2ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Prof. Lincoln Marques

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Prof. Lincoln Marques"

Transcrição

1 2ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Prof. Lincoln Marques

2 DEFINIÇÕES CONCEITUAIS Conjunto de transformações técnicas, econômicas e sociais caracterizadas pela substituição da energia física pela mecânica, da ferramenta pela máquina e da manufatura pela fábrica. Processo de profunda transformação social que determinou a inserção dos trabalhadores em novas formas de trabalho, impondo a disciplina fabril e a separação definitiva entre capital e trabalho. Período de ascensão (1ª revolução industrial/inglaterra) e consolidação (2ª revolução industrial) do modelo capitalista de produção na Europa.

3 ASPECTOS GERAIS INGLATERRA : ACÚMULO DE CAPITAIS: TRÁFICO NEGREIRO, ATIVIDADES COMERCIAIS, EXPLORAÇÃO DAS ÁREAS COLONIAIS. EXPROPRIAÇÃO DOS TRABALHADORES RURAIS DO ACESSO AOS MEIOS DE PRODUÇÃO. DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO: MECANIZAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DAS ETAPAS DE PRODUÇÃO. DISPONIBILIDADE DE RECURSOS ENERGÉTICOS NATURAIS: EXPLORAÇÃO DO CARVÃO MINERAL. EXPANSÃO DO MERCADO CONSUMIDOR. DESENVOLVIMENTO DA METALURGIA: BENEFICIAMENTO DE METAIS PARA A PRODUÇÃO DE MÁQUINAS E PARA A CRIAÇÃO DAS MALHAS FERROVIÁRIAS.

4 FASE 2: CAPITALISMO MONOPOLISTA ALEMANHA, JAPÃO, ESTADOS UNIDOS : CONCENTRAÇÃO DE CAPITAIS E INTEGRAÇÃO DE EMPRESAS. FORMAÇÃO DE SOCIEDADES ANÔNIMAS: SUBSTITUIÇÃO DOS EMPREENDIMENTOS INDIVIDUAIS OU FAMILIARES POR UM MODELO EMPRESARIAL/INDUSTRIAL ACIONÁRIO. DESENVOLVIMENTO ELETRICIDADE. DE NOVOS RECURSOS ENERGÉTICOS: FUSÃO DO CAPITAL INDUSTRIAL AO CAPITAL FINANCEIRO (BANCÁRIO): NOVAS EXIGÊNCIAS PRODUTIVAS E TECNOLÓGICAS. EXPANSÃO DAS AÇÕES MERCADOS DE CONSUMO. PROTECIONISTAS: BUSCA POR FORMAÇÃO DE UM OLIGOPÓLIO: GRANDES EMPRESAS CONTROLANDO DETERMINADO RAMO PRODUTIVO; LIMITES Á CONCORRÊNCIA E À AUTO-REGULAÇÃO DOS PREÇOS. EXTREMA ESPECIALIZAÇÃO DO TRABALHO OPERÁRIO.

5 ... Um operário desenrola o arame, o outro o endireita, um terceiro corta, um quarto o afia nas pontas para a colocação da cabeça do alfinete; para fazer a cabeça do alfinete requerem-se 3 ou 4 operações diferentes... Inglaterra, final do século XIX.

6 REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS ÁREAS INDUSTRIAIS MATERIAL INDUSTRIAL BÁSICO 1ª FASE ( ) 2ª FASE ( ) INGLATERRA; FRANÇA E ETAPAS BÉLGICA. HISTÓRICAS FERRO. ALEMANHA; RÚSSIA; ESTADOS UNIDOS E JAPÃO. AÇO. FONTES DE ENERGIA VAPOR. ELETRICIDADE E PETRÓLEO. SETOR INDUSTRIAL PREDOMINANTE TÊXTIL. PETROQUÍMICO, SIDERÚRGICO, NAVAL. CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA CAPITALISTA REFLEXOS SOCIAIS MODELO COMPETITIVO OU CONCORRENCIAL. EXPLORAÇÃO DA MÃO- DE-OBRA E LONGAS JORNADAS DE TRABALHO. MONOPOLISTA OU FINANCEIRO. PROGRESSIVA DIMINUIÇÃO DAS JORNADAS DE TRABALHO.

7 ASSOCIAÇÕES CARACTERÍSTICAS PAÍSES HOLDING Grandes empresas financeiras que controlam complexos industriais a partir da posse de suas ações. Inglaterra, Estados Unidos. TRUSTE Empresas que absorvem seus concorrentes, controlando a produção, os preços e o mercado consumidor. Estados Unidos, Alemanha, Inglaterra. CARTÉL ENTENTE Empresas de um mesmo ramo que se associam para evitar concorrência, dividindo os mercados. Empresas de um mesmo ramo estipulam um valor mínimo para os preços. Japão, Estados Unidos, Inglaterra, França e Alemanha. Inglaterra.

8 REFLEXOS HISTÓRICOS Amplo desenvolvimento tecnológico. Desenvolvimento do setor de transportes e do setor de comunicações (telégrafo). Aumento da produtividade e acirramento da competição comercial entre a potências industriais. Avidez por recursos energéticos e mercados consumidores. Expansão dos complexos industriais; Expansão das cidades industriais. Consolidação do proletariado urbano (operários) enquanto classe social. Expansão das crises periódicas: o aumento da produção não acompanha a capacidade de consumo dos trabalhadores assalariados. Aprimoramento da produção em série: FORDISMO e TAYLORISMO.

