Aplicação. Programa Linguagem de Alto Nível. Programa em Linguagem Assembly. Programa em Linguagem Máquina

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aplicação. Programa Linguagem de Alto Nível. Programa em Linguagem Assembly. Programa em Linguagem Máquina"

Transcrição

1 Níveis de Abstracção Nível 5 Nível 4 Nível 3 Nível 2 Nível 1 Nível 0 Aplicação Programa de Alto Nível Programa em Assembly Programa em Máquina Micro-programa em de Transferência de Registos Sistema Digital (CPU) Programador Compilador Assembler Projectistas do Processador Projectistas de Sistemas Digitais 1 Níveis de Abstracção Cada nível de abstracção permite que sejam realizadas acções mais complexas e especializadas Os diferentes níveis de abstracção criados sobre o CPU tornam os computadores mais poderosos e simples de usar O nível de abstracção mais baixo a considerar é o da linguagem máquina, que é constituída por um conjunto de bits, directamente interpretável pelo processador 2

2 Linguagens O computador utiliza normalmente dois níveis de linguagem: máquina Utilizada para transmitir instruções à máquina (hardware) de modo a desempenhar as funções básicas do CPU; Linguagens criadas sobre a linguagem máquina Linguagens que têm capacidades e características particulares. 3 Linguagens A programação directamente em linguagem máquina exige dos programadores um esforço muito grande de memorização e de consulta de documentação, revelando-se muito ineficiente em termos de tempo investido. A programação de um computador pode e deve ser feita utilizando níveis de abstracção superiores usando linguagens de alto nível (Pascal, C, Java). Os programas escritos nestas linguagens têm de ser posteriormente traduzidos para linguagem assembly e daí para linguagem máquina, antes de serem executados pelo processador. 4

3 Compiladores e Interpretadores Os compiladores e os interpretadores permitem ao computador entender programas escritos em linguagens de programação de alto nível Compiladores (tradutores) Traduzem as linguagens de programação para a linguagem máquina Interpretadores (simuladores) Simulam a execução dos programas de modo a produzir o efeito desejado 5 Compiladores e Interpretadores Os compiladores e os interpretadores são programas escritos na linguagem máquina Programação Alto-nível Compilador Máquina Programação Alto-nível Interpretador Resultado 6

4 Porquê Assembly? Permite analisar muitos aspectos da arquitectura e da organização de um computador que estão escondidos do programador de uma linguagem de alto nível: Mostra como os programas interagem com o sistema operativo, processador e BIOS; Mostra como a informação é representada e armazenada na memória ou em componentes externos; Clarifica a forma como o processador recebe e executa instruções e como estas instruções, por sua vez, acedem e processam dados; Clarifica como um programa acede a componentes externos; 7 Assemblers O Assembler é um programa tradutor que recebe um ficheiro de dados.asm (ficheiro em texto simples com o código fonte em Assembly ou Simbólica) e traduz o mesmo para um ficheiro executável.com ou.exe (em Máquina). Programa fonte Assembly Assembler Máquina Programa objecto Dados Resultados 8

5 Falha vs Erro O erro (error) pode ser definido como algo que se encontra mal no código fonte, em termos de sintaxe ou semântica, e que impede o assembler de completar a tradução do código. A falha (bug) é uma incorrecção na estrutura do programa, que não é detectada pelo assembler, mas com que o programador se depara na execução do programa quando este gera um resultado imprevisto. Ambos devem ser corrigidos no código fonte. Uma vez que as falhas (bugs) são mais difíceis de detectar, existem programas específicos para a sua detecção e correcção. 9 Debbugers O debbuger (depurador) é um programa destinado a auxiliar o programador a localizar e corrigir as falhas dos programas. Permitem que o programador visualize no ecrã a execução das instruções do programa, uma a uma, e os seus efeitos nos diversos componentes que compõem a estrutura base do computador. Do ponto de vista do utilizador os debbugers são mais complexos que os assemblers, pois permitem que se façam inúmeras operações. 10

Compiladores. Introdução à Compiladores

Compiladores. Introdução à Compiladores Compiladores Introdução à Compiladores Cristiano Lehrer, M.Sc. Introdução (1/2) O meio mais eficaz de comunicação entre pessoas é a linguagem (língua ou idioma). Na programação de computadores, uma linguagem

Leia mais

Função Fundamental do SO

Função Fundamental do SO Função Fundamental do SO Gestão do Hardware Uma das funções fundamentais do sistema operativo é gerir os recursos do hardware de um modo o mais transparente possível ao utilizador Recursos principais a

Leia mais

Arquitectura e Organização de Computadores

Arquitectura e Organização de Computadores Arquitectura e Organização de Computadores (micro-arquitectura) atributos visíveis ao programador: I.S.A. tamanho da palavra (bits) registos Componentes que realizam a arquitectura: organização do CPU

Leia mais

Ferramentas Programação. UDESC - Prof. Juliano Maia 1

Ferramentas Programação. UDESC - Prof. Juliano Maia 1 Ferramentas Programação UDESC - Prof. Juliano Maia 1 Índice Seção 1 Linguagens de Programação Seção 2 Interpretador Seção 3 Compilador / Linkeditor Seção 4 Ambientes de Desenvolvimento UDESC - Prof. Juliano

Leia mais

Algoritmos. Prof. Jonatas Bastos Site:

Algoritmos. Prof. Jonatas Bastos   Site: Algoritmos Prof. Jonatas Bastos Email: jonatasfbastos@gmail.com Site: http://jonatasfbastos.wordpress.com/ 1 Dúvidas! p p p Como os computadores entendem os algoritmo? Os computadores não entendem os passos

Leia mais

Linguagens compiladas: C++ Fora do livro adoptado

Linguagens compiladas: C++ Fora do livro adoptado Linguagens compiladas: C++ Fora do livro adoptado (rep.) Conceitos iniciais Computador Um computador é genericamente uma máquina programável capaz de receber, processar, e fornecer informação. Computador

Leia mais

Arquitetura e Organização de computadores

Arquitetura e Organização de computadores Arquitetura e Organização de computadores Aula 1: Organização e evolução de computador, parte 1 Prof. MSc. Pedro Brandão Neto pedroobn@gmail.com Sistemas de Informação - UNDB Introdução Computador Digital

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES AULA 03 PROFº RITIELLE SOUZA DISTRIBUIÇÃO LÓGICA DISTRIBUIÇÃO LÓGICA Arquitetura de Von Neumann Uma unidade central de processamento recebe informações através de uma unidade

Leia mais

Construção de Compiladores. Capítulo 1. Introdução. José Romildo Malaquias. Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2014.

Construção de Compiladores. Capítulo 1. Introdução. José Romildo Malaquias. Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2014. Construção de Compiladores Capítulo 1 Introdução José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2014.2 1/22 1 Linguagens de programação 2 Compilação 2/22 Tópicos 1

Leia mais

Algoritmo de Programação. Aula1

Algoritmo de Programação. Aula1 Algoritmo de Programação Aula1 Conceituação Muitas definições podem ser dadas à palavra algoritmo. Atualmente, tem-se associado algoritmo à computação, mas este não é um termo restrito à computação ou

Leia mais

CP Introdução à Informática Prof. Msc. Carlos de Salles

CP Introdução à Informática Prof. Msc. Carlos de Salles CP 1015.1 Prof. Msc. Carlos de Salles PROGRAMA 1. CONCEITO DE SISTEMAS 1.1 Sistemas e sua classificação 1.2 Informações e Dados 1.3 O Processamento de Dados 1.4 O Computador e sua História 2. ESTRUTURA

Leia mais

Introdução às Bases de Dados

Introdução às Bases de Dados O Sistema de Base de Dados através do SGBD permite controlar de forma centralizada os dados armazenados. Base de Dados Ficheiro 1 Ficheiro 2 Ficheiro 3 Sistema de Gestão de Bases de Dados (SGBD) Prog.1

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO A Arquitetura de Computadores trata do comportamento funcional de um sistema computacional, do ponto de vista do programador (ex. tamanho de um tipo

Leia mais

Outras Linguagens. Aulas 26 e 27. DECivil Departamento de Engenharia Civil, Arquitectura e Georrecursos

Outras Linguagens. Aulas 26 e 27. DECivil Departamento de Engenharia Civil, Arquitectura e Georrecursos DECivil Departamento de Engenharia Civil, Arquitectura e Georrecursos Outras Linguagens Aulas 26 e 27 Francisco Regateiro 1 Objetivos Revisitar os conceitos apresentados na 1ª aula. Reconhecer a aplicabilidade

Leia mais

Como construir um compilador utilizando ferramentas Java

Como construir um compilador utilizando ferramentas Java Como construir um compilador utilizando ferramentas Java p. 1/2 Como construir um compilador utilizando ferramentas Java Aula 1 - Introdução Prof. Márcio Delamaro delamaro@icmc.usp.br Como construir um

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Produção / Elétrica Parte 04 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Conversões de Linguagens: Tradução, Montagem, Compilação, Ligação e Interpretação

Conversões de Linguagens: Tradução, Montagem, Compilação, Ligação e Interpretação Conversões de Linguagens: Tradução, Montagem, Compilação, Ligação e Interpretação Para executar uma tarefa qualquer, um computador precisa receber instruções precisas sobre o que fazer. Uma seqüência adequada

Leia mais

Prof. Eliezer Soares Flores 1 / 22

Prof. Eliezer Soares Flores   1 / 22 Memórias Prof. Eliezer Soares Flores e-mail: eliezerflores@unipampa.edu.br 1 / 22 Sistemas computacionais Hardware: parte física de um sistema computacional; Software: parte lógica de um sistema computacional.

Leia mais

Sistemas Operacionais I

Sistemas Operacionais I Sistemas Operacionais I Revisão de conceitos Sistemas Operacionais I Dionisio Gava Junior Componentes básicos Componentes Básicos da Tecnologia da Informação Hardware CPU, Memória e Periféricos de E/S.

Leia mais

Introdução a Ciência da Computação

Introdução a Ciência da Computação Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Santa Helena Introdução a Ciência da Computação Bacharelado em Ciência da Computação Professor : Agnaldo da Costa 1 Camadas do Usuário

Leia mais

Organização de Sistemas de Computadores

Organização de Sistemas de Computadores Organização de Sistemas de Computadores Cap. 2 (Tanenbaum), Cap. 3 (Weber) 2.1 Processadores 1 CPU UC = buscar instruções na memória principal e determinar o seu tipo ULA = adição e AND Registradores =

Leia mais

Aula 06 - Máquina Multinível e Von Neumann

Aula 06 - Máquina Multinível e Von Neumann Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Instalação e Organização de Computadores Aula 06 - Máquina Multinível e Von Neumann Prof. Diego Pereira

Leia mais

Linguagem de Montagem do NeanderX

Linguagem de Montagem do NeanderX Universidade Estácio de Sá Curso de Informática Arquitetura de Computadores Linguagem de Montagem do NeanderX 11.5.2006 Geração Programa Executável Linguagens de Programação As linguagens de programação

Leia mais

Breve Introdução aos Sistemas Operativos. Disciplina de Informática PEUS, U.Porto

Breve Introdução aos Sistemas Operativos. Disciplina de Informática PEUS, U.Porto Breve Introdução aos Sistemas Operativos Disciplina de Informática PEUS, 2006 - U.Porto Definição de Sistema Operativo Um programa que funciona como intermediário entre o utilizador do computador e os

Leia mais

O estudo da arquitectura de computadores efectua-se com recurso à Abstracção

O estudo da arquitectura de computadores efectua-se com recurso à Abstracção ARQUITECTURA DE COMPUTADORES O estudo da arquitectura de computadores efectua-se com recurso à Abstracção Podemos ver um computador de várias formas. Para um utilizador normalmente o computador é a aplicação

Leia mais

Linguagens de Programação Aula 3

Linguagens de Programação Aula 3 Aula 3 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br Na aula passada... Classificação das LPs (nível, geração e paradigma) Paradigmas Imperativo, OO, funcional, lógico e concorrente 2/33 Na aula de hoje...

Leia mais

Infra-Estrutura de Hardware

Infra-Estrutura de Hardware Infra-Estrutura de Hardware Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1 Semestre/2012 Conjunto de Instruções Conteúdo Operações do Hardware do Computador Representando Instruções

Leia mais

Compiladores. Conceitos Básicos

Compiladores. Conceitos Básicos Compiladores Conceitos Básicos Processadores de Linguagem De forma simples, um compilador é um programa que recebe como entrada um programa em uma linguagem de programação a linguagem fonte e o traduz

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores Prof. Eduardo Simões de Albuquerque Instituto de Informática UFG 1o. Semestre / 2006 Adaptado do material do prof. Fábio Moreira Costa Programa e Introdução Assunto do curso

Leia mais

18/10/2010. Unidade de Controle Controle. UC Microprogramada

18/10/2010. Unidade de Controle Controle. UC Microprogramada Arquitetura de Computadores Unidade de Controle Controle Microprogramado Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO UC Microprogramada

Leia mais

Aula 2 - Programação de Computadores - CI208 1/21

Aula 2 - Programação de Computadores - CI208 1/21 Aula 2 - Programação de Computadores - CI208 Professor: Leonardo Gomes leonardog@inf.ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brazil 2016 - Segundo semestre Aula 2 - Programação de Computadores - CI208 1/21

Leia mais

Aula 2 - Introdução Cleverton Hentz

Aula 2 - Introdução Cleverton Hentz Aula 2 - Introdução Cleverton Hentz Sumário de Aula } Programas } Linguagens de Programação } Formas de Estruturação de Algoritmos 2 Programas } Os algoritmos são utilizados na construção de programas

Leia mais

O COMPUTADOR POR DENTRO

O COMPUTADOR POR DENTRO 1 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO O COMPUTADOR POR DENTRO Ensino Recorrente 3 4 O CPU constitui o orgão central do computador. As suas características determinam, em grande medida, a performance global do sistema.

Leia mais

AGT0001 Algoritmos Aula 01 O Computador

AGT0001 Algoritmos Aula 01 O Computador AGT0001 Algoritmos Aula 01 O Computador Karina Girardi Roggia karina.roggia@udesc.br Departamento de Ciência da Computação Centro de Ciências Tecnológicas Universidade do Estado de Santa Catarina 2016

Leia mais

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA REVISÃO DE ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Arquitetura X Organização Arquitetura - Atributos de um Sistema Computacional como visto pelo programador, isto é a estrutura

Leia mais

Computadores e Programação (DCC/UFRJ)

Computadores e Programação (DCC/UFRJ) Computadores e Programação (DCC/UFRJ) Aula 3: 1 2 3 Abstrações do Sistema Operacional Memória virtual Abstração que dá a cada processo a ilusão de que ele possui uso exclusivo da memória principal Todo

Leia mais

Universidade Veiga de Almeida Algoritmos e Linguagem I

Universidade Veiga de Almeida Algoritmos e Linguagem I Aula 1 Conteúdo: 1. Apresentação da disciplina 2. Contextualização e definições: 2.1. Algoritmos 2.2. Programas 2.3. Linguagens de programação 2.4. Sintaxe e semântica 2.5. Desenvolvimento de programas

Leia mais

Linguagem C Princípios Básicos (parte 1)

Linguagem C Princípios Básicos (parte 1) Linguagem C Princípios Básicos (parte 1) Objetivos O principal objetivo deste artigo é explicar alguns conceitos fundamentais de programação em C. No final será implementado um programa envolvendo todos

Leia mais

Introdução à Arquitetura de Computadores

Introdução à Arquitetura de Computadores Introdução à Arquitetura de Computadores José Costa Introdução à Arquitetura de Computadores Departamento de Engenharia Informática (DEI) Instituto Superior Técnico 2014-09-17 José Costa (DEI/IST) Introdução

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Leia mais

Apresentação. !! Familiarização com os métodos de construção de compiladores de linguagens e com as técnicas de compilação mais habituais.

Apresentação. !! Familiarização com os métodos de construção de compiladores de linguagens e com as técnicas de compilação mais habituais. Apresentação Universidade dos Açores Departamento de Matemática www.uac.pt/~hguerra/!! Aquisição de conceitos sobre a definição de linguagens de programação.!! Familiarização com os métodos de construção

Leia mais

Compiladores I Prof. Ricardo Santos (cap 1)

Compiladores I Prof. Ricardo Santos (cap 1) Compiladores I Prof. Ricardo Santos (cap 1) Compiladores Linguagens de programação são notações que permitem descrever como programas devem executar em uma máquina Mas, antes do programa executar, deve

Leia mais

ELETRÔNICA DIGITAL II. AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR

ELETRÔNICA DIGITAL II. AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR ELETRÔNICA DIGITAL II AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR acjunior@facthus.edu.br 1º SEMESTRE 2009 CONTEÚDO PROGRAMADO: 1 O que é um computador digital? 2 Como funcionam os computadores 3 O agente

Leia mais

TASM DEFINIÇÃO DE UMA NOVA TABELA DE CONVERSÃO

TASM DEFINIÇÃO DE UMA NOVA TABELA DE CONVERSÃO TASM O TASM (Telemark Assembler) é um assemblador baseado em tabelas de conversão que corre em MS-DOS ou Linux. Código Assembly escrito de acordo com uma determinada sintaxe pode ser compilado usando o

Leia mais

Algoritmos e Técnicas de Programação Introdução Givanaldo Rocha de Souza

Algoritmos e Técnicas de Programação Introdução Givanaldo Rocha de Souza Algoritmos e Técnicas de Programação Introdução Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha Conceitos Lógica de Programação técnica de encadear pensamentos

Leia mais

Gestão de Memória. Espaço de Endereçamento

Gestão de Memória. Espaço de Endereçamento Gestão de Memória Parte I Mecanismos Espaço de Endereçamento Conjunto de posições de memória que um processo pode referenciar Para ler, escrever ou executar E se referenciar outras posições de memória?

Leia mais

Panorâmica da Programação Orientada a Objetos

Panorâmica da Programação Orientada a Objetos Panorâmica da Programação Orientada a Objetos Programação orientada a objetos (POO) é uma das maiores inovações na área de desenvolvimento de software. É importante você entender a POO e limitações das

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 10 Conjuntos de instruções: Características e funções slide 1 O que é um conjunto de instruções? A coleção completa de instruções

Leia mais

Slides trabalhados durante a quinta aula

Slides trabalhados durante a quinta aula Slides trabalhados durante a quinta aula prática Estruturas de Controle de Fluxo 3. Laços de repetição (continuação) Exercício: Construa um algoritmo, representando-o através de um pseudocódigo e de um

Leia mais

Lic. Engenharia de Sistemas e Informática

Lic. Engenharia de Sistemas e Informática Conceitos de Sistemas Informáticos Lic. Engenharia de Sistemas e Informática 1º ano 2004/05 Luís Paulo Santos (baseado no trabalho de A.J.Proença) Módulo Arquitectura de Computadores LPSantos, CSI: Arquitectura

Leia mais

Aula 23: Noções de Compilação, Montagem, Link-edição, e Interpretação

Aula 23: Noções de Compilação, Montagem, Link-edição, e Interpretação Aula 23: Noções de Compilação, Montagem, Link-edição, e Interpretação Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Compilação, Montagem, Link-edição,

Leia mais

Sistemas Operativos. Luís Paulo Reis. Sistemas Operativos. Sumário

Sistemas Operativos. Luís Paulo Reis. Sistemas Operativos. Sumário Sistemas Operativos Luís Paulo Reis Slide Nº 1 Sistemas Operativos Sumário O que é um Sistema Operativo (SO)? Modelo em Camadas de um SO Abstracções Suportadas por um SO: Utilizador Processo Ficheiro /

Leia mais

Ambientes Virtuais de Execução. Apresentação da plataforma.net

Ambientes Virtuais de Execução. Apresentação da plataforma.net Ambientes Virtuais de Execução Apresentação da plataforma.net 1 Plataforma.Net } Consiste de: } Common Language Runtime (CLR) } Fornece uma camada de abstracção sobre o sistema operativo } Bibliotecas

Leia mais

Programação Orientada a Objetos. Manipulação de Exceções

Programação Orientada a Objetos. Manipulação de Exceções Programação Orientada a Objetos Manipulação de Exceções Cristiano Lehrer, M.Sc. Introdução à Manipulação de Exceções (1/2) Em uma linguagem sem manipulação de exceção: Quando ocorre uma exceção, o controle

Leia mais

Capítulo 1. Aspectos Preliminares

Capítulo 1. Aspectos Preliminares Capítulo 1 Aspectos Preliminares Tópicos do Capítulo 1 Razões para estudar conceitos de linguagens de programação Domínios de programação Critérios de avaliação de linguagens Influências no projeto de

Leia mais

Dr. Joaquim de Carvalho

Dr. Joaquim de Carvalho Planificação Anual 2016/2017 Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Sistemas Digitais e Arquitectura de Computadores (SDAC) 12º ano 1 MÓDULO 7: Arquitectura de Computadores

Leia mais

Montagem e Manutenção de Computadores

Montagem e Manutenção de Computadores Montagem e Manutenção de Computadores Organização dos Computadores Aula de 04/03/2016 Professor Alessandro Carneiro Introdução Um computador consiste de vários dispositivos referidos como hardware: o teclado,

Leia mais

Sistemas de Computação. O Computador. Eng. Jorge Munguambe. Lic. em Engenharia Informática

Sistemas de Computação. O Computador. Eng. Jorge Munguambe. Lic. em Engenharia Informática O Computador Eng. Jorge Munguambe O que é um computador? É uma unidade Funcional programável, composta por uma ou mais unidades de processamento associadas e por equipamentos periférico, que é controlado

Leia mais

Introdução. Tradutores de Linguagens de Programação

Introdução. Tradutores de Linguagens de Programação Introdução Compiladores 1 Linguagens de programação são notações para se descrever computações para pessoas e para máquinas. Todo software executado em todos os computadores foi escrito em alguma linguagem

Leia mais

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues SEL 433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Prof. Evandro L. L. Rodrigues Tópicos do curso Conceitos básicos - Aplicações e utilizações dos microcontroladores

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo. Programação II. CT IX - Sala 201 Departamento de Informática Centro Tecnológico

Universidade Federal do Espírito Santo. Programação II. CT IX - Sala 201 Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito Santo Programação II Prof.ª Claudia Boeres (boeres@inf.ufes.br) Filipe Mutz (filipemtz@gmail.com) CT IX - Sala 201 Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade

Leia mais

Linguagens de Programação. Marco A L Barbosa

Linguagens de Programação. Marco A L Barbosa Expressões e sentença de atribuição Linguagens de Programação Marco A L Barbosa cba Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional. http://github.com/malbarbo/na-lp-copl

Leia mais

2 - Organização do Sistema Operativo. Prof. Ricardo Silva

2 - Organização do Sistema Operativo. Prof. Ricardo Silva 2 - Organização do Sistema Operativo Prof. Ricardo Silva Sumário Principais Elementos da Arquitectura de Sistemas Operativos Núcleo Chamadas ao sistema Processos de sistema Evolução da organização do núcleo

Leia mais

Escola Secundária de Emídio Navarro

Escola Secundária de Emídio Navarro Escola Secundária de Emídio Navarro Curso Secundário de Carácter Geral (Agrupamento 4) Introdução às Tecnologias de Informação Bloco I 11.º Ano Ficha de avaliação sumativa n.º 1 Duração: 50 min. + 50 min.

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Conjunto de Instruções Givanaldo Rocha de Souza http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br Material do prof. Sílvio Fernandes - UFERSA

Leia mais

Ficha de trabalho Nº 1 Utilizar adequadamente o computador e/ou dispositivos similares que processem dados.

Ficha de trabalho Nº 1 Utilizar adequadamente o computador e/ou dispositivos similares que processem dados. TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Data: 016/017 TURMAS: 7ºano Ficha de trabalho Nº 1 Utilizar adequadamente o computador e/ou dispositivos similares que processem dados. 1. Estabelece a correspondência

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Arquitetura e Organização de Computadores Conjunto de Instruções Prof. Sílvio Fernandes

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Estrutura e Função do Processador Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Organização

Leia mais

Unidade Central de Processamento 2. Registradores

Unidade Central de Processamento 2. Registradores Unidade Central de Processamento 2 Registradores Conceitos Fundamentais Arquitetura da CPU Unidade de Controle Registradores Barramento interno Unidade lógica e Aritmética Registradores Conjunto de unidades

Leia mais

Unidade de Controle. Sinais e temporização da busca de instrução. Prof. Eduardo Appel

Unidade de Controle. Sinais e temporização da busca de instrução. Prof. Eduardo Appel Unidade de Controle Prof Eduardo Appel appel@upftchebr Uma CPU de um microprocessador pode interpretar o conteúdo de uma palavra de memória como sendo o código de instrução Mas pergunta-se: Qual o número

Leia mais

Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis

Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO E SISTEMAS DIGITAIS PCS LABORATÓRIO DE PROCESSADORES I

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO E SISTEMAS DIGITAIS PCS LABORATÓRIO DE PROCESSADORES I ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO E SISTEMAS DIGITAIS PCS LABORATÓRIO DE PROCESSADORES I PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES Autor: Prof. Dr. Carlos

Leia mais

FACULDADE BATISTA MINEIRA - CST Banco de Dados Estruturas de Dados - Variáveis

FACULDADE BATISTA MINEIRA - CST Banco de Dados Estruturas de Dados - Variáveis Variável, na Matemática, é um termo utilizado em substituição de outro, normalmente, desconhecido. É utilizado para representar um número ou um conjunto. No contexto da programação de computadores, uma

Leia mais

Conteúdo. Introdução a compiladores Tradução x Interpretação Processo de Compilação

Conteúdo. Introdução a compiladores Tradução x Interpretação Processo de Compilação Compiladores Conteúdo Introdução a compiladores Tradução x Interpretação Processo de Compilação Quando se inventou o computador criou se uma máquina a mais, quando se criou o compilador criou se uma nova

Leia mais

UNIDADE 1 CONCEITOS BÁSICOS EM ALGORITMOS

UNIDADE 1 CONCEITOS BÁSICOS EM ALGORITMOS 1 UNIDADE 1 CONCEITOS BÁSICOS EM ALGORITMOS 1.1 NOÇÕES DE LÓGICA a) Conceitos: - Lógica é a ciência que estuda as leis do raciocínio; coerência; raciocínio. - Lógica como técnica nos ensina a usar corretamente

Leia mais

SOP Sistemas Operacionais Módulo 04: Processo

SOP Sistemas Operacionais Módulo 04: Processo SOP Módulo 04: Processo Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br Multiprogramação Tornar mais eficiente o aproveitamento dos recursos do computador Execução simultânea de vários programas

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÓFONA DE HUMANIDADES E TECNOLOGIAS CURSO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA

UNIVERSIDADE LUSÓFONA DE HUMANIDADES E TECNOLOGIAS CURSO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA UNIVERSIDADE LUSÓFONA DE HUMANIDADES E TECNOLOGIAS CURSO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA 2º Semestre 2004/2005 Programação de Sistemas 4/7/2005 Correcção 1. Qual a principal razão para que um SO suporte multiprogramação?

Leia mais

Sumário. Sistemas Operativos 1

Sumário. Sistemas Operativos 1 Sumário Requisitos mínimos do hardware para suportar um SO protegido (ex: Windows/Linux) Mecanismos hardware de suporte nas arquitecturas x86/x64 Sequência de chamada de serviços sistema no Windows a 32

Leia mais

Implementação de Linguagens

Implementação de Linguagens Implementação de Linguagens Pedro Vasconcelos DCC/FCUP 21 de Março de 2011 Objectivos Introdução à implementação de linguagens de programação declarativas (funcionais e lógicas). Enfoce sobre técnicas

Leia mais

Unidade I ORGANIZAÇÃO DE. Prof. Antônio Palmeira

Unidade I ORGANIZAÇÃO DE. Prof. Antônio Palmeira Unidade I ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Prof. Antônio Palmeira Apresentação da disciplina Conhecer as estruturas de hardware de um sistema computacional. Entender o funcionamento dos vários módulos que compõem

Leia mais

What is? Eduardo Viola Nicola Disciplina de IPPD

What is? Eduardo Viola Nicola Disciplina de IPPD What is? Eduardo Viola Nicola evnicola@inf.ufpel.edu.br Disciplina de IPPD Sumário 1)Introdução 2)Princípio Geral de Funcionamento 3)Exemplos de Aplicações 4)Modelo de Programação 5)Linguagens Suportadas

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-2 Objetivos Conhecer o processador Compreender os registradores

Leia mais

Introdução à Programação. Vanessa Braganholo

Introdução à Programação. Vanessa Braganholo Introdução à Programação Vanessa Braganholo vanessa@ic.uff.br Processo de resolução de problemas (Princípios de Pólya) Definição dos requisitos do problema (fazer o programa certo) Entradas Cálculos Casos

Leia mais

Aula 14 Funcionamento de Processadores (Visão específica)

Aula 14 Funcionamento de Processadores (Visão específica) Aula 14 Funcionamento de Processadores (Visão específica) Com base nas aulas de Prof. José Delgado (autorizado) Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@recife.ifpe.edu.br http://dase.ifpe.edu.br/~alsm

Leia mais

Algoritmos Fundamento e Prática

Algoritmos Fundamento e Prática Everton Coimbra de Araújo Algoritmos Fundamento e Prática 3 a Edição Ampliada e Atualizada Visual Books Sumário Prefácio... 15 Introdução... 17 Capítulo 1 - Os Cursos de Informática e Computação... 23

Leia mais

Introdução à Programação

Introdução à Programação Introdução à Programação Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br Processo de resolução de problemas (Princípios de Pólya) Definição dos requisitos do problema (fazer o programa certo) Entradas

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS II Enunciados de Laboratório

SISTEMAS DIGITAIS II Enunciados de Laboratório SISTEMAS DIGITAIS II Enunciados de Laboratório Prof. José Sousa 2003/2004 JS/04 0 Sumário Trabalho - Memórias RAM... 2 Trabalho 2 - Memórias EPROM... 3 Trabalho 3 - Circuitos Sequenciais Síncronos Realização

Leia mais

Símbolos e abreviaturas utilizadas na descrição das instruções

Símbolos e abreviaturas utilizadas na descrição das instruções Símbolos e abreviaturas utilizadas na descrição das instruções acumulador registo A addr endereço de 16 bits data quantidade de 8 bits data 16 quantidade de 16 bits byte 2 segundo byte da instrução byte

Leia mais

ARQUITECTURA DE COMPUTADORES 2013/2014 2º SEMESTRE

ARQUITECTURA DE COMPUTADORES 2013/2014 2º SEMESTRE ARQUITECTURA DE COMPUTADORES 2013/2014 2º SEMESTRE Objectivos da Disciplina Príncipios gerais da arquitectura de computadores Estrutura e comportamento de um computador Programação em assembly Processadores

Leia mais

Software: na visão da ES

Software: na visão da ES Software: na visão da ES É um produto transformador de informações De acordo com a semiótica: dados são símbolos com uma determinada sintaxe e informação são dados com uma determinada semântica Veículo

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE MATEMÁTICA profericomartins@unemat.br

Leia mais

Assunto 2 - Software. Prof. Miguel Damasco

Assunto 2 - Software. Prof. Miguel Damasco Assunto 2 - Software UD 1 - FUNDAMENTOS DE INFORMÁTICA Prof. Miguel Damasco a. Gerações dos Softwares 1ª Geração: Linguagem de máquina notação numérica binária ou hexadecimal, linguagem de baixo nível,

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 3

Sistemas Operacionais Aula 3 Sistemas Operacionais Aula 3 Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@recife.ifpe.edu.br http://dase.ifpe.edu.br/~alsm Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas de Informação Recife - PE O que fazer

Leia mais

Compiladores e Computabilidade

Compiladores e Computabilidade Compiladores e Computabilidade Prof. Leandro C. Fernandes UNIP Universidade Paulista, 2013 GERAÇÃO DE CÓDIGO INTERMEDIÁRIO Geração de Código Intermediário Corresponde a 1ª etapa do processo de Síntese

Leia mais

Fundamentos de Informática Introdução aos Conceitos Básicos

Fundamentos de Informática Introdução aos Conceitos Básicos Fundamentos de Informática Introdução aos Conceitos Básicos Professor: Luiz A. P. Neves neves@ufpr.br e lapneves@gmail.com 1 Roteiro Objetivos Conceitos Básicos Processamento de Dados Modalidade de Computadores

Leia mais

Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert

Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 1 Introdução Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Organização e arquitetura Arquitetura são

Leia mais

NEANDERWIN. Algumas características do processador Neander são:

NEANDERWIN. Algumas características do processador Neander são: NEANDERWIN O NeanderWin é um simulador da máquina Neander, definida no livro do Raul F. Weber (UFRGS), Fundamentos de Arquitetura de Computadores, Ed. Sagra Luzzatto. A máquina original foi estendida aqui

Leia mais

Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações. Medidas de desempenho

Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações. Medidas de desempenho Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações Bit, Caractere, Byte e Palavra Conceito de Arquivos e Registros Medidas de desempenho http://www.ic.uff.br/~debora/fac! 1 2

Leia mais

Introdução ao Estudo dos Computadores

Introdução ao Estudo dos Computadores 1 Capítulo 1 Introdução ao Estudo dos Computadores A execução de instruções é um dos pontos centrais num sistema computacional. Vários aspectos na definição e implementação da arquitetura de um computador

Leia mais