Os alarmes devem fazer parte dos dispositivos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os alarmes devem fazer parte dos dispositivos"

Transcrição

1 Boletim Informativo da ssociação Portuguesa de Profissionais de Piscinas, Instalações Desportivas e Lazer bril - Maio - Junho 2010 v. Brasil, 1 6.º LISBO Tel.: Web: EDITORIL Os alarmes devem fazer parte dos dispositivos de protecção e segurança de piscinas. Infelizmente, todos os anos, morrem crianças e adultos não só em piscinas como também no mar, nos rios, lagos, lagoas, poços e possas. Basta recordar que em 20 cm de água uma criança pode afogar-se em menos de 3 minutos! Portanto, todo o cuidado é pouco. Compreendemos as dificuldades dos pais e adultos em vigiarem em permanência a sua ou mais crianças, mas, no caso das piscinas, é dever dos pais e adultos destacarem sempre e em permanência um membro da família ou um amigo com capacidade para as socorrer sempre que estas estejam perto de uma piscina. E não há volta a dar, mesmo que as piscinas estejam equipadas na altura da sua construção ou à posteriori com um dos quatro sistemas de segurança que a PP recomenda, seguindo a lei francesa, aliás, o único país dos considerados com maior parque de piscinas, a ter uma lei de segurança em piscinas. Nem nos países como a Itália, a Espanha, a Grã-Bretanha e a lemanha possuem qualquer lei sobre segurança em piscinas privadas de uso familiar. Em Portugal já aconteceu que algumas crianças se afogaram por a porta da vedação ter ficado aberta e elas terem caído na piscina. É caso para dizer que, muito provavelmente, se estas piscinas estivessem equipadas com um simples alarme, os pais as teriam socorrido de imediato e evitado o seu afogamento. Os alarmes são bons dispositivos de protecção e segurança e existem no mercado muitos e variados tipos de alarmes desde os que actuam quando a criança cai à água até aos que emitem o som de alarme quando as crianças ultrapassam determinado perímetro envolvente da piscina, entre outros. Em França por obrigatoriedade de Lei, impõe que as piscinas privadas de uso familiar sejam equipadas com 1 dos 4 dispositivos (sistemas) de segurança: alarme ou abrigo ou vedação ou cobertura de segurança. Neste momento, mais de 50% das piscinas francesas, cerca de estão equipadas com alarmes ou seja mais de 10 vezes o parque de piscinas privadas de uso familiar em Portugal e os afogamentos com crianças reduziram-se drasticamente. introdução dos dispositivos de segurança foi ainda acompanhada de campanhas publicitárias em todo o país, reforçando a necessidade da utilização destes dispositivos mas informando que a utilização de qualquer destes dispositivos de segurança continua a obrigar a presença de um Campanha da PP de Segurança e Prevenção Infantil em Piscinas IV Congresso Nacional da PP adulto em permanência junto da piscina que as possa salvar em qualquer momento de aflição. De salientar que nenhum destes dispositivos de segurança é 100% eficaz! PP editou cartazes sobre a sua Campanha de Segurança e Prevenção Infantil em Piscinas que estão a ser divulgados pelas Câmaras Municipais e pelos seus associados e profissionais do sector de modo a chegarem ao proprietário da piscina. Entendemos que não é correcto imputar responsabilidades à Ministra da Saúde ou ao Governo pelo facto de continuarem a haver mortes por afogamento em piscinas, pois, como foi dito, sempre que houver uma criança ou mais na zona da piscina é sempre necessário que sejam vigiadas por um dos pais ou um adulto em permanência, mesmo que as piscinas estejam equipadas de qualquer dos dispositivos de segurança mencionados. Recomenda-se que cada piscina tenha um dos dispositivos de segurança acima referidos e ainda que as crianças aprendam a nadar tão depressa quanto possível e que os pais e adultos tirem cursos de primeiros socorros. Não à criação de legislação fundamentalista que vise ignorar os alarmes como sistema de segurança em piscinas! Não à obrigatoriedade do dono da piscina ter uma vedação à frente da sua casa a 2 ou 5m para o resto da sua vida, mesmo que nunca tenha crianças em casa ou que as suas crianças já estejam suficientemente crescidas e saibam nadar! Em Portugal raríssimos são os casos de afogamentos de crianças que saltaram o muro da casa com piscina e aí se afogaram ou entraram nela porque a porta de entrada na casa estava aberta. Somos a favor pela livre escolha do proprietário da piscina dos dispositivos de segurança; das 4 alternativas, deverá escolher a que melhor entender. De realçar que foi criado um novo CT Paginação: GRFILIPE - Sociedade de rtes Gráficas, Lda. - Cadaval José Tavares dos Santos Secretário-Geral da PP para piscinas familiares no CEN por influência da FNOR (França), pelo que é muito provável que a União Europeia venha a ter, em breve, normativos sobre a segurança em piscinas familiares. Que os adultos tomem consciência da sua responsabilidade no que respeita à vigilância em permanência a ter para com as crianças que frequentam as piscinas, praias, rios e lagos deste país e que o número de afogamentos seja inferior ao verificado nos anos anteriores, é o nosso desejo. consciencialização e responsabilização dos adultos são as melhores formas de reduzir os acidentes! De realçar que a PP vai realizar o seu IV Congresso Nacional em Setembro, aguardando-se uma boa representatividade dos nossos associados. Editorial 1 Campanha da PP de Segurança e Prevenção Infantil em Piscinas 2 1SUMÁRIO Criação do CEN TC Private Family Swimming pools 2 IV Congresso da PP Dia 28 de Setembro de Concurso de Fotografia de Piscinas da PP Fidelização dos Clientes 4 Incrementar o Relacionamento com os Clientes 5 Que cada casa com piscina coloque 1 dos 4 sistemas de segurança: alarme cobertura de segurança abrigo vedação

2 Campanha da PP de Segurança e Prevenção Infantil em Piscinas N a sequência do trabalho de informação e cartazes para os adultos para que vigiem em permanências as crianças sempre que estas estejam na zona da piscina a direcção da PP decidiu, este ano, fazer uma Campanha de Segurança e Prevenção Infantil em Piscinas. Foram criados cartazes em Português e Inglês para serem distribuídos aos nossos associados e outros profissionais do sector, colocados nas Câmaras Municipais e Juntas de Freguesia e, cujas cópias, desejavelmente, deverão chegar aos proprietários das piscinas privadas de uso familiar no nosso país. PP disponibiliza-se para apoiar todas as pessoas e instituições interessadas em colaborar neste projecto. Para eventuais esclarecimentos bastará enviar um para RECOMEND: N PISCIN Ideal para uma chamada de atenção às crianças e adultos que frequentam piscinas Com o fim de contribuir para a informação sobre a segurança em piscinas, a PP melhorou o seu poster Na Piscina incluindo mais três quadros ao anterior. Pretendeu-se privilegiar NECESSIDDE DS CRINÇS ESTREM SEMPRE E EM PERMNÊNCI COMPNHDS POR UM DOS PIS OU POR UM DULTO OU NDDOR-SLVDOR RESPONSÁVEL, podendo ainda ler-se a recomendação das piscinas familiares utilizarem 1 dos 4 dispositivos de segurança: alarme abrigo - vedação - cobertura de segurança. Todas as entidades, privadas ou públicas que desejem obter estes cartazes, poderão contactar o seu fornecedor habitual ou enviar o seu pedido para a PP. CMPNH D PP DE "SEGURNÇ E PREVENÇÃO INFNTIL EM PISCINS Please help us to considerably decrease the drowning of children, in Portugal, this current year 2010! Vamos diminuir consideravelmente, já neste ano de 2010 em Portugal, os afogamentos de crianças nas piscinas alarm safety cover shelter fence PREMBLE: THE BOVE-MENTIONED PROTECTIVE DEVICES WILL NEVER REPLCE THE PERMNENT SURVEILLNCE OF DULTS. NONE OF THESE DEVICES IS 100% SFE. Risks of drowning: Every water spot represents a potential danger for infants and children, especially, for those who can not swim. child can drown in less than 3 minutes in ca. 20 cm (7.87 inches) of water. In order to enjoy the pleasures of having a pool, never forget: Watching out children at all times Taking preventive measures Installing one of the safety devices mentioned above (internationally standardized). COLBORE CONNOSCO Que cada casa com piscina coloque 1 dos 4 sistemas de segurança: alarme cobertura de segurança abrigo vedação PREÂMBULO: OS DISPOSITIVOS DE PROTECÇÃO CIM DESCRITOS NÃO SUBSTITUEM NUNC VIGILÂNCI EM PERMNÊNCI DOS DULTOS. QULQUER DESTES DISPOSITIVOS NÃO É INFLÍVEL 100%. Riscos de afogamento: Todos os pontos de água representam um perigo potencial para as crianças, principalmente se são pequenas e não sabem nadar. Uma criança pode afogar-se em menos de 3 minutos em 20 centímetro de água. Para que a piscina continue a ser um prazer, esteja vigilante em permanência, aplique as medidas de prevenção e equipe a sua piscina de um dos dispositivos de segurança acima referidos e normalizados internacionalmente. If you rent your (swimming pool) house, ask your new tenants to sign a document, stating that they are responsible for using the pool and for watching over the children. Let them know, as well, how the pool and its protective device operate, and furthermore, supply them with a copy of the recommendations made here on the risks of drowning. lso mention that, if they have children, an adult should watch over them, by the pool, at all times, being able to help/rescue them, if needed. Finally, do not forget to mention the National Emergency Number as well as that of the nearest Fire Brigade Headquarters, so that, in case an accident occurs, any member of the house might be quickly assisted. Se alugar a sua casa com piscina, faça assinar pelos novos inquilinos um documento em que a responsabilidade da utilização da piscina e vigilância das crianças e adultos é deles. Informe-os sobre o funcionamento da piscina e do seu dispositivo de segurança e inclua as recomendações aqui feitas sobre os riscos de afogamento. Escreva que se tiverem crianças deverá ser destacado um adulto em permanência junto da piscina e com capacidade para as socorrer. Insira neste documento o Número Nacional de Socorro 112 e o do Quartel de Bombeiros mais próximo, para que em caso de acidente, os utentes da casa possam ser rapidamente socorridos. For any additional information, please contact PP, at following address: Para informações adicionais contacte a PP - ssociação Portuguesa de Profissionais de Piscinas, Instalações Desportivas e Lazer através do Criação do CEN TC Private family swimming pools PP CMPIGN FOR INFNT SFETY ND PREVENTION IN SWIMMING POOLS Each house with a pool shall install 1 of the 4 following safety systems: 2 F oi com muita satisfação que tivemos conhecimento dentro do CEN da criação de um novo TC que passará a tratar dos assuntos relacionados a nível europeu com as piscinas privadas de uso familiar. Este novo TC passou a ser denominado como CEN TC 402. PP congratula-se com esta decisão pois desde sempre votou a favor da sua criação na defesa dos interesses do sector da piscina familiar acompanhando aliás a posição francesa a quem saudamos. Graças ao fundamental desagreement apresentado pela FNOR na sequência da votação à resolução N8351-Piscinas familiares, foi possível criar este novo CEN. creditamos que muitos dos aspectos relacionados com o tratamento de águas, equipamentos, hidraulicidade, aquecimento, segurança, gestão e outros venham a ter normas específicas no âmbito da piscina familiar. É um passo de gigante para toda a industria, comércio e serviços que pode assim ver legislada a nível europeu as várias áreas de intervenção neste sector das piscinas.

3 IV CONGRESSO D PP Dia 28 de Setembro de 2010 PP vai realizar o seu IV Congresso no próximo dia 28 de Setembro nas instalações do Instituto Superior de Engenharia do Porto. É com muita satisfação que os membros associados da PP se vão reunir em Congresso, organizado pela primeira vez na cidade do Porto, privilegiando desta forma os associados do norte do país. Este IV Congresso é o culminar do trabalho desenvolvido pela direcção durante os últimos 6 anos que no fim do ano cessará as suas funções. Foram especialmente convidados prelectores para tratarem de assuntos relevantes de áreas específicas que a todos os profissionais interessam, contribuindo com as suas apresentações para debater os temas apresentados e melhorar os conhecimentos tanto dos nossos associados como de todos os congressistas convidados. Que todos os membros da PP aproveitem ao máximo este esforço da direcção da PP em prol do conhecimento, da qualidade e das boas práticas dos seus associados. - Sandra Camacho 3

4 Concurso de Fotografia de Piscinas da PP PP vai levar a efeito o seu Concurso de Fotografia de Piscinas da PP entre os seus membros associados. creditamos que esta seja uma forma de valorizar as empresas instaladoras e construtoras, os arquitectos, os projectistas e paisagistas que vêem, desta forma, reconhecido o seu valor como profissionais, ao mesmo tempo que servem de incentivo para que outros façam cada vez melhor, mais belas piscinas, como forma de expressão plástica, valorizando esteticamente e pela sua qualidade, o parque de piscinas nacional. s condições para a apreciação e recepção das fotografias são as seguintes: Categorias de piscinas: 1 - Piscinas ao ar livre: Tipologia - Piscinas de uso familiar; B - Piscinas de condomínios; C - Piscinas de hotéis; D - Piscinas de empreendimentos turísticos. E - Piscinas Municipais; 2 - Piscinas cobertas: Tipologia - Piscinas de uso familiar; B - Piscinas de condomínios; C - Piscinas de hotéis; D - Piscinas de empreendimentos turísticos; E - Piscinas Municipais; 3 Referenciar o tipo de construção da piscina: Betão:; B Tipo Industrial (painéis de aço, madeira, pvs, ou outro tipo) C Fibra de vidro D Outros 4 Referenciar o tipo de revestimento da piscina. Para além da forma e concepção estética da piscina, deve ser contemplado o ambiente paisagístico onde a piscina está inserida e se possível com crianças ou pessoas a tomarem banho. s piscinas não podem ser referenciadas ao olhar para a fotografia (não deve ser mencionado o nome do hotel, empreendimento turís- tico ou piscina municipal, de uso público ou familiar). s fotografias devem ser enviadas para a PP e, ao fazê-lo, passam a fazer parte do seu espólio, pelo que não serão devolvidas, podendo as mesmas serem utilizadas em exposições ou em revistas ou outro tipo de publicidade. s fotografias poderão ser-nos enviadas em suporte digital de boa qualidade, pelo menos x pixels, ou em papel de fotografia no formato 20x30cm. No caso da fotografia ser seleccionada, deverá ser-nos, posteriormente, enviada a fotografia em suporte de papel fotográfico. Cada fotografia deverá ser acompanhada (referenciada) por: - Nome do proprietário; - Nome do projectista; - Nome da empresa instaladora/construtora; - Dimensões, área e volume; - Marcas e modelos das bombas, filtros e equipamento de desinfecção se o houver. Cada associado poderá enviar, no máximo, duas fotografias por cada tipologia dentro das categorias escolhidas. s fotografias deverão ser enviadas para a sede da PP na v. Brasil, nº1 6º Sala 9, Lisboa até ao dia 15 de Setembro do corrente ano. té ao dia 25 de Setembro, proceder-se-à à classificação das fotografias. Em cada categoria de fotografias haverá as seguintes classificações: - 1º Prémio; - 2º Prémio; - 3º Prémio; - Menção Honrosa; - Menção Honrosa. s fotografias escolhidas serão expostas em eventos organizados pela PP. Serão ainda publicadas em revistas de piscinas, referenciando o Concurso de Fotografia de Piscinas da PP s 3 melhores fotografias serão enviadas para o Concurso Internacional de Fotografia de Piscinas da EUS. Para esclarecimentos adicionais, devem os associados da PP entrar em contacto com o nosso Secretário-Geral J. Tavares dos Santos, pelo telefone ou via Rectificação Relativamente à notícia publicada no último boletim da PP sobre O Encontro com o presidente do Instituto Português da Qualidade, recebemos do presidente do IPQ um pedido de rectificação que passamos a transcrever e pelo qual apresentamos as nossas desculpas. Caro Dr. José Tavares dos Santos Recebi o Boletim da PP do primeiro trimestre, que agradeço. Tenho no entanto de contestar a afirmação que é feita na notícia relativa ao Encontro que comigo teve, em que, relativamente ao projecto final do Regulamento Técnico-Sanitário de Piscinas de Uso Público, é afirmado que Jorge Marques dos Santos prontificou-se a colaborar com o Director Geral de Saúde para agilizar o processo de legalização deste documento. De facto o que lhe transmiti é muito diferente desta afirmação, que pressupõe acordo da minha parte relativamente ao processo a seguir, o que não corresponde à verdade, já que lhe afirmei assertivamente que o processo legislativo com remissão para o cumprimento de normas é o mais correcto e coerente com a postura legislativa na União Europeia, seguindo metodologias inspiradas na Nova bordagem, com menos regulação, mas melhor regulação. s normas permitem uma rápida actualização tecnológica e o consenso entre as partes interessadas. cresce que lhe disse que, sendo um regulamento que estabelece regras técnicas de acordo com a definição que lhe é dada pela Directiva 98/34/CE, a sua imposição por via legislativa carece de notificação prévia à Comissão Europeia, para além de que extravasa o âmbito de intervenção exclusiva da DGS, obrigando a consultas a vários ministérios. Não se trata, portanto, de matéria de fácil implementação e eu não tive, nem poderia ter, a posição leve (para não dizer leviana) de me prontificar a agilizar a legalização do documento. O que sempre me prontifiquei e continuo a prontificar, é em ajudar a encontrar uma forma correcta de atingir o objectivo final de qualidade e segurança de utilização das piscinas públicas, na linha do que fazia a Directiva CNQ 23/93, através de um processo normativo abrangendo o consenso das partes interessadas, que possa dar origem à publicação de documentos normativos que possam se referenciados na legislação com vista ao seu cumprimento por presunção de conformidade. proveito para informar que foi esta a mesma posição que transmiti à DGS na pessoa do Dr. José Robalo. Melhores cumprimentos Jorge Marques dos Santos Presidente IPQ, Instituto Português da Qualidade Rua ntónio Gião, Caparica PORTUGL 4

5 FIDELIZÇÃO DOS CLIENTES s empresas perdem em média 10% de clientes cada ano Em cada 5 anos, uma média empresa perde metade dos seus clientes (Harvard Business Review) Custa entre 5 a 10 x mais conquistar um novo cliente do que reter um cliente penas 8% dos clientes falam com os profissionais da empresa sobre o facto da experiência ter sido boa ou má Mais de 24% partilham as suas más experiências com alguém Só 7% refere as boas experiências Cada vez mais as empresas reconhecem a importância de satisfazer e reter os clientes actuais fidelização constrói-se excedendo as expectativas do cliente em cada oportunidade venda não acaba com a entrega do produto venda possibilita o estabelecimento de uma relação duradoura uma relação de confiança Mas uma relação em que ganham ambos empresa e cliente INCREMENTR O RELCIONMENTO COM OS CLIENTES Retirada de uma palestra proferida nas Jornadas Técnicas da PP pelo Professor Doutor lfredo Silva da Escola Superior de Desporto de Rio Maior 5

AFOGAMENTOS EM CRIANÇAS E JOVENS ATÉ AOS 18 ANOS, EM PORTUGAL

AFOGAMENTOS EM CRIANÇAS E JOVENS ATÉ AOS 18 ANOS, EM PORTUGAL APSI Afogamentos de Crianças Principais Resultados 2002/2010 www.apsi.org.pt 1/6 AFOGAMENTOS EM CRIANÇAS E JOVENS ATÉ AOS 18 ANOS, EM PORTUGAL 2002 2010 RESUMO E PRINCIPAIS CONCLUSÕES I Introdução O afogamento

Leia mais

REGULAMENTO Mobilidade Macau

REGULAMENTO Mobilidade Macau Face à parceria estabelecida entre a Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril (ESHTE) e o Instituto de Formação Turística em Macau (IFT Macau) no âmbito da qual são facultadas possibilidades de

Leia mais

ÂMBITO Aplica-se à instalação e ao funcionamento dos recintos com diversões aquáticas.

ÂMBITO Aplica-se à instalação e ao funcionamento dos recintos com diversões aquáticas. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL RECINTOS COM DIVERSÕES AQUÁTICAS CAE REV_3: 93210

Leia mais

Eleição. para o Presidente da República

Eleição. para o Presidente da República Eleição para o Presidente da República O que é uma eleição? Uma eleição é quando votamos na melhor pessoa para defender os nossos interesses. Podemos decidir votar numa pessoa porque concordamos com as

Leia mais

A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas

A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas Patrocinador do Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Infecção Associada aos Cuidados de Saúde Índice 1. O que é a estratégia

Leia mais

StartMeUp - Powered by U.S. Embassy Portugal 2013 (STARTMEUP) Regulamento. Artigo 1.º Organização e objectivos

StartMeUp - Powered by U.S. Embassy Portugal 2013 (STARTMEUP) Regulamento. Artigo 1.º Organização e objectivos StartMeUp - Powered by U.S. Embassy Portugal 2013 (STARTMEUP) Regulamento Artigo 1.º Organização e objectivos 1. O STARTMEUP é uma iniciativa organizada conjuntamente pela Embaixada dos Estados Unidos

Leia mais

Plano de gestão dos espaços verdes

Plano de gestão dos espaços verdes Construção do lago (parque verde) Plano de gestão dos espaços verdes Numa época em que a nossa sociedade atravessa crises a vários níveis, os espaços verdes não são uma excepção e também a sua gestão implica

Leia mais

GUIA PARA COMPRA ONLINE

GUIA PARA COMPRA ONLINE GUIA PARA COMPRA ONLINE www.tipsal.pt QUEM SOMOS A TIPSAL - Técnicas Industriais de Protecção e Segurança, Lda foi fundada em 1980. Somos uma empresa de capitais exclusivamente nacionais com sede social

Leia mais

PROCEDIMENTOS QUE SALVAM VIDAS!

PROCEDIMENTOS QUE SALVAM VIDAS! Instituto Português da ualidade PROCEDIMENTOS QUE SALVAM VIDAS! Brincar e nadar em segurança é uma brochura desenvolvida pela Direção-Geral do Consumidor, com o apoio do Instituto Português da Qualidade

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS N.ºN.º/MÊS/08

NORMA DE PROCEDIMENTOS N.ºN.º/MÊS/08 NORMA DE PROCEDIMENTOS N.ºN.º/MÊS/08 AM/02 FEVEREIRO/2009 TRAMITAÇÃO DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DO ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL (EIA) ÍNDICE: 1. APRESENTAÇÃO 2. LEGISLAÇÃO DE ENQUADRAMENTO 3. TRAMITAÇÃO

Leia mais

1. PERGUNTAS FREQUENTES 1.1. INFORMAÇÕES GERAIS

1. PERGUNTAS FREQUENTES 1.1. INFORMAÇÕES GERAIS 1. PERGUNTAS FREQUENTES 1.1. INFORMAÇÕES GERAIS - Quem explora o site Pixel4Winner.com? - Onde está sedeada a sociedade anónima? - Posso ter confiança no site Pixel4Winner.com? - A participação a uma lotaria

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO e CONDIÇÕES GENÉRICAS DE VENDA

TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO e CONDIÇÕES GENÉRICAS DE VENDA pág. 1 / 5 TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO e CONDIÇÕES GENÉRICAS DE VENDA 1. INTRODUÇÃO O site de vendas online www.fitnesshut.pt (adiante designado por site ou loja online) é um site de vendas online

Leia mais

Líder em Estruturas de Madeira Lamelada Colada. Edição 2012/13

Líder em Estruturas de Madeira Lamelada Colada. Edição 2012/13 Líder em Estruturas de Madeira Lamelada Colada. Edição 2012/13 A experiência do líder europeu começou há 40 anos. Atrás de grandes empresas há sempre gente determinada e experiente. É por isso que a Colicapela

Leia mais

Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias

Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias XIII Simpósio do ISMAI em Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias Mestre Mariana Neto, DGS, 2008 De acordo com os conceitos mais actuais, a abordagem

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais

PROCEDIMENTOS QUE SALVAM VIDAS!

PROCEDIMENTOS QUE SALVAM VIDAS! Instituto Português da ualidade PROCEDIMENTOS QUE SALVAM VIDAS! Brincar e nadasr em segurança é uma brochura desenvolvida pela Direção- Geral do Consumidor, com o apoio do Instituto Português da Qualidade

Leia mais

Decreto-Lei n.º 213/92 de 12 de Outubro Altera o Decreto-Lei n.º 93/90, de 19 de Março (Reserva Ecológica Nacional).

Decreto-Lei n.º 213/92 de 12 de Outubro Altera o Decreto-Lei n.º 93/90, de 19 de Março (Reserva Ecológica Nacional). A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 213/92, de 12 de Outubro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 213/92 de 12 de Outubro

Leia mais

indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem

indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem boletim trimestral - n.º 2 - setembro 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem

Leia mais

Guia prático. Rede Judiciária Europeia em matéria civil e comercial

Guia prático. Rede Judiciária Europeia em matéria civil e comercial Utilização da videoconferência para obtenção de provas em matéria civil e comercial, ao abrigo do Regulamento (CE) n.º 1206/2001 do Conselho, de 28 de Maio de 2001 Guia prático Rede Judiciária Europeia

Leia mais

Direitos da Entidade Organizadora/Promotora

Direitos da Entidade Organizadora/Promotora OBJECTIVOS GERAIS 1 Criação em todas as suas componentes estruturais, de um espaço físico com vista à realização de actividades de lazer e em contacto directo com a natureza, nomeadamente: a) Campos de

Leia mais

I CONCURSO DE FOTOGRAFIA SOBRE AGRICULTURA SUSTENTAVEL REGULAMENTO

I CONCURSO DE FOTOGRAFIA SOBRE AGRICULTURA SUSTENTAVEL REGULAMENTO E/27562/2012 I CONCURSO DE FOTOGRAFIA SOBRE AGRICULTURA SUSTENTAVEL 2012 REGULAMENTO ENQUADRAMENTO O I Concurso de Fotografia sobre Agricultura Sustentável é uma iniciativa da Câmara Municipal de Loures,

Leia mais

Respostas aos pedidos de esclarecimento Cloud Habitar Portugal 2012 14

Respostas aos pedidos de esclarecimento Cloud Habitar Portugal 2012 14 Respostas aos pedidos de esclarecimento Cloud Habitar Portugal 2012 14 1/5 Organização Patrocínios Parceiros institucionais 10.07.2015 2/5 1 É possível obter o contacto directo de alguém nas empresas patrocinadoras

Leia mais

Projectar o Algarve no Futuro

Projectar o Algarve no Futuro Projectar o Algarve no Futuro Os Novos Desafios do Algarve Região Digital paulo.bernardo@globalgarve.pt 25 Maio 2007 Auditório Portimão Arena Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta hoje um processo

Leia mais

Due Diligence Aspectos Práticos

Due Diligence Aspectos Práticos Due Diligence Aspectos Práticos Foi tendo em conta os aspectos práticos do tema que o Dr. Ivo Renato Moreira de Faria Oliveira apresentou o trabalho sobre o Due Diligence Financeiro no Contexto de uma

Leia mais

Comissão Regional da Saúde da Mulher da Criança e Adolescente

Comissão Regional da Saúde da Mulher da Criança e Adolescente Comissão Regional da Saúde da Mulher da Criança e Adolescente Janeiro 2012 [Relatório de Actividades e Plano de acção para 2012] [ARS Centro] Comissão Regional da Saúde da Mulher, Criança e Adolescente

Leia mais

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET De harmonia com o disposto no artº 36º. dos Estatutos da APIFARMA é elaborado o presente Regulamento interno que tem por objectivo regulamentar

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

9ª Edição do Prémio de Boas Práticas em Saúde 2015

9ª Edição do Prémio de Boas Práticas em Saúde 2015 9ª Edição do Prémio de Boas Práticas em Saúde 2015 Decorreu no passado dia 30 de novembro, no Auditório do Edifício Tomé Pires, do INFARMED, a 9ª Edição do Prémio de Boas Práticas em Saúde 2015(PBPS) promovido

Leia mais

Plano de Comunicação e Educação para a Sustentabilidade

Plano de Comunicação e Educação para a Sustentabilidade Plano de Comunicação e Educação para a Sustentabilidade Versão 2.0 de 4 de Junho de 2007 Promotores: Co-financiamento: Introdução A Agenda 21 do Vale do Minho é um processo de envolvimento dos cidadãos

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

Tribunal de Contas. Mantido pelo acórdão nº 24/06, de 04/04/06, proferido no recurso nº 18/06. Acórdão nº 35 /06 7.Fev 1ªS/SS. Proc.

Tribunal de Contas. Mantido pelo acórdão nº 24/06, de 04/04/06, proferido no recurso nº 18/06. Acórdão nº 35 /06 7.Fev 1ªS/SS. Proc. Mantido pelo acórdão nº 24/06, de 04/04/06, proferido no recurso nº 18/06 Acórdão nº 35 /06 7.Fev 1ªS/SS Proc. nº 2 970/05 1. A Direcção-Geral de Informática e Apoio aos Serviços Tributários e Aduaneiros

Leia mais

boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística

boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Movimento de passageiros no aeroporto de Faro 1.1. Movimento total de passageiros 1.2. Passageiros desembarcados por

Leia mais

storemore Descubra como ser mais produtivo e simultaneamente ter o melhor entretenimento móvel

storemore Descubra como ser mais produtivo e simultaneamente ter o melhor entretenimento móvel storemore ELEVADA CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO Descubra como ser mais produtivo e simultaneamente ter o melhor entretenimento móvel O que é o StoreMore? É a solução de armazenamento de alta-capacidade desenvolvida

Leia mais

DIGITALMAISTV DIGITALMAISTV

DIGITALMAISTV DIGITALMAISTV DIGITALMAISTV A DIGITALMAISTV é um canal de televisão online que procura divulgar a região do Algarve no país e no mundo através da Internet, apostando na diversidade de conteúdos e numa vasta oferta de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA PREÂMBULO Designa-se por rede social o conjunto das diferentes formas de entreajuda, praticadas por entidades particulares sem

Leia mais

Critérios para Avaliação do Desempenho

Critérios para Avaliação do Desempenho Critérios para Avaliação do Desempenho Índice AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO...5 INFORMAÇÃO...5 O QUE É A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO?...5 OBJECTIVOS DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO...5 A ENTREVISTA DE AVALIAÇÃO...6 OBJECTIVOS

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 1259/2010 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 2010 que cria uma cooperação reforçada no domínio da lei aplicável em matéria de divórcio

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL O Turismo no Espaço Rural consiste no conjunto de actividades e serviços de alojamento e animação a turistas em empreendimentos de natureza familiar realizados

Leia mais

PASSO 1 a) Para participar na Campanha, os clientes OK! teleseguros devem registar-se no sítio www.okamigos.pt indicando o seu número de apólice.

PASSO 1 a) Para participar na Campanha, os clientes OK! teleseguros devem registar-se no sítio www.okamigos.pt indicando o seu número de apólice. REGULAMENTO OK! amigos 1. Introdução A Campanha OK! amigos, doravante Campanha, premeia os Clientes que recomendam amigos para se tornarem clientes da OK! teleseguros, bem como os amigos que adiram por

Leia mais

Case study. Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA ENVOLVIMENTO

Case study. Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA ENVOLVIMENTO Case study 2010 Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA A Inspira, uma joint-venture formalizada em 2006 entre o grupo Blandy, com sede na Madeira e larga experiência

Leia mais

Arquitectura em Lugares Sagrados

Arquitectura em Lugares Sagrados Arquitectura em Lugares Sagrados REGULAMENTO I PRÉMIO 1. Atribuído pela TUREL Desenvolvimento e Promoção do Turismo Cultural e Religioso, este prémio tem como objectivo contribuir para o progresso da qualidade

Leia mais

BBVA Fundos Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A.

BBVA Fundos Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. N.º de Processo: 2/2009 Entidade Reclamada: Identificação: Futuro - Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. Morada: Avª. General Firmino Miguel, n.º 5, 9º B, 1600-100 Lisboa Fundo de Pensões Aberto:

Leia mais

Regulamento CONCURSO: A Biodiversidade da minha Cidade 2012. Regulamento de concurso - 2012. 1 - Entidade Promotora. 2 Objectivo

Regulamento CONCURSO: A Biodiversidade da minha Cidade 2012. Regulamento de concurso - 2012. 1 - Entidade Promotora. 2 Objectivo CONCURSO: A Biodiversidade da minha Cidade 2012 Regulamento 1 - Entidade Promotora O Concurso A Biodiversidade na Minha Cidade é uma iniciativa da Câmara Municipal de Gouveia, que conta com a colaboração

Leia mais

Aos Órgãos Sociais da FAPODIVEL. Odivelas, 20 de Novembro de 2010. Caros Colegas,

Aos Órgãos Sociais da FAPODIVEL. Odivelas, 20 de Novembro de 2010. Caros Colegas, Aos Órgãos Sociais da FAPODIVEL Odivelas, 20 de Novembro 2010 Caros Colegas, Estando a terminar este ano de trabalho na Federação Concelhia de Odivelas, da qual eu fiz parte dos seus Órgãos Sociais neste

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1ª EDIÇÃO Requisitos para Implementar, Elaborar e Gerir SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE LUANDA 21 e 22 de OUTUBRO de 2013 Razões pelas quais a sua presença é obrigatória Compreenda as finalidades dos SGQ

Leia mais

A DEMOLIÇÃO DAS OBRAS ILEGAIS INSTRUÇÕES PARA. Março de 2013. Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes. Linha de informação

A DEMOLIÇÃO DAS OBRAS ILEGAIS INSTRUÇÕES PARA. Março de 2013. Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes. Linha de informação INSTRUÇÕES PARA A DEMOLIÇÃO DAS OBRAS ILEGAIS Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes Março de 2013 Linha de informação 8590 3800 Estas instruções serão actualizadas periodicamente

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria-Geral

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria-Geral MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria-Geral Circular Informativa N.º 5 Data 03/05/2011 Para conhecimento de todos os serviços e organismos dependentes do Ministério da Saúde ASSUNTO: Eleições Legislativas 2011

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 49 Discurso no encontro com grupo

Leia mais

Normas de funcionamento e utilização do Mercado de Sant Ana Centro Cultural 1

Normas de funcionamento e utilização do Mercado de Sant Ana Centro Cultural 1 1 6 Normas de funcionamento e utilização do Mercado de Sant Ana Centro Cultural 1 I Disposições Gerais 1. Objecto O presente regulamento tem por finalidade estabelecer as condições gerais a que ficam sujeitos

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos locais de Educação. A Lei 169/99, de 18

Leia mais

reconversão de empreendimentos turísticos

reconversão de empreendimentos turísticos reconversão de empreendimentos turísticos 01. Reconversão de Empreendimentos Turísticos Com o objectivo de requalificar a oferta turística nacional, foi aprovado um novo regime jurídico dos empreendimentos

Leia mais

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro 1. INTRODUÇÃO A indústria da Construção engloba um vasto e diversificado conjunto de características, tais como: Cada projecto

Leia mais

Perguntas mais frequentes

Perguntas mais frequentes Perguntas mais frequentes Sucesso ao Alcance de Todos Pág: 1 de 8 Índice 1. Que posso conseguir com esta oportunidade?...3 2. Tenho de ter exclusividade?...3 3. Será que funciona? Será um negócio de futuro?...4

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro estabelece, no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os

Leia mais

CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009

CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009 CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009 PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO DE 2009, CELEBRADO ENTRE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DAS INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE O Protocolo

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

REGULAMENTO PASSATEMPO #PARTILHAMOSFUTEBOL

REGULAMENTO PASSATEMPO #PARTILHAMOSFUTEBOL REGULAMENTO PASSATEMPO #PARTILHAMOSFUTEBOL 1. DEFINIÇÕES 1.1. Passatempo: Iniciativa que visa premiar os participantes com maior pontuação que se candidatem a receber um bilhete para um jogo do Campeonato

Leia mais

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 澳 門 衛 特 別 生 行 政 局 區 政 府 Governo da Região Administrativa de Macau Serviços de Saúde Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 (1.ª Parte) Unidades Privadas de Saúde que

Leia mais

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel. PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.pt Transparência e Segurança: www.jogoremoto.pt A REGULAÇÃO EM PORTUGAL

Leia mais

SOOS. Manual do usuário. Para soos ver 1.02. 1 www.soos.pt

SOOS. Manual do usuário. Para soos ver 1.02. 1 www.soos.pt SOOS Manual do usuário Para soos ver 1.02 1 www.soos.pt Índice Pág. Índice 2 O que è a SOOS 3 Funcionalidades 3 Plataforma 4 Botões 4,5 Solicitar informações 6 Perfil do usuário 7 Utilizador ocasional

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSO HUMANOS FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS OBJECTIVOS DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL A Formação Profissional tem como objectivos:

Leia mais

Prémio: Tâmega e Sousa Empreendedor - Onde as ideias se concretizam [Regulamento do Concurso de Fotografia: Tâmega e Sousa Único]

Prémio: Tâmega e Sousa Empreendedor - Onde as ideias se concretizam [Regulamento do Concurso de Fotografia: Tâmega e Sousa Único] Prémio: Tâmega e Sousa Empreendedor - Onde as ideias se concretizam [Regulamento do Concurso de Fotografia: Tâmega e Sousa Único] PREÂMBULO O Prémio Tâmega e Sousa Empreendedor é uma iniciativa da Comunidade

Leia mais

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico, Turismo de Portugal, I.P. Rua Ivone Silva, Lote 6, 1050-124 Lisboa Tel. 211 140 200 Fax. 211 140 830 apoioaoempresario@turismodeportugal.pt

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente ANEXO

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente ANEXO ANEXO REGULAMENTO DAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL Artigo 1º Nomeação e composição 1. A Comissão de Avaliação de Impacte Ambiental (CA) é nomeada pela Autoridade de Avaliação de Impacte

Leia mais

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO PREÂMBULO A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro) consagrou a interacção com a comunidade educativa local como um pilar fundamental da política educativa. Por essa razão o nº

Leia mais

A REPUTAÇÃO ONLINE DOS HOTÉIS

A REPUTAÇÃO ONLINE DOS HOTÉIS A REPUTAÇÃO ONLINE DOS HOTÉIS Descubra a importância da reputação online do seu hotel na rentabilidade. Perceba qual a melhor maneira de tirar partido das ferramentas digitais. O PORQUÊ DE LER ESTE EBOOK!

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

P l a n o d e A c t i v i d a d e s

P l a n o d e A c t i v i d a d e s P l a n o d e A c t i v i d a d e s A n o d e 2 0 0 9 A TURIHAB Associação do Turismo de Habitação, em 2009, desenvolverá as suas acções em três vertentes fundamentais: a Internacionalização através do

Leia mais

Enquadramento e critérios de Candidatura

Enquadramento e critérios de Candidatura Enquadramento e critérios de Candidatura A cidadania ativa constitui um elemento chave do reforço da coesão social. O Conselho da União Europeia instituiu o ano de 2011, como Ano Europeu do Voluntariado

Leia mais

Minuta de Apólice de Responsabilidade Civil Profissional de Projectistas Requerida para Qualquer Contratação da PARQUE ESCOLAR, E.P.E.

Minuta de Apólice de Responsabilidade Civil Profissional de Projectistas Requerida para Qualquer Contratação da PARQUE ESCOLAR, E.P.E. Minuta de Apólice de Responsabilidade Civil Profissional de Projectistas Requerida para Qualquer Contratação da PARQUE ESCOLAR, E.P.E. No entanto, para que o nível de exigência aqui definido não constitua

Leia mais

Destaques. Um único sistema de controlo para segurança e conforto; Desempenho elevado e tecnologia de futuro da Siemens;

Destaques. Um único sistema de controlo para segurança e conforto; Desempenho elevado e tecnologia de futuro da Siemens; 1 Não há nada melhor do que saber que a sua família está em casa e em segurança. Agora imagine se pudesse melhorar a segurança e conforto do seu lar apenas com a instalação de um sistema Impossível? Então

Leia mais

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS.

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. GUIA DE BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO EM REDES SOCIAIS MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. APRESENTAÇÃO OBJETIVO A ABA - Associação Brasileira de Anunciantes, por meio de

Leia mais

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho De : DCED/DICUL Carlos Anjos Proc. Nº Para : ANA JOSÉ CARVALHO, CHEFE DA DICUL Assunto : PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES DO GRUPO DE TRABALHO PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO - 2011 Para os efeitos tidos

Leia mais

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1 Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção José M. Cardoso Teixeira 1 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P 4800-058 Guimarães, Portugal RESUMO De uma forma geral,

Leia mais

COMISSÃO EXECUTIVA DA ESPECIALIZAÇÃO EM SEGURANÇA NO TRABALHO DA CONSTRUÇÃO PROCEDIMENTOS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM

COMISSÃO EXECUTIVA DA ESPECIALIZAÇÃO EM SEGURANÇA NO TRABALHO DA CONSTRUÇÃO PROCEDIMENTOS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PROCEDIMENTOS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM Procedimentos para a atribuição do título de Engenheiro Especialista em Segurança no Trabalho da Construção 1 Introdução...2 2 Definições...4

Leia mais

Certificado energético e medidas de melhoria das habitações Estudo de opinião. Junho 2011

Certificado energético e medidas de melhoria das habitações Estudo de opinião. Junho 2011 Certificado energético e medidas de melhoria das habitações Estudo de opinião Junho 2011 Objectivos Avaliar se os indivíduos que habitam em casas já certificadas, conhecem o respectivo certificado energético

Leia mais

CIRCUITO DE UM PROCESSO PARA ABASTECIMENTO

CIRCUITO DE UM PROCESSO PARA ABASTECIMENTO CIRCUITO DE UM PROCESSO PARA ABASTECIMENTO O presente documento visa fornecer indicações sobre a elaboração e constituição de um processo para abastecimento, quer este se apresente sob a forma de Processo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015

REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015 REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015 CAPITULO I NATUREZA, FINS E OBJETIVOS A empresa de consultoria e assessoria de eventos PORMENOR MÁGICO, com sede em Guimarães juntamente com a empresa

Leia mais

Certificação de Sistema de Gestão Relatório de Auditoria

Certificação de Sistema de Gestão Relatório de Auditoria Organização: Morada: Locais Auditados: Certificação de Sistema de Gestão Relatório de Auditoria MUNICÍPIO DE MIRANDELA Sede : Praça do Municipio 5370-288 MIRANDELA Sr. Presidente da Câmara: Eng.º António

Leia mais

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C 1 Estabelece que o custo dos actos relativos aos pedidos previstos no Decreto- Lei n.º 72/91, de 8 de Fevereiro, bem como dos exames laboratoriais e dos demais actos e serviços prestados pelo INFARMED,

Leia mais

Searching for Employees Precisa-se de Empregados

Searching for Employees Precisa-se de Empregados ALIENS BAR 1 Searching for Employees Precisa-se de Empregados We need someone who can prepare drinks and cocktails for Aliens travelling from all the places in our Gallaxy. Necessitamos de alguém que possa

Leia mais

AULA 3: BrOffice Writer Numeração de páginas e outros comandos. Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de:

AULA 3: BrOffice Writer Numeração de páginas e outros comandos. Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de: AULA 3: BrOffice Writer Numeração de páginas e outros comandos Objetivo Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de: Conhecer o controle de exibição do documento; Fazer a correção ortográfica do documento

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015 1 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Método e Gestão de Informação Serviço de Conjuntura Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas

Leia mais

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Página 1 de 60 Plano de Acção

Leia mais

Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP. 17 de Fevereiro 15H30. SANA Lisboa Hotel. Comunicado conjunto

Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP. 17 de Fevereiro 15H30. SANA Lisboa Hotel. Comunicado conjunto Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP 17 de Fevereiro 15H30 SANA Lisboa Hotel Comunicado conjunto Senhores jornalistas, Em primeiro lugar queremos agradecer a vossa presença. Ao convocar

Leia mais

Concurso de Concepção Cloud Habitar Portugal 2012 14

Concurso de Concepção Cloud Habitar Portugal 2012 14 Concurso de Concepção Cloud Habitar Portugal 2012 14 1/4 1. Enquadramento 2. Objectivo 3. Cloud Hp 2012 14 4. Requisitos 5. Destinatários 6. Concurso 7. Júri 8. Apresentação dos Trabalhos 9. Processo de

Leia mais

Informação Legal Nota Lega A nossa responsabilidade Direitos de propriedade intelectual Cedência de Direitos

Informação Legal Nota Lega A nossa responsabilidade Direitos de propriedade intelectual Cedência de Direitos Informação Legal Nota Legal O texto seguinte explica as condições de utilização deste website. Salvo indicação contrária, as referências feitas, neste site, a Aptababy e/ou Livro do Bebé devem ser entendidas

Leia mais

REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA

REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA 1 REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA ACTA Nº 10/2008 - MAIO --- DATA DA REUNIÃO: Vinte de Maio de dois mil e oito. -------------------------------- --- LOCAL DA REUNIÃO: Sala das

Leia mais

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE)

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) 1. Título alusivo à iniciativa Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE). 2. Entidades parceiras Identificação das organizações (Organismo público,

Leia mais

Condições da Apólice de Seguro

Condições da Apólice de Seguro Condições da Apólice de Seguro Minuta de Apólice de Responsabilidade Civil Profissional de Projectistas Requerida para Qualquer Contratação da PARQUE ESCOLAR, E.P.E. O seguro de RC Profissional, nos exactos

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9, nº 28 Seguros enquadramento da actividade de call center na prestação de serviços a empresas seguradoras e correctoras de seguros - despacho do SDG dos

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Preâmbulo Os membros do Conselho da Europa signatários da presente Convenção, Considerando que o objectivo do Conselho da Europa é alcançar uma maior unidade

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE Autores: 1 Gabriela Azevedo e Rita Ramos Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS No âmbito dos procedimentos da Avaliação

Leia mais