Índice Índice. Introdução Inteligência da coisa educativa CIENTIFICIDADE DOS DISCURSOS SOBRE A EDUCAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice Índice. Introdução Inteligência da coisa educativa CIENTIFICIDADE DOS DISCURSOS SOBRE A EDUCAÇÃO"

Transcrição

1 Índice Índice Introdução Inteligência da coisa educativa Charles Hadji e Jacques Baillé 1. Investigadores e práticos: um encontro impossível? Cinco questões para julgar da cientificidade dos discursos sobre a educação O que é provar? O que há a provar quando se trata de educação? Não há mais que fazer que pretender provar? Que relação com o verdadeiro implica o acto educativo? Na ordem das coisas humanas, a cientificidade ficará suspensa da realização de um único paradigma? Cinco questões sobre os processos susceptíveis de, concretamente, fornecerem provas Poderá realmente haver experimentação em ciências da educação e em que condições? Como conciliar concretamente investigação e reflexão? Em que condições poderá ser considerado cientificamente correcto um processo de investigação em educação? O que é que se prova na investigação empírica em educação? Será possível ultrapassar a oposição entre causalidade e sentido? 23 I PARTE CIENTIFICIDADE DOS DISCURSOS SOBRE A EDUCAÇÃO Questão 1 O que é provar? Opinar, afirmar, professar em didáctica Yves Chevallard 1. Opinar: a doxa e os paradoxos Do opinar a afirmar: a ruptura fundadora Comprovar uma asserção Afirmar em didáctica Professar 33 Bibliografia 38 5

2 Questão 2 O que há a provar em educação? A validação científica dos propósitos e discursos sobre as práticas de ensino: depois das ilusões perdidas Marc Bru 1. Acabar com as imitações de prova : os obstáculos da orientação prescritiva A legitimação de escolhas já realizadas A promoção de novas práticas A definição de um ensino eficaz 45 Os limites da exploração prática das meta-análises 45 De que eficácia se trata? Para uma orientação descritiva, explicativa e compreensiva Situar a questão da prova numa orientação descritiva, explicativa e compreensiva Os caminhos mal traçados da prova 50 Pluralismo metodológico 50 As diferentes facetas da validade 51 Divergência irredutível dos princípios de construção da prova Novo olhar sobre as práticas Em direcção a uma abordagem praxeológica? 55 Internalismo contra externalismo? 55 Bibliografia 58 Questão 3 Não há nada melhor a fazer do que pretender provar? Produzir a prova, visar a eficácia, procurando sempre a verdade: serão desafios inconciliáveis para os trabalhos de investigação em educação? M. Develay 1. Porque, então, levantar hoje a questão do procedimento de prova nos trabalhos de investigação em educação? A resposta estrutural Uma resposta conjuntural Confrontado com os paradigmas positivista e humanista, o investigador em educação deve permanentemente adoptar uma postura dupla Como escapar simultaneamente a uma investigação que se fecha sobre o que é verdade (uma investigação não é somente válida porque é verdadeira) e a uma investigação que se fecha sobre o bem (uma investigação não é apenas válida por ser emancipadora)? Comecemos por aceitar viver tensões entre posturas diferentes De seguida, retomando os trabalhos de Isabelle Stengers, construamos uma ciência que seja um acontecimento ao criar um Parlamento das coisas da educação Retomemos as três características de uma investigação em educação 69 Bibliografia 71 6

3 Questão 4 Que relação com o verdadeiro envolve o acto educativo? Prova, acção educativa e saber: da questão da prova à questão dos saberes úteis do educador Charles Hadji 1. O que é provar? A investigação pode provar? O que é investigar? O que faz verdadeiramente a cientificidade de uma investigação? Nestas condições, a investigação poderá provar? Do ponto de vista da possibilidade de provar, a investigação em educação será específica? E em quê? Como pensar, nestas condições, a relação do acto educativo com o verdadeiro? 81 Bibliografia 84 Questão 5 Na ordem das coisas humanas, a cientificidade ficará dependente da realização de um paradigma único? Provar ou comprovar? A argumentação sobre a educação em busca de experiências Nanine Charbonnel 1. O que é argumentar, segundo a grande tradição ocidental? Os estragos de uma falsa analogia Contra a confusão dos géneros 98 Bibliografia 100 II PARTE PROCESSOS SUSCEPTÍVEIS DE TRAZEREM PROVAS Questão 6 Será possível a experimentação e em que condições? Do interesse e dos limites do paradigma experimentalista em didáctica das ciências S. Johsua 1. A experimentação Experimentação e reducionismo Estruturas históricas e abordagem quase-experimental Da estabilidade e dos contextos Do alcance das modelizações A modelização didáctica A responsabilidade da prova Interesse, limites 111 Bibliografia 111 7

4 Questão 7 Questão 8 Será possível conciliar, e como, investigação em educação e reflexão sobre a acção educativa? Investigação em educação e reflexão sobre a acção educativa M. Crahay 1. Será conveniente distinguir duas abordagens do facto educativo? Via descritiva e via prescritiva, uma distinção clássica A via descritivo-nomotética A via prescritiva ou pragmática A Pedagogia Experimental e a Educação Nova: a mesma esperança de instituir uma prática científica Existem leis em educação e, se sim, qual o seu estatuto? Será o ensino regido por leis imutáveis? Leis biológicas ou leis sócio-históricas A longevidade das leis em ciências humanas Da necessidade de submeter as convicções pedagógicas à comprovação dos factos A reflexão sobre a acção educativa não pode subtrair-se à exigência de refutabilidade Primeira ilustração: os dispositivos de ensino individualizado são eficazes? Segunda ilustração: será necessário lutar contra a prática da reprovação de ano? Como conclusão: que pode trazer a investigação à reflexão da acção educativa? 137 Bibliografia 139 Sob que condições um processo de investigação em educação pode ser considerado cientificamente correcto? Verificação e falsificação na investigação em educação Marie Duru-Bellat e Alain Mingat 1. A construção da prova na investigação em educação Uma necessidade fundamental de construção de prova Algumas balizas para a investigação empírica 146 Aceitar simplificar e limitar as suas ambições 146 O carácter incontornável da perspectiva comparativa 148 As noções de explicação e de prova comportam aspectos convencionais 149 Finalmente, prova de quê? O processo de prova inscreve-se em práticas concretas de investigação Questões gerais à volta do ciclo do percurso empírico 153 A questão da objectivação dos termos teóricos 155 Os erros inerentes à medida 157 A escolha das especificações funcionais 159 O teste estatístico e a inferência A dimensão colectiva da prova 164 Bibliografia 168 8

5 Questão 9 O que é que se prova na investigação empírica em educação? Modelos e provas na investigação empírica Jacques Baillé 1. O investigador, o seu público e o objecto Um empirismo bem mitigado O objecto trabalho Provas de existência À guisa de abertura 189 Bibliografia 191 ANEXO ANEXO Questão 10 É possível ir para além da oposição entre causalidade e sentido? Prova, operacionalidade e auto-referência Jacques Lerbet Introdução geral As ciências da coerência O ideal de coerência 198 A modelização de base em psicologia científica: o behaviorismo 199 Aberturas As distorções sofridas por este ideal 201 As interacções (S c (O h ): resistências 201 Prova e indução A necessidade de tomar em consideração o real empírico As teorias da autonomia, as ciências da coesão e o reconhecimento do real velado A complementaridade dos dois tipos de ciências: interfaces sujeito-objecto e heteroauto-referência para um modelo mais englobante 206 O princípio de complementaridade nas ciências humanas Operacionalidade e prova suficiente de uma realidade empírica: o sistema pessoal de pilotagem da aprendizagem e sua abordagem pragmática Um quadro operacional Objectividade empírica e acto de prova 211 Conclusão geral 212 Bibliografia 215 Conclusão Para além das ilusões perdidas: para uma nova aliança entre professores e investigadores? 1. As ilusões perdidas As ilusões partilhadas 217 A ilusão do dedutivismo 217 A ilusão do cientificamente certo 218 A ilusão do poderio da ciência 218 9

6 1.2. As ilusões próprias dos investigadores 218 A ilusão do poder da ciência de formular as leis imutáveis de uma prática intemporal 218 A ilusão da possível compreensão plena do objecto humano pelo investigador 219 A ilusão indutiva 219 A ilusão substancialista As ilusões próprias dos práticos 219 A ilusão realista Que convergências existem nas respostas dadas pelos autores desta obra às questões às quais estas ilusões (mal) respondiam? Quanto ao primeiro tema, trata-se de saber Sobre a articulação ciência/prática educativa Vê-se que isso responde, de facto, à questão das condições de determinação e de realização de uma prática pertinente

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E.S.A.B. ESCOLA SECUNDÁRIA DE AVELAR BROTERO Filosofia 11º Ano Duração: 135m Ano letivo: 2015/2016 Matriz da Prova de Avaliação Sumativa Interna na Modalidade de Frequência não Presencial

Leia mais

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE.

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. 1. Teorias que consideram que a sociedade é uma instância que se impõe aos indivíduos sendo estes produto dessa

Leia mais

Escola Secundária de Amora Ano Lectivo de 2014/2015 Disciplina: Filosofia 11º Ano Ensino Regular (Diurno) Planificação de Médio e Longo Prazo

Escola Secundária de Amora Ano Lectivo de 2014/2015 Disciplina: Filosofia 11º Ano Ensino Regular (Diurno) Planificação de Médio e Longo Prazo Escola Secundária de Amora Ano Lectivo de 2014/2015 Disciplina: Filosofia 11º Ano Ensino Regular (Diurno) Planificação de Médio e Longo Prazo Problemas filosóficos Conteúdos Conceitos fundamentais Objectivos

Leia mais

A construção do objeto nas Ciências Sociais: formulando problemas e hipóteses de pesquisa. - Ruptura e construção => inerentes à produção científica;

A construção do objeto nas Ciências Sociais: formulando problemas e hipóteses de pesquisa. - Ruptura e construção => inerentes à produção científica; A construção do objeto nas Ciências Sociais: formulando problemas e hipóteses de pesquisa Como transformar um interesse vago e confuso por um tópico de pesquisa em operações científicas práticas? 1. Construção

Leia mais

Tema IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica

Tema IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica Tema IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica 2. ESTATUTO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO 2.3 A Racionalidade Científica e a Questão da Objectividade IV Conhecimento e Racionalidade Científica

Leia mais

INFORMAÇÃO-EXAME A NÍVEL DE ESCOLA FILOSOFIA 2017

INFORMAÇÃO-EXAME A NÍVEL DE ESCOLA FILOSOFIA 2017 INFORMAÇÃO-EXAME A NÍVEL DE ESCOLA FILOSOFIA 2017 PROVA 225 Cursos Científicos Humanísticos Artigo 20.º do Decreto- Lei n.º 3 / 2008, de 7 de janeiro 11.º Ano de Escolaridade Duração da Prova: 120 minutos

Leia mais

Metodologias de Investigação

Metodologias de Investigação Metodologias de Investigação Projecto de Investigação e Intervenção Educativa Autor: Mestre Maria dos Anjos Cohen ISCE Odivelas Temáticas 1.Esclarecimento de Conceitos 1. Conhecimento 2. Método 3. Técnica

Leia mais

Processo de Investigação - Síntese

Processo de Investigação - Síntese Processo de Investigação - Síntese Iniciação à Investigação Educacional, Licenciatura em Educação Susana Henriques, 2014 Seleção do objeto de estudo o problema O facto social é conquistado, construído

Leia mais

1. Objectivos: 2. Conteúdos:

1. Objectivos: 2. Conteúdos: Avaliação da Componente Científico-Pedagógica: Observação de aulas Roteiro para as sessões de trabalho Duração: 5 horas Público-alvo: avaliadores da componente científico-pedagógica em exercício efectivo

Leia mais

OBJETIVOS CONTEÚDOS ESTRATÉGIAS Nº AULAS / AVAL. 1. Argumentação e Lógica Formal Motivar para o estudo da lógica Definir lógica.

