o acabamento final serão testados tintas e texturas de cores claras, materiais cerâmicos e pedras ornamentais. O conjunto de modelos seguirá, em termos de revestimentos, o seguinte esquema: Parede 1: revestimento com argamassa (cimento: cal : areia), fabricada em canteiro, camada única. Acabamento final em tinta sobre superfície lisa, na cor marfim, sendo ½ parede tinta base acrílico e ½ parede tinta base silicone. Parede 2: revestimento com argamassa (cimento: areia + aditivo plastificante), fabricada em canteiro, camada única. Acabamento final em tinta sobre superfície lisa, na cor marfim, sendo ½ parede tinta base acrílico e ½ parede tinta base silicone. Parede 3: revestimento com argamassa fabricada em canteiro, com emboço + reboco (2 camadas). Acabamento final em tinta sobre superfície lisa, na cor marfim, sendo ½ parede tinta base acrílico e ½ parede tinta base silicone. Parede 4: revestimento com argamassa (cimento: areia + aditivo plastificante), fabricada em canteiro. Acabamento final em tinta com textura travertino, na cor ocre,

8 sendo ½ parede textura A e ½ parede textura B. Parede 5: revestimento em argamassa industrializada, camada única (fabricante 1). Acabamento final: ½ parede com superfície lisa, na cor marfim: tinta A e ½ parede com textura travertino, na cor ocre: textura A. Parede 6: revestimento em argamassa industrializada, camada única (fabricante 2). Acabamento final: ½ parede com superfície lisa, na cor marfim: tinta B e ½ parede com textura travertino, na cor ocre: textura B. Parede 7: revestimento com argamassa industrializada com cal, camada única (fabricante 3). Acabamento final em tinta sobre superfície lisa, na cor marfim, sendo ½ parede tinta base acrílico e ½ parede tinta base silicone. Parede 8: revestimento com argamassa industrializada, camada única (fabricante 4), com dois tipos de textura, na cor ocre, sendo: ½ travertino e ½ alisado. Parede 9: revestimento com argamassa fabricada em canteiro, camada única. Acabamento: pastilhas cerâmicas, utilizando-se o sistema do fabricante: (cola + cerâmica + rejunte): ½ fosca de 7,5 x 7,5 cm e ½ esmaltada de 3 x 3 cm. Parede 10: revestimento com argamassa fabricada em canteiro, camada única. Acabamento: cerâmica, utilizando-se o sistema do fabricante: (cola+cerâmica+rejunte): ½ fabricante 1 e ½ fabricante 2. Parede 11: revestimento com argamassa fabricada em canteiro, camada única. Acabamento: porcelanato, utilizando-se o sistema do fabricante: (cola+cerâmica+rejunte): ½ fabricante 1 e ½ fabricante 2. Parede 12: revestimento com argamassa fabricada em canteiro, camada única. Acabamento: Pedras ornamentais coladas, em cor clara: ½ mármore e ½ granito. 5.2 No concreto Nas superfícies das vigas de concreto que servem de apoio às paredes serão testados revestimentos protetores específicos para o concreto armado aparente: hidrofugantes e vernizes acrílicos. 6. ENSAIOS A SEREM REALIZADOS Os ensaios previstos permitirão averiguar, além da degradação visível por simples observação, principalmente o desempenho dos revestimentos sobre as alvenarias em face da penetração de umidade nas paredes, e também da penetração de dióxido de carbono e de cloretos na superfície do concreto aparente das vigas. As condições ambientais serão monitoradas, com registros constantes da precipitação de chuva, da velocidade do vento e da temperatura e umidade relativa do ar, obtidos da estação meteorológica da UFF, localizada nas proximidades. 6.1 Caracterização dos blocos cerâmicos Determinação da massa e da absorção de água, de acordo com a NBR Caracterização das argamassas Resistência à compressão, conforme NBR 7215; Retração, conforme NBR 8490; 1 Norma Brasileira Registrada, da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas.

9 Aderência, conforme NBR 13528; Absorção de água, conforme NBR 9779 ou LNEC Pa 39.1; Retenção de água, NBR Caracterização do concreto Resistência à compressão, conforme NBR 5739; Retração, conforme NBR 8490; Resistência à névoa salina, MB 787; Permeabilidade à água, conforme NBR Estes ensaios serão realizados no Laboratório de Materiais de Construção da UFF, podendo também ser realizados em laboratórios da UFRJ 2 e da UERJ Ensaios sobre as paredes Determinação da penetração da água da chuva; Medição do teor de umidade superficial; Aderência dos revestimentos, conforme NBR Estes ensaios serão realizados in loco. 6.5 Ensaios sobre o concreto aparente das vigas de apoio Avaliação da penetração e do teor de cloretos, colhendo-se amostras do pó de concreto em diferentes profundidades a partir da superfície; Avaliação da penetração de CO 2, colhendo-se amostras do pó de concreto em diferentes profundidades, a partir da superfície. Estes ensaios serão realizados no Laboratório de Engenharia Química da UFF. 6.6 Avaliação do ambiente Temperatura e umidade relativa do ar; Precipitação pluviométrica; Velocidade do vento. Estes e outros dados relativos as condições atmosféricas serão fornecidos pela estação meteorológica existente no Campus da UFF, sob orientação de professores do Instituto de Geociências da UFF. 7. EQUIPE DE TRABALHO A equipe de trabalho é multidisplinar, constituída por 6 pesquisadores das áreas de engenharia civil e arquitetura, 1 pesquisador da área de engenharia química, e 1 da área de Geociências, das Universidades Federal Fluminense (5), do Estado do Rio de Janeiro (2) e Federal do Rio de Janeiro (1), além de dois funcionários de apoio técnico e 4 alunos 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro. 3 Universidade Estadual do Rio de Janeiro.

10 bolsistas de iniciação científica. O grupo inclui ainda consultores externos, da Universidade Federal de Goiás (1) e do Laboratório Nacional de Engenharia Civil de Lisboa (2). Do projeto participam ativamente ainda (principalmente na construção dos modelos e na aplicação dos revestimentos e acabamentos), 3 empresas de construção civil/edificações. 8. EQUIPAMENTOS NECESSÁRIOS Prevê-se a utilização dos seguintes equipamentos principais: - balança com precisão de 0,001g e capacidade de 500g; - estufa com temperatura ajustável de até 105 ± 5 C; - misturador mecânico com capacidade de 5L; - moldes metálicos cilíndricos de 50mm de diâmetro e 100mm de altura; - prensa hidráulica de compressão; - paquímetro capaz de medir espessuras de até 200mm, com precisão de 0,1mm; - régua metálica não flexível, com 200mm de comprimento; - placas de vidro de 70 x 100mm, com 5mm de espessura; - espátula metálica com 25mm de largura e 200mm de comprimento; - câmara úmida com controle de temperatura e umidade; - tanque de cura de corpos de prova; - moldes metálicos prismáticos, com dimensões de 25 x 25 x 285mm; - pinos de aço inox tipo 3/6 AIS; - aparelho com padrão comparador e extensômetro, para medição da variação do comprimento de corpos de prova de argamassa; - micrômetro graduado para ler unidades de 0,001 mm, com precisão de 0,002 mm; - furadeira elétrica e conjunto de brocas; - aderímetro (conforme especificações da NBR-13258); - permeâmetro para concreto (conforme especificações da NBR-10786); - mini-termo-higrógrafo para câmara condicionada; - termo-higro-anemômetro portátil; - tubos de Carsten, para ensaio de absorção superficial; - micro-computador de mesa; - computador portátil, para os ensaios de campo; - scanner HP 3400C ou similar; - impressora HP Deskjet 970 ou similar; - higrômetro do tipo do fornecido pela James Instruments; - Vaisala humidity tester (sonda de umidade); - umidímetro Palma, desenvolvido pelo LNEC [4]. Entre equipamentos e materiais, a pesquisa demandará cerca de ,00 para sua realização, que serão supridos pelas empresas, organismos de fomento e universidades envolvidas. 9. CRONOGRAMA DOS TRABALHOS Prevê-se um período de 24 meses para a realização do estudo, cuja seqüência de

11 atividades encontra-se descrita a seguir. No primeiro mês serão adquiridos os equipamentos necessários ao estudo. A demarcação física da Estação, a limpeza e preparação do terreno, e a locação das fundações e das paredes ocorrerá nos 2 meses seguintes. A execução dos pilaretes, das vigas e das paredes, bem como a cobertura com telhas serão realizadas nos 4 meses subsequentes. Nos 3 meses seguintes ocorrerá a aplicação dos revestimentos: argamassa preparada no canteiro, argamassas industrializadas, revestimentos cerâmicos, tintas, texturas, rochas ornamentais, atividades que serão seguidas do fechamento com cerca da área da estação. Durante os 4 meses subseqüentes serão realizados os ensaios dos blocos cerâmicos (determinação da massa e da absorção de água), das argamassas (resistência à compressão, retração, aderência, absorção de água, retenção de água e permeabilidade). Na seqüência, serão realizados os ensaios nas paredes (penetração da água da chuva, teor de umidade superficial e aderência dos revestimentos) e nas vigas (penetração de cloretos no concreto e profundidade de carbonatação). Em paralelo, será efetuada a monitoração do ambiente, com medição da temperatura e umidade relativa do ar, medição da precipitação pluviométrica e medição da velocidade e direção do vento. Antes do final do período de 24 meses ocorrerá ainda uma avaliação visual do aspecto das paredes, que, em conjunto com a interpretação e análise dos resultados de todos os outros ensaios, comporá a massa de dados do primeiro grande relatório do projeto. O início da construção dos modelos está condicionado à aquisição dos equipamentos necessários aos ensaios. Prevê-se um período máximo de 6 meses para a confecção das paredes e a conclusão dos primeiros ensaios. A partir do 1º ensaio, prevê-se a realização de ensaios semanais nas paredes (ensaio de controle), e de outros ensaios, cuja periodicidade variará em função da precipitação de chuvas importantes (ensaio especial). Depois do 1º ano de instrumentação das paredes, já será possível ter uma idéia mais precisa da periodicidade dos ensaios para os anos seguintes. A interpretação dos dados possibilitará a realização dos primeiros ajustes e correções. Pretende-se monitorar os modelos por pelo menos 10 anos. 10. OBSERVAÇÕES FINAIS O projeto da UFF vem ao encontro da necessidade de estudar a durabilidade das fachadas, considerando os materiais constituintes em escala real e ao longo do tempo, e mobilizando todos os intervenientes do processo construtivo, quais sejam, construtores, fabricantes de materiais, arquitetos e engenheiros civis, em associação com professores, estudantes universitários e pesquisadores.

