CÂMARA MUNICIPAL DE NOVA VIÇOSA CNPJ /

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÂMARA MUNICIPAL DE NOVA VIÇOSA CNPJ 01.793.692/0001-35"

Transcrição

1 2º quinzena de julho/ TEIXEIRA DE FREITAS BA, 2ª QUINZENA DE JULHO 2011 CADERNO ESPECIAL DE PUBLICAÇÕES ANO XII REDE FLECHA LTDA R$ 1,00 CÂMARA MUNICIPAL DE NOVA VIÇOSA CNPJ / DECRETO Nº 197, de 1º de JULHO de 2011 Exonera ANTONIO FLORDILON SÁ ANDRADE do cargo de Assessor I, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE NOVA VIÇOSA, ESTADO DA BAHIA, no uso de uma de suas atribuições regimentais, DECRETA: Art. 1º. Fica o Senhor ANTONIO FLORDILON SÁ ANDRADE, matrícula 00098, exonerado do cargo de Assessor I, símbolo CC5. Art. 2º. Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação. Art. 3º. Revogam se as disposições em contrário, em especial o Decreto nº 107, de 30 de abril de Art. 4º Registra se e publica se. Gabinete da Presidência da Câmara Municipal de Nova Viçosa, Estado da Bahia, em 1º de julho de Márvio Lavor Mendes Presidente PORTARIA Nº 256, de 20 de julho de 2011 Indeniza servidor, 10 (dez) dias de trabalho, realizados durante o seu período de gozo de férias. O PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE NOVA VIÇOSA, ESTADO DA BAHIA, no uso de uma de suas atribuições regimentais, e com base na legislação vigente, RESOLVE: Art. 1º. Indenizar o servidor CLEBER BARROS MONTEIRO, ocupante do cargo de provimento em comissão de Diretor de Divisão, matrícula 0077, 10 (dez) dias de trabalho realizado dentre do período em que o mesmo se encontrava em pleno gozo de férias (01/07/2011 à 30/07/2011). Art. 2º. Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. Gabinete da Presidência da Câmara Municipal de Nova Viçosa, Estado da Bahia, em 20 de julho de Márvio Lavor Mendes Presidente PORTARIA Nº 257, de 20 de julho de DECRETO Nº 198, de 1º de JULHO de Nomeia ANTONIO MARCOS PARANAGUÁ DA SILVA, para o cargo de Assessor I, e dá outras providências Concede pagamento de 1/3 (um terço) de vencimento de férias a servidor da Câmara Municipal de Nova Viçosa, Estado da Bahia, na forma abaixo que indica. O PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE NOVA VIÇOSA, ESTADO DA BAHIA, no uso de uma de suas atribuições regimentais, e com fundamento na Lei Municipal 253, de 12 de setembro de 2006, DECRETA: Art. 1º. Fica nomeado o Senhor ANTONIO MARCOS PARANAGUÁ DA SILVA, inscrito no CPF sob o nº , para exercer a partir da data de publicação do presente Decreto, o cargo de provimento em comissão de Assessor I, símbolo CC5, para assessorar os trabalhos que virem a ser desempenhados pelo Gabinete do Vereador João Borges Ferreira. Art. 2º. Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação. Art. 3º. Revogam se as disposições em contrário. Art. 4º Registra se e publica se. Gabinete da Presidência da Câmara Municipal de Nova Viçosa, Estado da Bahia, em 1º de julho de Márvio Lavor Mendes Presidente O PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE NOVA VIÇOSA, ESTADO DA BAHIA, no uso de uma de suas atribuições regimentais, e com base na legislação vigente, RESOLVE: Art. 1º. Conceder a servidora MARIA COSTA DE OLIVEIRA, ocupante do cargo de provimento em comissão de Assessor III, matricula 090, pagamento equivalente a 1/3 (um terço) de seus vencimentos de férias, período aquisitivo de 01/02/2010 a 01/02/2011. Art. 2º. Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. Gabinete da Presidência da Câmara Municipal de Nova Viçosa, Estado da Bahia, em 20 de julho de Márvio Lavor Mendes Presidente

2 2 2º quinzena de julho/2011 PORTARIA Nº 258, de 20 de julho de Concede férias remuneradas a servidores da Câmara Municipal de Nova Viçosa, Estado da Bahia, na forma abaixo que indica. O PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE NOVA VIÇOSA, ESTADO DA BAHIA, no uso de uma de suas atribuições regimentais, e com base na legislação vigente, RESOLVE: Matríc. Servidor Cargo Período Aquisitivo de Férias 081 Maria Ivanilda Rangel de Freitas Assessor I 02/2010 a 02/ Arineia Lopes de Oliveira Assessor I 02/2010 a 02/2011 Art. 2º. Concede, ainda, aos mesmos servidores, pagamento de 1/3 (um terço) s/seus vencimentos de férias, referente aos mesmos períodos aquisitivos supracitados. Art. 3º. Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. Art. 1º. Conceder ao servidores abaixo relacionados, 30 (trinta) dias de férias remunerada, as quais serão gozadas no período de 01/08/2011 a 30/08/2011: Gabinete da Presidência da Câmara Municipal de Nova Viçosa, Estado da Bahia, em 20 de julho de Márvio Lavor Mendes Presidente PREFEITURA MUNICIPAL DE MEDEIROS NETO CNPJ / AVISO DE LICITAÇÃO 2ª CHAMADA PREGÃO PRESENCIAL nº. 023/2011. A Prefeitura Municipal de Medeiros Neto, Estado da Bahia, torna público que, na sala de reuniões da mesma, situada na Avenida Oscar Cardoso, nº. 135, Centro, nesta cidade, no dia e hr. abaixo determinados, será realizada Licitação na Modalidade Pregão Presencial, tipo menor valor por lote visando a contratação de empresas do ramo para os serviços/aquisição de emissão de passagens aéreas e terrestres para utilização nas diversas secretarias da prefeitura municipal de Medeiros Neto, conforme anexos do Edital do PREGÃO PRESENCIAL Nº 023/2011. O Pregão está em conformidade com a Lei Federal e 8.666/93. O recebimento dos envelopes e dos lances será dia 03/08/2011 às 15:00 horas. O Edital se encontra à disposição dos interessados na Prefeitura Municipal de Medeiros Neto das 08h00min às 12h00min, na Avenida Oscar Cardoso, 135 Centro, Fone: Medeiros Neto, 25/07/2011. Aderlan Ferraz da Silva Pregoeiro. 3º BIMESTRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MEDEIROS NETO BALANÇO ORÇAMENTÁRIO ORÇAMENTO FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A JUNHO 2011/ BIMESTRE MAIOJUNHO RREO ANEXO I (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas "a" e "b" do inciso II e 1º) R$ 1,00 Receitas Realizadas PREVISÃO SALDO A PREVISÃO RECEITAS Até o No Bimestre REALIZAR (a) Jan a Jun 2011 (b) (b/a) (c/a) (ac) (c) RECEITAS (EXCETO INTRAORÇAMENTÁRIAS) (I) ,03 14, ,42 42, ,58 RECEITAS CORRENTES ,69 16, ,69 47, ,31 RECEITA TRIBUTÁRIA ,27 24, ,41 52, ,59 IMPOSTOS ,70 25, ,64 53, ,36 TAXAS ,57 13, ,77 34, ,23 CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA RECEITAS DE CONTRIBUIÇÕES ,35 5, ,65 CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS 0 0 CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ,35 5, ,65 RECEITA PATRIMONIAL ,73 15, ,45 45, ,55 RECEITAS IMOBILIÁRIAS RECEITAS DE VALORES MOBILIÁRIOS ,73 16, ,45 47, ,55 OUTRAS RECEITAS PATRIMONIAIS RECEITA AGROPECUÁRIA RECEITA DA PRODUÇÃO VEGETAL 0 0 Receita da Produção Animal e Derivados 0 0 Otras Receitas Agropecuárias RECEITA INDUSTRIAL Receita da Industria Extrativa Mineral 0 0 Receita da Indústria de Transformação 0 0 Receita da Indústria de Construção 0 0 Outras Receitas Industriais RECEITA DE SERVIÇOS TRANSFERÊNCIAS CORRENTES ,15 16, ,10 47, ,90 TRANSFERÊNCIAS INTERGOVERNAMENTAIS ,15 17, ,10 51, ,90 TRANSFERÊNCIAS DE INSTITUIÇÕES PRIVADAS TRANSFERÊNCIAS DO EXTERIOR 0 0 TRANSFERÊNCIAS DE PESSOAS TRANSFERÊNCIAS DE CONVÊNIOS TRANSFERÊNCIA PARA O COMBATE A FOME 0 0 OUTRAS RECEITAS CORRENTES ,54 10, ,38 18, ,62 MULTAS E JUROS DE MORA INDENIZAÇÕES E RESTITUIÇÕES RECEITA DA DÍVIDA ATIVA ,11 8, ,92 18, ,08 RECEITAS DIVERSAS ,43 20, ,46 35, ,54 RECEITAS DE CAPITAL OPERAÇÕES DE CRÉDITO OPERAÇÕES DE CRÉDITO INTERNAS Operações de Crédito Externas 0 0 ALIENAÇÃO DE BENS ALIENAÇÃO DE BENS MÓVEIS ALIENAÇÃO DE BENS IMÓVEIS AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 0 0 TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAL TRANSFERÊNCIAS INTERGOVERNAMENTAIS TRANSFERÊNCIAS INSTITUIÇÕES PRIVADAS 0 0 Trsnsferencia do Exterior 0 0 Transferencias de Pessoas 0 0 Transferencias de Outras Instituições Públicas 0 0 TRANSFERÊNCIAS DE CONVÊNIOS Transferências para o Combate à Fome 0 0 OUTRAS RECEITAS DE CAPITAL 0 0 Integralização do Capital Social 0 0 Receita da Divida Ativa Prove de Mortiz de Empres 0 0 RREO ANEXO I (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas "a" e "b" do inciso II e 1º) R$ 1,00 SUBTOTAL DAS DESPESAS (X) = (VIII + IX) , , , ,12 67, ,88 AMORTIZAÇÃO DA DÍVIDAREFINANCIAMENTO (XI) 0 Amortização da Divida Interna Divida Mobiliária Outras Dividas Amortização da Divida Externa Divida Mobiliária Outras Dividas SUBTOTAL COM REFINANCIAMENTO (XII) = (X + XI) , , , ,12 67, ,88 SUPERÁVIT (XIII) ,30 0 TOTAL (XIV)=(XII+XIII) , , , ,12 67, ,88 PREFEITURA MUNICIPAL DE MEDEIROS NETO DEMONSTRATIVO DA EXECUÇÃO DAS DESPESAS POR FUNÇÃO/SUBFUNÇÃO ORÇAMENTO FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A JUNHO DE 2011/ BIMESTRE MAIOJUNHO RREO Anexo II (LRF, Art. 52, Inciso II, alínea "c") R$ 1,00 Despesas Empenhadas Despesas Liquidadas SALDO FUNÇÃO/SUBFUNÇÃO Até o Bimestre (a) No Bimestre Até o Bimestre No Bimestre (ab) (b) (b/total b) (b/a) DESPESAS(EXCETO INTRAORÇAMENTÁRIAS) (I) , , , ,12 99,95 475, ,88 LEGISLATIVA , , , ,70 3,57 49, ,30 AÇÃO LEGISLATIVA , , , ,70 3,57 49, ,30 ADMINISTRAÇÃO , , , ,78 10,68 59, ,22 DEFESA DO INTERESSE PÚBLICO NO PROCESSO ,62 52, ADMINISTRAÇÃO GERAL , , , ,12 8,72 61, ,88 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA , , , ,58 0,52 51, ,42 CONTROLE INTERNO COMUNICAÇÃO SOCIAL ,25 42, PROTEÇÃO E BENEFÍCIOS AO TRABALHADOR , ,08 0,55 54, ,92 ASSISTÊNCIA SOCIAL , , , , ,91 2,10 47, ,89 ADMINISTRAÇÃO GERAL , , , , ,65 2,01 72, ,95 ASSISTÊNCIA AO IDOSO , , ,08 0,03 8, ,12 ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DE DEFICIÊNCIA , ,10 0,02 3, ,90 ASSISTÊNCIA À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE , ,08 0,03 11, ,92 ASSISTÊNCIA COMUNITÁRIA SAÚDE , , , ,70 24,44 35, ,30 ADMINISTRAÇÃO GERAL ATENÇÃO BÁSICA , , , ,87 10,87 35, ,13 ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AMBULATORIAL , , , ,73 12,39 36, ,27 SUPORTE PROFILÁTICO E TERAPÊUTICO ,72 0,25 28, ,28 VIGILÂNCIA SANITÁRIA , ,54 0,15 15, ,46 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA , , ,84 0,75 35, ,16 EDUCAÇÃO , , , ,32 33,92 43, ,68 ADMINISTRAÇÃO GERAL , , , , ,99 0,50 31, ,76 ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO , , , ,00 1,30 75, ,00 ENSINO FUNDAMENTAL , , , , ,33 32,12 42, ,92 EDUCAÇÃO INFANTIL CULTURA , , , , , ,70 2,74 91, ,30 DIFUSÃO CULTURAL , , , , , ,70 2,74 91, ,30 RREO Anexo II (LRF, Art. 52, Inciso II, alínea "c") R$ 1,00 FUNÇÃO/SUBFUNÇÃO Despesas Empenhadas Despesas Liquidadas SALDO Até o Bimestre (a) No Bimestre Até o Bimestre No Bimestre (ab) (b) (b/total b) (b/a) URBANISMO , , , , ,87 18,67 45, ,13 ADMINISTRAÇÃO GERAL , , , , ,99 9,47 73, ,01 INFRAESTRUTURA URBANA , , , ,80 7,87 30, ,20 SERVIÇOS URBANOS , , , ,08 1,31 47, ,92 HABITAÇÃO , ,20 HABITAÇÃO URBANA , ,20 SANEAMENTO , ,00 SANEAMENTO BÁSICO URBANO , ,00 GESTÃO AMBIENTAL , , ,75 0,41 23, ,25 ADMINISTRAÇÃO GERAL , ,75 0,27 43, ,25 PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO AMBIENTAL , , ,13 12, AGRICULTURA PROMOÇÃO COMERCIAL ENERGIA , , , ,19 0,46 10, ,81 CONSERVAÇÃO DE ENERGIA , , , ,19 0,46 11, ,81 ENERGIA ELÉTRICA TRANSPORTE ,70 0, ,30 TRANSPORTE RODOVIÁRIO ,70 0, ,30 DESPORTO E LAZER , , , ,87 0,44 15, ,13 ADMINISTRAÇÃO GERAL , , , ,87 0,44 44, ,13 DESPORTO COMUNITÁRIO

3 2º quinzena de julho/ PREFEITURA MUNICIPAL DE MEDEIROS NETO DEMONSTRATIVO DA EXECUÇÃO DAS DESPESAS POR FUNÇÃO/SUBFUNÇÃO ORÇAMENTO FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A JUNHO DE 2011/ BIMESTRE MAIOJUNHO RREO Anexo II (LRF, Art. 52, Inciso II, alínea "c") R$ 1,00 FUNÇÃO/SUBFUNÇÃO Despesas Empenhadas Despesas Liquidadas SALDO Até o Bimestre (a) No Bimestre Até o Bimestre No Bimestre (ab) (b) (b/total b) (b/a) TOTAL (III) = (I + II) , , , ,12 99,95 40, ,88 FONTE: LRF, Art 53, inciso I, Anexo III Especificação Evolução da Receita realizada nos últimos 12 messes Previsão Total Atualizada 07/ / / / / / / / / / / /2011 (Últimos 12 M.) (2011) CORRENTES (I) , , , , , , , , , , , , , RECEITAS Receitas Tributárias , , , , , , , , , , , , , IPTU 8.602, , , , , , ,07 373, , , , , , ISS , , , , , , , , , , , , ,51 52 ITBI , , , , , , , , , ,65 46 R$ 1,00 PREFEITURA MUNICIPAL DE MEDEIROS NETO Relatório Resumido da Execução Orçamentária DEMONSTRATIVO DO RESULTADO NOMINAL Orçamento Fiscal e da Seguridade Social JANEIRO A JUNHO / BIMESTRE MAIOJUNHO LRF, art 53, inciso III Anexo VI R$ 1,00 Saldo ESPECIFICAÇÃO 31 /Dez/2010 (a) 30/Abr/2011 (b) 30/Jun/2011 (c) DÍVIDA CONSOLIDADA (I) , , ,47 DEDUÇÕES (II) , , ,79 Ativo Disponível , , ,94 Havers Financeiros , , ,69 () Restos a Pagar Processados , , ,84 DÍVIDA CONSOLIDADA LÍQUIDA (III) = (III) , , ,68 RECEITA DE PRIVATIZAÇÕES (IV) PASSIVOS RECONHECIDOS (V) DÍVIDA FISCAL LÍQUIDA (III + IV V) , , ,68 ESPECIFICAÇÃO No Bimestre (c b) PERÍODO DE REFERÊNCIA Até o Bimestre (ca) RESULTADO NOMINAL ,47 ( ,96) IRRF ,97 129, ,97 19 Outras Receitas Tributárias , , , , , ,32 132, , , ,57 434, , Receitas de Contribuição 2.436, , , , , , ,53 111, ,65 8 Receita Patrimonial , , , , , , , , , , , , , Receita Agropecuária 2.10 DISCRIMINAÇÃO DE META FISCAL META DE RESULTADO NOMINAL FIXADA NO ANEXO DE METAS FISCAIS NA LDO P/ O EXERCÍCIO DE REFERÊNCIA VALOR ,00 Receita Industrial 2.10 Receita de Serviços Transferências Correntes , , , , , , , , , , , , , CotaParte FPM , , , , , , , , , , , , , CotaParte ICMS , , , , , , , , , , , , , CotaParte IPVA , , , , , , , , , , , , ,81 39 CotaParte ITR 2.421, ,73 258,24 848,56 627,00 391, , Transferência da LC 87/ , , , , , , , Transferência da LC 61/1989 Transferências do FUNDEB , , , , , , , , , , , , , Outras Transferências Correntes , , , , , , , , , , , , , Outras Receitas Correntes 3.436, , , , , , , , , , , , , PREFEITURA MUNICIPAL DE MEDEIROS NETO Relatório Resumido da Execução Orçamentária DEMONSTRATIVO DO RESULTADO PRIMÁRIO Orçamento Fiscal e da Seguridade Social JANEIRO A JUNHO / BIMESTRE MAIOJUNHO LRF, art 53, inciso III Anexo VII R$ 1,00 DESPESA PRIMÁRIA TOTAL (XVII)=(X+XV+XVI) , , ,00 DEDUÇÕES (II) , , , , , , , , , , , , Contrib. Plano Prev. Assist. Social Servidor Compensação Financ. entre Regimes Previd. Dedução da Receita para Formação do FUNDEF , , , , , , , , , , , , RECEITA CORRENTE LÍQUIDA (III) , , , , , , , , , , , , , RESULTADO PRIMÁRIO (VIIXVII) , , ,00 SALDO DE EXERCÍCIOS ANTERIORES DISCRIMINAÇÃO DE META FISCAL META DE RESULTADO PRIMÁRIO FIXADA NO ANEXO DE METAS FISCAIS NA LDO P/ O EXERCÍCIO DE REFERÊNCIA VALOR PREFEITURA MUNICIPAL DE MEDEIROS NETO DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS PREVIDENCIÁRIAS DO REGIME PRÓPRIO DOS SERVIDORES PÚBLICOS ORÇAMENTO FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A JUNHO / BIMESTRE MAIOJUNHO LRF,Art. 53, Inciso II Anexo V R$ 1,00 RECEITAS PREVIDENCIÁRIAS PREVISÃO PREVISÃO No Bimestre RECEITAS REALIZADAS Até o Bim/ 2011 Até o Bim/ 2010 RECEITAS CORRENTES (I) Receitas de Contribuições Pessoal Civil Contribuição do Servidor Ativo Civil Contribuição do Servidor Inativo Civil Contribuição de Pensionista Civil Pessoal Militar Contribuição de Militar Ativo Contribuição de Militar Inativo Contribuição de Pensionista Militar Outras Contribuições Previdênciárias Compensação Previdenciária entre RGPS e RPPS Receita Patrimonial Receitas Imobiliárias Receitas de Valores Mobiliários Outras Receitas Patrimoniais Outras Receitas Correntes RECEITAS DE CAPITAL (II) Alienação de Bens Outras Receitas de Capital REPASSES PREVIDENCIÁRIOS RECEBIDOS PELO RPPS (III) Contribuição Patronal do Exercício Pessoal Civil Contribuição Patronal Ativo Civil Contribuição Patronal Inativo Civil Contribuição Patronal Pensionista Civil Pessoal Militar Contribuição Patronal Ativo Militar Contribuição Patronal Inativo Militar Contribuição Patronal Pensionista Militar Contribuição Patronal de Exercícios Anteriores Pessoal Civil Contribuição do Patronal Ativo Civil Contribuição Patronal Inativo Civil Contribuição Patronal Pensionista Civil Pessoal Militar Contribuição Patronal Ativo Militar Contribuição Patronal Inativo Militar Contribuição Patronal Pensionista Militar REPASSES PREVIDENCIÁRIOS PARA COBERTURA DE DÉFICIT (VI) OUTROS APORTES AO RPPS (V) TOTAL DAS RECEITAS PREVIDENCIÁRIAS (VI)=(I+II+III+IV+V) DESPESAS PREVIDENCIÁRIAS No Bimestre DESPESAS LIQUIDADAS Até o Bim/ 2011 Até o Bim/ 2010 ADMINISTRAÇÃO (VII) Despesas Correntes Despesas de Capital PREVIDÊNCIA SOCIAL (VIII) Pessoal Civil Aposentadorias Pensões Outros Benefícios Previdenciários Pessoal Militar Reformas Pensões Outros Benefícios Previdenciários Outras Despesas Previdenciárias Compensação Previd. de Aposentadorias entre o RPPS e o RGPS Compensação Previdenciária de PEnsões entre RPPS e o RGPS RESERVA DO RPPS (IX) TOTAL DAS DESPESAS PREVIDENCIÁRIAS (X)=(VII+VIII+IX) RESULTADO PREVIDENCIÁRIO (XI)=(VIX) PREFEITURA MUNICIPAL DE MEDEIROS NETO Relatório Resumido da Execução Orçamentária DEMONSTRATIVO DOS RESTOS A PAGAR POR PODER E ÓRGÃO Orçamento Fiscal e da Seguridade Social JANEIRO A JUNHO / BIMESTRE MAIOJUNHO / 2011 LRF,Art. 53, Inciso V Anexo IX R$ 1,00 PODER / ÓRGÃO Em Exercícios Anteriores RESTOS A PAGAR PROCESSADOS Inscritos Em 31 de Dezembro Cancelados Pagos A Pagar Em Exercícios de 2010 Anteriores RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS RESTOS A PAGAR (EXCETO INTRAORÇAMENTÁRIOS)(I) EXECUTIVO CÂMARA MUNICIPAL FMS FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE FMS FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE PODER EXECUTIVO , , , ,73 PODER EXECUTIVO , , , ,73 RESTOS A PAGAR (INTRAORÇAMENTÁRIOS)(II) TOTAL (III) = (I+II) , , , ,46 Inscritos Em 31 de Dezembro Cancelados Pagos A Pagar de 2010 PREFEITURA MUNICIPAL DE MEDEIROS NETO Relatório Resumido da Execução Orçamentária DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS DE OPERAÇÕES DE CRÉDITO E DESPESAS DE CAPITAL Orçamento Fiscal e da Seguridade Social JANEIRO A JUNHO / BIMESTRE MAIOJUNHO LRF, art. 53, 1º, inciso I Anexo XI PREVISÃO Receitas Realizadas RECEITAS (a) No Bimestre Mai a Jun 2011 (b) RECEITAS DE OPERAÇÕES DE CRÉDITO (I) 5 DESPESAS (c) Despesas Liquidadas No Bimestre Mai a Jun 2011 (d) R$ Milhares SALDO A REALIZAR (ba) 5 SALDO A REALIZAR (dc) DESPESAS DE CAPITAL () Incentivos Fiscais a Contribuintes () Incentivos Fiscais a Contribuinte por Instituições Financeiras DESPESA DE CAPITAL LIQUIDA (II) DIFERENÇA (I II) 5 LRF, art. 53, 1º, inciso II Anexo XIII R$ 1,0 Exercício 2011 REPASSE CONTRIBUIÇÃO PATRONAL (a) RECEITAS PREVIDÊNCIÁRIAS (b) DESPESAS PREVIDÊNCIÁRIAS (c) RESULTADO PREVIDÊNCIÁRIO (d)=(a+bc) SALDO FINANCEIRO DO EXERCÍCIO (e)=("e" exerc. Anterior)+(d)

4 4 PREFEITURA MUNICIPAL DE MEDEIROS NETO Relatório Resumido da Execução Orçamentária DEMONSTRATIVO DA RECEITA DE ALIENAÇÃO DE ATIVOS E APLICAÇÃO DOS RECURSOS Orçamento Fiscal e da Seguridade Social JANEIRO A JUNHO / BIMESTRE MAIOJUNHO LRF, art. 53, 1º, inciso III Anexo XIV R$ Milhares Receitas Previsão Atualizada (a) Receitas Realizadas (b) Saldo a Realizar (ab) RECEITAS DE CAPITAL 6 6 Receita de Ativos 6 6 Alienação de Bens Móveis 3 3 Alienação de Bens Imóveis 3 3 TOTAL 6 6 Despesas Dotação Atualizada (c) Despesas Liquidadas (d) Saldo a Realizar (cd) APLICAÇÃO DOS RECURSOS DE ALIENAÇÃO DE ATIV Amortização/Refinamento da Dívida TOTAL ADCT, art. 77 Anexo XVI Saldo Financeiro a Aplicar Exercício Anterior (e) DO EXERCÍCIO (f)=(bd) SALDO ATUAL (e+f) PREFEITURA MUNICIPAL DE MEDEIROS NETO Relatório Resumido da Execução Orçamentária DEMONSTRATIVO DA RECEITA DE IMPOSTOS LÍQUIDA E DAS DESPESAS PRÓPRIAS COM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE Orçamento Fiscal e da Seguridade Social JANEIRO A JUNHO \ 2011 R$ Milhares 2º quinzena de julho/2011 PREFEITURA MUNICIPAL DE MEDEIROS NETO DEMONSTRATIVO SIMPLIFICADO DO ORÇAMENTO FISCAL DE DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A JUNHO 2011/ BIMESTRE MAIOJUNHO LRF, Art. 48 Anexo XVIII R$ 1,00 PROJEÇÃO ATUARIAL DOS REGIMES DE PREVIDÊNCIA Regime Geral de Previdência Social Receitas Previdenciárias (I) Despesas Previdenciárias (II) Resultado Previdenciário (I II) Regime Próprio de Previdência Social dos Servidores Públicos Receitas Previdenciárias (IV) Despesas Previdenciárias (V) Resultado Previdenciário (IV V) RECEITA DA ALIENAÇÃO DE ATIVOS E APLICAÇÃO DOS RECURSOS Receita de Capital Resultante da Alienação de Ativos Aplicação dos Recursos da Alienação de Ativos DESPESAS COM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE Despesas Próprias com Ações e Serviços Públicos de Saúde DESPESAS DE CARÁTER CONTINUADO DERIVADAS DE PPP CONTRATADAS Total das Despesas/RCL () Exercício Valor Apurado Até o Bimestre Valor apurado até o bimestre 10º Exercício 20º Exercício 35º Exercício Saldo a Realizar Mínimo a aplicar no Aplicado até o bimestre exercício VALOR APURADO NO EXERCÍCIO CORRENTE PREVISÃO RECEITAS REALIZADAS PREVISÃO RECEITAS Até o Semestre (a) (b) (b/a) Receita de Impostos Líquida e Transferências Constitucionais e Legais (I) ,49 55,07 Impostos ,64 53,40 Multas, Juros de Mora e Dívida Ativa dos Impostos ,92 15,93 Receitas de Transferências Constitucionais e Legais ,93 55,42 Da União ,89 55,64 Do Estado ,04 49,11 Transferência de Recurso do Sistema Único de SaúdeSUS (II) ,30 45,10 Da União para o Município ,30 45,65 Da Estado para o Município ,82 Demais Municípios para o Município Outras Receitas do SUS Receitas de Operações de Crédito Vinculadas a Saúde (III) Outras Receitas Orçamentárias () Dedução para o FUNDEB ( ) ( ) ( ,27) 51,93 TOTAL ,52 52,00 DESPESAS LIQUIDADAS DESPESAS COM SAÚDE Até o Semestre (Por grupo de Natureza da Despesa) (c) (d) (d/c) Despesas Correntes ,72 37,56 Pessoal e Encargos Sociais ,41 36,80 Juros e Encargos da Dívida Outras Despesas Correntes ,31 37,84 Despesas de Capital ,98 5,17 Investimentos ,55 Inversões Financeiras. Amortização da Dívida ,98 31,09 TOTAL (IV) ,70 35,56 DESPESAS PRÓPRIAS COM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE Até o Semestre (e) DESPESAS LIQUIDADAS (e)/despesas com saúde DESPESAS COM SAÚDE ,70 35,55 () DESPESAS COM INATIVOS E PENSIONISTAS () DESPESAS CUSTEADAS COM OUTROS RECURSOS DESTINADOS À SAÚDE Recursos de Transferências do Sistema Único de Saúde SUS ,04 49,11 Recursos de Operações de Créditos Outros Recursos () RP INSCRITOS NO EXERCÍCIO SEM DISPONIBILIDADE FINANCEIRA VINCULADA DE RECURSOS PRÓPRIOS TOTAL DAS DESPESAS PRÓPRIAS COM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE (V) ,66 35,04 CONTROLE DE RESTOS A PAGAR INSCRITO EM EXERCÍCIOS ANTERIORES VINCULADOS A SAÚDE Aplicação Mínima em 2010 (f) Aplicação Apurada em 2010 (g) Inscritos em 31 de Dezembro de 2010 RESTOS A PAGAR Cancelados em 2011 (h) RP DE DESPESAS PRÓPRIAS COM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE COMPENSAÇÃO DE RESTOS A PAGAR CANCELADOS EM 2011 (VI) PARTICIPAÇÃO DAS DESPESAS COM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE NA RECEITA DE IMPOSTOS E TRANSFERÊNCIAS CONSTITUCIONAIS E LEGAIS LIMITE CONSTITUCIONAL <> (VVI)/I DESPESAS COM SAÚDE (Por Subfunção) Até o Semestre (i) DESPESAS LIQUIDADAS (i/total i) Atenção Básica ,87 44,50 Assistência Hospitalar e Ambulatorial ,73 50,72 Suporte Profilático e Terapêutico ,72 1,05 Vigilância Sanitária ,54 0,62 Vigilância Epidemológica ,84 3,11 Alimentação e Nutrição Outras Subfunções TOTAL ,70 10 () DESPESAS COM INATIVOS E PENSIONISTAS () DESPESAS CUSTEADAS COM OUTROS RECURSOS DESTINADOS À SAÚDE Recursos de Transferências do Sistema Único de Saúde SUS ,04 49,11 Recursos de Operações de Créditos Outros Recursos () RP INSCRITOS NO EXERCÍCIO SEM DISPONIBILIDADE FINANCEIRA VINCULADA DE RECURSOS PRÓPRIOS TOTAL DAS DESPESAS PRÓPRIAS COM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE ,66 35,04 PREFEITURA MUNICIPAL DE MEDEIROS NETO DEMONSTRATIVO SIMPLIFICADO DO ORÇAMENTO FISCAL DE DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A JUNHO 2011/ BIMESTRE MAIOJUNHO LRF, Art. 48 Anexo XVIII R$ 1,00 BALANÇO ORÇAMENTÁRIO RECEITAS No Bimestre Até o Bimestre Previsão Inicial da Receita Previsão Atualizada da Receita Receitas Realizadas , ,42 Déficit Orçamentário ,51 Saldo de Exercícios Anteriores BALANÇO ORÇAMENTÁRIO DESPESAS No Bimestre Até o Bimestre Dotação Inicial Créditos Adicionais Dotação Atualizada Despesas Empenhadas , ,51 Despesas Liquidadas , ,12 Superávit Orçamentário ,30 DESPESAS POR FUNÇÃO/SUBFUNÇÃO No Bimestre Até o Bimestre Despesas Empenhadas , ,51 Despesas Liquidadas , ,12 RECEITA CORRENTE LÍQUIDA RCL Até o Bimestre Receita Corrente Líquida RECEITAS/DESPESAS DOS REGIMES DE PREVIDÊNCIA No Bimestre Até o Bimestre Regime Geral de Previdência Social Receitas Previdenciárias (I) Despesas Previdenciárias (II) Resultado Previdenciário (III) = (I II) Regime Próprio de Previdência Social dos Servidores Públicos Receitas Previdenciárias (IV) Despesas Previdenciárias (V) Resultado Previdenciário (VI) = (IV V) RESULTADOS NOMINAL E PRIMÁRIO Resultado Nominal Resultado Primário MOVIMENTAÇÃO DOS RESTOS A PAGAR POR PODER E MINISTÉRIO PÚBLICO RESTOS A PAGAR PROCESSADOS Poder Executivo Poder Legislativo Poder Judiciário Ministério Público RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS Poder Executivo Poder Legislativo Poder Judiciário Ministério Público Total Meta Fixada no AMF da LDO (a) Resultado Apurado até o Bimestre (b) , Inscrição Cancelamento até o bimestre , , ,84 Valor apurado DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MDE até o bimestre Mínimo Anual de <18 / 25> das Receitas de Impostos na Manutenção e Desenvo Mínimo Anual de 60 das Despesas com MDE no Ensino Fundamental Mínimo Anual de 60 do FUNDEF na Remuneração dos Professores do Ensino Fun RECEITAS DE OPERAÇÕES DE CRÉDITO E DESPESAS DE CAPITAL Receitas de Operações de Crédito Despesa de Capital Líquida Mínimo a aplicar no exercício <18 / 25> Valor Apurado Até o Bimestre em relação à meta (b/a) Pago até o bimestre Saldo a pagar , , ,84 Aplicado até o bimestre Saldo a Realizar Artigos 19, 4º e 30º, 7º da L.C. 101/00 (Portaria TCM/BA N 460) Beneficiário Determinação Data Valor PREFEITURA MUNICIPAL DE MEDEIROS NETO Relatório Resumido da Execução Orçamentária DEMONSTRATIVO DE SENTENÇAS JUDICIAIS Orçamento Fiscal e da Seguridade Social Junho de 2011 Nº NE de Origem Pagamento Data Valor Nº do PP TOTAL R$ Milhares DESPESAS COM SAÚDE (Por Subfunção) Até o Semestre (i) DESPESAS LIQUIDADAS (i/total i) Atenção Básica ,87 44,50 Assistência Hospitalar e Ambulatorial ,73 50,72 Suporte Profilático e Terapêutico ,72 1,05 Vigilância Sanitária ,54 0,62 Vigilância Epidemológica ,84 3,11 Alimentação e Nutrição Outras Subfunções TOTAL ,70 10 () DESPESAS COM INATIVOS E PENSIONISTAS () DESPESAS CUSTEADAS COM OUTROS RECURSOS DESTINADOS À SAÚDE Recursos de Transferências do Sistema Único de Saúde SUS ,04 49,11 Recursos de Operações de Créditos Outros Recursos () RP INSCRITOS NO EXERCÍCIO SEM DISPONIBILIDADE FINANCEIRA VINCULADA DE RECURSOS PRÓPRIOS TOTAL DAS DESPESAS PRÓPRIAS COM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE ,66 35,04

5 2º quinzena de julho/ PREFEITURA MUNICIPAL DE ITANHÉM CNPJ / LEI N.º 057/2011 DE 20 DE JULHO DE ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA CONCESSÃO DO PARCELAMENTO ESPECIAL FISCAL, COM A DISPENSA DE JUROS E MULTA, NAS CONDIÇÕES QUE INDICA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO O MUNICÍPIO DE ITANHÉM, ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições legais, faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei. Art. 1º. Nas ações fiscais em curso, e na cobrança administrativa de débitos ainda não ajuizados, relativos ao ano base de 2010 e anteriores, cuja causa do inadimplemento refirase à cobrança de impostos, taxas e multas de origem tributária, poderá o chefe do Poder Executivo Municipal autorizar à Secretaria de Finanças do Município, proceder transação com o sujeito passivo da obrigação tributária, mediante concessões mútuas, visando à solução da pendência e à conseqüente extinção do crédito tributário, devendo ficar especificados, no termo de acordo extrajudicial pactuado entre as partes as condições e os motivos das concessões mutuamente feitas. Art. 2º. Para viabilizar as negociações autorizadas pelo art. 1º desta Lei, poderá, ainda, a Chefe do Poder Executivo autorizar à Secretaria de Finanças do Município, nos casos de pagamento espontâneo de débitos ainda não inscritos ou de seu parcelamento, reduzir ou até mesmo dispensar a multa prevista para estes casos, e os juros de mora devidos observados os parâmetros seguintes: I Dispensa dos valores relativos ao total da multa e dos juros, se o pagamento do crédito tributário for efetuado à vista ou em até 3 (Três) parcelas iguais; II Dispensa de 80 (oitenta por cento) dos valores relativos ao total da multa e dos juros, se o pagamento do crédito tributário for efetuado de forma parcelada em até 05 (cinco) parcelas mensais e sucessivas, com acréscimo de 5 ( cinco por cento) sobre o valor total, a título de encargos de mora. III Dispensa de 50 (cinqüenta por cento) dos valores relativos ao total da multa e dos juros, se o pagamento do crédito tributário for efetuado de forma parcelada em até 10 (dez) parcelas mensais e sucessivas, com acréscimo de 10 (dez por cento) sobre o valor total, a título de encargos de mora. Art. 3º. O valor de cada parcela a que aludem os incisos I, II e III do art. 2º desta Lei, não poderão ser inferiores a R$ 2 (vinte) reais. Art. 4º. O pedido de parcelamento administrativo, no qual o contribuinte reconhecerá e confessará formalmente o débito, mediante Termo de Confissão de Dívida Fiscal, será formulado à Secretaria de Finanças do Município, com a indicação do percentual de dispensa dos valores relativos ao total de multa e juros, e do número de parcelas optadas. Parágrafo único. No pedido de parcelamento, o contribuinte autorizará o Fisco a emitir boletos de cobrança bancária para o pagamento do respectivo débito. Art. 5º. O disposto nesta Lei não se aplica aos créditos tributários lançados de ofício, decorrentes de infrações praticadas com dolo, fraude ou simulação, ou de isenções ou imunidades concedidas ou reconhecidas em processos eivados daqueles vícios, bem como aos de falta de recolhimento de imposto retido pelo contribuinte substituto, na forma da legislação pertinente. Parágrafo Único. Além do previsto no caput deste artigo, o disposto desta Lei não se aplica aos casos em que mediante processo de fiscalização, fique comprovada a apropriação indébita e a contumácia de evasão das obrigações fiscais pelo contribuinte. Art. 8º. Estando o crédito tributário, sendo objeto de discussão judicial, o benefício somente será concedido após homologação da desistência da ação pelo sujeito passivo e o pagamento das despesas judiciais respectivas. 1º. Ficará explicitado no acordo de parcelamento, que o atraso de 03 (três) parcelas ocasionará a perda do benefício, hipótese em que a execução será retomada nos próprios autos, considerandose as parcelas pagas mera amortização da dívida anterior ao ajuste, ficando, portanto sem efeito, o respectivo acordo, voltando a incidir sobre a dívida todos os encargos legais, inclusive multa e juros. 2º. No requerimento de parcelamento, o contribuinte reconhecerá e confessará formalmente o débito, comprometendose ao pagamento das custas e dos honorários advocatícios, arbitrados em 10 (dez por cento) do valor do débito a ser pago, indicando o número de parcelas desejadas, caso o referido débito esteja em Execução Fiscal. Art. 9º. A fruição dos benefícios contemplados por esta Lei não confere direito à restituição ou compensação de importâncias pagas a qualquer título. Parágrafo Único. A concessão dos benefícios previstos nesta Lei dependerá do prévio requerimento do interessado, protocolizado no Departamento de Tributos do Município de Itanhém, como determina os arts. 2º e 8º, respectivamente, no prazo de 120 (cento e vinte) dias, após a data da publicação desta Lei. Art.11. Fica autorizado ao Poder Executivo Municipal baixar os atos regulamentares que se fizerem necessários à implementação desta Lei. Art. 12. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. GABINETE DO PREFEITO MUNICIPAL DE ITANHÉM, 20 DE JULHO DE MILTON FERREIRA GUIMARÃES Prefeito Municipal LEI N.º 58/2011, DE 20 DE JULHO DE DISPÕE SOBRE A EXTINÇÃO, POR REMISSÃO, DE CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS INSIGNIFICANTES, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ITANHÉM, ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições legais, faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei. Considerando que os créditos tributários da Prefeitura Municipal de Itanhém, quando igual ou abaixo de R$ 20 (duzentos reais) não cobrem os custos de cobrança através do processo de execução fiscal; Considerando o disposto no Art. 14, parágrafo 3º da Lei Complementar 101/2003 (Lei de Responsabilidade Fiscal); Considerando, ainda, o disposto no artigo 659 2º do Código de Processo Civil. Art. 6º. Tratandose de créditos tributários já parcelados, o benefício de que trata esta Lei aplicarseá às parcelas vencidas e não pagas, assim como, às vincendas, desde que o contribuinte não tenha usufruído de benefício superior a 30 (trinta por cento) sobre juros e multas. Art. 7º. A falta de recolhimento de 03 (três) parcelas consecutivas do parcelamento autorizado nos incisos I, II e III do art. 2º desta Lei, determinará o imediato protesto das parcelas vencidas, em se tratando de procedimento administrativo. Parágrafo Único. Decorridos 30 (trinta) dias do protesto a que alude o caput deste artigo, e perdurando o inadimplemento, perderá o contribuinte o benefício, considerandose as parcelas pagas mera amortização da dívida tributária, hipótese em que, independente de qualquer notificação do Fisco, se exigirá o imediato recolhimento do saldo remanescente, de uma só vez, acrescido dos valores que haviam sido dispensados, com incidência de atualização monetária, com base no Índice de Preço ao Consumidor Amplo Especial IPCAE. Art. 1º. Ficam extintos, por remissão, independentemente de requerimento do sujeito passivo, os créditos tributários, perante a Prefeitura Municipal de Itanhém, cujos valores atualizados não ultrapasse a R$ 20 (duzentos reais) e constituídos até 31 de dezembro de Parágrafo único Para fins desta Lei, considerase crédito tributário o montante obtido pela soma do imposto devido, da atualização monetária, dos acréscimos moratórios e das multas, previstos na legislação estadual. Art. 2º Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação. Milton Ferreira Guimarães Prefeito Municipal Itanhém, 20 de Julho de 2011.

6 6 DECRETO MUNICIPAL Nº. 052/2011 Convoca a 2ª Conferencia Municipal da Cultura de Itanhém e dá outras previdências. 2º quinzena de julho/2011 Art. 7º. As despesas com a realização da 2ª Conferência Municipal da Cultura de Itanhém ocorrerão por conta dos recursos orçamentários próprios da Secretaria Municipal da Educação e Cultura, bem como as despesas de participação dos delegados municipais nas etapas territorial e estadual da Conferência Estadual da Cultura. Milton Ferreira Guimarães, Prefeito Municipal de Itanhém, no uso de suas atribuições legais e de acordo com a Lei Orgânica do Município, DECRETA: Art. 1º. Fica convocada a 2ª Conferência Municipal da Cultura de Itanhém, a ser realizada nos dias 03 e 04 de agosto de 2011, no Salão Paroquial, localizado na Rua Joaquim Ferreira, s/n, Itanhém Bahia, no horário das 08h às 12h. Parágrafo Único As atividades relacionadas à abertura acontecerão no dia 03 de agosto de 2011, no Ginásio de Esportes, no horário das 18 às 21 horas. Art. 2º. A 2ª Conferência Municipal da Cultura de Itanhém desenvolverá seus trabalhos a partir do tema: "Cultura, Diversidade, Cidadania e Desenvolvimento". Art. 3º. Constituem objetivos da 2ª Conferência Municipal da Cultura de Itanhém: I Discutir a cultura do município nos seus aspectos da memória, de produção simbólica, da gestão, da participação social e da plena cidadania; II Propor estratégias para o fortalecimento da cultura como centro dinâmico do desenvolvimento sustentável; III Promover o debate entre artistas, produtores, conselheiros, gestores, estudiosos e pesquisadores, investidores e demais protagonistas da cultura, valorizando a diversidade das expressões e o pluralismo das opiniões; Art. 8º. Este Decreto entrará em vigor na data de sua publicação. Gabinete do Prefeito Municipal, 01 de julho de Milton Ferreira Guimarães Prefeito Municipal PREFEITURA MUNICIPAL DE ITANHÉM/BA CNPJ / AVISO DE LICITAÇÃO A Prefeitura Municipal de Itanhém, torna público, para conhecimento dos interessados, que realizará no dia 05/08/2011, às 08:00:00h, em sua sede, em sessão pública, o Pregão Presencial de nº 006/2011, que tem como objeto a contratação de empresa especializada em eventos para Organizar e Realizar a festa do 53 Aniversário de Emancipação Política da cidade de Itanhém. Os interessados poderão obter informações e/ou o Edital e seus anexos na sala de Licitação e Compras desta Prefeitura, no endereço na Praça Castro Alves, n 01, Centro, no horário das 8h às 13h00min. Outros esclarecimentos poderão ser obtidos através do telefone (73) Itanhém, 26 de Julho de Valdélio Ferraz de Sousa Pregoeiro. Atos Administrativos IV Propor estratégias para universalizar o acesso dos habitantes de Itanhém à produção e à fruição dos bens e serviços culturais; V Propor estratégias para a consolidação dos sistemas de participação e controle social na gestão das políticas públicas de cultura; VI Aprimorar e propor mecanismos de articulação e cooperação institucional entre os entes federativos e destes com a sociedade civil; VII Fortalecer e facilitar a formação e funcionamento de fóruns e redes de artistas, agentes, gestores, estudiosos e pesquisadores, investidores e ativistas culturais; VIII Propor estratégias para a implantação dos Sistemas Nacional, Estadual e Municipal de Cultura e dos Sistemas de Informações e Indicadores Culturais; IX Coletar subsídios para a elaboração do Plano Municipal de Cultura; X Eleger os delegados municipais para a Conferência Estadual de Cultura a ser realizada em data e local definidos pela Secretaria de Cultura do Estado da Bahia. Parágrafo único a eleição dos delegados aludidos no inciso X deste artigo será realizada em plenária, conforme critérios definidos no Regulamento da 2ª Conferência Municipal de Cultura. Art. 4º. A 2ª Conferência Municipal da Cultura de Itanhém será presidida pelo Prefeito Municipal, que coordenará a Comissão Organizadora da referida Conferência, juntamente com a Secretaria Municipal de Educação, responsável pela organização, planejamento e execução das atividades e demais atribuições elencadas no regulamento desta Conferência. 1º. Na ausência ou impedimento do Prefeito Municipal a substituição será feita pelo Diretor do Departamento de Cultura. 2º. As entidades e órgãos públicos que irão compor a Comissão Organizadora da 2ª Conferência Municipal da Cultura, assim como o grupo de trabalho, serão definidos no Regulamento da Conferência Municipal da Cultura de Itanhém. Art. 5º. Fica a Secretaria Municipal de Educação responsável pelas providências operacionais para a realização da 2ª Conferência Municipal de Cultura de Itanhém e autorizada a : I. Fazer publicar o Regulamento da 2ª Conferência Municipal da Cultura de Itanhém; II. Exercer a coordenação executiva da 2ª Conferencia Municipal da Cultura de Itanhém, e; III. Dirimir dúvida e solucionar os casos omissos de convocação objeto deste Decreto Art. 6º. Este Regulamento disporá sobre a organização e funcionamento da 2ª Conferência Municipal da Cultura de Itanhém, inclusive sobre o processo democrático de escolha dos delegados que irão representar o Município na Conferência Estadual da Cultura a realizarse em data a ser definida pela Secretaria Estadual da Cultura. Parágrafo Único O Regulamento acima referido deverá ser submetido à apreciação da Comissão organizadora, sendo a aprovação realizada em plenária. PREFEITURA MUNICIPAL DE ITANHÉM PRAÇA CASTRO ALVES, 01 Nº CNPJ : / MOVIMENTO DO PERÍODO SALDO ANTERIOR Disponível...: ,16 + Caixa...: Bancos...: ,16 + Valores a Realizar...: Total...: ,16 + RECEITA ORÇAMENTÁRIA Arrecadações...: ,96 Anulações...: Total...: ,96 + RECEITA EXTRAORÇAMENTÁRIA Arrecadações...: Anulações...: TOTAIS...: MOVIMENTO ATÉ O PERÍODO RECEITA ORÇAMENTÁRIA Arrecadações...: Anulações...: RECEITA EXTRAORÇAMENTÁRIA Arrecadações...: Anulações...: ,77 Total...: ,77 + TRANSFERÊNCIAS RECEBIDAS Total...: , ,59 + DESPESA ORÇAMENTÁRIA Pagamentos...: Anulações...: DESPESA EXTRAORÇAMENTÁRIA Pagamentos...: Anulações...: Resumo Financeiro Período de: 01/05/2011 até 31/5/ ,09 Total...: , ,95 Total...: ,95 + SALDO NO FINAL DO PERÍODO Disponível...: ,85 + Caixa...: Bancos...: ,85 + Valores a Realizar...: Total...: , ,89 + TOTAIS...: ,89 + DESPESA ORÇAMENTÁRIA Pagamentos...: ,71 + Anulações...: Total...: ,83 + Total...: ,71 + DESPESA EXTRAORÇAMENTÁRIA Pagamentos...: Anulações...: ,81 + Total...: ,59 + Total...: ,81 + TRANSFERÊNCIAS RECEBIDAS Total...: SALDO DO EXERCÍCIO ANTERIOR SALDO NO FINAL DO PERÍODO Disponivel/A Realizar...: ,95 + Disponivel/A Realizar...: ,85 + TOTAIS...: ,37 + TOTAIS...: ,37 + Suplementares...: Especiais...: Créditos e Alterações Orçamentárias No Período Até o Período ,89 Extraordinários...: Total dos Créditos...: ,89 Alterações de Q.D.D....: Impressão em 26/7/ :26:39 Demonstrativo das Contas do Razão DCR TRANSFERÊNCIAS REALIZADAS Total...: TRANSFERÊNCIAS REALIZADAS Total...: Página 1 de 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE ITANHÉM Exercício: 2011 PRAÇA CASTRO ALVES, 01 Período de: 1/5/2011 até 31/5/ / Movimento a Débito Movimento a Crédito Codigo da Conta Descrição Saldo Inicial No Período Até o Período No Período Até o Período Saldo Atual Ativo ,95 D , , , , ,67 D Ativo Financeiro ,95 D , , , , ,09 D Disponibilidades ,95 D , , , , ,85 D Legislativo , , , , ,98 D Bancos , , , , ,98 D Banco do Brasil S/A , , , , ,98 D BB C/C 14,4835 Câmara Municipal , , , , ,98 D Executivo ,95 D , , , , ,87 D Caixa 352, ,56 352, , CAIXA Executivo 352, ,56 352, , Bancos ,74 D , , , , ,52 D Bancos c/ Movimento Geral ,06 D , , , , ,39 D Banco do Brasil S/A ,19 D , , , , ,96 D BB c/ FPM 6.928,45 D , , , , ,40 D BB c/ PMI DAM 544,20 D , , , , ,92 D BB c/ DESON.EXP.ICMS , , , , BB c/ PMIConta Única 1.643,44 D 853, ,60 868, ,55 896,49 D BB c/ FMS Recursos Próprios 1.299,61 D , , , , ,72 D BB C/C PMI BBPAG 3.183,89 D 3.183,89 D BB C/C PMI SNA 258,26 D 363, ,36 481, ,52 154,10 D BB c/c ICMS Estadual 958,71 D , , , , ,11 D BB c/c IPI 397,89 D 3.303, , , ,83 460,57 D BB c/c FIES 1,32 D , , , ,11 6,38 D BB C/C FCBA ,02 D ,02 D BB c/c FMASPVMC ,30 D , , , , ,18 D BB c/c FMAS PTMC Defi 7.296,48 D , ,86 D BB C/C PMI MDE 3.163,21 D , ,06 627,15 D BB C/C PMI IPVA 242,23 D ,22 104, , , ,37 D BB C/C PMI INSULINA 6.105,18 D 3.525, , , , ,80 D Bradesco S/A RECURSOS LIVRES 430,87 D 9.963,26 211, ,70 54,43 D Bradesco c/ PMI ICMS 430,87 D 9.963,26 211, ,70 54,43 D Bancos c/vinculadas ,74 D , , , , ,83 D Banco do Brasil S/A ,74 D , , , , ,83 D BB c/ FNS Dengue 127,53 D 127,53 D BB c/65463 PMI PAC 212,44 D 212, BB c/ PMI PAB 2.75 D 2.75 Impressão em.: 26/7/ :32:26 Página 1 de 9

7 2º quinzena de julho/ PREFEITURA MUNICIPAL DE ITANHÉM Exercício: 2011 PRAÇA CASTRO ALVES, 01 Período de: 1/5/2011 até 31/5/ / Demonstrativo das Contas do Razão DCR PREFEITURA MUNICIPAL DE ITANHÉM Exercício: 2011 PRAÇA CASTRO ALVES, 01 Período de: 1/5/2011 até 31/5/ / Demonstrativo das Contas do Razão DCR Movimento a Débito Movimento a Crédito Movimento a Débito Movimento a Crédito Codigo da Conta Descrição Saldo Inicial No Período Até o Período No Período Até o Período Saldo Atual Codigo da Conta Descrição Saldo Inicial No Período Até o Período No Período Até o Período Saldo Atual BB c/68128 PMI ECD FNS 66,07 D 66,07 D BB c/ PMI ITR/INCRA 646,00 D 385, ,79 137, ,87 472,92 D BB c/ PMI Dir. Criança 57,65 D 57,65 D BB c/ PMI Farmácia Básica 5.896,87 D , , , , ,11 D BB c/ PMI DENP/CFEM 118,51 D 118, BB c/ 6548x PMI PPD 63,70 D 63, BB c/ 5657X PDDE 4.089,27 D 12, ,00 0,27 D BB c/ PSF 559,09 D , , ,08 D BB c/ PMI EBAL ,88 D , , ,98 D BB c/ FNDE SALÁRIO EDUCAÇÃO 5.485,86 D , , , , ,42 D BB c/ PNAT 5.141,54 D , , , ,53 309,45 D BB c/ PEJA 34,13 D 34,13 D BB c/ CFM Prod. Mineral 9,69 D 9, BB c/ CIDE 1,97 D , ,01 138,75 D BB c/ FEX 1,89 D 1,89 D BB c/ DESCENTR. FUNDEF 34,88 D 34,88 D BB c/ PMI FMAS 47,32 D 47,32 D BB c/ 11815X FMD Criança 8.623,78 D , , , , ,55 D BB c/ 11216X BINF 297,82 D 297, BB C/C PMI FMAS/PTMC 1.418, , , , BB C/C 12155X PMIFMAS/PBT 174,18 D 174,18 D BB C/C12/2173 Proteção a Infância 12,21 D 12, BB C/C PMI FMASIGDBF ,67 D , , , , ,25 D BB C/C PM ItanhémFMASPBFI 126,73 D , ,86 140,87 D BB C/C PMI VIG MS 19,75 D 19, PITANHEMFMASBPETI C/C ,86 D 65, BB C/C PMITANHEM FMAS P JOV 6.877,45 D 8.793, , , , ,95 D BB C/C PM ITANHÉM APAE 5.675,60 D 5.675,60 D BB C/C CREAS ,97 D , , , , ,43 D BB C/C PMI CAPS ,26 D , , , , ,63 D BB C/C14652PNAE 401,02 D , , , , BB C/C PNAE QUILOMBOLA 2.070,60 D ,35 720,25 D BB C/C PBT 1.233,04 D ,00 309, ,04 D BB PMI C/C PVMC ,39 D , , , , PITANHEMFAMS BPC 146,91 D 146,91 D BB C/C SEC PETE BA 108,46 D 108,46 D Impressão em.: 26/7/ :32:26 Página 2 de BB Meio Ambiente Aplicação , , , , BB C/Aplicação Farmácia Básica , , , , BB C/ Aplicação FNS BLVGS , , BB C/ Aplicação , , , ,58 365,47 D BB C/ Aplicação BLMAC , , , , CEF APLICAÇÃO FINANCEIRA ,58 D 192,92 960, ,38 D CEF POUPANÇA ,87 D 192,92 960, ,67 D CEF Conta Aplicação PM ITANHÉM 3.848,71 D 3.848,71 D Bancos c/ Fundos Especiais ,59 D , , , , ,45 D Banco do Brasil ,59 D , , , , ,45 D BB c/ Fundo Especial 0,67 D , , , ,19 748,77 D BB C/C FUNDEB ,92 D , , , , ,68 D Bancos c/ Bloqueada ,46 D ,46 D BB Rec. Bloqueada TRT ,46 D ,46 D BANCOS 4.621,21 D 0,81 4, ,35 D Bancos 4.621,21 D 0,81 4, ,35 D CEF C/C 439 CEF CONVENIO 0,67 D 0,67 D CEF C/C CEFCONVÊNIO DA UNIÃO 4.479,69 D 4.479,69 D Bradesco S/A 140,85 D 0,81 4,14 144,99 D Bradesco Aplicação ,85 D 0,81 4,14 144,99 D Realizável , , , , ,53 D Valores Antecipados a Receber , , , , ,53 D Legislativo 108,96 435,84 108,96 544,80 108,96 C Salário Família Legislativo 108,96 435,84 108,96 544,80 108,96 C Executivo , , , , ,49 D Movimento Geral , , , , ,49 D Salário Família Antecipado Executivo 5.569, , , , ,01 D Salário Família FUNDEB , , , , ,40 D Salário Família FUNDEB , , , , ,51 D Salário Família FMS 950, ,58 720, ,86 950,72 D Salário Família Saúde Vinculados 2.441, ,21 957, , ,85 D Contas de Resultado Financeiro , , ,71 D Despesa Orçamentária Paga , , ,71 D Despesa Corrente Paga , , ,80 D Despesa de Capital Paga , , ,91 D Ativo Permanente , , ,58 D Impressão em.: 26/7/ :32:26 Página 4 de 9 PREFEITURA MUNICIPAL DE ITANHÉM Exercício: 2011 PRAÇA CASTRO ALVES, 01 Período de: 1/5/2011 até 31/5/ / Demonstrativo das Contas do Razão DCR Movimento a Débito Movimento a Crédito Codigo da Conta Descrição Saldo Inicial No Período Até o Período No Período Até o Período Saldo Atual BB C/C CONV. PSF SANTA RITA 163,17 D 163,17 D BB C/C Piso Básico Variável II 8.705,24 D 2.871, , , , ,24 D BB C/C FMAS BE 2.522,95 D ,95 D BB C/C Conv. Pavimentação 396,29 D 396,29 D BB C/C FNDE/ÔNIBUS ESCOLAR , ,14 D BB C/C Meio Ambiente ,36 D , , , , ,79 D BB C/C PMI/DEF CIVIL , , , , ,49 D BB C/C FNS BLMAC 85,94 D , , , , ,81 D BB C/C FNS BLATB 384,72 D , , , , ,45 D BB C/C C MUN SAÚDE 1.00 D 1,45 998,55 D BB c/c Piso Fixo de Vigilânica 625,08 D , , ,66 263,32 D BB C/C Fundo Nac. do Meio Ambiente , , , , ,06 D BB C/C FNS BLGES D CEF CONTA VINCULADA D CEF C/C PM ITANHÉM D CEF PMI SEAGRI D Bancos c/ Aplicação ,89 D , , , , ,39 D Banco do Brasil ,31 D , , , , ,01 D Conta Aplicação FUNDEB , , , , APLICAÇÃO FPM , , APLICAÇÃO , , APLICAÇÃO , , APLICAÇÃO , , , , APLICAÇÃO , , , , BB FMAS PVMC C. /APLICAÇÃO , , , , BB PMI IGDF Aplicação , , , , BB PMI PFMC CRIA Aplicação , , , , BB PMI PVMC Aplicação , , , , ,54 D BB PMI FMAS Aplicação , , , , PMI FMD CA 11815X Aplicação 8.023, , APLICAÇÃO C/ FNDE/ÔNNIBUS ESCOLAR ,32 D 811, , APLICAÇÃO DEF CIVIL ,99 D , , , , BB / C Aplicação PMIFNS PROJOVEM , , BB C/ Aplicação PMI FNS BLATB , , , , BB Aplicação PMI Meio Ambiente , , , , BB PMI CIDE Aplicação 6.008, ,80 Impressão em.: 26/7/ :32:26 Página 3 de 9 PREFEITURA MUNICIPAL DE ITANHÉM Exercício: 2011 PRAÇA CASTRO ALVES, 01 Período de: 1/5/2011 até 31/5/ / Demonstrativo das Contas do Razão DCR Movimento a Débito Movimento a Crédito Codigo da Conta Descrição Saldo Inicial No Período Até o Período No Período Até o Período Saldo Atual Dívida Fundada Interna , , ,51 D Debitos Previdenciarios , , ,51 D Parcelamento Div. INSS , , ,75 D Parcelamento de dívidas com o PASEP 664, , ,76 D Variações Patrimoniais , , ,09 C Variações Ativas , , ,09 C Resultante do Orçamento , , ,09 C Mutações Patrimoniais , , ,09 C Aquisição de Bens e Valores , , ,07 C Aquisição de Bens Móveis , , ,07 C Entradas de Almoxarifado 1.834, , ,00 C Construções , ,51 C Custo de Obras em Andamento , ,51 C Amortização de Dívidas Passivas , , ,51 C Amortização da Dívida Contratada Interna , , ,51 C SISTEMA ORÇAMENTÁRIO , , , , Execução Orçamentária , , , , Receita Orçamentária , , , , Receita Prevista , , , , ,83 C Receitas Correntes Prevista , , ,91 C Receita de Capital Prevista , , ,43 C Transferências para o FUNDEF Previstas , , ,51 D Receita Arrecadada , , , , ,83 D Receita Correntes Arrecadada , , ,91 D Receitas de Capital Arrecadada , , ,43 D Transferência para o FUNDEF Arrecadada , , ,51 C Despesa Orçamentaria , , , , Orçamento da Despesa , , Despesa Orçada , ,89 C Legislativo Despesa Orçada C Executivo Despesa Orçada , ,89 C Creditos Adicionais Abertos , ,89 D Legislativo Creditos Adicionais D Legislativo Crédtios Suplementares D Leg Suplementar por Anulação D Executivo Créditos Adicionais , ,89 D Impressão em.: 26/7/ :32:26 Página 8 de 9 PREFEITURA MUNICIPAL DE ITANHÉM Exercício: 2011 PRAÇA CASTRO ALVES, 01 Período de: 1/5/2011 até 31/5/ / Demonstrativo das Contas do Razão DCR Movimento a Débito Movimento a Crédito Codigo da Conta Descrição Saldo Inicial No Período Até o Período No Período Até o Período Saldo Atual Bens , , ,58 D Bens Móveis , , ,07 D Móveis e Utensílios , , ,00 D Máquinas e Equipamentos , , ,07 D Bens de Informática 654, , ,00 D Bens Imóveis , ,51 D Obras em Andamento , ,51 D Valores Diversos 1.834, , ,00 D Almoxarifado 1.834, , ,00 D Bens de Consumo 1.834, , ,00 D Passivo ,88 C , , , , ,51 C Passivo Financeiro ,88 C , , , , ,02 C Dívida Flutuante ,88 C , , , , ,19 C Restos a Pagar ,98 C , , ,86 C Restos a Pagar Executivo ,98 C , , ,86 C Processados ,14 C , , ,15 C RP 2007 Processados ,82 C ,82 C RP 2007 Sec. Adiministração e Finanças Pr ,96 C ,96 C RP 2007 Fundo Municipal de saúde Processa 2.805,42 C 2.805,42 C RP 2007 Sec. de Educação Processados 30,44 C 30,44 C RP 2009 Processados ,27 C ,27 C RP 2009 Processados Secretaria de Assiste ,43 C ,43 C RP 2009 Processados Secretaria de Educaçã 9.314,14 C 9.314,14 C RP 2009 Processados Secretaria de Agropec 383,70 C 383,70 C RP2010 Processados ,05 C , , ,06 C RP2010 GAB PREFEITO Processados ,30 C , ,01 C RP2010 GAB SEC ADM FINANÇAS Processados ,21 C 9.801, , ,80 D RP2010 FMAS Processados ,00 C , , ,49 C RP2010 FMS Processados ,34 C , ,50 C RP2010 UNIDADE DE EDUCAÇÃO Processados ,95 C , , ,66 C RP2010 FUNDEB Processados ,25 C 7.050, ,71 C RP2010 UNIDADE DE CULTURA Processados ,43 C , ,43 C RP2010 GAB SEC AGROPECUÁRIA Processados ,18 C , ,07 D RP2010 GAB INFRAESTURURA Processados ,04 C , ,41 D RP2010 UNIDADE DE OBRAS Processados ,31 C , ,94 D RP2010 UNIDADE DE SERVIÇOS URBANOS Proces ,04 C , ,48 C Impressão em.: 26/7/ :32:26 Página 5 de 9 PREFEITURA MUNICIPAL DE ITANHÉM Exercício: 2011 PRAÇA CASTRO ALVES, 01 Período de: 1/5/2011 até 31/5/ / Demonstrativo das Contas do Razão DCR Movimento a Débito Movimento a Crédito Codigo da Conta Descrição Saldo Inicial No Período Até o Período No Período Até o Período Saldo Atual Executivo Créditos Suplementares , ,89 D Executivo C. Suplementares por Anulação , ,89 D Créditos Autorizado Disponiveis , , , , ,26 D Creditos Orcamentários e Adicionais , , , , ,26 D Legislativo Crédito Disponível , , , ,77 D Executivo Crédito Disponível , , , , ,49 D Despesa Empenhada , , , , ,26 C Despesa Empenhada a Pagar Não Liquidadas , , , , ,02 C Despesa Correntes Não Liquidadas , , , , ,37 C Legislativo Desp. Correntes NL , , , , ,81 C Executivo Desp. Corrente NL , , , , ,56 C Despesa de Capital Não Liquidadas , , , , ,65 C Legislativo Desp. Cpital NL , , Executivo Desp. Capital NL , , , , ,65 C Despesa Empenhada a Pagar Liquidadas , , , , ,53 C Despesas Correntes Liquidadas , , , , ,53 C Legislativo Desp. Corrente Lliquidada , , , , Executivo Desp. Corrente Liquidada , , , , ,53 C Despesa de Capital Paga , , , , ,00 C Legislativo Desp. Capital Liquidada , , Executivo Desp. Capital Liquidada , , , , ,00 C Despesa Empenhada Paga , , ,71 C CERTIFICAÇÃO DIGITAL: OJQRRREOP7RRGRNBOJFGPA Esta edição encontrase no site: em servidor certificado ICPBRASIL Despesa Paga Corrente , , ,80 C Legislativo Corrente Paga , , ,14 C Executivo Corrente Paga , , ,66 C Despesa de Capital , , ,91 C Legilativo Capital Paga , ,82 C Executivo Capital Paga , , ,09 C , , , ,43 Impressão em.: 26/7/ :32:26 Página 9 de 9

8 8 2º quinzena de julho/2011 LEI Nº 059/2011 LEI NRO. 056/2011 AUTORIZA AO CHEFE DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL A ASSINAR TERMOS DE CONVÊNIOS E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS. Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2012 e dá outras providências. O prefeito municipal de Itanhém, estado da Bahia, usando das atribuições previstas no art. 62, I, da Lei orgânica do municipal, faz saber a todos que a Câmara Municipal de Itanhém aprovou e eu sanciono a seguinte Lei. Art. 1º. Fica o Chefe do Poder Executivo municipal autorizado em nome do município de Itanhém, no estado da Bahia, a assinar com o estado da Bahia e/ou com a União, termos de convênios objetivando a realização de ações de investimentos neste Município. Art. 2º. Os termos dos convênios citados no artigo anterior, abrange todos os órgãos da administração direta, indireta, autarquias e outros, vinculados ao Governo Federal e Estadual. Art. 3º. Fica o chefe do executivo municipal no compromisso de apresentar a Câmara de Vereadores de Itanhém, no Estado da Bahia o resultado dos Convênios após as suas assinaturas. Art. 4. Está Lei entrará em vigor na Data de Sua Publicação ficando revogadas as disposições em contrario. Gabinete do Prefeito em 26 de Julho de 2011 Milton Ferreira Guimarães Prefeito Municipal de ItanhémBa PREFEITO MUNICIPAL DE ITANHÉM, ESTADO DA BAHIA, faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sancionou a seguinte Lei: DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º São estabelecidas, em cumprimento ao disposto no art. 165, 2º da Constituição Federal e em consonância com a Lei Complementar nº 101, de 04 de maio de 2000 Lei de Responsabilidade Fiscal, LRF, as diretrizes orçamentárias do Município de Itanhém, para 2012, compreendendo: I as prioridades e metas da Administração Municipal; II a estrutura e organização dos orçamentos fiscal e da seguridade social; III as diretrizes para a elaboração e execução dos orçamentos do Município e suas alterações; IV as disposições relativas às despesas do Município com pessoal e encargos sociais; V as disposições sobre alterações na legislação tributária do Município e medidas para incremento da receita e VI as disposições gerais. CAPÍTULO I LEI Nº.060/2011 DE 26 JULHO DE RATIFICA CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO ENTRE ENTES FEDERADOS CELEBRADO ENTRE O MUNICÍPIO DE ITANHÉM E O ESTADO DA BAHIA, AUTORIZANDO A GESTÃO ASSOCIADA DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO. O PREFEITO MUNICIPAL DE ITANHÉM, ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal aprova e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º. Fica ratificado o Convênio de Cooperação entre Entes Federados celebrado entre o Município de Itanhém e o Estado da Bahia, Anexo Único desta Lei, especialmente para: I autorizar a gestão associada de serviços públicos de abastecimento de água e esgotamento sanitário; II no âmbito da gestão associada, delegar o exercício das competências de regulação e fiscalização dos serviços públicos de abastecimento de água e de esgotamento sanitário à Comissão de Regulação dos Serviços Públicos de Saneamento Básico do Estado da Bahia Coresab, órgão autônomo vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia, e II constituir Comissão Paritária, formada por quatro membros, para que sejam negociados os termos de contrato de programa a ser celebrado entre o Município de Itanhém e a Empresa Baiana de Águas e Saneamento S/A. Art. 2º. Esta lei entra em vigor na data de sua publicação. Art.3º. Revogamse as disposições em contrário. Itanhém, 27 de Julho de 2011 Milton Ferreira Guimarães Prefeito Municipal DAS PRIORIDADES E METAS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MUNICIPAL Art. 2º Em conformidade com o art. 165, 2º, da Constituição e o art. 4º da Lei Complementar 101/00, integra a presente Lei os seguintes Anexos: I das ações e prioridades para o exercício financeiro de 2012 são as especificadas no Anexo I, as quais terão precedência na alocação de recursos na lei orçamentária de 2012, não se constituindo, todavia, em limite à programação das despesas; II dos Riscos Fiscais, de acordo com a Portaria 249, de 30 de abril de 2010 da Secretaria do Tesouro Nacional STN, compreendendo: a) Anexo de Riscos Fiscais. III das Metas Fiscais, de acordo com a Portaria 249, de 30 de abril de 2010 da Secretaria do Tesouro Nacional STN, compreendendo: a) Demonstrativo I das Metas Anuais; b) Demonstrativo II da Avaliação do Cumprimento das Metas Fiscais do Exercício Anterior; c) Demonstrativo III das Metas Fiscais Atuais Comparadas com as Fixadas nos Três Exercícios Anteriores; d) Demonstrativo IV da Evolução do Patrimônio Líquido; e) Demonstrativo V Origem e Aplicação dos Recursos Obtidos com Alienação de Ativos; f) Demonstrativo VI Avaliação da Situação Financeira e Atuarial do Regime Próprio de Previdência dos Servidores Públicos; g) Demonstrativo VII Estimativa e Compensação da Renúncia de Receita; h) Demonstrativo VIII Margem de Expansão das Despesas Obrigatórias de caráter continuado; i) Memória e Metodologia de Cálculo das Metas Anuais de Receitas, Despesas, Resultado Primário, Resultado Nominal e Montante da Dívida Pública.

9 2º quinzena de julho/ CAPÍTULO II DA ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DOS ORÇAMENTOS Art. 3º Para efeito desta Lei, entendese por: I Função deve entenderse o maior nível de agregação das diversas áreas de despesa que competem ao setor público. II Função Encargos Especiais engloba as despesas em relação às quais não se possa associar um bem ou serviço a ser gerado no processo produtivo corrente, tais como: dívidas, ressarcimentos, indenizações e outras afins, representando, portanto, uma agregação neutra. III Subfunção representa uma partição da função, visando a agregar determinado subconjunto de despesa do setor público. IV Programa, o instrumento de organização da ação governamental visando à concretização dos objetivos pretendidos, sendo mensurado por indicadores estabelecidos no plano plurianual; V Atividade, um instrumento de programação para alcançar o objetivo de um programa, envolvendo um conjunto de operações que se realizam de modo contínuo e permanente, das quais resulta um produto necessário à manutenção da ação de governo; VI Projeto, um instrumento de programação para alcançar o objetivo de um programa, envolvendo um conjunto de operações, limitadas no tempo, das quais resulta um produto que concorre para a expansão ou aperfeiçoamento da ação de governo; VII Operação Especial, as despesas que não contribuem para a manutenção das ações de governo, das quais não resulta um produto, e não geram contraprestação direta sob a forma de bens ou serviços; VIII Receita Corrente Líquida somatório das receitas tributárias, de contribuições, patrimoniais, industriais, agropecuárias, de serviços, de transferências correntes e outras receitas correntes, deduzidos a contribuição dos servidores para o custeio do seu sistema de previdência e assistência social e as receitas provenientes da compensação financeira citada no 9º do art. 21 da Constituição Federal; e IX Despesa Total com Pessoal o somatório dos gastos de cada Poder com os ativos, os inativos e os pensionistas, relativos a mandatos eletivos, cargos, funções ou empregos, civis e de membros de Poder, com quaisquer espécies remuneratórias, tais como vencimentos e vantagens, fixas e variáveis, subsídios, proventos da aposentadoria, reformas e pensões, inclusive adicionais, gratificações, horas extras e vantagens pessoais de qualquer natureza, bem como encargos sociais e contribuições recolhidas às entidades de previdência. X Categoria de Programação Para fins de planejamento e orçamento, considerase categoria de programação a denominação genérica que engloba função, subfunção, programa e operação especial, e o termo ação, a que engloba as três últimas categorias. XI Categoria de despesa Para fins de planejamento e orçamento, considerase categoria de despesa a denominação genérica que engloba categoria econômica da despesa, grupo e modalidade de aplicação. XI Transposição o deslocamento parcial ou total de dotação de uma categoria de programação para outra do mesmo órgão; 4º As categorias de programação de que trata esta Lei serão identificadas no projeto de lei orçamentária por programas, atividades, projetos ou operações especiais, e respectivas finalidades com indicação de suas metas, quando for o caso. 5º Serão computados no cálculo da receita corrente líquida os valores pagos e recebidos pelo Município em decorrência da Lei Complementar nº 87, de 13 de setembro de 1996, e do fundo previsto pelo art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias ADCT. 6º A receita corrente líquida será apurada somandose as receitas arrecadadas no mês em referência e nos onze anteriores, excluídas as duplicidades, adotandose o regime de caixa. 7º Os valores dos contratos de terceirização de mãodeobra que se referem à substituição de servidores e empregados públicos serão contabilizados como Outras Despesas de Pessoal Decorrentes de Contrato de Terceirização. 8º. A despesa total com pessoal será apurada somandose a realizada no mês em referência com as dos onze imediatamente anteriores, adotandose o regime de competência. Art. 4º A receita municipal será constituída: I dos tributos de sua competência; II das transferências constitucionais; III das atividades econômicas que por conveniência o Município venha executar; IV dos convênios firmados com órgãos e entidades da Administração Pública e Federal, Estadual ou de outros Municípios ou com Entidades e Instituições Privadas Nacionais e Internacionais; V das oriundas de serviços executados pelo Município; VI das cobranças de dívida ativa; VII das oriundas de empréstimos, e financiamentos devidamente autorizados pelo Poder Legislativo; VIII outras rendas. 1º A discriminação da receita será de acordo com o estabelecido na Portaria 163 de 04 de maio de 2001 da SOF/SEPLAN e alterações posteriores. 2º As receitas oriundas de fontes vinculadas não poderão ter destinação diversa das referidas finalidades. Art. 5º Os orçamentos fiscal e da seguridade social discriminarão a despesa por unidade orçamentária, detalhada por categoria de programação em seu menor nível com suas respectivas dotações, especificando a classificação institucional e funcional, a saber: 01. Poder 02. Órgão 03. Unidade Orçamentária 04. Função 05. Subfunção 06. Programa 07. Projeto, Atividade ou Operação Especial 08. Fonte de Financiamento da Despesa 09. Detalhamento da Despesa XII Remanejamento o deslocamento parcial ou total de dotação de uma mesma categoria de despesa e mesma categoria de programação para mesmo órgão. XIII Transferências o deslocamento parcial ou total de uma categoria de programação para outra, para outro órgão; 1º Cada programa identificará as ações necessárias para atingir os seus objetivos, sendo estas indicadas nas atividades, projetos e operações especiais, especificando as respectivas metas, bem como as unidades orçamentárias responsáveis pela realização da ação. 2º As atividades, projetos e operações especiais serão detalhadas para especificar a finalidade, a localização física integral ou parcial das respectivas atividades, projetos e operações especiais, não podendo haver, por conseguinte, alteração da finalidade das respectivas atividades, projetos e operações especiais e da denominação das metas estabelecidas. 3º Cada atividade, projeto e operação especial identificará a função e a subfunção às quais se vinculam. 1º A estrutura de custos dos projetos e atividades, segundo a categoria econômica, os grupos de despesa, a modalidade de aplicação e a fonte de recursos será estabelecido mediante Decreto do Executivo, nos Quadros de Detalhamento da Despesa QDD, de cada Unidade Orçamentária, que compõem o Orçamento Analítico, em consonância com os respectivos programas de trabalho aprovados na Lei Orçamentária Anual. 2º A categoria de programação a que se refere este artigo correspondem a agrupamentos de funções e subfunções, mediante a utilização dos códigos constantes do Anexo da Portaria nº 42, de 14 de abril de 1999, do Ministro do Orçamento e Gestão. 3º A categoria econômica e o grupo de despesa a que se refere este artigo correspondem a agrupamentos de elementos de despesa, mediante a utilização dos códigos constantes do Anexo das Portarias vigentes da Secretaria do Tesouro Nacional STN Secretário de Orçamento e Finanças da Secretaria de Planejamento e Coordenação.

10 10 2º quinzena de julho/2011 4º Em conformidade com o art. 6 da Portaria 163 de 04 de maio de 2001, da SOF/SEPLAN, na lei orçamentária, a discriminação da despesa, quanto à sua natureza, farseá, no mínimo, por categoria econômica, grupo de natureza de despesa e modalidade de aplicação. 4º As fontes de recursos que correspondem às receitas previstas constarão na lei orçamentária com código próprio que as identifiquem conforme a origem da receita. 5º No Projeto de Lei Orçamentária, será atribuído a cada Projeto, Atividade e Operação Especial um código numérico estabelecido pelo setor responsável pelo Planejamento, órgão responsável pela elaboração da referida Lei. 6º O Quadro de Detalhamento de Despesa (QDD) é um instrumento que detalha, operacionalmente, os projetos e atividades constantes da Lei Orçamentária anual, especificando a Categoria Econômica, o Grupo da Despesa e o Elemento de Despesa constituindose em instrumento de execução orçamentária e gerência; 7º A alteração do Detalhamento de Despesa é a inclusão ou reforço de dotações de elementos, dentro do mesmo projeto, atividade, categoria econômica e grupo de despesa. Art. 6º As metas físicas serão indicadas em nível de subtítulo e agregadas segundo os respectivos projetos e atividades e constarão do demonstrativo a que se refere o art. 8º, 2º, inciso VI, desta Lei. Art. 7º Os orçamentos fiscal e da seguridade social compreenderão a programação dos Poderes Executivo e Legislativo, seus fundos e órgãos, inclusive especiais, e fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público Municipal. Art. 8º O projeto de lei orçamentária que o Poder Executivo encaminhará ao Poder Legislativo até o dia 30 de setembro de 2011, será constituído de: I Mensagem; II texto da lei; III quadros orçamentários consolidados; IV anexo dos orçamentos fiscal e da seguridade social, discriminando a receita e a despesa na forma definida nesta Lei; V anexo do orçamento de investimento a que se refere o art. 165, 5º, inciso II, da Constituição, na forma definida nesta Lei; e VI informações complementares 1º Os quadros e anexos orçamentários a que se referem os incisos III e IV do caput deste artigo, incluindo os complementos referenciados no art. 2º, da Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964, são os seguintes : I sumário geral da receita por fontes e da despesa por funções do Governo; II quadro demonstrativo da receita e despesa segundo as categorias econômicas, na forma do Anexo nº 1 Lei 4.320/64; III quadro discriminativo da receita por fontes e respectiva legislação Anexo 2 da lei 4.320/64; IV quadro das dotações por órgãos do Governo Municipal e da Administração, indicando despesas dos orçamentos fiscal e da seguridade social segundo os programas de governo, com os seus objetivos, detalhado por atividades, projetos e operações especiais, categoria econômica da despesa e fonte de financiamento, com a identificação das unidades orçamentárias executoras Quadro do Detalhamento da Despesa; V quadros demonstrativos da receita e planos de aplicação dos fundos especiais; VI quadros demonstrativos da despesa, na forma dos Anexos nºs 6, 7, 8 e 9 da Lei 4.320/64; 2º As informações complementares a que se refere o inciso VI do caput deste artigo, incluindo os complementos referenciados no art. 22, da Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964, art. 159 da Constituição Estadual, art. 165 da Constituição Federal e art. 5º da Lei Complementar 101 de 04 de maio de2.000, são os seguintes : I tabelas explicativas, das quais, além das estimativas de receita e despesa, constarão, em colunas distintas e para fins de comparação: a) a receita arrecadada nos três últimos exercícios anteriores àquele em que se elaborou a proposta; b) a receita prevista para o exercício em que se elabora a proposta; c) a receita prevista para o exercício a que se refere a proposta; d) a despesa realizada nos três últimos exercícios anteriores; e) a despesa fixada para o exercício em que se elabora a proposta; f) a despesa fixada para o exercício a que se refere a proposta; II especificação dos programas especiais de trabalho custeados por dotações globais, em termos de metas visadas, decompostas em estimativa do custo das obras a realizar e dos serviços a prestar, acompanhadas de justificação econômica, financeira, social e administrativa. III programação referente à manutenção e ao desenvolvimento do ensino, nos termos do art. 212 da Constituição, em nível de órgão, detalhando fontes e valores por categoria de programação; IV utilização das fontes de recursos por órgãos; V Cópia da legislação básica da estrutura organizacional e regimento interno do Município, onde conste a descrição das principais finalidades dos órgãos e entidades da Administração Pública Municipal. VI descrição sucinta das finalidades dos Projetos, Atividades e Operações Especiais, com a identificação das metas, se for o caso. VII demonstrativo da compatibilidade das metas programáticas, definidas na Proposta Orçamentária, com as constantes no Plano Plurianual, em obediência ao inciso I, art. 5º da LRF. VIII do quadro de pessoal, por órgão de cada Poder, em conformidade ao 6º, art 159, da Constituição Estadual; IX da previsão de gastos com promoção e divulgação das ações do Município, por órgão de cada Poder, em conformidade ao 6º, art 159, da Constituição Estadual; 3º A mensagem que encaminhar o projeto de lei orçamentária, dentre outras importâncias, em conformidade com a Lei Complementar 101, de 04 de maio de 2000, conterá justificativa da estimativa e da fixação, respectivamente, dos principais agregados da receita e da despesa, acompanhadas das seguintes informações: a) Os gastos, o programado para 2012, bem como a memória de por unidade orçamentária e fonte de recursos, nos três últimos anos, sua execução provável em 2009 e cálculo da estimativa das despesas; b) a arrecadação da receita nos três últimos anos, a execução provável para 2011 e a estimada para 2012, bem como a memória de cálculo dos principais itens estimados para 2012; c) a despesa de pessoal e encargos sociais, por Poder e total, executadas nos últimos três anos, a execução provável em 2011 e o programado para 2012, com a indicação da representatividade percentual do total e por Poder em relação à receita corrente e à receita corrente líquida, esta última tal como definida no art. 3º, IX nesta Lei, bem como a memória de cálculo do programado para 2012;

11 2º quinzena de julho/ d) memória de cálculo do montante de recursos para aplicação e desenvolvimento do ensino, a que se refere o art. 212 da CF e do montante de recursos para aplicação no FUNDEB, previsto no art. 60 do ADCT e e) a correspondência entre os valores das estimativas de cada item de receita e os valores das estimativas de cada fonte de financiamento da despesa consignado no quadro demonstrativo a que se refere o inciso IV, 2º deste artigo. 4º Os valores constantes dos demonstrativos previstos no parágrafo anterior serão elaborados a preços históricos, atualizados a preços de 30 de junho de 2011 de acordo com o comportamento da evolução da receita. Art. 9º A lei orçamentária discriminará em categorias de programação específicas as dotações destinadas: I às ações descentralizadas de saúde e assistência social ; II ao pagamento de benefícios da previdência social, para cada categoria de benefício; III aos benefícios mensais às pessoas portadoras de deficiência e aos idosos, em cumprimento ao disposto no art. 203, inciso V, da Constituição; IV ao atendimento de ações de alimentação escolar; V às despesas com auxílioalimentação/refeição, assistência préescolar e assistência médica e odontológica no âmbito dos Poderes Legislativo e Executivo do Município, inclusive das entidades da administração indireta que recebam recursos à conta dos orçamentos fiscal e da seguridade social; VI à concessão de subvenções econômicas e subsídios; VII ao atendimento das operações realizadas no âmbito da renegociação da dívida do Município; VIII ao pagamento de precatórios judiciários, que constarão da unidade orçamentária responsável pelas ações jurídicas do Município. Parágrafo Único A inclusão de recursos na lei orçamentária e em seus créditos adicionais para atender às despesas de que trata o inciso V deste artigo fica condicionada à informação do número dos beneficiados. Art. 10 Para efeito do disposto no artigo anterior, os Poderes Legislativo, e órgãos do Poder Executivo encaminharão ao órgão encarregado do Planejamento Municipal, por meio de correspondência protocolada, até 10 de julho de 2011, suas respectivas propostas orçamentárias, observados os parâmetros e diretrizes estabelecidos nesta Lei, em especial os artigos 17 a 20, para fins de consolidação do projeto de lei orçamentária. 1º O órgão encarregado pelo Planejamento Municipal, até 10 de julho de 2011, encaminhará ao Poder Legislativo e aos órgãos e entidades do Poder Executivo as informações básicas norteadoras para a elaboração das propostas orçamentárias de que trata o caput deste artigo. 2º O não cumprimento do disposto neste artigo autorizará ao Poder Executivo, pelo seu órgão do Planejamento Municipal, a definir e elaborar as propostas das unidades faltosas, e repetir o planejamento do exercício em vigência, se do Poder Legislativo. Art.11 O Poder Legislativo, na elaboração de sua proposta orçamentária, observará os limites de gastos previstos na Emenda Constitucional nº 25, de , DOU de , em vigor a partir de CAPÍTULO III Parágrafo único No cálculo dos limites a que se refere o caput deste artigo, serão excluídas as dotações destinadas ao pagamento de pessoais, precatórios ou construção em andamento. Art. 15. A alocação dos créditos orçamentários será feita diretamente à unidade orçamentária responsável pela execução das ações correspondentes, ficando proibida a consignação de recursos a título de transferência para unidades integrantes dos orçamentos fiscais e da seguridade social. Parágrafo único. Desde que observadas as vedações contidas no art. 167, inciso VI, da Constituição, fica facultada a descentralização de créditos orçamentários para execução de ações de responsabilidade da unidade descentralizadora. Art. 16. Além de observar as demais diretrizes estabelecidas nesta Lei, a alocação dos recursos na lei orçamentária e em seus créditos adicionais será feita de forma a propiciar o controle dos custos das ações e a avaliação dos resultados dos programas de governo. Art. 17. A Procuradoria Geral do Município, sem prejuízo do envio das relações, encaminhará ao órgão de Planejamento Municipal e aos órgãos e unidades devedores, até 20 de julho de 2011, a relação dos débitos constantes de precatórios judiciários a serem incluídos na proposta orçamentária de 2012, conforme determina o art. 100, 1º, da Constituição Federal, discriminada por órgão devedor da administração direta ou indireta, especificando: a) número da ação originária; b) número do precatório; c) tipo de causa julgada; d) data da autuação do precatório; e) nome do beneficiário; e f) valor do precatório a ser pago. 1º Os órgãos e entidades devedores, referidos no caput deste artigo, comunicarão ao órgão do Planejamento Municipal, no prazo máximo 30 de julho de 2011, eventuais divergências verificadas entre a relação recebida e os processos que originaram os precatórios recebidos. 2º A relação dos débitos, de que trata o caput deste artigo, somente incluirá precatórios cujos processos contenham certidão de trânsito em julgado da decisão exeqüenda e atendam a pelo menos uma das seguintes condições: I certidão de trânsito em julgado dos embargos à execução; e II certidão de que não tenham sido opostos embargos ou qualquer impugnação aos respectivos cálculos. Art. 18. Na programação da despesa, em conformidade com a LRF, não poderão ser: I fixadas despesas sem que estejam definidas as respectivas fontes de recursos e legalmente instituídas as unidades executoras; II incluídos projetos com a mesma finalidade em mais de uma unidade orçamentária; III incluídas despesas a título de Investimentos Regime de Execução Especial, ressalvados os casos de calamidade pública formalmente reconhecidos, na forma do art. 167, 3º, da Constituição; IV transferidos a outras unidades orçamentárias os recursos vinculados à unidade orçamentária específica; e V consignados créditos com finalidade imprecisa ou com dotação ilimitada. Art. 19 Além da observância das prioridades e metas fixadas nos termos do art. 2º desta Lei, a lei orçamentária e seus créditos adicionais somente incluirão projetos ou subtítulos de projetos novos se: DAS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DOS ORÇAMENTOS DO MUNICÍPIO E SUAS ALTERAÇÕES Art. 12. A elaboração do projeto, a aprovação e a execução da lei orçamentária de 2012 deverão ser realizadas de modo a evidenciar a transparência da gestão fiscal, observandose o princípio da publicidade, unidade, universalidade e anualidade. Art. 13. O projeto de lei orçamentária poderá incluir a programação constante de propostas de alterações do Plano Plurianual , que tenham sido objeto de projetos de lei específicos. Art. 14. O Poder Legislativo terá como limites de empenho de despesas correntes e de capital em 2012 o conjunto das dotações fixadas na lei orçamentária do mesmo exercício de I tiverem sido adequadamente contemplados todos os projetos e respectivos subtítulos em andamento; e II os recursos alocados viabilizarem a conclusão de uma etapa ou a obtenção de uma unidade completa, considerandose as contrapartidas exigíveis nos convênios, acordos e similares. Parágrafo único. Para fins de aplicação do disposto neste artigo, não serão considerados projetos com títulos genéricos que tenham constado de leis orçamentárias anteriores e serão entendidos como projetos ou subtítulos de projetos em andamento aqueles cuja execução financeira, até 30 de junho de 2009, ultrapassar vinte por cento do seu custo total estimado, conforme indicado em demonstrativo e documentos comprobatórios do feito. Art. 20. Não poderão ser destinados recursos para atender, direta ou indiretamente, despesas com:

12 12 I ações que não sejam de competência exclusiva do Município, ou com ações em que não haja lei específica que estabeleça a obrigação em cooperar técnica e financeiramente; II clubes e associações de servidores ou quaisquer outras entidades congêneres, excetuadas creches e escolas para o atendimento préescolar; Art. 21. As dotações para compor a contrapartida de despesas financiadas por recursos vinculados, serão obrigatoriamente informadas e identificadas por fonte de recurso distinta, não poderão ter destinação diversa das finalidades referidas na motivação do convênio, ajuste, acordo ou instrumento similar, exceto se comprovado documentadamente erro na alocação desses recursos ou desnecessária por rescisão, não concretização dos financiamentos previstos ou saldo não utilizado, de tal forma que evidencie a impossibilidade da sua aplicação original. Art. 22. Somente poderão ser incluídas no projeto de lei orçamentária dotações relativas às operações de crédito contratadas ou com autorizações legislativas concedidas até a data do encaminhamento do referido projeto ao Poder Legislativo. Art. 23. É vedada a inclusão, na lei orçamentária e em seus créditos adicionais, de dotações a título de auxílios ou subvenções sociais, ressalvadas aquelas destinadas a entidades privadas sem fins lucrativos, de atividades de natureza continuada, que preencham uma das seguintes condições: I sejam de atendimento direto ao público, de forma gratuita, nas áreas de assistência social, saúde ou educação, e estejam registradas no Conselho Nacional de Assistência Social CNAS; II sejam vinculadas a organismos internacionais de natureza filantrópica, institucional ou assistencial; III atendam ao disposto no art. 204 da Constituição, no art. 61 do ADCT, art. 16 e seguintes da Lei 4.320/64, bem como ao disposto na Lei no 8.742, de 7 de dezembro de 1993; IV sejam signatárias de contrato de gestão com a administração pública municipal; V sejam qualificadas como organizações sociais. 1º Para habilitarse ao recebimento de subvenções sociais, a entidade privada sem fins lucrativos deverá apresentar declaração de funcionamento regular nos últimos cinco anos, emitida no exercício de por três autoridades local e comprovante de regularidade do mandato de sua diretoria. 2º O Projeto que destinar recursos à subvenções sociais, deverá mencionar em seu detalhamento a relação das entidades beneficiadas bem como os valores limites destinados à cada uma delas. 3º Sem prejuízo da observância das condições estabelecidas neste artigo, a execução das dotações sob os títulos nele especificados dependerá, além de autorização legislativa específica consignada na Lei de Orçamento, de assinatura de convênio ou acordo, observadas as disposições do art. 116 e seus parágrafos, da lei Federal nº 8.666, de 21 de junho de 1993, com as alterações posteriores. 4º A execução das dotações sob o título de subvenções sociais está também condicionada às determinações previstas na Resolução 321/97 do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado da Bahia. Art. 24 É vedada a inclusão de dotações, na lei orçamentária e em seus créditos adicionais, a título de "auxílios" para pessoas físicas, a qualquer título, sem que haja lei ou programa específicos voltados à ação social, educacional ou de saúde nos quais estejam definidos os critérios da concessão dos auxílios. Parágrafo Único Os critérios a que se refere o caput deste artigo será definido mediante publicação de Decreto do Executivo, normas estabelecidas em convênios, acordos, ajustes ou programas adotados com órgãos de outras esferas de governo. Art. 25. A lei orçamentária conterá no orçamento fiscal reserva de contingência, constituindose de dotação global sem destinação específica a determinado órgão, unidade orçamentária, programa, categoria de programação ou grupo de despesa, cujos recursos serão utilizados como fonte para : 2º quinzena de julho/2011 Art. 25. A lei orçamentária conterá no orçamento fiscal reserva de contingência, constituindose de dotação global sem destinação específica a determinado órgão, unidade orçamentária, programa, categoria de programação ou grupo de despesa, cujos recursos serão utilizados como fonte para : I atendimento de passivos contingentes e outros riscos e eventos fiscais imprevistos, tendo como prioritários os passivos referentes às obrigações pertinentes à gastos com pessoal, constituída em montante correspondente a no mínimo 3 (três por cento ) da receita corrente líquida do Tesouro Municipal, em consonância ao artigo 5 da Lei Complementar 101/00 e II para abertura de créditos adicionais de despesas não computadas ou insuficientemente dotadas na Lei de Orçamento, esta constituída em montante correspondente de até, no máximo, 3 (três por cento) da receita corrente líquida do Tesouro Municipal, conforme estatui o art.91 do Decreto Lei 200/67. Art. 26 Os créditos adicionais autorizados pelo Legislativo serão abertos e apresentados com o detalhamento estabelecido na lei orçamentária definido no art.5º desta Lei, e em conformidade aos preceitos estabelecidos nos artigos 40 e seguintes da Lei 4.320/64. 1º O remanejamento de dotação, assim entendido o deslocamento parcial ou total de dotação de uma mesma categoria de despesa e mesma categoria de programação para mesmo órgão, não será computado à soma dos créditos adicionais para cálculo do percentual autorizado para abertura de créditos adicionais. 2º Os créditos adicionais autorizados e as alterações do Quadro do Detalhamento de Despesas serão editados mediante Decreto do Executivo. 3º O Quadro de Detalhamento da Despesa QDD, que contém a discriminação, por elemento de despesa e fonte de recursos, dos projetos, atividades e operações especiais integrantes dos programas de Trabalho aprovados na Lei Orçamentária, poderá ser alterado durante o exercício, através de Decreto, observados os limites financeiros de cada grupo de despesa, em conformidade com o art. 6º da Portaria 163 de 04 de maio de 2001, da SOF/SEPLAN, a discriminação de despesa, quanto à sua natureza, farseá, no mínimo, por categoria econômica, grupo de natureza de despesa e modalidade de aplicação. Art. 27 Os recursos alocados na lei orçamentária, com a destinação prevista para pagamentos de precatórios, somente poderão ser cancelados para a abertura de créditos adicionais com outra finalidade mediante comprovação documentada da desnecessária aplicação inicialmente informada. Art. 28 Os preços estimados para a Proposta Orçamentária de 2012 terão como base a projeção da média mensal da execução da receita e despesa calculada sobre o período compreendido entre 30 de julho de 2010 a 30 de julho de 2011, podendo ser atualizados com a utilização do índice oficial do IGP para o mesmo período. CAPÍTULO IV DAS DISPOSIÇÕES RELATIVAS ÀS DESPESAS DO MUNICÍPIO COM PESSOAL E ENCARGOS SOCIAIS Art. 29 O Poder Executivo, por intermédio do órgão responsável pela Administração de Pessoal, publicará, até 31 de julho de 2011, a tabela de cargos efetivos e comissionados integrantes do quadro geral de pessoal civil, demonstrando os quantitativos de cargos ocupados por servidores estáveis e nãoestáveis e de cargos vagos. 1º O Poder Legislativo observará o cumprimento do disposto neste artigo mediante atos próprios. 2º Os cargos criados após 31 de julho de 2011, em decorrência de processo de atualização e criação de planos de cargos e salários dos servidores públicos, serão incorporados à tabela referida neste artigo. Art. 30. Para os fins do disposto no caput do art. 169 da Constituição, a despesa total com pessoal, em cada período de apuração, não poderá exceder a 60 (sessenta por cento) os percentuais da receita corrente líquida, observados os limites estabelecidos na forma da LRF a que se refere o art. 169 da Constituição. Parágrafo Único Na verificação do atendimento dos limites definidos neste artigo, não serão computadas as despesas: I de indenização por demissão de servidores ou empregados; II relativas a incentivos à demissão voluntária; III decorrentes de decisão judicial;

13 2º quinzena de julho/ IV com inativos, ainda que por intermédio de fundo específico, custeadas por recursos provenientes: a) da arrecadação de contribuições dos segurados; b) da compensação financeira de que trata o 9º do art. 201 da Constituição; c) das demais receitas diretamente arrecadadas por fundo vinculado a tal finalidade, inclusive o produto da alienação de bens, direitos e ativos, bem como seu superávit financeiro. Art. 31. A repartição do limite global do artigo anterior, em consonância com o III, art.20 LRF, não poderá exceder os seguintes percentuais: I 6 ( seis por cento ) para o Legislativo II 54 (cinqüenta e quatro por cento) para o Executivo. 1º Para os fins previstos no art. 168 da Constituição, a entrega dos recursos financeiros correspondentes à despesa total com pessoal ao Poder Legislativo será a resultante da aplicação dos percentuais definidos neste artigo. 2º Os subsídios do Prefeito, VicePrefeito e Vereadores serão determinados de acordo com os incisos V e VI do art.29 da Constituição Federal, respeitados os limites com gastos totais de pessoal, definidos neste artigo. Art. 32. No exercício de 2012, observado o disposto no art. 169 da Constituição, somente poderão ser admitidos servidores se: I existirem cargos vagos a preencher, demonstrados na tabela a que se refere os parágrafos e art. 29 desta Lei; II houver vacância, após 31 de julho de 2011, dos cargos ocupados constantes da referida tabela; III houver prévia dotação orçamentária suficiente para o atendimento da despesa; e IV forem observados os limites previstos no artigo anterior. Art. 33. Os projetos de lei sobre atualização e criação de planos de cargos e salários, a que se refere o 2º do art. 29 desta Lei, bem como os relacionados a aumento de gastos com pessoal e encargos sociais, no âmbito do Poder Executivo, deverão ser acompanhados de manifestações dos órgãos atingidos como também pelos órgãos responsáveis pela Administração de Pessoal, Planejamento e Finanças. legislação tributária e das contribuições que sejam objeto de projeto de lei que esteja em tramitação no Poder Legislativo. 1º Se estimada a receita, na forma deste artigo, no projeto de lei orçamentária : I serão identificadas as proposições de alterações na legislação e especificada a receita adicional esperada, em decorrência de cada uma das propostas e seus dispositivos; II será apresentada programação especial de despesas condicionadas à aprovação das respectivas alterações na legislação. 2º Caso as alterações propostas não sejam aprovadas, ou sejam parcialmente, até o envio do projeto de lei orçamentária para sanção do Prefeito Municipal, de forma a não permitir a integralização dos recursos esperados, as dotações à conta dos referidos recursos serão canceladas, mediante decreto, até trinta dias após a sanção à lei orçamentária, observados os critérios a seguir relacionados, para aplicação seqüencial obrigatória e cancelamento linear, até ser completado o valor necessário para cada fonte de receita: I de até cem por cento das dotações relativas aos novos subtítulos de projetos; II de até sessenta por cento das dotações relativas aos subtítulos de projetos em andamento; III de até vinte e cinco por cento das dotações relativas às ações de manutenção; IV dos restantes quarenta por cento das dotações relativas aos subtítulos de projetos em andamento; e V dos restantes setenta e cinco por cento das dotações relativas às ações de manutenção. 3º O Poder Executivo procederá, mediante decreto, a ser publicado no prazo estabelecido no parágrafo anterior, a troca das fontes de recursos condicionadas constantes da lei orçamentária sancionada, cujas alterações na legislação foram aprovadas antes do encaminhamento do respectivo projeto de lei para sanção, pelas respectivas fontes definitivas. 4º Aplicase o disposto neste artigo às propostas de alteração na destinação das receitas. Parágrafo único. Os órgãos próprios do Poder Legislativo assumirão em seus âmbitos as atribuições necessárias ao cumprimento do disposto neste artigo. Art. 34. No exercício de 2012, a realização de serviço extraordinário, quando a despesa houver extrapolado noventa e cinco por cento dos limites referidos no art. 30 desta Lei, exceto no caso previsto no art. 57, 6º, V, inciso II, da Constituição, somente poderá ocorrer quando destinada ao atendimento de relevantes interesses públicos, especialmente os voltados para as áreas de segurança e saúde, que ensejam situações emergenciais de risco ou de prejuízo para a sociedade. Parágrafo único. A autorização para a realização de serviço extraordinário, no âmbito do Poder Executivo, nas condições estabelecidas no caput deste artigo, é de exclusiva competência do Prefeito Municipal. CAPÍTULO VII DAS DISPOSIÇÕES SOBRE ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA Art.35 A lei que conceda ou amplie incentivo, isenção ou benefício, de natureza tributária ou financeira, somente entrará em vigor após anulação de despesas em valor eqüivalente, caso produzam impacto financeiro no mesmo exercício. Art. 36 O Município atualizará a sua legislação tributária para adequála às normas federais e estaduais. 1º A atualização a que se refere este artigo, implicará na revisão e regularização do Código Tributário Municipal. 2º As alterações previstas neste artigo, também implicarão na modernização da máquina fazendária com o objetivo de aumentar a arrecadação própria, a produtividade e evitar a sonegação fiscal. 3º Os esforços para incremento da arrecadação se estenderão à administração e à cobrança da dívida ativa. Art. 37 Na estimativa das receitas do projeto de lei orçamentária poderão ser considerados os efeitos de propostas de alterações na CAPÍTULO VI DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 38. O Poder Executivo deverá desenvolver sistema gerencial de apropriação de despesas, com o objetivo de demonstrar o custo de cada ação orçamentária. Art. 39. Caso seja necessária a limitação do empenho das dotações orçamentárias e da movimentação financeira para atingir as metas fiscais previstas na LRF, essa será feita de forma proporcional ao montante dos recursos alocados para o atendimento de "outras despesas correntes", "investimentos" e "inversões financeiras" de cada Poder do Município. 1º Na hipótese da ocorrência do disposto no caput deste artigo, o Poder Executivo comunicará Poder Legislativo montante que caberá a cada um tornar indisponível para empenho e movimentação financeira. 2º O chefe de cada Poder, com base na comunicação de que trata o parágrafo anterior, publicará ato estabelecendo os montantes que cada órgão do respectivo Poder terá como limite de movimentação e empenho. Art. 40 O Poder Executivo deverá elaborar e publicar até trinta dias após a publicação da Lei Orçamentária de 2012, cronograma anual de desembolso mensal, por órgão do Poder Executivo, observando, em relação às despesas constantes desse cronograma, a abrangência necessária à obtenção das metas fiscais. Art. 41 O desembolso dos recursos financeiros, correspondentes aos créditos orçamentários e adicionais consignados ao Poder Legislativo será feito até o dia 20 de cada mês, aplicandose o percentual de 7 (sete por cento) sobre as receitas efetivamente arrecadadas no exercício de 2011, citadas no art. 29A da Constituição Federal (Emenda Constitucional nº 58, de 23 de setembro de 2009), compreendendo assim o percentual sobre a arrecadação das seguintes receitas : I Somatório de todas as Receitas Tributárias do Município; II Transferências de Operações de Crédito, prevista no Inciso V do art. 153 da Constituição Federal ;

14 14 III Imposto de Renda, previsto no inciso I do art. 158 da Constituição Federal; IV I P T R, previsto no inciso II do art. 158 da Constituição Federal; V I P V A, previsto no inciso III do art.158 da Constituição Federal; VI I C M S, previsto no inciso IV do art.158 da Constituição Federal; VII F P M, previsto no inciso I, alínea b do art. 159, da Constituição Federal; VIII I P I, previsto no inciso II do art. 159 da Constituição Federal e IX arrecadação da Dívida Ativa dos Tributos Municipais. Art. 42. À exceção do pagamento de eventuais reajustes gerais concedidos aos servidores públicos municipais, despesas decorrentes de convocação extraordinária da Câmara Municipal, ou de vantagens autorizadas por lei a partir de 1º de julho de 2001, a execução de despesas não previstas nos limites estabelecidos na forma do art.30 desta Lei somente poderá ocorrer após a abertura de créditos adicionais para fazer face a tais despesas. Art. 43. São vedados quaisquer procedimentos, pelos ordenadores de despesa e demais servidores responsáveis pelo acompanhamento e execução do orçamento, que viabilizem a execução de despesas sem comprovada e suficiente disponibilidade financeira e de dotação orçamentária. 1º A contabilidade registrará os atos e fatos relativos à gestão orçamentáriofinanceira efetivamente ocorridos, sem prejuízo das responsabilidades e providências derivadas da inobservância do caput deste artigo. 2º Responderão solidariamente com o Prefeito, nos crimes estabelecidos na LRF e demais legislação correlata, todos os responsáveis que a qualquer título ou motivo, promova a desobediência às normas ditadas nas legislações pertinentes à execução do orçamento fiscal. Art.44 O Poder Executivo através dos Setores de Planejamento, Finanças e Controladoria, elaborará normas de controle de custos e avaliação dos resultados dos programas financiados com os recursos dos orçamentos; Art. 45 O valor máximo de despesas consideradas irrelevantes para fim de criação, expansão ou aperfeiçoamento da ação governamental fica limitado a 1 (um por cento) das receitas correntes. (art. 16, 1, da LRF ). Art. 46 Se o projeto de lei orçamentária não for aprovado pelo Poder Legislativo e sancionado pelo Prefeito Municipal até 31 de dezembro de 2011, a programação dele constante poderá ser executada para o atendimento das seguintes despesas: I pessoal e encargos sociais; II pagamento de benefícios previdenciários; III amortização e encargos da dívida; IV utilização de recursos livres do Tesouro Municipal a razão de 1/12 (um doze avos) mês do valor orçado em ações destinadas a manutenção básica dos serviços municipais ; V investimentos em continuação de obras de saúde, educação, saneamento básico e serviços essenciais e IV utilização de recursos vinculados, em suas finalidades, limitado ao valor conveniado, acordado ou efetivamente ajustado e em conformidade com o cronograma de execução financeira estabelecido nos referidos instrumentos. Art. 47 As propostas de modificação do projeto de Lei Orçamentária Anual serão apresentadas: I na forma das disposições constitucionais e no estabelecido na Lei Orgânica do Município; II acompanhadas de exposição de motivos que as justifiquem. Art. 48 Na apreciação pelo Poder Legislativo do projeto de Lei Orçamentária Anual, as emendas somente poderão ser aprovadas caso: I sejam compatíveis com o Plano Plurianual e com a Lei de Diretrizes Orçamentárias; II indiquem os recursos necessários, admitidos apenas os provenientes de anulação de despesas, excluídos os que incidam sobre: a) dotação para pessoal e seus encargos; b) serviço da dívida. 1º As emendas deverão indicar, como parte da justificativa: I II 2º quinzena de julho/2011 no caso de incidirem sobre despesas com investimentos, a viabilidade econômica e técnica do projeto durante a vigência da lei orçamentária; no caso de incidirem sobre despesas com ações de manutenção, a comprovação de que não inviabilizarão as atividades de natureza operacional da entidade ou órgão cuja despesa é reduzida. III em relação a alterações das categorias de programação e grupo de despesa dos projetos originais, indicar o total dos acréscimos e o total dos decréscimos, identificando cada uma das dotações modificadas com a indicação das alterações atribuídas; IV as inclusões de novas categorias de programação e, em relação a estas, os detalhamentos fixados na Lei de Orçamento, com indicação das fontes financiadoras e as denominações atribuídas. V quadro demonstrativo da manutenção do equilíbrio entre as receitas e despesas e a correspondência das fontes de recursos. 2º É vedada a inclusão de emendas ao projeto de lei e à lei orçamentária, bem como, em suas alterações que anulem dotações provenientes: I de precatórios judiciais; II do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica FUNDEB; III do limite mínimo para área do ensino, estipulada pela Constituição Federal; IV de receitas vinculadas a finalidades específicas, tais como a convênios, execução de programas especiais e operações de créditos; V de receitas diretamente arrecadadas por órgãos, fundos, autarquias, fundações, empresas públicas e sociedades de economia mista; VI do limite mínimo para área de saúde, estipulada pela Emenda Constitucional nº 29; e VII de contrapartida obrigatória do Tesouro Municipal a recursos transferidos ao Município. 3º Serão nulas e não conhecidas, as emendas propostas que não atenderem as especificações contidas neste artigo; 4º A correção de erros ou omissões será justificada circunstancialmente e não implicará em indicação de recursos para aumento de despesas previstas no projeto de Lei Orçamentária. Art. 49 O Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias LDO deverá ser devolvido pelo Poder Legislativo até o dia 17 de julho de 2011 para sanção pelo Poder Executivo. Art. 50 A criação de novos projetos ou atividades, além dos constantes da proposta de Lei Orçamentária Anual, somente será admitida mediante a redução de dotações alocadas a outros projetos ou atividades, observadas as mesmas fontes de financiamento, as disposições constitucionais, o estabelecido na Lei Orgânica do Município e nesta Lei. Art. 51 Até vinte e quatro horas após o encaminhamento à sanção do Prefeito dos autógrafos do projeto de lei orçamentária, o Poder Legislativo enviará ao Poder Executivo as justificativas relativas às emendas propostas, indicando ainda os seguintes dados: Art. 52 Para fins de acompanhamento, controle e segurança dos pagamentos, os órgãos da Administração pública municipal direta e indireta submeterão os processos referentes ao pagamento de precatórios à apreciação da Procuradoria Geral do Município, antes do atendimento da requisição judicial, observadas as normas e orientações baixadas por aquela unidade. Art. 53 O Poder Executivo fica autorizado a firmar convênios, acordos e ajustes favoráveis ao Município e necessários ao cumprimento da Lei Orçamentária Anual, com órgãos e entidades da administração de todas as esferas de governo, desde que haja disponibilidade orçamentária e financeira para satisfazer as obrigações de contrapartida da execução dos mesmos. Art. 54 Esta Lei entra em vigor a partir de 01/01/2012 e vigorará até o dia 31/12/2012, revogandose as disposições em contrário. III sejam relacionadas com: GABINETE DO PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ITANHÉM a) a correção de erros ou omissões; ou b) os dispositivos do texto do projeto de Lei. Em, 30 de junho de 2011.

15 2º quinzena de julho/ DEMONSTRATIVO DOS RISCOS FISCAIS E PROVIDÊNCIAS PREFEITURA MUNICIPAL DE ITANHÉM LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO DE RISCOS FISCAIS DEMONSTRATIVO DE RISCOS FISCAIS E PROVIDÊNCIAS EXERCÍCIO DE 2012 LRF, art. 4º, 3º R$ R$ RISCOS FISCAIS VALOR PROVIDÊNCIAS VALOR Descrição Descrição Riscos Orçamentários Riscos Orçamentários Abertura de Créditos Adicionais Utilização da Reserva de Contingência DL 200/67, Aumento compulsório de salário (salario mínimo) 6 Desp.Pessoal previsto no Inciso II do art.25 da Lei de Diretrizes Orçamentárias para o exercício de Aumento de Despesas devido a atualização monetária em valor superior ao fixado à época da elaboração do Orçamento. (3) Frustração de Receitas (queda de arrecadação aproximado 1) Abertura de Créditos Adicionais Utilização de anulação de outras despesas Não Utilização de parte da Reserva de Contingência para Contingentes,previsto no Inciso I do art.25 da Lei de Diretrizes Orçamentárias para o exercício de Riscos da Dívida Aumento da Dívida Passivos Contingentes (2) Riscos da Dívida Utilização de Créditos Adicionais Reserva de Contingência para Passivos Contingentes, previsto no Inciso I do art.25 da Lei de Diretrizes Orçamentárias para o exercício de TOTAL TOTAL FONTE: Execução Orçamentária Exercício 2011

16 16 2º quinzena de julho/2011

17 2º quinzena de julho/ PREFEITURA MUNICIPAL DE ITANHÉM LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO DE METAS FISCAIS METAS ANUAIS 2012 LRF, art. 4º, 1 R$ 1, Valor Valor PIB Valor Valor PIB Valor Valor PIB ESPECIFICAÇÃO Corrente Constante (a / PIB) Corrente Constante (b / PIB) Corrente Constante (c / PIB) (a) x 100 (b) x 100 (c) x 100 Receita Total , , , , , ,74 03 Receitas Primárias (I) , , , , , ,06 02 Despesa Total , , , , , ,86 02 Despesas Primárias (II) , , , , , ,46 02 Resultado Primário (I II) , , , , , ,60 00 Resultado Nominal ( ,70) ( ,63) (00) ( ,15) ( ,62) (00) ( ,22) ( ,39) (00) Dívida Pública Consolidada , , , , , ,08 01 Dívida Consolidada Líquida , , , , , ,07 01 FONTE: Prestação de Contas Anual2010, contratos de parcelamentos, Projeção da Receita 2.2 DEMONSTRATIVO II AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS FISCAIS DO EXERCÍCIO ANTERIOR PREFEITURA MUNICIPAL DE ITANHÉM LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS FISCAIS DO EXERCÍCIO ANTERIOR 2012 LRF, art. 4º, 2º, inciso I R$ 1,00 IIMetas IMetas Previstas PIB Realizadas em PIB Variação em 2010 ESPECIFICAÇÃO 2010 (a) (b) Valor ( c) = (ba) (c/a) x 100 Receita Total , ,97 02 ( ,03) 1,76 Receitas Primárias (I) , , ,14 1,43 Despesa Total , ,60 02 ( ,60) 7,97 Despesas Primárias (II) , ,99 02 ( ,11) 5,72 Resultado Primário (I II) ( ,10) (00) , ,25 225,65 Resultado Nominal ( ,45) (00) , ,45 190,18 Dívida Pública Consolidada , , ,38 19,50 Dívida Consolidada Líquida , , ,45 24,52 FONTE: Prestação de Contas Anual2010 PREFEITURA MUNICIPAL DE ITANHÉM LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO DE METAS FISCAIS METAS FISCAIS ATUAIS COMPARADAS COM AS FIXADAS NOS TRÊS EXERCÍCIOS ANTERIORES 2012 LRF, art.4º, 2º, inciso II R$ 1,00 ESPECIFICAÇÃO VALORES A PREÇOS CORRENTES Receita Total , ,97 1, ,00 105, ,00 114, ,00 106, ,00 106,28 Receitas Primárias (I) , ,14 1, ,88 107, ,00 113, ,00 105, ,00 105,91 Despesa Total , ,60 1, ,00 113, ,10 108, ,74 106, ,36 106,94 Despesas Primárias (II) , ,99 1, ,00 113, ,05 110, ,87 106, ,18 106,42 Resultado Primário (I II) , ,15 0,44 ( ,12) 18, ,95 269, ,13 76, ,82 63,48 Resultado Nominal , ,00 0,12 ( ,93) 31,81 ( ,70) 112,04 ( ,15) 111,94 ( ,22) 111,85 Dívida Pública Consolidada , ,42 1, ,81 98, ,53 98, ,13 97, ,93 97,45 Dívida Consolidada Líquida , ,74 1, ,81 97, ,11 96, ,96 96, ,74 95,37 ESPECIFICAÇÃO VALORES A PREÇOS CONSTANTES Receita Total , ,60 1, ,82 105, ,31 114, ,61 106, ,17 106,28 Receitas Primárias (I) , ,14 1, ,15 107, ,49 113, ,85 105, ,13 105,91 Despesa Total , ,47 1, ,42 113, ,90 108, ,95 106, ,35 106,94 Despesas Primárias (II) , ,83 1, ,16 113, ,70 110, ,90 106, ,24 106,42 Resultado Primário (I II) , ,31 0,44 ( ,01) 18, ,79 269, ,95 76, ,89 63,48 Resultado Nominal , ,59 0,12 ( ,32) 31,81 ( ,29) 112,04 ( ,99) 111,94 ( ,23) 111,85 Dívida Pública Consolidada , ,74 1, ,10 98, ,29 98, ,15 97, ,35 97,45 Dívida Consolidada Líquida , ,53 1, ,21 97, ,91 96, ,92 96, ,69 95,37 FONTE: Prestação de Contas Anual 2010, Projeção da Receita LRF, art.4º, 2º, inciso III R$ 1,00 PATRIMÔNIO LÍQUIDO Patrimônio/Capital , ,97 103, ,95 94,83 Reservas Resultado Acumulado , ,02 8, ,14 5,06 TOTAL , , , REGIME PREVIDENCIÁRIO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Patrimônio/Capital Reservas Resultado Acumulado TOTAL FONTE: Prestação de Contas Anual

18 18 2º quinzena de julho/2011 PREFEITURA MUNICIPAL DE ITANHÉM LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO DE METAS FISCAIS METAS FISCAIS ATUAIS COMPARADAS COM AS FIXADAS NOS TRÊS EXERCÍCIOS ANTERIORES 2012 LRF, art.4º, 2º, inciso II R$ 1,00 ESPECIFICAÇÃO VALORES A PREÇOS CORRENTES Receita Total , ,97 1, ,00 105, ,00 114, ,00 106, ,00 106,28 Receitas Primárias (I) , ,14 1, ,88 107, ,00 113, ,00 105, ,00 105,91 Despesa Total , ,60 1, ,00 113, ,10 108, ,74 106, ,36 106,94 Despesas Primárias (II) , ,99 1, ,00 113, ,05 110, ,87 106, ,18 106,42 Resultado Primário (I II) , ,15 0,44 ( ,12) 18, ,95 269, ,13 76, ,82 63,48 Resultado Nominal , ,00 0,12 ( ,93) 31,81 ( ,70) 112,04 ( ,15) 111,94 ( ,22) 111,85 Dívida Pública Consolidada , ,42 1, ,81 98, ,53 98, ,13 97, ,93 97,45 Dívida Consolidada Líquida , ,74 1, ,81 97, ,11 96, ,96 96, ,74 95,37 ESPECIFICAÇÃO VALORES A PREÇOS CONSTANTES Receita Total , ,60 1, ,82 105, ,31 114, ,61 106, ,17 106,28 Receitas Primárias (I) , ,14 1, ,15 107, ,49 113, ,85 105, ,13 105,91 Despesa Total , ,47 1, ,42 113, ,90 108, ,95 106, ,35 106,94 Despesas Primárias (II) , ,83 1, ,16 113, ,70 110, ,90 106, ,24 106,42 Resultado Primário (I II) , ,31 0,44 ( ,01) 18, ,79 269, ,95 76, ,89 63,48 Resultado Nominal , ,59 0,12 ( ,32) 31,81 ( ,29) 112,04 ( ,99) 111,94 ( ,23) 111,85 Dívida Pública Consolidada , ,74 1, ,10 98, ,29 98, ,15 97, ,35 97,45 Dívida Consolidada Líquida , ,53 1, ,21 97, ,91 96, ,92 96, ,69 95,37 FONTE: Prestação de Contas Anual 2010, Projeção da Receita PREFEITURA MUNICIPAL DE ITANHÉM LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO DE METAS FISCAIS EVOLUÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 2012 LRF, art.4º, 2º, inciso III R$ 1,00 PATRIMÔNIO LÍQUIDO Patrimônio/Capital , ,97 103, ,95 94,83 Reservas Resultado Acumulado , ,02 8, ,14 5,06 TOTAL , , , LRF, art.4º, 2º, inciso IV, alínea a R$ 1,00 EXERCÍCIO FONTE: REPASSE CONTRIB. PATRONAL (a) RECEITAS PREVID. Valor (b) DESPESAS PREVID. Valor ) ( c RESULTADO PREVID. Valor (d)=(a+bc) NÃO HOUVE OPERAÇÃO DESTA NATUREZA 2.7 DEMONSTRATIVO VII ESTIMATIVA E COMPENSAÇÃO DA RENÚNCIA DE RECEITA PREFEITURA MUNICIPAL ITANHÉM LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO DE METAS FISCAIS REPASSE RECEBIDO P/COBERTURA DE DÉFICIT RPPS (e) LRF, art. 4, 2, inciso V R$ 1,00 RENÚNCIA DE RECEITA PREVISTA SETORES/PROGRAMAS/ COMPENSAÇÃO /BENEFICIÁRIO Tributo/Contribuição TOTAL FONTE: ESTIMATIVA E COMPENSAÇÃO DA RENÚNCIA DE RECEITA 2012 NÃO HOUVE OPERAÇÃO DESTA NATUREZA 2.8 DEMONSTRATIVO VIII MARGEM DE EXPANSÃO DAS DESPESAS OBRIGATÓRIAS DE CARÁTER CONTINUADO PREFEITO MUNICIPAL DE ITANHÉM LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO DE METAS FISCAIS MARGEM DE EXPANSÃO DAS DESPESAS OBRIGATÓRIAS DE CARÁTER CONTINUADO 2012 REGIME PREVIDENCIÁRIO PATRIMÔNIO LÍQUIDO LRF, art. 4, 2, inciso V R$ 1,00 EVENTO Valor Previsto 2012 Patrimônio/Capital Reservas Resultado Acumulado TOTAL FONTE: Prestação de Contas Anual PREFEITURA MUNICIPAL DE ITANHÉM LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO DE METAS FISCAIS RECEITAS E DESPESAS PREVIDENCIÁRIAS DO RPPS 2011 Aumento Permanente da Receita ,00 () Transferências constitucionais () Transferências ao FUNDEB ,00 Saldo Final do Aumento Permanente de Receita (I) ,00 Redução Permanente de Despesa (II) ,10 Margem Bruta (III) = (I+II) ,90 Saldo Utilizado da Margem Bruta (IV) ( ,80) Impacto de Novas DOCC Margem Líquida de Expansão de DOCC (IIIIV) ,70 FONTE: Prestação de Contas Anual, ESTIMATIVA DA RECEITA LRF, art.4º, 2º, inciso IV, alínea a R$ 1,00 RECEITAS PREVIDENCIÁRIAS RECEITAS CORRENTES Receita de Contribuições Pessoal Civil Pessoal Militar Outras Contribuições Previdenciárias Compensação Previdenciária entre RGPS e RPPS Receita Patrimonial Outras Receitas Correntes RECEITAS DE CAPITAL Alienação de Bens Outras Receitas de Capital REPASSES PREVIDENCIÁRIOS RECEBIDOS PELO RPPS Contribuição Patronal do Exercício Pessoal Civil Pessoal Militar Contribuição Patronal de Exercícios Anteriores Pessoal Civil Pessoal Militar REPASSES PREVID. PARA COBERTURA DE DÉFICIT TOTAL DAS RECEITAS PREVIDENCIÁRIAS (I) DESPESAS PREVIDENCIÁRIAS ADMINISTRAÇÃO GERAL Despesas Correntes Despesas de Capital PREVIDÊNCIA SOCIAL Pessoal Civil Pessoal Militar Outras Despesas Correntes Compensação Previd. de aposent. RPPS e RGPS Compensação Previd. de Pensões entre RPPS e RGPS TOTAL DAS DESPESAS PREVIDENCIÁRIAS (II) RESULTADO PREVIDENCIÁRIO (I II) DISPONIBILIDADES FINANCEIRAS DO RPPS FONTE: NÃO HOUVE OPERAÇÃO DESTA NATUREZA SALDO (A) (B) (C) (D) (E) (F) (G) , , , , , , , ,11 ( ,80) ( ,32) ( ,00) (74.357,58) , , , , , , , , ,90 100, ,20 (61.988,02) ( ,89) ( ,14) ( ,68) ( ,74) ( ,09) ( ,71) , , , , , , , , , , , , , ,74 (AB) (CB) (DC) (ED) (FE) (GF) ( ,11) , ,00 ( ,93) ( ,70) ( ,15) ( ,22) T A B E LA V PREVISÃO DA RECEITA REALIZADO 2007 REALIZADO 2008 REALIZADO 2009 REALIZADO 2010 ORÇADO , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 PREVISÃO DA DESPESA , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,82 T A B E LA IV PREFEITURA MUNICIPAL DE ITANHÉM LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO DE METAS FISCAIS PROJEÇÃO ATUARIAL DO RPPS 2011

19 2º quinzena de julho/ PREFEITURA MUNICIPAL DE ITANHEM Exercício: 2010 PROJEÇÃO DA RECEITA CORRENTE PARA O EXERCÍCIO DE 2012, 2013 E 2014 COTA FPM BB COTA FPM CotaFPM , , ,77 16, ,73 23, ,55 4, ,72 14, ,67 29, ,44 9, ,45 5, ,97 10, ,57 31, ,02 12, ,87 2, CotaFPM , ,16 8, ,65 5, ,66 13, ,65 4, ,55 40, ,95 29, ,86 16, ,35 41, ,47 15, ,16 0, ,47 18, ,86 115, CotaFPM , ,99 18, ,40 6, ,21 12, ,35 6, ,11 16, ,31 35, ,52 3, ,84 30, ,47 13, ,82 7, ,34 0, ,65 12, CotaFPM , ,08 52, ,97 103, ,70 0, ,64 0, ,66 0, ,27 0, ,44 0, ,16 0, ,39 0, ,92 0, ,58 0, ,20 0, CotaFPM , ,55 0, ,08 0, ,44 0, ,05 0, ,84 0, ,07 0, ,99 0, ,57 0, ,16 0, ,48 0, ,49 0, ,70 0, CotaFPM , ,44 0, ,94 0, ,63 0, ,32 0, ,53 0, ,57 0, ,15 0, ,95 0, ,56 0, ,57 0, ,61 0, ,39 0, CotaFPM , ,06 6, ,95 6, ,68 6, ,05 6, ,54 6, ,80 6, ,62 6, ,83 6, ,12 6, ,78 6, ,58 6, ,63 6, CotaFPM , ,37 6, ,59 6, ,58 6, ,19 6, ,63 6, ,27 6, ,75 6, ,33 6, ,38 6, ,88 6, ,81 6, ,64 6, CotaFPM , ,91 1, ,69 1, ,51 1, ,95 1, ,60 1, ,66 1, ,34 1, ,75 1, ,06 1, ,55 1, ,07 1, ,77 1, CotaFPM , ,79 10, ,20 10, ,85 10, ,42 10, ,37 10, ,84 10, ,73 10, ,66 10, ,10 10, ,11 10, ,22 10, ,64 10, CotaFPM , ,78 10, ,22 10, ,38 10, ,08 10, ,28 10, ,31 10, ,33 10, ,69 10, ,66 10, ,19 10, ,29 10, ,55 10, CotaFPM , ,31 10, ,90 10, ,99 10, ,68 10, ,76 10, ,35 10, ,86 10, ,76 10, ,89 10, ,72 10, ,45 10, ,21 10, CotaFPM , ,70 10, ,57 10, ,76 10, ,74 10, ,52 10, ,76 10, ,06 10, ,82 10, ,35 10, ,10 10, ,29 10, ,85 10,95 COTA ITR BB COTA ITR CotaITR , , ,77 1,55 67,12 93,86 114,24 70,20 561,25 391, ,17 612,37 169,62 95,76 414,38 144, ,96 315, ,35 638, ,87 71, CotaITR , , ,12 96,41 470,57 264,44 112,72 76,05 130,64 15,90 281,21 115,26 373,32 32,75 145,77 60,95 512,11 251, , , ,87 62, CotaITR , , ,28 32,60 217,08 85,29 882,78 306,66 145,57 83,51 291,68 100,37 103,20 64,62 280,52 171,82 518,87 84, , , ,03 89,15 975,02 38, CotaITR ,46 898,80 7,82 177,94 80, ,77 0, ,64 0,46 209,78 0,46 769,11 0,46 288,81 0,46 926,49 0,46 305,02 0,46 0, ,75 0, ,35 0, CotaITR ,31 549,29 0,46 794,13 0,46 534,18 0,46 722,35 0,46 162,74 0,46 449,39 0,46 256,28 0,46 453,00 0,46 447,38 0, ,71 0, ,18 0, ,66 0, CotaITR , ,63 0, ,15 0,46 95,50 0,46 493,82 0,46 330,98 0, ,38 0,46 182,20 0, ,95 0,46 33,55 0, ,34 0, ,86 0, ,48 0, CotaITR , ,21 6, ,57 6,27 723,72 6, ,61 6, ,16 6,27 142,77 6, ,95 6,27 713,14 6, ,41 6, ,60 6, ,95 6, ,28 6, CotaITR , ,06 6,27 6, ,98 6,27 413,13 6,27 375,80 6,27 184,69 6,27 305,77 6,27 139,14 6, ,38 6, ,59 6, ,84 6, ,80 6, CotaITR ,20 523,51 1, ,25 1,95 422,56 1, ,78 1,95 390,63 1,95 196,12 1,95 69,08 1,95 115,23 1, ,68 1, ,29 1, ,28 1, ,79 1, CotaITR , ,63 10, ,41 10,95 252,22 10, ,66 10,95 772,37 10,95 689,27 10,95 842,67 10,95 721,30 10, ,83 10, ,36 10, ,52 10, ,26 10, CotaITR , ,99 10, ,42 10, ,01 10, ,65 10,95 894,80 10,95 491,17 10,95 505,79 10,95 464,07 10, ,48 10, ,51 10, ,55 10, ,81 10, CotaITR , ,11 10,95 910,09 10, ,37 10, ,55 10,95 675,02 10,95 654,85 10,95 748,06 10,95 657,58 10, ,19 10, ,77 10, ,43 10, ,61 10, CotaITR , ,03 10, ,52 10,95 860,46 10, ,50 10,95 758,02 10,95 635,75 10,95 695,57 10,95 622,24 10, ,08 10, ,40 10, ,61 10, ,00 10,95 COTA L.C nº 87/96 BB COTA L.C nº 87/ L.C nº 87/ , , , , , , , , , , , , , L.C nº 87/ , ,02 179, ,80 1, ,07 70, , , , , ,48 28, , , , ,07 40, L.C nº 87/ , ,43 2, , , , , , , , , , , , L.C nº 87/ , ,38 0, ,38 0, ,38 0, ,38 0, ,38 0, ,38 0, ,38 0, ,38 0, ,38 0, ,38 0, ,38 0, ,38 13, L.C nº 87/ ,88 0,46 0,46 0, ,31 0, ,31 0, ,31 0, ,31 0, ,80 0, ,80 0, ,80 0, ,80 0, ,47 18, L.C nº 87/ ,70 0,46 0,46 0,46 0,46 0, ,84 0, ,81 0, ,81 0, ,81 0, ,81 0, ,81 0, ,81 10, L.C nº 87/ ,28 6,27 6, ,57 6,27 992,19 6,27 992,19 6,27 992,19 6,27 992,19 6,27 992,19 6,27 992,19 6,27 992,19 6,27 992,19 6,27 992,19 14, L.C nº 87/ , ,03 6, ,03 6, ,28 6, ,28 6, ,28 6, ,28 6, ,28 6,27 6, ,28 6, ,28 6, ,28 6, ,28 14, L.C nº 87/ , ,41 1, ,41 1, ,41 1, ,41 1, ,41 1, ,41 1, ,41 1, ,41 1, ,41 1, ,41 1, ,41 1, ,41 1, L.C nº 87/ , ,44 10, ,44 10, ,44 10, ,44 10, ,44 10, ,44 10, ,44 10, ,44 10, ,44 10, ,44 10, ,44 10, ,44 10, L.C nº 87/ , ,15 10, ,15 10, ,15 10, ,15 10, ,15 10, ,15 10, ,15 10, ,15 10, ,15 10, ,15 10, ,15 10, ,15 10, L.C nº 87/ , ,93 10, ,93 10, ,93 10, ,93 10, ,93 10, ,93 10, ,93 10, ,93 10, ,93 10, ,93 10, ,93 10, ,93 10, L.C nº 87/ , ,97 10, ,97 10, ,97 10, ,97 10, ,97 10, ,97 10, ,97 10, ,97 10, ,97 10, ,97 10, ,97 10, ,97 10,95 COTA FEX MP 193/04 BB COTA FEX MP 193/04 PERÍO Código Descrição Total Agosto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Setembro Outubro Novembro Dezembro FEX193/ FEX193/ FEX193/04 718,41 718, FEX193/04 721,71 721,71 0, FEX193/04 725,03 725,03 0, FEX193/ ,43 0,46 0, ,28 0,46 0, ,70 0,46 952,35 0,46 952,35 0,46 952,35 0,46 952,35 0,46 952,35 0,46 952,35 0,46 952,35 0, FEX193/ , , , ,52 0, FEX193/ , ,38 0, FEX193/ ,85 1,95 1,95 1,95 1,95 1,95 1,95 1,95 1, ,21 1, ,43 1,95 1, ,21 1, FEX193/ ,66 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10, ,91 10, ,84 10,95 10, ,91 10, FEX193/ ,03 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10, ,75 10, ,52 10,95 10, ,75 10, FEX193/ ,56 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10, ,89 10, ,79 10,95 10, ,89 10, FEX193/ ,70 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10, ,92 10, ,86 10,95 10, ,92 10,95 PREFEITURA MUNICIPAL DE ITANHEM Exercício: 2010 PROJEÇÃO DA RECEITA CORRENTE PARA O EXERCÍCIO DE 2012, 2013 E 2014 COTA FEP BB COTA FEP FEP , , , , , , , ,2 3700, , , , FEP , , ,22 14, ,26 28, ,37 2, ,34 17, ,58 16, ,44 4, ,92 6, ,95 18, ,62 9, ,35 14, ,80 7, FEP , ,25 6, ,53 4, ,88 0, ,47 8, ,31 20, ,80 8, ,07 19, ,25 3, ,23 7, ,33 7, ,88 7, ,72 7, FEP , ,34 19, ,62 9, ,21 14, ,77 5, ,99 1, ,92 12, ,83 11, ,47 4, ,99 12, ,42 8, ,91 3, ,82 7, FEP , ,73 0, ,06 0, ,50 0, ,47 0, ,61 0, ,92 0, ,39 0, ,03 0, ,84 0, ,82 0, ,97 0, ,29 0, FEP , ,71 0, ,46 0, ,90 0, ,39 0, ,14 0, ,89 0, ,47 0, ,74 0, ,98 0, ,78 0, ,17 0, ,16 0, FEP , ,77 6, ,03 6, ,91 6, ,27 6, ,97 6, ,74 6, ,10 6, ,95 6, ,28 6, ,39 6, ,33 6,27 10,82 6, FEP , ,17 6, ,83 6, ,40 6, ,44 6, ,51 6, ,80 6, ,37 6, ,82 6, ,38 6, ,84 6, ,60 6, ,73 6, FEP , ,42 1, ,61 1, ,89 1, ,58 1, ,70 1, ,59 1, ,72 1, ,07 1, ,27 1, ,91 1, ,23 1, ,23 1, FEP , ,11 10, ,55 10, ,49 10, ,10 10, ,37 10, ,63 10, ,52 10, ,73 10, ,49 10, ,16 10, ,60 10, ,52 10, FEP , ,75 10, ,72 10, ,75 10, ,15 10, ,85 10, ,12 10, ,30 10, ,10 10, ,42 10, ,22 10, ,98 10, ,93 10, FEP , ,67 10, ,31 10, ,02 10, ,78 10, ,39 10, ,98 10, ,89 10, ,88 10, ,64 10, ,77 10, ,60 10, ,59 10, FEP , ,53 10, ,39 10, ,11 10, ,05 10, ,74 10, ,02 10, ,54 10, ,51 10, ,39 10, ,21 10, ,42 10, ,13 10,95 COTA FUNDEB BB COTA FUNDEB FUNDEF , , ,66 104, ,45 52, ,48 79, ,80 17, ,84 18, ,85 1, ,68 23, ,56 47, ,91 17, ,98 44, ,68 64, FUNDEF , ,02 23, ,83 3, ,84 16, ,35 2, ,68 14, ,91 16, ,25 10, ,79 3, ,07 2, ,90 1, ,10 9, ,27 7, FUNDEF , ,24 9, ,48 20, ,60 18, ,55 0, ,26 5, ,17 23, ,77 35, ,10 91, , , ,20 1, ,55 14, ,54 78, FUNDEF , ,56 55, ,60 50, ,48 0, ,28 0, ,45 0, ,72 0, ,46 0, ,27 0, ,03 0, ,52 0, ,90 0, , FUNDEF , ,77 7, ,35 11, ,18 0, ,98 0, ,52 0, ,73 0, ,30 0, ,44 0, ,47 0, ,66 0, ,18 0, ,27 0, FUNDEB , ,31 17, ,47 13, ,78 0, ,56 0, ,11 0, ,64 0, ,46 0, ,24 0, ,03 0, ,02 0, ,98 0, ,44 0, FUNDEB , ,26 26, ,74 25, ,29 0, ,05 0, ,34 0, ,40 0, ,60 0, ,10 0, ,39 0,46 412,02 0, ,08 0, ,05 0, FUNDEB , ,17 6, ,42 6, ,51 6, ,13 6, ,62 6, ,45 6, ,61 6, ,44 6, ,16 6, ,38 6, ,84 6, ,07 6, FUNDEB , ,08 1, ,42 1, ,54 1, ,71 1, ,46 1, ,85 1, ,34 1, ,95 1, ,08 1, ,67 1, ,70 1, ,86 1, FUNDEB , ,96 10, ,47 10, ,07 10, ,69 10, ,55 10, ,82 10, ,43 10, ,32 10, ,97 10, ,85 10, ,59 10, ,76 10, FUNDEB , ,77 10, ,55 10, ,13 10, ,61 10, ,42 10, ,83 10, ,88 10, ,55 10, ,10 10, ,18 10, ,02 10, ,39 10, FUNDEB , ,93 10, ,97 10, ,44 10, ,26 10, ,89 10, ,73 10, ,57 10, ,76 10, ,12 10, ,70 10, ,67 10, ,25 10, FUNDEB , ,30 10, ,92 10, ,75 10, ,68 10, ,51 10, ,41 10, ,72 10, ,97 10, ,13 10, ,45 10, ,98 10, ,99 10,95 COTA PAB FIXO COTA PAB FIXO PAB FIXO PAB FIXO PAB FIXO , , , , , , ,96 0, , , , ,25 29, , , PAB FIXO , ,25 66, , ,25 0, ,25 0, ,25 0, ,25 0, ,25 0, ,25 0, ,25 0, ,25 0, ,25 0, ,25 0, PAB FIXO , ,25 0, ,25 0, ,25 0, ,89 0, ,89 0, ,93 0, ,23 0, ,79 0, ,63 0, ,74 0, ,12 0, ,77 0, PAB FIXO , ,25 0, ,25 0, ,25 0, ,25 0, ,25 0, ,25 0, ,25 0, ,25 0, ,25 0, ,25 0, ,25 0, ,25 0, PAB FIXO , ,25 6, ,25 6, ,25 6, ,25 6, ,25 6, ,25 6, ,25 6, ,25 6, ,25 6, ,25 6, ,87 6, ,95 6, PAB FIXO , ,33 6, ,33 6, ,33 6, ,33 6, ,33 6, ,33 6, ,00 6, ,00 6, ,00 6, ,00 6, ,00 6, ,00 6, PAB FIXO , ,00 1, ,00 1, ,00 1, ,00 1, ,00 1, ,00 1, ,00 1, ,00 1, ,00 1, ,00 1, ,00 1, ,00 1, PAB FIXO , ,97 10, ,97 10, ,97 10, ,97 10, ,97 10, ,97 10, ,48 10, ,48 10, ,48 10, ,19 10, ,19 10, ,19 10, PAB FIXO , ,48 10, ,48 10, ,48 10, ,48 10, ,48 10, ,48 10, ,86 10, ,86 10, ,86 10, ,88 10, ,88 10, ,88 10, PAB FIXO , ,42 10, ,42 10, ,42 10, ,42 10, ,42 10, ,42 10, ,24 10, ,24 10, ,24 10, ,14 10, ,14 10, ,14 10, PAB FIXO , ,99 10, ,99 10, ,99 10, ,99 10, ,99 10, ,99 10, ,09 10, ,09 10, ,09 10, ,45 10, ,45 10, ,45 10,95 COTA PACS COTA PACS PACS PACS PACS , , , , , ,57 0, , PACS , , , , , , , , , , , PACS , ,33 0, ,78 0, ,34 0, ,01 0, ,79 0, ,69 0, ,71 0, ,84 0, ,08 0, ,44 0, ,92 0, ,51 0, PACS , , , , , , , , ,46 0, ,00 0, , ,00 0, PACS , ,00 6, ,00 6, ,00 6, ,39 6, ,00 6, ,83 6, ,32 6, ,27 6, ,92 6, ,97 6, ,58 6, ,46 6, PACS , , ,00 6, , , , , , , , , , , PACS , , ,00 10, ,00 10, ,00 10, ,00 10, ,00 10, ,00 10, ,00 10, , , , PACS , ,60 10, ,50 10, ,14 10, ,38 10, ,01 10, ,24 10, ,37 10, ,38 10, ,70 10, ,03 10, ,21 10, ,27 10, PACS , ,36 10, ,44 10, ,32 10, ,61 10, ,23 10, ,00 10, ,30 10, ,76 10, ,09 10, ,94 10, ,90 10, ,54 10, PACS , ,97 10, ,23 10, ,00 10, ,12 10, ,12 10, ,84 10, ,07 10, ,40 10, ,98 10, ,55 10, ,41 10, ,61 10,95 2 PREFEITURA MUNICIPAL DE ITANHEM Exercício: 2010 PROJEÇÃO DA RECEITA CORRENTE PARA O EXERCÍCIO DE 2012, 2013 E 2014 COTA ECD COTA ECD ECD ECD ECD , , , , , , , , , , , ,64 11, ECD , , , , , , , , , , ,91 11, , ECD , ,87 0, ,74 0, ,87 0, ,87 0, ,87 0, ,87 0, ,87 0, ,08 0, ,89 0, ,00 0, ,94 0, ,67 0, ECD , ,11 0, ,11 0, ,11 0, ,11 0, , ,22 0, ,31 0, ,71 0, ,13 0, ,13 0, ,26 0, ,95 0, ECD , ,94 6, ,94 6, ,94 6, ,94 6, ,28 6, ,67 6, ,70 6, ,17 6, ,58 6, ,40 6, ,02 6, ,16 6, ECD , ,94 6, ,94 6, ,94 6, ,94 6, ,94 6, ,70 6, ,55 6, ,94 6, ,35 6, ,35 6, ,35 6, ,30 6, ECD , , , , , , ,95 1,95 1,95 1,95 1,95 1, ECD , ,33 10, ,33 10, ,33 10, ,33 10, ,33 10, ,49 10, ,95 10, ,73 10, ,84 10, ,84 10, ,84 10, ,95 10, ECD , ,39 10, ,39 10, ,39 10, ,39 10, ,39 10, ,56 10, ,56 10, ,53 10, ,98 10, ,98 10, ,98 10, ,26 10, ECD , ,67 10, ,67 10, ,67 10, ,67 10, ,67 10, ,32 10, ,94 10, ,51 10, ,61 10, ,61 10, ,61 10, ,48 10, ECD , ,28 10, ,28 10, ,28 10, ,28 10, ,28 10, ,63 10, ,60 10, ,88 10, ,87 10, ,87 10, ,87 10, ,52 10,95 COTA PSF COTA PSF PSF PSF PSF PSF , ,46 0,46 0,46 0,46 0,46 0, ,00 0,46 1 0, , PSF ,42 0,46 0,46 0,46 0,46 0,46 0,46 0,46 0,46 0, ,36 0, ,15 0, ,91 0, PSF , , ,46 0, , ,00 0, ,00 0, ,00 0, , , , , , PSF , , , , , , , , , , ,63 6, , , PSF , , , , , , , , , , , , PSF , , , , , , , , , , , , PSF , ,20 10, ,00 10, ,20 10, ,20 10, ,20 10, ,20 10, ,40 10, ,00 10, ,20 10, ,20 10, ,60 10, ,20 10, PSF , ,12 10, ,77 10, ,12 10, ,12 10, ,12 10, ,12 10, ,39 10, ,77 10, ,12 10, ,12 10, ,14 10, ,12 10, PSF , ,06 10, ,05 10, ,06 10, ,06 10, ,06 10, ,06 10, ,74 10, ,05 10, ,06 10, ,06 10, ,37 10, ,06 10, PSF , ,90 10, ,42 10, ,90 10, ,90 10, ,90 10, ,90 10, ,33 10, ,42 10, ,90 10, ,90 10, ,50 10, ,90 10,95 COTA VIG SAN COTA VIG SAN VIG SAN VIG SAN VIG SAN 4.342,40 436,17 436, ,17 #DIV/0! 436,17 436,17 432,31 0,88 432,31 432,31 432,31 432, VIG SAN 1.895,53 291,62 145,81 5 0,46 291,62 0,46 145,81 0,46 145,81 0,46 145,81 0,46 145,81 0,46 145,81 0,46 145,81 0,46 145,81 0,46 145,81 0, VIG SAN 3.206,55 365,57 0,46 292,33 0,46 0,46 365,57 0,46 292,33 0,46 292,33 0,46 290,39 0,46 290,39 0,46 290,39 0,46 290,39 0,46 290,39 0,46 146,48 0, VIG SAN 2.708,36 0,46 0,46 839,54 0,46 419,77 0,46 419,77 0,46 419,77 0,46 0,46 0,46 0,46 0,46 609,51 0,46 0, VIG SAN 7.314,12 609,51 6,27 609,51 6,27 609,51 6,27 609,51 6,27 609,51 6,27 609,51 6,27 609,51 6,27 609,51 6,27 609,51 6,27 609,51 6,27 609,51 6,27 609,51 6, VIG SAN 7.691,28 640,94 6,27 640,94 6,27 640,94 6,27 640,94 6,27 640,94 6,27 640,94 6,27 640,94 6,27 640,94 6,27 640,94 6,27 640,94 6,27 640,94 6,27 640,94 6, VIG SAN , ,26 1, ,26 1, ,26 1, ,26 1, ,08 1,95 1, ,70 1, ,30 1, ,45 1,95 6,27 6,27 6, VIG SAN , ,34 10, ,34 10, ,34 10, ,34 10, ,21 10,95 462,46 10, ,84 10, ,02 10, ,57 10,95 462,46 10,95 462,46 10,95 462,46 10, VIG SAN , ,98 10, ,98 10, ,98 10, ,98 10, ,75 10,95 256,55 10, ,18 10, ,27 10, ,65 10,95 256,55 10,95 256,55 10,95 256,55 10, VIG SAN , ,30 10, ,30 10, ,30 10, ,30 10, ,41 10,95 398,87 10, ,47 10, ,35 10, ,22 10,95 398,87 10,95 398,87 10,95 398,87 10, VIG SAN , ,69 10, ,69 10, ,69 10, ,69 10, ,28 10,95 363,59 10, ,11 10, ,10 10, ,31 10,95 363,59 10,95 363,59 10,95 363,59 10,95 COTA SAÚDE BUCAL COTA SAÚDE BUCAL SAÚDE BUCAL SAÚDE BUCAL SAÚDE BUCAL , , , SAÚDE BUCAL #DIV/0! 10 0,46 0,46 0,46 0,46 0,46 0,46 0, , , SAÚDE BUCAL ,99 0,46 0,46 0,46 0,46 0,46 0,46 0,46 0,46 0,46 0, ,40 0, ,60 0, SAÚDE BUCAL , , ,46 0, , , , ,46 0, , ,46 0, SAÚDE BUCAL , , , ,27 6, ,17 6, ,17 6, ,17 6, ,17 6,27 6, ,39 6, ,26 6, ,76 6, SAÚDE BUCAL , , , , , , , , , , , , SAÚDE BUCAL , , , , , , , , , , , , SAÚDE BUCAL , ,55 10, ,30 10, ,55 10, ,55 10, ,55 10, ,55 10, ,78 10, ,30 10, ,55 10, ,55 10, ,55 10, ,55 10, SAÚDE BUCAL , ,94 10, ,39 10, ,63 10, ,63 10, ,63 10, ,63 10, ,17 10, ,39 10, ,63 10, ,63 10, ,63 10, ,63 10, SAÚDE BUCAL , ,39 10, ,20 10, ,61 10, ,61 10, ,61 10, ,61 10, ,17 10, ,20 10, ,61 10, ,61 10, ,61 10, ,61 10, SAÚDE BUCAL , ,60 10, ,27 10, ,73 10, ,73 10, ,73 10, ,73 10, ,27 10, ,27 10, ,73 10, ,73 10, ,73 10, ,73 10,95

20 20 2º quinzena de julho/2011 PREFEITURA MUNICIPAL DE ITANHEM Exercício: 2010 PROJEÇÃO DA RECEITA CORRENTE PARA O EXERCÍCIO DE 2012, 2013 E 2014 COTA FARMÁCIA BÁSICA COTA FARMÁCIA BÁSICA Farmácia Bási Farmácia Bási Farmácia Bási , , , , , , , , , , , Farmácia Bási 9.608, ,34 595,17 5 0, , ,17 595,17 595,17 595, , ,72 0,46 962,36 0,46 962, Farmácia Bási , ,26 0, ,04 0,46 0, ,26 0, ,04 0, ,85 0, ,69 0, ,57 0, ,48 0, ,95 0, ,20 0, ,48 0, Farmácia Bási , ,96 0, ,96 0, ,96 0, ,96 0, ,96 0, ,96 0, ,96 0, ,96 0, ,96 0, ,96 0, ,96 0, ,92 0, Farmácia Bási , ,00 6, ,90 6,27 6, ,00 6, ,90 6, ,28 6, ,19 6, ,70 6, ,00 6, ,30 6, ,87 6, ,25 6, Farmácia Bási , ,63 6, ,63 6, ,63 6, ,63 6, ,63 6, ,63 6, ,63 6, ,63 6, ,63 6, ,63 6, ,63 6, ,63 6, Farmácia Bási , ,45 1, ,45 1, ,45 1, ,45 1, ,45 1, ,45 1, ,45 1, ,45 1, ,45 1, ,45 1, ,45 6, ,45 6, Farmácia Bási , ,79 10, ,21 10,95 10, ,79 10, ,21 10, ,32 10, ,82 10, ,66 10, ,24 10, ,90 10, ,16 10, ,01 10, Farmácia Bási , ,06 10, ,74 10,95 10, ,06 10, ,74 10, ,42 10, ,11 10, ,29 10, ,98 10, ,16 10, ,01 10, ,56 10, Farmácia Bási , ,97 10, ,37 10,95 10, ,97 10, ,37 10, ,97 10, ,48 10, ,11 10, ,74 10, ,01 10, ,56 10, ,34 10, Farmácia Bási , ,05 10, ,19 10,95 10, ,05 10, ,19 10, ,79 10, ,70 10, ,36 10, ,04 10, ,56 10, ,34 10, ,47 10,95 OUTROS PROGAMAS SUS COTA FARMÁCIA BÁSICA Agosto PERÍO Código Descrição Total Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Setembro Outubro Novembro Dezembro Outros SUS Outros SUS Outros SUS Outros SUS Outros SUS Outros SUS Outros SUS Outros SUS Outros SUS , , , , , , , , , , , , Outros SUS , ,70 10, ,54 10, ,17 10, ,70 10, ,54 10, ,17 10,95 11,22 10, ,36 10, ,41 10, ,70 10, ,54 10, ,17 10, Outros SUS , ,62 10, ,35 10, ,70 10, ,62 10, ,35 10, ,70 10, ,79 10, ,88 10, ,46 10, ,54 10, ,17 10,95 11,22 10, Outros SUS , ,94 10, ,94 10, ,01 10, ,94 10, ,94 10, ,01 10, ,12 10, ,43 10, ,44 10, ,17 10,95 11,22 10, ,36 10, Outros SUS , ,14 10, ,35 10, ,46 10, ,14 10, ,35 10, ,46 10, ,16 10, ,45 10, ,73 10,95 11,22 10, ,36 10, ,41 10,95 COTA PDDE COTA PDDE PDDE PDDE PDDE 6.870, , PDDE 6.603, ,40 0, PDDE 6.767, ,79 0,46 0,46 0,46 0,46 0,46 0,46 0,46 0,46 0,46 0,46 0,46 0, PDDE 6.716,35 0,46 0,46 0,46 0,46 0,46 0,46 0,46 0,46 0, ,35 0,46 0,46 0, PDDE 7.164,80 6,27 6,27 6,27 6,27 6,27 6,27 6,27 6,27 6, ,80 6,27 6,27 6, PDDE 7.375,75 6,27 6,27 6,27 6,27 6,27 6,27 6,27 6,27 6, ,75 6,27 6,27 6, PDDE 4.089,00 1,95 1,95 1,95 1,95 1,95 1,95 1,95 1,95 1,95 1,95 1, ,00 6, PDDE 8.628,44 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10, ,70 10,95 10, ,75 10, PDDE 7.055,00 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10, ,87 10,95 10, ,13 10, PDDE 8.700,39 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10, ,08 10,95 10, ,31 10, PDDE 8.740,30 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10,95 10, ,96 10,95 10, ,34 10,95 COTA PNAEALIMENTAÇÃO ESCOLAR COTA PNAEALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAE , , , , , , , , , , , PNAE , ,40 0, , , , , , , , , PNAE , ,44 0, ,00 18, ,44 15, ,64 27, ,10 21, , ,64 13, ,36 2, ,50 1, , PNAE , ,00 6,29 0,46 0, ,00 0, ,00 0,46 0,46 0, ,00 0, ,00 0, , PNAE ,35 0,46 0,46 29,42 0, ,75 0, ,63 0, ,51 0, ,95 0, ,63 0, ,40 0, ,32 0, ,74 0,46 0, PNAE ,46 0, ,00 0, ,00 0, ,00 0, ,00 0, ,00 0, ,00 0, ,00 0, ,00 0, ,00 0, ,00 0, PNAE ,31 6,27 6, ,00 6, ,00 6, ,00 6, ,16 6, ,00 6, ,00 6, ,00 6, ,00 6, ,16 6, ,00 6, PNAE ,00 6,27 6, ,40 6,27 6, ,20 6, ,40 6,27 6, ,20 6, ,20 6, ,20 6, ,20 6, ,20 6, PNAE ,95 10, ,95 10, , , ,95 10, , ,00 10, ,00 10, , PNAE ,71 10,95 10, ,29 10, ,79 10, ,93 10, ,54 10, ,03 10, ,16 10, ,41 10, ,11 10, ,72 10, ,75 10, PNAE ,16 10,95 10, ,99 10, ,15 10, ,99 10, ,40 10, ,96 10, ,46 10, ,89 10, ,94 10, ,10 10, ,28 10, PNAE ,87 10,95 10, ,21 10, ,42 10, ,57 10, ,09 10, ,22 10, ,54 10, ,72 10, ,61 10, ,37 10, ,13 10, PNAE ,28 10,95 10, ,56 10, ,56 10, ,53 10, ,08 10, ,33 10, ,54 10, ,88 10, ,01 10, ,70 10, ,08 10,95 COTA PNAC/PNAEALIMENTAÇÃO ESCOLAR COTA PNAC/PNAEALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAC/PNAE PNAC/PNAE 1.933,56 295,20 811,80 413,28 413, PNAC/PNAE PNAC/PNAE 945,00 945, PNAC/PNAE 949,35 0,46 949,35 0, PNAE 5.016,00 0,46 0,46 501,60 0,46 501,60 0,46 501,60 0,46 501,60 0,46 501,60 0,46 501,60 0,46 501,60 0,46 501,60 0,46 501,60 0,46 501,60 0, PNAC/PNAE 4.535,90 334,40 0,46 334,40 6,27 334,40 6,27 533,05 6,27 334,40 6,27 533,05 6,27 533,05 6,27 533,05 6,27 533,05 6,27 533,05 6, PNAC/PNAE 2.323,20 387,20 0,46 6,27 193,60 6,27 387,20 6,27 6,27 193,60 6,27 193,60 6,27 193,60 6,27 387,20 6,27 387,20 6, PNAC/PNAE ,95 1, ,00 1,95 1,95 516,00 1,95 516,00 1,95 516,00 1,95 516,00 1,95 516,00 1,95 516,00 6,27 516,00 6,27 516,00 6, PNAC/PNAE 5.725,02 10,95 10, ,00 10,95 10,95 572,50 10,95 572,50 10,95 572,50 10,95 572,50 10,95 572,50 10,95 572,50 10,95 572,50 10,95 572,50 10, PNAC/PNAE 6.351,91 10,95 10, ,38 10,95 10,95 635,19 10,95 635,19 10,95 635,19 10,95 635,19 10,95 635,19 10,95 635,19 10,95 635,19 10,95 635,19 10, PNAC/PNAE 7.047,44 10,95 10, ,49 10,95 10,95 704,74 10,95 704,74 10,95 704,74 10,95 704,74 10,95 704,74 10,95 704,74 10,95 704,74 10,95 704,74 10, PNAC/PNAE 7.819,14 10,95 10, ,83 10,95 10,95 781,91 10,95 781,91 10,95 781,91 10,95 781,91 10,95 781,91 10,95 781,91 10,95 781,91 10,95 781,91 10,95 4 PREFEITURA MUNICIPAL DE ITANHEM Exercício: 2010 PROJEÇÃO DA RECEITA CORRENTE PARA O EXERCÍCIO DE 2012, 2013 E 2014 COTA PEJA COTA PEJA PEJA , , , , , , , , PEJA PEJA , , , , , ,90 18, ,20 21, ,18 207, PEJA ,50 0, ,24 0, ,41 0, ,81 0, ,19 0, ,85 0, PEJA , ,58 0, ,58 0, ,28 0, ,50 0, ,04 0, ,90 0, ,34 0, PEJA , ,22 0, ,22 0, ,89 0, ,31 0, ,01 0, ,07 0, ,90 0, PEJA , ,56 6, ,56 6, ,34 6, ,93 6, ,61 6, ,44 6, ,53 6, PEJA , ,40 6, ,20 6, ,40 6, , ,20 6, ,20 6, ,20 6, ,20 6, PEJA ,95 1, ,00 1,95 1, ,00 1, ,00 1, ,00 1,95 1, ,00 1,95 1, ,00 1, ,00 1, PEJA ,57 10,95 10, ,91 10,95 10, ,96 10, ,50 10, ,83 10, ,54 10, ,96 10, ,54 10, ,37 10, ,96 10, PEJA ,97 10,95 10, ,59 10,95 10, ,30 10, ,68 10, ,83 10,95 938,38 10, ,30 10,95 938,38 10, ,21 10, ,30 10, PEJA ,90 10,95 10, ,38 10,95 10, ,69 10, ,64 10, ,47 10, ,95 10, ,69 10, ,95 10, ,43 10, ,69 10, PEJA ,88 10,95 10, ,98 10,95 10, ,49 10, ,41 10, ,13 10, ,92 10, ,49 10, ,92 10, ,05 10, ,49 10,95 COTA PNAEALIMENTAÇÃO ESCOLAR QUILOMBOLA COTA PNAEALIMENTAÇÃO ESCOLAR Agosto Setembro PERÍO Código Descrição Total Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Outubro Novembro Dezembro PNAE PNAE PNAE PNAE PNAE PNAE PNAE PNAE PNAE ,95 1, ,95 1, , , , , ,95 1, , , PNAE 2.907,48 10,95 10,95 532,56 10,95 10,95 266,28 10,95 266,28 10,95 266,28 10,95 532,56 10,95 266,28 10,95 10,95 532,56 10,95 244,68 1, PNAE 3.058,04 10,95 10,95 561,72 10,95 10,95 280,86 10,95 280,86 10,95 280,86 10,95 561,72 10,95 280,86 10,95 10,95 561,72 10,95 249,45 1, PNAE 3.165,42 10,95 10,95 582,22 10,95 10,95 291,11 10,95 291,11 10,95 291,11 10,95 582,22 10,95 291,11 10,95 10,95 582,22 10,95 254,32 1, PNAE 3.359,40 10,95 10,95 620,02 10,95 10,95 310,01 10,95 310,01 10,95 310,01 10,95 620,02 10,95 310,01 10,95 10,95 620,02 10,95 259,27 1,95 COTA PNTETANSPORTE ESCOLAR COTA PNTETANSPORTE ESCOLAR PNTE PNTE PNTE , , , ,66 48, , ,55 1, , ,36 84, PNTE ,69 0, ,76 0,46 0, ,37 0, ,99 0, ,99 0, ,58 0, PNTE ,83 0, ,70 0,46 0,46 0, ,17 0, ,51 0, ,51 0, ,94 0, PNTE , ,84 0, ,42 0, ,42 0, ,42 0, ,42 0, ,42 0, ,42 0, , ,42 0, ,84 0,46 0, ,42 0, PNTE ,34 6,27 6,27 6, ,96 6, ,53 6, ,52 6, ,76 6, ,52 6, ,76 6, ,76 6, ,53 6, PNTE ,94 6,27 6,27 6, ,50 6, ,10 6,27 6, ,25 6, , ,45 6, ,25 6, ,40 6,27 6, PNTE ,00 1,95 1, ,87 1,95 1, ,74 1,95 1, ,74 1, ,87 1,95 1, ,56 1, ,18 1, ,04 1, PNTE ,52 10,95 10,95 10,95 10, ,67 10,95 10, ,67 10,95 10,95 10, ,54 10, ,13 10, ,52 10, PNTE ,41 10,95 10,95 10,95 10, ,06 10,95 10, ,06 10,95 10,95 10, ,92 10, ,13 10, ,24 10, PNTE ,51 10,95 10,95 10,95 10, ,65 10,95 10, ,65 10,95 10,95 10, ,96 10, ,69 10, ,56 10, PNTE ,42 10,95 10,95 10,95 10, ,33 10,95 10, ,33 10,95 10,95 10, ,55 10, ,79 10, ,42 10,95 COTA SALÁRIO EDUCAÇÃO COTA SALÁRIO EDUCAÇÃO SAL. EDUCAÇÃ SAL. EDUCAÇÃ SAL. EDUCAÇÃ , , ,67 96, ,60 70, ,32 264, ,01 74, ,92 286, ,98 72, ,07 267, ,32 74, ,18 351, ,50 74, SAL. EDUCAÇÃ , , ,79 0, ,32 0, ,01 0, ,51 0, ,68 0,46 0, ,48 0, ,54 0, ,98 0, ,18 0, ,52 0, SAL. EDUCAÇÃ , ,06 0, ,10 0, ,65 0, ,13 0, ,71 0, ,63 0, ,58 0, ,58 0, ,80 0, ,64 0, ,78 0, ,00 0, SAL. EDUCAÇÃ , ,07 0, ,06 0, ,66 0, ,40 0, ,68 0, ,38 0, ,49 0, ,21 0, ,66 0, ,41 0, ,51 0, ,37 0, SAL. EDUCAÇÃ , ,87 6, ,24 6, ,98 6, ,02 6, ,35 6, ,18 6, ,98 6, ,53 6, ,89 6, ,44 6, ,90 6, ,33 6, SAL. EDUCAÇÃ , ,23 6, ,76 6, ,82 6, ,53 6, ,70 6, ,41 6, ,21 6, ,47 6, ,80 6, ,14 6, ,13 6, ,09 6, SAL. EDUCAÇÃ , ,91 1, ,54 1, ,29 1, ,80 1, ,50 1, ,33 1, ,15 1, ,11 1, ,94 1, ,33 1, ,06 1, ,31 1, SAL. EDUCAÇÃ , ,01 10, ,77 10, ,66 10, ,21 10, ,14 10, ,44 10, ,64 10, ,86 10, ,57 10, ,37 10, ,35 10, ,51 10, SAL. EDUCAÇÃ , ,31 10, ,80 10, ,78 10, ,46 10, ,29 10, ,12 10, ,36 10, ,38 10, ,09 10, ,45 10, ,96 10, ,40 10, SAL. EDUCAÇÃ , ,41 10, ,43 10, ,65 10, ,98 10, ,07 10, ,26 10, ,75 10, ,82 10, ,67 10, ,92 10, ,82 10, ,04 10, SAL. EDUCAÇÃ , ,95 10, ,15 10, ,65 10, ,51 10, ,36 10, ,10 10, ,72 10, ,24 10, ,35 10, ,96 10, ,64 10, ,37 10,95 COTA ICMS BB COTA ICMS ICMS , , ,80 2, ,48 12, ,68 9, ,77 7, ,02 5, ,61 2, ,22 7, ,23 5, ,08 6, ,49 14, ,79 8, ICMS , ,68 1, ,29 3, ,83 13, ,13 14, ,52 10, ,50 2, ,09 13, ,71 6, ,17 10, ,39 2, ,92 0, ,32 9, ICMS , ,63 12, ,47 9, ,59 7, ,31 1, ,60 6, ,27 7, ,30 0, ,51 10, ,59 20, ,68 30, ,63 7, ,33 12, ICMS , ,00 22, ,68 24, ,12 6, ,31 8, ,62 1, ,27 0, ,57 5, ,22 3, ,98 1, ,51 11, ,56 2, ,26 3, ICMS , ,27 0, ,07 0, ,67 0, ,11 0, ,38 0, ,52 0, ,53 0, ,44 0, ,27 0, ,02 0, ,73 0, ,41 0, ICMS , ,15 0, ,61 0, ,54 0, ,90 0, ,61 0, ,75 0, ,41 0, ,50 0, ,19 0, ,86 0, ,88 0, ,16 0, ICMS , ,73 6, ,90 6, ,89 6, ,52 6, ,89 6, ,48 6, ,99 6, ,62 6, ,45 6, ,42 6, ,62 6, ,49 6, ICMS , ,39 6, ,93 6, ,97 6, ,90 6, ,23 6, ,96 6, ,13 6, ,18 6, ,92 6, ,69 6, ,40 6, ,05 6, ICMS , ,21 1, ,93 1, ,61 1, ,97 1, ,80 1, ,32 1, ,84 1, ,41 1, ,93 1, ,47 1, ,29 1, ,99 1, ICMS , ,30 10, ,47 10, ,42 10, ,83 10, ,41 10, ,35 10, ,22 10, ,14 10, ,40 10, ,64 10, ,59 10, ,90 10, ICMS , ,15 10, ,19 10, ,99 10, ,64 10, ,73 10, ,95 10, ,88 10, ,42 10, ,70 10, ,60 10, ,66 10, ,78 10, ICMS , ,02 10, ,22 10, ,30 10, ,74 10, ,57 10, ,57 10, ,47 10, ,34 10, ,64 10, ,39 10, ,24 10, ,16 10, ICMS , ,31 10, ,93 10, ,64 10, ,79 10, ,62 10, ,42 10, ,59 10, ,49 10, ,99 10, ,84 10, ,37 10, ,37 10,95 5

PREFEITURA MUNICIPAL DE JACOBINA RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE JACOBINA RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA BALANÇO ORÇAMENTÁRIO ORÇAMENTO FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO ABRIL 2015/ BIMESTRE MARÇOABRIL RREO ANEXO I (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas "a" e "b" do inciso II e 1º) R$ 1,00 RECEITAS PREVISÃO

Leia mais

(EXCETO INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (I) 19.331.000,00 19.331.000,00 1.019.712,35 5,28 12.775.069,85 66,09 6.555.930,15 RECEITAS CORRENTES

(EXCETO INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (I) 19.331.000,00 19.331.000,00 1.019.712,35 5,28 12.775.069,85 66,09 6.555.930,15 RECEITAS CORRENTES RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA BALANÇO ORÇAMENTÁRIO ORÇAMENTO FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A DEZEMBRO 2014/ BIMESTRE NOVEMBRODEZEMBRO RREO ANEXO I (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas

Leia mais

ANEXO DE RISCOS FISCAIS TABELA 1 - DEMONSTRATIVO DE RISCOS FISCAIS E PROVIDÊNCIAS 2013 ARF (LRF, art. 4º, 3º) PASSIVOS CONTINGENTES PROVIDÊNCIAS Descrição Valor Descrição Valor Abertura de créditos adicionais

Leia mais

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral 1 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO FRENTE À LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO EXERCÍCIO DE 2012 Este relatório tem por objetivo abordar, de forma resumida, alguns aspectos

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTÁRIA

CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTÁRIA CAPITULO III CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO DIRETA 31 3 CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTÁRIA - ADMINISTRAÇÃO DIRETA 3.1 DOS BALANÇOS 3.1.1 - Resultado Financeiro do Exercício Considerando que a receita arrecadada

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA GLORIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA GLORIA Página 1 de 28 ESTADO DE GOIÁS PÁG: 001 BALANÇO ORÇAMENTÁRIO RREO ANEXO 1 (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas a e b do inciso II e 1º) R$ RECEITAS PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS REALIZADAS NO BIMESTRE % ATÉ BIMESTRE

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE FOMENTO À HABITAÇÃO

SECRETARIA MUNICIPAL DE FOMENTO À HABITAÇÃO SEMANÁRIO OFICIAL João Pessoa, 27 de julho de 212 * n 1332 ESPECIAL * Pág. 11/66 SECRETARIA MUNICIPAL DE FOMENTO À HABITAÇÃO Pág. 12/66 * n 1332 ESPECIAL * João Pessoa, 27 de julho de 212 SEMANÁRIO OFICIAL

Leia mais

Prefeitura Municipal de Iaçu-BA

Prefeitura Municipal de Iaçu-BA ANO. 2015 Prefeitura Municipal de IaçuBA DO MUNICÍPIO DE IAÇU BAHIA ANO.V EDIÇÃO Nº 00450 A Prefeitura Municipal de Iaçu, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. 1 Este documento

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santana

Prefeitura Municipal de Santana Segunda 30 de janeiro de 2012 Prefeitura Municipal de Santana 6 Bimestre e 3 de 2011 http://www.tribunanet.com.br/?tipo=1&gs=2&cidade=20&anos=&imagefield.x=51&imagefield.y=17 Prefeitura Municipal de Santana

Leia mais

Diário Oficial. Prefeitura Municipal de Ichú Ba. Ano VI - Edição Ordinária n º. 480 26 de março de 2015- Pg1/23 PREFEITURA MUNICIPAL ICHU - BAHIA

Diário Oficial. Prefeitura Municipal de Ichú Ba. Ano VI - Edição Ordinária n º. 480 26 de março de 2015- Pg1/23 PREFEITURA MUNICIPAL ICHU - BAHIA Diário Oficial Prefeitura Municipal de Ichú Ba Ano VI - Edição Ordinária n º. 480 26 de março de 2015- Pg1/23 GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 021/2015 DE 26 DE MARÇO DE 2015. Reajusta os vencimentos dos cargos

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ LEI Nº 5456, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012. Estima a receita e fixa a despesa do Município de Sumaré para o exercício financeiro de 2013, e dá outras providências.- O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ seguinte

Leia mais

PORTARIA N o 42, DE 14 DE ABRIL DE 1999 (ATUALIZADA) (*) (Publicada no D.O.U. de 15.04.99)

PORTARIA N o 42, DE 14 DE ABRIL DE 1999 (ATUALIZADA) (*) (Publicada no D.O.U. de 15.04.99) PORTARIA N o 42, DE 14 DE ABRIL DE 1999 (ATUALIZADA) (*) (Publicada no D.O.U. de 15.04.99) Atualiza a discriminação da despesa por funções de que tratam o inciso I do 1 o do art. 2 o e 2 o do art. 8 o,

Leia mais

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000.

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Institui o Plano de Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Municipais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE DUQUE DE CAXIAS decreto e eu sanciono

Leia mais

Segunda-feira, 13 de Abril de 2015 Edição N 385

Segunda-feira, 13 de Abril de 2015 Edição N 385 CONSÓRCIO JACUÍPE CNPJ: 16.749.050/0001-06 Rua Manoel Gonçalves, 45, Centro 44.610-000 Pintadas Bahia cdsjacuipe@yahoo.com.br AVISO DE LICITAÇÃO CONSÓRCIO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO TERRITÓRIO BACIA

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO LIBERDADE PARA TODOS PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARAMIRANGA - CEARÁ

ADMINISTRAÇÃO LIBERDADE PARA TODOS PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARAMIRANGA - CEARÁ Lei nº. 210/2010 Dispões sobre as Diretrizes para elaboração da Lei Orçamentária para o exercício financeiro de 2011 e dá outras providências. Luís Eduardo Viana Vieira, Prefeito Municipal de Guaramiranga,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA LEI Nº 875/2009 DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA ELABORAÇÃO DA LEI ORÇAMENTÁRIA PARA O EXERCÍCIO DE 2010, E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE JURANDA,, faz saber a todos os

Leia mais

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade Metas Fiscais e Riscos Fiscais Secretaria do Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade 2012 Curso Multiplicadores 2012 Programa do Módulo 2 Metas Fiscais e Riscos Fiscais CH: 04 h Conteúdo: 1.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2015. (Diário Oficial de Contas de 01.12.2015)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2015. (Diário Oficial de Contas de 01.12.2015) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2015 (Diário Oficial de Contas de 01.12.2015) Estabelece diretrizes para a prestação das contas anuais do Chefe do Poder Executivo Municipal referente ao exercício de 2015 e dá

Leia mais

LEI Nº. 1293/10- DE 05 DE JULHO DE 2010. SEBASTIÃO DE OLIVEIRA BAPTISTA, Prefeito do Município de São Francisco, Estado de São Paulo,

LEI Nº. 1293/10- DE 05 DE JULHO DE 2010. SEBASTIÃO DE OLIVEIRA BAPTISTA, Prefeito do Município de São Francisco, Estado de São Paulo, LEI Nº. 1293/10- DE 05 DE JULHO DE 2010 Dispõe sobre as diretrizes orçamentárias para o exercício financeiro de 2011 e dá outras providências. SEBASTIÃO DE OLIVEIRA BAPTISTA, Prefeito do Município de São

Leia mais

As mensagens de erro são representadas por um código seguido da descrição do erro encontrado. Abaixo segue a estrutura do código de erro:

As mensagens de erro são representadas por um código seguido da descrição do erro encontrado. Abaixo segue a estrutura do código de erro: Anexo I - Regras de Validação - RREO O presente anexo possui o objetivo de apresentar a estrutura das mensagens de erros emitidas quando o sistema encontra alguma inconsistência na validação das fórmulas

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santa Vitória

Prefeitura Municipal de Santa Vitória Estado de Minas Gerais 000 - CONSOLIDADO Período: 01-02-2015 a 28-02-2015 01021 25-03-2015 10:43:32 1.0.0.0.00.00.00 Receitas Correntes 104.781.529,32 7.967.161,22 17.057.545,28 1.1.0.0.00.00.00 Receita

Leia mais

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre critérios a serem adotados na execução orçamentária e financeira do Poder Executivo do Município de Goiânia para o exercício

Leia mais

Curso: Administração Disciplina: Administração Pública Prof: Carlos Henrique CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL -PROGRAMÁTICA

Curso: Administração Disciplina: Administração Pública Prof: Carlos Henrique CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL -PROGRAMÁTICA 1 Curso: Administração Disciplina: Administração Pública 6º Semestre Prof: Carlos Henrique CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL -PROGRAMÁTICA Na verdade, o que existe é a junção de duas classificações distintas: a

Leia mais

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais,

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012 Dispõe sobre procedimentos e prazos relativos ao encerramento do exercício de 2012 e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO (MÊS) : DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013 LEI Nº. 720/2013 SÚMULA: ALTERA A LEI Nº. 593/2010 QUE INSTITUIU O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE (FMS) E INCLUI O CAPÍTULO IX COM OS ARTIGOS 12º E 13º E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ibertioga Balancete Financeiro (Consolidado) Página 1 Período: 01/08/2011 a 31/08/2011 18/10/2011 10:03:48

Prefeitura Municipal de Ibertioga Balancete Financeiro (Consolidado) Página 1 Período: 01/08/2011 a 31/08/2011 18/10/2011 10:03:48 Prefeitura Municipal de Ibertioga Balancete Financeiro (Consolidado) Página 1 ORCAMENTARIAS 1 Receitas Correntes 871.896,14 7.105.194,18 11 Receita Tributária 15.190,79 116.474,16 111 Impostos 14.948,39

Leia mais

BALANÇO FINANCEIRO 2013

BALANÇO FINANCEIRO 2013 ANO. 2014 DO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DA FEIRA - BAHIA 1 A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. BALANÇO FINANCEIRO 2013 Conceição

Leia mais

Balancete Financeiro - RECEITA

Balancete Financeiro - RECEITA Balancete Financeiro Pagina 1/6 RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS 1.0.0.0.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 5.554.843,81 55.865.864,51 1.1.0.0.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTÁRIA 596.903,38 5.277.172,60 1.1.1.0.00.00.00.00

Leia mais

Itabuna PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA

Itabuna PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA D E C R E T O Nº 11.028, de 10 de novembro de 2014 EMENTA: Dispõe sobre os procedimentos e prazos para o Encerramento do Exercício Financeiro de 2014, no âmbito da Administração Pública Municipal e, dá

Leia mais

Novas Portarias da STN: Alterações nos Demonstrativos Fiscais da LRF

Novas Portarias da STN: Alterações nos Demonstrativos Fiscais da LRF Novas Portarias da STN: Alterações nos Demonstrativos Fiscais da LRF Edson Ronaldo Nascimento (edson.nascimento@fazenda.gov.br) José Carlos Gerardo (jose.gerardo@fazenda.gov.br) Este texto expressa as

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA LEI Nº 3.256, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2003 Institui o programa de recuperação de créditos tributários da fazenda pública municipal REFIM e dá outras providências. Piauí Lei: O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA,

Leia mais

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42 DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial Ativo - Ativo - 1.0.0.0.0.00.00 - Ativo 96.744.139,42 1.1.0.0.0.00.00 - Ativo Circulante 24.681.244,01 1.1.1.0.0.00.00 -

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS - DMU DESTINAÇÃO DA RECEITA PÚBLICA - APLICÁVEL PARA O EXERCÍCIO DE 2012 CODIFICAÇÃO UTILIZADA PARA CONTROLE DAS

Leia mais

VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64

VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64 VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64 Apresentação Este volume compõe o Balanço Geral do Estado do exercício financeiro 2010. Nele são apresentados os anexos exigidos na LEI 4.320/64. LUIZ MARCOS DE LIMA SUPERINTENDENTE

Leia mais

Diário Oficial ÓRGÃO OFICIAL DA PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA FRIBURGO

Diário Oficial ÓRGÃO OFICIAL DA PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA FRIBURGO Diário Oficial R$ 0,50 ÓRGÃO OFICIAL DA PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA FRIBURGO PUBLICAÇÃO DA SUBSECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL ANO IV - EDIÇÃO N. 116-2 de abril de 2014 www.pmnf.rj.gov.br Saúde Bucal

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

LEI Nº 14.505, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2009

LEI Nº 14.505, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2009 ESTADO DO CEARÁ LEI Nº 14.505, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2009 Publicada no DOE em 19/11/2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ. DISPÕE SOBRE A REMISSÃO, A ANISTIA E A TRANSAÇÃO DE CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS RELACIONADOS

Leia mais

RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITAS REALIZADAS

RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITAS REALIZADAS Governo Municipal de Lagoa de Dentro DEMONSTR. DAS RECEITAS E DESPESAS Pag.: 0001 RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS INICIAL ATUALIZADA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA AUDIÊNCIA PÚBLICA AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS 3º QUADRIMESTRE DE 2011

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA AUDIÊNCIA PÚBLICA AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS 3º QUADRIMESTRE DE 2011 PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA AUDIÊNCIA PÚBLICA AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS 3º QUADRIMESTRE DE 2011 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL DA TRANSPARÊNCIA DA GESTÃO FISCAL Art. 48. São instrumentos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VARGEM BONITA - M.G Livro Nº 18 Folha Nº 015

PREFEITURA MUNICIPAL DE VARGEM BONITA - M.G Livro Nº 18 Folha Nº 015 Folha Nº 015 LEI Nº. 1.058/2014 ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO PARA O EXERCÍCIO DE 2015 O Prefeito do Município: Faço saber que a Câmara Municipal de Vargem Bonita aprovou e eu sanciono

Leia mais

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Imprimir Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Ruy Barbosa - RN Relatório Resumido da Execução Orçamentária Demonstrativo das

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA PORTARIA Nº 238/GABS/SEF/SC, DE 20 DE JULHO DE 2015.

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA PORTARIA Nº 238/GABS/SEF/SC, DE 20 DE JULHO DE 2015. SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA PORTARIA Nº 238/GABS/SEF/SC, DE 20 DE JULHO DE 2015. Torna público o Relatório Resumido da Execução Orçamentária da Administração Direta e Indireta, relativo aos meses de

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos LEI Nº 358/2011 Faço saber a todos os habitantes que a Câmara Municipal de Cafeara, Estado do Paraná aprovou e eu sanciono a presente Lei, que revoga a Lei nº. 084/92 de 17/09/1992. Súmula: Institui o

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº. 3.257/2011 DE 22 DE AGOSTO DE 2011.

LEI MUNICIPAL Nº. 3.257/2011 DE 22 DE AGOSTO DE 2011. LEI MUNICIPAL Nº. 3.257/2011 DE 22 DE AGOSTO DE 2011. DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DA LEI ORÇAMENTÁRIA PARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2.012 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS A Câmara Municipal de

Leia mais

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Imprimir Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Riacho da Cruz - RN Relatório Resumido da Execução Orçamentária Demonstrativo

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA...para Demonstrar e Avaliar o Cumprimento das Metas Fiscais referentes ao terceiro quadrimestre do exercício de 2012

AUDIÊNCIA PÚBLICA...para Demonstrar e Avaliar o Cumprimento das Metas Fiscais referentes ao terceiro quadrimestre do exercício de 2012 AUDIÊNCIA PÚBLICA...para Demonstrar e Avaliar o Cumprimento das Metas Fiscais referentes ao terceiro quadrimestre do exercício de 2012 PREFEITURA DE SÃO JOSÉ SECRETARIA DE FINANÇAS EDITAL DE CONVOCAÇÃO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA GLOSSÁRIO A AÇÃO GOVERNAMENTAL: Conjunto de operações, cujos produtos contribuem para os objetivos do programa governamental. A ação pode ser um projeto, atividade ou operação especial. ADMINISTRAÇÃO DIRETA:

Leia mais

Prefeitura Municipal de Capela do Alto Alegre-BA

Prefeitura Municipal de Capela do Alto Alegre-BA ANO. 2015 Prefeitura Municipal de Capela do Alto AlegreBA DO MUNICÍPIO DE CAPELA DO ALTO ALEGRE BAHIA ANO. V EDIÇÃO Nº 00652 A Prefeitura Municipal de Capela do Alto Alegre, Estado Da Bahia Visando a Transparência

Leia mais

As mensagens de erro são representadas por um código seguido da descrição do erro encontrado. Abaixo segue a estrutura do código de erro:

As mensagens de erro são representadas por um código seguido da descrição do erro encontrado. Abaixo segue a estrutura do código de erro: Anexo I - Regras de Validação DCA 2014 O presente anexo possui o objetivo de apresentar a estrutura das mensagens de erros emitidas quando o sistema encontra alguma inconsistência na validação das fórmulas

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS DMU PROCESSO PCP 08/00199278 UNIDADE Município de Joinville RESPONSÁVEL Sr. Marco Antonio Tebaldi - Prefeito Municipal

Leia mais

LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. MÁRCIO CASSIANO DA SILVA, Prefeito Municipal de Jaciara, no uso de suas atribuições legais,

LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. MÁRCIO CASSIANO DA SILVA, Prefeito Municipal de Jaciara, no uso de suas atribuições legais, LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO BEM ESTAR SOCIAL E CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL A ELE VINCULADO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. MÁRCIO CASSIANO DA

Leia mais

PODER EXECUTIVO Prefeitura Municipal de Santa Tereza do Tocantins

PODER EXECUTIVO Prefeitura Municipal de Santa Tereza do Tocantins Lei nº 208/2008. de 12 de junho de 2008. "Dispõe sobre as Diretrizes Gerais para a elaboração da Lei Orçamentária de 2009 e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA TEREZA DO TOCANTINS, no interesse

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS DMU PROCESSO : PCP 06/00076210 UNIDADE : Município de BALNEÁRIO CAMBORIÚ RESPONSÁVEL : Sr. RUBENS SPERNAU - Prefeito

Leia mais

MUNICÍPIO DE CAUCAIA

MUNICÍPIO DE CAUCAIA LEI N 1765, DE 25 DE AGOSTO 2006. Institui o Programa de Recuperação Fiscal - REFIS no Município de Caucaia, e dá outras providências. A PREFEITA MUNICIPAL DE CAUCAIA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRÓPOLIS ESTADO DE RONDÔNIA. Lei nº 690/2012 De 22 de Outubro de 2012

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRÓPOLIS ESTADO DE RONDÔNIA. Lei nº 690/2012 De 22 de Outubro de 2012 PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRÓPOLIS ESTADO DE RONDÔNIA Lei nº 690/2012 De 22 de Outubro de 2012 Dispõe sobre a Lei de diretrizes orçamentárias, para elaboração e execução da lei orçamentária para o exercício

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro

Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro RELAÇÃO DE DOCUMENTOS INTEGRANTES DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA (CONTAS DE GOVERNO) EXERCÍCIO DE 2014 CONFORME OFÍCIO-CIRCULAR Nº 14/2015 PRS/GAP RESPONSABILIZAÇÃO CADASTROS do Prefeito

Leia mais

RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA MANUAL DE ELABORAÇÃO REVISÃO 2006 SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES

RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA MANUAL DE ELABORAÇÃO REVISÃO 2006 SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA MANUAL DE ELABORAÇÃO REVISÃO 2006 SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES PORTARIA Nº 633, DE 30 DE AGOSTO DE 2006 A Portaria nº 633, 30 agosto 2006, foi publicada no Diário

Leia mais

6,37 0,01 6,36 551.959,49 2.074.160,73 1.471.280,76 1.154.839,46 51.738,32 22.836,64 11.427,71 40.329,39 111129900000 OUTROS BANCOS CONTA MOVIMENTO

6,37 0,01 6,36 551.959,49 2.074.160,73 1.471.280,76 1.154.839,46 51.738,32 22.836,64 11.427,71 40.329,39 111129900000 OUTROS BANCOS CONTA MOVIMENTO 111110100000 CAIXA 6,37 0,01 6,36 111120200000 BANCO DO BRASIL S/A 551.959,49 2.074.160,73 1.471.280,76 1.154.839,46 111120300000 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL 51.738,32 22.836,64 11.427,71 40.329,39 111129900000

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

R E C E I T A G E R A L RECURSOS DE TODAS AS FONTES

R E C E I T A G E R A L RECURSOS DE TODAS AS FONTES TESOURO OUTRAS FONTES T O T A L ----------------------------------------------------------------------------------------------------- CÓDIGO E S P E C I F I C A Ç Ã O RECURSOS OUTROS TOTAL RECURSOS OUTROS

Leia mais

Poder Executivo. Manaus, quarta-feira, 30 de maio de 2012. Ano XIII, Edição 2939 - R$ 1,00

Poder Executivo. Manaus, quarta-feira, 30 de maio de 2012. Ano XIII, Edição 2939 - R$ 1,00 Manaus, quarta-feira, 30 de maio de 2012. Ano XIII, Edição 2939 - R$ 1,00 Poder Executivo DECRETO Nº 1.647, DE 30 DE MAIO DE 2012 MODIFICA o item 42 do Anexo Único do Decreto nº 0593, de 12 de julho de

Leia mais

ESTADO DO TOCANTINS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO NACIONAL PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO

ESTADO DO TOCANTINS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO NACIONAL PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO LEI N.º 2.178, DE 02 DE JUNHO DE 2.014. *VERSÃO IMPRESSA ASSINADA Dispõe sobre o Programa de Recuperação e Estímulo à Quitação de Débitos Fiscais REFIS PORTO 2014 e dá outras providências. Eu, PREFEITO

Leia mais

Decreto nº 10.606, de 22 de JANEIRO de 2015

Decreto nº 10.606, de 22 de JANEIRO de 2015 Decreto nº 10.606, de 22 de JANEIRO de 2015 Estabelece normas para execução orçamentária, e define a programação financeira para o exercício de 2015 e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITAS REALIZADAS

RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITAS REALIZADAS Governo Municipal de Pacajá DEMONSTR. DAS RECEITAS E DESPESAS Pag.: 0001 RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS INICIAL ATUALIZADA NO BIMESTRE

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba Sua Confiança. Nosso Trabalho. LEI N.º 9.623

Câmara Municipal de Uberaba Sua Confiança. Nosso Trabalho. LEI N.º 9.623 Sua Confiança. Nosso Trabalho. LEI N.º 9.623 Estima a receita e fixa a despesa do Município de Uberaba para o exercício de 2005, e contém outras disposições. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas

Leia mais

DESPESA TOTAL COM PESSOAL - DTP (IV) = (lila + 111b) 26.013.142,93

DESPESA TOTAL COM PESSOAL - DTP (IV) = (lila + 111b) 26.013.142,93 PREFEITURA MUNICIPAL DE PEIXOTO DE AZEVEDO DEMONSTRATIVO DA DESPESA COM PESSOAL ORÇAMENTO FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL Maio/2013 a Abril/2014 - Consolidado RGF - Anexo I (LRF, art. 55, inciso I alinea

Leia mais

SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE MONDAI

SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE MONDAI SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE MONDAI Receita Prevista e Realizada - Balanço Orçamentário (Artigo 2º, Inciso XIV da I.N. nº 028/1999) Admiministração Direta, Indireta e Fundacional Títulos Orçada

Leia mais

Área Técnica: Equipe responsável pelo SIOPS Área de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva Ministério da Saúde.

Área Técnica: Equipe responsável pelo SIOPS Área de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva Ministério da Saúde. Assunto: Composição dos indicadores estaduais calculados automaticamente pelo SIOPS, após a declaração de dados contábeis, pelos Estados e pelo DF, a partir do SIOPS 2007 semestral. Área Técnica: Equipe

Leia mais

Noções Administração Financeira e Orçamentária. Prof. Fernando Aprato

Noções Administração Financeira e Orçamentária. Prof. Fernando Aprato Noções Administração Financeira e Orçamentária Prof. Fernando Aprato Lei de Responsabilidade Fiscal LC 101/2000 A lei de Responsabilidade Fiscal, Lei Complementar 101, de 4 de maio de 2000, estabelece

Leia mais

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL SUBSECRETARIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL SUBSECRETARIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM FOZ DO IGUAÇU ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO Nº 8, DE 26 DE SETEMBRO DE 204 Inscrição no Registro de Despachantes Aduaneiros. O DELEGADO DA DELEGACIA DA RECEITA FEDE-

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU Alterações em relação ao arquivos publicados em 03/06/2014: Item alterado/incluído Motivo Regras de consolidação. b.8 Numeração errada. Regras de consistência, b Exclui-se as consignações do passivo financeiro

Leia mais

ENCERRAMENTO DE MANDATO. Heraldo da Costa Reis Professor da ENSUR/IBAM e do Departamento de Contabilidade da UFRJ.

ENCERRAMENTO DE MANDATO. Heraldo da Costa Reis Professor da ENSUR/IBAM e do Departamento de Contabilidade da UFRJ. ENCERRAMENTO DE MANDATO Professor da ENSUR/IBAM e do Departamento de Contabilidade da UFRJ. No ano em curso de 2008, dois fatos ocuparão as nossas atenções: O encerramento dos mandatos dos atuais prefeitos,

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.360/11 Dispõe sobre o Regime de Parcelamento de Débitos de Anuidades e Multas (Redam II) para o Sistema CFC/CRCs O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições

Leia mais

Demonstração da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas Adendo II a Portaria SOF nº 08, de 04/02/1985 Anexo I, da Lei nº 4.

Demonstração da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas Adendo II a Portaria SOF nº 08, de 04/02/1985 Anexo I, da Lei nº 4. PREVIDENCIA SOCIAL DO MUN. DE CAMPINA GRANDE DO SUL ESTADO DO PARANÁ Demonstração da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas Adendo II a Portaria SOF nº 08, de 04/02/1985 Anexo I, da Lei nº

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº 38/2015. Capítulo I Disposições Gerais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº 38/2015. Capítulo I Disposições Gerais PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº 38/2015 Institui o Programa de Recuperação Fiscal REFIS do Município de Jaboticabal, e dá outras providências. Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º Fica instituído, nos

Leia mais

Governo Municipal de Rondon do Pará ORÇAMENTO PROGRAMA PARA 2014 - Consolidado DEMONSTRATIVO DA LEGISLAÇÃO DA RECEITA

Governo Municipal de Rondon do Pará ORÇAMENTO PROGRAMA PARA 2014 - Consolidado DEMONSTRATIVO DA LEGISLAÇÃO DA RECEITA Governo Municipal de Rondon do Pará ORÇAMENTO PROGRAMA PARA 2014 - Consolidado DEMONSTRATIVO DA LEGISLAÇÃO DA RECEITA MESTRE 1000.00.00.00.00 Receitas Correntes 1100.00.00.00.00 Receita Tributária 1110.00.00.00.00

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP Novas Demonstrações Contábeis do Setor Público DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO Englobam todos os fatos contábeis e atos que interessam

Leia mais

FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE DE LONDRINA

FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE DE LONDRINA FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE DE LONDRINA LEGISLAÇÃO: Leis Municipais nº 1.639 de 24/03/1970, nº 2.811 de 13/10/1977, nº 4.897 de 17/12/1991, nº 4.911 de 27/12/1991, nº 6.236 de 13/07/1995, nº 8.445 de 04/07/2001e

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI Nº 2.117, DE 29 DE SETEMBRO DE 2015. Dispõe sobre as Diretrizes para a elaboração e execução da lei orçamentária de 2016. O Prefeito Municipal no uso de suas atribuições legais de acordo com o Art.

Leia mais

MUNICIPIO DE MIMOSO DO SUL PREFEITURA E FMS ESPIRITO SANTO 27.174.119/0001-37 BALANCETE ANALÍTICO DA RECEITA ORÇAMENTÁRIA JULHO DE 2014 Arrecadação

MUNICIPIO DE MIMOSO DO SUL PREFEITURA E FMS ESPIRITO SANTO 27.174.119/0001-37 BALANCETE ANALÍTICO DA RECEITA ORÇAMENTÁRIA JULHO DE 2014 Arrecadação 11120200000 - IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA 320.000,00 37.605,75 336.345,12 16.345,12 11120431000 - IMPOSTO DE RENDA RETIDO NAS FONTES SOBRE OS REND. DO TRABALHO 143.000,00 71.571,96

Leia mais

172337 Transferências a Consórcios Públicos A - - -

172337 Transferências a Consórcios Públicos A - - - 17 Umuarama Ilustrado LEI Nº. 212/2011 SÚMUL: Dispõe sobre as Diretrizes para a Elaboração da Lei Orçamentária do Município de lto Paraíso para o exercício de e dá outras providências. CÂMR MUNICIPL DE

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS DO SUL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS DO SUL 4.0.0.0.0.00.00.00.00.00 RECEITAS 1.124.474,93 1.124.474,93 4.1.0.0.0.00.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 752.473,49 752.473,49 4.1.1.0.0.00.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 12.068,76 12.068,76 4.1.1.1.0.00.00.00.00.00

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2016

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2016 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2016 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil R I S C O S F I S C A I S (Artigo 4º, 3º da Lei Complementar nº 101/2000) A Lei Complementar n.º 101 de 2002 Lei de Responsabilidade Fiscal, estabelece que a Lei de Diretrizes Orçamentárias conterá o Anexo

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE FÁTIMA Avenida Tancredo Neves s/n Centro Fátima Bahia CEP: 48.415-000 CNPJ: 13.393.

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE FÁTIMA Avenida Tancredo Neves s/n Centro Fátima Bahia CEP: 48.415-000 CNPJ: 13.393. ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE FÁTIMA Avenida Tancredo Neves s/n Centro Fátima Bahia CEP: 48.415-000 CNPJ: 13.393.152/0001-43 LEI Nº402/2014. DE 22 DE JULHO DE 2014. DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES

Leia mais

Jaguaretama, 31 de Dezembro de 2014.

Jaguaretama, 31 de Dezembro de 2014. Este documento foi assinado digitalmente por: ILA MARIA PINHEIRO NOGUEIRA SARAIVA em 02/02/2015 às 07:34. = R E C E I T A D E S P E S A = BB...33.205-4 (PMJ FMS) 36,25 BB...30.268-6 (PMJ F. ESPECIAL) 1.361,60

Leia mais

ANEXO 2 da Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964

ANEXO 2 da Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964 1.0.0.0.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 38.921.000,00 1.1.0.0.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 3.226.000,00 1.1.1.0.00.00.00.00 IMPOSTOS 1.1.1.2.00.00.00.00 Impostos sobre o Patrimonio e a Renda 1.1.1.2.02.00.00.00

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 526, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 526, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 526, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. Altera dispositivos da Lei Complementar Estadual n.º 308, de 25 de outubro de 2005, e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO

Leia mais

LRFWeb 2015. RESOLUÇÃO 193/2003 atualizada pelas

LRFWeb 2015. RESOLUÇÃO 193/2003 atualizada pelas LRFWeb 2015 RESOLUÇÃO 193/2003 atualizada pelas Resolução 197/2004 Resolução 201/2005 Resolução 202/2005 Resolução 270/2014 Portaria Normativa 16/2004 Portaria Normativa 19/2004 Portaria Normativa 45/2004

Leia mais

Prefeitura Municipal de São José da Lapa

Prefeitura Municipal de São José da Lapa Estado de Minas Gerais Demostração das Variações Patrimoniais - Anexo 15 - Lei 4.320/64 ENTIDADE: 000 - CONSOLIDADO lilian@sonner.com.br 30-03-2015 13:44:25 400000000 VARIAÇÃO PATRIMONIAL AUMENTATIVA 300000000

Leia mais

Agosto/2006 a Agosto/2006 ANEXO 2, DA LEI 4.320/64 RECEITA SEGUNDO AS CATEGORIAS ECONÔMICAS - EXERCÍCIO DE 2006

Agosto/2006 a Agosto/2006 ANEXO 2, DA LEI 4.320/64 RECEITA SEGUNDO AS CATEGORIAS ECONÔMICAS - EXERCÍCIO DE 2006 Página 1 de 6 RECEITA SEGUNDO AS S S - EXERCÍCIO DE 2006 1.0.0.0.00.00.00.00.00 CORRENTES 1.1.0.0.00.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 1.1.1.0.00.00.00.00.00 IMPOSTOS 1.1.1.2.00.00.00.00.00 IMPOSTOS SOBRE

Leia mais

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 Para mais informações, acesse o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, Parte I Procedimentos Contábeis Orçamentários, 5ª edição. https://www.tesouro.fazenda.gov.br/images/arquivos/artigos/parte_i_-_pco.pdf

Leia mais

Balancete Financeiro - RECEITA

Balancete Financeiro - RECEITA Balancete Financeiro Página(s): 1/7 1.0.0.0.00.00.00.00 S RECEITAS CORRENTES 5.369.532,33 28.582.400,90 1.1.0.0.00.00.00.00 S RECEITA TRIBUTÁRIA 268.258,88 1.463.893,35 1.1.1.0.00.00.00.00 S IMPOSTOS 264.355,85

Leia mais

PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008

PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008 PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008 Dispõe sobre as normas aplicáveis às avaliações e reavaliações atuariais dos Regimes Próprios de Previdência Social - RPPS da União, dos Estados,

Leia mais

PORTARIA MPAS Nº 7.796, DE 28 DE AGOSTO DE 2000 - DOU DE 29/08/2000 - Retificação

PORTARIA MPAS Nº 7.796, DE 28 DE AGOSTO DE 2000 - DOU DE 29/08/2000 - Retificação PORTARIA MPAS Nº 7.796, DE 28 DE AGOSTO DE 2000 - DOU DE 29/08/2000 - Retificação Retificação DOU DE 31/08/2000 O MINISTRO DE ESTADO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL, no uso das atribuições que lhe

Leia mais