Fernando Moraes Ribeiro. 2º Simpósio de Segurança de Voo do GEEV. CTA - São José dos Campos SP 31 de Julho de 2009.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fernando Moraes Ribeiro. 2º Simpósio de Segurança de Voo do GEEV. CTA - São José dos Campos SP 31 de Julho de 2009."

Transcrição

1 Uma Perspectiva Atual 2º Simpósio de Segurança de Voo do GEEV CTA - São José dos Campos SP 31 de Julho de 2009 Fernando Moraes Ribeiro Consultor do CCTA

2

3 Compreender a importância de saber diferenciar erros de violações. Compreender o que é Cultura Justa e como ela contribui para Segurança. Conhecer estratégias para lidar com erros e violações, consolidando a Cultura Justa. 3

4 Defesas Organizacionais incluem tudo que é feito no intuito de garantir os resultados desejados em um processo. Falhas latentes enfraquecem as defesas organizacionais que deveriam proteger o sistema no caso de falhas ativas. 4

5 Falhas Ativas Cometidas por indivíduos em contato direto com o sistema Seus efeitos são imediatamente percebidos Falhas Latentes Podem permanecer adormecidas por muito tempo, sem resultarem em acidentes Seus efeitos só se manifestam após a ocorrência de falhas ativas. 5

6 Prof. James Reason, HFG Conference Error Management Achievements and Challenges: A falibilidade é parte da condição humana. Não vamos mudar a condição humana, mas as podemos mudar as condições sob as quais as pessoas trabalham. 6

7 A assimilação do conceito de Acidente Organizacional resultou em uma maior ênfase na investigação dos fatores organizacionais. Relatório de Investigação do Acidente do Ônibus Espacial Columbia (2003): Estamos convencidos que as práticas de gestão supervisionando o Programa do Ônibus Espacial foram causa do acidente tanto quanto a espuma que atingiu a asa esquerda. Muito bem! 7

8 No mesmo relatório também há exemplos de uma ênfase exagerada nos aspectos conjunturais e organizacionais: As causas na raiz deste acidente podem ser atribuídas, em parte, à turbulenta política pós Guerra Fria, na qual a NASA funcionou a maior parte do tempo entre a destruição do Challengere a perda do Columbia. E daí? 8

9 Acadêmico Valeri Legasov sobre o desastre nuclear em Chernobyl (gravação antes de suicidar-se em 1988): Depois de estar em Chernobyl, cheguei à conclusão inequívoca que o acidente foi... o ápice de toda a condução incorreta da economia, que vinha ocorrendo no nosso país por muitos anos. E daí? 9

10 Fonte: Prof. James Reason Error Management Achievements and Challenges HFG Conference,

11 Prof. James Reason, ErroreUmano Egineeringa Just Culture: Normalmente as melhores pessoas cometem os erros mais graves, porque são mais exigidas. 90 % de todos os erros são isentos de culpa... mas algumas pessoas conscientemente criam condições propícias para os seus próprios erros. Onde marcar a linha divisória? 11

12 ATOS INSEGUROS Erros Violações Erros de Percepção Erros de Desempenho Erros de Decisão Infrações Excepcionais Corrigir a Organização Corrigir o Indivíduo Identificação incorreta de uma Desvios isolados das normas Falhas de Atenção: olhar emergência, sem Desvios habituais de normas levando a cumprir o Não são habituais ver, atuação inadvertida Estimar procedimento em um mal distância, ou regulamentos. incorreto. Conhecimento prévio de que controle ou comando, perceber altitude Desempenho o ou velocidade Não ocorreriam sem algum comprometido diante não seriam toleradas pela perigo só no último instante. Desorientação espacial grau de tolerância ou pressão de Ilusões imprevistos visuais para os quais há Administração por parte da Administração. Falhas de Memória: pular procedimentos um definidos. item do checklist ou etapa Falta de de experiência limitando as procedimento. opções diante de uma situação nova. 12

13 Conjunto de valores, crenças e atitudes que molda e influencia a percepção e o comportamento dos indivíduos em uma organização. Cultura é a convicção individual de que aqui é assim, formada a partir do que esse indivíduo percebe no seu dia-a-dia. Aqui é assim e não Isso sempre foi assim. Orgulho profissional Resignção 13

14 Slogan na parede não garante a percepçãoda mensagem pelo indivíduo. A Cultura é o que faz o papel colado na parede ecoar uma mensagem. Só se forma uma Cultura quando se premia ou se reprime o processo, e não os resultados. 14

15 15

16 Não se limita a uma abordagem não-punitiva. Responsibility x Accountability : Responsabilidade x ser responsabilizado. Responsabilidade sugere uma expectativa, em relação a um indivíduo ou grupo. Ser responsabilizado se refere a uma obrigação individual. 16

17 Normas devem explicitar a diferença entre expectativas e obrigações. Compreensão influencia a reação do indivíduo diante de pressões informais. Exemplo: rubricas nas O/S de MNT na Aviação Naval. A redação da Norma reforçou o vínculo do profissional de MNT com o documento. 17

18 Não há Cultura de Comunicação, nem de Aprendizado, sem a Cultura Justa. A excelência de desempenho é uma decisão individual, nunca obtida por meio de ameaças ou punições. Nenhuma organização é obrigada a tolerar violações intencionais das suas normas. A fronteira entre o aceitável e o inaceitável não depende totalmente de punições. 18

19 Indivíduos capazes e motivados também erram. A punição não previne o erro, mas as defesas contra o erro normalmente não funcionam contra a violação. Em algumas violações, o erro foi subestimar a probabilidade de ser descoberto. Esse erro é inaceitável. Ênfase no processo, independentemente dos resultados. 19

20 Fases da evolução da Cultura Justa: Liberou geral Indignação, com fé nos princípios Distinção entre Erro e Violação Disciplina não é tabu nem solução 20

21 Overtorque durante tentativa de A/R completa: Não houve briefing. A/R completa não prevista para aquele tipo de vôo. A/R com recuperação e perda de motor em vôo librado deveriam preceder a A/R completa. 1P não informou sua intenção ao 2P. Vento < 5 nós, inferior ao mínimo previsto. Recomendações: Exigir o cumprimento das normas. Enfatizar a importância do briefing. Indignação, com fé nos princípios. Liberou geral. 21

22 Indignação, com fé nos princípios. Colisão do helicóptero no solo com o trator que o rebocava Distinção entre erro e violação. 22

23 Ênfase no método, e não nos resultados. 23

24 Disciplina não é tabu nem solução 24

25 Distinção entre erro e violação. Ênfase no método, e não nos resultados. 25

26 A complacência está no hardware do ser humano. Disciplina e ênfase no método são o software. Atenuação da percepção do risco resulta do mesmo processo que a atenuação da satisfação. Acidente do Vôo 3054: Imediatamente após: Uma tragédia anunciada, esperando acontecer! Antes: Quero pousar em Congonhas!

27 Em 2007: Colisão de pá com porta parcialmente aberta do hangar. Quantas vezes a manobra ocorreu assim, sem qualquer intervenção da supervisão, só porque não houve conseqüências? A ênfase nos resultados levou à complacência! 27

28 28

29 Start Start Was the job understood? Was the job understood? Yes No* No* Was the Yes action as No Was the intended? action as No intended? Yes Yes Were the results as No Were the intended? results as No intended? Yes Yes Sabotage or Malevolent Sabotage or Malevolent Act Act Knowingly violated procedures? Knowingly violated No* procedures? Yes Are the Yesprocedures Are the procedures clear? clear? Yes No* Yes Reckless Violation Reckless Violation No* Pass substitution test? Yes* Pass substitution test? No No Defective training or No* Defective selection training experience? or selection experience? Yes* No No Negligent Error Negligent Error Yes* History of violating procedures? History of violating No procedures? Yes* Yes* Yes* No Blame Error No Blame Error Repeated Incident With Repeated Incident Similar With Root Cause Similar Root Cause First written Documented for the First warning; written warning; Documented for the purpose of purpose accident of accident Coaching Coaching / Increased / Increased prevention awareness Final warning and prevention awareness Final warning and Supervision until behavior and training will negative performance Supervision until behavior and training will negative performance is corrected. suffice. appraisal is corrected. suffice. appraisal Severe Sanctions Severe Sanctions * Indicates a System induced error. Manager/supervisor must evaluate what part of the system failed and what corrective * Indicates and preventative a System induced action is error. required. Manager/supervisor Corrective and preventative must evaluate action shall what be part documented of the system for failed and what management corrective review. and preventative action is required. Corrective and preventative action shall be documented for management review. Increasing Individual Culpability / Diminishing Individual Culpability Increasing Individual Culpability / Diminishing Individual Culpability Fonte: IHST SMS Toolkit Edition 1 Joint Helicopter Safety Implementation Team No

30 (From the Shell Hearts and Minds Project, 2004)

31

32 EMA 137 Mod.1 Manual de Liderança da Marinha: Liderança é influenciar pessoas no sentido de que ajam, voluntariamente, em prol dos objetivos da Instituição. Então... se essa ação voluntária não ocorreu, a liderança não foi eficaz. Não basta dar o exemplo, é preciso ser o exemplo. É impossível obter, por ordem a excelência de desempenho (atividades especiais: voluntariado). Comprometimento: é impossível impor e pedir pouco adianta.

33 Sem liderança, não se forma a Cultura Justa. Decisões difíceis, sem autopromoção, ajudam. Somos como queríamos que fosse quem nos lidera? Empatia do Líder é o seu atributo mais importante para a segurança. As pessoas percebem o que você quer pelo seu comportamento, não pelo que você diz em discursos. (Patrick Hudson)

34 Erros e violações afetam a segurança de vôo. Por isso deve haver defesas específicas contra ambos. Em uma Cultura Justa, a verdadeira motivação para tratar violações de forma diferenciada tem que ser a de elevar a segurança, e não a de poder punir sem comprometer a segurança. A ênfase no processo independentemente dos resultadosé vital para formar e manter uma Cultura Justa, mas é um colossal desafio para as lideranças. 34

35 Compreender a importância de saber diferenciar erros de violações. Compreender o que é Cultura Justa e como ela contribui para Segurança. Conhecer estratégias para lidar com erros e violações, consolidando a Cultura Justa. 35

36 A prevenção de acidentes requer a mobilização geral (NSCA 3-3) 36

37 37

38 Fernando Moraes Ribeiro Chave Petrobras MDAJ CCTA: (21) Cel. (21)

Índice do Número de Acidentes da Aviação Regular a cada um Milhão de Decolagens em 2012

Índice do Número de Acidentes da Aviação Regular a cada um Milhão de Decolagens em 2012 1 2 3 4 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 Índice do Número de Acidentes da Aviação Regular a cada um Milhão de Decolagens em 2012 1,9 4,8 de A. **Fonte do índice dos Continentes: ICAO. 2,7 4,2 3,8 2,8 3,2 1,0 0,0 Brasil*

Leia mais

Os erros são do sistema, do profissional ou da instituição? Responsabilização e Cultura Justa

Os erros são do sistema, do profissional ou da instituição? Responsabilização e Cultura Justa Os erros são do sistema, do profissional ou da instituição? Responsabilização e Cultura Justa Erro Humano e Cultura Organizacional. Felipe Koeller R. Vieira Oficial Aviador Investigador Sênior de Acidentes

Leia mais

Gerenciamento da Segurança Operacional GSO. Conceitos

Gerenciamento da Segurança Operacional GSO. Conceitos Gerenciamento da Segurança Operacional GSO Conceitos 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 1 Objetivos Identificar conceitos de gerenciamento

Leia mais

HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL. Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008

HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL. Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 OBJETIVO Conhecer a evolução do pensamento sobre Gerenciamento

Leia mais

PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NA MANUTENÇÃO DE AERONAVES

PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NA MANUTENÇÃO DE AERONAVES PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NA MANUTENÇÃO DE AERONAVES 2013 1978 a 1980: Formação na Escola de Especialistas de Aeronáutica na Especialidade de mecânico de Aeronaves, em Guaratinguetá. 1980 a1986:

Leia mais

Ambiente Colaborador Paciente

Ambiente Colaborador Paciente Ambiente Colaborador Paciente Formas de desenvolvimento do aprendizado e do conhecimento Tentativa e Erro Observação, Exploração e Descoberta Replicação, Similaridade e Adaptação Positiva Transferência

Leia mais

Já não lembramos mais o último acidente

Já não lembramos mais o último acidente Já não lembramos mais o último acidente José Luiz Lopes Alves, Dr. Interface Consultoria em SMS www.interface-hs.com.br Introdução Há muito tempo a forma adotada para abordar questões de segurança, numa

Leia mais

Cultura de Segurança

Cultura de Segurança Cultura de Segurança Importância do Ensino das Temáticas de SHST em Engenharia João Carlos Matias (UBI) Ana Pinto (ISEL) Sessão de Encerramento Comemorações do Dia Nacional de Prevenção e Segurança no

Leia mais

PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO)

PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO) PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO) - - - - - - - - - - Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página

Leia mais

Lia Buarque de Macedo Guimarães PPGEP/UFRGS. Ergonomia Cognitiva. Complexidade do erro. Erro Humano...

Lia Buarque de Macedo Guimarães PPGEP/UFRGS. Ergonomia Cognitiva. Complexidade do erro. Erro Humano... Complexidade do erro Erro Humano... Algumas definições Acidente é toda ocorrência não desejada que modifica ou põe fim ao andamento normal de qualquer tipo de atividade. acontecimento indesejável ou infausto

Leia mais

Claudia Laselva ISMP _ Brasil Ouro Preto MG 2014

Claudia Laselva ISMP _ Brasil Ouro Preto MG 2014 O erro aconteceu. O que o paciente e a família esperam de você agora? Claudia Laselva ISMP _ Brasil Ouro Preto MG 2014 1 Disclosure Uma das premissas para o alcance da cultura de segurança é a existência

Leia mais

Sistemas Críticos. Resumo do Cap.3 por Rossana M. C. Andrade. 2007 by Pearson Education

Sistemas Críticos. Resumo do Cap.3 por Rossana M. C. Andrade. 2007 by Pearson Education Sistemas Críticos Resumo do Cap.3 por Rossana M. C. Andrade Objetivos Explicar o que significa um sistema crítico, e onde a falha de sistema pode ter conseqüência severa humana ou econômica. Explicar quatro

Leia mais

AVALIAÇÃO DA MATURIDADE DE UM SISTEMA DE GESTÃO: PROPOSTA DE UM INSTRUMENTO

AVALIAÇÃO DA MATURIDADE DE UM SISTEMA DE GESTÃO: PROPOSTA DE UM INSTRUMENTO 1 AVALIAÇÃO DA MATURIDADE DE UM SISTEMA DE GESTÃO: PROPOSTA DE UM INSTRUMENTO Giovanni Moraes de Araújo Mestre em Sistema de Gestão pela UFF giomor@terra.com.br RESUMO Este trabalho tem por objetivo destacar

Leia mais

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012

AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012 AÇÃO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL: Belo Horizonte Dezembro de 2012 A implantação do SGSO nos Aeroclubes e Escolas de Aviação Civil Objetivos Esclarecer sobre o processo de confecção do Manual de Gerenciamento

Leia mais

SEMINÁRIO PAULISTA DE GESTÃO SEPAGE/2011. SEGURANÇA DO PACIENTE: Diferencial na Imagem Institucional

SEMINÁRIO PAULISTA DE GESTÃO SEPAGE/2011. SEGURANÇA DO PACIENTE: Diferencial na Imagem Institucional SEMINÁRIO PAULISTA DE GESTÃO SEPAGE/2011 SEGURANÇA DO PACIENTE: Diferencial na Imagem Institucional A área da saúde costumava ser mais simples, menos eficaz e mais segura. Chantler, 1997. A área da saúde

Leia mais

O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar?

O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar? O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar? Eng. Dr. José L. Lopes Alves INTRODUÇÃO Organizações no ramo industrial, da saúde, de energia, por exemplo, têm investido enormes

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

ASPECTOS HUMANOS DA SEGURANÇA, SAÚDE NO TRABALHO E MEIO AMBIENTE NA MANUTENÇÃO

ASPECTOS HUMANOS DA SEGURANÇA, SAÚDE NO TRABALHO E MEIO AMBIENTE NA MANUTENÇÃO ENTRANCE QUIZ Disciplina: SSTMA na Manutenção Prof. Dr. Enon Laércio Nunes TEXTO BASE: ASPECTOS HUMANOS DA SEGURANÇA, SAÚDE NO TRABALHO E MEIO AMBIENTE NA MANUTENÇÃO A área de manutenção é dependente da

Leia mais

O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral?

O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral? O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral? O sistema de envio de relatório semestral tem por finalidade

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

- - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página 170 de 843 - - - -

- - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página 170 de 843 - - - - - - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página 170 de 843 - - - - - - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página

Leia mais

Utilização de processos de gestão e ferramentas computacionais para melhoria da segurança operacional

Utilização de processos de gestão e ferramentas computacionais para melhoria da segurança operacional Utilização de processos de gestão e ferramentas computacionais para melhoria da segurança operacional GUILHERME ROCHA São José dos Campos - SP INSTITUTO DE PESQUISAS E ENSAIOS EM VOO Agosto 2011 SSV 2011

Leia mais

FATORES DE RISCO OPERACIONAIS CRÍTICOS NA INDÚSTRIA DE MANUTENÇÃO AERONÁUTICA

FATORES DE RISCO OPERACIONAIS CRÍTICOS NA INDÚSTRIA DE MANUTENÇÃO AERONÁUTICA FATORES DE RISCO OPERACIONAIS CRÍTICOS NA INDÚSTRIA DE MANUTENÇÃO AERONÁUTICA Jose Cristiano Pereira (uff) pereirajosecristiano084@gmail.com Gilson Brito Alves Lima (uff) gilson@latec.uff.br O estudo apresentado

Leia mais

CREW RESOURCE MANAGEMENT

CREW RESOURCE MANAGEMENT CREW RESOURCE MANAGEMENT Como integrar o CRM na cultura da sua empresa Monica Lavoyer Escudeiro E S P E C I A L I S TA E M R E G U L A Ç Ã O D E AV I A Ç Ã O C I V I L G E R Ê N C I A T É C N I C A D E

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1 PANORAMA ESTATÍSTICO DA AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA EM 212 213 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

Leia mais

Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade

Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade Promover a segurança e a excelência do sistema de aviação civil, de forma a contribuir para o desenvolvimento do País e o bem-estar da sociedade brasileira Identificar os novos conceitos sobre segurança

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP CULTURA ORGANIZACIONAL Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP Cultura é uma característica única de qualquer organização Apesar de difícil definição, compreende-la pode ajudar a: Predizer como a organização

Leia mais

Mário Rocha. A contribuição do Coaching no desenvolvimento das competências

Mário Rocha. A contribuição do Coaching no desenvolvimento das competências Mário Rocha A contribuição do Coaching no desenvolvimento das competências Missão Visão Objetivos estratégicos Competências Organizacionais Competências Conhecimento o que saber Habilidades - saber fazer

Leia mais

Guia para elaboração de. Manual de Gerenciamento da Segurança Operacional (MGSO) Aeródromos Classe I e II

Guia para elaboração de. Manual de Gerenciamento da Segurança Operacional (MGSO) Aeródromos Classe I e II Superintendência de Infraestrutura Aeroportuária Gerência de Operações Aeronáuticas e Aeroportuárias Guia para elaboração de Manual de Gerenciamento da Segurança Operacional (MGSO) Aeródromos Classe I

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010 2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de 17 a 19 de novembro de 2009 Segurança Operacional 09 a 11 de novembro de 2010 Segurança Acima de Tudo Ferramentas de Segurança Operacional Histórico

Leia mais

Segurança de Vôo: Uma Prioridade, e Algo Segurança de Vôo: Uma Prioridade, e Algo - Conceito de segurança de vôo: é a parte integral da operação eficiente, que nasce com o projeto, amadurece com o plano

Leia mais

Gerenciando a Cadeia de Suprimentos (Managing the Supply Chain) A Experiência Cargill ( Cargill s Experience)

Gerenciando a Cadeia de Suprimentos (Managing the Supply Chain) A Experiência Cargill ( Cargill s Experience) Gerenciando a Cadeia de Suprimentos (Managing the Supply Chain) A Experiência Cargill ( Cargill s Experience) 1 Jose de Ribamar, Ger Qualidade e Food Safety Cargill Amidos e Adoçantes América do Sul jose_ribamar@cargill.com

Leia mais

Nisto poderemos perguntar, por que pensar em liderança: Vejamos alguns pontos de vital importância:

Nisto poderemos perguntar, por que pensar em liderança: Vejamos alguns pontos de vital importância: LIDERANÇA EMPRESARIAL EVIDÊNCIAS DO COACHING COMO ESTRATÉGIA DE SUCESSO Prof. Dr. Edson Marques Oliveira, Doutor em Serviço Social pela Unesp-Franca-SP, mestre em Serviço Social pela PUC-SP e bacharel

Leia mais

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Fortaleza, 28 de novembro de 2012. Análise de Causa-Raiz É um método utilizado na engenharia, nas investigações de acidentes industriais, nucleares,

Leia mais

PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR

PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERA- CIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR ANTECEDENTES A Organização de Aviação Civil Internacional

Leia mais

SEMINÁRIO ABIQUIM NOV 2007

SEMINÁRIO ABIQUIM NOV 2007 APRENDIZADO ORGANIZACIONAL EM SSMA SEMINÁRIO ABIQUIM NOV 2007 AMÉRICO DINIZ SSMA CORPORATIVO Roteiro Investigação de Acidentes : Visão Evolutiva Critérios rios de Avaliação : Proposição Estratégia : Alternativas

Leia mais

Maria Segurado Fátima, 25 de Fevereiro de 2008

Maria Segurado Fátima, 25 de Fevereiro de 2008 Alterações da norma OHSAS 18001:2007 Ricardo Teixeira Gestor de Cliente Coordenador Revisão da norma Objectivos da revisão danorma: Esclarecimento da 1.ª edição; Alinhamento com a ISO 14001; Melhoria da

Leia mais

Indicadores Gestão da Ética

Indicadores Gestão da Ética Indicadores Gestão da Ética Identificação Segmento: Diversos Resultados Sua Pontuação: 0 Sua Avaliação: INICIANTE Descrição: A empresa utiliza muito pouco ou praticamente nenhuma ferramenta de gestão de

Leia mais

O ABC da gestão do desempenho

O ABC da gestão do desempenho Por Peter Barth O ABC da gestão do desempenho Uma ferramenta útil e prática para aprimorar o desempenho de pessoas e organizações 32 T&D INTELIGÊNCIA CORPORATIVA ED. 170 / 2011 Peter Barth é psicólogo

Leia mais

ANAC SAFETY CASE AO CONCEITO INTRODUÇÃO. Simpósio de Gerenciamento da Segurança Operacional 29/04/2014

ANAC SAFETY CASE AO CONCEITO INTRODUÇÃO. Simpósio de Gerenciamento da Segurança Operacional 29/04/2014 ANAC INTRODUÇÃO Simpósio de Gerenciamento da Segurança Operacional! AO CONCEITO 29/04/2014 DE SAFETY CASE A Ausência de Acidentes não é Garantia de Segurança E, mesmo que fosse como demonstrar a segurança

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa Ricardo Pereira Antes de começar por Ricardo Pereira Trabalhando na Templum Consultoria eu tive a rara oportunidade

Leia mais

Beber ou Dirigir. Faça a escolha certa

Beber ou Dirigir. Faça a escolha certa Beber ou Dirigir Faça a escolha certa O consumo responsável de bebidas alcoólicas, feito por indivíduos saudáveis com mais de 18 anos, é parte da vida em sociedade. Desde os tempos antigos é utilizado

Leia mais

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1 APRESENTAÇÃO www.get-pt.com 1 -2- CULTURA GET -1- A nossa Visão Acreditamos que o elemento crítico para a obtenção de resultados superiores são as Pessoas. A nossa Missão A nossa missão é ajudar a melhorar

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

PreviNE CONSCIÊNCIA SITUACIONAL E A SEGURANÇA OPERACIONAL. A aeronave da Figura 1 decolou do Aeroporto de Congonhas - SBSP, São Paulo-SP, às

PreviNE CONSCIÊNCIA SITUACIONAL E A SEGURANÇA OPERACIONAL. A aeronave da Figura 1 decolou do Aeroporto de Congonhas - SBSP, São Paulo-SP, às CONSCIÊNCIA SITUACIONAL E A SEGURANÇA OPERACIONAL Figura 1 - Acidente em que a perda da Consciência Situacional foi um dos fatores contribuintes (BRASIL, 2009). A aeronave da Figura 1 decolou do Aeroporto

Leia mais

Project Management Institute Building professionalism in project management

Project Management Institute Building professionalism in project management Gestão de Projetos Profa. Tatiana Maia Project Management Institute Building professionalism in project management 1 Normas em Gestão de Projetos 1987 2000 1983 1996 2004 PMBOK O PMBOK é a Biblia da Metodologia

Leia mais

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 Disciplina os procedimentos para gestão de incidentes de segurança da informação e institui a equipe de tratamento e resposta a incidentes em redes computacionais

Leia mais

COMPORTAMENTO SEGURO

COMPORTAMENTO SEGURO COMPORTAMENTO SEGURO A experiência demonstra que não é suficiente trabalhar somente com estratégias para se conseguir um ambiente de trabalho seguro. O ideal é que se estabeleça a combinação de estratégias

Leia mais

Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S.

Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 4: Trilhas de Auditoria Existe a necessidade

Leia mais

FATORES HUMANOS NA SEGURANÇA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM INTEGRADA E SISTÊMICA NO TREINAMENTO DA GESTÃO DOS RISCOS.

FATORES HUMANOS NA SEGURANÇA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM INTEGRADA E SISTÊMICA NO TREINAMENTO DA GESTÃO DOS RISCOS. 1 FATORES HUMANOS NA SEGURANÇA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM INTEGRADA E SISTÊMICA NO TREINAMENTO DA GESTÃO DOS RISCOS. Monica Lavoyer Escudeiro Especialista em Regulação de Aviação Civil Gerência Técnica

Leia mais

Questões Comentadas ISO 27001

Questões Comentadas ISO 27001 2012 Questões Comentadas ISO 27001 LhugoJr Versão 1.0 05/12/2012 Introduça o Vale ressaltar que alguns comentários sobre as questões foram retiradas das seguintes fontes: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - QUESTÕES

Leia mais

Práticas de Apoio à Gestão: Gerenciamento com foco na Qualidade. Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Práticas de Apoio à Gestão: Gerenciamento com foco na Qualidade. Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Práticas de Apoio à Gestão: Gerenciamento com foco na Qualidade Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Gestão da Qualidade Total (TQM) Conjunto de ideias e

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

Mudança Orientada por Comportamento

Mudança Orientada por Comportamento Mudança Orientada por Comportamento Quando um sistema de gestão de SSO não é suficiente para melhorar o desempenho organizacional em acidentes Caroline Passuello e Mauro Tavares Abril 2012 DNV Business

Leia mais

Coaching Executivo: Coaching como instrumento fundamental do Líder

Coaching Executivo: Coaching como instrumento fundamental do Líder Coaching Executivo: Coaching como instrumento fundamental do Líder I Simpósio Coaching - Arte e Ciência CRA-SP 28 de maio de 2013 1 COACH Sentido original da palavra: veículo para transporte de pessoas.

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

FMB - Unesp Botucatu

FMB - Unesp Botucatu FMB - Unesp Botucatu Caso: o trabalhador que apanhou do robô Exercício: Lições do caso e Críticas à abordagem tradicional Novos conceitos para análise Abordagem organizacional x comportamental Trabalhador

Leia mais

Juramento de Hipócrates

Juramento de Hipócrates Juramento de Hipócrates Aplicarei os regimes para o bem do doente segundo o meu poder e entendimento, nunca para causar dano ou mal a alguém. A ninguém darei por comprazer, nem remédio mortal nem um conselho

Leia mais

DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014

DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014 DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014 Abordagem de Processos Risk-based thinking (Pensamento baseado em Risco) Anexo SL (Estrutura de Alto Nível) Anexo SL (Estrutura de Alto Nível) 1 - Escopo 2 -

Leia mais

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO:

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO: Fichamento / /2011 MOTIVAÇÃO Carga horária 2 HORAS CONCEITO: É o desejo de exercer um alto nível de esforço direcionado a objetivos organizacionais, condicionados pela habilidade do esforço em satisfazer

Leia mais

Incorporando Controle de Riscos Críticos e Comportamento à Gestão de Saúde e Segurança

Incorporando Controle de Riscos Críticos e Comportamento à Gestão de Saúde e Segurança Incorporando Controle de Riscos Críticos e Comportamento à Gestão de Saúde e Segurança ENIO VITERBO JUNIOR Diretor Corporativo SSMA 18/04/2012 Título da Apresentação 1 Objetivos Apresentar uma maneira

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) Gerenciando erros humanos em operações químicas Ministrante: Fábio Rubens Soares Engenheiro Químico - Professor FAAP Contatos: frsoares@faap.br Apoio Campinas,

Leia mais

O que é ISO 9001:2000?

O que é ISO 9001:2000? O que é ISO 9001:2000? Um guia passo a passo para a ISO 9001:2000 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Conteúdo * SISTEMAS DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E PDCA... 1 * OITO PRINCÍPIOS DE GESTÃO DA QUALIDADE...

Leia mais

Objetivos da comunicação

Objetivos da comunicação Prof. Edmundo W. Lobassi Use palavras simples, que todos compreendam, assim todos irão entendê-lo. (Prof. Edmundo W. Lobassi) 1 Estude algumas pesquisas e ouça pessoas experts, pois nada é mais importante

Leia mais

Gestão de Riscos e Oportunidades em Comunicação. Jorge Duarte

Gestão de Riscos e Oportunidades em Comunicação. Jorge Duarte Gestão de Riscos e Oportunidades em Comunicação 1 Crises não são caprichos dos Deuses da Comunicação Somente 14% das crises são súbitas (acidentes, desastres, acontecimentos inesperados) 86% são manifestações

Leia mais

Termos de uso de internet sem fio

Termos de uso de internet sem fio Termos de uso de internet sem fio O serviço "Wi-Fi" você estará na Internet oferecido pela empresa Wificentraal. Para o uso de Wi-Fi são as seguintes condições. Usando a internet sem fio, consente expressamente

Leia mais

Gestão de Mudanças Organizacionais e Projetos

Gestão de Mudanças Organizacionais e Projetos Gestão de Mudanças Organizacionais e Projetos Uma introdução 1 O Sucesso em Projetos Sabemos porque projetos fracassam, sabemos como prevenir o fracasso de projetos - - Martin Cobb Treasury Board of Canada

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO Alexandra Lemos Ferraz 1 Evandro Oliveira da Silva 2 Edimar Luiz Bevilaqua 3 Fernando Nobre gomes da silva 4 Matheus Trindade

Leia mais

A Normalização e a Gestão do Risco

A Normalização e a Gestão do Risco A Normalização e a Gestão do Risco ISO 26000 e a Gestão do Risco 22 de Maio 2014 João Simião Algumas reflexões para partilhar 2 Curiosidades sobre riscos Sabia que o termo risco (risk) é referido em 141

Leia mais

FEEDBACK 1 João Batista Silvério 2

FEEDBACK 1 João Batista Silvério 2 FEEDBACK 1 João Batista Silvério 2 Feedback é um termo da língua inglesa sem um significado preciso em português, usualmente traduzido como realimentação. Inicialmente empregado no campo da mecânica, com

Leia mais

BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010

BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010 BANCO CENTRAL DO BRASIL 2009/2010 CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS E PLANOS DE CONTINGÊNCIA Professor: Hêlbert A Continuidade de Negócios tem como base a Segurança Organizacional e tem por objeto promover a proteção

Leia mais

HELICÓPTERO SOB IMC. Inadvertido ou Não, Voe Seguro

HELICÓPTERO SOB IMC. Inadvertido ou Não, Voe Seguro Inadvertido ou Não, Voe Seguro DEP: 14h27 (Local) 14h40 6.500 ft FL 070 14h48 Reportou desvio 14h50 Colisão com o solo Rota Prevista do EB 2002 Local do Acidente 87% OBJETIVO: 1. Identificar as diferenças

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

Auto-formação para colaboradores

Auto-formação para colaboradores Formação e familiarização directa com o posto de trabalho é, muitas vezes, da responsabilidade da organização. Para uma organização eficaz desta tarefa, o instrutor/tutor necessita não só do conhecimento

Leia mais

Corrupção, fraudes, desvios e má conduta são problemas graves que cada vez mais fazem parte da realidade empresarial brasileira.

Corrupção, fraudes, desvios e má conduta são problemas graves que cada vez mais fazem parte da realidade empresarial brasileira. Corrupção, fraudes, desvios e má conduta são problemas graves que cada vez mais fazem parte da realidade empresarial brasileira. Considerar o risco humano é um dos fatores primordiais quando se busca a

Leia mais

Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho. Professor: Tarcisio Abreu Saurin

Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho. Professor: Tarcisio Abreu Saurin Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Professor: Tarcisio Abreu Saurin O Conflito Produção x Segurança t n Prevenção t 0 Produção Eventos de falta de segurança Reason, J., Managing the Risks of Organizational

Leia mais

Capítulo 3. 3 Modelo Reason de acidente organizacional

Capítulo 3. 3 Modelo Reason de acidente organizacional Capítulo 3 3 Modelo Reason de acidente organizacional Em 1997, o professor James Reason contribuiu com estudos e pesquisas relacionados ao gerenciamento de risco nas empresas, ao lançar a proposição de

Leia mais

CONBRAI 2015. Nome proposta. O papel da Auditoria Interna. combate à Fraude e Corrupção

CONBRAI 2015. Nome proposta. O papel da Auditoria Interna. combate à Fraude e Corrupção CONBRAI 2015 Nome proposta O papel da Auditoria Interna Nome no atual clientecenário de combate à Fraude e Corrupção Data Fernando Fleider Sócio -Diretor Alessandro Gratão Marques Executivo Líder de Auditoria

Leia mais

REF.: POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA CORRESPONDENTE BANCÁRIO DO SANTANDER.

REF.: POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA CORRESPONDENTE BANCÁRIO DO SANTANDER. REF.: POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA CORRESPONDENTE BANCÁRIO DO SANTANDER. 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO A informação é um dos principais patrimônios do mundo dos negócios. Um fluxo de informação

Leia mais

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO OBJETIVOS Para definir as razões para a investigação de acidentes e incidentes. Para explicar o processo de forma eficaz a investigação de acidentes e incidentes. Para

Leia mais

Gestão da qualidade do software

Gestão da qualidade do software Gestão da qualidade do software Empenhada em assegurar que o nível de qualidade requerido de um produto de software é atingido Envolve a definição de normas e procedimentos de qualidade apropriados, e

Leia mais

O redesenho dos sistemas de cuidado para a segurança do paciente: a importância da abordagem sistêmica nas instituições.

O redesenho dos sistemas de cuidado para a segurança do paciente: a importância da abordagem sistêmica nas instituições. O redesenho dos sistemas de cuidado para a segurança do paciente: a importância da abordagem sistêmica nas instituições. Victor Grabois Proqualis/Icict/Fiocruz Dia 11 de novembro de 2014 Características

Leia mais

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE Erro de Medicação Complexidade do sistema de saúde Ambientes especializados e dinâmicos Condições que

Leia mais

Segurança do Trabalho. Papel do Gestor Frente a Prevenção

Segurança do Trabalho. Papel do Gestor Frente a Prevenção Segurança do Trabalho Papel do Gestor Frente a Prevenção Papel do gestor frente a prevenção O gestor é responsavel pela segurança de suas equipes: Integração de novos funcionários Conhecer através da CIPA

Leia mais

Comunicação Integrada em Vendas

Comunicação Integrada em Vendas Comunicação Integrada em Vendas Hélio Azevedo helio.azevedo@salestalent.com.br Agenda Percepção Objetivos de uma apresentação O orador Os tipos de público Os tipos de discurso O medo de falar Preparando

Leia mais

PROPOSTA DE EDUCAÇÃO BILÍNGUE VOLTADA À SURDEZ NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO

PROPOSTA DE EDUCAÇÃO BILÍNGUE VOLTADA À SURDEZ NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO PROPOSTA DE EDUCAÇÃO BILÍNGUE VOLTADA À SURDEZ NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO Cristiane Correia Taveira, IHA/SME-Rio Laura Jane Belém, IHA/SME-Rio Micheli Accioly, IHA/SME-Rio Miriam Frias Nascimento,

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN INTRODUÇÃO O objetivo deste estudo é mostrar a influência da qualidade da gestão comportamental no ambiente de trabalho

Leia mais

judgment EM PERSPECTIVA:

judgment EM PERSPECTIVA: EM PERSPECTIVA: judgment As teorias de liderança geralmente estão baseadas em características individuais, como o carisma, influência, ética, entre outras, mas um determinante central da performance de

Leia mais

Como transformar Grupos em Equipes

Como transformar Grupos em Equipes Como transformar Grupos em Equipes Caminhos para somar esforços e dividir benefícios Introdução Gestores de diversos segmentos, em algum momento de suas carreiras, deparam-se com desafios que, à primeira

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

Equipe de Alto Desempenho 307

Equipe de Alto Desempenho 307 36 Equipe de Alto Desempenho 307 O brilho individual de cada integrante da equipe contribui para o reconhecimento da constelação. Uma equipe existe onde há o espírito de cooperação. Nada é impossível.

Leia mais

Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de. um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes

Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de. um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes Linhas de Orientação Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves Definição da Política Revisão pela Direcção

Leia mais

Disciplina: Comportamento Organizacional Aula 5

Disciplina: Comportamento Organizacional Aula 5 Curso de Logística Disciplina: Comportamento Organizacional Aula 5 Professora: Juliana Baino Comportamento Organizacional FATORES DO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL CULTURA ORGANIZACIONAL; IMAGEM DA

Leia mais

Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE

Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE POR QUE? Porqueo paciente é colocado sob risco durante uma intervenção feita para melhorar sua saúde! Porque causam-se danos ao paciente durante os cuidados

Leia mais