9 FORDISMO: FORDISMO e TAYLORISMO Modelo de produção idealizado por Henry Ford ( ). Princípio de padronização e simplificação das etapas produtivas: produzir mais em menos tempo e com menor custo. Criação de fábricas verticalizadas: controle de todas as etapas produtivas, desde a extração das matérias-primas até a execução do produto final. Objetivo de diminuir os preços e aumentar as vendas. TAYLORISMO: Modelo de administração empresarial criado por Frederick Taylor ( ). Princípio da ênfase na especialização da produção, no treinamento dos trabalhadores e no aumento produtivo. estabelecimento da co-participação entre capital e trabalho: redistribuição dos lucros, salários mais elevados refletem no aumento dos níveis de produtividade.

10

TRABALHO E SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

TRABALHO E SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO 1 TRABALHO E SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO O ser humano trabalha quando cria a vida ou melhora as condições de vida. O trabalho transforma a natureza O trabalho também serve a estratificação está

Leia mais

Revolução Industrial. Prof. Thiago

Revolução Industrial. Prof. Thiago Revolução Industrial Prof. Thiago Conceito Processo de Transformações econômicas e sociais a partir da aceleração do processo produtivo Consolidação do Modo de Produção Capitalista Evolução Técnica Artesanato

Leia mais

Unidade 1. Respostas das sugestões de avaliação

Unidade 1. Respostas das sugestões de avaliação Respostas das sugestões de avaliação Unidade 1 1. Não, pois a tabela revela que, nesse período, a maior produtividade industrial cabia aos Estados Unidos, tanto de carvão como de ferro e aço. Na tabela,

Leia mais

A atividade industrial

A atividade industrial A atividade industrial Estágios da produção 1 - artesanato Trabalho manual; O artesão também era o dono do meio de produção; O artesão realizava todo o processo produtivo. Estágios da produção 2 - manufatura

Leia mais

1ª Revolução Industrial

1ª Revolução Industrial Modelos de Administração da Produção Evolução dos Sistemas de Produção A Revolução Industrial trouxe uma produção acelerada, porém faltava organização e método. (Frederick Taylor 1856-1915) (Henry Ford

Leia mais

CAPITALISMO FINANCEIRO OU CAPITALISMO MONOPOLISTA. Gustavo Rodrigues Lemos - EPUFABC

CAPITALISMO FINANCEIRO OU CAPITALISMO MONOPOLISTA. Gustavo Rodrigues Lemos - EPUFABC CAPITALISMO FINANCEIRO OU CAPITALISMO MONOPOLISTA Gustavo Rodrigues Lemos - EPUFABC Capitalismo Financeiro Após a II Revolução Industrial (~1850), as disputas entre os países se tornaram ainda maiores.

Leia mais

Aulas 05 e 06: Estrutura fundiária brasileira e industrialização. Não espere por uma crise para descobrir o que é importante em sua vida (Platão)

Aulas 05 e 06: Estrutura fundiária brasileira e industrialização. Não espere por uma crise para descobrir o que é importante em sua vida (Platão) Aulas 05 e 06: Estrutura fundiária brasileira e industrialização. Não espere por uma crise para descobrir o que é importante em sua vida (Platão) O comércio mundial de alimentos. Commodity: valor que um

Leia mais

SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL IMPERIALISMO

SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL IMPERIALISMO SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL & IMPERIALISMO Observe as imagens e reflita! Definição O que podemos definir como práticas imperialistas? Quem as praticava? Onde as praticava? Quais os objetivos a serem alcançados

Leia mais

Países pioneiros no processo de industrialização. IFMG Campus Betim 2015

Países pioneiros no processo de industrialização. IFMG Campus Betim 2015 Países pioneiros no processo de industrialização IFMG Campus Betim 2015 São o Reino Unido, a França, a Bélgica e os Estados Unidos. Vamos estudar: Reino Unido: primeiro a se industrializar, mas seu PIB

Leia mais

www.professoravanucia.blogspot.com A importância da Indústria A Indústria é um dos três setores de atividade da economia. Os outros dois são os serviços e a agropecuária. As atividades agrícolas, o comércio

Leia mais

Sistemas Industriais

Sistemas Industriais Sistemas Industriais Introdução Valter Vander de Oliveira valterv@ifsc.edu.br Sumário Tipos de Indústriais Introdução Classificação Evolução dos sistemas de produção 1 a, 2 a e 3 a revolução industrial

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE MERCADO E SISTEMA PRODUTIVO

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE MERCADO E SISTEMA PRODUTIVO CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE MERCADO E SISTEMA PRODUTIVO CTS, MERCADO E SISTEMA PRODUTIVO Podemos dividir a economia em três setores: Setor primário Setor secundário Setor terciário CTS, MERCADO E SISTEMA

Leia mais

A sociedade e a história têm como base O TRABALHO HUMANO TRABALHO é o intercâmbio (relação) HOMEM E NATUREZA OBJETIVO: produzir e reproduzir as

A sociedade e a história têm como base O TRABALHO HUMANO TRABALHO é o intercâmbio (relação) HOMEM E NATUREZA OBJETIVO: produzir e reproduzir as A sociedade e a história têm como base O TRABALHO HUMANO TRABALHO é o intercâmbio (relação) HOMEM E NATUREZA OBJETIVO: produzir e reproduzir as condições materiais (econômicas) da vida social TODAS AS

Leia mais

Desenvolvimento das cidades

Desenvolvimento das cidades Gestão Desportiva e de Lazer Lazer e Urbanismo Desenvolvimento das cidades Texto base: SPOSITO, Maria Encarnação E. Capitalismo e urbanização Capítulo 03 Industrialização e urbanização Professora: Andréa

Leia mais

1.1: que Capitalismo: Sistema socioeconômico que propriedade dos meios de produção

1.1: que Capitalismo: Sistema socioeconômico que propriedade dos meios de produção 1 O Capitalismo. 1.1: O que é o Capitalismo: Sistema socioeconômico em que a propriedade dos meios de produção é privada, e pertence a uma classe, em contraposição a outra de não-proprietários. 1.2 Características:

Leia mais

As transformações que a Revolução Industrial trouxe para o campo e para a cidade;

As transformações que a Revolução Industrial trouxe para o campo e para a cidade; A DINÂMICA INDUSTRIAL E A CONCENTRAÇÃO FINANCEIRA 1 A Dinâmica Industrial As transformações que a Revolução Industrial trouxe para o campo e para a cidade; As cidades negras; Mudanças nas relações sociais;

Leia mais

Capitalismo financeiro e informacional

Capitalismo financeiro e informacional Capitalismo financeiro e informacional Capitalismo financeiro - Começa no final do século XIX, período de formação de grandes empresas industriais e comerciais, incluindo o crescimento acelerado de bancos

Leia mais

Prof. Adm. Esp. Rodrigo Leão Brasileiro

Prof. Adm. Esp. Rodrigo Leão Brasileiro Prof. Adm. Esp. Rodrigo Leão Brasileiro Abordagem básica da Adm. Científica: Ênfase nas tarefas; Iniciada por Taylor, que teve como seguidores Gantt, Gilbreth, Ford Tentativa de aplicação dos métodos da

Leia mais

1. A ligação ciência-técnica

1. A ligação ciência-técnica 1. A ligação ciência-técnica Maior complexidade dos instrumentos de produção (máquinas) Maior concorrência entre empresas Valorização dos engenheiros (universidades / institutos) Investimento das empresas

Leia mais

Julho/2012. Produtividade do trabalho na Indústria de Transformação: Maio de Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Julho/2012. Produtividade do trabalho na Indústria de Transformação: Maio de Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Julho/2012 Produtividade do trabalho na Indústria de Transformação: Maio de 2012 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Sumário Após encerrar 2011 em queda (-0,2%), a produtividade do trabalho

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol 1 Os exercícios deverão ser feitos no livro e / ou no caderno. Livro Didático: Língua Portuguesa

Leia mais

Administração. Módulo 2 Assistente Administrativo. Prof. Edgard Lourenço Jr. Colégio Técnico PoliBrasil

Administração. Módulo 2 Assistente Administrativo. Prof. Edgard Lourenço Jr. Colégio Técnico PoliBrasil Administração Módulo 2 Assistente Administrativo Unidade I Introdução e Influência Histórica ADMINISTRAÇÃO: CONCEITO E IMPORTÂNCIA Conceito O que significa administrar? A Administração (Ciência da Administração)

Leia mais

3 - História da Ciência, Tecnologia e Inovação (C, T&I) no Mundo Políticas de C, T&I

3 - História da Ciência, Tecnologia e Inovação (C, T&I) no Mundo Políticas de C, T&I Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba Jornalismo e Divulgação Científica Graduação em Engenharia Ambiental Pós-Graduação em Ciências Ambientais Pós-Graduação em Engenharia Civil e Ambiental 3 -

Leia mais

PROCESSOS ADMINISTRATIVOS

PROCESSOS ADMINISTRATIVOS Educar Virtual PROCESSOS ADMINISTRATIVOS Principios de Produção Tópicos ADMINISTRAÇÃO PLANEJAMENTO ORGANIZAÇÃO DIREÇÃO CONTROLE Princípios de Produção O propósito de um negócio é criar um cliente. (Peter

Leia mais

Definição. é um sistema econômico (e por. vezes político) em que os meios de produção, distribuição, decisões sobre oferta, demanda, preço

Definição. é um sistema econômico (e por. vezes político) em que os meios de produção, distribuição, decisões sobre oferta, demanda, preço Definição O é um sistema econômico (e por vezes político) em que os meios de produção, distribuição, decisões sobre oferta, demanda, preço e investimentos são em grande parte ou totalmente de propriedade

Leia mais

Imperialismo. Estudo dos Capítulos 9 e 10 da obra Economia Política: uma introdução Crítica para o Curso de Economia Política

Imperialismo. Estudo dos Capítulos 9 e 10 da obra Economia Política: uma introdução Crítica para o Curso de Economia Política uma introdução Crítica para o Curso de Economia Política Rosa Luxemburgo Vladimir Lênin Nikolai Bukharin capitalismo mobilidade e transformação atividade econômica desenvolvimento das forças produtivas

Leia mais

Avaliação sob o prisma da ÉTICA. Descobre-se a ação de pessoas éticas, corrigindo abusos, evitando explorações e desmascarando injustiças.

Avaliação sob o prisma da ÉTICA. Descobre-se a ação de pessoas éticas, corrigindo abusos, evitando explorações e desmascarando injustiças. Slide 1 ética PROF a TATHYANE CHAVES SISTEMAS ECONÔMICOS Slide 2 SISTEMAS ECONÔMICOS Avaliação sob o prisma da ÉTICA Uma empresa pode operar simultaneamente em vários países, cada um dentro de um regime

Leia mais

Liberalismo Econômico

Liberalismo Econômico Liberalismo Econômico O bem-estar da sociedade está ligado ao do indivíduo! Com liberdade a todos para ganharem o mais que puderem, no interesse pessoal, toda a sociedade melhorará. Trabalhe para si mesmo

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS Título do Podcast Área Segmento Duração Fases do Capitalismo Ciências Humanas Ensino Fundamental; Ensino Médio 6min07seg Habilidades: H.17, H.19, H.20, H.23

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E FORMAÇÃO SOCIAL ESTRUTURA ORGANIZAÇÃO SOCIEDADE

DESENVOLVIMENTO E FORMAÇÃO SOCIAL ESTRUTURA ORGANIZAÇÃO SOCIEDADE DESENVOLVIMENTO E FORMAÇÃO SOCIAL ESTRUTURA ORGANIZAÇÃO SOCIEDADE CCR DPTO EDUCAÇÃO AGRÍCOLA E EXT. RURAL SOCIOLOGIA André Felipe Hess, Dr. Desenvolvimento: ampliação do domínio do fluxo energético e material,

Leia mais

Crescimento demográfico da América Anglo-Saxônica e da América Latina

Crescimento demográfico da América Anglo-Saxônica e da América Latina Respostas das sugestões de avaliação Unidade 4 1. a) A população americana se distribui de maneira irregular pelo seu território; ou seja, algumas regiões são mais povoadas que outras. b) Essa distribuição

Leia mais

RAIO X TEMÁTICO PISM II. Judson Lima

RAIO X TEMÁTICO PISM II. Judson Lima RAIO X TEMÁTICO PISM II Judson Lima PRINCIPAIS TEMAS Industrialização. Revoluções Industriais. Desenvolvimento industrial brasileiro. Desenvolvimento Agrícola. Aspectos econômicos. Problemas socioambientais.

Leia mais

Geografia: o capitalismo e a formação do espaço geográfico mundial. 9º Ano

Geografia: o capitalismo e a formação do espaço geográfico mundial. 9º Ano Geografia: o capitalismo e a formação do espaço geográfico mundial 9º Ano Características do Capitalismo Propriedade privada dos meios de produção (tudo aquilo usado para se realizar uma atividade econômica).

Leia mais

OBJETIVO º ANO E.M. MÓDULO 19 INDUSTRIALIZAÇÃO DA AMÉRICA

OBJETIVO º ANO E.M. MÓDULO 19 INDUSTRIALIZAÇÃO DA AMÉRICA OBJETIVO 2016 1º ANO E.M. MÓDULO 19 INDUSTRIALIZAÇÃO DA AMÉRICA INTRODUÇÃO Palco da Segunda Revolução Industrial EUA; Petróleo como a principal fonte de energia; Fordismo; EUA: ocupam o segundo lugar no

Leia mais

22/09/2015. Evolução do Pensamento Administrativo. Administração Científica

22/09/2015. Evolução do Pensamento Administrativo. Administração Científica Evolução do Pensamento Administrativo 1903 1909 1916 1932 1947 1951 1953 1954 1957 1962 1972 1990 Teoria Abordagem 1903 Clássica 1909 Teoria da Burocracia Estruturalista 1916 Teoria Clássica Clássica 1932

Leia mais

RÁPIDA REVISÃO SOBRE Supply Chain

RÁPIDA REVISÃO SOBRE Supply Chain LOGÍSTICA INTEGRADA GESTÃO DA PRODUÇÃO EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO PARA ATENDER À DEMANDA RÁPIDA REVISÃO SOBRE Supply Chain Elementos da cadeia de abastecimento integrada GERENCIAMENTO LOGÍSTICO PREOCUPA-SE FUNDAMENTALMENTE

Leia mais

O BRASIL PODE SER ECONOMICAMENTE PRÓSPERO, CULTURALMENTE DIVERSO E AMBIENTALMENTE SUSTENTÁVEL. Rui Mangieri

O BRASIL PODE SER ECONOMICAMENTE PRÓSPERO, CULTURALMENTE DIVERSO E AMBIENTALMENTE SUSTENTÁVEL. Rui Mangieri O BRASIL PODE SER ECONOMICAMENTE PRÓSPERO, CULTURALMENTE DIVERSO E AMBIENTALMENTE SUSTENTÁVEL. Rui Mangieri 1º)1500 A 1930 ATÉ 1808 Indústrias débil, fraca e de pouca monta (valor). Principais atividades

Leia mais

Revolução Industrial e Socialismo

Revolução Industrial e Socialismo Revolução Industrial e Socialismo Revolução Industrial e Socialismo 1. Na Europa, até o século XVIII, o passado era o modelo para o presente e para o futuro. O velho representava a sabedoria, não apenas

Leia mais

SEGUNDO REINADO ( )

SEGUNDO REINADO ( ) SEGUNDO REINADO historiaula.wordpress.com (1840 1889) 2ª. Parte A fórmula do sucesso... Foi um atributo: 1º. Do aumento da demanda pelo café nos mercados dos Estados Unidos da América do Norte e da Europa;

Leia mais

Gestão de Produção Aula1: Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção. Prof. Valdir Tavares de Lucena

Gestão de Produção Aula1: Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção. Prof. Valdir Tavares de Lucena Gestão de Produção Aula1: Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção Prof. Valdir Tavares de Lucena »Vamos começar relembrando algumas teorias administrativas... 2 EVOLUÇÃO HISTÓRICA Pré-história

Leia mais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Númer o 05/2006 Cenário Moveleiro Número 05/2006 1 Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Leia mais

O que é produção do espaço?

O que é produção do espaço? O que é produção do espaço? É o espaço onde há a interação entre as sociedades humanas e seu meio ambiente. Evoluiu principalmente após o século XVIII, com a Revolução Industrial, do qual o aumento da

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS

APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS Grupo 1 Administração Científica Grupo 2 Teoria Clássica Aula 5 09/06/2014 A evolução do conceito de ADMINISTRAÇÃO Idade Média (fim Império Romano até fins séc. XV): - Artesanato;

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 8 - Parte 4 -Assunto: Plano Operacional Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada

Leia mais

Considerando os milhares de anos da história da humanidade, faz pouco tempo que as pessoas trabalham o dia inteiro, têm horários rígidos e vivem com

Considerando os milhares de anos da história da humanidade, faz pouco tempo que as pessoas trabalham o dia inteiro, têm horários rígidos e vivem com As revoluções inglesas e o capitalismo industrial. A origem da sociedade industrial Considerando os milhares de anos da história da humanidade, faz pouco tempo que as pessoas trabalham o dia inteiro, têm

Leia mais

REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO

REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS E DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO www.infoescola.com Revolução da técnica Introduz Forma eficiente de padronizar a mercadoria Menor tempo Menor custo Agrupamento de trabalhadores

Leia mais

Teoria da. Administração Científica. Professor: Roberto César

Teoria da. Administração Científica. Professor: Roberto César Teoria da Administração Científica Professor: Roberto César Abordagem Clássica da Administração Administração Científica Taylor Ênfase nas Tarefas Abordagem Clássica da Administração Teoria Clássica Fayol

Leia mais

Frederick Taylor e a Administração Científica

Frederick Taylor e a Administração Científica Frederick Taylor e a Administração Científica PRIMEIRA FASE SEGUNDA FASE TERCEIRA FASE Ataque ao Problema dos Salários. Estudo Sistemático do Tempo. Definição de Tempos Padrão. Sistema de Administração

Leia mais

Definição Compreende-se por o processo de integração e interdependência entre países em seus aspectos comerciais, financeiros, culturais e sociais. A

Definição Compreende-se por o processo de integração e interdependência entre países em seus aspectos comerciais, financeiros, culturais e sociais. A Definição Compreende-se por o processo de integração e interdependência entre países em seus aspectos comerciais, financeiros, culturais e sociais. A globalização surgiu por necessidade primária do e na

Leia mais

Produção e Crescimento. 24. Produção e Crescimento. Crescimento Econômico no Mundo. Crescimento no Mundo. A Regra dos 70: Exemplo.

Produção e Crescimento. 24. Produção e Crescimento. Crescimento Econômico no Mundo. Crescimento no Mundo. A Regra dos 70: Exemplo. 24. Produção e Crescimento Produção e Crescimento O padrão de vida dos indivíduos de um país depende da habilidade desse país em produzir bens e serviços Em todos os países há muita variação no padrão

Leia mais

Evolução da Agricultura

Evolução da Agricultura Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agronômicas Depto. de Economia, Sociologia e Tecnologia Acumular "amontoar riquezas, bens, fazer fortuna. Aurélio B. de Hollanda Ferreira Economia e

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 33 AS REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 33 AS REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 33 AS REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS Como pode cair no enem? (ENEM) A evolução do processo de transformação de matérias-primas em produtos acabados ocorreu em três estágios: artesanato,

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL.

ENSINO FUNDAMENTAL. ENSINO FUNDAMENTAL www.ceejamax.com 1 ROTEIRO DA UNIDADE FINALIDADE Esta Unidade focaliza noções sobre o capitalismo, sendo este abordado em suas diversas formas, retratando a sua expansão e também a grande

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FARMACÊUTICA

ADMINISTRAÇÃO FARMACÊUTICA ADMINISTRAÇÃO FARMACÊUTICA Fazer acontecer Acadêmicos: Everson Fialho e Rafael Reis. Disciplina: Administração Farmacêutica Professora Patrícia Dutra Sauzem Conceitos: Administração Ad: direção, tendência

Leia mais

Departamento de Bens de Capital - BNDES O Apoio do BNDES ao Setor de Bens de capital

Departamento de Bens de Capital - BNDES O Apoio do BNDES ao Setor de Bens de capital Departamento de Bens de Capital - BNDES O Apoio do BNDES ao Setor de Bens de capital 12º Encontro da Cadeia de Ferramentas, Moldes e Matrizes - MOLDES ABM Agosto de 2014 Importância do investimento na

Leia mais

Vice-Presidente da Federação das Câmaras Portuguesas de Comércio No Brasil

Vice-Presidente da Federação das Câmaras Portuguesas de Comércio No Brasil APRESENTAÇÃO CBP-CE - A Câmara Brasil Portugal no Ceará - Comércio, Indústria e Turismo (CBP-CE), fundada em junho de 2001, é uma associação civil sem fins lucrativos com atuação no estado do Ceará, Portugal

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO.

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. ENSINO MÉDIO Conteúdos da 2ª Série 1º/2º Bimestre 2015 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Lucas Data: / /2015 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara Geografia Resultado / Rubrica

Leia mais

Até Onde o Engenheiro Industrial Pode Chegar? Paulo Ávila Prof. Coordenador Diretor da Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Até Onde o Engenheiro Industrial Pode Chegar? Paulo Ávila Prof. Coordenador Diretor da Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Até Onde o Engenheiro Industrial Pode Chegar? Paulo Ávila Prof. Coordenador Diretor da Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial AGENDA O Porquê do Título Competências do Engenheiro Industrial Os

Leia mais

Referencial Teórico. Redes de cooperação produtivas:

Referencial Teórico. Redes de cooperação produtivas: Referencial Teórico Redes de cooperação produtivas: Formas de cooperação a partir de alianças estratégicas: Complexos industriais / organizações virtuais / parques tecnológicos / incubadoras de empresas

Leia mais

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO MANUEL CALDEIRA CABRAL UNIVERSIDADE DO MINHO FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO 29 DE SETEMBRO 2010 INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA Porque é que é importante Crescimento

Leia mais

A Civilização Tecnológica

A Civilização Tecnológica A Civilização Tecnológica Nas últimas décadas, o saber se tornou a principal força produtiva. Como insumo indispensável ao poderio produtivo, o conhecimento já é e será o principal fator competitivo entre

Leia mais

10/03/2010 CAPITALISMO NEOLIBERALISMO SOCIALISMO

10/03/2010 CAPITALISMO NEOLIBERALISMO SOCIALISMO CAPITALISMO NEOLIBERALISMO SOCIALISMO Uma empresa pode operar simultaneamente em vários países, cada um dentro de um regime econômico diferente. 1 A ética não parece ocupar o papel principal nos sistemas

Leia mais

Trabalho, Tecnologia e Inovação Aula 6

Trabalho, Tecnologia e Inovação Aula 6 Trabalho, Tecnologia e Inovação Aula 6 Tema II.2 - Reestruturação produtiva, novas tecnologias e novas formas de organização social do trabalho e da produção: A (difícil) transição pós-fordista e o modelo

Leia mais

GOVERNADOR DIX-SEPT ROSADO

GOVERNADOR DIX-SEPT ROSADO 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 04/04/1963 - Distância da capital: 320 km - Área: 1.129 Km 2 - Localização Mesorregião: Oeste Potiguar Microrregião: Chapada do Apodi - População: 12.374 (IBGE/2007)

Leia mais

Crise na Europa e Globalização

Crise na Europa e Globalização Crise na Europa e Globalização Crise na Europa e Globalização 1. Nas últimas décadas, a Turquia vem pleiteando, sem sucesso, sua entrada na União Europeia. Apresente uma razão que tem dificultado a entrada

Leia mais

Primeira Revolução Industrial

Primeira Revolução Industrial 1. (ENEM 2012) A Inglaterra pedia lucros e recebia lucros, Tudo se transformava em lucro. As cidades tinham sua sujeira lucrativa, suas favelas lucrativas, sua fumaça lucrativa, sua desordem lucrativa,

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Divulgação dos Resultados da Indústria Geral e Setorial 1º Trimestre de 2011 Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Maio de 2011 Objetivos Calcular

Leia mais

02 CARACTERÍSTICAS DA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA -ASPECTOS FUNDAMENTAIS -

02 CARACTERÍSTICAS DA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA -ASPECTOS FUNDAMENTAIS - 02 CARACTERÍSTICAS DA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA -ASPECTOS FUNDAMENTAIS - AULA PASSADA Diferenciação das construções com relação as suas características (localização, uso, material, processo produtivo)

Leia mais

O Mercado de Agregados nobrasil

O Mercado de Agregados nobrasil Associação Nacional das Entidades de Produtores de Agregados para Construção Panorama e perspectivas para o setor de agregados para construção N o v 20 15 O Mercado de Agregados nobrasil Sobre a ANEPAC

Leia mais

ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN

ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN ANEXO C: ESTRUTURA GERAL DO BEN 1 - DESCRIÇÃO GERAL O Balanço Energético Nacional BEN foi elaborado segundo metodologia que propõe uma estrutura energética, sufi cientemente geral, de forma a permitir

Leia mais

Parte III: Construindo a Curva de Oferta. Marta Lemme - IE/UFRJ

Parte III: Construindo a Curva de Oferta. Marta Lemme - IE/UFRJ Parte III: Construindo a Curva de Oferta A Firma na Escola Neoclássica Fatores de Produção Em concorrência perfeita, preço é determinado pelo mercado Bens tangíveis ou intangíveis Objetivo da Firma (Neoclássica):

Leia mais

CAIÇARA DO RIO DO VENTO

CAIÇARA DO RIO DO VENTO 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 19/01/1963 - Distância da capital: 95 km - Área: 261 Km 2 - Localização Mesorregião: Central Potiguar Microrregião: Angicos - População: 3.064 (IBGE/2007) - Número

Leia mais

CIDADE ALTA 1 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS. Tabela 1 Tipo de empreendimento

CIDADE ALTA 1 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS. Tabela 1 Tipo de empreendimento 1 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS Tabela 1 Tipo de empreendimento Forma de Funcionamento Número de negócios Percentual (%) Associação ou Sindicato 31 3,33 Cooperativa 5 0,54 Empresa Individual (Antiga Firma

Leia mais

Função. Funções já auditadas no Salário BR -

Função. Funções já auditadas no Salário BR - Ajudante da Indústria de Alimentos Ajudante de Agronegócios Ajudante de Construção Ajudante de Eletrônicos Ajudante de Energia Ajudante de Forças Armadas Ajudante de Gráfica Ajudante de Indústria de Acessórios

Leia mais

A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE. 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010

A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE. 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010 A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010 CONTEÚDO 1. PERFIL DO SETOR BRASILEIRO DE C&P 2. OVERVIEW DO SETOR BRASILEIRO DE C&P 3.

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA 2 o TRIMESTRE DE 2015

PROVA DE GEOGRAFIA 2 o TRIMESTRE DE 2015 PROVA DE GEOGRAFIA 2 o TRIMESTRE DE 2015 PROF. MÁRCIO NOME Nº 7º ANO A prova deve ser feita com caneta azul ou preta. É terminantemente proibido o uso de corretor. Respostas com corretor serão anuladas.

Leia mais

Aula 11: Teoria da Localização. Prof. Eduardo A. Haddad

Aula 11: Teoria da Localização. Prof. Eduardo A. Haddad Aula 11: Teoria da Localização Prof. Eduardo A. Haddad Implantação de uma usina siderúrgica integrada para produção de 4,1 milhões de toneladas de placas de aço por ano, utilizando minério de ferro proveniente

Leia mais

Variedades de Capitalismo. Aula 6 Alemanha. Prof.: Rodrigo Cantu

Variedades de Capitalismo. Aula 6 Alemanha. Prof.: Rodrigo Cantu Variedades de Capitalismo Aula 6 Alemanha Prof.: Rodrigo Cantu Características principais Economia de mercado coordenada (EMC) Interações estratégicas Consenso Horizonte longo Exemplo: Alemanha PIB per

Leia mais

AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL

AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL Critérios para a Classificação dos Condados Norte-Americanos segundo o Rural-Urban Continuum Code Condados Metropolitanos 0 1 2 3 Condados centrais de áreas metropolitanas

Leia mais

Aula 3 07/03/2010 TP002 ECONOMIA. Bibliografia SAMUELSON (1975)

Aula 3 07/03/2010 TP002 ECONOMIA. Bibliografia SAMUELSON (1975) Aula 3 07/03/2010 TP002 ECONOMIA. Bibliografia SAMUELSON (1975) Curva de Possibilidade de produção. É a fronteira máxima de produção de uma sociedade. Ela mostra as possibilidades de produção da economia,

Leia mais

O PAPEL DA ENGENHARIA MECÂNICA NAS ENERGIAS NÃO RENOVÁVEIS

O PAPEL DA ENGENHARIA MECÂNICA NAS ENERGIAS NÃO RENOVÁVEIS O PAPEL DA ENGENHARIA MECÂNICA NAS ENERGIAS NÃO RENOVÁVEIS Estudantes & Autores: Eduardo Ribeiro Rui Ribeiro Gonçalo Veloso Jóni Cabral Manuel Azevedo Curso: MIEM Turma: 1M8_3 Unidade Curricular: Projeto

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DOS ASSALARIADOS COM BOA BASE NA AGRICULTURA NUMA ECONOMIA SOCIALISTA PLANIFICADA

A INTEGRAÇÃO DOS ASSALARIADOS COM BOA BASE NA AGRICULTURA NUMA ECONOMIA SOCIALISTA PLANIFICADA 1 Universidade Eduardo Mondlane Centro de Estudos Africanos Projecto Troca 1983 (Marracuene) A INTEGRAÇÃO DOS ASSALARIADOS COM BOA BASE NA AGRICULTURA NUMA ECONOMIA SOCIALISTA PLANIFICADA Carlos Nuno Castel-Branco

Leia mais

A Administração e suas perspectivas

A Administração e suas perspectivas Teoria Básica da Administração Introdução Professor: Roberto César A Administração e suas perspectivas A teoria geral da administração seguiu uma linha de raciocino, e cada teoria procurou enfatizar uma

Leia mais

Administração Interdisciplinar

Administração Interdisciplinar Administração Interdisciplinar LIVRO Administração, teoria e prática no contexto brasileiro: Filipe Sobral e Alketa Peci (capítulos 1 e 2) Original: Profª Me. Elizete F. Montalvão Adaptado por Prof. Me.

Leia mais

Normas Aplicáveis aos Servidores

Normas Aplicáveis aos Servidores Normas Aplicáveis aos Servidores Organização do Trabalho Professora Amanda Lima Tegon www.acasadoconcurseiro.com.br Normas Aplicáveis aos Servidores ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO A organização do trabalho envolve

Leia mais

Arthur Santos nº 03 Giovanna Macedo nº11 Gustavo Tinen nº13 João Pedro Oliveira nº17 Maria Eduarda de Godoi nº24 Matheus Souza nº25

Arthur Santos nº 03 Giovanna Macedo nº11 Gustavo Tinen nº13 João Pedro Oliveira nº17 Maria Eduarda de Godoi nº24 Matheus Souza nº25 Arthur Santos nº 03 Giovanna Macedo nº11 Gustavo Tinen nº13 João Pedro Oliveira nº17 Maria Eduarda de Godoi nº24 Matheus Souza nº25 Os Estados Unidos possuem uma grande extensão territorial, e grande parte

Leia mais

Produtividade na economia brasileira

Produtividade na economia brasileira Produtividade na economia brasileira Prof. Hildo Meirelles de Souza Filho Extraído de: Andrade, Márcio Rodrigues de PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA BRASILEIRA ENTRE 1990 E 2002: COMPARAÇÃO ENTRE INDÚSTRIAS

Leia mais

O QUE SÃO AS CONTRATENDÊNCIAS À QUEDA DA TAXA DE LUCRO?

O QUE SÃO AS CONTRATENDÊNCIAS À QUEDA DA TAXA DE LUCRO? O QUE SÃO AS CONTRATENDÊNCIAS À QUEDA DA TAXA DE LUCRO? Diego Marques Pereira dos Anjos Militante do Movimento Autogestionário, professor de História e mestrando em Ciências Sociais pela Unesp, campus

Leia mais

Indústria da Construção Civil:

Indústria da Construção Civil: Indústria da Construção Civil: Introdução Industria da Construção Civil 1 Construção Civil A construção civil divide-se em três subsetores: 1. edificações, responsável pela construção de edifícios; 2.

Leia mais

Economia e Sociologia. Agentes e Circuito Económico

Economia e Sociologia. Agentes e Circuito Económico Economia e Sociologia Agentes e Circuito Económico Agentes Económicos numa economia simplificada Famílias Empresas Engloba as famílias enquanto unidades de consumo e de fornecimento de trabalho e capital

Leia mais

1. Sobre a regulamentação das cooperativas de trabalho (Lei /2012), a afirmativa correta é:

1. Sobre a regulamentação das cooperativas de trabalho (Lei /2012), a afirmativa correta é: P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO COOPERATIVO 1. Sobre a regulamentação das cooperativas de trabalho (Lei 12.690/2012), a afirmativa correta é: A) A sua implementação elimina as cooperfraudes

Leia mais

09/03/15. Revolução Industrial. Conceito: Automação Industrial. Revolução Industrial. Automação - Histórico. O que é Automação?

09/03/15. Revolução Industrial. Conceito: Automação Industrial. Revolução Industrial. Automação - Histórico. O que é Automação? Revolução Industrial AULA 2 AUTOMAÇÃO DA PRODUÇÃO (O QUE É AUTOMAÇÃO) Prof. Fabricia O que foi a Revolução Industrial? Foi o principal evento que deu origem a automação industrial. Quando a Revolução Industrial

Leia mais

INDÚSTRIA E TRANSPORTE

INDÚSTRIA E TRANSPORTE INDÚSTRIA E TRANSPORTE 1. INDUSTRIA O que é indústria? A palavra industria vem do latim e significa Atividade. Indústria é o conjunto de atividades que transformam as matérias-primas em produtos elaborados

Leia mais

A Indústria de Fundição e suas Perspectivas

A Indústria de Fundição e suas Perspectivas A Indústria de Fundição e suas Perspectivas Associação Brasileira de Fundição Devanir Brichesi Presidente Goiânia GO 28/Julho/2011 FUNDIÇÃO Processo de Fusão de Metal e Moldagem em Forma Definida > Indústria

Leia mais

2º ano do Ensino Médio

2º ano do Ensino Médio 2º ano do Ensino Médio Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia Professor Vinícius Vanir Venturini Fontes de energia renováveis Solar Fontes de energia não renováveis Geotérmica Nuclear Petróleo Ondas

Leia mais

Objeto da ciência econômica: é a questão da escassez, ou seja, economizar recursos.

Objeto da ciência econômica: é a questão da escassez, ou seja, economizar recursos. Escassez e Curvas de Produção Como visto anteriormente, a economia é uma ciência social uma vez que objetiva atender às necessidade humanas: como o indivíduo e a sociedade utilizam os recursos, na produção

Leia mais