12 Durante seu desenvolvimento serão testados, no domínio dos revestimentos de parede, 3 tipos de argamassas preparadas no canteiro de obras e três tipos de argamassas industrializadas, de 4 fabricantes diferentes. Em termos de acabamentos, serão avaliados dois tipos de tintas, duas texturas, dois tipos de pastilhas, dois tipos de materiais cerâmicos e dois tipos de rochas ornamentais. Para o acabamento e a proteção de concreto aparente poderão ser testados até 5 tipos (ou fabricantes) de produtos hidrofugantes e até 5 tipos (ou fabricantes) de vernizes acrílicos. O estudo da intensidade e da forma das deteriorações mais comuns em cada região, em função do ambiente natural, dos materiais e da mão de obra locais, possibilitará o desenvolvimento de projetos específicos, com soluções particulares, específicas para cada caso. A partir da avaliação dos resultados desse projeto, podem vir a ser instaladas outras estações, na UFRJ, na UERJ, em outras universidades do Estado do Rio de Janeiro e até de outros estados do Brasil. Acredita-se que o desenvolvimento deste projeto, que tem despertado grande interesse do meio técnico e do qual são esperados resultados significativos, possa envolver cada vez mais um maior número de alunos de graduação dos cursos de engenharia civil e arquitetura, motivando-os para a pesquisa científica, para a boa técnica da construção e para a busca de soluções funcionais, bonitas e duradouras para o revestimento de fachadas prediais. 11. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] SINDUSCON-PR, Sindicato da Indústria da Construção do Estado do Paraná, Revista Construção nº 408, RJ, Agosto, [2] Nascimento, R.; Souza, R.H.F. Durabilidade das fachadas, Monografia de Projeto Final II, Departamento de Engenharia Civil, UFF, Niterói [3] 7º Prêmio PINI Melhores da Construção, Editora PINI, Novembro [4] Palma, J.; Leite, D. Aparelho Detector de Humidade no Betão com Base na Variação da Condutibilidade. Lisboa, LNEC, Report 56/92-GEEt, AGRADECIMENTOS Os autores agradecem à FINEP, FAPERJ, CNPq, UFF, LNEC e às construtoras JM Construções, RG Côrtes Engenharia S.A. e Rui Matoso Engenharia S.A., pelos apoios técnico e financeiro, indispensáveis à realização deste trabalho.

VI Simpósio Brasileiro de Tecnologia de Argamassas e I International Symposium on Mortars Technology O projeto da UFF para avaliar o Desempenho de

VI Simpósio Brasileiro de Tecnologia de Argamassas e I International Symposium on Mortars Technology O projeto da UFF para avaliar o Desempenho de VI Simpósio Brasileiro de Tecnologia de Argamassas e I International Symposium on Mortars Technology O projeto da UFF para avaliar o Desempenho de Revestimentos de Fachadas Regina H.F. de Souza; Ivan R.

Leia mais

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À. AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À. AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência Por: Regina Helena Ferreira de Souza Professora Dra., Titular de Estruturas, Departamento de Engenharia Civil Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS REVESTIMENTOS DE FACHADAS Projeto REFA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS REVESTIMENTOS DE FACHADAS Projeto REFA FINEP - FNDCT/VERDE - AMARELO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS REVESTIMENTOS DE FACHADAS 1 Relatório de Atividades Junho / 2005 Executor: UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Co-Executor(es): UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória

GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS. Comunidade da Construção de Vitória GESTÃO DO CONTROLE TECNOLÓGICO DE REVESTIMENTOS 1 Objetivo Utilizar o controle tecnológico como ferramenta imprescindível para execução do revestimento de argamassa e cerâmica em fachadas, aumentando a

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível, de alta adesividade, para áreas internas e externas. O Maxijunta Pastilhas de Porcelana é indicado principalmente para

Leia mais

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO:

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO: INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível de alta adesividade para áreas internas e externas. Assenta e rejunta pastilhas de porcelana e cerâmica até 7,5 x 7,5 cm,

Leia mais

PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS

PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS Setembro, 2009 PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS 1 O QUE NÃO QUEREMOS: O QUE NÃO QUEREMOS, MESMO!! 2 NUNCA!!!! JAMAIS! 3 NA MINHA OBRA NÃO! Fonte:FUMEC É CADA UMA... 4 JÁ? TÃO CEDO...

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE ARGAMASSAS USUAIS NO REVESTIMENTO DE FACHADAS PREDIAIS COMPARATIVE STUDY OF MORE USABLE MORTARS IN RENDERING BUILDING FACADES

ESTUDO COMPARATIVO DE ARGAMASSAS USUAIS NO REVESTIMENTO DE FACHADAS PREDIAIS COMPARATIVE STUDY OF MORE USABLE MORTARS IN RENDERING BUILDING FACADES ESTUDO COMPARATIVO DE ARGAMASSAS USUAIS NO REVESTIMENTO DE FACHADAS PREDIAIS COMPARATIVE STUDY OF MORE USABLE MORTARS IN RENDERING BUILDING FACADES Regina Helena F. Souza (1); Márcia D. Felício (2); Fernanda

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

Construção de Edícula

Construção de Edícula Guia para Construção de Edícula Guia do montador Mais resistência e conforto para sua vida. As paredes com Placas Cimentícias Impermeabilizadas e Perfis Estruturais de Aço Galvanizado para steel framing

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO INSTITUTO UNI-FAMEMA / OSCIP Marília/SP ÍNDICE 1. PRELIMINARES. 2. DEMOLIÇÕES E RETIRADAS.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS

AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS AVALIAÇÃO DA ADERÊNCIA DE SISTEMAS ARGAMASSADOS SOBRE MANTAS ASFÁLTICAS IRENE DE AZEVEDO LIMA JOFFILY (1) MARCELO BRAGA PEREIRA (2) (1) Professora Mestre do UniCeub/Virtus Soluções (2) Graduando em Engenharia

Leia mais

PATOLOGIA DE FACHADAS

PATOLOGIA DE FACHADAS PATOLOGIA DE FACHADAS Antônio Henrique Correa de Freitas 1 Poliana Miranda França 2 Tamiris Miranda França 2 RESUMO Este artigo tem por finalidade explorar as diversas patologias existentes em fachadas,

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES Prof. Marco Pádua A cobertura é uma fase importante da edificação. Não só a questão estética deve ser considerada, como a escolha dos elementos, a posição

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS ISOPORTEC A ISOPORTEC é focada na produção de soluções em isopor de alta performance para a construção civil, valorizando produtos que fazem diferença nos projetos mais complexos.

Leia mais

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD Revestimentos de Alto Desempenho - RAD O mercado de revestimentos para pisos de concreto se desenvolveu mais expressivamente no Brasil na década de 1980. Foi nesse momento que os revestimentos autonivelantes

Leia mais

Prefeitura Municipal de Piratini

Prefeitura Municipal de Piratini MEMORIAL DESCRITIVO O presente Memorial Descritivo visa estabelecer as condições de materiais e execução referentes à construção de um Vestiário Esportivo, localizado na Av. 6 de julho s/n, em Piratini/RS,

Leia mais

Residencial Recanto do Horizonte

Residencial Recanto do Horizonte MEMORIAL DESCRITIVO Residencial Recanto do Horizonte FUNDAÇÃO E ESTRUTURA As Fundações serão executadas de acordo com o projeto estrutural, elaborado de acordo com as normas técnicas pertinentes e baseadas

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 7 REVESTIMENTOS VERTICAIS Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS

REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS E CONSTRUÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL REVESTIMENTO DE GRANITO COM INSERTS METÁLICOS MÔNICA DANTAS

Leia mais

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes!

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! Bloco de concreto As paredes são montadas a partir de componentes de alvenaria - os blocos. Portanto, é imprescindível que eles obedeçam

Leia mais

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes Argamassas NBR13281 Histórico 1º. registro de emprego na construção: Pré-História Piso polido de 180 m² feito com pedras e argamassa cal e areia: ~ 7000 a 9000

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Prof.Dra Vanessa Silveira Silva 1 IMPORTÂNCIA DA CURA

Leia mais

INSTITUTO ALGE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JANILSON CASSIANO

INSTITUTO ALGE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JANILSON CASSIANO CONSTRUINDO NO SISTEMA (CES) LIGHT STEEL FRAMING O sistema Light Steel Frame é caracterizado por um esqueleto estrutural leve composto por perfis de aço galvanizado que trabalham em conjunto para sustentação

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO ISOCRET ESTRUTURA /REVESTIMENTO