OBJETIVOS CONTEÚDOS ESTRATÉGIAS Nº AULAS / AVAL. 1. Argumentação e Lógica Formal Motivar para o estudo da lógica Definir lógica. Filosofia - 11.ºAno UNID- RACIONALIDADE ARGUMENTATIVA E FILOSOFIA Nº Aulas:50 aulas de 45 minutos 1. Argumentação e Lógica Formal Motivar para o estudo da lógica Definir lógica. Desafios lógicos 1.1 Distinção

Leia mais

ESTILOS DE INVESTIGAÇÃO: ESTUDOS QUASI-EXPERIMENTAIS. José Abílio Gonçalves Maria Teresa Nunes Mestrado em Educação Didáctica das Ciências.

ESTILOS DE INVESTIGAÇÃO: ESTUDOS QUASI-EXPERIMENTAIS. José Abílio Gonçalves Maria Teresa Nunes Mestrado em Educação Didáctica das Ciências. 1 ESTILOS DE INVESTIGAÇÃO: ESTUDOS QUASI-EXPERIMENTAIS José Abílio Gonçalves Maria Teresa Nunes Mestrado em Educação Didáctica das Ciências Introdução A característica essencial da investigação experimental

Leia mais

Filosofia - 11.ºAno. UNID- RACIONALIDADE ARGUMENTATIVA E FILOSOFIA Nº Aulas:14 aulas de 90 minutos

Filosofia - 11.ºAno. UNID- RACIONALIDADE ARGUMENTATIVA E FILOSOFIA Nº Aulas:14 aulas de 90 minutos Agrupamento de Escolas de Mira Filosofia - 11.ºAno UNID- RACIONALIDADE ARGUMENTATIVA E FILOSOFIA Nº Aulas:14 aulas de 90 minutos 1. Argumentação e Lógica Formal Desafios lógicos Aplicação alguns desafios

Leia mais

O presente documento divulga informação relativa à prova de exame a nível de escola da disciplina de Filosofia, a realizar em 2017, nomeadamente:

O presente documento divulga informação relativa à prova de exame a nível de escola da disciplina de Filosofia, a realizar em 2017, nomeadamente: Informação - Prova de Exame a Nível de Escola Filosofia (de acordo com Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro, retificado pela Declaração de Retificação n.º 10/2008, de 7 de março, alterado pela Lei n.º

Leia mais

DISCIPLINA. Requisitos do pesquisador

DISCIPLINA. Requisitos do pesquisador DISCIPLINA Requisitos do pesquisador PAPEL DA UNIVERSIDADE Extensão Serviço à comunidade local Ensino Transmissão do conhecimento científico UNIVERSIDADE Pesquisa Revisão e produção do conhecimento dito

Leia mais

I CONSIDERAÇÕES SOBRE CIÊNCIA E PESQUISA CIENTÍFICA,

I CONSIDERAÇÕES SOBRE CIÊNCIA E PESQUISA CIENTÍFICA, SUMÁRIO Prefácio, xv Parte I CONSIDERAÇÕES SOBRE CIÊNCIA E PESQUISA CIENTÍFICA, 1 1 PROCESSO DE PESQUISA, 3 1.1 O processo de pesquisa: características e exigências, 4 1.2 Para que pesquisar?, 5 1.2.1

Leia mais

FILOSOFIA DA CIÊNCIA. Prof. Adriano R. 2º Anos

FILOSOFIA DA CIÊNCIA. Prof. Adriano R. 2º Anos FILOSOFIA DA CIÊNCIA Prof. Adriano R. 2º Anos CÍRCULO DE VIENA - Os filósofos do Círculo de Viena representam o movimento filosófico do positivismo lógico ou empirismo lógico, segundo o qual o saber científico

Leia mais

OBJETIVOS CONTEÚDOS ESTRATÉGIAS Nº AULAS / AVAL. 1. Argumentação e Lógica Formal Motivar para o estudo da lógica Definir lógica.

OBJETIVOS CONTEÚDOS ESTRATÉGIAS Nº AULAS / AVAL. 1. Argumentação e Lógica Formal Motivar para o estudo da lógica Definir lógica. Filosofia - 11.ºAno UNID- RACIONALIDADE ARGUMENTATIVA E FILOSOFIA Nº Aulas:48 aulas de 45 minutos OBJETIVOS CONTEÚDOS ESTRATÉGIAS Nº AULAS / AVAL. 1. Argumentação e Lógica Formal Motivar para o estudo

Leia mais

ANEXO VIII TEMAS PARA PROVA DE APTIDÃO DIDÁTICA

ANEXO VIII TEMAS PARA PROVA DE APTIDÃO DIDÁTICA ANEXO VIII TEMAS PARA PROVA DE APTIDÃO DIDÁTICA I. CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL 1.1. Engenharia Florestal (Graduação em Engenharia Florestal) a) Densidade dos povoamentos Florestais. b) Planejamento do

Leia mais

A ciência deveria valorizar a pesquisa experimental, visando proporcionar resultados objetivos para o homem.

A ciência deveria valorizar a pesquisa experimental, visando proporcionar resultados objetivos para o homem. FRANCIS BACON Ocupou cargos políticos importantes no reino britânico; Um dos fundadores do método indutivo de investigação científica; Saber é poder ; A ciência é um instrumento prático de controle da

Leia mais

Ideias sobre a natureza do conhecimento científico

Ideias sobre a natureza do conhecimento científico Ideias sobre a natureza do conhecimento científico Profª Tathiane Milaré Texto L A formulação de leis naturais tem sido encarada, desde há muito, como uma das tarefas mais importantes da ciência. O método

Leia mais

Informação-Exame Final Nível de Escola para N.E.E. Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro Prova de Filosofia 10º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 225 2015 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Projeto Testes Intermédios 2011/2012

Projeto Testes Intermédios 2011/2012 Projeto Testes Intermédios 2011/2012 Secundário FILOSOFIA INFORMAÇÃO N.º 2 Ano de escolaridade 11.º ano Data 20 de abril de 2012 OBJETO DE AVALIAÇÃO O teste intermédio de Filosofia tem por referência o

Leia mais

UNIDADE III RACIONALIDADE UNIDADE IV O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE UNIDADE V DESAFIOS ARGUMENTATIVA E FILOSOFIA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

UNIDADE III RACIONALIDADE UNIDADE IV O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE UNIDADE V DESAFIOS ARGUMENTATIVA E FILOSOFIA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA Í N D I C E UNIDADE III RACIONALIDADE ARGUMENTATIVA E FILOSOFIA Argumentação e lógica formal Cálculo proposicional Argumentação e retórica Argumentação e filosofia UNIDADE IV O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE

Leia mais

INFORMAÇÃO TESTE INTERMÉDIO INTERNO. DISCIPLINA - FILOSOFIA/11º Ano de Escolaridade. Ano Letivo 2016/2017

INFORMAÇÃO TESTE INTERMÉDIO INTERNO. DISCIPLINA - FILOSOFIA/11º Ano de Escolaridade. Ano Letivo 2016/2017 INFORMAÇÃO TESTE INTERMÉDIO INTERNO DISCIPLINA - FILOSOFIA/11º Ano de Escolaridade Ano Letivo 2016/2017 O presente documento divulga informação relativa ao Teste Intermédio Interno da disciplina de Filosofia

Leia mais

Perspectiva Comportamental Externa

Perspectiva Comportamental Externa Watson (1878-1958) Perspectiva Comportamental Externa Valorização do Meio O objecto da Psicologia Estuda o comportamento observável e mensurável Acesso WATSON O Estudo do Comportamento (behaviour) O Método

Leia mais

III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA

III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA 1. Argumentação e Lóg gica Formal 1.1. Distinção validade - verdade 1.2. Formas de Inferên ncia Válida. 1.3. Principais Falácias A Lógica: objecto de estudo

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Percurso de formção para os alunos da escola Santina Gusmini Onlus

Percurso de formção para os alunos da escola Santina Gusmini Onlus Percurso de formção para os alunos da escola Santina Gusmini Onlus «Se fazes programas para um ano, semeias trigo. Se fazes programas por uma década, plantas árvores; Se fazes programas para uma vida,

Leia mais

ÍNDICE PRÓLOGO...7 APRESENTAÇÃO CIÊNCIA E PROBLEMÁTICA EPISTEMOLÓGICA...15 E ESBOÇO HISTÓRICO DO PENSAMENTO CIENTÍFICO...

ÍNDICE PRÓLOGO...7 APRESENTAÇÃO CIÊNCIA E PROBLEMÁTICA EPISTEMOLÓGICA...15 E ESBOÇO HISTÓRICO DO PENSAMENTO CIENTÍFICO... 3 ÍNDICE PRÓLOGO...7 APRESENTAÇÃO...11 1. CIÊNCIA E PROBLEMÁTICA EPISTEMOLÓGICA...15 1.1. CONCEITOS FUNDAMENTAIS E ESBOÇO HISTÓRICO DO PENSAMENTO CIENTÍFICO...15 1.1.1. Abordagem aos conceitos de ciência

Leia mais

INFORMAÇÃO TESTE INTERMÉDIO INTERNO. DISCIPLINA - FILOSOFIA/11º Ano de Escolaridade. Ano Letivo 2017/2018

INFORMAÇÃO TESTE INTERMÉDIO INTERNO. DISCIPLINA - FILOSOFIA/11º Ano de Escolaridade. Ano Letivo 2017/2018 INFORMAÇÃO TESTE INTERMÉDIO INTERNO DISCIPLINA - FILOSOFIA/11º Ano de Escolaridade Ano Letivo 2017/2018 O presente documento divulga informação relativa ao Teste Intermédio Interno da disciplina de Filosofia

Leia mais

Metodologia Científica CONCEITOS BÁSICOSB

Metodologia Científica CONCEITOS BÁSICOSB Metodologia Científica CONCEITOS BÁSICOSB CURSO DE TECNOLOGIA Metodologia Científica A Atitude Científica As Concepções de Ciência A Ciência na História Classificações de Ciência Tipos de Conhecimentos

Leia mais

A ciência deveria valorizar a pesquisa experimental, visando proporcionar resultados objetivos para o homem.

A ciência deveria valorizar a pesquisa experimental, visando proporcionar resultados objetivos para o homem. FRANCIS BACON Ocupou cargos políticos importantes no reino britânico; Um dos fundadores do método indutivo de investigação científica; Saber é poder ; A ciência é um instrumento prático de controle da

Leia mais

Parte I FUNDAMENTAÇÃO DO ESTUDO 8. Capítulo um Educação e supervisão da formação 9

Parte I FUNDAMENTAÇÃO DO ESTUDO 8. Capítulo um Educação e supervisão da formação 9 Introdução 1 Parte I FUNDAMENTAÇÃO DO ESTUDO 8 Capítulo um Educação e supervisão da formação 9 1. Nota introdutória 9 2. Educação um conceito fundamental à mudança 11 3. Educação cultural um novo compromisso

Leia mais

OBJETIVOS CONTEÚDOS ESTRATÉGIAS Nº AULAS / AVAL. Motivar para o estudo da lógica

OBJETIVOS CONTEÚDOS ESTRATÉGIAS Nº AULAS / AVAL. Motivar para o estudo da lógica Filosofia - 11.ºAno UNID- RACIONALIDADE ARGUMENTATIVA E FILOSOFIA Nº Aulas:50 aulas de 45 OBJETIVOS CONTEÚDOS ESTRATÉGIAS Nº AULAS / AVAL. Motivar para o estudo da lógica 1. Argumentação e Lógica Formal

Leia mais

GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO: QUESTÕES SOBRE A APRENDIZAGEM E A RELAÇÃO EDUCATIVA. Ariana Cosme

GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO: QUESTÕES SOBRE A APRENDIZAGEM E A RELAÇÃO EDUCATIVA. Ariana Cosme GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO: QUESTÕES SOBRE A APRENDIZAGEM E A RELAÇÃO EDUCATIVA Ariana Cosme Questões estruturantes O que é que se entende por educar nas escolas? O que é que se entende

Leia mais

Conhecimento comum. Método indutivo-experimental. Concepção Clássica. Critério de cientificidade: verificacionismo. Método hipotético-dedutivo

Conhecimento comum. Método indutivo-experimental. Concepção Clássica. Critério de cientificidade: verificacionismo. Método hipotético-dedutivo Conhecimento comum O conhecimento vulgar ou do senso comum é empírico e por isso, sensitivo e subjetivo. Marcado pela ideologia dominante* e, portanto, assistemático (não é estruturada racionalmente) e

Leia mais

MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA 1

MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA 1 MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA 1 PESQUISA BIBLIOGRÁFICA - A atividade básica na pesquisa bibliográfica é a investigação em material teórico sobre o assunto de interesse. Ela precede o reconhecimento do

Leia mais

Módulo 5375 NOÇÕES DE PEDAGOGIA

Módulo 5375 NOÇÕES DE PEDAGOGIA Módulo 5375 NOÇÕES DE PEDAGOGIA Conteúdos Metodologias e técnicas de identificação de necessidades de formação, em função dos diversos públicos-alvo; Metodologias e técnicas de concepção de programas de

Leia mais

FILOSOFIA. As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

FILOSOFIA. As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. INFORMAÇÃO-EXAME FILOSOFIA 2017 Exame a Nível de Escola 225 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características do exame

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO EM PSICOLOGIA CLÍNICA Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Psicologia Clínica 3. Ciclo

Leia mais

Foucault e a educação. Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nos Currículos da Educação Infantil

Foucault e a educação. Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nos Currículos da Educação Infantil Foucault e a educação Tecendo Gênero e Diversidade Sexual nos Currículos da Educação Infantil Prefácio A educação abrange os processos de ensinar e de aprender e se desenvolve em todos os espaços possíveis:

Leia mais

Sumário Observação experimentação Avaliação...37

Sumário Observação experimentação Avaliação...37 Sumário PREÂMBULO...1 1.0. Sentido da presente investigação...1 2.0. Compreensão do desencontro entre ciência e prática em educação...3 2.1. Perspectivação da especificidade da educação...3 2.2. Aspectos

Leia mais

As Entidades com Responsabilidades Ambientais Específicas. O Papel da CCDR. Carla Velado Junho 2011

As Entidades com Responsabilidades Ambientais Específicas. O Papel da CCDR. Carla Velado Junho 2011 As Entidades com Responsabilidades Ambientais Específicas O Papel da CCDR Carla Velado Junho 2011 1 Agenda A importância da AAE no processo de Planeamento Competências da CCDR enquanto ERAE Quais os PMOT

Leia mais

Filosofia 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

Filosofia 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Filosofia 2016 Prova 161 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

A PESQUISA CIENTÍFICA

A PESQUISA CIENTÍFICA A PESQUISA CIENTÍFICA CONCEITO e DEFINIÇÕES - A pesquisa surge quando temos consciência de um problema e nos sentimos impelidos a buscar a sua solução. (R. Mandolfo, citado em Asti Vera, 1976) - Investigação

Leia mais

PERÍODO TEMA / UNIDADE SUB-TEMA / CONTEÚDO AULAS AVALIAÇÃO (meios e instrumentos)

PERÍODO TEMA / UNIDADE SUB-TEMA / CONTEÚDO AULAS AVALIAÇÃO (meios e instrumentos) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Ciências Sociais e Humanas Planificação Anual de Filosofia - 11º ano Ano Letivo 2014/2015

Leia mais

as duas asserções são proposições verdadeiras, e a segunda é uma justificativa da primeira.

as duas asserções são proposições verdadeiras, e a segunda é uma justificativa da primeira. 1- A Teoria da aprendizagem social de Bandura deriva dos trabalhos behavioristas, mas se distingue deles ao revelar o mecanismo de aprendizagem vicariante ou por imitação. Bandura colocou em dúvida a hipótese

Leia mais

Pensar, Fazer e Viver (d)a Ciência: partilha de um testemunho pessoal. Betina Lopes Escola Secundária de Mira Agrupamento de Escolas de Mira

Pensar, Fazer e Viver (d)a Ciência: partilha de um testemunho pessoal. Betina Lopes Escola Secundária de Mira Agrupamento de Escolas de Mira Pensar, Fazer e Viver (d)a Ciência: partilha de um testemunho pessoal Betina Lopes Escola Secundária de Mira Agrupamento de Escolas de Mira O que é afinal a Ciência? Tipos de Ciência Paradigma Quantitativo

Leia mais

- Missão Impossível -

- Missão Impossível - APRENDER CIÊNCIA SEM TRABALHO EXPERIMENTAL - Missão Impossível - Afonso, Margarida, margarida.afonso@ese.ipcb.pt Centro de Investigação da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Escola Superior

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Metodologia da Investigação Científica. Documento de Apoio às aulas presenciais Documento de Apoio às aulas presenciais

APRESENTAÇÃO. Metodologia da Investigação Científica. Documento de Apoio às aulas presenciais Documento de Apoio às aulas presenciais Documento de Apoio às aulas presenciais APRESENTAÇÃO Metodologia da Investigação Científica Tereza Ventura Doctor Europeus (Ciências da Educação, Universidade de Sevilha, Espanha) Especialista em Matemática

Leia mais

Paradigmas filosóficos e conhecimento da educação:

Paradigmas filosóficos e conhecimento da educação: Paradigmas filosóficos e conhecimento da educação: Limites atual do discurso filosófico no Brasil na abordagem da temática educacional Fonte: SEVERINO, Antonio Joaquim (USP) A preocupação do texto Os discursos

Leia mais

Pedagogia. 1º Semestre. Biologia Educacional EDC602/ 60h

Pedagogia. 1º Semestre. Biologia Educacional EDC602/ 60h Pedagogia 1º Semestre Biologia Educacional EDC602/ 60h Ementa: Identificar os processos biológicos fundamentais diretamente relacionados à situação ensino-aprendizagem. Análise dos fatores genéticos e

Leia mais

Sumário 1 Conhecimento científico e ciência, 1

Sumário 1 Conhecimento científico e ciência, 1 Sumário Prefácio da 7 a edição, xv 1 Conhecimento científico e ciência, 1 1 Conhecimento científico e outros tipos de conhecimento, 1 1.1 Correlação entre conhecimento popular e conhecimento científico,

Leia mais

ESTUDO INTRODUTÓRIO PARTE I DISCURSO E ARGUMENTAÇÃO

ESTUDO INTRODUTÓRIO PARTE I DISCURSO E ARGUMENTAÇÃO Sumário ESTUDO INTRODUTÓRIO A TEORIA DISCURSIVA DO DIREITO DE ALEXY E AS DUAS QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA FILOSOFIA DO DIREITO Alexandre Travessoni Gomes Trivisonno CAPÍTULO 1 UMA TEORIA DO DISCURSO PRÁTICO

Leia mais

MÓDULO IV O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

MÓDULO IV O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA Projeto Testes Intermédios 2012/2013 Secundário FILOSOFIA Informação n.º 2 Ano de escolaridade 11.º ano Data 17 de abril de 2013 OBJETO DE AVALIAÇÃO O teste intermédio tem por referência o Programa de

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DOS ALUNOS COMO FACTOR CONDICIONANTE DA APRENDIZAGEM EM FÍSICA

AS CONCEPÇÕES DOS ALUNOS COMO FACTOR CONDICIONANTE DA APRENDIZAGEM EM FÍSICA É útil diferenciar duas formas distintas do conhecimento prévio de um aluno: 1º) os conceitos que o aluno assimila naturalmente, através da sua interacção com o meio conceitos espontâneos 2º) os conceitos

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO SECUNDÁRIO Planificação Anual 2012-2013 FILOSOFIA

Leia mais

Uma nota prévia sobre a ciência e o que é conhecimento científico

Uma nota prévia sobre a ciência e o que é conhecimento científico Investigação: Objectivos e metodologias Uma nota prévia sobre a ciência e o que é conhecimento científico O que é Ciência? Uma teoria científica é uma tentativa de explicação racional do universo, num

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE. O que é Ciência?

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE. O que é Ciência? CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE O que é Ciência? O QUE É CIÊNCIA? 1 Conhecimento sistematizado como campo de estudo. 2 Observação e classificação dos fatos inerentes a um determinado grupo de fenômenos

Leia mais

D23. PROGRAMA DE TEORIA DA EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO CURRICULAR 11ª Classe. Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário

D23. PROGRAMA DE TEORIA DA EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO CURRICULAR 11ª Classe. Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário D23 PROGRAMA DE TEORIA DA EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO CURRICULAR 11ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Teoria

Leia mais

Informação PROVA de exame a nível de escola Filosofia 2019 Prova 225 Prova escrita 11º ano de escolaridade

Informação PROVA de exame a nível de escola Filosofia 2019 Prova 225 Prova escrita 11º ano de escolaridade Informação PROVA de exame a nível de escola Filosofia 2019 Prova 225 Prova escrita 11º ano de escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

PARTE TEÓRICA ESTUDOS TEÓRICOS

PARTE TEÓRICA ESTUDOS TEÓRICOS ÍNDICE Introdução i PARTE TEÓRICA ESTUDOS TEÓRICOS Capítulo 1 Contextos e sentido do desenvolvimento humano na 1ª Infância Introdução 1 1.1. Desenvolvimento em contexto: contributo da perspectiva ecológica

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO. Prof Bruno Tamancoldi

A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO. Prof Bruno Tamancoldi A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Prof Bruno Tamancoldi META DA AULA Apresentar conceitos sobre o Conhecimento, partindo da Filosofia, distinguindo Ciência e senso comum. OBJETIVOS conceituar lógica e raciocínio;

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Ano Letivo 2016/2017 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Disciplina: Filosofia Prova/Código: 161 Ano(s) de Escolaridade: 10º/11º Anos dos cursos do ensino

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto) PROVA 140/C/5 Págs. Duração da prova: 120 minutos 2007 2.ª FASE PROVA ESCRITA DE PSICOLOGIA 1. CRITÉRIOS

Leia mais

A Didáctica das Línguas. Síntese do Ponto 1. Língua Portuguesa e Tecnologias de Informação e Comunicação. Docente: Prof.

A Didáctica das Línguas. Síntese do Ponto 1. Língua Portuguesa e Tecnologias de Informação e Comunicação. Docente: Prof. A Didáctica das Línguas Síntese do Ponto 1 Língua Portuguesa e Tecnologias de Informação e Comunicação Docente: Prof. Helena Camacho Teresa Cardim Nº 070142074 Raquel Mendes Nº 070142032 Setúbal, Abril

Leia mais

2ª crítica- A indução é injustificável ( inferir do particular para o geral: ir do alguns, para o todos ) CRÍTICA DE HUME À INDUÇÃO

2ª crítica- A indução é injustificável ( inferir do particular para o geral: ir do alguns, para o todos ) CRÍTICA DE HUME À INDUÇÃO A observação precede sempre a hipótese/lei O raciocínio indutivo está na origem das leis científicas Uma hipótese torna-se lei científica apenas depois de verificada pela experimentação Novos casos observados

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 12ª Classe. Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 12ª Classe. Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário D32 PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 12ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do

Leia mais

Critérios de Avaliação Jardim de Infância

Critérios de Avaliação Jardim de Infância CASA DE INFÂNCIA DE SANTO ANTÓNIO Departamento Curricular de Creche e Jardim de Infância Critérios de Avaliação Jardim de Infância Horta 2016/2017 2 Critérios de Avaliação Jardim de Infância A avaliação

Leia mais

PLANO DE ENSINO. * Compreender a partir de analise de imagens e discussões a ruptura e a mudança entre o clássico e o moderno;

PLANO DE ENSINO. * Compreender a partir de analise de imagens e discussões a ruptura e a mudança entre o clássico e o moderno; PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Artes Visuais Professores: Daniel Bruno Momoli Período/ Fase: IV Semestre: II Ano: 2012 Disciplina:

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA Programa da Unidade Curricular MÉTODOS DE INV. E INTERV. EM GESTÃO DE REC. HUMANOS E AN. ORGANIZAC. Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado

Leia mais

EMENTAS BIBLIOTECONOMIA INGRESSANTES 2016/1 E 2016/2

EMENTAS BIBLIOTECONOMIA INGRESSANTES 2016/1 E 2016/2 EMENTAS BIBLIOTECONOMIA INGRESSANTES 2016/1 E 2016/2 EMENTAS COMUNS ÀS MATRIZES LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS Produção de textos (orais e escritos), leitura e análise linguística de textos em diferentes

Leia mais

PLANIFICAÇÃO-2017/2018

PLANIFICAÇÃO-2017/2018 PLANIFICAÇÃO-2017/2018 ENSINO SECUNDÁRIO - PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE FILOSOFIA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS OBJETIVOS OPERACIONALIZAÇÃO (DESCRITORES) ATIVIDADES E ESTRATÉGIAS 11º ANO DE ESCOLARIDADE MATERIAIS

Leia mais

Estatuto do Conhecimento Científico

Estatuto do Conhecimento Científico Estatuto do Conhecimento Científico Formas de conhecimento Características do senso comum Conhecimento científico como conhecimento sistemático e metódico Especificidade da metodologia científica Interdependência

Leia mais

Escola Secundária Joaquim de Araújo

Escola Secundária Joaquim de Araújo Matriz do Teste Intermédio Filosofia 10/11º Anos de Escolaridade Duração do Teste: 90 minutos Ano lectivo 2013/2014 Unidades temáticas Conteúdos Objetivos/Competências Cotações (Total: 200 pontos) MÓDULO

Leia mais

161 FILOSOFIA Informação PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

161 FILOSOFIA Informação PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 161 FILOSOFIA Informação PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ano: 2013 10º e 11º anos 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência da disciplina

Leia mais

ESTUDOS CORRELACIONAIS E ESTUDOS CAUSAL-COMPARATIVOS. Ana Henriques Carla Neves Idália Pesquita Mestrado em Educação Didáctica da Matemática

ESTUDOS CORRELACIONAIS E ESTUDOS CAUSAL-COMPARATIVOS. Ana Henriques Carla Neves Idália Pesquita Mestrado em Educação Didáctica da Matemática 1 ESTUDOS CORRELACIONAIS E ESTUDOS CAUSAL-COMPARATIVOS Ana Henriques Carla Neves Idália Pesquita Mestrado em Educação Didáctica da Matemática 1. Introdução A compreensão do comportamento humano tanto a

Leia mais

NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1

NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1 NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1 Profa. Gláucia Russo Um projeto de pesquisa pode se organizar de diversas formas, naquela que estamos trabalhando aqui, a problematização estaria

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Metodologia da Investigação Científica. Documento de Apoio às aulas presenciais Documento de Apoio às aulas presenciais

APRESENTAÇÃO. Metodologia da Investigação Científica. Documento de Apoio às aulas presenciais Documento de Apoio às aulas presenciais Documento de Apoio às aulas presenciais APRESENTAÇÃO Metodologia da Investigação Científica Tereza Ventura Doctor Europeus (Ciências da Educação, Universidade de Sevilha, Espanha) Especialista em Matemática

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA GERAL Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA GERAL Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA GERAL Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular PSICOLOGIA

Leia mais

Racionalidade argumentativa e Filosofia

Racionalidade argumentativa e Filosofia Racionalidade argumentativa e Filosofia Conteúdos Competências a desenvolver / objetivos a concretizar Estratégias Recursos Avaliação Tempos 1. Argumentação e lógica formal 1.1 Distinção validade/verdade

Leia mais

Planificação Anual Filosofia 11º Ano de Escolaridade. Ano letivo 2014/2015. Prof. João Manuel Amaral da Silva

Planificação Anual Filosofia 11º Ano de Escolaridade. Ano letivo 2014/2015. Prof. João Manuel Amaral da Silva Governo dos Açores Escola Básica e Secundária Velas Planificação Anual Filosofia 11º Ano Escolarida Ano letivo 2014/2015 Prof. João Manuel Amaral da Silva Primeiro Período Temas/Conteúdos Percurso Aprendizagens

Leia mais

CONTRIBUTOS DA INVESTIGAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DE PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO NA SALA DE AULA

CONTRIBUTOS DA INVESTIGAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DE PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO NA SALA DE AULA Seminário Conselho Nacional de Educação 5 de janeiro de 2015 Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens CONTRIBUTOS DA INVESTIGAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DE PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO NA SALA DE AULA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro. Despacho n.º..

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro. Despacho n.º.. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro Despacho n.º.. Sem prejuízo do regime de autonomia, administração e gestão dos estabelecimentos públicos da educação pré-escolar e dos ensinos básico

Leia mais

Avaliação no Ensino e Aprendizagem da Matemática. Zaqueu Vieira Oliveira

Avaliação no Ensino e Aprendizagem da Matemática. Zaqueu Vieira Oliveira Avaliação no Ensino e Aprendizagem da Matemática Zaqueu Vieira Oliveira Atividade Didática em Matemática Planejamento Avaliação Aplicação Planejamento e a Avaliação de Atividades Didáticas Tarefas Propostas

Leia mais

Resumo e Reflexão do artigo: Descobrir o princípio alfabético, por Ana Cristina Silva

Resumo e Reflexão do artigo: Descobrir o princípio alfabético, por Ana Cristina Silva Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Educação Licenciatura em Educação Básica - 3º ano, turma B U.C.: Introdução à Didáctica do Português Docentes: Helena Camacho 2009/2010 Resumo e Reflexão

Leia mais

MODELO ORGANIZATIVO DO ENSINO DA CIÊNCIA

MODELO ORGANIZATIVO DO ENSINO DA CIÊNCIA Um padrão para a unificação de conceitos e procedimentos pode ser definido verticalmente e transversalmente para todos os anos de escolaridade A compreensão e as aptidões associadas à maioria dos esquemas

Leia mais

Estudos sobre mulheres em Portugal

Estudos sobre mulheres em Portugal Estudos sobre mulheres em Portugal Cláudia Freire * Abril de 2007 As mulheres e a ciência I Parte Numa fronteira silenciosa como aquela que envolve a sub representação das mulheres na comunidade académica

Leia mais

PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Saberes necessários à prática educativa Paulo Freire. Observações Angélica M. Panarelli

PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Saberes necessários à prática educativa Paulo Freire. Observações Angélica M. Panarelli PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Saberes necessários à prática educativa Paulo Freire. Observações Angélica M. Panarelli Freire inicia sua obra esclarecendo o alvo (docentes formados ou em formação), colocando que

Leia mais

Ano Letivo 2015/2016. Informação Prova de Equivalência à Frequência. Ensino Secundário Cursos Tecnológicos. Filosofia º e 11.

Ano Letivo 2015/2016. Informação Prova de Equivalência à Frequência. Ensino Secundário Cursos Tecnológicos. Filosofia º e 11. Ano Letivo 2015/2016 Informação Prova de Equivalência à Frequência Ensino Secundário Cursos Tecnológicos Filosofia 161 10.º e 11.º anos O presente documento divulga informação relativa à prova de Equivalência

Leia mais

Apresentação da noção de argumento válido como aquele em que a conclusão é uma consequência lógica das premissas tomadas em conjunto.

Apresentação da noção de argumento válido como aquele em que a conclusão é uma consequência lógica das premissas tomadas em conjunto. FILOSOFIA Ano Letivo 2017/2018 PLANIFICAÇÃO ANUAL - 11.º Ano COMPETÊNCIAS/OBJETIVOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS RECURSOS TEMPO AVALIAÇÃO Problematização, conceptualização e argumentação. Análise metódica de

Leia mais

CAPÍTULO 2. Inteligência Humana: Articulação Paradigmática 81

CAPÍTULO 2. Inteligência Humana: Articulação Paradigmática 81 INTRODUÇÃO 5 PARTE 1. ENQUADRAMENTO TEÓRICO 13 CAPÍTULO 1. Inteligência Humana: do Conceito ao Construto 15 1.1. ACEPÇÕES, DEFINIÇÕES E CONCEPÇÕES DE INTELIGÊNCIA 15 1.1.1. Contornos da Inteligência Humana

Leia mais

ESTRATÉGIA E PLANIFICAÇÃO SINDICAL. Ulisses Garrido CGTP-IN

ESTRATÉGIA E PLANIFICAÇÃO SINDICAL. Ulisses Garrido CGTP-IN ESTRATÉGIA E PLANIFICAÇÃO SINDICAL Ulisses Garrido CGTP-IN Objectivos da sessão Conceito de estratégia A definição e o tipo de objectivos Da estratégia à acção sindical: o plano A importância da avaliação

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS

ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS Principles and Standards for School Mathematics (2000) Este documento reforça a ênfase dada no anterior documento, da importância e da adequabilidade, às crianças mais

Leia mais

Saúde e espaço social: reflexões Bourdieusianas. Ligia Maria Vieira da Silva Instituto de Saúde Coletiva - UFBa

Saúde e espaço social: reflexões Bourdieusianas. Ligia Maria Vieira da Silva Instituto de Saúde Coletiva - UFBa Saúde e espaço social: reflexões Bourdieusianas Ligia Maria Vieira da Silva Instituto de Saúde Coletiva - UFBa Plano da exposição Lacunas no conhecimento Conceitos de saúde e de normatividade em Canguilhem

Leia mais

Enfoque sistêmico na agricultura

Enfoque sistêmico na agricultura Enfoque sistêmico na agricultura Fundamentos Metodológicos Benedito Silva Neto Disciplina Enfoque sistêmico na agricultura Curso de Agronomia Linha de Formação em Agroecologia Universidade Federal da Fronteira

Leia mais

FILOSOFIA Objeto de avaliação. Análise e interpretação. Problematização e conceptualização

FILOSOFIA Objeto de avaliação. Análise e interpretação. Problematização e conceptualização Informação-prova FILOSOFIA 2018 Prova 714 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova de exame final nacional do ensino secundário

Leia mais