Human Smart Cities in Europe. Prof. Álvaro de Oliveira Alfamicro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Human Smart Cities in Europe. Prof. Álvaro de Oliveira Alfamicro"

Transcrição

1 Human Smart Cities in Europe Prof. Álvaro de Oliveira Alfamicro 1

2 Sumário Grandes desafios do nosso tempo Living Labs e ENoLL Grandes desafios das cidades Smart Cities Human Smart Cities na Europa O Projecto PERIPHÈRIA O Projecto MyNeighbourhood Manifesto Human Smart Cities Conclusões 2

3 Grandes desafios do nosso tempo Bem-estar e qualidade de vida. Saúde e envelhecimento. Sustentabilidade energética Mobilidade verde Mudanças climáticas Alterações demográficas Abastecimento sustentável de água e alimentos Habitação sustentável Gestão de resíduos Segurança 3

4 New societal changes We assist at profound societal changes, triggered by communications, big data and data processing tools. Social media is transforming the way people leave, interact, work, play, do business New development models need to be created to deal with such changes. 4

5 5

6 6

7 Living Labs A escala dos problemas globais cria a necessidade de aproveitar o maior conjunto possível de recursos para a criação de soluções envolvendo diversos tipos de conhecimento, de recursos, formas de participação e de colaboração. Para obter soluções é necessário aproveitar a motivação de milhões pessoas e das suas comunidades. As soluções não se impõem às pessoas forçando-as a alterar o seu comportamento. Novos sistemas altamente participatórios são necessários para alcançar mudanças do comportamento. As empresas e o sector público devem ter novos papéis para satisfazer a inovação impulsionada pelos utilizadores possibilitada pelas novas tecnologias de informação e comunicação. Os Living Labs são ecosistemas abertos que envolvem e motivam os parceiros dos processos de inovação, estimulam a colaboração dos cidadãos, facilitam e aceleram a criação e sustentabilidade de novos mercados e modelos de negócio. 7

8 Ecossistema do Living Lab Administração Pública Universidades e Organizações de pesquisa Fundos e Financiamentos Empresas SMEs Usuários, cidadãos Agentes de PDI Co-creação Nosvos modelos de negócio Inovação social Liderança partilhada Facilitação Carisma Confiança Emoção Comunidades de Usuários Real Virtual 8

9 Os valores dos Living Labs Abertura. Colaboração. Comunicação em rede Confiança e transparência Iniciativas bottom-up Co-design e co-criação Centrado nas pessoas. Bem-Estar Inovação Social Sustentabilidade 9

10 267 Living Labs da UE 53 Living Labs fora da UE 10

11 11

12 Actividades da ENoLL no Brasil Workshop on Living Labs, Manaus, July 2008 Workshop on Innovation and Living Labs, Manaus, October 2008 Workshop on Innovation and Living Labs, Manaus, September 2009 Living Labs for International Cooperation. FIAM, Manaus, November 2009 InovAmazonas, Conference, Manaus, November 2010 Federal Government and EU Commission Workshop on Living Labs, Brasília, September 2008 Federal Government Meetings on Living Labs, Brasília, November 2009 Living Labs Workshop, Belém, Pará, November 2009 Living Labs Meeting, SECT I Belém, Pará, August 2011 International Forum for Technology and Innovation, Vitoria, ES, November 2008 Workshop LLs, Vitoria, ES, April 2009 Espirito Santo Living Lab Workshop, Vitoria, ES, June 2009 Espirito Santo Living Lab Workshop, Vitoria, ES, July 2009 Living Labs Workshop, Espirito Santo, ES, September InovAmazonas, Conference, Manaus, June st Creativity and Innovation conference, Conference, Manaus, June 2011 Digital Niterói, Niteroi, Rio de Janeiro, RJ December 2008 Living Labs Workshop - UFES, Vitória, ES, December 2009 Living Labs Energy Efficiency, Escelsa, Vitória, ES, December 2009 Espirito Santo Living Labs Workshop, Vitoria, Espirito Santo, August 2011 Brazilian Living Labs: 1. LL awareness, Brazilian LL participants on European Events (EU Lyon 08, Helsinki 08, EU Portugal 07, EU Slovenia 08, Brussels 08, etc) 2. Brazilian Living Labs and ENoLL 3. Emerging Living Labs 4. Brazilian Living Labs Network Innovation and Living Labs Workshop, São Paulo, SP September 2008 Smart Cities, São Paulo, SP, December 2009 Energy Living Labs Workshop, EDP Inovação, São Paulo, SP, December 2009 INSME, Rio de Janeiro, May 2010 Rio Living Lab Meeting, Rio de Janeiro, Julho de 2010 Meeting in Rio Living Lab, Rio de Janeiro, December 2010 Habitat Living Lab meetings. Vitoria, Espirito Santo, August EU-Brazil LLs Conference, Vitória Espirito Santo, November

13 Amazonia Living Lab 13

14 Grandes desafios das cidades Transparência e confiança no sistema político Confiança na administração pública Questões de privacidade Participação massiva dos cidadãos Transformação de comportamento Sentimento de pertença e identidade Isolamento e singularização dos cidadãos Inclusão e integração social Crise do sistema financeiro global Mobilidade Saúde Energia 14

15 Tecnologias Smart City Desenvolvimentos a nível da UE e das cidades Agenda Digital Pilotos CIP de Smart Cities Plano de acção Internet of Things Future Internet PPP (FP7) Source: Inovações Smart City Ecossistemas de inovação Aplicações interligadas em rede Infra-estruturas de serviços Tecnologia de Internet Energia Inteligente Desenvolviemento Sustentável Rede semântica Living Labs baseados nas cidades Redes de utilidade inteligente FP7-ICT projects Projectos FIRE Mobilidade inteligente Plataformas/Instalações FIRE Plataformas de E-Participação Sistemas de orquestração AKARI (JP) Cidadãos participativos Espaços de trabalho interligados Arquitectura de Future Internet GENI Metodologias Living Lab Saúde e bem-estar Parcerias regionais Redes de colaboração Integração de plataformas Enterprise-friendly infrastructures Plataformas comuns Virtualisação Redes federadas Instalações para trabalho colaborativo Instalações para experiências interligadas Apoio interoperacional Confiança, segurança e gestão de identidade Serviços e redes combináveis Tecnologias de acesso 15 Redes de sens

16

17 FROM SMART CITIES TO HUMAN SMART CITIES SMART CITY SERVICES DESIGN TESTING SCALING UP SUSTAINABILITY TOP-DOWN LOW CO-DESIGNED MEDIUM CO-DESIGNED AND CO-PRODUCED HUMAN SMART CITIES HIGH 17

18 O que é uma Human Smart City? Na Human Smart City a sua administração envolve os cidadãos estando aberta a ser envolvida por eles, através do co-design de inovação social e tecnológica, construindo neste processo uma relação de confiança e respeito.

19 Human Smart Cities Urban Living Labs São cidades que utilizam plataformas TIC para integrar novos conceitos e serviços destinados a melhorar o bem estar dos seus cidadãos. São cidades que usam open data e open governance para codesenharem e co-criarem soluções inovadoras com a participação dos seus cidadãos. São cidades que usam as TIC de forma inovadora para aumentar a eficiência dos serviços de: mobilidade, energia,saúde, educação, logística,ambiente, alimentos, água, resíduos, etc São cidades que se transformam através da criação de ecosistemas de inovação abertos onde o talento das empresas,das organizações de pesquisa,da administração pública, das fontes de financiamento e dos cidadãos co-criam riqueza de forma sustentada. 19

20 Modelo das Human Smart Cities 20

21 Human Smart Cities Infraestruturas Abertas Redes Proprietárias Redes Integradas Redes de Acesso Aberto 1 N Serviços Fornecedores de Serviços 1 Redes Independentes N Infraestrutura de rede Fornecedores de transmissão Fornecedores de acesso passivo à rede 21

22 Participação dos Cidadãos Serviços egov Cidadãos passivos Serviços Interativos Cidadãos Serviços Interativos Cidadãos Pro-ativos Serviços Fechados Serviços Públicos Serviços abertos, co-criados com cidadãos Dados de legado Dados fechados Dados abertos 22

23 Metodologias da Human Smart City Design Thinking Envolvimento da Comunidade Gamificação Human Smart City Tecnologias Urban Living Lab Políticas Pessoas

24 Ecossistema das Human Smart Cities 24

25 Alfamicro nos projectos de Smart Cities Apollon Save Energy FIREBALL CITADEL CitySDK PERIPHÈRIA MyNeighbourhood World Bank Projects

26 OKODE Mobicity Stop Map Helsinki Minun lähdöt ReittiGPS Helsinki Regional Transport Authority (HSL) data Open interfaces. Free, requires registration. Journey Planner, Timetables, Bus stop locations, Live vehicle data 26

27 Mobilidade 27

28 Urban Farming 28

29 Espaços Urbanos Abertos 29

30 Paris Ponto de encontro para crianças 30

31 Saúde e Bem-estar 31

32 Visão do Futuro Sistema de Saúde Finlandês 32

33 A Indústria de Regresso à Cidade 33

34 A indústria de regresso à Europa 34

35 Projetos LL e Human Smart Cities Dados e serviços Citadel CitySDK PERIPHÈRIA MyNeigh bourhood Dados sem estrutura X X Conjuntos estruturados de dados X X X X Padronização X X X X App Templates X X X Conjuntos de ferramentas X X X Gamification X Plataforma de Co-design X X Serviços implementados X X 35

36 Goals: 20% of Energy Savings Smart ICT Energy Efficiency model and platform Serious Game focused on Energy Efficiency at Public Spaces User behavior transformation Living Lab methodology Pilots committed to extend results beyond project completion European wide dissemination of results Policy Recommendations at Regional, National and European levels Save Energy Project

37 Piloto de Helsínquia Utilizadores: Professores e alunos Especialistas Técnicos Dados Históricos: Auditorias Energéticas Empresas Patrocinadoras Ideias e Propostas Plano de Acção Planeamento de Projecto Plano de Investimento Avaliação Avaliação Implementação dos Pilotos e Jogo S A V E Fonte: SAVE ENERGY Techinical Meeting Helsinki; Arne Gylling & Asko kippo E N E R G Y 13 de Novembro de

38 User Behaviour Transformation Methodology UBT Toolbox Contributions for eemeasure Flagship role of public buildings Average savings of 25% Energy Management System: 10% Behaviour Transformation: 15%

39 SAVE ENERGY - Resultados Piloto Savings Luleå 30% Escritórios Helsinki 27-74% Escola Leiden Lisbon 19% Aquecimento 27% Escritórios Conferencia Internacional Manchester 47% Iluminação Reunião no Parlamento Europeu

40 O PROJECTO PERIPHÈRIA: OBJECTIVO Implementar plataformas e serviços de Future Internet (FI) convergentes para promoção de estilos de vida sustentáveis em e ao longo de uma rede de cidades periféricas inteligentes e emergentes na Europa.

41 Malmö Bremen Athens Genoa Palmela CIDADES PARTICIPANTES Enquanto 75% da população Europeia vive em cidades e vilas com mais de habitantes, apenas 8% do total vive em grandes cidades abrangidas pelo EU s Urban Audit. Cidades Piloto Cidades em Network Helsinki Lisbon Rio de Janeiro Parceiro Estratégico World Bank Cidades Sponsor Budapest La-Ferté-Sous-Jarre Larnaca Malta Malaga Palermo Bassano del Grappa

42 ARENAS DE LIVING LAB Espaços urbanos onde as partes interessadas do Living Lab co-criam novos estilos de vida sustentáveis Smart Neighbourhood Smart Street Smart Square Smart Museum and Park Smart City Hall Smart Campus

43 PERIPHÈRIA SMART CITY Serviços Baseados na Localização Internet das Pessoas RFID Rede de sensores Internet das Coisas Pessoas em Lugares Interação comunitária Media e 3D Internet dos Serviços Networking Social Composição de Serviços

44 DESEJOS DOS CIDADÃOS SMART Ser ouvido Ser atraído (permanecer mais tempo na vizinhança ou grupo) Ser verde Ser empenhado (participar, por exemplo, com outros na tomada de decisão) Ser valorizado Estar seguro Ser tido em conta (identificar-se com/ sentir posse sobre, por exemplo, um lugar) Estar ciente (por exemplo: acções/impactos/benefícios) Estar em perspectiva (encarar opções possíveis/ futuras) Ser reflectido (por exemplo, nas divisões governamentais) Estar informado (aceder à informação, pessoas e serviços) Estar integrado (por exemplo com minorias étnicas ou religiosas) Ser diferente

45 PLATAFORMA PERIPHERIA

46 PERIPHÈRIA COOKBOOK 46

47 SUSTENTABILIDADE Local Governme nt Citizens & ICT Actors Arena Models Public and private (cofinancing) Prototyping, Validation, Testing & Evaluation Challenges Definition & Development, Service Piloting Principles and rules of Co- Design, Scenario Building & Transfer Challenge Platform Toybox Service Idea Cards Human Smart City Vision 47

48 PERIPHÈRIA: PLATAFORMA E VIDEOS 48

49 PERIPHÈRIA VIDEOS 49

50 LIÇÕES APRENDIDAS Os processos de co-criação de serviços requerem um enquadramento institucional para assegurar que o seu impacto persiste no tempo (Co-Sponsoring e Facilitação) O desenvolvimento de ecossistemas de inovação Living Lab requer uma monitorização constante para assegurar a convergência das actividades realizadas. Plataformas de serviços convergentes de Future Internet precisam de combinar as duas dimensões: a tecnológica e a social. O empenho de partes interessadas na co-criação de tecnologias de Future Internet deve providenciar uma motivação substancial e relevante e orientar o pontencial tecnológico para o contexto social e político. A remodelação ampla e ambiciosa da estrutura dos serviços de uma Smart City requer aborgagens top-down como bottom-up, com um papel-chave na avaliação dos impatos.

51 51

52 Visão O MyNeighbourhood usa novas tecnologias para ligar as pessoas, criar comunidades e tornar a cidade num lugar mais saudável, feliz e inteligente para viver. Comunidades virtuais de interesse comum encontram-se e interajem no mundo real. Na vizinhança do MyNeighbourhood os valor passados de conectividade socio-espacial são re-criados graças à abordagem LL mas também à ligação e uso das TICs existentes quando elas são devidamente apropriadas pelas pessoas. No MyNeighbourhood são criadas condições socio-digitais que permitem que facilitam e motivam a ligação próxima entre pessoas, os seus espaços de habitação e as suas preocupações materiais, sociais e ambientais. 52

53 Fases do MyNeighbourhood Fases Construir Delegar Escalar Social Desejos, Interesses e Necessidaes Soluções Transformação Tecnologia Gestão de Necessidades App Workshop Jogo Social Analytics Network Social Criar vizinhanças comunitárias que trabalham em conjunto para solucionar as necessidades locais Fornecer ferramentas de inovação e dados para as vizinhanças usarem na criação dos seus próprios serviços Promover o crescimento de novos serviços de locais e aumentar a escala para obter uma transformação social na cidade 53

54 My Neighbourhood, My World Piloto de Lisboa My Neighbourhood, My World 54

55 Connected Smart Cities Network O Connected Smart Cities Network foi lançado no ambito do projeto FIREBALL, financiado pelo programa FP7 da União Europeia, em Helsínquia no dia 18 de Novembro de As cidades fundadoras foram Amsterdão, Manchester, Lisboa, Barcelona e Helsínquia,hoje tem cerca de 70 cidades membro.estas cidades são ou foram parceiras em 20 Projetos do Programa Europeu CIP (Competitiveness and Innovation Programme) das Smart Cities. Estabelece um mecanismo de colaboração através do qual a rede de Smart Cities espalhada pela Europa se empenha numa colaboração a longo prazo para adoptar User Driven Open Innovation para explorar as oportunidades da Future Internet e apoiar a inovação nas cidades, a fim de se preparem para enfrentar os principais desafios sociais que surgem na Europa, como mobilidade sustentável, mudanças climáticas, segurança energética ou envelhecimento da população. 55

56 European Smart Cities Network 27 Cidades 16 Países 56

57 Manifesto das Human Smart Cities Only by working in partnership can the Human Smart Cities vision be achieved. The PERIPHÉRIA partners want to make their experience and the Human Smart Cities perspective that emerged from it become the beginning of an international network for collaboration among cities willing to co-experience citizen-driven innovation. We therefore call on Mayors and city governments to constitute the backbone of this network, as only through deep political commitment will it be possible to have an impact in and across innovation communities. This is the purpose of the Human Smart Cities Manifesto where representatives of participating cities join forces to share and carry forward the Human Smart Cities vision. 57

58 Manifesto das Human Smart Cities Lançado em Roma no dia 29 de Maio de Primeira reunião de cidades-signatárias em Outubro de 2013 em Bolonha na Conferência e Exposição dedicada às Smart Cities. Segunda reunião no Brasil em Novembro de 2013 na Conferência Human Smart Cities a organizar pelo ÁgoraLab. 58

59 Conclusões Human Smart Cities são eco-sistemas dinâmicos de inovação aberta onde a criatividade, o conhecimento, a co-criação e a partilha, florescem naturalmente estimuladas e apoiadas por políticas de inovação aberta. Human Smart Cities Network - agindo como "drivers" e "enablers" de inovação aberta conduzida pelos utilizadores, irá ser a plataforma das transformações sociais do futuro baseadas em ecossistemas urbanos de inovação. Tecnologias de Future Internet e metodologias de participação colaborativa Living Labs e Inovação Social são os ingredientes do eco-sistema do Living Lab urbano que transformará a cidade atual na HUMAN SMART CITY onde a cultura de co-design e co-criação estimula a participação e colaboração ativa dos cidadãos reforçando emocionalmente o sentimento de pertença, de identidade e bem-estar de uma SOCIEDADE MELHOR E MAIS FELIZ. 59

60 Obrigado Álvaro de Oliveira Telefone: Skype: alvaroduarteoliveira Twitter: ENoLL European Network of Living Labs 60

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Proposta de funcionamento e objectivos do Grupo Trabalho Oportunidades Projectos e propostas LNEC 30 Maio 2013 Grupos

Leia mais

CIDADES INTELIGENTES DIREITO DA ENERGIA RITA NORTE

CIDADES INTELIGENTES DIREITO DA ENERGIA RITA NORTE CIDADES INTELIGENTES DIREITO DA ENERGIA RITA NORTE CIDADES INTELIGENTES NOTAS INTRODUTÓRIAS As cidades - espaços de oportunidades, desafios e problemas Diagnóstico dos espaços urbanos: Transformação demográfica

Leia mais

Smart Cities em Portugal: Uma realidade emergente

Smart Cities em Portugal: Uma realidade emergente Smart Cities em Portugal: Uma realidade emergente Agenda Digital Local Formação Smart Cities 29 de Outubro de 2013 estrutura da apresentação Conceito de Smart City para além da tecnologia Smart Cities

Leia mais

Soluções para SMART CITIES. Nuno Alves

Soluções para SMART CITIES. Nuno Alves Soluções para SMART CITIES Nuno Alves Agenda Contexto Organizacional Conceito e Objetivos Intergraph Smart Cities 12/7/2014 2014 Intergraph Corporation 2 Intergraph Corporation Intergraph Intergraph helps

Leia mais

Programas Europeus. 09 de Julho de 2010 Salão Nobre. Eurodeputada Parlamento Europeu

Programas Europeus. 09 de Julho de 2010 Salão Nobre. Eurodeputada Parlamento Europeu Programas Europeus de Ciência e Inovação 09 de Julho de 2010 Nobre do Instituto Superior Técnico, Lisboa Salão Nobre Maria da Graça Carvalho Eurodeputada Parlamento Europeu ESTRATÉGIA EU2020 CIÊNCIA E

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013 Política de Responsabilidade Corporativa Março 2013 Ao serviço do cliente Dedicamos os nossos esforços a conhecer e satisfazer as necessidades dos nossos clientes. Queremos ter a capacidade de dar uma

Leia mais

Smart Cities Benchmark Portugal 2015

Smart Cities Benchmark Portugal 2015 Smart Cities Benchmark Portugal 2015 Agenda Introdução & Objetivos Metodologia Cronograma 2 Um Novo Paradigma Tecnológico 40% 25% 3 3 Introdução & Objetivos Mais de 50% da população do mundo vive hoje

Leia mais

- Um caso de sucesso de empreendedorismo social -

- Um caso de sucesso de empreendedorismo social - - Um caso de sucesso de empreendedorismo social - 9 de Junho de 009 . O empreendedorismo social 0 O empreendedorismo social O que resultaria da fusão do sentido criativo e empreendedor de Richard Branson

Leia mais

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo With the support of the European Commission and the Belgian Presidency of the European Union Porquê Enterprise 2020? Os desafios económicos, sociais e

Leia mais

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe Iniciativa PE2020 A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos António Manzoni/Vilar Filipe Novembro 2013 Projeto Engenharia 2020 Preocupações macroeconómicas Papel da engenharia na

Leia mais

Oportunidades de Financiamento no âmbito do tema ICT: Programa de Trabalho 2013. Elisabete Pires Ponto de Contacto Nacional do tema ICT

Oportunidades de Financiamento no âmbito do tema ICT: Programa de Trabalho 2013. Elisabete Pires Ponto de Contacto Nacional do tema ICT Oportunidades de Financiamento no âmbito do tema ICT: Programa de Trabalho 2013 Elisabete Pires Ponto de Contacto Nacional do tema ICT Gabinete de Promoção do 7º Programa-Quadro de IDT Fundação da Ciência

Leia mais

Workshop Internet das Coisas

Workshop Internet das Coisas 58o. Painel TELEBRASIL Workshop Internet das Coisas Margarida Baptista BNDES Seminário IoT BNDES Visões e Perspectivas Tecnologias Habilitadoras Estratégias e Políticas de Governo Aplicações Manufatura,

Leia mais

Às sextas na Cidade. Águeda, empresas e mobilidade urbana : Um desafio local e uma oportunidade global

Às sextas na Cidade. Águeda, empresas e mobilidade urbana : Um desafio local e uma oportunidade global Às sextas na Cidade Águeda, empresas e mobilidade urbana : Um desafio local e uma oportunidade global Índice Como pode o sector empresarial de Águeda assumir a dianteira da inovação no domínio da mobilidade

Leia mais

Contexto. Smart Cities Benchmark Portugal 2015 13-03-2015 80% Mais de 50% da população do mundo vive hoje em zonas urbanas (34% em 1960).

Contexto. Smart Cities Benchmark Portugal 2015 13-03-2015 80% Mais de 50% da população do mundo vive hoje em zonas urbanas (34% em 1960). Smart Cities Benchmark Portugal 2015 Contexto Mais de 50% da população do mundo vive hoje em zonas urbanas (34% em 1960). 1 Mais de 80% da populção da Europa Ocidental irá viver em zonas em 2020. 2 80%

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA 1. ENQUADRAMENTO Nos últimos 3 anos e meio a Câmara Municipal de Lisboa vem desenvolvendo uma estratégia para a valorização económica da cidade e captação de investimento (http://www.cm-lisboa.pt/investir)

Leia mais

Smart Cities Portugal

Smart Cities Portugal Smart Cities Portugal A rede Smart Cities Portugal tem por objetivo promover o trabalho em rede numa lógica inter-cluster, para o desenvolvimento e produção de soluções urbanas inovadoras para smart cities,

Leia mais

O Relatório de Sustentabilidade e os seus benefícios na EDP. Porto, 5 de Junho de 2009

O Relatório de Sustentabilidade e os seus benefícios na EDP. Porto, 5 de Junho de 2009 O Relatório de Sustentabilidade e os seus benefícios na EDP Porto, 5 de Junho de 2009 Agenda 1. EDP 2. Motivações e Desafios 3. Reconhecimentos 4. Próximos Passos 20090605 Benefícios do RS na EDP Direcção

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações

II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações O Futuro é hoje: visões e atitudes para um Portugal sustentável Introdução 1.Sustentabilidade e Responsabilidade Social; 2. O Desenvolvimento Sustentável;

Leia mais

Programa Quadro para a Competitividade e Inovação. Programa de Apoio às Políticas das Tecnologias da Informação e da Comunicação (CIP ICT PSP)

Programa Quadro para a Competitividade e Inovação. Programa de Apoio às Políticas das Tecnologias da Informação e da Comunicação (CIP ICT PSP) Programa Quadro para a Competitividade e Inovação Programa de Apoio às Políticas das Tecnologias da Informação e da Comunicação (CIP ICT PSP) Elisabete Pires Ponto de Contacto Nacional CIP ICT PSP, ICT,

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

A União Europeia e o apoio às Empresas. Margarida Marques, Chefe da Representação da Comissão Europeia em Portugal

A União Europeia e o apoio às Empresas. Margarida Marques, Chefe da Representação da Comissão Europeia em Portugal A União Europeia e o apoio às Empresas Margarida Marques, Chefe da Representação da Comissão Europeia em Portugal Abril 2010 Programa-Quadro para a Competitividade e a Inovação (CIP) Programa-Quadro para

Leia mais

INTERNATIONAL ENERGY AGENCY

INTERNATIONAL ENERGY AGENCY INTERNATIONAL ENERGY AGENCY Sessão Plenária Final 29 de Maio 16h05 17h15 Roteiro Local para as Alterações Climáticas Moderador: Artur Trindade, Associação Nacional de Municípios Portugueses O contributo

Leia mais

Os Sistemas Inteligentes na Europa: Enquadramento e Evolução Prevista no Período 2007-2013

Os Sistemas Inteligentes na Europa: Enquadramento e Evolução Prevista no Período 2007-2013 Os Sistemas Inteligentes na Europa: Enquadramento e Evolução Prevista no Período 2007-2013 COLÓQUIO APCAP 2008 Sistemas e Serviços Inteligentes na Rede Concessionada Rui Camolino 19Jun08 Agenda Plano de

Leia mais

Urban Analytics AcceleratingtheDevelopmentofSmartCitiesinPortugal

Urban Analytics AcceleratingtheDevelopmentofSmartCitiesinPortugal Urban Analytics AcceleratingtheDevelopmentofSmartCitiesinPortugal Iniciativa do Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia Promoção da Direção Geral do Território com a colaboração das

Leia mais

As Comunidades de Prática (CoPs) ao Serviço da Organização

As Comunidades de Prática (CoPs) ao Serviço da Organização Sandra Paula da Silva Maia Pacheco de Oliveira Gestão de Pequenas e Médias Empresas As Comunidades de Prática (CoPs) ao Serviço da Organização - O Caso Siemens AG - Orientador Professor Doutor Luís Manuel

Leia mais

APOIO NA IMPLEMENTAÇÃO, GESTÃO E DINAMIZAÇÃO DO ÁGUEDA LIVING LAB (ALL) D2. Documento de suporte às reuniões de auscultação com parceiros

APOIO NA IMPLEMENTAÇÃO, GESTÃO E DINAMIZAÇÃO DO ÁGUEDA LIVING LAB (ALL) D2. Documento de suporte às reuniões de auscultação com parceiros APOIO NA IMPLEMENTAÇÃO, GESTÃO E DINAMIZAÇÃO DO ÁGUEDA LIVING LAB (ALL) D2. Documento de suporte às reuniões de auscultação com parceiros Junho 2011 Índice INOVAÇÃO ABERTA Enquadramento Objectivos Vantagens

Leia mais

O que é HORIZONTE 2020?

O que é HORIZONTE 2020? O que é HORIZONTE 2020? Maior Programa Mundial para financiamento da Pesquisa e Inovação 80 bilhões (2014-2020) Responder a crise econômica através de investimentos em empregos, crescimento e inovação

Leia mais

Horizonte 2020. Pilar II Liderança Industrial Tecnologias da Informação e Comunicação (ICT)

Horizonte 2020. Pilar II Liderança Industrial Tecnologias da Informação e Comunicação (ICT) Horizonte 2020 Pilar II Liderança Industrial Tecnologias da Informação e Comunicação (ICT) Filipa Duarte Elisabete Pires Pontos de Contacto Nacional de ICT & FET TIC no Horizonte 2020 Liderança Industrial

Leia mais

Case study. Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA ENVOLVIMENTO

Case study. Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA ENVOLVIMENTO Case study 2010 Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA A Inspira, uma joint-venture formalizada em 2006 entre o grupo Blandy, com sede na Madeira e larga experiência

Leia mais

Smart Cities Portugal: Uma parceria para a inovação

Smart Cities Portugal: Uma parceria para a inovação Smart Cities Portugal: Uma parceria para a inovação Conferência Cidades Sustentáveis 2020 Lisboa, 11 de Julho de 2013 estrutura da apresentação Smart Cities no mundo um mercado em crescimento Smart Cities

Leia mais

Advisory Human Capital & Tax Services Family Business. Pensar a Família, Pensar o Negócio

Advisory Human Capital & Tax Services Family Business. Pensar a Família, Pensar o Negócio Advisory Human Capital & Tax Services Family Business Pensar a Família, Pensar o Negócio Realidade das Empresas Familiares Na PricewaterhouseCoopers há muito que reconhecemos nas empresas familiares um

Leia mais

Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria da Informação e Tecnologia

Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria da Informação e Tecnologia Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria da Informação e Tecnologia A Governança de TIC na Cidade de Curitiba TIC nos governos PROs, 50 anos Até 1998 CPD do IPPUC Uma OS Instituto Curitiba de Informática

Leia mais

Esta sessão explora o papel das TIC (parte do problema ou da solução?), debatendo, nomeadamente, as seguintes questões:

Esta sessão explora o papel das TIC (parte do problema ou da solução?), debatendo, nomeadamente, as seguintes questões: CONGRESSO DAS COMUNICAÇÕES 08 - TIC E ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS - 11 NOVEMBRO 09H00 10H30 ABERTURA OFICIAL DO CONGRESSO ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E O FUTURO Segundo o Relatório Stern, caso nada seja feito, os

Leia mais

MAIS PRÓXIMO DA COMUNIDADE

MAIS PRÓXIMO DA COMUNIDADE MAIS PRÓXIMO DA COMUNIDADE RESPONSABILIDADE SOCIAL Com vista a promover uma cultura de responsabilidade social, o Millennium bcp tem procurado desenvolver um conjunto de acções junto dos vários grupos

Leia mais

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Rita Almeida Dias 18 Setembro de 2012 2012 Sustentare Todos os direitos reservados Anterior Próximo www.sustentare.pt

Leia mais

Enquadramento com as políticas de Ecoinovação. Clara Lopes, 8 Maio 2012, Lisboa

Enquadramento com as políticas de Ecoinovação. Clara Lopes, 8 Maio 2012, Lisboa Enquadramento com as políticas de Ecoinovação Clara Lopes, 8 Maio 2012, Lisboa Organização da apresentação Políticas de Eco-Inovação EcoAP Plano de Acção em Eco-Inovação Fundos para Eco-Inovação Parceria

Leia mais

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade O Futuro da Política Europeia de Coesão Inovação, Coesão e Competitividade 20 de Abril de 2009 António Bob Santos Gabinete do Coordenador Nacional da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico Desafios

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

INTELI Centro de Inovação (PT)

INTELI Centro de Inovação (PT) INTELI Centro de Inovação (PT) CLUSTERS CRIATIVOS Criatividade para a Regeneração Urbana X Fórum Internacional de Inovação e Criatividade Aracaju, 20 Novembro 2010 Estrutura da Apresentação 1. Clusters

Leia mais

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural: Experiências de Sucesso em Portugal e na Europa Castro Verde - 06 de Março 2013 Joaquim

Leia mais

VISÃO. Lisboa uma cidade competitiva e participativa para os cidadãos

VISÃO. Lisboa uma cidade competitiva e participativa para os cidadãos LISBOA julho. 2013 Lisboa uma cidade competitiva e participativa para os cidadãos Globalização Internacionalização Participação Co-Criação PORTAL DA PARTICIPAÇÃO Portal da Participação ORÇAMENTO PARTICIPATIVO

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

A DGAE e a Política de Inovação

A DGAE e a Política de Inovação A DGAE e a Política de Inovação Seminário A Criatividade e a Inovação como Factores de Competitividade e Desenvolvimento Sustentável APOCEEP, 9 de Julho de 2009 José António Feu Director do Serviço para

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Cidadãos do Amanhã Empreendedorismo Jovem. Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020»

Cidadãos do Amanhã Empreendedorismo Jovem. Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020» Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020» 29.Abril.2014 Idanha-a-Nova DUECEIRA GAL/ELOZ. Entre serra da LOusã e Zêzere Histórico > projecto cooperação

Leia mais

8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA. Novos Mercados Encontro de Sectores INSCREVA-SE JÁ. Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS. www.expoenergia2011.about.

8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA. Novos Mercados Encontro de Sectores INSCREVA-SE JÁ. Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS. www.expoenergia2011.about. 8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA Centro de Congressos Univ. Católica Novos Mercados Encontro de Sectores Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS ORGANIZAÇÃO PARCEIRO PATROCÍNIO INSCREVA-SE JÁ www.expoenergia2011.about.pt

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

3ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Confiança e Compromisso nos Canais Digitais

3ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Confiança e Compromisso nos Canais Digitais 3ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Confiança e Compromisso nos Canais Digitais 29 de setembro de 2014 Auditório da BMAG Apoio Patrocinadores Globais APDSI Internet, Negócio e Redes Sociais

Leia mais

Exmo. Presidente do município da Murtosa, Joaquim Santos Baptista; - na sua pessoa uma saudação aos eleitos presentes e a esta hospitaleira terra!

Exmo. Presidente do município da Murtosa, Joaquim Santos Baptista; - na sua pessoa uma saudação aos eleitos presentes e a esta hospitaleira terra! Exmo. Presidente do município da Murtosa, Joaquim Santos Baptista; - na sua pessoa uma saudação aos eleitos presentes e a esta hospitaleira terra! 1 Exmo. Diretor-Geral da Educação, em representação do

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

Acelerar o desenvolvimento das cidades inteligentes em Portugal. Concurso Cidades Analíticas 2015 Urban Analytics Award 2015

Acelerar o desenvolvimento das cidades inteligentes em Portugal. Concurso Cidades Analíticas 2015 Urban Analytics Award 2015 Cidades Analíticas Acelerar o desenvolvimento das cidades inteligentes em Portugal Concurso Cidades Analíticas 2015 Urban Analytics Award 2015 Apresentação da candidatura: Candidato Luis Maia Oliveira

Leia mais

Adapte. Envolva. Capacite.

Adapte. Envolva. Capacite. Adapte. Envolva. Capacite. Ganhe produtividade em um Ambiente de trabalho digital #DigitalMeetsWork Os benefícios de um ambiente de trabalho digital têm impacto na competitividade do negócio. Empresas

Leia mais

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio:

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Mudança de paradigma energético em Portugal, com um implícito Desenvolvimento Sustentável suportado no seu crescimento económico, justiça

Leia mais

Internet of Things e a Telefonica Vivo

Internet of Things e a Telefonica Vivo Internet of Things e a Telefonica Vivo Seminário Internacional BNDES 2014 Internet das Coisas: Oportunidades e Perspectivas da Nova Revolução Digital para o Brasil Antonio Carlos Valente Presidente da

Leia mais

Projeto AAL4ALL. Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL. Projeto âncora do AAL4ALL AAL4ALL

Projeto AAL4ALL. Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL. Projeto âncora do AAL4ALL AAL4ALL Projeto AAL4ALL Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL 2 Sumário Mudança demográfica em Portugal Ambient Assisted Living (AAL) Porque é necessário? Quais as áreas de aplicação? Quais são os desafios?

Leia mais

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA Pretoria Africa du Sul Conteúdo 1. Apresentação da FOJASSIDA 2. Introdução 3. Diferentes formas de parcerias

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa Maio 2013 PE2020 O papel da Engenharia como fator de competitividade Iniciativa Agenda 1. Apresentação da Proforum e do PE2020 como plataforma colaborativa relevante e integradora 2. Contributo do PE2020

Leia mais

Identificação e caracterização de iniciativas brasileiras de inovação aberta e centrada no usuário.

Identificação e caracterização de iniciativas brasileiras de inovação aberta e centrada no usuário. Identificação e caracterização de iniciativas brasileiras de inovação aberta e centrada no usuário. Identificação: Grande área do CNPq.:. Área do CNPq: Título do Projeto: Mapeamento e avaliação de iniciativas

Leia mais

Descarbonizar a economia Competitividade Desenvolvimento sustentável

Descarbonizar a economia Competitividade Desenvolvimento sustentável Descarbonizar a economia Competitividade Desenvolvimento sustentável O BCSD Portugal Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável é uma associação sem fins lucrativos, de utilidade pública,

Leia mais

Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012

Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012 Iniciativa JESSICA Financiamento de Projectos Sustentáveis de Reabilitação Urbana Perspectivas para o Período 2014-2020 de Programação dos Fundos Comunitários Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012 JESSICA (Joint

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

Criando Processos de Negócio com Sucesso

Criando Processos de Negócio com Sucesso Criando de Negócio com Sucesso Professor Michael Rosemann, PhD, MBA Roger Tregear, Leonardo Consulting Business Process Management Group Disciplina de Sistemas da Informação Faculdade de Ciência e Tecnologa

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

Promoção da energia fotovoltaica (PV) através da otimização da monitorização. Newsletter 3

Promoção da energia fotovoltaica (PV) através da otimização da monitorização. Newsletter 3 Promoção da energia fotovoltaica (PV) através da otimização da monitorização Newsletter 3 Setembro 2014 Introdução O Projeto Promoção da energia fotovoltaica (PV) através da otimização da monitorização

Leia mais

CONFERIR UM NOVO SENTIDO À CIDADE

CONFERIR UM NOVO SENTIDO À CIDADE SMART CITY CONFERIR UM NOVO SENTIDO À CIDADE spie, uma ambição partilhada SMART CITY SMART CITY Mudar a cidade para mudar a vida Após passar pelo quiosque de controlo e pagamento, Paula recarrega o automóvel

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Social

Programa de Desenvolvimento Social Programa de Desenvolvimento Social Introdução A Portucel Moçambique assumiu um compromisso com o governo moçambicano de investir 40 milhões de dólares norte-americanos para a melhoria das condições de

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

Vereadora Corália Loureiro. Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis

Vereadora Corália Loureiro. Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis Poder Local e Cidades d Saudáveis Vereadora Corália Loureiro Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis II Simpósio Internacional de Saúde Ambiental e a Construção de Cidades Saudáveis - IGOT - UL 6 Dezembro

Leia mais

Banda Larga e TICs para sociedades inteligentes, inclusivas e sustentáveis. RIO+ 20 Leila Loria

Banda Larga e TICs para sociedades inteligentes, inclusivas e sustentáveis. RIO+ 20 Leila Loria Banda Larga e TICs para sociedades inteligentes, inclusivas e sustentáveis RIO+ 20 Leila Loria 19.06.2012 Há pelo menos 20 anos se discute o desenvolvimento sustentável e seus 3 pilares interdependentes

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

Desafio Societal 3 Energia segura, não poluente e eficiente

Desafio Societal 3 Energia segura, não poluente e eficiente Desafio Societal 3 Energia segura, não poluente e eficiente Ana Raposo ana.raposo@fct.pt Ponto de Contacto Nacional Eunice Ribeiro eunice.ribeiro@fct.pt Ponto de Contacto Nacional Programa de Trabalhos

Leia mais

Desafios e oportunidades da IoT no Brasil

Desafios e oportunidades da IoT no Brasil www.iotbrasil.com.br GUGST - Reunião de 14 de abril de 2015 Desafios e oportunidades da IoT no Brasil Desafios e oportunidades da IoT no Brasil Gabriel Antonio Marão Agenda 1 2 3 4 FÓRUM BRASILEIRO DE

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais TECNOFIL Workshop Municípios e Certificação Energética de Edifícios Lisboa, 18 Junho 2009 Objectivos A Agência Cascais Energia é

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1 APRESENTAÇÃO www.get-pt.com 1 -2- CULTURA GET -1- A nossa Visão Acreditamos que o elemento crítico para a obtenção de resultados superiores são as Pessoas. A nossa Missão A nossa missão é ajudar a melhorar

Leia mais

LINHAS TEMÁTICAS. EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil. Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas

LINHAS TEMÁTICAS. EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil. Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas (Anexo IV) LINHAS TEMÁTICAS EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas Metodologia, blocos e ferramentas específicas de projeto que

Leia mais

SCORE INNOVATION Corporate Profile Luanda Maputo, 1 de Novembro 2012

SCORE INNOVATION Corporate Profile Luanda Maputo, 1 de Novembro 2012 New Standards for Business SCORE INNOVATION Corporate Profile Luanda Maputo, 1 de Novembro 2012 Quem Somos A SCORE INNOVATION é uma empresa que tem como objecto social a prestação de serviços em consultoria,

Leia mais

COSME - Programa Europeu para a competitividade das empresas e das PME

COSME - Programa Europeu para a competitividade das empresas e das PME COSME - Programa Europeu para a competitividade das empresas e das PME ENTERPRISE EUROPE NETWORK - PORTUGAL Escola Superior Agrária de Ponte do Lima, 17 de Julho de 2014 European Commission Enterprise

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA ACQUALIVEEXPO Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA Lisboa, 22 de Março de 2012 1 1. Introdução A diplomacia económica é um

Leia mais

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos (Fase 2) António Manzoni/Vilar Filipe

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos (Fase 2) António Manzoni/Vilar Filipe Iniciativa PE2020 A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos (Fase 2) António Manzoni/Vilar Filipe Novembro 2013 Projetos Colaborativos O PE2020 trata-se de uma iniciativa bottom

Leia mais

Serviços Transformadores e Design de Transformação

Serviços Transformadores e Design de Transformação Serviços Transformadores e Design de Transformação Daniela Sangiorgi Apresentação por Larissa Mariany Freiberger Pereira Introdução Service Design como facilitador de mudanças dentro de organizações e

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL INTEGRADO POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE durante o período de programação 2014-2020

Leia mais

Modelling of Policies and Practices for Social Inclusion of People with Disabilities in Portugal

Modelling of Policies and Practices for Social Inclusion of People with Disabilities in Portugal 4/6 Modelling of Policies and Practices for Social Inclusion of People with Disabilities in Portugal Design of a governance model for the implementation of a National Disability Strategy in Portugal 27-28

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação (ICT)

Tecnologias da Informação e Comunicação (ICT) Gabinete de Promoção dos Programa Quadro ID&I Tecnologias da Informação e Comunicação (ICT) João Mil-Homens Castelo Branco 28/01/2015 Liderança em Tecnologias Facilitadoras e Industriais (LEIT) NMP+B TIC

Leia mais

MANUAL DE SUPORTE À IMPLEMENTAÇÃO DA METODOLOGIA SOCIAL HUB FUNDAÇÃO EDP. Manual de suporte à implementação da metodologia

MANUAL DE SUPORTE À IMPLEMENTAÇÃO DA METODOLOGIA SOCIAL HUB FUNDAÇÃO EDP. Manual de suporte à implementação da metodologia SOCIAL HUB FUNDAÇÃO EDP Manual de suporte à implementação da metodologia 1 SOCIAL HUB FUNDAÇÃO EDP Manual de suporte à implementação da metodologia FICHA TÉCNICA Identificação do Projeto: Social Hub Fundação

Leia mais

cidade escola cidadão O projeto trabalha no núcleo destas três esferas promovendo trocas entre elas

cidade escola cidadão O projeto trabalha no núcleo destas três esferas promovendo trocas entre elas cidade escola cidadão O projeto trabalha no núcleo destas três esferas promovendo trocas entre elas escola teoria prática cidadania hierarquia inclusão exclusão social cooperação competição Observamos

Leia mais

Certificação da Qualidade numa Empresa a nível Nacional

Certificação da Qualidade numa Empresa a nível Nacional Certificação da Qualidade numa Empresa a nível Nacional Quem somos Origem, posição actual Actividade iniciada em 1952. O prestígio de meio século de presença no mercado, A Qualidade dos produtos que comercializa

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

A Região Norte NUT III como valor acrescentado para o desenvolvimento digital da região e o potencial do Porto como Smart city

A Região Norte NUT III como valor acrescentado para o desenvolvimento digital da região e o potencial do Porto como Smart city A Região Norte NUT III como valor acrescentado para o desenvolvimento digital da região e o potencial do Porto como Smart city Amaro Correia, 19492@ufp.edu.pt Doutoramento em Ciências da Informação, SiTeGI,

Leia mais

A Cidade Cognitiva. Antonio Pires Santos 1

A Cidade Cognitiva. Antonio Pires Santos 1 A Cidade Cognitiva Antonio Pires Santos 1 1 Vivemos num planeta mais inteligente INSTRUMENTADO INTERCONECTADO INTELIGENTE Sensores e outros instrumentos digitais estão a ser incorporados em cada objeto,

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A Gestão da Inovação Proposta de Utilização do Guia de Boas Práticas de IDI e das ferramentas desenvolvidas no âmbito da iniciativa DSIE da COTEC para o desenvolvimento do sistema

Leia mais

Seminário Mercado Liberalizado de Energia

Seminário Mercado Liberalizado de Energia Seminário Mercado Liberalizado de Energia A EDP Comercial no Mercado Liberalizado Carlos Neto Lisboa, 26 de Outubro de 2012 As cadeias de valor da electricidade e do gás têm grandes semelhanças A convergência

Leia mais

7º Programa-Quadro de I&DT (2007-2013)

7º Programa-Quadro de I&DT (2007-2013) 7º Programa Quadro Tema ENERGIA O 7ºPrograma Quadro e o PPQ Eduardo Maldonado Coordenador dos Pontos de Contacto Nacionais 7º Programa-Quadro de I&DT (2007-2013) Promoção da carreira de investigação e

Leia mais