Palestra. Planejamento Tributário de Pessoa Jurídica. Agosto (Lucro Real e Lucro Presumido) Elaborado por: Arnóbio Neto Araújo Durães

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palestra. Planejamento Tributário de Pessoa Jurídica. Agosto 2012. (Lucro Real e Lucro Presumido) Elaborado por: Arnóbio Neto Araújo Durães"

Transcrição

1 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) , (teleatendimento), fax (11) web: Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis São Paulo SP Presidente: Luiz Fernando Nóbrega Gestão Palestra Planejamento Tributário de Pessoa Jurídica (Lucro Real e Lucro Presumido) A reprodução total ou parcial, bem como a reprodução de apostilas a partir desta obra intelectual, de qualquer forma ou por qualquer meio eletrônico ou mecânico, inclusive através de processos xerográficos, de fotocópias e de gravação, somente poderá ocorrer com a permissão expressa do seu Autor (Lei n. 9610) TODOS OS DIREITOS RESERVADOS: É PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTA APOSTILA, DE QUALQUER FORMA OU POR QUALQUER MEIO. CÓDIGO PENAL BRASILEIRO ARTIGO 184. Elaborado por: Arnóbio Neto Araújo Durães O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Agosto 2012 Acesso gratuito pelo portal do CRC SP

2 Sumário Contribuintes do Imposto de Renda Fato gerador e período de incidência Conceituando evasão e elisão fiscal Conceito e aplicação do Lucro Presumido Conceito e aplicação do Lucro Real Anual Conceito e aplicação do Lucro Real Trimestral Opções objetivando o Planejamento Tributário Contribuintes do IRPJ As Pessoas Jurídicas SÃO As Empresas Individuais CONTRIBUINTES Fonte: art. 146 RIR/99 As disposições tributárias do IR aplicam-se a todas as firmas e sociedades, registradas ou não nos órgãos competentes. 2

3 Fato Gerador O fato gerador do imposto sobre a renda é a aquisição da disponibilidade econômica ou jurídica da renda ou proventos de qualquer natureza. (CTN art. 43 da Lei 5.172/66) Em relação às Pessoas Jurídicas, a ocorrência do fato gerador se dá pela: 1. Obtenção de resultado positivo (lucros) em suas operações industriais, mercantis ou de prestação de serviços; 2. Dos acréscimos patrimoniais decorrentes de ganho de capital (Receita não Operacionais). Período de Incidência Tributação PJ Até Período de incidência era anual Nos anos calendário de 1992 a 1996 Período de incidência era mensal A partir de Período de incidência trimestral 3

4 Nova Tabela Salário de Contribuição Foi publicado Diário Oficial da União de 09/01 a Portaria Interministerial do Ministério da Previdência Social nº 2, que estabelece, dentre outros tópicos, os novos valores da tabela de salário-de-contribuição dos segurados empregado, empregado doméstico e trabalhador avulso, a partir de 01/01/ Salário de contribuição (R$) Alíquota para fins de recolhimento ao INSS (%) Até 1.174,86 8,00 De1.174,87 até 1.958,10 9,00 De 1.958,11 Até 3.916,20 11,00 Nova Tabela Salário de Contribuição Esta Portaria estabeleceu ainda novos valores da quota do salário-família, por filho ou equiparado de qualquer condição, até 14 anos de idade, ou inválido de qualquer idade: Remuneração mensal (R$) Valor da quota Não superior a R$ 608,80 R$ 31,22 Superior a R$ 608,80 e igual ou inferior a R$ 915,05 R$ 22,00 4

5 Nova Tabela IRRF BASE DE CÁLCULO ALÍQUOTA PARCELA A DEDUZIR DO IR Até R$ 1.637,11 ISENTO - De R$ 1.637,12 até R$ 2.453,50 7,5% R$ 122,78 De R$ até R$ 3.271,38 15,0% R$ 306,80 De R$ 3.271,39 até R$ 4.087,65 22,5% R$ 552,15 Acima de R$ 4.087,65 27,5% R$ 756,53 Dedução por dependente R$ 164,56 Fonte: Lei nº /2011 Reajuste de 4,5% PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO O que fundamenta sua necessidade? 1.No Brasil existem cerca de 80 tipos de tributos, entre impostos,taxas, contribuições de melhoria e as contribuições sociais. 2.Alta carga tributária a depender do porte da empresa. 3.Alta carga tributária a ser entregue cerca de 33% do Faturamento. 5

6 PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Sistema legal que visa diminuir o pagamento de tributos. Todas as formas licitas utilizadas pelas empresas com o propósito de minimizar os custos são respeitadas pela fazenda pública. PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Nas empresas a quem cabe o papel de elaborar o Planejamento Tributário? Contadores, Advogados Tributaristas e Administradores. 6

7 PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO É extremamente importante que a decisão tributária seja efetivada, anualmente, pelos administradores empresariais, relativamente às opções: Lucro Real, Lucro Presumido ou Simples Nacional. 1. A legislação não permite mudança de sistemática no mesmo exercício, a opção por uma das modalidades será definitiva. 2. Se a decisão for equivocada, ela terá efeito no ano todo. 3. A opção é definida no primeiro pagamento do imposto (que normalmente é recolhido em fevereiro de cada ano). 4. No caso das optantes pelo Simples Nacional, por opção até o último dia útil de janeiro. 11 FORMAS DE MINIMIZAR OS ENCARGOS TRIBUTÁRIOS Elisão Fiscal Forma lícita. Utilização de procedimentos, preferidos, autorizados ou não proibidos por lei, mesmo prejudicando o tesouro. Evasão Fiscal Forma ilícita. utilização de procedimentos que violam diretamente a lei fiscal. PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO 7

8 Planejamento Tributário Através: LUCRO PRESUMIDO LUCRO REAL Maioria das Empresas Anual Trimestral Base de Cálculo Como regra geral, integram a base de cálculo TODOS OS GANHOS E RENDIMENTOS DE CAPITAL, qualquer que seja a denominação que lhes seja dada, independentemente da natureza, da espécie ou da existência de título ou contrato escrito, BASTANDO QUE DECORRAM DE ATO OU NEGÓCIO que, pela sua finalidade, tenha os mesmos efeitos do previsto na norma específica de incidência do imposto. 8

9 Opção Pela Tributação Lucro Presumido É uma modalidade optativa de apurar o lucro e, consequentemente, o Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas e a Contribuição Social sobre o Lucro das empresas que não estiverem obrigadas à apuração do Lucro Real. Nota: O Lucro Presumido é a forma de tributação simplificada do Imposto de Renda (IR) e Contribuição Social sobre o Lucro (CSL ou CSLL). 9

10 No ano calendário anterior tiveram receita bruta total que acrescida das demais receitas e dos ganhos de capital, não seja superior a R$ ,00 Que não estejam obrigadas à tributação pelo Lucro Real em função da atividade exercida ou pela constituição societária OPÇÃO PELO LUCRO PRESUMIDO LIMITES : R$ , R$ , R$ ,00 A PARTIR DE 1999 As sociedades civis; Explorem Atividades rural; Sociedades por ações c.a. Compra venda loteamento Que tenham sócios no exterior, etc.. PROJETO DE LEI AUMENTA LIMITE DE RENDA PARA REGIME DE LUCRO PRESUMIDO Está em análise pela Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 2011/11, do senado, que amplia o limite da receita bruta total para que empresas possam optar pelo regime de tributação com base no Lucro Presumido. Pelo texto, o valor sobe de R$ 48 milhões anuais ou R$ 4 milhões multiplicados pelo número de meses de atividade da empresa, caso exista há menos de dois anos -, para até R$ 78 milhões no ano calendário anterior à declaração de rendimentos, ou R$ 6,5 milhões multiplicados pelo número de meses de atividade, quando inferiores a 12 meses. 10

11 LUCRO PRESUMIDO SITUAÇÕES ESPECIAIS DE OPÇÃO: Podem optar pelo Lucro Presumido, as Pessoas Jurídicas que iniciarem atividades ou que resultarem de incorporação, fusão ou cisão, desde que não estejam obrigadas à tributação como base no Lucro Real. As Pessoas Jurídicas que, em qualquer trimestre do ano-calendário, tiver seu lucro arbitrado,poderá também optar pela tributação com base no Lucro Presumido relativamente aos demais trimestre desse ano-calendário. LUCRO PRESUMIDO Poderão optar pelo Lucro Presumido, as Pessoas Jurídicas que aderiram ao Programa de Recuperação Fiscal (Refis), durante o período em que ficarem submetidas aos referido programa,incluso também as sociedades em conta de participação (SCP) (Fonte: IN SRF nº 16/2001 art. 4º Lei 9.964/200 - art. 246 RIR/99.) Desde o ano-calendário de 1999, passaram a ser admitidas no regime do Lucro Presumido as Pessoas Jurídicas dedicadas à exploração de atividades de compra e venda, loteamento, incorporação e construção de imóveis. Fonte: IN SRF nº 25/

12 Tabela de Percentuais Presunção do Lucro ATIVIDADES % 1. Revenda para consumo de combustível derivado de petróleo, álcool etílico carburante e gás natural. 1. Venda de produtos de fabricação própria. 2. Venda de mercadorias adquiridas para revenda. 3. Industrialização de produtos em que a matéria-prima, ou o produto intermediário ou o material de embalagens tenham sido fornecidos por quem encomendou a industrialização. 4. Atividade rural. 5. Serviços hospitalares. 6. Transporte de cargas. 7. Loteamento de terrenos, incorporação imobiliária de imóveis construídos ou adquiridos para revenda. 8. Outras atividades não caracterizadas como prestação de serviços. 1. Prestação de serviços de transporte, exceto de cargas. 2. Prestação exclusiva de serviços (exceto serviços hospitalares, de transporte e relativos ao exercício de profissões legalmente regulamentadas), desde que a receita bruta anual da pessoa jurídica não exceda o limite de R$ ,00. 1,6% 8% 16% 21 Tabela de Percentuais Presunção do Lucro ATIVIDADES % 1. Prestação de serviços, pelas sociedades civis, relativos ao exercício de profissão legalmente regulamentadas. 2. Intermediação de negócios, inclusive corretagem (seguros, imóveis, etc.) e representação comercial. 3. Administração, locação ou cessão de bens imóveis ou direitos de qualquer natureza. 4. Construção por administração ou por empreitada de mão-de-obra. 5. Prestação de outros serviços, inclusive : a) Serviços de suprimento de água tratada e a conseqüente coleta e tratamento de esgotos, cobradas diretamente dos usuários; b) Exploração de rodovia mediante cobrança de preço dos usuários, envolvendo execução de serviços de conservação, manutenção, melhoramento para capacidade e segurança de trânsito, operação monitoramente, assistência aos usuários e outros definidos em contratos, atos de concessão ou de permissão ou em normas oficiais. 32% 22 12

13 Os ganhos de capitais auferidos na alienação de bens e direitos Os rendimentos de aplicações financeiras Demais Receitas e outros resultados Os ganhos líquidos obtidos no mercado de renda variável Os juros recebidos a título de remuneração sobre o capital investido em outra empresa Os juros ativos e os descontos obtidos em pagamentos de obrigações Demais receitas, rendimentos e resultados positivos Demais Receitas e outros resultados No caso de diversificação de atividades de uma mesma empresa, deverá ser adotado o percentual de lucratividade correspondente a cada uma dela. 13

14 Deduções no Lucro Presumido SOBRE A RECEITA BRUTA PODE-SE EXCLUIR a b c d e f g h Vendas canceladas ou anuladas; Devoluções de vendas; Descontos concedidos incondicionalmente; Receita de Equivalência Patrimonial (investimento interno); Receita de dividendos (quando transita pela DRE); IPI cobrado destacadamente do comprador; ICMS, IPI, COFINS, quando devidos pelo contribuinte substituto no regime de substituição tributária; Saídas que não decorram de vendas, como por exemplo transferências de mercadorias pra outros estabelecimentos da mesma empresa. Apropriação pelo Regime de Caixa A receita proveniente de vendas de bens ou direitos ou de prestação de serviços, cujo preço seja recebido a prazo ou em parcelas, poderá ser computada na base de cálculo do Lucro Presumido somente NO MÊS DO EFETIVO RECEBIMENTO. Fonte: IN SRF nº 104/1998. Nota: É importante lembrar que o regime de caixa distorce o resultado contábil das empresas, porém em algumas situações pode ser mais vantajoso do ponto de vista tributário. 14

15 Determinação do Imposto de Renda Devido Alíquota O imposto devido em cada trimestre é calculado mediante a aplicação da alíquota de 15% (quinze por cento) sobre a base de cálculo. Adicional A parcela do Lucro Presumido que exceder ao resultado da multiplicação de R$ ,00 (vinte mil reais) pelo número dos meses do respectivo período de apuração sujeita-se à incidência do adicional à alíquota de 10% (dez por cento). Exemplo 1 Calcular o Imposto de Renda devido por uma Pessoa Jurídica optante pela tributação com base no Lucro Presumido que no primeiro trimestre do ano de 2011 apresentou os seguintes dados em seus registros: 1. Auferiu receita com vendas de mercadorias no valor total de R$ ,00; 2. Auferiu receita com a prestação de serviço no valor de R$ ,00; 3. Percebeu rendimentos de aplicações financeiras de renda fixa de R$ 3.325,00, sobre os quais foi retido Imposto de Renda na Fonte de R$ 665,00; 4. Vendeu bens do Ativo Permanente, tendo apurado nessa transação ganho de capital de R$ 8.550,00 e 5. Não percebeu outras receitas ou resultados nem teve qualquer outro valor que devesse ser computado na base de cálculo do imposto. 15

16 Solução Exemplo 1 I - DETERMINAÇÃO DA BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO: 8% sobre R$ ,00 R$ ,00 32% sobre R$ ,00 R$ 9.120,00 ( = ) Lucro presumido da atividade R$ ,00 ( + ) Rendimentos de aplicações financeiras renda fixa R$ 3.325,00 ( + ) Ganho de Capital R$ 8.550,00 ( = ) Base de cálculo do imposto trimestral R$ ,00 Solução Exemplo 1 II IMPOSTO DEVIDO NO TRIMESTRE: Imposto Normal ( 15% de R$ ,00) R$ 8.279,25 ( - ) IRRF sobre receitas computadas na base trimestral (R$ 665,00) ( = ) Imposto Líquido a Recolher R$ 7.614,25 Nota: O Darf para pagamento do IRPJ devido com base no Lucro Presumido deve ser preenchido (campo 04) com o código

17 CSLL - Lucro Presumido Além do IRPJ, a empresa optante pelo Lucro Presumido deverá recolher a Contribuição Social sobre o Lucro Presumido (CSLL), também pela forma presumida. Escolhida a opção, deverá proceder á tributação, tanto do IRPJ quanto da CSLL, pela forma escolhida. Alíquota A Contribuição Social sobre o Lucro Líquido devida em cada trimestre é calculado mediante a aplicação da alíquota de 9% (nove por cento) sobre a base de cálculo. CSLL - Lucro Presumido A partir de , por força do art. 22 da Lei /2003, a base de cálculo da CSLL, devida pelas pessoas jurídicas optantes pelo Lucro Presumido corresponderá a: 12% Da receita bruta nas atividades comerciais, industriais, serviços hospitalares e de transporte. 17

18 CSLL - Lucro Presumido Prestação de serviços em geral, exceto a de serviços hospitalares e transporte 32% Intermediação de negócios Administração, locação ou cessão de bens imóveis, móveis e direitos de qualquer natureza CSLL Lucro Presumido Nota: Para a apuração da base de cálculo da CSLL, nas Prestadoras de Serviços (com algumas exceções), o percentual de presunção será sempre de 32,00%, não tendo o benefício de redução para o faturamento anual de até R$ ,00, como ocorre com o IRPJ, para as prestadoras de serviços citadas. PREJUÍZO FISCAL No regime do Lucro Presumido, não há compensação de base de cálculo negativa da CSLL bem como de prejuízo fiscal, visto que a tributação se dá pelo faturamento. Porém, nos casos em que a PJ tenha sido tributada em períodos anteriores com base no Lucro Real, caso haja saldo de base de cálculo negativa e prejuízo fiscal, quando da entrada no Lucro Presumido, poderá manter em seus registros fiscais, para compensação quando retornar ao Lucro Real. 18

19 Escrituração Contábil O art. 257 do RIR/99 deixa à opção da Pessoa Jurídica a forma de escrituração: se contábil ou livro caixa, porém, a Lei nº /2002 Código Civil Brasileiro exige a escrituração contábil Art O empresário e a sociedade empresária são obrigados a seguir um sistema de contabilidade, mecanizado ou não, com base na escrituração uniforme de seus livros, em correspondência com a documentação respectiva, e a levantar anualmente o balanço patrimonial e o de resultado econômico. IRPJ - Exemplo de Cálculo Lucro Presumido CÁLCULO DO IRPJ VALOR Receita Bruta do Trimestre R$ ,00 (x)% da atividade ( serviços ) 32,00% (=) Base presumida R$ ,00 (+) Outras receitas R$ ,00 (=) Base Presumida do IRPJ R$ ,00 (x)% de Imposto de Renda 15,00% (=) Imposto de renda R$ ,00 (-) Limite adicional ( $ $ ) R$ ,00 (x)% do adicional do Imposto de Renda 10,00% ( = ) Adicional do Imposto de Renda R$ 8.200,00 ( = ) Total do IRPJ + Adicional R$ ,00 ( - ) Retenção do IRRF só de serviços profissionais. xxxxxxxxxxxxx 19

20 CSLL - Exemplo Cálculo Lucro Presumido CÁLCULO DA CSLL VALOR Receita Bruta do mês R$ ,00 (x)% da atividade ( serviços ) 32,00% (=) Base presumida R$ ,00 (+) Outras receitas R$ ,00 (=) Presumida do CSLL R$ ,00 (x)% da CSLL 9,00% (=) Total da CSLL R$ ,00 (-) Retenção na fonte da CSLL R$ 2.000,00 (=) CSLL a recolher R$ ,00 Lucros ou Dividendos Distribuídos aos Sócios A Legislação do IR estabelece que os valores pagos a sócios ou acionistas ou a titular da empresa tributada pelo Lucro Presumido, a título de lucros ou dividendos, ficam isentos do IRRF, independentemente da apuração contábil. Obs : Essa isenção, alcança somente o valor da base de cálculo do IRPJ, deduzido do valor devido relativo ao IRPJ, CSLL, PIS e COFINS. 20

21 Lucros ou Dividendos Distribuídos aos Sócios Utilizando os mesmos dados do exemplo 1, e considerando ainda, que, naquele trimestre, a CSLL sobre o Lucro, o PIS e a Cofins devidos pela empresa fossem, respectivamente, de R$ 6.506,55, R$ 2,985,61 e R$ 13,779,72, teríamos: Base de cálculo do IRPJ devido no trimestre R$ ,00 ( - ) IRPJ devido (R$ 8.279,25) ( - ) CSLL devida no trimestre (R$ 6.506,55) ( - ) PIS devido no trimestre (R$ 2.985,61) ( - ) Cofins devida no trimestre (R$ ,75) ( = ) Valor distribuível com isenção do imposto R$ ,84 Exemplo 2 Com os dados baixo e admitindo que esta empresa trabalha com a sistemática do Lucro Presumido, determine o valor efetivo do impostos de renda e da contribuição social a pagar. 3º Trimestre de 2011 Valor Venda de mercadoria no trimestre ,00 Venda de serviços no trimestre ,00 Renda com aplicação financeira ,00 Descontos obtidos 5.000,00 Ganho de Capital ,00 Despesas Operacionais ,00 IRRF sobre Aplicação Financeira 4.000,00 21

22 Resolução Exemplo 2 DESCRIÇÃO CSLL IRPJ Valor R$ % B. Cálculo Valor R$ % B. Cálculo Vendas Mercadorias ,00 12% , ,00 8% ,00 Vendas Serviços ,00 32% , ,00 32% ,00 Receita Financeira ,00 100% , ,00 100% ,00 Descontos Obtidos 5.000,00 100% 5.000, ,00 100% 5.000,00 Ganhos de Capital ,00 100% , ,00 100% ,00 (=) BASE DE CÁLCULO , ,00 Alíquotas 9% ,00 15% ,00 AIR 10% X $ = ( 455M 60M) 10% ,00 (-) IRRF s/ aplicação (4.000,00) CSLL E IRPJ DEVIDOS , ,00 Opção Pela Tributação 22

23 Conceituando Lucro Real BASE LEGAL PARA O LUCRO REAL Decreto nº 3000 de 26/03/1999 : Arts. 246 a 515 LUCRO REAL É o Lucro Contábil apurado, conforme a Legislação Societária (Lei 6.404/76), ajustados pelas adições, exclusões ou compensações prescritas ou autorizadas pela legislação fiscal vigente, ou seja, Regulamento do Imposto de Renda Decreto nº 3000/99 Art Lucro Real Conforme art. 247, 279 e 250 RIR/1999, Lucro Real é o Lucro Líquido do período de apuração ajustados pelas adições, exclusões ou compensações prescritas ou autorizadas pela legislação fiscal. A determinação do Lucro Real será precedida da apuração do Lucro Líquido de cada período de apuração com observância das leis comerciais. 23

24 PJ Obrigadas à Apuração Pelo Lucro Real 1. Cuja receita total, no ano calendário anterior, tenha sido superior a R$ ,00 ou ao limite proporcional de R$ ,00 multiplicados pelo número de meses de atividades no ano, se inferior a doze; (Fundamento : Lei 9718/1998 e Lei 10637/2002 ) PJ Obrigadas à Apuração Pelo Lucro Real 2. Cujas Atividades Sejam : Bancos comerciais Bancos de investimentos Bancos de desenvolvimentos Caixas econômicas Sociedades de crédito imobiliário Sociedade corretoras de títulos, valores mobiliários Distribuidoras de títulos e valores mobiliários Empresas de arrendamento mercantil Cooperativas de crédito Empresas de seguros privados de capitalização 24

25 PJ Obrigadas à Apuração Pelo Lucro Real 3. Que tiver lucros, rendimentos ou ganhos de capital vindo do exterior; Nota: Atentar para DIFERENCIAÇÃO de rendimentos ou ganhos de capital oriundos do exterior VERSUS receitas de exportação. As exportadoras podem optar pelo Lucro Presumido, desde que não estejam nas hipóteses de vedação. PJ Obrigadas à Apuração Pelo Lucro Real A restrição deste item alcança aquelas empresas que tenham lucros gerados no exterior (como empresas Offshore, filiais controladas e coligadas no exterior, etc.). A prestação direta de serviços no exterior (sem a utilização de filiais, sucursais, agências, representações, coligadas, controladas e outras unidades descentralizadas da pessoa jurídica que lhes sejam assemelhadas) NÃO OBRIGA á tributação do Lucro Real. 25

26 PJ Obrigadas à Apuração Pelo Lucro Real 4. Que, autorizadas pela legislação tributária, usufruam de benefícios fiscais relativos a isenção ou redução do imposto de renda calculado com base no Lucro de Exploração; 5. Que, no decorrer do ano-calendário, tenham efetuado pagamento mensaldo Imposto re Renda pelo regime de estimativa; PJ Obrigadas à Apuração Pelo Lucro Real 6. Que explorem atividades de prestação cumulativa e contínua de serviço de contas a pagar e receber, compras de direitos creditórios resultantes de vendas mercantis a prazo ou de prestação de serviços (factoring). 7. Que explorem atividades de compra e venda, loteamento, incorporação e construção de imóveis, enquanto não concluída as operações imobiliárias para as quais haja registro de custo orçado. (IN SRF nº 25/99 ) 26

