Norma de Desenho Arquitetônico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Norma de Desenho Arquitetônico"

Transcrição

1 b a c 0 9,99 telier 0,5 9, Saguão de Estudos ,,5,5,5,5,5,5,5,5 0,5,0 0,5,5 0,,050,,050,,050,,5 0,5 4,, 9,8 0, telier ,5 0,,5 0,,5 0,5,5 0,5 telier telier telier telier 9, 0,5,4 0,5,4 0,5,4 5,5, 0,5,,48 0,9 0,9 0,90, c c º pav: 8.40 º pav: 4.0 0,5,0 0,5,5 0,5 4 b a Centro Universitário elas rtes de São Paulo Curso de rquitetura e Urbanismo Projeto III Pavimento-Tipo Norma de Desenho rquitetônico 0 Versão

2 . OJETIVOS.. Esta norma estabelece critérios e procedimentos gerais que devem ser observados na execução dos desenhos de arquitetura da Disciplina de PROJETO DE RQUITETUR E URNISMO III, visando:... Dar unidade a todas as folhas de desenhos de todos os projetos elaborados pelos mais diversos alunos;... Racionalizar, simplificar e uniformizar a execução dos desenhos, para todos os alunos, em todos os seus aspectos, reduzindo o tempo de produção;... Facilitar o controle da qualidade e a precisão dos desenhos;..4. Obter um produto final de alta qualidade profissional, de fácil legilibilidade, absolutamente preciso e de aspecto agradável;..5. Permitir reproduções, ampliações, reduções ou impressões por qualquer processo, com boa qualidade e sem perdas de detalhes ou informações;... Reduzir a variedade de formatos e tamanhos de desenhos, pranchas e folhas.. REFERÊNCIS.. NT = NR- 49 = Representação de Projetos de rquitetura.. NT = NR 5 = Norma Técnica para a Elaboração de Projetos de rquitetura.. SE = Manual de Contratação dos Serviços de rquitetura e Urbanismo. DEFINIÇÕES.. mpliação: (cópia ampliada ou reproduzível ampliado) É a reprodução do desenho em tamanho maior em relação ao original... Cópia: É uma reprodução do desenho nas mesmas dimensões do desenho original ou da cópia reproduzível... Cópia Reproduzível É uma cópia do desenho original.4. Desenho Intermediário É uma cópia reproduzúvel do desenho original que pode ser trabalhada afim de es transformar em novo desenho original.5. Desenho Original É o desenho executado para fins de edição final, por meios eletrônicos de produção e imporessão, ou diretamente em papel, translúcudi ou não, para obtenção de cópias reprográficas... Formato É o tamanho do retângulo definido pelas linhas de corte da prancha que contém os desenhos.. Linhas de Corte São as linhas de limite da prancha de desenho, depois de recortada e que determinam o tamanho do formato..8. Margens São as distâncias entre as linhas de corte e as correspondentes linhas delimitadoras da área do desenho.9. Quadro de Legendas (carimbo) É o quadro localizado no canto inferior direito da prancha de desenhos e que se destina ao preenchimento da identificação do conteúdo da prancha e demais informações pertinentes.0. Redução É a reprodução do desenho original em tamanho reduzido, para fins de impressão ou cópia reprográfica, para facilidade de transporte ou de controle de qualidade 4. FORMTOS 4.. O formato básico da folha designado por 0 pela NT, é o do retângulo de lados medindo 84 mm e 89 mm, tendo a earea de,0 m 4.. Todos os outros formatos são derivados do formato básico, sendo múltiplos ou submúltiplos deste, conforme mostrado na Fig.. São adotados os formatos com as dimensões indicadas na tabela. 4.. Para Projeto III, o padrão para folhas de desenhos ao nível de Estudo preliminar é o formato e para desenhos ao nível de nteprojeto é o formato!, bem como para relatórios, memoriais, etc. é adotado o formato Uma vez adotado um formato padrão, todas as pranchas que compõem o projeto devem obedecer ao mesmo tamanho Desenhos especiais podem exigir formatos especiais. Serão adotadas as seguintes regras de derivação: h = 9.p, l = 0.q, onde p = ou ; q, inteiro

3 CONTEÚDO SSUNTO (TEM) FOLH Nº ES C L S ET P DT Nº DE FOLH S UTOR ORIENTDOR TURM 89 0 Fig. a Fig. b Tabela 40 Formato ltura Largura orda Esq. Margem 4 9 mm 0 mm 0 mm 5 mm 9 mm 40 mm 0 mm 5 mm 40 mm 594 mm 5 mm 0 mm 594 mm 84 mm 5 mm 0 mm 0 84 mm 89 mm 5 mm 0 mm PLNT PV. TÉRREO :00 E INDICDS P /0/00 MUSEU PR RQUITETUR 0 09 PROJETO III Un iversidad e Pre sbiteriana Ma ckenzie Faculd ade de rquitetu ra e Urb anism o MRI DOMIT IL DE CNTO E CSTRO J. C. GRZIOSI 4 Folha padrão

4 5. Dobragens das pranchas de desenho 00 9 compensação 0 00 compensação ª dobra ª dobra 9 ª dobra 594 ª dobra ª dobra de compensação ª dobra 5ª dobra 4ª dobra ª dobra 4 9ª dobra 8ª dobra ª dobra 5ª dobra 4ª dobra ª dobra Quando for necessário o dobramento das folhas, o formato final deverá ser o 4 00 ª dobra 4ª dobra 5.. s folhas, sendo múltiplas do formato 4 procede-se facilmente ao dobramento seguindo-se os traços assinalados nas margens, primeiro na direção vertical, deixando-se visível o carimbo e finalmente na direção horizontal, conforma indicado nos desenhos ao lado ª dobra ª dobra ª dobra ª dobra

5 . Quadro de Legenda - Carimbo.. Todas as folhas de desenhos, com excessão daquelas no formato 4, possuem no canto inferior direito o Quadro de Legendas - Carimbo.. O quadro de Legendas - Carimbo deverá ser construído e preenchido da maneira exemplificada abaixo: corpo pena 0.5 corpo 8 pena 0.8 corpo - bold corpo - bold 80 corpo CONTEÚDO FOLH Nº PLNT PV. TÉRREO 0 ESCLS ETP DT Nº DE FOLHS SSUNTO (TEM) :00 E INDICDS P /0/00 EDIFÍCIO DE ESCRITÓRIOS 09 PROJETO III Centro Universitário elas rtes Curso de rquitetura e Urbanismo UTOR ORIENTDOR TURM MRI DOMITIL DE CNTO E CSTRO J. P. DE EM TU corpo 4 pena 0.5 corpo 0

6 . Representações Convencionadas.. Traços e Dimensões Pena = M =.5,5 (,5) Modular Numérica em escala Numérica aproximada ø =, cm Pena = 0.05 Corpo 4 Pena = 0.0,5,5 Numérica interrompida Linha de eixo Pena = 0.05 Interrupção de desenho Pena = 0.0 Pena = 0.0 Pena =.0 restas e contornos não visíveis obs. traços curtos e próximos Linhas de indicação de ampliação ou detalhes Linha de indicação de corte

7 .. lvenarias em planta Escala :50 Pena = 0.0 Pena = 0.5 Escala :00 Pena = 0.5 Escala :00 Pena = 0.0 lvenaria simples lvenaria simples lvenaria simples - 5 cm Pena = 0.5 lvenaria simples - 5 cm Pena = 0.0 Pena = 0.05 Pena = 0.05 lvenaria com abertura / peitoril lvenaria com abertura / peitoril lvenaria com abertura / peitoril Pena = 0.05 Pena = 0.0 Pilar de concreto Pena = 0.5 Pena = 0.05 Pilar de concreto lvenaria com janela Pilar de concreto Pena = 0.5 lvenaria com janela lvenaria com janela Pena = 0.0 Pena = 0.05 Pena = 0.0 Pena = 0.05 Pena = 0.0 Pena = 0.05 lvenaria com porta lvenaria com porta lvenaria com porta

8 .. Cortes Indicação de corte em planta Pena.0 Fl. 00 Corpo 4 ø = 5 mm Identif icação de corte na folha de cortes CORTE Esc. :50 (folha onde está o detalhe) Corpo Níveis Indicação em planta Detalhes ø = mm Indicação em corte Indicação de detalhe em planta Pena 0.0 Indicação em elevação Fl. 0 Corpo 4 ø = 5 mm 8.4. Elevações Indicação de elevação em planta Fl. 00 Corpo 4 (folha onde está o detalhe) Identif icação de elevação na folha de elevações ELEVÇÃO Esc. :50 Corpo 4 Identif icação de detalhe na folha de detalhes Detalhe Esc. :5 8.. Orientação N Fl. 05 Corpo 4 ø = 5 mm Pena 0.50 linha de construção Corpo 4 Folha originária 8.. Ventos, escoamento e rampas 8... Ventos caim. i = x% Pena Escoamento Corpo i = x% 8... Inclinação de rampas Corpo

9 8. Exemplos 8.. Planta em :50 - Subsolo Indicações gráficas na planta Tipo ,,5,5,5,5,5,5,5,5,8-4.00,8,,,8 0,, 0,,49, 0,5, 0 5,99 C Versão 0,,5 0,5 Depósito 0, ,9 0,9 0,90,9 Laboratório de Maquetes 9,9 9, 0,5 0, 0,4 5, 0,5,9 0,, 0,, Setor dministrativo,55 0,08 5 0, ,48 0,,54 0,5 5,8 Laboratório de Cerâmica e Modelagem 9, alcão c uditório,8-4.00,8 Planta Subsolo esc. :50 C

10 8. Exemplos 8.. Planta em :50 - Térreo Indicações gráficas na planta Tipo ,,5,5,5,5,5,5,5,5 5,5, C iblioteca, 0,5, 4,9 0 9,99 telier 9,9,5 9, 0,5,0 0,5 telier 0,5, 0,,48 0,9 0,9 0,90, ,5 0,,5, 0,5 0,5 0,5, 9,4 8,9 telier telier 0.00,45 0,5, 0,5,09 0,9 4,84,48 0,5 4,54 4,8 0,5, 5,0 c Planta Térreo esc. :50 C

11 8. Exemplos 8.. Planta em :50 - Tipo C Corpo 5,,5,5,5,5,5,5,5,5 0,5,0 0,5 5,5 0,5,0 0,5 0 9,99 telier 0,5 9,,5 0,,050,,050,,050, ,5,5 Saguão de Estudos 9,8 0,5,4,4 0, telier ,5 0,,5 0,,5 0,5,5 0,5 telier telier telier telier Pena 0.0 Corpo 9, 0,5 4,,, 0,5, 0,5,4,48 0,9 0,9 0,90, º pav: 8.40 º pav: 4.0,5 0,5 Corpo 4 4 c Pena 0.5 Pena 0.50 Planta Tipo esc. :50 C

12 8. Exemplos 8.. Planta em :50 - Ático (cobertura) Indicações gráficas na planta Tipo C ,,5,5,5,5,5,5,5,5 0,5 5,5 0,5,4 0,5,, 0,5, 9,99 5% inclinação 8,8 0,5, 0,5 base da casa de máquinas,48 0,9 0,90,9 0, arrilete proj. caixa d'água 4 5 inclinação 0 Telhado de f ibro-cimento c esc. :50 Planta Ático esc. :50 C

13 8.. Corte em :00 Longitudinal Indicações gráficas no Corte CC ,5.0,,,,5 0,,5 0,,8 0,,5,,8,5 0, Tacos de peroba Tacos de peroba Tacos de peroba 0.00 Cerâmica esmaltada 0, Corte esc. :00

14 8.. Corte em :00 Longitudinal Indicações gráficas no Corte CC ,5,8,8,5 0,,5 0, 0,,5 0,, Tacos de peroba Tacos de peroba,,,,, Tacos de peroba Cerâmica esmaltada Corte esc. :00

15 8.. Corte em :00 Transversal CC C Corpo 4 Corpo Pena 0.5 Pena 0.5 0,0,5.0, ,,5 4.0,5 0,, Pena 0.5 0, Tacos de peroba Pena Tacos de peroba Pena 0.0 0,, Carpete -4.5 Corte CC esc. :00

16 8.. Elevação Frente em : Corpo 4 Pena 0.0 Cobogós de cerâmica Concreto parente Concreto parente Pastilhas de porcelana branca Pena 0.0 Perf il natural do terreno Corpo Elevação esc. :00

17 8.. Elevação Lateral em :00 C Corpo 4 Pena 0.0 Concreto parente Concreto parente Pastilhas de porcelana branca Perf il natural do terreno Corpo Elevação esc. :00 Pena 0.0 Pena 0.0

18 8.. Elevação Fundos em : Corpo 4 Pena 0.0 Pastilhas de porcelana branca Concreto parente Concreto parente Pastilhas de porcelana branca Pena 0.0 Elevação esc. :00

19 8.4. Planta em : Corpo 5,0,5,5,5 Pena 0.5 5,5 0,5,0 0,5 4,,, 0,5, Pena 0.0 0,5,4 0,5,4 0,5,4,48 0,9 0,9 0,9 0, º pav: 8.40 º pav: 4.0 Corpo ,5,5 telier Corpo Pena Pena Planta Tipo esc. :00

20 c 8.5. Corte em :00 Pena 0.5 Pena 0.5 Pena 0.5 0,5.0 0, 4.0 0,, ,,5 Cobertura de f ibro-cimento Pena 0.5 Tacos de peroba Pena 0.5 Pena 0.5 Pena 0.5 Pena 0.0,48 Carpete -4.5 Corte CC esc. :00

21 8.. Elevação em :00 Pena Cobogós de cerâmica Concreto parente Concreto parente Perf il natural do terreno Pastilhas de porcelana branca Pena 0.0 Elevação esc. :00 Pena 0.0 Pena 0.5

Normas da ABNT para Desenho Técnico

Normas da ABNT para Desenho Técnico UFMG - Curso de Graduação em Engenharia Metalúrgica Disciplina: DESENHO D Prof. Marcelo Borges Mansur (DEMET-UFMG) Normas da ABNT para Desenho Técnico Associação Brasileira de Normas Técnicas TERMINOLOGIA

Leia mais

DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA AULA 01 PROF ALINE FERNANDES

DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA AULA 01 PROF ALINE FERNANDES DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PROJETO ARQUITETÔNICO SÍMBOLOS GRÁFICOS PASSOS PARA MONTAGEM DE PLANTA BAIXA: 1. Deve-se estimar o tamanho

Leia mais

Etapas do Projeto de Arquitetura. Normas técnicas. Desenhos componentes do Projeto de Arquitetura. Folhas de desenho

Etapas do Projeto de Arquitetura. Normas técnicas. Desenhos componentes do Projeto de Arquitetura. Folhas de desenho Etapas do Projeto de Arquitetura Normas técnicas Desenhos componentes do Projeto de Arquitetura Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - FAU Departamento de Projeto,

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às CURSO: DESIGN DE INTERIORES DISCIPLINA: DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO TURNO: Manhã / Noite PERÍODO: 1º PROFESSORAS: Dodora DESENHO TÉCNICO Dimensões de papéis para desenhos técnicos: Objetivo: pranchas

Leia mais

Código da Disciplina CCE0047 AULA 3. e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/

Código da Disciplina CCE0047 AULA 3. e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Código da Disciplina CCE0047 AULA 3 e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: INFORMAÇÕES NA PRANCHA: Nome dos ambientes:

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT A padronização ou normalização do desenho técnico tem como objetivo uniformizar o desenho por meio de um conjunto de regras ou recomendações que regulamentam a execução

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA E URBANISMO Blumenau, maio de 2010. 1. RESUMO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 3 4. INSTRUÇÕES GERAIS... 3 5. INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS... 5 5.1.

Leia mais

Normatização Desenho Técnico. Prof. Solivan Altoé

Normatização Desenho Técnico. Prof. Solivan Altoé Normatização Desenho Técnico CALIGRAFIA TÉCNICA NBR 8402 Assim como o resto do desenho técnico, as letras e algarismos também seguem uma forma definida por norma. Até pouco tempo atrás as letras eram desenhadas

Leia mais

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES Na representação dos projetos de edificações são utilizados os seguintes desenhos: _ Planta de situação _ Planta de localização

Leia mais

Conceitos Básicos de Desenho Técnico

Conceitos Básicos de Desenho Técnico Conceitos Básicos de Desenho Técnico 1. Utilização Das Ferramentas E Papel De Desenho 1.1. Ferramentas de Desenho 1.1.1. Apresentação O Desenho Arquitetônico uma especialização do Desenho Técnico, o qual

Leia mais

DESENHO ARQUITETÔNICO CEPREVI 2012

DESENHO ARQUITETÔNICO CEPREVI 2012 DESENHO ARQUITETÔNICO CEPREVI 2012 OBJETIVO: Tornar o aluno apto a interpretação do desenho técnico e das simbologias utilizadas em projetos de segurança contra incêndio e pânico; Identificar e compreender

Leia mais

4/12/2013 DESENHO TÉCNICO. Programa. Datas. Sistema de Avaliação DESENHO TÉCNICO. Lista de material para as aulas

4/12/2013 DESENHO TÉCNICO. Programa. Datas. Sistema de Avaliação DESENHO TÉCNICO. Lista de material para as aulas FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL Cursos: Agronomiae Eng. Florestal1 o Semestre Prof. responsável: Lorena Stolle Programa 1 - Materiais e instrumentos de desenho, convenções e normalização

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA O DESENHO ARQUITETÔNICO

NORMAS TÉCNICAS PARA O DESENHO ARQUITETÔNICO Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Curso de Arquitetura e Urbanismo Escola Edgar Albuquerque Graeff Desenho Projetivo I DP-I NORMAS TÉCNICAS PARA O DESENHO ARQUITETÔNICO

Leia mais

AULA 02 Normatização, Formatação, Caligrafia e Introdução ao Desenho técnico instrumentado. 2013/01. Prof. Esp. Arq. José Maria

AULA 02 Normatização, Formatação, Caligrafia e Introdução ao Desenho técnico instrumentado. 2013/01. Prof. Esp. Arq. José Maria AULA 02 Normatização, Formatação, Caligrafia e Introdução ao Desenho técnico instrumentado. 2013/01 Prof. Esp. Arq. José Maria Norma: Trata-se de um princípio, previamente acordado, que deve ser tomado

Leia mais

PLANTA BAIXA AULA 09. O que é um Projeto Arquitetônico?

PLANTA BAIXA AULA 09. O que é um Projeto Arquitetônico? PLANTA BAIXA AULA 09 Projetos de Arquitetura: Conceitos e Representações 1 O que é um Projeto Arquitetônico? conjunto de passos normativos, voltados para o planejamento formal de um edifício qualquer,

Leia mais

NBR 6492 Representação de projetos de arquitetura

NBR 6492 Representação de projetos de arquitetura ABR 1994 NBR 6492 Representação de projetos de arquitetura ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CENTRO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DESENHO TÉCNICO I

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CENTRO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DESENHO TÉCNICO I UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CENTRO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DESENHO TÉCNICO I Prof. Dr. EDISON ROBERTO POLETI 2003 SUMÁRIO 1. Noções Fundamentais para o Desenho

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM 0564) Notas de Aulas v.2015. Aula 01 Introdução

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM 0564) Notas de Aulas v.2015. Aula 01 Introdução DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM 0564) Notas de Aulas v.2015 Aula 01 Introdução DEFINIÇÃO Desenho Técnico é a linguagem técnica e gráfica empregada para expressar e documentar formas, dimensões, acabamento,

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Refrigeração, Ventilação e Ar Condicionado Disciplina: Desenho Técnico Tema: Introdução ao Desenho Técnico Profº

Curso Superior de Tecnologia em Refrigeração, Ventilação e Ar Condicionado Disciplina: Desenho Técnico Tema: Introdução ao Desenho Técnico Profº Curso Superior de Tecnologia em Refrigeração, Ventilação e Ar Condicionado Disciplina: Desenho Técnico Tema: Introdução ao Desenho Técnico Profº Milton 2014 DEFINIÇÃO Desenho Técnico é a linguagem técnica

Leia mais

FOLHAS PARA DESENHOS TÉCNICOS

FOLHAS PARA DESENHOS TÉCNICOS FOLHAS PARA DESENHOS TÉCNICOS Faculdade de Arquitetura Departamento de Expressão Gráfica Setor Técnico Disciplinas de desenho técnico instrumentado dos cursos de Engenharia (ARQ 3322, ARQ 3319 e ARQ 3323)

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS - PRORH COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE CONCURSO PÚBLICO PARA CARGO DE SERVIDOR

PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS - PRORH COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE CONCURSO PÚBLICO PARA CARGO DE SERVIDOR Questão 1: O desenho possibilita a representação dos objetos. Por meio dos desenhos temos a construção de ideias. No caso da arquitetura, o desenho consiste: a) na representação exata da planta alta e

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Projeto Arquitetônico I 2015/01 Representação de projetos de arquitetura - NBR 6492 Arquitetura

Leia mais

Tamanho de papel 3 Desenh en o h t écni n co Projeto el étrico

Tamanho de papel 3 Desenh en o h t écni n co Projeto el étrico Aula 3 Escalas e cotas 1 Escalas e cotas Considerações Iniciais Todo mapa/carta/planta é uma representação esquemática da realidade, dando-se segundo proporções entre o desenho e a medida real 2 Tamanho

Leia mais

Normalizar é Preciso. Norma documento que fornece regras, diretrizes e/ou características

Normalizar é Preciso. Norma documento que fornece regras, diretrizes e/ou características Normas Técnicas Normalizar é Preciso Norma documento que fornece regras, diretrizes e/ou características Norma Técnica Uma norma técnica é um documento estabelecido por consenso e aprovado por um organismo

Leia mais

Manual de Identidade Visual CDL Celular

Manual de Identidade Visual CDL Celular Manual de Identidade Visual CDL Celular Índice Sistema... 03 Marca Símbolo... 04 Configuração Básica... 05 Sistema de Cores... 06 Uso Inadequado... 07 Identificação de Praças... 09 Aplicações - Promocional...

Leia mais

DESENHOS DE FORMAS ESTRUTURAIS EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO

DESENHOS DE FORMAS ESTRUTURAIS EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA Departamento de Estruturas e Construção Civil Disciplina: ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DE FORMAS ESTRUTURAIS EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional da 23 ª Região Anteprojeto do novo Edifício-Sede Cuiabá MT Memorial Descritivo Terreno localizado no CPA (Centro Político-Administrativo) da cidade

Leia mais

CURSO DE LEITURA DE PROJETOS

CURSO DE LEITURA DE PROJETOS CURSO DE LEITURA DE PROJETOS DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO APOSTILA DE DESENHO TÉCNICO PROFESSOR ARQ. CARLOS J. ENGEL DESENHO TÉCNICO - PROF. CARLOS J. ENGEL 1 CAPÍTULO 1 1. NORMAS DE DESENHOS TÉCNICOS As

Leia mais

Desenho Técnico Sumário

Desenho Técnico Sumário Sumário 1 Introdução... 3 2 Classificação dos desenhos... 3 3 Formatos e tipo de papel... 6 4 Letras e Algarismos... 7 5 Escalas... 7 6 Carimbo ou Legenda... 8 7 Simbologia... 9 8 - Linhas e Traçados...

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ANEXO II DO DECRETO N 80/2011 DE 02/05/2011 PARTE 01: OBRA NOVA OU AMPLIAÇÃO 1. Planta de situação

Leia mais

ERROS MAIS COMETIDOS EM DESENHO TÉCNICO

ERROS MAIS COMETIDOS EM DESENHO TÉCNICO ERROS MAIS COMETIDOS EM DESENHO TÉCNICO Aluna: Patricia Carvalho Souza Luciana Martins Orientadora: Anna Virgínia Machado Normalização do Desenho Técnico Objetivo da normalização: A padronização ou normalização

Leia mais

10 Formatos Padrões de Folha. 10.1 Tamanhos das folhas - NBR 10068

10 Formatos Padrões de Folha. 10.1 Tamanhos das folhas - NBR 10068 Esta é a nossa 11ª aula, prevista para o dia 30 de abril. As aulas do dia 16 e 23 de usaremos para o desenho do projeto elétrico. Todo desenho deve ser impresso em folha padrão, com legenda padrão e em

Leia mais

Sistema de montagem Leste-Oeste. Dossier de informação

Sistema de montagem Leste-Oeste. Dossier de informação Sistema de montagem Leste-Oeste Dossier de informação Sistema de montagem Leste-Oeste Conteúdo O sistema de montagem 100/10...3 Dados técnicos...4 Breve introdução...5 As 3 etapas para seu sistema de montagem...6

Leia mais

Capítulo 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DESENHO TÉCNICO

Capítulo 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DESENHO TÉCNICO Capítulo 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DESENHO TÉCNICO Definição de Desenho Técnico O desenho técnico é uma forma de expressão gráfica que tem por finalidade a representação de forma, dimensão e posição de

Leia mais

Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância

Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância 22 Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância Reitora Nilda de Fátima Ferreira Soares Vice-Reitor Demetrius David da Silva Universidade Federal de Viçosa Conselho Editorial Andréa Patrícia Gomes João

Leia mais

Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos. Operações Centrais de Rede. Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural

Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos. Operações Centrais de Rede. Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos Operações Centrais de Rede Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural 2 Índice 1. Objetivo 2. Documentos Necessários p/ a Apresentação

Leia mais

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação.

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. ESCADAS Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. Componentes da escada: Degraus: São os múltiplos níveis

Leia mais

Edifícios Consolação I e II

Edifícios Consolação I e II Edifícios Consolação I e II Os edifícios Consolação I e II estão localizados na Rua da Consolação, 2.403/2.411/2387, na quadra delimitada Rua Bela Cintra e Antonio Carlos, Bela Vista - São Paulo, SP. Trata-se

Leia mais

A escala usada nesta miniatura é de 1:400, como no exemplo acima.

A escala usada nesta miniatura é de 1:400, como no exemplo acima. Antes de um edifício, uma casa ou um auditório ser erguidos, são necessárias algumas etapas como desenhos, plantas e sua construção em miniatura. A miniatura é uma reprodução tridimensional de algum projeto

Leia mais

Projeção ortográfica

Projeção ortográfica Instituto Federal de Educação Ciências e Tecnologia IFCE Sobral Eixo de Controle e Processos Industriais Curso: Tecnologia em Mecatrônica Industrial Disciplina: Desenho Técnico e Mecânico Projeção ortográfica

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS

ESTRUTURAS METÁLICAS SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO ESTRUTURAS METÁLICAS DIMENSIONAMENTO SEGUNDO A NBR-8800:2008 Forças devidas ao Vento em Edificações Prof Marcelo Leão Cel Prof Moniz de Aragão

Leia mais

UM CORTE COMPLETO >PARA QUALQUER VERSÃO PLENA DO DATACAD<

UM CORTE COMPLETO >PARA QUALQUER VERSÃO PLENA DO DATACAD< www.datacad.com.br Aula Extra 4 UM CORTE COMPLETO >PARA QUALQUER VERSÃO PLENA DO DATACAD< Obs.: Esta aula requer o uso de uma versão plena do DataCAD, por que prevê o uso do comando de Máscaras. Caso você

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 13. TELHADO

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 13. TELHADO DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 13. TELHADO Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP TELHADO A cobertura de uma casa constitui-se de um telhado ou de uma laje. Neste capítulo, mostraremos

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

14/05/2015 AVALIAÇÃO DOS PROJETOS EDI 64 ARQUITETURA E URBANISMO_ 2015. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille

14/05/2015 AVALIAÇÃO DOS PROJETOS EDI 64 ARQUITETURA E URBANISMO_ 2015. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille AVALIAÇÃO DOS PROJETOS Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille 14/05/2015 1 EDI 64 ARQUITETURA E URBANISMO_ 2015 Avaliação: o Conceitos de projeto (I: 50%, II: 50% e para Exame: 30%) o Representação gráfica

Leia mais

RESISTÊNCIA E BELEZA A TODA PROVA

RESISTÊNCIA E BELEZA A TODA PROVA RESISTÊNCIA E BELEZA A TODA PROVA Telhas de Concreto Características técnicas e dimensionais Especificações Comprimento...420mm Largura...330mm Telhas por m2...10,5pçs Peso nominal...4,7kg Peso por m2...49,35kg

Leia mais

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II Informações sobre este material didático: Edição: 1ª Edição Data da versão: 30/12/2006 Autor(es): Bruno Campos Pedroza, DSc Professor

Leia mais

Integração entre sistemas de cobertura metálica e estrutura de concreto em galpões. Aplicações em sistemas prémoldados

Integração entre sistemas de cobertura metálica e estrutura de concreto em galpões. Aplicações em sistemas prémoldados Integração entre sistemas de cobertura metálica e estrutura de concreto em galpões. Aplicações em sistemas prémoldados e tilt-up Vitor Faustino Pereira Engenheiro Civil Professor Adjunto UEL Sócio Diretor:

Leia mais

Apostila Complementar

Apostila Complementar Desenho Técnico Apostila Complementar O curso de Desenho técnico mecânico é baseado nas apostilas de Leitura e Interpretação do Desenho Técnico Mecânico do Telecurso 2000 Profissionalizante de Mecânica.

Leia mais

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT 4.2 Pessoas em cadeira de rodas (P.C.R.) 4.2.1 Cadeira de rodas A figura 2 apresenta dimensões referenciais para cadeiras de rodas

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1 AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização por

Leia mais

DESENVOLVENDO A FACHADA

DESENVOLVENDO A FACHADA www.datacad.com.br Aula Extra 3 DESENVOLVENDO A FACHADA DESENVOLVENDO A FACHADA DOS PAVIMENTOS A PARTIR DA PLANTA BAIXA: Para isso, utilizaremos como referência as plantas baixas de cada pavimento. Com

Leia mais

ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO ESCRITÓRIO DE PROJETOS E OBRAS DIVISÃO DE PROJETOS PREDIAIS ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OBRA: CONSTRUÇÃO DE MUROS LOCAL:

Leia mais

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz Notas de aulas - Concreto Armado 2 a Parte Lançamento da Estrutura Icléa Reys de Ortiz 1 1. Lançamento da Estrutura Antigamente costumava-se lançar vigas sob todas as paredes e assim as lajes ficavam menores

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME ANITA OLIVEIRA LACERDA - anitalic@terra.com.br PEDRO AUGUSTO CESAR DE OLIVEIRA SÁ - pedrosa@npd.ufes.br 1. INTRODUÇÃO O Light Steel Frame (LSF) é um sistema

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

E-QP-ECD-077 REV. C 01/Abr/2008 - PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - TUBULAÇÕES

E-QP-ECD-077 REV. C 01/Abr/2008 - PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - TUBULAÇÕES ENGENHARIA - PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - TUBULAÇÕES Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando o item a ser revisado, a proposta e a justificativa.

Leia mais

TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS

TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS 1 - PROJETO - ESTUDOS PRELIMINARES APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Elaborar um bom projeto arquitetónico; Utilizando métodos

Leia mais

ÍNDICE Parte I Instalação do Software Tela Laje IBTS v. 5.0 Parte II Registro para Utilização do Software Tela Laje IBTS v 5.0

ÍNDICE Parte I Instalação do Software Tela Laje IBTS v. 5.0 Parte II Registro para Utilização do Software Tela Laje IBTS v 5.0 ÍNDICE Parte I Instalação do Software Tela Laje IBTS v. 5.0... 4 1 Configurações mínimas para o funcionamento do software... 4 2 Instalar o software... 5 3 Desinstalar o software... 5 Parte II Registro

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ Associação Alphaville Mossoró Janeiro- 2014 ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO

Leia mais

Utilizando o BIM com o Autodesk Revit Structure para o projeto de estações de metrô Marco A. B. Sampaio Frazillio & Ferroni

Utilizando o BIM com o Autodesk Revit Structure para o projeto de estações de metrô Marco A. B. Sampaio Frazillio & Ferroni Utilizando o BIM com o Autodesk Revit Structure para o projeto de estações de metrô Marco A. B. Sampaio Frazillio & Ferroni SE5341 Esta seção apresenta o projeto de uma estação de metrô utilizando o Autodesk

Leia mais

ESCALAS. Escala numérica objeto. é a razão entre a dimensão gráfica e a dimensão real de um determinado. d/d = 1/Q

ESCALAS. Escala numérica objeto. é a razão entre a dimensão gráfica e a dimensão real de um determinado. d/d = 1/Q ESCLS Importância da escala: O uso de uma escala é indispensável quando se faz necessário representar um objeto graficamente mantendo a proporção entre suas partes ou em relação a outros objetos. Escala

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO MARIA DO CÉU SIMÕES TERENO 2011 EUROPEU E AMERICANO SISTEMAS DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS Ângulos Diedros A representação de objectos tridimensionais por meio de desenhos bidimensionais, utilizando projecções

Leia mais

ELEVAÇÕES OU FACHADAS

ELEVAÇÕES OU FACHADAS ELEVAÇÕES OU FACHADAS 1- CONCEITUAÇÃO Elevações ou fachadas são elementos gráficos componentes de um projeto de arquitetura, constituídos pela projeção das arestas visíveis do volume sobre um plano vertical,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A Corte total Introdução Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- tro de gaveta, como o que é mostrado a seguir, sabe que se trata de uma peça complexa, com muitos elementos internos. Se fôssemos representar

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP Instrução nº 2541/2011 Dispõe sobre a padronização das placas de identificação das Unidades do Crea-SP. O Vice Presidente no exercício da Presidência do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia

Leia mais

Associação Brasileira de Cinematografia, ABC Recomendação Técnica Arquitetura de Salas de Projeção Cinematográfica

Associação Brasileira de Cinematografia, ABC Recomendação Técnica Arquitetura de Salas de Projeção Cinematográfica Associação Brasileira de Cinematografia, ABC Recomendação Técnica Arquitetura de Salas de Projeção Cinematográfica 1 Escopo da Recomendação: Esta Recomendação Técnica é uma iniciativa conjunta da Associação

Leia mais

TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS

TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS 12 - ESCADAS APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Escolher o tipo de escada ideal para a sua edificação; Calcular corretamente as

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA MURO CERCA

Leia mais

Acerca da representação do projeto de arquitetura, julgue o item seguinte.

Acerca da representação do projeto de arquitetura, julgue o item seguinte. 52.(UEAP/FGV/2014) Segundo Neves (1989), as informações básicas conceituais são o embasamento sobre o qual se assentam todas as ideias do partido arquitetônico e podem ser sintetizadas em cinco tópicos,

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MATO GROSSO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MATO GROSSO Página 1/38 Professor: Fabiano de Pádua Data: 10/2/2010 Aluno(a): Turma: Página 2/38 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 4 2. CONCEITOS BÁSICOS... 4 2.1- Histórico... 4 2.2- Desenho Técnico... 4 2.3- Normas e Padrões...

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO DA PARAÍBA LTDA. Educação Técnica de Nível Médio Curso Técnico em Segurança do Trabalho

INSTITUTO TECNOLÓGICO DA PARAÍBA LTDA. Educação Técnica de Nível Médio Curso Técnico em Segurança do Trabalho INSTITUTO TECNOLÓGICO DA PARAÍBA LTDA. Educação Técnica de Nível Médio Curso Técnico em Segurança do Trabalho LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE DESENHO ARQUITETÔNICO Profª Alessandra Gualter WEJ Consultoria e

Leia mais

Prefeitura Municipal de Piratini

Prefeitura Municipal de Piratini MEMORIAL DESCRITIVO O presente Memorial Descritivo visa estabelecer as condições de materiais e execução referentes à construção de um Vestiário Esportivo, localizado na Av. 6 de julho s/n, em Piratini/RS,

Leia mais

REVIT ARQUITECTURE 2013

REVIT ARQUITECTURE 2013 REVIT ARQUITECTURE 2013 O Revit 2013 é um software de Tecnologia BIM, que em português significa Modelagem de Informação da Construção. Com ele, os dados inseridos em projeto alimentam também um banco

Leia mais

Licenciamento de Uso

Licenciamento de Uso Licenciamento de Uso Este documento é propriedade intelectual 2002 do Centro de Computação da Unicamp e distribuído sob os seguintes termos: 1. As apostilas publicadas pelo Centro de Computação da Unicamp

Leia mais

PROJETO HIDROSSANITÁRIO

PROJETO HIDROSSANITÁRIO PROJETO HIDROSSANITÁRIO Ampliação Comercial 1/10. PROJETO HIDROSSANITÁRIO CLIENTE : Rosangela Slomp Obra : Ampliação Comercial Endereço: Rua Dr. Mauricio Cardoso Hamburgo Velho Novo Hamburgo - RS Área

Leia mais

Aula 02/18 CLASSIFICAÇÃO DOS DESENHOS TÉCNICOS DESENHO PROJETIVO: DESENHO NÃO PROJETIVO:+

Aula 02/18 CLASSIFICAÇÃO DOS DESENHOS TÉCNICOS DESENHO PROJETIVO: DESENHO NÃO PROJETIVO:+ EXPRESSÃO GRÁFICA CURSO: Engenharia Mecânica PROFESSOR: José Ricardo Flores Faria Aula 02/18 CLASSIFICAÇÃO DOS DESENHOS TÉCNICOS DESENHO PROJETIVO: Desenho resultante da projeção do objeto, sob um ou mais

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 03

DESENHO TÉCNICO. Aula 03 FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 03 Prof. Me. Dario de A. Jané DESENHO TÉCNICO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE DESENHO TÉCNICO Normas Instrumentos Folhas (dobra, moldura,

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS AULA 04 ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS Prof. Felipe Brasil Viegas Prof. Eduardo Giugliani http://www.feng.pucrs.br/professores/giugliani/?subdiretorio=giugliani 0 AULA 04 INSTABILIDADE GERAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos Prof. Marco Pádua Se a superestrutura do edifício for definida por um conjunto de elementos estruturais formados por lajes, vigas e pilares caracterizando

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTAÇÃO

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. DADOS GERAIS: 1.1. Proprietário: Município de Estação/RS CNPJ: 92.406.248/0001-75 1.2. Obra: Cobertura Metálica da Escola Municipal de Ensino Fundamental Pedro Cecconelo 1.3. Local:

Leia mais

Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod

Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod Davi Fagundes Leal 1,, Rita de Cássia Silva Sant Anna Alvarenga 2, Cássio de Sá Seron 3, Diôgo

Leia mais

Código de Identidade Visual

Código de Identidade Visual Manual da Marca Apresentação O manual da marca Academia da Saúde tem a função de ordenar e padronizar o signo que distingue e diferencia o Programa, compreendendo os padrões e as regras de aplicação da

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO LOTEAMENTOS E DESMEMBRAMENTOS 04 vias do processo contendo na capa o número

Leia mais

Nivelamento Desenho Técnico

Nivelamento Desenho Técnico Módulo: Nivelamento Desenho Técnico Natanael Gomes da Costa Júnior Curso: FTST - FORMAÇÃO TÉCNICA EM SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO DE NIVELAMENTO DESENHO TÉCNICO Sumário Sumário...2 Competências a serem

Leia mais

Desenho e Projeto de tubulação Industrial

Desenho e Projeto de tubulação Industrial Desenho e Projeto de tubulação Industrial Módulo I Aula 08 1. PROJEÇÃO ORTOGONAL Projeção ortogonal é a maneira que o profissional recebe o desenho em industrias, 1 onde irá reproduzi-lo em sua totalidade,

Leia mais

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -DQHLUR

&216758d 2&,9,/ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -DQHLUR 81,9(56,'$'()('(5$/'&($5È '(3$57$0(17'((1*(1+$5,$(6758785$/( &16758d &,9,/ 17$6'($8/$6 &16758d '((',)Ë&,6, /&$d '$%5$ 3URID7HUH]D'HQ\VH3GH$UD~MR -DQHLUR &RQVWUXomRGH(GLItFLRV, /RFDomRGDEUD -7 /&$d '$%5$,175'8d

Leia mais

Passado, presente e futuro

Passado, presente e futuro Passado, presente e futuro A SteelPack iniciou suas atividades em 1989 com beneficiamento de bobinas laminadas a quente e a frio, decapadas, zincadas e alumínio. Em 2011 ampliou sua capacidade produtiva,

Leia mais

CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE

CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE PROJETO EXECUTIVO DE ESTRUTURAS METÁLICAS CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE MEMORIAL DESCRITIVO DE ESTRUTURAS METÁLICAS - CIE - R40-45 - R01 ESTRUTURA METÁLICA

Leia mais

REGULAMENTO DE IMAGEM

REGULAMENTO DE IMAGEM REGULAMENTO DE IMAGEM 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. O presente regulamento estabelece normas de execução no que respeita à utilização da identidade corporativa da Federação de Motociclismo de Portugal (FMP) e aplica-se

Leia mais

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MEMÓRIA DE CÁLCULO ESTRUTURA DE CONCRETO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Hipóteses

Leia mais

DESENHO ARQUITETÔNICO

DESENHO ARQUITETÔNICO DESENHO ARQUITETÔNICO PROFESSORES: ADRIANA DINIZ BALDISSERA, ALEX BEDIN, FABIANO CZARNOBAY Chapecó, 2015. Elaboração: ADRIANA DINIZ BALDISSERA, ALEX BEDIN, FABIANO CZARNOBAY Propriedade da Faculdade Empresarial

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ESTRUTURAIS EM CONCRETO ARMADO, ESTRUTURAS METÁLICAS OU ESTRUTURAS EM MADEIRA

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ESTRUTURAIS EM CONCRETO ARMADO, ESTRUTURAS METÁLICAS OU ESTRUTURAS EM MADEIRA INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ESTRUTURAIS EM CONCRETO ARMADO, ESTRUTURAS METÁLICAS OU ESTRUTURAS EM MADEIRA Blumenau, maio de 2010. 1. RESUMO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. INTRODUÇÃO...

Leia mais

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera /estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050 Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera O objetivo desta norma é estabelecer critérios e parâmetros técnicos a serem observados

Leia mais

PROJETO DE EDIFICAÇÕES RURAIS

PROJETO DE EDIFICAÇÕES RURAIS Universidade Federal de Goiás Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos Setor de Engenharia Rural PROJETO DE EDIFICAÇÕES RURAIS Construções e Eletrificação Rural Prof. Dr. Regis de Castro Ferreira

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 02 Projeção, vistas, diedros. Desenho Técnico Mecânico I

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 02 Projeção, vistas, diedros. Desenho Técnico Mecânico I DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Aula 02 Projeção, vistas, diedros PROJEÇÕES Projeções Projeção Cilíndrica Projeção Ortogonal Isométrica Vistas Ortográficas 1º Diedro 2º Diedro 3º Diedro 4º Diedro PROJEÇÕES

Leia mais