REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL"

Transcrição

1 D3. DOCUMENTO SÍNTESE DO CONTEXTO REGIONAL ATUAL NO APOIO AO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA A CRIAÇÃO DE UMA REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL PR Agosto Atualização: 11 de novembro de 2014

2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO Objetivos Metodologia de Trabalho 5 2. ANÁLISE DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL DA REGIÃO Localização e Acessibilidades Caracterização Socioeconómica Demografia Educação/Formação Mercado de Trabalho Atividades Económicas e Especialização Setorial Contas Regionais Especialização Setorial Investigação e desenvolvimento Síntese REDE DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL Apoios e incentivos aos empreendedores/empresários Espaços de Localização Empresarial Etapas do Ciclo de apoio ao Desenvolvimento Económico e Social Fase 1. Sensibilização e promoção do espírito empreendedor Fase 2. Identificação e captação de investimento Fase 3. Identificação e avaliação da ideia de negócio Fase 4. Capacitação técnica de empreendedores e empresários Fase 5. Apoio na criação e arranque da empresa criada Fase 6. Acompanhamento da empresa criada Fase 7. Prospeção e avaliação de oportunidades de desenvolvimento empresarial Fase 8. Prospeção de mercados (nacionais e internacionais) Sistema de Apoio ao desenvolvimento económico e social por município Município de Albufeira Município de Alcoutim Município de Aljezur Município de Castro Marim Município de Faro Município de Lagoa Município de Lagos Município de Loulé Município de Monchique Município de Olhão Município de Portimão Município de São Brás de Alportel Município de Silves Município de Tavira Município de Vila do Bispo Município de Vila Real de Santo António Síntese PRÓXIMOS PASSOS ANEXOS Anexo 1: Rede escolar pública da Região do Algarve Anexo 2: Rede escolar privada da Região do Algarve Anexo 3: Oferta formativa: cursos profissionais e cursos vocacionais 110 2

3 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1. Metodologia de trabalho... 6 Figura 2. Enquadramento geográfico da Região do Algarve... 7 Figura 3. Mapa das acessibilidades rodoviárias da Região do Algarve... 8 Figura 4. Evolução da população na região do Algarve (2001 e 2013) Figura 5. Evolução da pirâmide etária da população na Região do Algarve (2001 e 2013) Figura 6. Estrutura etária da população dos concelhos da Região do Algarve em Figura 7. Taxa de atividade em Figura 8. População empregada por setor de atividade económica em Figura 9. População empregada por nível de escolaridade em Figura 10. Situação na profissão da população empregada em Figura 11. Taxa de desemprego, por sexo, em Figura 12. Desempregados inscritos nos centros de emprego e de formação profissional por grupo etário (cima) e nível de escolaridade (baixo) entre os meses de janeiro a junho (média semestral) de Figura 13. Empresas (N.º) por atividade económica na Região do Algarve em Figura 14. Pessoal ao serviço (N.º) das empresas por atividade económica na Região do Algarve em Figura 15. Percentagem de volume de negócios (em cima) e valor acrescentado bruto (em baixo) das empresas por atividade económica na Região do Algarve em Figura 16. Etapas do Ciclo de Apoio ao Desenvolvimento Económico e Social Figura 17. Áreas estratégicas de aposta identificadas pelos municípios ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1. População residente em 2001 e 2013 e variação da população... 9 Tabela 2. Estabelecimentos de educação/ensino por município, de natureza institucional pública, segundo o nível de ensino ministrado no ano letivo 2013/ Tabela 3. Alunos matriculados por município nos estabelecimentos de ensino de natureza institucional pública, segundo o nível de ensino ministrado no ano letivo 2013/ Tabela 4. Alunos inscritos no ensino superior por área de estudo, no ano letivo 2012/ Tabela 5. Licenciaturas e mestrados integrados da Universidade do Algarve Tabela 6. Indicadores do mercado de trabalho por município em Tabela 7. Proporção da população empregada fora da unidade territorial por município, em Tabela 8. Taxa de desemprego, 2001 e Tabela 9. População desempregada segundo o tempo de inscrição e a situação face à procura de emprego nos meses de janeiro a junho (média semestral) de Tabela 10. Indicadores de contas regionais, Tabela 11. Indicadores de caraterização do tecido empresarial regional, Tabela 12. Indicadores de natalidade das empresas, 2010 e Tabela 13. Número de empresas, pessoal ao serviço e volume de negócios por empresa da atividade económica Comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis e motociclos, em Tabela 14. Número de empresas, pessoal ao serviço e volume de negócios por empresa da atividade económica Alojamento, restauração e similares, em Tabela 15. Número de empresas, pessoal ao serviço e volume de negócios por empresa da atividade económica Construção, em Tabela 16. Evolução do número de dormidas nos estabelecimentos hoteleiros na Região do Algarve ( ) Tabela 17. Indicadores de turismo na Região do Algarve em Tabela 18. Quociente de Localização (QL) das empresas sedeadas nos municípios da Região do Algarve segundo o CAE, 2011 (com destaque para QL> 1,5) Tabela 19. Indicadores de Investigação e Desenvolvimento (I&D) por NUTS II, 2011 e Tabela 20. Indicadores de empresas de alta e média-alta tecnologia, em Tabela 21. Entidades de apoio ao desenvolvimento económico e social na região do Algarve, por município Tabela 22. Espaços de localização empresarial, por município, na região do Algarve

4 Tabela 23. Entidades de apoio ao desenvolvimento socioeconómico na região do Algarve Tabela 24. Entidades que promovem atividades de Sensibilização e Promoção do Espírito Empreendedor Tabela 25. Entidades que promovem atividades de apoio à identificação e captação de investimento Tabela 26. Entidades que promovem atividades de apoio à identificação e avaliação da ideia de negócio Tabela 27. Entidades que promovem atividades de apoio na capacitação técnica de empresários e empreendedores Tabela 28. Entidades que promovem atividades de apoio na criação e arranque da empresa Tabela 29. Entidades que promovem atividades no acompanhamento às empresas criadas Tabela 30. Entidades que promovem atividades de prospeção e avaliação de oportunidades de desenvolvimento empresarial Tabela 31. Entidades que promovem atividades de prospeção e avaliação de oportunidades de desenvolvimento empresarial

5 1. INTRODUÇÃO 1.1. Objetivos O presente projeto tem como objetivo geral apoiar a AMAL na criação de uma rede intermunicipal de parcerias de apoio ao desenvolvimento económico e social, de forma a criar um sistema de resposta adequado às necessidades dos empreendedores e empresários da região, de acordo com as especificações técnicas fixadas. O alcance do objetivo geral implica os seguintes objetivos específicos: Apoiar no mapeamento das condições atuais e potenciais de apoio ao empreendedorismo; Contribuir para o reforço do potencial empreendedor apoiado na valorização das especificidades regionais, nomeadamente através da identificação e valorização das apostas estratégicas e respetivas oportunidades associadas; Apoiar no desenvolvimento de uma rede intermunicipal forte entre entidades locais e regionais que possam apoiar na construção de um sistema efetivo de apoio ao empreendedor; Apoiar na promoção de uma cultura de empreendedorismo e capacitação organizacional, sustentada pelo trabalho em rede das entidades que prestam apoio ao desenvolvimento económico em todo o território regional; Propor ações concretas de apoio ao empreendedorismo com base no conhecimento detalhado do potencial regional, nomeadamente, a uniformização das respostas e mecanismos de apoio e apoiar na sua materialização Metodologia de Trabalho A metodologia de trabalho proposta integra cinco etapas interdependentes que se desenvolvem com base num trabalho de estreita articulação com os municípios e com as diversas entidades representativas dos setores económico e social da região. Deste modo, estão previstas, em cada uma das cinco etapas de elaboração do projeto, várias reuniões de trabalho com representantes daquelas entidades, nomeadamente para avaliação metodológica, validação da auditoria territorial e participação na definição e validação de um modelo de implementação da Rede Regional. 5

6 Face ao exposto, propõe-se uma abordagem interdisciplinar e supramunicipal sustentada numa lógica de transversalidade, maximizando a gestão dos recursos existentes e a sua participação ativa num desafio que, pela temática e diversidade de agentes envolvidos, se pode considerar complexo. Com estes pressupostos, e em resposta às especificações técnicas do Caderno de Encargos, a metodologia a implementar assenta em cinco etapas, conforme a figura seguinte: Etapa 1. Planeamento Detalhado do Projeto Etapa 2. Auditoria Regional Etapa 3. Análise de Benchmarking Etapa 4. Desenvolvimento do Plano de Ação e Modelo de Implementação da Rede Etapa 5. Apoio na Implementação de Iniciativas Piloto Figura 1. Metodologia de trabalho Fonte: SPI, 2014 O presente documento enquadra-se na Etapa 2 que corresponde ao apoio ao desenvolvimento da Auditoria Territorial. Esta etapa envolveu a concretização das seguintes tarefas: Desenvolvimento de materiais de suporte à recolha da informação (tarefa 2.1): atendendo o levantamento da informação é da responsabilidade da AMAL, a SPI desenvolveu um conjunto de materiais de suporte à recolha de informação (D2); Análise da informação (tarefa 2.2): Desenvolvimento da Síntese do Contexto Regional Atual (tarefa 2.3). 6

7 2. ANÁLISE DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL DA REGIÃO 2.1. Localização e Acessibilidades A região do Algarve localiza-se no sul de Portugal Continental, fazendo fronteira a norte com a região do Alentejo e a este com Espanha. A sul e oeste é o oceano Atlântico que limita o território. A região do Algarve ocupa uma superfície de 4.996,79 km 2 e integra os concelhos de Albufeira, Alcoutim Aljezur, Castro Marim, Faro, Lagoa, Lagos, Loulé, Monchique, Olhão, Portimão, São Brás de Alportel, Silves, Tavira, Vila do Bispo e Vila Real de Santo António (Figura 2). Figura 2. Enquadramento geográfico da Região do Algarve Fonte: A região apresenta um conjunto adequado de infraestruturas rodoviárias, sendo servida por uma rede de estradas municipais e nacionais que permite a ligação entre os concelhos (ligações internas) e a ligação a vias de distribuição/alta capacidade (para ligações ao exterior) nacionais e internacionais. Por outro lado, ao nível das vias de alta capacidade, destacam-se: A2 (Autoestrada do Sul) liga Lisboa ao Algarve, e corresponde à segunda maior autoestrada portuguesa em extensão (comprimento de 240,2km).Esta autoestrada atravessa os distritos de Setúbal, Évora, Beja e Faro, contribuindo para uma melhor acessibilidade às regiões do Alentejo e Algarve. A22 (Via do Infante D. Henrique) - atravessa longitudinalmente o Algarve, estabelecendo a ligação entre Lagos e Castro Marim/Vila Real de Santo António. Tem início a oeste de Lagos, em Bensafrim, e passa próximo dos concelhos de Portimão, 7

8 Lagoa, Silves, Albufeira, Loulé, Faro, Olhão, Tavira, Castro Marim e Vila Real de Santo António, terminando junto à Ponte Internacional do Guadiana, que faz fronteira com Espanha. Esta autoestrada interceta com autoestrada A2, que permite a ligação a Lisboa e ao Alentejo. Figura 3. Mapa das acessibilidades rodoviárias da Região do Algarve Fonte: IGEO, adaptado de Série Cartográfica Nacional (1: ) - DGT No que se refere à mobilidade em modo ferroviário, destaca-se a ligação de Faro a Lisboa com serviço de alta velocidade (alfa pendular e intercidades) e a Linha do Algarve, com serviço urbano/regional, que liga as estações ferroviárias de Lagos a Vila Real de Santo António (estações ferroviárias de Lagos, Portimão, Albufeira, Faro, Olhão, Tavira e Vila Real de Santo António). Nas ligações por via marítima destaca-se o Porto Comercial de Faro com um cais de 200 metros e que pode receber navios até 120 metros de comprimento com bastante importância ao nível das cargas e exportações (principal carga corresponde ao cimento produzido pela Cimpor, em Loulé, e que é exportado para Cabo Verde e para o Norte de África). O Porto de Portimão e o Porto de Vila Real de Santo António destacam-se relativamente ao seu potencial turístico, afirmando-se como destinos de cruzeiros, atraindo mais visitantes para a região do Algarve. Por último, em termos de acessibilidades aeroportuárias destaca-se a existência do Aeroporto Internacional de Faro, localizado a 9km da cidade de Faro correspondendo ao terceiro maior aeroporto em termos de tráfego em Portugal. 8

9 2.2. Caracterização Socioeconómica Demografia Na região do Algarve residem habitantes (dados 2013),o que representa um acréscimo de cerca de 10% da população face ao ano de Este crescimento populacional foi mais visível nos concelhos de Albufeira (+23,6%), Portimão (+20,2%), Lagos (+18,3%) e Loulé (+15,4%), havendo concelhos com decréscimos populacionais, como foram os casos de Alcoutim (-29%), Monchique (-18,6%) e, ainda que em menor expressão, também Vila do Bispo (-2,3%) e Castro Marim (-1,3%) (Tabela 1 e Figura 4). Tabela 1. População residente em 2001 e 2013 e variação da população (%) H/M H M H/M H M H/M H M Portugal ,7-0,8 2,1 Região Algarve ,3 7,6 13,0 Albufeira ,6 20,4 26,7 Alcoutim ,0-29,9-28,1 Aljezur ,9 4,2 7,6 Castro Marim ,3-3,7 1,0 Faro ,4 3,1 5,8 Lagoa ,8 5,3 12,3 Lagos ,3 15,5 21,0 Loulé ,4 12,6 18,1 Monchique ,6-21,4-15,6 Olhão ,6 6,9 12,2 Portimão ,2 17,5 22,8 São Brás de Alportel ,2 2,2 6,2 Silves ,2 4,4 10,0 Tavira ,0-1,9 6,0 Vila do Bispo ,3-6,0 1,7 Vila Real de Santo António ,3 2,4 8,2 Fonte: INE, Estimativas Anuais da População Residente,

10 Variação positiva igual ou superior a 6% Variação positiva inferior a 6% Variação negativa inferior a 6% Variação negativa superior a 6% Figura 4. Evolução da população na região do Algarve (2001 e 2013) Fonte: INE, Estimativas Anuais da População Residente, 2014 Em 2013, a maioria da população residente na região do Algarve integra o grupo etário dos adultos (25 aos 64 anos - 54,2%), seguindo-se o grupo etário dos 65 e mais anos (20,3%). Por último, surgem os grupos etários mais jovens com 15,4% da população residente a pertencer ao grupo dos 0 aos 14 anos e 10,1% correspondente ao grupo dos 15 aos 24 anos. Comparando a pirâmide etária de 2013 com a de 2001 (figura seguinte) verifica-se um aumento considerável nas faixas etárias dos 5 aos 9 anos, na dos 35 aos 39 anos e dos 60 aos 64 anos > 85 anos anos anos anos anos anos anos anos anos anos anos anos anos anos anos anos 5-9 anos 0-4 anos M H > 85 anos anos anos anos anos anos anos anos anos anos anos anos anos anos anos anos 5-9 anos 0-4 anos M H % % Figura 5. Evolução da pirâmide etária da população na Região do Algarve (2001 e 2013) Fonte: INE, Estimativas Anuais da População Residente, 2014 Apesar dos municípios (figura seguinte) apresentarem uma tendência semelhante à região do Algarve em termos de estrutura etária, verifica-se que os concelhos de Alcoutim e Monchique 10

11 se destacam por apresentarem uma maior proporção de população idosa no contexto da região (44,3% e 33,6%, respetivamente). Por outro lado, os concelhos de Portimão (16,8%), Albufeira (16,8%), Olhão (16,5%) e Lagos (16,1%) destacam-se por apresentar uma maior proporção de população referente ao grupo etário mais jovem (0-14 anos). Região Algarve Vila Real de Santo António Vila do Bispo Tavira Silves São Brás de Alportel Portimão Olhão Monchique Loulé Lagos Lagoa Faro Castro Marim Aljezur Alcoutim Albufeira 0-14 anos anos anos 65 e mais anos 0% 20% 40% 60% 80% 100% Figura 6. Estrutura etária da população dos concelhos da Região do Algarve em 2013 Fonte: INE, Estimativas Anuais da População Residente, Educação/Formação A rede escolar da região do Algarve abrange desde o ensino pré-escolar ao ensino superior, contando com instituições públicas e privadas 1. No ano letivo 2013/2014 existiam no Algarve 386 escolas de ensino não superior públicas (tabela 2), com particular destaque para a concentração verificada nos concelhos de Loulé (67escolas), Faro e Albufeira (40 escolas). A maior concentração da oferta privada regista-se no ensino pré-escolar. (Anexo 2) 1 Anexo 1 - Rede escolar pública da Região do Algarve e Anexo 2 - Rede escolar privada da Região do Algarve 11

12 Tabela 2. Estabelecimentos de educação/ensino por município, de natureza institucional pública, segundo o nível de ensino ministrado no ano letivo 2013/2014 Unidade Geográfica Educação préescolar Ensino Básico 1º ciclo 2º ciclo 3º ciclo Ensino secundário TOTAL Região Algarve Albufeira Alcoutim Aljezur Castro Marim Faro Lagoa Lagos Loulé Monchique Olhão Portimão São Brás de Alportel Silves Tavira Vila do Bispo Vila Real de Santo António Fonte: MISI MEC, Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares, Região Algarve, 2014 De acordo com a tabela seguinte, no que se refere aos alunos matriculados nos estabelecimentos de ensino de natureza institucional pública, no Algarve frequentavam o préescolar e o ensino obrigatório mais de 50 mil alunos. Segundo o nível de ensino ministrado, no ano letivo 2013/2014, 32,5% da população da Região do Algarve encontrava-se a frequentar o 1º ciclo, 23,6% o 3º ciclo, 18% o 2º ciclo, 14,4% o ensino secundário e, por último, 11,4% o ensino pré-escolar. Destacam-se os municípios de Faro, Loulé e Portimão com um maior número de alunos matriculados no contexto da Região. (Tabela 3) 12

13 Tabela 3. Alunos matriculados por município nos estabelecimentos de ensino de natureza institucional pública, segundo o nível de ensino ministrado no ano letivo 2013/2014 Unidade Geográfica Educação préescolar Ensino Básico 1º ciclo 2º ciclo 3º ciclo Ensino secundário TOTAL Região Algarve Albufeira Alcoutim Aljezur Castro Marim Faro Lagoa Lagos Loulé Monchique Olhão Portimão São Brás de Alportel Silves Tavira Vila do Bispo Vila Real de Santo António Fonte: MISI MEC, Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares, Região Algarve, 2014 Considerando que o ensino secundário pode ser o último nível de ensino antes da idade ativa, é importante perceber as modalidades de ensino existentes. De acordo com os dados disponíveis, no ano letivo 2013/2014, 64,5% dos estudantes do secundário frequentava o ensino regular, 0,4% o ensino artístico especializado, 0,4% os cursos de educação e formação (CEF) e cerca de 34,7% dos estudantes frequentava cursos profissionais. Identifica-se assim um forte potencial neste cenário, uma vez que a oferta formativa profissionalizante 2, cuja génese está associada à adequação da oferta educativa às necessidades do mercado de trabalho, tem um peso significativo. Será assim de esperar que os jovens que frequentam o secundário, e que nalguns casos poderão optar por iniciar uma profissão, estejam melhor preparados para o mercado de trabalho, com maiores competências para serem empreendedores e identificarem/valorizarem oportunidades de negócio. 2 Anexo 3 Oferta formativa: cursos profissionais e cursos vocacionais 13

14 Passando à análise do ensino superior que está orientado para a formação especializada e, como tal, é essencial para a prossecução de uma estratégia forte de valorização da competitividade regional, destaca-se a Universidade do Algarve (www.ualg.pt/) que compreende oitos escolas/faculdades: Escola Superior de Educação e Comunicação (ESEC), Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo (ESGHT), Escola Superior de Saúde (ESS), Instituto Superior de Engenharia (ISE), Faculdade de Ciências Humanas e Sociais (FCHS), Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT), Faculdade de Economia (FE) e o Departamento de Ciências Biomédicas e Medicina (DCBM). Conforme exposto na tabela seguinte, no ano letivo 2012/2013 frequentavam o ensino superior na região do Algarve perto de 9 mil alunos, sendo as ciências empresariais e a saúde as áreas de estudo responsáveis por mais de um terço deste valor (ver tabela 4). Tabela 4. Alunos inscritos no ensino superior por área de estudo, no ano letivo 2012/2013 ÁREA DE ESTUDO Nº DE ALUNOS Ciências Empresariais Saúde Serviços Pessoais 935 Engenharia e Técnicas Afins 840 Ciências Sociais e do Comportamento 734 Ciências da Vida 713 Arquitetura e Construção 638 Formação de Professores/as ou formadores/as e Ciências da Educação 400 Humanidades 334 Artes 316 Serviços Sociais 183 Direito 167 Ciências Físicas 145 Informação e Jornalismo 141 Agricultura, Silvicultura e Pescas 118 Indústrias Transformadoras 97 Proteção do Ambiente 68 Informática 22 Matemática e Estatística 19 TOTAL Fonte: INE, Anuário Estatístico da Região Algarve, 2013 Analisando a oferta formativa da Universidade do Algarve, verifica-se que é bastante ampla e diversificada, abrangendo áreas de conhecimento desde a saúde e biologia, até às engenharias, turismo e ciências sociais. Existem ao todo 42 cursos de licenciatura e 5 mestrados integrados (tabela 5). 14

15 Tabela 5. Licenciaturas e mestrados integrados da Universidade do Algarve Licenciaturas Economia Ortoprotesia Agronomia Educação básica Património cultural e arqueologia Análises clínicas e saúde pública Educação social Psicologia Arquitetura paisagista Enfermagem Radiologia Artes visuais Engenharia civil Sociologia Assessoria de administração Engenharia elétrica e Tecnologia e segurança eletrónica alimentar Biologia Engenharia informática Tecnologias de informação e comunicação Biologia marinha Engenharia mecânica Terapia da fala Bioquímica Farmácia Turismo Biotecnologia Gestão Mestrados integrados Ciências biomédicas Gestão de empresas Ciências farmacêuticas Ciências da comunicação Gestão hoteleira Engenharia biológica Ciências da educação e da formação Imagem animada Engenharia do ambiente Ciências do mar Informação e animação turística Design de comunicação Línguas e comunicação Medicina Desporto Línguas, literaturas e culturas Dietética e nutrição Fonte: Marketing Engenharia eletrónica e telecomunicações Tal como foi referido em relação ao ensino secundário (regular ou profissionalizante), o modelo de ensino adotado na educação superior é determinante para o desenvolvimento económico e social de uma região, uma vez que pode responder às necessidades de recursos humanos qualificados e de conhecimento do tecido empresarial e da comunidade. É, neste contexto, relevante garantir as parcerias entre instituições de ensino e o território (empresas e instituições regionais) no sentido de se garantir o alinhamento entre a academia (teoria) e as necessidades reais existentes (prática), contribuindo para o incremento da competitividade regional e para a consolidação de uma região empreendedora Mercado de Trabalho a) Emprego Em relação ao mercado de trabalho, verifica-se que os concelhos de Albufeira, Faro, Portimão, Loulé e Lagoa registam taxas de atividade superiores à média regional. Os restantes concelhos 15

16 apresentam valores inferiores à média da região do Algarve sendo o concelho de Alcoutim o que regista um valor mais baixo (%) Total H 0 Região Algarve Albufeira Faro Portimão Loulé Lagoa Lagos Olhão São Brás de Alportel Silves Vila Real de Santo Vila do Bispo Tavira Castro Marim Monchique Aljezur Alcoutim M Figura 7. Taxa de atividade em 2011 Fonte: INE, Recenseamento da População e Habitação, 2012 A análise por género permite-nos constatar que a taxa de atividade da população masculina é sempre superior à da população feminina, em todos os concelhos da região (Figura 7). Por outro lado, a análise da população empregada por setor de atividade revela que em todos os concelhos existe o predomínio do setor terciário, seguindo-se o setor secundário e, por último, com menor expressão o setor primário. Uma análise concelhia deste indicador revela que o setor terciário tem maior expressão em concelhos como Albufeira, Faro e Portimão, o secundário a concelhos como Aljezur, Castro Marim, Monchique e São Brás de Alportel. O setor primário, com uma expressão residual no contexto regional, tem alguma representatividade em concelhos como Alcoutim e Aljezur, com valores próximos dos 10% de população empregue (Figura 8). 16

17 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Albufeira Alcoutim Aljezur Castro Marim Faro Lagoa Lagos Loulé Monchique Olhão Portimão São Brás de Alportel Silves Tavira Vila do Bispo Vila Real de Santo Região Algarve Setor terciário Setor secundário Setor primário Figura 8. População empregada por setor de atividade económica em 2011 Fonte: INE, Recenseamento da População e Habitação, 2012 Relativamente à população empregada por nível de escolaridade destaca-se o ensino básico, à exceção do concelho de Faro em que o nível de ensino superior tem maior representatividade (Figura 9). 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Ensino superior Ensino pós-secundário Ensino secundário Ensino básico Nenhum nível de escolaridade Região Algarve Albufeira Alcoutim Aljezur Castro Marim Faro Lagoa Lagos Loulé Monchique Olhão Portimão São Brás de Alportel Silves Tavira Vila do Bispo Vila Real de Santo António Figura 9. População empregada por nível de escolaridade em 2011 Fonte: INE, Recenseamento da População e Habitação, 2014 Outro indicador relevante para avaliar o perfil e competitividade da economia regional é o ganho médio mensal. Na região o valor registado (942,45 ) é inferior ao valor nacional (1 084,55 ), havendo contudo alguma heterogeneidade entre os concelhos algarvios, com Faro a aproximar-se da média nacional (Tabela 6). Por outro lado, a disparidade no ganho médio mensal por sexo é, em toda a região algarvia, inferior à registada a nível nacional. Neste indicador, Olhão aparece com o valor mais elevado, uma diferença de 13,5% nos ganhos de 17

18 homens e mulheres, aparecendo no extremo oposto o concelho de São Brás de Alportel, como o concelho com maior equidade. Por último, ainda na análise dos ganhos médios mensais, analisou-se a disparidade existente entre a população ativa com maior e menor nível de habilitações, sendo de destacar que na região do Algarve o valor deste indicador é inferior ao registado em Portugal Continental. Destaca-se São Brás de Alportel como o concelho em que o nível de qualificação determina valores superiores de remuneração mensal. Pelo contrário, Aljezur é o concelho em que a diferença remuneratória dos trabalhadores com e sem qualificação superior é menor (Tabela 6). Tabela 6. Indicadores do mercado de trabalho por município em 2011 Unidade Geográfica Ganho médio mensal ( ) Disparidade no ganho médio mensal por sexo (%) Disparidade no ganho médio mensal por nível de habilitações (%) Portugal Continental 1 084,55 18,5 38,1 Região Algarve 942,45 9,8 25,5 Albufeira 913,89 10,1 20,2 Alcoutim 755,18 8,3 26,4 Aljezur 814,18 10,5 13,8 Castro Marim 826,35 7,1 24,1 Faro 1 067,27 11,3 27,6 Lagoa 939,71 8,7 23,8 Lagos 887,41 8,5 23,3 Loulé 963,10 8,7 25,4 Monchique 775,42 5,3 26,3 Olhão 905,02 13,5 24,8 Portimão 934,84 9,3 26,7 São Brás de Alportel 930,61 4,1 30,6 Silves 903,97 9,5 26,3 Tavira 834, ,9 Vila do Bispo 977,65 6,9 28,4 Vila Real de Santo António 839,53 11,4 27,8 Fonte: INE, MTSS / Gabinete de Estratégia e Planeamento, 2011 e 2013 Em relação à situação face ao emprego, verifica-se que a maior percentagem corresponde à população a trabalhar por conta de outrem, uma situação semelhante à registada à escala nacional. Destaca-se contudo Aljezur, com uma percentagem considerável de população ativa nas categorias empregador e trabalhador por conta própria o que parece revelar uma 18

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012 Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 212 Divulgação dos Quadros do Setor das empresas não financeiras da Central de Balanços dados de 211 O Banco de Portugal divulga hoje no BPStat Estatísticas

Leia mais

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Número de Alunos Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Susana Justo, Diretora Geral da Qmetrics 1. Formação em ensino superior, graduada e pós graduada. Em Portugal continua

Leia mais

ESTATÍSTICAS. Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo.

ESTATÍSTICAS. Os dados publicados nesta síntese referem-se ao Continente e aos trabalhadores por conta de outrem a tempo completo. Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho disponibiliza informação que permite conhecer o nível médio mensal da remuneração

Leia mais

Região Autónoma da Madeira

Região Autónoma da Madeira Região Autónoma da Madeira Área () km 2 801,0 Densidade populacional () Hab/Km 2 309,0 População residente (31.12.) Nº 247.568 População < 15 anos Nº 42.686 População > 65 anos Nº 32.188 Taxa conclusão

Leia mais

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010)

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010) As Regiões de - Região O Território Porquê? Com a maior área territorial de Continental 31.605,2 km2 (1/3 do território nacional) a região do apresenta 179 km de perímetro de linha de costa e 432 km de

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO Principais linhas de evolução e transformação da paisa social e económica regional População A região, inserida no contexto português

Leia mais

Conselho Regional da RLVT. Referencial para a elaboração do Plano de Ação Regional de Lisboa, 2014-20

Conselho Regional da RLVT. Referencial para a elaboração do Plano de Ação Regional de Lisboa, 2014-20 Conselho Regional da RLVT Referencial para a elaboração do Plano de Ação Regional de Lisboa, 2014-20 19 de fevereiro de 2013 Domínios-Chave Crescimento Inteligente Crescimento Inclusivo Crescimento Sustentável

Leia mais

O Concelho de Beja. Localização

O Concelho de Beja. Localização O Concelho de Beja Localização Beja, capital de distrito, situa-se na região do Baixo Alentejo, no coração da vasta planície alentejana. É sede de um dos maiores concelhos de Portugal, com cerca de 1150

Leia mais

91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet de banda larga

91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet de banda larga 06 de novembro de 2012 Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2012 91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet

Leia mais

Seminário. Apresentação das Conclusões. Promotor

Seminário. Apresentação das Conclusões. Promotor Seminário Apresentação das Conclusões Promotor Reuniões Técnicas Planos Estratégicos Ciclo de Debates Mobilidade e Transportes Saúde, Apoio Social, Segurança Social e Proteção Civil (Março, 2012) Educação,

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

SEMINÁRIO SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS S EMPRESAS

SEMINÁRIO SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS S EMPRESAS SEMINÁRIO SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS S EMPRESAS PO ALGARVE21 Estratégia Regional e Enquadramento dos Sistemas de Incentivos Francisco Mendonça a Pinto PORTIMÃO, 6 de Novembro de 2008 Principal problema

Leia mais

Uma das maiores áreas territoriais de Portugal, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km

Uma das maiores áreas territoriais de Portugal, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km As Regiões de - Região O Território Porquê o? Uma das maiores áreas territoriais de, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km Area (km 2 ): 21.286

Leia mais

Caracterização da Estrutura Económica do Algarve

Caracterização da Estrutura Económica do Algarve Caracterização da Estrutura Económica do Algarve 1 Caracterização da Estrutura Económica do Algarve 2 Ficha Técnica Designação Caracterização da Estrutura Económica do Algarve Coordenação Científica João

Leia mais

Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram

Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram Estatísticas do Comércio 2013 26 de dezembro de 2014 Volume de Negócios do setor do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram Em 2013 o setor do Comércio era constituído

Leia mais

INDICADORES ESTATÍSTICOS

INDICADORES ESTATÍSTICOS INDICADORES ESTATÍSTICOS Indicadores Ano Unidade Estrutura Territorial Área 28 Km 2 27 332,4 92 9, Concelhos - Freguesias 28 nº 47-31 38-426 Lugares 28 nº 947 26797 Cidades Estatísticas 28 nº 15 151 Densidade

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice Índice Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente de Origem e Principais Nacionalidades - Situação no fim do mês de Dezembro, de 2003 a 2009... 2 Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente

Leia mais

Indicadores de Confiança...15

Indicadores de Confiança...15 1. MACROECONOMIA 1.1. Rendimento e Despesa Despesa Nacional a Preços Correntes...5 Despesa Nacional a Preços Constantes...6 PIB a preços correntes (Produto Interno Bruto)...7 PIB a preços constantes (Produto

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo De acordo com os indicadores demográficos disponíveis relativos a 2007, a população residente em Portugal

Leia mais

RELATÓRIOS E ANÁLISES

RELATÓRIOS E ANÁLISES RELATÓRIOS E ANÁLISES Relatório de Conjuntura n.º 128 1.º Trimestre de 2012 Relatório de Conjuntura n.º 1.º Trimestre de 2012 Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) Ministério da Solidariedade e da

Leia mais

Utilização da Internet cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas

Utilização da Internet cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas Utilização da cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas Mais de metade das famílias portuguesas ainda não dispõe de computador mas o parque informático dos agregados familiares

Leia mais

D6. Documento de suporte à Implementação das Iniciativas Piloto REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL

D6. Documento de suporte à Implementação das Iniciativas Piloto REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL ÍNDICE 1. OBJETIVOS E METODOLOGIA 1.1. Objetivos 1.2. Metodologia de Trabalho 2. IDENTIFICAÇÃO DAS INICIATIVAS PILOTO 3. INICIATIVAS PILOTO 4. IMPLEMENTAÇÃO DE INICIATIVAS PILOTO - MATERIAIS DE SUPORTE

Leia mais

CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios)

CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios) 08 de novembro de 2011 Censos 2011 21 de março de 2011 CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios) Dada a importância que o tema reveste, no quadro da preparação dos resultados provisórios

Leia mais

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA O objetivo específico deste concurso consiste em conceder apoios financeiros a projetos

Leia mais

Quadro 1 Evolução anual do stock de empresas. Stock final

Quadro 1 Evolução anual do stock de empresas. Stock final Demografia de empresas, fluxos de emprego e mobilidade dos trabalhadores em Portugal ESTATÍSTICAS STICAS em síntese 2006 A informação que se divulga tem como suporte o Sistema de Informação Longitudinal

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO

ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO Joaquim Mourato (Presidente do CCISP e do IP de Portalegre) XX Congresso Nacional da Ordem dos Engenheiros Centro de Congressos da Alfândega do Porto 18.10.2014 SUMÁRIO

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4696 Diário da República, 1.ª série N.º 151 7 de agosto de 2013 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 252/2013 de 7 de agosto A 2.ª edição do Programa de Estágios Profissionais na Administração Pública

Leia mais

Retrato Estatístico do Funchal

Retrato Estatístico do Funchal Retrato Estatístico do Funchal Resultados Definitivos dos Censos 2011 EDUCAÇÃO POPULAÇÃO JUVENTUDE E ENVELHECIMENTO MOVIMENTOS POPULACIONAIS PARQUE HABITACIONAL ECONOMIA E EMPREGO CONDIÇÕES DE HABITABILIDADE

Leia mais

boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística 2. Capacidade de alojamento na hotelaria global

boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística 2. Capacidade de alojamento na hotelaria global boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Movimento de passageiros no Aeroporto de Faro 1.1. Movimento total de passageiros 1.2. Movimento mensal

Leia mais

INCLUSÃO SOCIAL & CAPITAL HUMANO: PRINCIPAIS PRIORIDADES ALTO MINHO 2020 13 DE NOVEMBRO DE 2015 VILLA MORAES, PONTE DE LIMA

INCLUSÃO SOCIAL & CAPITAL HUMANO: PRINCIPAIS PRIORIDADES ALTO MINHO 2020 13 DE NOVEMBRO DE 2015 VILLA MORAES, PONTE DE LIMA INCLUSÃO SOCIAL & CAPITAL HUMANO: PRINCIPAIS PRIORIDADES ALTO MINHO 2020 13 DE NOVEMBRO DE 2015 VILLA MORAES, PONTE DE LIMA ÍNDICE 1- DIAGNÓSTICO SÍNTESE: IDEIAS-CHAVE 1.1 - DINÂMICA POPULACIONAL 1.2 EDUCAÇÃO

Leia mais

GANHOS MÉDIOS ABRIL 2013. Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho

GANHOS MÉDIOS ABRIL 2013. Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho GANHOS MÉDIOS ABRIL 2013 Fonte: Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho Abril 2013 Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho/GEE do MEE- Gabinete de Estratégia

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015 Internacionalização Países lusófonos - Survey Janeiro de 2015 1 Índice 1. Iniciativa Lusofonia Económica 2. Survey Caracterização das empresas participantes 3. Empresas não exportadoras 4. Empresas exportadoras

Leia mais

BREVE NOTA DE APRESENTAÇÃO

BREVE NOTA DE APRESENTAÇÃO BREVE NOTA DE APRESENTAÇÃO As entidades empregadoras que pretendam promover despedimentos coletivos, conforme estipulado no número 5 do artigo 360º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei nº 7/2009 de

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

Seminario de Difusión do Anuario Estatístico Galicia Norte de Portugal 2010. A nova edição do Anuário Estatístico na perspectiva do Norte de Portugal

Seminario de Difusión do Anuario Estatístico Galicia Norte de Portugal 2010. A nova edição do Anuário Estatístico na perspectiva do Norte de Portugal A nova edição do Anuário Estatístico na perspectiva do Norte de Portugal Eduardo Pereira (CCDRN) Santiago de Compostela 13 de Dezembro de 2010 Galicia Norte de Portugal: uma grande região europeia transfronteiriça

Leia mais

Algarve Acolhe. Uma plataforma para o desenvolvimento da Região do Algarve. - Empreendedorismo e Competitividade Territorial Albufeira, 10 Maio 2013

Algarve Acolhe. Uma plataforma para o desenvolvimento da Região do Algarve. - Empreendedorismo e Competitividade Territorial Albufeira, 10 Maio 2013 Algarve Acolhe Uma plataforma para o desenvolvimento da Região do Algarve - Empreendedorismo e Competitividade Territorial Albufeira, 10 Maio 2013 Empreendedorismo Competitividade Territorial Empreendedor

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2013 38% DAS PESSOAS COM IDADE ENTRE 16 E 74 ANOS CONTACTAM COM ORGANISMOS

Leia mais

Quadros de Pessoal 3,1% Empresas, Estabelecimentos e Pessoas ao Serviço. Q uadro 1 Empresas, estabelecimentos, pessoas ao serviço.

Quadros de Pessoal 3,1% Empresas, Estabelecimentos e Pessoas ao Serviço. Q uadro 1 Empresas, estabelecimentos, pessoas ao serviço. ESTATÍSTICAS e m SÍNTESE Quadros de Pessoal O Relatório Único referente à informação sobre a atividade social da empresa, constitui uma obrigação anual, a cargo dos empregadores, com conteúdo e prazo de

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015 14 de Janeiro de 2015 O que é o Portugal 2020? O Portugal 2020 é um Acordo de Parceria assinado entre Portugal e a Comissão Europeia, que reúne a atuação dos 5 fundos estruturais e de investimento europeus

Leia mais

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2005 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

Caraterização do setor dos serviços em Portugal. Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa

Caraterização do setor dos serviços em Portugal. Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa Caraterização do setor dos serviços em Portugal Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa 1. Estrutura e dinâmica do setor: o que mudou em 10 anos? 2. Análise económica

Leia mais

Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015

Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015 REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E ÀS EMPRESAS, COM IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL DA REGIÃO DO ALGARVE Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015 1 1 CONTEÚDOS

Leia mais

Oportunidades de Financiamento PROJETOS EMPRESARIAIS E OS SISTEMAS DE INCENTIVO

Oportunidades de Financiamento PROJETOS EMPRESARIAIS E OS SISTEMAS DE INCENTIVO Oportunidades de Financiamento PROJETOS EMPRESARIAIS E OS SISTEMAS DE INCENTIVO Hugo Barros UALG Universidade do Algarve Albufeira, 12 de Março 2015 INOVAÇÃO PAPEL CRUCIAL NO CRESCIMENTO ECONÓMICO DOS

Leia mais

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Isabel Hormigo (Ministério da Educação e Ciência, Lisboa) Setúbal, 7 de fevereiro de 2014 Ciclos de estudos e duração Idade

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2013 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um universo de informação estatística Catalogação Recomendada Sector Empresarial da

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE PONTE DA BARCA

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE PONTE DA BARCA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE PONTE DA BARCA Uma escola de todos Para todos Transformar Vidas, Alimentar Sonhos, Projetar Carreiras! SPO Serviço de Psicologia e Orientação 9.º ANO e agora? Cursos Científico

Leia mais

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO Vila Real, Março de 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 CAPITULO I Distribuição do alojamento no Território Douro Alliance... 5 CAPITULO II Estrutura

Leia mais

SAÍDAS PROFISSIONAIS

SAÍDAS PROFISSIONAIS SAÍDAS PROFISSIONAIS Telf: 234 340 220 * Fax: 234 343 272 * info@aesbernardo.pt * www.aesbernardo.pt Página 1 de 6 CURSO CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS ÁREA DAS CIÊNCIAS ÁREA DA ANIMAÇÃO ÁREA DA SAÚDE AREA DO

Leia mais

AGENDA. Portugal 2020 Enquadramento Geral. Sistema de Incentivos às Empresas. Concursos

AGENDA. Portugal 2020 Enquadramento Geral. Sistema de Incentivos às Empresas. Concursos Luís Coito Turismo de Portugal, I.P. Guimarães, 10 de abril de 2015 AGENDA 1 Portugal 2020 Enquadramento Geral 2 Sistema de Incentivos às Empresas 3 Concursos 1 2020 Enquadramento Geral PORTUGAL 2020 ESTRATÉGIA

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO Alentejo 2020 Desafios Borba 17 de Dezembro de 2014 ALENTEJO Estrutura do Programa Operacional Regional do Alentejo 2014/2020 1 - Competitividade e Internacionalização

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS 2. CÂMARA DE LOBOS MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte: www.geocities.com/heartland/plains/9462/map.html (adaptado) Localizada na vertente sul da

Leia mais

A procura de emprego dos Diplomados. com habilitação superior

A procura de emprego dos Diplomados. com habilitação superior RELATÓRIO A procura de emprego dos Diplomados com habilitação superior Dezembro 2007 Fevereiro, 2008 Ficha Técnica Título A procura de emprego dos diplomados com habilitação superior Autor Gabinete de

Leia mais

Anexo 1. Listagem das actividades do sector terciário que responderam ao inquérito municipal. nº

Anexo 1. Listagem das actividades do sector terciário que responderam ao inquérito municipal. nº Anexo 1 Listagem das actividades do sector terciário que responderam ao inquérito municipal. nº empresas C.A.E. Sector terciário 46 41200 Construção de edifícios (residenciais e não residenciais). 37 56301

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem

indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem boletim trimestral - n.º 2 - setembro 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 Elaborado por: Maria Julieta Martins Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 18 dezembro 2014 Colocar os setores do Comércio, Serviços e Restauração virado para o exterior e a liderar a retoma económica

Leia mais

VALORIZAR 2020. Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 UNIÃO EUROPEIA

VALORIZAR 2020. Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 UNIÃO EUROPEIA VALORIZAR 2020 Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 Objetivos Promover a produção de novos ou significativamente melhorados processos

Leia mais

União Geral de Trabalhadores. Compilação de Dados Estatísticos sobre Sinistralidade Laboral e Doenças Profissionais em Portugal.

União Geral de Trabalhadores. Compilação de Dados Estatísticos sobre Sinistralidade Laboral e Doenças Profissionais em Portugal. União Geral de Trabalhadores Compilação de Dados Estatísticos sobre Sinistralidade Laboral e Doenças Profissionais em Portugal Com o apoio Nota Prévia A produção nacional de estatísticas de acidentes de

Leia mais

Batalha 2015 PLANO DE AÇÃO PARA A ENERGIA SUSTENTÁVEL

Batalha 2015 PLANO DE AÇÃO PARA A ENERGIA SUSTENTÁVEL 1 Batalha 2015 PLANO DE AÇÃO PARA A ENERGIA SUSTENTÁVEL 2 ÍNDICE Batalha... 8 Matriz energética... 11 Nota Metodológica 12 Vetores Energéticos 13 Consumos Setoriais 16 Índices e Indicadores de Densidade

Leia mais

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial 5 Augusto Ferreira Departamento Técnico - CONFAGRI MINHA TERRA - Federação Portuguesa de Associações de Desenvolvimento Local 20.Set.2013 Hotel da Estrela

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

Estrutura da apresentação

Estrutura da apresentação Estrutura da apresentação O que é geografia da crise`? Questões de partida Metodologia Modelo de análise Resultados Comentários finais O que é geografia da crise`? Choque externo Exposição Sensibilidade

Leia mais

A Matriz Input-Output para a Região Alentejo: uma aproximação ao seu primeiro quadrante

A Matriz Input-Output para a Região Alentejo: uma aproximação ao seu primeiro quadrante A Matriz Input-Output para a Região Alentejo: uma aproximação ao seu primeiro quadrante Elsa Cristina Vaz 1, José Belbute 2, António Caleiro 3, Gertrudes Saúde Guerreiro 4, Ana Eduardo 5 1 elsavaz@uevora.pt,

Leia mais

CRER NO CENTRO DE PORTUGAL: um ambicioso desafio coletivo. 5 de março de 2013

CRER NO CENTRO DE PORTUGAL: um ambicioso desafio coletivo. 5 de março de 2013 CRER NO CENTRO DE PORTUGAL: um ambicioso desafio coletivo 5 de março de 2013 A Região Centro no Contexto Nacional Portugal Região Centro % Municípios 308 100 32,5 Área (km 2 ) 92.212 28.199 30,6 População,

Leia mais

PERFIL DOS ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ, NO 1º ANO NA ESEL ANO LETIVO 2013/2014

PERFIL DOS ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ, NO 1º ANO NA ESEL ANO LETIVO 2013/2014 PERFIL DOS ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ, NO 1º ANO NA ESEL ANO LETIVO 2013/2014 Realização: Ana Paula Fontinha Ana Cristina Santos Disponibilização de Dados Estatísticos: Bruno Ramos Coordenação:

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio. SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.2015 19 JUNHO DE 2015 Página 1 de 9 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO

Leia mais

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio do Capital Simbólico, Tecnologias e Serviços do Turismo

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio do Capital Simbólico, Tecnologias e Serviços do Turismo Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio do Capital Simbólico, Tecnologias e Serviços do Turismo www.ccdr-n.pt/norte2020 O desenvolvimento de Estratégias Regionais

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

Investir no Atlântico

Investir no Atlântico Investir no Atlântico Domínio Competitividade e Internacionalização Região Competitiva, Resiliente, Empreendedora e Sustentável com base na valorização do Conhecimento UALG 17 novembro de 2015 Sistemas

Leia mais

EDUCAÇÃO EM NÚMEROS. Portugal 2015

EDUCAÇÃO EM NÚMEROS. Portugal 2015 EDUCAÇÃO EM NÚMEROS Portugal 2015 FICHA TÉCNICA Título Educação em Números - Portugal 2015 Autoria Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) Direção de Serviços de Estatísticas da Educação

Leia mais

Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP

Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP Senhores Ministros, É com grande satisfação que venho ouvir as políticas de investimento internacional, a nível das infraestruturas,

Leia mais

Agenda. O Diagnóstico Os Desafios A Estratégia Os Produtos a Promover Os Mercados A Promoção A Oferta

Agenda. O Diagnóstico Os Desafios A Estratégia Os Produtos a Promover Os Mercados A Promoção A Oferta Agenda O Diagnóstico Os Desafios A Estratégia Os Produtos a Promover Os Mercados A Promoção A Oferta O Diagnóstico Turismo marítimo e costeiro Náutica de Recreio 60 Turismo Maritimo e Costeiro 123 Nautica

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO S R REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO (RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA NA REGIÃO) Outubro de

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

Resultados definitivos. Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012

Resultados definitivos. Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012 Resultados definitivos Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012 Temas em Análise População Família Parque Habitacional 1 População 2 População Residente À data do momento censitário

Leia mais

O desemprego dos diplomados da Universidade do Minho

O desemprego dos diplomados da Universidade do Minho O desemprego dos diplomados da Universidade do Minho Situação em junho de 2014 Trabalho realizado por: José Pedro Ferreira, Elisabete Pacheco e Isabel Santos Serviços para a Garantia da Qualidade Miguel

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

CONTINGENTE ESPECIAL PARA PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA OU SENSORIAL: 2007-2011

CONTINGENTE ESPECIAL PARA PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA OU SENSORIAL: 2007-2011 Colocados CONCURSO NACIONAL DE ACESSO E INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO CONTINGENTE ESPECIAL PARA PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA OU SENSORIAL: 2007-2011 Etapa 1: colocação dos candidatos às vagas

Leia mais

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014 INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS Novembro de 2014 1 Competitividade de Destinos Emergência nos estudos sobre estratégia empresarial Indústria, empresas, países, organizações Diferentes

Leia mais

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS Revisão 1 : 02/09/2015 PO PO Preparação e Reforço das Capacidades, Formação e Ligação em rede dos Gal (DLBC) Desenvolvimento Local de Base Comunitária 2ª fase Seleção das Estratégias de Desenvolvimento

Leia mais

ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE

ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE Versão do Programa Operacional Competitividade e Internacionalização adotada em dezembro de 2014. 1. Estrutura do Programa e Indicadores de Resultado

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

ATRATIVIDADE EMPRESARIAL E PROJETOS DE ESTIMULO À ECONOMIA DA EUROREGIÃO

ATRATIVIDADE EMPRESARIAL E PROJETOS DE ESTIMULO À ECONOMIA DA EUROREGIÃO ATRATIVIDADE EMPRESARIAL E PROJETOS DE ESTIMULO À ECONOMIA DA EUROREGIÃO O PROJETO PROMOINVEST E A REDE Professor Augusto Medina Sociedade Portuguesa de Inovação FÓRUM DE DISCUSSÃO: A EUROACE e a ligação

Leia mais

OS JOVENS AGRICULTORES NO PRODER. Alguns Indicadores

OS JOVENS AGRICULTORES NO PRODER. Alguns Indicadores OS JOVENS AGRICULTORES NO PRODER Alguns Indicadores NOTA DE ABERTURA Este documento tem como objetivo a divulgação de um conjunto de indicadores relativos à Ação 1.1.3 - Instalação de Jovens Agricultores

Leia mais

Inquérito Multi- Objectivo Contínuo

Inquérito Multi- Objectivo Contínuo Inquérito Multi- Objectivo Contínuo Estatísticas Sobre o Trabalho das Crianças Principais resultados (preliminares) Praia, 27 de Junho de 2013 PLANO DE APRESENTAÇÃO OBJECTIVOS METODOLOGIA PRINCIPAIS RESULTADOS:

Leia mais

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013 SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas CCDRC, 14 fevereiro 2013 PROGRAMA VALORIZAR RCM n.º 7/2013, de 9/01 Valorização do território do interior e de baixa densidade demográfica e

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2012

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2012 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2012 06 de novembro de 2012 60% das pessoas dos 16 aos 74 anos utilizam Internet

Leia mais