LÍNGUA PORTUGUESA: PRINCIPAIS ASPECTOS QUE DIFERENCIAM SUAS VARIANTES NACIONAIS 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LÍNGUA PORTUGUESA: PRINCIPAIS ASPECTOS QUE DIFERENCIAM SUAS VARIANTES NACIONAIS 1"

Transcrição

1 LÍNGUA PORTUGUESA: PRINCIPAIS ASPECTOS QUE DIFERENCIAM SUAS VARIANTES NACIONAIS 1 Érica Rogéria da Silva (CAPES/UFU/UC) 2 Michael Jones Botelho (CAPES/UFV/UC) 3 Resumo: O Português é língua oficial em quatro diferentes continentes (América do Sul, Europa, África e Ásia). O fato de esse idioma ter sido difundido em espaços geográficos descontínuos e falado por pessoas de diferentes origens étnicas contribuiu para que o mesmo se apresente com um caráter heterogêneo. Sabe-se que, devido a múltiplos fatores o Português do Brasil (PB) foi se distanciando do Português falado na Europa (PE), ostentando assim, diferenças em todas as áreas da linguística. Contudo, tais diferenças são significativas para reconhecermos que o sistema linguístico do Português dispõe atualmente de duas variantes nacionais: o PB e o PE. Todavia, as diversidades linguísticas não abarcam somente os diferentes países, e está também presente dentro de cada comunidade linguística. Estudos apontam que, Portugal quando comparado com o Brasil e outros países europeus, apresenta-se com uma aparente homogeneidade. Buscar-se-á apresentar as principais diferenças dialetais existentes no referido território, sobretudo as de natureza fonética e lexical. Palavras-chave: Variedade, Português europeu, Português brasileiro. Introdução Sabe-se que a diferenciação de sons de uma palavra pode mudar o sentido da mesma dependendo do lugar onde ela é dita, adotemos como referência o português europeu onde se observa, por exemplo, o vocalismo pretônico que apresenta distinção entre as vogais fechadas e abertas, o que não mais ocorre no português do Brasil. Tomemos como ilustração a palavra pregar, em Portugal pr[e]gar é diferente de pr[e]gar, aonde o primeiro designa a ação de (pregar) um sermão e o segundo (pregar) um prego. Já no português brasileiro pode-se encontrar pr[e]gar e pr[e]gar tanto para sermão quanto para prego. As variações entre o português europeu (PE) e o português brasileiro (PB) atingem todos os domínios da linguística, tanto o campo fonético-fonológico como o sintático e o semântico, além do grande contributo lexical. No que se refere às especificidades morfossintáticas é muito comum no PB: a) o uso dos pronomes pessoais átonos em posição proclítica, ex.: me conta; b) o emprego do pronome pessoal oblíquo da 1ª pessoa do singular em posição de sujeito, ex.: esse texto é pra mim ler; uso do pronome pessoal reto em posição de objeto direto, ex.: eu chamei ela; forma do dativo lhe em posição de objeto direto. Quanto aos pronomes complementos clíticos, ressalta o lhe, originalmente um dativo, correspondente ao objeto indireto, usado como acusativo, objeto direto, correlacionado ao pronome sujeito você (Você gosta muito de cinema. Eu lhe vejo sempre no Multiplex). O lhe acusativo varia com te, mesmo sendo o tratamento você (Você gosta de cinema. Eu te vejo sempre no Multiplex). Nos exemplos dados, o clítico canônico o/a pode ocorrer no uso cuidado, monitorado de escolarizados; ele é adquirido na escola e, curiosamente, primeiro 1 Esse artigo é fruto do estudo realizado na cadeira de Variedades do Português oferecida no segundo ano da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. 2 Graduanda do Curso de Letras do Instituto de Letras e Linguística (ILEEL) da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC) através do Programa de Licenciaturas Internacionais (PLI), fomentado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). 3 Graduando do Curso de Letras do Departamento de Letras e Artes (DLA) da Universidade Federal de Viçosa (UFV) e da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC) através do Programa de Licenciaturas Internacionais (PLI), fomentado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). 68

2 na escrita e depois na fala o que mostra ser um recurso sintático, efeito de aprendizagem pela escolarização, e não adquirido na infância. (SILVA, doc. eletrônico) No PB estão sendo extintos os pronomes clíticos, sobretudo os de terceira pessoa o, a, os, as, sendo usado no lugar dos mesmos o sintagma nominal pleno, ou o pronome sujeito correspondente, e ainda uma forma de esquiva bem comum é o apagamento do pronome complemento. ( Eu vi seu amigo em Lisboa; ou Eu vi ele em Lisboa; ou eu vi lá). É muito comum em comunidades linguísticas do PB o uso do sujeito mim em orações infinitivas. Ex.: Isso é para mim ler. Outro fenômeno que afeta falantes de todo o território brasileiro é a regência variável dos verbos de movimento. Em construções onde o complemento pode ser introduzido pela preposição a (vou à biblioteca) ou para (vou para a biblioteca), no PB é predominante o uso da preposição em com verbos de movimento (vou na biblioteca). Outra particularidade que contrasta com o PE é a simplificação do código de tratamento. Nas duas variedades o vós submergiu, já no primeiro, o pronome de tratamento tu se mantém apenas no extremo sul e em algumas áreas do Norte do país. No restante de todo território, existem somente o tratamento por você, que é informal, e o tratamento por, o senhor, a senhora, que é formal. Em Portugal, se mantém a distinção entre as formas tu e você e usa-se o tratamento consigo. Sendo assim, diz-se no PB: Quero conversar com você ou com o senhor, e no PE: Quero conversar consigo. De acordo com Mattos e Silva (2001), devido a redução do tu e do vós e a expansão do você e do a gente como pronomes pessoais, ocorreu uma generalização da 3ª pessoa verbal. Sendo presente no PB um paradigma verbal de: quatro posições, eu canto ele, você, a gente canta nós cantamos eles, vocês cantam; outro de três posições, eu canto ele, você, a gente canta eles cantam; outro de duas posições, onde a regra de concordância verbo-nominal não é aplicada. Geralmente são falantes não escolarizados, ou pouco escolarizados sobretudo de áreas rurais. eu canto ele, você, a gente, eles, vocês canta. São vários os fatores responsáveis pelo distanciamento entre PB e o PE, entre os quais se destaca o contato de várias línguas com que o Português sofreu durante o percurso de colonização do Brasil. A influência das línguas indígenas da família tupi-guarani, as línguas africanas da zona da África ocidental, como o Yoruba e o Kimbundo faladas pelos escravos e o grande número de espanhóis, italianos, alemães, polacos e japoneses que imigraram para o Brasil nos séculos XIX e XX contribuíram imensamente para o desenvolvimento de uma variedade que se difere da norma usada em Portugal. Esses fatores extralinguísticos colaboraram para que o Brasil desenvolvesse um vocabulário próprio. Os exemplos que podem ser relatados como diferença lexical entre os dois países são muito numerosos. No campo da semântica o que denominamos de bonde no Brasil corresponde a eléctrico em Portugal, o trem (Brasil) é o comboio (Portugal), autocarro (Portugal) ônibus (Brasil); açougue (Brasil) e talho (Portugal); a aeromoça (Brasil) à hospedeira (Portugal). A riqueza do vocabulário tipicamente brasileiro conta em grande parte com palavras de origem Tupi, este legou ao país uma considerável parte de nomes constituintes do léxico usado na fauna e flora. Ex.: sabiá, curió, urubu, araponga, sagüi, piranha, capivara, sucuri, tatu, abacaxi, carnaúba, mandioca, mandacaru, maracujá, pitanga, capim, cupim, ipê, jacarandá, etc. 69

3 A MARgem - Revista Eletrônica de Ciências Humanas, Letras e Artes / ISSN As línguas africanas também tiveram um importante papel no léxico brasileiro. Dentre essas línguas destaca-se o ioruba atualmente falado na Nigéria e o quimbundo falado em Angola. Segundoo Castro (2006), o primeiro está na base de um vocabulário próprio da Bahia, referente ás cerimônias de candomblé e da cozinha afro-brasileira. Ex.: vatapá, abará, acará, acarajé. Já o quimbundo transmitiu ao PB um vocabulário mais geral. Ex.: caçula, cafuné, molambo, moleque, É no âmbito da fonética e fonologia que o PE e PB apresentam diferençass mais profundas. Em meados do século XVI o Português instalou-se no Brasil, e o fato dos primeiros colonos serem da região do Sul de Portugal serviu para alguns estudiosos explicarem a semelhança do PB com o português da região meridional. Contudo, pesquisas já mostramm que apesar desses fatos o povoamento europeu se fez a partir de todas as regiões de Portugal. O que sucedeu, de facto, foi que os colonos portuguesess do Brasil elaboraram uma koiné por eliminação de todos os traços marcados dos falares portugueses no Norte e por generalização das maneiras não marcadas do Centro-Sul. Os aspectos que se se aproximaram do falar Centro-Sul de Portugal são apenas os fenômenos de monotongação do ditongo ou e simplificação [tš] em [š] em palavras como c chave. Dee acordo com Teyssier T (1982), o PB deixou de seguir totalmente as inovações que foram ocorrendo no PE, parecendoo assim conservador em relação à língua lusitana. Porém, com esse afastamentoo e as influencias de outras línguas o PB irá realizar transformações fonéticas distintas do PE, recebendo assimm um caráter inovador. No que se refere aos aspectos conservadores do PB contamoss com: a) Em grande parte p do território brasileiro pronunciam-se os s e os z implosivoss como sibilantes. Esse fenômeno ocorre em final absoluto (mas, uma vez) e diante de consoante desvozeada (costa, ostra, faz frio) esses fonemas são realizados como [s], e como [z] diante de consoante vozeada (lesma, rasgar, Os Maias, atrás dele) ). Já o Rio de Janeiro, assim como em Portugal essas consoantes são palatais ou mesmo [meʒmo]; lista [liʃta]. A semelhança dessee traço pode terr se resultado a partir de com a chegada da família Real e o fato de D. Joãoo VI fazer do Rio de Janeiro a sua capital. b) A pronúncia das d vogais átonas é hoje um dos conservadorismos do PB que mais se difere do PE. Desses fenômenos destaca-se o a átono final pronunciado como vogal aberta; ex.: massa pronuncia-se [mása] e não [másɐ] comoo usa-se em Portugal. Em grande maioria, os o falantes brasileiros (excetoo os do extremo sul) pronunciam-see no lugar do -o gráfico o [u], o que ocorre no PE atual; ex.: perto pronuncia-se [pertu], ensino como [ensinu], porém os mesmos trocam e por [i] não mais realizado em Portugal; ex.: grande pronuncia-se [grandi], cardume como [ kardumi]. Foi conservado até os dias atuais no Centro-Sul do Brasil o antigo timbre de e e o fechados emm posição pretônica, os quaiss são realizadoss como vogais abertas a no Norte e Nordeste do país. Outra característica nas pretônicas que se perpetua p é o usoo da vogal a como a aberto. Ex.: cadeira; cadela; madeira. Alémm do mais, é comum o brasileiro eliminar totalmente em qualquer posição, a vogal central [e] e pronunciá-laa como [i], como por exemplo: entrar e estar r pronuncia-se intrar i e istar e/ou menino e costumee como [ mininu] e [kustumi]. c) O ditongo [ej] é atualmente pronunciadoo na língua padrão de Portugal (eixo de Lisboa- Quando o mesmo não ocorre em posiçãoo final de sílaba por vezes ele monotonga-se. Ex.: cinzeiro para Coimbra) como [ɐj]. O PB ignora totalmente essa pronuncia e em formas como rei, lei mantém-se o ditongo. cinzero; cordeiro para cordero. Em ditongos nasais ocorrentes em armazém, também, ontem, vem, vintém pronuncia-se [ẽj ] no PB enquanto que em Portugal pronuncia-se [ɐ j ] d) No Brasil não é pronunciadoo o -s implosivoo como chiante como incide em Portugal. Em casos como crescer, adolescente, piscina o brasileiro pronuncia crecer, adolecente, picina. Aspectos inovadores da fonética brasileira: a) O PB não faz oposição o entre os timbres abertos e fechados das vogais tônicas a, e e o antes de uma consoante nasal, sendo pronunciadoo apenas o timbre fechado. No N Brasil, os verbos na 1ª pessoa do plural no tempo presente como no perfeito são pronunciados somentee com o a fechado, enquanto que no PE faz-se a distinção entre esses e tempos pronunciando no presente o [a] fechado e no passado o [ɐ] aberto. Seção Estudos, Uberlândia, ano 4, n. 8, p , jul./dez

4 Diz-se no PB jantamos para o presente e o pretérito, ao passo que no PE essa pronuncia representa o tempo presente, sendo o pretérito representado por falámos. As vogais e e o antes de consoantes nasais também são fechadas no PB, assim diz-se Vênus e heterônimo com /e/ e /o/ enquanto que em Portugal se diz Vénus e heterônimo com /ɛ/ e /ɔ/ respectivamente. No PB o fechamento dessas vogais seguidas de consoante ocorrerá somente em palavras proparoxítonas, como podemos observar em casos como pensar e soma que são articuladas com /ẽ/ e /õ/ como acontece em Portugal. b) Não é realizado em grande parte do território brasileiro, principalmente no Centro- Sul a distinção do timbre aberto e fechado para as vogais escritas a, e e o em posição pretônica. Enquanto Portugal opõe o /ä/ de cadeira ao /a/ de pàdeira, o /e/ de pregar, o /u/ de morar ao /ͻ/ de corar, o Brasil conhece apenas /A,/E/,/O/, realizados, respectivamente, como [a], [ɛ], [ͻ]. Decorrente dessa simplificação do sistema fonológico a não distinção entre o artigo feminino a e a preposição à, assim, em exemplos como: a cidade e à cidade tem pronuncias idênticas. c) A vocalização do [l] velar em final de sílaba é um fenômeno inovador no PB. Ivo Castro, (2006) fazer referência a esse tema: [...] [N] as palavras acabadas em -al, -el, -il, ol, a consoante final soa velarizada em Portugal [ɫ], mas no Brasil a sua abertura progrediu e está transformada numa semivogal, pelo que aquelas terminações soam [aw], [ɛw], [iw], [ɔw]. Escreve-se, final, mel, funil, sol e pronuncia-se [ finaw], [ mɛw], [ funiw] e [ sow]. Com exceção do extremo sul do Brasil não existe na pronuncia do PB a distinção entre mal (advérbio) e mau (adjetivo) d) As fricativas /s/ e /z/ em final de palavras propicia muitas vezes o aparecimento de iodes: ex.: paz, talvez, arroz, três e viés são pronunciadas como [ pajz], [ tawvejz], [ aroiz], [ tɾejs] e [vi ɛjs]. e) Os falantes brasileiros pronunciam os proclíticos e os enclíticos terminados em e com [i]. Ex.: me, te, se, lhe, que, de, lhes, etc. f) Outra inovação decorrente no PB é o desaparecimento de grupos consonantais existentes em algumas palavras eruditas. Esse fenômeno ocorre devido ao aparecimento da vogal [i]. Sendo assim, palavras como absorver, absoluto, absurdo, ritmo, psicologia, corrupto, concepção, advérbio, advento têm as seguintes pronuncias: abissorver, abssoluto, abissurdo, rítimo, pissicologia, corrúpito, concepição, adivérbio e adivento. g) No PB as oclusivas dentais [t] e [d] seguidas da vogal [i] alta (ou de /e/ com som de [i]) são comumente palatalizadas apresentando- se como [tʃ] e [ʤ]. Ex.: PB: dica, tia, pode, pote com as seguintes pronuncias: [ ʤikɐ], [ tʃiɐ], [ pͻʤi], [ pͻtʃi]; PE: [ dika],[`tɨɐ][ pͻdɨ], [ pͻtɨ]. h) Sabe-se que no Brasil são variadas as pronuncias que o r concebe, porém quando o mesmo se encontra em final de sílaba ouve-se: dançá (dançar), falá (falar), comê (comer), doutô (doutor). Usa-se no Brasil a vibrante múltipla alveolar [r] em exemplos como: carro, terra, guerra, erro e socorro o que em exemplos como esses o PE pronuncia-os com a vibrante simples alveolar [ɾ]. Os fenômenos variáveis abarcam todo o território brasileiro. Os estados nacionais são identificados com seus falares próprios, todavia essas variações não são exclusivamente diatópicas (eixo horizontal) são, mormente diastráticas (eixo vertical). Considera-se relevante ressaltar que a diversidade linguística geográfica e, sobretudo a diversidade sociocultural existente no Brasil nos leva ao questionamento sobre uma norma linguística brasileira. Estudos apontam que é nas grandes cidades e nas camadas sócio-culturais mais elevadas que essa norma está se constituindo. O Projeto de Estudo Coordenado da Norma Linguística Culta (Projeto NURC) busca o conhecimento da mesma desde o ano de 1969 nas cidades: Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Recife. Considera-se que a eleição de uma variedade é um assunto que merece destaque, sobretudo em um país como o Brasil que apresenta uma grande diversidade linguística. Quanto à definição de norma, considere as palavras de Peres e Móia (1995): 71

5 Além da tradição histórica de opção pela variedade linguística sustentada pelos grupos mais letrados, há que se considerar que se trata da variedade de difusão e reconhecimento generalizados, da variedade que funciona como factor de unificação nacional, daquela que, por tudo isto, se tornou a menos problemática em termos de inteligibilidade, da variedade que permite o acesso ao património escrito da comunidade e sobre a qual trabalhamos diferentes áreas de acção linguística. Desta forma, essa é a variante privilegiada em tudo o que se relacione com a cultura escrita, ao mesmo tempo que é aquela cujos padrões fónicos se apresentam como neutros e, portanto, modelares. O fato de eleger uma variedade como língua padrão não significa que as outras variedades sejam menos importantes e/ou menos complexas, e nem que essa variedade eleita esteja livre de sofrer alterações. Não esqueçamos que, dentro de (centenas de) anos, com certeza que não serão as mesmas as prescrições, e que, por exemplo, uma preposição que hoje se diz ser exigida no complemento de um verbo, sob pena de cometimento de pecado mortal, pode ser o diabo [ ] dentro de algum tempo (NEVES, 2011). A variação é uma característica inerente ao funcionamento das línguas vivas. Nenhuma língua (viva) por mais homogênea que pareça ser está livre de sofrer alterações. Essas alterações podem ocorrer por fatores geográficos (variação dialetal), sociais (variação social), situacionais (variação diafásica) e históricos (variação diacrônica). O Português no Brasil e em Portugal foi se distanciando devido a fatores de diferente natureza, porém mesmo dentro desses dois países encontramos diversidade linguística, ou seja, uma língua mesmo dentro de uma comunidade não se mantém intacta. No vasto território brasileiro é facilmente perceptível a diferenciação dialetal existente. A realidade, porém, é que as divisões dialectais no Brasil são menos geográficas que sócioculturais. As diferenças na maneira de falar são maiores, num determinado lugar, entre um homem culto e o vizinho analfabeto que entre dois brasileiros do mesmo nível cultural originários de duas regiões distantes uma da outra. A dialectologia brasileira será, assim, menos horizontal que vertical. Há, desse ponto de vista, uma série de níveis no brasileiro : no ápice, a língua das pessoas cultas (com gradações entre um registo oficial estrito e um registo familiar livre); depois, a língua vulgar das camadas urbanas gradativamente menos instruídas, e, finalmente, os falares regionais e rurais. (TEYSSIER, 1990, p. 79) É ilusório acreditar que uma língua não apresente nenhuma variação linguística. O Português atualmente é a sétima língua mais falada no mundo 4 e seus falantes estão distribuídos entre diferentes países (Portugal, Brasil, Moçambique, Angola, Guiné Bissau, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde e Timor Leste). Não é novidade que o Português usado entre essas diferentes regiões possuem características linguísticas próprias que se diferem uma das outras. Os falantes do PB e do PE reconhecem que a língua falada em seus respectivos países possui diferenças significativas para distingui-las como variedades distintas. Os estudos da situação linguística em Angola e Moçambique indicam que a variedade falada e desenvolvida nesses países não coincide com o PE e nem com o PB. Sendo assim, observa-se que possivelmente, a designação língua portuguesa não significa o mesmo para toda a gente. O fato de a variação linguística ser uma característica de toda língua viva nos mostra que não é admirável que o português sendo usado como língua materna por mais de 200 milhões de pessoas distribuídas em espaços geográficos descontínuos por pessoas de diferentes origens étnicas e modos de viver diversos apresente significativas diferenças. Contudo, considera-se que: Recorrendo aos conceitos coserianos de sistema e de norma (COSERIU, 1967), podemos dizer que todas as normas (sociais, regionais e individuais) do português partilham de um par de 4 Informação disponível em: 72

6 características. Uma delas é inovadora a síncope das consoantes N e L quando estão em posição intervocálica, em casos como MANU > mão e MALU > mau. E a outra, conservadora, consiste em não acompanhar o castelhano em diversas das suas inovações mais marcantes, tais como a transformação em ditongo crescente das vogais tônicas em terra e cova, ou a perda do F- inicial latino, FACERE > hacer. Tais características, por serem comuns a todas as normas, podem ser tomadas como marcas do sistema que as alberga. A este sistema lingüístico daremos, por necessidades práticas, o nome de língua portuguesa. (CASTRO, p. 10) Sendo assim, é acertado considerarmos que o sistema linguístico do português dispõe de duas variantes nacionais. A variante portuguesa geralmente designada de português europeu e a variante brasileira, intitulada de português brasileiro. Ocupar-se-á neste artigo, maiormente das diferenças dialetais existentes na variedade do português europeu. Variação dialetal em Portugal Para introduzirmos a área linguística do PE, não podemos deixar de passar sobre a área linguística dos dialetos Galegos. A formação da Língua Portuguesa nasce da diferenciação dos dialetos da atual Galiza e da atual região de Portugal; A língua do Português primitivo era conhecida por Galegoportuguês, falada inicialmente pelos habitantes da zona da Galiza e do norte de Portugal, a partir do século XI com a expansão do território para o sul, o Galego-português também foi se expandindo naquela região. A partir desse fato ele foi adquirindo um estatuto próprio que o diferenciava do Castelhano e do Latim; uma das inovações do Galego-português (GP) foi a síncope das consoantes L e N latinos intervocálicos, como podemos observar nos exemplos de 1 a 3: (1) Dolore (latim) > Dor (GP) (2) Soles (latim) > Sóis (GP) (3) Manu (latim) > Mão (GP) Outra inovação foi a troca dos grupos consonânticos PL-, KL-, FL- iniciais latinos pela africada palatal [t ᶴ ]: (4) Flamma (latim) > Llama (castelhano) > Chama (GP) (5) Pluuia (latim) > Lluva (castelhano) > Chuva (GP) (6) Clave (latim) > Llave (castelhano) > Chave (GP) Com o passar do tempo, Portugal teve a sua formação como uma Nação e, com isto, houve a ruptura e o desmembramento da Língua Galaico-portuguesa; o Galego hoje é falado na atual região da Galiza, Espanha, e mantém um estatuto diferente da Língua portuguesa, um aspecto fundamental que mantém essa diferença é a inexistência de oposição entre surdas e sonoras no domínio das sibilantes e das prepalatais (inexistência de oposição entre [s] e [z] e entre [ʃ] e [ʒ]), como podemos inferir dos exemplos a seguir: (7) Xanela (galego) > Janela (português) (8) Xosé (galego) > José (português) (9) Galicia (galego) > Galiza (português) 73

7 Passando agora para o plano do PE, podemos perceber que a comunidade linguística portuguesa apresenta certa homogeneidade em comparação com o Brasil e outros países da Europa. Em todo o território de Portugal os falantes não sentem grandes dificuldades para se entenderem no que toca a respeito de sotaques, diferenciação semântica e lexical; esse fato se deve a vários fatores dentre os quais se destaca a localização do país. Portugal é uma nação de território diminuto e de periferia, não sofrendo assim, grandes influências de línguas estrangeiras; outro fator é devido à delimitação antiga das suas fronteiras, o país lusitano tem suas fronteiras demarcadas a mais tempo, mantendo a sua configuração atual, quase que desde a sua formação, esse aspecto também contribuí para uma maior demarcação e delimitação homogênea da língua. Porém mesmo dentro dessa aparente estabilidade linguística, o território português, de acordo com a classificação feita por Cintra (1971), tem dois dialetos distintos, o dialeto setentrional e o dialeto centro-meridional, sobre esta diferença Castro (2006, p. 18) afirma que: A fronteira entre os dialectos portugueses setentrionais e os centro-meridionais corresponde a uma linha que atravessa obliquamente o centro de Portugal, partindo da costa ao norte de Aveiro e encontrando a fronteira com Espanha na região de Castelo Branco. Na Nova Proposta, Lindley Cintra descreve minuciosamente a isófona, ou seja, a fronteira fonética que separa a região setentrional, onde predominam as sibilantes apicais, da região centromeridional, onde não há apicais, e onde predominam as sibilantes predorso-dentais. São vários os fatores para a distinção desses dois dialetos, começaremos pelos traços fonéticos que se baseou a obra de Cintra (1971) e faremos a exposição dos mesmos que demarcam essas isófonas. A primeira diferença entre os dois dialetos consiste, empregando o termo coloquial, da troca do V pelo B, ou seja, a pronúncia como oclusiva bilabial [b] ou como fricativa bilabial [β] da letra V nos dialetos setentrionais; já nos dialetos centro-meridionais essa troca não ocorre, a letra V é realizada como uma fricativa labiodental, assim como segue o português padrão, como é ilustrado nesses casos: binho, abó (setentrional) por vinho, avó (centro-meridional). A região setentrional, onde ocorre esse fenômeno, é constituída pelo Minho, pelo norte de Trás-os-Montes, pelo Douro e pela Beira Litoral; nesses locais os dois fonemas dificilmente se distinguem um do outro. O segundo traço diferenciador, considerado o de maior destaque é o da pronúncia de S como X ou como J do dialeto Norte em oposição aos dialetos do Centro e do Sul. Na sua Introdução à História do Português, Castro (2006, p. 24) explicita que: Foi nos dialectos do sul de Portugal que teve início uma transformação, durante a Idade Média, conhecida com o nome de sesseio (...) consiste na confusão entre as sibilantes apicais e predorsais, seguida da transformação das apicais em predorsais, ou, dito de outra maneira, o desaparecimento das apicais, passando as palavras que continham sibilantes apicais a ser produzidas com consoantes predorso-dentais. O sesseio generalizou-se no sul de Portugal e foi acolhido no português padrão. Hoje ocupa todo o território até a isófona (...). A norte desta isófona assistimos à conservação da sibilante apical, mas não do mesmo modo em toda essa vasta região. No Minho litoral, na Beira alta e na parte ocidental de Trás-os-Montes observa-se o fenómeno inverso ao sesseio centro-meridional, pois são as sibilantes predorsais que se desaparecem e se fundem nas sibilantes apicais. No norte e nordeste de Trás-os-Montes, talvez a mais conservadora região dentro do sistema dialectal português, a fusão entre sibilantes apicais e predorsais não se produz. A partir dessa citação podemos observar o fenômeno neste exemplo: cajo (setentrional) por caso (centro-meridional). O terceiro traço fonético diferenciador é a pronúncia da grafia ch como africada palatal [tʃ] nos dialetos setentrionais, enquanto nos dialetos centro-meridionais corresponde à fricativa [ʃ], 74

8 como nesses exemplos: tchave, atchar (setentrional) por chave, achar (centro-meridional). Esse aspecto denuncia o maior conservadorismo dos dialetos setentrionais, pois a permanência do fonema [tʃ] é considerada o traço mais conservador da fonologia portuguesa; a região do Alto Minho, de Trás-os-Montes e das duas Beiras interiores, são as que ainda conservam a permanência das africadas. A quarta diferença do traço fonético apresenta-se na pronúncia do ditongo ou, que nos dialetos setentrionais, é pronunciado como [ow] ou como [ɐw]; evidência de mais um traço conservador do norte, a região que se denota esse fato corresponde ao Minho, a Trás-os-Montes e ao Douro litoral. Podemos observar que na região centro-meridional o ditongo referido não é conservado e acarretou a sua monotongação, que é uma característica da norma padrão. A quinta distinção fonética a que Cintra faz referência diz respeito à conservação dos ditongos [ow] e [ej] nos dialetos setentrionais, contra a sua respectiva monotongação para [o] e [e] nos dialetos centro-meridionais; podemos observar esse fenômeno nesses exemplos: ouro, ferreiro (setentrional) por ôro, ferrêro (centro-meridional). Essa conservação dos ditongos é feita numa região relativamente ampla, formada pelo Minho, por Trás-os-Montes, pela Beira litoral e pela Beira alta, e por grande parte da extremadura, estendendo-se até Lisboa; como percebemos, essa não é uma característica presente apenas nos dialetos do norte, mas também nos centro-meridionais. Ainda sobre esse traço já referido, Castro (2006, p. 26) diz que: A verdade é que o padrão, tendo acompanhado os dialectos do sul na monotongação de ou, não fez o mesmo na monotongação de ei, preferindo manter o ditongo diferenciado como [ɐj].. A partir dessa diferenciação feita por Cintra, podemos inferir dois contrastes importantes; percebemos o conservadorismo do Norte contra a inovação do Sul, fato este que diz respeito às conservações mantidas pelos dialetos setentrionais, ainda com resquícios da antiga língua Galaico-portuguesa; outro contraste é o da fragmentação do Norte contra a homogeneidade do Sul, enquanto em muitos traços específicos do Norte aconteciam em territórios esparsos, no Sul sempre há uma homogeneidade a mais do ocorrido no Norte. Definidos os traços fonéticos que distinguem os dois dialetos, passaremos agora para o plano das áreas lexicais no território português; a divisão da área lexical quase sempre segue a mesma dos traços fônicos, a base desta distinção está no contraste da presença de um maior vocabulário de origem árabe na região centro-meridional, em contraposição com vocábulos de origem latina e germânica na região setentrional. Porém a divisão do território lexical não é tão linear quanto se parece, assim como diz Castro (2006, p.20): Mas, talvez mais freqüente do que esta oposição norte/ sul, será a oposição entre duas regiões: uma constituída pelo noroeste e o centro atlântico do país, prolongando-se geralmente pela Galiza, e a outra ocupando o sul e leste de Portugal. Focaremos agora apenas nessa dualidade entre o noroeste e centro atlântico, contra o sul e leste do país, traçaremos as fronteiras lexicais que a separam, trazendo alguns exemplos do léxico variado recolhidos no trabalho Áreas lexicais em território português de Cintra. A região noroeste e centro atlântico, que se estende até ao rio Tejo, conservam tipos lexicais particularmente arcaicos, que se assemelham à época da formação da Língua. Ribeiro ( ) corrobora que: O noroeste é um reservatório de tipos lexicais antigos: corresponde à antiga área Portugalense e é uma zona de população antiga, estável, que contrasta com o Sul, sempre terra de colonização e terreno propício à homogeneidade e à inovação: prova a permanência da população, a organização paroquial, o parcelamento da propriedade, a distribuição dos mosteiros medievais, muito ligados à vida da terra. Inferimos a partir dessa citação que é explicado o motivo da região noroeste ser conservadora no seu léxico, esse fato está intrinsecamente ligado à cultura da região em ainda manter a distribuição e organização das terras e propriedades desde a época medieval; em grande contraste com essa região está o Sul, que sempre foi terra de colonização, pertenceu a muitos povos diferentes até a definitiva reconquista e, assim, sempre foi terreno fértil para inovações e criações lexicais que não chegavam até ao Norte. Alguns 75

9 exemplos que demonstram esse conservadorismo em contraste com a inovação podem ser representados por estes: A ação de extrair o leite dos animais pode ser conhecida por mugir (termo mais antigo) na região noroeste/ ocidente até Setúbal em contraste com ordenhar que é um termo mais recente que provavelmente terá penetrado pela fronteira política, já que é o termo igualmente utilizado no PB. O nome dado para o animal (fêmea) estéril pode ser conhecido por maninha (designação muito antiga) presente na região centro/ ocidente, contrária à machorra que é uma designação mais recente vinda do centro da península e atualmente falada na fronteira de leste e nordeste do país. O nome dado para a cria da ovelha é conhecido por anho (forma antiqüíssima) no noroeste de Portugal e também na Galiza em contraposição com borrego que é uma inovação que ocupa grande parte do território português, penetrado pela fronteira com a Espanha. Com estes exemplos podemos perceber que a história da língua está intimamente ligada à história do país, o conservadorismo da região noroeste está muito próximo ao que aquela região representou no passado de Portugal e carrega no seu léxico antigo a história da vida ligada ao campo e ao período medieval. Para concluir este trabalho podemos inferir que a dependência existente entre língua e seus falantes é essencial para mantê-la viva; essa dependência acarreta as várias possibilidades da língua se manifestar e, no caso da Língua Portuguesa, as manifestações são plurais, estendendo-se pelos quatro cantos do globo. Esse pluralismo só poderia ter um único resultado, que é o carnaval de possibilidades em que o português pode ser retratado, seja de norte a sul do Brasil, ou de Trás-os-Montes ao Algarve português, ou ainda no português em processo de nacionalização em Angola e Moçambique. São essas variedades que mostram que a Língua Portuguesa, muito mais do que a 7ª língua mais falada no mundo, seja uma das que mais diversidades possuí, fazendo com que a sua essência genuína, que são os falantes, só se aprimore cada vez mais. REFERÊNCIAS A LÍNGUA PORTUGUESA NO MUNDO. Disponível em: <http://www.linguaportuguesa.net/tela_15.htm>. Acesso em: 26 set CÂMARA Jr., J. M.. Estrutura da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Vozes, CÂMARA Jr., J. M.. Para o estudo da fonêmica portuguesa. Rio de Janeiro: Simões, CASTRO, Ivo. Curso de história da língua portuguesa. Lisboa: Universidade Aberta, CASTRO, Ivo. Introdução à história do Português. Lisboa: Edições Colibri, CINTRA, Luís Filipe Lindley. Áreas lexicais em território português. In: CINTRA, Luís Filipe Lindley. Estudos de dialectologia portuguesa. Lisboa: Sá da Costa Editora, 1962;1983. CINTRA, Luís Filipe Lindley. Nova proposta de classificação dos dialetos galego-portugueses. In: CINTRA, Luís Filipe Lindley. Boletim de Filologia. Lisboa: Sá da Costa Editora, CUNHA, Celso. Política e cultura do idioma, língua, nação e alienação. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, MAIA, Clarinda de Azevedo. História do Galego-Português: estado linguístico da Galiza e do noroeste de Portugal desde o século XIII ao século XVI. Coimbra: INIC,

10 NEVES, Maria Helena de Moura. Norma e prescrição lingüística. Disponível em: <http://www.comciencia.br/reportagens/ linguagem/ling12.htm>. Acesso em: 30 ago PERES, João A.; MÓIA, Telmo. Áreas críticas da língua portuguesa. Lisboa: Caminho, RIBEIRO, Orlando. A propósito de áreas lexicais no território português: algumas reflexões acerca do seu condicionamento. Boletim de filologia, tomo XXI, p , SILVA, Rosa Virgínia Mattos e. O português brasileiro. Disponível em: <http://cvc.institutocamoes.pt/hlp/hlpbrasil/index.html>. Acesso em: 8 set TARALLO, F.. Diagnosticando uma gramática brasileira: o português d'aquém e d'além mar ao final do século XIX. In: TARALLO, F.. Língua e cidadania. Campinas: Pontes, TEYSSIER, Paul. História da língua portuguesa. Tradução de Celso Cunha. 4. ed. Lisboa: Sá da Costa Editora, 1982; Tradução de: Histoire de la Langue Portugaise. TEYSSIER, Paul. História da língua portuguesa. São Paulo: Martins Fontes,

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA 3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA Uma língua viva, apesar da unidade que a torna comum a uma nação, apresenta variedades quanto à pronúncia, à gramática e ao vocabulário. Chama-se variação linguística

Leia mais

GRAMATIZAÇÃO E MEMÓRIA: UM ESTUDO DO PORTUGUÊS BRASILEIRO

GRAMATIZAÇÃO E MEMÓRIA: UM ESTUDO DO PORTUGUÊS BRASILEIRO GRAMATIZAÇÃO E MEMÓRIA: UM ESTUDO DO PORTUGUÊS BRASILEIRO Glauce Amanda Pagan Prof. Drª Mariângela Peccioli Galli Joanilho (Orientadora) RESUMO Este estudo objetiva analisar a designação língua brasileira

Leia mais

Introdução à História do Português

Introdução à História do Português Ivo Castro Introdução à História do Português Segunda edição revista e muito ampliada Edições Colibri Índice Síntese Introdutória... 7 Capítulo I TERRITÓRIOS E COMUNIDADES LINGUÍSTICAS 1. Introdução. Conceitos

Leia mais

Variação e normalização linguística

Variação e normalização linguística Que bacana! Hoje vou de ônibus. Amanhã pego o trem. Hoje vou de autocarro. Amanhã apanho o comboio. Vaiamos, irmãa, vaiamos dormir (en) nas ribas do lago, u eu andar vi a las aves meu amigo. Jesu! Jesu!

Leia mais

Alíngua portuguesa formou-se como língua específica,

Alíngua portuguesa formou-se como língua específica, A LÍNGUA PORTUGUESA NO BRASIL Eduardo Guimarães Alíngua portuguesa formou-se como língua específica, na Europa, pela diferenciação que o latim sofreu na Península Ibérica durante o processo de contatos

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LÍNGUA PORTUGUESA EM MOÇAMBIQUE Fátima Helena Azevedo de Oliveira 35 fatimavernaculas@yahoo.com.br CONTEXTO HISTÓRICO-SOCIAL A República de Moçambique

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

24 de janeiro de 2014

24 de janeiro de 2014 24 de janeiro de 2014 Aspetos Fónicos A pronúncia diferente Vogais tónicas: o /a/ acentuado. trabalhámos /trabalhamos; falámos /falamos; para (verbo) /para (preposição) (Variável no PE. Algumas variedades

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA HISTÓRIA E VARIEDADE DO PORTUGUÊS 2 José António Souto Cabo Márlio Barcellos Pereira da Silva GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE

Leia mais

Estrangeirismo O papel da miscigenação no processo de formação da língua portuguesa. Introdução

Estrangeirismo O papel da miscigenação no processo de formação da língua portuguesa. Introdução Estrangeirismo O papel da miscigenação no processo de formação da língua portuguesa. Daniel Klein Malacarne Renata Prytula Presta Colégio Mãe de Deus T. 302 Resumo: A pesquisa tem por objetivo analisar

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Breve caracterização fonética de sons que

Leia mais

Conteúdo: Aula: 1.1. - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano.

Conteúdo: Aula: 1.1. - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano. Aula: 1.1 Conteúdo: - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano. Habilidades: - Conhecer a origem e história da língua

Leia mais

Algumas observações sobre a noção de «língua portuguesa» in Boletim de Filologia, Lisboa, 29,1984, pp.585-592. Eduardo PAIVA RAPOSO

Algumas observações sobre a noção de «língua portuguesa» in Boletim de Filologia, Lisboa, 29,1984, pp.585-592. Eduardo PAIVA RAPOSO Algumas observações sobre a noção de «língua portuguesa» in Boletim de Filologia, Lisboa, 29,1984, pp.585-592. Eduardo PAIVA RAPOSO Neste pequeno artigo, pretendemos questionar a noção de «língua portuguesa»

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE OS USOS DO PORTUGUÊS

REFLEXÕES SOBRE OS USOS DO PORTUGUÊS 30 REFLEXÕES SOBRE OS USOS DO PORTUGUÊS ADELINA CASTELO * A forma como se usa actualmente a língua portuguesa leva-me, enquanto professora de Português e linguista, a reflectir... São essas reflexões e

Leia mais

Objetivo. Letras. Análise Linguística? Em que consiste? Estruturas fonológicas da língua portuguesa. Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo

Objetivo. Letras. Análise Linguística? Em que consiste? Estruturas fonológicas da língua portuguesa. Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo Letras Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo Estruturas fonológicas da língua portuguesa Objetivo Entrar em contato com as características da análise fonológica. Conhecer os fonemas consonantais e vocálicos

Leia mais

VOCALISMO: UMA BREVE ABORDAGEM NO PORTUGUÊS DO BRASIL

VOCALISMO: UMA BREVE ABORDAGEM NO PORTUGUÊS DO BRASIL VOCALISMO: UMA BREVE ABORDAGEM NO PORTUGUÊS DO BRASIL Flágila Marinho da Silva Lima Illa Pires Azevedo 1 94 RESUMO O presente trabalho busca refletir sobre o processo de vocalização no português brasileiro.

Leia mais

Português Brasileiro Cantado Questões técnicas e estéticas relacionadas às normas de pronúncia propostas para o canto erudito no Brasil

Português Brasileiro Cantado Questões técnicas e estéticas relacionadas às normas de pronúncia propostas para o canto erudito no Brasil Português Brasileiro Cantado Questões técnicas e estéticas relacionadas às normas de pronúncia propostas para o canto erudito no Brasil Wladimir Mattos EVPM, FUNDUNESP, Universidade Estadual Paulista Resumo

Leia mais

1. O Português Brasileiro e o Português Europeu contemporâneos: alguns aspectos da diferença Rosa Virgínia Mattos e Silva

1. O Português Brasileiro e o Português Europeu contemporâneos: alguns aspectos da diferença Rosa Virgínia Mattos e Silva a 1. O Português Brasileiro e o Português Europeu contemporâneos: alguns aspectos da diferença Rosa Virgínia Mattos e Silva O Português Brasileiro descende do Europeu. No Brasil, tomou a sua forma na complexa

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

Fonética e Fonologia. Profa. Me. Luana Lemos. llemos@salesiano.org.br

Fonética e Fonologia. Profa. Me. Luana Lemos. llemos@salesiano.org.br Fonética e Fonologia Profa. Me. Luana Lemos 1 Fonética e Fonologia Fonética é a parte da gramática que estuda os sons da fala (física) Fonologia estuda os fonemas da língua nas diversas combinações (linguística)

Leia mais

Aula 05. Locução Adjetiva = expressão que tem a mesma função: qualificar o substantivo.

Aula 05. Locução Adjetiva = expressão que tem a mesma função: qualificar o substantivo. RESUMÃO 2º SIMULADO DE PORTUGUÊS Aula 05 Adjetivo e suas flexões Adjetivo = palavra que qualifica o substantivo. Locução Adjetiva = expressão que tem a mesma função: qualificar o substantivo. Os adjetivos

Leia mais

VARIAÇÕES NO DOMÍNIO DA LÍNGUA PORTUGUESA Ânderson Rodrigues Marins (UFF) andermarins@gmail.com e andermarins@hotmail.com

VARIAÇÕES NO DOMÍNIO DA LÍNGUA PORTUGUESA Ânderson Rodrigues Marins (UFF) andermarins@gmail.com e andermarins@hotmail.com VARIAÇÕES NO DOMÍNIO DA LÍNGUA PORTUGUESA Ânderson Rodrigues Marins (UFF) andermarins@gmail.com e andermarins@hotmail.com INTRODUÇÃO Os que se detêm na análise mais acurada dos fenômenos lingüísticos percebem

Leia mais

Literatura Portuguesa Idade Média e Classicismo Renascentista. 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano

Literatura Portuguesa Idade Média e Classicismo Renascentista. 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano Literatura Idade Média e Classicismo Renascentista 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano história e da cultura de Portugal no período estudado, domínio da língua portuguesa A unidade curricular Literatura

Leia mais

Enunciação e política de línguas no Brasil

Enunciação e política de línguas no Brasil Enunciação e política de línguas no Brasil Eduardo GUIMARÃES Universidade Estadual de Campinas Considerando o fato de que o Brasil é um país multilingüe, tomo como objetivo específico aqui a reflexão sobre

Leia mais

16 Pronúncia do Inglês

16 Pronúncia do Inglês Este livro tem por objetivo central apresentar os sons do inglês aos falantes do português brasileiro. Pretende-se, ainda, indicar algumas diferenças de pronúncia entre variedades do inglês falado em diferentes

Leia mais

/z/ depois [+vozeado] Além disso As crianças generalizam automaticamente com base em traços elas não aprendem primeiro de uma base fonema por fonema

/z/ depois [+vozeado] Além disso As crianças generalizam automaticamente com base em traços elas não aprendem primeiro de uma base fonema por fonema Fonética e Fonologia 24.900: Introdução à Linguagem anotações das aulas: semana de 04 de Março de 2002 Conjunto de Problemas # 4: Para Segunda-feira, 11/03/02 Apostila sobre o principal para a identificação

Leia mais

APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS

APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS UNIVERSIDADE: Universidade Federal de Minas Gerais NÚCLEO DISCIPLINAR/COMITÊ ACADÊMICO: Lingüística, Letras e Artes TÍTULO DO TRABALHO: APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS

Leia mais

Acentuação. É importante saber as regras da acentuação gráfica? Compare: o jornal publicara o artigo o jornal publicará o artigo

Acentuação. É importante saber as regras da acentuação gráfica? Compare: o jornal publicara o artigo o jornal publicará o artigo Acentuação É importante saber as regras da acentuação gráfica? Compare: ela e a minha amiga ela é a minha amiga o jornal publicara o artigo o jornal publicará o artigo sai à rua saí à rua 1 Sílaba / vogal

Leia mais

APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS

APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS Gerusa PEREIRA (UNISUL) ABSTRACT: The present

Leia mais

PADRÕES DE CONCORDÂNCIA VERBAL E DE ALTERNÂNCIA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO E NO PORTUGUÊS EUROPEU ESTUDO SOCIOLINGUÍSTICO COMPARATIVO

PADRÕES DE CONCORDÂNCIA VERBAL E DE ALTERNÂNCIA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO E NO PORTUGUÊS EUROPEU ESTUDO SOCIOLINGUÍSTICO COMPARATIVO PADRÕES DE CONCORDÂNCIA VERBAL E DE ALTERNÂNCIA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO E NO PORTUGUÊS EUROPEU ESTUDO SOCIOLINGUÍSTICO COMPARATIVO CÁSSIO FLORÊNCIO RUBIO PADRÕES DE CONCORDÂNCIA VERBAL E DE

Leia mais

Durante o reinado de Fernando I (1035-1063), os territórios cristãos já se estendiam até Coimbra e avançavam em direção ao sul

Durante o reinado de Fernando I (1035-1063), os territórios cristãos já se estendiam até Coimbra e avançavam em direção ao sul A DIVISÃO DO GALEGO-PORTUGUÊS EM PORTUGUÊS E GALEGO, DUAS LÍNGUAS COM A MESMA ORIGEM Nilsa Areán-García (USP) nilsa.arean@gmail.com / nilsa.garcia@usp.br RESUMO Na Alta Idade Média, de acordo com Silva

Leia mais

A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO

A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO GHISLANDI, Indianara; OENNING, Micheli email: michelioenning@yahoo.com.br Universidade Estadual

Leia mais

48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA. BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998.

48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA. BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998. 48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998. 1) Comentar a citação inicial de William Labov. R:

Leia mais

A redução de proparoxítonas no português popular do Brasil: estudo com base em dados do Atlas lingüístico do Paraná (ALPR).

A redução de proparoxítonas no português popular do Brasil: estudo com base em dados do Atlas lingüístico do Paraná (ALPR). A redução de proparoxítonas no português popular do Brasil: estudo com base em dados do Atlas lingüístico do Paraná (ALPR). Vandersí Sant Ana Castro Instituto de Estudos da Linguagem Universidade Estadual

Leia mais

Breve contribuição para o estudo da génese e formação dos dialectos centro-meridionais portugueses 1

Breve contribuição para o estudo da génese e formação dos dialectos centro-meridionais portugueses 1 Breve contribuição para o estudo da génese e formação dos dialectos centro-meridionais portugueses 1 Maria José Carvalho Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (Centro de Estudos de Linguística

Leia mais

Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita. Unidade 11. Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais

Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita. Unidade 11. Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE Comunicação Oral e Escrita Unidade 11 Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais Núcleo de Educação a Distância 2 Aviso importante! Este material foi produzido

Leia mais

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA EM SALA DE AULA Michael Gouveia de Sousa Júnior Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mikesousajunior@gmail.com Dione

Leia mais

Gramática do Português, Maria Fernanda Bacelar do Nascimento (Centro de Linguística da Universidade de Lisboa)

Gramática do Português, Maria Fernanda Bacelar do Nascimento (Centro de Linguística da Universidade de Lisboa) A publicação da Gramática do Português resulta de um projecto realizado a convite e sob o patrocínio da Fundação Calouste Gulbenkian. Consiste numa obra em três volumes, de que apresentamos hoje os dois

Leia mais

2010 - Direitos autorais reservados à autora

2010 - Direitos autorais reservados à autora 2010 - Direitos autorais reservados à autora Autoria : Paty Fonte ( Patricia Lopes da Fonte) Projeto Gráfico : Priscila Hemery Imagens: Priscila Hemery, Getty Images e Stock.xchng Proibida a reprodução

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [E] E [O] NO PORTUGUÊS POPULAR FALADO EM DOURADOS MS

VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [E] E [O] NO PORTUGUÊS POPULAR FALADO EM DOURADOS MS VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [E] E [O] NO PORTUGUÊS POPULAR FALADO EM DOURADOS MS Márcio Palácios de CARVALHO (UEMS) marciopalacios@hotmail.com Elza Sabino da Silva BUENO (UEMS/FUNDECT) elza20@hotmail.com

Leia mais

A DITONGAÇÃO DAS SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS NOS FALARES BLUMENAUENSE E PORTO-ALEGRENSE: UMA ANÁLISE PRELIMINAR

A DITONGAÇÃO DAS SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS NOS FALARES BLUMENAUENSE E PORTO-ALEGRENSE: UMA ANÁLISE PRELIMINAR Página94 A DITONGAÇÃO DAS SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS NOS FALARES BLUMENAUENSE E PORTO-ALEGRENSE: UMA ANÁLISE PRELIMINAR Cristiane Gonçalves Uliano 1 Maria Fernanda Silva de Carvalho 2 Marina da Costa

Leia mais

TÍTULO: Plano de Aula MEU CHAPÉU AZUL. Ensino Fundamental I / Anos Iniciais. 3º ano. Língua Portuguesa. Ortografia. 2 aulas (50 minutos cada)

TÍTULO: Plano de Aula MEU CHAPÉU AZUL. Ensino Fundamental I / Anos Iniciais. 3º ano. Língua Portuguesa. Ortografia. 2 aulas (50 minutos cada) Org.: Claudio André - 1 TÍTULO: MEU CHAPÉU AZUL Nível de Ensino: Ensino Fundamental I / Anos Iniciais Ano/Semestre de Estudo 3º ano Componente Curricular: Língua Portuguesa Tema: Ortografia Duração da

Leia mais

Descrição e análise do sistema consonantal do português arcaico no Pergaminho Vindel

Descrição e análise do sistema consonantal do português arcaico no Pergaminho Vindel Descrição e análise do sistema consonantal do português arcaico no Pergaminho Vindel Daniel Soares da sta Av. Ferroviária nº 1420 Centro Ibitinga SP Brasil esumo. Este artigo descreve e analisa o sistema

Leia mais

2 Revisão de literatura

2 Revisão de literatura 21 2 Revisão de literatura Realizaremos nessa primeira parte deste capítulo a apresentação disponível para alunos e professores em livros didáticos de PL2E e em Gramáticas (não apenas nas tradicionais,

Leia mais

Sons Vocais do Inglês Americano

Sons Vocais do Inglês Americano Sons Vocais do Inglês Americano Existem mais de 40 sons vocais no inglês americano que podem ser classificados de acordo com a forma básica em que são produzidos. Classe quanto á forma Vogais Fricativas

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO 1º PERÍODO/2015 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO 1º PERÍODO/2015 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO 1º PERÍODO/2015 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL LÍNGUA PORTUGUESA (Unidade 1) Gêneros Poema Crônica Descrição História em quadrinhos Conto de fadas Conto maravilhoso Fábula Leitura

Leia mais

GRAMÁTICA PORTUGUESA 2 -FONOLOGIA E MORFOLOGIA

GRAMÁTICA PORTUGUESA 2 -FONOLOGIA E MORFOLOGIA FACULDADE DE FILOLOGIA Grau em Línguas Modernas: Português GRAMÁTICA PORTUGUESA 2 -FONOLOGIA E MORFOLOGIA José Luís RODRIGUEZ GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁTICO 2015/2016 I. DADOS DA MATÉRIA NOME: Gramática

Leia mais

APPENDIX&PROBI!E!VARIAÇÃO!LINGUÍSTICA!NO!PORTUGUÊS!BRASILEIRO! APPENDIX!PROBI!AND&LINGUISTIC&VARIATION&IN&BRAZILIAN&PORTUGUESE&

APPENDIX&PROBI!E!VARIAÇÃO!LINGUÍSTICA!NO!PORTUGUÊS!BRASILEIRO! APPENDIX!PROBI!AND&LINGUISTIC&VARIATION&IN&BRAZILIAN&PORTUGUESE& Curitiba,Vol.2,nº2,jan.2jun.2014ISSN:231821028REVISTA(VERSALETE & & APPENDIX&PROBIEVARIAÇÃOLINGUÍSTICANOPORTUGUÊSBRASILEIRO APPENDIXPROBIAND&LINGUISTIC&VARIATION&IN&BRAZILIAN&PORTUGUESE& KayronCamposBeviláqua

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES 1 VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES INTRODUÇÃO Francieli Motta da Silva Barbosa Nogueira (Mestranda em Língua e Cultura UFBA/CAPES) A variação linguística é um fenômeno

Leia mais

O continente africano

O continente africano O continente africano ATIVIDADES Questão 04 Observe o mapa 2 MAPA 2 Continente Africano Fonte: . A região do Sahel, representada

Leia mais

Plano da Gestão 2012-2014 Grupo de Trabalho de Línguas Indígenas (GTLI)

Plano da Gestão 2012-2014 Grupo de Trabalho de Línguas Indígenas (GTLI) Plano da Gestão 2012-2014 Grupo de Trabalho de Línguas Indígenas (GTLI) Professora Doutora Dulce do Carmo Franceschini - Coordenadora Universidade Federal de Uberlândia - UFU Instituto de Letras e Linguística

Leia mais

Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual

Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual SOCIOLINGUÍSTICA A LÍNGUA E SUAS VARIAÇÕES Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual Qualquer comunidade formada por indivíduos socialmente organizados dispõe de recursos e métodos

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS

CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS Fátima Christina Calicchio (PG-UEM) calicchiofc@hotmail.com Rosângela Nunes Pereira (PG UEM) rosenpereira@yahoo.com.br Introdução Este estudo está organizado em três

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação Produção textual COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Disciplina: Língua Portuguesa Trimestre: 1º Tipologia textual Narração Estruturação de um texto narrativo: margens e parágrafos; Estruturação de parágrafos: início,

Leia mais

COMPÊNDIO DA LÍNGUA FALADA NO SEMIÁRIDO BAIANO: RETRATOS DA DIVERSIDADE SOCIOLINGUÍSTICA E CULTURAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO

COMPÊNDIO DA LÍNGUA FALADA NO SEMIÁRIDO BAIANO: RETRATOS DA DIVERSIDADE SOCIOLINGUÍSTICA E CULTURAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO COMPÊNDIO DA LÍNGUA FALADA NO SEMIÁRIDO BAIANO: RETRATOS DA DIVERSIDADE SOCIOLINGUÍSTICA E CULTURAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO RESUMO Jaqueline Barreto Lé (UEFS/NELP) 1 Este artigo tem por objetivo apresentar

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A LÍNGUA KAXARARI DA FAMÍLIA PANO: ANÁLISE DE ALGUNS ASPECTOS FONOLÓGICOS

UM ESTUDO SOBRE A LÍNGUA KAXARARI DA FAMÍLIA PANO: ANÁLISE DE ALGUNS ASPECTOS FONOLÓGICOS UM ESTUDO SOBRE A LÍNGUA KAXARARI DA FAMÍLIA PANO: ANÁLISE DE ALGUNS ASPECTOS FONOLÓGICOS Priscila Hanako Ishy 1 ; Gláucia Vieira Cândido 2 ; Lincoln Almir Amarante Ribeiro3 1 Bolsista PBIC /CNPq, graduanda

Leia mais

O PROCESSO DE ASSIMILAÇÃO DA NASALIDADE DAS VOGAIS ORAIS NA FALA ANAPOLINA

O PROCESSO DE ASSIMILAÇÃO DA NASALIDADE DAS VOGAIS ORAIS NA FALA ANAPOLINA O PROCESSO DE ASSIMILAÇÃO DA NASALIDADE DAS VOGAIS ORAIS NA FALA ANAPOLINA Vanilda Oliveira Coelho 1 ; Maria de Lurdes Nazário 1 ; Shirley Eliany Rocha Mattos 2 1 Pesquisadoras convidadas do Núcleo de

Leia mais

Nível linguístico. narrativas. Inserção de vogal em sílaba (epêntese)

Nível linguístico. narrativas. Inserção de vogal em sílaba (epêntese) 1. Leia os trechos de uma entrevista transcrita (dados de fala) e da produção escrita (dados de escrita) de duas alunas de 9º ano (retirados de Silva-Brustolin, 2009), depois responda as questões a) e

Leia mais

Fonologia Aula # 04 (27/04/09)

Fonologia Aula # 04 (27/04/09) Fonologia Aula # 04 (27/04/09) Capítulo 5. Processos Fonológicos Iniciamos, aqui, o estudo da fonologia dinâmica: processos fonológicos e sua representação através de regras. Assim sendo, ficamos restritos,

Leia mais

Conteúdo Programático 5º ano Ensino Fundamental I LÍNGUA PORTUGUESA 1º PERÍODO 2º PERÍODO. LIVRO: PORTUGUÊS - SM ( Textos / Produção de textos)

Conteúdo Programático 5º ano Ensino Fundamental I LÍNGUA PORTUGUESA 1º PERÍODO 2º PERÍODO. LIVRO: PORTUGUÊS - SM ( Textos / Produção de textos) Conteúdo Programático 5º ano Ensino Fundamental I LÍNGUA PORTUGUESA LIVRO: PORTUGUÊS - SM ( Textos / Produção de textos) 1º PERÍODO UNIDADE 1 O DESEJO HUMANO DE EXPLORAR I. EM ALTO-MAR Estamos em alto-mar...

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

A FONÉTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA

A FONÉTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA A FONÉTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA Ivete Carneiro Braz (Letras _ UEL) Geane Maria Marques Branco Sanches (Letras _ UEL) Dulce Meger Silveira Camargo (Letras _ UEL) Orientador:

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso.

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. COMENTÁRIO QUESTÕES DE PORTUGUÊS PROFESSORA: FABYANA MUNIZ As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. 1. (FCC)...estima-se que sejam 20 línguas. (2º parágrafo) O verbo flexionado nos mesmos

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º LE733- COMPREENSÃO E PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA PORTUGUESA Fórmula: LE003 LE003- LINGUA PORTUGUESA 3 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS. ANÁLISE DE ESTRUTURAS BÁSICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA. SINTAXE

Leia mais

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Os estudos sobre a África e as culturas africanas têm ganhado espaço nas últimas décadas. No Brasil esse estudo começou, basicamente, com Nina Rodrigues em

Leia mais

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS Prezado aluno, O maior diferencial deste projeto pedagógico é o desenvolvimento da autonomia do estudante durante sua formação. O currículo acadêmico do seu

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2º CICLO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de História e Geografia de Portugal

Leia mais

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO.

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. Gisele Martins SIQUEIRA (Mestranda FL/UFG) Gisele.msiqueira@gmail.com Maria Suelí de AGUIAR (FL/UFG) aguiarmarias@gamil.com

Leia mais

OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO?

OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO? OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO? Ewerton Felix da Silva Antônio Fernandes Dias Júnior Cristiane Vieira Falcão Maria Glayce Kelly Oliveira

Leia mais

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 Mestranda Neliane Raquel Macedo Aquino (UFT) Resumo: A aprendizagem de uma língua estrangeira LE possibilita transferências

Leia mais

V - ESTADO. O ASPECTO HISTÓRICO É aquele que vê o Estado como um fato social em constante evolução.

V - ESTADO. O ASPECTO HISTÓRICO É aquele que vê o Estado como um fato social em constante evolução. V - ESTADO 1 ORIGEM E FORMAÇÃO DO ESTADO Origem da Palavra: A denominação de Estado tem sua origem do latim status = estar firme, significando situação permanente de convivência e ligada à sociedade política.

Leia mais

O ALTEAMENTO DA POSTÔNICA NÃO FINAL /O/ NO FALAR POPULAR DE FORTALEZA: UM OLHAR VARIACIONISTA

O ALTEAMENTO DA POSTÔNICA NÃO FINAL /O/ NO FALAR POPULAR DE FORTALEZA: UM OLHAR VARIACIONISTA O ALTEAMENTO DA POSTÔNICA NÃO FINAL /O/ NO FALAR POPULAR DE FORTALEZA: UM OLHAR VARIACIONISTA Aluiza Alves de Araújo (UECE) 1 aluizazinha@hotmail.com Brenda Kathellen Melo de Almeida (UECE) 2 brendakathellen@yahoo.com.br

Leia mais

Linguística 1. Segunda Avaliação (Turma C) Profa. Dra. Adelaide Silva 25 de junho de 2015

Linguística 1. Segunda Avaliação (Turma C) Profa. Dra. Adelaide Silva 25 de junho de 2015 Linguística 1 Segunda Avaliação (Turma C) Profa. Dra. Adelaide Silva 25 de junho de 2015 1. Observe os dados abaixo, relativos ao Guanano, língua falada na região noroeste do Amazonas (Brasil) e na região

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5. José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5. José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5 José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE DE FILOLOXÍA. DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

Questão 01 Interpretação de texto. Questão 02 Acentuação gráfica

Questão 01 Interpretação de texto. Questão 02 Acentuação gráfica COMENTÁRIOS E RESPOSTAS À PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA DE NÍVEL MÉDIO PARA AGENTE ADMINSITRATIVO AUXILIAR PORTO ALEGRE DO CONCURSO DA FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PROTEÇÃO E PESQUISA EM SAÚDE FEPS PROVA REALIZADA

Leia mais

A flexão de caso dos pronomes pessoais

A flexão de caso dos pronomes pessoais A flexão de caso dos pronomes pessoais Dante Lucchesi Elisângela dos Passos Mendes SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LUCCHESI, D., and MENDES, EP. A flexão de caso dos pronomes pessoais. In:

Leia mais

Classes Gramaticais: Pronome

Classes Gramaticais: Pronome Classes Gramaticais: Pronome Conceito É a palavra que representa uma pessoa do discurso. Pode se referir a um substantivo ou simplesmente substituí-lo. Ex.: Maria, vi os teus lábios, mas não os beijei.

Leia mais

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!!

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! 1.(UFABC 2009) Exibicionismo burguês. Verdadeiros espetáculos da evolução humana (as e xposições universais) traziam um pouco de tudo: de

Leia mais

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos Pessoais Do caso reto Oblíquo Possessivos Demonstrativos Relativos Indefinidos Interrogativos Os pronomes is indicam diretamente as s do discurso. Quem fala ou escreve, assume os pronomes eu ou nós, emprega

Leia mais

PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA...

PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA... Sumário PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA... 3 1.1. Fonema...3 1.2. Classificação dos fonemas...4 1.3. Encontros vocálicos...5 1.4. Encontros consonantais...5 1.5. Dígrafos...6 1.6. Dífono...7 1.7.

Leia mais

PROPAGANDAS DO SÉCULO XX E XXI: UM ESTUDO DAS VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS RESUMO

PROPAGANDAS DO SÉCULO XX E XXI: UM ESTUDO DAS VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS RESUMO PROPAGANDAS DO SÉCULO XX E XXI: UM ESTUDO DAS VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS Aline Letícia Trindade Rosa Tamyres Maria Rodrigues Zanforlin Valéria de Oliveira (G - CLCA UENP/ CJ) Vera Maria Ramos Pinto (Orientadora

Leia mais

Formação da Língua Portuguesa

Formação da Língua Portuguesa Formação da Língua Portuguesa Influências diversas Curiosidades... Muitos substantivos que hoje são considerados normais quanto ao grau, são diminutivos em sua origem, no latim vulgar: abelha =>apicula

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim 0. Considerações iniciais A Relação entre fonética e fonologia compreende uma relação de interdependência,

Leia mais

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão Alexandre Panosso Netto Escola de Artes, Ciências e Humanidades Universidade de São Paulo Fábia Trentin Departamento

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA

A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA Emanuelle Camila Moraes de Melo Albuquerque (autora bolsista), Renata

Leia mais

A SITUAÇÃO ATUAL DOS ESTUDOS VARIACIONISTAS SOBRE A SÍNCOPE DAS PROPAROXÍTONAS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO

A SITUAÇÃO ATUAL DOS ESTUDOS VARIACIONISTAS SOBRE A SÍNCOPE DAS PROPAROXÍTONAS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO A SITUAÇÃO ATUAL DOS ESTUDOS VARIACIONISTAS SOBRE A SÍNCOPE DAS PROPAROXÍTONAS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO Tatiane de Araújo Almeida Studart Guimarães(UECE) tatianeasguimaraes@gmail.com Aluiza Alves de Araújo(UECE)

Leia mais

VARIAÇÃO E LETRAMENTO EM ESCOLAS URBANAS INTRODUÇÃO

VARIAÇÃO E LETRAMENTO EM ESCOLAS URBANAS INTRODUÇÃO VARIAÇÃO E LETRAMENTO EM ESCOLAS URBANAS Ângela Marina Bravin dos Santos (FAMA, SEE e SME) INTRODUÇÃO No que se refere ao ensino de Língua Portuguesa, os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), com base

Leia mais

A DITONGAÇÃO EM SÍLABAS TRAVADAS POR /S/ EM FLORIANÓPOLIS

A DITONGAÇÃO EM SÍLABAS TRAVADAS POR /S/ EM FLORIANÓPOLIS A DITONGAÇÃO EM SÍLABAS TRAVADAS POR /S/ EM FLORIANÓPOLIS Carine Haupt (Universidade Federal de Santa Catarina) ABSTRACT: In this paper we analyzed the occurrences of diphthongs in syllables with /S/ in

Leia mais

COLOCAÇÃO DOS CLÍTICOS NO PB: UMA ANÁLISE DA LÍNGUA FALADA NO MUNICÍPIO DE JEREMOABO BA

COLOCAÇÃO DOS CLÍTICOS NO PB: UMA ANÁLISE DA LÍNGUA FALADA NO MUNICÍPIO DE JEREMOABO BA COLOCAÇÃO DOS CLÍTICOS NO PB: UMA ANÁLISE DA LÍNGUA FALADA NO MUNICÍPIO DE JEREMOABO BA Isabela Santos da Silva 1 Isnalda Berger de Figueiredo Alves Filha 2 70 RESUMO: O trabalho apresenta como tema a

Leia mais

Mudanças em curso no português brasileiro: contrastando duas comunidades. Dinah Callou e Erica Almeida

Mudanças em curso no português brasileiro: contrastando duas comunidades. Dinah Callou e Erica Almeida Mudanças em curso no português brasileiro: contrastando duas comunidades Dinah Callou e Erica Almeida Universidade Federal do Rio de Janeiro Abstract This paper discusses four linguistic processes in two

Leia mais

O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ

O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ Daniele Reinke 1 ; Cristian Rolin de Moura 2 ; Mary Neiva Surdi da Luz 3. RESUMO: Objetivamos com este projeto identificar quais são as teorias

Leia mais

ACORDO ORTOGRÁFICO: TRANSIÇÃO DA IMPLANTAÇÃO VIDEOCONFERÊNCIA DO PROFESSOR RUY BERGER RESUMO

ACORDO ORTOGRÁFICO: TRANSIÇÃO DA IMPLANTAÇÃO VIDEOCONFERÊNCIA DO PROFESSOR RUY BERGER RESUMO ACORDO ORTOGRÁFICO: TRANSIÇÃO DA IMPLANTAÇÃO VIDEOCONFERÊNCIA DO PROFESSOR RUY BERGER RESUMO (*) A revisão deste texto já considera as novas normas do Acordo Ortográfico. O Acordo Ortográfico da Língua

Leia mais

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos.

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. METAS CURRICULARES 2º ANO Português Oralidade Respeitar regras da interação discursiva. Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. Produzir um discurso oral com correção. Produzir

Leia mais

FUNDAMENTOS DA LÍNGUA LATINA

FUNDAMENTOS DA LÍNGUA LATINA FUNDAMENTOS DA LÍNGUA LATINA INTRODUÇÃO Conhecer o objetivo que se quer atingir em um empreendimento é condição básica para que este seja realizado a contento. Considerando que o curso de Letras é primariamente

Leia mais