APRENDER A CUIDAR: Consonâncias e dissonâncias de um binómio desafiante.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APRENDER A CUIDAR: Consonâncias e dissonâncias de um binómio desafiante."

Transcrição

1 APRENDER A CUIDAR: Consonâncias e dissonâncias de um binómio desafiante. Arminda Costa Nota Introdutória Quando nos colocamos na perspectiva do cuidar, o desafio que é lançado aos formadores não é o de esculpir cérebros bem moldados, mas o de contribuir para a plasticidade destes cérebros, para a sua permeabilidade, a fim de lhes permitir uma abertura constante às coisas da vida, à singularidade dos outros. (Hesbeen, 2000, p. 67) Num mundo em crise de consensos e valores, reflectir sobre aspectos e perspectivas, que no ensino de Enfermagem se apresentam como problemáticos, designadamente sobre aprender a cuidar, é a preocupação que preside à elaboração deste trabalho. O ensino de enfermagem atravessou e continua a atravessar um conjunto de situações e problemas sobre os quais importa reflectir. A esta problemática está subjacente o facto de, embora existindo a clarificação global do modelo de formação académica dos enfermeiros face ao processo de Bolonha (pelo menos na cabeça de alguns!!!), tal como acontece com outras profissões que integram as equipes de saúde, subsistem áreas nebulosas no delineamento do processo de formação e de interligação profissão/formação, o que tem dificultado e atrasado a sistematização dos conceitos em que assenta a prática profissional, bem como o protelamento de uma afirmação social que, tem estado mais circunscrita ao interior de profissão, com dificuldade em ultrassar os muros da mesma. Quando me convidaram para a redacção deste artigo, logo percebi que este era o debate de eleição, pela sua pertinência, pela sua actualidade e pela transversalidade que o mesmo tem nas problemáticas do desenvolvimento da educação em enfermagem. Edgar Morin refere que os homens fazem a história que os faz, e a história faz os homens que a fazem. Não iremos conseguir fazer justiça nem aos homens nem à história. Iremos dar o nosso humilde contributo para um debate que nos tem apaixonado ao longo dos últimos tempos. Conceitos chave Enfermagem, Formação, Globalização, Cuidar

2 Cuidar: as mudanças a que temos assistido... que significados? A Enfermagem, tal como as outras profissões, tem sofrido nos últimos anos, talvez nos últimos 50 anos de um modo mais acentuado, profundas mudanças na sua estrutura e no seu significado social. O desenvolvimento das ciências biomédicas, as profundas alterações demográficas, económicas e culturais, a diversificação do perfil de respostas suscitado por novas problemáticas de saúde, a procura de territórios específicos das profissões, a emergência de novas profissões, o debate social sobre as fronteiras das profissões, a evolução do conhecimento de e sobre a enfermagem e os enfermeiros...têm determinado novas concepções de enfermagem, grande parte delas girando em torno de um conceito essencial: O CUIDAR! Conceito este que, pela sua polissemia, não é específico nem exclusivo da profissão de Enfermagem. O cuidar é tão antigo como a humanidade, tem a sua génese, para os cristãos, na metáfora da criação do homem: Deus criou-os homem e mulher para que se cuidem...sejam eles quem forem: pais, mães, filhos, grandes, pequenos, novos velhos, sábios ou ignorantes... É neste trilho criativo que, naturalmente, o ser humano iniciou a sua função de suporte e protecção das espécies vivas e mais especificamente, da espécie humana. Foi neste trilho, nem sempre rectilíneo, que cuidar já foi instinto, já foi vocação e hoje é assumido como profissão. A enfermagem insere-se no leque das profissões do cuidar. De há umas décadas a esta parte, tal como referem numerosos autores, o cuidar invadiu insidiosamente a profissão de enfermagem: primeiro pela mão das mulheres - mães, depois pela mão das mulheres de virtude, mais tarde por profissionais, mão de obra qualificada e dignificada pelo estatuto profissional que progressivamente foi adquirindo, no qual o desenvolvimento do percurso académico tem um papel importante. Neste processo de desenvolvimento, passaram a incluir o património do vocabulário profissional, palavras como: holístico, global, globalizante, cuidado personalizado, humanizado, reflexão,..; Acredita-se que os novos termos, mais actualizados, responderão à tentativa de diferenciar os cuidados de enfermagem de outros prestados por outros profissionais e serão, por isso, potenciadores do domínio independente e autónomo da enfermagem, e clarificadores dos domínios interdependente e dependente. Acredita-se também que os novos termos, porque fruto de estudos e de desenvolvimentos académicos, transportam a capacidade de desvendar soluções mais pertinentes, duradoiras e coerentes para o desenvolvimento da disciplina e da profissão. O cuidar em enfermagem é uma construção central tanto ao estudo e desenvolvimento da enfermagem como ciência humana como ao aprofundamento das ciências da educação enquanto explicação dos factos educativos relacionados com a pedagogia em enfermagem. Vejamos esta constatação nos definitórios profissionais: - Enfermeiro: é um profissional habilitado com o curso de enfermagem legalmente reconhecido, a quem foi atribuído um título profissional que lhe reconhece competência científica, técnica e humana para a prestação de cuidados de enfermagem gerais ao indivíduo, família, grupos e comunidade, aos níveis da prevenção primária, secundária e terciária; - Cuidados: são as intervenções autónomas ou interdependentes a realizar pelo enfermeiro no âmbito das suas qualificações profissionais. Os cuidados têm como característica: terem por fundamento a interacção entre o enfermeiro e o utente, família, grupos e comunidade; estabelecerem relação de ajuda com o utente; utilizarem

3 metodologia científica; incluírem, de acordo com os graus de dependência do utente, formas de actuação (Ordem dos Enfermeiros, 1998). A investigação que temos realizado (centrada sobretudo no cuidado de enfermagem às pessoas idosas) e a de outros investigadores, designadamente Abreu (2001) Amendoeira (2006) e Fernandes (2006) entre outros, permitem-nos considerar que: - o cuidado é um processo interactivo através do qual o enfermeiro e o utilizador dos cuidados ou seu próximo (familiar, cuidador ), se ajudam mutuamente (segundo as suas capacidades) no desenvolvimento, na actualização e na transformação mútuas, tendo como fim último: a acção de cuidar em si, a mudança de situação de saúde, a aquisição de competências, o conforto e bem estar da pessoa e ainda o morrer serenamente; - o cuidado de enfermagem, só o é verdadeiramente e só se alcança pela abertura íntima de um ao outro (o eu e o alter; o cuidado e o cuidador) pela determinação consciente de partilhar técnicas, ideias, conhecimentos e, incondicionalmente, emoções, construções, sentimentos e vivências; - o cuidado é o movimento quase eterno de devolver ao ser humano a sua dignidade. A acção de cuidar, como ciência humana, tem sentido em e por si mesma, não se caracterizando pela sua instrumentalidade. Partilhamos, em parte, a opinião de Paterson e Zderad sobre os elementos do cuidado: - encontro (o ser e a actualização); - entre pessoas (enfermeiro e utilizador dos cuidados); - numa transacção intersubjectiva (estar com e fazer com ou por); - que acontece num tempo e num espaço (cuja percepção é determinada pelo enfermeiro e pelo utilizador); - com uma finalidade determinada (bem-estar e actualização). À perspectiva apresentada pelas autoras, fruto da investigação que temos vindo a realizar com pessoas idosas, acrescentamos: - mediada por processos de negociação (os sujeitos podem negociar modos e meios de acção, de partilha e de interacção, cujas fronteiras eles mesmos estabelecem). Como refere Amendoeira (2006:283) os saberes utilizados pelos enfermeiros não só lhes permitem clarificar melhor as áreas de autonomização, como permitem desenvolver processos identitários mais consentâneos com a dinâmica que caracteriza hoje as profissões Esta ideia trás no seu encalço uma forma menos tradicional de entender o cuidado. Todos já sentimos e vivemos a saúde, a doença e o mal estar como situações de desequilíbrio. Mas será apenas biopsicofisiológico? Desequilíbrio orgânico caminha de mão dada com a evolução pessoal e social da pessoa. Uma simples dor de cabeça impede não só o exercício livre e pleno do trabalho (ou pelo menos determina o menor rendimento no mesmo), como origina diminuição do prazer de exercer o trabalho, questiona as capacidades do executante..., faz-nos sentir efémeros, passíveis de perdas mais ou menos profundas. O cuidado centrado no utilizador permite também clarificar o conceito de compreensão: atitude activa de empatia: mais do que aderir interiormente ao problema do utilizador (estaríamos perante o utilizador como objecto de cuidados...), compreender significa partilhar o fardo que o outro carrega (o utilizador como sujeito de cuidados). A compreensão inerente ao cuidado de enfermagem está relacionada com a intencionalidade dos actores. Como se infere das palavras de Erickson o critério básico de validade são os significados imediatos e locais

4 das acções, que se definem a partir do ponto de vista dos actores (Erickson: 196); esta asserção permite-nos considerar que as acções humanas têm sentido (compreensão) nos motivos dos actores. O cuidado de enfermagem, como acção humana, profissional, entra em sintonia, pela compreensão, com os desejos, as emoções e sentimentos da pessoa cuidada. O seu universo é o da descoberta do outro, o da restituição do sentido da vida, do bem estar, da saúde. A questão que colocamos, e sobre a qual importa reflectir, é a seguinte: como preservar a mais valia da centralidade do cuidado de enfermagem na pessoa do utilizador (as designações de doente, utente, cliente, assistido têm variado ao longo dos tempos e sobre as mesmas não existe consenso), considerando os múltiplos avanços e recuos que têm sido protagonizados quer pelos enfermeiros, quer pelas forças sociais que influenciam a decisão política? E como perspectivar a sua centralidade no desenvolvimento da formação? As primeiras sistematizações sobre o conceito de cuidado de enfermagem são de Madeleine Leininger e consideraram o cuidado como o domínio central do corpo de conhecimentos e das práticas de enfermagem. Não podemos deixar de fazer participar nesta discussão as três asserções que Leininger utilizou para cuidado: - Cuidados genéricos: Consistem nos actos de assistência, suporte ou facilitação prestados a grupos com necessidades evidentes e orientados para a melhoria e desenvolvimento da condição humana; - Cuidados profissionais: São as acções, comportamentos, técnicas, processos e padrões aprendidas cognitiva e culturalmente, que permitem (ou ajudam) ao indivíduo, família ou comunidade a manter ou desenvolver condições saudáveis de vida; - Cuidados profissionais de enfermagem: São todos os modos humanísticos e científicos, aprendidos cognitivamente, de ajudar ou capacitar os indivíduos, famílias ou comunidades para receber serviços personalizados mediante modalidades, culturalmente determinadas, técnicas e processos de cuidados orientados para a manutenção e desenvolvimento de condições favoráveis de vida e de morte (Leininger:1978). Aquilo que parece uma verdade simples, ou simplesmente fácil de apreender, tornouse o cerne de um debate apaixonante: o que é que os cuidados profissionais de enfermagem têm a mais do que os cuidados genéricos que são universalmente prestados pelos seres humanos? Os cuidados genéricos baseiam-se sobretudo na intuição e diferem dos cuidados profissionais pela sua não estruturação e função específica, embora sejam o seu suporte. Não basta ser bom, compreensivo, paciente e compassivo para prestar cuidados profissionais de enfermagem. O que diferencia os cuidados de enfermagem dos outros tipos de cuidados antes de mais é: - a sua finalidade: destinam-se a manter e a desenvolver nas pessoas saúde, conforto e bem-estar (mesmo no acto de morrer). Tendencialmente o seu objectivo é conduzir o ser humano para a homeostase; - a sua intencionalidade: integram-se em planos e surgem mediante sequências planeadas que são determinadas pelos objectivos, o que permite referenciar os cuidados de enfermagem a conjuntos de saberes organizados em torno de várias ciências (humanas e exactas) e o que por sua vez, caracteriza o seu desenvolvimento e transmissibilidade; - o seu grau de complexidade: a compreensibilidade do todo permite a recomposição das partes, mantendo a sua estrutura unificadora, o que reconduz os saberes

5 científicos operacionalizados em competências a um conhecimento útil e de compreensão evidente ao quotidiano dos cidadãos; - a sua especificidade: o agir profissional em enfermagem inclui o suporte e a ajuda aos seres humanos, característica indelével do agir técnico e relacional em enfermagem; - a sua tecnicidade: os gestos mais simples convivem com os actos mais complexos, assegurando, numa simbiose permanente, o vaivém técnica-relação e vice-versa. - a sua utilidade: os cuidados de enfermagem são socialmente compreensíveis e valorizados; - a sua característica unitária: o cuidado de enfermagem é transversal aos saberes e às práticas dos enfermeiros. A prática de cuidar é uma actividade co-operante, baseando-se na interacção entre quem cuida e quem é cuidado, e o seu êxito supõe a compreensibilidade do processo terapêutico e a sua sustentabilidade no acto de cuidar; coloca-nos, ainda perante o saber agir profissional, numa atitude não confinável ao saber fazer, porque interdependente com actos, atitudes e emoções significativas dos e para os sujeitos e seus contextos; porque dificilmente confinável à razão técnica, surge como acção social intencional e em contexto, implicando a interacção entre seres humanos e tendo como veículo unificador a compreensão do cuidado. Aderimos facilmente à análise apresentada por Abdel-Al (1975; 1992) para a clarificação de conceitos em cuidado de enfermagem: - Os cuidados de enfermagem são um serviço profissional porque se dirigem à pessoa, nas situações particulares de vida: saúde, bem-estar, doença, problema, situação concreta. - O serviço que a enfermagem oferece e a natureza dos cuidados são caracterizados por: complexidade, multidimensionalidade, dinâmica, continuidade, variedade, especificidade, particularidade, humanidade o que implica conhecimento e difusão próprias. - As intervenções dos enfermeiros têm intencionalidade própria, de acordo com as suas funções. A noção de cuidado de enfermagem como prática e não como técnica (ofuscada por vezes pelo modelo de racionalidade biomédica) poderá ajudar a enfermagem a recuperar na actualidade o alvo identitário dos cuidados; todos os cuidados de enfermagem, mesmo as acções dependentes de prescrição médica, mais do que ossos do ofício, são a parte invisível, desconhecida e não reconhecida que urge desvendar. Aprender a cuidar: a restituição de sentido Toda a pessoa adulta, é confrontada com um tempo global, em torno do qual vive e se movimenta e no qual o aprender assume uma importância elevada: o tempo da Escola, o tempo do emprego, os tempos livres, os tempos de grupo social, o tempo da família...e outros... Privilegiar o espaço para o diálogo, para a partilha das histórias pessoais, poderá constituir o fundamento de uma pedagogia transformadora; nesta perspectiva, e segundo as teses de Lindeman (1926), retomadas mais tarde por Donald Schon (1986), os factos e tempos da vida, constituem-se no elemento chave da educação de adultos através da experiência. Se a experiência constitui a vida, no dizer de Knowles (1989) " então a vida é fonte de aprendizagem".

6 Habituamo-nos a entender e olhar a formação, a educação e a aprendizagem, como episódios isolados autónomos, autonomizadores e autonomizantes: afirmo-me pelo que sei, sabendo mais eu sou autónomo, sabendo mais eu valho mais, tendo melhores notas, tenho melhor emprego. Knowles avança com alguns fundamentos para a aprendizagem dos adultos: "os adultos motivam-se para a formação, quando percebem que ela vem de encontro às suas necessidades; o seu modo de aprendizagem baseia-se sobre a realidade; a experiência constitui-se no maior factor de aprendizagem; os adultos aspiram profundamente a tomar decisões por si mesmos..." (1989, p:45). Motivação pela utilidade Colocamos a primeira questão, a partir deste primeiro pressuposto: Como despertamos o sentido do útil nos estudantes, nas aprendizagens relacionadas com o cuidar? Que necessidades os ajudamos a descobrir, para que a motivação se coloque como o pilar seguro da aprendizagem? Como familiarizamos os nossos estudantes com o terreno dos cuidados de saúde para que gostem e se desperte neles a paixão pelo cuidado às pessoas? O modo de aprendizagem Baseando-se a formação dos adultos sobre a realidade, toda a formação deverá ser concebida sobre situações reais e não à volta de assuntos: é nesta base que um Curriculum de Enfermagem pode, por exemplo, assentar na resolução de problemas... e são por demais conhecidas as inúmeras experiências que foram realizadas e, hoje, os numerosos exemplos de curriculum baseados na resolução de problemas, com a inúmeras vantagens que lhe são conhecidas: desenvolvimento e processos tutoriais de ensino, personalização do processo de aprender, construção do processo de aprender de acordo com as necessidades, inter e transdisciplinaridade das abordagens etc. É nesta base, também, que a tradicional aula à volta de um assunto, (dirigida e centrada em pequenos grupos de estudantes longe deverão estar os tempos das aulas em anfiteatro ) poderá tender para a análise de situações problema em que o utente a cuidar surge com dificuldades específicas e reais, que por sua vez, poderão conduzir ao estudo integrado de conceitos de anatomofisiologia, de patologia, de cuidados de Enfermagem, etc. Neste aspecto, tornam-se relevantes os critérios para a selecção das situações de aprendizagem, dado que a sua pertinência assegurará a interligação do trinómio: Actividade- Processo- Produto. A experiência É sabido que a aprendizagem resulta da participação activa e actuante em acontecimentos, factos, situações daí que os modelos experienciais se baseiem no conceito fenomenológico de aprendizagem: meio e significado caminham juntos, proporcionando a interacção dos estudantes com o meio do qual derivam os significados pessoais das suas

7 competências cognitivas. No Ensino de Enfermagem, a aprendizagem da prática clínica tem estado relacionada com este princípio. Os estudantes diferem na sua percepção dos acontecimentos, no meio e nos significados atribuídos aos fenómenos, daí que os resultados esperados resultantes da experiência, sejam variáveis. A análise integradora terá que ser feita; é o momento privilegiado do professor: à mesma mesa as diferentes percepções da realidade constituir-se-ão no processo apropriativo do saber; um saber diferente, vivido, discutido, assumido. A lógica de formar-se transporta o vivido da história de cada um, cujo sentido também é interpretado pelos utilizadores dos cuidados. Os métodos experienciais reconhecem a importância da percepção, do insight e da estrutura cognitiva do estudante ou da pessoa que aprende. Envolvem todo o estudante; decorrente deste envolvimento, a aprendizagem assume uma dimensão afectiva importante, mais duradoira talvez. A autodecisão dos adultos Não podemos concluir esta primeira parte, sem uma breve referência ao facto de os adultos aspirarem profundamente a tomarem decisões por si mesmos. Tal facto explica e suporta de que o papel do professor de Enfermagem se alicerce num processo dual: a partilha responsabilizante do processo de ensino/ aprendizagem, alicerça os fundamentos de um percurso que se pretende autónomo, mas a dois (aluno e professor), daí que se espere que o professor de Enfermagem não se limite a transmitir conhecimentos para em seguida os avaliar; antes, a participação dos alunos no processo é percebida e assumida com toda a objectividade. A reflexão inerente aos princípios de Bolonha ajuda a aprofundar este debate. Pensar a formação em enfermagem, numa perspectiva de desenvolvimento pessoal, social e profissional, em início de vida adulta, implicará uma formação que se constitua em experiência formadora, tal como C. Josso a concebe (2002, p:35 e seguintes), na qual haja articulação conscientemente elaborada entre actividade, sensibilidade, afectividade e ideação, articulação essa que se objective numa representação e numa competência. A mesma autora considera que a formação ou é experiencial ou não é formação. A mesma autora considera que há experiências mais ou menos significativas, conforme sejam experiências existenciais: as que se referem à coerência de vida, ou experiências pela aprendizagem: quando não colocam em questão as valorizações que orientam os compromissos de vida. A mesma autora considera dois tipos de experiências, que aqui assinalo, pela elevada relevância das mesmas na formação dos estudantes de enfermagem: experiências fundadoras e experiências significativas, sendo as primeiras de uma força maior que se

8 tornou orientadora ou reorientadora do projecto de procura do modo de viver e as segundas alimentam, confortam e prolongam de modo significativo a corrente de fundo das primeiras. Para que a experiência seja formadora terá de promover uma transformação que articula, hierarquicamente, saber fazer e conhecimentos, funcionalidade e significado, técnicas e valores, num espaço tempo que permite a presença a si e à situação, pela mobilização de uma pluralidade de registos (Josso, p: 28). Promover um processo de transformação pessoal implica desenvolver questionamentos sucessivos em atitude reflexiva permanente; esta é envolvente dos actores de aprendizagem: estudantes e docentes partilham as ferramentas desta aprendizagem experiencial. A profissão de professor de enfermagem, ao passar do séc. XX para o séc. XXI tem de examinar a sua identidade, as suas fronteiras, a sua maturidade, os seus paradigmas, a sua educação e os seus modelos práticos; a escola, por seu lado, deve utilizar estratégias que conduzam a aprendizagens inovadoras. O cuidar humano, não se confina à tecnicidade pedagógica, antes, exige um compromisso pessoal, social, moral, científico e espiritual do professor de enfermagem e um compromisso consigo, com os estudantes e com a sociedade (Watson e Bevis, 2005). Aprendizagem tutorial: uma forma de contratualização da aprendizagem do cuidar? O processo de Bolonha e as suas vicissitudes tem sido o mote para numerosos desenvolvimentos e inovações no palco do ensino de enfermagem. As grelhas, designadamente as que vieram normalizar os processos de adequação dos cursos, tiveram as suas vantagens e perversidades mas introduziram no léxico pedagógico sentidos inovadores. As horas tutoriais incluem-se nesta modalidade e podem representar um desenvolvimento significativo sobretudo se o seu enquadramento tiver em conta o desenvolvimento anterior do corpo de conhecimentos; se estudantes e professores assumirem o espaço de liberdade que este modelo proporciona. Sobretudo e, ressalvamos com especial veemência este aspecto, se a aprendizagem tutorial resistir à velha tentação de tudo ensinar e surgir como uma oportunidade de criação de percursos flexíveis de aprendizagem, suportado em textos avançados e com aspectos informados por conhecimento da e na fronteira da área da enfermagem, através da procura e sustentação de argumentos. Trata-se da aplicação de métodos de perspectiva humanista, cujo centro é o aluno e que se baseia no princípio de que os seres humanos têm uma motivação intrínseca para a aprendizagem e que se centra nos conceitos de aprendizagem auto dirigida e centrada no aluno. A aprendizagem tutorial, porque centrada no aluno especifica de forma clara, aquilo que o estudante vai e quer aprender, o modo de organização e desenvolvimento desta aprendizagem, em que tempo bem como os modos de avaliação. Relaciona-se com um dos pressupostos enunciados por Knowles e já aqui referido: os adultos estão dispostos a aprender devido à necessidade de se prepararem para o desempenho de papéis. As rápidas mudanças que se verificam ao nível dos conhecimentos, ocasionam inadequação dos programas standart; acreditamos que o estudante que é capaz de iniciar e dirigir o seu próprio estudo e aprendizagem, terá maior capacidade para enfrentar a mudança e terá mais competência para desenvolver um trabalho mais efectivo e autónomo do que aquele que não adquiriu com estas capacidades. E o que dizer dos professores? É verdade que grande parte das aprendizagens ocorre em sala de aula ou em laboratório. É verdade ainda que os professores de enfermagem são, de um modo geral, os seus condutores e mentores. Cremos, como numerosos autores, que a

9 relação com os utilizadores e com os pares é que é verdadeiramente relevante e significativa para a aprendizagem dos estudantes. Urge (re)inventar modos de estar em pedagogia de modo a desenvolver os níveis de transferibilidade do conhecimento e de adequabilidade da investigação realizada. Racionalidade técnica versus racionalidade prática. A obra de Schön: The Reflexive Practicionner, veio dar novo realce aos conceitos de racionalidade técnica e racionalidade prática e poderemos olhar o professor de enfermagem sob duas facetas antagónicas: - Dum lado, o professor que dá sempre as aulas segundo o programa, que utiliza boa técnica para as mesmas, que mantém os estudantes ocupados, que repete no ano seguinte a matéria do ano anterior (afinal o conhecimento não muda, tão depressa ), que não se adapta a situações singulares porque não as procura - Do outro, o professor que procura situações novas, sensível aos interesse dos alunos, reflexivo e crítico perante as situações e com elevada capacidade de autonomia na construção do seu conhecimento profissional, capaz de leitura dos contextos profissionais de enfermagem nos quais bebe a sua dupla inspiração: de professor e de enfermeiro. Schön atribui, em parte, a deterioração da imagem social das profissões a uma certa forma de profissionalismo baseado na ciência. As realidades complexas, instáveis do quotidiano são pouco susceptíveis de aplicação de regras e de princípios científicos. A prática requer outro tipo de racionalidade; aproxima-se pouco da ideia de reformular as técnicas a partir dos princípios científicos emanados pelas teorias e privilegia o encontro de novas soluções pela reformulação do problema. A reflexão (palavra que invadiu o léxico académico, nem sempre da melhor forma ), inerente à construção dos problemas (Schön refere que os problemas não chegam definidos às mãos dos práticos) implica: dar nomes às coisas, identificá-las, estruturá-las, relacioná-las, transformar o seu ângulo de visão, considerar irrelevante o que parecia fundamental e viceversa. Este processo constitui-se em intuições subjectivas, que não são mais do que a reorganização de conceitos interpretativos que, mediante nova configuração, permitem delinear o caminho da acção. O prático, na procura de soluções, perspectiva, discute, delineia alternativas, prevê implicações, tem em conta o resultado final. Em síntese: vê o fim do filme, ainda na construção do argumento. O trabalho com e sobre os problemas, a par do recurso à reflexão dialogante sobre o que se observa e se vive, conduz à construção activa do conhecimento na acção: Nesta conversação reflexiva, os esforços para resolver o problema (re)enquadrado trazem novas descobertas, que exigem uma nova reflexão na acção (Schön, 1983, p:132). A situação singular e incerta é compreendida na tentativa de a mudar; e é mudada na tentativa de a compreender. O que releva desta situação e que se afigura importante na formação de Enfermeiros para o cuidar, é uma transformação no ângulo de visão da questão formativa, o que não é pacífico, nomeadamente para o ensino formal dos Enfermeiros: a prática como fonte de conhecimento e de reflexão dos profissionais, mediante a investigação no contexto da prestação de cuidados, destinada à compreensão do que se faz, e a quem se faz, permitindo

10 ultrapassar as lacunas de um conhecimento profissional baseado na tradição e na autoridade (Formarier, 1988). Na perspectiva de Missenard o acto de Enfermagem inclui as vivências significativas e não significativas de cada um pois não é um gesto banal e repetitivo que se executa, antes é a sequência de um imperativo (de origem diversa...), e o resultado de uma experiência global onde se incluem as motivações e os fantasmas, as proibições, os ideais profissionais e as suas representações (citado por Meleis, 1991). As problemáticas do "saber Enfermagem" constituem eixos fundamentais de pesquisa, não apenas nas dimensões da formação inicial, mas também no significado e interpretação que os Enfermeiros fazem dessa mesma formação e de tudo o que possa ter sido formativo nas suas práticas. Tudo aquilo que, como adulto, o Enfermeiro sabe e faz na sua actividade, além de decorrer da percepção individual do que é a Enfermagem (Orem, 1980; Meleis, 1991), decorre também dos percursos e aprendizagens anteriores (Lesne, 1984) e inclui as vivências significativas e não significativas de cada um, ao longo do seu próprio percurso. Aprende-se a resolver problemas sobretudo relacionados com o campo de acção, o que confere ao saber experiencial um carácter local, mas interdependente de outras aprendizagens que se desenvolvem nas situações de trabalho e que se relacionam também com a divisão do trabalho. Síntese final Esta reflexão levou-nos a colocar em primeiro plano a experiência de cuidar, a experiência de aprender e a experiência de formar, de estar com para a elaboração e construção do saber profissional; mas leva-nos também a considerar que são as duas faces da mesma moeda: o desenvolvimento profissional é indissociável do desenvolvimento pessoal e a sua coerência dá sentido e suporta o desenvolvimento institucional, e no meio de tudo isto há algo de irredutível no ser humano (ou será que verdadeiramente a história se repete?) e não resistimos à tentação de terminar com uma recriação evangélica, intitulada A LIÇÃO e que ouvimos há muitos anos ao Professor Popkewitz e que sintetizamos (na impossibilidade de aceder ao texto ): Então Jesus levou os seus discípulos para a montanha, juntou-os à sua volta e começou a ensiná-los dizendo-lhes: - bem-aventurados os pobres de espírito porque será deles o Reino dos Céus; bemaventurados os mansos; bem-aventuradosos que choram; bem-aventurados os misericordiosos; bem-aventurados os que têm sede de justiça; bem-aventurados sereis quando fordes perseguidos; abençoados sereis quando sofrerdes; alegrai-vos e rejubilai: a vossa recompensa no céu será grande. Tentai lembrar-vos do que vos estou a dizer. Iniciou-se então entre os discípulos um interessante diálogo: "isto é para avaliação?" "teremos um teste desta matéria?" "e para quando é que temos de ter isto sabido?" "teremos que decorar todas estas palavras?" "teremos que nos levantar na frente de todos para dizer isto?" "mas os outros discípulos não precisaram de saber tudo isto..." "e o que vamos ganhar com tudo isto?". E Judas acrescentou: "será que isto nos vai tornar ricos?" E todos os discípulos falavam de forma semelhante. Então, um dos Fariseus que estava presente, pediu a Jesus para ver o plano da lição... e interrogou Jesus sobre os objectivos específicos do domínio cognitivo...e quis saber como ia

11 medir os comportamentos terminais de tudo aquilo, se já tinha pensado nos resultados esperados, se as competências previstas se encontravam segundo a lei! E Jesus Cristo chorou! A natureza prática da acção de cuidar (de formar ) adquire sentido na reconstituição processual da história dos cuidados. Torna-se por demais evidente que é insustentável a consideração do conhecimento em enfermagem como exclusivamente técnico. No saber enfermagem, cruzam-se o modo de ser enfermeiro (área implicativa) e a visibilidade dos cuidados (área explicativa). As conclusões dos trabalhos de Schön (1983; 1991; 1996) Tanner (1990) e Benner (1995) elucidam a lógica construtiva dos cuidados de enfermagem, salientando-se: - Que o conhecimento prático funciona como charneira para aplicação criteriosa dos cuidados; - Que o contexto em que a acção de cuidados se desenvolve é integrador do processo para a sua compreensão; - Que compreensão dos cuidados se situa no continuum da evolução da enfermagem; - Que como toda a acção humana, o conhecimento prático adquire sentido no contexto social e histórico; - Que a qualidade técnica dos enfermeiros evolui com a experiência, afastando-se da racionalidade técnica. Os saberes experienciais são pragmáticos e partilhados por uma comunidade de pertença, são sensíveis ao contexto local e de natureza compreensiva, isto é, interpretam o sentido, em função de uma situação específica (Toupin, 1991). A formação para o cuidar não deve esquecer estas permissas. Fica um longo caminho a percorrer, no qual se cruzam os desenvolvimentos das instituições de Saúde, as determinantes políticas e profissionais para o ensino e para a profissão enfim mas também o futuro dos Enfermeiros, da Enfermagem, das práticas profissionais e da formação. Referências Bibliográficas ABDEL-AL, H. (1975) Relating Education to practice within a Nursing Context. Tese de doutoramento não publicada. Edinburgh University. ABREU, W. (2001) Identidades, formação e trabalho: da formatividade à configuração identitária dos enfermeiros. Coimbra. Educa ABREU, W. (2007) Formação e aprendizagem em contexto clínico. Fundamentos, teorias e considerações didácticas. Coimbra. Formasau. BENNER, P. (1995)- De novice à expert. Excellence en soins infirmiers. Paris, InterÉditions. COLLIÈRE, M. (1989)- Promover a vida. Lisboa, SEP. COSTA, M. (1998) Enfermeiros: dos percursos de formação à produção de cuidados. Lisboa, Ed. Fim de Século. COSTA, M. A. (2001). Cuidar Idosos. Formação, práticas e competências dos enfermeiros. Coimbra: Educa/Formasau. ERICKSON, F. (1989). Métodos cualitativos de investigación sobre la enseñanza. In: M. Wittrock (Ed.), La investigación de la enseñanza II. Métodos cualitativos de observación. Barcelona: Paidos MEC. HESBEEN, W. (2000) Cuidar no hospital. Enquadrar os cuidados de enfermagem numa perspectiva de cuidar. Lisboa, Lusociência. JOSSO, C. (2002) Experiências de vida e formação. Lisboa. Educa. KNOWLES, M. (1990)- L apprennant adulte. Vers une nouvelle art de la formation. Paris, Les Ed. d Organisation. LEININGER, M. (1991) Culture care, diversity & universality: a theory of nursing. New York, NLN.

