Questões Teóricas das Pesquisas em Línguas de Sinais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Questões Teóricas das Pesquisas em Línguas de Sinais"

Transcrição

1 Questões Teóricas das Pesquisas em Línguas de Sinais 9 o Theoretical Issues in Sign Language Research Conference Florianópolis, Brasil, Dezembro Organizadoras Ronice Müller de Quadros Maria Lúcia Barbosa de Vasconcellos

2 Sumário Apresentação 4 Arqueologia das Línguas de Sinais: Integrando Lingüística Histórica com Pesquisa de Campo em Línguas de Sinais Recentes 22 Ted Supalla Raízes, folhas e ramos A tipologia de línguas de sinais 30 Ulrike Zeshan Um estudo interlingüístico de segmentação da palavra em três línguas de sinais 52 Diane Brentari, Ronnie Wilbur Revertendo os verbos reversos e seguindo em frente: sobre concordância, auxiliares e classes verbais em línguas de sinais 65 Ronice Müller de Quadros, Josep Quer Repensando classes verbais em línguas de sinais: O corpo como sujeito 82 Irit Meir, Carol Padden, Mark Aronoff e Wendy Sandler A realização morfológica dos campos semânticos 102 Irit Meir Posse e existência em três línguas de sinais 117 Deborah Chen Pichler, Katharina Schalber, Julie Hochgesang, Marina Milković, Ronnie B. Wilbur, Martina Vulje, Ljubica Pribanić Uma Comparação Lexical de Línguas de Sinais no Mundo Árabe 130 Kinda Al-Fityani, Carol Padden Dêixis, anáfora e estruturas altamente icônicas: Evidências interlingüísticas nas línguas de Sinais Americana (ASL), Francesa (LSF) e Italiana (LIS) 140 Elena Pizzuto, Paolo Rossini, Marie-Anne Sallandre, Erin Wilkinson

3 Tipos de Representação em ASL 159 Paul G. Dudis Estudos de aquisição de línguas de sinais: passado, presente e futuro 191 Diane Lillo-Martin Modalidade e Aquisição da Língua: Estratégias e Restrições na Aprendizagem dos primeiros sinais 211 Richard P. Meier Aquisição de concordância verbal em HKSL: Opcional ou obrigatória? 225 Gladys TANG, Scholastica LAM, Felix SZE, Prudence LAU, Jafi LEE Aquisição bilíngüe da Língua de Sinais Alemã e do alemão escrito: Ausência de sincronia no desenvolvimento e contato com a língua 249 Carolina Plaza Pust, Knut Weinmeister Gesticulação e aquisição da ASL como segunda língua 275 Sarah Taub, Dennis Galvan, Pilar Piñar, Susan Mather Variação na língua de sinais americana: o papel da função gramatical 286 Ceil Lucas e Robert Bayley Variação Sociolingüística em Numerais da NZSL 314 David McKee, Rachel McKee, George Major Imagens da Identidade e Cultura Surdas na Poesia em Línguas de Sinais 329 Rachel Sutton-Spence O sinalizante nativo não-(existente): pesquisa em língua de sinais em uma pequena população surda 340 Brendan Costello, Javier Fernández e Alazne Landa Reflexões sobre a língua de sinais e a cultura surda em ambientes de comunicação mediada por computador (CMC): explorações e considerações iniciais 356 Maria Mertzani Glossário 370

4 Apresentação É com prazer que apresentamos à comunidade científica brasileira Questões Teóricas das Pesquisa em Línguas de Sinais resultado de uma seleção dos trabalhos divulgados no TISLR 9 (Theoretical Issues in Sign language Research 9) 9º Congresso Internacional de Aspectos teóricos das Pesquisas nas Línguas de Sinais sediado pela Universidade Federal de Santa Catarina UFSC, Florianópolis, SC, em dezembro de O TISLR, evento internacional de maior importância em estudos de línguas de sinais, reuniu pesquisadores de 33 países com várias línguas de sinais, trabalhando a partir de diferentes arcabouços teóricos e metodológicos. Essa 9º edição do evento se voltou, especificamente, para um mapeamento das pesquisas em Estudos das Línguas de Sinais desde a década de 60 até 2007; assim sendo, nada mais oportuno do que compartilhar, com pesquisadores e estudantes brasileiros, o olhar reflexivo desse novo campo disciplinar sobre si mesmo evidência de sua maturação enquanto área específica de estudos via tradução dos textos selecionados para a língua portuguesa na sua variante brasileira. O trabalho de produção deste volume foi resultado da cooperação entre duas áreas de especialização, quais sejam, Estudos Surdos e Estudos da Tradução, áreas essas aqui representadas pela Profª Drª Ronice Muller de Quadros e pela Profª Drª Maria Lúcia Vasconcellos, respectivamente. Oportuno mencionar que, estabelecendo de forma concreta a interface entre as duas áreas, a St. Jerome Publishing Ltd. (www.stjerome. co.uk), uma das mais importantes editoras especializadas em publicações em Estudos da Tradução, acaba de lançar o volume 1 de sua mais recente série, THE SIGN LANGUAGE TRANSLATOR AND INTERPRETER (ISSN ): um dos artigos centrais do volume (Nadja Grbic, 2007, pp.15-51) apresenta uma análise bibliométrica da pesquisa publicada sobre interpretação de línguas de sinais, selando, de forma definitiva, a relação entre a pesquisa em línguas de sinais e os estudos de tradução e interpretação. Essa série re-afirma, sobretudo, a importância da tradução em seu papel de refletir e, até mesmo, criar valores sociais e culturais, o que, no caso específico do presente volume - Questões Teóricas das Pesquisas em Línguas de Sinais consolida a presença do ser surdo não apenas no contexto social, mas na comunidade científica brasileira. O projeto tem relevância acadêmica e social, uma vez que, ao trazer os textos na Língua Portuguesa para o contexto brasileiro com reflexões sobre as pesquisas nas diversas línguas de sinais - cenário internacional - estará

5 Apresentação oportunizando as análises comparativas entre as diferentes línguas de sinais, bem como contribuindo para a circulação do saber teórico nesta área específica, a partir de iniciativa da UFSC. Os textos traduzidos para este volume inauguram vários temas sobre as línguas de sinais no Brasil, possibilitando a socialização de discussões teóricas, bem como a disseminação de terminologias específicas em português dessa área de investigação. Ronice Müller de Quadros vem desenvolvendo pesquisas no campo dos Estudos Surdos desde 1995, dedicando-se especialmente aos estudos da aquisição da língua de sinais no sentido de elucidar questões relativas à estrutura da Língua Brasileira de Sinais. O interesse especializado pela Língua Brasileira de Sinais possibilitou o projeto de formação de professores surdos, professores bilíngües e tradutores e intérpretes de língua de sinais tanto no nível da graduação, como no nível da pós-graduação. Na graduação, a Prof a. Ronice coordena o primeiro Curso de Licenciatura em Letras Língua Brasileira de Sinais que objetiva formar professores de língua de sinais, oferecido pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Este curso será reeditado com uma nova turma de Licenciatura e passará a ofertar o Bacharelado, sendo que este último objetiva formar os tradutores e intérpretes de Língua Brasileira de Sinais, contemplando mais oito estados brasileiros. No total, o curso estará formando 950 professores e 450 tradutores e intérpretes de língua de sinais até Além deste curso, a Prof a. Ronice coordena o Inter-Programa de formação de professores e pesquisadores com 14 alunos de mestrado e dois alunos de doutorado com pesquisas sobre a língua brasileira de sinais em diferentes programas, Programas de Pós-Graduação em Literatura, de Pós-Graduação em Lingüística e de Pós-Graduação em Estudos da Tradução, contando com vários pesquisadores integrantes destes programas. Maria Lúcia Vasconcellos vem desenvolvendo pesquisa em Estudos da Tradução desde início da década de 90, interessando-se, de forma especial pela linguagem da tradução, o que vem explorando por meio de pesquisa de cunho descritivo, pelo viés da Lingüística Sistêmico-Funcional hallidayana e por meio de atividades de formação de tradutores/as, nos cursos de Licenciatura e Bacharelado em Letras/Inglês, do Centro de Comunicação e Expressão CCE, da UFSC. A tradução deste volume resultou do trabalho de uma equipe de tradutores coordenada pela Profª Maria Lúcia, que contou com a participação de um docente da UEL Universidade Federal de Londrina (Dr. Lincoln P. Fernandes, também membro do colegiado do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução - PGET) e graduandos, mestrandos e doutorandos que trabalham sob a supervisão da Profª Maria Lúcia, no Programa de Estudos da Tradução/PPGET, no Programa de Pós-Graduação em Inglês/ PPGI e nos cursos de Graduação em Letras. O método de trabalho incluiu a formação da equipe de tradutores, a formação da equipe de revisores, a definição dos consultores para questões terminológicas (Ronice Quadros trabalhando como consultora natural do projeto), bem como a definição de procedimentos de tradução a serem adotados e a seleção do programa de apoio à tradução (PAT) a ser usado nos trabalhos. Valem algumas palavras sobre o Programa de Apoio à Tradução (PAT) selecionado para os trabalhos. O PAT utilizado, no nosso caso específico, foi o Wordfast Versão 5.5 (www. wordfast.net), um sistema de memória de tradução criado por Yves Champollion (para uma avaliação detalhada do Wordfast ver, Nogueira & Nogueira, 2004

6 Apresentação ufsc.br/online/volume14.html). Não é nosso objetivo detalhar o funcionamento desse programa; entretanto, salientamos o fato de que, com o uso do Wordfast, os ganhos de produtividade foram grandes, sobretudo pelo fato de o trabalho ter sido feito com um conjunto de artigos sobre o mesmo tema (pesquisa em línguas de sinais) e por ter sido desenvolvido por uma equipe de tradutores: o processo exigiu uma rigorosa uniformização terminológica, o que foi possibilitado por meio dos recursos de memórias de tradução e criação de glossários, disponibilizados pelo Wordfast. Cumpre ressaltar que o projeto de tradução de Questões Teóricas das Pesquisas em Línguas de Sinais contribuiu, de forma substancial, como laboratório para os tradutores-em-formação da UFSC. A participação em um projeto real de tradução em todas as suas etapas, desde o contato inicial entre as coordenadoras, passando por todas as etapas intermediárias, incluindo o processo negociação de significados e de revisão e, finalmente, de entrega do produto à Editora Arara Azul constituiu uma oportunidade didática única que veio por desenvolver, nos tradutores-em-formação, uma noção de profissionalismo que, de outra forma, não teriam adquirido. No que tange o conceito de tradução que informou os trabalhos, entende-se tradução como uma nova produção textual - certamente vinculada a uma produção textual anterior - em novo contexto, em uma nova língua. Nesse sentido, e em termos do arcabouço teórico hallidayano, entendemos a tradução como uma re-textualização, ou seja, embora em uma nova configuração vinculada ao novo contexto lingüístico e cultural de recepção, o texto traduzido sempre se relaciona, no mínimo, ao conteúdo ideacional (ver Halliday, 2001, Towards a theory of a good translation ) do texto de partida, anteriormente textualizado em outra língua. A noção de tradução como retextualização foi proposta por Coulthard (1986, 1992) e explorada por Costa (1992), que desenvolveu o seguinte argumento: por meio de tradução, um dado texto adquire sua expansão máxima, uma vez que transcende os limites lingüísticos dentro dos quais foi concebido (p. 138, tradução nossa), tornando-se o ponto de partida que possibilita ao tradutor produzir um novo texto no contexto tradutório da chegada: aqui sua mais importante decisão instala-se na dimensão do o que e para quem retextualizar. As implicações e conseqüências de tais decisões irão afetar a seleção de significados a serem realizados e a configuração textual da tradução. Decidir o que, para quem e, adicionamos, como, são as dimensões que vêem por informar a definição das características textuais de um texto a ser traduzido, em um dado contexto tradutório (Vasconcellos, 1997). Nesse sentido, os procedimentos adotados neste trabalho de tradução estão intimamente ligados às convenções que regem a produção de textos do tipo específico aqui trabalhado textos acadêmicos escritos no contexto de chegada. No contexto dos procedimentos de tradução, é importante destacar três preocupações que permearam os trabalhos: (i) a adoção de convenções genéricas do contexto de chegada; (ii) o uso de nominalizações; e, (iii) o uso de procedimento explicitação. No que diz respeito ao item (i), o gênero em questão é artigo acadêmico, que, no contexto brasileiro (ocidental?), segue a tradição hegemônica da escrita acadêmica veiculada em inglês, caracterizada por um uso de linguagem dita objetiva, tipicamente despida de

7 Apresentação colorido emocional (ver Bennett, 2007). Embora estejamos cientes da ideologia embutida nesse tipo de receita de discurso - que exclui a circulação de conhecimento veiculada de forma não canônica - optamos por seguir essa convenção. Entretanto, uma vez que a natureza da interface em que Questões Teóricas das Pesquisas em Línguas de Sinais foi produzido Estudos Surdos/Estudos da Tradução é inerentemente não-essencialista e busca o encontro do outro, tentamos relativizar esse poder do discurso hegemônico da escrita acadêmica, respeitando as diferenças culturais manifestadas no discurso dos artigos aqui agrupados. Como ilustração, citamos o artigo de Kinda Al-Fityani e Carol Padden, Uma Comparação Lexical de Línguas de Sinais no Mundo Árabe, cujo estilo metafórico, não usual em papers acadêmicos do mundo ocidental, foi considerado na produção do texto traduzido, numa tentativa de levar em conta sua heterogeneidade discursiva e marcar sua dimensão cultural. Quanto ao item (ii), uma questão central que permeou os trabalhos de tradução diz respeito ao fato de os textos em sua configuração no pólo de partida - inglês - terem sido escritos-para-serem-falados, já que foram produzidos para serem apresentados no formato palestras e/ou comunicações, no TISLR 9. Na produção dos textos traduzidos, o modo do discurso (ver modo do discurso, como uma das variáveis do conceito de registro, em Halliday, 1989) escrito-paraser-falado mudou, então, para escritopara-ser-lido, o que lhe conferiu algumas características não presentes em textos ditos orais (Koch, 1997, p. 62), como, por exemplo, maior elaboração, densidade informacional, complexidade oracional (sobretudo com o uso de orações complexas e subordinação), uso de voz passiva, densidade lexical e uso de nominalizações nas traduções. Com relação ao item (iii), o procedimento conhecido como explicitação é utilizado no sentido a ele atribuído por Blum- Kulka (1986, p. 21):... redundância semântica ausente no original, ou seja, explicações contextualizadoras que objetivam a leiturabilidade do texto, tendo em vista os leitores pretendidos. Inclui-se como explicitação o uso de vários recursos, desde recursos coesivos explícitos, até a adição de segmentos mais longos, ou glosas explicativas para conceitos ou para empréstimos. A adoção desse procedimento, que Blum-Kulka (ibid.) sugere ser um dos universais da tradução, resultou em um maior número de palavras nos textos traduzidos, como pode ser atestado pelos dados gerados pelo programa de apoio ao tradutor utilizado Word Fast. Como ilustração, citamos os dados referentes ao texto de Al-Fityani et al, nas Tabelas 1 e 2 abaixo: C:\Documents and Settings\lautenai\Al-Fityani_Padden_EN.doc Scanned: document, footnotes, headers/footers, textboxes. Analogy segments words char. % Repetitions % 100% % 95%-99% % 85%-94% % 75%-84% % _0%-74% % Total (character count includes spaces) Tabela 1: Dados gerados a partir do texto-fonte Como é possível observar nos segmentos salientados em negrito nas tabelas 1 e 2, o número de palavras do texto-fonte corresponde a 4616, enquanto o número de palavras do texto-alvo corresponde a 5038 ocorrências, variação quantitativa essa que se constitui como um dos parâmetros para aferir a uti-

8 Apresentação lização do procedimento de explicitação na tradução. C:\Documents and Settings\lautenai\Al-Fityani_Padden_PT.doc Scanned: document, footnotes, headers/footers, textboxes. Analogy segments words char. % Repetitions % 100% % 95%-99% % 85%-94% % 75%-84% % _0%-74% % Total (character count includes spaces) Tabela 2: Dados gerados a partir do texto-alvo Ressalta-se o trabalho dos revisores dessa edição. O trabalho de revisão foi informado pelos parâmetros de revisão sugeridos por Mossop 2001 (Editing and Revising for Translators, St. Jerome, United Kingdom). Mossop (ibid. pp ) sugere seus parâmetros a partir de pesquisa empírica sobre o que ele chama de tipos de erros mais comuns em tradução. Embora o autor utilize o termo transferência do qual discordamos, por não ser compatível com a noção de tradução aqui adotada, como produção textual e não como transferência de significados para descrever as ocorrências de erros, ele consegue sistematizar os problemas tipicamente encontrados e sugerir soluções para sua revisão. Os problemas elencados são de quatro tipos, sendo divididos em dois grandes grupos de trabalho de revisão, a saber: Grupo A que envolve leitura comparativa ou cotejamento do texto-fonte com o texto-alvo: (i) problemas de transferência de significado (precisão; totalidade); (ii) problemas de conteúdo (lógica e fatos); Grupo B que envolve leitura unilingual, ou seja, já apenas do textoalvo enquanto entidade com status próprio; (iii) problemas de língua e estilo (fluência, adequação ao público-alvo, uso de registro apropriado ou sub-língua, uso apropriado de expressões idiomáticas, uso apropriado da mecânica da escrita, envolvendo pontuação, espaçamento, tipicidades editoriais); e, finalmente, (iv) problemas de apresentação da tradução (layout, tipografia, organização). Nos trabalhos de revisão de Questões Teóricas das Pesquisas em Línguas de Sinais, a revisão do tipo Grupo A cotejamento com o texto-fonte foi feita pelos coordenadores de cada uma das quatro equipes de tradução, pela equipe de revisão e pela coordenadora geral; a revisão do tipo Grupo B leitura apenas do texto alvo foi feita por esses coordenadores, pela equipe de revisão e pela coordenadora geral da tradução e, em última instância, legitimada pela coordenadora do Projeto Libras, Ronice Müller de Quadros, sobretudo quanto à questão da terminologia a ser adotada. Buscou-se, assim, garantir uma tradução que atendesse aos anseios de seu público-alvo, a saber, pesquisadores, estudantes e todos interessados em uma visão teórica dos estudos de língua de sinais. As organizadoras do volume estão cientes de sua responsabilidade no que tange à seleção dos textos aqui organizados e o trabalho de sua tradução, bem como da relevância do presente volume em termos da disseminação de terminologia a ser utilizada pela comunidade científica da área, em língua portuguesa. No mínimo dois motivos atestam a relevância de Questões Teóricas das Pesquisas em Línguas de Sinais: (i) as traduções aqui apresentadas foram utilizadas como textofonte para a tradução indireta para Libras; e (ii) os termos aqui que escolhemos produzir irão, certamente, influenciar a produção e consumo de conhecimento na área, no contexto brasileiro. Krieger & Finatto (2004)

9 Apresentação apontam, com propriedade, a importância do processo denominativo para as atividades de conceitualização de uma área, explicando o papel das terminologias na fixação e na circulação do saber científico: O léxico temático configura-se, portanto, como um componente lingüístico, não apenas inerente, mas também a serviço de comunicações especializadas, posto que os termos transmitem conteúdos próprios de cada área. Por isso, os termos realizam duas funções essenciais: a de representação e a de transmissão do conhecimento especializado. (2004, p. 17) É nesse contexto que Questões Teóricas das Pesquisas em Línguas de Sinais busca oferecer uma contribuição, por meio da construção e apresentação de um glossário aqui definido como... repertório de unidades lexicais de uma especialidade (Krieger & Finatto, 2004, p. 51), que reflete um panorama da produção e do pensamento nacional e internacional da pesquisa em línguas de sinais, conforme manifestada nos textos selecionados para compor Questões Teóricas das Pesquisas em Línguas de Sinais base de dados para o corpus textual - centrando-se no léxico especializado e freaseologias típicas da área. O pesquisador responsável pela elaboração do glossário apoiou-se em ferramentas eletrônicas: Word- Fast, o programa de memória de tradução utilizado e a suíte de programas WordSmith Tools, um software de análise lexical para PCs, criado por Mike Scott e publicado pela Oxford University Press desde 1996, agora em sua versão beta 5.0 (esclarecemos que a versão utilizada foi a 4.0). O glossário, organizado em ordem alfabética, buscou representar os termos-chave e conceitos que se fizeram presentes nos artigos aqui publicados, com vistas a facilitar a comunicação na área, em termos de oferta de uma linguagem a ser compartilhada por pesquisadores e estudantes interessados em pesquisa em línguas de sinais, no contexto de falantes da língua portuguesa. Apresentamos, a seguir e a título de ilustração, algumas soluções encontradas na tradução de termos centrais (para mais detalhamentos, favor consultar o glossário oferecido no final deste volume). Esclarecemos que as decisões quanto aos procedimentos adotados foram inspiradas pelo conjunto de possíveis estratégias tipicamente utilizadas por tradutores profissionais elencadas por Baker (1992, p. 34). Em alguns casos, a decisão das organizadoras do volume, em negociações com a equipe de tradução, foi fazer uso de empréstimos introduzindo, em português, o termo em sua configuração morfológica na língua de partida, o inglês, muitas vezes com o acompanhamento de uma glosa, como foi o caso, por exemplo, de línguas pro-drop (línguas de sujeito nulo) (Quadros & Quer) (ver métodos de tradução em Vinay & Darbelnet 1958/1995, pp.30-40). Em outros casos, uma tradução literal, como em body-anchored verbs, em cuja tradução foram feitos, apenas, ajustes devidos aos diferentes sistemas lingüísticos, nesse caso, mudança na ordem das palavras: verbos ancorados ao corpo (Meir). Outra solução comumente adotada foi a recriação, em português, de um termo em inglês, de tal forma a explicar o sentido implícito na expressão da língua fonte, como em bilingual bootstrapping (que sugere sucesso e facilidade, por um indivíduo, no processo de aquisição bilíngüe, com pouca ou nenhuma ajuda externa), retextualizado como desencadeamento bilíngüe (Pust e Weinmeister). Finalmente, cumpre observar que os termos do glossário são apresentados com ilustração, a cada entrada, de sua ocorrência

10 Apresentação 10 nos textos, tanto texto-fonte como texto-alvo, para facilitar seu entendimento em seu habitat natural. Resta, finalmente, apresentar os trabalhos que compõem Questões Teóricas das Pesquisas em Línguas de Sinais. Os artigos selecionados representam diferentes áreas da lingüística, bem como suas possíveis interfaces. Os temas abordados anunciam novas perspectivas nos estudos das línguas de sinais de questões que são vistas e revistas, além de temas completamente originais. Os artigos dos palestrantes convidados, Ted Supalla, Ulrike Zeshan, Paul Dudis, Diane Lillo-Martin e Richard Meier estabeleceram uma divisão natural entre as temáticas abordadas. Iniciamos com uma visão histórica dos estudos das línguas de sinais, partimos para as análises no campo da fonologia, morfologia, sintaxe e semântica; vamos para o bloco das interfaces da lingüística com outros campos de investigação, com um foco nos estudos de aquisição da língua de sinais, além de outras interfaces. Estes textos representam algumas possibilidades das temáticas a serem investigadas na Língua Brasileira de Sinais. Portanto, apresentam, de certa forma, impacto no desenvolvimento das pesquisas no Brasil. O texto de abertura do volume, escrito por Ted Supalla Arqueologia da Língua de Sinais: Integrando Lingüística Histórica com Pesquisa de Campo em Línguas de Sinais Jovens explora a interface entre a lingüística histórica e a pesquisa de campo para mostrar a possibilidade de uma nova abordagem para a arqueologia da língua de sinais, por meio de um conjunto alternativo de ferramentas e de uma explicação alternativa para as formas atuais. Supalla argumenta que uma arqueologia deve reconhecer a existência de formas pré-determinadas comuns ao longo da história das línguas de sinais que podem surgir não devido aos processos lingüísticos de mudança, mas talvez devido à natureza das próprias línguas de sinais. O autor explora essas formas que, como apontado por ele, incluem apontadores espaciais, direção de movimento do verbo como um marcador de concordância e o uso de configurações de mão classificadoras. Como resultado de pesquisa interlingüística envolvendo 15 línguas de sinais que surgiram naturalmente em diferentes partes do mundo, Supalla consegue mostrar que todas as línguas utilizam localização e movimento através do espaço de maneira similar, para marcar concordância gramatical com o sujeito e o objeto e, com base nesses resultados, sugere que, devido a essas semelhanças entre línguas de sinais não relacionadas, falantes de línguas de sinais mutuamente ininteligíveis são capazes de desenvolver um pidgin sinalizado (denominado sinal internacional) que conserva tais estruturas morfológicas. Finalmente, observa que, na pesquisa histórica e comparativa, é possível observar tanto processos de divergência, quanto de convergência entre línguas de sinais internacionais e tanto os processos comuns a todas as línguas como processos específicos às línguas de sinais. A seguir, em Raízes, folhas e ramos A tipologia de línguas de sinais, Ulrich Zeshan salienta o aumento de disponibilidade de dados de várias línguas de sinais ao redor do mundo como fator que possibilitou, pela primeira vez na história da pesquisa em língua de sinais, a ampliação do banco interlingüístico de dados para realizar estudos tipológicos significativos entre línguas de sinais. Sua contribuição para a discussão se dá em termos de oferta de um estudo que resume e exemplifica os importantes resultados que emergiram da pesquisa comparativa e sistemática de línguas de sinais ao longo dos últi-

11 Apresentação mos anos. Zeshan faz um passeio descritivo e analítico, em oposição a um mero relatório sistemático e exaustivo de todo o campo de estudo, examinando a nova sub-disciplina de tipologia de língua de sinais sob uma variedade de perspectivas. Observa, entre outras fontes, aquelas cuja confluência cria o campo de tipologia de língua de sinais (as raízes, nos termos da metáfora do título), as diferentes maneiras de se fazer tipologia de língua de sinais e as metodologias associadas (os ramos ) e alguns dados fascinantes e seu significado tipológico e teórico (as folhas ). O autor organiza seu texto em quatro partes, que propõem: (i) apresentar a tipologia de língua de sinais, concentrando a atenção nos objetivos e metodologias da área; (ii) ilustrar os tipos de resultados que emergem dos estudos interlingüísticos em línguas de sinais; (iii) examinar exemplos dos resultados de estudos comparativos amplos, assim como dados de línguas de sinais utilizadas em comunidades com surdez hereditária; e, finalmente, (iv) mostrar, no contexto de uma questão teoricamente importante a respeito da natureza da linguagem humana na modalidade visual-gestual, como a ampliação do banco de dados na tipologia de língua de sinais pode conduzir a pontos teoricamente desafiadores. Como consideração final, Zeshan chama a atenção do leitor para o impacto, para além da lingüística, que a pesquisa em tipologia de língua de sinais tem em comunidades surdas, em todo o mundo. O texto de Diane Brentari e Ronnie Wilbur faz um estudo interlingüístico de segmentação da palavra em três línguas de sinais, no qual os autores analisam as estratégias de segmentação da palavra utilizada em 3 grupos de sinalizantes surdos (ASL, HZJ e ÖGS) e 3 grupos de ouvintes não-sinalizantes (falantes de Inglês, Croata e Austríaco). As Hipóteses que informam o estudo são: Hipótese 1 - os sinalizantes demonstrarão maior sensibilidade com informações simultâneas e restrições fonológicas específicas da língua de sinais (LS) tais como a distribuição de configurações de mão (CMs), pontos de articulação (PAs) e movimentos (Ms) do que os nãosinalizantes; e Hipótese 2 a natureza visual do sinal fará com que tanto falantes, como sinalizantes utilizem a informação em nível da palavra para seus julgamentos na LS, apesar do fato de o trabalho em uma língua falada mostrar que falantes estão pré-dispostos a usar seqüências de sílabas (por exemplo, o pé) para fazer julgamentos de segmentação da palavra nas línguas faladas. A Hipótese 1 foi parcialmente confirmada: sinalizantes são mais sensíveis às informações simultâneas no sinal do que não-sinalizantes. A Hipótese 2 também foi confirmada: não-sinalizantes adaptaram-se às estratégias de LSs ao fazerem julgamentos de segmentação da palavra na modalidade visual. Ronice Müller de Quadros e Josep Quer revisam em seu artigo Revertendo os verbos reversos e seguindo em frente: sobre concordância, auxiliares e classes verbais em línguas de sinais as idéias principais das diferentes abordagens sobre a concordância verbal em LS e aperfeiçoam algumas delas, contribuindo para uma caracterização mais precisa da concordância, da tipologia verbal e dos chamados predicados auxiliares nas LSs. Ao revisitar a classificação tripartite padrão dos verbos da língua de sinais, que é baseada na suposição da diferença entre a concordância exibida por verbos espaciais e aquela exibida por verbos de concordância, os autores questionam essa diferença, mostrando que os predicados espaciais que expressam movimento e os verbos de concordância recorrem ao mesmo tipo de elemento morfológico 11

12 Apresentação 12 para realizar o suposto tipo diferente de concordância: TRAJETÓRIA (PATH). Conforme afirmam, a contribuição semântica desse morfema nas duas classes seria essencialmente a mesma: em verbos espaciais, as posições (slots) iniciais e finais de TRAJETÓRIA estão alinhadas com as localizações e, em verbos de concordância, estão alinhados com os loci de sujeito e objeto. Visto que os verbos de concordância parecem denotar transferência de um tema ou um sentido literal ou abstrato, estabelece-se, então, a generalização semântica que os espaços do morfema direcional de TRAJETÓRIA podem ser ocupados por papéis temáticos fonte e alvo em ambas as classes de predicados. Para verbos espaciais, isso é relativamente direto; para verbos de concordância, fonte e alvo são restritos a [+humano], podendo, assim, ser renomeados como agente e benefactivo, respectivamente. Quadros e Quer mostram que, por mais atraente que esse quadro possa ser, ele também se depara com alguns sérios desafios, dentre os quais, provavelmente, o mais explorado é o problema da subclasse dos verbos de concordância chamados reversos (backwards): em tais predicados, o alinhamento da trajetória não é com o sujeito e o objeto, mas com a fonte e o alvo, o que resulta em uma trajetória que vai do locus do objeto ao locus do sujeito. Para examinar essa questão e apresentar e sustentar seus argumentos, os autores discutem evidências recentes a partir da Língua de Sinais Brasileira (LSB) e da Língua de Sinais Catalã (LSC). Os resultados de seus estudos demonstram que: (i) o quadro que emerge sobre concordância e classes verbais em LSs é substancialmente modificado, com relação às suposições atuais, sendo possível afirmar que (a) os verbos não simples ( espaciais + de concordância ) podem, em geral, concordar com argumentos locativos (concordância espacial), com argumentos pessoais (concordância de pessoa), ou ambos; (b) os predicados auxiliares podem concordar, apenas, com argumentos pessoais/animados (concordância de pessoa); (c) os verbos reversos são verbos lexicais manuais, cujas trajetórias são determinadas pela concordância espacial e não pela concordância de pessoa gramatical; (ii) a concordância com traços locativos e de pessoa gramatical é, com freqüência, indistinguível na superfície, embora a estrutura do argumento de cada predicado imponha condições de licenciamento, em que o argumento-sujeito de um predicado manual deve ser licenciado pelo traço de pessoa; e, finalmente, (iii) existe, ainda, ambigüidade do locus como localização ou R-locus (por exemplo, TELL [dizer] com concordância de pessoa gramatical vs. TELL com concordância locativa no argumento-alvo), havendo necessidade de mais pesquisas para se determinar até que ponto um locus atribuído a um referente animado pode ser ambíguo, entre um locus de pessoa gramatical ou um locus espacial. Em Repensando classes verbais em línguas de sinais: o corpo como sujeito, Irit Meir, Carol Padden, Mark Aronoff e Wendy Sandler lançam um novo olhar sobre a análise tradicional das classes verbais em línguas de sinais. Para tanto, re-examinam o papel do corpo e das mãos nos diversos tipos de verbos em ASL e ISL, voltam à classificação dos verbos nessas línguas e oferecem uma maneira alternativa de caracterizar estas classes: enquanto a análise tradicional se concentra no papel das mãos na codificação das propriedades gramaticais relevantes (as mãos são o articulador ativo na língua de sinais e elas concentram a maior parte da carga informacional contida no sinal), esses pesquisadores propõem uma nova classificação dos verbos

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

A NORMA SURDA DE TRADUÇÃO EM AMBIENTES VIRTUAIS DE ENSINO E APRENDIZAGEM

A NORMA SURDA DE TRADUÇÃO EM AMBIENTES VIRTUAIS DE ENSINO E APRENDIZAGEM A NORMA SURDA DE TRADUÇÃO EM AMBIENTES VIRTUAIS DE ENSINO E APRENDIZAGEM O CASO DO CURSO DE LETRAS-LIBRAS DA UFSC Saulo Xavier de Souza Mestre em Estudos da Tradução Universidade Federal de Santa Catarina

Leia mais

MAPEAMENTO DA ESTRUTURA MORFOFONÉTICA DE UNIDADES TERMINOLÓGICAS EM LIBRAS

MAPEAMENTO DA ESTRUTURA MORFOFONÉTICA DE UNIDADES TERMINOLÓGICAS EM LIBRAS MAPEAMENTO DA ESTRUTURA MORFOFONÉTICA DE UNIDADES TERMINOLÓGICAS EM LIBRAS Janine Soares de Oliveira Universidade Federal de Santa Catarina Markus Johannes Weininger Universidade Federal de Santa Catarina

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com RESUMO Neste trabalho, discutiremos sobre o estudo morfossintático da

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa

O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa Dra. (página 7 a 11 do livro) O Mini-dicionário dos intérpretes de língua de sinais Intérprete Pessoa que interpreta de uma língua

Leia mais

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar:

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar: A Educação Bilíngüe Proposta de educação na qual o bilingüismo atua como possibilidade de integração do indivíduo ao meio sociocultural a que naturalmente pertence.(eulália Fernandes) 1 A Educação Bilíngüe»

Leia mais

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França Reflexões sobre a Língua Portuguesa Kátia França Níveis de aprendizagem dos alunos Abaixo do básico: os alunos demonstram que não desenvolveram as habilidades básicas requeridas para o nível de escolaridade

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS S DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288 71 EaD_UAB LETRAS LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA 009 Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução n. 005/CEG/009, de 5/03/009 Habilitar professores para o pleno exercício de sua atividade docente,

Leia mais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais TEXTOS ESCRITOS POR ALUNOS SURDOS: AS MARCAS DA INTERLÍNGUA MARTINS, Tânia Aparecida 1 PINHEIRO, Valdenir de Souza 2 NOME DO GT: Educação

Leia mais

REGULAMENTO DE PROJETOS INTERDISCIPLINARES Curso de Letras Tradutor e Intérprete Bacharelado Currículo: LTI 00001

REGULAMENTO DE PROJETOS INTERDISCIPLINARES Curso de Letras Tradutor e Intérprete Bacharelado Currículo: LTI 00001 REGULAMENTO DE PROJETOS INTERDISCIPLINARES Fundamentação Legal PARECER CNE/CES 492/2001 APROVADO em 03/04/2001 e HOMOLOGADO, com despacho do Ministro em 4/7/2001 e publicação no Diário Oficial da União

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento. UNESP de Marília.

Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento. UNESP de Marília. 1 Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento UNESP de Marília. Pontos principais do texto: HJØRLAND, B. Towards a Theory of Aboutness, Subject, Topicality, Theme, Domain, Field,

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS PLANO DE CURSO

Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS Código: ENF 405 Pré-requisito: Nenhum

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

Palavras Chave: Libras; Braille; Língua Portuguesa; Linguística; Estudos de Tradução; Interpretação; surdo; cego.

Palavras Chave: Libras; Braille; Língua Portuguesa; Linguística; Estudos de Tradução; Interpretação; surdo; cego. REFLEXÕES SOBRE AS COMPETÊNCIAS LINGUÍSTICAS NA FORMAÇÃO DO INTÉRPRETE DE LIBRAS E DO BRAILLISTA NO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM COMUNICAÇÃO ASSISTIVA: LIBRAS E BRAILLE/PUCMINAS/BH. Profa. Dra. Denise

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro Informação Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS Abril 2015 2ºCiclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Prova 06/2015 Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90 minutos + 15 minutos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA.

IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA. IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA. Vanessa de Almeida Moura Maria Das Graças Barreto Da Silva André Luiz

Leia mais

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar?

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Letícia M. Sicuro Correa (PUC-Rio/LAPAL) Marina R. A. Augusto (PUC-Rio/LAPAL

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH,

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH, BORBA, Valquíria C. Machado. Resenha de Cohesion in English, de Halliday & Hassan. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 4, n. 6, março de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. RESENHA DE

Leia mais

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (orientadora- UENP) Mariana Matheus Pereira da Silva (G- UENP/ campus Jac.) Introdução A língua é o instrumento fundamental para

Leia mais

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO

LÍNGUA INGLESA I LÍNGUA INGLESA II LÍNGUA INGLESA III LÍNGUA INGLESA IV LÍNGUA INGLESA V EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE BACHARELAD0 EM TRADUÇÃO 1. CONTEÚDOS BÁSICOS PROFISSIONAIS LÍNGUA INGLESA I Ementa: Consolidação do estudo das estruturas simples da Língua Inglesa I em seus aspectos

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA.

IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA. IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA. Vanessa de Almeida Moura Maria das Graças Barreto da Silva André Luiz

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

Letras Tradução Inglês-Português Ementário

Letras Tradução Inglês-Português Ementário Letras Tradução Inglês-Português Ementário Componentes Curriculares CH Ementa Cultura Clássica 04 Estudo da cultura das civilizações clássica em suas diversas fases, tendo em vista reflexões sobre a contribuição

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LINGUA BRASILEIRA DE SINAIS PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LINGUA BRASILEIRA DE SINAIS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LINGUA BRASILEIRA DE SINAIS PROJETO PEDAGÓGICO CAMPO LIMPO PAULISTA 2013 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS A língua brasileira de sinais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA. Lia Gonçalves Gurgel. Projeto de pesquisa

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA. Lia Gonçalves Gurgel. Projeto de pesquisa 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA Lia Gonçalves Gurgel Projeto de pesquisa AQUISIÇÃO DA LÍNGUA DE SINAIS A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA BILÍNGÜE

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

LETRAS. GRAUS ACADÊMICOS: Licenciado / Bacharel em Tradução PRAZO PARA CONCLUSÃO:

LETRAS. GRAUS ACADÊMICOS: Licenciado / Bacharel em Tradução PRAZO PARA CONCLUSÃO: LETRAS 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÕES:Português e Literaturas Correspondentes (Licenciatura) Noturno Inglês e Literat. Correspond. e Bach. em Trad. em Língua. Inglesa Português/Inglês e Literaturas Correspondentes

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos.

Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos. Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos. (Wrigley 1996: 13) Desafios para a formação de profissionais

Leia mais

Questão 1: SignWriting é:

Questão 1: SignWriting é: Questão 1: SignWriting é: a) um método criado na Comunicação Total para o ensino de surdos. b) um sistema de escrita visual direta de sinais. c) um conjunto de sinais dados para gestos icônicos. d) nome

Leia mais

Datilologia, tradução ou oralização sinalizada?

Datilologia, tradução ou oralização sinalizada? Datilologia, tradução ou oralização sinalizada? Anderson Tavares Correia - UFPE 1 Rosângela Aparecida Ferreira Lima - UFPE 2 Francisco José de Lima - UFPE 3 O presente artigo discute a utilização da datilologia,

Leia mais

Palavras- Chaves: Letras Libras; Escrita da Língua de Sinais (SignWriting)

Palavras- Chaves: Letras Libras; Escrita da Língua de Sinais (SignWriting) TRADUÇÃO DE ESCRITA DE SINAIS PARA PORTUGUÊS: RECRIAÇÃO DO TEXTO? João Paulo Ampessan 1 Marcos Luchi 2 Marianne Rossi Stumpf 3 Resumo: O curso Letras Libras teve sua primeira edição no ano de 2006 atingindo

Leia mais

Daniele Marcelle Grannier, UnB Tércia A. F. Teles, UnB. Introdução

Daniele Marcelle Grannier, UnB Tércia A. F. Teles, UnB. Introdução 1 Um estudo do vocabulário de crianças ouvintes de cinco anos como subsídio para elaboração de material didático para a iniciação à escrita de crianças surdas Introdução Daniele Marcelle Grannier, UnB

Leia mais

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR.

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. ISSN 2316-7785 SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. Rodrigo Martins de Almeida Instituo Estadual de Educação de Juiz de Fora (IEE/JF) rodrigomartinsdealmeida@yahoo.com.br

Leia mais

A DISCIPLINA DE LIBRAS NA EAD NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFJF: O MOODLE COMO RECURSO DIDÁTICO* 1

A DISCIPLINA DE LIBRAS NA EAD NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFJF: O MOODLE COMO RECURSO DIDÁTICO* 1 A DISCIPLINA DE LIBRAS NA EAD NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFJF: O MOODLE COMO RECURSO DIDÁTICO* 1 Camila Ribeiro Lisboa Ferreira Universidade Federal de Juiz de Fora RESUMO: Neste trabalho, apresentamos como

Leia mais

GLOSSÁRIO BILÍNGUE DE COLOCAÇÕES DA HOTELARIA: UM MODELO À LUZ DA LINGUÍSTICA DE CORPUS

GLOSSÁRIO BILÍNGUE DE COLOCAÇÕES DA HOTELARIA: UM MODELO À LUZ DA LINGUÍSTICA DE CORPUS GLOSSÁRIO BILÍNGUE DE COLOCAÇÕES DA HOTELARIA: UM MODELO À LUZ DA LINGUÍSTICA DE CORPUS O turismo é um setor de bastante expressão no cenário econômico e cultural do mundo. Fomentado em grande parte pelas

Leia mais

Prova Escrita + Oral de Inglês

Prova Escrita + Oral de Inglês Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova Escrita + Oral de Inglês Prova 367 2015 11º Ano de Escolaridade Duração da Prova: 90 minutos (sem tolerância); Oral: 25 minutos Decreto-Lei n.º 139/2012,

Leia mais

A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO

A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO 112 A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO FAILI, Valmir Rogério 1 Aula de Português Carlos Drummond de Andrade A linguagem na ponta da língua, tão fácil de

Leia mais

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação Aprovada na 111ª Reunião do CTC de 24 de agosto de 2009 Considerações preliminares O propósito deste roteiro é estabelecer

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 1 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 63/14, 2011 de 10 de dezembro de 2014. 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 INTRODUÇÃO AO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO...

Leia mais

LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E SUAS VARIAÇÕES: UM ESTUDO SOBRE AS VARIANTES UTILIZADAS NAS ESCOLAS DE SURDOS

LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E SUAS VARIAÇÕES: UM ESTUDO SOBRE AS VARIANTES UTILIZADAS NAS ESCOLAS DE SURDOS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E SUAS VARIAÇÕES: UM ESTUDO SOBRE AS VARIANTES UTILIZADAS NAS ESCOLAS DE SURDOS Karina Ávila Pereira (UFPEL) Apoio financeiro: Capes - bolsa de Mestrado A pesquisa de mestrado

Leia mais

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão Modalidade: Comunicação oral/sinais Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão TÍTULO: QUEM É O INTÉRPRETE DE LIBRAS: A PERSPECTIVA DO ALUNO SURDO NO CONTEXTO DO

Leia mais

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários.

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários. PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS Zeni Aguiar do Nascimento Alves i Zênio Hélio Alves ii O SESC LER Zona Norte de Natal desenvolve atividades que evidenciam a questão da

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

Sistematização: como elaborar um Sumário Executivo? O público, os usos. A linguagem e a estética. Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais

Sistematização: como elaborar um Sumário Executivo? O público, os usos. A linguagem e a estética. Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais Sistematização: como elaborar um Sumário Executivo? Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais Este texto visa a registrar as principais diretrizes dos Sumários Executivos do Programa de Avaliação

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes R E P U B L I C A Ç Ã O R E S O L U Ç Ã O N.º 143/2011 CI / CCH CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 27/08/2012. João Carlos Zanin, Secretário

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO FACULDADE PIO XII REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ( 6º PERÍODO/2013-7º PERÍODO/2014-8º PERÍODO/2014 ) Cariacica 2013/2014 FACULDADE DE ESTUDOS

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Ano letivo 2014/2015 Ensino Secundário - 1ª e 2ª Fase Disciplina de ESPANHOL (INICIAÇÃO BIENAL) - 375 Informação Prova de Equivalência à Frequência 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos 1 AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos Ernesto F. L. Amaral 15 de abril de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.57-73 & 75-85.

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

Seminário do 16º COLE vinculado: 10

Seminário do 16º COLE vinculado: 10 Kelly Cristina Ducatti da Silva. Doutoranda UNICAMP/Campinas-SP, Professora do Ensino Fundamental (Prefeitura Municipal de Bauru) e Docente UNESP/BAURU kellyducatti@hotmail.com RELATO DE EXPERIÊNCIA: UM

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS Código: ENF 405 Pré-requisito: Nenhum

Leia mais

Colégio Internato dos Carvalhos

Colégio Internato dos Carvalhos Grupo Disciplinar de Línguas Românicas aøväxé wé XÇá ÇÉ fxvâçwöü É Matriz do Teste Intermédio de Português do 12.º ano Ano letivo 2014-2015 Objeto de avaliação INFORMAÇÃO-TESTE de Português 12.º ano (a

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei Questão 01 O reconhecimento oficial da Língua Brasileira de Sinais como meio legal de comunicação se deu a partir: a) da publicação da Lei n o 10.436, em 2002. b) da elaboração do Dicionário de Língua

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ

UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ ISSN 2316-7785 UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ Marinela da Silveira Boemo Universidade Federal de Santa Maria marinelasboemo@hotmail.com Carmen Reisdoerfer Universidade

Leia mais

CAPÍTULO 2 METODOLOGIA

CAPÍTULO 2 METODOLOGIA CAPÍTULO 2 METODOLOGIA O presente capítulo tem o objetivo de apresentar e descrever os instrumentos e os procedimentos utilizados para coleta e análise dos dados, justificando o uso de tais instrumentos

Leia mais

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Rouseleyne Mendonça de Souza NEVES Mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG Órgão financiador: CAPES

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE Nazaré do Socorro Moraes da Silva Universidade do Estado do Para/UEPA Secretaria Executiva de Educação/SEDUC nazaresocorro@hotmail.com Elise Cristina Pinheiro

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC: PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Ronei Ximenes Martins (Trabalho apresentado no II Colóquio Regional EAD Edição Internacional Outubro/2010 Juiz de Fora/MG) Introdução Um

Leia mais

1 Um guia para este livro

1 Um guia para este livro PARTE 1 A estrutura A Parte I constitui-se de uma estrutura para o procedimento da pesquisa qualitativa e para a compreensão dos capítulos posteriores. O Capítulo 1 serve como um guia para o livro, apresentando

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa ENSINO FUNDAMENTAL O processo de sondagem Colégio Sion busca detectar, no aluno, pré-requisitos que possibilitem inseri-lo adequadamente no ano pretendido. As disciplinas de Língua Portuguesa e são os

Leia mais

Analysing sociolinguistic variation, de autoria de Sali Tagliamonte (University

Analysing sociolinguistic variation, de autoria de Sali Tagliamonte (University Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Difusão da língua portuguesa, n o 39, p. 321-328, 2009 321 ANALYSING SOCIOLINGUISTIC VARIATION, SALI TAGLIAMONTE (2006) Por Humberto Soares da Silva Analysing sociolinguistic

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Área de conhecimento: LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: LÍNGUA ESTRANGEIRA

Leia mais

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Objetivos Apresentar a discussão atual sobre a primeira língua dos surdos: a língua de sinais;

Leia mais

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS Antonio Carlos Santana de Souza (UEMS / PPGLETRAS UFGRS) acssuems@gmail.com Reúno aqui a resenha de três textos que foram muito importantes para a minha formação sociolinguística.

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: : Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Componente Curricular: Inglês Série: 3º

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA POLO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO CCE LETRAS-LIBRAS BACHARELADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA POLO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO CCE LETRAS-LIBRAS BACHARELADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA POLO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO CCE LETRAS-LIBRAS BACHARELADO Joaquim Cesar Cunha dos Santos ATIVIDADE 07 DISCIPLINA:

Leia mais

SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2

SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2 SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2 RESPOSTAS AOS RECURSOS Cargo: ART - PROFESSOR P2 / ARTE Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA (LPO) 5 - Gab.:V B 5 - Gab.:W C 5 - Gab.:X D 8 - Gab.:V

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

Coleção Escola Aprendente. Matrizes Curriculares para o Ensino Médio

Coleção Escola Aprendente. Matrizes Curriculares para o Ensino Médio Coleção Escola Aprendente Matrizes Curriculares para o Ensino Médio Projeto Gráfico Jozias Rodrigues Feliciano de Magalhães Jr. Márcio Magalhães Diagramação Eletrônica Jozias Rodrigues Márcio Magalhães

Leia mais