Inventário da Arquitetura Moderna Religiosa da Cidade de São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inventário da Arquitetura Moderna Religiosa da Cidade de São Paulo"

Transcrição

1 Inventário da Arquitetura Moderna Religiosa da Cidade de São Paulo Melissa Ramos da Silva Oliveira: Arquiteta, doutoranda em Geografia, IG/UNICAMP, Campinas, SP. Professora do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo, SP, Brasil. Carolina Pereira Leal: Graduanda do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Anhembi Morumbi. São Paulo (SP), Brasil. Nota: Dedico este estudo a todas as pessoas que me incentivaram, que continuem nessa busca onde todo o conhecimento é apenas o começo. Resumo A arquitetura religiosa influenciou e até hoje influencia os costumes, os valores e a distribuição das cidades. Apesar de seu programa permanecer o mesmo, o seu volume se juntou a novos estilos, com formas e detalhes inovadores, muito diferente das igrejas ornamentadas do passado. Como o Brasil é o maior país católico do mundo, estudar sua arquitetura religiosa é muito importante para reconhecer a sua própria história e preservar os edifícios de grande valor simbólico para o seu povo. Este trabalho tem como objetivo mostrar os resultados de um inventário da arquitetura religiosa católica moderna na cidade de São Paulo. Neste trabalho, foram pesquisados nos registros da Cúria Metropolitana de São Paulo 285 igrejas que receberam o título de paróquias, de 1920 até o presente. Da análise da tipologia, foram identificadas 126 igrejas que são ou contêm arquitetura moderna. Entre estes, foram selecionados igrejas que têm tipologia moderna evidente para realizar um estudo fotográfico e informações detalhadas. Neste artigo, apresentamos um estudo de cinco igrejas que se destacam e são símbolos da arquitetura moderna na cidade de São Paulo: Capela Mãe Santina da Igreja do Salvador, Igreja São Domingos e Igreja São João Bosco. Palavras-chave Inventário, arquitetura religiosa, arquitetura moderna, São Paulo. Inventory of the Modern Religious Architecture in the São Paulo City Abstract The religious architecture had influenced, and until this day influence the customs, values and the distribution of cities. Despite its program be the same, its volume has joined the new styles, with forms and innovative details, very different from the past ornate churches. As Brazil is the largest Catholic country in the world, study their religious architecture is very important to recognize its own history and preserve the buildings of great symbolic value for its people. This paper aims to show the results of an inventory of religious modern architecture Catholic in the city of São Paulo. In this work, were researched in the record of the São Paulo Metropolitan Curia 285 churches that received the title of parishes from 1920 to present. From an analysis of the typology, we identified 126 churches that are or contain modern architecture. Among these, we selected churches that have modern tipology evident to conduct a photographic study and detailed information. In this paper, we present a study of five churches that stand out and are symbols of modern architecture in the city of São Paulo: Chapel Mãe Santina da Igreja do Salvador, São Domingos Church and São João Bosco Church. Keywords Inventory, religious architecture, modern architecture, São Paulo. 1

2 Muito se fala sobre arquitetura moderna no Brasil, porém a arquitetura religiosa moderna não possui grande destaque nessa temática. É comum encontrarmos estudos sobre arquitetura religiosa barroca, fruto do período colonial. Nesse sentido, a escolha desse tema partiu da crença de haver poucos exemplares religiosos modernos na cidade de São Paulo. Arquitetura Religiosa Moderna, arquitetura dos monumentos perdidos Cerca de 25 anos atrás aconteceu um debate onde se levantaram questões sobre as razões, consequências e viabilidade de construção de uma nova catedral em Evry, na França. Na ocasião foi discutida a questão das comunidades religiosas criarem novos signos e, assim, os edifícios religiosos tornaram-se um dos principais símbolos da cidade, sendo importante para a identidade de uma cidade. Também foi levantada a questão de que uma cidade precisa de seus núcleos residenciais autos suficientes, áreas verdes, sistema viário distribuído, porém necessita, também, de uma centralidade e de monumentos. Quando uma cidade vai se erguendo com praças, teatros, prédios, de uma forma desordenada, sem possuir um centro marcante, torna o espaço triste, sem interesse, com seus espaços marginais abandonados. A arquitetura religiosa passa a ser o tema discutido na realidade francesa. Assim sendo, discutir monumentalidade na arquitetura significa ir além do senso comum e entrar em um grande debate, implicando, portanto, correlacionar o espaço físico com o ideológico/cultural. Os edifícios comuns têm uma grande importância como pano de fundo na cidade, de forma que os edifícios monumentais consigam exercer os seus valores de coletividade, que irão definir o espaço cívico de uma cidade. Para ocuparem o espaço e terem o seu valor, eles podem se utilizar de eixos urbanos, abertura de praças, isolamento dos edifícios, uso de materiais empregados, escala em relação aos edifícios de fundo, entre outros, sem se esquecer do objeto em questão para que e para quem serão projetados. Os modernistas racionalistas negaram os princípios básicos da monumentalidade, negou-se a centralidade, a hierarquia entre os edifícios. São cidades compostas apenas de monumentos, e onde não se consegue ver monumento algum! (SANTOS, 1989). A arquitetura religiosa constituiu-se como uma possibilidade de mostrar a volta à monumentalidade. Isso aconteceu nos últimos trinta anos e, sendo o Brasil o maior país católico no mundo, entende-se, portanto, a importância característica para a arquitetura e para a população. Essa religiosidade nacional começou com o fato de que os escravos foram proibidos de venerar seus deuses e celebrar seus cultos. Assim, os realizavam em celebrações tomadas como católicas pela igreja. Essa síntese simbólica marca profundamente a religiosidade popular, propiciando a convivência pacífica, na mesma cidade, no mesmo bairro, na mesma família ou até mesmo no mesmo indivíduo, de vários credos e vários tipos de fé diferentes (SANTOS, 1989). É assim que este país se torna terreno fértil para o restabelecimento de templos de todas as origens, que sempre encontram aqui fiéis seguidores, muitos deles católicos de batismo. A 2

3 espiritualidade dos brasileiros, incluindo o seu catolicismo, é bastante aberta e eclética, como, aliás, sua cultura. Nos séculos XVIII e XIX viajantes estrangeiros condenaram a exuberância das igrejas brasileiras, o aspecto teatral da celebração, os rituais, romarias e o fato do culto não se centralizar aos santos. Esses aspectos são muito importantes para compreender a aceitação de mudanças das comunidades religiosas. Existem no país inúmeras igrejas porque precisavam conquistar novos territórios e a Alma dos gentios. Além disso, muitas vezes, elas estavam ligadas ao Estado e exerciam funções administrativas, porém suas construções eram difíceis e demoradas e dependiam, muitas vezes, da colaboração dos fieis e dos próprios padres. Urbanisticamente, pode-se dizer que as igrejas coloniais procuravam se estabelecer nos locais mais altos para serem marcos na paisagem e, na maioria das vezes, conservavam um espaço vazio, diante da sua fachada, denominado de largo para, assim, impor sua monumentalidade. Algumas igrejas projetadas e construídas depois de 1930 possuem mudanças arquitetônicas, sendo que a principal caraterística é a ausência de um modelo, de um estilo da época. Porém, os símbolos mais marcantes como o círculo remetendo ao céu, a parábola hiperbólica que remete a montanha sagrada, o triângulo a trindade, a iluminação zenital ao espírito santo, entre outros, permanecem. Pode-se dizer que a Igreja de São Francisco de Assis (figura 1), construída 1932, em Belo Horizonte, projetada por Oscar Niemeyer, pode ser o marco desse novo tipo de arquitetura no Brasil. Figura 1. Igreja de São Francisco de Assis. Fonte: Passa-se a utilizar o concreto aparente para fazer desse novo material premissas para a nova arquitetura religiosa. Na maioria dos casos, seu programa é funcional, pouco alterado e o que permanece mais obscuro é a localização deste monumento de acordo com os outros edifícios da cidade, ora debatendo-se entre a invisibilidade urbana, ora mostrandose como monumento ou edifício modelo. Porém, um ponto que se fez forte na arquitetura religiosa desde sempre e tentou-se sobreviver, apesar da escassez de espaço para as novas igrejas: o espaço que é quase uma extensão da nave, um local para as festas e representações litúrgicas, bem como catequeses. Outra tradição que se mantém é a praça da igreja, que ainda é sinônimo de encontro, tendo, muitas vezes, uma força de civismo maior que a própria igreja. 3

4 Brasília foi a cidade onde surgiram exemplos sublimes de arquitetura religiosa moderna. É uma exceção quando o assunto é a praça que circunda a Igreja. A mesma já conhecida na arquitetura como cidade exceção, onde Niemeyer criou uma implantação com seus edifícios-símbolos; possui a Catedral (figura 2) localizada numa praça autônoma devido à separação do Estado com a Igreja e, também, para valorizar o monumento. Figura 2. Catedral de Brasilia. Fonte: A Igreja esteve por muitos anos ligada diretamente ao Estado. Porém, em 1952, foi fundada a CNBB - Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, com o intuito da igreja penetrar nos diversos meios da sociedade, atuando como porta voz dos oprimidos. Com o golpe militar de 1964, ela tentou uma aproximação com o regime militar, mesmo tendo fiéis em sua maioria combatendo o regime. Isto posto, evidencia-se que a arquitetura sofreu a influência desse Estado político, caracterizando divergências de postura de uma Igreja conservadora, de um Estado conservador e de uma arquitetura em crise de identidade. A Catedral do Rio de Janeiro (figura 3), por exemplo, fez uma má interpretação da monumentalidade de Brasília. A Catedral foi construída onde antes existia o morro de Santo Antônio que é o lugar tradicional da uma igreja que, depois de arrasado, deu lugar à catedral que tenta superar sua altura com a própria construção. Porém, fazendo isso, ela se colocou no mesmo patamar dos prédios do entorno e, assim, a monumentalidade lhe é negada. Figura 3. Catedral do Rio de Janeiro. Fonte: Como bons exemplos pode-se citar a Igreja de Alagados em Salvador (figura 4) e a Igreja do Centro Administrativo de Salvador (figura 5), ambos do arquiteto João Figueiras Lima, o 4

5 Lelé. A primeira, para não criar contraste com as outras obras extremamente pobres do bairro, procurou fazer uma construção que utiliza a mesma técnica local (tijolo, telha de barro e madeira). A segunda igreja reforça sua presença, impondo-se como um marco, pela sua forma escultórica em concreto armado. Figura 4. Igreja de Alagados, em Salvador. Fonte: SANTOS, 1989, p. 48. Figura 5. Igreja do Centro Administrativo de Salvador. Fonte: SANTOS, 1989, p. 48. Arquitetura Religiosa Moderna em São Paulo O trabalho de inventário iniciou sua pesquisa 1 na Cúria Metropolitana da Cidade de São Paulo, onde foram pesquisadas todas as igrejas que viraram paróquias a partir de até os dias atuais. A pesquisa foi realizada no livro de Batismo da Cúria Metropolitana de São Paulo, que está organizada por bairros, onde foram constatadas 285 Igrejas batizadas no século passado. Levantadas as igrejas e seus bairros, o estudo partiu para um levantamento fotográfico dessas 285 igreja. A partir das imagens, inciou-se uma análise tipológica das igrejas para 1 Essa pesquisa resulta da iniciação científica da aluna Carolina Pereira Leal, orientada pela professora Melissa Ramos da Silva Oliveira, no curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Anhembi Morumbi, no ano de Vale ressaltar que a pesquisa iniciou-se nos registros a partir de 1920, pois consideramos o início do modernismo no Brasil com a Semana de Arte Moderna de

6 averiguar quais apresentavam elementos modernos a sua composição plática, como os grandes rasgos de vidro, os jogos de luz natural, o concreto aparente, a estrutura como forma de composição, entre outros aspectos. Dessa análise, chegou-se a um número final de 40 igrejas que são ou contêm traços modernistas. Na etapa posterior, foi realizada a visita à essas 40 igrejas. Nesse artigo, escolhemos três igrejas que consideramos significativas da arquitetura moderna religiosa em São Paulo: Capela Mãe Santina da Igreja do Salvador, Igreja São Domingos e Igreja São João Bosco. A paróquia São João Bosco, localizada na Zona Oeste de São Paulo (Figura 6), possui uma planta circular que rompe com os preceitos anteriores ao moderno que valorizavam a igreja com planta em formato de cruz. É construida em concreto armado e praticamente não possui ornamentos na parte externa nem na interna. Sua iluminação, realizada por meio de elementos vazados com vidros coloridos, cria efeito cênico a fim de trazer o espectador, no caso os fiéis, uma emoção. Figura 6 Igreja São João Bosco. Foto: Carolina Pereira Leal A Igreja de São Domingos (figura 7), localizada em Perdizes, foi projetada pelo arquiteto Franz Heep. A igreja possui a fachada envidraçada, que amplia a iluminação e visibilidade dos fiéis. Construida em concreto armado, foi pintada de branco e apresenta uma fachada limpa e clean, sem ornamentos uma característica da arquitetura moderna. Na parte interna, possui pinturas sagradas desenhadas na própria argamassa, o que garante uma identidade a essa igreja. Outro bom exemplo é a Igreja Mãe do Salvador, mais conhecida como Igreja da Cruz Torta (figura 8), onde, diferentemente de muitas igrejas paulistas, é circundada por jardins. Os arquitetos Francisco Segnini e Joaquim Claudio Barreto almejaram criar uma igreja aberta, que propiciasse missas campais ou de permanência dos fiéis, caso superlotasse a nave. Além disso, sua estrutura, em concreto armado aparente e a mistura de materiais como vidro, madeira e tijolo aparente, faz da igreja um conjunto diferente, se comparado às habituais igrejas clássicas. A igreja possui iluminação de uma maneira muito diferente: as laterais são abertas ora ventilados, ora não, com painéis de madeira ou vidro, sem contar a iluminação zenital no altar que mais parece uma iluminação cênica ao local. O painel do altar também realizado em concreto também rompe, de certa forma com os preceitos ditados pela época. 6

7 Figura 7. Igreja São Domingos. Foto: Carolina Pereira Leal Figura 8. Igreja Mãe do Salvador. Foto: Carolina Pereira Leal A pesquisa nos mostrou que a arquitetura religiosa sofreu pouquíssimas alterações no que tange a questão do seu programa. E a sua estrutura espacial também permanece praticamente a mesma, com a igreja dividida em altar e nave. As mudanças mais significativas nesse tipo de arquitetura estão na sua volumetria, tipologia e ornamentação. Em um processo de mudança lento, as igrejas se adaptaram a essa nova arquitetura. Os arquitetos voltam-se para si, para depois alimentar uma discussão em torno dessa nova identidade arquitetônica, deixando, assim, tendências e técnicas construtivas universais seculares, para adotar, ou tentar adotar, essa nova intenção, desprovida de elementos neoclássicos e barrocos, que utilizam, sobretudo, novas técnicas e materiais oriundos dos avanços tecnológicos, sem deixar de se questionar sobre a importância das mesmas nas cidades, em função do seu impacto junto à comunidade. A simplificação das fachadas não implica, contudo, na falta de complexidade das novas igrejas, que tentam adaptar-se ao meio. Essas igrejas tentam fazer com que os fiéis alcancem elevação espiritual, assim como em todas as outras igrejas. Referências BENEVOLO, Leonardo. História da Arquitetura Moderna. São Paulo: Perspectiva,

8 BRUAND, YVES. Arquitetura contemporânea no Brasil. São Paulo: Perspectiva. CÚRIA METROPOLITANA DE SÃO PAULO. Livro de batismo. Volumes I, II, III e IV. Acesso em 15 Set FRAMPTON, Kenneth. História crítica da arquitetura moderna. São Paulo: Martins, Fontes, PEREIRA, Paulo Cesar Xavier. São Paulo a construção da cidade. São Paulo: Rima, PEVSNER, Nikolaus. Origens da arquitetura moderna e do design. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, SANTOS, Cecilia Helena Godoy Rodrigues dos. Porque as catedrais não eram brancas. Projeto (São Paulo), São Paulo, n. 128, p ,

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno 3.3 O Largo do Carmo e seu entorno O Largo do Carmo, como ainda é conhecido o espaço público na frente das igrejas da Ordem Primeira e Terceira do Carmo, e ao lado do Teatro Vasques. Seu entorno conserva

Leia mais

ANALISE PARA TOMBAMENTO - INVENTÁRIO DE BENS CULTURAIS DA IGREJA MATRIZ SÃO JOÃO BATISTA DE PIRAPOZINHO.

ANALISE PARA TOMBAMENTO - INVENTÁRIO DE BENS CULTURAIS DA IGREJA MATRIZ SÃO JOÃO BATISTA DE PIRAPOZINHO. ANALISE PARA TOMBAMENTO - INVENTÁRIO DE BENS CULTURAIS DA IGREJA MATRIZ SÃO JOÃO BATISTA DE PIRAPOZINHO. 157 Camila Le Bourlegat, Mariane Olivo, Fabrícia Dias da Cunha de Moraes Fernandes Borges Universidade

Leia mais

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 1. Finalidade do Ano da Fé; 2. O que é a Fé; 3. A transmissão da Fé enquanto professada, celebrada, vivida e rezada; 4. O conteúdo

Leia mais

O Barroco no Brasil. Capitulo 11

O Barroco no Brasil. Capitulo 11 O Barroco no Brasil Capitulo 11 O Barroco no Brasil se desenvolveu do século XVIII ao início do século XIX, época em que na Europa esse estilo já havia sido abandonado. Um só Brasil, vários Barrocos O

Leia mais

A arte na Grécia. Capítulo 3

A arte na Grécia. Capítulo 3 A arte na Grécia Capítulo 3 Por volta do século X a. C, os habitantes da Grécia continental e das ilhas do mar Egeu formavam pequenas comunidades, distantes umas das outras, e falavam diversos dialetos.

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO PAVILHÕES Os edifícios para grandes exposições têm marcado a história da Arquitetura desde 1851, com a construção do Palácio de Cristal, concebido por Joseph Paxton para a primeira Exposição Universal,

Leia mais

Roteiros Turísticos. [arte colonial]

Roteiros Turísticos. [arte colonial] Roteiros Turísticos [arte colonial] Ouro Preto [Arte Colonial] A Praça Tiradentes é o ponto central da cidade, como se fosse um divisor. A partir dela, podem-se programar as visitas. Como Ouro Preto possui

Leia mais

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I

HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I União Educacional do Norte Faculdade Uninorte Professora: Edinete Oliveira Arquiteta e Urbanista Tema: A ignorância da Arquitetura & As várias idades do

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 2CTDAMT04.P A DEFINIÇÃO DA VOLUMETRIA NO PROJETO ARQUITETÔNICO Ana Carolina Marinho Ribeiro (2), Aluísia Márcia Fonseca de Lima (3) Centro de Tecnologia/ Departamento de Arquitetura/ MONITORIA Resumo O

Leia mais

Igrejinha no Centro de Itajaí (SC) passa por primeira restauração

Igrejinha no Centro de Itajaí (SC) passa por primeira restauração Igrejinha no Centro de Itajaí (SC) passa por primeira restauração Investimento ultrapassa R$ 2,7 milhões e prazo de conclusão é de dois anos. Foto: Lucas Correia / Agencia RBS Antes mesmo de Itajaí se

Leia mais

Barroco Mineiro. Prof. Percival Tirapeli, Instituto de Artes da UNESP

Barroco Mineiro. Prof. Percival Tirapeli, Instituto de Artes da UNESP Barroco Mineiro Prof. Percival Tirapeli, Instituto de Artes da UNESP Mapa da Estrada Real, por onde escoava o ouro encontrado pelos bandeirantes paulistas em 1692. O Caminho Velho iniciava NO Rio de Janeiro

Leia mais

SUSTENTÁVEL 2007 CRIAÇÃO AMBIENTAÇÃO ESPAÇOS CONCEITO

SUSTENTÁVEL 2007 CRIAÇÃO AMBIENTAÇÃO ESPAÇOS CONCEITO SUSTENTÁVEL 2007 CRIAÇÃO AMBIENTAÇÃO ESPAÇOS CONCEITO Esta apresentação é uma releitura calcada inteiramente no texto de autoria do Arq.José Daher Caligrafia de Idéias & Negócios AGENDA INTRODUÇÃO PREMISSAS

Leia mais

Levantamento Histórico

Levantamento Histórico Praça Roosevelt Levantamento Histórico Até o final do século XIX, o local onde se encontra a Praça Roosevelt era a chácara de Dona Veridiana Prado. Este local teve diversos usos durante este período, desde

Leia mais

Antropocentrismo (do grego anthropos, "humano"; e kentron, "centro") é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do

Antropocentrismo (do grego anthropos, humano; e kentron, centro) é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do ARTE GÓTICA A Arte Gótica se desenvolveu na Europa entre os séculos XII e XV e foi uma das mais importantes da Idade Média, junto com a Arte Românica. Ela teve grande influencia do forte Teocentrismo (O

Leia mais

PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO

PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO Apresentação da Disciplina O Ensino Religioso busca a valorização do pluralismo e a diversidade cultural. Sendo assim ele faz parte dos patrimônios

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 221 ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE

Leia mais

História da Arquitetura

História da Arquitetura História da Arquitetura Subdivisão da História da Arte - estudo da evolução histórica da arquitetura. Seus princípios Idéias Realizações História da arte Evolução das expressões artísticas, a constituição

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO General Carneiro 2010 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO. O Ensino Religioso existiu num primeiro

Leia mais

100 anos do Arquivo Histórico Municipal: Painel 11 / 15 um olhar sobre um precioso acervo

100 anos do Arquivo Histórico Municipal: Painel 11 / 15 um olhar sobre um precioso acervo Painel 11 / 15 um olhar sobre um precioso acervo Série Obras Públicas Além de documentos textuais, o Arquivo Histórico Municipal guarda em seu acervo inúmeras plantas, mapas e projetos, sejam eles arquitetônicos

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br Porque construir? Necessidade de se

Leia mais

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de disciplina: Shannon Botelho 8º ano. TURMA: NOME: nº BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX O barroco brasileiro desenvolve-se principalmente em Minas Gerais,

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP

APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP APLICABILIDADE DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP Autores: Nayra Yumi Tsutsumoto (1); Cesar Fabiano Fioriti (2) (1) Aluna de Graduação

Leia mais

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do Barroco, derivado das pinturas que representavam cenas

Leia mais

ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI

ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI Autoria: Manoel Brito de Farias Segundo (orientador) Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (FACISA) Caio Méssala da Silva Faustino - Faculdade de

Leia mais

HISTÓRIA DA ARTE Da Pré-história ao Barroco. Professora: Vanessa Oliveira Arte 1ª série Ensino Médio

HISTÓRIA DA ARTE Da Pré-história ao Barroco. Professora: Vanessa Oliveira Arte 1ª série Ensino Médio HISTÓRIA DA ARTE Da Pré-história ao Barroco Professora: Vanessa Oliveira Arte 1ª série Ensino Médio O contexto de uma imagem nos apresenta o cenário geral em que ela foi produzida, sua função e o impacto

Leia mais

São Paulo ganha dos companheiros. São atribuías a S.Paulo 14 cartas. Umas são dele mesmo: Romanos, 1 e 2 aos Corintios, a Filemom, aos Gálatas, aos

São Paulo ganha dos companheiros. São atribuías a S.Paulo 14 cartas. Umas são dele mesmo: Romanos, 1 e 2 aos Corintios, a Filemom, aos Gálatas, aos No Antigo Testamento são citadas algumas cartas, como no 2ºMacabeus, capi.1º. Mas é no Novo Testamento que muitas cartas foram conservadas como parte integrante da revelação de Deus. No Novo Testamento

Leia mais

ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL

ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL O patrimônio cultural de uma comunidade é o conjunto de referências que compõem o seu dia-a-dia e fazem com que ela tenha uma memória e uma história

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

Os templos religiosos e a formação das Minas Gerais

Os templos religiosos e a formação das Minas Gerais Os templos religiosos e a formação das Minas Gerais Sou apenas uma rua na cidadezinha de Minas. Cruz da Igreja de N. Sra do Carmo Ouro Preto Minas há muitas. Provavelmente a Minas que mais nos fascina

Leia mais

Ficha de Arte I Trimestre

Ficha de Arte I Trimestre ALUNO: Nº - ANO - TURMA - DATA \ \ 201 Profª Ana Lúcia Leal Ficha de Arte I Trimestre Arte Gótica ou Medieval Estilo artístico desenvolvido na Europa Ocidental, a arte gótica está diretamente ligada ao

Leia mais

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER Tamires Albernaz Souto 1 Flávio Augusto Silva 2 Hewerton Luiz Pereira Santiago 3 RESUMO Max Weber mostra suas ideias fundamentais sobre o Capitalismo e a racionalização

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

Processo de Tombamento do Teatro São Vicente de Assis e a sociedade. local 1

Processo de Tombamento do Teatro São Vicente de Assis e a sociedade. local 1 Processo de Tombamento do Teatro São Vicente de Assis e a sociedade local 1 Rodrigo Modesto Nascimento Mestre Unesp de Assis O tombamento do Teatro São Vicente 2 de Assis foi solicitado pela Prefeitura

Leia mais

Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural

Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural Marlene Flauzina OLIVEIRA Mestranda em Geografia - Programa de Pós-Graduação Campus Jataí/UFG mflauzina@hotmail.com Eguimar

Leia mais

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé.

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé. 1 Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9 Introdução: Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e para sempre. Não se deixem levar pelos diversos ensinos estranhos. É bom que o nosso coração seja

Leia mais

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela *

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * Este artigo traz indagações referentes a uma pesquisa mais

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

Apresentação. (Solicitação do saudoso Santo Padre o Beato João Paulo II)

Apresentação. (Solicitação do saudoso Santo Padre o Beato João Paulo II) Apresentação A Renovação Carismática Católica do Estado do Piauí, movimento eclesial da Igreja Católica, tem por objetivo proporcionar às pessoas uma experiência concreta com Jesus Cristo, através do Batismo

Leia mais

ISSN 2236-0719. Organização Ana Maria Tavares Cavalcanti Maria de Fátima Morethy Couto Marize Malta

ISSN 2236-0719. Organização Ana Maria Tavares Cavalcanti Maria de Fátima Morethy Couto Marize Malta ISSN 2236-0719 Organização Ana Maria Tavares Cavalcanti Maria de Fátima Morethy Couto Marize Malta Universidade Estadual de Campinas Outubro 2011 Apresentação de Mesa-Redonda - 5 Carlos Gonçalves Terra

Leia mais

O MUSEU HISTÓRICO E A MEMÓRIA DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE.

O MUSEU HISTÓRICO E A MEMÓRIA DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE. O MUSEU HISTÓRICO E A MEMÓRIA DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE. 68 Hélio Hirao Arquiteto e Mestre em Arquitetura e Urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo USP. Doutorando em Geografia Urbana

Leia mais

Telma de Barros Correia 1

Telma de Barros Correia 1 dossiê ART DÉCO O art déco na arquitetura brasileira Telma de Barros Correia 1 1 Docente na Escola de Engenharia de São Carlos USP. 1. Art déco na arquitetura Nada marcou mais o cenário das cidades brasileiras

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

A Geometria, a Arquitetura e as Artes

A Geometria, a Arquitetura e as Artes A Geometria, a Arquitetura e as Artes A Geometria, a Arquitetura e as Artes foi um trabalho de grupos, desenvolvido, em novembro de 2001, por alunos da 2ª série do Ensino Médio do Colégio de Aplicação

Leia mais

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo O Mercado Municipal de São Paulo é uma construção histórica localizada na região central da capital. Obra projetada pelo arquiteto Franscisco de Paula Ramos de

Leia mais

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades Extraclasse Integradas Nome: COMEMORANDO...

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades Extraclasse Integradas Nome: COMEMORANDO... 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades Extraclasse Integradas Nome: _ Você gosta da Páscoa? Por quê? Para você, o que significa essa comemoração? Leia este texto e conheça um pouco mais sobre

Leia mais

O Porto do Rio de Janeiro: reflexões sobre sua modernização e seu impacto social frente suas comunidades circunvizinhas

O Porto do Rio de Janeiro: reflexões sobre sua modernização e seu impacto social frente suas comunidades circunvizinhas O Porto do Rio de Janeiro: reflexões sobre sua modernização e seu impacto social frente suas comunidades circunvizinhas NATHÁLIA TOPINI LUCAS * Resumo Esse trabalho tem por objetivo indicar um novo olhar

Leia mais

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL 57 5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL O conjunto arquitetônico da residência de Antônio de Rezende Costa, que hoje abriga a Escola Estadual Enéas de Oliveira Guimarães foi pelos autores do presente

Leia mais

WHITEHAVEN HARBOUR CENTRAL SITE Whitehaven Harbour Central Site Whitehaven - Inglaterra - 2010. 11 3159 1970 www.apiacasarquitetos.com.

WHITEHAVEN HARBOUR CENTRAL SITE Whitehaven Harbour Central Site Whitehaven - Inglaterra - 2010. 11 3159 1970 www.apiacasarquitetos.com. WHITEHAVEN HARBOUR CENTRAL SITE Whitehaven Harbour Central Site Whitehaven - Inglaterra - 2010 11 3159 1970 MEMORIAL Olhando para o sol A minha consciência da cidade é, por dentro, a minha consciência

Leia mais

INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES

INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES Profª. Msc. Carolina Albuquerque de Moraes Prof. Dr. Luiz Fernando Loureiro Ribeiro São Paulo, Brasil

Leia mais

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO NÚCLEO DE AÇÃO EDUCATIVA O(S) USO(S) DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO EM SALA DE AULA BRUNA EVELIN LOPES SANTOS CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA

Leia mais

UMA MOBILIDADE URBANA OU UMA PSEUDOMOBILIDADE URBANA ESTÁ SENDO CONSTRUÍDA NAS CIDADES?

UMA MOBILIDADE URBANA OU UMA PSEUDOMOBILIDADE URBANA ESTÁ SENDO CONSTRUÍDA NAS CIDADES? UMA MOBILIDADE URBANA OU UMA PSEUDOMOBILIDADE URBANA ESTÁ SENDO CONSTRUÍDA NAS CIDADES? BUENO, Maria Helena Berardo Graduanda em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Estadual de Goiás - UnUCET ( Unidade

Leia mais

Edificações e espaços livres: dois recortes da arquitetura de Minas Gerais 1

Edificações e espaços livres: dois recortes da arquitetura de Minas Gerais 1 Edificações e espaços livres: dois recortes da arquitetura de Minas Gerais 1 Bruno Santa Cecília* Constructions and free spaces: Two outlines of Minas Gerais Architecture RESUMO: A partir de arquiteturas

Leia mais

evangelizar nas redes sociais GESTÃO DE CONTEÚDO

evangelizar nas redes sociais GESTÃO DE CONTEÚDO evangelizar nas redes sociais GESTÃO DE CONTEÚDO Segundo a reflexão do Documento 100 da CNBB, "Comunidade de Comunidades: uma nova paróquia - A conversão pastoral da paróquia, "diante das novas possibilidades

Leia mais

Foto: Jan de Jong. Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica. Construindo. Sonia Irene Cárdenas Solís

Foto: Jan de Jong. Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica. Construindo. Sonia Irene Cárdenas Solís autonomia, território e paz Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica Foto: Jan de Jong Construindo autonomia, território e paz Sonia Irene Cárdenas Solís 15 Agriculturas v. 12 -

Leia mais

PROPOSTA DE RESTAURAÇÃO PARA A IGREJA DE SANTO ANTÔNIO EM BELÉM/PA. Aluna: Stephanie Mendes Orientadora: Profa. Dra. Thais Sanjad

PROPOSTA DE RESTAURAÇÃO PARA A IGREJA DE SANTO ANTÔNIO EM BELÉM/PA. Aluna: Stephanie Mendes Orientadora: Profa. Dra. Thais Sanjad PROPOSTA DE RESTAURAÇÃO PARA A IGREJA DE SANTO ANTÔNIO EM BELÉM/PA Aluna: Stephanie Mendes Orientadora: Profa. Dra. Thais Sanjad Século XVIII Brasil disseminação da a arquitetura Barroca Construções Religiosas

Leia mais

Igrejas paulistas: barroco e rococó

Igrejas paulistas: barroco e rococó Igrejas paulistas: barroco e rococó Vanessa Proença Título da obra: Igrejas paulistas: barroco e rococó. Autor: Percival Tirapeli 1 Um grande catálogo: é essa a impressão que o livro nos passa. A proposta

Leia mais

A ARQUITETURA. Professor H. Oliveira

A ARQUITETURA. Professor H. Oliveira A ARQUITETURA Professor H. Oliveira Quando os primeiros colonizadores portugueses fortificaram o litoral brasileiro e as ordens religiosas construíram os conventos e as igrejas, a arquitetura figurou como

Leia mais

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar 1º Período UNIDADE 1 A aventura de navegar Produtos valiosos Navegar em busca de riquezas Viagens espanholas Viagens portuguesas Ampliação O dia a dia dos marinheiros Conhecer as primeiras especiarias

Leia mais

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial 1 Coimbra - 1941 Coimbra - 2001 2 Pólo II - Estado actual Pólo III - Estado actual 3 Pólo I - Estado actual 4 Pólo I - Estado actual

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

São Paulo/SP - Planejamento urbano deve levar em conta o morador da rua

São Paulo/SP - Planejamento urbano deve levar em conta o morador da rua São Paulo/SP - Planejamento urbano deve levar em conta o morador da rua Pesquisa traz reflexões para melhorar a situação da população de rua e indica falhas nas políticas públicas. Moradores de rua na

Leia mais

Irmã Dulce Dados retirados de

Irmã Dulce Dados retirados de <http://www.irmadulce.org.br> Irmã Dulce Dados retirados de Irmã Dulce 1914-1992 DADOS BIOGRÁFICOS 1914 26 de maio - Nasce Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes,, no bairro do Barbalho, cidade de Salvador,

Leia mais

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A FUNCIONAL IMPLANTAÇÃO IDENTIFICAR COMO SE DÁ A OCUPAÇÃO DA PARCELA DO LOTE, A DISPOSIÇÃO DO(S) ACESSO(S) AO LOTE; COMO SE ORGANIZA O AGENCIAMENTO, UMA LEITURA DA RUA PARA O LOTE ACESSO SOCIAL ACESSO ÍNTIMO

Leia mais

Vivendo a Liturgia - ano A / outubro 2011

Vivendo a Liturgia - ano A / outubro 2011 Vivendo a Liturgia - ano A / outubro 2011 27ºDOMINGO DO TEMPO COMUM (02/10/11) Parábola dos Vinhateiros Poderia ser feito um mural específico para esta celebração com uma das frases: Construir a Igreja

Leia mais

VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP

VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP Maria Cecilia Manoel Universidade de São Paulo maria.manoel@usp.br Emerson

Leia mais

PORTAS E JANELAS: A LIGAÇÃO DA CASA COM O MUNDO

PORTAS E JANELAS: A LIGAÇÃO DA CASA COM O MUNDO PORTAS E JANELAS: A LIGAÇÃO DA CASA COM O MUNDO É dito no ditado popular que os olhos de uma pessoa são as janelas de sua alma, trazendo este pensamento para uma residência, podemos entender que as janelas

Leia mais

Engenharia e Arquitetura no século XIX

Engenharia e Arquitetura no século XIX AUH0154 História e Teorias da Arquitetura III Engenharia e Arquitetura no século XIX Camilla Bernal P. L. Mendes - 6817461 Fernanda Adams Domingos - 6816870 Fernanda Nogueira Ribeiro - 6816932 Guilherme

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999.

CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999. CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999. Ana Paula Pupo Correia* O livro de Anne-Marie Châtelet, 1 O nascimento

Leia mais

TÍTULO: O HOMEM E A ARQUITETURA: TRANSIÇÃO DO MODERNO AO PÓS-MODERNO

TÍTULO: O HOMEM E A ARQUITETURA: TRANSIÇÃO DO MODERNO AO PÓS-MODERNO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: O HOMEM E A ARQUITETURA: TRANSIÇÃO DO MODERNO AO PÓS-MODERNO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

A prática da Educação Patrimonial:

A prática da Educação Patrimonial: A prática da Educação Patrimonial: uma experiência no município de Restinga Sêca / RS HELIANA DE MORAES ALVES E LAURO CÉSAR FIGUEIREDO Introdução O presente trabalho é um breve relato sobre uma prática

Leia mais

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra. Senhor Representante de Sua Excelência o Presidente da República, General Rocha Viera, Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Leia mais

Coordenadores: Prof. Luis E. Aragón, Universidade Federal do Pará, Belém Prof. José Aldemir de Oliveira, Universidade Federal do Amazonas, Manaus

Coordenadores: Prof. Luis E. Aragón, Universidade Federal do Pará, Belém Prof. José Aldemir de Oliveira, Universidade Federal do Amazonas, Manaus ST7 - A Amazônia no cenário sul-americano Coordenadores: Prof. Luis E. Aragón, Universidade Federal do Pará, Belém Prof. José Aldemir de Oliveira, Universidade Federal do Amazonas, Manaus Introdução Esta

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

A ASTRONOMIA NAS CULTURAS DA AMÉRICA PRÉ-COLOMBIANA

A ASTRONOMIA NAS CULTURAS DA AMÉRICA PRÉ-COLOMBIANA A ASTRONOMIA NAS CULTURAS DA AMÉRICA PRÉ-COLOMBIANA Astronomia Fundamental Caroline F. Dorneles Abril, 2011 Civilizações pré-colombianas MAIAS ASTECAS INCAS Civilizações pré-colombianas Estas civilizações

Leia mais

Análise de obra arquitetônica: O prédio do Museu Brasileiro da Escultura (MUBE), de Paulo Mendes da Rocha.

Análise de obra arquitetônica: O prédio do Museu Brasileiro da Escultura (MUBE), de Paulo Mendes da Rocha. Análise de obra arquitetônica: O prédio do Museu Brasileiro da Escultura (MUBE), de Paulo Mendes da Rocha. Por Talles Lucena, educador do MuBE. O prédio do Museu Brasileiro da Escultura é um projeto do

Leia mais

para um estúdio terceirizado (Variety Artworks), responsável por todo o trabalho de arte. É por isso que os títulos não trazem créditos de roteirista

para um estúdio terceirizado (Variety Artworks), responsável por todo o trabalho de arte. É por isso que os títulos não trazem créditos de roteirista Clássicos adaptados em mangá Alexandre Boide* Com seus mais de cem títulos publicados, a coleção Manga de Dokuha (algo como Aprendendo em mangá ) é uma espécie de ponto fora da curva entre as coleções

Leia mais

Um edifício que já nasce com uma grande história.

Um edifício que já nasce com uma grande história. Um edifício que já nasce com uma grande história. O Residencial Arauco nasce para ser icônico. Para ser parte da cidade e para ajudá-la a contar a própria história. Um marco histórico A região que abraça

Leia mais

A CIDADELA DE CASCAIS: O MONUMENTO, A ENVOLVENTE URBANA E O VALOR SOCIAL

A CIDADELA DE CASCAIS: O MONUMENTO, A ENVOLVENTE URBANA E O VALOR SOCIAL 349 A CIDADELA DE CASCAIS: O MONUMENTO, A ENVOLVENTE URBANA E O VALOR SOCIAL Jacinta Bugalhão O conjunto monumental militar designado globalmente como Cidadela de Cascais (e que engloba, nesta acepção,

Leia mais

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D]

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D] Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA Resposta da questão 1: Somente a proposição está correta. Com a expansão napoleônica na Europa e a invasão do exército Francês em Portugal ocorreu a vinda da corte portuguesa

Leia mais

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA Apresentador 1 Merylin Ricieli

Leia mais

Pesquisa em Design: Inovar, Criar e Realizar

Pesquisa em Design: Inovar, Criar e Realizar M de Lourdes Luz, Doutora, Universidade Veiga de Almeida Nara Iwata, Mestre, Universidade Veiga de Almeida Pesquisa em Design: Inovar, Criar e Realizar M de Lourdes Luz (Curso Design de Jóias - Universidade

Leia mais

Palavras-chave: Etnocenologia, Folias do Divino, Ritos espetaculares.

Palavras-chave: Etnocenologia, Folias do Divino, Ritos espetaculares. O mestre morreu. Viva o novo mestre. Jorge das Graças Veloso Programa de Pós-Graduação em Artes VIS/IdA UnB. Professor Adjunto Doutor em Artes Cênicas UFBA. Ator, diretor, dramaturgo, professor/unb. Resumo:

Leia mais

com 45 mil De roupa nova Antes antes e depois

com 45 mil De roupa nova Antes antes e depois antes e depois Texto: M.N.Nunes Fotos: divulgação (antes)/jomar Bragança (depois) De roupa nova com 45 mil A ardósia deu lugar ao porcelanato e ao mármore, as esquadrias de ferro desapareceram e o vidro

Leia mais

ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE

ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE Síntese Introdutória do Método Utilizado para a Análise dos Projetos no Estudo dos Temas de Composição Disciplina:Idéia, Método e Linguagem

Leia mais

Título: A Influência Modernista na Formação dos Museus

Título: A Influência Modernista na Formação dos Museus Título: A Influência Modernista na Formação dos Museus Autor: Marina Byrro Ribeiro Formação: 1983 Graduação em Arquitetura na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí A produção literária referente à arquitetura e urbanismo sempre foi caracterizada pela publicação de poucos títulos, baixa diversidade

Leia mais

Vitrais. Soluções inovadoras/criativas para ambientes em bibliotecas

Vitrais. Soluções inovadoras/criativas para ambientes em bibliotecas Soluções inovadoras/criativas para ambientes em bibliotecas Vitrais Secretaria Municipal de Cultura, Juventude e Lazer Biblioteca Pública Municipal Professor Abílio Fontes Santa Cruz do Rio Pardo/SP Envolvidos:

Leia mais

Ana Paula Scabello Mello Edifícios religiosos na malha urbana de São Paulo: capela da universidade São JudasTadeu (Mooca)

Ana Paula Scabello Mello Edifícios religiosos na malha urbana de São Paulo: capela da universidade São JudasTadeu (Mooca) Edifícios religiosos na malha urbana de São Paulo: capela da universidade São Judas Tadeu (Mooca) Religious buildings in the urban area of São Paulo: University Chapel St. Jude (Mooca) Ana Paula Scabello

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

Questões - Festas populares do mês de junho

Questões - Festas populares do mês de junho Questões - Festas populares do mês de junho 1. Descreva os elementos característicos da Festa Junina presentes nas imagens. Abertura de São João 2011, no Pelourinho http://commons.wikimedia.org/wiki/file:s%c3%a3o_jo%c3%a3o_no_pel%c3%b4_2.jpg

Leia mais

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal 1. Introdução O patrimônio cultural de cada comunidade pode ser considerado a sua cédula de identidade. Por isso, cada vez mais os municípios necessitam

Leia mais

Módulo Estratégia RPG: Trabalho Final

Módulo Estratégia RPG: Trabalho Final Pontifícia Universidade Católica Departamento de Artes & Design Curso de Especialização O Lugar do Design na Leitura Nome: Giselle Rodrigues Leal Matrícula: 072.997.007 Data: 19/05/08 Módulo Estratégia

Leia mais

05/09/12. ANÁLISE DOS PROJETOS: ARQUITETÔNICO/ URBANO Guia para estudo do projeto e estudos de caso

05/09/12. ANÁLISE DOS PROJETOS: ARQUITETÔNICO/ URBANO Guia para estudo do projeto e estudos de caso TEORIA E HISTÓRIA DA ARQUITETURA V Profa. Dra Deusa Maria R. Boaventura ANÁLISE DOS PROJETOS: ARQUITETÔNICO/ URBANO Guia para estudo do projeto e estudos de caso REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS SUGESTÃO DE

Leia mais

O futuro da fé, da religião e da ciência

O futuro da fé, da religião e da ciência Aula IV - Ano 2015 O Despertar da Consciência O futuro da fé, da religião e da ciência Claudio C. Conti www.ccconti.com Qual o futuro? 1. A Fé não tem futuro; 2. A Religião não tem futuro; 3. A Ciência

Leia mais

Material preliminar sujeito a alteração. Uso interno.

Material preliminar sujeito a alteração. Uso interno. breve lançamento Material preliminar sujeito a alteração. Uso interno. London. A vanguarda veio morar na tradição. Morar bem é estar na vanguarda. É estar à frente. É perceber que o seu estilo de vida

Leia mais

A arquitetura dos memoriais

A arquitetura dos memoriais PARTE 01: Conteúdo para a prova A arquitetura dos memoriais Você já ouviu falar em memorial ou já visitou um espaço arquitetônico destinado à memória de alguma personalidade, de um povo ou de algum fato

Leia mais

Arte 1º. Ano do Ensino Médio. Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico).

Arte 1º. Ano do Ensino Médio. Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico). Arte 1º. Ano do Ensino Médio 1º. Trimestre - Conteúdo Avaliativo: Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico). Períodos Artísticos: Pré-História/Idade Antiga

Leia mais