27 Opção e Forma de Tributação A adoção pela forma de tributação do imposto de renda está prevista na Lei 9.430/96, onde em seu artigo 1º determina: A partir do ano-calendário de 1997, o Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas será determinado com base no Lucro Real, Presumido, ou Arbitrado, por períodos de apuração trimestrais, encerrados nos dias 31 de março, 30 de junho, 30 de setembro e 31de dezembro de cada ano-calendário, observada a legislação vigente, com as alterações desta Lei. Opção e Forma de Tributação Em seu artigo 3º a Lei 9430/96 determina : A adoção da forma de pagamento do imposto prevista nesta Lei 9.430/96 pelas Pessoas Jurídicas sujeitas ao regime do Lucro Real, ou a opção pela forma do Regime por Estimativa será IRRETRATÁVEL para todo o ano-calendário. A opção pela forma estabelecida será manifestada com o pagamento do imposto correspondente ao mês de janeiro ou de início de atividade. (art. 516 RIR/99) 27

28 Opção e Forma de Tributação A Pessoa Jurídica sujeita a tributação com base no Lucro Real poderá optar pelo pagamento do imposto, EM CADA MÊS, determinado sobre a base de cálculo estimada, mediante a aplicação, SOBRE A RECEITA BRUTA AUFERIDA MENSALMENTE, dos percentuais de que trata o art. 165 da Lei 9.249/95 e Lei 8.981/95 / Lei 9.065/95 Formas de Apuração do Lucro Real 1. LUCRO REAL ANUAL a.) ESTIMATIVA MENSAL - Na apuração do Lucro Real Anual, a Pessoa Jurídica contribuinte deverá antecipar o pagamento mensalmente, apurando o valor por estimativa, calculando através da aplicação de PERCENTUAL SOBRE O FATURAMENTO E DEMAIS RECEITAS MENSAIS, percentual este que ira variar de acordo com atividade da Pessoa Jurídica regra idêntica à apuração do Lucro Presumido. 28

29 Formas de Apuração do Lucro Real LUCRO REAL ANUAL b.) LUCROS ACUMULADOS - Na apuração do Lucro Real Anual, a Pessoa Jurídica contribuinte poderá a qualquer momento, efetuar um balancete de SUSPENSÃO OU REDUÇÃO, a fim de verificar se o valor que está sendo pago justifica-se, ou se estar antecipando menos imposto, comparado com o apurado com a base no faturamento e demais receitas mensais. Assim a função do levantamento do balancete é de suspendes ou reduzir o pagamento do imposto, confrontando o que for apurado com o que já foi pago. Fundamento: art. 35 da Lei 8.981/95 e Lei 9.065/95.) Formas de Apuração do Lucro Real 2. LUCRO REAL TRIMESTRAL É apurado na forma da Lei 9.430/96. A Pessoa Jurídica terá que apurar o resultado tributável a cada trimestre, o qual, em termos práticos, será considerado como um exercício diferente, embora na Declaração de Informações da Pessoal Jurídica DIPJ, apresentada anualmente, conste o resultado dos quatro trimestres. No Lucro Real Trimestral, o lucro do trimestre anterior não pode ser compensado com o prejuízo fiscal de trimestres seguintes, ainda que dentro do mesmo ano calendário. O prejuízo fiscal de um trimestre só poderá reduzir até o limite de 30% do Lucro Real dos trimestres seguintes. 29

30 IRPJ - Lucro Real Trimestral Lucro (ou Prejuízo) líquido contábil antes IRPJ (+) Adições (-) Exclusões (=) Lucro Ajustado (-) Compensações (30%) (=) Lucro Real ou Prejuízo Fiscal CSLL - Lucro Real Trimestral Lucro (ou Prejuízo) líquido contábil antes CSLL (+) Adições (-) Exclusões (=) Lucro Ajustado (-) Compensações (30%) (=) Base de Cálculo Positiva ou Negativa 30

31 Lucro Real Trimestral Cada trimestre é um período distinto de apuração e deverá ser elaborada a escrituração contábil com base na lei comercial e fiscal, inclusive com preenchimento dos livros LACOS e LALUR parte A e parte B, no final de cada trimestre de apuração. No lucro real trimestral, o lucro de cada trimestre não se compensa com prejuízo de trimestres posteriores, sendo lucro definitivo para fins de tributação. Os prejuízos fiscais de cada trimestre podem ser compensados com lucros de trimestres posteriores, respeitando-se o limite dos 30% estabelecidos na legislação fiscal. Lucro Real Trimestral Nota: Em razão disso, esta forma de tributação pode onerar as empresas, visto que comparativamente com o Lucro Real Anual, os resultados mensais, nesta modalidade, compensam-se automaticamente, sem limite. No Lucro Real Trimestral, não há o que se falar em pagamento mensal, pois o IRPJ e a CSLL a pagar são apurados em cada trimestre e deverão ser pagos até o último dia útil do mês seguinte ao encerramento do trimestre, em quota única, sem qualquer acréscimo, ou em três quotas mensais com juros Selic a partir da segunda quota. 31

32 Lucro Real Trimestral Exemplo 1: Empresa que inicia atividade em janeiro de 2011: estimada a alíquota da CSLL e do IRPJ em 30%, hipoteticamente sobre o lucro já ajustado. DADOS 1º TRIM. 2º TRIM. 3º TRIM. 4º TRIM. SOMA Lucro (80.000,00) (50.000,00) , ,00 (10.000,00) Compensação -o- -o- (27.000,00) (9.000,00) Base de Cálculo (80.000,00) (50.000,00) , ,00 Tributos -o- -o , , ,00 Lucro Real Trimestral Nota 1: Se tomarmos todo o ano-calendário, percebemos que a empresa fechou no vermelho ($ ,00 de prejuízo), no entanto pagou $ ,00 ( $ ,00 + $ 6.300,00), que é definitivo. Se estivesse no Lucro Anual, o tributo não seria devido, visto que o prejuízo fiscal apurado no decorrer do ano seria compensado sem o limite de 30% 32

33 Lucro Real Trimestral Exemplo 2: Empresa que inicia atividade em janeiro de 2011: estimada a alíquota da CSLL e do IRPJ em 30%, hipoteticamente sobre o lucro já ajustado. DADOS 1º TRIM. 2º TRIM. 3º TRIM. 4º TRIM. SOMA Lucro , ,00 ( ,00) (40.000,0)0 (10.000,00) Tributos , ,00 -o- -o ,00 Lucro Real Anual A apuração da CSLL bem como do IRPJ somente é feita no final do exercício (dezembro de cada ano calendário), porém mensalmente a Pessoa Jurídica deverá apurar o valor da CSLL, bem como do IRPJ com base na estimativa ou com base em balanço ou balancete elaborado para esse fim. Os tributos pagos representam meras antecipações, que serão compensados no final do período, com os tributos efetivamente devidos do ano calendário. 33

34 Opção Pela Forma de Tributação A opção pela forma de tributação será manifestada com o pagamento da primeira ou única quota do imposto (IRPJ) devido correspondente ao primeiro período de apuração de cada ano-calendário. Assim, se o primeiro pagamento for com base no Lucro Real Trimestral, será definitivo para todo o ano-calendário, se for anual, idem. A identificação é feita através de códigos de recolhimentos específicos. Pagamento por Estimativa Caso a Pessoa Jurídica não possua a escrituração contábil ou opte por pagar por estimativa, as, as regras são muito semelhantes as do Lucro Presumido. Mesmo a empresa que possui escrituração contábil e com levantamento mensal de balanço/balancete, em algumas situações o pagamento por estimativa pode ser mais interessante por ter carga tributária menor. Daí a importância de se ter uma escrituração contábil atualizada. Por outro lado, caso o balanço/balancete demonstre que o valor pago é maior que o devido, ou que não é devido a CSLL e o IRPJ, poderá reduzir ou suspender o pagamento dos tributos. 34