SISTEMA CONSTRUTIVO ISOCRET ESTRUTURA /REVESTIMENTO Sistema Construtivo Fabricado de acordo com a ISO 9002 Conforto as normas ASTM( EUA) e ABNT (Brasil). Comprovada em testes de desempenho realizados pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo

Leia mais

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas

Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Impermeabilização de edificações residenciais urbanas Serviços Reparo - Proteção Impermeabilização - Graute Atuação em todo território nacional em obras de infraestrutura www.rossetiimper.com.br Aplicador

Leia mais

Internacional SOLUTIONS

Internacional SOLUTIONS Internacional SOLUTIONS SILICONE NEUTRO Silicone neutro Impermeabilizante de uso profissional. Inodoro e com fungicida. ADERE EM: Madeira, concreto, tijolo, vidro, PVC, plástico, alumínio, etc. APLICAÇÃO:

Leia mais

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos.

BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Descrição BIANCO é uma resina sintética de alto desempenho que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. BIANCO confere maior elasticidade e, assim, maior resistência

Leia mais

DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS

DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS DICAS PARA PREVENIR PROBLEMAS Impermeabilização adequada das fundações de estruturas da obra. Todas as fundações e estruturas da obra com infiltração ou impermeabilização inadequada, principalmente no

Leia mais

PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1

PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1 PATOLOGIAS EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS (2011) 1 RUBIN, Ariane P. 2 ; CERVO, Fernanda 3 ; PALMA, Cleomar 4 ; ALMEIDA, Leonardo 5 ; QUERUZ, Francisco 6 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Arquitetura

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO

ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO ANEXO XII - MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO 4.1 APRESENTAÇÃO O presente memorial descritivo tem por finalidade determinar os detalhes de acabamento, tipo e a qualidade dos materiais a serem utilizados

Leia mais

Imprensa Oficial da Estância de Atibaia Sábado, 7 de setembro de 2013 - nº 1524 - Ano XVII - Caderno C - Volume V de V

Imprensa Oficial da Estância de Atibaia Sábado, 7 de setembro de 2013 - nº 1524 - Ano XVII - Caderno C - Volume V de V Prefeitura da Estância de Atibaia 201 Comércio - Precário Definição: Edificações inacabadas, deficiências aparentes, construídas com tijolos ou blocos. Coberta de telha ou laje pré moldada sem acabamento,

Leia mais

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo.

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo. Especificações Técnicas Argamassa INDUSTRIALIZADA : Produto industrializado, constituído de aglomerantes e agregados miúdos, podendo ainda ser adicionados produtos especiais (aditivos), pigmentos com a

Leia mais

CAPÍTULO IV - ALVENARIA

CAPÍTULO IV - ALVENARIA CAPÍTULO IV - ALVENARIA Alvenaria é a arte ou ofício de pedreiro ou alvanel, ou ainda, obra composta de pedras naturais ou artificiais, ligadas ou não por argamassa. Segundo ZULIAN et al. (2002) também

Leia mais

Pedra Natural em Fachadas

Pedra Natural em Fachadas Pedra Natural em Fachadas SELEÇÃO, APLICAÇÃO, PATOLOGIAS E MANUTENÇÃO Real Granito, S.A. Índice Características típicas dos diferentes tipos de Rochas Ensaios para a caracterização de produtos em Pedra

Leia mais

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES Angelo Just da Costa e Silva (1); João Manoel de Freitas Mota (2); Fred Rodrigues Barbosa (3); José Orlando Vieira Filho (4) (1)

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO 1 OLIVEIRA, Andrielli Morais (1), CASCUDO, Oswaldo (2) Palavras chave: Corrosão, adições

Leia mais

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos Classificação dos materiais pétreos Fabricação de blocos cerâmicos Pedras naturais: encontradas in natura, usadas normalmente após beneficiamento. Ex.: agregados, placas de rocha para revestimento. Pedras

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Rio Branco, Acre Brasil

MEMORIAL DESCRITIVO Rio Branco, Acre Brasil MEMORIAL DESCRITIVO Rio Branco, Acre Brasil ÍNDICE DO MEMORIAL DESCRITIVO 1. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O PROJETO 2. CONSTRUÇÃO 3. INSTALAÇÕES 4. COBERTURA 5. DISPOSIÇÕES FINAIS 1. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE

Leia mais

O QUARTO ELEMENTO DA CONSTRUÇÃO

O QUARTO ELEMENTO DA CONSTRUÇÃO O QUARTO ELEMENTO DA CONSTRUÇÃO Porque Impermeabilizar? O que leva construtoras, construtores, proprietários de imóveis, etc... a procura de impermeabilizantes? De cada 10 pessoas que procuram produtos

Leia mais

Blocos e Alicerces CONCEITO

Blocos e Alicerces CONCEITO CONCEITO Os blocos são elementos estruturais de grande rigidez que são ligados pelas vigas baldrame. Sua profundidade varia de 0,5 a 1 metro. São utilizados quando há atuação de pequenas cargas, como em

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Residencial Nihal Rua Aragão Bozano, 131 Lotes 2, Quadra 57, Torres, RS

MEMORIAL DESCRITIVO. Residencial Nihal Rua Aragão Bozano, 131 Lotes 2, Quadra 57, Torres, RS MEMORIAL DESCRITIVO Residencial Nihal Rua Aragão Bozano, 131 Lotes 2, Quadra 57, Torres, RS 1. LOCALIZAÇÃO: O empreendimento localiza-se à Rua Aragão Bozano,131 Lotes 2, Quadra 57, Praia Grande, Torres/RS.

Leia mais

cerâmica externa ficha técnica do produto

cerâmica externa ficha técnica do produto 01 Descrição: Argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos em áreas internas e s. 02 Classificação técnica: ANTES Colante

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES Necessidade da impermeabilização Introdução a Impermeabilização Projeto de impermeabilização Execução de impermeabilização 1 - A NECESSIDADE DA IMPERMEABILIZAÇÃO Problemas

Leia mais

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle.

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle. CONCEITO Light (LSF estrutura em aço leve) é um sistema construtivo racional e industrial. Seus principais componentes são perfis de aço galvanizado dobrados a frio, utilizados para formar painéis estruturais

Leia mais

OBRA: EDIFÍCIO RESIDENCIAL MIRABELLO LOCALIZAÇÃO: Coronel Luiz Caldeira, Itacorubi, Florianópolis/SC. EMPRESA: BEO CONSTRUÇÕES LTDA.

OBRA: EDIFÍCIO RESIDENCIAL MIRABELLO LOCALIZAÇÃO: Coronel Luiz Caldeira, Itacorubi, Florianópolis/SC. EMPRESA: BEO CONSTRUÇÕES LTDA. MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES OBRA: EDIFÍCIO RESIDENCIAL MIRABELLO LOCALIZAÇÃO: Coronel Luiz Caldeira, Itacorubi, Florianópolis/SC. EMPRESA: BEO CONSTRUÇÕES LTDA. ÍNDICE: 1. Características 2. Serviços

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

CONSTRUÇÕES RURAIS: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Vandoir Holtz 1

CONSTRUÇÕES RURAIS: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Vandoir Holtz 1 Vandoir Holtz 1 ARGAMASSA Classificação das argamassas: Segundo o emprego: Argamassas para assentamento de alvenarias. Argamassas para revestimentos; Argamassas para pisos; Argamassas para injeções. DOSAGEM

Leia mais

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul 1. O presente memorial tem por

Leia mais

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO Especificação Destinada Construção do Núcleo de Empresas Junior INTRODUÇÃO A execução dos serviços referente Construção do Núcleo de Empresas Junior, obedecerá

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO: CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON OBRA: ENDEREÇO: REFORMA E ADEQUAÇÃO DE SALAS NO PRÉDIO DA UNIDADE DE NEGÓCIOS NORTE UNN, VISANDO A INSTALAÇÃO DO POSTO DE ENSAIO

Leia mais

PROJETO BÁSICO. Especificação Destinada a Construção de Almoxarifado

PROJETO BÁSICO. Especificação Destinada a Construção de Almoxarifado PROJETO BÁSICO Especificação Destinada a Construção de Almoxarifado INTRODUÇÃO A execução dos serviços referente Construção de Prédio para Almoxarifado, obedecerá as Especificações, e seus Anexos, aos

Leia mais

Parede de Garrafa Pet

Parede de Garrafa Pet CONCEITO As paredes feitas com garrafas pet são uma possibilidade de gerar casas pré fabricadas através da reciclagem e é uma solução barata e sustentável. As garrafas pet são utilizadas no lugar dos tijolos

Leia mais

membrana impermeabilizante

membrana impermeabilizante 01 Descrição: votomassa é uma impermeável flexível e antifissura resistente a cargas, que dispensa o uso de telas, para aplicação em diversos substratos. 02 Classificação técnica: ANTES Hydro Ban votomassa

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS 3 Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt novembro 2013 PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO ESTRATÉGIAS DE CONSERVAÇÃO Critérios de decisão, técnicas

Leia mais

Patologia em Revestimentos de Fachada

Patologia em Revestimentos de Fachada PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES Revestimentos de 1 Nome:Fernando Marques Ribeiro Matricula: 27667 Docente: Orlando Carlos B. Damin Artigo: Fonte: Editora: Ordem dos Engenheiros Região Norte / 2011 Autores: Ana

Leia mais

ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho. Perícias judiciais

ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho. Perícias judiciais ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho Perícias judiciais IBAPE SP - AGOSTO 2011 1 NORMAS TÉCNICAS Zona de fronteira Direito Engenharia 2 Norma de Desempenho

Leia mais

Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO. Profº Joel Filho

Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO. Profº Joel Filho Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO Profº Joel Filho Introdução: Impermeabilização NBR 9575/2003 - Elaboração de Projetos de Impermeabilização Item 6 Projeto 6.1. Elaboração e responsabilidade técnica

Leia mais

PLANILHA DE SERVIÇOS GERAIS DE OBRA

PLANILHA DE SERVIÇOS GERAIS DE OBRA 1 PRELIMINARES 1.1 Instalações do canteiro de obra vb 1,00 5.000,00 5.000,00 90,09 1.2 Placa de obra 2,00m x 3,00m, conforme orietações da administração vb 1,00 550,00 550,00 9,91 SUB TOTAL PRELIMINARES

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo.

Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo. Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo. 85.(STM/CESPE/2011) A taipa de mão é, tradicionalmente, fabricada por meio de processos artesanais ou com forte

Leia mais

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura.

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Definições Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Armadura: associação das diversas peças de aço, formando um conjunto para um

Leia mais

ÁREA DO CONCURSO: TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

ÁREA DO CONCURSO: TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL PONTUAÇÃO-LIMITE DOS QUESITOS DA PROVA DE TÍTULOS DO CONCURSO PARA PROVIMENTO DE VAGA DE PROFESSOR ASSISTENTE EM REGIME DE 20 HORAS SEMANAIS PARA O DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS E CONSTRUÇÃO

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito das especificações de materiais, julgue os itens a seguir. 51 Os cimentos CP III cimentos portland de alto-forno e CP IV cimento portland pozolânico são menos porosos e resistentes, sendo ideais

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Municipio de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Municipio de Venâncio Aires MEMORIAL DESCRITIVO Obra: OBRAS CIVIS, REFORMA E INSTALAÇÕES - PMAT PAVIMENTO TÉRREO E SUPERIOR DA PREFEITURA MUNICIPAL Local: Rua Osvaldo Aranha-nº 634 Venâncio Aires EXECUÇÃO E SERVIÇOS A execução dos

Leia mais

REVESTIMENTOS VERTICAIS EM ARGAMASSAS E GESSO

REVESTIMENTOS VERTICAIS EM ARGAMASSAS E GESSO Revest. em Ministério argamassa da e Educação gesso 14:54 Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Construção Civil II ( TC-025) REVESTIMENTOS VERTICAIS EM ARGAMASSAS E GESSO Prof. José de Almendra

Leia mais

Ficha Técnica de Produto Biomassa Piso e Azulejo Rápido Código: APR001

Ficha Técnica de Produto Biomassa Piso e Azulejo Rápido Código: APR001 1. Descrição: A é mais uma argamassa inovadora, de alta tecnologia e desempenho, que apresenta vantagens econômicas e sustentáveis para o assentamento e sobreposição de pisos, azulejos e pastilhas. O principal

Leia mais

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS 1 1.1 INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas 01520.8.1.1 m² 7,50 1.2 Ligação provisória de água para a obra

Leia mais

KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br

KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 2a. parte: ECONÔMICA-ESTUDO DE CASO KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br UNIVERSIDADE

Leia mais

Impermeável Protector Resistente impermeabilizações objectivo - problema - solução objectivo 1 Prevenir a infiltração de água para os pavimentos e paredes das cozinhas, casas de banho, balneários e outros

Leia mais

A OCORRÊNCIA DE EFLORESCÊNCIA EM LOCAIS IMPERMEABILIZADOS COM MANTA ASFÁLTICA

A OCORRÊNCIA DE EFLORESCÊNCIA EM LOCAIS IMPERMEABILIZADOS COM MANTA ASFÁLTICA A OCORRÊNCIA DE EFLORESCÊNCIA EM LOCAIS IMPERMEABILIZADOS COM MANTA ASFÁLTICA IRENE DE AZEVEDO LIMA JOFFILY (1) ANA LUIZA ALVES DE OLIVEIRA (2) (1) Professora UniCeub/Virtus Soluções (2) Graduanda em Engenharia

Leia mais

2. INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS

2. INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Banheiros Públicos Rincão do Segredo Local: Rua Carlos Massman - Rincão do Segredo Alm. Tam. do Sul-RS Proprietário: Município de Almirante Tamandaré do Sul / RS 1. O presente

Leia mais

Arq. Tiago S. Ferrari Royal do Brasil Technologies S.A.

Arq. Tiago S. Ferrari Royal do Brasil Technologies S.A. Concreto PVC A Utilização do Sistema Royal para construção de casas populares. Arq. Tiago S. Ferrari Royal do Brasil Technologies S.A. O Sistema Construtivo O sistema construtivo Royal (Concreto-PVC) nasceu

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL

MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL I SERVIÇOS DE ENGENHARIA Constitui objeto do presente memorial descritivo uma edificação para abrigar segura e adequadamente equipamentos de rede estabilizada, Grupo Moto-gerador

Leia mais

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade.

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Prof. Luciano Martin Teixeira, M.Sc. Eng. INTRODUÇÃO O emprego de polímeros no concreto tem como objetivo intensificar certas qualidades devido a diminuição

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Informações sobre a construção de superadobe e pintura do reboco se for em terra crua.

RESPOSTA TÉCNICA. Informações sobre a construção de superadobe e pintura do reboco se for em terra crua. RESPOSTA TÉCNICA Título Sistema construtivo em superadobe Resumo Informações sobre o sistema construtivo Superadobe Palavras-chave Contrução; reboco; superadobe; tinta Assunto Preparação de massa de concreto

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil Materiais de Construção Civil Aula 07 Gesso para Construção Civil Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Gesso para Construção Civil O gesso é um mineral aglomerante produzido a partir da calcinação da gipsita,

Leia mais

ANEXO II - LAUDO DE VISTORIA. Vistoria realizada em: / / Responsável Técnico: IMOVEL: 1. Endereço:

ANEXO II - LAUDO DE VISTORIA. Vistoria realizada em: / / Responsável Técnico: IMOVEL: 1. Endereço: ANEXO II - LAUDO DE VISTORIA Vistoria realizada em: / / Responsável Técnico: CARACTERIZAÇÃO DO BEM IMOVEL: 1. Endereço: 2. Proteção legal: Tombamento Municipal Tombamento Estadual Tombamento Federal Preservado

Leia mais

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -XOKR

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -XOKR 81,9(56,'$'()('(5$/'2&($5È '(3$57$0(172'((1*(1+$5,$(6758785$/( &216758d 2&,9,/ 127$6'($8/$6 &216758d 2'((',)Ë&,26, 5(9(67,0(1726'(7(726 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -XOKR &RQVWUXomRGH(GLItFLRV, 5HYHVWLPHQWRVGH7HWRV

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO SECRETARIA DE 0BRAS 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 DISPOSIÇÕES GERAIS

MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO SECRETARIA DE 0BRAS 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 DISPOSIÇÕES GERAIS MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: Nova Instalação da SEMMAC LOCAL: Rua Dr. Lamartine Pinto de Avelar, 2338. Setor Ipanema. Catalão GO TIPO DE SERVIÇO: Reforma e Ampliação. 1.0 INTRODUÇÃO A finalidade do presente

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CANOINHAS SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CANOINHAS SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO MEMORIAL DESCRITIVO Reforma Unidade de Saúde de Campo da Água Verde Local: Campo da Água Verde Canoinhas/SC CANOINHAS-SC ABRIL / 2014 SERVIÇOS PRELIMINARES E GERAIS... Este Memorial Descritivo tem a função

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica 372

IV Seminário de Iniciação Científica 372 IV Seminário de Iniciação Científica 372 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA Juliane Barbosa Rosa 1,3., Renato Resende Angelim 2,3. 1 Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02 RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE Julho 2011 Revisão 02 2 INTRODUÇÃO Os Centros de Saúde incluídos nesta categoria são unidades que foram construídas recentemente e que

Leia mais

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências.

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito de Nova Mutum, Estado

Leia mais

INCIDÊNCIAS PATOLÓGICAS EM FACHADAS E ÁREAS COMUNS DE EDIFICAÇÕES PARA ENSINO CASO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

INCIDÊNCIAS PATOLÓGICAS EM FACHADAS E ÁREAS COMUNS DE EDIFICAÇÕES PARA ENSINO CASO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ INCIDÊNCIAS PATOLÓGICAS EM FACHADAS E ÁREAS COMUNS DE EDIFICAÇÕES PARA ENSINO CASO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ RESUMO PADARATZ, Ivo J. (1); CANOVA, José A. (2); DE MORI, Luci M. (3);

Leia mais

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas 10/11/2009 Carlos Chaves LOG Gestão de Obras Subsistemas Deus está nos detalhes Mies van der Rohe (1886-1969) Pavilhão alemão na Feira Mundial de Barcelona

Leia mais

ESTUDO DA ADERÊNCIA DE PLACAS DE ROCHAS ORNAMENTAIS COM ARGAMASSA COLANTE

ESTUDO DA ADERÊNCIA DE PLACAS DE ROCHAS ORNAMENTAIS COM ARGAMASSA COLANTE ESTUDO DA ADERÊNCIA DE PLACAS DE ROCHAS ORNAMENTAIS... 45 ESTUDO DA ADERÊNCIA DE PLACAS DE ROCHAS ORNAMENTAIS COM ARGAMASSA COLANTE Lizandra Nogami Mestre do Programa de Pós-graduação em Geotecnia EESC/USP,

Leia mais

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE LUIZA DE LIMA TEIXEIRA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA SP. PROJETO ESTRUTURAL 1 I - MEMORIAL DESCRITIVO DE CIVIL ESTRUTURAL 1 - Serviços Iniciais: ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais