8 Séculos da Língua Portuguesa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "8 Séculos da Língua Portuguesa"

Transcrição

1 Edição da Câmara Municipal do Seixal 8 Séculos da Língua Portuguesa Editorial Os alunos das seis escolas que desenvolveram o Jornal Interescolar do ano letivo 2014/2015 projeto do Plano Educativo Municipal trazem a estas páginas a celebração de 8 séculos da Língua Portuguesa. Língua de oito povos, falada por mais de duzentos milhões de pessoas, é a língua de Camões, Fernando Pessoa, Eça de Queirós e Gil Vicente, mas também de Jorge Amado, Pepetela, Luandino Vieira, Mia Couto e muitos outros autores que escrevem ou escreveram em português. Língua da Europa, de África, das Américas e do Oriente, a língua portuguesa não serve apenas como meio de comunicação. Representa Autor do desenho: Gonçalo Mota, aluno do 9.º ano, turma D, da Escola Secundária João de Barros. Professor: José António Vaz a História do nosso povo, os seus costumes e valores e é também História dos povos que através dela se expressam: é expansão, diversidade, união e epopeia, mas também expressão de luta, emoção, notícia, romance, filosofia e provérbio. A «última flor do Lácio» que nasceu «inculta e bela» é hoje Nobel da Literatura pela pena de José Saramago, património de toda a humanidade porque é poesia no fado, dança e festa no samba e cante simples, profundo e humano do povo alentejano. Aos alunos e professores que abraçaram este projeto, que valoriza a escola pública, gostaríamos de manifestar o nosso apreço pela sua homenagem e amor à Língua Portuguesa. A Câmara Municipal do Seixal prosseguirá o caminho de Abril, por um ensino mais igualitário, ao serviço das populações e do País. Joaquim Santos Presidente da Câmara Municipal do Seixal

2 2 Jornal Interescolar MAI 2015 Clube de Jornalismo da Escola Básica Dr. António Augusto Louro, com a colaboração de Marie Martins e Maria Sebastião, ilustração de Ianis Oliveira A minha história Olá! Eu sou a Língua Portuguesa e vou contar a história da minha vida. Tenho já oito séculos de velas para soprar!... Nasci, tal como os meus irmãos, o Espanhol, o Francês, o Romeno e o Italiano, da união de dois seres maravilhosos, o Grego (o meu pai) e o Latim (a minha mãe). A minha mãe, sobretudo, tinha muitos amigos que, para mim, também eram tios. Influenciaram-me todos, passando-me ensinamentos e moldando a língua que sou hoje. Do meu tio Árabe herdei, por exemplo, o conforto e o lado doce da vida! Mas foi durante o reinado de D. Dinis que me emancipei. Não só passei a ser eu a língua vigente em todos os documentos oficiais, como fui cultivada, adulada por jograis e trovadores nas belas cantigas de amigo, de amor e de escárnio e maldizer. Muito devo ao nosso querido D. Dinis que «fez tudo quanto quis»! Até a primeira universidade portuguesa!... Sempre vivi em Portugal, mas, a partir do século XV, comecei a viajar pelo mundo fora e, pouco a pouco, fui fixando residência nos diferentes continentes. Em África, na América do Sul e também na Ásia. Aí exprimo-me com o olhar, o sabor e a melodia locais. Mas trago-os também, desde então, para o pequeno cantinho que me viu nascer. Sou senhora de muitos sotaques e de muitas formas de ver, abraçada por várias aventuras e amizades que já guardo há mais de 500 anos. Assim nasceram os meus crioulos!... Fui-me alterando muito com o tempo, passando por muitas fases e lugares, enriquecendo-me ano após ano, viagem após viagem, descoberta após descoberta, abrindo porta atrás de porta... E hoje em dia, eu sou muitas. «Vivem em nós inúmeros»! Vivo e recrio-me intensamente nas vozes dos jovens, calma ou emocionalmente no «saber de experiências feito» dos menos jovens, artisticamente nas vozes dos poetas e romancistas que não param de me reinventar em versos cheios de alma e histórias «abensonhadas», pelos quatro cantos do mundo. Tenho muita sorte em ter muitos aduladores que me provocam em múltiplas formas de dizer, entendendo-me como a língua mais expressiva do mundo. A que diz o Amor, o Fado e a Saudade!...

3 Jornal Interescolar MAI Escola Secundária de Amora Entrevista a Maria José Maya, presidente da direção da 8 Séculos da Língua Portuguesa Associação Os jovens são fundamentais nestas comemorações Em que zonas do mundo tem sido mais projetada a comemoração? As Comemorações dos 8 Séculos da Língua Portuguesa iniciaram-se em 2014, a 5 de maio, Dia da Língua e da Cultura na CPLP, e terminam em 2015, a 10 de junho, numa homenagem à literatura em Língua Portuguesa. Realizam-se em rede, envolvendo todos os países de Língua Portuguesa e diásporas. Diria que Portugal, Cabo Verde e Brasil são as zonas do mundo onde as comemorações têm encontrado mais eco, não obstante a Escola Portuguesa Rui Cinatti em Díli, em Timor-Leste, já as ter assinalado através de um vídeo muito interessante realizado pelos alunos. Das comemorações já levadas a efeito, qual, na sua opinião, teve maior significado? Todas elas são muito importantes, mas poderemos salientar a edição da medalha comemorativa dos 8 Séculos da Língua Portuguesa, que decorreu de um concurso público internacional organizado pela INCM Imprensa Nacional-Casa da Moeda, que a editou, e o lançamento do selo comemorativo dos 8 Séculos da Língua Portuguesa, editado pelos CTT Correios de Portugal e emitido em todos os países de Língua Portuguesa, que é o primeiro selo comum a todos esses países. Destacamos também a ação da Universidade da Amazónia que dedicou todo um semestre a uma reflexão sobre a Língua Portuguesa, as tertúlias poéticas dedicadas aos países de Língua Portuguesa na Casa Fernando Pessoa. Nas iniciativas em que esteve presente, como classifica a adesão dos jovens? Os jovens são fundamentais nestas comemorações.têm-se mostrado muito interessados e curiosos sobre o potencial cultural, político e económico da Língua Portuguesa. Em Almada, por exemplo, estiveram presentes numa palestra intitulada A Língua Portuguesa no Mundo, no Teatro Joaquim Benite, cerca de 400 alunos. No Seixal, na Escola Secundária de Amora, foram organizadas as Jornadas Pessoanas, em que se assinalaram as Comemorações dos 8 Séculos da Língua Portuguesa. Como já referimos, a Escola Portuguesa Rui Cinatti em Díli, em Timor-Leste, assinalou as comemorações com um vídeo muito interessante realizado pelos alunos e um grupo de alunos, liderados pela professora Bebel Pantaleão, também o fez no Rio de Janeiro. Escolas de Almada, em Portugal, e da Cidade Velha, em Cabo Verde, iniciaram um projeto intitulado Mundos em Diálogo, inserido no Ciclo de Conferências A Língua em Viagem Celebrar 8 Séculos da Língua Portuguesa e 400 Anos da Peregrinação de Fernão Mendes Pinto, projeto este que tem como entidades parceiras a Câmara Municipal de Almada, a 8 Séculos da Língua Portuguesa Associação, o CFAECA Centro de Formação de Associação de Escolas do Concelho de Almada, a Escola Secundária Fernão Mendes Pinto e a Sphaera Mundi. Esta curiosidade é tanto maior que saudamos a realização do Jornal Interescolar do concelho de Seixal dedicado aos «Oito Séculos da Língua Portuguesa» que irá envolver um conjunto considerável de escolas e promoverá decerto uma reflexão muito viva e interessada, por parte dos alunos, sobre a nossa língua, língua esta que, parafraseando Fernando Pessoa, «é o som presente d esse mar futuro». Qual a sua função na associação? Sou presidente da associação, que é uma instituição da sociedade civil, sem fins lucrativos, cuja missão, em sentido lato, se centra na promoção e divulgação da Língua Portuguesa. Nestas funções cabe-me representá-la e coordenar o trabalho da equipa das Comemorações dos 8 Séculos da Língua Portuguesa, contactando diversas instituições nacionais e estrangeiras para que as comemorações se realizem em parceria, em rede e nas diversas geografias que queiram celebrar a nossa língua. A Língua Portuguesa tem um vasto potencial económico, social e cultural, é a sexta língua mais falada no mundo, de acordo com o Relatório das Línguas para o Futuro (2013) do British Council, devendo nós pugnar para que se torne língua de trabalho nas instâncias internacionais, concretizando, deste modo, um dos objetivos desta associação. Cabe-nos a todos nós contribuir para a divulgação e promoção da Língua Portuguesa, desde já falando-a e escrevendo-a o mais corretamente possível, o que só conseguiremos lendo os nossos maiores autores. Comemorações dos 8 Séculos da Língua Portuguesa Em rede, em parceria, em todas as geografias As Comemorações dos 8 Séculos da Língua Portuguesa são uma iniciativa da 8 Séculos de Língua Portuguesa Associação, uma associação cultural sem fins lucrativos e desenvolvem-se de forma muito abrangente e a vários níveis com os países de língua oficial portuguesa. Propiciam a mobilização de saberes diversos e abordagens transversais, na senda da realização de um conjunto de eventos em torno da Língua Portuguesa, nas mais diversas áreas de saber e atuação, em todas as geografias, envolvendo os países de língua oficial portuguesa, as respetivas diásporas, o que ganha expressão através de projetos de que é exemplo o Jornal Interescolar, elaborado por seis escolas do concelho do Seixal, com a colaboração inestimável dos professores e do Departamento de Educação e Juventude da Câmara Municipal do Seixal. A 8 Séculos de Língua Portuguesa Associação propõe-se ser sobretudo um motor de sinergias para as mais amplas celebrações, a par das instituições reconhecidas a nível nacional e/ou internacional que visam a promoção e a dignificação da Língua Portuguesa, privilegiando as parcerias neste âmbito. Nesta perspetiva, lançamos também um desafio aos alunos e professores das escolas do concelho do Seixal para qualquer iniciativa que pretendam ter no âmbito das comemorações dos 8 Séculos da Língua Portuguesa. Maria José Maya, presidente da direção da 8 Séculos da Língua Portuguesa Associação

4 4 Jornal Interescolar MAI 2015 Escola Secundária Alfredo dos Reis Silveira Entrevista a Domingos Abrantes, ex-preso político O valor das palavras «saudade» e «liberdade» A entrevista com Domingos Abrantes tem o objetivo de conhecer o valor das palavras «saudade» e «liberdade» a partir da sua experiência pessoal, porque privado de liberdade até ao 25 de Abril de 1974 sentiu, naturalmente, saudade. «Como podem reparar sou uma pessoa com muita idade e isso significa que vivi períodos diferentes da nossa história. Vivi metade da minha vida num regime fascista e outra após a Revolução de 25 de Abril de De algum modo, a questão da liberdade e o problema da saudade têm significado na frase: 25 de Abril sempre, fascismo nunca mais, o que se conquistou [a liberdade] e aquilo que se perdeu e que não há saudade. Não sou especialista da língua, o que vos vou dizer sobre as palavras é em resultado da minha vivência. Sou ex-preso político e é como tal que falo, a minha visão é a visão daquilo que eu sou. A linguagem é inseparável da realidade social. Não são as palavras que criam realidade, é a realidade que cria a palavra e lhe dá significado. A palavra surge por vontade, por necessidade, e a partir do momento em que existe a sociedade dá-lhe um valor, é coisa social. Nos jornais, antes do 25 de Abril, podiam ler notícias que confirmam essa realidade, os ricos A linguagem é inseparável da realidade social. Não são as palavras que criam realidade, é a realidade que cria a palavra e lhe dá significado faleciam, os pobres morriam. A saudade, esse sentimento tão português há coisas de que eu tenho saudade e outras que não. Não tenho saudade da época do fascismo, dos espancamentos, da miséria, das prisões (estive preso 11 anos) Mas os fascistas que tinham liberdade para ultrajar, espancar, censurar terão saudade daquilo que perderam desse tempo. Portanto, o que para uns é saudade para outros pode ser o oposto. O mesmo se passa com a palavra «liberdade». «Liberdade», palavra universal, assumida quase sempre no singular, a liberdade representa muitas liberdades e muitas lutas. Quando se diz que o 25 de Abril restituiu a liberdade não é bem assim. Eu era clandestino, não tinha liberdade, mas havia quem, nesse tempo, tivesse liberdade para torturar, para censurar Também a nossa língua foi sujeita a muitas proibições, não havia liberdade de escrita ou de ação. A realidade deu à nossa língua provérbios curiosos. Os camponeses tinham fome e a bolota era para os porcos, não para as pessoas. Quando os camponeses iam à bolota o latifundiário chamava a GNR e as pessoas eram presas. Essa realidade justifica o provérbio: Quem quer bolota trepa. Lutava-se por comida, por direitos, por liberdade. Faço parte de uma geração que sofreu muito, mas que não se resignou, foi uma geração que lutou e conquistou a liberdade, agora é preciso cuidar dela. Não tenho saudade desse tempo.»

5 Jornal Interescolar MAI Trabalhos em desenho dos alunos da Escola Secundária João de Barros «Última flor do Lácio, inculta e bela» Olavo Bilac Língua Portuguesa O soneto «Língua Portuguesa» do autor brasileiro Olavo Bilac (membro fundador da Academia Brasileira das Letras, poeta parnasiano, cronista, contista, conferencista, jornalista e autor de livros didáticos) conta a história da Língua Portuguesa. Diferente do Latim clássico, usado pelas classes superiores, o Latim vulgar era falado pelo povo na região do Lácio em Itália. Trazida pelos soldados e funcionários do império, esta era a língua imposta aos povos conquistados por Roma, dando origem a diversas línguas e dialetos, entre os quais o catalão, o castelhano e o galaico-português. Comparando-a a uma flor, o poeta apresenta a Língua Portuguesa como a «última flor do Lácio, inculta e bela». Bilac não esquece que esta é também a língua de Camões, cujo «engenho e arte», fez de «Os Lusíadas» um marco na história da Língua Portuguesa e dedica-lhe os dois últimos versos. Última flor do Lácio, inculta e bela, És, a um tempo, esplendor e sepultura: Ouro nativo, que na ganga impura A bruta mina entre os cascalhos vela... Amo-te assim, desconhecida e obscura. Tuba de alto clangor, lira singela, Que tens o trom e o silvo da procela, E o arrolo da saudade e da ternura! Amo o teu viço agreste e o teu aroma De virgens selvas e de oceano largo! Amo-te, ó rude e doloroso idioma, em que da voz materna ouvi: meu filho!, E em que Camões chorou, no exílio amargo, O gênio sem ventura e o amor sem brilho!

6 6 Jornal Interescolar MAI 2015 Escola Secundária de Amora O amor, enunciado no masculino, ao longo dos séculos Idade Média O tema do amor está presente nas cantigas de amor e de amigo e é usado como uma forma de diversão. Ai eu, coitada, como vivo / en gran desejo por meu amigo Que soidade de mha senhor ei // [ ] que, se non a vir, non posso viver (D. Dinis) Séc. XVI Camões é o expoente máximo, exprimindo o amor. Formosura do Céu a nós descida, / que nenhum coração deixas isento! / Lindo e subtil trançado, / que ficaste em penhor do remédio que mereço, / se só contigo, vendo-te, endoudeço! (Camões) Séc. XX Séc. XVII Discípulo de Camões, Rodrigues Lobo representa o Barroco. Coração, olha o que queres: / Que mulheres, são mulheres... // [ ] Se algüa tem afeição / Há-de ser a quem lha nega,/ Porque nenhüa se entrega / Fora desta condição; / Não lhe queiras, coração, / E senão, olha o que queres: / Que mulheres, são mulheres... (Francisco Rodrigues Lobo) A expressão do amor altera-se, como a própria sociedade. Se é clara a luz desta vermelha margem / é porque dela se ergue uma figura nua / e o silêncio é recente e todavia antigo / enquanto se penteia na sombra da folhagem. / Que longe é ver tão perto o centro da frescura (António Ramos Rosa) Abraça-me. Veste o meu corpo de ti, para que em ti eu possa buscar o sentido dos sentidos, o sentido da vida. Procura-me com os teus antigos braços de criança, para desamarrar em mim a eternidade, essa soma formidável de todos os momentos livres que a um e a outro pertenceram. Abraça-me. Quero morrer de ti em mim, espantado de amor. (Joaquim Pessoa) Quando nos poderemos nós encontrar a sós em qualquer parte, meu amor? Sinto a boca estranha, sabes, por não ter beijinhos há tanto tempo... Meu Bebé para sentar ao colo! Meu Bebé para dar dentadas! Meu Bebé para...[ ] Bebé, vem cá; vem para o pé do Nininho; vem para os braços do Nininho; põe a tua boquinha contra a boca do Nininho... Vem... Estou tão só, tão só de beijinhos... (Fernando Pessoa) Meu Deus, eu quero a mulher que passa. / Seu dorso frio é um campo de lírios / Tem sete cores nos seus cabelos / Sete esperanças na boca fresca! / Oh! Como és linda, mulher que passas (Vinicius de Morais) Séc. XIX Com o Romantismo, o amor assume proporções de excesso. Excedeu-se em formar-te a Natureza; / Divina te julguei pelo semblante, / Humana vejo que és pela fraqueza (Bocage) Entrar pé ante pé, e com ternura / Apertá-la nos braços casta e bela:/ Beijar-lhe os vergonhosos, lindos olhos, / E a boca, com prazer o mais jucundo, / Apalpar-lhe de leve os dois pimpolhos (Bocage) Minha gentil: Quem me dera ser uma ave: arrancaria uma pena às minhas asas e, voando ao céu, embebê-la-ia na tinta da aurora, naquela tinta vermelha com que os anjos escrevem cartinhas de namoro às estrelas quem me dera escrever-te com uma pena assim, e com uma tinta igual eu seria, pela primeira vez, anjo, e tu serias o que há muito és: estrela. (António Nobre) Séc. XXI Estás tão bonita hoje. quando digo que nasceram / flores novas na terra do jardim, quero / dizer / que estás bonita. // [ ] entre os dedos, seguro o teu fino fio de ouro, como se tocasse a pele do teu pescoço. / há o céu, a casa, o quarto, e tu estás dentro de mim. / estás tão bonita hoje. (José Luís Peixoto) Envelhecida a palavra, / tomo a lua por minha boca/ a noite, já sem voz / se vai despindo em ti. // O teu vestido tomba / e é uma nuvem./ O teu corpo se deita no meu, / um rio se vai aguando até ser mar. (Mia Couto) quero reaprender o amor na respiração das tuas mãos / quero-me sentado nas pálpebras quietas do teu olhar. quero-me goiabar em ti, caroço e casca, verme e moço, seiva e corpo / tu minha noite redonda / minha madrugada mulata. (Ondjaki)

7 Jornal Interescolar MAI Escola Secundária Alfredo dos Reis Silveira Conversa com o poeta e professor Luís Filipe Parrado A Língua Portuguesa é o nosso maior tesouro Convidámos o poeta e professor Luís Filipe Parrado para conversar sobre a Língua Portuguesa e para explicar que língua é a nossa. «Pedem-me que comente esta data, esta efeméride dos oito séculos da Língua Portuguesa, não propriamente da língua porque não conseguimos determinar o exato momento em que ela surge, mas da existência de textos oficiais escritos em Português. Talvez valha a pena começar por lembrar que uma das experiências mais importantes da nossa existência como seres humanos é o facto de termos a faculdade impressionante de comunicarmos com palavras. É próprio dos seres humanos, só nós conseguimos produzir linguagem, esta coisa maravilhosa que é produzir palavras com sentido. Hoje, fazemos parte da grande comunidade da Língua Portuguesa. E ouvimos a língua falada no Brasil, um português com um gostinho especial, assim como nos países africanos, com a sua diversidade. E isso é magnífico. A Língua Portuguesa é o nosso maior tesouro. A língua de um pequeno povo que, nos séculos XV e XVI, chegou aos quatro cantos do mundo. E hoje o português é uma das línguas mais faladas no mundo, somos muitos a falar português. Por isso, é um prazer conversar convosco em português, porque a nossa língua é maravilhosa e era bom que tivéssemos consciência disso e a valorizássemos como nossa.» E como podemos valorizar a nossa língua? O Português provém de uma outra língua, o Latim. E quem trouxe o Latim não foram os escritores, nem homens ricos, nem os grandes generais: foi o povo romano, os soldados e comerciantes. Por isso ela tem uma origem popular. Foi sendo construída por todos nós. Ter consciência dessa riqueza e valorizá-la é um trabalho que temos de fazer todos os dias. E de diferentes maneiras, sobretudo através do modo como falamos e nos exprimimos. É nossa obrigação falar bem português: dizermos as palavras todas, não comermos as sílabas, enfim, cuidarmos daquilo que nos deram em herança. E transmiti-la à próxima geração. E isso tem acontecido ao longo de todos estes anos, e pelo menos há oito séculos. Pode falar-nos um pouco da história da nossa língua? Nestes oito séculos houve muitas mudanças, mas no início a nossa língua estava muito próxima de uma outra língua, a língua galega. Nos séculos XI a XIV falávamos galaico-português e depois as duas línguas divergiram, mas ainda hoje conseguimos entendermo-nos todos muito bem A respeito disso, gostava de vos dizer que o galaico-português, que se falava no norte do país e da península Ibérica, era uma língua culta, a língua dos poetas. Pelo que as origens da nossa língua escrita passam muito pela poesia, e não só pelos textos oficiais. Passa, portanto, pela língua dos poetas, pois os nossos primeiros poemas foram escritos em galaico-português. E lendo esses poemas é como se estivéssemos a ver nascer o Português, por isso é muito interessante lerem alguns desses poemas. Eu gosto muito da ideia de que o nascimento da Língua Portuguesa, em termos escritos, passou, por um lado, pela poesia; e, por outro, pelo modo como o povo fala. Os poetas, os escritores, e a grande massa popular são os grandes inovadores e recriadores da Língua Portuguesa. Por isso, para mim é fundamental ler os grandes poetas e ouvir o povo falar. Uma língua é tanto mais rica quanto mais diversificada for. Por isso, quando ouvirem falar de modo diferente, vejam isso como algo interessante. A Língua Portuguesa vai mudando com o tempo? Sim. Houve uma altura em que as palavras que chegavam ao português vinham da influência francesa, do francês. Mas se tiverem palavras portuguesas, usem-nas, não precisam de usar outras se as tiverem em português. O certo é que as línguas evoluem naturalmente. E algumas palavras ficam e outras passam, mesmo algumas que hoje são usadas irão desaparecer. Portanto não devemos ser demasiado puristas e rejeitar o que é estrangeiro. Sempre foi assim e, por força de novas realidades, os estrangeiros sempre nos ensinaram algumas coisas. Os brasileiros são muito descontraídos e adaptam novas palavras muito serenamente Também não têm o peso dos 800 anos da língua! No fundo, o português é uma língua viva e, como diz o poeta Vasco Graça Moura, num verso belíssimo, «não és melhor que as outras, mas és nossa». De facto, a nossa língua é o espelho daquilo que nós somos como povo. A nossa língua é feita de muitas influências? É verdade. Não podemos esquecer que nós somos um povo que resulta de uma grande mistura de sangues. Somos ao mesmo tempo celtas, iberos, romanos, bárbaros, árabes Mas também os franceses, os ingleses e os espanhóis trouxeram palavras à nossa língua. Hoje somos o resultado desta história contraditória, rica e muito interessante. Por outro lado, todos devemos ter a consciência de que um povo que valoriza a sua língua, a sua história e a sua cultura é um povo que vai sobreviver, contra tudo e contra todos. Se esse povo souber o que é e de onde vem, vai sobreviver. Esse é o caminho que temos que fazer como povo: sabermos valorizar a nossa cultura, a língua, a nossa identidade. Os escritores e os poetas são os que elevam, ao mais alto ponto, a força da nossa língua Se lerem Fernando Pessoa ou Camões irão perceber isso, a nossa língua é tão bela nas mãos desses poetas que ficamos sensibilizados, mas também orgulhosos por termos escritores de tal dimensão universal. Mudando agora um pouco o assunto. Pode falar-nos do valor da poesia? O que é para si um poema de qualidade? Hoje as regras da poesia já não são as mesmas do passado, pois não? Os poemas que importam resultam sempre da relação rigorosa entre forma e conteúdo. Para dizermos a coisa certa temos de a dizer da forma certa. A questão é sempre a mesma para os poetas: eles querem dizer o que há a dizer do modo certo. E o modo certo, hoje, não tem regras definidas, como, por exemplo, no século XVI. O que eu quero dizer é que o poeta procura usar as palavras necessárias, não pode haver mais uma palavra ou menos uma palavra. O poema é como um relógio. Para um relógio funcionar, as peças têm de estar todas no seu lugar para nos dizer as horas, os minutos e os segundos. Com um poema é a mesma coisa: tem de estar exatamente construído com as palavras da maneira certa, nem mais nem menos uma palavra. E está acabado nesse momento certo. É assim que as coisas funcionam, por exemplo, com Camões, que é absolutamente genial no que diz e no modo como o diz. Considera a leitura fundamental? Sem dúvida. Mas ler não é fácil. Implica esforço, ação É uma pena se não experimentarem, há coisas que vale a pena experimentar e ler é uma delas. Ler os grandes autores. Vale a pena descobrir

8 8 Jornal Interescolar MAI 2015 Ana Margarida Branco, Inês Duarte, João Meneses, Rita Marques, Sara Dias, 12.º ano, fotomontagem de José Sebastião, professor de teatro, Escola Secundária José Afonso Conversas cruzadas no tempo Numa tarde luminosa, Bocage desfrutava da brisa suave que pairava sobre a esplanada do café Nicola. Enquanto degustava o seu absinto, aparece Camões com o manuscrito de «Os Lusíadas» debaixo do braço. Bocage Ó Camões, levaste «uma pedrada num olho?» Camões Cala-te lá! Não só perdi o olho numa batalha como estive preso porque fui apanhado numa briga. Bocage «Camões, grande Camões, quão semelhante/ acho teu fado ao meu»! Também eu estive preso tanto tempo que me perguntava «Liberdade, onde estás? Quem te demora?» Camões Olha, olha! Quem vem lá! É o nosso amigo Gil! Gil Vicente Venho agora do teatro. Sabem o que lá encontrei: «três armários de mentir / e cinco cofres de enleios / e alguns furtos alheios / guarda-roupa de encobrir». Bocage De encobrir o quê? Gil Vicente Os fidalgos, os frades e outros que fingem ter uma vida honrada mas que têm uma vida dupla. «Muito bem me confessei / mas tudo quanto roubei / encobri ao confessor» Isto não vos lembra nenhum acontecimento do século XXI? Esse Espírito também era Santo Mas por falar em padres, olha quem vai aí a passar o Padre António Vieira. «Para onde caminhais? Oh! Que boa hora venhais!» Padre António Vieira Vou para a Igreja de S. Roque fazer um sermão e venho de muito longe, do Brasil. Camões E quem é o teu público? Bocage Aposto que ninguém te liga nenhuma: andas a lutar pelos direitos dos índios, criticas os teus colegas padres Não tomes cuidado com a Inquisição, não! Talvez os peixinhos te ouçam Padre António Vieira «Ao menos têm os peixes duas qualidades de ouvintes: ouvem e não falam» ao contrário de ti que só dizes disparates. Camões Mas quem é o público dos teus sermões? Padre António Vieira Infelizmente só peixe graúdo que come o mais pequeno: «Se os pequenos comeram os grandes, bastara um grande para muitos pequenos; mas como os grandes comem os pequenos, não bastam cem pequenos, nem mil, para um só grande». Gil Vicente Vá lá que és diferente dos frades das minhas peças. Mas parece que vem aí mais gente Do Chiado aparece Eça de Queirós em conversa com o Zeca Afonso que vem da Valentim de Carvalho. Ainda ouvem o resto da conversa. Zeca Afonso O padre tem razão: «eles comem tudo, eles comem tudo e não deixam nada». Eça de Queirós Mas estão a falar de quê? Será da política? «Há muitos anos que a política em Portugal apresenta este singular estado: doze ou quinze homens, sempre os mesmos, alternadamente, possuem o poder, perdem o poder, reconquistam o poder, trocam o poder O poder não sai de certos grupos Ora tudo isto nos faz pensar que quanto mais um homem mostra a sua incompetência, tanto mais apto se torna para governar o seu país». Zeca Afonso «Das eleições acabadas / Do resultado previsto / Saiu o que tendes visto» Eça de Queirós «A política é uma arma ; ali luta- -se pela avidez do ganho ou pelo gozo da vaidade ; dentro há corrupção, o patrono, o privilégio.» Zeca Afonso «Se alguém se engana com seu ar sisudo / e lhes franqueia as portas à chegada / eles comem tudo / e não deixam nada». «O que faz falta é avisar a malta / O que faz falta é dar poder à malta». E também nos falta aqui o António Aleixo para lhes dar uma lição: Vós que lá do vosso império / prometeis um mundo novo, / calai-vos, que pode o povo / querer um mundo novo a sério.

9 Jornal Interescolar MAI Caetano Filipe Dios, Lara Daniela Gândara, Maria Inês Camões Costa, Maria Pardal Brandão, 8.º ano, ilustrações de José Sebastião, professor de teatro, Escola Secundária José Afonso Trovadores de ontem e de hoje Já na Idade Média, os jograis e trovadores usavam a poesia para criticar, e assim chegaram até aos nossos dias ecos da sociedade daquela época, dos seus divertimentos, dos problemas, dos conflitos. A língua afiada dos jograis mostrava a realidade da vida, de terra em terra, nas festas e romarias, nos palácios cantando as suas cantigas de escárnio e maldizer. Desta forma ficamos a conhecer alguns acontecimentos escandalosos daquela época, as rivalidades entre os próprios jograis, a traição política, os cavaleiros pobres que pretendiam fazer-se passar por abastados («Perguntem-me um rico homem / muito rico que mal come / porque o faz»), os que exploravam os povos dos concelhos. Algumas destas cantigas tinham também como alvo as damas que se queixavam porque ninguém as cortejava («Ai! Dona feia, foste- -vos queixar / porque nunca vos louvo em meu cantar») as mulheres de má fama e também os físicos (médicos da época), os maus juízes, os bruxos e até os frades que não cumpriam os seus votos religiosos («Nos mosteiros dos frades a [verdade] procurei / e disseram-me assim / Não busqueis a verdade aqui / porque muitos anos temos passado / e já não mora connosco»). Também nos nossos dias há quem observe a sociedade e a critique usando a música e a poesia. Deolinda Para ser escravo é preciso estudar Os Deolinda usam igualmente as suas canções para mostrar os problemas atuais, como o facto de hoje em dia haver muitas pessoas com cursos e que se encontram desempregadas («Que mundo tão parvo, / Onde para ser escravo / É preciso estudar»). Criticam ainda a falta de iniciativa de alguns («Tenho vontade de seguir uma outra via / Mas eu desisto / Tenho vontade de mudar a minha vida / Mas não arrisco») e também o receio do poder, não só o do Governo como também o dos patrões (Tenho vontade de dizer aquilo que penso / Mas tenho medo / Tenho vontade de exigir o que eu mereço / Mas nem me atrevo»). Estes são alguns exemplos de trovadores que, seguindo os passos dos seus colegas da Idade Média, continuam, no século XXI, a olhar a sociedade e a denunciar, muitas vezes com ironia, os problemas que a afetam. D8 Quem estuda no presente não assegura o futuro Também um jovem cantor, D8, fala-nos de situações semelhantes com as quais todos nós, ou pelo menos uma grande maioria, se pode identificar, tais como a crise, o desemprego e a emigração. Na canção Povo lusitano lembra que a situação do país veio a piorar ao longo dos últimos anos: «Mas de há uns anos para cá notei a diferença, / seguem para outros países para pôr comida na mesa». Aborda ainda o desemprego em Portugal «Mas quem estuda no presente não assegura o futuro». Boss AC Qualquer dia a bolha rebenta Outro exemplo de crítica social é o que faz Boss AC que produziu uma música chamada: Emprego Bom, na qual critica o estado de Portugal. E refere também a falta de dinheiro «Onde vou arranjar dinheiro para uma renda? / Não tenho condições nem para alugar uma tenda»; o governo «Eles enterram o país o povo aguenta / Mas qualquer dia a bolha rebenta»; o desemprego «Tantos anos a estudar para acabar desempregado / Ou num emprego da treta, mal pago.» Chullage Já não dá É o caso de Chullage com as suas músicas que refletem a revolta e o descontentamento do povo português. Nas canções Já não dá e Eles comem tudo, são retratados a falta de dinheiro e de emprego, os problemas na educação e saúde, os despedimentos e a emigração. Chullage lembra que «é a dívida do automóvel / a sala está vazia, já desisti do sofá e do móvel / um filho p ra alimentar / e outro na barriga já se mexe / o seguro do carro está a chegar / e este mês nem paguei a creche». De certeza que conhecemos, pelo menos uma família, a passar por uma situação destas. E o que leva a isto? A falta de emprego «agarrado a jornais / a meter currículos em sites / só p ra voltar a ouvir / que a vaga já foi preenchida». Fala também na necessidade de emigrar «já pondero emigrar/pra França ou Angola» (...) quem estava em Espanha voltou / acabou o el dorado / e arranjar um visto pra Angola / tá a ficar complicado». Com filhos, tudo se duplica. Os pais entram em desespero por não poderem satisfazer as suas necessidades básicas e podem ser levados a soluções extremas: «entrar num banco e apontar uma pistola». A educação também faz parte desta canção: «endividei-me pra pagar / propinas e um certificado / ter uma licenciatura / pra ficar desempregado».

10 Jornal Interescolar 10 MAI 2015 Prof. Jorge Duarte, Diana Pinheiro, Mafalda Pinheiro, Sara Anselmo, Fátima Soares, escritora Margarida Fonseca Santos, prof. Júlia Freire, prof. Ana Faria, Beatriz Rodrigues e Andreia Henriques da Escola Secundária Manuel Cargaleiro Entrevista à escritora Margarida Fonseca Santos Oito séculos a brincar com as palavras Somos um grupo de jovens estudantes que fazem parte do Clube de Jornalismo da nossa escola. Vamos, pelo segundo ano consecutivo, participar num jornal interescolar, promovido pela Câmara Municipal do Seixal, que procura, com esta iniciativa, juntar-se às comemorações dos Oito Séculos da Língua Portuguesa. Achámos que entrevistar uma escritora, alguém que trabalha com palavras, seria adequado e interessante e lembrámo-nos da Margarida Fonseca Santos que esteve recentemente na nossa escola a orientar um ateliê de escrita criativa com professores. Claro que num meio tão pequeno tudo se sabe e, rapidamente, as ideias desenvolvidas no ateliê chegaram aos alunos assim como o nome da sua mentora Uma vez que o nosso tema é «Oito Séculos da Língua Portuguesa», não será de estranhar que as nossas perguntas se centrem na sua visão relativamente à língua que é, no fundo, o seu instrumento de trabalho. E aqui vai a nossa primeira pergunta: Uma língua tão «velha» tem, com certeza, muitas palavras que caíram em desuso, assim como palavras «acabadinhas» de criar. Nos seus ateliês de escrita criativa, alguma vez se lembrou de lançar um desafio que incorporasse palavras desses dois grupos? Seria interessante fazê-lo? Esse assunto é muito importante. Se, por um lado, podemos utilizar palavras acabadas de criar, também se torna importante, por outro lado, que não sejam muitas a cair em desuso. O engraçado, nos exercícios de escrita criativa, é que por vezes só se encontram soluções nas palavras mais antigas o obstáculo leva-nos muitas vezes a revisitá-las para conseguir chegar ao fim E depois não as esquecemos. Os jovens, com a sua imaginação inesgotável e a sua irreverência são frequentemente responsáveis pela introdução de novos vocábulos na Língua Portuguesa, como «bué» e «fixe», que «arrepiam» os mais velhos. Como encara este tipo de vocabulário? Faz parte do processo de renovação da língua ou deve ser reprimido para não «estragar» a língua? Não vale muito a pena lutar contra esses modismos. Se pensarmos bem, acabam por passar de moda e são substituídos por outros. Os que sobrevivem mais tempo, acabam integrados na língua, como por exemplo «estar chateado», que em pequena não me deixavam dizer Faz parte do crescimento da língua. Uma vez que contacta com um público mais jovem e escreve com frequência para jovens e crianças, incorpora nos seus textos, nos seus livros, vocabulário mais típico destas faixas etárias? Ou evita fazê-lo por considerar que não devem fazer parte de um registo escrito? Evito sempre integrar os tais modismos, porque podem desaparecer e, daqui a dez anos, o livro ainda pode estar vivo, mas já ninguém entende essas palavras. Só nos diálogos escrevo, de vez em quando, frases com essas características, e só se é mesmo importante esse detalhe para a cena retratada. E já que estamos a falar de escrita não podíamos deixar de lhe perguntar o que pensa do novo Acordo Ortográfico (AO). Adota-o nas suas escritas (como nós!) ou continua a escrever à «antiga»? Para crianças e jovens, não tenho outro remédio, tem de ser com o novo AO, estou a responder-vos assim. Para adultos, mantenho-me no antigo. Há certas mudanças que, para mim, são destruidoras, como desaparecerem as consoantes que abrem as vogais e que nos levam à raiz da palavra. Como está tudo a ser repensado, prefiro esperar para entender o resultado final. O português é uma língua difícil? Parece ser, por vezes, tão maltratada por quem a fala Será uma questão de dificuldade, desrespeito, falta de conhecimento? Pergunta difícil Parece-me que há graves lacunas no respeito pelas

11 Jornal Interescolar MAI Ficha técnica Escola Secundária João de Barros Professores: António Vaz e Lucília Achando (professora bibliotecária) Alunos: Gonçalo Mota, Maria Rocha, Liliana Santos, Débora Barbosa, Inês Conceição Escola Secundária Manuel Cargaleiro Professores: Ana Faria, Luísa Pereira, Jorge Duarte, Júlia Freire. Alunos: Ana Bárbara, Ana Carolina Martins, Andreia Henriques, Beatriz Rodrigues, Diana Pinheiro, Diogo Fonseca, Eduardo Pires, Fátima Soares, Mafalda Pinheiro, Maria Paupescu, Raquel Rei, Sala Anselmo, Tiago Velez Escola Secundária de Amora Professores: Maria dos Anjos Ferrão, Margarida Correia. Alunos: Marisa Santos, César Serrão, Cláudia Carina, Miriam Brito, Bárbara Rodrigues, Bruno Mourato, Gisela Monteiro, Jéssico Freitas, Raquel Nobre, Gabriel Algarve. Escola Secundária Alfredo dos Reis Silveira Professores: Ana Paula Gonçalves. Alunos: Alexandre Ferreira, Diogo Abrunhosa, Diogo Carvalho, Gonçalo Pereira, Helena Pericão, Mariana Godinho, André Piteira, Joana Carreiro, Miguel Van der Garde, António Faria, Sofia Ferreira, Eva, Inês Figueiras, Lucas, Maira, Raquel Fonseca, Micaela Sofia, Inês Ribeiro, Joana Caetano, Sara Albino, Carolina Lourenço. regras logo nos primeiros anos da escola. Acredito que, com a violência dos programas, a burocracia na escola, o desrespeito pelo professor, não há tempo para falar e escrever corretamente. Já nem falo dos erros, tanto gramaticais como de pontuação e sintaxe. É a pobreza do que se diz e escreve que me preocupa. Estamos sempre com pressa. Para si, o erro desvirtua a língua ou pode ser encarado como uma força que conduz à renovação, à evolução? Ou não é nenhuma destas duas coisas? O erro tem sempre de ser visto no contexto. Estamos a copiar um texto ou a fazer um ditado? Não se pode deixar passar, nunca. E cada vez se copia e dita menos Estamos a fazer um exercício de criatividade? Então os erros ortográficos não podem pesar, pois é a forma de levar os alunos, ao corrigir a escrita, a alargar o seu vocabulário. Dou uns exemplos: o «Extrovante», em vez de «Os Trovante» (grupo musical); «não vá o dia apetecê-las», em vez de «não vá o diabo tecê-las». Tem de haver espaço para arriscar escrever aquilo que não se sabe bem, pois só assim se evolui. Qual a relação entre a música e a escrita? Começou pela música, não é verdade? Mas dedica-se agora à escrita Serão duas faces da mesma moeda? Duas linguagens? Talvez sejam, sim. São sobretudo duas formas de sentir e expressar emoções e sentimentos. A escrita só entrou muito tarde na minha vida, quando inventava histórias para os meus filhos (e vivia uma das épocas mais difíceis por que passei). Foi um caminho que me restruturou. Sinto-me muito mais à vontade na escrita, ou então nas canções, porque escrevo música e letra. Alguma vez se lembrou de utilizar a música, nos seus ateliês, para estimular a criatividade da escrita? Será que a música pode ter influência no fluir das palavras? Claro que sim! Tem uma gigantesca influência porque, como disse atrás, mexe com as nossas emoções. É muito interessante fazer essa ponte, e os resultados são surpreendentes. É mais difícil escrever para crianças, para jovens ou para adultos? Para crianças, sem dúvida. É uma responsabilidade, pois a criança ainda não sabe defender-se ao ler; um perigo terrível, porque o moralismo anda sempre de roda; e tem de ser emocionalmente forte (divertido, ou intenso, ou provocador, etc.). Levamos menos tempo a escrever porque são histórias mais curtas, mas se contabilizássemos o equilíbrio página/tempo iríamos encontrar uma escrita muito mais lenta. Qual a responsabilidade de um escritor na divulgação e aprendizagem da língua junto das crianças? É uma responsabilidade clara e gigantesca. No fundo, somos responsáveis por fazer dos leitores melhores utilizadores da língua, lida e escrita. Por isso, quem aprende comigo, já sabe que nunca deixo passar uma vírgula entre o sujeito e o predicado, um «á», nem perdoo os advérbios de modo em excesso, por exemplo Tem de se escrever de forma correta, interessante e rica. Como não gostamos de números redondos, não vamos terminar a entrevista na pergunta 10 Aqui vai a nossa décima primeira e última questão. Qual a importância que uma língua tem na identidade de um povo? Há povos que falam mais de uma língua, mas ainda assim mantêm um sentimento de unidade. A Língua Portuguesa, por seu lado, é falada em diversos países, nos pontos mais variados do globo é pertença de vários povos Se pensarmos bem, mesmo sendo sempre a Língua Portuguesa a ser falada em tantos países, ela tem nuances diferentes em cada país. Por isso se torna tão própria de cada povo falante. Uma língua viva é isso mesmo, adapta- -se e cresce. Contudo, em cada país, traz unidade à sociedade que a fala, é a base comum para todas as interações. Agradecemos a sua amabilidade e disponibilidade para responder às nossas perguntas, assim como a sua contribuição diária para manter viva e saudável a língua que partilhamos. Escola Básica Dr. António Augusto Louro Professores: Anabela Pires Carreira, José Plácido. Alunos: Bruna Silva, Ângela Sousa, Alexandre Afonso, Gustavo Regala, Bruna Rossa, Andreia Santos, Rita Jacinto, Alexandra Figueira, António Santos, Maria Sebastião, Marie Martins Escola Secundária Dr. José Afonso Professores: Dora Pinheiro, Dulce Oliveira, Antónia Fradinho, José Sebastião, Carla Batista, Alice Santos. Alunos: Caetano Dios, Lara Gândara, Inês Costa, Maria Brandão, Sara Dias, João Meneses, Inês Duarte, Ana Margarida Branco, Rita Marques. Edição e paginação: Câmara Municipal do Seixal Impressão: Grafedisport Impressão e Artes Gráficas, SA Rua Consiglieri Pedroso Casal de Santa Leopoldina Queluz de Baixo Barcarena Tel.: Fax: Tiragem: 8000 exemplares Distribuição gratuita

12 12 Jornal Interescolar l MAI 2015 Escola Básica Dr. António Augusto Louro Escola Secundária Alfredo dos Reis Silveira «( ) a nossa clara língua majestosa, aquele exprimir das ideias nas palavras inevitáveis, ( ) aquele assombro vocálico em os sons são cores ideais ( ) Minha pátria é a língua portug que uesa.» «Palavras que muito amei, Que talvez ame ainda. Elas são a casa, o sal da língua.» Autor: Fernando Pessoa/Bernardo Soares (Portugal) Autor: Eugénio de Andrade (Portugal) o Escola Secundária Manuel Cargaleir Escola Secundária Dr. José Afonso «Se há um bem precioso que, ainda por cima, não é de ninguém em particular, é obra de todos, é a Língua Portuguesa.» «As palavras proferidas pelo coração não têm língua que as articule, retém-nas um nó na garganta e só nos olhos é que se podem ler.» Autor: José Saramago (Portugal) Autor: José Saramago (Portugal) Escola Secundária Joã o Escola Secundária de Amora «Da minha Língua vê-se o mar. Da minha Língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou do deserto. Por isso a voz do mar foi a da nossa inquietação.» Autor: Vergílio Ferreira (Portugal) de Barros «Escrever é usar as palavras com sensualidade» «Gosto de dizer. Direi melhor: gosto de palavrear. As palavras são para mim corpos tocáveis, sereias visíveis, sensualidades incorporadas ( )» Autor: Fernando Pessoa/Bernardo Soares (Portugal)

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

José da Fonte Santa. Magia Alentejana. Poesia e desenhos. Pesquisa e recolha de Isabel Fonte Santa. Edições Colibri

José da Fonte Santa. Magia Alentejana. Poesia e desenhos. Pesquisa e recolha de Isabel Fonte Santa. Edições Colibri José da Fonte Santa Magia Alentejana Poesia e desenhos Pesquisa e recolha de Isabel Fonte Santa Edições Colibri índice Nota Prévia 3 Prefácio 5 O Amor e a Natureza Desenho I 10 A rapariga mais triste do

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real Alencastro e Patrícia CD: Ao Sentir 1- Ao Sentir Jairinho Ao sentir o mundo ao meu redor Nada vi que pudesse ser real Percebi que todos buscam paz porém em vão Pois naquilo que procuram, não há solução,

Leia mais

CONVITE. Falecido em 2012, Manuel António Pina deixou uma obra singular, no campo da poesia, da crónica, da literatura infanto-juvenil e do teatro.

CONVITE. Falecido em 2012, Manuel António Pina deixou uma obra singular, no campo da poesia, da crónica, da literatura infanto-juvenil e do teatro. Dando continuidade a projetos anteriores, o Museu Nacional da Imprensa está a preparar várias iniciativas para assinalar o 71.º aniversário do nascimento (18.nov.1943) do jornalista e escritor Manuel António

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN "Pr. Williams Costa Jr.- Pastor Bullón, por que uma pessoa precisa se batizar? Pr. Alejandro Bullón - O Evangelho de São Marcos 16:16 diz assim: "Quem crer e for batizado,

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Furor suave. O Ar. À beira mar Está um homem a pescar Peixe está a apanhar E sem nunca parar. (Pedro Ernesto, 10 anos)

Furor suave. O Ar. À beira mar Está um homem a pescar Peixe está a apanhar E sem nunca parar. (Pedro Ernesto, 10 anos) 6 Furor suave Vou fazer um poema com ar; mas não é com este ar. Qual ar? Este, aqui, este ar. Este qual? O que se respira? Sim, esse, não é com o que se respira, é com o ar de ar. Qual ar? Queres dizer

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BS) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BS) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BS) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

"Os Emigrantes" Texto escritos por alunos do 7º ano (Professora Rute Melo e Sousa)

Os Emigrantes Texto escritos por alunos do 7º ano (Professora Rute Melo e Sousa) "Os Emigrantes" Texto escritos por alunos do 7º ano (Professora Rute Melo e Sousa) Estava um dia lindo na rua. O sol brilhava como nunca brilhou, e, no cais, havia muitas pessoas As pessoas estavam tristes

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VOUZELA E CAMPIA ESCOLA BÁSICA DE CAMPIA MATEMÁTICA - 2013/2014 (3.º período) 2.º Ciclo - TABUADA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VOUZELA E CAMPIA ESCOLA BÁSICA DE CAMPIA MATEMÁTICA - 2013/2014 (3.º período) 2.º Ciclo - TABUADA 2.º Ciclo - TABUADA 1.ºs 6.º Ac 7 Fernando Miguel L. Fontes 100,0 6.º Ac 8 Francisca Vicente Silva 100,0 6.º Bc 2 Daniel Henriques Lourenço 99,6 3.ºs 5.º Bc 16 Simão Pedro Tojal Almeida 99,6 5.º Ac 10

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe

Leia mais

Vai ao encontro! de quem mais precisa!

Vai ao encontro! de quem mais precisa! Vai ao encontro! 2ª feira, 05 de outubro: Dos mais pobres Bom dia meus amigos Este mês vamos tentar perceber como podemos ajudar os outros. Vocês já ouviram falar das muitas pessoas que estão a fugir dos

Leia mais

AMIGOS DO PROJECTO. Ler é sonhar pela mão de outrem. Fernando Pessoa, Livro do Desassossego

AMIGOS DO PROJECTO. Ler é sonhar pela mão de outrem. Fernando Pessoa, Livro do Desassossego Ler é sonhar pela mão de outrem. Fernando Pessoa, Livro do Desassossego AMIGOS DO PROJECTO O projecto Ler Mais e Escrever Melhor nasceu a 17 de Julho de 2008. Encontra-se numa fase de vida a infância que

Leia mais

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai BOM DIA DIÁRIO Segunda-feira (04.05.2015) Maria, mãe de Jesus e nossa mãe Guia: 2.º Ciclo: Padre Luís Almeida 3.º Ciclo: Padre Aníbal Afonso Mi+ Si+ Uma entre todas foi a escolhida, Do#- Sol#+ Foste tu,

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR Marcha Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe me disse Que é

Leia mais

Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ]

Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ] ANA MAFALDA LEITE Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ] Um dizer poético pleno. Professora e poeta luso-moçambicana encantada por Florbela Espanca,

Leia mais

Escola Secundária de S. Pedro do Sul (AESPS)

Escola Secundária de S. Pedro do Sul (AESPS) Sala B5 KFS ALEXANDRE DE ALMEIDA SILVA ALEXANDRE HENRIQUE DA ROCHA OLIVEIRA ALEXANDRE MIGUEL DE ALMEIDA PEREIRA ALEXANDRE SILVA FIGUEIREDO ANA CATARINA GOMES MOREIRA ANA CATARINA MARQUES GOMES ANA MARGARIDA

Leia mais

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F.

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F. FRUTO PROIBIDO FRUTO PROIBIDO 1 Cego, surdo e mudo (porque não?) 2 Mundo inteiro 3 Acordo a tempo 4 Contradição 5 A água não mata a fome 6 Quem és é quanto basta 7 Nascer de novo (és capaz de me encontrar)

Leia mais

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840721 ADRIANA XAVIER DA SILVA FERNANDES 38 Pré-A1 PT1840722 ALEXANDRA FILIPA AZEVEDO SANTOS 52 A1 PT1840723

Leia mais

Entrevista de António Paiva menção qualidade poesia

Entrevista de António Paiva menção qualidade poesia Entrevista de António Paiva menção qualidade poesia A poesia é útil na sua vida ou o poeta sente-se serviçal da palavra? (Dionísio) Tal como já escrevi; Às palavras tudo darei, até a minha vida. Não diria

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa O PASTOR AMOROSO Alberto Caeiro Fernando Pessoa Este texto foi digitado por Eduardo Lopes de Oliveira e Silva, no Rio de Janeiro, em maio de 2006. Manteve-se a ortografia vigente em Portugal. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia 1 Antologia Raízes Da Poesia 2 Copyrighr 2013 Editra Perse Capa e Projeto gráfico Autor Registrado na Biblioteca Nacional ISBN International Standar Book Number 978-85-8196-234- 4 Literatura Poesias Publicado

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

HINOS DE DESPACHO. www.hinarios.org 01 O DAIME É O DAIME. O Daime é o Daime Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana

HINOS DE DESPACHO. www.hinarios.org 01 O DAIME É O DAIME. O Daime é o Daime Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana HINOS DE DESPACHO Tema 2012: Flora Brasileira Estrela D Alva www.hinarios.org 1 2 01 O DAIME É O DAIME O é o Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana O é o O professor dos professores

Leia mais

151713 - Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado 346652 - Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos

151713 - Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado 346652 - Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos 3452 - Escola E.B.2,3 do Cávado : A 137 1 Adriana Manuela Gomes Pinheiro 14 S S 20 2 Alexandra Pereira Ferreira 28 3 Ângelo Rafael Araújo Gomes S 28 4 Beatriz da Costa Oliveira S 2 5 Domingos Gonçalo Ferreira

Leia mais

Externato Arco-Íris. As salas de aula vestidas de flores. 1.º Ano. 2.º Ano. 3.º Ano. 4.º Ano

Externato Arco-Íris. As salas de aula vestidas de flores. 1.º Ano. 2.º Ano. 3.º Ano. 4.º Ano Externato Arco-Íris a/verão015 r e v a m i r p s n age m i e junho de 2 e io d a m o l, ã ri ç b a e l Co As salas de aula vestidas de flores 1.º Ano 2.º Ano 3.º Ano 4.º Ano Inspiração: obra O Livro da

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

II ENCONTRO INTER-ESCOLAS DE BRAGA DESPORTO ESCOLAR DE NATAÇÃO CLASSIFICAÇÕES

II ENCONTRO INTER-ESCOLAS DE BRAGA DESPORTO ESCOLAR DE NATAÇÃO CLASSIFICAÇÕES II ENCONTRO INTER-ESCOLAS DE BRAGA DESPORTO ESCOLAR DE NATAÇÃO CLASSIFICAÇÕES PROVA 25m Livres femininos Class Escola Nome Escalão Tempo Obs. EBS Vieira de Araújo Mariana Fonseca Infantis A 20:2 2 EBS

Leia mais

Erros Críticos. 11 Erros Que Você Está Provavelmente Cometendo Nos Seus Estudos...

Erros Críticos. 11 Erros Que Você Está Provavelmente Cometendo Nos Seus Estudos... Erros Críticos 11 Erros Que Você Está Provavelmente Cometendo Nos Seus Estudos......E Como Você Pode Evitá-Los, Para Aprender Qualquer Idioma Em Meses E Não Em Anos. Olá, meu nome é Frank Florida, gringo

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

161342 - Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 340613 - Escola Básica nº 2 de Condeixa-a-Nova Relação de Alunos

161342 - Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 340613 - Escola Básica nº 2 de Condeixa-a-Nova Relação de Alunos : A 12 1 Adriana Beatriz Pinto Pereira Cortez S 13078 2 Ana Francisca Conceição Costa S 136 3 Ana Francisca Rodrigues Preces 1307 4 António José da Silva Loreto S 13084 Beatriz Moura Neves Beja Facas S

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO.

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ALUNO: Victor Maykon Oliveira Silva TURMA: 6º ANO A ÁGUA A água é muito importante para nossa vida. Não devemos desperdiçar. Se você soubesse como ela é boa! Mata a sede de

Leia mais

LISTA DE CANDIDATOS ADMITIDOS E NÃO ADMITIDOS. Concurso Oferta de Escola para Contratação de Docente Grupo 110. Ano Letivo - 2014/2015

LISTA DE CANDIDATOS ADMITIDOS E NÃO ADMITIDOS. Concurso Oferta de Escola para Contratação de Docente Grupo 110. Ano Letivo - 2014/2015 LISTA DE CANDIDATOS ADMITIDOS E NÃO ADMITIDOS Concurso Oferta de Escola para Contratação de Docente Grupo 110 Ano Letivo - 2014/2015 CANDIDATOS ADMITIDOS: Nº Candidato NOME OSERVAÇÕES 1367130034 Alexandra

Leia mais

ANDERSON CAVALCANTE. Meu pai, meu herói

ANDERSON CAVALCANTE. Meu pai, meu herói ANDERSON CAVALCANTE Meu pai, meu herói Dedicatória Ao meu pai, Eraldo, meu herói e minha referência de vida. 5 Agradecimentos A Deus, por sempre me ajudar a cumprir minha missão. A todos os pais que são

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

1. Frei Luís de Sousa Almeida Garrett

1. Frei Luís de Sousa Almeida Garrett 1. Frei Luís de Sousa Almeida Garrett De entre as alternativas a seguir apresentadas, escolhe a que te parecer mais correcta, assinalando com um círculo. 1.1. O autor da obra Frei Luís de Sousa é A. Camões.

Leia mais

Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira

Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira Fortunato Lamego, 10 de Junho de 2015 Senhor Presidente

Leia mais

Agora não posso atender. Estou no. Vou comprar o último livro do José Luís Peixoto. Posso usar a tua gravata azul? A Ana Maria vai ser nossa

Agora não posso atender. Estou no. Vou comprar o último livro do José Luís Peixoto. Posso usar a tua gravata azul? A Ana Maria vai ser nossa MODELO 1 Compreensão da Leitura e Expressão Escrita Parte 1 Questões 1 20 O Luís enviou cinco mensagens através do telemóvel. Leia as frases 1 a 5. A cada frase corresponde uma mensagem enviada pelo Luís.

Leia mais

ADORAÇÃO OU INTERPRETAÇÃO?

ADORAÇÃO OU INTERPRETAÇÃO? ADORAÇÃO OU INTERPRETAÇÃO? Ouvi a palavra do SENHOR, vós, filhos de Israel, porque o SENHOR tem uma contenda com os habitantes da terra, porque nela não há verdade, nem amor, nem conhecimento de Deus.

Leia mais

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino Corrida da Saúde Classificação geral do corta-mato, realizado no dia 23 de Dezembro de 2007, na Escola E.B. 2,3 de Valbom. Contou com a participação dos alunos do 4º ano e do 2º e 3º ciclos do Agrupamento

Leia mais

GOA BOARD OF SECONDARY AND HIGHER SECONDARY EDUCATION STD XII PORTUGUESE- S.L. II. MODEL PAPER MARCH 2016 onwards O PÃO DOS OUTROS

GOA BOARD OF SECONDARY AND HIGHER SECONDARY EDUCATION STD XII PORTUGUESE- S.L. II. MODEL PAPER MARCH 2016 onwards O PÃO DOS OUTROS GOA BOARD OF SECONDARY AND HIGHER SECONDARY EDUCATION STD XII PORTUGUESE- S.L. II MODEL PAPER MARCH 2016 onwards TIME: 2 HRS 30 MINS MAX. MARKS: 80 Texto 1 Leia o texto com atenção: O PÃO DOS OUTROS A

Leia mais

Consagração do Aposento. Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO

Consagração do Aposento. Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO Oração Pai Nosso Ave Maria Chave Harmonia Hinos da ORAÇÃO Consagração do Aposento Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO Pai Nosso - Ave Maria Prece

Leia mais

Passa Passarinho. Passarinho! Não passe voando... Abraça-me! Em cores Sua graça Que a vida passa Como rumores De breves asas.

Passa Passarinho. Passarinho! Não passe voando... Abraça-me! Em cores Sua graça Que a vida passa Como rumores De breves asas. Passa Passarinho Passarinho! Não passe voando... Abraça-me! Em cores Sua graça Que a vida passa Como rumores De breves asas Rumores de asas Não passa Passarinho Pelo meu mundo sozinho Deixa tuas asas Formarem

Leia mais

O INVERNO. O que acontecerá aos cubos de gelo quando colocados em água fria e em água quente?

O INVERNO. O que acontecerá aos cubos de gelo quando colocados em água fria e em água quente? 3 Anos SALA VERDE O INVERNO A chuva Com a chegada do inverno tivemos de nos preparar para a chuva, por isso construímos um chapéu muito colorido, cheio de círculos (carimbagem com rolhas ) e assim estivemos

Leia mais

Bela Vista. CORTA MATO ESCOLAR - 18.Fev.2014. Liceu Frances Charles Lepierre (34) - 1º ESCALÃO

Bela Vista. CORTA MATO ESCOLAR - 18.Fev.2014. Liceu Frances Charles Lepierre (34) - 1º ESCALÃO - 18.Fev.2014 Liceu Frances Charles Lepierre (34) - 1º 2319 JUSTINE NKANSA 2 INFAF 1340 Margarida Sousa 4 INFAF 1344 Ines Guerreiro 11 INFAF 1343 Emma Galvao 17 INFAF Colégio Salesiano - Oficinas S. José

Leia mais

TALVEZ TE ENCONTRE AO ENCONTRAR-TE

TALVEZ TE ENCONTRE AO ENCONTRAR-TE TALVEZ TE ENCONTRE Vivaldo Terres Itajaí /SC Talvez algum dia eu te encontre querida Para renovarmos momentos felizes, Já que o nosso passado foi um passado lindo, Tão lindo que não posso esquecer Anseio

Leia mais

Músicas Para Casamento

Músicas Para Casamento Músicas Para Casamento 01. Você e Eu - Eliana Ribeiro 7M 7M C#m7 F#7/5+ F#7 Bm7 Quero estar com você, / Lembrar de cada momento bom; C#m7 m7 C#m7 #m7 Em7 7/9 Reviver a nossa história, nosso amor. 7M #m7/5-

Leia mais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Letras Álbum Amanhecer João da Ilha (2011) «Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Já sei que és buliçoso Trazes

Leia mais

161718 - Agrupamento Escolas Castro Daire 343717 - Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos de Castro Daire. Relação de Alunos

161718 - Agrupamento Escolas Castro Daire 343717 - Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos de Castro Daire. Relação de Alunos 343717 - Escola Básica dos 2.º e 3.º s de Castro Daire Turma : A 1498 1 Ana Catarina Costa Esteves 14920 2 Ana Francisca da Silva Fernandes 16292 3 Beatriz Monteiro Andrade 14409 4 Camila Almeida Oliveira

Leia mais

Leitor 2 Este é o dia que o Senhor fez para nós! SL 118

Leitor 2 Este é o dia que o Senhor fez para nós! SL 118 Acolhida Jubilar Recepção de todas as famílias. Acolher com cantos de boas-vindas. Abertura Jubilar Material a ser usado: Coreografia com as cores do Centenário: vermelho, laranja e verde estas cores simbolizam

Leia mais

RECADO AOS PROFESSORES

RECADO AOS PROFESSORES RECADO AOS PROFESSORES Caro professor, As aulas deste caderno não têm ano definido. Cabe a você decidir qual ano pode assimilar cada aula. Elas são fáceis, simples e às vezes os assuntos podem ser banais

Leia mais

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A O LIVRO SOLIDÁRIO Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A 1 Era uma vez um rapaz que se chamava Mau-Duar, que vivia com os pais numa aldeia isolada no Distrito de Viqueque, que fica

Leia mais

Gratuidade com os outros

Gratuidade com os outros 2ª feira, dia 21 de setembro de 2015 Gratuidade com os outros Bom dia! Com certeza, todos nós já experimentamos como é bom brincar com amigos, como nos faz felizes trocar jogos e brinquedos, como sabe

Leia mais

magazine A inaugurar a época de bom tempo e de boas sardinhas

magazine A inaugurar a época de bom tempo e de boas sardinhas magazine DESTAQUES Junho 2012 Santos populares Amera 3.0 Planos ambiciosos de animação edição 34 90 exemplares www.amera.com.pt 21 444 75 30 SANTOS POPULARES A inaugurar a época de bom tempo e de boas

Leia mais

Cântico de entrada: Cristo Jesus, tu me chamaste. Introdução

Cântico de entrada: Cristo Jesus, tu me chamaste. Introdução Festa do Perdão Cântico de entrada: Cristo Jesus, tu me chamaste Cristo Jesus, tu me chamaste Eu te respondo: estou aqui! Tu me chamaste pelo meu nome Eu te respondo: estou aqui! Quero subir à montanha,

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

claudia houdelier - maternidade maternidade

claudia houdelier - maternidade maternidade claudia houdelier - maternidade maternidade dedicatória para alexandre, meu único filho. de fora para dentro Tudo começa no ventre materno com certeza, a nossa história começa aqui. Uma história de uma

Leia mais

Em primeiro lugar, deverá encaixar a frase 2 dentro da frase 1, tal como nos exemplos seguintes:

Em primeiro lugar, deverá encaixar a frase 2 dentro da frase 1, tal como nos exemplos seguintes: CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO Neste exercício deverá transformar conjuntos de duas frases numa frase apenas. Em primeiro lugar, deverá encaixar a frase 2 dentro da frase 1, tal como nos exemplos seguintes: 1)

Leia mais

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016 13948 5 A 2.º Ciclo do Ensino Básico Ana Gabriela Pedro Fernandes Escola Básica n.º 2 de São Pedro do Sul 13933 5 A 2.º Ciclo do Ensino Básico Ana Júlia Capela Pinto Escola Básica n.º 2 de São Pedro do

Leia mais

Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Resultados da 2ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2011

Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Resultados da 2ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2011 14320023 ALEXANDRE VAZ MARQUES VASCONCELOS Colocado em 1105 Universidade do Porto - Faculdade de Engenharia 9897 Ciências de Engenharia - Engenharia de Minas e Geoambiente 13840715 ANA CLÁUDIA DIAS MARTINS

Leia mais

LISTA DE ORDENAÇÃO ENSINO INGLÊS ANO LETIVO 2012-2013

LISTA DE ORDENAÇÃO ENSINO INGLÊS ANO LETIVO 2012-2013 LISTA DE ORDENAÇÃO ENSINO INGLÊS ANO LETIVO 2012-2013 OFERTA 2737 433133 2737 435006 2737 433645 2737 431145 2737 411431 2737 447993 2737 432457 2737 412330 2737 415973 2737 427952 2737 417413 2737 417268

Leia mais

Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina

Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina Psicografias Outubro de 2014 Sumário Cavaleiro da Chama-Vermelha.... 2 Dr. Emanuel.... 2 João Augusto... 3 Mago Horax... 3 Caravana de Koré....

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

ALCATEIA ACAGRUP 2014 - SIERRA NORTE - MADRID - ESPANHA PARTICIPANTES: 26 60% INCIDÊNCIA NO GRUPO 20%

ALCATEIA ACAGRUP 2014 - SIERRA NORTE - MADRID - ESPANHA PARTICIPANTES: 26 60% INCIDÊNCIA NO GRUPO 20% ALCATEIA Sec NIN NOME NIN NOME Lob 1215050143005 Alice Neto Santos Nascimento 1215050143015 Afonso da Fonseca Machado Lob 1215050143010 Amélia Maria Mesquita Aleixo Alves 1115050143010 Afonso Jesus Dias

Leia mais

Lista de Resultados da 6ª Fase de Seleção - Curso de Tripulante de Ambulância de Socorro - TAE-INEM 01/2015 NOTA 1ª F NOTA 2ª F

Lista de Resultados da 6ª Fase de Seleção - Curso de Tripulante de Ambulância de Socorro - TAE-INEM 01/2015 NOTA 1ª F NOTA 2ª F Lista de Resultados da ase de Seleção - Curso de Tripulante de Ambulância de Socorro - TAE-INEM 01/2015 106 2165 02291253122165975318 Abílio Fernando Bragança Milheiro 15,250 14,050 18,400 12,000 12,900

Leia mais

Iflfl flfl 5 95 12 39

Iflfl flfl 5 95 12 39 Ano Escolar 0 1 PORTUGAL 0 Ano de Escolaridade Turma D Estabelecimento de Ensino 0 Escola Básica de Vale de Milhaços 05 0 0 1 1 5 110 0 pg irncpp 51 105 0 1 01 001 0 1 01 05 001 11 1 055 ALINE VALENCE

Leia mais

PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR

PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR PROJETO DE ARTICULAÇÃO HORIZONTAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ABEL SALAZAR ANO LETIVO 2012/2013 Era uma vez um peixinho azul muito pequenino, que nadava no fundo

Leia mais

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS Técnico de Multimédia 10 H 7536 Alberto Filipe Cardoso Pinto 7566 Ana Isabel Lomar Antunes 7567 Andreia Carine Ferreira Quintela 7537 Bruno Manuel Martins Castro 7538 Bruno Miguel Ferreira Bogas 5859 Bruno

Leia mais

SE SOUBERMOS PERDOAR Ó CARA IRMÃ CLARA, SE SOUBERMOS PERDOAR

SE SOUBERMOS PERDOAR Ó CARA IRMÃ CLARA, SE SOUBERMOS PERDOAR CANTO 1 - LOUVOR DA CRIAÇÃO D Bm G Em A7 D Bm G Em A7 Aleluia! Aleluia! Aleluia! Aleluia! D F#m G Em A7 1. Javé o nosso Deus é poderoso, seu nome é grande em todas as nações D F#m G Em A7 Na boca das crianças

Leia mais

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Paróquia de Calheiros, 1 e 2 de Março de 2008 Orientadas por: Luís Baeta CÂNTICOS E ORAÇÕES CÂNTICOS CRISTO VIVE EM MIM Cristo vive em mim, que

Leia mais

1915-2015 SUBSÍDIOS E HORA SANTA. Por ocasião dos 100 anos do MEJ MEJ BRASIL. 1º ROTEIRO PAZ Dom e compromisso para viver melhor!

1915-2015 SUBSÍDIOS E HORA SANTA. Por ocasião dos 100 anos do MEJ MEJ BRASIL. 1º ROTEIRO PAZ Dom e compromisso para viver melhor! 1º ROTEIRO PAZ Dom e compromisso para viver melhor! 2º ROTEIRO EUCARISTIA Mistério Pascal celebrado na comunidade de fé! 3º ENCONTRO EVANGELHO Amor para anunciar e transformar o mundo! 1915-2015 SUBSÍDIOS

Leia mais

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 UNIDADE DIDÁTICA: TEMA A: DOS PRIMEIROS POVOS À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL.

Leia mais

Dia da bandeira Tá na cara que é orgulho

Dia da bandeira Tá na cara que é orgulho Dia da bandeira Tá na cara que é orgulho 19 de novembro Hino à Bandeira Música de Francisco Braga Letra de Olavo Bilac Apresentado pela primeira vez em 15 de agosto de 1906 (Extraído do livro Bandeira

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

Mosteiro dos Jerónimos

Mosteiro dos Jerónimos Mosteiro dos Jerónimos Guia de visita dos 6 aos 12 anos Serviço Educativo do Mosteiro dos Jerónimos/ Torre de Belém Bem-vindo ao Mosteiro dos Jerónimos A tua visita de estudo começa logo no Exterior do

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam.

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. Convite Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. As palavras não: quanto mais se brinca com elas mais novas ficam.

Leia mais

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano O Menino do Futuro Dhiogo José Caetano 1 Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno inventor que

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

R I T A FERRO RODRIGUES

R I T A FERRO RODRIGUES E N T R E V I S T A A R I T A FERRO RODRIGUES O talento e a vontade de surpreender em cada projecto deixou-me confiante no meu sexto sentido, que viu nela uma das pivôs mais simpáticas da SIC NOTÍCIAS.

Leia mais

TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA

TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA letreiro 1: Sem o modernismo dos tempos atuais, o samba sertanejo era uma espécie de baile rústico, que ia noite à dentro até o raiar do dia, com seus matutos dançando e entoando

Leia mais

31º Curso Normal de Magistrados para os Tribunais Judiciais

31º Curso Normal de Magistrados para os Tribunais Judiciais A 796 Neuza Soraia Rodrigues Carvalhas Direito e Processual 729 Maria Teresa Barros Ferreira Direito e Processual 938 Rute Isabel Bexiga Ramos Direito e Processual 440 Inês Lopes Raimundo Direito e Processual

Leia mais

Sete Trombetas (Lauriete)

Sete Trombetas (Lauriete) Sete Trombetas (Lauriete) Uma mistura de sangue com fogo A terça parte deste mundo queimará Eu quero estar distante, quero estar no céu Quando o anjo a primeira trombeta tocar Um grande meteoro vai cair

Leia mais

É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia

É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia Entrevista a Carlos Amaral Dias É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia Andreia Sanches 04/05/2014 O politicamente correcto implica pensar que a praxe é uma coisa horrível.

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

Sobre esta obra, você tem a liberdade de:

Sobre esta obra, você tem a liberdade de: Sobre esta obra, você tem a liberdade de: Compartilhar copiar, distribuir e transmitir a obra. Sob as seguintes condições: Atribuição Você deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante

Leia mais

POESIAS. Orientação: Professora Keila Cachioni Duarte Machado

POESIAS. Orientação: Professora Keila Cachioni Duarte Machado POESIAS Orientação: Professora Keila Cachioni Duarte Machado Pai Você é divertido, porém é bravo quando precisa. Você não gosta de ir ao shopping, mas adora fazer academia. Você adora assistir à tevê,

Leia mais

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. www.hinarios.org. Glauco Villas Boas 1 01 HÓSPEDE

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. www.hinarios.org. Glauco Villas Boas 1 01 HÓSPEDE HINÁRIO O CHAVEIRÃO Tema 2012: Flora Brasileira Allamanda blanchetii Glauco Glauco Villas Boas 1 www.hinarios.org 2 01 HÓSPEDE Padrinho Eduardo - Marcha Eu convidei no meu sonho Meu mestre vamos passear

Leia mais

Índice Geral. Índice de Autores

Índice Geral. Índice de Autores Victor Fernandes 1 Índice Geral A perua-galinha 3 A vida de um porco chamado Ricky 4 Um burro chamado Burro 5 O atrevido 6 O Burro que abandonou a família por causa de uma rã 7 A burra Alfazema 8 Índice

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais