UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita"

Transcrição

1 Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE Comunicação Oral e Escrita Unidade 1 Comunicação Verbal

2 Núcleo de Educação a Distância 2 Aviso importante! Este material foi produzido com o objetivo de permitir que você realize consultas off-line ao conteúdo da disciplina virtual. No entanto, alertamos para o fato de que a disciplina deve ser cursada no modo digital. O conteúdo foi desenvolvido prevendo a utilização dos recursos que a mídia eletrônica pode oferecer. Através do ambiente UVAONLINE, a aprendizagem tornar-se-á mais fácil, ágil, interativa e eficaz. O texto que estamos disponibilizando para você, através desta apostila, deverá ser utilizado apenas como um reforço. Todas as práticas e atividades que devem ser realizadas ao longo e ao final de cada Unidade, só estão disponíveis no ambiente virtual. Lembramos ainda que, para obter aprovação, é necessário que você tenha realizado e enviado para o seu Tutor as atividades e avaliações propostas nas unidades desta disciplina. Tenha um ótimo estudo!

3 Núcleo de Educação a Distância 3 Apresentação A Comunicação Oral e Escrita é uma disciplina basicamente instrumental, que lhe abre caminhos para possibilidades continuadas de estudo, por meio de um conhecimento mais efetivo da nossa língua, tanto na forma de texto lido, como na construção do seu próprio discurso. Nossa disciplina foi dividida em 12 unidades, cada uma abordando algum aspecto diferenciado da matéria, apesar de todos passarem pelos grandes conteúdos, que podem ser resumidos em Leitura e Interpretação, Redação e Produção textual e Estudo da Norma Culta. Cada unidade tem uma parte de conteúdo didático bem desenvolvida e esquematizada, uma larga apresentação de exemplos e um conjunto de atividades, tudo com o objetivo de lhe permitir não só um embasamento teórico, como também a aplicação real de tais situações lingüísticas. Ao curso on-line acrescentamos a indicação do mesmo livro didático utilizado pelas turmas presenciais, que dará a cada aluno a possibilidade de aprofundar os conhecimentos e fazer muito mais exercícios, aperfeiçoando os contatos com a nossa língua em suas diferentes manifestações faladas e escritas. Esperamos que você aproveite tudo o que o nosso curso lhe oferece. Objetivos da Disciplina Os verdadeiros objetivos desta disciplina podem ser resumidos assim: melhorar sua condição de leitor, preparando-o para encontrar textos cada vez mais selecionados e sofisticados, coerentes com sua condição de universitário e profissional de nível superior; aperfeiçoar sua capacidade de produtor de textos, uma exigência diferenciada e preferencial para alguém que almeja a continuidade permanente de estudos; aprofundar seus conhecimentos da norma culta e do discurso formal, coerentes com esse nível mais exigente de linguagem, por serem os mais adequados a essa situação acadêmica e profissional.

4 Núcleo de Educação a Distância 4 Roteiro da disciplina Esta disciplina está organizada nas seguintes unidades: Unidade 1 Comunicação Verbal Unidade 2 Leitura e Interpretação Unidade 3 Redação e Norma Culta Unidade 4 Ortografia Unidade 5 Conjugação Verbal Unidade 6 Concordância Unidade 7 Coesão e Coerência Textual Unidade 8 Pontuação Unidade 9 Redação Clássica Argumentativa Unidade 10 Regência e Crase Unidade 11 Emprego de Pronomes Unidade 12 Colocação de Pronomes

5 Núcleo de Educação a Distância 5 Unidade 1: Comunicação Verbal Esta unidade, relativa à comunicação verbal, tem dois objetivos: O primeiro, de caráter amplo, é colocá-lo em contato mais íntimo com a língua, preparando-o para novos posicionamentos e, principalmente, para receber novos conhecimentos; O segundo, com espectro mais específico, é fazê-lo entender melhor a Língua Portuguesa, partindo de sua história e reconhecendo a necessidade de ser um conhecedor de vários níveis diferentes para sua aplicação. Esta é a unidade inicial, porque, através dela, achamos viável convencê-lo da importância de assumir novas posturas no aprendizado da nossa língua, vendo-a como essencial na formação de um profissional de nível superior e imprescindível na conquista de novos saberes, mais específicos e sofisticados. Objetivos da Unidade Esta unidade visa levar você a alcançar quatro objetivos: conhecer algumas noções básicas da comunicação e do uso de seus instrumentos normais; identificar os elementos participantes do processo de comunicação e seus objetivos maiores; obter alguns conhecimentos da história da nossa língua e da formação do nosso povo; identificar os diferentes tipos de discurso e avaliar a adequação de cada um à situação vivida. Roteiro da Unidade Esta unidade está organizada nas seguintes lições: Lição Linguagem e Cultura Lição Arte e Literatura Lição Elementos da Comunicação Lição A Evolução da Língua Portuguesa Lição Registros da Língua Lição Registros Básicos

6 Núcleo de Educação a Distância 6 Lição 1.1 Linguagem e Cultura Esta primeira lição apresenta um sentido bem simples: iniciá-lo em alguns princípios da comunicação, fazendo-o conhecer não só alguma terminologia mais específica como também certas diferenças conceituais importantes. Nesta lição vamos estudar dois tópicos: a) A Linguagem b) A Cultura a) A Linguagem Você também confunde língua com linguagem? Sabe exatamente o que é cada uma? Linguagem É qualquer forma de comunicação. Há dois tipos de linguagem, isto é, a linguagem pode ser de dois tipos: Verbal e Não-verbal. Verbal (falada e escrita) É a linguagem que se forma de palavras, também conhecida como "Língua. Não-verbal São formas de comunicação baseadas nos sentidos como, por exemplo, imagens (sinais de trânsito), sons (apitos, campainhas etc). É comum na nossa vida normal utilizarmos os dois tipos combinados. O cara que faz psiu para uma menina e, depois, pisca para ela, a fim de iniciar uma conversa, está usando linguagens verbais e não verbais. b) A Cultura Para a elite, cultura é algo diferente, sofisticado e típico da sua camada social. Cultura É qualquer forma de realização humana.

7 Núcleo de Educação a Distância 7 Vale lembrar que, embora haja uma noção bem divulgada de que cultura precisa ser algo ligado à elite, àqueles que detêm o conhecimento, na verdade, qualquer manifestação criada pelo homem, mesmo o mais humilde e inculto, deve ser vista como exemplo de cultura. Assim, o carnaval tem tanto valor cultural quanto uma ópera. Lição 1.2: Arte e Literatura É sempre bom conhecer Arte e Literatura, além de fixar, de modo claro e definitivo, as relações existentes entre elas. No segmento social em que você está entrando, é necessário estar bem informado, pois a arte, e uma de suas espécies mais prestigiadas no ambiente universitário, a literatura, serão muito úteis num mundo que exige informação geral e muito poder de argumentação. Nesta lição, vamos estudar dois tópicos: a) Arte b) Literatura a) Arte Arte É a expressão de um ideal de beleza nas obras humanas. Apesar de, numa definição simples, ser considerada como um esforço para criar beleza, a arte precisa ser vista realmente como algo muito amplo, pois nem toda arte é bela, e nem tudo que é belo é arte. É uma definição que varia de acordo com os ideais humanos. b) Literatura Literatura É a arte da palavra. Embora, antigamente, se usasse o adjetivo "rítmica" ao lado de arte para definir a literatura, hoje dá-se uma amplitude maior, além de se usar outros conceitos como, por exemplo, "literatura é ficção", literatura é poesia", literatura é a recriação da realidade pela palavra".

8 Núcleo de Educação a Distância 8 Vamos ver, a seguir, os seguintes tópicos relacionados ao conceito de Literatura: b.1) Linguagem Literária e Científica b.2) Signo Verbal b.3) Língua e Discurso b.4) Denotação e Conotação b.1) Linguagem Literária e Científica A linguagem literária se diferencia da científica principalmente pela objetivo e pela forma. Essa segunda, que também é chamada de "intelectiva ou referencial", tem o objetivo de informar, de ensinar, de transmitir idéias, enquanto aquela visa a emocionar, sugestionar, impressionar, prendendo-se mais ao mundo dos sentimentos e dos desejos. Obs.: Os exemplos estão disponíveis no conteúdo digital. b.2) Signo Verbal Signo verbal é o elemento lingüístico, formado de duas partes inseparáveis - significante (a parte formal) e significado (a parte conceitual) - que serve à comunicação. Por exemplo, conforme mostra a figura abaixo, um som só é um signo lingüístico se ele puder sugerir um conceito a uma outra pessoa. Enquanto o "som" seria o significante, o "conceito seria o significado; por isso, uma vez que eles não se separam, compõem, unidos, o signo verbal ou, na linguagem verbal, uma palavra.

9 Núcleo de Educação a Distância 9 b.3) Língua e Discurso Já sabemos que a língua é a linguagem verbal, isto é, um meio de comunicação formado por palavras. Vale destacar que ela, embora parcialmente seja conhecida pelo falante, deve ser vista como todo o conjunto possível, ou seja, algo inatingível até mesmo para um dicionarista. Por exemplo, todas as estruturas gramaticais, todo o vocabulário de uma língua... O discurso é a realização prática da língua, isto é, o uso que determinado indivíduo faz, em dado momento, da língua que conhece parcialmente. O que nós fazemos, no decorrer de uma aula presencial, é usar um discurso, ou seja, um pequeno extrato de uma língua. b.4) Denotação e Conotação Denotação é o uso da palavra com o seu sentido básico, ou seja, aquele que primeiro é citado nos dicionários. Melhor explicando, é o sentido técnico, científico da palavra. Conotação é o uso da palavra com sentidos especiais, figurados, aqueles que são citados e mostrados pelos dicionários em textos flagrantemente literários. Normalmente, são significados contextuais, só reconhecíveis a partir da compreensão do segmento examinado. Vejamos dois exemplos: A menina reclamou contra o fato de a comida estar sem sal. (Sem sal mesmo; logo, denotação). A menina contou-nos uma piada sem-sal. (Não é que não tenha sal, e sim que é sem graça; portanto, conotação). Lição 1.3: Elementos da Comunicação Num processo de comunicação, podem-se reconhecer até seis elementos:

10 Núcleo de Educação a Distância O EMISSOR ou REMETENTE ou FALANTE ou ESCRITOR (aquele que inicia a comunicação). Exemplo: O professor no momento em que está explicando a matéria aos seus alunos. O RECEPTOR ou DESTINATÁRIO ou OUVINTE ou LEITOR (aquele que recebe a mensagem). Exemplo: O aluno, no momento em que assiste à aula. O CONTEXTO (o ambiente bio-psico-social em que se realiza a comunicação). Exemplo: A situação que reúne professor e aluno no mesmo ambiente de comunicação. A MENSAGEM (o que é comunicado). Exemplo: É a lição que fica de tudo o que o professor ensinou e o aluno aprendeu. 5 6 O CÓDIGO (a linguagem utilizada). Exemplo: A Língua Portuguesa. O CANAL ou CONTATO (o meio físico que torna possível a comunicação). Exemplo: Se essa aula tivesse sido ministrada sob a forma de vídeo, esse seria o canal utilizado. Funções da linguagem As funções da linguagem acompanham o predomínio dos elementos da comunicação, pois, conforme a ênfase seja dada a um certo elemento, pode-se reconhecer uma função diferente para a linguagem. Vamos ver alguns exemplos: Caso predomine o elemento REMETENTE, encontra-se uma evidente intenção de emocionar, daí nomear-se a função lingüística como EMOTIVA. Caso, porém, predomine a própria MENSAGEM, diz-se que a função é POÉTICA. Predominando a INFORMAÇÃO, percebe-se a base no CONTEXTO, portanto considera-se que a função é INFORMATIVA ou REFERENCIAL. Quando se nota uma ênfase no "tu", no "você", isto é, no DESTINATÁRIO, classifica-se a função como CONATIVA ou APELATIVA. Enfatizando-se o CANAL ou CONTATO, a função é dita FÁTICA. Finalmente, se a comunicação tiver como objeto a própria linguagem, isto é, o CÓDIGO, vai-se dizer que a função da linguagem é METALINGÜÍSTICA. Obs.: Os exemplos estão disponíveis no conteúdo digital.

11 Núcleo de Educação a Distância 11 Lição 1.4: A Evolução da Língua Portuguesa O português é uma língua difícil? Na verdade, qualquer analfabeto fala a nossa língua e se faz compreender. O que, talvez, não seja tão fácil é a sua utilização nos níveis mais cultos, em ocasiões em que se exige exatidão e coerência, formalidade e precisão, elegância e correção. Quanto mais rica é uma língua, melhor comunicação ela permite; entretanto, dá mais trabalho conhecê-la; por isso, explorá-la é algo fascinante. Muita gente se refere simplesmente ao português como uma língua difícil e complicada, sem refletir que sua complexidade é proporcional ao seu desenvolvimento e à sua capacidade de comunicação. A verdade é que toda crítica é fácil de fazer, principalmente quando se quer justificar o pequeno apreço que se tem por ela e fugir a uma discussão que, embora exigindo imparcialidade e dados concretos, aprofunde de modo real os conhecimentos lingüísticos e culturais. Por outro lado, se a intenção é conhecer melhor o mundo dos idiomas, vê-se que uma língua tem o valor real de sua história, e a nossa, por sua longa trajetória de mais de dois mil anos, que remonta aos dias de glória dos conquistadores romanos, reflete claramente sua pujança num vocabulário com palavras vindas de todos os continentes, em estruturas verbais riquíssimas e de diferenças quase imperceptíveis e numa sintaxe permeada de inúmeras alternativas e tantas correspondências. Nela se misturam desde primitivos vocábulos célticos e ibéricos até palavras de outras línguas atuais, fruto da intensa globalização do mundo moderno, passando pelo onipresente latim dos romanos e dos povos romanizados, pelos idiomas germânicos, pelo árabe, tanto tempo presente na Península Ibérica, pelas inúmeras línguas da África Negra, trazidas à força para enriquecê-la, e, especialmente no Brasil, pelos incontáveis idiomas dos nativos americanos e pelos dos saudosos e empreendedores imigrantes que ajudaram a dar essa feição de hoje a este país tão especial e generoso, apesar de tanta desigualdade e injustiça. Assim, entendendo melhor a história de nossa língua, conhecendo-a e dandolhe o devido valor, talvez comecemos a namorá-la, mesmo de maneira não muito íntima, com receios de machucá-la e feri-la. Quem sabe, no futuro, talvez se venha realmente a admirá-la e amá-la de verdade, como ela, com certeza, merece. Vamos estudar agora os seguintes tópicos: a) O Domínio Atual da Língua Portuguesa b) O Português no Brasil a) O Domínio Atual da Língua Portuguesa O Português é uma das seis línguas mais faladas no mundo atual, e o Brasil representa cerca de 80% dos usuários desse rico e interessante idioma.

12 Núcleo de Educação a Distância 12 São sete nações e um outro estado formado recentemente : além do Brasil, há Portugal, cinco nações africanas - Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Guiné Bissau, Angola e Moçambique - e o Timor Leste (ou Timor Lorosae), na Oceania. Pode-se citar, ainda, áreas de influência próximas às fronteiras, principalmente do Brasil, e algumas cidades asiáticas que foram colônias portuguesas, como Macau, Goa, Diu e Damão. b) O Português no Brasil Durante algum tempo, as línguas dos índios predominaram nas relações entre brancos e nativos, além dos negros que para cá foram trazidos. Os próprios jesuítas incentivaram o seu uso, mas, com a perda de prestígio desses padres e da chegada de um maior número de portugueses, o Português se impôs como língua nacional. A partir da segunda metade do século XVIII, o português se espalhou e se tornou a língua do Brasil, sem, no entanto, desprezar as contribuições numerosas das línguas africanas e nativas. Mais tarde, com o grande movimento imigratório do séc. XIX, línguas como o italiano, o espanhol, o alemão, o polonês, o japonês etc. ajudaram a dar esse colorido especial ao português do Brasil. Ainda neste tópico O Português no Brasil vamos dar especial atenção aos seguintes aspectos: b.1) Áreas Lingüísticas do Brasil b.2) Influências de Outras Línguas b.1) Áreas Lingüísticas do Brasil Embora, tradicionalmente, ainda se fale em divisões no português do Brasil, a verdade é que, devido às intensas migrações do nosso povo, principalmente para colonizar os territórios mais distantes dos grandes centros, além da própria eficiência das telecomunicações, as diferenças são cada vez menos sensíveis. Há, porém, uma divisão clássica: amazônico, nordestino, baiano, mineiro, fluminense e sulista, sendo o da região do Rio de Janeiro o de maior prestígio, especialmente por causa da importância histórica e política da cidade. b.2) Influências de Outras Línguas Ao lado da forte influência das línguas dos nativos, deve-se destacar a enorme quantidade de povos africanos que, trazidos para a América pelos portugueses, ajudaram a formar não só o nosso povo, mas também o nosso idioma. É inegável, porém, que a maior diferenciação do português do Brasil em relação ao de Portugal só veio a ocorrer a partir da segunda metade do século XIX, com os fortes movimentos imigratórios.

13 Núcleo de Educação a Distância 13 Lição 1.5: A Evolução da Língua Portuguesa O primeiro passo é entender que existe muito mais cuidado na língua escrita do que na falada, por isso sua formalidade tende a ser muito maior. Além disso, parece claro que, principalmente num país como o nosso, de tão longínquas fronteiras, sempre haverá fortes diferenças regionais. Também é evidente que há uma desigualdade extraordinária na fala de uma pessoa culta, de nível universitário, e na de um pedreiro de obra ou lavrador ou, ainda, na de um desportista analfabeto. Finalmente, nem sempre uma pessoa usa, em todos os momentos da vida, o mesmo nível de linguagem. Um juiz de direito, num tribunal, tem a obrigação de privilegiar o nível culto da língua, mas, numa conversa de bar, por exemplo, sobre futebol, fatalmente irá optar por um discurso bem mais informal, principalmente se estiver falando do árbitro da partida que "roubou" o seu time... Vamos ver, nesta lição, os seguintes tópicos: a) Registros da Língua Falada b) Registros da Língua Escrita c) Registros Básicos a) Registros da Língua Falada Assim chamamos os diferentes níveis de usos da língua falada, de acordo com situações experimentadas. Os quatro registros principais são os seguintes: Formal: Deve ser, por exemplo, o de um juiz de direito no momento em que concretiza a sua sentença. Coloquial cuidado: É, normalmente, o de um professor de língua portuguesa no seu dia-a-dia. Coloquial despreocupado: É, normalmente, o de estudantes universitários no seu cotidiano de assistência às aulas. Vulgar: É o registro utilizado pela maioria dos analfabetos e semianalfabetos na sua vida cotidiana. b) Registros da Língua Escrita Agora, os nomes se referem aos diferentes níveis da língua escrita; sem dúvida, bem mais formais que os anteriores. Os quatro registros principais são os seguintes:

14 Núcleo de Educação a Distância 14 Literária: Normalmente, aquele que se encontra nos textos de estilos mais comprometidos com a tradição, como o Parnasianismo e o Simbolismo. Formal: É, em geral, o que se encontra em textos acadêmicos, técnicos, jurídicos e oficiais. Despreocupado: É o que se vê nos textos informais, como, por exemplo, uma carta entre namorados, um bilhete do pai para o filho etc. Vulgar: É a escrita de pessoas iletradas ou analfabetas. c) Registros Básicos Os quatro registros principais são os seguintes: Língua culta - é a que se deve usar no nível formal; por exemplo, em textos de trabalhos universitários e profissionais. Língua literária - é a que faz parte dos textos literários, apresentando padrões bem próprios, de acordo com a intenção do autor. Língua semiformal - é a que se encontra, por exemplo, em cronistas de jornais ou outros artigos, quando o escritor tenta se aproximar do leitor. Língua coloquial - é a das conversas entre pessoas no dia-a-dia, apresentando liberdade. Sumário 1. Linguagem é qualquer forma de comunicação. 2. Língua é a linguagem formada de palavras. 3. Discurso é a realização efetiva da Língua. 4. Denotação é o sentido normal e dicionarizado das palavras. 5. Conotação é o sentido figurado, contextual das palavras. 6. A cada elemento da comunicação corresponde uma diferente função da linguagem: remetente (emotiva), destinatário (conativa), contexto (referencial), mensagem (poética), código (metalingüística) e canal (fática). 7. O Português é uma língua neolatina e está entre as seis mais faladas do mundo moderno. 8. A vida universitária e o exercício de profissões de nível superior exigem o conhecimento de um registro culto e formal Atenção: As atividades práticas e as avaliações on-line estão indicadas no ambiente virtual, menu CONTEÚDO DIDÁTICO, opção UNIDADES.

Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita. Unidade 11. Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais

Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita. Unidade 11. Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE Comunicação Oral e Escrita Unidade 11 Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais Núcleo de Educação a Distância 2 Aviso importante! Este material foi produzido

Leia mais

CURSO DE PORTUGUÊS AVANÇADO COM ÊNFASE EM LINGUAGEM JURÍDICA

CURSO DE PORTUGUÊS AVANÇADO COM ÊNFASE EM LINGUAGEM JURÍDICA CURSO DE PORTUGUÊS AVANÇADO COM ÊNFASE EM LINGUAGEM JURÍDICA 1 JUSTIFICATIVA O Curso de Português Avançado com Ênfase em Linguagem Jurídica, na modalidade a distância, tem por finalidade atender a necessidade

Leia mais

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO 1. CONTEÚDOS BÁSICOS PROFISSIONAIS LÍNGUA INGLESA I Ementa: Consolidação do estudo das estruturas simples da Língua Inglesa I em seus aspectos

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

FUNÇÕES DA LINGUAGEM. Professor Jailton www.professorjailton.com.br

FUNÇÕES DA LINGUAGEM. Professor Jailton www.professorjailton.com.br FUNÇÕES DA LINGUAGEM Professor Jailton www.professorjailton.com.br Comunicação e Intencionalidade discursiva / Funções Intrínsecas do Texto Elementos básicos da comunicação; Texto e discurso/ a intenção

Leia mais

Teoria da Comunicação Funções da Linguagem

Teoria da Comunicação Funções da Linguagem Teoria da Comunicação Funções da Linguagem Professor Rafael Cardoso Ferreira O que é linguagem? A linguagem é o instrumento graças ao qual o homem modela seu pensamento, seus sentimentos, suas emoções,

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro

Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Pretende se com este questionário conhecer a sua opinião sobre o (Ensino do) Português no Estrangeiro. Não existem respostas certas ou erradas.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC de Nova Odessa Código: 234 Município: Nova Odessa Eixo Tecnológico: Segurança no Trabalho Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho Qualificação:

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC: PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente

Leia mais

EXAME DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA PORTUGUESA CURSO DE DIREITO - 2014 EDITAL N.º

EXAME DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA PORTUGUESA CURSO DE DIREITO - 2014 EDITAL N.º EXAME DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA PORTUGUESA CURSO DE DIREITO - 2014 EDITAL N.º /2013 O Reitor do Centro Universitário de Ensino Superior do Amazonas, no uso de suas atribuições e tendo em vista o disposto

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20B Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem como

Leia mais

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames.

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames. C U R S O S ESPECIAIS I n s t i t u t o C e r v a n t e s d e B r a s i l i a CURSOS ESPECIAIS O Instituto Cervantes de Brasília dispõe de uma ampla oferta de cursos especiais para se adaptar as necessidades

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e escritos à maneira adequada do padrão da língua materna;

Leia mais

Enunciação e política de línguas no Brasil

Enunciação e política de línguas no Brasil Enunciação e política de línguas no Brasil Eduardo GUIMARÃES Universidade Estadual de Campinas Considerando o fato de que o Brasil é um país multilingüe, tomo como objetivo específico aqui a reflexão sobre

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º LE733- COMPREENSÃO E PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA PORTUGUESA Fórmula: LE003 LE003- LINGUA PORTUGUESA 3 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS. ANÁLISE DE ESTRUTURAS BÁSICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA. SINTAXE

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE AULA 1º sem 2011 PROFESSOR: DANIELLA BASSO BATISTA PINTO Disciplina: PORTUGUÊS NO DIREITO E LATIM JURÍDICO Etapa: (X)1ª ( ) 2ª Turmas: (X) F - (X) G - (X) H - (X) P 1. OBJETIVOS: Introdução à

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LÍNGUA PORTUGUESA EM MOÇAMBIQUE Fátima Helena Azevedo de Oliveira 35 fatimavernaculas@yahoo.com.br CONTEXTO HISTÓRICO-SOCIAL A República de Moçambique

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO Neusa Kreuz 1 RESUMO: É indiscutível a grande importância da linguagem oral no processo interacional humano. Trata-se da primeira

Leia mais

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa ENSINO FUNDAMENTAL O processo de sondagem Colégio Sion busca detectar, no aluno, pré-requisitos que possibilitem inseri-lo adequadamente no ano pretendido. As disciplinas de Língua Portuguesa e são os

Leia mais

Unidade 3 Como escrever uma carta

Unidade 3 Como escrever uma carta UNIDADE 3 Inicialmente, é preciso destacar dois tipos básicos de carta. O primeiro é a correspondência oficial e comercial, que nos é enviada pelos poderes políticos ou por empresas privadas (comunicações

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS S DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem

Leia mais

Disciplinas on-line. Guia Básico sobre o Funcionamento das Disciplinas On-line 2008.1

Disciplinas on-line. Guia Básico sobre o Funcionamento das Disciplinas On-line 2008.1 Disciplinas on-line Guia Básico sobre o Funcionamento das Disciplinas On-line 2008.1 Uma disciplina on-line é um instrumento poderoso de aprendizagem e desenvolvimento pessoal. Nosso objetivo é mostrar

Leia mais

Conteúdo: Aula: 1.1. - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano.

Conteúdo: Aula: 1.1. - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano. Aula: 1.1 Conteúdo: - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano. Habilidades: - Conhecer a origem e história da língua

Leia mais

Prof. Daniel Santos Redação RECEITA PARA DISSERTAÇÃO ARGUMENTAÇÃO ESCRITA - ENEM. E agora José?

Prof. Daniel Santos Redação RECEITA PARA DISSERTAÇÃO ARGUMENTAÇÃO ESCRITA - ENEM. E agora José? Prof. Daniel Santos Redação RECEITA PARA DISSERTAÇÃO ARGUMENTAÇÃO ESCRITA - ENEM E agora José? Respondam Rápido: O que encanta um homem? O que encanta uma mulher? E o que ENCANTA um corretor do ENEM?

Leia mais

LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20J Ingresso a partir de 2011/1 Fundamentos dos Estudos Literários Codicred: 12224-04 NÍVEL I Ementa: Funções da literatura. Discurso literário

Leia mais

Texto 4 Composição em prosa não literária

Texto 4 Composição em prosa não literária Curso de Redação: Do texto ao texto Professora: Maria Aparecida Araújo Texto 4 Composição em prosa não literária Conteúdo Descrição Narração Dissertação Bibliografia: 1. CARNEIRO, Agostinho Dias: Redação

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 A INTERCULTURALIDADE E SEUS REFLEXOS NA PRODUÇÃO DE TEXTOS DE ALUNOS DESCENDENTES DE POMERANOS Tatiani Ramos (UFES) tateletras@yahoo.com.br INTRODUÇÃO Segundo Costa Val (1997), o texto é uma unidade de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec:Paulino Botelho/ Professor E.E. Arlindo Bittencourt (extensão) Código: 092-2 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação

Leia mais

Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) NÍVEL I. Introdução à Pesquisa em Letras

Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) NÍVEL I. Introdução à Pesquisa em Letras Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) Curso 1/20C Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA Módulo Geral

LÍNGUA PORTUGUESA Módulo Geral Módulo Geral CONCURSO: Ministério do Trabalho e Emprego CARGO: Auditor-Fiscal do Trabalho PROFESSOR: Pablo Jamilk Este curso é protegido por direitos autorais (copyright), nos termos da Lei n.º 9.610/1998,

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso.

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso. AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA Roberta da Silva 1 Quando um rio corta, corta-se de vez o discurso-rio de água que ele fazia; cortado, a água se quebra em pedaços, em poços de água,

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

[Ano] Língua Portuguesa. Campus Virtual Cruzeiro do Sul www.cruzeirodovirtual.com.br

[Ano] Língua Portuguesa. Campus Virtual Cruzeiro do Sul www.cruzeirodovirtual.com.br [Ano] Língua Portuguesa Unidade: Níveis de Linguagem MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Núcleo de professores e tutores do Campus Virtual 2 Conteúdos gramaticais: Ortografia e Acentuação Ao tratar

Leia mais

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA 3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA Uma língua viva, apesar da unidade que a torna comum a uma nação, apresenta variedades quanto à pronúncia, à gramática e ao vocabulário. Chama-se variação linguística

Leia mais

Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual

Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual SOCIOLINGUÍSTICA A LÍNGUA E SUAS VARIAÇÕES Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual Qualquer comunidade formada por indivíduos socialmente organizados dispõe de recursos e métodos

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. ETEC Rodrigues de Abreu Extensão EE Ernesto Monte. Qualificação: Sem certificação

Plano de Trabalho Docente 2010. ETEC Rodrigues de Abreu Extensão EE Ernesto Monte. Qualificação: Sem certificação Plano de Trabalho Docente 010 Ensino Técnico ETEC Rodrigues de Abreu Extensão EE Ernesto Monte Código: 135 Município: Bauru/SP Área Profissional: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico Jurídico

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GONÇALO DOS CAMPOS EDITAL DE RETIFICAÇÃO- II

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GONÇALO DOS CAMPOS EDITAL DE RETIFICAÇÃO- II PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GONÇALO DOS CAMPOS EDITAL DE RETIFICAÇÃO- II O Prefeito do Município de São Gonçalo dos Campos, Estado da Bahia, no uso de suas atribuições legais, retifica o Edital 001/2014

Leia mais

MANUAL PASSO-A-PASSO DAS DISCIPLINAS ON-LINE

MANUAL PASSO-A-PASSO DAS DISCIPLINAS ON-LINE MANUAL PASSO-A-PASSO DAS DISCIPLINAS ON-LINE CONSELHEIRO LAFAIETE 2015 1º Semestre 1 Caro aluno, Seja bem-vindo às disciplinas do NÚCLEO DE ESTUDOS ON-LINE (NEO) da Faculdade Presidente Antônio Carlos

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA CURSO: TÉCNICO EM ALIMENTOS FORMA/GRAU: ( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

OFICINA DE PRODUÇÃO TEXTUAL

OFICINA DE PRODUÇÃO TEXTUAL OFICINA DE PRODUÇÃO TEXTUAL Caro Monitor, A proposta desta oficina é conduzir o aluno ao exercício da escrita por meio de temas relacionados à Biologia. O presente material sugere diferentes temas para

Leia mais

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco REDAÇÃO AULA 5 Professora Sandra Franco DISSERTAÇÃO 1. Definição de Dissertação. 2. Roteiro para dissertação. 3. Partes da dissertação. 4. Prática. 5. Recomendações Gerais. 6. Leitura Complementar. 1.

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS GAROPABA Aprovação do curso e Autorização da oferta

Leia mais

LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20K Ingresso a partir de 2011/1 Fundamentos dos Estudos Literários Codicred: 12224-04 NÍVEL I Ementa: Funções da literatura. Discurso

Leia mais

Uma chaminé esfumaçante em forma de arma apontada contra a cabeça só pode colocar a poluição como uma arma letal.

Uma chaminé esfumaçante em forma de arma apontada contra a cabeça só pode colocar a poluição como uma arma letal. 1. A legenda mais apropriada para a charge é: A poluição é uma arma que pode matar. Uma chaminé esfumaçante em forma de arma apontada contra a cabeça só pode colocar a poluição como uma arma letal. 02.

Leia mais

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia:

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia: A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS NOSSO CURRÍCULO Adotamos uma pedagogia: - que faz da escola uma instância efetiva de assimilação crítica, sistemática e integradora do saber e da cultura geral; - que trata os

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí UNIVALE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí UNIVALE Faculdades Integradas do Vale do Ivaí UNIVALE Ivaiporã - PR Faculdades Integradas do Vale do Ivaí - UNIVALE COMISSÃO DO VESTIBULAR CONCURSO VESTIBULAR 2016 MATRÍCULA DOS APROVADOS NO VESTIBULAR A matrícula

Leia mais

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS A língua, na concepção da sociolingüística, é intrinsecamente

Leia mais

Colégio Pedro II Humaitá II - Língua Portuguesa e Literatura Brasileira AS FUNÇÕES DA LINGUAGEM

Colégio Pedro II Humaitá II - Língua Portuguesa e Literatura Brasileira AS FUNÇÕES DA LINGUAGEM Colégio Pedro II Humaitá II - Língua Portuguesa e Literatura Brasileira 1ª série E.M. 2011 Professores: Giselle, Karina, Osmar e Tatiana AS FUNÇÕES DA LINGUAGEM Também a linguagem é uma manifestação cultural

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LÍNGUA PORTUGUESA NA LINGUAGEM MATEMÁTICA: METODOLOGIAS QUE PODEM SER USADAS NA SALA DE AULA

A IMPORTÂNCIA DA LÍNGUA PORTUGUESA NA LINGUAGEM MATEMÁTICA: METODOLOGIAS QUE PODEM SER USADAS NA SALA DE AULA A IMPORTÂNCIA DA LÍNGUA PORTUGUESA NA LINGUAGEM MATEMÁTICA: METODOLOGIAS QUE PODEM SER USADAS NA SALA DE AULA Nathália Ferreira dos Santos (FACIG) nathalia.do.santos72@gmail.com Andréia Almeida Mendes

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Área de conhecimento: LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: LÍNGUA ESTRANGEIRA

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

Leitura e Produção de Textos. Concepção de Língua e Linguagem, Signo e Fala Professor Rafael Cardoso Ferreira

Leitura e Produção de Textos. Concepção de Língua e Linguagem, Signo e Fala Professor Rafael Cardoso Ferreira Leitura e Produção de Textos Concepção de Língua e Linguagem, Signo e Fala Professor Rafael Cardoso Ferreira LINGUAGEM Um sistema de signos que permite construir uma interpretação da realidade através

Leia mais

EDITAL N. º 001/CTPM/2015 CONCURSO DE ADMISSÃO 2016 ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO EXAME INTELECTUAL

EDITAL N. º 001/CTPM/2015 CONCURSO DE ADMISSÃO 2016 ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO EXAME INTELECTUAL EDITAL N. º 001/CTPM/2015 CONCURSO DE ADMISSÃO 2016 ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO EXAME INTELECTUAL 1) PARA O ENSINO MÉDIO REDAÇÃO Do 1º ano ao 3º ano do ensino médio, a prova discursiva será composta

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. ETEC Rodrigues de Abreu Extensão EE Ernesto Monte. Habilitação Profissional: Técnico em Transações Imobiliárias

Plano de Trabalho Docente 2010. ETEC Rodrigues de Abreu Extensão EE Ernesto Monte. Habilitação Profissional: Técnico em Transações Imobiliárias Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC Rodrigues de Abreu Extensão EE Ernesto Monte Código: 135 Município: Bauru/SP Área Profissional: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em

Leia mais

ANEXO 2. ELENCO DE DISCIPLINAS das HABILITAÇÕES LETRAS JAPONÊS e LETRAS POLONÊS do CURSO DE LETRAS

ANEXO 2. ELENCO DE DISCIPLINAS das HABILITAÇÕES LETRAS JAPONÊS e LETRAS POLONÊS do CURSO DE LETRAS ANEXO 2 ELENCO DE DISCIPLINAS das HABILITAÇÕES LETRAS JAPONÊS e LETRAS POLONÊS do CURSO DE LETRAS CÓDIGO DISCIPLINA 1 HE981 Introdução à literatura 2 HE982 Prática Escrita 3 HE983 Literatura Comparada

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: : Gestão e Negócios MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Curso Superior em Administração/Bacharelado FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO BACHARELADO EM SECRETARIADO EXECUTIVO

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO BACHARELADO EM SECRETARIADO EXECUTIVO Anexo II da Resolução nº, de de de 2008. EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO BACHARELADO EM SECRETARIADO EXECUTIVO 1. DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS PORTUGUÊS INSTRUMENTAL Comunicação e linguagem; estrutura do

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO I PORTUGUÊS: Compreensão e interpretação de texto. Ortografia: divisão silábica, pontuação, hífen, sinônimo, acentuação gráfica, crase. Morfologia: classes de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Letras MISSÃO DO CURSO O curso de Licenciatura em Letras do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem o compromisso de promover no estudante um

Leia mais

SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2

SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2 SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2 RESPOSTAS AOS RECURSOS Cargo: ART - PROFESSOR P2 / ARTE Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA (LPO) 5 - Gab.:V B 5 - Gab.:W C 5 - Gab.:X D 8 - Gab.:V

Leia mais

Redação: critérios de correção dos exames da Fuvest, Unicamp, Unesp e Enem. FUVEST e UNESP

Redação: critérios de correção dos exames da Fuvest, Unicamp, Unesp e Enem. FUVEST e UNESP Singular-Anglo Vestibulares Professora Natália Sanches Redação: critérios de correção dos exames da Fuvest, Unicamp, Unesp e Enem. Retirado do site oficial do vestibular. FUVEST e UNESP Na correção, três

Leia mais

Lição 4 A Revisão do Texto

Lição 4 A Revisão do Texto Redação Técnica 65 Ao fi nal desta lição, esperamos que você possa: reconhecer alguns cuidados para a revisão de um texto; reconhecer os vícios de linguagem mais frequentes. Conteúdo desta lição: Técnicas

Leia mais

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA 500 PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA Renata Aparecida de Freitas 1 FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Lorena - SP Este trabalho

Leia mais

Edital EAD UFRGS 17. Cartão UFRGS: 9173. Maria José Bocorny Finatto.Instituto de Letras. Ramal: 6711 mfinatto@terra.com.br

Edital EAD UFRGS 17. Cartão UFRGS: 9173. Maria José Bocorny Finatto.Instituto de Letras. Ramal: 6711 mfinatto@terra.com.br Portal de Serviços - SEAD - UFRGS - Edital EAD UFRGS 17 1º Coordenador Cartão UFRGS: 9173 Nome: Maria José Bocorny Finatto Unidade:.Instituto de Letras Vínculo: Professor Ramal: 6711 E-Mail: mfinatto@terra.com.br

Leia mais

Conteúdos: Funções da Linguagem

Conteúdos: Funções da Linguagem Conteúdos: Funções da Linguagem Habilidades: Analisar a função da linguagem utilizada em diferentes gêneros textuais, de acordo com a sua finalidade comunicativa; Habilidades: Identificar e classificar

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL APRESENTAÇÃO Segundo as Diretrizes Curricular o ensino da Língua Estrangeira na Educação Básica esta pautado

Leia mais

PROVA TEMÁTICA/2014 Conhecimento e Expressão nas Artes e nas Ciências

PROVA TEMÁTICA/2014 Conhecimento e Expressão nas Artes e nas Ciências PROVA TEMÁTICA/2014 Conhecimento e Expressão nas Artes e nas Ciências 5 ANO / ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS. (LÍNGUA PORTUGUESA E REDAÇÃO) Competência

Leia mais

DISCIPLINA: LINGUA PORTUGUESA

DISCIPLINA: LINGUA PORTUGUESA DISCIPLINA: LINGUA PORTUGUESA EMENTA: A Língua Portuguesa priorizará os conteúdos estruturantes (ouvir, falar, ler e escrever) tendo como fundamentação teórica o sociointeracionismo. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

Leia mais

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu Ambientação ao Moodle João Vicente Cegato Bertomeu AMBIENTAÇÃO A O MOODLE E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M SAUDE da FAMILIA Sumário Ambientação ao Moodle 21 1. Introdução 25 2. Histórico da EaD 25 3. Utilizando

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

Para estar junto não é preciso estar perto, e sim do lado de dentro. Leonardo da Vinci

Para estar junto não é preciso estar perto, e sim do lado de dentro. Leonardo da Vinci INGLÊS 1 2 Para estar junto não é preciso estar perto, e sim do lado de dentro. Leonardo da Vinci CARO ALUNO Não existem limites para a educação a distância. Seus desafios são os mesmos da educação convencional:

Leia mais

MONITORIA À DISTÂNCIA EM LINGUÍSTICA I: A RELEVÂNCIA DOS BANCOS DE DADOS

MONITORIA À DISTÂNCIA EM LINGUÍSTICA I: A RELEVÂNCIA DOS BANCOS DE DADOS Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Difusão da língua portuguesa, n o 39, p. 167-173, 2009 167 MONITORIA À DISTÂNCIA EM LINGUÍSTICA I: A RELEVÂNCIA DOS BANCOS DE DADOS Jussara Abraçado Tainá Soares Teixeira

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação Produção textual COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Disciplina: Língua Portuguesa Trimestre: 1º Tipologia textual Narração Estruturação de um texto narrativo: margens e parágrafos; Estruturação de parágrafos: início,

Leia mais

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC Coordenação de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa Ciclo de Aprendizagem I e II MARCOS

Leia mais

Cadê o português que estava aqui?

Cadê o português que estava aqui? Internet ajuda a criar uma nova linguagem "Cadê o português que estava aqui?" é o que diz a capa da edição do VIU de setembro. Milhões de brasileiros e vários de nossos leitores, já acostumados a ter a

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS 2015 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)» INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova

Leia mais

Prêmio Victor Civita 2010 Educador Nota 10

Prêmio Victor Civita 2010 Educador Nota 10 1 Prêmio Victor Civita 2010 Educador Nota 10 LÍNGUAS ESTRANGEIRAS Relatório analítico do processo de seleção de trabalhos Selecionadora: Sandra Baumel Durazzo Com a crescente intergração dos diferentes

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO)

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Ementa Oficial do Curso de Letras 2015

Ementa Oficial do Curso de Letras 2015 Ementa Oficial do Curso de Letras 2015 Diferencial O Curso de Letras do Centro Universitário Fluminense prepara em duas matrizes curriculares diferentes docentes de Língua Portuguesa, Língua Inglesa e

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

ELABORAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO EM MÍDIAS DIGITAIS PARA O CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CONSÓRCIO CEDERJ.

ELABORAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO EM MÍDIAS DIGITAIS PARA O CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CONSÓRCIO CEDERJ. ELABORAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO EM MÍDIAS DIGITAIS PARA O CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CONSÓRCIO CEDERJ. Agnaldo da Conceição Esquincalha (CEDERJ/UAB) Diego Mota Lima (CEDERJ/PUC-RIO) Luisa Mara

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG Técnicas de Comunicação Oral e Escrita

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG Técnicas de Comunicação Oral e Escrita FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG Técnicas de Comunicação Oral e Escrita Uberlândia / 2014 Profa. Ketiuce Ferreira Silva ketiuce@yahoo.com.br www.ketiuce.com.br roblematizando... Qual a importância

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santo Ângelo A N E XO II. (Do Conteúdo Programático)

Prefeitura Municipal de Santo Ângelo A N E XO II. (Do Conteúdo Programático) 1 A N E XO II (Do Conteúdo Programático) 2 Cargos: CARPINTEIRO, COZINHEIRA, PADEIRO, PINTOR (LETRISTA). Português: Ortografia (escrita correta das palavras). Divisão silábica. Pontuação. Acentuação Gráfica.

Leia mais

Orientações de Como Estudar Segmento II

Orientações de Como Estudar Segmento II Orientações de Como Estudar Segmento II Aprender é uma tarefa árdua que exige esforço e método e por isso organizamos algumas dicas para ajudá-lo(la) a aprender Como Estudar! Você verá que as orientações

Leia mais

Comunicação Empresarial e Processo Decisório. Prof. Ana Claudia Araujo Coelho

Comunicação Empresarial e Processo Decisório. Prof. Ana Claudia Araujo Coelho Prof. Ana Claudia Araujo Coelho Comunicar significa transmitir ideias, sentimentos ou experiências de uma pessoa para outra, tornar comum, participar, fazer saber, transmitir. ANDRADE (2008, p. 45) O resultado

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 1 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 63/14, 2011 de 10 de dezembro de 2014. 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 INTRODUÇÃO AO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO...

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais