Museu da Língua Portuguesa Arte, Cultura e Tecnologia na prática

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Museu da Língua Portuguesa Arte, Cultura e Tecnologia na prática"

Transcrição

1 clégi FAAP 040 O que é arte? O que é precnceit linguític? O que é literatura? Clégi FAAP em viita a Mueu da Língua Prtuguea Arte, Cultura e Tecnlgia na prática Para repnder a tai quetõe fcada na arte, na literatura e na língua prtuguea, iniciam 2011 cm um prfícu etud da na língua materna, cnduzind alun da primeira érie d Clégi FAAP a devendarem a teria O que é a variaçã linguítica? Muit mai que aplicar a tecnlgia a epaç expitiv pr pur deleite de mdernidade, Mueu da Língua Prtuguea adta tal muegrafia a partir de um dad muit imple: eu acerv, n idima, é um patrimôni imaterial, lg nã pde er guardad em uma redma de vidr e, aim, expt a públic! envlvida e aplicá-la na viita à expiçã Marca d Expreinim, n Mueu de Arte Braileira (MAB) da FAAP, e na vária intalaçõe d Mueu da Língua Prtuguea. Recentemente, Dataflha uviu pea, acima de 12 an, e cntatu que 40% d paulita nã vã a cinema, 60% nã vã a teatr e 61% nã vã a mueu. O cntat cm a arte deveria er brigatóri dede enin primári, ma nã é que crre em grande parte da ecla d Brail. Pardiand Drival Caymmi: Quem nã gta de arte bm ujeit nã é.... Pr que etud literatura? Pr prf. Graziela Bnat Liã. E cm m bn ujeit, além de ferecerm n Clégi FAAP uma educaçã cm bae n ampl ace à arte, à cultura e à tecnlgia, prmvem um etud em que alun percebam, pr exempl, que nã há um taque mai crret que utr. Quem acha que fala um prtuguê em taque, em geral nã e dá cnta de que também tem eu própri, já que ele caracteriza a variaçã linguítica reginal, cmum a qualquer língua, afirma prf. dr. Ataliba T. de Catilh, um d idealizadre e cnultre d Mueu da Língua Prtuguea. N centr de Sã Paul, a cidade que tem a mair ppu-

2 Grande Galeria, Mueu da Língua Prtuguea Ft de Jã Brandã, Luí Claudi, Marc Antni e Victr Chain, alun da primeira érie A d Clégi FAAP. laçã de falante d prtuguê n mund, etá Mueu da Língua Prtuguea. O mueu fica dentr da Etaçã da Luz, um patrimôni hitóric d écul XIX, a lad da Pinacteca d Etad de Sã Paul e próxim a Mueu de Arte Sacra de Sã Paul, epaç preci da na cultura. Entram n mueu pr um elevadr panrâmic, nde jamai imaginam encntrar arte. Ma ã jutamente tai elevadre que n permitem uma viã ttal da ecultura Árvre de Palavra, de 16 m de altura, criada pr Rafic Farah, que deafia a imaginaçã a uar term prveniente d ancetral de n idima, ind-eurpeu, na raíze; palavra da na língua n trnc; e bjet que ela repreentam na cpa. Ainda n elevadre, viitante ecutam uma epécie de mantra que repete a palavra língua e palavra em vári idima cmpt pr Arnald Antune. O primeir andar d Mueu da Língua Prtuguea já fi palc de expiçõe temprária cm: Machad de Ai; Palavra em Frnteira Mídia cnvergente; O francê n Brail em td entid; Cra Cralina viita Mueu da Língua Prtuguea; OMISTÉRIOOTEM- POEMPOESIAS; Mena, Cert d Errad, Errad d Cert; Fernand Pea, plural cm univer, além da grandia expiçã que cmemru 50 an da publicaçã de Grande Sertã: Vereda, de Guimarãe Ra. Trech da bra fram revelad de divera maneira n cenári criad pela diretra de teatr Bia Lea. N egund andar encntram a Grande Galeria: uma tela de 106 m de extenã, cm prjeçõe imultânea de filme que mtram a língua prtuguea n ctidian e na hitória de eu uuári. Ainda n mem andar, tem a ala Palavra Cruzada, cm tten iluminad e cmputadre que revelam ignificad de term cm rigem n falare de african, indígena, inglee, francee, epanhói e utr que para cá vieram. Ou eja, cnhecem a influência de utra língua e de utr pv que cntribuíram para a frma peculiar de e falar prtuguê em cada regiã d Brail. O prtuguee vinham em nda, em diferente épca; pr i, idima trazid nunca fi unifrme, explica prf. Ataliba T. de Catilh. Exite ainda um ttem dedicad a prtuguê falad n demai paíe luófn. Nee ambiente etá também a Linha d Temp, um painel cm dad hitóric e culturai, em text e víde, bre trê trnc que frmaram prtuguê. O Bec da Palavra é um epaç lúdic, interativ, que permite a viitante brincar cm a criaçã de palavra, cnhecend ua rigen e eu ignificad. Td e divertem mvimentand cm a mã ílaba prjetada n ar e na mea. Pr fim, n egund andar, Mapa d Falare; um grande mapa d Brail, nde viitante pde eclher uma lcalidade e apreciar (ver e uvir) depiment de divera pea, verificand, aim, diver falare d braileir. Ma, para quem acredita que a viita acabu, engana-e. Entram n terceir andar, nde encntram a bra que mai emcinam: a palavra! Primeir, n auditóri, aitim à prjeçã de um filme de dez minut, cm a lcuçã de Fernanda Mntenegr, bre a rigen da língua prtuguea falada n Brail. Depi da eã, a tela baculante e abre para a parte que realmente emcina: a Praça da Língua, uma epécie de planetári da língua, cmpta pr imagen de frae, trech de rmance e cnt, net, peia e cançõe de ecritre e cmpitre cnhecid. O text também ã prjetad n tet e aparecem iluminad n chã. É uma antlgia da literatura da língua prtuguea, cm curadria de Jé Miguel Winik e Arthur Netrvki. Aim, em um ambiente multienrial, decbre-e que a língua é viva, é arte, é a repreentaçã da expreã Bec da Palavra, Mueu da Língua Prtuguea Ft de Cai Biacca, Eduard Sã Thiag, Guilherme Maluf, Luca Pineda e Marcel Abdalla, alun da primeira érie B d Clégi FAAP.

3 clégi FAAP 042 humana, um caminh para cnheciment d n mund interir, d n univer emtiv. Entende-e que a língua n permite explicar a realidade, entender a cndiçã humana, refletir bre n deequilíbri e angútia. Faz-n entender mund de hje, u deenfread da tecnlgia, da intena vntade de e exprear e e expr n chat, na rede ciai, n blg. Que língua é a na língua! E cm a palavra... Fm a Mueu da Língua Prtuguea para aprender a hitória da na língua de maneira prática, pr mei da tecnlgia dipnível, pr exempl, na Praça da Língua. Ana de Oliveira Lima Bacellar, Felipe Calegari Marque, Iabella Vitti Bnini, Jé Rbert Define Clé e Jé Victr Crrêa Niet, alun da primeira érie A. De maneira interativa, cnhecem pv que cntribuíram para a frmaçã da na língua, cultura e literatura... Bruna Barcell de Oliveira, Marcel Varnvitzky, Olivia Mura Ctaridi Diavlemen, Raía Critm Sant, alun da primeira érie C. A ida a Mueu da Língua Prtuguea repreentu um aprendizad mair bre cm ã variada e antiga a raíze d prtuguê braileir. Jã Brandã, Luí Claudi, Marc Antni e Victr Chain, alun da primeira érie A. O públic interage cm a bra expta n Mueu da Língua Prtuguea. Obra que revelam a cultura de vári pv e língua que influenciaram a frmaçã d n falar. Cai Biacca, Eduard Sã Thiag, Guilherme Maluf, Luca Pineda e Marcel Abdalla, alun da primeira érie B. A frmaçã da língua prtuguea é cmplexa, ma cm arte, filme e múica tud fica mai fácil. Alexa End Niclini, Gabriela Brge de Paiva, Jã Victr Leite Velucci, Luiza Cllaç Kechichian e Rdrig Shimada Brcaneli, alun da primeira érie A. Em um paei familiar aprendem, de frma decntraída e eficiente, a rigen da na língua... Amanda Arante Farinelli, Ana Carlina Rawet Fage, Izabela Naciment Truffi, Niclle Barba Pereira e Victria Haan Piccirill, aluna da primeira érie B. Mueu da Língua Prtuguea: hitória e cultura em um ó lugar. Gianlucca Amat Scattne, Jã Victr Abujamra, Matheu Mrae Garreta, Pedr Azeved d Sant Silva, alun da primeira érie C. Valeu muit cnhecer a rigen da na língua prtuguea. Cnhecem a nó mem. Bruna Barcell de Oliveira, Marcel Varnvitzky, Olivia Mura Ctaridi Diavlemen, Raía Critm Sant, alun da primeira érie C. Arte, cncreta u abtrata, faz-n entender na cultura, na língua, n dia a dia... Brun Beerra da Silva, Carl Albert Marquezani Filh, Danil Saifi Zabtt, Matheu da Silva Nere, alun da primeira érie C.

4 TS GaLErIa DE F pel alun id z u d r p Trabalh Clégi FAAP d e ri é a ir da prime Um puc da na hi tória Daniel Sanchez, Gianluca Amat, Jã Abujamra, Ma theu Garreta e Pedr Azeved, alun da primeira érie C. Victr Lpe Prtuguê, filme de relli Língua vida em Zarzur Curi, Pilar M ie lan Me ra, vei Oli ie B ér ira me Fernanda Mende pri de Abreu, aluna da Beltti e Stephanie Dib Mueu Ft da entrada d ea gu rtu P a gu da Lín briel André Deliberat, Ga Luca Vilela, Gutav Saad, Arauj, ard Ric z Lui e reu Ab ie B. alun da primeira ér Paíe que falam a língua prtuguea Fernanda Mende Oliveira, Melanie Zarzur Curi, Pilar Mrelli Beltti e Stephanie Dib de Abreu, aluna da primeira érie B. que ã a gíria? André Deliberat, Gabriel Vilela, Gutav Saad, Luca Abreu e Luiz Ricard Arauj, alun da primeira érie B. 040_ClegiLP_RQ237.indd 43 06/09/ :08:39

5 Língua Prtuguea. 044 clégi FAAP Mnteir Lbat n Mueu da a influência d Tupi n prtuguê braileir André Deliberat, Gabriel Vilela, Gutav Saad, Luc a Abreu e Luiz Ricard Ara uj, alun da primeira ér ie B. Arc-íri de palavra, Mu eu da Língua Prtugue Aim, de frma criativa e prdutiva, alun da primeira érie d Clégi FAAP interligaram aprendizad adquirid na ala de aula cm aquil que viram e uviram n Mueu da Língua Prtuguea e n MAB-FAAP, aegurand a capacidade de crrelacinar infrmaçõe já exitente cm ideia riginai. Hward Gardner, prfer de Cgniçã e Educaçã na Univeridade de Harvard, n eu livr Inteligência: Um cnceit refrmulad, enina-n em puca palavra que realmente imprta n aprendizad: Quer que meu filh entendam mund, ma nã apena prque mund é facinante e a mente humana, curia. Quer que ele cmpreendam mund para que pam fazer dele um lugar melhr. Cnheciment nã é mem que mralidade, ma, e quierm evitar err paad e tmar rum pitiv, preciam 040_ClegiLP_RQ237.indd 44 a. entender. Uma parte imprtante deta cmpreenã é aber quem m e que pdem fazer... A vivência de cmpreenã que verdadeiramente imprtam ã a que fazem cm ere human num mund imperfeit, que pdem afetar pitiva u negativamente. O alun d Clégi FAAP etã end preparad para mund quand aprendem quant a btençã d cnheciment etá end mdificada a cada dia. Ante, hmem vivia men e, cm men temp, era recnhecid pela quantidade de cnheciment guardad e reprduzid ralmente. Hje, hmem vive mai, tem mair temp para prduzir aquil que deeja e cm cntante ace à infrmaçã, mai que guardá-la, deve aber cmpartilhá-la e tranfrmá-la. Graziela Bnat Liã, prfera de Língua Prtuguea d Clégi FAAP de Sã Paul. 06/09/ :09:01

5. DIAGRAMA EM BLOCOS

5. DIAGRAMA EM BLOCOS Stema de Cntrle 5. DIAGRAMA EM BLOCOS Verfcand mdel para tema cmplex, pde-e ntar que ele ã reultante de ubtema u element, cada qual cm ua funçã de tranferênca. O dagrama em blc pdem er uad para repreentar

Leia mais

O diagrama em blocos contém vários itens na sua representação. São estes: Seta - É usada para representar o sentido do fluxo de sinal.

O diagrama em blocos contém vários itens na sua representação. São estes: Seta - É usada para representar o sentido do fluxo de sinal. Dagrama de Blc Verfcand mdel para tema cmplex, pde-e ntar que ele ã reultante de ubtema u element, cada qual cm ua funçã de tranferênca. O dagrama em blc pdem er uad para repreentar cada um dete ubtema,

Leia mais

ESCOLA MONDRIAN FUNDAMENTAL SÃO GABRIEL - RS. Tema da proposta: O ensino de Ciências através da literatura infantil: Tudo por causa do pum?

ESCOLA MONDRIAN FUNDAMENTAL SÃO GABRIEL - RS. Tema da proposta: O ensino de Ciências através da literatura infantil: Tudo por causa do pum? ESCOLA MONDRIAN FUNDAMENTAL SÃO GABRIEL - RS PROFESSORA LIA HEBERLÊ DE ALMEIDA TURMAS KANDINSKY Tema da prpsta: O ensin de Ciências através da literatura infantil: Tud pr causa d pum? Objetiv Geral: Estimular

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT

INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ETUDANTE ERAMU OUT Dede já, agradecemo a ua participação neta nova etapa do Projecto de Tutoria a Etudante ERAMU verão OUT. Com ete inquérito, pretendemo dar a conhecer

Leia mais

Projeto. O Índio e suas influências na cultura brasileira

Projeto. O Índio e suas influências na cultura brasileira Prjet O Índi e suas influências na cultura brasileira 6 a 9 ANO 2014 ESCOLA ESTADUAL TUBAL VILELA DA SILVA PROFESSORA: GEANE F. BALIEIRO ENSINO RELIGIOSO. Escla Estadual Tubal Vilela da Silva Prfessra

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

SEM QUEBRAR AS TAÇAS!! *

SEM QUEBRAR AS TAÇAS!! * SEM QUEBRAR AS TAÇAS!! * ernand Lang da Silveira Intitut de íica URGS Prt Alegre RS Reum Uma ripa de madeira, apiada bre dua taça, pde er partida, em quebrar a taça, cm uma frte pancada. A demntraçã dete

Leia mais

o que se entende por lente.

o que se entende por lente. 1062.0041 As lentes esféricas e suas principais características. 1. Habilidades e cmpetências. 3. Mntagem. B ::; A términ desta atividade alun deverá ter Cas necessári cnsulte a instruçã ]992.021. cmpetência

Leia mais

Associação de Professores de Matemática PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) 2013 2ªFASE

Associação de Professores de Matemática PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) 2013 2ªFASE Aociação de Profeore de Matemática Contacto: Rua Dr. João Couto, n.º 7-A 1500-36 Liboa Tel.: +351 1 716 36 90 / 1 711 03 77 Fax: +351 1 716 64 4 http://www.apm.pt email: geral@apm.pt PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA DE PROJETOS I

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA DE PROJETOS I UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA DE PROJETOS I RESUMO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Resum d trabalh

Leia mais

Profa. Dra. Silvia M de Paula

Profa. Dra. Silvia M de Paula Prfa. Dra. Silvia M de Paula Espelhs Esférics Certamente tds nós já estivems diante de um espelh esféric, eles sã superfícies refletras que têm a frma de calta esférica. Em nss ctidian ficams diante de

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Otimização de Sistemas de Aterramento em Subestações 34,5 / 13,8 kv

Otimização de Sistemas de Aterramento em Subestações 34,5 / 13,8 kv Otimizaçã de Sitema de Aterrament em Subetaçõe 34,5 / 3,8 kv A. P. R. Cura, ENERSUL; C. M. V. Tahan; J. A. Jardini; R. P. Calari; J. G. M. Andrade; M. Lpe, EPUSP/PEA Reum O aument da ptência de curt-circuit

Leia mais

Sistema FM. Conceitos introdutórios. Exemplos de Orientação aos pais de crianças com deficiência auditiva

Sistema FM. Conceitos introdutórios. Exemplos de Orientação aos pais de crianças com deficiência auditiva Sistema FM Cnceits intrdutóris Exempls de Orientaçã as pais de crianças cm deficiência auditiva Prduçã: Camila Medina (Tecnlgia Educacinal FOB-USP) Bauru 2015 Autres: Fga. Ms. Raquel Franc Stuchi Siagh

Leia mais

XXVIII OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 2 (7 a. e 8 a. Ensino Fundamental) GABARITO

XXVIII OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 2 (7 a. e 8 a. Ensino Fundamental) GABARITO GABARITO NÍVEL XXVIII OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL (7 a. e 8 a. Ensin Fundamental) GABARITO ) D 6) A ) D 6) C ) C ) C 7) C ) C 7) B ) E ) C 8) A ) E 8) C ) D 4) A 9) B 4) C 9)

Leia mais

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Transfrmadres 1.1- INTRODUÇÃO N estud da crrente alternada bservams algumas vantagens da CA em relaçã a CC. A mair vantagem da CA está relacinada cm a facilidade de se elevar u abaixar a tensã em um circuit,

Leia mais

UESB - VESTIBULAR 2014.1 RELAÇÃO DE FISCAIS SUPLENTES COLÉGIO OFICINA

UESB - VESTIBULAR 2014.1 RELAÇÃO DE FISCAIS SUPLENTES COLÉGIO OFICINA COLÉGIO OFICINA 1. 12769 SHIRLEY DE QUEIROZ SANTOS FT 2. 10670 AMINNE ZAMILUTE PAIVA ALUNO 3. 12565 - ANDRÉIA PEREIRA GIOVANNI DA COSTA ALUNO 4. 7400 - KEILA SOARES SILVA ALUNO 5. 10782 CINTIA CRISTINA

Leia mais

Mariana, 9 anos - Escrever esse livro foi uma experiência interessante, legal e divertida!

Mariana, 9 anos - Escrever esse livro foi uma experiência interessante, legal e divertida! Giulia, 12 anos - Participar de um livro dessa importância é muito interessante, pois se eu me revelar uma boa escritora, posso escrever outros textos e outros livros, o que seria muito legal, já que o

Leia mais

As Vantagens Competitivas Baseando-se na Redução do Tempo

As Vantagens Competitivas Baseando-se na Redução do Tempo PROCESSAMENTO DE PEDIDOS Temp é dinheir : a velcidade e a precisã das infrmações lgísticas ditam a eficiência peracinal da empresa. As atividades de prcessament de pedids pdem tmar mais de 50% d temp d

Leia mais

www.inglesdojerry.com.br

www.inglesdojerry.com.br www.ingledojerry.com.br AGRADECIMENTOS Meu mai incero agradecimento, A Deu, que em ua incomenurável e infinita abedoria tem me dado aúde e força para atravé dete trabalho levar o enino do idioma a peoa

Leia mais

A escola inclusiva e a formação de educadores: reflexões preliminares

A escola inclusiva e a formação de educadores: reflexões preliminares 3 PONTO DE VISTA A escla inclusiva e a frmaçã de educadres: reflexões preliminares Dra. Rberta Gai 1 Há muit temp tem se falad numa refrma esclar, mas puc tem sid feit para que iss crra. As crianças, de

Leia mais

Estimativa de Capita 1 de Trabalho para Produtos em Elaboração Roberto Carvalho Cardoso* e Paulo Elysio de Andrade

Estimativa de Capita 1 de Trabalho para Produtos em Elaboração Roberto Carvalho Cardoso* e Paulo Elysio de Andrade Estimativa de Capita 1 de Trabalh para Prduts em Elabraçã Rbert Carvalh Cards* e Paul Elysi de Andrade 1. Cnceituaçã de Capital de Trabalh. 2. Cálcul d Item "Prduts em Elabraçã". 3. Exempl Numéric. 4.

Leia mais

A) O volume de cada bloco é igual à área da base multiplicada pela altura, isto é, 4 1

A) O volume de cada bloco é igual à área da base multiplicada pela altura, isto é, 4 1 OBMEP Nível 3 ª Fase Sluções QUESTÃO. Quincas Brba uniu quatr blcs retangulares de madeira, cada um cm 4 cm de cmpriment, cm de largura e cm de altura, frmand bjet mstrad na figura. A) Qual é vlume deste

Leia mais

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos 3 Fundaments d Cmprtament ds Hidrcarbnets Fluids 3.1. Reservatóris de Petróle O petróle é uma mistura de hidrcarbnets, que pde ser encntrada ns estads: sólid, líquid, u ass, dependend das cndições de pressã

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos os autos do Pedido de Providências 0.970,

VISTOS, relatados e discutidos os autos do Pedido de Providências 0.970, 1 Pedid de Prvidências n" 970 Requerente: Escla Nacinal da Magistratura e Assciaçã ds Magistrads d Brasil. Assunt:Resluçã n 11/2006 CNJ - Atividade jurídica - Curss de Pósgraduaçã - Ediçã de nrma de transiçã.

Leia mais

Descrição do serviço. Visão geral do serviço. Escopo dos serviços Copilot Optimize. Copilot Optimize CAA-1000. Escopo

Descrição do serviço. Visão geral do serviço. Escopo dos serviços Copilot Optimize. Copilot Optimize CAA-1000. Escopo Descriçã d serviç Cpilt Optimize CAA-1000 Visã geral d serviç Esta Descriçã d serviç ( Descriçã d serviç ) é firmada pr vcê, cliente, ( vcê u Cliente ) e a entidade da Dell identificada na fatura de cmpra

Leia mais

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno.

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno. Pder e escla: Uma analise acerca das relações entre prfessr e alun. Marcs Paul A. Rdrigues 1 Andersn Silva Nunes 2 Intrduçã: O presente trabalh expõe s tips de pder exercid pels prfessres sbre s aluns,

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL MUSEU DE ARTE DO RIO - MAR Autr(es): Paul Jacbsen, Bernard Jacbsen e Thiag Bernardes Tivems cm desafi unir três cnstruções existentes de características arquitetônicas distintas cm bjetiv de abrigar Museu

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA

MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA MAIO 2009 2 RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA, EPE Prject encmendad pela Títul: Autres: Ediçã: Mnitrizaçã da satisfaçã

Leia mais

COP Comunication on Progress EQÜIDADE DE GÊNERO

COP Comunication on Progress EQÜIDADE DE GÊNERO COP Comunication on Progre São Paulo, 28 de fevereiro de 2011 A Ferol Indútria e Comércio SA declara eu apoio contínuo ao Pacto Global. A Ferol acredita na diveridade e na pluralidade como ferramenta de

Leia mais

Trazendo o cidadão para o serviço público

Trazendo o cidadão para o serviço público Trazend cidadã para serviç públic Dicas de cm escrever seu text em linguagem cidadã Inva 2016 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO www.gespublica.gv.br Trazend cidadã para serviç públic

Leia mais

Sinopse das entrevistas realizadas aos agentes sociais ligados à velhice (Dirigentes, técnicos e auxiliares de acção directa)

Sinopse das entrevistas realizadas aos agentes sociais ligados à velhice (Dirigentes, técnicos e auxiliares de acção directa) Sinpse das entrevistas realizadas as agentes sciais ligads à velhice (Dirigentes, técnics e auxiliares de acçã directa) Dimensã 1 Experiência e trabalh n lar Prblemáticas Entrevistad A19 Análise Temp de

Leia mais

Os antigos gregos acreditavam que quanto maior fosse a massa de um corpo, menos tempo ele gastaria na queda. Será que os gregos estavam certos?

Os antigos gregos acreditavam que quanto maior fosse a massa de um corpo, menos tempo ele gastaria na queda. Será que os gregos estavam certos? Lançament vertical e queda livre Se sltarms a mesm temp e da mesma altura duas esferas de chumb, uma pesand 1 kg e utra kg, qual delas chegará primeir a chã? Os antigs gregs acreditavam que quant mair

Leia mais

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.)

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.) Um exemplo de Análie de Covariância A Regreão Linear e a Análie de Variância etudada até aqui, ão cao particulare do Modelo Linear, que inclui também a Análie de Covariância Em qualquer deta trê ituaçõe

Leia mais

SEM QUEBRAR AS TAÇAS!!

SEM QUEBRAR AS TAÇAS!! SEM QUEBRAR AS TAÇAS!! CADERNO CATARINENSE DE ENSINO DE ENSINO DE FÍSICA, 1(): 15-156, 1995. CADERNO BRASIEIRO DE ENSINO DE ENSINO DE FÍSICA, 1 Ed. Especial: 64-68, 004. Fernand ang da Silveira Institut

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

Conquistar é uma escolha!

Conquistar é uma escolha! Reslve Suplement Especial - Cadern cm resluçã das questões Cnquistar é uma esclha! O hmem cnstitui-se num ser históric-transfrmadr pr sua própria natureza. Este pder de transfrmaçã pertence-lhe, na medida

Leia mais

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional. Integralização Curricular

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional. Integralização Curricular ANO ANO Missã d Curs É missã d Curs de Arquitetura e Urbanism da UFC frmar prfissinais capacitads a pesquisar, cnceber e cnstruir, cm visã crítica da realidade sci-ecnômica e cnheciment aprfundad d cntext

Leia mais

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Suprte técnic O serviç de suprte técnic tem pr bjetiv frnecer atendiment as usuáris de prduts e serviçs de infrmática da Defensria Pública. Este serviç é prvid

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

Física E Extensivo V. 1

Física E Extensivo V. 1 Física E Extensiv V. 1 Exercícis 01) Verdadeira. Verdadeira. Temperatura mede a agitaçã ds átms. Verdadeira. Temperatura e energia cinética sã diretamente prprcinais. Verdadeira. Falsa. Crp nã tem calr.

Leia mais

ircuit ennte de ª Ordem O md nturi, u pól, ã independente d frm de excitçã dede que incluã de excitçã nã ltere etrutur nturl d circuit. N ( X ( H ( Pól D( 0 > etrutur D( X i ( nturl crrepnde X i ( 0 Plinómi

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Robótica 2012

Olimpíada Brasileira de Robótica 2012 limpíada Brasileira de Robótica 2012 MDALIDADE: TEÓRICA NÍEL 1 (1º a 3º ANS ENSIN FUNDAMENTAL) DURAÇÃ: 2 HRAS NME D ALUN:...MATR:... ESCLA:... CIDADE:... ESTAD:... Realização: Apoio: AIS: CAR(A) PRFESSR(A)

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Administração de Redes Servidores de Aplicação

Administração de Redes Servidores de Aplicação 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administraçã de Redes Servidres de Aplicaçã

Leia mais

Testes Acelerados de Confiabilidade

Testes Acelerados de Confiabilidade Tete Acelerad de Cnfiabilidade Definiçã: Tete Acelerad de Cnfiabilidade cnitem na expiçã de cmpnente/itema a carga de tre uficiente para reduzir eu temp-médi-até-falha (MTTF) à nívei aceitávei. O engenheir(a),

Leia mais

Maternais 2 explorando jogos educativos na informática Escola Municipal de Educação Infantil Valneri Antunes Professora Shane Lia Prestes

Maternais 2 explorando jogos educativos na informática Escola Municipal de Educação Infantil Valneri Antunes Professora Shane Lia Prestes Maternais 2 explorando jogos educativos na informática Escola Municipal de Educação Infantil Valneri Antunes Professora Shane Lia Prestes Alunos envolvidos: M2A ALANA VITÓRIA AZEVEDO CARDOSO ANDREW RUDNEI

Leia mais

Capítulo 5: Análise através de volume de controle

Capítulo 5: Análise através de volume de controle Capítulo 5: Análie atravé de volume de controle Volume de controle Conervação de maa Introdução Exite um fluxo de maa da ubtância de trabalho em cada equipamento deta uina, ou eja, na bomba, caldeira,

Leia mais

Análise da Mobilidade Humana em Eventos de Larga Escala baseada em Chamadas de Telefones Celulares

Análise da Mobilidade Humana em Eventos de Larga Escala baseada em Chamadas de Telefones Celulares Análise da Mbilidade Humana em Events de Larga Escala baseada em Chamadas de Telefnes Celulares Humbert T. Marques-Net Departament de Ciência da Cmputaçã Pntifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Leia mais

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação Confrontando Reultado Experimentai e de Simulação Jorge A. W. Gut Departamento de Engenharia Química Ecola Politécnica da Univeridade de São Paulo E mail: jorgewgut@up.br Um modelo de imulação é uma repreentação

Leia mais

Ana Carolina Pereira Pires

Ana Carolina Pereira Pires Aimê Pinheiro Pires universidades e centros de pesquisa na geração de novos negócios, Ana Carolina Pereira Pires Ana Cristina Angelo Rocha Ana Paula Andrade Galvão Andre Araujo André Lopes Andre Luiz Santos

Leia mais

APRESENTAÇÃO. João Pessoa, 22 de outubro de 2007. RICARDO VIEIRA COUTINHO Prefeito

APRESENTAÇÃO. João Pessoa, 22 de outubro de 2007. RICARDO VIEIRA COUTINHO Prefeito APRESENTAÇÃO Este manual tem bjetiv de servir cm base de infrmaçã e rientaçã as órgãs setriais de pessal da Administraçã Direta, assim cm as servidres, nde irã encntrar n Manual d Servidr(a) Apsentável

Leia mais

EB de. Nome. Data. Tarefa 1

EB de. Nome. Data. Tarefa 1 Tarefa 1 Material: Flha de papel cm a reprduçã de páginas de um livr de histórias (anex); Na flha de papel estã reprduzidas 4 páginas da história O Rapaz ds Hippótams. Observa essas páginas cm atençã e

Leia mais

Diagramas líquido-vapor

Diagramas líquido-vapor Diagramas líquid-vapr ara uma sluçã líquida cntend 2 cmpnentes vláteis que bedecem (pel mens em primeira aprximaçã) a lei de Rault, e prtant cnsiderada cm uma sluçã ideal, a pressã de vapr () em equilíbri

Leia mais

CADERNO DE PROVA NÍVEL SUPERIOR EM ENGENHARIA CIVIL I N S T R U Ç Õ E S

CADERNO DE PROVA NÍVEL SUPERIOR EM ENGENHARIA CIVIL I N S T R U Ç Õ E S 1 PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO CONCURSO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS GOIÂNIA CADERNO DE PROVA NÍVEL SUPERIOR EM ENGENHARIA CIVIL I N S T R U Ç Õ E S Verifique

Leia mais

Ontologias: da Teoria à Prática

Ontologias: da Teoria à Prática Ontlgias: da Teria à Prática I Escla de Ontlgias UFAL-USP Endhe Elias e Olav Hlanda Núcle de Excelência em Tecnlgias Sciais - NEES Universidade Federal de Alagas UFAL Rteir Mtivaçã Ontlgias Engenharia

Leia mais

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada.

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada. Compenadore 0.1 Introdução Controle 1 - DAELN - UTFPR Prof. Paulo Roberto Brero de Campo O compenadore ão utilizado para alterar alguma caracterítica do itema em malha fechada. 1. Avanço de fae (lead):

Leia mais

Cartografia e Geoprocessamento Parte 2. Projeção Cartográfica

Cartografia e Geoprocessamento Parte 2. Projeção Cartográfica Cartgrafia e Geprcessament Parte 2 Prjeçã Cartgráfica Recapituland... Geide; Datum: Planimétrics e Altimétrics; Tpcêntrics e Gecêntrics. Data ficiais ds países; N Brasil: Córreg Alegre, SAD69 e SIRGAS

Leia mais

Classe Fé e Vida IPJG Setembro 2016

Classe Fé e Vida IPJG Setembro 2016 Classe Fé e Vida IPJG Setembr 2016 1 O Evangelh n Trabalh 1. A idlatria n trabalh 2. Indlência n trabalh 3. O evangelh n lcal d trabalh 4. Os prpósits d Rei em nss trabalh 5. Cm dev esclher um empreg?

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014 5º1 1 ANA CATARINA R FREITAS SIM 2 BEATRIZ SOARES RIBEIRO SIM 3 DIOGO ANTÓNIO A PEREIRA SIM 4 MÁRCIO RAFAEL R SANTOS SIM 5 MARCO ANTÓNIO B OLIVEIRA SIM 6 NÁDIA ARAÚJO GONÇALVES SIM 7 SUNNY KATHARINA G

Leia mais

1 Regras dos Esportes de Verao da Special Olympics Athletisme

1 Regras dos Esportes de Verao da Special Olympics Athletisme 1 Regra d Eprte de Vera da Special Olympic ATLETISMO Cm um prgrama de eprte internacinal, a Special Olympic criu eta regra cm bae na regra da Internatinal Aciatin f Athletic Federatin (IAAF). Em cmpetiçõe

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Reolução n 12/ 2013 Aprova a reformulação do Projeto Pedagógico do Curo de Graduação em Pedagogia

Leia mais

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas.

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas. Ecola Báic a 2º º e 3º º Ciclo Tema 1 Viver com o outro Tema Conteúdo Competência Actividade Tema 1 Viver com o outro Valore Direito e Devere Noção de valor O valore como referenciai para a acção: - o

Leia mais

AULA 02 POTÊNCIA MECÂNICA. = τ. P ot

AULA 02 POTÊNCIA MECÂNICA. = τ. P ot AULA 0 POTÊNCIA MECÂNICA 1- POTÊNCIA Uma força pode realizar um memo trabalho em intervalo de tempo diferente. Quando colocamo um corpo de maa m obre uma mea de altura H num local onde a aceleração da

Leia mais

SIMPLES DEMONSTRAÇÃO DO MOVIMENTO DE PROJÉTEIS EM SALA DE AULA

SIMPLES DEMONSTRAÇÃO DO MOVIMENTO DE PROJÉTEIS EM SALA DE AULA SIMPLES DEMONSTRAÇÃO DO MOVIMENTO DE PROJÉTEIS EM SALA DE AULA A.M.A. Taeira A.C.M. Barreir V.S. Bagnat Institut de Físic-Química -USP Sã Carls SP Atraés d lançament de prjéteis pde-se estudar as leis

Leia mais

Questão 13. Questão 14. alternativa C

Questão 13. Questão 14. alternativa C Questã 13 O suc de laranja cncentrad da marca M cntém 20 mg de vitamina C pr 50 ml de suc cncentrad. Para ser cnsumid, deve ser diluíd cm água até que seu vlume seja 4 vezes mair que inicial. Pr utr lad,

Leia mais

BroadNeeds Media Partner

BroadNeeds Media Partner BradNeeds Media Partner BROADNEEDS R. Purpurina, 155 cj 105/107 Vila Madalena Sã Paul /SP Cep: 05430-030 BradNeeds Media Partner - BMP 1) SOBRE O PROGRAMA O Prgrama BradNeeds Media Partner, tem cm bjetiv

Leia mais

Em geometria, são usados símbolos e termos que devemos nos familiarizar:

Em geometria, são usados símbolos e termos que devemos nos familiarizar: IFS - ampus Sã Jsé Área de Refrigeraçã e ndicinament de r Prf. Gilsn ELEENTS E GEETRI Gemetria significa (em greg) medida de terra; ge = terra e metria = medida. nss redr estams cercads de frmas gemétricas,

Leia mais

A Aventura da Consciência Satprem 1. Sri Aurobindo

A Aventura da Consciência Satprem 1. Sri Aurobindo A Aventura da Cnsciência Satprem 1 Sri Aurbind u a Aventura da Cnsciência Satprem 1- Um Ocidental Talents Reintegrar Espírit n Hmem e na Matéria: "Os céus além sã grandes e maravilhss, mas maires e ainda

Leia mais

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos CAPÍTULO 10 Modelagem e repota de itema dicreto 10.1 Introdução O itema dicreto podem er repreentado, do memo modo que o itema contínuo, no domínio do tempo atravé de uma tranformação, nete cao a tranformada

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre.

Definir e padronizar os procedimentos para o planejamento e a execução de atividades de cerimonial no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Acre. Códig: MAP-SERPU-001 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Secretaria de Relações Públicas e Cerimnial Aprvad pr: Presidência 1 OBJETIVO Definir e padrnizar s prcediments para planejament e

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Cisco CUCM Bloqueio de chamadas por Calling Party Number (ID): Tradução por Rogerio Rodrigues

Cisco CUCM Bloqueio de chamadas por Calling Party Number (ID): Tradução por Rogerio Rodrigues Cisc CUCM Blquei de chamadas pr Calling Party Number (ID): Traduçã pr Rgeri Rdrigues De temps em temps, administradr d Cisc Unified Cmmunicatins Manager (CUCM) recebe um pedid para blquear chamadas de

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 71 maio de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 71 maio de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Bletim Ecnômic Ediçã nº 71 mai de 2014 Organizaçã: Mauríci Jsé Nunes Oliveira Assessr ecnômic A Bancarizaçã d país e a disparada das reclamações cntra s bancs 1 Queixas cntra bancs disparam Quand a relaçã

Leia mais

SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS

SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS PROJETO DE REFORÇO DAS CAPACIDADES E COMPETÊNCIAS RELATIVAS A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS ILHAS Crdenadr: Parceirs: SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS Intercâmbi

Leia mais

Event Viewer - Criando um Custom View

Event Viewer - Criando um Custom View Event Viewer - Criand um Custm View Qui, 06 de Nvembr de 2008 18:21 Escrit pr Daniel Dnda Cnhecend Event Viewer Muit imprtante na manutençã e mnitrament de servidres Event Viewer é uma ferramenta que gera

Leia mais

Serviço Social

Serviço Social Serviç Scial 2012-13 Tmada de Decisã UCP-CRB Pól de Viseu *- 1 A elevada velcidade da mudança intrduz um nv element na gestã, frçand s executivs, já nervss cm um ambiente nã familiar, a tmar mais e mais

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic 1 Simuland uma Cadeia e planejand seus estques Lcal: em sala de aula Material

Leia mais

Conheça o Programa de Afiliados Ganhos Automáticos passo a passo.

Conheça o Programa de Afiliados Ganhos Automáticos passo a passo. Cnheça Prgrama de Afiliads Ganhs Autmátics pass a pass. O Ganhs Autmátics é um negóci que qualquer pessa pde desenvlver, pis vams dispnibilizar um Kit de Prduts e Serviçs cm fc em Ajudar e Dispnibilizar

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu em Gestã da Segurança da Infrmaçã em Redes de Cmputadres A Faculdade

Leia mais

Circuitos de Corrente Alternada I

Circuitos de Corrente Alternada I Institut de Física de Sã Carls Labratóri de Eletricidade e Magnetism: Circuits de Crrente Alternada I Circuits de Crrente Alternada I Nesta prática, estudarems circuits de crrente alternada e intrduzirems

Leia mais

Terremotos e Ressonância

Terremotos e Ressonância Ntas d Prfessr Terremts e Ressnância Pergunta em fc Cm mviment d sl causad pr um terremt afeta a estabilidade de edifícis de diferentes alturas? Ferramentas e materiais Dis pedaçs quadrads de madeira,

Leia mais

Raniê Ralph. 14 de Novembro de 2007. Professor Chamon.

Raniê Ralph. 14 de Novembro de 2007. Professor Chamon. 14 de Nvembr de 2007. Prfessr Chamn. Vesícula e vias biliares. Cnsiderações cirúrgicas. Objetivs. Cnsiderações da anatmia. Patlgias cirúrgicas. Fisipatlgia. Diagnóstic. Alternativas de tratament. Tratament

Leia mais

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário CRC-MG Central de Registr Civil de Minas Gerais Certidã Online - Serventia Manual d usuári Prefáci Data: 30/01/2015 Versã dcument: 1.0 1. COMO ACESSAR O MÓDULO DA CERTIDÃO ONLINE... 04 2. OPÇÕES DE PEDIDOS

Leia mais

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B eolução Fíica FM.9 1. e Com bae na tabela, obervamo que o atleta etá com 5 kg acima do peo ideal. No gráfico, temo, para a meia maratona: 1 kg,7 min 5 kg x x,5 min. Na configuração apreentada, a força

Leia mais

UNIDADE: MARACANÃ ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/TELECOMUNICAÇÕES SEM VAGAS DISPONÍVEIS (NÃO HOUVE FALTAS À MATRÍCULA DE 1ª RECLASSIFICAÇÃO)

UNIDADE: MARACANÃ ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/TELECOMUNICAÇÕES SEM VAGAS DISPONÍVEIS (NÃO HOUVE FALTAS À MATRÍCULA DE 1ª RECLASSIFICAÇÃO) UNIDADE: MARACANÃ ENGENHARIA INDUSTRIAL MECÂNICA 20138 CLAYTON PEREIRA DA SILVA SANTOS 39,00 36,60 75,60 134 Eng. Ind. Mecânica RECLASSIFICADO 22235 JOAO PAULO KELY ZANARDI 44,00 31,60 75,60 135 Eng. Ind.

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011. Gabinete d Deputad FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de març de 2011. Quand ingressei cm Requeriment slicitand a presença de Vssas Senhrias na Cmissã, estava assustad, cm, aliás, tda a ppulaçã, cm

Leia mais

Cap. 8 - Controlador P-I-D

Cap. 8 - Controlador P-I-D CONTROLADOR ID Metrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Comptadore (MEEC) Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Comptadore (DEEC) CONTROLO º emetre 7/8 Tranparência de apoio à ala teórica

Leia mais

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP Dissídi Retrativ Cálculs INSS, FGTS e geraçã da SEFIP A rtina de Cálcul de Dissídi Retrativ fi reestruturada para atender a legislaçã da Previdência Scial. A rtina de Aument Salarial (GPER200) deve ser

Leia mais

Adriane Cristina de Jesus

Adriane Cristina de Jesus Adriane Cristina de Jesus Alexandre Coelho Rodrigues Gomes Alexandre Montenegro Nascimento Vilarinhos Ana Carolina Nogueira Ana Carolina Rodrigues Oliveira Ana Luiza de Paiva Silva Ana Luiza dos Anjos

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840721 ADRIANA XAVIER DA SILVA FERNANDES 38 Pré-A1 PT1840722 ALEXANDRA FILIPA AZEVEDO SANTOS 52 A1 PT1840723

Leia mais

CURSO NOVA NBR 5419 Proteção contra Descargas Atmosféricas

CURSO NOVA NBR 5419 Proteção contra Descargas Atmosféricas CURSO NOVA NBR 5419 Prteçã cntra Descargas Atmsféricas Públic alv: Engenheirs eletricistas e eletrônics, técnics em eletricidade, prje6stas de sistemas elétrics, eletrônics, de telecmunicações e de cntrle

Leia mais