Em 30 de dezembro de Processo: /

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Em 30 de dezembro de 2014. Processo: 48500.003593/2013-84"

Transcrição

1 Nota Técnica nº 086/2014-SRG-SRD/ANEEL Em 30 de dezembro de Processo: / Assunto: Contribuições à Consulta Pública nº 005/2014, sobre geração distribuída acima de 1 MW. I - DO OBJETIVO 1. O objetivo da Nota Técnica é apresentar de forma resumida as contribuições e os comentários das áreas técnicas da ANEEL relativos à Consulta Pública nº 005/2014, que iniciou a discussão com a sociedade acerca da necessidade de criação de incentivos para a instalação de centrais geradoras com potência instalada superior a 1 MW pertencentes a consumidores e da ampliação dos limites de aplicação do conceito de net metering para essas centrais, assim como obter informações adicionais sobre o tema. II - DOS FATOS 2. A Resolução Normativa nº 482/2012, alterada pela Resolução Normativa nº 517, de 11 de dezembro de 2012, estabeleceu as condições gerais para o acesso de microgeração e minigeração distribuída aos sistemas de distribuição de energia elétrica e para o sistema de compensação de energia elétrica. 3. Mediante a Carta COGEN/VP/004/2013, de 15 de março de 2013, a COGEN encaminhou à ANEEL relatório denominado SP COGEN Master Plan 2020, por meio do qual a Associação apresenta relevantes tópicos sobre cogeração e climatização a gás natural. 4. Por meio da Carta COGEN/VP/007/2013, de 16 de abril de 2013, a Associação solicita às Superintendências de Regulação dos Serviços de Geração - SRG e de Distribuição - SRD o exame da possibilidade de ampliação dos limites de aplicação do conceito de net metering estabelecidos na REN nº 482/2012 para minigeração e microgeração distribuídas até o limite da carga dos consumidores ou demanda contratada, em cujas instalações forem implantadas centrais de cogeração a gás natural, com limite máximo de 30 MW de injeção na rede elétrica. 5. Em resposta, a SRD enviou à COGEN o Ofício nº 0324/2013-SRD/ANEEL, de 26 de julho de 2013, por meio do qual esclareceu que o objetivo da REN nº 482/2012 é reduzir as barreiras para a instalação de geração distribuída de pequeno porte associada a unidades consumidoras, bem como

2 Pág. 2 da Nota Técnica nº 086/2014-SRG-SRD/ANEEL, de 30/12/2014. elencou os impactos regulatórios que uma eventual modificação nos limites de potência estabelecidos poderia trazer. 6. Por intermédio da Carta COGEN/VP/012/2013, de 30 de agosto de 2013, a COGEN enviou nota técnica com a finalidade de contribuir com a ANEEL com relação à aplicação do conceito de net metering empregado a centrais de cogeração a gás natural. 7. Ademais, foram realizadas diversas reuniões entre a ANEEL e a COGEN e entre a ANEEL e a COGEN-Rio, com relação ao assunto. 8. A Consulta Pública nº 005/2014 foi realizada no período entre 14/5/2014 e 13/7/2014. Na ocasião, foram recebidas contribuições de 27 participantes, dentre associações de segmentos econômicos, distribuidoras de energia elétrica, distribuidora de gás canalizado, geradores de energia elétrica, pesquisadores, secretarias estaduais e um organismo internacional. III - DA ANÁLISE 9. A Nota Técnica nº 025/2014 SRG/SRD/ANEEL, que subsidiou a abertura da Consulta Pública nº 005/2014, trouxe algumas questões a serem respondidas pelos participantes a fim de auxiliar a condução do assunto pela Agência. 10. A seguir será apresentado um resumo das contribuições enviadas, separadas pelos temas das questões, bem como os comentários das áreas técnicas da ANEEL. O Anexo contém a lista completa das contribuições. III.1 Identificação do Problema (i) Quais as principais dificuldades encontradas por empreendedores de centrais geradoras com potência superior a 1 MW para conexão às redes das distribuidoras? A REN 482/2012 limita em 1 MW a potência instalada da centrais geradoras que podem aderir ao Sistema de Compensação de Energia Elétrica SCEE, o que impede a adesão de centrais com potências superiores. Para fontes de baixo fator de capacidade, como a solar fotovoltaica e a eólica, é necessária a instalação de uma central geradora com potência superior à demanda da unidade consumidora para suprir toda a energia utilizada no mês, o que atualmente é vedado pela REN 482/2012. Assim, tal restrição não deveria ser estendida para centrais com potência superior a 1 MW e também retirada da citada resolução. A exigência da REN 482/2012 de aumento da carga instalada ou da demanda contratada da unidade consumidora quando a central geradora possuir potência nominal superior à carga gera elevados custos ao empreendedor, além de não refletir a potência injetada na rede, o que efetivamente causaria impacto na rede. Dessa forma, não deveria ser estendida para centrais geradoras de maior porte, assim como revista a REN 482/2012.

3 Pág. 3 da Nota Técnica nº 086/2014-SRG-SRD/ANEEL, de 30/12/2014. Deveria ser adotado o conceito de máxima potência injetada para a determinação do Montante de Uso do Sistema de Distribuição (MUSD) contratado pela central geradora, constante do Módulo 3 do PRODIST, o qual é calculado pela potência nominal instalada, subtraída da mínima carga própria, quando da geração com potência máxima. Os custos de conexão podem comprometer a viabilidade econômica do empreendimento. A falta de padronização dos procedimentos de conexão adotados pelas distribuidoras gera incertezas aos empreendedores quanto aos custos e prazos necessários para a conexão das centrais geradoras. Grau elevado de exigências das normas técnicas das distribuidoras para geradores síncronos, com redundâncias nas proteções e intertravamentos mecânicos, além da responsabilidade pela elaboração dos estudos técnicos. 11. Inicialmente é importante esclarecer que a REN 482/2012 não trata de geração acima de 1 MW, e há diversas usinas em operação no país com potências inferiores a 5 MW, por exemplo, que comercializam energia no mercado livre, especialmente as CGHs, ou atendem parte da necessidade de uma unidade consumidora, apesar das dificuldades existentes. Assim, busca-se saber na questão (i) as principais dificuldades enfrentadas para que a Agência possa refletir sobre quais pontos podem ser simplificados. 12. Nesse sentido, os destaques foram as elevadas exigências técnicas das distribuidoras e falta de padronização entre as empresas, contribuindo para o custo de conexão arcado pelo gerador. Além disso, questões como a utilização da potência instalada ou injetada e o baixo fator de capacidade das usinas com fontes solar e eólica também devem ser avaliadas por esta Agência. (ii) Quais os benefícios elétricos e econômicos trazidos pela central geradora nas redes de distribuição? Redução do carregamento da rede e aumento da vida útil dos transformadores quando a geração ocorre nos momentos de maior demanda do sistema elétrico. As centrais geradoras que utilizam inversores para injetar energia na rede (fontes solar e eólica) apresentam baixas taxas de distorções harmônicas de corrente quando o carregamento nos inversores não é baixo. As usinas solares fotovoltaicas apresentam baixas taxas de falhas nos equipamentos, com disponibilidade superior a 98% e a dificuldade de previsão da disponibilidade do recurso energético (combustível) não se aplicaria para a fonte solar, pois a incerteza para previsão dos valores anuais seriam inferiores a 5%. Além dos benefícios já citados no item 10 da Nota Técnica nº 025/2014 SRG/SRD/ANEEL, foram citados também: i) expansão da geração por fontes renováveis;

4 Pág. 4 da Nota Técnica nº 086/2014-SRG-SRD/ANEEL, de 30/12/2014. ii) redução da emissão de gases de efeito estufa; e iii) estímulo ao desenvolvimento econômico e criação de empregos, com aumento da arrecadação de impostos. frio. A cogeração eleva a eficiência energética das instalações que utilizam eletricidade, vapor e Os benefícios ou prejuízos para a rede (reflexos em perdas técnicas, em perfil de tensão, no fator de potência e em parâmetros de qualidade) dependem do local, potência, forma de conexão, regime de operação (ponta e fora de ponta) e do nível de supervisão da distribuidora sobre a central geradora. Deve-se incentivar a geração no horário de ponta. Quando a geração é instalada no mesmo ponto das cargas, há maior probabilidade de haver benefícios para a rede, desde que o sistema seja corretamente dimensionado. O limite para atendimento da geração pode ser inferior ao limite para a carga, dependendo do cabo utilizado. Redução da necessidade de compra de energia pela distribuidora, com reflexos positivos para os consumidores. Os benefícios elétricos ocorreriam nos casos de geração não intermitente. Modulação da carga dos consumidores e redução da demanda contratada no horário de ponta. O consumidor poderia elevar sua demanda na ponta sem haver necessidade de aumento da demanda contratada ou alteração do nível de tensão. Benefícios energéticos: consumo evitado de água nos reservatórios das usinas hidrelétricas e menor dependência das usinas termelétricas que utilizam combustíveis mais caros nos períodos de baixa afluência. Possibilidade de operação ilhada nos casos de indisponibilidade da rede. Possibilidade de melhor planejamento dos investimentos das distribuidoras nos casos de geração mínima, no horário de ponta e cobrança de tarifa binômia, inclusive para o consumidor de baixa tensão. Benefício econômico pelo aumento da capacidade instalada de geração de energia por meio de investimentos privados (consumidor). 13. Os itens 10 e 11 da Nota Técnica nº 025/2014 SRG/SRD/ANEEL citam os principais benefícios e desvantagens associados à geração distribuída, conforme constam da Nota Técnica nº 0043/2010-SRD/ANEEL 1. Deve-se ressaltar que o conteúdo da alínea f do item 11 é genérico da referida nota técnica, e aplicável parcialmente a cada fonte citada. No caso das fontes que utilizam motores, o 1 Nota técnica que instruiu a abertura de Consulta Pública nº 015/2010, que teve objetivo de receber contribuições para reduzir as barreiras para a instalação de geração distribuída de pequeno porte (consulta pública que iniciou o processo que culmunaria na edição da REN 482/2012).

5 Pág. 5 da Nota Técnica nº 086/2014-SRG-SRD/ANEEL, de 30/12/2014. índice de falhas é relativamente elevado, mas isso não se aplica às fontes que utilizam inversores para injeção de energia na rede. 14. Por outro lado, apesar da previsão anual da geração de energia solar ser superior a 95%, segundo a contribuição apresentada, há grande incerteza quanto à geração horária, em função do deslocamento das nuvens, por exemplo. Da mesma forma, a fonte eólica também apresenta dificuldade semelhante. 15. Já para biomassa e CGH, a disponibilidade do recurso energético é menos volátil ao longo do dia. No caso específico da biomassa, há possibilidade de priorizar-se a produção no horário de ponta e reduzi-la no horário de carga leve, o que é uma grande vantagem para este tipo de geração, uma vez que este tipo de controle pode vir a otimizar a operação do sistema de distribuição, com ganhos sinergéticos. 16. Com relação ao aumento da distorção harmônica na rede, citado na alínea e do item 11 da nota técnica, a afirmação não entra no detalhe se o nível de carregamento do inversor é baixo ou alto, mas como se trata de uma fonte de corrente chaveada, como os demais equipamentos existentes nas residências e escritórios comerciais (computadores, impressoras, lâmpadas fluorescentes, entre outros), há a injeção de componentes harmônicas na rede. 17. Os limites estabelecidos na NBR 16149/2013 garantem a baixa injeção de harmônicos por cada inversor, mas se houver grande inserção de GD em um mesmo alimentador, por exemplo, pode haver impactos para a rede, agravando as distorções já existentes em função das cargas dos consumidores conectados. Contudo, essa situação não é esperada no caso de inserção gradual e dispersa da GD pelas redes das distribuidoras. (iii) Quais os principais impactos para a rede de distribuição da implantação de GD com potência superior a 1 MW? Como mitigá-los? negativos. Alteração do perfil de tensão. O controle do fator de potência pode reduzir os impactos Melhoria no perfil de tensão no horário de carga pesada (horário de ponta), caso haja controle adequado da tensão. Maior complexidade para operação da rede, com dificuldades para coordenação e sensibilidade das proteções, regulação, controle de tensão, variações transitórias de tensão na rede em função da saída repentina de uma potência mais elevada, podendo implicar em queima de equipamentos elétricos dos consumidores. Necessidade de revisão dos procedimentos de acesso à rede, acordos operativos, com atenção especial para a parte das proteções. reativos. Impactos positivos: possibilidade de prestação de serviços ancilares, como geração de Possível dificuldade para as distribuidoras no cumprimento das regras de contratação do MUST junto ao ONS, conforme a REN 399/2010, em função da maior inserção de geração distribuída.

6 Pág. 6 da Nota Técnica nº 086/2014-SRG-SRD/ANEEL, de 30/12/2014. A conexão de geração distribuída por meio de linha de uso exclusivo seria a mais adequada, segundo uma distribuidora, pois as simulações no software ANAREDE (Cepel) indicariam sobretensões nas conexões por meio de derivação (pingo). Risco de ilhamento não intencional. A nova resolução deve prever as condições para esse tipo de operação, que poderia ser um benefício para os demais consumidores e para a distribuidora. Há necessidade de planejamento prévio das distribuidoras para que a geração distribuída não gere problemas na operação da rede. A mitigação da maior parte dos impactos negativos para a rede poderia ser obtida com a padronização dos requisitos técnicos exigidos pelas distribuidoras para conexão, avaliação prévia dos limites para conexão de geração distribuída por alimentador, maior automação da rede e consideração no planejamento da distribuidora das áreas de maior interesse da rede para receber injeção de energia. Aumento das obras de reforço na rede e possível elevação tarifária caso a responsabilidade seja da distribuidora. No entanto, se for adotado o conceito de participação financeira, aplicado ao consumidor (REN 414/2010) e não ao gerador (PIE e autoprodutor), esse impacto seria mitigado. Aumento do carregamento dos equipamentos, das perdas nos períodos de carga leve, dos custos com adequação da rede e impactos na qualidade da tensão. distribuída. Custos adicionais para gestão do net metering pela distribuidora com o aumento da geração Tratar a geração distribuída com potência maior que 1 MW nos mesmo termos do Decreto nº 5163/2004. A variação dos fluxos de potência (carga/geração) seria mais relevante para a rede do que a potência máxima injetável da central geradora. Necessidade de maior capacitação da mão de obra para trabalhar nas redes onde há geração distribuída. Deve-se separar as regras para os micro e mini geradores (REN 482/2012) dos consumidores com geração distribuída com potência superior a 1 MW, de forma a não impactar os pequenos geradores, pois as regras de conexão para os maiores devem ser mais exigentes. Elevação do nível de curto-circuito da rede, que pode implicar a troca das proteções de diversos equipamentos. Para que a distribuidora e os demais consumidores possam usufruir dos benefícios da geração distribuída de maior porte conectada na rede, há necessidade de a distribuidora realizar estudos prévios e planejar os melhores locais para inserção dessa geração. Tais estudos poderiam ser financiados com os recursos dos programas de P&D.

7 Pág. 7 da Nota Técnica nº 086/2014-SRG-SRD/ANEEL, de 30/12/ Dentre os pontos ressaltados pelas contribuições, destaca-se a importância do papel do planejamento da distribuidora, informando as áreas onde a geração distribuída acima de 1 MW traria mais benefícios para a rede. Entretanto, a indicação de outro ponto de conexão seria adequada caso a localização da geração fosse dissociada da carga, o que não é o caso do assunto discutido na consulta pública. 19. Cabe lembrar que a necessidade de planejamento prévio independe da existência da geração distribuída, tendo em vista os benefícios, conforme já citado anteriormente, a depender do ponto de conexão. 20. Sobre a possível dificuldade para as distribuidoras no cumprimento dos montantes de contratação do MUST junto ao ONS, a dificuldade é semelhante à enfrentada na previsão do crescimento da demanda, porém a geração distribuída ainda não tem representatividade significativa. 21. Com relação ao aumento dos custos para a distribuidora para gerir o sistema de compensação, em função da entrada de centrais geradoras com maior capacidade, não se vislumbra essa hipótese, uma vez que o processo seria semelhante ao já adotado na REN 482/12 e, portanto, já implantado nas empresas. 22. Considerando eventuais obras de reforço na rede e possível elevação tarifária caso a responsabilidade seja da distribuidora sem participação financeira do consumidor, entende-se que o impacto aos demais consumidores pode ocorrer em algumas situações. Por outro lado, também devem ser considerados os benefícios da GD quanto ao alívio na rede e postergação da necessidade de reforço. Dessa forma, a Agência deve avaliar essa questão na elaboração dos estudos que fundamentarão a abertura de Audiência Pública, que é o próximo passo. 23. Outro ponto que vale a pena esclarecer é que o Decreto nº 5163/2004, ao tratar de geração distribuída, limita os geradores ao interesse das distribuidoras em abrir chamada pública para contratação de energia, o que não conseguiu proporcionar um impulso para esse tipo de geração. Tanto o valor de compra da energia limitado ao Valor de Referência VR quanto os requisitos de enquadramento da usina na condição de GD limitam esse dispositivo do Decreto citado. (iv) Considerando as resoluções e procedimentos publicados pela ANEEL, quais as barreiras regulatórias à expansão de centrais geradoras com potência instalada superior a 1 MW? Uma possível barreira seria a cobrança de excedente de reativos da unidade consumidora quando a central geradora está apenas gerando potência ativa, ou prestando algum serviço ancilar que mude o fator de potência da geração. Uma solução seria a medição separada da geração e da carga, por meio de dois medidores, e cobrar-se apenas o excedente de reativos da carga. Para usina solar fotovoltaica, a Audiência Pública nº 129/2013 propõe a exigência de medição prévia de 1 ano das irradiações global, difusa e direta, além de outros requisitos para a implantação dessas centrais. Dessa forma, se prosperar a proposta da AP, pode-se criar uma nova barreira para a centrais geradoras usam a fonte solar.

8 Pág. 8 da Nota Técnica nº 086/2014-SRG-SRD/ANEEL, de 30/12/2014. O limite de repasse às tarifas pelo VR para as chamadas públicas de compra de energia de geração distribuída, que podem ser promovidas pelas distribuidoras, conforme estabelecido no Decreto nº 5163/2004, não remunera adequadamente o gerador, pois não inclui os benefícios da geração próxima aos centros de carga. Geradores com potência superior a 1 MW não se beneficiam das simplificações dos procedimentos e prazos estabelecidos na REN 482/2012, sendo obrigados a cumprir a regra geral para os demais geradores, o que torna o processo mais caro e demorado. 24. A instalação de usinas fotovoltaicas tem se mostrado uma alternativa viável, tendo em vista o crescente número de pedidos de novas outorgas. Devido à falta de regulamentação específica, esses pedidos têm sido analisados conforme os requisitos estabelecidos pela Resolução Normativa nº 390, de 15 de dezembro de Com vistas a estabelecer as condições e os procedimentos a serem observados para a emissão de outorgas de autorização para a implantação e exploração dessas centrais geradoras, foi aberta a Audiência Pública nº 129/2013. Nesse sentido, o que a referida audiência pública objetiva é a adequada instrução dos processos, baseada em requisitos específicos que reflitam a caracterização de uma usina fotovoltaica. Ou seja, não se trata de uma barreira regulatória à entrada de GD, mas sim uma definição regulatória para instrução do processo com mais segurança e celeridade. 26. Sobre o VR, qualquer alteração da forma de cálculo depende de alteração do Decreto nº 5163/2004. Dessa forma, buscam-se alternativas que estejam dentro do rol de competências da ANEEL. 27. Sobre a cobrança de excedentes de reativos, uma vez que a rede enxergará o conjunto carga-gerador, é possível ajustar o fator de potência da geração de modo que o conjunto cumpra os limites de fator de potência regulamentados sem prejuízo da operação da rede elétrica. (v) Há interesse dos consumidores em instalar centrais geradoras com potência superior a 1 MW em suas próprias instalações, tendo em vista o custo dos equipamentos e o fato de a tarifa diminuir consideravelmente à medida que o nível de tensão aumenta? Tendo em vista os preços praticados no leilão de energia solar promovido em 2013 pelo Estado de Pernambuco, entre 193 e 246 R$/MWh, para usinas com potência entre 5 e 30 MW, haveria interesse dos consumidores em investir em geração solar e adesão ao sistema net metering. O interesse do consumidor vai depender do incentivo econômico que for oferecido pelo regulamento. Para os consumidores que escolhem a cogeração, a comparação entre o preço do gás natural e o preço da energia é um fator determinante na decisão de gerar energia somente no horário de ponta ou também fora da ponta. A qualidade e confiabilidade da energia que supre a unidade consumidora também é um ponto importante para a decisão de investir em cogeração, principalmente para indústrias e grandes centros comerciais.

9 Pág. 9 da Nota Técnica nº 086/2014-SRG-SRD/ANEEL, de 30/12/2014. Além da energia elétrica, a cogeração também permite ao consumidor ter disponível outros produtos importantes: vapor em distintas pressões e temperaturas, água quente e gelada. Atualmente a cogeração é realizada apenas no horário de ponta, em função da relação entre os preços do gás e da energia, assim como pelos custos em vender o excedente no mercado livre. Contudo, o net metering poderia resultar na melhoria da eficiência energética da operação da central geradora, próxima ao seu ponto ótimo de operação. As usinas do setor sucroenergético são autoprodutores e exportam energia no período de safra e compram energia da distribuidora nos meses fora da safra, e poderiam se interessar em participar do net metering. Além do retorno financeiro, outros fatores também podem contribuir para a decisão do consumidor, tais como: segurança e qualidade de fornecimento de energia elétrica, compromissos com o meio ambiente e imagem da empresa no mercado (exposição na mídia). 28. A princípio, a partir das contribuições recebidas, pode-se entender que há interesse dos consumidores em instalar geração distribuída com potência superior a 1 MW, mas para que esse interesse possa evoluir para a decisão de realizar o investimento, diversos fatores auxiliarão a tomada de decisão, tais como o incentivo econômico que for oferecido pelo regulamento e, no caso da cogeração, a relação de preços entre o gás e a energia elétrica e a possibilidade do uso do mecanismo de compensação de energia. (vi) Há interesse das distribuidoras no aumento da quantidade e da capacidade de centrais geradoras conectadas às suas redes de distribuição? Algumas distribuidoras demonstraram interesse, mas tendo em vistas os pontos positivos e negativos dos impactos na rede, elas elencaram diferentes pré-requisitos para tornar essa geração interessante, do ponto de vista das empresas: a. Adoção de critérios de cada distribuidora para definir a capacidade máxima do ponto de conexão, considerando a potência de curto-circuito, nível de tensão, demanda do sistema. b. Atendimento dos critérios de proteção de cada distribuidora. c. Automação e teleoperação dos equipamentos de seccionamento e proteção. d. Possibilidade de intervenção da distribuidora no despacho das usinas, de acordo com suas necessidades, de forma remota. e. Os reforços na rede sejam arcados pelos geradores, ou definição quanto ao reconhecimento dos investimentos das distribuidoras nas revisões tarifárias. f. Incentivo para geração no horário de ponta, com aplicação de tarifas horosazonais aos consumidores.

10 Pág. 10 da Nota Técnica nº 086/2014-SRG-SRD/ANEEL, de 30/12/2014. g. Proibição da transferência dos créditos entre unidades consumidoras atendidas por diferentes níveis tarifários, de forma a evitar a alocação incorreta de custos e remuneração pela utilização do fio. h. Inclusão de um fator de geração mínima nos momentos de maior necessidade da rede. Por outro lado, há distribuidoras que consideram que não há incentivos regulatórios suficientes para tornar a geração distribuída interessante para as distribuidoras, pois o net metering implica a redução do seu mercado consumidor e aumento da complexidade de operação da rede. As distribuidoras manifestaram preocupação quanto ao risco de exposição involuntária ou sobrecontratação. 29. Conforme pode ser observado, o interesse das distribuidoras é relativo, desde que elas possam ter certo controle sobre o montante e horário da energia gerada, assim como na alocação dos custos de reforços na rede aos geradores. Mesmo assim, há empresas que entendem que a geração distribuída não apresenta benefícios para a distribuidora, pois reduz o seu mercado consumidor. 30. No entanto, lembra-se que atualmente esse impacto já ocorre quando um consumidor tornase autoprodutor ou consumidor livre, o qual é mitigado pela regulação em vigor. Além disso, ainda não se vislumbra um crescimento repentino do número de usinas de GD, com potência instalada acima de 1 MW, associadas a consumidores. 31. Com respeito ao risco de exposição das distribuidoras, a GD pode contribuir para elevar o risco de sobrecontratação caso seja bastante representativa, mas, por outro lado, pode reduzir o risco de subcontratação, a qual é mais onerosa para a distribuição. III.2 Ampliação dos limites de aplicação do conceito de net metering (i) Qual seria a potência instalada limite para usufruto do net metering por centrais geradoras conectadas à rede de distribuição? Não deveria haver limite de potência da central geradora, mas o princípio da compensação de energia de que trata a REN 482/12, sem que haja a comercialização, deve ser preservado. Os limites para o net metering variam no cenário internacional, podendo alcançar até 80 MW, mas geralmente estão associados a outros parâmetros para dimensionar os limites de cada usina, tais como: a. Limite anual de consumo, podendo chegar a 125% do valor da unidade consumidora. b. Limites diferentes por cada classe de consumo. c. Limites diferentes por localização da unidade consumidora com geração distribuída (urbana ou rural).

11 Pág. 11 da Nota Técnica nº 086/2014-SRG-SRD/ANEEL, de 30/12/2014. A definição de um limite de potência instalada pode inviabilizar o investimento de um grande consumidor que seja economicamente viável, restringindo o mercado potencial de consumidores que poderiam aderir ao net metering. Utilizar o conceito de potência injetada, ao invés de potência instalada. O limite deveria ser a demanda máxima da unidade consumidora ou a demanda contratada com a distribuidora, independentemente da potência instalada da central geradora. Estabelecer um limite para a potência instalada da central geradora de tal forma que não haja impactos significativos nos limites de sobrecontratação de energia de cada distribuidora. Estabelecer limites de potência da central geradora de acordo com o nível de tensão do ponto de conexão. Dever-se utilizar a energia firme da usina e não sua potência instalada como limite para adesão ao net metering, pois a maior dificuldade para a operação da rede é a grande variação da corrente injetada/consumida pelo gerador/consumidor. A Lei nº 9074/1995 estabeleceu que os empreendimentos de geração hidráulica com potência inferior a 1 MW e termelétricos com potência inferior a 5 MW devem apenas ser registrados na ANEEL, e os com potências superiores devem cumprir todos os requisitos para receber a autorização. Assim, uma distribuidora entendeu que a lei permite apenas a desburocratização dos geradores registrados. Houve distribuidoras contribuindo para que a potência limite de 1 MW estabelecida na REN 482/12 seja mantida, ou seja, não permitir que centrais geradoras de maior capacidade, instaladas em unidades consumidoras possam aderir ao sistema de compensação de energia elétrica, pois haveria necessidade de amadurecimento das regras vigentes até que se possa propor alterações. Deve-se retirar a exigência da REN 482/12 de aumento de carga instalada (consumidor grupo B) e demanda contratada (grupo A) para poder instalar central geradora de maior porte. 32. Para esta questão, houve muitas contribuições para que não seja adotado o conceito de potência instalada como limite para adesão ao sistema de compensação, com diferentes visões sobre o tema, mas o ponto central é adotar a potência injetada, pois refletiria melhor os impactos na rede, considerando a demanda contratada da unidade consumidora, por exemplo. 33. No entanto, outras visões mais restritivas também foram apresentadas, dentre elas que se deveria restringir ao valor de 5 MW, pois esse é o limite para a ANEEL emitir o registro de centrais geradoras (procedimento simplificado), conforme disposto na Lei nº 9074/1995, ou mesmo não permitir que centrais geradores com potência instalada acima de 1 MW possa participar do sistema de compensação de energia, mantendo assim o cenário atual. (ii) Há necessidade de alterações nas exigências técnicas, contratuais e procedimentais contidas nos Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST para viabilização de centrais geradoras com potência instalada superior a 1 MW a adotarem o net

12 Pág. 12 da Nota Técnica nº 086/2014-SRG-SRD/ANEEL, de 30/12/2014. metering? Quais? Contratação da demanda do consumidor seguindo a mesma regra para centrais geradoras, ou seja, pela máxima potência injetada (item 5.3.1, módulo 3 do PRODIST). Alteração na parte do ponto de conexão do gerador, para homogeneizar os entendimentos sobre a conexão em baixa tensão dos geradores em unidades consumidoras conectadas em média e alta tensão. Alteração na parte da medição (fazendo-a através de 2 medidores), para excluir o problema da medição dos excedentes de reativos. Definir o ponto de conexão (que pode ser diferente do ponto da unidade consumidora) e os requisitos adicionais de proteção. Estabelecer a obrigatoriedade do consumidor em realizar todos os estudos técnicos necessários para a integração da central geradora, uma vez que o porte dos geradores é maior que dos micro e minigeradores (REN 482/12) e não haveria razão para onerar as distribuidoras com tais estudos. Padronizar os procedimentos de acesso das distribuidoras, com separação dos requisitos técnicos por faixa de potência dos geradores, evitando redundâncias. Adotar os mesmos requisitos técnicos dos PIE e autoprodutores, sem simplificações. Incluir a participação financeira dos consumidores com geração distribuída para os reforços na rede e adequações nas proteções. Exigir a assinatura do CCD para tais centrais geradoras. Especificar as particularidades para a conexão de geradores síncronos, com a simplificação das exigências técnicas, que foram baseados nos requisitos para geradores de maior porte. 34. Com respeito às alterações necessárias no PRODIST para contemplar inserção de centrais geradoras acima de 1 MW no sistema de compensação, parte das contribuições visa a manutenção dos mesmos critérios técnicos adotados para a conexão de PIE e autoprodutores, mas, por outro lado, a padronização dos procedimentos adotados pelas distribuidoras e algumas simplificações também foram apontadas como importantes para viabilizar a conexão de tais centrais geradoras. (iii) Quais seriam as dificuldades enfrentadas pelas distribuidoras em termos de contabilização de créditos de energia, procedimentos, conexão e operação de centrais geradoras com potência instalada superior a 1 MW a adotarem o net metering? Há risco de exposição involuntária das distribuidoras nos leilões de contratação de energia. Segundo vários agentes, incluindo várias distribuidoras, não haveria problemas na contabilização dos créditos, pois o procedimento seria o mesmo da REN 482/12.

13 Pág. 13 da Nota Técnica nº 086/2014-SRG-SRD/ANEEL, de 30/12/2014. Por outro lado, uma distribuidora argumentou que haveria custos adicionais para a gestão de todo o processo de controle e implementação da geração distribuída, sendo necessário prever a remuneração dos serviços de engenharia prestados para a conexão desses geradores, seja pelo acessante, seja via reconhecimento tarifário. As dificuldades das distribuidoras não estariam associadas à contabilização dos créditos, mas em relação aos impactos na operação da rede e gestão do risco da contratação de energia. 35. Sobre as principais dificuldades para a contabilização dos créditos de energia, apesar de ter havido uma contribuição argumentando que o custo de gestão do processo seria relevante, a maior parte das distribuidoras entendeu que o procedimento seria similar ao da REN 482/12, já presente na rotina das empresas. 36. Por outro lado, poderia haver maior risco de exposições da contratação de energia das distribuidoras (subcontratação ou sobrecontratação) em função do aumento de geração distribuída. Esse tema será tratado com mais detalhe nas respostas à questão (ii) do item III.3.3 Questões adicionais da Nota Técnica nº 025/2014 SRG/SRD/ANEEL. 37. Não obstante, é importante destacar que há diversos mecanismos que visam mitigar os riscos de variações no mercado das distribuidoras, tais como os leilões de ajuste e o Mecanismo de Compensação de Sobras e Déficits (MCSD). III.3 Questões adicionais (i) Além da adoção do conceito de net metering, quais seriam outras formas de incentivo à GD, dentro do rol de competências da ANEEL? Venda direta de energia entre consumidores ou destes para as distribuidoras. Possibilidade de aluguel dos telhados ou instalações dos consumidores para a instalação de central geradora e venda da energia para terceiros. Introduzir a tarifa prêmio feed-in tariff para geração distribuída, a exemplo do que ocorre em outros países. Compensação aos geradores pela prestação de serviços ancilares e geração em condições de ilhamento, devidamente coordenados pela distribuidora. Alterar regras e procedimentos de comercialização para permitir a participação na contabilização e liquidação da CCEE de geração ociosa para autoprodutores, que sejam consumidores cativos. Alteração da metodologia que calcula o VR, utilizado nas chamadas públicas das distribuidoras para a contratação de geração distribuída, de forma a incluir o benefício da geração próxima ao centro de carga.

14 Pág. 14 da Nota Técnica nº 086/2014-SRG-SRD/ANEEL, de 30/12/2014. Realizar um estudo sobre a melhor alternativa de precificação da energia proveniente de geração distribuída, capturando os seus benefícios para o sistema elétrico e meio ambiente, de forma a tornar o investimento economicamente viável. Aplicar a redução na TUSD para os consumidores do grupo A que instalarem geração distribuída e aderirem ao net metering, de forma análoga ao adotado aos consumidores que compram energia de fontes incentivadas no mercado livre. O net metering não é um mecanismo de incentivo suficiente para as distribuidoras, devido à redução do seu mercado consumidor. A regulação deveria proporcionar, por meio de incentivos, que a geração distribuída fosse interessante tanto aos consumidores quanto às distribuidoras. Venda de energia no Ambiente de Contratação Livre ACL, que poderia fazer uso do conceito de comercializador varejista, para reduzir os riscos e custos para o gerador. A ANEEL deveria atuar junto ao Conselho Nacional de Política Fazendária CONFAZ para esclarecer o conceito de net metering adotado na REN 482/2012 e evitar a cobrança de ICMS sobre a energia trocada com a distribuidora. Permitir o uso dos conceitos de virtual net metering e community net metering. As centrais geradoras a Biogás e CGHs possuem dificuldades de viabilização econômica no conceito de net metering, pois possuem geração de energia constante, com montantes bem superiores à demanda da unidade consumidora. Dessa forma, deve-se fortalecer o processo de chamada pública, já existente, readequando os pontos que a tornaram inviável. Alguns pontos que poderiam ser observados seriam: a. A padronização do processo de chamada pública de energia proveniente de GD, com potência menor que 1 MW; b. Tornar a chamada pública periódica e previsível; c. A fixação inicial do VR como valor de compra; d. O aumento do prazo de vigência dos contratos de compra e venda de energia por este mecanismo. Chamadas públicas com prazos de 4 anos não oferecem garantias; e e. Flexibilização dos limites de sub e sobrecontratação das concessionárias de forma proporcional ao percentual de GD contratado nas chamadas públicas. 38. Com relação à incidência de ICMS na fatura dos consumidores com geração distribuída, enquadradas na REN 482/2012, apesar de não ser competência da Agência, a visão da ANEEL é que a tributação deveria incidir apenas na diferença, se positiva, entre os valores finais de consumo e energia excedente injetada (geração). Caso a energia excedente injetada seja superior ao consumo, a base de cálculo dos tributos (PIS/COFINS e ICMS) deveria ser apenas o valor do custo de disponibilidade.

15 Pág. 15 da Nota Técnica nº 086/2014-SRG-SRD/ANEEL, de 30/12/ Tendo em vista se tratar de matéria de competência tributária, a ANEEL protocolou consulta no CONFAZ, por meio do Ofício nº 730/2013-SFF/SRD/ANEEL, de 30/07/2013, solicitando confirmação de seu entendimento sobre a aplicação do Convênio ICMS 6, de 5 de abril de Em resposta, o CONFAZ emitiu o Oficio nº 267/2013/CONFAZ/MF-DF, de 14/10/2013, cujo teor não esclareceu o ponto questionado e demandou nova interação com o CONFAZ para esclarecimento de sua manifestação, por meio do Ofício nº 1148/2013-SFF/SRD/ANEEL, de 18/12/2013, anexo. 41. Por seu turno, o CONFAZ encaminhou Oficio nº 76/2014/CONFAZ/MF-DF, de 11 de março de 2014, informando que o Convênio ICMS 06/13 atende às disposições da Lei Complementar 87/1996 e que o entendimento da Agência expresso nos citados ofícios não estaria correto. 42. As propostas de criação de tarifas feed-in, a venda direta de energia por consumidor e a alteração na fórmula de cálculo do VR fogem do rol de competências da Agência, demandando alterações em leis e decretos. 43. Por outro lado, o aprimoramento das Chamadas Públicas, a prestação de serviços ancilares e aprimoramentos no sistema de compensação são ações que merecem a atenção especial da Agência. Em relação aos serviços ancilares, a ANEEL está trabalhando em normativo que substituirá a REN 265/2003. Logo, haverá oportunidade específica, via Audiência Pública, para discussões relativas ao tema. (ii) Como o risco de sobrecontratação de energia por parte das distribuidoras poderia ser mitigado ou eliminado no caso de aumento de geração de energia proporcionado por consumidores? As distribuidoras devem estimar a quantidade de energia gerada pelos consumidores e utilizá-los em suas previsões anuais de carga. acessante. Diminuição da validade dos créditos, repasse dos custos para a tarifa, geração mínima pelo Para micro e minigeração distribuída, o art. 7º, inciso X da REN 482/2012 prevê que os montantes líquidos apurados no sistema de compensação de energia elétrica serão considerados no cálculo da sobrecontratação de energia para efeitos tarifários. Assim, o risco está mitigado, mas não eliminado. Deveria-se utilizar o montante gerado e não o líquido para o cálculo da sobrecontratação. Compatibilização do período de cálculo da sobrecontratação (12 meses do ano civil) com a validade dos créditos (36 meses), de forma a não utilizar créditos de outros períodos no cálculo. (MCSD). Permitir a participação da distribuidora no Mecanismo de Compensação de Sobras e Déficits Os consumidores com geração distribuída (Potência > 1 MW) deveriam informar a previsão da quantidade de energia a ser injetada na rede.

16 Pág. 16 da Nota Técnica nº 086/2014-SRG-SRD/ANEEL, de 30/12/2014. Permitir que a geração distribuída fosse acrescida da carga no ponto de fronteira com a Rede Básica para efeito de apuração do MUST contratado, a exemplo do que ocorre com a geração despachada centralizadamente. Reconhecimento tarifário dos casos de exposição involuntária da distribuidora causados exclusivamente pelo montante de geração distribuída, desde que devidamente comprovados. Planejamento da inserção de geração distribuída, com controle da distribuidora. Exemplos de alternativas: leilão para GD; implementação pela própria distribuidora; e projetos pré-aprovados em determinadas regiões. A geração distribuída poderia ser contabilizada integralmente para compor o bloco de energia a título de exposição involuntária. Criação de metas de geração para os consumidores. 44. Foram apresentadas diversas alternativas para mitigar os riscos de sobrecontração por parte das distribuidoras no caso de aumento da quantidade de geração distribuída em sua área de concessão, as quais serão analisadas em detalhe posteriormente, no momento da elaboração da proposta de regulamentação do tema, caso o estudo de análise de impacto regulatório indique a necessidade de publicação de nova resolução. (iii) Qual o valor médio do investimento, por ponto de medição, em medidores SMF (padrão CCEE), considerando aquisição dos equipamentos e instalação? Segundo duas associações, os valores estimados ficam entre R$ 20 mil e R$ 30 mil para instalações de 13,8 kv e 34,5 kv. Para duas distribuidoras, os valores ficariam entre R$ e R$ Outra informou o valor de R$ 10 mil. No entanto, houve também uma empresa que apresentou valores bem acima dos citados anteriormente, os quais são reproduzidos abaixo: 13,8 e 23 kv: R$ ,00 34,5 kv: R$ ,00 69 kv: R$ , kv: R$ , Não houve consenso entre os participantes, o que impossibilita conclusões a respeito dos valores apresentados quanto ao custo do SMF. No entanto, a Nota Técnica nº 159/2013-SEM-SRC- SRD/ANEEL 2, de 12/12/2013, que abriu a Consulta Pública nº 16/2013 com objetivo de discutir a 2 Documento disponível no seguinte endereço:

17 Pág. 17 da Nota Técnica nº 086/2014-SRG-SRD/ANEEL, de 30/12/2014. simplificação do SMF para consumidores e geradores conectados no sistema de distribuição, traz informações relevantes que podem ser utilizadas para subsidiar os estudos da Agência relacionados à geração distribuída. (iv) Qual o valor médio do investimento, por ponto de medição, em medidor bidirecional, considerando aquisição dos equipamentos e instalação? O custo do medidor fica entre R$ 1000 e R$ 2500 para três distribuidoras, sendo que os custos de instalação e adequação do ponto de medição são de responsabilidade do acessante e não constam das estimativas apresentadas. Para outra, os valores são os seguintes: Grupo A Medidor - R$ 800,00 Custo TCs - R$ 3.600,00 (3 unidades) Custo TPs - R$ 3.600,00 (3 unidades) Custo telemedição - R$ 600,00 Custo instalação telemedição - R$ 180,00 Custo instalação - R$ 250, Apesar de as informações apresentadas não terem sido conclusivas, a Agência pode utilizar os dados constantes da Nota Técnica nº 159/2013-SEM-SRC-SRD/ANEEL, citada anteriormente. (v) Considerando centros urbanos com elevada demanda de energia e potência, quais os custos médios de reforço na rede de distribuição para atendimento aos clientes no horário de ponta? Os custos para os consumidores faturados com a tarifa verde não refletem os valores totais, em função da instalação de geradores a diesel nestas instalações. A utilização de valores médios para avaliação dos investimentos para atender a demanda no horário de ponta pode não ser a melhor referência para os estudos da ANEEL, uma vez que há grande dispersão entre os valores necessários para cada caso, exemplos: tipo de rede (aérea ou subterrânea), demanda da unidade consumidora, distância da instalação à subestação, carregamento da rede existente, tipo de operação da rede, entre outros. Os únicos valores apresentados por uma distribuidora são os seguintes: Reforço para atender pedidos isolados de consumidores em Rede de Distribuição Urbana 13,8/34,5kV 2012: R$ : R$ Reforço para atender pedidos isolados de consumidores em Rede de Distribuição Rural 13,8/34,5kV 2012: R$ : R$

18 Pág. 18 da Nota Técnica nº 086/2014-SRG-SRD/ANEEL, de 30/12/2014. Reforço planejado em alimentadores de 13,8kV 2012: R$ : R$ Linhas Reforço 34,5kV 2012: R$ : R$ As informações apresentadas foram insuficientes para analisar o custo médio de reforço na rede de distribuição para atendimento aos clientes no horário de ponta. III.4 Outras contribuições 48. Além das respostas às perguntas elencadas na Nota Técnica nº 025/2014 SRG/SRD/ANEEL, foram enviados diversos comentários e sugestões, os quais serão resumidos a seguir. elétrica. Atuar na regulação do preço do gás natural, de forma a incentivar a cogeração de energia Prioridade para despacho de centrais geradoras que utilizam gás natural. Introdução gradativa da geração distribuída com potência superior a 1 MW, dentro do sistema net metering, para que seja feita de forma ordenada, simplificada e adequada às características das redes de distribuição. Elaboração de critérios para permitir a comparação dos investimentos das distribuidoras na expansão da rede e a conexão de geração distribuída (cogeração), contendo os custos e benefícios associados. O crescimento urbano e o próprio desenvolvimento industrial têm trazido, como consequência, o aparecimento de grandes empreendimentos imobiliários, exigentes de padrões de eficientização energética diferenciados, padrões estes calcados em demandas térmicas e elétricas fortemente conectados aos preceitos de sustentabilidade, da mesma forma que os estabelecimentos industriais, igualmente exigentes destes preceitos. Somar, à tarifa regulada de venda dos excedentes elétricos da cogeração, o custo evitado pelo fato de não exigir uma importação nem utilizar a malha de transmissão ou de parte da própria rede distribuidora. A ANEEL deveria estabelecer critérios através dos quais cada distribuidora indique locais para os quais há evidentes dificuldades para a expansão da rede a fim de atender, cada vez mais, empreendimentos, seja imobiliários, sejam industriais, hoje demandantes de condições térmicas e elétricas sofisticadas em áreas saturadas ou de crescimento contínuo e vertiginoso, todas elas e outras demandantes de pesados investimentos ou de barreiras físicas.

19 Pág. 19 da Nota Técnica nº 086/2014-SRG-SRD/ANEEL, de 30/12/2014. Permitir redução imediata da demanda contratada pelo consumidor quando se tratar de geração distribuída, nos moldes da REN 414/2010. Concessão do Regime de contratação de Reserva de Capacidade ao investidor. Permissão de venda direta de energia a consumidores especiais (entre 500 kw e kw, em qualquer tensão). conectada. Não restringir a venda da geração distribuída à distribuidora na qual a geração está Isenção da cobrança de encargos para agentes que adquirirem sistemas de supervisão de energia elétrica no âmbito de qualidade de energia. consumo. BNDES. Não limitar a geração possível à carga relacionada ao mesmo ponto do sistema associado ao Incentivos para nacionalização de equipamentos, caso sejam oriundos de investimentos do Relatos de que o avanço de novas tecnologias e a diminuição dos custos de investimentos para empreendimentos com característica de Geração Distribuída estão causando uma mudança significativa no planejamento e na operação de sistemas elétricos na Europa e Estados, uma vez que nestes mercados mais maduros estes projetos de Geração Distribuída são amplamente difundidos e aplicados. Realizar a compensação financeira no mês seguinte ao mês de competência da ocorrência do saldo positivo. Implantação de condomínios de consumidores para viabilização de um projeto de geração distribuída. Desta forma, diminui-se o custo de execução do projeto e de O&M, pois se concentram as unidades geradoras a uma única planta geradora. Não limitar o sistema de compensação de energia elétrica a unidades consumidoras pertencentes ao mesmo titular (CPF ou CNPJ), desde que estejam previamente definidas em contratos firmados com a distribuidora. Uma distribuidora não considerou adequado, neste momento, permitir o aumento da potência a ser caracterizada como minigeração e com aplicação do mecanismo de compensação de energia, pois a análise da inserção da geração distribuída ainda é incipiente no país. A iniciativa de ampliação dos limites do net metering permitirá a melhor utilização dessas atuais fontes geradoras estima-se uma capacidade instalada de 276 MW e uma capacidade ociosa em torno de 40 MW (cogeração a gás natural) na área de Concessão da Comgás em São Paulo.

20 Pág. 20 da Nota Técnica nº 086/2014-SRG-SRD/ANEEL, de 30/12/2014. Qualquer ampliação dos benefícios do Sistema de Compensação de Energia Elétrica, instituído pela REN 482/2012, deve ter como beneficiárias estas mesmas fontes de geração de energia elétrica. Apesar do esforço positivo da ANEEL, não se pode dizer que o Brasil possui um sistema de net metering de fato. Na realidade, devido à atual disciplina do CONFAZ para a tributação da energia elétrica injetada na rede e compensada pelo SCEE, baseada no Convênio ICMS Nº 6 de 05/04/2013, não há paridade entre o kwh consumido da distribuidora e o kwh compensado pelo SCEE. Essa disciplina, portanto, descaracteriza de forma inequívoca o modelo de net metering, pois não está sendo realizada a medição líquida do consumo das unidades consumidoras, como determinado pela REN 482/2012. Desse modo, para a situação atual, consideramos mais adequado referir-se ao modelo em pauta como SCEE e não como net-metering. Sugere-se que na Análise de Impacto Regulatório da ANEEL seja feita uma avaliação dos impactos econômicos deste processo para os agentes do setor, de forma a dar clareza em relação aos custos que o sistema estará suportando para desenvolver essa iniciativa. A regulamentação não deve permitir nenhum tipo de exportação de custos para terceiros. Possíveis soluções para mitigar os impactos na rede de distribuição: permitir a absorção de potência reativa pelos geradores, instalação de reguladores de tensão, aumento da bitola dos condutores do alimentador, limitação da potência ativa injetada nos períodos de demanda reduzida, utilização combinada de todas essas soluções, ou uma combinação das alternativas anteriormente descritas. 49. Algumas sugestões apresentadas fogem da competência da ANEEL, e, portanto, deveriam ser consideradas em outro fórum, entre as quais se pode citar a regulação do preço do gás natural, a criação da tarifa prêmio feed-in tariff, incentivos para nacionalização de equipamentos caso financiados pelo BNDES, não restrição à venda da energia à distribuidora na qual a geração está conectada e questões relativas à tributação e permissão de venda direta de energia a consumidores especiais. 50. Quanto à prioridade de despacho de usinas de geração distribuída, o Módulo 26 dos Procedimentos de Rede já estabelece os critérios de classificação das usinas de acordo com suas características físicas, bem como a indicação da prioridade de despacho deve ser dada pelos modelos computacionais de otimização eletroenergética. 51. Algumas contribuições se referem à forma de crescimento da geração distribuída, ao planejamento da distribuição, ao impacto econômico à distribuidora e ao limite de injeção da geração. Nesse sentido, é importante destacar que a distribuidora tem papel fundamental na indicação da região onde a geração distribuída seria vantajosa. 52. Com a expressiva participação de agentes de geração, distribuidoras e do setor acadêmico, com idéias proveitosas e inovadoras, entende-se que este assunto é de grande interesse por parte da sociedade e que uma massa crítica razoável está se formando para mostrar o grande potencial da geração distribuída na otimização e no crescimento do sistema elétrico brasileiro.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: Celesc Distribuição S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Nota Técnica nº 025/2014

Leia mais

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL -

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Inova FV Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Armando

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: ABSOLAR ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO

Leia mais

Avaliação dos resultados da Resolução Normativa nº 482/2012 na visão do Regulador

Avaliação dos resultados da Resolução Normativa nº 482/2012 na visão do Regulador Avaliação dos resultados da Resolução Normativa nº 482/2012 na visão do Regulador Marco Aurélio Lenzi Castro Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Florianópolis SC 13/05/2014

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AES BRASIL

CONTRIBUIÇÃO AES BRASIL CONTRIBUIÇÃO AES BRASIL Consulta Pública 015/2010 A) Caracterização dos empreendimentos A1. Qual seria a melhor forma de caracterização de uma pequena central geradora distribuída, além da fonte primária

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 Descrição: Obter subsídios para identificar a necessidade de criação

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Este documento é apenas explicativo e não tem força normativa. 1 O que é o Sistema de Compensação de Energia Elétrica?...1 2 Quanto

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Este documento tem caráter apenas orientativo e não tem força normativa. 1 O que é o Sistema de Compensação de Energia Elétrica?...

Leia mais

Energia Solar no Brasil. 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ

Energia Solar no Brasil. 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ Fórum Canalenergia/Cogen Potencial e Perspectivas da Energia Solar no Brasil O Processo da Regulação da Geração Distribuída Edvaldo Alves de Santana 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ Objetivos e princípio

Leia mais

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Nelson Leite Presidente da ABRADEE 1 Porto Alegre, 18 de junho de 2015 1 Agenda 1 - Panorama do setor de distribuição de E. Elétrica 2 - Perspectivas

Leia mais

Cumprimento de metas de redução na emissão de gases de efeito estufa;

Cumprimento de metas de redução na emissão de gases de efeito estufa; Nota Técnica n 0043/2010-SRD/ANEEL Em 8 de setembro de 2010. Processo: 48500.004924/2010-51 Assunto: Proposta de abertura de Consulta Pública para o recebimento de contribuições visando reduzir as barreiras

Leia mais

Contribuição do grupo Energisa à Consulta Pública nº 015/2010

Contribuição do grupo Energisa à Consulta Pública nº 015/2010 Rio de Janeiro, 09 de novembro de 2010. Contribuição do grupo Energisa à Consulta Pública nº 015/2010 Apresentamos nossas considerações acerca dos questionamentos apresentados na Nota Técnica nº043/2010-srd/aneel,

Leia mais

Não Aceita 4. Contribuições Recebidas Contribuição: ABRADEE Justificativa Avaliação ANEEL: Parcialmente Aceita Art. 1º

Não Aceita 4. Contribuições Recebidas Contribuição: ABRADEE Justificativa Avaliação ANEEL: Parcialmente Aceita Art. 1º COMPLEMENTO AO Anexo I da Nota Técnica n o Nota Técnica no 077/2015-SRM-SRD-SRG-SGT-SFF-SCG/ANEEL de 08/05/2015 (Análise de contribuições que não constaram do RAC Minuta de Resolução, Anexo I da NT 08/05/2015)

Leia mais

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS Compreenda a regulamentação referente à cogeração de energia e discuta possíveis mudanças as no setor Gabriel Barja São Paulo, outubro de 2006 Viabilidade Viabilidade

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

Smart Grid e Net Metering no Brasil

Smart Grid e Net Metering no Brasil Smart Grid e Net Metering no Brasil Daniel Vieira Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Cidade do México 30/01/2013 Sistema de Distribuição 63 concessionárias de distribuição

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO NEOENERGIA À CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 015/2010 - GERAÇÃO DISTRIBUIDA

CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO NEOENERGIA À CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 015/2010 - GERAÇÃO DISTRIBUIDA CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO NEOENERGIA À CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 015/2010 - GERAÇÃO DISTRIBUIDA A) Caracterização dos empreendimentos A1. Qual seria a melhor forma de caracterização de uma pequena central

Leia mais

REDUÇÃO DAS BARREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE PEQUENO PORTE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS Contribuição Consulta Pública

REDUÇÃO DAS BARREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE PEQUENO PORTE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS Contribuição Consulta Pública REDUÇÃO DAS BARREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE PEQUENO PORTE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS Contribuição Consulta Pública nº015/2010 09 de Novembro de 2010 ÍNDICE I RESPOSTA AOS QUESTIONAMENTOS

Leia mais

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Aluno: Bruna dos Guaranys Martins Orientador: Delberis Araújo Lima Projeto: 1011 Introdução No Brasil, existem diferentes tipos de

Leia mais

Painel: Implicações técnicas da regulação do fornecimento de energia elétrica para edificações residenciais e comerciais.

Painel: Implicações técnicas da regulação do fornecimento de energia elétrica para edificações residenciais e comerciais. Painel: Implicações técnicas da regulação do fornecimento de energia elétrica para edificações residenciais e comerciais. Daniel José Justi Bego Especialista em Regulação Superintendência de Regulação

Leia mais

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES Fábio Sales Dias São Paulo, 14 de agosto de 2012 RESUMO Aspectos Regulatórios e Institucionais Aspectos de Mercado Competitividade Aspectos

Leia mais

Energia Solar Regulação & Oportunidades de Negócios

Energia Solar Regulação & Oportunidades de Negócios Energia Solar Regulação & Oportunidades de Negócios SOL Maior fonte de energia da Terra... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia 16/07/2015 COGEN Associação da Indústria de

Leia mais

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Nelson Colaferro Presidente do Conselho de Administração Brasília 28/05/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Quem Somos Reúne empresas nacionais e internacionais

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica

Energia Solar Fotovoltaica Energia Solar Fotovoltaica Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo São Paulo 12/05/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Quem Somos Reúne empresas nacionais e internacionais de toda a cadeia produtiva do

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A.

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A. Introdução AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A. A Tractebel Energia, isoladamente ou por meio da APINE, vem estudando e discutindo o tema

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo VI Seminário de Energia Cuiabá (MT) 23/06/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Quem Somos Reúne empresas nacionais

Leia mais

3 Comercialização de energia elétrica

3 Comercialização de energia elétrica 3 Comercialização de energia elétrica As relações comerciais 4 entre os Agentes participantes da CCEE são regidas predominantemente por contratos de compra e venda de energia, e todos os contratos celebrados

Leia mais

Geração Distribuída Solar Fotovoltaica

Geração Distribuída Solar Fotovoltaica Geração Distribuída Solar Fotovoltaica Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo 8º Smart Grid Fórum São Paulo (SP) 17/11/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Focos Principais Representar e promover o setor

Leia mais

Uso da Biomassa na Geração de Energia

Uso da Biomassa na Geração de Energia Uso da Biomassa na Geração de Energia Rui Guilherme Altieri Silva Superintendente de Regulação dos Serviços de Geração SRG/ANEEL 01/07/2011 Brasília-DF 1. Potencial Energético 2. Aspectos Tecnológicos

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006

CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006 CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006 Outubro/2006 Página 1 CONTRIBUIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 014/2006...1 1 OBJETIVO...3 2 REALIZAÇÃO DO INVESTIMENTO

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA: VANTAGENS E DESVANTAGENS

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA: VANTAGENS E DESVANTAGENS GERAÇÃO DISTRIBUÍDA: VANTAGENS E DESVANTAGENS Wilson Pereira BARBOSA Filho 1 (wilson.filho@meioambiente.mg.gov.br) Abílio César Soares de AZEVEDO 2 1 Mestre em Gestão Ambiental. Fundação Estadual do meio

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

PdC Versão 1 PdC Versão 2

PdC Versão 1 PdC Versão 2 Procedimento de Comercialização Controle de Alterações PdC Glossário de Termos da CCEE PdC Versão 1 PdC Versão 2 METODOLOGIA DO CONTROLE DE ALTERAÇÕES Texto em realce refere-se à inserção de nova redação.

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Prof. Dr. Luciano Schuch Schuch.prof@gmail.com Sumário Potencial energético Previsões Sistemas fotovoltaicos Cenário Nacional Legislação ANEEL Projeto

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

PREZADO ACESSANTE, ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM 10 PASSOS

PREZADO ACESSANTE, ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM 10 PASSOS PREZADO ACESSANTE, A legislação vigente assegura a todos os Agentes do setor elétrico e consumidores livres o acesso aos sistemas de transmissão de concessionário público de energia elétrica. O Operador

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

/2015-SRM/SRD/SRG/SGT/ANEEL

/2015-SRM/SRD/SRG/SGT/ANEEL Nota Técnica n o /2015-SRM/SRD/SRG/SGT/ANEEL Em de março de 2015. Processo: 48500.000887/2015-16. Assunto: Proposta para implementação do disposto na Portaria MME nº 44/2015, que trata da contratação de

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída (GD) Estudo de caso: Porto de Santos AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 12/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 12/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 12/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: INEE Instituto Nacional de Eficiência Energética AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Portaria n o

Leia mais

Cadernos Temáticos ANEEL. Micro e Minigeração Distribuída Sistema de Compensação de Energia Elétrica

Cadernos Temáticos ANEEL. Micro e Minigeração Distribuída Sistema de Compensação de Energia Elétrica Cadernos Temáticos ANEEL Micro e Minigeração Distribuída Sistema de Compensação de Energia Elétrica AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA Cadernos Temáticos ANEEL Micro e Minigeração Distribuída Sistema

Leia mais

Cadernos Temáticos ANEEL. Micro e Minigeração Distribuída Sistema de Compensação de Energia Elétrica

Cadernos Temáticos ANEEL. Micro e Minigeração Distribuída Sistema de Compensação de Energia Elétrica Cadernos Temáticos ANEEL Micro e Minigeração Distribuída Sistema de Compensação de Energia Elétrica AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA Cadernos Temáticos ANEEL Micro e Minigeração Distribuída Sistema

Leia mais

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Contratos de Compra e Venda de Energia 36 &RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Como visto no capítulo anterior a receita de um agente gerador no mercado de curto prazo é extremamente volátil. Essa incerteza

Leia mais

!+,(-. / %01213"&$$(

!+,(-. / %01213&$$( !"#$%&$'"$(%)"*(%!+,(-. / %01213"&$$( Com base nas informações apresentadas na Nota Técnica em referência, apresentamos algumas contribuições que julgamos oportunas para auxiliar nas diversas questões

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias Contribuição da AES Brasil à AP 006/2015, relativa à Conta Centralizadora dos Recursos de

Leia mais

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Carlos Alberto Mattar Superintendente - SRD 13 de março de 2014 Rio de Janeiro - RJ Sumário I. Balanço 2013 II. Pautas para GTDC - 2014 III. Principais audiências

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA DE PROPOSTAS DE PROJETOS DE P&D NA ÁREA DE GERAÇÃO RENOVÁVEL

EDITAL DE CHAMADA DE PROPOSTAS DE PROJETOS DE P&D NA ÁREA DE GERAÇÃO RENOVÁVEL EDITAL DE CHAMADA DE PROPOSTAS DE PROJETOS DE P&D NA ÁREA DE GERAÇÃO RENOVÁVEL Aplicação massiva de Geração Distribuída Solar em diferentes tipologias de telhados na cidade de Campinas Sumário 1 Apresentação...

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Revisão 0 1 2 Motivo da Revisão Primeira versão aprovada (após realização

Leia mais

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887

Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial. Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 Potencialidades da Cogeração nos Segmentos Industrial e Comercial Leonardo Caio Filho COGEN leonardo@cogen.com.br (11) 3815-4887 COGEN Associação da Indústria de Cogeração de Energia A COGEN Associação

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição S u b m ó d u l o 7. 1 P R O C E D I M E N T O S G E R A I S Revisão 1.0

Leia mais

SOL Maior fonte de energia da Terra. A Cadeia de Valor para a Geração Fotovoltaica no Brasil Newton Duarte Vice Presidente Executivo da COGEN

SOL Maior fonte de energia da Terra. A Cadeia de Valor para a Geração Fotovoltaica no Brasil Newton Duarte Vice Presidente Executivo da COGEN termosolar fotovoltaica SOL Maior fonte de energia da Terra A Cadeia de Valor para a Geração Fotovoltaica no Brasil Newton Duarte Vice Presidente Executivo da COGEN 17/09/2014 Relatório GT COGEN SOLAR

Leia mais

Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL

Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL Luis Felipe Pozzatti Chefe do Setor de Estudos de Novos Potenciais luis.pozzatti@eletrosul.gov.br Eletrosul Segmentos: transmissão

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 3 Acesso ao Sistema de Distribuição Revisão 0 1 2 3 4 Motivo da

Leia mais

IMPACTOS DA IMPLANTAÇÃO DOS SISTEMAS DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DOS AGENTES DA CCEE UMA AVALIAÇÃO DO APARATO REGULATÓRIO

IMPACTOS DA IMPLANTAÇÃO DOS SISTEMAS DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DOS AGENTES DA CCEE UMA AVALIAÇÃO DO APARATO REGULATÓRIO Puerto Iguazú Argentina XIII ERIAC DÉCIMO TERCER ENCUENTRO REGIONAL IBEROAMERICANO DE CIGRÉ 24 al 28 de mayo de 2009 Comité de Estudio C5 - Mercados de Electricidad y Regulación XIII/PI-C5-13 IMPACTOS

Leia mais

III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013

III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013 III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013 PRINCIPAIS INDICADORES DO SETOR DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. Relatório Voto Módulos Acesso ao Texto Atualizado Aprova

Leia mais

1. Definições 2. Faturamento e tributação 3. Procedimentos de Acesso 4. Itens de projeto 5. Inversores 6. Medição 7.

1. Definições 2. Faturamento e tributação 3. Procedimentos de Acesso 4. Itens de projeto 5. Inversores 6. Medição 7. 1. Definições 2. Faturamento e tributação 3. Procedimentos de Acesso 4. Itens de projeto 5. Inversores 6. Medição 7. Situação atual Microgeração distribuída: Central geradora com potência instalada de

Leia mais

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Assunto: Instauração de Audiência Pública, exclusivamente por intercâmbio documental, para subsidiar o processo

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw.

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. AP 033 - Sugestões Proposta da AP 033: Possibilidade de retorno do Consumidor

Leia mais

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo3.1 Contratos do ambiente livre Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.1 Contratos do Ambiente Livre Revisão 1.0 Vigência 12/11/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS

Leia mais

Procedimento de Acesso para Microgeração e Minigeração Distribuída

Procedimento de Acesso para Microgeração e Minigeração Distribuída Procedimento de Acesso para Microgeração e Minigeração CÓDIGO VERSÃO Nº APROVAÇÃO RESPONSÁVEL DATA DATA DA VIGÊNCIA 00 15/12/2012 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3 3 DEFINIÇÕES... 3 4

Leia mais

Entenda a Indústria. energia elétrica

Entenda a Indústria. energia elétrica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISTRIBUIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 6 O mercado de energia elétrica Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 6 5 A geração e

Leia mais

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0 Preço de Liquidação de Diferenças ÍNDICE PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DE DIFERENÇAS (PLD) 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas da Formação do PLD 10 2.1.

Leia mais

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Aspectos Regulatórios Luiz Fernando Leone Vianna 08.08.2011 A Apine Perfil dos Sócios geradores privados de energia elétrica concessionárias de geração estaduais

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 8 O sistema de transmissão destina-se ao transporte de blocos. 9 O arranjo do tipo barra em anel requer o uso de apenas um

PROVA OBJETIVA. 8 O sistema de transmissão destina-se ao transporte de blocos. 9 O arranjo do tipo barra em anel requer o uso de apenas um De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com o

Leia mais

ICMS SOBRE A DEMANDA CONTRATADA

ICMS SOBRE A DEMANDA CONTRATADA ICMS SOBRE A DEMANDA CONTRATADA 09/2008 Canal Energia Desde o acórdão proferido pela Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça, no Recurso Especial - RESP 222810/MG (1999/00618904), no qual decidiu

Leia mais

Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL. Em 17 de junho de 2010.

Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL. Em 17 de junho de 2010. Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL Em 17 de junho de 2010. Processo n o : 48500.003207/2010-10. Assunto: Representação das restrições internas aos submercados que possam impactar nos limites de intercâmbio

Leia mais

Carta n o 108/2013-BPCH. Assunto: CONTRIBUIÇÕES PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA 068/2012. Senhor Diretor,

Carta n o 108/2013-BPCH. Assunto: CONTRIBUIÇÕES PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA 068/2012. Senhor Diretor, Carta n o 108/2013-BPCH Rio de Janeiro, 27 de setembro de 2013 Ilmo. Sr. Dr. Romeu Donizete Rufino Diretor AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL 70830-030 Brasília - DF Assunto: CONTRIBUIÇÕES PARA

Leia mais

Rio de Janeiro, 18 de agosto de 2011. A CARTA DO SOL assenta-se no seguinte contexto:

Rio de Janeiro, 18 de agosto de 2011. A CARTA DO SOL assenta-se no seguinte contexto: Rio de Janeiro, 18 de agosto de 2011 A CARTA DO SOL assenta-se no seguinte contexto: A disseminação em grande escala do uso da energia solar fotovoltaica no Brasil pode fornecer uma série de benefícios

Leia mais

Gerenciamento de Energia

Gerenciamento de Energia Gerenciamento de Energia Mapa do Cenário Brasileiro Capacidade total de quase 88.500MW; Geração de 82.000MW; Transmissão de 80.000Km maiores que 230kV; mais de 530 usinas e subestações; 47 milhões de consumidores.

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUA - PECE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENERGIAS RENOVÁVEIS, GERAÇÃO DISTRIBUÍDA

Leia mais

Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo. Brasília 26 e 27/nov/2008

Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo. Brasília 26 e 27/nov/2008 Audiência Pública 049/2008 Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo SRT Brasília 26 e 27/nov/2008 Audiência Pública - 26/11/2008 - tarde Módulo 8 - Programação da operação eletroenergética

Leia mais

A Regulação da Conexão ao Sistema

A Regulação da Conexão ao Sistema Painel 2: Aspectos Regulatórios em Pauta para Fontes Alternativas A Regulação da Conexão ao Sistema João Mello - Presidente Fontes Alternativas Conexão A conexão de fontes alternativas possuem características

Leia mais

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015.

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015. EDITAL 1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015. A Companhia Energética de Alagoas CEAL, doravante chamada DISTRIBUIDORA, nos termos da Portaria

Leia mais

Prof. Dr. Luiz Antonio Rossi UNICAMP - Brasil. GEFES Grupo de Estudos em Fontes Eólica e Solar. São Carlos, 22 de Maio de 2015.

Prof. Dr. Luiz Antonio Rossi UNICAMP - Brasil. GEFES Grupo de Estudos em Fontes Eólica e Solar. São Carlos, 22 de Maio de 2015. Geração de Energia Elétrica por Meio de Fonte Eólica: Simulação do desempenho de dois aerogeradores de pequeno porte com perfis aerodinâmicos diferentes Prof. Dr. Luiz Antonio Rossi UNICAMP - Brasil São

Leia mais

Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003

Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003 Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003 Assunto: Reajuste das Tarifas de uso dos sistemas de distribuição da empresa Boa Vista Energia S/A - Boa Vista. I DO OBJETIVO Esta nota técnica

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE DAS CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 002/07

RELATÓRIO DE ANÁLISE DAS CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 002/07 RELATÓRIO DE ANÁLISE DAS CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 002/07 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N, DE DE DE 2007. Altera a redação dos art. 3º da Resolução Normativa

Leia mais

A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*)

A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*) A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*) A evolução tecnológica proporcionada pelas Smart Grids já colocou em plena marcha, mundialmente e silenciosamente, uma grande mudança

Leia mais

Audiência Pública nº 006/2015

Audiência Pública nº 006/2015 Audiência Pública nº 006/2015 Aprimoramento do sistema de Bandeiras Tarifárias e da regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifária Contribuições do Grupo Energisa Rio de Janeiro,

Leia mais

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por:

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por: A Tarifa de Energia O que é a tarifa de energia? Simplificadamente, a tarifa de energia é o preço cobrado por unidade de energia (R$/kWh). Em essência, é de se esperar que o preço da energia elétrica seja

Leia mais

Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador

Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador 4º Congreso Internacional de Supervisión del Servicio Eléctrico Romeu Donizete Rufino Diretor-Geral da ANEEL 27 de novembro de 2014

Leia mais

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração;

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração; GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DEFINIÇÃO A geração distribuída de eletricidade consiste na produção da eletricidade no local de seu consumo, ou próximo a ele; Eventuais excedentes desta geração podem ser vendidos

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo I Seminário Internacional Palmas Solar Palmas (TO) 01/07/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Quem Somos Reúne

Leia mais

EDP Energias do Brasil

EDP Energias do Brasil EDP Energias do Brasil Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 42/2015: Obter subsídios acerca da solicitação da Enguia Gen PI Ltda. e da Enguia Gen CE Ltda. para rescisão amigável de seus Contratos

Leia mais

Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética. Reive Barros dos Santos Diretor

Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética. Reive Barros dos Santos Diretor Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética Reive Barros dos Santos Diretor São Paulo - SP 26 de agosto de 2015 Missão Proporcionar condições favoráveis para que o mercado

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

Conceito Geral. Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência.

Conceito Geral. Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência. Microgeração Conceito Geral Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência. Meio para produção de energia através de instalações de pequena escala, utilizando

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais

Aspectos Regulatórios da Utilização de Aerogeradores na Micro e Minigeração Distribuída

Aspectos Regulatórios da Utilização de Aerogeradores na Micro e Minigeração Distribuída Aspectos Regulatórios da Utilização de Aerogeradores na Micro e Minigeração Distribuída Sibelly BEZERRA (1), Paulo ARAÚJO (2) (1)Mestranda em Energia/UNIFACS; (2)Prof. Titular/UNIFACS; sibelly_martins@yahoo.com.br,

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo Comissão de Minas e Energia (CME) Brasília (DF) 09/09/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Focos Principais

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) Institui o Programa de Incentivo à Geração Distribuída de Energia Elétrica a partir de Fonte Solar - PIGDES e altera a Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002.

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE DAS CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA AP N O 012/2015 (MINUTA DE RESOLUÇÃO)

RELATÓRIO DE ANÁLISE DAS CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA AP N O 012/2015 (MINUTA DE RESOLUÇÃO) Anexo I da Nota Técnica n o Nota Técnica no 077/2015-SRM-SRD-SRG-SGT-SFF-SCG/ANEEL de 08/05/2015 RELATÓRIO DE ANÁLISE DAS CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA AP N O 012/2015 (MINUTA DE RESOLUÇÃO)

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUIDA - MANUAL DE PROCEDIMENTOS

GERAÇÃO DISTRIBUIDA - MANUAL DE PROCEDIMENTOS GERAÇÃO DISTRIBUIDA - MANUAL DE PROCEDIMENTOS INTRODUÇÃO Denomina-se geração distribuída ou descentralizada a produção de energia elétrica próxima ao ponto de consumo, podendo ser este ponto de consumo

Leia mais