35 Pagamento por Estimativa Para se calcular o IRPJ por estimativa, toma-se o faturamento e aplica-se o percentual de presunção, somando as demais receitas, exceto (arts. 7º e 53º da IN SRF 93/1997): Renda com aplicação financeira; Remuneração do capital próprio. Nota : Como a renda com aplicação financeira e a remuneração do capital próprio não compõem a base de cálculo no pagamento do IRPJ por estimativa, o IRF oriundo destas receitas não deve ser objeto de compensação por ocasião do pagamento nesta sistemática. Pagamento por Estimativa Nota : Esta mesma regra não se aplica à CSLL no pagamento por estimativa, devendo as referidas receitas serem computadas na base de cálculo. Nota : No caso de balanço de suspensão / redução, tributam-se normalmente as referidas receitas. 35

36 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO JANEIRO DE 2011 DESCRIÇÃO VALOR EM R$ Venda de Mercadorias ,00 Venda de Serviços ,00 FATURAMENTO ,00 ( - ) Vendas canceladas mercadorias ( ,00) ( - ) Descontos incondicionais serviços ( ,00) ( - ) Imposto sobre vendas (hipótese) ( ,00) ( = ) RECEITA LÍQUIDA DE VENDAS ,00 ( - ) Custo das mercadorias e serviços ( ,00) ( = ) LUCRO BRUTO ,00 Despesas Operacionais Com vendas ( ,00) Administrativas ( ,00) Financeiras (50.000,00) Tributárias (15.00,00) DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO JANEIRO DE 2011 DESCRIÇÃO VALOR EM R$ Receitas Operacionais Renda com aplicação financeira ,00 Juros sobre patrimônio líquido 5.000,00 ( = ) LUCRO OPERACIONAL ,00 Ganho de capital ,00 Receita de aluguel 6.000,00 ( = ) RESULTADO ANTES DA CSLL ,00 ( - ) Provisão para CSLL (43.830,00) ( = ) RESULTADO ANTES DO IRPJ ,00 ( - ) Provisão para IRPJ ( ,00) ( = ) LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO ,00 36

37 Cálculo com Base no Lucro Real Em janeiro de 2011 não houve ajustes ao lucro, bem como a empresa não possui prejuízo fiscal nem base de cálculo negativa da CSLL. A CSLL devida é de R$ ,00 ( 9% x $ ,00) e o IRPJ é de $ ,00 [( 15% x $ ,00) + ( 10% x $ ,00)]. A CSLL é indedutível para o cálculo do IRPJ. Nota : O AIR de 10% é devido sobre a parcela do período em curso quando ultrapassar o valor de R$ ,00 multiplicado pelo número de meses do período compreendido. Assim, o lucro em janeiro excedente de $ ,00, em fevereiro excedente a $ ,00, em março excedente a $ ,00,... Em dezembro excedente a $ ,00, estará sujeito ao AIR. Cálculo da CSLL e do IRPJ - Estimativa DESCRIÇÃO CSLL IRPJ Valor R$ % B. Cálculo Valor R$ % B. Cálculo Vendas Mercadorias ,00 12% , ,00 8% ,00 Vendas Serviços ,00 32% , ,00 32% ,00 Receita Financeira ,00 100% ,00 Juros s/ patrimônio líquido 5.000,00 100% 5.000,00 Ganhos de Capital ,00 100% , ,00 100% ,00 Receita de Aluguel 6.000,00 100% 6.000, ,00 100% 6.000,00 (=) BASE DE CÁLCULO , ,00 Alíquotas 9% ,00 15% ,00 AIR 10% X $ ,00 10% ,00 CSLL E IRPJ DEVIDOS , ,00 37

38 Cálculo da CSLL e do IRPJ - Estimativa QUADRO COMPARATIVO - JANEIRO DE 2011 TRIBUTO BALANCETE ESTIMATIVA CSLL Apurada R$ ,00 R$ ,00 IRPJ Apurado R$ ,00 R$ ,00 TOTAL R$ ,00 R$ ,00 Cálculo da CSLL e do IRPJ - Estimativa Nota: No exemplo apresentado, notamos que o pagamento por estimativa é muito mais econômico referente ao mês de janeiro A economia é de R$ ,00 ( $ ,00 - R$ ,00). É recomendável que se faça isso mensalmente, compare os valores e opte pela forma mais econômica de tributação ( estimativa ou balanço/balancete). 38

39 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO - ACUMULADA DESCRIÇÃO JAN / 2011 FEV / 2011 Venda de Mercadorias , ,00 Venda de Serviços , ,00 FATURAMENTO , ,00 ( - ) Vendas canceladas mercadorias ( ,00) ( ,00) ( - ) Descontos incondicionais serviços ( ,00) ( ,00 ( - ) Imposto sobre vendas (hipótese) ( ,00) ( ,00) ( = ) RECEITA LÍQUIDA DE VENDAS , ,00 ( - ) Custo das mercadorias e serviços ( ,00) ( ,00) ( = ) LUCRO BRUTO , ,00 Despesas Operacionais Com vendas ( ,00) ( ,00) Administrativas ( ,00) ( ,00) Financeiras (50.000,00) ( ,00) Tributárias (15.00,00) (45.000,00) 75 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO - ACUMULADA DESCRIÇÃO JAN / 2011 FEV / 2011 Receitas Operacionais Renda com aplicação financeira , ,00 Juros sobre patrimônio líquido 5.000, ,00 ( = ) LUCRO OPERACIONAL , ,00 Ganho de capital , ,00 Receita de aluguel 6.000, ,00 ( = ) RESULTADO ANTES DA CSLL , ,00 ( - ) Provisão para CSLL (43.830,00) (53.730,00) ( = ) RESULTADO ANTES DO IRPJ , ,00 ( - ) Provisão para IRPJ ( ,00) ( ,00) ( = ) LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO , ,00 39

40 Cálculo com Base no Lucro Real Não houve em fevereiro/2011 qualquer ajuste a fazer, exceto a CSLL que é indedutível para cálculo do IRPJ. CSLL Lucro Líquido = R$ ,00 x 9,00% = R$ ,00 IRPJ Lucro Líquido = R$ ,00 x 15,00% = R$ ,00 AIR = R$ ,00 x 10% = R$ , ,00 Cálculo da CSLL e IRPJ DESCRIÇÃO CSLL IRPJ Valor R$ % B. Cálculo Valor R$ % B. Cálculo Vendas Mercadorias ,00 12% , ,00 8% ,00 Vendas Serviços ,00 32% , ,00 32% ,00 Receita Financeira ,00 100% ,00 Juros s/ Patrim. Líquido ,00 100% ,00 Ganhos de Capital ,00 100% , ,00 100% ,00 Receita de Aluguel ,00 100% , ,00 100% ,00 (=) BASE DE CÁLCULO , ,00 Alíquotas 9% ,00 15% ,00 AIR 10% X $ % ,00 (-) IRRF s/ aplicação CSLL E IRPJ DEVIDOS , ,00 40

41 Cálculo da CSLL e do IRPJ - Estimativa QUADRO COMPARATIVO - FEVEREIRO DE 2011 DESCRIÇÃO BALANÇO ESTIMATIVA CSLL IRPJ CSLL IRPJ Valor Apurado , , , ,00 Pagto. Referente Janeiro de 2011 (32.760,00) (70.000,00) Não se aplica Não se aplica SALDO A PAGAR , , , ,00 Cálculo da CSLL e do IRPJ - Estimativa TOTAL A PAGAR EM FEVEREIRO DE 2011 TRIBUTO BALANÇO ESTIMATIVA ECONOMIA BALANÇO CSLL , , ,00 IRPJ , , ,00 TOTAL , , ,00 Nota : Melhor opção em fevereiro/2009 Balanço de Redução 41

42 ALTERNATIVAS TRIBUTÁRIAS Planejamento Lucro Presumido x Supersimples Como o percentual de lucro é fixo, o planejamento deve levar em conta : 1. Se o percentual de cada atividade pode ser reduzido,dentro da tabela, que vai de 1,6% a 32% de presunção. 2. Se há como reduzir o adicional de 10% do IRPJ, para o lucro presumido trimestral acima de R$ ,00, mediante desmembramento em nova empresa. 3. Se os Balanços / balancetes demonstram que esta esta sistemática é vantajosa ou não. 42

43 Planejamento Lucro Presumido x Supersimples 4. A adoção do regime de caixa, para fins de tributação. 5. Atentar para as alíquotas do PIS ( 1,65% ) e da COFINS ( 7,6% ) a partir de , para os optantes pelo Lucro Real Nota : A PJ que até o ano-calendário anterior, houver sido tributada pelo Lucro Real, deverá adicionar à base de cálculo do imposto correspondente ao primeiro período de apuração no qual houver optado pelo Lucro Presumido,os saldos dos valores cuja tributação havia deferido. Alternativas Tributárias SUPERSIMPLES X LUCRO PRESUMIDO X LUCRO REAL: Resta saber entre o Supersimples o Lucro Presumido e o Lucro Real qual é a melhor forma de tributação. Nesse caso, a empresa deverá efetuar um estudo de pelo menos os últimos três anos-calendário juntamente com o orçamento elaborado para os anos subseqüentes (receitas, custos e despesas), para que ela possa ter uma definição clara se deve apurar o imposto com base no Supersimples, no Lucro Presumido ou no Lucro Real.. 43

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

LUCRO PRESUMIDO. Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528

LUCRO PRESUMIDO. Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528 LUCRO PRESUMIDO Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528 O QUE É O LUCRO PRESUMIDO É uma forma optativa, que tem a finalidade de facilitar o pagamento do IRPJ, sem ter que

Leia mais

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013.

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. Lucro Presumido SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. IRPJ CF/88, artigo 153 Compete à União instituir impostos sobre: III - renda e proventos de qualquer natureza

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 Pagamento do Imposto 001 Como e quando deve ser pago o imposto apurado pela pessoa jurídica? 1) Para as pessoas jurídicas que optarem pela apuração trimestral do imposto

Leia mais

Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional

Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional 24 de Janeiro de 2014 LÚCIO DA CUNHA FERNANDES Presidente QUAL A IMPORTÂNCIA DE CONHECER AS FORMAS DE TRIBUTAÇÃO? Reconhecer a opção que mais se adeque a

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO Prof. Emanoel Truta CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Conceito Ramo da contabilidade responsável pelo gerenciamento dos tributos incidentes

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA Nasceu em 1799 na Inglaterra, sendo recebido em 1913 nos EUA. No Brasil, em 1867, o visconde de Jequitinhonha propôs a cobrança do imposto, e encontrou

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 INFORMAÇÕES GERAIS Pessoa Jurídica Lucro Real Tributação com base no lucro efetivo demonstrado através do livro diário de contabilidade (obrigatório) 1. Empresas obrigadas à apuração

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA FORMAS DE TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS JURÍDICAS - Lucro Real - Lucro Presumido - Lucro Arbitrado - Simples Nacional 1 LUCRO REAL É o resultado (lucro ou prejuízo) do período

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IRPJ/2013

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IRPJ/2013 Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL PALESTRA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IRPJ/2013 PALESTRANTE: EQUIPE LEFISC ATUALIZAÇÃO Paulo César

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO PRESUMIDO

Cape contabilidade LUCRO PRESUMIDO LUCRO PRESUMIDO 1. PESSOAS JURÍDICAS QUE PODEM OPTAR A partir do ano-calendário de 2003, poderão optar pelo lucro presumido as pessoas jurídicas que não estiverem obrigadas ao lucro real, e tenham auferido,

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Outubro 2012. Elaborado por: Claudimir Gonçalves Dias. O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

Outubro 2012. Elaborado por: Claudimir Gonçalves Dias. O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil Planejamento Tributário Simples Nacional Fabricio Oenning Composição: Este treinamento está composto pelas seguintes aulas: Aula 1 Simples Nacional Aula 2 Lucro Real Aula 3 Lucro Presumido Nossa Agenda

Leia mais

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves 2.1 A Tributação no Brasil 2.2 Opção pela Tributação - Lucro Real 2.3 Opção pela Tributação - Lucro Presumido 2.4 Opção pela Tributação - Lucro

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 001 Quais são as pessoas jurídicas contribuintes da CSLL? Todas as pessoas jurídicas domiciliadas no País e as que lhes são equiparadas pela legislação do imposto sobre

Leia mais

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários Sumário 1. Conceito 2. Procedimentos Fiscais na Extinção 2.1 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base no Lucro Real 2.2 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base

Leia mais

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL Lucro Presumido Manifesto pelo Lucro Presumido: Esta opção é formalizada no decorrer do ano- calendário, se manifesta com o recolhimento no mês de abril, correspondente ao primeiro trimestre. A opção do

Leia mais

IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA

IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA TÓPICO: LEGISLAÇÃO FISCAL CONCEITOS GERAIS LUCRO REAL CTN [art. 43]: Aquisição da Disponibilidade Econômica ou Jurídica de Renda* ou Proventos de qualquer natureza**.

Leia mais

26.11.2014 10:08 - IRPJ/CSL/Cofins/PIS-Pasep - Receita Federal redisciplina o pagamento do imposto e das contribuições

26.11.2014 10:08 - IRPJ/CSL/Cofins/PIS-Pasep - Receita Federal redisciplina o pagamento do imposto e das contribuições 26.11.2014 10:08 - IRPJ/CSL/Cofins/PIS-Pasep - Receita Federal redisciplina o pagamento do imposto e das contribuições A norma em referência, entre outras providências, dispôs sobre a determinação e o

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

Tributos sobre o Lucro Seção 29

Tributos sobre o Lucro Seção 29 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL Criada pela Lei Complementar nº 70/91, esta contribuição sofreu importantes alterações a partir da competência fevereiro de 1999,

Leia mais

CONTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1. Breve comentário sobre o plano de contas

CONTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1. Breve comentário sobre o plano de contas CONTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL 1. Breve comentário sobre o plano de contas A contabilidade das empresas que tem como objeto social a atividade imobiliária, ou seja, a construção de unidades imobiliárias

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA Instituições de Direito Profª Doutora Ideli Raimundo Di Tizio p 31 IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA A origem desse imposto se encontra na Grã-Bretanha, onde seus precursores foram, no

Leia mais

É expressamente proibida cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização

É expressamente proibida cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização É expressamente proibida cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização dos autores conforme legislação vigente. Março/2011

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

Sigrid Kersting Chaves. IRPJ e CSLL

Sigrid Kersting Chaves. IRPJ e CSLL Sigrid Kersting Chaves IRPJ e CSLL PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO IRPJ CSLL CTN: Art. 43. O imposto, de competência da União, sobre a renda e proventos de qualquer natureza tem como fato gerador a aquisição da

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012. Capítulo XIV - Lucro Arbitrado 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012. Capítulo XIV - Lucro Arbitrado 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capítulo XIV - Lucro Arbitrado 2013 001 O que é lucro arbitrado? O arbitramento de lucro é uma forma de apuração da base de cálculo do imposto de renda utilizada pela

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA

CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA ATIVIDADE IMOBILIÁRIA Compra e Venda, Incorporação, Loteamento e Construção para Venda de Imóveis Aspectos Contábeis e Tributários Sergio Renato

Leia mais

Imposto de Renda. Conceito de Renda: - Constituição Federal. - Código Tributário Nacional

Imposto de Renda. Conceito de Renda: - Constituição Federal. - Código Tributário Nacional Imposto de Renda Conceito de Renda: - Constituição Federal Art. 153. Compete à União instituir impostos sobre: (...) III- renda e proventos de qualquer natureza; - Código Tributário Nacional Art. 43. O

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz 18/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA ao SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

Art.187... IV o lucro ou prejuízo operacional, as receitas e despesas não operacionais;... c Publicada no DOU de 27-12-1995. c Súm. nº 584 do STF.

Art.187... IV o lucro ou prejuízo operacional, as receitas e despesas não operacionais;... c Publicada no DOU de 27-12-1995. c Súm. nº 584 do STF. LEI N o 9.249, DE 26 DE DEZEMBRO DE 1995 Altera a legislação do imposto de renda das pessoas jurídicas, bem como da contribuição social sobre o lucro líquido, e dá outras providências. c Publicada no DOU

Leia mais

Rogério Gandra Martins

Rogério Gandra Martins LUCRO PRESUMIDO. ATIVIDADES DIVERSIFICADAS. ALÍQUOTAS FIXADAS DE ACORDO COM A ATIVIDADE EXPLORADA E NÃO CONFORME O FATURAMENTO OU CLASSIFICAÇÃO DE CADA UMA. DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO. LEI Nº 13.043/2014

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

PONTO DE EQUILÍBRIO FISCAL EM EMPRESAS OPTANTES PELO LUCRO REAL OU PRESUMIDO, CONSIDERANDO O TRATAMENTO DIFERENCIADO PARA O PIS E A COFINS TEMA LIVRE

PONTO DE EQUILÍBRIO FISCAL EM EMPRESAS OPTANTES PELO LUCRO REAL OU PRESUMIDO, CONSIDERANDO O TRATAMENTO DIFERENCIADO PARA O PIS E A COFINS TEMA LIVRE PONTO DE EQUILÍBRIO FISCAL EM EMPRESAS OPTANTES PELO LUCRO REAL OU PRESUMIDO, CONSIDERANDO O TRATAMENTO DIFERENCIADO PARA O PIS E A COFINS TEMA LIVRE RESUMO A carga tributaria no Brasil aproxima-se de

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

ANO XXVI - 2015-4ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 04/2015

ANO XXVI - 2015-4ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 04/2015 ANO XXVI - 2015-4ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 04/2015 CSLL PAGAMENTO DA CSLL PELO LUCRO PRESUMIDO - CONSIDERAÇÕES GERAIS A PARTIR DE 01 DE JANEIRO DE 2015... Pág. 105 IMPOSTO DE RENDA

Leia mais

c) as pessoas físicas equiparadas a empresas individuais em virtude de promoverem a incorporação de prédios em condomínio ou loteamento de terrenos;

c) as pessoas físicas equiparadas a empresas individuais em virtude de promoverem a incorporação de prédios em condomínio ou loteamento de terrenos; 28.2.1 - Livro de Apuração do Lucro Real (Lalur) - Normas Para Escrituração 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 6.404/76 - Lei das Sociedades por Ações - dispõe em seu artigo 177 que a escrituração da companhia deve

Leia mais

DOING BUSINESS IN BRAZIL. 19 DE JUNHO Lisboa. RFF & Associados Preto Advogados

DOING BUSINESS IN BRAZIL. 19 DE JUNHO Lisboa. RFF & Associados Preto Advogados DOING BUSINESS IN BRAZIL 19 DE JUNHO Lisboa RFF & Associados Preto Advogados Raquel Elita Alves Preto - Graduada em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), com especialização

Leia mais

Créditos. a. das aquisições de bens para revenda efetuadas no mês;

Créditos. a. das aquisições de bens para revenda efetuadas no mês; Créditos Dos valores de Contribuição para o PIS/Pasep e Cofins apurados, a pessoa jurídica submetida à incidência não-cumulativa poderá descontar créditos, calculados mediante a aplicação das alíquotas

Leia mais

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL A Lei n 12.973/14, conversão da Medida Provisória n 627/13, traz importantes alterações à legislação tributária

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA DEZEMBRO DE 2014

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA DEZEMBRO DE 2014 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA DEZEMBRO DE 2014 Até dia Obrigação 3 IRRF Histórico Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.11.2014,

Leia mais

AULA 6: IMPOSTO DE RENDA

AULA 6: IMPOSTO DE RENDA AULA 6: IMPOSTO DE RENDA Pessoal inicialmente desculpe pelo atraso no envio deste capítulo. Como já coloquei no quadro de avisos estava em Brasília e não consegui trabalhar com o material enquanto na capital.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO Planejamento Tributário Setembro de 2011 QUESTÃO 1 - RESPONDA AS QUESTÕES APRESENTADAS A SEGUIR: I - Cite algumas situações em que a pessoa jurídica estará obrigada à tributação

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

001 Qual a legislação atualmente em vigor que rege a

001 Qual a legislação atualmente em vigor que rege a ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/01/2012 001 Qual a legislação atualmente em vigor que rege a tributação pelo lucro presumido? Lei nº 8.383, de 1991, art. 65, 1º e 2º; Lei nº 8.981, de 1995, arts. 27 e 45; Lei

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF 27/11/2014 Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 DOU de 17.9.2013 Dispõe sobre o Regime Tributário de Transição (RTT) instituído pelo art. 15 da Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009. O SECRETÁRIO

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA 1. FORMAS DE TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS JURÍDICAS A tributação das pessoas jurídicas pode apresentar-se em 4 modalidades diferentes: - Lucro Real (inclusive, recolhimentos

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 1 CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Prof. Carmem Haab Lutte Cavalcante 2012 2 CONTABILIDADE SOCIETARIA 2 3 1 CONTABILIDADE Conceito de contabilidade, campo de atuação, usuários, objetivos

Leia mais

LUCRO REAL TEORIA E PRÁTICA

LUCRO REAL TEORIA E PRÁTICA LUCRO REAL TEORIA E PRÁTICA Nota sobre a autora Maria Paula Boyadjian Fernandes é Bacharel em Ciências Contábeis (UNIFMU), Pós Graduada em Planejamento Tributário (UNIFMU) e Administração Contábil e Financeira

Leia mais

CRCPR PROJETO EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUADA = FISCALIZAÇÃO PREVENTIVA

CRCPR PROJETO EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUADA = FISCALIZAÇÃO PREVENTIVA 1 INTRODUÇÃO As dúvidas sobre a apuração e recolhimento de tributos federais geram no contribuinte uma incerteza sobre os procedimentos corretos. Com a complexidade do sistema tributário, a dinâmica da

Leia mais

LEI 12.973/14 - ALTERAÇÕES IRPJ, PIS/PASEP, COFINS, CSLL

LEI 12.973/14 - ALTERAÇÕES IRPJ, PIS/PASEP, COFINS, CSLL LEI 12.973/14 - ALTERAÇÕES IRPJ, PIS/PASEP, COFINS, CSLL OBRIGATORIEDADE DE CONTABILIDADE O Código Civil Brasileiro - Lei 10.406/2002, versa sobre a obrigatoriedade da escrituração contábil, para o empresário

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA PARA AS EMPRESA OPTANTES PELO SIMPLES NACIONA

CARGA TRIBUTÁRIA PARA AS EMPRESA OPTANTES PELO SIMPLES NACIONA 49 CARGA TRIBUTÁRIA S NÃO PARA AS EMPRESA OPTANTES PELO L SIMPLES NACIONA A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

MARAFON & FRAGOSO ADVOGADOS. pmarafon@marafonadvogados.com.br Fone 11 3889 22 84

MARAFON & FRAGOSO ADVOGADOS. pmarafon@marafonadvogados.com.br Fone 11 3889 22 84 MARAFON & FRAGOSO ADVOGADOS pmarafon@marafonadvogados.com.br Fone 11 3889 22 84 NOVO TRATAMENTO DO ÁGIO/DESÁGIO ARTIGO 20 O CONTRIBUINTE QUE AVALIAR INVESTIMENTO PELO VALOR DE PATRIMÔNIO LÍQUIDO DEVERÁ,

Leia mais

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Dia: 13 CIDE - Combustíveis - 9331 Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a comercialização de petróleo e seus derivados, gás

Leia mais

São contribuintes do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ):

São contribuintes do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ): 1. ASPECTOS GERAIS DA TRIBUTAÇÃO DO IRPJ São contribuintes do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ): I as pessoas jurídicas; II as empresas individuais. As disposições tributárias do IR aplicam-se a

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS

IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO TÍTULO: O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS AUTOR: JOSÉ ANTONIO DE FRANÇA CATEGORIA PROFISSIONAL: CONTADOR NR DO CRC: CRC-DF Nº 2.864 ENDEREÇO

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos

I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos fictícios. 1 Sistema Cumulativo Pessoa Jurídica tributada pelo

Leia mais

O PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEIS

O PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEIS O PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEIS Rodolfo Gener da Silva, Rodrigo Gener da Silva, Renato Luan, Felipe Clayton da Silva Costa, Roger Pereira, Tomaz Augusto Castrisana Ciências Contábeis/Faculdade

Leia mais

Ponto de equilíbrio tributário (break-even point tax): o caso das pessoas jurídicas tributadas pelo lucro real e lucro presumido

Ponto de equilíbrio tributário (break-even point tax): o caso das pessoas jurídicas tributadas pelo lucro real e lucro presumido Ponto de equilíbrio tributário (break-even point tax): o caso das pessoas jurídicas tributadas pelo lucro real e lucro presumido Lorimar Francisco Munaretto (URI Universidade Regional Integrada do Alto

Leia mais

ASSUNTOS CONTÁBEIS EXEMPLOS DE APURAÇÃO DO IRPJ - LUCRO REAL. Balancete encerrado em 31.08.2007

ASSUNTOS CONTÁBEIS EXEMPLOS DE APURAÇÃO DO IRPJ - LUCRO REAL. Balancete encerrado em 31.08.2007 SUPERAVIT - Boletim Eletrônico Fiscal Consultoria TRIBUTÁRIA: (84) 3331-1310 E-Mail: jorge@superavitcontabil@com.br MSN: superavit.contabil@hotmail.com SITE: www.superavitcontabil.com.br ASSUNTOS CONTÁBEIS

Leia mais

Pedro@ananadvogados.com.br

Pedro@ananadvogados.com.br Pedro@ananadvogados.com.br Sócio de Anan Advogados Especialista em Direito Empresarial pela PUC-SP MBA Controller pela FEA-USP Membro da Diretoria Jurídica da ANEFAC Diretor do Conselho Consultivo da APET

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS pag. 1 LUCRO REAL

IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS pag. 1 LUCRO REAL IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS pag. 1 LUCRO REAL 1 - CONCEITO É a base de cálculo do imposto sobre a renda apurada segundo registros contábeis e fiscais efetuados sistematicamente de acordo com

Leia mais

1.1.1 - No caso de exclusão de ofício do Simples Atenção: 1.1.2 - No caso de suspensão da imunidade ou isenção

1.1.1 - No caso de exclusão de ofício do Simples Atenção: 1.1.2 - No caso de suspensão da imunidade ou isenção CRC CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO CEARÁ CURSO SOBRE DCTF DECLARAÇÃO DE TRIBUTOS FEDERAIS MONITOR: EDUARDO CAIO SAMPAIO CARVALHO PERÍODO: 18 E 19 DE AGOSTO DE 2008 1. Conceito e Entrega

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Deduções da Receita Bruta: (+) Faturamento Bruto (-) IPI s/ faturamento (-) ICMS Substituição Tributária (=) Receita Bruta (-)Vendas Canceladas (as vendas canceladas de resultados

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

R$ 450.000,00 contabilizados com receitas d) Resultados positivos em participações societárias R$ 320.000,00

R$ 450.000,00 contabilizados com receitas d) Resultados positivos em participações societárias R$ 320.000,00 5. EXEMPLO DE CÁLCULO DA CSLL Admitindo-se que uma pessoa jurídica, tributada pelo lucro real trimestral, sujeita a contribuição social à alíquota de 9% tenha apresentado a seguinte no 2º trimestre/2000:

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO ESPECIALISTA EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) PROGRAMA

CURSO DE EXTENSÃO ESPECIALISTA EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) PROGRAMA CURSO DE EXTENSÃO ESPECIALISTA EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) 1. MÓDULO DE IMPOSTO DE RENDA PROGRAMA TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS FÍSICAS CONTRIBUINTES E RESPONSÁVEIS PESSOAS

Leia mais

RENDIMENTOS DO TRABALHO NÃO-ASSALARIADO E ASSEMELHADOS

RENDIMENTOS DO TRABALHO NÃO-ASSALARIADO E ASSEMELHADOS PROGRAMA CURSO DE EXTENSÃO EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS - (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) 1. MÓDULO DE IMPOSTO DE RENDA TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS FÍSICAS CONTRIBUINTES E RESPONSÁVEIS PESSOAS FÍSICAS

Leia mais

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento Conheça o tratamento fiscal aplicável ao ágio e ao deságio apurados na aquisição dos investimentos avaliados pelo Método de Equivalência Patrimonial - MEP AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS - Ágio ou Deságio na

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 DOU de 26.12.2005 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguros de vida com cláusula de cobertura

Leia mais

LUCRO PRESUMIDO. Nem todas as pessoas jurídicas podem fazer a opção pelo lucro presumido, somente podem optar aquelas que:

LUCRO PRESUMIDO. Nem todas as pessoas jurídicas podem fazer a opção pelo lucro presumido, somente podem optar aquelas que: LUCRO PRESUMIDO CURSO: DIRPJ/LUCRO PRESUMIDO INSTRUTOR: FRANCISCO COUTINHO CHAVES 1 CONSIDERAÇÃO GERAL A tributação pelo lucro presumido, nos últimos anos, tem sido muito incentivada pelas autoridades

Leia mais

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 pela IN 1.515/14 Julio Chamarelli Sócio de Consultoria Tributária da KPMG jcepeda@kpmg.com.br Sergio André Rocha Professor Adjunto de Direito Financeiro

Leia mais

Retenção de Impostos e Contribuições

Retenção de Impostos e Contribuições Retenção de Impostos e Contribuições COMO A FONTE PAGADORA DEVE DESCONTAR: IR PIS/PASEP COFINS CSLL ISS INSS Resumo do conteúdo: IR Fonte Assalariados / Pro Labore IR Fonte Terceiros e Não Assalariados

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO TRIBUTÁRIA VENICIO LUIZ MORAES DO LIVRAMENTO

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO TRIBUTÁRIA VENICIO LUIZ MORAES DO LIVRAMENTO UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO TRIBUTÁRIA VENICIO LUIZ MORAES DO LIVRAMENTO TRIBUTAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA, LUCRO REAL ANUAL

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 011, de 21 de fevereiro de 1996

Instrução Normativa SRF nº 011, de 21 de fevereiro de 1996 Instrução Normativa SRF nº 011, de 21 de fevereiro de 1996 DOU de 22/02/1996 Dispõe sobre a apuração do imposto de renda e da contribuição social sobre o lucro das pessoas jurídicas a partir do ano-calendário

Leia mais

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL A equivalência patrimonial é o método que consiste em atualizar o valor contábil do investimento ao valor equivalente à participação societária da sociedade investidora no patrimônio

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 IRPJ LUCRO PRESUMIDO 1 É uma forma de tributação simplificada para determinação da base de cálculo do imposto de renda e da contribuição social das pessoas jurídicas

Leia mais

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA E A CONTRIBUIÇÃO SOCIAL

IMPOSTO DE RENDA E A CONTRIBUIÇÃO SOCIAL Universidade de São Paulo - USP MESTRADO EM CONTROLADORIA E CONTABILIDADE IMPOSTO DE RENDA E A CONTRIBUIÇÃO SOCIAL Mestrandos: Edson José Ferreira Lima Héber Lavor Moreira Tadeu Manoel Rodrigues de Araújo

Leia mais