Via Directa - Companhia de Seguros, S.A.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Via Directa - Companhia de Seguros, S.A."

Transcrição

1 Via Directa - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2009 Grupo Caixa Geral de Depósitos

2 Relatório e Contas Via Directa 2009 Índice 2 Índice Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração Demonstrações Financeiras Anexo às Demonstrações Financeiras Anexo 1 Relatório e Parecer do Fiscal Único

3 Relatório e Contas Via Directa 2009 Órgãos Sociais 3 Órgãos Sociais Mesa da Assembleia Geral Presidente Secretário Conselho de Administração Presidente Vogais Conselho Fiscal Presidente Vogais Suplente Sociedade de Revisores Oficiais de Contas Maria Isabel Toucedo Lage Mário Rui Dinis Nacho Francisco Xavier da Conceição Cordeiro Carlos Manuel Nunes Leitão (administrador-delegado) José Filipe de Sousa Meira Miguel António Vilarinho Vasco Jorge Valdez Ferreira Matias João Filipe Gonçalves Pinto Luis Máximo dos Santos João Manuel Gonçalves Correia das Neves Martins DELOITTE & ASSOCIADOS, SROC, S.A. Representada por João Carlos Henriques Gomes Ferreira, ROC

4 Relatório e Contas Via Directa 2009 Relatório do Conselho de Administração 4 1. Relatório do Conselho de Administração em 31 de Dezembro 2009

5 Relatório e Contas Via Directa 2009 Relatório do Conselho de Administração 5 O Conselho de Administração da Via Directa - Companhia de Seguros, S.A., em cumprimento dos preceitos legais e estatutários aplicáveis, apresenta o Relatório e Contas relativo ao exercício de Enquadramento da Actividade 1.1. Enquadramento Macroeconómico Internacional O ano de 2009 fica marcado por um contexto de crise económica, que se seguiu à crise financeira, que teve o seu período mais intenso em 2008, tendo a actividade económica internacional reflectido uma deterioração potenciada pela interacção entre variáveis financeiras e da economia real. Assim, o PIB mundial, que tinha vindo a registar uma forte dinâmica de crescimento nos últimos anos, e que já tinha registado um abrandamento para cerca de 3% em 2008, deverá conhecer um decréscimo de aproximadamente 1,1% em 2009, reflectindo o abrandamento na generalidade das economias mundiais, com excepção da China que manteve o ritmo de crescimento em torno de 9%. O comércio mundial deverá ter registado uma queda sem precedentes de cerca de 12%, após um crescimento próximo de 3% em 2008, reflectindo, essencialmente, o adiamento de decisões de consumo e investimento devido à incerteza sobre a evolução económica. Apesar de as taxas de juro de referência para empréstimos a empresas e particulares se terem mantido em níveis historicamente baixos, devido à intervenção dos Bancos Centrais, verificou-se uma maior dificuldade no acesso ao crédito devido à adopção, por parte das entidades bancárias, de políticas restritivas na concessão de crédito, dados os receios sobre a capacidade de cumprimento de obrigações por parte de empresas e particulares. Os mercados accionistas evidenciaram uma forte subida no segundo semestre, terminando o ano, no entanto, em níveis ainda claramente inferiores aos do início da crise A Economia Portuguesa A actividade económica nacional registou, em 2009, uma contracção de 2,7%, menos intensa do que o valor médio de -4% da zona Euro. Esta evolução interrompe o processo de divergência face aos países integrantes da moeda única europeia e, na medida em que evidencia maiores níveis relativos de rigidez da economia nacional, pode indiciar o risco de Portugal não conseguir acompanhar os ritmos de crescimento que se esperam a partir de 2010.

6 Relatório e Contas Via Directa 2009 Relatório do Conselho de Administração 6 Este risco é reforçado pela situação actual das contas públicas (défice superior a 9% do PIB) e do desemprego (cerca de 10%), bem como pelos elevados níveis de endividamento público e privado, e pelo reduzido nível de qualificação da população activa. O decréscimo da actividade económica proveio, essencialmente, do comportamento da procura interna (-3,2 pp.), reflectindo a redução do investimento e do consumo privado, enquanto a procura externa teve um efeito positivo de 0,5 pp., decorrente de uma evolução favorável das exportações líquidas, situação que contribuiu para a redução do défice conjunto das Balanças Corrente e de Capital para cerca de 8% do PIB. A inflação, medida pelo IHPC, evidenciou um valor negativo de 0,9%, ficando abaixo das previsões iniciais, e reflectindo a evolução de preços dos bens energéticos e de matérias-primas, bem como a redução das margens de lucro e a evolução favorável do preço das importações, por via da manutenção de uma taxa de câmbio euro/dólar favorável. As previsões económicas do Banco de Portugal para 2010, embora susceptíveis de serem negativamente revistas devido à conjuntura internacional, apontam para um aumento da actividade económica em 0,7%, liderado pela recuperação do consumo privado e pela menor queda nas variáveis de investimento. Em consequência da recuperação económica e da evolução esperada para os preços das matérias-primas (com destaque para o petróleo), a taxa de inflação deverá evoluir para um valor positivo de 0,7%. No que respeita à taxa de desemprego verificou-se, em 2009, um aumento da taxa média anual para 9,6%, com origem nos múltiplos encerramentos de empresas, quer por dificuldades económicas, quer por deslocalizações de unidades fabris de multinacionais, sendo previsível para 2010, a manutenção de uma taxa de aproximadamente 10%, uma vez que o mercado de trabalho não deverá acompanhar a recuperação económica Evolução Geral do Mercado Segurador em Portugal De acordo com os elementos divulgados pelo Instituto de Seguros de Portugal, o mercado segurador terá contabilizado, na sua actividade em Portugal, incluindo recursos captados via contratos de investimento, um valor próximo de 14,5 mil milhões de euros (cerca de 9% do PIB) de prémios de seguro directo - a que corresponde um decréscimo de 5,4% face a Esta evolução decorre da redução verificada quer nos ramos Vida (-5,9%), que reflectiram a menor apetência dos clientes por produtos de perfil de risco mais elevado, quer nos ramos Não Vida ( 4,2%), marcados pela difícil situação económica e pela degradação do nível de preços. Tal facto fez sentir-se de forma mais intensa nos ramos Acidentes de Trabalho, Automóvel e Transportes, havendo a referir, pela positiva, o aumento da carteira de prémios dos ramos Doença, Multirriscos e Responsabilidade Civil.

7 Relatório e Contas Via Directa 2009 Relatório do Conselho de Administração 7 No que respeita ao grau de concentração do mercado segurador, verificou-se um comportamento diferenciado nos ramos Vida e Não Vida. Assim, nos ramos Vida constatou-se uma ligeira diminuição dos níveis de concentração, uma vez que as alterações verificadas na estrutura do mercado (nomeadamente a aquisição da Global Vida pelo Grupo Banif/Açoreana) não foram suficientes para contrariar o decréscimo da produção evidenciado pelos 10 grupos mais representativos nesta área de negócio, que passaram a deter uma quota de 94% face a 94,7% em Nos ramos Não Vida, a conjugação dos dois efeitos acima referidos teve o resultado contrário: ou seja, em termos de evolução de prémios, os principais operadores evidenciam uma perda de representatividade, contudo as operações de concentração verificadas (nomeadamente a aquisição da Global pelo Grupo Banif/Açoreana e da Real pela Lusitânia) invertem esse movimento, tendo os 10 principais Grupos registado uma quota de mercado de 87,5% (face a 82,1% em 2008). Em termos regulamentares, é de referir a entrada em vigor do novo Regime Jurídico do Contrato de Seguro, o que implicou uma revisão significativa dos clausulados e da documentação contratual e pré- -contratual das apólices. 2. Actividade da Companhia 2.1. Aspectos Gerais A Via Directa - Companhia de Seguros, S. A. foi fundada em 1998 e está integrada no Grupo Caixa Geral de Depósitos, sendo a Seguradora do Grupo vocacionada para a venda através dos canais directos (telefone e Internet), promovendo os seus produtos de Seguro Automóvel através da marca OK! teleseguros. A Via Directa dispõe desde 2007 do seu Sistema de Gestão da Qualidade certificado, pela Apcer - Associação Portuguesa de Certificação, de acordo com a norma NP EN ISO 9001:2000, sendo a 1.ª Seguradora de venda através dos canais directos a obter esta Certificação. Actualmente, lidera o segmento de mercado de seguro automóvel das Companhias que distribuem os seus produtos através de canais directos, trabalhando continuamente para a satisfação dos seus clientes (Liderança no Índice de Satisfação do Cliente (Estudo ECSI: ) e mantendo a liderança nos índices de recordação publicitária de todo o mercado segurador Organização Interna No capítulo da organização interna importa registar a criação da Direcção Comercial, que surge na sequência do enfoque dado a toda a estrutura da Companhia na Orientação para o Cliente, tendo-se efectuado a selecção e recrutamento de Colaboradores para esta Direcção, prosseguindo e concluindo o processo iniciado em 2008 de recrutamento para os Quadros da Companhia de Colaboradores que assegurem a gestão de todas as operações de Call Center.

8 Relatório e Contas Via Directa 2009 Relatório do Conselho de Administração 8 Importa ainda registar a criação da Direcção de Marketing e Produto, ficando centralizadas nesta Direcção as funções de desenvolvimento estratégico das marcas e imagem institucional, relações públicas e comunicação institucional, os eventos e acções de Marketing, bem como toda a preparação e lançamento de novos produtos e a gestão do ciclo de vida dos mesmos. Como resultado da criação destas 2 novas Direcções, a estrutura orgânica da Companhia passou a ser constituída pelas Direcções de Marketing e Produto; Comercial; Serviço ao Cliente; Administrativa e Financeira; Sistemas e pelo Gabinete de Desenvolvimento e Qualidade. Merece ainda realce a intensificação da relação com outras estruturas do Grupo que permitiram reforçar o enfoque em áreas fundamentais para a actividade da Companhia, de que se destacam a Auditoria Interna, Gestão de Reclamações, Gestão de Risco e Compliance Mercado e Clientes A Via Directa opera no segmento do mercado segurador vocacionado para a venda através dos canais directos (Internet e Telefone). Este segmento de mercado tem vindo a aumentar o seu peso relativo no total do mercado, tendo evoluído de uma quota de 3,0% no final de 2007 para uma quota de 4,1% no final de 2009 no ramo Automóvel. A Via Directa especializou-se na promoção de Seguro Automóvel, dedicando-se exclusivamente à comercialização deste produto, para Clientes com residência fixa em Portugal, que tenham veículos ligeiros de passageiros e motociclos, para uso particular. Mantendo o enfoque no Cliente a Companhia continua a procurar aumentar os índices de qualidade e eficiência operativa tendo em vista melhorar ainda mais a satisfação dos Clientes, pelo que continua a ser desenvolvido o Sistema de Gestão da Qualidade, certificado pela Norma ISO 9001, visando assegurar que a organização tem uma dinâmica da melhoria contínua que garanta a satisfação das expectativas dos Clientes, assegurando não só a sua fidelização, mas também a competitividade e o desenvolvimento sustentável. Importa igualmente referir que a monitorização da satisfação dos Clientes é uma componente relevante da melhoria continua do Sistema de Gestão de Qualidade, razão pela qual aferimos a satisfação dos mesmos em todos os processos-chave da companhia, nomeadamente a Assistência em Viagem, Sinistros, Venda e Apoio ao Cliente. Para suportar este sistema e uma maior qualidade de serviço, a Companhia apostou em 2009 no lançamento de programas de formação interna que tinham como objectivo incentivar todos os Colaboradores da Companhia para uma ainda maior orientação para o Cliente. Assim, a Via Directa terminou o ano de 2009 com cerca de Clientes, representando um crescimento superior a 7%. Os Clientes caracterizam-se pelo seu perfil urbano, com carro e seguro em nome próprio, com idades compreendidas entre os 25 e os 55 anos de idade, maioritariamente pertencentes às classes sociais B e C1.

9 Relatório e Contas Via Directa 2009 Relatório do Conselho de Administração Enquadramento Legal e Regulamentar Na sequência do ocorrido em anos anteriores, as novas obrigações legais e regulamentares foram abordadas como oportunidades de melhoria do serviço e do relacionamento com os Clientes. Desde logo, o início do ano de 2009 foi marcado pela entrada em vigor do novo Regime Jurídico do Contrato de Seguro (Decreto-Lei nº 72/2008 de 16 de Abril), o qual implicou uma revisão significativa dos clausulados e da documentação contratual e pré-contratual. Tentando criar sinergias com este processo, uniformizaram-se conceitos, definições e garantias. Por outro lado, em 1 de Dezembro de 2009, ocorreu um aumento nos capitais mínimos obrigatórios do ramo Automóvel, o que implicou uma revisão de toda a documentação e sistemas relacionados com a exploração desse ramo, para garantir uma correcta exploração técnica do mesmo Alargamento e Melhoria da Oferta de Produtos e Serviços O ano de 2009 foi um ano de mudança para a Via Directa, que optou por aumentar o seu portefólio de oferta através do lançamento do produto OK! Família, mantendo a estratégia de oferta em segmentos diferenciados. Este produto representou cerca de 15% do total de novas apólices e, não só foi identificado como extremamente vantajoso pelo segmento familiar, como permitiu reforçar a vertente de fidelização dos clientes já existentes. Na concretização do objectivo de melhorar a oferta de serviços, a Via Directa revolucionou a sua presença na Internet através da disponibilização de um novo site da marca OK! teleseguros, com inovadoras ferramentas que permitiram reforçar o compromisso da seguradora em oferecer aos Clientes o melhor serviço ao melhor preço. Neste website, os Clientes passam a beneficiar de um processo de simulação e contratação autónomo, sem necessitar de contactar a seguradora, de uma forma simples, e rápida, estando disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana. O novo site disponibiliza ainda uma área privada de Clientes, desenvolvendo a vertente de home insurance, através da qual os Clientes registados poderão fazer online toda a gestão das suas apólices, nomeadamente consultar as mesmas, efectuar alterações, imprimir documentos e participar sinistros. Esta tecnologia valeu ao site da OK! teleseguros a distinção com um Agility Award, galardão atribuído pela OutSystems, que premeia a eficácia e utilização de metodologias ágeis, em projectos suportados pela plataforma OutSystems, sendo a primeira empresa portuguesa a receber um Agility Award, de uma lista de 4 vencedores a nível mundial. Outra das inovações da plataforma tecnológica é a disponibilização de Serviços Click to Call e Click to Chat, que permitem ao Cliente solicitar um contacto telefónico ou por chat imediato com a companhia.

10 Relatório e Contas Via Directa 2009 Relatório do Conselho de Administração 10 Para além da contratação online, são realizadas mais de simulações por mês na sequência das quais são enviados cerca de pedidos de contacto telefónico A Marca OK! teleseguros Em Maio de 2009, visando atribuir ao seu logótipo uma dimensão mais humana, a OK! teleseguros realizou um restyling que representa uma mudança na continuidade, reforçando valores importantes da Marca como a Inovação e Flexibilidade. Esta mudança fez-se imediatamente reflectir na remodelação do espaço na Av. José Malhoa, bem como nos restantes pontos de atendimento presencial da marca em Lisboa (Avª República) e Porto (R. Júlio Dinis). A marca mudou para OK! teleseguros, antecipando a perspectiva de expansão do portefólio de produtos e de crescimento futuro, respondendo, assim, às necessidades dos seus Clientes. Reforçando também a estratégia de alargamento dos canais e plataformas disponíveis para os Clientes, garantindo ainda melhores níveis de serviço Responsabilidade Social Como Companhia existente há 11 anos, a Via Directa tem vindo a dar os seus passos na associação a causas de carácter social. O apoio à Corrida Sempre Mulher pelo 2º ano consecutivo é disso prova, ajudando a reforçar a notoriedade deste evento a favor da APAMCM - Associação Portuguesa de Apoio à Mulher com Cancro da Mama. Reforçando esta acção e o apoio a esta causa, a Via Directa efectuou um donativo a esta instituição, que irá ter na sua nova Sede um bloco especializado em fisioterapia oncológica, a ser baptizado pela Via Directa Resultados e Solvência O Resultado do Exercício ascendeu a 156 mil euros e foi fortemente penalizado pelo registo da Provisão para Riscos em Curso no valor de 1,2 milhões de euros. Por sua vez, o rácio de cobertura da margem de solvência subiu de 407,0% no exercício de 2008, para 422,0%, tendo os elementos que constituem esta margem atingido um valor aproximado 28 milhões de euros (cerca de 27 milhões em 2008), face a um valor exigível de cerca de 7 milhões (7 milhões em 2008). O quadro que se segue contém alguns indicadores relativos à actividade da Via Directa, devendo salientar-se que, para efeitos de comparabilidade, todos os elementos contabilísticos relativos a 2007 são apresentados numa versão pró-forma, devido à introdução em 2008, de um novo Plano de Contas para as empresas de seguros, que adoptou, na quase totalidade, as Normas Internacionais de Relato Financeiro (IFRS).

11 Relatório e Contas Via Directa 2009 Relatório do Conselho de Administração 11 (Milhares de Euros) Principais Indicadores (Pró-forma) Prémios de Seguro Directo Quota de Mercado (Ramo Automóvel) 2,0% 1,9% 1,7% Resultado Líquido do Exercício Custos Técnicos Líquidos de Resseguro Taxa de Sinistralidade 66,8% 65,5% 68,2% Loss Ratio 70,6% 65,5% 68,2% Expense Ratio 33,3% 34,1% 30,2% Combined ratio 103,9% 99,6% 98,3% Solvabilidade Rácio de Cobertura da Margem de Solvência 422,0% 407,0% 469,2% Cobertura das Provisões Técnicas Líq. Resseguro 170,0% 160,4% 158,1% 2.2. Análise Económica Seguro Directo (Milhares de Euros) Prémios Seguro Directo Total Taxa Crescimento 0,5 1,2 10,2 Quota Mercado (Vida e Não Vida) 0,3 0,2 0,3 Quota de Mercado (Não Vida) 1,0 0,9 0,9 Ramo Automóvel Taxa Crescimento -0,3-0,1 7,3 Quota de Mercado (Ramo Automóvel) 2,1 1,9 1,7 Ramo Diversos Taxa Crescimento 6,6 11,3 39,5 Quota de Mercado (Ramo Diversos) 2,8 2,5 2,5 A Via Directa registou, em 2009, um montante global de prémios de seguro directo de 38,5 milhões de euros, correspondente a um acréscimo de 0,5% face ao ano anterior, reflectindo o bom desempenho obtido no Ramo Automóvel, cujo mercado em igual período decresceu 7,4%. O crescimento acima referido reflecte bem não só o elevado enfoque na captação de novo negócio, como essencialmente todo o esforço efectuado no sentido da retenção de clientes, muito embora seja evidente a quebra verificada no prémio médio.

12 Relatório e Contas Via Directa 2009 Relatório do Conselho de Administração 12 A Via Directa e o Mercado - Taxas de Variações Anuais Ramos Via Directa Total Mercado Vida ,4 17,5 6,9 Não Vida 0,5 1,2 10,2-5,0-1,3 0,5 Automóvel -0,3-0,1 7,3-7,4-6,9-2,9 Diversos 6,6 11,3 39,5-10, ,5 TOTAL 0,5 1,2 10,2-5,3 11,5 4,8 A Via Directa manteve assim o seu posicionamento no Ranking das Companhias a operar em Portugal posicionando-se em: - Produção Total (Vida e Não Vida) : 35ª posição; - Produção Não Vida : 19ª posição; - Produção Ramo Automóvel : 14ª posição. A análise da captação de novo negócio por canal de distribuição evidencia o crescimento acentuado do canal Internet decorrente do lançamento do novo Site, representando mais de 25% do novo negócio, reduzindo-se assim o peso do canal telefónico na distribuição de produtos da marca Ok! teleseguros. Vendas por Canal de Distribuição Telefone 100% 80% 10% 26% 8% 15% 5% 16% Internet Presencial 60% 40% 20% 65% 77% 79% 0% O segmento das seguradoras que promovem os seus produtos através de canais directos tem sido um dos mais dinâmicos nos 2 últimos anos com a entrada neste segmento de mercado de dois novos operadores, não obstante o aumento da concorrência verificada neste segmento a Via Directa manteve a inequívoca liderança deste segmento de mercado com uma quota de 49,2%.

13 Relatório e Contas Via Directa 2009 Relatório do Conselho de Administração 13 A Via Directa e o Segmento Mercado Seguradoras Directas - - Prémios Seguro Directo Ramos Não Vida Via Directa Outras Seguradoras Acidentes e Doença Quota Mercado 0,0% 0,0% 0,0% 100,0% 100,0% 100,0% Automóvel Quota Mercado 48,9% 49,5% 56,8% 51,1% 50,5% 43,2% Incêndio e Outros Danos Quota Mercado 0,0% 0,0% 0,0% 100,0% 100,0% 100,0% Diversos Quota Mercado 56,9% 58,9% 66,6% 43,1% 41,1% 33,4% TOTAL Quota Mercado 49,2% 50,0% 57,5% 50,8% 50,0% 42,5% Sinistralidade e Resseguro As indemnizações de seguro directo sofreram um aumento de 3,5% face ao ano de O ligeiro aumento da frequência e o agravamento do custo médio dos sinistros, particularmente da componente corporal, está na origem desta evolução. Custos com Sinistros de Seguro Directo (Milhares de Euros) Ramos Valor Var % Valor Var % Valor Var % Automóvel ,5% ,4% ,6% Diversos 2 0,0% 2 n a 0 n a Não Vida ,5% ,4% ,6% Total ,5% ,4% ,6% O agravamento referido tem vindo a afectar de forma global o mercado português. Na Via Directa a taxa de sinistralidade líquida de resseguro cedido foi de 66,8%, o que aponta para um valor muito inferior à média do mercado. Taxa de Sinistralidade Líquida de Resseguro cedido (S/ Prémios Adquiridos) (Pró-forma) Automóvel 69,8% 68,5% 68,2% Diversos 0,0% 0,0% 0,0% Não Vida 66,8% 65,5% 68,2% Total 66,8% 65,5% 68,2%

14 Relatório e Contas Via Directa 2009 Relatório do Conselho de Administração 14 A eficiência na selecção de riscos e na regularização dos sinistros continua a ser, a par com o rigoroso controlo dos custos, a grande prioridade nesta área. A recente legislação acerca do controlo apertado de prazos veio ainda tornar mais necessária a célere tramitação dos processos de sinistros, não só para dar cumprimento à exigência do supervisor mas essencialmente para prestar o melhor serviço a Clientes e Terceiros. Não obstante a política de resseguro desenvolvida pela Companhia ter sido de continuidade, há a realçar um ligeiro acréscimo dos custos associados ao mesmo. Indicadores de Resseguro Cedido Rácios (Pró-forma) Prémios RC/ Prémios SD 12,4% 11,9% 8,1% Indemnizações RC/ Indemnizações SD 2,7% 0,0% 0,8% Indemnizações RC/ Prémios RC 12,6% 0,2% 5,7% Comissões e Despesas de Aquisição de Seguro Directo O rácio de comissões e custos de aquisição sobre prémios do seguro directo baixou de 23.9% para 22.7%, reflectindo essencialmente a quebra verificada na rubrica Publicidade. % s/ Prémios de Seguro Directo (Milhares de Euros) Ramos Valor Taxa % Valor Taxa % Valor Taxa % Automóvel ,8% ,0% ,1% Diversos ,0% 461 9,7% ,2% Não Vida ,7% ,9% ,3% Total ,7% ,9% ,3% Custos por Natureza a Imputar O total de custos imputados ascendeu a 10.6 milhões de euros e reflecte o esforço de contenção que tem vindo a ser efectuado. O acréscimo de 33.6% dos custos com pessoal ficou a dever-se à decisão estratégica de recrutar para os quadros da Companhia os Colaboradores necessários à internalização dos serviços de Call Center, resultando desta decisão a redução de custos com FSE s decorrentes do anterior recurso a outsourcing para execução de alguns destes serviços. Para além da diminuição destes custos, o decréscimo de 15% em FSE s ficou ainda a dever-se à contracção dos custos com publicidade.

15 Relatório e Contas Via Directa 2009 Relatório do Conselho de Administração 15 Custos por Natureza a Imputar (Milhares de Euros) Ramos Valor Var % Valor Var % Valor Var % Custos c/ Pessoal ,6% ,1% ,7% Forn. Serv. Externos ,1% ,0% ,0% Impostos e Taxas ,2% ,9% ,6% Amortizações 511 4,9% ,0% ,3% Juros Suportados 0 0 0,0% 0 Comissões Serv. Fin. 25 8,7% 23-48,9% 45-0,3% Total s/ Outras Provisões ,1% ,4% ,7% Outras Provisões 11-79,2% ,0% -53 0,0% Total ,5% ,5% ,1% Rácio Combinado não Vida Em virtude da evolução referida das principais variáveis, o rácio combinado em 2009 foi de 103.9%, já que a melhoria alcançada ao nível do rácio de despesas não foi suficiente para compensar o agravamento do loss ratio originado pela constituição da Provisão para Riscos em Curso Recursos Humanos Perante o contexto actual do mercado, em 2009, foi feita uma forte aposta na formação dos recursos humanos da empresa tendo sido ministrado um nº total de 5770 horas de formação (1016 horas em 2008). O Projecto Formativo desenvolvido em 2009 sob a designação Conquiste o OK! dos seus Clientes foi transversal a todos os recursos da Companhia e visou aumentar as competências dos Colaboradores da empresa, tais como o reforço da orientação para o Cliente e para os resultados, além do desenvolvimento de competências de Liderança nos Colaboradores com cargos de chefia. No âmbito da actividade formativa de 2009 são ainda de destacar, para além das formações correntes para aperfeiçoamento das competências técnicas dos Colaboradores: - Acções de formação, ministradas presencialmente, sobre a temática do Compliance; - Acções de formação, ministradas via E-Learning, sobre a temática de Solvência II (Introdução ao Risco Operacional). - Programa de Desenvolvimento de Competências, no âmbito do projecto Gestão de Quadros de Elevado Potencial;

16 Relatório e Contas Via Directa 2009 Relatório do Conselho de Administração 16 - Formações em gestão para os quadros da empresa, nas quais se enquadravam o desenvolvimento de áreas comportamentais como Liderança, Negociação e Comunicação. Fruto da reorganização interna da Companhia e da estratégia da internalização da gestão das operações de Call Center, bem como do reforço das Direcções de Sistemas e Marketing e Produto, a empresa viu aumentado o seu quadro em 51 Colaboradores, tendo os novos Colaboradores uma média de idades de 30 anos. Efectivos Permanente Trabalhadores Efectivos Trabalhadores com Contrato a Termo Total* * posição a 31/12 A idade e antiguidade média dos colaboradores da Companhia é de, respectivamente, 32,7 e 3,9 anos, sendo que 68% pertencem ao Sexo Feminino. A moda etária encontra-se no escalão dos 30 aos 34 anos, representando 38% do total dos Colaboradores. Estrutura Etária >= 55 Anos Anos Anos Anos Anos Anos Anos < 24 Anos 0,00% 10,00% 20,00% 30,00% 40,00% 50,00% 60,00% 70,00% < 24 Anos Anos Anos Anos Anos Anos Anos >=55 Anos Homens Mulheres 7,69% 2,73% 42,31% 29,09% 28,85% 42,73% 7,69% 20,00% 9,62% 4,55% 3,85% 0,00% 0,00% 0,91% 0,00% 0,00% Relativamente à composição do efectivo em termos de formação académica de 2008 para 2009 verificou-se um crescimento do peso relativo do agregado com formação superior, que evoluiu de 50% para 55%. Formação Académica 70,00% 60,00% 57,69% 61,82% Homens 50,00% 40,00% 36,36% 40,38% Mulheres 30,00% 20,00% 10,00% 0,00% 1,82% 1,92% Secundário Licenciatura Pós Graduação/Mestrado

17 Relatório e Contas Via Directa 2009 Relatório do Conselho de Administração 17 E porque as pessoas são a essência de uma empresa e fruto da aposta consistente na qualificação e motivação do seu quadro de Colaboradores merece destaque o facto de pelo segundo ano consecutivo a empresa constar do ranking das Melhores Empresas para Trabalhar em Portugal Médias Empresas, estudo desenvolvido pela Heidrick & Struggles e pela revista Exame, tendo obtido o 20º lugar do ranking em 2009 (35º lugar em 2008), correspondendo a um grau de satisfação global dos seus Colaboradores de 75,3% (64,80% em 2008) Análise Financeira a) Cobranças A melhoria conseguida ao nível dos indicadores de cobranças reflecte o esforço desenvolvido pela Companhia no que respeita à cobrança de prémios. Com efeito, numa altura de crise económica e de grande concorrência, o enfoque nas cobranças permitiu não só antecipar em 1 dia o prazo médio, como manter as anulações em níveis inferiores aos do mercado. Deve referir-se que o rácio de recibos por cobrar sobre prémios de seguro directo é, na Via Directa, superior à média do mercado, decorrente do facto da forma como são contabilizados os PBE s (Prémios Brutos Emitidos). Indicadores de Cobrança Rácios (Pró-forma) Recibos por Cobrar 16,31% 16,61% 14,91% Prémio Seguro Directo Ajustamentos p/ Recibos Por Cobrar (*) 0,52% 0,16% 0,35% Recibos por Cobrar Prazo Médio de Cobrança (em dias) (*) Designada, no anterior Plano de Contas, de Provisão para Recibos por cobrar b) Investimentos O valor líquido do investimento realizado em 2009, ascendeu a 180 mil euros, ficando acima do valor do ano anterior, em consonância com o crescimento das responsabilidades técnicas decorrentes da evolução do negócio.

18 Relatório e Contas Via Directa 2009 Relatório do Conselho de Administração 18 (Milhares de Euros) Investimentos (Pró-forma) Títulos de Rendimento Fixo Títulos de Rendimento Variável Empréstimos Depósitos em Instituições de Crédito Outros Depósitos Bancários Imóveis Equipamento TOTAL c) Rendimentos Os rendimentos evidenciaram um decréscimo de 34,4%, para 1.5 milhões de euros, em consequência da descida das taxas de juro ao longo de (Milhares de Euros) Rendimentos (Pró-forma) Rendimentos Var % -34,4% 7,7% 53,7% Garantias Financeiras a) Evolução das responsabilidades técnicas As responsabilidades técnicas de seguro directo apresentaram no final de 2009, um montante de 37,7 milhões de euros, correspondente a um aumento de 215 mil euros face ao ano anterior, essencialmente devido ao acréscimo da Provisão para Prémios Não Adquiridos. (Milhares de Euros) Responsabilidades Técnicas de Seguro Directo (Pró-forma) Provisão para Prémios Não Adquiridos Provisão para Sinistros Provisão para Riscos em Curso TOTAL

19 Relatório e Contas Via Directa 2009 Relatório do Conselho de Administração 19 b) Representação das responsabilidades técnicas A Via Directa terminou o exercício de 2009 com um montante de activos afectos à representação das responsabilidades técnicas de 58,1 milhões de euros (57,3 milhões em 2008), tendo atingido um rácio de cobertura das mesmas de 154,3% (153,0% em 2008), e um excesso de activos afectos de aproximadamente 20 milhões de euros (20 milhões em 2008). Cobertura das Responsabilidades Técnicas (Milhares de Euros) (Pró-forma) Títulos de Crédito Acções Outros Depósitos e Caixa Outros Activos TOTAL Responsabilidades a Representar Rácio de Cobertura 154,3% 153,0% 143,8% 3. Resultados e Capital Próprio 3.1. Resultado Líquido O resultado depois de impostos foi de 156,0 mil euros e está decisivamente influenciado pela referida quebra do prémio médio, que acabou por originar a necessidade de constituição da provisão para riscos em curso no valor de 1,2 milhões de euros. Acresce que apesar da evolução positiva dos mercados financeiros, alguns investimentos registaram ainda quebras acentuadas no seu valor, dando origem a perdas por imparidade da ordem dos 0,5 milhões de euros Capital Próprio O capital próprio da Via Directa, no final de 2009, era de 30,1 milhões de euros, valor que representa um acréscimo de 650 mil euros (+2,2%) face ao ano anterior, reflectindo o acréscimo das reservas de reavaliação, nomeadamente na rubrica Por Ajustamento do Justo Valor de activos financeiros.

20 Relatório e Contas Via Directa 2009 Relatório do Conselho de Administração Margem de Solvência A margem de solvência mínima legalmente exigível era, no final de 2009, de 6,2 milhões de euros, enquanto os elementos constitutivos da mesma atingiram os 28,6 milhões de euros, o que traduz um rácio de cobertura da margem de solvência de 422,0%, representativo de um elevado índice de segurança para todos os segurados e agentes económicos que se relacionam com a Companhia. De salientar o reforço significativo registado na margem de solvência, em comparação com o valor, já de si bastante positivo, de 407,0%, registado no final do exercício anterior. A Companhia cumpre igualmente os limites estabelecidos em relação a aplicações financeiras, bem como os níveis de margem de solvência e do fundo de garantia, excedendo significativamente os valores mínimos legalmente fixados. 4. Perspectivas de Evolução A pensar no futuro a marca tem como objectivo manter a liderança do segmento de mercado das seguradoras que promovem os seus produtos através de canais directos, equacionando a possibilidade de vir a alargar o seu portefólio de produtos, através da exploração de outros ramos. Paralelamente manter-se-á o grande objectivo de aumentar os índices de qualidade e eficiência operativa tendo em vista aumentar ainda mais a satisfação dos nossos Clientes. A Via Directa pretende ainda continuar a crescer no ramo Automóvel, mantendo uma aposta no desenvolvimento do negócio através dos vários canais que explora (Telefone, Internet e Presencial), bem como no aumento do leque de produtos a oferecer, introduzindo soluções segmentadas que vão de encontro às expectativas dos Clientes, a exemplo do já efectuado com o OK! Mulher e com o OK! Família. 5. Proposta de Aplicação de Resultados De acordo com o disposto no Código das Sociedades, o Conselho de Administração vem propor a seguinte aplicação para o resultado líquido apurado no exercício, no valor de ,79 Euros: Resultado do ano ,79 Reserva Legal ,38 Remanescente à disposição da Assembleia Geral ,41

Via Directa - Companhia de Seguros, S.A.

Via Directa - Companhia de Seguros, S.A. Via Directa - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2008 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Via Directa 2008 Índice 2 Índice 3 4 12 18 66 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

CARES - Companhia de Seguros, S.A.

CARES - Companhia de Seguros, S.A. CARES - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2009 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas CARES 2009 Índice 2 Índice 3 4 12 18 85 90 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

CARES - Companhia de Seguros, S.A.

CARES - Companhia de Seguros, S.A. CARES - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2008 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas CARES 2008 Índice 2 Índice 3 4 8 14 65 70 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de contas 5. Lista e âmbito das contas 6. Tabelas 7. Contas individuais

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

CARES - Companhia de Seguros, S.A.

CARES - Companhia de Seguros, S.A. CARES - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas CARES 2007 Índice 2 Índice 3 4 8 14 49 58 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

Via Directa - Companhia de Seguros, S.A.

Via Directa - Companhia de Seguros, S.A. Via Directa - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2011 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Via Directa 2011 Índice 2 Índice 3 4 26 32 102 107 111 131 Órgãos Sociais Relatório do

Leia mais

Império Bonança - Companhia de Seguros, S.A.

Império Bonança - Companhia de Seguros, S.A. Império Bonança - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2009 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Império Bonança 2009 Índice 2 Índice 3 4 27 34 199 221 Órgãos Sociais Relatório do

Leia mais

ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009

ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009 ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009 ACP MOBILIDADE Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2009 1. Enquadramento

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

CARES - COMPANHIA DE SEGUROS, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2014

CARES - COMPANHIA DE SEGUROS, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2014 1 CARES - COMPANHIA DE SEGUROS, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2014 Relatório e Contas CARES 2014 Índice 2 ÍNDICE Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração Demonstrações Financeiras Anexo às Demonstrações

Leia mais

PLANO DE CONTAS EMPRESAS DE SEGUROS PARA AS. Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril

PLANO DE CONTAS EMPRESAS DE SEGUROS PARA AS. Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A.

Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A. 1 Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A. Relatório e Contas 2008 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2008 Índice 2 Índice 4 27 29 30 32 33 34 35 206 247 Relatório

Leia mais

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA IES DECLARAÇÃO ANUAL IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (EMPRESAS DO SECTOR SEGURADOR -- DECRETO-LEI n o 94-B/98 de 17 de Abril) 01 N o DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIPC) 02 EXERCÍCIO 1 1 IRC ANEXO

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

Império Bonança - Companhia de Seguros, S.A.

Império Bonança - Companhia de Seguros, S.A. Império Bonança - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Império Bonança 2007 Índice 2 Índice 3 4 26 33 85 104 Órgãos Sociais Relatório do

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A.

Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A. Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2007 Índice 2 Índice 3 4 28 29 31 34 35 37 40 41 107 174 Relatório

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras fevereiro de 2015 Este relatório contém 64 páginas Capital Social 22.375.000 o matricula na CRCL com o número único de matricula e identificação de pessoa coletiva 501 836 926

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Apresentação ao mercado do modelo de adopção plena das IAS/IFRS e outras matérias inerentes ao processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector bancário nacional DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO 1 Índice Volume II 5 Relatório do Conselho Geral e de Supervisão 12 Parecer do Conselho Geral e de Supervisão incluíndo declaração de conformidade 14 Relatório da Comissão para as Matérias Financeiras

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS GAN PORTUGAL SEGUROS 2004

RELATÓRIO E CONTAS GAN PORTUGAL SEGUROS 2004 Relatório sobre a Fiscalização Exmos. Senhores, Introdução 1 O presente Relatório é emitido nos termos do nº 2 do artº 451º do Código das Sociedades Comerciais e da alínea a) do nº 1 do artº 52º do Decreto-Lei

Leia mais

relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas

relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas Índice 01 02 Demonstrações financeiras consolidadas 6 Demonstração

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

SOFINLOC, Instituição Financeira de Crédito, S. A. Sede: Rua General Firmino Miguel, N.5-14. - 1600 LISBOA NIPC 501 370 048 / C.R.C.

SOFINLOC, Instituição Financeira de Crédito, S. A. Sede: Rua General Firmino Miguel, N.5-14. - 1600 LISBOA NIPC 501 370 048 / C.R.C. SOFINLOC, Instituição Financeira de Crédito, S. A. Sede: Rua General Firmino Miguel, N.5-14. - 1600 LISBOA NIPC 501 370 048 / C.R.C. Lisboa nº 3 053 BALANÇO EM 31.12.2006 Valores em milhares de Euros Dez-06

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

2. Bases de apresentação das demonstrações financeiras e principais políticas contabilísticas adoptadas

2. Bases de apresentação das demonstrações financeiras e principais políticas contabilísticas adoptadas Notas explicativas integrantes das Demonstrações Financeiras (Montantes expressos em euros, excepto quando indicado) 1. Informação Geral A N Seguros, S.A. ( N Seguros ou Seguradora ) foi constituída em

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do exercício de 2014 (não

Leia mais

Multicare - Seguros de Saúde, S.A.

Multicare - Seguros de Saúde, S.A. Multicare Seguros de Saúde, S.A. Relatório e Contas 2009 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Multicare 2009 Índice 2 Índice 3 4 19 20 26 91 98 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

COMPANHIA PORTUGUESA DE RESSEGUROS, S.A.

COMPANHIA PORTUGUESA DE RESSEGUROS, S.A. COMPANHIA PORTUGUESA DE RESSEGUROS, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2013 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Companhia Portuguesa de Resseguros 2013 Índice 2 Índice 3 4 15 20 92 98 113 Órgãos Sociais

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

ACP MOBILIDADE, Sociedade de Seguros de Assistência, S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2013

ACP MOBILIDADE, Sociedade de Seguros de Assistência, S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2013 ACP MOBILIDADE, Sociedade de Seguros de Assistência, S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2013 ÍNDICE 1. Enquadramento macroeconómico... 2 2. Atividade da empresa... 3 3. Perspetivas para 2014... 5

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL MARÇO DE 2012 Ministério da Solidariedade e da Segurança Social

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 31 de Dezembro de 2006 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado)

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADO EXERCÍCIO DE 2011 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (Montantes em Euros, excepto

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2012 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3T10)

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3T10) Capital Social: 115.000.000 Capital Próprio Individual a 30 de Junho de 2010: 7.933.916 Capital Próprio Consolidado a 30 de Junho de 2010: 7.438.971 Sede: Av. General Norton de Matos Estádio do Sport Lisboa

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2006 ECONOMIA PORTUGUESA Após o fraco crescimento da economia observado em 2005 (0.4 por cento) estima-se que o Produto Interno

Leia mais

Relatório de Actividades 1.º Trimestre de 2011

Relatório de Actividades 1.º Trimestre de 2011 Capa 2011 Relatório de Actividades 1.º Trimestre de 2011 Evolução da actividade, aspectos mais relevantes e resultados obtidos pelo Banif - Grupo Financeiro no 1.º Trimestre de 2011 Os resultados líquidos

Leia mais

ACP MOBILIDADE Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011

ACP MOBILIDADE Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011 ACP MOBILIDADE Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011 1. Enquadramento da Atividade Macroeconomia A economia europeia vive uma das maiores crises da sua história,

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2008 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, tendo atingido um valor

Leia mais

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6A, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2007 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, embora em 2007 tenha

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

EUROP ASSISTANCE. Companhia Portuguesa de Seguros, S.A.

EUROP ASSISTANCE. Companhia Portuguesa de Seguros, S.A. EUROP ASSISTANCE Companhia Portuguesa de Seguros, S.A. Relatório e Contas do Exercício de 2010 ORGÃOS SOCIAIS Assembleia Geral Presidente Vice-Presidente Secretário Giovanni Maria Incisa di Camerana Rui

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Banco de Cabo Verde

RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Banco de Cabo Verde RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2012 Banco de Cabo Verde Índice 1. Introdução... 4 2. Os seguros e a sociedade... 6 3. O Resseguro Cedido... 8 4. Sinistralidade Global... 10 5. Quota de mercado e comparação

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RESULTADOS CONSOLIDADOS 2012 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 8 de Fevereiro de 2013 A presente informação anual não foi sujeita a auditoria. Processo de Recapitalização A 31 de Dezembro de 2012 foi anunciada a aprovação por parte

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

Fidelidade Mundial - Seguros. Relatório e Contas 2005

Fidelidade Mundial - Seguros. Relatório e Contas 2005 Fidelidade Mundial - Seguros Relatório e Contas 2005 Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2005 ìndice 2 Índice 3 4 26 39 96 136 159 Orgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração Demonstrações

Leia mais

ACP MOBILIDADE, Sociedade de Seguros de Assistência, S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2014

ACP MOBILIDADE, Sociedade de Seguros de Assistência, S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2014 ACP MOBILIDADE, Sociedade de Seguros de Assistência, S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2014 ÍNDICE 1. Enquadramento macroeconómico... 2 2. Atividade da empresa... 3 3. Políticas de gestão de risco...

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 1. Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2011 INTRODUÇÃO PLC - Corretores de Seguros, S.A é uma sociedade anonima. A Empresa foi constituida em 1999, tem sede na Av. Infante Santo nº 48 2º Esq. em Lisboa,

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 1 - Apresentação de Demonstrações Financeiras,

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA e Grupo Banif Consolidado INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA Sociedade

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

8. Gestão dos fundos autónomos. Centro de documentação. Fundo de Garantia Automóvel. Abertura de processos

8. Gestão dos fundos autónomos. Centro de documentação. Fundo de Garantia Automóvel. Abertura de processos Centro de documentação No decurso de 2012, desenvolveram-se várias ações que visaram, mais uma vez, incrementar a qualidade e quantidade dos recursos documentais, atualizar, diversificar e melhorar os

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

Balanço e análise setorial

Balanço e análise setorial Balanço e análise setorial Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º,

Leia mais

Regulamento da CMVM n. º 5/2008 Deveres de Informação

Regulamento da CMVM n. º 5/2008 Deveres de Informação Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Regulamento da CMVM n. º 5/2008 Deveres de Informação (Revoga o Regulamento da CMVM nº 4/2004 e altera os Regulamentos da CMVM nºs 7/2001

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO EXERCÍCIO DE 2003

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO EXERCÍCIO DE 2003 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO EXERCÍCIO DE 2003 NATUREZA E CONTEÚDO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS As Demonstrações Financeiras Consolidadas foram preparadas

Leia mais

1 Políticas contabilísticas a) Bases de apresentação A F&C Portugal, Gestão de Patrimónios, S.A. ( Sociedade ) é uma sociedade privada constituída a 31 de Outubro de 2001, tendo iniciado a sua actividade

Leia mais

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ASSUNTO PÁGINA EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA EM STP 1. ENQUADRAMENTO

Leia mais

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros COMUNICADO Resultados Consolidados

Leia mais

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014 Notas às Demonstrações Financeiras Individuais 31 De Dezembro de 2014 1. Identificação da Entidade ASSOCIAÇÃO BOA HORA, IPSS, é uma instituição particular de solidariedade social, com sede na Rua do Cemitério,

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto e Âmbito de Aplicação 1. O presente regulamento define as normas relativas à obtenção de rendimentos e realização de gastos, as regras

Leia mais

1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40)

1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40) AULA 08 1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40) 3. Capital Próprio - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 Activos Fixos Intangíveis Activo intangível:

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS Exercício de 2013

RELATÓRIO E CONTAS Exercício de 2013 RELATÓRIO E CONTAS Exercício de 2013 Fevereiro de 2014 Lusitania, Companhia de Seguros, SA Página 2 ÍNDICE ÓRGÃOS SOCIAIS... 5 RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO... 7 I. A DINÂMICA DOS MERCADOS...

Leia mais

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas)

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) 31 agosto 2015 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial, e as suas

Leia mais