Nossa Língua Falada Série de Reportagens Especiais para Rádio sobre a Fala do Brasileiro 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nossa Língua Falada Série de Reportagens Especiais para Rádio sobre a Fala do Brasileiro 1"

Transcrição

1 Nossa Língua Falada Série de Reportagens Especiais para Rádio sobre a Fala do Brasileiro 1 Autora: Isabela de Castro Rocha Vicente de Azevedo 2 Aluna graduada em Jornalismo em agosto de 2008 pela Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília (UnB) Resumo O trabalho "Nossa Língua Falada - Série de Reportagens Especiais para Rádio sobre a Fala do Brasileiro" é um projeto apresentado à Universidade de Brasília para a obtenção do diploma de Jornalismo. Os oito programas abordam os temas: Raízes da Língua Falada; Sotaques e Expressões Regionais; Língua Falada no Ensino do Português Escrito; Preconceito Linguístico; Língua Falada na Música; Língua Viva; Língua Falada no Telemarketing e a Paixão dos Brasileiros pela Língua Falada. O objetivo do trabalho é valorizar a beleza e a pluralidade da fala dos brasileiros. Baseadas no depoimento de especialistas e falantes comuns, as matérias são enriquecidas por músicas e sons ambiente. Tendo em vista que o regulamento permite apenas o envio de seis capítulos, dois dos oito programas foram suprimidos (língua falada no telemarketing e na música). Palavras-chave Radiojornalismo; Reportagem Especial; Língua Portuguesa; Língua Falada; Brasil. Corpo do trabalho 1. Introdução O tema deste trabalho nasceu durante um intercâmbio que fiz na França, de agosto de 2006 a julho de Antes de partir, acreditava que meu projeto de conclusão de curso abordaria algum aspecto internacional do Jornalismo, ou talvez uma comparação entre o exercício da profissão no Brasil e na França. Minha família é mineira e minha relação com o Brasil se restringia a Brasília e Belo Horizonte. Fiz algumas viagens de férias para outros lugares do país quando adolescente, mas não tive tempo de absorver a cultura local. Curiosamente, só comecei a entender a diversidade da língua brasileira do outro lado do oceano Atlântico. Durante minha estada na Europa, conheci estudantes e turistas brasileiros de várias regiões do Brasil algo que nunca imaginei quando estava no meu país. No momento 1 Trabalho apresentado ao prêmio Expocom, Categoria Jornalismo, Modalidade Programa Laboratorial de Radiojornalismo (conjunto/série), do XI Congresso de Ciências da Comunicação na Região Centro-Oeste. 2 A autora Isabela de Castro Rocha Vicente de Azevedo formou-se em Jornalismo, em agosto de 2008, na Universidade de Brasília (UnB). Enquanto estudante, dedicou-se, principalmente ao radiojornalismo, tendo feito estágios na Rádio Band News FM Brasília e Rádio França Internacional, em Paris. Durante o curso, fez um ano de intercâmbio no departamento de jornalismo na Universidade de Rennes I, França. 1

2 em que cidadãos da mesma nacionalidade se encontram no exterior, o sentimento de patriotismo cresce e o agrupamento é natural. Era comum observar grupos de brasileiros, que há pouco tempo se conheciam, desvendando juntos as cidades européias. Foi nessa viagem que fiz um importante intercâmbio. Mas não na França. Apesar de estar na Europa, brasileiros de origens diversas proporcionaram-me um intercâmbio pelas cinco regiões do Brasil. Quando se está fora do país, é comum refletir sobre os idiomas. Mas, além de aprender mais sobre o francês, o conhecimento sobre minha língua materna foi enriquecendo a cada encontro com brasileiros de estados que eu jamais pensei em visitar. Foi quando decidi: meu trabalho de conclusão de curso não seria mais referente à França, e sim sobre o Brasil. Definiu-se, então, o objeto deste produto: a língua falada. O art. 13 da Constituição Federal traz a seguinte determinação: A língua portuguesa é o idioma oficial da República Federativa do Brasil. Entretanto, ainda que a grafia seja a mesma, ou pelo menos muito semelhante, a língua falada pelos brasileiros é autêntica. Nesses mais de quinhentos anos de história, o idioma dos colonizadores sofreu interferências de línguas européias, africanas e indígenas, além da evolução natural da fala ocorrida ao longo do tempo. Esse fato somado à extensão do território do país provocou o surgimento da grande variação lingüística do Brasil e do distanciamento entre a língua falada pelos brasileiros em relação àquela dos patriarcas portugueses. A série Nossa Língua Falada é um produto radiofônico e consiste em uma série de oito reportagens especiais com duração de seis minutos e meio cada. Nelas, a linguagem permeia a objetividade do radiojornalismo e a criatividade dos programas que mesclam entretenimento e informação. As matérias intercalam depoimentos de especialistas e falantes, músicas de letras pertinentes a cada reportagem especial, efeitos sonoros diversos, curtas dramatizações, além de textos leves e bem humorados redigidos e narrados pela repórter. A série foi produzida para o público de todas as idades, regiões e classes sociais. As reportagens foram pensadas para uma rádio comercial de notícias, mas que use linguagem mais leve e abra espaço para experimentações em radiojornalismo. O produto final, no entanto, ficou versátil, havendo também a possibilidade de divulgação em rádios públicas também. A primeira reportagem especial, Raízes da Nossa Língua Falada, apresenta o tema da série ao ouvinte e resume a história da língua portuguesa no Brasil. Os 2

3 especialistas relatam como o português tornou-se o idioma oficial brasileiro, em meio às mais de mil línguas indígenas existentes à época da colonização. Os lingüistas ainda revelam que a língua portuguesa não é o único idioma falado no Brasil. Para ilustrar essa informação, personagens que têm por língua materna idiomas indígenas e europeus contribuem com seus depoimentos. Sotaques e expressões regionais são os temas abordados no segundo programa. Tendo em vista o tamanho e a diversidade sonora do país, o objetivo desta reportagem é mostrar sotaques de todas as regiões do Brasil, mesmo que não haja exemplos de todos os estados. Os depoimentos resgatam o que há de mais curioso e engraçado em cada sotaque: uma tentativa de convidar os ouvintes a uma viagem pelo país. Na terceira reportagem da série, o público entende como a língua falada pode servir de auxílio no aprendizado da escrita. A matéria traça o perfil de brasileiros que passaram a vida se comunicando apenas por meio da fala e só tiveram contato com a língua escrita depois de adultos. O especialista e a professora do curso de alfabetização de adultos contam como a língua falada é importante na sala de aula para que os alunos percam a vergonha de falar em público e resgatem a vontade de aprender. O preconceito lingüístico é explicado na quarta reportagem especial. Duas formas de discriminação são tratadas: a primeira, em relação aos sotaques, e a segunda, ao modo de falar que diverge da gramática tradicional. Os especialistas da Universidade de Brasília tentam conscientizar os ouvintes sobre o assunto, tão desprezado pela mídia. As vítimas de preconceito demonstram como a discriminação é real, mesmo que oculta aos olhos da sociedade. A quinta reportagem da série discute a língua falada na música. Estilos musicais como moda de viola, repente, música pop e samba / bossa nova são usados para mostrar de que maneira a fala pode se tornar arte quando acrescida de melodia e ritmo. Essa reportagem foi subtraída do conjunto apresentado à banca examinadora para que a série esteja de acordo com o regulamento do Prêmio Expocom. A dinamicidade da língua falada é o tema da sexta reportagem, que deu especial atenção a gírias e neologismos. A matéria demonstra como a fala é espontânea, mais maleável, varia conforme a moda, e é, de fato, uma língua viva. Já a escrita, de maneira geral, é um código menos aberto a mudanças e possui a importante função de referência da língua padrão. A sétima reportagem da série aborda um aspecto curioso da língua falada: a linguagem utilizada no telemarketing. Os operadores de call center têm a fala como 3

4 principal ferramenta de trabalho, mas as estruturas lingüísticas escolhidas assemelhamse mais à formalidade da escrita do que à naturalidade da língua falada. A matéria também discute o gerundismo, recurso muito utilizado pelos operadores de telemarketing. Essa reportagem também foi retirada do conjunto apresentado à banca examinadora do Prêmio Expocom para que o trabalho se adaptasse ao regulamento. A última reportagem especial é uma homenagem à língua portuguesa. Ela começa por guiar os ouvintes no interior do Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo, passando por depoimentos de pessoas que têm na língua falada suporte essencial para sobrevivência (uma personagem é analfabeta, o outro é vendedor de pastéis na Feira do Guará e a última é uma estrangeira que mora no Brasil há quatro anos e chegou sem falar nada de português). Por fim, os brasileiros fazem uma homenagem à língua portuguesa, que é o mais fiel retrato do falante. 2. Problema da Pesquisa A primeira parte da pesquisa se focou na história do português brasileiro. A seqüência de fatos explica por que o idioma tomou sua forma atual, tão diferente foneticamente da língua falada em Portugal. A história também revela a pluralidade de línguas faladas no Brasil. Quais são as raízes do português falado no Brasil? E quais são as origens dos outros idiomas falados no país? Diante das línguas faladas no país, por que o português tornou-se a mais falada? Como as outras línguas faladas no território, à época da colonização, influenciaram na construção do português brasileiro? A próxima etapa da pesquisa abordou o aspecto mais nítido e perceptível da língua falada. O que é e como nasce um sotaque? Como pode existir uma unidade da língua falada pelos brasileiros em face à variedade de sotaques e de expressões regionais encontradas no Brasil? A partir daí, a reflexão voltou-se para o erro e o preconceito. A gramática cria distância entre a língua falada e a escrita? Existe erro na Língua Portuguesa ou o que é considerado erro é simplesmente a diferença entre a língua falada e a escrita? Como o erro pode gerar o preconceito lingüístico? Como o ensino da língua portuguesa deve contemplar a língua falada? Qual é a diferença entre a escrita e a fala (considerando critérios de correção)? Por fim, a pesquisa caminhou para exemplos de uso da língua falada no cotidiano. O que são gírias e neologismos? Como eles são criados? Qual é a duração das novas palavras no uso da língua? A música é um tipo de fala? Quais estilos musicais podem 4

5 destacar a maneira de falar do brasileiro? A língua falada no telemarketing é uma tentativa artificial de tornar mais formal a língua falada? O gerundismo é erro? 4. Justificativa Todo idioma é formado por duas partes essenciais: a fala e a escrita. Há muitas publicações sobre as normas que orientam a língua escrita (gramáticas, manuais de redação, dicionários, entre outros livros que analisam a evolução da escrita). No entanto, existem bem menos trabalhos publicados a respeito da fala. Mesmo a mídia não abre tanto espaço para a discussão do tema. A língua escrita desperta maior interesse nos meios de comunicação, a exemplo do programa Nossa Língua Portuguesa, apresentado pelo professor de português Pasquale Cipro Neto na TV Cultura. Na transmissão, o professor explica regras de gramática, valorizando o ensino do manual. Durante a pesquisa, não se encontrou, no entanto, um programa cujo principal foco fosse a língua realmente falada no Brasil e é esse o motivo que justifica a escolha do tema deste projeto de conclusão de curso. A principal motivação do presente trabalho surge da necessidade de se discutir um tabu na língua portuguesa: o preconceito lingüístico. Ignorado pelos meios de comunicação, o preconceito em relação à fala atinge violentamente a auto-estima do falante, que muitas vezes pensa não ser merecedor da nacionalidade brasileira. A terceira e a quarta reportagem da série tratam das formas que revelam o preconceito, de maneira a conscientizar o ouvinte sobre a realidade da língua falada. A gramática não determina o idioma, são os falantes que dão vida à língua. O rádio foi o meio de comunicação escolhido para a difusão do programa porque ele é naturalmente a mídia da língua falada, considerando que o som é o meio de transmissão de informações. Assim, a língua falada está presente tanto no conteúdo, que foi buscado nos ensinos da Lingüística e da Sociolingüística, quanto na técnica utilizada para a produção deste projeto final em jornalismo. A finalidade deste trabalho é a valorização da beleza e pluralidade da fala dos brasileiros, que tanto é desprezada em relação ao imperialismo da gramática. A pesquisa focou-se na tentativa de destruir certos mitos criados em torno da língua portuguesa. Existe o pensamento de que apenas as pessoas da classe social baixa falam errado. Porém, nem entre os doutores e mestres, o respeito à gramática é fiel. A proposta para atingir essa meta é levar ao público a opinião de especialistas, dados históricos e falas 5

6 de personagens anônimos que simbolizem o falante brasileiro. Em resumo, este projeto é um elogio à língua falada no Brasil. 5. Referencial Teórico O referencial teórico deste trabalho teve por base duas frentes: a forma (Jornalismo) e o conteúdo (Lingüística) Referencial Teórico quanto à forma o Jornalismo A análise da informação quanto aos valores-notícia é o primeiro passo para determinar se um tema pode ou não se tornar assunto dos jornais. Wolf (2003) define esses valores como o conjunto de componentes que estimam a relevância de um fato. Os valores-notícia foram agrupados em cinco categorias pelo pesquisador. A primeira delas reúne os critérios substantivos, que articulam-se essencialmente em dois fatores: a importância e o interesse da notícia (importância dos envolvidos, quantidade de pessoas envolvidas, interesse nacional, interesse humano, feitos excepcionais). O tema da série de reportagens especiais se encaixa especialmente em três dos critérios descritos por Wolf. A língua falada é um assunto que envolve grande quantidade de pessoas (todos brasileiros), é de interesse nacional (pois a língua é um dos principais elementos da cultura brasileira) e é de interesse humano (porque a reportagem revela a identidade e a história dos falantes da língua portuguesa e de outras línguas faladas no Brasil). A próxima categoria de critérios estabelecida por Wolf (2003), refere-se ao produto, ou melhor, à disponibilidade material e aos caracteres específicos do produto jornalístico (brevidade, atualidade, novidade, qualidade, equilíbrio). O projeto privilegia três desses critérios: a atualidade (pois a língua, por ser o próprio instrumento de comunicação, estará sempre em uso e evolução), a qualidade (porque a série de reportagens apresenta tanto uma qualidade técnica superior, com bastante ritmo e ação dramática, quanto um trabalho de pesquisa aprofundado no conteúdo) e o equilíbrio (pois houve a preocupação em entrevistar falantes de vários estados brasileiros, diversas classes sociais e idades). Wolf (2003) destaca mais três categorias de valores-notícias, porém apenas uma delas é de fato relevante para este trabalho: os critérios relativos ao público (identificação com os personagens e serviço). Nesse quesito, é possível apontar um dos mais importantes valores-notícias deste projeto de conclusão de curso: a identificação 6

7 do público com os personagens escolhidos para retratar a língua ou as línguas faladas pelos brasileiros. A identificação dos ouvintes com os entrevistados ocorre devido à real importância dada ao equilíbrio, conforme já apontado anteriormente. Há exemplos de sotaques de todas as regiões do Brasil (mesmo que não tenha sido possível captar uma fala de cada estado), de falantes de todas as classes sociais, envolvendo as mais diversas opiniões sobre aspectos da língua falada. Finalizado o resumo sobre os valores-notícia apresentados nesta série de reportagens especiais, o referencial teórico passa para a questão do gênero jornalístico escolhido: a reportagem. O tema deste projeto de conclusão de curso não é factual porque não consiste em um fato completamente novo. O assunto, no entanto, é de atualidade. Apesar de não ser um evento pontual no tempo, a língua falada está sempre presente na vida da sociedade. Há, entretanto, um gancho que remete o tema aos dias de hoje. Em 2008, comemorou-se o aniversário de dois séculos desde que a família real mudou-se para o Brasil. O fato representa um divisor de águas: foi quando a língua portuguesa começou a tornar-se o idioma mais falado no território brasileiro. A chegada da corte portuguesa ao país é, na verdade, uma desculpa para a discussão de um assunto que concerne a todos os brasileiros. Por essa razão, o gênero reportagem foi escolhido como suporte para este produto. Em relação à notícia, a reportagem aborda o fato de forma mais extensa e detalhada. No caso deste projeto, a série de reportagens especiais também consiste em um relato mais humano sobre o assunto, com bastante participação de personagens (afinal, a forma de falar dos entrevistados deu origem ao objeto de estudo). O texto da reportagem é pensado com mais cuidado e existe espaço para análise e interconexões entre temas afins. Já a notícia geralmente apresenta-se em um texto mais objetivo e centralizado no lead (primeiro parágrafo da matéria jornalística que responde a perguntas começadas por quem, o que, onde, quando por que, como). Nilson Lage (2005) define a notícia como um fato ou uma seqüência de fatos e a reportagem como um relato que exige mais intensidade, profundidade e autonomia do repórter no processo da construção da notícia. O autor destaca que a pauta deve reunir informações completas e que o imediatismo é menos importante. O trabalho de reportagem não é apenas o de seguir um roteiro de apuração e apresentar um texto correto. Como qualquer projeto de pesquisa, envolve imaginação, insight: a partir dos dados e indicações contidos na pauta, a 7

8 busca do ângulo que permita revelar uma realidade, a descoberta de aspectos das coisas que poderiam passar despercebidos. (LAGE, p. 35, 2003) A comparação entre os conceitos de notícia e reportagem é muito usada pelos pesquisadores de jornalismo para definir reportagem. Ricardo Noblat (2003) aponta que a notícia é o relato mais curto de um fato. Reportagem é um relato mais circunstanciado. Ana Beatriz Magno (2006) explica bem essa diferença. Notícia informa, reportagem ajuda a entender. Notícia conta a fábula do presente. Tem duas vozes, um lado e o outro lado, e uma moral. Reportagem conta uma história com personagens. Uma pode ser curta, a outra tem que ser longa. Uma é objetiva, substantiva. A outra é gênero. Notícia é datada. Reportagem pode ser eterna. Notícia persegue a objetividade, a reportagem quer seduzir o sujeito com as curvas da palavra. (MAGNO, p. 4, 2006) Devido à complexidade de realização desta série de reportagens especiais, o projeto também pode ser classificado como uma grande reportagem. Kotcho (2007) salienta que as grandes reportagens possuem esta denominação não apenas porque são extensas quanto ao número de linhas, mas porque exigem pesquisa intensa para sua realização e a paixão do repórter pelo tema. A linguagem da série Nossa Língua Falada é leve, bem humorada e repleta de comparações. Em uma matéria factual, o uso de metáforas pode ser considerado um nariz de cera (uma maneira pouco objetiva de fornecer a informação mais importante ao público). Já nas reportagens especiais, as metáforas são bem-vindas. Como não há um fato novo, e sim a análise e o relato mais completo de um assunto, a técnica torna a reportagem mais curiosa e interessante. Kovach e Rosenstiel (2003) entendem que a imaginação é uma maneira de ajudar as pessoas a construir suas próprias mensagens mentais. Os jornalistas ainda defendem a idéia de que a personalidade e a exaltação dos detalhes atraem o interesse do público para a notícia e são técnicas que fazem o personagem parecer mais humano e real. A televisão apresenta imagens em movimento e o jornal impresso mostra fotos para a melhor compreensão de um fato. Já no rádio, os ouvintes têm acesso apenas ao som. A princípio, pode parecer que o rádio é um meio de comunicação limitado. Mas a análise mais profunda prova o contrário. Mcleish (1999) enumera as principais 8

9 características do rádio. A primeira delas tem uma relação muito profunda com a imaginação descrita por Kovach e Rosenstiel. Trata-se de um meio cego, mas que pode estimular a imaginação, de modo que logo ao ouvir a voz do locutor o ouvinte visualizar o que ouve, criando na mente a figura do dono da voz. Que imagens são criadas quando a voz transmite um conteúdo emocional? em uma entrevista com esposas reunidas na boca de um poço após terem a notícia de um acidente numa mina de carvão, a alegria hesitante de parentes que estão opostos do mundo, ligados pelo programa de um DJ. (...) Criada por efeitos sonoros apropriados e apoiada pela música adequada, praticamente qualquer situação pode ser traduzida para o ouvinte. (MCLEISH, p. 15, 1999). O texto de radiojornalismo deve ser escrito para ser lido. Por isso, alguns critérios precisam ser observados para ajudar o repórter na locução e permitir o entendimento rápido da mensagem pelo público. Entre as características descritas por Barbeiro (2003), destacam-se a ordem direta das frases, a clareza, a concisão e a objetividade do texto. Outro aspecto muito importante descrito no Manual de Radiojornalismo é a riqueza dos sons ambientes. Barbeiro comenta o assunto em relação às reportagens feitas ao vivo. Por uma característica própria do radiojornalismo, as reportagens ao vivo reproduzem sempre o som ambiente. Isso dá o clima do acontecimento. É impossível impedir que o som ambiente passe para a reportagem e isso nem é desejável. Sons de carro no trânsito, chuva, buzinas, execução de uma música, refrão de torcedores e manifestantes também passam o clima do acontecimento. (BARBEIRO, p. 56, 2003). Mas não é apenas ao vivo que a reportagem de rádio pode ser enriquecida com outros sons que não sejam a locução do repórter e a sonora do entrevistado. Welna (2002) aconselha o uso de sons ambiente também em reportagens gravadas. Os sons no rádio equilavem às fotos que acompanham uma reportagem na mídia impressa. Eles dão uma idéia mais gráfica do tema tratado. Levam o ouvinte ao lugar da notícia de uma maneira que as palavras sozinhas não poderiam fazer. Os sons podem ser do ambiente do lugar, podem evocar o que aconteceu no momento do fato e, também, apresentar as vozes que têm conhecimento dos detalhes da notícia. (WELNA, p. 1, 2002). No mesmo texto, Welna (2002) defende o uso de apenas sons reais do evento tratado. Obviamente, isso não foi possível durante a montagem da série Nossa Língua 9

10 Falada. Na primeira reportagem, por exemplo, foram utilizados efeitos sonoros do banco de sons para retratar o ruído do mar no momento da chegada das caravelas. Tento em vista que a série mescla entretenimento e jornalismo, também foram adicionados sons eletrônicos para dar mais graça a determinadas passagens do texto e das sonoras. O objetivo do uso de sons do arquivo de efeitos sonoros consistiu no deslocamento do ouvinte para o cenário das reportagens, ou melhor, a idéia foi construir uma realidade em torno do ouvinte, de maneira que, se ele fechasse os olhos, começaria a construir as imagens mentais de que fala Mcleish (1999). Apesar de o texto de David Welna ter servido de base para este trabalho, o produto final possui características totalmente divergentes das orientações do autor, que trata com demasiada rigidez o uso de sons na reportagem. A foto, por exemplo, é a construção de uma realidade. O fotógrafo escolhe certa parte retangular da imagem para representar o todo, ou seja, faz um recorte da realidade. Isso já é uma interferência no ambiente, mas o resultado final não deixa de ser verdadeiro. O fotógrafo também pode, por exemplo, agregar objetos à imagem para tornar a fotografia mais representativa e construir símbolos por meio dos quais passa a mensagem. É o momento de lembrarmos que o documento fotográfico é uma representação a partir do real, uma representação onde se tem registrado um aspecto selecionado daquele real, organizado cultural, técnica e esteticamente, portanto ideologicamente. O chamado testemunho fotográfico, embora registre em seu conteúdo uma dada situação do real o referente sempre se constitui numa elaboração, no resultado final de um processo criativo, de um modo de ver e compreender especial, de uma visão de mundo particular do fotógrafo; é ele que, na sua mediação, cria/ constrói a representação. (KOSSOY, p. 59, 2002). O objeto de estudo de Boris Kossoy (2002) é a luz, já o foco deste trabalho é o som. Mas, deixando este fato de lado, a citação acima representa exatamente a intenção deste projeto de conclusão de curso. Da agregação de diversos sons às reportagens especiais, surgiu o processo criativo para construir uma representação da realidade. A pesquisa sobre língua falada revelou a realidade do tema. Mas, para transmitir a mensagem ao público, foi preciso criar uma representação do real com a ajuda de recursos sonoros. Assim, o ouvinte sente-se convidado a compartilhar da visão de mundo da repórter sobre o universo da língua falada. Isso só foi possível com o uso de efeitos sonoros do banco de sons. Sobre a utilização de músicas nas reportagens, Welna (2002) traz um conselho interessante: elas só devem ser usadas se tiverem relação direta com o tema. As canções 10

11 utilizadas neste trabalho foram escolhidas com muito cuidado e todas elas agregam informação ao conteúdo das reportagens Referencial Teórico quanto ao conteúdo a Linguística O primeiro livro pesquisado durante a realização deste trabalho foi Português ou Brasileiro: um convite à pesquisa, do professor de lingüística da Universidade de Brasília, Marcos Bagno. A obra determinou os rumos deste projeto porque o autor segue uma corrente completamente oposta àquela de especialistas como Dad Squarisi e Professor Pasquale Cipro Neto, que impõem a gramática como a bíblia da Língua Portuguesa, não contemplando as variadas formas de falar do país. É preciso que fique claro que o objetivo da série de reportagens não é, de maneira alguma, depreciar as regras gramaticais. Muito pelo contrário. No Jornalismo, por exemplo, o conhecimento da gramática é extremamente necessário para o sucesso profissional. Este trabalho, no entanto, defende o ensino crítico da gramática e a valorização dos regionalismos. O linguista Marcos Bagno é conhecido na comunidade acadêmica por lutar contra o preconceito lingüístico e por exaltar a relevância da língua falada. No livro acima citado, ele mostra como a história fez surgir a idéia de que uma frase só pode estar correta se sua construção estiver prevista na gramática, e como isso gera o preconceito em relação à fala. Infelizmente, não foi possível entrevistá-lo durante a realização das reportagens porque o professor estava de licença da Universidade de Brasília e fora da cidade. Mas, antes de discorrer sobre as obras do autor, é preciso explicar as principais características da língua falada. Castilho (2006) explica que, na língua falada, a autoria do texto é compartilhada pelo locutor e interlocutor. O autor também lembra que as frases nem sempre são organizadas em sujeito-verbo-objeto. Na dinamicidade da fala, elas podem ser desconstruídas, mudadas no meio da conversa e, muitas vezes, os falantes perdem o raciocínio e nem terminam as frases. Castilho também destaca que não há planejamento prévio da fala. O ato de pensar no que se vai falar e a própria ação da fala ocorrem simultaneamente. As características apontadas por Castilho demonstram a espontaneidade da língua falada, uma das principais inspirações para este trabalho. Bagno (2004) revela como a fala foi depreciada em relação à escrita. No século III a. C., houve a separação rígida entre as duas partes da língua. Nessa época, os gregos inventaram a gramática para que a pureza máxima da língua fosse preservada. Assim, obras literárias poderiam ser escritas em grego culto e um padrão da língua seria 11

12 estabelecido. Com o objetivo de oficializar as regras do idioma, os filólogos gregos fizeram uma seleção aleatória entre as construções lingüísticas utilizadas na língua falada. Portanto, a Gramática Tradicional não representa fielmente a língua, e sim, cria um modelo de idioma perfeito. A principal diferença entre a fala e a escrita, é que a primeira é dinâmica e a segunda, estática. Ou seja, enquanto a língua falada muda constantemente conforme as evoluções da sociedade e adequa-se às mudanças na cultura, a língua escrita perpetua-se no tempo. Ao se dedicar exclusivamente à língua escrita, a GT (Gramática Tradicional) deixou de fora toda a língua falada. Ora, em termos de quantidade de pessoas, as línguas sempre foram mito mais faladas do que escritas. Até hoje, em pleno século XXI, milhões e milhões de pessoas nascem, crescem, vivem e morrem sem saber ler ou escrever, mas sabendo perfeitamente falar a sua língua materna (e às vezes, até mais de uma língua). Só isso basta para mostrar o caráter essencialmente elitista da Gramática Tradicional, que desprezou todo o uso oral das línguas para se concentrar apenas no uso feito pelas poucas pessoas que sabiam ler e escrever. (BAGNO, p. 16, 2004). Bagno (2004) relata que no século XX surgiu uma ciência para combater essa visão elitista da língua. A Lingüística é a ciência da linguagem e, segundo o autor, chegou para atribuir à língua falada a importância que sempre lhe tinha sido negada durante o longo império da Gramática Tradicional : Ela é que é a língua viva, em constante ebulição, em constante transformação. A língua falada é um tesouro onde é possível encontrar coisas muito antigas, conservadas ao longo dos séculos, e também muitas inovações, resultantes das transformações inevitáveis por que passa tudo o que é humano e nada mais humano do que a língua... (BAGNO, p. 16, 2004). Para o lingüista, não existe erro na língua, e sim formas diferentes daquelas impressas nas gramáticas tradicionais. Bagno (2004) ensina que Quando se trata de língua, só se pode qualificar de erro aquilo que comprometa a comunicação entre os interlocutores, ou seja, quando a mensagem não é compreendida de maneira alguma. É a partir do conceito deturpado de erro que nasce o Preconceito Lingüístico. Bagno (2007) entende que o preconceito lingüístico está ligado, em boa medida, à confusão que foi criada, no curso da história, entre língua e gramática normativa. O preconceito é criado a partir de regras estabelecidas na gramática, que, segundo o autor, não correspondem ao uso real da língua. Tudo o que não descreve a gramática é alvo de preconceito. Ora, a verdade é que no Brasil, embora a língua falada pela grande maioria da população seja o português, esse português apresenta um alto grau de 12

13 variabilidade, não só por causa da grande extensão territorial do país que gera as diferenças regionais, bastante conhecidas e também vítimas, algumas delas de muito preconceito -, mas principalmente por causa da trágica injustiça social que faz do Brasil o segundo país com a pior distribuição de renda em todo o mundo. (BAGNO, p. 16, 2007). As noções sobre preconceito lingüístico e as informações sobre a riqueza da língua falada também embasaram este projeto. Mesmo as reportagens que não tratam especificamente sobre o tema foram pensadas para apresentar a língua como um patrimônio democrático, contemplando várias formas de fala, e para exaltar a diversidade e o dinamismo da língua falada. 6. Metodologia O primeiro passo para a realização deste projeto foi a busca na lingüística os temas que poderiam ser abordados, além dos sotaques e expressões regionais. Durante todo o segundo semestre de 2007, pesquisei sobre o assunto. Descobri que, além dos sotaques, vários outros temas também envolviam a língua falada. Após uma difícil seleção, minha orientadora e eu chegamos a oito pautas, redigidas em dezembro de Apenas lingüistas e uma lexicóloga (especialista em palavras) foram os especialistas procurados durante este trabalho (à exceção do professor de pedagogia e da monitora do Museu da Língua Portuguesa, que não são do Departamento de Letras). Nenhum gramático foi entrevistado e a razão é simples. Conforme explicado no referencial teórico, a reportagem dá margem à interpretação e à opinião. A intenção deste trabalho não era mostrar a linha de pensamento divergente entre gramáticos e lingüistas, e sim, exaltar a beleza da nossa língua falada. Isso seria impossível com a adição do depoimento de gramáticos porque eles defendem as regras gramaticais em todas as manifestações da língua, inclusive na fala. Já os lingüistas e sociolingüistas estudam o uso real do idioma e valorizam a diversidade lingüística no contexto social do falante. O objetivo desta série não é isenção, é sim de defesa da língua falada. A partir de janeiro de 2008, dei início ao trabalho prático. À exceção de duas entrevistas feitas por telefone, todos os relatos foram registrados pessoalmente com a utilização de gravador digital. Decidi que primeiramente entrevistaria os especialistas, para depois partir em busca de brasileiros que retratassem as reportagens. Dessa forma, estaria ainda mais informada e preparada para extrair o essencial do relato dos personagens. 13

14 Nilson Lage (2003) distingue as classificações de entrevista conforme o objetivo e as condições de realização. De acordo com o objetivo, enumera quatro tipos: a entrevista ritual (breve e com o propósito de obter uma palavra que ganha importância apenas se pronunciada, ex: jogadores de futebol, ao fim da partida); a entrevista temática (quando o entrevistado é grande conhecedor de um tema específico e exprime interpretação sobre determinado acontecimento); a entrevista testemunhal (relato sobre algo que o entrevistado presenciou); e a entrevista em profundidade (quando o foco da entrevista não é um tema particular ou um acontecimento específico, mas próprio o entrevistado, em torno do qual constrói-se uma novela ou ensaio, com depoimentos e impressões pessoais). De acordo com as condições de realização, Nilson Lage (2003) aponta outros quatro tipos de entrevista: a ocasional (não é combinada previamente e o entrevistado dará provavelmente depoimentos mais sinceros e cautelosos do que daria se houvesse aviso prévio); a entrevista confronto (quando o repórter assume o papel de inquisidor, confrontando o entrevistado com acusações que lhes são feitas); a entrevista coletiva (o entrevistado é submetido a perguntas de vários repórteres); e a entrevista dialogal (marcado com antecedência, o debate tem a função de aprofundar e detalhar o assunto da entrevista). Quanto ao objetivo, as entrevistas feitas com especialistas ajustam-se ao conceito de entrevista temática e, em relação às condições de realização, se adequam no tipo dialogal. Cada encontro foi agendado previamente e teve a duração aproximada de quarenta minutos. Para cada reportagem, um especialista principal foi escolhido. Entretanto, todos responderam a perguntas básicas sobre quase todos os assuntos abordados em língua falada. Por esta razão, a maioria das reportagens apresenta relatos de mais de um especialista. No total, consultei oito especialistas: quatro sociolingüistas da Universidade de Brasília, um lingüista da Universidade Estadual de Campinas, um filósofo e professor de pedagogia da UnB, um músico e professor de Comunicação da UnB e uma monitora do Museu da Língua Portuguesa em São Paulo. Apenas o professor da Unicamp respondeu às minhas perguntas por telefone. O restante das entrevistas foi realizado no local de trabalho ou na residência do especialista. Já com pessoas que tinham ligação direta com o tema, mas que não são especialistas, as entrevistas estão assim classificadas: - De profundidade, ocasionais e dialogais (Ex: Os falantes de português como segunda língua, escolhidos ao acaso: o índio estava na Fundação Nacional do Índio, 14

15 Funai, em Brasília; e a filha de imigrantes japoneses trabalhava no bairro Liberdade, em São Paulo. Ambos refletiram sobre o papel da língua portuguesa em suas vidas). - De profundidade e dialogais (Ex: A atendente de telemarketing, com quem havia agendado previamente um encontro, também fez reflexões profundas sobre a linguagem usada na sua profissão). Os demais entrevistados não possuem relação pessoal ou profissional direta com o assunto de cada reportagem, mas como falantes da língua portuguesa, foram capazes de emitir opinião sobre os temas. As entrevistas foram de profundidade, dialogais e ocasionais. (Ex: Povo Fala no Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo). Com os especialistas, as entrevistas foram realizadas de janeiro a abril de Já os personagens começaram a ser entrevistados a partir de 20 de março, quando viajei para São Paulo, a única cidade visitada objetivando especificamente a elaboração desta série de reportagens especiais. Na capital paulista, tinha por objetivo conhecer o Museu da Língua Portuguesa, que me proporcionaria conhecimento e depoimentos valiosos. O fato de minha viagem ter sido programada para um feriado e de ser o museu uma atração turística localizada na maior cidade do país ajudaram-me a encontrar uma grande quantidade de brasileiros de diferentes estados. Dessa forma, consegui captar diferentes sotaques para a segunda reportagem (que foi complementada por entrevistas feitas no aeroporto de Brasília, onde também é grande o movimento de pessoas de outros estados). De volta a Brasília, em 24 de março, passei a agendar as demais entrevistas para abril. Após cumprir as etapas de pesquisa, de produção e de entrevistas, passei à redação dos roteiros e à busca de músicas e efeitos sonoros pertinentes a cada reportagem. Faltava apenas encontrar alguns recursos sonoros porque a maioria dos sons havia sido captada durante as entrevistas com personagens e nas ruas de Brasília e São Paulo. Em maio, finalizei a montagem das reportagens e a memória do produto. 8. Conclusões Ao final deste trabalho, depois de meses de leitura, pesquisa e entrevistas com especialistas na área, cheguei às mesmas conclusões as que chegaram os visitantes do Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo. O idioma trazido pelos colonizadores, ao entrar em contato com línguas indígenas, africanas e européias, transformou-se em uma língua completamente original: o português brasileiro. Depois de mais de quinhentos 15

16 anos de evolução independente de Portugal, a língua falada no Brasil tornou-se um dos principais fatores de integração nacional, além de símbolo da identidade brasileira. Os falantes que participaram desta série de reportagens especiais fizeram reflexões ainda mais profundas, com as quais concordo plenamente diante do resultado deste trabalho. A língua portuguesa é a alma do brasileiro, disse uma das personagens. Realmente, o idioma criou raízes próprias no Brasil e, assim como as artes e as tradições, tornou-se a essência da cultura brasileira. Por meio da língua o falante expressa seus sonhos, seus anseios, suas paixões, sua personalidade. A melodia da fala, o tom da voz, o vocabulário escolhido dão pistas do perfil do brasileiro. Homem, mulher, idoso, criança, adolescente, rico, pobre, pernambucano, paulista, analfabeto, doutor em economia. O modo de falar de cada um revela as várias identidades do povo brasileiro. Um ditado popular repetido hoje é a lembrança de como os pais desses brasileiros contavam a mesma história. Com todas as suas particularidades, o idioma é uma herança, um legado, uma preciosidade. Temas como a língua falada são assuntos de eterna atualidade porque podem ser discutidos a qualquer momento. Mesmo consciente de que este trabalho foi um projeto de faculdade, sinto-me gratificada em perceber que as reportagens ganharam uma qualidade superior àquelas transmitidas nas rádios comerciais. Isso porque no contexto das redações (falo como ouvinte e estagiária de uma das mais importantes rádios de Brasília), todas as matérias devam estar prontas com rapidez. Realizam-se reportagens especiais, mas não com a riqueza de conteúdo, detalhes, sons, vozes, músicas que proponho na série Nossa Língua Falada. Reportagens especiais como essas são vistas na televisão, mas é muito raro encontrar algo parecido no rádio. Depois de todo processo de produção desta série, concluo que é possível fazer rádio de uma forma mais rica e interessante, aproveitando temas cotidianos que prendam a atenção do ouvinte. A cultura brasileira é riquíssima. Repórteres dedicados, com iniciativa e apaixonados pelo tema são o incentivo de que necessitam as rádios comerciais para levar os sons do país aos ouvintes brasileiros. Referências bibliográficas BAGNO, Marcos. Português ou Brasileiro? Um convite à pesquisa. 4ª edição São Paulo: Parábola Editorial, BAGNO, Marcos. Preconceito Lingüístico. 14ª edição São Paulo: Loyola,

17 BARBEIRO, Heródoto. Manual de radiojornalismo. 1ª edição São Paulo: Campus, CASTILHO, Ataliba Teixeira de. A Língua Falada no Ensino do Português. 1ª edição São Paulo: Contexto, KOSSOY, Boris. Realidades e Ficções na Trama Fotográfica. 3ª edição - Cotia, São Paulo: Ateliê Editorial, KOVACH Bill e ROSENSTIEL Tom. Os elementos do Jornalismo. 1ª edição - São Paulo: Geração, LAGE, Nilson. Reportagem: teoria e técnica de entrevista e pesquisa jornalística. 3ª edição - Rio de Janeiro: Record, LAGE, Nilson. Teoria e Técnica do Texto Jornalístico. 2ª tiragem São Paulo: Elsevier, MCLEISH, Robert. Produção de Rádio. 3ª edição - São Paulo: Sumus, MAGNO, Ana Beatriz. A morte da reportagem e a agonia do repórter. Brasília: NOBLAT, Ricardo. A arte de fazer um jornal diário. 3ª edição - São Paulo: Contexto, PENA, Felipe. Teoria do Jornalismo. 2ª edição São Paulo: Contexto, PORCHAT, Maria Elisa. Manual de Radiojornalismo da Jovem Pan. 1ª edição São Paulo: Ática, SOBRINHO, Barbosa Lima. A Língua Portuguesa e a Unidade do Brasil. 2ª edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, WELNA, David. El sonido hecho reportaje. Relatoría elaborada por Waldir Ochoa. Fundación para un Nuevo Periodismo Iberoamericano. Cartagena de Indias, Colombia, WOLF, Mauro. Teorias das Comunicações de Massa. 1ª edição - São Paulo: Martins Fortes,

Humsol e a luta contra o câncer de mama 1. Vinicius Arthur SANTOS 2 Luiz WITIUK 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR

Humsol e a luta contra o câncer de mama 1. Vinicius Arthur SANTOS 2 Luiz WITIUK 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR Humsol e a luta contra o câncer de mama 1 Vinicius Arthur SANTOS 2 Luiz WITIUK 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO A reportagem foi realizada para a disciplina de Rádiojornalismo ainda no quarto

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

Radionovela para e com deficientes visuais 1

Radionovela para e com deficientes visuais 1 Radionovela para e com deficientes visuais 1 Gabriela Rodrigues Pereira CAPPELLINI 2 Raquel PELLEGRINI 3 Christian GODOI 4 Centro Universitário do Monte Serrat, Santos, SP RESUMO Narrar histórias a deficientes

Leia mais

Jornal Marco Zero 1. Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5

Jornal Marco Zero 1. Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5 1 Jornal Marco Zero 1 Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5 Faculdade internacional de Curitiba (Facinter) RESUMO O jornal-laboratório Marco Zero 6 é

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Índios Lecionando: troca de saberes 1. Rassendil BARBOSA 2 Letícia FRANÇA 3 Michelle JÚNIA 4 Laura MÁXIMO 5 Christiane PITANGA 6

Índios Lecionando: troca de saberes 1. Rassendil BARBOSA 2 Letícia FRANÇA 3 Michelle JÚNIA 4 Laura MÁXIMO 5 Christiane PITANGA 6 Índios Lecionando: troca de saberes 1 Rassendil BARBOSA 2 Letícia FRANÇA 3 Michelle JÚNIA 4 Laura MÁXIMO 5 Christiane PITANGA 6 Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG RESUMO Os vários trabalhos

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Future School Idiomas

Future School Idiomas Future School Idiomas Sumário Quem somos... pag 2 Sobre o curso... pag 3 Sobre a aula... pag 4 Vantagens em se fazer nosso curso on line... pag 5 Objetivo do curso... pag 6 Como entrar na sala de aula...

Leia mais

2. CAIXA DE FERRAMENTAS - CHEGANDO A REDAÇÃO

2. CAIXA DE FERRAMENTAS - CHEGANDO A REDAÇÃO SUMÁRIO INTRODUÇÃO 15 Para que serve este Livro 17 Como usar este livro 1. PARA ENTENDER A PROFISSÃO 23 O que é preciso para ter sucesso na profissão 23 TALENTO - Como saber se você tem 24 CONHECIMENTO-Como

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR Crack: o drama de uma escolha 1 Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR RESUMO Esse trabalho se propõe a explicar o processo de produção da reportagem Crack: o drama

Leia mais

Elaboração de pauta para telejornal

Elaboração de pauta para telejornal Elaboração de pauta para telejornal Pauta é a orientação transmitida aos repórteres pelo pauteiro, profissional responsável por pensar de que forma a matéria será abordada no telejornal. No telejornalismo,

Leia mais

Telejornal Sala 221 1

Telejornal Sala 221 1 Telejornal Sala 221 1 Thayane dos Santos MOREIRA 2 Gabriela Barbosa NEVES 3 Kamila Katrine Nascimento de FREITAS 4 Marcelo LIMA 5 Maryjane da Costa PEREIRA 6 Cogenes Felipe Silva de LIRA 7 Zulmira NÓBREGA

Leia mais

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA CENTRO MUNICIPAL DE REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROFESSORA FABÍOLA DANIELE DA SILVA A lingüística moderna

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Campanha ONG Animais 1

Campanha ONG Animais 1 Campanha ONG Animais 1 Bruna CARVALHO 2 Carlos VALÉRIO 3 Mayara BARBOSA 4 Rafaela ALVES 5 Renan MADEIRA 6 Romulo SOUZA 7 Marcelo PRADA 8 Paulo César D ELBOUX 9 Faculdade Anhanguera Santa Bárbara, Santa

Leia mais

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Joaozinho, o repórter 1 Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, RN. RESUMO O documentário Joãozinho,

Leia mais

Gente do bem: proposta de atividades comunicativas em rádio e para abordar ações. sociais em Uberlândia. MG. 1

Gente do bem: proposta de atividades comunicativas em rádio e para abordar ações. sociais em Uberlândia. MG. 1 Gente do bem: proposta de atividades comunicativas em rádio e para abordar ações RESUMO sociais em Uberlândia. MG. 1 Kênia Leal PIMENTA 2 Letícia Daniela Gonçalves MEDEIROS 3 Monique França ROCHA 4 Adriana

Leia mais

O JORNAL EM SALA DE AULA: PARA ALÉM DO LETRAMENTO, O ALUNO COMO CENTRO DA NOTÍCIA

O JORNAL EM SALA DE AULA: PARA ALÉM DO LETRAMENTO, O ALUNO COMO CENTRO DA NOTÍCIA O JORNAL EM SALA DE AULA: PARA ALÉM DO LETRAMENTO, O ALUNO COMO CENTRO DA NOTÍCIA Ana Lhayse Feitoza Albuquerque analhayse@hotmail.com Beatriz Correia Neri de Araújo beatrizneri00@hotmail.com Thays Emanuela

Leia mais

Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face

Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face Girllaynne Marques Vinícius Nicéas 1 Universidade Federal de Pernambuco A obra A norma oculta, do linguista brasileiro Marcos Bagno 2 (2003),

Leia mais

Empreendedorismo e Tradição

Empreendedorismo e Tradição Plano de Promoção de Empreendedorismo nas Escolas do Baixo Alentejo Empreendedorismo e Tradição Proposta de Projeto Agrupamento de Escolas de Cuba OBJETIVOS Desenvolver ações que contribuam para preparar

Leia mais

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver A série Sagrado é composta por programas que, através de um recorte históricocultural, destacam diferentes pontos de vista das tradições religiosas. Dez representantes religiosos respondem aos questionamentos

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

Ana Carolina Vieira KRÜGER 2 Lucas KOTOVICZ 3 Sandra NODARI 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR

Ana Carolina Vieira KRÜGER 2 Lucas KOTOVICZ 3 Sandra NODARI 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR Roteiro de Não Ficção: Cardápio da Madrugada 1 Ana Carolina Vieira KRÜGER 2 Lucas KOTOVICZ 3 Sandra NODARI 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO A série de reportagens "Cardápio da Madrugada" foi

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

Uma cobertura fotojornalística do futebol americano em Nebraska 1

Uma cobertura fotojornalística do futebol americano em Nebraska 1 Uma cobertura fotojornalística do futebol americano em Nebraska 1 Tiago Zenero de SOUZA 2 Bruce THORSON 3 Francisco Rolfsen BELDA 4 Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), Bauru,

Leia mais

ASPARMIG- Pelo que você corre? 1

ASPARMIG- Pelo que você corre? 1 ASPARMIG- Pelo que você corre? 1 Nayara CAMPOS 2 Bárbara CAROLINA 3 Brenda SIQUEIRA 4 Emília RODRIGUES 5 Elisa FERRARI 6 Flávia POLASTRI 7 Gabriela NEVES 8 Laísa ANRADE 9 Luiza CHEIB 10 Lamounier LUCAS

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão.

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ Geane Apolinário Oliveira Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) - Geane-cg@hotmail.com RESUMO: Este

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

BULLYING Documentário para rádio 1

BULLYING Documentário para rádio 1 BULLYING Documentário para rádio 1 Tommy Elton MAQUINÉ 2 Thalles ATAIDE 3 José CARDOSO 4 Maria Conceição RETROZ 5 Neliã ALFAIA 6 Edineide Ferreira Batista 7 Jonária França 8 Faculdade Boas Novas, Manaus,

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Design 2011-1 DESENVOLVENDO A IDENTIDADE VISUAL DE UMA POUSADA EM CONSERVATÓRIA Alunos: OLIVEIRA,

Leia mais

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006 Redação final do Projeto de Lei da Câmara nº 79, de 2004 (nº 708, de 2003, na Casa de origem). A Comissão Diretora apresenta a redação final do Projeto de Lei da Câmara

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

FAZENDO RÁDIO NA ESCOLA: A IMPLANTAÇÃO DA RÁDIO BEATRIZ

FAZENDO RÁDIO NA ESCOLA: A IMPLANTAÇÃO DA RÁDIO BEATRIZ FAZENDO RÁDIO NA ESCOLA: A IMPLANTAÇÃO DA RÁDIO BEATRIZ Giselle Gomes Tiscoski, Marcos Franzoni Acadêmicos do Curso de Jornalismo da UFSC Maria José Baldessar, Ms. Professora do Departamento de Jornalismo

Leia mais

A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio

A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio No segundo semestre de 1970, as revistas que publicavam fotonovelas no Brasil ocupavam o segundo lugar em tiragem e circulação, perdendo apenas para as revistas

Leia mais

Para alcançar o Sucesso é preciso que você tenha a plena convicção de que nossos produtos e nossa Oportunidade podem realmente transformar a vida das

Para alcançar o Sucesso é preciso que você tenha a plena convicção de que nossos produtos e nossa Oportunidade podem realmente transformar a vida das Querida Estrela do Bem, Aqui estão alguns Passos para aplicarmos no dia a dia São passos diários para o sucesso do seu negócio MK. Faça o Plano das 100 CARITAS em 4 semanas com todas as Consultoras de

Leia mais

Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1

Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1 Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1 Juliana Pereira DULTRA 2 Cintia MOLETA 3 Larissa Kiefer de SEQUEIRA 4 Roberto Corrêa SCIENZA 5 Fernanda

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

CARTILHA D. JOTINHA A ORIENTAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS SOBRE A CONSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARTÍSTICO E CULTURAL

CARTILHA D. JOTINHA A ORIENTAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS SOBRE A CONSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARTÍSTICO E CULTURAL CARTILHA D. JOTINHA A ORIENTAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS SOBRE A CONSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARTÍSTICO E CULTURAL Universidade Federal de Goiá/Faculdade de Artes Visuais Rodrigo Cesário RANGEL Rodrigoc_rangel@hotmail.com

Leia mais

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA)

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) REDE PRÓ-MENINO ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil CURSISTA: JACKELYNE RIBEIRO CINTRA MORAIS CPF: 014275241-06 ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) Características

Leia mais

CURSOS INGLÊS RÁPIDO Liberdade de Escolha

CURSOS INGLÊS RÁPIDO Liberdade de Escolha 1 Nossos cursos são dirigidos a adolescentes, jovens e adultos que querem aprender inglês de forma rápida e eficiente. Pessoas que já tentaram estudar inglês e tiveram dificuldades vão se surpreender com

Leia mais

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado.

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado. 1 O que é Ética? Definição de Ética O termo ética, deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade.

Leia mais

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO Carina Pereira de Paula Cristina Monteiro da Silva Juliana Aparecida Chico de Morais (Gdas-CLCA-UENP/CJ) Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (Orientadora-

Leia mais

Guerra dos Mundos em São Luís 1

Guerra dos Mundos em São Luís 1 Guerra dos Mundos em São Luís 1 Ana Paula Silva de SOUSA 2 Dara de Sousa SANTOS 3 Silvanir Fernandes da SIVA 4 Polyana AMORIM 5 Universidade Federal do Maranhão, MA RESUMO O documentário Guerra dos Mundos

Leia mais

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 Juliane Cintra de Oliveira 2 Antônio Francisco Magnoni 2 RESUMO Criado em 2007, o Programa Falando de Política é um projeto de experimentação e extensão cultural em radiojornalismo,

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

Profissão: Estudantes de Jornalismo

Profissão: Estudantes de Jornalismo Profissão: Estudantes de Jornalismo Gus Vieira O jornalista tem uma função social bem clara: disponibilizar para a sociedade informação ética, de qualidade e democrática, atendendo ao interesse público.

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

MEDIA TRANNING. Giovana Cunha. Coordenadora de Rádio e TV - TST giovana.cunha@tst.jus.br

MEDIA TRANNING. Giovana Cunha. Coordenadora de Rádio e TV - TST giovana.cunha@tst.jus.br MEDIA TRANNING Giovana Cunha COMO AGIR DIANTE DA IMPRENSA É muito comum o entrevistado se queixar que o jornalista não reproduziu corretamente as informações fornecidas na entrevista. O jornalista normalmente

Leia mais

Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty

Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty Nome Data de início: / / Data de término: / / 2 Leitura Pessoal David Batty 1ª Edição Brasil As referências Bíblicas usadas nesta Lição foram retiradas

Leia mais

No ano passado. lannoy Dorin SUPLEMENTO DO PROFESSOR. Elaborado por Fernanda Baruel

No ano passado. lannoy Dorin SUPLEMENTO DO PROFESSOR. Elaborado por Fernanda Baruel SUPLEMENTO DO PROFESSOR No ano passado lannoy Dorin Elaborado por Fernanda Baruel A adolescência é um período conturbado. Além das mudanças no corpo, muitos e novos são os sentimentos e as sensações. Por

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

Pesquisas e seminários Como fazer?

Pesquisas e seminários Como fazer? +++ + COLÉGIO DOS SANTOS ANJOS Avenida Iraí, 1330 - Planalto Paulista - Telefax: 5055.0744 04082-003 - São Paulo - e-mail: colsantosanjos@colegiosantosanjos.g12.br Site: www.colegiosantosanjos.g12.br Q

Leia mais

Esta edição segue as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Esta edição segue as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. [2] Luciano Portela, 2015 Todos os direitos reservados. Não há nenhum empecilho caso queira compartilhar ou reproduzir frases do livro sem permissão, através de qualquer veículo impresso ou eletrônico,

Leia mais

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola)

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola) Diego Mattoso USP Online - www.usp.br mattoso@usp.br Julho de 2005 USP Notícias http://noticias.usp.br/canalacontece/artigo.php?id=9397 Pesquisa mostra porque o samba é um dos gêneros mais representativos

Leia mais

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br PEDAGOGIA SURDA Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br Alfabetizar alunos com Culturas diferentes é um choque tanto para o professor ouvinte como

Leia mais

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro 1 www.oxisdaquestao.com.br Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro Texto de CARLOS CHAPARRO A complexidade dos confrontos da atualidade, em especial nos cenários políticos, justificaria

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

Estação Centro: planejamento gráfico e diagramação do jornal-laboratório da FAPSP 1

Estação Centro: planejamento gráfico e diagramação do jornal-laboratório da FAPSP 1 Estação Centro: planejamento gráfico e diagramação do jornal-laboratório da FAPSP 1 Washington Anibal CORREA 2 Egberto Gomes FRANCO 3 Daniel Ladeira de ARAÚJO 4 Miguel VALIONE JUNIOR 5 Faculdade do Povo,

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS

REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS Introdução REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS Ana Rachel Carvalho Leão 1 Este trabalho tem por objetivo apresentar algumas representações sobre cultura surda

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA

PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA Getúlio Góis de Araújo getulio_araujo @nacionalnet.com.br Colégio Nacional Ensino Fundamental II Relato de Experiência

Leia mais

Portal Toque da Ciência: jornalismo científico em diferentes linguagens 1

Portal Toque da Ciência: jornalismo científico em diferentes linguagens 1 Portal Toque da Ciência: jornalismo científico em diferentes linguagens 1 Lydia Rodrigues SOUZA 2 Aline Ferreira PÁDUA 3 Gabriela Vanni ARROYO 4 Angela Maria Grossi de CARVALHO 5 Juliano Maurício de CARVALHO

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

Aula SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS NO ESTUDO DOS GÊNEROS TEXTUAIS. (Fonte: http://aprendafacil.files.wordpress.com).

Aula SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS NO ESTUDO DOS GÊNEROS TEXTUAIS. (Fonte: http://aprendafacil.files.wordpress.com). SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS NO ESTUDO DOS GÊNEROS TEXTUAIS Aula 9 META Destacar a importância da progressão no desenvolvimento dos comportamentos leitores e escritores. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno

Leia mais

A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA

A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA Flávia Santos Silva * José Mozart de Góis * Isa Ursole Brito** Luiz José da Silva*** Sergio Luiz Malta de Azevedo**** INTRODUÇÃO Constituindo-se

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

Atividades. Caro professor, cara professora,

Atividades. Caro professor, cara professora, Atividades Caro professor, cara professora, Apresentamos mais uma nova proposta de atividade sobre alguns dos temas abordados pelo programa Escravo, nem pensar!, da ONG Repórter Brasil*. Ela inaugura a

Leia mais

Precisa. falar inglês. no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira.

Precisa. falar inglês. no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira. Precisa falar inglês no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira. Aprender um novo idioma é se sentir como uma criança novamente: faltam palavras para se expressar e a insegurança

Leia mais

Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico

Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico Para realizar uma pesquisa que não se torne um grande sacrifício pelas dificuldades em encontrar

Leia mais