12 LESNE, M (1984) - Trabalho Pedagógico e formação de adultos. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian. MELEIS, A. (1991) - Theoretical Nursing: Development and Progress, 2ª Ed. New York, J.B. Lippincott Company. OREM, D. (1980)- Nursing: concepts and practice. 2ª ed., New York, Mc Graw Hill. PATERSON, J. ZDERAD, L. (1979). Humanistic Nursing. NeW York: Wiley and Sons. SCHÖN, D. (1983) - The reflective practitioner: how professional think in action. Londres, Temple Smith. SCHÖN, D. (1986) - Coaching reflective teaching. In: GRIMMET, P. et al (eds.) Reflection in teacher s education. New York, Teachers College. SCHÖN, D. (1991) - Educating the reflective practicionner. Oxford, Jossey Bass Publ., p SCHÖN, D. (1996) El professional reflexivo. Como piensan los professionales cuando actúan. Barcelona, Paidós. TANNER, C (1990) Reflections on the curriculum revolution. Journal of Nursing Education, 7 (29) p TOUPIN, L. (1991) - Formation expérientielle et transfert de connaissance. In: COURTOIS, B. e PINEAU, G.- La formation expérientielle des adultes. Paris, La Documentation Française, p

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS ÍNDICE Regulamento do Perfil de Competências do Enfermeiro de Cuidados Gerais Preâmbulo...05 Artigo 1.º - Objecto...07 Artigo 2.º - Finalidades...07 Artigo 3.º - Conceitos...08 Artigo 4.º - Domínios das

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Só é educativa a relação que faz crescera educando para uma maior autonomia (Aires Gameiro) Porque não lançar-se à tarefa de ajudar

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS REBELO 1,DORINDA;MARQUES 2,EVA;MARQUES 3,LUÍS 1 Escola Secundária de Estarreja Estarreja, Portugal. 2 Escola Secundária

Leia mais

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional José Duarte jose.duarte@ese.ips.pt Escola Superior de Educação de Setúbal José Duarte iniciou a sua carreira como professor de Matemática do Ensino

Leia mais

Autor - Marta Maria Gonçalves Rosa Co-Autor Maria Celeste Godinho

Autor - Marta Maria Gonçalves Rosa Co-Autor Maria Celeste Godinho Autor - Marta Maria Gonçalves Rosa Co-Autor Maria Celeste Godinho Coimbra, Setembro de 2011 Solicitação para colaboração na preparação da Unidade Curricular Intervenção em Cuidados Continuados II - 4º

Leia mais

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA PROJECTO DE MELHORIA CONTÍNUA SABER CUIDAR UM DIREITO CANTANHEDE, Janeiro de 2011 HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

Leia mais

CARTA DAS CIDADES EDUCADORAS

CARTA DAS CIDADES EDUCADORAS CARTA DAS CIDADES EDUCADORAS Proposta Definitiva, Novembro de 2004 CARTA DAS CIDADES EDUCADORAS As cidades representadas no 1º Congresso Internacional das Cidades Educadoras, que teve lugar em Barcelona

Leia mais

A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem

A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem sustentar esta aspiração. 2. COMO CONCRETIZAR A MUDANÇA O Projecto Educativo de Escola (PEE) pode constituir um instrumento

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa . INÁCIO, Maria Joana SALEMA, Maria Helena Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa RESUMO Aprender a aprender constitui-se como uma das competências essenciais para a aprendizagem ao longo da vida,

Leia mais

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril REPE Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril 1 - A enfermagem registou entre nós, no decurso

Leia mais

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio hospi tais 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? um novo modelo de gestão hospitalar A reflexão sobre um novo modelo de gestão hospitalar não pode deixar de ter em conta a enorme complexidade do sistema em que

Leia mais

Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES. Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes

Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES. Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES II Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes Comunidades de Aprendizagem Modo de Funcionamento Metodologia

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

Universidade de Salamanca 07 de Maio de 2013

Universidade de Salamanca 07 de Maio de 2013 Universidade de Salamanca 07 de Maio de 2013 UNIVERSIDADE DE SALAMANCA Faculdade de Ciências da Educação Departamento de Teoria e História da Educação Professores e Escolas A imagem social do professor

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

Por volta dos anos 80/90, ouve sefalardeumapedagogiacentradanaescolacomoorganização. Nesta

Por volta dos anos 80/90, ouve sefalardeumapedagogiacentradanaescolacomoorganização. Nesta A Escola portuguesa no séc. XXI (1/5) Falar de Escola é falar de educação. Compreender a escola é, também, compreender a evolução das ideias sobre educação ao longo dos tempos. Nesta linha de evolução,

Leia mais

CAPÍTULO I - Visão geral

CAPÍTULO I - Visão geral CÓDIGO DEONTOLÓGICO DO TÉCNICO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO SOCIAL Preâmbulo: O presente Código Deontológico procura estabelecer alguns princípios e algumas regras, no quadro de uma ética profissional, que devem

Leia mais

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Dos contributos dos diferentes intervenientes do evento

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

200 educação, ciência e tecnologia

200 educação, ciência e tecnologia 200 A LÍNGUA FRANCESA NO JARDIM DE INFÂNCIA E NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO * A Área Científica de Francês promoveu, no âmbito da Semana Cultural da Escola Superior de Educação de Viseu, que decorreu de

Leia mais

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS DA AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 FUNDAMENTALS AND EVALUATION PRACTICES IN THE CHILDHOOD EDUCATION

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS DA AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 FUNDAMENTALS AND EVALUATION PRACTICES IN THE CHILDHOOD EDUCATION FUNDAMENTOS E PRÁTICAS DA AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 FUNDAMENTALS AND EVALUATION PRACTICES IN THE CHILDHOOD EDUCATION ANTECEDENTES Y EVALUACIÓN PRÁCTICA EN EDUCACIÓN INFANTIL Amélia de Jesus Marchão

Leia mais

Métodos de avaliação pedagógica ( [1] )

Métodos de avaliação pedagógica ( [1] ) Métodos de avaliação pedagógica ( [1] ) Margarida Fernandes ESE, Universidade do Algarve «Para conhecer a verdade acerca dum sistema educativo é necessário olhar para os seus métodos de avaliação. Que

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Planificação Anual da Disciplina de MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2013-2014 1 MÓDULO 1 - DESCOBRINDO

Leia mais

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar Ulisses F. Araújo * * Professor Doutor da Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. 1 Um dos objetivos

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche. Maria Teresa de Matos

OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche. Maria Teresa de Matos OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche Maria Teresa de Matos Projecto Pedagógico de Sala Creche Princípios Orientadores Projecto Pedagógico de Sala * Projecto Curricular

Leia mais

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 A violência doméstica é um fenómeno complexo que requer uma intervenção concertada e multidisciplinar. 1 PLANO MUNICIPAL CONTRA A VIOLÊNCIA

Leia mais

Evolução histórica da profissão e desenvolvimento epistemológico

Evolução histórica da profissão e desenvolvimento epistemológico Evolução histórica da profissão e desenvolvimento epistemológico O que é a epistemologia Porque é importante Questões colocadas pela epistemologia Ana Albuquerque Queiroz Professora Coordenadora ana.queiroz@docente.unicv.edu.cv

Leia mais

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender;

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender; Projecto Educativo - Projecto síntese de actividades/concepções e linha orientadora da acção educativa nas suas vertentes didáctico/pedagógica, ética e cultural documento destinado a assegurar a coerência

Leia mais

PADRÕES DE QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM

PADRÕES DE QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 05 1.1. Do contexto... 05 1.2. Da OE e das instituições de saúde... 06 2. Enquadramento Conceptual... 08 2.1. A saúde... 08 2.2. A pessoa... 08 2.3. O ambiente... 09 2.4.

Leia mais

PERSPETIVAS DE UM ATOR ENTRE DOIS MODELOS DE FORMAÇÃO PRÁTICA DE EDUCADORES DE INFÂNCIA

PERSPETIVAS DE UM ATOR ENTRE DOIS MODELOS DE FORMAÇÃO PRÁTICA DE EDUCADORES DE INFÂNCIA 13 PERSPETIVAS DE UM ATOR ENTRE DOIS MODELOS DE FORMAÇÃO PRÁTICA DE EDUCADORES DE INFÂNCIA Maria Cristina Parente Instituto de Educação- Universidade do Minho Centro de Investigação em Estudos da Criança

Leia mais

Prefácio Prefácio Ao fim de uma década de seminários de investigação dedicados à apresentação de trabalhos empíricos e teóricos e à análise de temas específicos de educação matemática como a resolução

Leia mais

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO Princípios orientadores O Ensino Secundário no Colégio Pedro Arrupe orienta-se de forma coerente para o desenvolvimento integral do aluno, promovendo um crescimento

Leia mais

Plano de Formação da CVX-P

Plano de Formação da CVX-P da CVX-P Apresentado à VIII Assembleia Nacional CVX-P Fátima, Outubro 2004 Introdução... 2 Etapa 0: Acolhimento... 3 Etapa 1: Iniciação... 5 Etapa 2: Identificação... 6 Etapa 3: Missão... 7 1 Introdução

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM APROVADO POR MAIORIA EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 1 Preâmbulo O VIII Congresso da EUROSAI realizado em Lisboa entre 30 de Maio e 2 de Junho de 2011 concentrou-se

Leia mais

(Parceria: EBEN - European Business Ethics Network PT)

(Parceria: EBEN - European Business Ethics Network PT) Ética nos Negócios, Confiança e Redes de Valor (Parceria: EBEN - European Business Ethics Network PT) 4º FÓRUM RSO E SUSTENTABILIDADE Estamos a construir REDES DE VALOR Centro de Congressos de Lisboa 21

Leia mais

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal 18 DE FEVEREIRO A 13 DE MARÇO DE 2008 A inducar (http://www.inducar.pt) é uma organização de direito

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Articulação Formação Graduada - Formação Pós-Graduada

Articulação Formação Graduada - Formação Pós-Graduada Articulação Formação Graduada - Formação Pós-Graduada Uma proposta de reflexão para o Conselho Académico da Universidade do Minho António Sérgio Pouzada Moisés Martins Cândida Lucas Dolores Cabral Jorge

Leia mais

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016 Planificação Anual da Disciplina de Psicologia MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2015-2016 MÓDULO

Leia mais

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma*

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Glória Macedo, PQND do 4º Grupo do 2º Ciclo do EB e Formadora do CFAE Calvet de Magalhães, Lisboa A Reorganização Curricular do Ensino Básico

Leia mais

Sobre a Investigação em Serviço Social

Sobre a Investigação em Serviço Social Sobre a Investigação em Serviço Social Dra. Maria Rosa Tomé 1 Em 2001 o Centro Português de Investigação em História e Trabalho Social e a Veras Editora, no âmbito do Projecto Atlântida, publicaram o livro

Leia mais

FICHA DE DISCIPLINAS: ANO LECTIVO DE 2008/09 SERVIÇO SOCIAL

FICHA DE DISCIPLINAS: ANO LECTIVO DE 2008/09 SERVIÇO SOCIAL FICHA DE DISCIPLINAS: ANO LECTIVO DE 2008/09 SERVIÇO SOCIAL Nome da disciplina Ciclo de estudos Equipa docente com breve resenha curricular dos docentes (1) Nº de créditos e temporalidade da disciplina

Leia mais

nossa vida mundo mais vasto

nossa vida mundo mais vasto Mudar o Mundo Mudar o Mundo O mundo começa aqui, na nossa vida, na nossa experiência de vida. Propomos descobrir um mundo mais vasto, Propomos mudar o mundo com um projecto que criou outros projectos,

Leia mais

PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM COACHING EXECUTIVO

PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM COACHING EXECUTIVO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM COACHING EXECUTIVO de acção mediante a aquisição de novas formas de pensamento que lhes permitam levar a cabo diferentes acções. O percurso formativo do coach está dividido

Leia mais

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções.

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções. A justiça restaurativa no combate à violência doméstica O final de uma legislatura é, certamente, um tempo propício para a realização de um balanço de actividades. Pode constituir-se como convite à avaliação

Leia mais

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Carlos Nuno Castel-Branco 2 24-03-2011 Introdução A discussão da ligação entre educação, crescimento económico e desenvolvimento precisa

Leia mais

TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO. 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados

TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO. 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados 1 Método : Caminho para se chegar a um determinado lugar alcançar objetivos estabelecidos no planeamento. Os

Leia mais

COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS

COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS PSICOLOGIA DA COMUNICAÇÃO Ciências da Comunicação CONTEXTOS DE COMUNICAÇÃO: COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS Aspectos gerais Definição de pequeno grupo Tipos de grupos Estrutura e Dinâmica de grupo Resolução

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia

Leia mais

Introdução. 1.2 Escola Católica

Introdução. 1.2 Escola Católica Introdução A Escola Sagrada Família Externato é uma Escola Católica e é regida pelo Ideário das Escolas da Congregação das Irmãs Franciscanas de Nossa Senhora das Vitórias e o Estatuto da Associação Portuguesa

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Projeto Educativo do Centro Paroquial do Estoril

Projeto Educativo do Centro Paroquial do Estoril Projeto Educativo do Centro Paroquial do Estoril ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. Caracterização... 5 a) Breve historial... 5 b) Atual estrutura... 5 c) Caracterização geográfica e sócio-cultural... 6 d) Comunidade

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

Cáritas Diocesana dos. Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo

Cáritas Diocesana dos. Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo Cáritas Diocesana dos AÇORES Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo Diagnóstico: ESTADO DAS PARÓQUIAS -Como funcionam? - Que Pastoral Profética? - Que Pastoral Litúrgica? - Que Pastoral Social? - Virtudes

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

Integrar a diferença, valorizar o plurilinguismo: uma análise de momentos de formação contínua

Integrar a diferença, valorizar o plurilinguismo: uma análise de momentos de formação contínua XIII ENDIPE - Educação, Questões Pedagógicas e Processos Formativos: compromisso com a inclusão social Recife, 23-26 de Abril de 2006 Educação e diversidade linguística: compreender e construir a formação

Leia mais

Os fundamentos da nossa missão 2013-10 1/16

Os fundamentos da nossa missão 2013-10 1/16 Os fundamentos da nossa missão 2013-10 1/16 Índice Introdução. 3 1. Apresentação geral.... 4 2. Os CPM no seio da Igreja......5 3. Os animadores.....7 4. O papel do Assistente Espiritual... 8 5. A equipa

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Formação contínua e mudança dos professores?

Formação contínua e mudança dos professores? Educação & Comunicação, 5, 77-90 Formação contínua e mudança dos professores? Lúcia Oliveira ** Preâmbulo Falar de uma tese de doutoramento num curto período de tempo exige que se faça uma selecção sobre

Leia mais

DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO

DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO - Grupo de reflexão na área de psicologia sobre questões relativas à orientação sexual - Artigo apresentado no Colóquio de Estudos G(ay)L(ésbicos)Q(ueer)

Leia mais

DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS Os juízes representantes dos vários países de língua oficial portuguesa e que integram a União

Leia mais

B-Training, Consulting: Formação apoiada nos princípios fundamentais da Formação Profissional e do Desenvolvimento de Adultos

B-Training, Consulting: Formação apoiada nos princípios fundamentais da Formação Profissional e do Desenvolvimento de Adultos B-Training, Consulting: Formação apoiada nos princípios fundamentais da Formação Profissional e do Desenvolvimento de Adultos Cátia Sofia Teixeira da Silva Catiasofia2@hotmail.com Licenciatura em Ciências

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

A NATUREZA DA TAREFA E OS DESAFIOS DA GESTÃO CURRICULAR

A NATUREZA DA TAREFA E OS DESAFIOS DA GESTÃO CURRICULAR A NATUREZA DA TAREFA E OS DESAFIOS DA GESTÃO CURRICULAR Resumo Cecília Felício e Margarida Rodrigues EB 2,3 de Luísa Todi e ESE de Lisboa cecilia.felicio@sapo.pt, margaridar@eselx.ipl.pt Propomo-nos reflectir

Leia mais

2014-2015. Doutoramento em Ecologia Humana. Coordenação Científica Profª Iva Pires

2014-2015. Doutoramento em Ecologia Humana. Coordenação Científica Profª Iva Pires 2014- Doutoramento em Ecologia Coordenação Científica Profª Iva Pires Guia do Curso Ano Académico 2014/ Coordenação Científica Profª Iva Pires im.pires@fcsh.unl.pt pires.iva.fcsh@gmail.com Para mais informações

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

Patricia Smith Cavalcante (UFPE)

Patricia Smith Cavalcante (UFPE) Inovações Metodológicas no Ensino Superior Patricia Smith Cavalcante (UFPE) INOVAÇÃO A inovação existe em determinado lugar, tempo e circunstância, como produto de uma ação humana sobre o ambiente ou meio

Leia mais

43. Inovar a supervisão em Enfermagem: um projecto de investigação-intervenção

43. Inovar a supervisão em Enfermagem: um projecto de investigação-intervenção 43. Inovar a supervisão em Enfermagem: um projecto de investigação-intervenção Ana Macedo 1*, Rafaela Rosário 1, Flávia Vieira 2, Maria Silva 1, Fátima Braga 1, Cláudia Augusto 1, Cristins Araújo Martins

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

Anexo VI Transcrição da entrevista realizada à equipa técnicopedagógica

Anexo VI Transcrição da entrevista realizada à equipa técnicopedagógica Anexo VI Transcrição da entrevista realizada à equipa técnicopedagógica do CNOGE (Grupo2) Entrevistados: Entrevista Grupo 2 E6 Formadora de Linguagem e Comunicação e de Cidadania e Empregabilidade E7 Formadora

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade 1 de 5 Princípios de conduta, de igualdade e equidade OBJECTIVO: Assumir condutas adequadas às instituições e aos princípios de lealdade comunitária. Competência e critérios de evidência Reconhecer princípios

Leia mais

Jornadas dos Assistentes Técnicos de Saúde do CHP. Competências/ apetências e exigências no âmbito do assistente técnico no CHP

Jornadas dos Assistentes Técnicos de Saúde do CHP. Competências/ apetências e exigências no âmbito do assistente técnico no CHP Jornadas dos Assistentes Técnicos de Saúde do CHP Competências/ apetências e exigências no âmbito do assistente técnico no CHP Fui atrás de definições Competência: conhecimento aprofundado e reconhecido

Leia mais

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA. - Que competências? - - Que futuro? -

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA. - Que competências? - - Que futuro? - ENFERMAGEM HUMANITÁRIA - Que competências? - - Que futuro? - Filomena Maia Presidente do Conselho de Enfermagem Regional Norte Vice-Presidente do Conselho de Enfermagem Universidade Fernando Pessoa Porto

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 É pela vivência diária que cada um de nós aprende a conhecer-se e a respeitar-se, conhecendo e respeitando os outros, intervindo, transformando e tentando melhorar

Leia mais

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento 4.1.8. Orientação específica de codificação: Entrevista a educadoras de infância (2º momento) (2001) GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA 2º Momento I. Questões sobre a modalidade de prática pedagógica

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

na relação entre os sistemas de informação e as pessoas, negócio e organizações." - ISJ,

na relação entre os sistemas de informação e as pessoas, negócio e organizações. - ISJ, 1. Introdução Este trabalho enquadra-se na área de Engenharia de Requisitos (ER). O problema abordado é o da insatisfação com as aplicações das Tecnologias de Informação (TI), utilizadas para suportar

Leia mais

sistemas de informação nas organizações

sistemas de informação nas organizações sistemas de nas organizações introdução introdução aos sistemas de objectivos de aprendizagem avaliar o papel dos sistemas de no ambiente empresarial actual definir um sistema de a partir de uma perspectiva

Leia mais

Orientações para as políticas de emprego

Orientações para as políticas de emprego C 87 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 1.4.2010 23. Considera que, com a liderança da UE no provimento de apoio financeiro e técnico aos países em desenvolvimento, as probabilidades de sucesso nas

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DAS SESSÕES

ORGANIZAÇÃO DAS SESSÕES ORGANIZAÇÃO DAS SESSÕES 1ª Sessão - Apresentação da Kutsemba e dos Voluntários e Gestão das Expectativas de ambas as partes (3H) - 8 Maio Formadora(s) : Ana Vitorino / Joana Loureiro / Ana Diniz Apresentação

Leia mais

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico 1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico O documento legislativo que estabelece o regime jurídico de enquadramento da segurança, higiene e saúde no trabalho é determinado

Leia mais

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Carla Ribeirinho Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Lisboa, 10 de Maio de 2012 Desafios e oportunidades Crescimento em massa da população idosa. Adopção de medidas que visem minorar situações

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 2. RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA ACÇÃO: PROBLEMA/NECESSIDADE DE FORMAÇÃO IDENTIFICADO Esta formação de professores visa

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Relação Escola Família - Comunidade

Relação Escola Família - Comunidade Relação Escola Família - Comunidade Profª Manuela Matos (*) Cabe-me abordar o tema relação escola - família comunidade. Tentarei, para o efeito, mobilizar a minha experiência profissional (como educadora

Leia mais