A LÍNGUA PORTUGUESA E SEU ALTO GRAU DE DIVERSIDADE E DE RESUMO. A comunicação é indispensável ao homem que vive em sociedade, com esta necessidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A LÍNGUA PORTUGUESA E SEU ALTO GRAU DE DIVERSIDADE E DE RESUMO. A comunicação é indispensável ao homem que vive em sociedade, com esta necessidade"

Transcrição

1 A LÍNGUA PORTUGUESA E SEU ALTO GRAU DE DIVERSIDADE E DE VARIABILIDADE. *Gisele Rogelin Prass RESUMO A comunicação é indispensável ao homem que vive em sociedade, com esta necessidade surge à língua. A língua portuguesa é uma das mais faladas no mundo. Suas raízes são fortes, mas sua evolução é continua, sofrendo variantes, influencias e transformações, essa é a prova da vivacidade da língua portuguesa. Palavras-chave: língua portuguesa, evolução, variantes, influências. INTRODUÇÃO Desde o início dos tempos os homens começam a viver em sociedade, a comunicação torna-se indispensável, não só a linguagem (capacidade de interação por meio da língua), mas também a língua (sistema de signos utilizados e convencionados por um grupo social) modificam a história da humanidade. Saramago enfatiza a importância da língua em uma entrevista à revista Educação: A língua é uma ferramenta, a mais extraordinária de todas, porque é um instrumento, uma ferramenta de comunicação. (Novembro, 2003, p.9). * Acadêmica da Universidade Luterana do Brasil Campus Guaíba/RS 5 semestre do Curso de Letras 2005/2 Aluna da disciplina Estudos Sintáticos da Língua Portuguesa, monitorada pela professora Adriana Lemes.

2 1.A ÚLTIMA FLOR DO LÁCIO A "Última flor do Lácio, como é imortalizada no primeiro verso de um famoso poema de Olavo Bilac, esse termo é usado para designar o nosso idioma: a última flor é a língua portuguesa, considerada a última das filhas do latim. Com sua origem na modalidade falada do latim, apresenta seus primeiros textos escritos em galego-português, evoluindo para o português arcaico com influência de derivações gregas, entrando em sua fase moderna no século XVI, quando aparecem as primeiras gramáticas. A partir deste período a Língua Portuguesa terá mudanças menores, mas continuará sofrendo influencias de outras línguas, novas tecnologias, variantes lingüísticas... O português é a oitava língua mais falada do planeta, o mundo lusófono (que fala português) é formado por sete países: Angola, Portugal, Brasil, Moçambique, Guiné-Bissau, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe. Nessa área considerável em que é falado, o português apresenta-se diferenciado, possuindo variante primeiramente na pronúncia, seguindo-se de diferenças no vocabulário e gramática. Essas formas que veio a assumir o português comprovam que é uma língua viva, exposta as mudanças do meio em que está inserida, sofrendo influências e interagindo com os usuários, pois o objetivo maior da língua, como já foi afirmado acima, é a comunicação. Os gramáticos, como estudiosos da língua, sabem discernir muito bem este assunto: A língua portuguesa é falada em todos os continentes por cerca de duzentos milhões de pessoas. Poucos idiomas desfrutam de tão privilegiada posição. Das línguas neolatinas foi a primeira a expandir-se fora do continente europeu. Acompanhando as caravelas dos conquistadores lusitanos dos séculos XV e XVI,

3 ela implantou-se em todas as partes do mundo. Entretanto, levada para terras tão distantes, a língua portuguesa, em contato com a cultura dos povos aborígines, sofreu inevitáveis alterações, de que resultaram falares regionais ou dialetos. (CEGALLA, 2000, p.18) porém, não podemos afirmar que existem Línguas Portuguesas totalmente distintas ( apesar de ser falada em todos os continentes) não só sua origem é una, mas também até hoje ela apresenta uma coesão entre suas variantes. 2.LÍNGUA NÃO UMA. A real unidade da língua não existe. Ela sofreu mudanças para chegar onde está e com certeza continua mudando, uma prova são as variantes lingüísticas. Existem variantes geográficas, (que dependem do país ou região dos falantes) as sócio-econômicas (como mais conhecidas: linguagem culta e coloquial) sem deixar de lado as variantes expressivas (como a linguagem poética, literária, jornalística...). As diferenças geográficas são notadas entre países falantes da língua ou até entre estados dentro do mesmo país, é o caso do Brasil, em várias regiões temos estas diferenças tanto na pronúncia quanto no termo usado para denominar determinado ser. Um exemplo muito conhecido é a palavra escolhida para denominar um semáforo, os cariocas falam sinal, os paulistas farol e o gaúcho opta por sinaleira, vários termos que significam o mesmo objeto. Baseando-se no vocabulário típico gaúcho, Luis Augusto Fischer escreve Bá, Tchê!, trata-se de um dicionário temático, que apresenta o significado de palavras como desdobre, friagem, entrouxado, são expressões que, com certeza, se escutados por alguém de outra região precisariam ser traduzidos.

4 Variantes sócio-econômicas, infelizmente, existem no Brasil não só na distribuição da renda como também na distribuição do conhecimento, por conseqüência no uso da língua materna, temos a linguagem mais vulgar, de certa forma mais popular, usada pela população de baixa instrução, o português coloquial, que pode ser usado em situações não acadêmicas, e, por fim, o chamado português culto, que segue as normas estipuladas pela gramática, é o português mais conceituado, o que é usado por pessoas de alto nível intelectual, um português que grande parte da população falante não utiliza e muitos ignoram sua existência. Em seu livro Preconceito Lingüístico, Marcos Bagno não só desmistifica o preconceito em relação ao conhecimento e uso da gramática normativa na fala, mas também a idéia de que essa norma culta é um objeto de ascensão social: O que estou tentando dizer é que o domínio da norma culta de nada vai adiantar a uma pessoa que não tenha todo os dentes, que não tenha casa descente para morar, água encanada, luz elétrica e rede de esgoto. O domínio da norma culta de nada vai servir a uma pessoa que não tenha acesso as tecnologias modernas, aos avanços da medicina, aos empregos bem remunerados, a participação ativa e consiente nas decisões políticas que afetam sua vida e a de seus concidadãos. O domínio da norma culta de nada vai adiantar a uma pessoa que não tenha seus direitos de cidadão reconhecidos plenamente... (BAGNO, 2002, p.70) Com o uso do português também surgem linguagens diferenciadas na escrita de textos, é notável a diferença de uma poesia (linguagem poética) a um romance (escrito em prosa, por exemplo), em uma reportagem de um jornal não temos a linguagem poética nem em prosa, temos a linguagem informativa. A distância entre elas está primeiramente na finalidade, uma reportagem tem como objetivo informar, por isso é mais direta, com um vocabulário simples, entretanto um texto literário visa o prazer estético, utilizando-se de uma linguagem mais rebuscada composta por figuras de linguagens, riqueza de detalhes ou mesmo a rima. Essas

5 formas de expressão enriquecem a língua portuguesa e provam a utilização dela de acordo com a necessidade de seus usuários. Destacam-se também as gírias e linguagens técnicas, a juventude, por exemplo, cria expressões para se comunicar diferente da linguagem falada pelos outros usuários do idioma (uma forma de alto afirmação dos grupos de adolescentes) na verdade existe a necessidade de uma linguagem só deles, em que os adultos ou indivíduos de outros grupos sociais não compreendam. A linguagem técnica quando mal empregada pode ter esta mesma função (não permitir que os leigos entendam), na medicina como sabemos o uso de jargões (linguagem peculiar a qualquer classe, profissão) é muito constante, nenhum problema se bem empregado, a necessidade de uso de termos técnicos como nome de doenças e medicamentos, é indispensável, entretanto deve ser traduzida na hora certa, sem trazer transtorno a leigos que têm o direito de entendimento, sendo a língua um meio de comunicação não de exclusão. Todos estes aspectos contribuem para a expansão (necessidade de criação de novos termos) e diversidade da língua. Outro fato a ser abordado é da diferença de significado que uma palavra sofre com o tempo. O termo bárbaro era interpretado pelos romanos como estrangeiros, a palavra recebeu o significado de rude, sem civilização, inculto devido ao povo dos Bárbaros (norte da Europa), no entanto hoje no Brasil o termo significa muito bom, excelente. Outras palavras também sofreram estas transformações e adaptações, mudando o sentido ou o significado, com base na necessidade de comunicação humana. 3.A INFLUÊNCIA DAS LÍNGUAS.

6 Termos de outras línguas também crescem na cultura de língua portuguesa, seja por influência do espanhol, francês ou do inglês (língua atual do império), trazidos por novas tecnologias como a informática ou embutidas no cardápio (pratos franceses), a presença destes termos é tão marcante que já existem dicionários especializados em palavras estrangeiras, é o caso do Dicionário de palavras e expressões estrangeiras de Luis Augusto Fischer, onde ele afirma que são usadas mais de mil e quinhentas palavras em jornais e revistas que têm sua origem fora do Português. Na orelha deste livro Cláudio Moreno desabafa: Patriotas confusos falam em controlar a entrada dessas palavras estrangeiras. É inútil, porque a língua sabe muito bem se defender dos excessos: ela engole tudo o que lhe aparece pela frente, rumina e depois cospe o que não lhe serve. É perigoso, porque é uma atitude de cunho fascista, repressora e mal-humorada. Mussoline propôs a mesma coisa; a direita francesa de Le Pen, igualmente: apontar estrangeirismos, limpar, expurgar, ir da pureza lingüística à limpeza étnica e ideológica. CONCLUSÃO A língua portuguesa passa por diversos tipos de modificações, sendo muito variável e possuindo uma diversidade encantadora, como estudantes de letras, não podemos negar estas mudanças nem podemos dizer que a língua deve ser imutável, sem sofrer influências externas nem podemos desejar que todos os falantes usem o mesmo vocabulário da mesma forma. Não podemos tornar a língua uma ciência exata, pois como todo ser vivo, a língua viva, sofre mudanças em seu caminho, os usuários têm o direito de se comunicar conforme as necessidades surjam.

7 O importante em relação à língua é nunca usá-la incorretamente, este incorreto não diz respeito à ortografia, mas é incorreto usá-la como forma de exclusão, como geradora de preconceito. Não podemos dizer que o gaúcho fala errado e o carioca fala certo, são só maneiras diferentes de falar não podemos dizer que a linguagem literária é mais correta que a jornalística, não podemos marginalizar quem não fala o português culto, não podemos deixar que sejam ditadas regras que delimitem o uso da língua, pois esta é um patrimônio de seus usuários. O importante mesmo é respeitar as diferenças, sejam elas semânticas, sintáticas ou fonéticas. Referências e Obras Consultadas: BAGNO, Marcos. Preconceito Lingüístico. São Paulo: Edições Loyola, BAGNO, Marcos. A língua de Eulália. São Paulo: Editora Contexto, BAGNO, Marcos. Português ou Brasileiro? Um convite a pesquisa. São Paulo: Parábola Editorial, CADORE, Luís Agostinho. Curso prático de Português. São Paulo: Editora Ática,1999. CEGALLA, Domingos Paschoal. Novíssima Gramática da Língua Portuguesa. São Paulo: Companhia Editora Nacional, CUNHA, Celso; CINTRA, Lidney.Nova gramática do Português Contemporâneo.Rio de Janeiro: Nova Fronteira,2001. FISCHER, Luís Augusto. Dicionário de Palavras e expressões estrangeiras. Porto Alegre: L&M, FISCHER, Luís Augusto. Bá,Tchê!Porto Alegre: Artes e Ofícios, 2001.

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA 3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA Uma língua viva, apesar da unidade que a torna comum a uma nação, apresenta variedades quanto à pronúncia, à gramática e ao vocabulário. Chama-se variação linguística

Leia mais

Conteúdo: Aula: 1.1. - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano.

Conteúdo: Aula: 1.1. - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano. Aula: 1.1 Conteúdo: - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano. Habilidades: - Conhecer a origem e história da língua

Leia mais

SOBRE A EVOLUÇÃO LINGÜÍSTICA

SOBRE A EVOLUÇÃO LINGÜÍSTICA SOBRE A EVOLUÇÃO LINGÜÍSTICA Gabriel de Ávila Othero 1 gabnh@terra.com.br... o tempo altera todas as coisas; não existe razão para que a língua escape a essa lei universal. Ferdinand de Saussure 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 C U R S O D E E N G E N H A R I A C I V I L Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 Componente Curricular: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL Código: ENG. 000 Pré-requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais

Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual

Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual SOCIOLINGUÍSTICA A LÍNGUA E SUAS VARIAÇÕES Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual Qualquer comunidade formada por indivíduos socialmente organizados dispõe de recursos e métodos

Leia mais

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO O PRECONCEITO LINGUÍSTICO REVELADO SOB UM OLHAR POÉTICO Carina Pereira de Paula Cristina Monteiro da Silva Juliana Aparecida Chico de Morais (Gdas-CLCA-UENP/CJ) Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (Orientadora-

Leia mais

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS A língua, na concepção da sociolingüística, é intrinsecamente

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES 1 VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES INTRODUÇÃO Francieli Motta da Silva Barbosa Nogueira (Mestranda em Língua e Cultura UFBA/CAPES) A variação linguística é um fenômeno

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames.

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames. C U R S O S ESPECIAIS I n s t i t u t o C e r v a n t e s d e B r a s i l i a CURSOS ESPECIAIS O Instituto Cervantes de Brasília dispõe de uma ampla oferta de cursos especiais para se adaptar as necessidades

Leia mais

RESOLUÇÃO. Habilitação em Língua Espanhola extinta pela Res. CONSEPE 51/2003, de 29 de outubro de 2003.

RESOLUÇÃO. Habilitação em Língua Espanhola extinta pela Res. CONSEPE 51/2003, de 29 de outubro de 2003. RESOLUÇÃO CONSEPE 53/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE LETRAS, DO CÂMPUS DE ITATIBA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

ANÁLISE SEMÂNTICA E PRAGMÁTICA DOS SIGNIFICANTES NEGUINHO (A), E NEGO (A)" NO SÉCULO XIX E NO MUNDO CONTEMPORÂNEO

ANÁLISE SEMÂNTICA E PRAGMÁTICA DOS SIGNIFICANTES NEGUINHO (A), E NEGO (A) NO SÉCULO XIX E NO MUNDO CONTEMPORÂNEO ANÁLISE SEMÂNTICA E PRAGMÁTICA DOS SIGNIFICANTES NEGUINHO (A), E NEGO (A)" NO SÉCULO XIX E NO MUNDO CONTEMPORÂNEO Gabriel Nascimento dos Santos (UESC) gabrielnasciment.eagle@hotmail.com Maria D Ajuda Alomba

Leia mais

CONSIDERANDO que os estudos apresentados para o desdobramento desse Departamento atendem a política universitária traçada por este Conselho;

CONSIDERANDO que os estudos apresentados para o desdobramento desse Departamento atendem a política universitária traçada por este Conselho; RESOLUÇÃO N o 10/92, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Desdobra, com novas denominações, Departamento do Centro de Ciências Humanas e Artes. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, no uso

Leia mais

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

Av. Gen. Carlos Cavalcanti, 4748 - CEP 84030-900 - Tel. 0** (42) 220-3000 - Ponta Grossa Pr. - www.uepg.br

Av. Gen. Carlos Cavalcanti, 4748 - CEP 84030-900 - Tel. 0** (42) 220-3000 - Ponta Grossa Pr. - www.uepg.br CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL E RESPECTIVAS LITERATURAS - EaD Autorizado pelo... Para completar o currículo pleno do curso superior de graduação à distância em Licenciatura em Letras

Leia mais

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários.

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários. CARGA HORÁRIA: 60 horas-aula Nº de Créditos: 04 (quatro) PERÍODO: 91.1 a 99.1 EMENTA: Visão panorâmica das literaturas produzidas em Portugal, Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGUÍSTICA PARA A SALA DE AULA

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGUÍSTICA PARA A SALA DE AULA 1 VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGUÍSTICA PARA A SALA DE AULA INTRODUÇÃO Ariosvaldo Leal de Jesus (FSLF) 1 Considerando que não é mais possível pensar o ensino de uma língua, hoje,

Leia mais

Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) NÍVEL I. Introdução à Pesquisa em Letras

Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) NÍVEL I. Introdução à Pesquisa em Letras Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) Curso 1/20C Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

O DISCURSO SOBRE A OBRIGAÇÃO EM APRENDER UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA

O DISCURSO SOBRE A OBRIGAÇÃO EM APRENDER UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA O DISCURSO SOBRE A OBRIGAÇÃO EM APRENDER UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA ROGERIA DE AGUIAR (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ). Resumo Este trabalho tem por objetivo verficar, em uma perspectiva da Análise do Discurso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º LE733- COMPREENSÃO E PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA PORTUGUESA Fórmula: LE003 LE003- LINGUA PORTUGUESA 3 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS. ANÁLISE DE ESTRUTURAS BÁSICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA. SINTAXE

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA: ORIGENS DA (DES)CONSTRUÇÃO DO LATIM AO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA NACIONAL

LÍNGUA PORTUGUESA: ORIGENS DA (DES)CONSTRUÇÃO DO LATIM AO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA NACIONAL LÍNGUA PORTUGUESA: ORIGENS DA (DES)CONSTRUÇÃO DO LATIM AO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA NACIONAL Grupo 1 Amanda Gonçalves Aluna do 6 p. do Curso de Letras/ISED Daiane Vilela Aluna do 6 p. do Curso de Letras/ISED

Leia mais

Enunciação e política de línguas no Brasil

Enunciação e política de línguas no Brasil Enunciação e política de línguas no Brasil Eduardo GUIMARÃES Universidade Estadual de Campinas Considerando o fato de que o Brasil é um país multilingüe, tomo como objetivo específico aqui a reflexão sobre

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20B Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem como

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de Inglês básico.

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de Inglês básico. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA HISTÓRIA E VARIEDADE DO PORTUGUÊS 2 José António Souto Cabo Márlio Barcellos Pereira da Silva GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE

Leia mais

Análise da influência dos manuais de norma culta nos referenciais teóricos do professor de Língua Portuguesa

Análise da influência dos manuais de norma culta nos referenciais teóricos do professor de Língua Portuguesa Análise da influência dos manuais de norma culta nos referenciais teóricos do professor de Língua Portuguesa Prof a. Esp. Josicarla Mendonça UnB Resumo: Desde que a língua passou a ser comercializada como

Leia mais

4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS 1ª etapa Professoras Regentes: Alessandra / Ana Paula / Solange

4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS 1ª etapa Professoras Regentes: Alessandra / Ana Paula / Solange 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS 1ª etapa Professoras Regentes: Alessandra / Ana Paula / Solange LÍNGUA PORTUGUESA Leitura: Meu nome não é esse (Notícia); Pesquisa de opinião (entrevista); Aprofundamento

Leia mais

AFIRMAÇÃO CULTURAL E DE SOBERANIA:

AFIRMAÇÃO CULTURAL E DE SOBERANIA: AFIRMAÇÃO CULTURAL E DE SOBERANIA: A LÍNGUA PORTUGUESA NA ERA DIGITAL ÁGORA Ciência e Sociedade, ciclo de conferências Universidade de Lisboa Auditório do Instituto para a Investigação Interdisciplinar,

Leia mais

O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ

O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ Daniele Reinke 1 ; Cristian Rolin de Moura 2 ; Mary Neiva Surdi da Luz 3. RESUMO: Objetivamos com este projeto identificar quais são as teorias

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa 7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa As críticas ao ensino tradicional de língua portuguesa não são recentes. Nos anos trinta, Olavo Bilac já se posicionava contra o

Leia mais

Mídia Kit. http://www.grupovirtuous.com.br. Última atualização: 09/10/2014

Mídia Kit. http://www.grupovirtuous.com.br. Última atualização: 09/10/2014 Mídia Kit http://www.grupovirtuous.com.br Última atualização: 09/10/2014 Sobre a Virtuous O Grupo Virtuous atua no segmento educacional, desenvolvendo portais com conteúdos gratuitos e abertos à comunidade,

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DO ESTREITO DE CÂMARA DE LOBOS Ano Letivo 2014/2015

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DO ESTREITO DE CÂMARA DE LOBOS Ano Letivo 2014/2015 ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DO ESTREITO DE CÂMARA DE LOBOS Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO PROVA DE AVALIAÇÃO EXTRAORDINÁRIA DA DISCIPLINA DE LÍNGUA ESTRANGEIRA I - INGLÊS Componente de Formação:

Leia mais

Memória de um Letrado. Daniel Vinícius Ferreira Ronque

Memória de um Letrado. Daniel Vinícius Ferreira Ronque Memória de um Letrado Daniel Vinícius Ferreira Ronque Memórias de um Letrado Homo sum humani a me nihil alienum puto Publio Terêncio Afro Dedicatória Dedico esse livro a todos que ajudaram-me para elaboração

Leia mais

Cursos de Licenciatura

Cursos de Licenciatura DLLM Cursos de Licenciatura 2009-2010 1 Cursos de Licenciatura 2009/2010 1º Ciclo Bolonha DLLM Departamento de Línguas e Literaturas Modernas 2 Cursos de Licenciatura 2009-2010 DLLM DLLM Cursos de Licenciatura

Leia mais

AULA DE PORTUGUÊS : UM OLHAR CRÍTICO SOB O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA

AULA DE PORTUGUÊS : UM OLHAR CRÍTICO SOB O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA AULA DE PORTUGUÊS : UM OLHAR CRÍTICO SOB O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA Carolina Moreira Iório Thiago Leonardo Ribeiro (Gdos CLCA UENP/CJ) Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora CLCA UENP/CJ)

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FLÁVIO GONÇALVES PÓVOA DE VARZIM Critérios Específicos de Avaliação DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ANO LETIVO 2014/15 Critérios de avaliação específicos da disciplina de

Leia mais

LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20J Ingresso a partir de 2011/1 Fundamentos dos Estudos Literários Codicred: 12224-04 NÍVEL I Ementa: Funções da literatura. Discurso literário

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288 71 EaD_UAB LETRAS LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA 009 Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução n. 005/CEG/009, de 5/03/009 Habilitar professores para o pleno exercício de sua atividade docente,

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO ÂMBITO ESCOLAR BREVENSE

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO ÂMBITO ESCOLAR BREVENSE O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO ÂMBITO ESCOLAR BREVENSE Cherma Miranda PEREIRA (UFPA) 1 Celso FRANCÊS JÚNIOR (UFPA) Resumo: Este trabalho tem por objetivo apresentar os resultados da pesquisa sobre o preconceito

Leia mais

48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA. BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998.

48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA. BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998. 48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998. 1) Comentar a citação inicial de William Labov. R:

Leia mais

Religião, Cristianismo e os significados

Religião, Cristianismo e os significados Religião, Cristianismo e os significados Religião: 1 - Crença na Carlos Alberto Iglesia Bernardo das existência palavras Manifestação dicionário Aurélio de - tal editora crença Nova pela Fronteira doutrina

Leia mais

HÁ VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS?

HÁ VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS? HÁ VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS? Wéllem Aparecida de FREITAS Prof. Joyce Elaine de ALMEIDA BARONAS (Orientadora) RESUMO Nos últimos anos, pesquisadores da área de linguagem vêm desenvolvendo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Letras MISSÃO DO CURSO O curso de Licenciatura em Letras do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem o compromisso de promover no estudante um

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

UMA REFLEXÃO TEÓRICA ACERCA DO PRECONCEITO LINGUÍSTICO E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA

UMA REFLEXÃO TEÓRICA ACERCA DO PRECONCEITO LINGUÍSTICO E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas Volume 01. Nº 01. 1º Semestre de 2013 UMA REFLEXÃO TEÓRICA ACERCA DO PRECONCEITO LINGUÍSTICO E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA Kátia Simone Costa VIEIRA 1 Resumo O

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CCL

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CCL Letras Licenciatura Português/Espanhol e Português/Inglês Letras Tradução Francês/Inglês/Português Letras Licenciatura Português/Inglês e Português/Francês Ementário (não mais ofertada em Processo Seletivo)

Leia mais

PROGRAMA DO 7ª SÉRIE / 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL II - 2014 I UNIDADE

PROGRAMA DO 7ª SÉRIE / 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL II - 2014 I UNIDADE COORDENAÇÃO COLÉGIO OFICINA 1 PROGRAMA DO 7ª SÉRIE / 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL II - 2014 I UNIDADE DISCIPLINA CONTEÚDO COMPETÊNCIAS E HABILIDADES LÍNGUA PORTUGUESA REDAÇÃO OFICINA DE LEITURA ARTES EDUCAÇÃO

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS

DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS VIII Jornada Científica REALITER Terminologia e Políticas linguísticas DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS Maria da Graça Krieger (kriegermg@gmail.com) Universidade do Vale

Leia mais

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1 1 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA Élcio Aloisio FRAGOSO 1 Resumo O novo acordo ortográfico já rendeu uma série de discussões sob pontos de vistas bem distintos. O acordo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec:Paulino Botelho/ Professor E.E. Arlindo Bittencourt (extensão) Código: 092-2 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E SUAS VARIAÇÕES: UM ESTUDO SOBRE AS VARIANTES UTILIZADAS NAS ESCOLAS DE SURDOS

LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E SUAS VARIAÇÕES: UM ESTUDO SOBRE AS VARIANTES UTILIZADAS NAS ESCOLAS DE SURDOS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E SUAS VARIAÇÕES: UM ESTUDO SOBRE AS VARIANTES UTILIZADAS NAS ESCOLAS DE SURDOS Karina Ávila Pereira (UFPEL) Apoio financeiro: Capes - bolsa de Mestrado A pesquisa de mestrado

Leia mais

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A ÉTICA NA POLÍTICA Palestrante: Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A origem da palavra ÉTICA Ética vem do grego ethos, que quer dizer o modo de ser, o caráter. Os romanos traduziram

Leia mais

CURSO: LETRAS - LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA

CURSO: LETRAS - LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA CURSO: LETRAS - LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA MISSÃO O curso de Letras - Licenciatura em Língua Portuguesa deve ter o compromisso de promover no estudante um processo contínuo de reflexão sobre o papel

Leia mais

LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20K Ingresso a partir de 2011/1 Fundamentos dos Estudos Literários Codicred: 12224-04 NÍVEL I Ementa: Funções da literatura. Discurso

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC nº 680 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DISCIPLINAS DA ÁREA DE PORTUGUÊS: Introdução aos estudos da Linguagem Panorama geral dos fenômenos da linguagem e suas abordagens científicas.

Leia mais

A ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA

A ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA A ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA Joseilson Jales Alves (graduando em Letras/Espanhol na UERN) Maria Graceli de Lima (Pós-graduanda em Letras PPGL/UERN) Maria Lúcia

Leia mais

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco REDAÇÃO AULA 5 Professora Sandra Franco DISSERTAÇÃO 1. Definição de Dissertação. 2. Roteiro para dissertação. 3. Partes da dissertação. 4. Prática. 5. Recomendações Gerais. 6. Leitura Complementar. 1.

Leia mais

PROVA TEMÁTICA/2014 Conhecimento e Expressão nas Artes e nas Ciências

PROVA TEMÁTICA/2014 Conhecimento e Expressão nas Artes e nas Ciências PROVA TEMÁTICA/2014 Conhecimento e Expressão nas Artes e nas Ciências 5 ANO / ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS. (LÍNGUA PORTUGUESA E REDAÇÃO) Competência

Leia mais

ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME.

ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME. ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME. Adriane Abrantes Lazarotti 1 Gisele Rogelin Prass ¹ Pedrinho Roman 2 RESUMO A educação está buscando soluções para problemas

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

Coordenador do Curso: Prof. Heitor Costa Lima da Rocha

Coordenador do Curso: Prof. Heitor Costa Lima da Rocha UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO CAC CURSO DE JORNALISMO Coordenador do Curso: Prof. Heitor Costa Lima da Rocha IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação do Curso: Jornalismo.

Leia mais

DISCIPLINA: LINGUA PORTUGUESA

DISCIPLINA: LINGUA PORTUGUESA DISCIPLINA: LINGUA PORTUGUESA EMENTA: A Língua Portuguesa priorizará os conteúdos estruturantes (ouvir, falar, ler e escrever) tendo como fundamentação teórica o sociointeracionismo. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

Leia mais

LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS

LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS Aline Almeida de Araújo 1 RESUMO A sociolinguística estuda as variações do meio social, procura entender e explicar as várias maneiras de expressão dos falantes.

Leia mais

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA EM SALA DE AULA Michael Gouveia de Sousa Júnior Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mikesousajunior@gmail.com Dione

Leia mais

Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português

Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português Paulo Coimbra Guedes e Jane Mari de Souza A tarefa de ensinar a ler e a escrever um texto de história é do professor de história

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

Prof. Daniel Santos Redação RECEITA PARA DISSERTAÇÃO ARGUMENTAÇÃO ESCRITA - ENEM. E agora José?

Prof. Daniel Santos Redação RECEITA PARA DISSERTAÇÃO ARGUMENTAÇÃO ESCRITA - ENEM. E agora José? Prof. Daniel Santos Redação RECEITA PARA DISSERTAÇÃO ARGUMENTAÇÃO ESCRITA - ENEM E agora José? Respondam Rápido: O que encanta um homem? O que encanta uma mulher? E o que ENCANTA um corretor do ENEM?

Leia mais

A LÍNGUA PORTUGUESA NO BRASIL E SEUS FALANTES. PALAVRAS-CHAVE: língua, língua popular, norma culta e variações dialetais.

A LÍNGUA PORTUGUESA NO BRASIL E SEUS FALANTES. PALAVRAS-CHAVE: língua, língua popular, norma culta e variações dialetais. A LÍNGUA PORTUGUESA NO BRASIL E SEUS FALANTES Aristóteles Cupolillo 1 RESUMO: A língua portuguesa no Brasil vem se transformando ao longo da história através, principalmente, dos seus falantes que a partir

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

3.5. Lista das disciplinas que se podem realizar em língua estrangeira

3.5. Lista das disciplinas que se podem realizar em língua estrangeira 3.3. Estrutura do curso, ritmo de estudo e obrigações dos estudantes. Condições de matrícula no semestre seguinte e condições prévias de matrícula em disciplinas individuais. O curso de Língua e Literatura

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD LETRAS CURRÍCULO 4 Matriz Curricular 2014/2 Mariana Instituto de Ciências Humanas e Sociais (ICHS) LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA CÓDIGO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS PRÉ-REQUISITO PER LET701 Estudos Clássicos

Leia mais

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia:

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia: A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS NOSSO CURRÍCULO Adotamos uma pedagogia: - que faz da escola uma instância efetiva de assimilação crítica, sistemática e integradora do saber e da cultura geral; - que trata os

Leia mais

OPÇÕES 1.º Ciclo 2014-2015

OPÇÕES 1.º Ciclo 2014-2015 OPÇÕES 1.º Ciclo 2014-2015 0 DEFINIÇÕES GERAIS Disciplinas de opção curricular 1- São consideradas opções curriculares as disciplinas de opção contempladas nos planos de estudos dos cursos, constituindo,

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO)

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

Pré-Vestibular Social LETRAS

Pré-Vestibular Social LETRAS Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica LETRAS Quando chegamos ao momento de escolher uma faculdade, começam a pintar diversas dúvidas, por exemplo, se vamos nos sair bem na carreira

Leia mais

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA Cristiane Toffanello Mestranda UniRitter/Laureate International Universities Cristoffi@hotmail.com SOCIOLINGUÍSTICA

Leia mais

Ementas por Currículos

Ementas por Currículos Universidade Federal Fluminense GCL00064 GCL00065 LINGUISTICA I Unknown function : LINGUISTICA II GCL00066 LINGUISTICA III GCL00067 LINGUISTICA IV GCL00068 LINGUISTICA V GCL00069 LINGUISTICA VI GCL00070

Leia mais

OPÇÕES 1.º Ciclo 2013-2014

OPÇÕES 1.º Ciclo 2013-2014 OPÇÕES 1.º Ciclo 2013-2014 0 DEFINIÇÕES GERAIS Disciplinas de opção curricular 1- São consideradas opções curriculares as disciplinas de opção contempladas nos planos de estudos dos cursos, constituindo,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2010 Programa: Pós-Graduação stricto sensu em Educação/PPGE Área de Concentração: Sociedade,

Leia mais

Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face

Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face Relações de poder e usos linguísticos: desvelando outra face Girllaynne Marques Vinícius Nicéas 1 Universidade Federal de Pernambuco A obra A norma oculta, do linguista brasileiro Marcos Bagno 2 (2003),

Leia mais

Dinâmicas de rede e valor económico da língua portuguesa

Dinâmicas de rede e valor económico da língua portuguesa 1 Jornada de Diplomacia Económica ISEG 5.12.2012 Dinâmicas de rede e valor económico da língua portuguesa jose.esperanca@iscte.pt 2 As línguas no mundo Ecologia da Língua (Calvet) 3 Hipercentral Inglês

Leia mais

Base Nacional Comum Curricular

Base Nacional Comum Curricular Área de Linguagens: Componente Curricular Língua portuguesa SEC/UEFS Para que se dá aulas de Português a falantes nativos do Português? Desenvolver a competência comunicativa dos usuários da língua (progressiva

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL EMENTAS DO CURSO 1º P LÍNGUA ESPANHOLA I LÍNGUA PORTUGUESA I ESTUDOS CLÁSSICOS LINGUÍSTICA I

LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL EMENTAS DO CURSO 1º P LÍNGUA ESPANHOLA I LÍNGUA PORTUGUESA I ESTUDOS CLÁSSICOS LINGUÍSTICA I LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL EMENTAS DO CURSO 1º P LÍNGUA ESPANHOLA I Estudo de estruturas gramaticais básicas em situações comunicativas de registros culto e coloquial. Introdução à fonética e fonologia

Leia mais

*Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século

*Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século *Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século XX; * É quando surge uma literatura social, através de

Leia mais

CONEXÃO ESCOLAR CONEXÃO ESCOLAR

CONEXÃO ESCOLAR CONEXÃO ESCOLAR CONEXÃO ESCOLAR CONEXÃO ESCOLAR ESCOPO PROJETO CONEXÃO ESCOLAR Promover o enriquecimento do vocabulário do aluno nos 3 idiomas mais relevantes para sua formação escolar e profissional: Língua Portuguesa,

Leia mais

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP)

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) RESUMO A língua sofre constantemente uma invasão de novos vocábulos que

Leia mais

3ºANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Professoras regentes: Andreza, Déborah, keiti e Letícia.

3ºANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Professoras regentes: Andreza, Déborah, keiti e Letícia. COLÉGIO NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO IRMÃS DOMINICANAS Curitiba, 6 de Junho de 2012. Senhores pais ou responsáveis, Enviamos-lhes o cronograma do que vai ser trabalhado nesta 2ª Etapa no 3º ano. O cronograma

Leia mais

Edital EAD UFRGS 17. Cartão UFRGS: 9173. Maria José Bocorny Finatto.Instituto de Letras. Ramal: 6711 mfinatto@terra.com.br

Edital EAD UFRGS 17. Cartão UFRGS: 9173. Maria José Bocorny Finatto.Instituto de Letras. Ramal: 6711 mfinatto@terra.com.br Portal de Serviços - SEAD - UFRGS - Edital EAD UFRGS 17 1º Coordenador Cartão UFRGS: 9173 Nome: Maria José Bocorny Finatto Unidade:.Instituto de Letras Vínculo: Professor Ramal: 6711 E-Mail: mfinatto@terra.com.br

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais