introdução à língua brasileira de sinais - libras

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "introdução à língua brasileira de sinais - libras"

Transcrição

1 introdução à língua brasileira de sinais - libras Profa. Renata Alves Orselli 1 * * Possui bacharel em Direito pela Universidade Braz Cubas (1999), graduada em Letras com licenciatura em língua portuguesa e língua inglesa pela Universidade Braz Cubas (2006). Especialização em Língua Portuguesa pela PUC/SP (2008). Aperfeiçoamento em Capacitação de Educação Especial - UMC/SP. Libras no Instituto de Educação para Surdos SELI/SP, no Centro Educacional Cultura Surda - SP/SP e no Trabalho de Apoio ao Deficiente Auditivo - TRADEF/MC. Mestre em Semiótica, Tecnologia da Informática e Educação na Universidade Braz Cubas - UBC. Atualmente docente da Universidade Braz Cubas UBC, Faculdade Unida de Suzano - UNISUZ ministrando aulas de Libras e Língua Portuguesa na graduação, nos cursos de extensão e no ensino a distância EAD presencial e virtual. Tem experiência na área de Letras com ênfase em Morfossintaxe. Ministra aulas de francês/português em empresas e escolas por mais de 12 (doze) anos e no ensino de computação/português para surdos oralizados e não-oralizados. Voluntária da escola da família na Escola Estadual Dr.Morato de Oliveira na cidade de Suzano ministrando aulas de LIBRAS para surdos, ouvintes e professores da rede de ensino.

2

3 Sumário APRESENTAÇÃO 7 INTRODUÇÃO 9 Unidade I O INÍCIO DA HISTÓRIA Retrospectiva da Educação de Surdos no Brasil O preconceito contra os deficientes auditivos Cultura surda e cidadania Brasileira A LEI Nº , DE 24 DE ABRIL DE 2002, DISPÕE SOBRE A LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS Fisiologia do ouvido (ou orelha) humano Causas da Surdez Níveis de Audição Perda Auditiva A LÍNGUA PORTUGUESA NA lusofonia O Brasil no mundo da Lusofonia LÍNGUA E IDENTIDADE: UM CONTEXTO DE POLÍTICA LINGUÍstica A Importância da Língua Portuguesa como segunda língua Um projeto em desenvolvimento: O ensino de Português como segunda língua Batismo do sinal pessoal Língua Gestual CONSIDERAÇÕES DA UNIDADE i 42 3 Sumário 3

4 Unidade II O QUE É libras Os sinais A Língua Brasileira de Sinais e seus parâmetros de articulação Expressões: facial e corporal dos sinais Materiais produzidos e utilizados no ensino de Libras e da língua portuguesa Material didático usado no aprendizado dos surdos/ouvintes no ensino de Libras e da língua portuguesa CONSIDERAÇÕES DA UNIDADE ii 62 Unidade III ASPECTOS EXTRUTURAIS DA LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS Características da Língua de Sinais Construção e formação da Libras SINAIS E SUAS CONFIGURAÇÕes ORIENTAÇÃO espacial Leitura dos movimentos das figuras (sinais) Formas de cumprimento CONSIDERAÇÕES DA UNIDADE iii 76 Unidade IV AS CONVENÇÕES DA libras Algumas diferenças entre a Libras e o Português Pronomes interrogativos Pronomes indefinidos Adjetivos 83 4 Sumário

5 4.5 Advérbio de Tempo Língua portuguesa e a língua brasileira de sinais: uma breve análise As diferenças verbais entre a Língua Portuguesa e a Libras Quando a Língua Brasileira de Sinais e o Português são semelhantes Tempos e aspecto verbais Tempo e aspecto em Libras Características das línguas de sinais Língua de sinais encontrada em cinco continentes Representações gestuais da língua de sinais Pronomes Pessoais Gênero Masculino e Feminino Números e dias da semana Números cardinais Números ordinais MEIOS DE COMUNICAÇÃO E A TECNOLOGIA PARA OS SURdos O mundo é das palavras O QUE É SIGNWRITING? SignWriting - Escrita de Sinais CONSIDERAÇÕES DA UNIDADE iv 144 REFERÊNCias Sumário 5

6

7 APRESENTAÇÃO Olá, caro(a) aluno(a)! Bem-vindo(a) à disciplina de Introdução a Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS! É um prazer tê-lo(a) como aluno(a). Entraremos no universo de uma comunidade diferente da nossa, porém tão rica como a dos ouvintes. Os surdos percebem e elaboram o mundo apenas por meio do olhar, enquanto nós, ouvintes, percebemos este mesmo mundo usando a percepção visual associada à auditiva. Essa diferente condição fará com que, indivíduos com iguais potenciais tenham visões diferenciadas de um mesmo mundo. O bom aprendiz de libras é aquele que exercita os sinais aprendidos repetidas vezes. Por isso, não tenha vergonha de imitar o professor, pois no início é difícil movimentar os dedos. Alguns exercícios estarão disponíveis no final da leitura, visando melhorar o aprendizado e a fixação. 7 Apresentação 7

8 Lembre-se que a consulta periódica à plataforma, links, Podcast, webaula e o acompanhamento das teleaulas complementarão o entendimento adequado dos temas abordados. Espero que você aprecie a leitura. Bom estudo! Profa. Renata Alves Orselli 8 Apresentação

9 INTRODUÇÃO As línguas são convencionais e surgem de condições variadas. Ela só se realiza ligada histórica e culturalmente a uma comunidade de usuários. Não existe língua se não existirem os sujeitos da língua. Isso significa que aprender uma língua vai além do aprender o conjunto de regras ou normas que a rege, aprender uma língua é mergulhar no espaço em que ela vive. Este material está dividido em 4 unidades ilustradas com exercícios para facilitar o aprendizado e a memorização. Em cada unidade foi colocado um pouco da cultura surda e um pouco da língua que habita esse mundo. Portanto, fique atento(a) às dicas que complementam o seu aprendizado durante a leitura. 1. Retrospectiva da Educação do surdo no Brasil - Nesta reflexão parte-se da trajetória da educação do surdo no Brasil, isto é, desde os primeiro indícios da língua gestual até os dias atuais. A mesma unidade ressalta as leis que oficializaram a Libras como língua materna, garantindo a inclusão de pessoas com necessidades especiais nas instituições de ensino e as causas de surdez. Veremos como se dá o batismo do sinal, a língua e a identidade do surdo, bem como a importância da Língua Portuguesa para a formação e inclusão social do surdo no meio em que está inserido. Por fim, vamos aprender a datilologia das palavras por meio do alfabeto manual. 2. O que é Libras? - Neste livro faremos uma imersão ao mundo dos surdos, serão verificados alguns aspectos estruturais, expressão não manual/corporal da língua de sinais e suas particularidades, e materiais para o ensino da Libras e da língua portuguesa. 3. Aspectos estruturais da Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Serão apresentados orientação espacial e classificadores, estes aspectos são responsáveis pelas configurações de alguns sinais e formas de cumprimento. 4. As convenções da Libras - Aqui serão descritas a formação e a construção da língua, isto é, a formação de verbos, pronomes, adjetivos, números ordinais 9 Introdução 9

10 e cardinais, dias da semana, variações linguísticas, novos vocabulários, signwrinting e os meios de comunicação e tecnologia para os surdos. 10 Introdução

11 1U nidade I O INÍCIO DA HISTÓRIA... OBJETIVOS DA UNIDADE Identificar as diferentes terminologias (surdo, mudo e deficiente auditivo); Conhecer a cultura e identidade da comunidade surda. HABILIDADES E COMPETÊNCIAS Identificação e aplicação dos Princípios da Inclusão para o desenvolvimento da competência cognitiva aprender a aprender. Fundamentação das ações da Libras para o desenvolvimento da competência produtiva aprender a fazer. Desenvolvimento do trabalho em equipe para o desenvolvimento da competência social aprender a conviver. Estímulo ao respeito à diversidade como riqueza cultural para o desenvolvimento da competência pessoal - aprender a ser. 1.1 Retrospectiva da Educação de Surdos no Brasil O mais antigo registro que menciona sobre Língua de Sinais é de 368 a.c, escrito pelo filósofo grego Sócrates, quando perguntou ao seu discípulo: Suponha que nós, os seres humanos, quando não falamos e queríamos indicar objeto, uns para os outros, nós o fazíamos como fazem os surdos mudos, sinais com as mãos, cabeça e demais membros do corpo? Unidade 11 I - O INÍCIO DA HISTÓRIA... 11

12 A comunicação por sinais foi a solução encontrada também pelos monges beneditinos da Itália, cerca de 530 d.c, para manter o voto do silêncio. Mas pouco foi registrado sobre esse tema ou sobre os sistemas usados por surdos até a Renascença, mil anos depois. Até o fim do século XV, não havia escolas especializadas para surdos na Europa porque, na época, os surdos eram considerados incapazes de serem ensinados. Por isso, as pessoas surdas foram excluídas das sociedades e muitas tiveram sua sobrevivência prejudicada. Existiram leis que proibiam o surdo de possuir ou herdar propriedades, casar-se, votar como os demais cidadãos. A grande mudança aconteceu com o Abade de L Épée, na França em Não somente pelo reconhecimento da língua gestual, mas, sim, pelas portas que ele conseguiu abrir em benefício dos surdos. Abade aprendeu a língua utilizada pela comunidade surda parisiense e a partir dela desenvolveu uma suposta língua gestual universal, estruturada de acordo com a sintaxe da língua francesa, que ele próprio inventou para representar as inflexões, os tempos, os artigos etc. Com a insistência de L Épée em sua metodologia (publicada em 1776, a Institution des sourds-muets, que apresenta seu sistema de sinais metódicos ), ele conduziu muitos alunos surdos a terem acesso à cidadania, pela primeira vez na história da cultura ocidental. No início do século XX, Pintner afirmou que os surdos são intelectualmente inferiores aos ouvintes em várias áreas da cognição: inteligência, memória e pensamento abstrato. Referiu-se, ainda, às dificuldades de compreensão na comunicação e na inter-relação social dos surdos. Desde então, muitos ouvintes confundem a habilidade de falar, com a voz, com a capacidade intelectual desta pessoa, talvez seja porque a palavra fala esteja etimologicamente ligada ao verbo/pensamento/ação e não simplesmente ao ato de emitir sons articulados. Em 1855, foi fundada a primeira escola para surdos no Brasil, a Imperial Instituto de surdos-mudos (atual INES - Instituto Nacional de Educação dos Surdos). Era uma mistura da Língua de Sinais Francesa, trazida por Ernest Huet com a língua de sinais brasileira antiga, já usada pelos surdos das várias regiões do Brasil, a Língua Brasileira de Sinais. 12 Unidade I - O INÍCIO DA HISTÓRIA...

13 Em 1880, em Milão, foi realizado o Congresso Internacional de Surdo-Mudez e ficou definido que o melhor e o mais adequado método para o ensino dos surdos seria o método oral, pois somente através da fala ele poderia ter um desenvolvimento pleno. Assim, a língua oral é uma condição básica para a aceitação em uma comunidade majoritária de ouvintes. Segundo Skliar (1997), o congresso constituiu não o começo da ideologia oralista, senão sua legitimação oficial. As consequências dessa filosofia educacional, o oralismo, foi um fracasso acadêmico. Para Sacks (1990, p.45), o oralismo e a supressão do sinal resultam numa deterioração dramática das conquistas educacionais da criança surda. Deve-se compreender que as escolas podem ser um dos fatores de integração ou desintegração das comunidades surdas, dependendo da metodologia adotada. Se uma escola rejeita a língua de sinais, as crianças surdas que estudam nesta escola ou não vão conhecer a comunidade surda de sua cidade e, consequentemente, não aprenderão uma língua de sinais, ou poderão se integrar com os surdos de sua cidade somente após a adolescência. Felizmente essa situação mudou e hoje podemos contar com profissionais surdos, homens e mulheres, que estão se destacando também na área de educação. Unidade 13 I - O INÍCIO DA HISTÓRIA... 13

14 14 Unidade I - O INÍCIO DA HISTÓRIA...

15 Dica de Leitura A história da surdez é, portanto, a história da luta dos surdos na busca de um espaço como sujeitos sociais, com direito a educação e a saúde assim como os ouvintes. Para aprofundar o conhecimento dessa história, indicamos a leitura dos livros a seguir: CAPOVILLA, F.C. e RAPHAEL, W. D. Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilíngue: língua de sinais brasileira - LIBRAS. Volumes I e II. São Paulo: Edusp, SÁ, R. L. de. Cultura, poder e educação de surdos. Manaus: Ed. da Ufam, O preconceito contra os deficientes auditivos Tanya (2001) remete-se para tratar da questão que envolve integração do deficiente auditivo em sociedade a uma época em que existiam leis que proibiam o surdo de possuir ou herdar propriedades, casar-se e votar, como os demais cidadãos. Daquela época até hoje, muitos ouvintes confundem a habilidade de falar com voz com a inteligência. Pode-se até indagar o quanto o pensamento está diretamente ligado ao poder da fala, mas é absurdo imaginar que uma deficiência física específica possa alterar a capacidade de abstração de um ser humano. Com este pensamento, chegamos à conclusão de que uma vez que o deficiente auditivo tenha o domínio da Língua Portuguesa, este deve ter todos seus direitos preservados. E mais: deve ter toda a possibilidade de recursos para se aprimorar e desenvolver novas qualidades. O deficiente auditivo não tem deficiência intelectual, isto é, sua capacidade de aprendizado é a mesma de qualquer ouvinte. O fato é que, pela dificuldade de comunicação, o surdo não tem acesso às mesmas informações que o ouvinte tem. A linguagem visogestual tem como finalidade, exatamente, dar ao deficiente a possibilidade de se comunicar e interagir com o mundo, como o ouvinte, assim, podendo ter acesso à educação e às informações para sua formação. Unidade 15 I - O INÍCIO DA HISTÓRIA... 15

16 1.3 Cultura surda e cidadania Brasileira Normalmente um grupo predominante, como os das pessoas ouvintes, julgamse superiores aos grupos minoritários, como os dos surdos, ainda mais neste caso em que o ouvinte goza do privilégio da habilidade da audição que não está disponível ao surdo. Esquecemos que cada indivíduo possui características próprias, com habilidades extraordinárias em campos distintos, além de deficiências em relação aos outros. O surdo, por sua vez, também possui suas habilidades, independentemente de sua deficiência auditiva, podendo ser considerado um indivíduo comum, como qualquer outro, apenas com uma deficiência mais característica. A falta de audição, necessariamente, não trata de uma perda, mas de uma diferença, pois muitos surdos, especialmente os congênitos, não tiveram a sensação de perda auditiva. Devemos romper o paradigma da deficiência e perceber as restrições de ambos os lados, tanto do surdo, quanto do ouvinte. Por exemplo: o ouvinte não consegue se comunicar debaixo d água, em local barulhento, a menos que grite. Já o surdo se comunica sem problemas em ambos os lugares. Atualmente vivenciamos um momento de grandes conquistas, em que grupos socialmente excluídos, entre eles os surdos, estão cada vez mais integrados na comunidade, lutando por seu espaço e empreendendo esforços gigantescos para garantir sua cidadania. Muitas leis foram e estão constantemente sendo aprovadas pelo Congresso Nacional para dar suporte legal, priorizando a inclusão e a promoção humana, a partir do direito de ser diferente no contexto da sociedade brasileira. Um marco significativo que demonstra o avanço das conquistas dos movimentos surdos está mencionado no Decreto Lei nº 5.626, de 22 de Dezembro de 2005, que regulamenta a Lei nº , de 24 de abril de 2002, dispondo sobre a Língua Brasileira 16 Unidade I - O INÍCIO DA HISTÓRIA...

17 de Sinais Libras. O art. 3º trata da inclusão da Libras como disciplina curricular, que será obrigatória nos cursos de formação de professores para o exercício do magistério, em nível médio e superior, em instituições de ensino, públicas e privadas. O art. 18 da Lei no , de 19 de dezembro de 2000, reconhece a Libras como idioma das comunidades surdas do Brasil. Entretanto, essas novas conquistas precisam ser traduzidas em ações que permitam aos surdos o acesso aos saberes sistematizados por ouvintes e, ao mesmo tempo, os ouvintes precisam ter acesso aos saberes produzidos pelos surdos ao longo da história da humanidade. Um desses saberes dos surdos é a própria Língua Brasileira de Sinais Libras - que já está no Decreto e Leis acima mencionados. A importância de uma língua está exatamente no fato de que ela serve de forma de comunicação. Não existiria sentido se não fosse por isso. A comunicação entre os homens tem sido a peça mestre no desenvolvimento e evolução do ser humano e suas culturas. Sem a troca e o armazenamento de cultura e experiência nunca chegaríamos à evolução científica, social e, por que não dizer, moral dos povos. A Língua Portuguesa, por sua vez, representa a nossa cultura nacional e proporciona toda a chance e oportunidade que um indivíduo tem para conquistar uma carreira profissional e, assim, ter uma acessão social, cultural e econômica. O deficiente auditivo necessita, como qualquer outro indivíduo, de uma linguagem de comunicação e o aprendizado da Língua Portuguesa é essencial para que possa usufruir da mesma sorte de oportunidades. A Língua Brasileira de Sinais entrou em vigor a partir da lei n de 24 de abril de 2002, que decretou e sancionou como meio de comunicação e expressão LIBRAS como forma ideal para o professor ensinar a Língua Portuguesa, pois é comprovadamente a melhor forma de comunicação com o deficiente auditivo. Como discute Lemle (2002 p.83), a língua de sinais parece contribuir para que isso ocorra no texto de aprendizes surdos, pelas características de sua estruturação sintática. Unidade 17 I - O INÍCIO DA HISTÓRIA... 17

18 1.4 A LEI Nº , DE 24 DE ABRIL DE 2002, DISPÕE SOBRE A LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS Descreveremos a lei, que instituiu a Língua Brasileira de Sinais, suas intenções e analisaremos os benefícios que a sociedade terá com a sua aplicação. Em seu Art. 1º, a lei reconhece como meio legal de comunicação e expressão a Libras, sendo um sistema linguístico de transmissão de ideias e fatos, oriundos de comunidades de pessoas surdas do Brasil. No 2º Artigo, ela garante, por parte do poder público em geral e empresas concessionárias, formas institucionalizadas de apoio ao uso e difusão da Libras. Os artigos 3º e 4º tratam dos direitos do deficiente auditivo, como de assistências, tanto médica como educacionais por serviços públicos federais, estaduais e municipais. Dá garantia de inclusão nos cursos de formação de Educação Especial, de Fonoaudióloga e Magistério, em seus níveis médio e superior, sendo parte integrante dos Parâmetros Curriculares Nacionais PCNs. Também menciona que a Língua Brasileira de Sinais não poderá substituir a modalidade escrita da Língua Portuguesa. Esta lei entrou em vigor na data de sua publicação, dia 24 de abril de 2002, e foi sancionada pelo presidente Fernando Henrique Cardoso e então pelo Ministro da Educação, Paulo Renato Souza. 18 Unidade I - O INÍCIO DA HISTÓRIA...

19 Podemos considerar dois aspectos diferentes no conteúdo da lei. O primeiro visa garantir e integrar o cidadão portador de deficiência auditiva no mais amplo aspecto de direitos civis, garantindo-lhe o direito de atendimento médico em qualquer serviço público, ressaltando sua equidade social de acordo com as normas legais gerais e oficializando a Libras como uma linguagem visual-motora oficial do Brasil, isto é, dando a ela um aspecto patriótico e cultural. Em outro aspecto, a lei oficializa a garantia da inclusão do deficiente auditivo, tanto no ensino do nível médio como no superior, nos cursos de formação de Educação Especial, de Fonoaudiologia e Magistério, assim, abrindo portas de formação e profissão a todos os deficientes auditivos. A lei tem como objetivo o progresso de uma sociedade, que sabidamente é formada por pessoas de características diferentes uma das outras. O preconceito em relação à qualificação do deficiente físico é superado e transformado em garantia de oportunidade na formação e atendimento a estas pessoas. Desta forma, dá-se um passo à frente na qualidade de vida, não subsidiada pelo governo, isto é, pela própria sociedade, mas sim, conquistada pelo próprio esforço e trabalho, que remunera o deficiente e aumenta o potencial de mão-de-obra de um país inteiro. Dessa maneira, o surdo terá garantida por lei a mesma oportunidade e poderá, com a Língua Portuguesa, ter um avanço profissional, possibilitando sua inclusão e participação na sociedade, além de ter um melhor acesso ao mundo que vive. Dica de Leitura Para ver na íntegra essa lei, acesse o link no AVA. Unidade 19 I - O INÍCIO DA HISTÓRIA... 19

20 1.5 Fisiologia do ouvido (ou orelha) humano O homem tem dois ouvidos que ajudam a escutar. Apenas um deles trabalhando sozinho não consegue fazer isso bem. O cérebro precisa comparar e contrastar ruídos, volume e o tempo dos sons dos dois ouvidos para que os sons tenham um sentido. O sistema auditivo humano pode ser dividido em duas partes: Periférico e Central. O Sistema Auditivo Periférico é formado pela Orelha Externa, Média e Interna. A Orelha Externa é formada pelo pavilhão auricular (conhecida como orelha), conduto auditivo externo, o qual é totalmente fechado pela membrana timpânica (Tímpano). Na Orelha Interna localiza-se a cóclea (responsável pela audição) e o vestíbulo e canais semicirculares (responsáveis pelo equilíbrio). A cóclea tem a forma de um caracol e o seu interior é preenchido por líquidos onde encontramos pequenas células, chamadas de células ciliadas, as quais mantêm um íntimo contato com as fibras do nervo auditivo. Este por sua vez, envia os impulsos nervosos para o cérebro, permitindo-nos percebê-los como som. O ouvido humano Acesso 19/04/2011 às 19:36 20 Unidade I - O INÍCIO DA HISTÓRIA...

21 1. O som (sons ambientais, ruídos e a fala) é captado pelo pavilhão auricular, atravessa todo o conduto auditivo externo e choca-se contra o tímpano (2), pondo-o em movimento. 2. Como o tímpano está preso aos três ossículos da orelha média, através do martelo, todo o sistema, tímpano e ossículos, vibra fazendo com que o som alcance os líquidos da cóclea (3). 3. Na cóclea o som alcança as células ciliadas e estas o transformam em impulsos nervosos estimulando as fibras do nervo auditivo (4). Daí estes impulsos chegam ao cérebro onde os interpretamos. Em resumo: o som é captado pela nossa orelha (ouvido externo) entra no ouvido médio e se depara com o tímpano, fazendo-o vibrar. O tímpano é uma membrana bem fina e muito sensível. Essa vibração do tímpano se transfere, por meio de contato, para os três ossículos que estão ligados ao tímpano (bigorna, martelo e estribo) que passam a vibrar e transferem essas vibrações para o ouvido interno, (caracol e canal semicircular) onde o som é transformado em impulsos elétricos. Esses impulsos elétricos são conduzidos ao cérebro pelo nervo auditivo, o cérebro recebendo esses impulsos elétricos irá interpretá-los e distingui-los como som que nós ouvimos. 1.6 Causas da Surdez A deficiência auditiva tem origens diversas. Causas pré-natais (antes do parto): Hereditárias; Malformações congênitas, adquiridas pelo embrião devido a infecções virais Unidade 21 I - O INÍCIO DA HISTÓRIA... 21

22 ou bacterianas intra-uterinas (ex.: rubéola, sarampo, sífilis, citamegalovirus, herpes simplex, toxoplasmose); Intoxicações intra-uterinas (ex.: quinino, álcool, drogas); Alterações endócrinas (ex.: patologias da tiróide, diabetes); Carências alimentares (ex.: vitamínicos); Agentes físicos (ex.: raios X); Causas pré-natais (durante o parto); Traumatismos obstétricos (ex.: hemorragias do ouvido interno ou nas meninges); Anóxia; Incompatibilidades sanguíneas (do fator RH que podem provocar danos no sistema nervoso central); Causas pós-natais (depois do parto e no decurso da vida do indivíduo); Doenças infecciosas; Bacterianas (ex.: meningites, otites, inflamações agudas ou crônicas das fossas nasais e da naso-faringe); Virais (ex.: encefalites, varicela); Intoxicações (ex.: alguns antibióticos, ácidos acetilsalisílico, excesso de vitamina D que pode provocar lesão com hemorragia ou infiltração calcária nas artérias auditivas); Trauma acústico (ex.: exposição prolongada a ruídos nos locais de trabalho ou em recintos de diversão; sons de elevada intensidade e de curta duração, 22 Unidade I - O INÍCIO DA HISTÓRIA...

23 tais como: nas explosões e na caça; diferenças de pressão, como no caso dos mergulhadores); Causas desconhecidas ou idiopáticas. 1.7 Níveis de Audição Os níveis utilizados para caracterizar os graus de severidade da deficiência auditiva podem ter algumas variações entre os diferentes autores. Segundo o critério de Davis e Silverman (1966), os graus de severidade se subdividem em: 1. Audição normal: a pessoa ouve bem o tic-tac de um despertador (até 24 decibéis); 2. Deficiência auditiva leve: a pessoa não ouve o tic-tac do despertador, mas escuta um sussurro (de 25 a 40 decibéis); 3. Deficiência auditiva moderada: neste estágio a pessoa só consegue escutar sons mais altos como o de uma sala de trabalho (escritório) e tem muita dificuldade de falar no telefone (de 41 a 70 decibéis); 4. Deficiência auditiva severa: a pessoa precisa de um som tão alto quanto o barulho de uma impressora rotativa (de 71 a 90 decibéis); 5. Deficiência auditiva profunda: a pessoa só ouve ruídos como os provocados por uma turbina de avião (120 decibéis), disparo de revólver (150 decibéis) e tiro de caminhão (200 decibéis). Este grau de severidade é classificado acima de 90 decibéis. Unidade 23 I - O INÍCIO DA HISTÓRIA... 23

24 Mas segundo o decreto n 3.298, de 20 de dezembro de 1999, a deficiência auditiva é perda parcial ou total das possibilidades auditivas sonoras, variando de graus e níveis: a) De 25 a 40 decibéis considerado surdez leve; b) De 41 a 55 decibéis considerado surdez moderado; c) De 56 a 70 decibéis - considerado surdez acentuada; d) De 71 a 90 decibéis - considerado surdez severa; e) Acima de 91 decibéis considerado surdez profunda; f) Anacusia (ausência total de audição). 1.8 Perda Auditiva De todos os sentidos, provavelmente a audição é o seu mais importante órgão de comunicação. Mesmo enquanto dormimos, os ouvidos continuam funcionando. O processo de perda auditiva é lento e progressivo. Em geral, a família é quem nota os sintomas primeiro por ter que repetir as coisas mais de uma vez ou deixar o volume da televisão muito alto. É importante que, assim que os sintomas aparecerem, recorra-se a um especialista para que se inicie o uso do aparelho auditivo, pois o ouvido pode não estar mais acostumado a ouvir sons de intensidade normal. Em outras palavras, o ouvido se esquece de como ouvir. Assim, pessoas com perdas auditivas são consideradas deficientes auditivos e as pessoas com perda auditiva profunda são chamadas de surdas. Porém, pode-se dizer que por muito tempo as leis que classificavam os direitos dos surdos eram a mesma 24 Unidade I - O INÍCIO DA HISTÓRIA...

25 para todos os graus de surdez, mas a partir de 2002 foi criada a lei Art. 1º, a lei reconhecendo a língua de sinais como meio legal de comunicação especifica para a comunidade surda estabelecendo seus direitos tanto na educação como na saúde, reconhecendo a Libras como língua materna e como segunda língua brasileira. DICA DE CONSULTA O exame da orelha poderá ajudar a criança ter melhor desenvolvimento e aprendizagem quando a surdez tem um diagnostico precoce. Consulte o link no AVA para saber mais sobre o exame da orelha. 1.9 A LÍNGUA PORTUGUESA NA LUSOFONIA A Língua Portuguesa, juntamente com o espanhol, catalão, francês, italiano, romeno, vem se transformando através dos séculos. Elas surgem do latim, o que explica serem referidas como línguas românicas ou neolatinas, constituindo uma única família linguística. O latim tem origem na região do Lácio onde, em 711 a.c, fundou-se Roma, e pertence ao tronco linguístico originário do indo-europeu, falado pelos árias ou arianos. As migrações desse povo, que deixou seu território em diferentes tribos entre o século XV e XX a. C., ocuparam novas regiões da Europa e parte da Ásia, provocando a disseminação de sua língua. Estudos realizados pelo filólogo alemão Franz Bopp no começo do século XIX demonstram, pelo método da gramática comparada, que quase todas as línguas faladas na Europa e na Ásia provêm do indo-europeu, que atesta por diversos fatos fonéticos, morfológicos e sintáticos a existência do indo-europeu. Com a dispersão do povo ariano, verificou-se o fracionamento do indo-europeu em diversos ramos: o germânico, o itálico, o eslavo, o grego, o céltico etc., e distribuídas em regiões que vão da Europa Ocidental até a Índia. Unidade 25 I - O INÍCIO DA HISTÓRIA... 25

26 A difusão do latim se expande com o Império Romano dando inicio à história da Língua Portuguesa pelo processo de romanização da península ibérica, iniciada em 197 a.c. Após a queda de Roma, ocorre a invasão árabe. Em decorrência dessa invasão, a formação da Língua Portuguesa ganha força com um movimento para a expulsão dos árabes e pela influência político-cultural, o que a tornou polo de resistência e irradiação do cristianismo. Com a reconquista da península, os árabes são expulsos e Portugal fixa sua capital, Lisboa, em As grandes navegações, que deram origem ao descobrimento, em particular, o descobrimento do Brasil, por Pedro Álvares Cabral, em 1500, estabelecem importantes definições geopolíticas do mundo ocidental e a difusão da Língua Portuguesa O Brasil no mundo da Lusofonia A etimologia da palavra LUSO-FON-IA (Buyold, 2008) é explicada como LUSOdo latim, lusu- relativo a lusitano, Português, relativo a Portugal. A Lusitânia era uma das três províncias romanas da Hispânia (Península Ibérica) que correspondia ao que é hoje o Sul do Douro em Portugal e à Estremadura espanhola. Os lusitanos eram um dos povos que habitavam esse território na época pré-romana; sendo considerados os descendentes de uma legendária personagem chamada Luso. FON- do grego som ; voz ; palavra ; língua -IA: sufixo de origem grega que se emprega sobretudo com substantivos abstratos, derivados de adjetivos e que designam uma qualidade ou defeito, ou a capacidade ou um estado. Assim sendo, lusofonia, quer dizer, etimologicamente, a qualidade abstrata do lusófono que tem a capacidade de falar a língua dos lusos, lusíadas ou portugueses. 26 Unidade I - O INÍCIO DA HISTÓRIA...

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

Questão 1: SignWriting é:

Questão 1: SignWriting é: Questão 1: SignWriting é: a) um método criado na Comunicação Total para o ensino de surdos. b) um sistema de escrita visual direta de sinais. c) um conjunto de sinais dados para gestos icônicos. d) nome

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez

Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO VIII DO REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, PROIC, DA UNICENTRO

Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO VIII DO REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, PROIC, DA UNICENTRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO

Leia mais

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo.

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. Porém, traz para o surdo consequências sociais, educacionais e emocionais amplas e intangíveis.

Leia mais

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (orientadora- UENP) Mariana Matheus Pereira da Silva (G- UENP/ campus Jac.) Introdução A língua é o instrumento fundamental para

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei Questão 01 O reconhecimento oficial da Língua Brasileira de Sinais como meio legal de comunicação se deu a partir: a) da publicação da Lei n o 10.436, em 2002. b) da elaboração do Dicionário de Língua

Leia mais

O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186)

O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186) O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186) - Possibilita a percepção de sons diversos (fala, canto dos pássaros, barulho das ondas do mar, chacoalhar das folhas ao vento); - Os sons são transmitidos por

Leia mais

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição Ouvir melhor é viver melhor Descobrindo sua audição O mundo o está chamando A capacidade de ouvir é uma parte tão importante da nossa vida e a maioria das pessoas nem se dá conta disso. Ouvir é um dom,

Leia mais

1. CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA

1. CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA GRUPO 5.2 MÓDULO 6 Índice 1. Crianças com Deficiência Auditiva...3 1.1. Os Ouvidos... 3 1.2. Mecanismo da Audição... 3 2. Saúde Auditiva...4 3. Definição de Deficiência Auditiva...5 3.1. Classificação...

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos.

Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos. Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos. (Wrigley 1996: 13) Desafios para a formação de profissionais

Leia mais

Libras. Teleaula 1. Apresentação da Professora. Ementa. Organização da Disciplina. Contribuições da Disciplina. Profa.

Libras. Teleaula 1. Apresentação da Professora. Ementa. Organização da Disciplina. Contribuições da Disciplina. Profa. Apresentação da Professora Libras Teleaula 1 Profa. Elizanete Fávaro Pedagogia (Facinter) Pós-Graduação em Educação Bilíngue (IPM) Cursando Letras/Libras (UFSC) Credenciada como Instrutora de Libras (FENEIS/CTBA)

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso. Instituto de Linguagens. Curso de Graduação letras-libras, licenciatura

Universidade Federal de Mato Grosso. Instituto de Linguagens. Curso de Graduação letras-libras, licenciatura Universidade Federal de Mato Grosso Instituto de Linguagens Curso de Graduação letras-libras, licenciatura Prof. Anderson Simão Duarte Coordenador do Curso Letras-Libras Mestre em Estudos Linguísticos

Leia mais

LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS

LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS 2007 LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS TELMA TIETRE RODRIGUES RIO DE JANEIRO 2007 CARTILHA LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS 2 INTRODUÇÃO O objetivo desta cartilha

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Deficiência Auditiva. Definição. Definição, Classificação, Características e Causas

Deficiência Auditiva. Definição. Definição, Classificação, Características e Causas Deficiência Auditiva Definição, Classificação, Características e Causas Definição Impossibilidade total ou parcial de ouvir, e possui níveis de graduação que vão do leve ao profundo. Diferença existente

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

DEFICIÊNCIA AUDITIVA

DEFICIÊNCIA AUDITIVA DEFICIÊNCIA AUDITIVA SANTOS, Luciana de Sousa 1 RESUMO: O presente artigo tem como proposta trazer temas questionadores e atualizados com relaéño â DeficiÜncia Auditiva. No passado, costumava-se achar

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Objetivos Apresentar a discussão atual sobre a primeira língua dos surdos: a língua de sinais;

Leia mais

Fabíola Féo Período: Abril, Maio e Junho. NAPNE Núcleo de Atendimento as Pessoas com Necessidades Especiais.

Fabíola Féo Período: Abril, Maio e Junho. NAPNE Núcleo de Atendimento as Pessoas com Necessidades Especiais. LIBRAS Aula noite I a VI Fabíola Féo Período: Abril, Maio e Junho. NAPNE Núcleo de Atendimento as Pessoas com Necessidades Especiais. LIBRAS HISTÓRIA Gerolamo Cardomo (1501 a 1576), médico e matemático

Leia mais

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS EDUCAÇÃO E SURDEZ Daniele Campos Laino Cardoso 1 Sebastiana Rosa da Silva 2 Solange Conceição da Cruz Machado 3 A Língua Brasileira de Sinais (Libras) - embora reconhecida oficialmente em todo o território

Leia mais

Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência

Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência INOCÊNCIO, Sibelle Williane Dias dos Santos DAXENBERGER, Ana Cristina Silva Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Agrárias Departamento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Carlos Gomes) Assegura às pessoas com deficiência auditiva o direito a atendimento por tradutor ou interprete de LIBRAS nos órgãos e entidades da administração pública,

Leia mais

Alfabetização e letramento. Professora : Jackeline Miranda de Barros

Alfabetização e letramento. Professora : Jackeline Miranda de Barros Alfabetização e letramento Professora : Jackeline Miranda de Barros O que é alfabetização? O que é letramento? Qual o melhor método? Como alfabetizar? Para início de conversa, vamos exercitar nossa memória...

Leia mais

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão Alexandre Panosso Netto Escola de Artes, Ciências e Humanidades Universidade de São Paulo Fábia Trentin Departamento

Leia mais

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO SURDO E/OU COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno surdo da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui características

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR

LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR Andréa Oliveira Almeida andrea.libras@hotmail.com UniFOA Centro Universitário de Volta Redonda Maria da Conceição Vinciprova Fonseca concyvf@uol.com.br Associação

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LINGUA BRASILEIRA DE SINAIS PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LINGUA BRASILEIRA DE SINAIS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LINGUA BRASILEIRA DE SINAIS PROJETO PEDAGÓGICO CAMPO LIMPO PAULISTA 2013 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS A língua brasileira de sinais

Leia mais

A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO

A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO Elisabeth, FIGUEIREDO CUNHA, UFU 1 Atna, Gomes Silva PELET, UFU 2 Eleuza, SOUZA, UFU 3 Resumo: Este estudo apresenta o

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro

Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Pretende se com este questionário conhecer a sua opinião sobre o (Ensino do) Português no Estrangeiro. Não existem respostas certas ou erradas.

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior)

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) Dispõe sobre o diagnóstico e o tratamento da dislexia na educação básica. DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE: SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA;

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Em muitas vezes eu tenho que mudar, né? Porque são línguas diferentes. Então, se eu só interpretar palavra por palavra de tudo que o professor tá falando, ele, o deficiente auditivo, não vai entender na

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE Eixo temático: - Políticas de tradução/interpretação de língua de sinais. Modalidade: ( ) comunicação oral/sinais (X) pôster POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE Autores: Débora

Leia mais

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA Merlânia Lino da Silva (1); Ana Cristina Silva Daxenberger (2) (1) Universidade Federal da Paraíba (CCA), merlaniaareiapb@gmail.com

Leia mais

PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo

PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo Pergunta 01 Quais termos você usa para identificar uma pessoa surda? A Deficiente auditivo B Surdo-Mudo C Surdo D Mudinho

Leia mais

A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1

A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1 A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1 Resumo: O presente relato é fruto de uma experiência do componente curricular

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa

O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa Dra. (página 7 a 11 do livro) O Mini-dicionário dos intérpretes de língua de sinais Intérprete Pessoa que interpreta de uma língua

Leia mais

PARÂMETROS DA LIBRAS

PARÂMETROS DA LIBRAS 1 PARÂMETROS DA LIBRAS Prof. Giselli Mara da Silva Introdução Há alguma característica das línguas humanas que as diferencia das outras linguagens? De que forma essas características aparecem nas línguas

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E SUAS VARIAÇÕES: UM ESTUDO SOBRE AS VARIANTES UTILIZADAS NAS ESCOLAS DE SURDOS

LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E SUAS VARIAÇÕES: UM ESTUDO SOBRE AS VARIANTES UTILIZADAS NAS ESCOLAS DE SURDOS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E SUAS VARIAÇÕES: UM ESTUDO SOBRE AS VARIANTES UTILIZADAS NAS ESCOLAS DE SURDOS Karina Ávila Pereira (UFPEL) Apoio financeiro: Capes - bolsa de Mestrado A pesquisa de mestrado

Leia mais

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br PEDAGOGIA SURDA Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br Alfabetizar alunos com Culturas diferentes é um choque tanto para o professor ouvinte como

Leia mais

Versão em Português. Exame de. Proficiência. em Língua. Japonesa. Data da realização no ano de 2011. 04 de dezembro

Versão em Português. Exame de. Proficiência. em Língua. Japonesa. Data da realização no ano de 2011. 04 de dezembro Versão em Português Exame de em Língua Japonesa Proficiência Data da realização no ano de 2011 04 de dezembro O Que é Exame de Proficiência em Língua Japonesa? É o maior exame de língua japonesa realizado

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Introdução a Interpretação em Língua Brasileira de Sinais (libras/português)

Leia mais

A DISCIPLINA DE LIBRAS NA EAD NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFJF: O MOODLE COMO RECURSO DIDÁTICO* 1

A DISCIPLINA DE LIBRAS NA EAD NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFJF: O MOODLE COMO RECURSO DIDÁTICO* 1 A DISCIPLINA DE LIBRAS NA EAD NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFJF: O MOODLE COMO RECURSO DIDÁTICO* 1 Camila Ribeiro Lisboa Ferreira Universidade Federal de Juiz de Fora RESUMO: Neste trabalho, apresentamos como

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A ESCRITA DE SINAIS DE LIBRAS DESDE TENRA IDADE

REFLEXÕES SOBRE A ESCRITA DE SINAIS DE LIBRAS DESDE TENRA IDADE REFLEXÕES SOBRE A ESCRITA DE SINAIS DE LIBRAS DESDE TENRA IDADE BÓZOLI, Daniele Miki Fujikawa (UEM) SILVA, Tânia dos Santos Alvarez da (Orientadora/UEM) Introdução Com a Lei nº 10.436, de 24 de abril de

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

A VARIAÇÃO NA LINGUAGEM ORAL E SUAS INFLUÊNCIAS NA LINGUAGEM ESCRITA ACADÊMICA

A VARIAÇÃO NA LINGUAGEM ORAL E SUAS INFLUÊNCIAS NA LINGUAGEM ESCRITA ACADÊMICA Trabalho 001 A VARIAÇÃO NA LINGUAGEM ORAL E SUAS INFLUÊNCIAS NA LINGUAGEM ESCRITA ACADÊMICA Sheila Marcelino Izabel; Márcia M. Junkes E-mail: sheilamarcelino@unifebe.edu.br Palavras chave: Textos acadêmicos,

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ATRAVÉS DAS ESCOLAS BILÍNGUES NO BRASIL: UMA NOVA REALIDADE 1

O ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ATRAVÉS DAS ESCOLAS BILÍNGUES NO BRASIL: UMA NOVA REALIDADE 1 O ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ATRAVÉS DAS ESCOLAS BILÍNGUES NO BRASIL: UMA NOVA REALIDADE 1 Iasmin Araújo Bandeira Mendes Universidade Federal de Campina Grande, email: iasminabmendes@gmail.com INTRODUÇÃO

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano

Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano Universidade Federal de Minas Gerais Pampulha Ciências da Computação Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano Trabalho apresentado à disciplina Processamento Digital de Som e Vídeo Leonel Fonseca Ivo 2007041418

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06 Curso: 9 DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências da Educação Pedagogia (Noturno) Ano/Semestre: 0/ 09/0/0 :06 s por Curso Magistério: Educação Infantil e Anos Iniciais do Ens. Fundamental CNA.0.00.00-8

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos INTERAÇÕES EM SALA DE AULA Autor: CARDON, Felipe Raskin Felipe Raskin Cardon 1 Resumo: Neste Estudo Piloto, relacionar-se-ão algumas citações do artigo A construção social da linguagem escrita na criança,

Leia mais

A educação dos surdos foi marcada ao longo do tempo por preconceitos, descréditos, piedade e loucura, porém, a concepção de homem cidadão é o

A educação dos surdos foi marcada ao longo do tempo por preconceitos, descréditos, piedade e loucura, porém, a concepção de homem cidadão é o A educação dos surdos foi marcada ao longo do tempo por preconceitos, descréditos, piedade e loucura, porém, a concepção de homem cidadão é o primeiro passo para mudar uma história marcada por lutas e

Leia mais

FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS

FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS LETRASLIBRAS 83 LETRASLIBRAS 84 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS Wanilda Maria Alves Cavalcanti APRESENTAÇÃO Cara(o)aluna(o) Iniciandoumnovociclodeestudos,aUniversidadeFederaldaParaíbaincorporaaoscursosquejá

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS 1 1 Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS Rosimar Bortolini Poker A principal conseqüência da surdez refere-se aos prejuízos na comunicação natural dos sujeitos surdos que atingem

Leia mais

Especialização em Atendimento Educacional Especializado

Especialização em Atendimento Educacional Especializado Especialização em Atendimento Educacional Especializado 400 horas Escola Superior de Tecnologia e Educação de Rio Claro ASSER Rio Claro Objetivos do curso: De acordo com a Lei de Diretrizes e Bases, especialmente

Leia mais

INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES

INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES P R O POS T A A INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES SOBRE NÓS Quem Somos A mantenedora do Seu Professor atua há mais de 18 anos no segmento educacional, com escolas de Ensino Fundamental, Médio, cursos técnicos,

Leia mais

Future School Idiomas

Future School Idiomas Future School Idiomas Sumário Quem somos... pag 2 Sobre o curso... pag 3 Sobre a aula... pag 4 Vantagens em se fazer nosso curso on line... pag 5 Objetivo do curso... pag 6 Como entrar na sala de aula...

Leia mais

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Profª Drª Profª Drª Mirlene Ferreira Macedo Damázio psmirlenefm@gmail.com DESAFIOS DA POLÍTICA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INCLUSIVA

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

Comunicação Empresarial e Processo Decisório. Prof. Ana Claudia Araujo Coelho

Comunicação Empresarial e Processo Decisório. Prof. Ana Claudia Araujo Coelho Prof. Ana Claudia Araujo Coelho Comunicar significa transmitir ideias, sentimentos ou experiências de uma pessoa para outra, tornar comum, participar, fazer saber, transmitir. ANDRADE (2008, p. 45) O resultado

Leia mais

Fundamentos e Práticas em Libras II

Fundamentos e Práticas em Libras II Fundamentos e Práticas em Libras II Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais