UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMAÇÕES RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES JANEIRO 2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMAÇÕES RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES JANEIRO 2008"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMAÇÕES RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES JANEIRO 28

2 2 Relatório Anual de Atividades INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS Sumário 1 APRESENTAÇÃO 2 CARACTERIZAÇÃO DA UNIDADE 2.1 Identificação da Unidade 2.2 Ato de criação do Centro / Departamento ou Instituto / Faculdade; 2.3 Organograma 2.4 Relação Nominal e dos Dirigentes da Unidade e das Sub-Unidades. 3 ADMINISTRAÇÃO GERAL 3.1 Organização e Funcionamento 3.2 Recursos Humanos 3.3 Corpo Docente 3.4 Corpo Técnico-Administrativo 4 ATIVIDADES ACADÊMICAS 4.1 Ensino de Graduação 4.2 Ensino de Pós-Graduação. 4.3 Pesquisa 4.4 Extensão 5 PROGRAMAS E PROJETOS ESPECIAIS 6 PRODUÇÃO INTELECTUAL 7 PRÊMIOS, DISTINÇÕES, TÍTULOS E HONRARIAS CONCEDIDOS A DOCENTES, TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS E DISCENTES 7.1 Prêmios 7.2 Distinções 7.3 Títulos 8 INFRAESTRUTURA Biblioteca Equipamentos Espaço Físico

3 3 1. APRESENTAÇÃO O ano de 27 foi de muitas conquistas para o saudoso Centro de Geociências, atual Instituto de Geociências. Esta mudança foi preconizada na aprovação do Estatuto da UFPA através da Portaria n o 337, de 1 de julho de 26 do MEC/SESU, publicada no Diário Oficial da União em 12 de julho de 26, culminando com a aprovação do Regimento Geral da UFPA, publicado no Diário Oficial do Estado do Pará em 29 de dezembro de 26. Cumprindo os prazos estabelecidos pela Administração Superior da UFPA, foi aprovado pelo CONSUN em 3 de maio de 27, por meio do processo n o 8456/27, o Regimento do Instituto de Geociências (IG), cuja forma da Estrutura Acadêmico-Administrativa, foi criada pela Resolução n o 632, de 26 de novembro de 27, do CONSUN. O Relatório do Instituto de Geociências do ano de 27, destaca como grandes marcos das atividades do IG, a conquista dos conceitos Excelente ao Curso de Geologia, Muito Bom ao Curso de Meteorologia e Bom ao Curso de Oceanografia, que ajudaram decisivamente a UFPA a conquistar a premiação de Melhor Universidade do Brasil na área de Ciências da Natureza. Este resultado foi um reflexo dos avanços dos recursos aplicados às atividades práticas de campo do IG, como reconhecimento nacional ao esforço conjunto da Direção do IG e da Administração Superior da UFPA. Encontra-se em tramitação a doação de um terreno de 6 hectares na Vila de Cuiarana, município de Salinópolis-PA, para utilização para atividades práticas de campo, bem como para desenvolvimento de projetos de pesquisa, como é o caso do Projeto Milênio LBA2, que implantou uma torre de pesquisas micrometeorológicas no manguezal. Na área de espaço físico, o IG obteve vitórias, fruto do esforço contínuo dos professores das sub-unidades, com a aprovação de verbas junto a PETROBRÁS E ANP, para construção do prédio de laboratórios da Faculdade de Oceanografia e Geofísica. Também está em curso a planta final da reforma do pavilhão de aulas da Faculdade de Geologia. Foram concluídas as obras da cantina, estacionamento e auditório do IG, onde foi realizada a Semana de Geociências, idealizada para discussão das metas prioritárias para o IG nos próximos dez anos e uma reflexão sobre o histórico do Centro de Geociências até sua transformação em Instituto de Geociências. Com a extinção do Departamento de Geologia e Geoquímica, o IG ficou constituído na parte acadêmica das Faculdades de Meteorologia, Geofísica, Geologia e Oceanografia e Programas de Pós-Graduação em Geofísica (conceito 4 CAPES), em Ciências Ambientais (conceito 3 CAPES) e em Geologia e Geoquímica (conceito 6 CAPES), este último vem se mantendo em nível de excelência nacional. A partir da nova estrutura do IG, a consolidação do Relatório do Ano de 27 está sendo feita pela Divisão Técnica que conta com duas seções de apoio, Seção de Apoio Técnico e Seção de Informática, com a supervisão da Coordenação Acadêmica do IG e seguindo as recomendações da PROPLAN.

4 4 2. CARACTERIZAÇÃO DA UNIDADE 2.1 Identificação da Unidade INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS IG 2.2 Ato de criação do Instituto (ver Anexo I (1. Dados Gerais/1.1. Dados Gerais 27) Organograma INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS CONGREGAÇÃO DIRETOR- GERAL DIRETOR-ADJUNTO FACULDADE DE GEOLOGIA FACULDADE DE METEOROLOGIA FACULDADE DE OCEANOGRAFIA FACULDADE DE GEOFÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA E GEOQUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS MUSEU DE GEOCIÊNCIAS CONSELHO CONSELHO CONSELHO CONSELHO COLEGIADO COLEGIADO COLEGIADO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DIRETOR VICE-DIRETOR DIRETOR VICE-DIRETOR DIRETOR VICE-DIRETOR DIRETOR VICE-DIRETOR COORDENADOR VICE-COORDENADOR COORDENADOR VICE-COORDENADOR COORDENADOR VICE-COORDENADOR BIBLIOTECA SECRETARIA LABORATÓRIO SECRETARIA SECRETARIA SECRETARIA SECRETARIA SECRETARIA SECRETARIA LABORATÓRIO LABORATÓRIO LABORATÓRIO LABORATÓRIO LABORATÓRIO LABORATÓRIO ARQUIVO SEÇÃO DE REGISTRO E CONTROLE DE MATERIAL SEÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS SEÇÃO DE TRANSPORTES SEÇÃO DE FINANÇAS SEÇÃO DE APOIO TÉCNICO SEÇÃO DE INFORMÁTICA 2.4 Relação Nominal e dos Dirigentes da Unidade e das Sub- Unidades: Mandato Unidades Nomes Início Término DDireção- Geral Direção-Adjunta Secretaria Executiva Coordenadoria de Planejamento, Avaliação e Gestão Diretor: José Geraldo Alves das Virgens Port. nº 936/6 Vice-Diretor: João Batista Miranda Ribeiro Port. nº 95/6 Secretária Executiva: Ana Lúcia Freitas Roso Port. nº 1855/6 Coordenador: Álvaro da Silva Prestes Port. Nº 3684/7 29/3/26 3/21 29/3/26 3/21 1/6/26 1/12/27

5 5 Divisão Administrativa Seção de Registro e Controle de Material Seção de Serviços Gerais Seção de Transportes Seção de Finanças Divisão Técnica Seção de Apoio Técnico Seção de Informática Biblioteca Arquivo Diretoria da Faculdade de Geologia Diretoria da Faculdade de Meteorologia Afonso de Figueiredo Ferreira Port. Nº 3685/7 Francisco Carlos Nascimento Batista Port. Nº 3686/7 Jorge Edil Neves de Souza Port. Nº 3687/7 Carlos Alberto da Silva Dias Port. Nº 3688/7 Ademir Nascimento Pereira Port. Nº 3689/7 Sandra Maria Lobato Grana Port. Nº 369/7 Luiscemir Leão Duarte Port. Nº 3691/7 Teodorico Antônio Borges Port. Nº 3692/7 Lúcia de Fátima Imbiriba de Sousa Port. Nº 3693/7 Júlia do Socorro Rodrigues da Silva Port. Nº 3694/7 Joel Buenano Macambira Port. Nº 367/7 Vice-Diretor: Secretária: Regina Menezes Maranhão Port. Nº 3671/7 Diretor: Paulo Fernando de Souza Souza Port. Nº 3672/7. Vice-Diretora: Mª do Carmo Felipe de Oliveira aguardando portaria Secretário: José Augusto Baeta e Silva - aguardando portaria 1/12/27 1/12/27 1/12/27 1/12/27 1/12/27 1/12/7 1/12/27 1/12/27 1/12/27 1/12/27 br744 com.br 1/12/27 1/12/7 1/12/27

6 6 Diretoria da Faculdade de Oceanografia Diretor: José Souto Rosa Filho. Port. Nº 3672/7. Vice-Diretora: Maria Oziléa Bezerra Menezes- aguardando portaria Secretária: Ana Alcira Melo e Neiva Port. Nº 3674/7 1/12/27 1/12/27 Diretoria da Faculdade de Geofísica Colegiado do Programa de Pós- Graduação em Ciências Ambientais PPCA Diretora: Ellen de Nazaré Souza Gomes Port. Nº 3675/7. Vice Diretor: Cícero Roberto Teixeira Régis Port. Nº 3676/7 Secretário(a): Maria do Socorro Santos Silva Port. Nº 3677/7 Coordenadora: Maria Aurora dos Santos da Mota- Port. Nº 3682/7. Vice-coordenadora:... Secretária: Gladys Pereira Pimentel Port. Nº 3683/7 1/12/27 1/12/7 1/12/27 1/12/27 1/12/27 Colegiado do Programa de Pós- Graduação em Geologia e Geoquímica PPGG Coordenador: Jean Michel Lafon Port. Nº 368/7 Vice-coordenador: Marcelo Cancela Lisboa Cohen Port. Nº 287/7 Secretária: Cleida Maria Ferreira de Freitas Port. Nº 3681/7 1/12/27 1/8/27 1/12/27 31/7/2 9 Colegiado do Programa de Pós- Graduação Geofísica PPGF Coordenador: Marcus Welby Corrêa Silva. Port. Nº 3678/7 Vicecoordenador: Jessé Carvalho Costa - aguardando portaria Secretária: Benildes Lopes R. de Souza Port. Nº 3679/7 1/12/27 1/12/27

7 7 3. ADMINISTRAÇÃO GERAL 3.1 Organização e Funcionamento. O Instituto de Geociências funciona com uma Direção, Vice-Direção que é também a Coordenação Acadêmica, Secretaria Executiva, está estruturado na forma de Faculdade (quatro); Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu (três); em Divisões (duas) com suas respectivas seções (vide organograma); tendo ainda 52 (cinqüenta e dois) Laboratórios, 3 Oficinas, 1 (um) Museu de Geociências. Recursos Humanos O IG no ano de 27 no que se refere ao programa de capacitação, 1 (um) técnico-administrativo encontra-se realizando o curso Construindo Novos Saberes com Jovens e Adultos, com a finalidade de conclusão do Ensino Médio, sob a Coordenação da PROGEP. No ano de 26 houve o retorno de 1 servidora do quadro técnico, após realização de doutorado. Atualmente, há no CG, 79 docentes efetivos, sendo 64 doutores, 14 mestres e 1 com especialização. No momento há 4 docentes cedidos pelo CG para outros órgãos. Conta-se também com 7 docentes temporários, sendo 1 doutor e 6 mestres. No quadro de técnico-administrativo há 47 servidores. Para auxiliar nas atividades da administração do IG, existe um quadro de bolsistas de estágio remunerado, discriminados na tabela a seguir: Matrícula Nome Início Fim RECURSO Cristiane Pereira da Silva 1/8/27 9/8/28 PROAD Resp.:Rômulo Simões Angélica - Local estágio: Lab. de Raio X Creciane do Socorro da Silva Oliveira Resp.: Márcio Dias Santos - Local estágio: Lab. de Laminação 1/5/26 3/4/28 UNIDADE /IG Geisa Ferreira da Silva Dias 1/6/26 9/6/28 PROAD Resp.: Lúcia de F. Imbiriba de Sousa - Local estágio: Biblioteca Natalia de Nazaré Amaral da Silva - Resp.:Lúcia de F. Imbiriba de Sousa 1/5/26 3/4/28 PROAD - Local estágio: Biblioteca Jaqueline Teixeira da Costa 1/12/26 3/11/28 PROAD Resp.: Lúcia de F. Imbiriba de Sousa - Local estágio: Biblioteca Ellen Kariny Rodrigues Rodrigues 1/11/26 31/1/ Resp.:Lúcia de F. Imbiriba de Sousa PROAD - Local estágio: Biblioteca Danusa Mayara de Souza 1/6/27 31/5/28 UNIDADE Resp.: José Geraldo das Virgens Alves /IG - Local estágio: Lab. Prosp. Geofísica Kívia do Carmo Palheta Gomes 1/1/27 31/12/28 PROAD

8 8 - Resp.: Maria do Socorro Santos Silva - Local estágio: Divisão Técnica Suzana Teixeira Rodrigues - Resp.: Jean Michel Lafon - Local estágio: Secretaria PPGG Cláudio de Castro Coutinho Filho Resp.: João Batista Miranda Ribeiro - Local estágio: Divisão Técnica Juliana Fernanda Monteiro de Souza Resp.: Afonso de Figueiredo Ferreira - Local estágio: Seção Financeira/Divisão Administrativa Lélia Amorim da Silveira Resp.: Álvaro da Silva Prestes - Local estágio: Divisão Administrativa Allex Raiol Cardoso Medeiros Resp.:Cícero Roberto Teixeira Régis - Local estágio: Sec. Graduação em Geofísica 1/1/27 3/9/28 PROAD 1/11/27 31/1/28 PROAD 16/4/27 15/4/28 PROAD 1/11/27 31/1/28 PROAD 8/5/27 7/5/28 PROAD 3.3 Corpo Docente (ver Anexo I (2. Servidores/2.1 - Docentes Ativos da Unidade por Titulação 27 e 2.3 Docentes afastados, com ou sem vencimentos, por motivo do afastamento - 27). O quadro docente do IG manteve a estabilidade, com 4% de elevação no total de professores entre 24 e 27. No entanto, a qualificação foi elevada, atingindo, em média, cerca de 3% do pessoal, envolvendo mestrados e doutorados concluídos. Vide planilhas. 3.4 Corpo Técnico-Administrativo (ver Anexo I (2. Servidores/2.2 Técnico-Administrativo Ativos da Unidade por Nível/Qualificação e Sexo 27 e 2.4 Técnico-Administrativos afastados, com ou sem vencimentos, por motivo do afastamento - 27). No quadro de técnico-administrativo há 47 servidores, cuja classificação por cargo e nível de classificação é: Classe Nível Cargo Quantidade B I Marinheiro fluvial 1 C I Contínuo 1 C I e IV Motorista 2 C I Operador de 1 máquina copiadora C III Assistente de alunos 1 C III Auxiliar em 1 Administração D I Assistente em 9

9 9 Administração D II Assistente em 3 Administração D III Assistente em 3 Administração D IV Assistente em 1 Administração D I Técnico em 1 Aerofotogrametria D I Técnico em 1 Laboratório D I Técnico em 1 Geologia D I Técnico em 1 Instrumentação D I Técnico em 1 Mecânica D I Técnico em 1 Mineração D I Técnico em 1 Radiologia D I Técnico em 1 Programação de Computadores D II Assistente em 3 Administração D III Assistente em 3 Administração D III Técnico em Química 1 D III Técnico em 1 Secretariado D IV Assistente em 2 Administração

10 1 D IV Desenhista Técnico- 1 Especializado D IV Técnico em Móveis 1 e Esquadrias E I Bibliotecário- 1 Documentarista E I Engenharia Área 1 E I Meteorologista 1 E I Químico 3 E IV Meteorologista 3 E IV Químico 2 TOTAL 47 Classe B. Nível Apoio Escolaridade: Fundamental Classe C e D. Nível Intermediário Escolaridade: Médio Classe E. Nível Superior Escolaridade: Graduação ou Mestrado 4 ATIVIDADES ACADÊMICAS 4.1 Ensino de Graduação a) GEOFÍSICA É a ciência que estuda a estrutura, a composição, as propriedades física e os processos dinâmicos da terra. O geofísico investiga os fenômenos elétricos, térmicos, magnético, gravitacionais e sísmicos do planeta. Com instrumentos especiais e leis da Matemática, da Física e da Química, ele mede as força que afetam a superfície, o sub-solo e a atmosfera terrestre. Observa e calcula os movimentos do solo e do sub-solo e pesquisa a origem e atividades dos vulcões, a curvatura do planeta e outras características geofísica do globo. Detecta e mede a intensidade de terremotos e maremotos, investiga a estrutura das formações rochosas e as propriedades físico-químicas das marés. Antes das construções de grandes obras, como represas, estradas e túneis, avalia a localidade do solo e localiza lençóis de água e jazidas minerais. Pode trabalhar também na prospecção de petróleo. ÁREAS DE ATUAÇÃO Construção Civil. Estudar as características do solo antes do inicio de uma obra. Localizar dutos de água e de gás para implantar novas tubulações em terreno e loteamento.

11 11 Geofísico Ambiental. Investigar a degradação do solo e poluição de água subterrâneas ou de superfície. Analisar o impacto ambiental de grandes obras, como estradas, túneis de metrô ou reservatório de água. Geofísica fundamental. Desenvolver pesquisa na área de geodésia (forma e tamanho da terra), geodinâmica (deformação da crosta), geomagnetismo (campo magnético terrestre), geotermia (fenômeno térmico que ocorre no interior do planeta) e sismologia (abalos sísmicos). Geofísica e Engenharia do Petróleo. Levantar e analisar dados em busca de reserva petrolíferas e acompanhar sua exploração. Mineração. Coletar dados em campos e, depois, analisá-los e processá-los em laboratórios e computadores para localizar reserva mineral. MERCADO DE TRABALHO As melhores oportunidades de trabalhos estão na área de geofísico do petróleo. Atualmente a indústria petrolífera é a maior empregadora do geofísico no País e a Petrobrás, e a empresa que mais abre vaga - em 25 devem ser contratados 5 profissionais. As vagas estão distribuídas pelo País, mas são em maior número no Rio de Janeiro. Ainda no setor publico, a Agencia Nacional do Petróleo (ANP) também precisa de geofísico com freqüência. As empresas que prestam serviços para a Petrobrás, principalmente no processamento de dados geofísicos, também oferecem oportunidades. Com a legislação que permite empresas multinacionais na atividade de exploração mineral, o mercado também cresce para os especialistas em mineração. A Amazônia e os estados de São Paulo e da Bahia são os mais promissores nesta área. Nas empresas de engenharias e em construtoras que realizam grandes obras, como shoppings e barragens é boa oferta de trabalho para os especialista em construção civil. Nas prefeituras, principalmente nas do sudeste, também aumenta a procura pelo profissional da geofísica ambiental. Salário médio inicial: R$ 2., Matemática, física, química e geologia são as bases do currículo. Entre as disciplinas profissionalizantes estão prospecção de água, de petróleo e de recursos minerais. Fique preparados para exercitar os neurônios com cálculos e mais cálculos eles estão presente durante todo o curso. Há muitas atividades práticas, tanto em campo quanto em laboratório. Se você se interessar na área de prospecção de petróleo, pode cursar Engenharia de Minais e especializar-se nela. Algumas escolas oferecem uma graduação em engenharia, especifica para a área de exploração e produção de petróleo. DURAÇÃO MÉDIA : quatro anos. PRÁTICAS DE CAMPO CURSO DE GEOFÍSICA, SAÍDAS DE CAMPO 27 DISCIPLINAS LOGÍSTICA - GT II SEDIMENTOLOGIA José Geraldo Luiz Ercílio C. F. Jr. F. Araguaia, 15 a 21/3/7 Capanema, Salinópolis, 14 a 16/9/27 GRUPO TRABALHO II José Geraldo das V. Alves GRUPO TRABALHO I José Geraldo das V. Alves

12 12 Marapanim, 24/5/27 a 3/6/27 Soure, PA 12 a 26/11/7 GEOLOGIA GERAL Evaldo Raimundo P. da Silva São Miguel, 15 e 16/6/27 b) GEOLOGIA (Conceito Escelente pela revista Abril-Guia do Estudante) É a ciência que estuda a origem, a formação, a estrutura e a composição da crosta terrestre e as alterações sofrida no decorrer do tempo. O geólogo estuda a ação das forças naturais sobre o planeta e seus efeitos, como a erosão, a glaciação e a desertificação. Para isso, ele pesquisa e analisa fósseis e minerais e a topografia dos terrenos. Classifica rocha ígneas, sedimentares e metafórmicas, que ocorrem tato na superfície terrestre quanto no subsolo e no fundo do mar. Também localiza e acompanha a exploração de jazida de minério, depósito subterrâneo de água e reserva de petróleo e de gás natural. Faz parte de suas preocupações procurar evitar os danos que a exploração desses recursos possa causar ao meio ambiente. Elaborar relatório de impacto ambiental e analisar o terreno antes da realização de grandes obras, como túneis, barragens, reservatório, usinas, estradas e aterros. ÁREAS DE ATUAÇÃO Engenharia Geológica Faz o levantamento geológico e geotécnico de áreas para a construção de represas, túneis e estradas. Estuda a recuperação de áreas degradadas por atividades de mineração. Geofísica Pesquisa os fenômenos elétricos, térmicos, magnéticos, gravitacional ou sísmico do planeta. Geologia Ambiental Planeja a ocupação de territórios e avalia os riscos geológicos (erosões, enchentes e deslizamentos) a que essas regiões possam está submetidas. Recuperar solos contaminados. Geologia do Petróleo Localizar e explorar reservas petrolíferas e de gás natural, dentro da área de recursos energéticos. Hidrogeologia Descobrir depósito de água subterrâneos e planeja a sua exploração de forma a garantir a pureza da água. Mineração Localizar jazida e estudar a viabilizar econômica de sua exploração. MERCADO DE TRABALHO O mercado está em ascensão e deve continuar assim pelos próximos dez anos. Existem vagas para todos os formados e em alguns casos faltam profissionais qualificados para preenchê-las. O aumento da preocupação com os impactos ambientais é o principal responsável pelo aquecimento do mercado além da expansão da mineração e a exploração petrolíferas. O geólogo encontra vagas em órgão públicos e empresas privadas. A Petrobrás e a companhia Vale do Rio Doce são tradicionais empregadoras. O especialista em engenharia geológica encontra boas oportunidades em todo País. Outra área em crescimento é a de análise de risco para prevenção de erosões,

13 13 enchentes e deslizamentos, problemas comum em cidades grandes como São Paulo, principalmente em órgão públicos. Salário médio inicial R$ 2., O CURSO Começa com matérias básicas, como química, matemática, física e biologia. A partir do segundo ano já entram no currículo as disciplina especificas, voltadas para os estudos das rochas e suas formações; geoquímica, geofísica, minerologia, geomorfologia e petrografia (estudo descritivos das rochas). Nos trabalhos de campo, o aluno faz mapeamento e coleta do material que será mais tarde analisado em laboratório. Em algumas escolas, exige-se, no ultimo ano, um trabalho de conclusão de curso, que pode ser feito em campo ou em uma empresa, de acordo com o tema escolhido. Duração média: cinco anos. PRÁTICAS DE CAMPO CURSO DE GEOLOGIA, SAÍDAS DE CAMPO 27 DISCIPLINAS PETROLOGIA METAMÓRFICA ESTÁGIO DE CAMPO I (LOGÍSTICA) Paulo Sérgio Gorayeb F. S. Negra, MA de 8 a 11/11/27 Sobral,CE de 24 a 31/1/7 PALEONTOLOGIA PETROLOGIA METAMÓRFICA Vladimir Távora Paulo Sérgio Gorayeb Salinópolis, de 2 a 4/3/27 Colméia, TO de 6 a 13/11/27 PALEONTOLOGIA ESTÁGIO DE CAMPO I Vladimir Távora José Fernando P. Assis Salinas, de 14 a 16/3/27 Formosa da Serra Negra, MA de 15 a 24/11/27 ESTÁGIO DE CAMPO I José Fernando P. Assis Balsas, MA de 18 a 31/5/27 ESTÁGIO DE CAMPO II Francisco de Assis M. Abreu Massapê, Sobral/CE de 5 a 26/8/27 GEOLOGIA ESTRUTURAL Roberto Vizeu Pinheiro Carajás, de 13 a 18/8/27 PALEONTOLOGIA Vladimir Távora 14 a 16/11/7 - Capanema, Salinas GEOLOGIA ESTRUTURAL 17 A 2/12/7, Capanema Salinas SEDIMENTOLOGIA Werner Truckenbrodt 18 a 21/11/7 Pinheiros, MA GEOLOGIA GERAL Milton Antonio Matta Massapê, Sobral/CE, de 21 a 26/9/27

14 14 c) METEOROLOGIA (Conceito Muito Bom pela revista Abril-Guia do Estudante) O funcionamento do curso de Meteorologia da UFPA foi autorizado pela Resolução 325/CONSEP/UFPA, de 22 de setembro de 1975 com a realização do primeiro vestibular em 1976 com a entrada de 3 alunos e foi reconhecido em 13 de outubro de 1981 pela Portaria 571/MEC. Em 1984, a Organização Meteorológica Mundial (OMM) assinou convênio com o governo brasileiro, tornando o Departamento de Meteorologia da UFPA como Centro Regional de Treinamento da OMM. Com isso o Curso de Meteorologia teve alunos de graduação vindos da África, de países de língua portuguesa (Guiné Bissau, Moçambique e Angola). Formamos 232 meteorologistas desde o seu reconhecimento até o primeiro semestre letivo de 27 e tendo 17 prováveis concluintes para o segundo semestre letivo de 27. A Meteoroloogia é a ciência que estuda a atmosfera e seus fenômenos. O meteorologista pesquisa e avalia as condições atmosféricas e estuda dados relativos a vento, chuva, insolação, temperatura e umidade do ar, para entender e prever o tempo nas diversas regiões do planeta. Interpreta gráficos, imagem de satélites e radares, utilizando mapas e programas específicos de computador. Sua atividade é fundamental para o setor rural, uma vez que o agricultor depende das condições climáticas para definir a época de plantio e colheita. Também trabalham em empresas que prestam serviço de radiometeorologia e meteorologia ambiental. ÁREAS DE ATUAÇÃO AGROMETEOROLOGIA Elabora boletins do tempo para empresas e produtores rurais, definindo épocas mais adequada para plantio e colheitas de safras agrícolas. ÁREA OPERACIONAL Estuda condições climáticas para orientar o trafego aéreo e marítimo. BIOMETEOROLOGIA Pesquisa a relação entre a vida animal e vegetal e a atmosfera, para prevenir e reduzir as alterações climáticas, como o efeito estufa e o aquecimento global. CLIMATOLOGIA Analisa imagem de satélites e constrói modelos numéricos em computadores para determinar as condições de tempo e prever o clima. HIDROMETEOROLOGIA Estuda o regime das águas das chuvas e dos rios para prevenir enchentes. Assessorar construtoras e órgãos públicos. INTRUMENTAÇÃO METEOROLÓGICA Projetar, construir e operar equipamentos empregados na meteorologia. METEOROLOGIA AMBIENTAL Estudar a poluição atmosférica e as condições climáticas em que os poluentes se concentram e se dispersam. PREVISÃO DO TEMPO Fazer previsão do tempo para jornais, programas de radio e de TV e websites. RADIMETEOROLOGIA Estuda a influência meteorológica na área de telecomunicações para evitar interferência na transmissão e na captação de ondas.

15 15 MERCADO DE TRABALHO Os formados trabalham principalmente em previsão do tempo, observando imagem de satélite e radares meteorológicos. Como há poucos profissionais no mercado, não faltam boas oportunidades. As ofertas de emprego surgem com mais freqüência nos órgão do governo e institutos de pesquisa. O Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), A Companhia de Tecnologia e Saneamento Ambiental (CETESB), o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) são tradicionais empregadores. No setor privado, empresa como a somar meteorologia, em São Paulo, entre outras que prestam serviços para indústria de bebidas e sorvetes, empregam meteorologista para determinar o clima nas regiões em que atuam para auxiliar no planejamento da distribuição dos produtos, por exemplo. Os veículos de comunicação também costumam a contratar o serviço de previsão de tempo, assim como empresa do setor de energia. Salário Médio Inicial R$ 1.8, O CURSO Os dois primeiros anos são voltados para as matérias básicas, e por isso, você pode esperar muito cálculo em aulas de física e matemática. As disciplinas específicas incluem meteorologia física, micrometeorologia, agrometeorologia, climatologia e sensoriamento remoto. Há muitas atividades em laboratórios e prática de campo, nos quais os alunos se familiarizam com radares, satélites e instrumentos meteorológicos. Duração média quatro anos. ORGANOGRAMA DO COLEGIADO DO CURSO DE METEOROLOGIA - COLMET 1 DEPARTAMENTOS VINCULADOS e CENTRO ACADÊMICO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE FÍSICA COLEGIADO DE METEOROLOGIA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS E LITERATURA VERNÁCULA CAMET Centro Acadêmico DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE METEOROLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

16 Coordenador do Curso: Docente função período Portaria Midori Makino Coordenadora Vice-Coordenadora de 3/3/26 até a instituição da nova Faculdade em 1º de janeiro de 28 Maria do Carmo Felipe de Oliveira 191/26-GR de 3/4/6 Administração Geral 3.1 O Colegiado do Curso de Meteorologia funciona no segundo piso do prédio sede do Centro de Geociências. A secretaria do Curso de Meteorologia ocupa o espaço físico comum com as secretarias dos cursos de Geologia e Oceanografia. 3.2 Recursos Humanos O colegiado do curso de Meteorologia conta com um (1) secretário administrativo Sr. José Augusto Baeta graduado em Licenciatura Plena em Educação Física, dando apoio nas solenidade de colação de grau dos alunos do curso e nos eventos científicos. Dificuldades encontradas: 1- Espaço físico da secretaria não é adequado para atendimento dos alunos. 2- Computadores e impressoras desatualizados que não consegue trabalhar com eficiência o novo sistema de controle acadêmico SIE que substituiu o SISCA. Ensino de Graduação As disciplinas do Curso de Meteorologia são ministradas pelos docentes dos Departamentos de Matemática, de Física, de Estatística, de Informática, de Biologia, de Línguas e Literatura Estrangeira e de Meteorologia. A maior dificuldade enfrentada pela Coordenação do Curso é para atender as disciplinas básicas ministradas pelos professores de outros Departamentos de outras unidades acadêmicas. Geralmente uma ou duas disciplinas do bloco não têm professor o que prejudica o percurso acadêmico. Quando têm professor, geralmente são professores substitutos que não estão preparados para dar aulas para os cursos da área de geociências. Ainda há casos onde o professor não cumpre a carga horária das aulas prejudicando o conteúdo programático da disciplina. Continuamos tendo dificuldades com as disciplinas do Departamento de Física, causadas pela reforma nos laboratórios de ensino.

17 17 PRÁTICAS DE CAMPO CURSO DE METEOROLOGIA, SAÍDAS DE CAMPO 27 DISCIPLINAS AGROMETEOROLOGIA HIDROMETEOROLOGIA Maria do Carmo F. de Oliveira José Carvalho de Moraes Melgaço PA, 24/4 a 3/5/7 Tucuruí, PA 26/11 a 2/12/7 INTEGRADA LOG. MICROMETEOR. Maria do Carmo/João Batista Paragominas, PA 26/11 a 3/12 Cuiarana, PA 2 a 26/7/7

18 18 Dados estatísticos dos rendimentos das disciplinas ofertadas no 1 o semestre letivo de 27 BLOCO 1 EXC BOM REG INS SAP SFR Aprovados Reprovados TOTAL CG43 -ELEM.ASTRO. GEODÉSIA turma CG43 -ELEM.ASTRO. GEODÉSIA turma CG45 - ELEMENTOS DE METEOROLOGIA Turma CG45 - ELEMENTOS DE METEOROLOGIA Turma CG45 - ELEMENTOS DE METEOROLOGIA Turma EN Física Fundamental I EN168 - CÁLCULO I EN72 - Probabilidade e Estatística LA23 - INGLÊS INSTRUMENTAL I total = 315 BLOCO 3 EXC BOM REG INS SAP SFR Aprovados Reprovados TOTAL CB118 - ECOLOGIA BÁSICA CG412 - I M O II EN169 - CÁLCULO I I EN283 - LAB. BÁSICO I EN 51 I C C total = 191 BLOCO 5 EXC BOM REG INS SAP SFR Aprovados Reprovados TOTAL CG42 - FÍSICA DOS FLUIDOS CG46 - METEOROLOGIA FÍSICA CG417 AGROMETEOROLOGIA CG42 - OCEANOGRAFIA FÍSICA CG442 - MÉTODOS II total = 141 BLOCO 7 EXC BOM REG INS SAP SFR Aprovados Reprovados TOTAL CG48 - FÍSICA DAS NUVENS CG41 - MET. DINÂMICA II CG416 - MICROMETEOROLOGIA CG423 - MET. POR SATÉLITE CG425 - MET. SINÓTICA II total = 8 Disciplinas ofertadas para alunos em dependências e/ou fora do bloco BLOCO 2 EXC BOM REG INS SAP SFR Aprovados Reprovados TOTAL CG411 I M O I CG427 - CLIMATOLOGIA GERAL EN CÁLCULO II LA231 - INGLÊS INSTRUMENTAL II total = 12 BLOCO 4 EXC BOM REG INS SAP SFR Aprovados Reprovados TOTAL CG41 TERMODINAMICA APLICADA CG426 HIDROMETEOROLOGIA total = 21 BLOCO 6 EXC BOM REG INS SAP SFR Aprovados Reprovados TOTAL CG47 - RADIAÇÃO NA ATMOSFERA CG49 - MET. DINÂMICA I CG413 - CLIMATOLOGIA APLICADA CG421 - MET. AMBIENTAL CG424 - MET. SINÓTICA I total = 116 BLOCO 8 EXC BOM REG INS SAP SFR Aprovados Reprovados TOTAL CG414 - MET. APLICADA CG415 - MET. TROPICAL CG422 - A P T CG429 ESTÁGIO SUPERVISIONADO CG43 - T C C total = 57

19 19 bloco 1-1 o semestre de número de alunos CG43 - ELEM.AS CG43 - ELEM.AS CG45 - ELEMEN 5 1 CG45 - ELEMEN CG45 - ELEMEN SFR SAP INS REG BOM EXC EN Física Fundame EN168 - EN72 - LA23 - CÁLCUL O I Probabili dade e INGLÊS INSTRU 6 bloco 1: aprovados X reprovados número de alunos CG43 - ELEM.AST RO. 1 5 CG43 - ELEM.AST RO. CG45 - ELEMENTO S DE 6 CG45 - ELEMENTO S DE Reprovados Aprovados CG45 - ELEMENTO S DE EN Física Fundament 11 EN168 - CÁLCULO I EN72 - Probabilidad e e LA23 - INGLÊS INSTRUME

20 2 bloco 3: 1 o semestre de número de alunos CB118 - ECOLOGIA BÁSICA CG412 - I M O II SFR 4 14 SAP 1 INS REG BOM EXC EN169 - CÁLCULO I I 2 2 EN283 - LAB. BÁSICO I EN 51 C C I bloco 3: aprovados X reprovados 45 4 número de alunos CB118 - ECOLOGIA BÁSICA CG412 - I M O II EN169 - CÁLCULO I I EN283 - LAB. BÁSICO I EN 51 Reprovados Aprovados I C C

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMAÇÕES Diretor-Geral Prof. José Geraldo das Virgens Alves Diretor-Adjunto Prof. João Batista Miranda Ribeiro

Leia mais

BACHARELADO EM GEOLOGIA

BACHARELADO EM GEOLOGIA BACHARELADO EM GEOLOGIA Estrutura Curricular Duração : 10 semestres Mínima: 10 semestres Máxima: 20 semestres Currículo para ingressantes a partir de 2004 s Obrigatórias (Sequência Aconselhada) Conjunto

Leia mais

ANEXO I GRADE CURRICULAR

ANEXO I GRADE CURRICULAR ANEXO I GRADE CURRICULAR Projeto Curricular GEO-ICADS Anexo I 13 1º SEMESTRE 1 ANEXO I GRADE CURRICULAR IAD 071 Biologia Geral 68 --- IAD 235 Geometria analítica 68 --- IAD 249 Geologia Introdutória 68

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA. Título I - Das Disposições Gerais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA. Título I - Das Disposições Gerais REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOLOGIA Título I - Das Disposições Gerais Art. 1 º - O Curso de Pós-Graduação em Geologia Universidade de Brasília é oferecido nos níveis de Mestrado e Doutorado

Leia mais

Instituto de Geociências Universidade Federal do Pará UFPA Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais

Instituto de Geociências Universidade Federal do Pará UFPA Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais CONVÊNIO UFPA/EMBRAPA/MPEG EDITAL PPGCA N. 001/2015 Seleção ao Curso de Doutorado em Ciências Ambientais Turma 2015 O Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais (PPGCA), do convênio Universidade

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ

Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ Informações Detalhadas: Objetivos: Em tempos de muitas oscilações climáticas, o serviço de Meteorologia é amplamente consultado.

Leia mais

CORPO DOCENTE DO CURSO DE ARQUITETURA ANO - 2015

CORPO DOCENTE DO CURSO DE ARQUITETURA ANO - 2015 CORPO DOCENTE DO CURSO DE ARQUITETURA ANO - 2015 Alcyr de Morrisson Faria Neto (Graduado) Regime de Trabalho: Horista Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Pará (2001).

Leia mais

brunocastro@prof.iesam-pa.edu.br http://lattes.cnpq.br/1897829604434609

brunocastro@prof.iesam-pa.edu.br http://lattes.cnpq.br/1897829604434609 CORPO DOCENTE DO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES André Luis Silva Santana (Especialista) Regime de Trabalho: Área de Conhecimento: Arquitetura e Urbanismo. Qualificação Profissional: Arquitetura

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA MESTRADO PROFISSIONAL EM PROCESSOS CONSTRUTIVOS E SANEAMENTO URBANO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA MESTRADO PROFISSIONAL EM PROCESSOS CONSTRUTIVOS E SANEAMENTO URBANO EDITAL 01/2013 PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM PROCESSOS PPCS A Universidade Federal do Pará, através da Coordenação do Programa de Pós- Graduação em Processos Construtivos e

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO RECURSOS HÍDRICOS EM SISTEMAS AGRÍCOLAS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO RECURSOS HÍDRICOS EM SISTEMAS AGRÍCOLAS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO RECURSOS HÍDRICOS EM SISTEMAS AGRÍCOLAS O Programa de Pós-Graduação Recursos Hídricos em Sistemas Agrícolas será regido pelo Regulamento Geral dos Programas de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOCIÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOCIÊNCIAS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM GEOCIÊNCIAS Título I - Das Disposições Gerais Art. 1º - O Programa

Leia mais

1. REGULAMENTO DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS E INOVAÇÕES AMBIENTAIS MODALIDADE MESTRADO PROFISSIONAL

1. REGULAMENTO DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS E INOVAÇÕES AMBIENTAIS MODALIDADE MESTRADO PROFISSIONAL 1. REGULAMENTO DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS E INOVAÇÕES AMBIENTAIS MODALIDADE MESTRADO PROFISSIONAL O Programa de Pós-Graduação em Tecnologias e Inovações Ambientais modalidade mestrado profissional

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO DE ALUNOS REGULARES NO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA AMBIENTAL.

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO DE ALUNOS REGULARES NO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA AMBIENTAL. PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO DE ALUNOS REGULARES NO CURSO DE. A Comissão Coordenadora do Curso de Especialização em Ensino de Física Ambiental, da UFOPA, torna público aos interessados que estarão abertas

Leia mais

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS Técnico de Multimédia 10 H 7536 Alberto Filipe Cardoso Pinto 7566 Ana Isabel Lomar Antunes 7567 Andreia Carine Ferreira Quintela 7537 Bruno Manuel Martins Castro 7538 Bruno Miguel Ferreira Bogas 5859 Bruno

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

2.Desejo fazer mestrado (ou doutorado) sobre petróleo; existe um programa de pós-graduação com esta temática na Unicamp?

2.Desejo fazer mestrado (ou doutorado) sobre petróleo; existe um programa de pós-graduação com esta temática na Unicamp? 1.O que é o Cepetro e como atua? O CEPETRO (Centro de Estudos de Petróleo) foi criado há em 1987 para atender a demanda por ensino de pósgraduação e pesquisas na área de petróleo e gás. Sua concepção buscou

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 68, de 22 de julho

Leia mais

CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL LISTA PROVISÓRIA DE ALUNOS SELECIONADOS

CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL LISTA PROVISÓRIA DE ALUNOS SELECIONADOS CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL Adriana da Conceição Palhares Lopes Alexandra Rodrigues Barbosa Ana Salomé Lopes Queirós Andreia Dias da Costa Bianca Patricia Gonçalves Ramos Carina Filipa Monteiro Rodrigues

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR - 2012/1º semestre (Aprovada pela Resolução nº 01 CONSEPE, de 09/02/2012). 1º PERÍODO 2º PERÍODO

ESTRUTURA CURRICULAR - 2012/1º semestre (Aprovada pela Resolução nº 01 CONSEPE, de 09/02/2012). 1º PERÍODO 2º PERÍODO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA - TEÓFILO OTONI CURSO DE GRADUAÇÃO - ENGENHARIA CIVIL ESTRUTURA CURRICULAR

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.605, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.605, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.605, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007 Homologa o Parecer n. 092/07-CEG, que aprova o Projeto

Leia mais

EDITAL 02/2013 PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM PROCESSOS CONSTRUTIVOS E SANEAMENTO URBANO PPCS

EDITAL 02/2013 PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM PROCESSOS CONSTRUTIVOS E SANEAMENTO URBANO PPCS EDITAL 02/2013 PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM PROCESSOS CONSTRUTIVOS E SANEAMENTO URBANO PPCS A Universidade Federal do Pará, através da Coordenação do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

SEQUÊNCIA LISTA NOMINAL DOS CANDIDATOS APROVADOS 1 MAURO ROBERTO P. DUARTE 2 PAULO RENATO PEDRONI DE ALMEIDA 3 ALEX LOPES LYRIO 4 MARCOS ANDRE MURTA

SEQUÊNCIA LISTA NOMINAL DOS CANDIDATOS APROVADOS 1 MAURO ROBERTO P. DUARTE 2 PAULO RENATO PEDRONI DE ALMEIDA 3 ALEX LOPES LYRIO 4 MARCOS ANDRE MURTA LISTA NOMINAL DOS CANDIDATOS APROVADOS 1 MAURO ROBERTO P. DUARTE 2 PAULO RENATO PEDRONI DE ALMEIDA 3 ALEX LOPES LYRIO 4 MARCOS ANDRE MURTA RIBEIRO 5 ALEXANDRE FERREIRA DE MENEZES 6 ADALBERTO GOMES DA SILVA

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Física

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Física Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Física EDITAL DE SELEÇÃO Nº 02/2012 CURSOS DE MESTRADO E DOUTORADO SEMESTRE LETIVO 2013.1

Leia mais

BOLETIM ELETRÔNICO DE SERVIÇOS

BOLETIM ELETRÔNICO DE SERVIÇOS BOLETIM ELETRÔNICO DE SERVIÇOS Campus Floriano Teresina (PI), 31 de outubro de 2014. PORTARIA Nº001/2014, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014. Designar os servidores Lázaro Miranda Carvalho, Professor do Ensino

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA MESTRADO EM ECOLOGIA DE ECOSSISTEMAS COSTEIROS E ESTUARINOS

EDITAL DE SELEÇÃO PARA MESTRADO EM ECOLOGIA DE ECOSSISTEMAS COSTEIROS E ESTUARINOS EDITAL DE SELEÇÃO PARA MESTRADO EM ECOLOGIA DE ECOSSISTEMAS O Programa de Pós-Graduação em Biologia Ambiental (PPGBA), do Campus de Bragança da UFPA, está abrindo inscrições relativas ao Exame de Seleção

Leia mais

MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre

MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre MFIG - TRABALHO Codigo Nome turma Nota Trabalho 110402106 Adriana Castro Valente 2 15,0 110402107 Alex da Silva Carvalho 3 14,9 70402122 Alexandre Jorge Costelha Seabra 2 18,2 110402182 Ana Catarina Linhares

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU ENGENHARIA FLORESTAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino Corrida da Saúde Classificação geral do corta-mato, realizado no dia 23 de Dezembro de 2007, na Escola E.B. 2,3 de Valbom. Contou com a participação dos alunos do 4º ano e do 2º e 3º ciclos do Agrupamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973 RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973 Discrimina atividades das diferentes modalidades profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA,

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Geografia Disciplina: Climatologia Carga Horária: 60h/a (teórica e prática) Semestre: 2013.2 Professor: Lucas Costa de Souza Cavalcanti Obrigatória: (X)

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA MADEIRA

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA MADEIRA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA MADEIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias.

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de frentes frias. Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Apoio Didático - Exercícios Silvia Jun/09 10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias. a) O que são "frentes"?

Leia mais

DESPACHO DIGES 1066 DESPACHO

DESPACHO DIGES 1066 DESPACHO 1 de 5 11/06/2015 18:57 TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 1ª REGIÃO DESPACHO DIGES 1066 DESPACHO PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDOS PARA CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO E STRICTO SENSU RESULTADO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 4, DE 6 DE AGOSTO DE 2008 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 4, DE 6 DE AGOSTO DE 2008 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 4, DE 6 DE AGOSTO DE 2008 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Meteorologia,

Leia mais

CORPO DOCENTE DO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA CIVIL

CORPO DOCENTE DO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA CIVIL CORPO DOCENTE DO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA CIVIL Alcyr de Morisson Faria Neto (Especialista) Regime de Trabalho: Horista Área de conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas Qualificação profissional: Arquitetura

Leia mais

EDITAL Nº. 11 /2014 PPG/CPG/UEMA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

EDITAL Nº. 11 /2014 PPG/CPG/UEMA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO-UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PPG COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO CPG EDITAL Nº. 11 /2014 PPG/CPG/UEMA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA

CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNAMBUCANO DIREÇÃO DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR 1. Perfil do Curso CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

RESULTADO DA PROVA DIDÁTICA Data de Realização: 12/03/2014

RESULTADO DA PROVA DIDÁTICA Data de Realização: 12/03/2014 Departamento ou Unidade: DEPA Área(s)/Matéria(s): Fitopatologia/Fitobacteriologia RESULTADO DA PROVA DIDÁTICA Data de Realização: 12/03/2014 REGISTRO CANDIDATO NOME RESULTADO 2013010000437-4 Aldenir de

Leia mais

LISTA ORDENADA POR GRADUAÇÃO PROFISSIONAL - DGAE

LISTA ORDENADA POR GRADUAÇÃO PROFISSIONAL - DGAE Nome da Escola : Agrupamento de Escolas de Almancil, Loulé Horário n.º: 27-18 horas 2013-10-09 Grupo de Recrutamento: 420 - Geografia LISTA ORDENADA POR GRADUAÇÃO PROFISSIONAL - DGAE Ordenação Graduação

Leia mais

REABERTURA DO EDITAL Nº 121/2015 Referente ao Aviso nº 110/2015, publicado no DOE de 05/12/2015.

REABERTURA DO EDITAL Nº 121/2015 Referente ao Aviso nº 110/2015, publicado no DOE de 05/12/2015. REABERTURA DO EDITAL Nº 121/2015 Referente ao Aviso nº 110/2015, publicado no DOE de 05/12/2015. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB), no uso de suas atribuições legais e regimentais, torna

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 1ª REGIÃO DESPACHO DIGES 1536

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 1ª REGIÃO DESPACHO DIGES 1536 TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA ª REGIÃO DESPACHO DIGES 536 PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDOS PARA CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO E STRICTO SENSU RESULTADO DA CLASSIFICAÇÃO FINAL Em conformidade

Leia mais

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Projeto de Engenharia Ambiental Sensoriamento remoto e Sistema de Informação Geográfica Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Sensoriamento

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Geografia Trimestre: 1º

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

CENTRO FED. DE EDUC. TECNOLOGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA RJ. 11.02.04.99.18 Solicitação de Matrícula( por curso )

CENTRO FED. DE EDUC. TECNOLOGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA RJ. 11.02.04.99.18 Solicitação de Matrícula( por curso ) .0.0.99.8 Solicitação de Matrícula( por curso ) Curso: GFISPET - PET - CURSO SUPERIOR DE LICENCIATURA EM FÍSICA Período: º Semestre de 0 Data: 8/0/0 Hora: :08 Dt. Dt. Solicit. Disciplina Período Ideal

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Geografia Trimestre: 1º

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014 5º1 1 ANA CATARINA R FREITAS SIM 2 BEATRIZ SOARES RIBEIRO SIM 3 DIOGO ANTÓNIO A PEREIRA SIM 4 MÁRCIO RAFAEL R SANTOS SIM 5 MARCO ANTÓNIO B OLIVEIRA SIM 6 NÁDIA ARAÚJO GONÇALVES SIM 7 SUNNY KATHARINA G

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU AGRONOMIA/ENTOMOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO

Leia mais

Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Campus Caçapava do Sul

Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Campus Caçapava do Sul Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Campus Caçapava do Sul Curso Superior de Tecnologia em Mineração (CSTM) Curso Curso Docentes A Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), criada em 2006 com estrutura

Leia mais

COMISSÃO ELEITORAL REDUZIDA. Ata da Quarta Reunião

COMISSÃO ELEITORAL REDUZIDA. Ata da Quarta Reunião ELEIÇÃO PARA OS ÓRGÃOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO COMISSÃO ELEITORAL REDUZIDA Ata da Quarta Reunião Ao sexto dia do mês de novembro de dois mil

Leia mais

Norma Interna: Ajuste Curricular

Norma Interna: Ajuste Curricular Norma Interna: Ajuste Curricular A RESOLUÇÃO Nº 61/08-CEPE fixa o currículo do MESTRADO e DOUTORADO acadêmico em Engenharia de Recursos Hídricos e Ambiental da Universidade Federal do Paraná. Este currículo

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA CLASSIFICAÇÕES DO SEGUNDO TESTE E DA AVALIAÇÃO CONTINUA Classificações Classificação Final Alex Santos Teixeira 13 13 Alexandre Prata da Cruz 10 11 Aleydita Barreto

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL N 25/2013 - PPG/UEMA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL N 25/2013 - PPG/UEMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL N 25/2013 - PPG/UEMA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO EMPRESARIAL A Pró-Reitoria

Leia mais

CORPO DOCENTE DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL

CORPO DOCENTE DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL CORPO DOCENTE DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL André Luis Sfair da Costa Sarmento (Doutor) Regime de Trabalho: Horista Qualificação Profissional: Engenharia Química. Possui graduação em Engenharia Química

Leia mais

GEOFÍSCA MÉTODOS SÍSMICOS MÉTODOS POTENCIAIS MÉTODOS GEOELÉTRICOS MÉTODOS GEOTÉRMICOS REFLEXÃO REFRAÇÃO GRAVIMETRIA MAGNETOMETRIA

GEOFÍSCA MÉTODOS SÍSMICOS MÉTODOS POTENCIAIS MÉTODOS GEOELÉTRICOS MÉTODOS GEOTÉRMICOS REFLEXÃO REFRAÇÃO GRAVIMETRIA MAGNETOMETRIA 28 de maio de 2013 GEOFÍSCA MÉTODOS SÍSMICOS REFLEXÃO REFRAÇÃO MÉTODOS POTENCIAIS GRAVIMETRIA MAGNETOMETRIA MÉTODOS GEOELÉTRICOS POLARIZAÇÃO INDUZIDA ELETRORRESISTIVIDADE POTENCIAL ESPONTÂNEO RADAR DE

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS

Universidade Estadual de Maringá PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS EDITAL N O 001/2011-PRH 2 - DAS ÁREAS DE CONHECIMENTO, N O DE VAGAS, REGIME E LOCAL DE TRABALHO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS (01) Bioquímica Graduação em Química ou

Leia mais

Mestrado Acadêmico em Engenharia de Sistemas EDITAL

Mestrado Acadêmico em Engenharia de Sistemas EDITAL Mestrado Acadêmico em Engenharia de Sistemas EDITAL O Colegiado do Programa de Pós-Graduação stricto sensu, nível Mestrado Acadêmico, em Engenharia de Sistemas, ouvida a Gerência Setorial de Pós-Graduação

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. Universidade de Cuiabá

ENGENHARIA CIVIL. Universidade de Cuiabá ENGENHARIA CIVIL Universidade de Cuiabá CURSO: ENGENHARIA CIVIL Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO

ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO Este documento tem a finalidade de estabelecer um referencial para o exercício da função de supervisão dos Cursos das Instituições do Ensino Superior, do Sistema Estadual

Leia mais

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840721 ADRIANA XAVIER DA SILVA FERNANDES 38 Pré-A1 PT1840722 ALEXANDRA FILIPA AZEVEDO SANTOS 52 A1 PT1840723

Leia mais

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO TÍTULO I : DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO II : DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Capítulo 1: Das atribuições do

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

Mestrado: Uso Sustentável de Recursos Naturais em Regiões Tropicais

Mestrado: Uso Sustentável de Recursos Naturais em Regiões Tropicais Mestrado: Uso Sustentável de Recursos Naturais em Regiões Tropicais Informações Gerais Nível do Curso: Mestrado Profissional (Pós-graduação stricto sensu) Área Básica: Meio Ambiente e Agrárias Área de

Leia mais

GESTÃO PÚBLICA EAD 2013.1 2ª E ÚLTIMA CHAMADA (LISTA DE ESPERA)

GESTÃO PÚBLICA EAD 2013.1 2ª E ÚLTIMA CHAMADA (LISTA DE ESPERA) GESTÃO PÚBLICA EAD 2013.1 2ª E ÚLTIMA CHAMADA (LISTA DE ESPERA) Todos os candidatos convocados deverão comparecer para efetuar cadastramento nos dias 03/05/2013, no horário das 8 às 11h e das 14 às 17h

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS Recuperação de Módulos em Atraso. Matemática MA2 MA2 MA2 MA2 MA2 MA2 MA2 MA2 MA2 MA2 MA6 MA6 MA10 MA10 MA10 O DIRETOR

CURSOS PROFISSIONAIS Recuperação de Módulos em Atraso. Matemática MA2 MA2 MA2 MA2 MA2 MA2 MA2 MA2 MA2 MA2 MA6 MA6 MA10 MA10 MA10 O DIRETOR 16/dez/2014 17:30 SALA: 2.20 PÁG. 1/2 Matemática Gestão e Controlo Economia Ricardo Jorge Pereira Fernandes Vera Patrícia Venâncio Guedes Patrícia Manuela Soares Pereira Lúcia Andreia Batista Guedes Márcia

Leia mais

Nome Curso Golos Amarelos Vermelhos

Nome Curso Golos Amarelos Vermelhos Nome Curso s Amarelos Vermelhos Carlos Júnior Mestrado 4 Jogo 15 Rui Nascimento Mestrado Jerónimo Mestrado 1 Jogo 15 Pedro Francês Mestrado 1 Andre Figueiredo Mestrado 3 Jogo6 Artur Daniel Mestrado 2 João

Leia mais

Modulo I Mudanças Climáticas

Modulo I Mudanças Climáticas Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Exercícios Extras Silvia Set/09 Modulo I Mudanças Climáticas 1. (UFRJ) A maior parte do aquecimento da atmosfera é proveniente da radiação terrestre: a atmosfera deixa

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL N 27/2013 - PPG/UEMA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL N 27/2013 - PPG/UEMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL N 27/2013 - PPG/UEMA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

Leia mais

Colegiado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Veterinárias

Colegiado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Veterinárias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS Colegiado do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 08/2011 Altera a Resolução n. 15/2006 do CONSEPE, que aprova a Projeto Pedagógico do

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC SECRETARIA GERAL DE CURSOS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC SECRETARIA GERAL DE CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UESC SECRETARIA GERAL DE CURSOS RESULTADO DAS SOLICITAÇÕES DE RETORNO AOS CURSOS DE GRADUAÇÃO PARA O 1º PERÍODO LETIVO DE 2016. BASE LEGAL: ARTIGO 103 DO REGIMENTO GERAL

Leia mais

EDITAL N 004/2014/PPGA E MESTRADO EM AGRONOMIA - PRODUÇÃO VEGETAL)

EDITAL N 004/2014/PPGA E MESTRADO EM AGRONOMIA - PRODUÇÃO VEGETAL) (DOUTORADO EDITAL N 004/2014/PPGA E MESTRADO EM AGRONOMIA - PRODUÇÃO VEGETAL) A Universidade Federal do Piauí (UFPI), através da Pró-Reitoria de Ensino de Pós- Graduação (PRPG), do Centro de Ciências Agrárias

Leia mais

CONSIDERANDO a solicitação da Comissão Coordenadora do Programa, conforme processo nº 38393/2007;

CONSIDERANDO a solicitação da Comissão Coordenadora do Programa, conforme processo nº 38393/2007; DELIBERAÇÃO Câmara de Pós-Graduação Nº 008/2008 Reestrutura o Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Edificações e Saneamento, Mestrado, com área de concentração em Engenharia de Edificações e Saneamento.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 07/2014 Aprova a criação do Curso de Pós-Graduação Stricto Sensu, denominado

Leia mais

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal)

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Curso: Engenharia Agrícola e Ambiental Matriz Curricular 1 Período IB 157 Introdução à Biologia 4 (2-2) IT 103 Técnicas Computacionais em Engenharia 4 (2-2)

Leia mais

Centro Tecnológico Universidade Federal de Santa Catarina

Centro Tecnológico Universidade Federal de Santa Catarina ATA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO DA UNIDADE CENTRO TECNOLÓGICO, REALIZADA NO DIA 12 DE ABRIL DE 2010. Aos doze dias do mês de abril do ano dois mil e dez, às quatorze horas e trinta minutos, no

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU ECOLOGIA APLICADA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO

Leia mais

E-mail: Currículo lattes:

E-mail: Currículo lattes: CORPO DOCENTE DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO COM LINHAS ESPECÍFICAS EM AGRONEGÓCIOS E GESTÃO AMBIENTAL Adalberto Wolmer do Nascimento Silva (Especialista) Regime de Trabalho: Tempo Parcial Área de Conhecimento:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL Nº 085/2015

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL Nº 085/2015 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL Nº 085/2015 SELEÇÃO DE CANDIDATOS A ALUNO REGULAR DOS CURSOS DE MESTRADO E DOUTORADO DO

Leia mais

Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, de Lisboa. Complexo de Ensino Superior de Santa Catarina

Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, de Lisboa. Complexo de Ensino Superior de Santa Catarina Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, de Lisboa. Complexo de Ensino Superior de Santa Catarina CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO PROFISSIONALIZANTE MBA EXECUTIVO INTERNACIONAL EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA

COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA Andressa Garcia Lima 1, Dra. Maria Aurora Santos da Mota 2 1 Graduada em Meteorologia- UFPA, Belém-PA, Bra. andressinhagl@yahoo.com.br.

Leia mais

EDITAL Nº 006/2011-PRPI

EDITAL Nº 006/2011-PRPI EDITAL Nº 006/2011-PRPI A Pró-reitora de Pesquisa e Inovação e a Coordenadora de Relações Internacionais Pró-reitoria de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE,

Leia mais

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 Continente Americano Prof. Ivanei Rodrigues Teoria sobre a formação dos continentes Transformação da crosta terrestre desde a Pangeia até os dias atuais. A Teoria da

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

Mestrado Acadêmico em Engenharia Civil E D I T A L

Mestrado Acadêmico em Engenharia Civil E D I T A L UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Escola Politécnica de Pernambuco Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil Mestrado Acadêmico em Engenharia Civil E D I T A L O Colegiado do Programa de Pós-Graduação stricto

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNAMBUCANO DIREÇÃO DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR 1. Perfil do Curso CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

1 Inscrição: 2 Documentação para a inscrição:

1 Inscrição: 2 Documentação para a inscrição: UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Centro de Tecnologia e Geociências (CTG) Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil Edital Complementar para Seleção dos Cursos de Mestrado e Doutorado (Aprovado em

Leia mais

SERVIDORES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO

SERVIDORES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO SERVIDORES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO A Assessoria de Gestão da Secretaria de Recursos Humanos torna pública a listagem dos servidores em Estágio Probatório e o período em que os mesmos deverão ser avaliados,

Leia mais

MESTRADOS E DOUTORAMENTOS - 2015

MESTRADOS E DOUTORAMENTOS - 2015 MESTRADOS E DOUTORAMENTOS - 2015 2ª FASE - ECT SUPLENTE EXCLUÍDO LISTA DE CANDIDATOS SERIAÇÃO CARLA MARIA CARNEIRO ALVES Doutoramento em Didática de Ciências e Tecnologias 3,9 de 5 4 CARLOS EDUARDO DOS

Leia mais

CURSO: GESTÃO PÚBLICA DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS

CURSO: GESTÃO PÚBLICA DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Edital nº 007 /2015 de 17de julho de 2015. O Diretor Geral da Escola de Governança Pública do Estado do Pará, no uso de suas atribuições legais, torna público o resultado da 2ª etapa- Análise das Cartas

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO Justiça Federal Juizados Especiais Federais TURMA RECURSAL Seção Judiciária da Paraíba PAUTA DE JULGAMENTO

PODER JUDICIÁRIO Justiça Federal Juizados Especiais Federais TURMA RECURSAL Seção Judiciária da Paraíba PAUTA DE JULGAMENTO Pauta da 2ª Sessão Ordinária de Julgamento 2007 1 PODER JUDICIÁRIO Justiça Federal Juizados Especiais Federais TURMA RECURSAL Seção Judiciária da Paraíba PAUTA DE JULGAMENTO Determino a inclusão do(s)

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

Edital de Ingresso de Alunos Especiais ao. Mestrado em Recursos Hídricos 2012/2

Edital de Ingresso de Alunos Especiais ao. Mestrado em Recursos Hídricos 2012/2 Edital de Ingresso de Alunos Especiais ao Mestrado em Recursos 2012/2 A Coordenação do Programa de Pós-graduação em Recursos (UFMT) oficializa por meio deste edital a abertura do processo seletivo de ingresso

Leia mais

II Semestre de 2014. Relatório de Turmas (Individual)

II Semestre de 2014. Relatório de Turmas (Individual) Turma: MEIO A1 ---------------------------------------------------------- VIVEIR. PAISA. HISTORIA I GEOGRAFIA I ERIKA SOARES REIS FLAVIO RAIMUNDO GIAROLA EMERSON RODRIGUES PIMENTEL ---------------------------------------------------------VIVEIR.

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DA OUTORGA DE USO DOS RECURSOS HIDRICOS NO ESTADO DO PARÁ

A IMPLEMENTAÇÃO DA OUTORGA DE USO DOS RECURSOS HIDRICOS NO ESTADO DO PARÁ A IMPLEMENTAÇÃO DA OUTORGA DE USO DOS RECURSOS HIDRICOS NO ESTADO DO PARÁ Verônica Jussara Costa Santos Engenheira Sanitarista, mestranda do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil (área Recursos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E EXTENSÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E EXTENSÃO REGULAMENTO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Leia mais

2º semestre - Ciências Exatas (noturno)

2º semestre - Ciências Exatas (noturno) 2º semestre - Ciências Exatas (noturno) Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira 18:50 às 19:45 Geometria Analítica Geometria Analítica Energia Energia Bases Experimentais na Química

Leia mais

SELEÇÃO PARA O DOUTORADO EM EPIDEMIOLOGIA EM SAÚDE PÚBLICA ENSP/FIOCRUZ 2011

SELEÇÃO PARA O DOUTORADO EM EPIDEMIOLOGIA EM SAÚDE PÚBLICA ENSP/FIOCRUZ 2011 SELEÇÃO PARA O DOUTORADO EM EPIDEMIOLOGIA EM SAÚDE PÚBLICA 29665-462010 Ana Carolina Carioca da Costa SALA 403 29608-462010 Ana Cristina Marques Martins SALA 403 29522-462010 Israel Souza SALA 403 29671-462010

Leia mais