SERIA A LÍNGUA FALADA MAIS POBRE QUE A LÍNGUA ESCRITA?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SERIA A LÍNGUA FALADA MAIS POBRE QUE A LÍNGUA ESCRITA?"

Transcrição

1 SERIA A LÍNGUA FALADA MAIS POBRE QUE A LÍNGUA ESCRITA? COULD SPOKEN LANGUAGE BE POORER THAN WRITTEN LANGUAGE? RESUMO Após algumas observações sobre os 500 anos da língua portuguesa no Brasil, argumento que a língua falada é mais complexa do que a língua escrita, contrariamente ao que postula a gramática tradicional. Palavras-chave história do português brasileiro língua falada e escrita gramática oração ensino do português como língua materna. ABSTRACT After some reflections on the 500 years of the Portuguese language in Brazil, I argue that the spoken language is more complex than the written one, contrary to traditional grammatical assumptions. Keywords history of Brazilian Portuguese spoken and written language grammar sentence teaching Portuguese as mother tongue. ATALIBA T. DE CASTILHO Professor titular de Filologia e Língua Portuguesa (USP) e presidente da Associação de Lingüística e Filologia da América Latina 85 impulso nº 27

2 Foi necessário esperar até o século xviii para que a língua portuguesa efetivamente se tornasse a língua majoritária do País. APRESENTAÇÃO N os últimos 500 anos temos falado e escrito a língua portuguesa no Brasil. Nos três primeiros séculos, apenas 30% dos habitantes falavam a língua de Portugal, e nem todos a escreviam. Os outros 70% eram aloglotas, ameríndios e africanos. Entre 1 e 6 milhões de indígenas, não se sabe ao certo, falavam uma das 220 línguas brasileiras aqui encontradas. Além deles, cerca de 18 milhões de africanos escravizados e trazidos para cá desde o século XVI falavam uma das muitas línguas da cultura banto e da cultura sudanesa. 1 Foi necessário esperar até o século XVIII para que a língua portuguesa efetivamente se tornasse a língua majoritária do País. Ainda hoje em dia restam 160 línguas indígenas, faladas por uns 220 mil indivíduos, e raras línguas crioulas de base africana, como é o caso do dialeto de Helvécia. 2 Que língua é essa que falamos, e que escrevemos (tão pouco)? Continua a ser o português europeu? Ou já falamos o brasileiro? Bem, essa é uma discussão que começou no Romantismo, e somente neste século passou a merecer um tratamento mais científico. De fato, tem-se notado que desde o século XIX começaram a aparecer no português do Brasil alguns elementos fonéticos e gramaticais divergentes do uso europeu. Vejamos alguns poucos exemplos. Pronunciamos todas as vogais anteriores à vogal tônica, como em telefone, enquanto os portugueses as reduziram, dizendo tulfón. Às vezes deixamos cair as vogais iniciais, como em tá, por está, mantidas pelos portugueses em seu modo característico de atender ao telefone: está? está lá? Também alteramos bastante a gramática. Para ficar só num caso: no quadro dos pronomes pessoais, mantivemos eu e ele para a primeira e a terceira pessoas, mas estamos substituindo progressivamente tu por você e nós por a gente. Vós praticamente desapareceu. O problema é que você e a gente levam o verbo para a terceira pessoa, e com isso a morfologia verbal reduziu as seis terminações diferentes a apenas três: eu faço, você / ele / a gente faz, eles fazem, desaparecendo fazes, fazemos e fazeis. Se a morfologia verbal se simplifica, torna-se obrigatório manter o sujeito da oração, pois ficará difícil saber se em saía à noite o sujeito será eu, você, ele, a gente. Com isso, vai desaparecendo o sujeito elíptico, passamos a ter uma média de 80% 1 RODRIGUES, 1986, e CASTILHO, 1998a. 2 BAXTER & LUCCHESI, impulso nº 27 86

3 de sujeitos preenchidos, e diminuímos sensivelmente sua posposição outra novidade não documentável em Portugal. Significaria então que já nasceu a língua brasileira? Algumas dificuldades impedem uma resposta taxativa, pois muitos dos fenômenos diferenciadores são atestados no português medieval. Indo por aqui, o português do Brasil seria considerado uma conservação do português europeu, e a pergunta então não é se temos uma nova língua por aqui, e sim por que eles mudaram a língua por lá... Muito provavelmente, o português do Brasil está combinando conservadorismos e inovadorismos, seguindo, de todo modo, uma direção distinta daquela do português europeu. Em todo caso, trata-se de um quadro complexo que não pode ser caracterizado por simplificações do tipo estamos acabando com a língua portuguesa, foi só mudarem a língua para os trópicos, e vejam que espantosa degeneração!, os portugueses, sim, é que sabem falar direito. Não poderei aqui elaborar mais detalhadamente essas idéias sobre a pretensa decadência do português no Brasil. Se você não quer ficar repetindo bobagens desse tipo, que lemos todos os dias nos jornais, acompanhe as pesquisas que um grupo de lingüistas vem fazendo. 3 Uma coisa é certa: presentemente a língua falada é de todos, e apenas a língua escrita continua pertencendo à gente escolarizada. Infelizmente, nem tantos quanto os primeiros, pois como sabemos ainda hoje há milhões de brasileiros que não sabem escrever. Apesar da vitória numérica da língua falada, a língua escrita continua obviamente a ter sua importância. As condições de produção separam essas modalidades. Quando falamos estamos em presença do interlocutor, e por isso acertamos o rumo da conversa o tempo todo, o que afeta a seleção dos recursos da língua. Quando escrevemos, a ausência do leitor nos obriga a uma explicitude maior, afinal não podemos acompanhar por suas reações se estamos sendo claros ou não. Também isso afeta os tipos de recursos da língua que movimentamos. Simples, não? Pois é, então por que nossos manuais escolares se fundamentam exclusivamente numa modalidade, a escrita, deixando de lado a língua falada? Por que já chegamos à escola falando? Examinemos isso um pouco mais de perto. É bem sabido que a gramática tradicional apóia-se na língua escrita, privilegiando nesta modalidade a língua literária não a língua escrita corrente, dos jornais, por exemplo. Uma observação freqüente nesses textos é que a língua escrita é mais complexa e mais formal do que a língua falada, vista a segunda como uma variante mais pobre e mais informal que a primeira. Ora, pesquisas sociolingüís- 3 CASTILHO, 1998b, MATTOS & SILVA, 1999, e ALKIMIN, no prelo. 87 impulso nº 27

4 ticas sobre o português desenvolvidas no Brasil mostram o equívoco de afirmações tão esquemáticas, e apontam para a rica heterogeneidade das línguas naturais. A persistência de nossos livros escolares em afirmações em que ninguém mais acredita mostra que o ensino fundamental e o ensino médio do português ainda não se beneficiaram da enorme quantidade de pesquisas sobre a oralidade desenvolvidas no Brasil. Também não estão sendo consideradas as expressas recomendações a esse respeito, formuladas nos Parâmetros Curriculares Nacionais. Neste trabalho, quero chamar sua atenção para os prejuízos dessa fixação na língua escrita. Menciono os estudos sobre o português falado no Brasil, examino rapidamente a estrutura da oração nessa modalidade, e concluo com algumas reflexões sobre como incorporar a língua falada em nossas práticas escolares. Tudo isso sem excluir a língua escrita, é claro! O que estou propondo é um cardápio menos monótono. PESQUISAS BRASILEIRAS SOBRE O PORTUGUÊS FALADO 1. Premeditando a coisa Um conjunto de fatores desencadeados nos anos 70 e 80 favoreceram a eclosão do movimento científico de que resultou a preparação da Gramática do Português Culto Falado no Brasil, a ser publicada em 2001: a expansão dos cursos pós-graduados de Lingüística, o surgimento dos projetos coletivos de pesquisa e a insistência de vários lingüistas em que passássemos a dispor de gramáticas descritivas que refletissem o uso brasileiro da língua portuguesa. Em 1969 foi fundada a Associação Brasileira de Lingüística, e a partir de 1972 passaram a ser implantados os Programas de Pós-Graduação em Lingüística e Língua Portuguesa, hoje em número de 52. Este fato novo na vida universitária brasileira teve diversas conseqüências: o surgimento da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Letras e Lingüística, em 1984, a fundação de dezenas de revistas especializadas com publicação regular, a concessão de bolsas a jovens brasileiros, que partiram para o exterior em busca de doutorado em áreas ainda não existentes no Brasil, a organização sistemática de seminários e congressos, e o estabelecimento de uma política de aquisição de bibliografia especializada. A instalação da Lingüística entre nós e a profissionalização dos lingüistas brasileiros teve por efeito a busca de uma temática de interesse para o desenvolvimento da cultura nacional. Os lingüistas sentiram o peso de suas responsabilidades sociais e políticas. Sem descurar de sua formação teórica, eles passaram a buscar assunto para suas pesquisas nas dezenas de línguas indígenas brasileiras que sobreviveram à colonização e na variabilidade do português brasileiro. Daí para a organização de projetos coletivos de investigação foi um passo, logo dado pelo Projeto impulso nº 27 88

5 de Estudo da Norma Lingüística Urbana Culta (UFBA, USP, Unicamp, UFPE, UFRJ, UFRS, a partir de 1970), pelo Projeto Censo Lingüístico do Rio de Janeiro, hoje Programa de Estudos de Usos Lingüísticos (UFRJ, desde 1972), e pelo Projeto de Aquisição da Linguagem (Unicamp, a partir de 1975). Já nos anos 90 surgiram o Projeto Variação Lingüística do Sul do Brasil (UFPR, UFSC E UFRS, desde 1992), o Programa de História do Português (UFBA, desde 1991), o Projeto do Atlas Lingüístico Brasileiro (UFBA, UFJF, UEL, UFRJ, UFRS, desde 1997), entre tantos outros. Outro fato que assinalou este período foi a crescente preocupação para que dispuséssemos de bons dicionários e de boas gramáticas, mais conformes ao uso brasileiro do português. Duas novas gramáticas foram publicadas, assinalando a busca da mudança: em Portugal, a de Mira Mateus et al. 4 e, no Brasil, a de Cunha e Cintra. 5 Coincidência ou não, no mesmo no de 1985 são publicados no país quatro livros em que foi avaliada a gramática tradicional, adotada em nossas escolas. 6 Mesmo partindo de perspectivas diferentes, seus autores confluíam na defesa da preparação de uma nova gramática do português, mais atenta às alterações que se vinham notando na realidade lingüística do país. O surgimento entre nós dos estudos sobre a língua falada daria uma importante resposta aos planos desses autores. 2. Descobrindo a língua falada A partir dos anos 60, grupos de pesquisadores afiliados a várias universidades brasileiras se engajaram na tarefa de documentar, descrever e refletir sobre a língua falada. Em toda a sua história, a Lingüística sempre esteve atravessada pela idéia de que a língua falada é a manifestação primordial da linguagem e seu objeto primeiro de estudos. Mas esses belos propósitos só puderam se transformar em ações efetivas depois de uma inovação tecnológica, a invenção do gravador portátil. Podia-se, finalmente, pôr em marcha um programa sistemático de investigação da oralidade. Pela primeira vez a América Latina antecipou-se à Europa e aos Estados Unidos num movimento científico. A língua falada forneceu a matéria-prima para essa virada. Em 1964, Juan M. Lope Blanch, lingüista espanhol radicado no México, obteve do Programa Interamericano de Lingüística e Ensino de Idiomas (Pilei) a aprovação de seu Proyecto de Estudio Coordinado de la Norma Lingüística 4 MIRA MATEUS et al., CUNHA & CINTRA, ILARI, 1985, PERINI, 1985, LUFT, 1985, e BECHARA, impulso nº 27

6 Culta de las Principales Ciudades de Iberoamérica y de la Península Ibérica. 7 Seu projeto representava uma notável mudança de rumo dos estudos dialetológicos: deixava-se de privilegiar o falar residual de pequenas comunidades rurais, perdidas en los varicuetos de una sierra, partindo-se para a linguagem padrão das grandes metrópoles que iam surgindo, as quais alteraram a proporção população rural versus população urbana na organização demográfica das nações latino-americanas. Lope Blanch mostrava, por exemplo, que em vários países da América Latina metade da população habitava suas capitais, o que poderia afetar o espanhol (ou o português) falados no país, dada a previsível força de irradiação da variedade da capital. Desde o começo, o Proyecto previa a inclusão da América portuguesa, além da Espanha e de Portugal. Convidado a opinar sobre o assunto, o prof. Nélson Rossi, da Universidade Federal da Bahia, e delegado brasileiro no Pilei, apresentou um texto ao Simpósio do México. 8 Ele pondera ali que, contrariamente à América espanhola, a execução do projeto no Brasil não poderia limitar-se à capital do País, e nem mesmo ao Rio de Janeiro: arrisco a impressão de que a cidade do Rio de Janeiro, apesar de sua excepcional significação como aglomerado urbano e como centro de irradiação de padrões culturais, não daria por si só a imagem do português do Brasil. 9 Ele desenvolve então suas idéias sobre o policentrismo cultural brasileiro, e argumenta que desenvolvendo-se o projeto em cinco capitais, sendo quatro fundadas no século XVI (Recife, Salvador, Rio de Janeiro e São Paulo) e uma no século XVIII (Porto Alegre), estariam abarcados doze milhões e meio de habitantes aproximadamente, o que equivale a um sétimo da população atual do país. 10 Desconhecendo esses arranjos, conhecendo porém o Proyecto de Lope Blanch, propus sua adaptação a parte do País, num texto intitulado Descrição do Português Culto na Área Paulista. 11 Informado por Nélson Rossi das decisões tomadas no Pilei, e por ele convidado a integrar o projeto mais amplo, aceitei suas ponderações e desisti do plano anterior. Finalmente, a 11 de janeiro de 1969, aproveitando a presença de vários professores brasileiros reunidos no III Instituto Interamericano de Lingüística, promovido pelo Pilei na Universidade de São Paulo, juntamente com o II Congresso Internacional da Alfal, o prof. Rossi convocou uma reunião de que participaram os futuros coordenadores das equipes do Projeto, que viria a ser conhecido entre nós como Projeto NURC : Albino de Bem Veiga (Porto Alegre), Isaac Nicolau Salum e 7 LOPE BLANCH, 1964/1967, ROSSI, 1968/ ROSSI, 1968/1969, p ROSSI, 1968/1969, p CASTILHO, impulso nº 27 90

7 Ataliba T. de Castilho (São Paulo), além do próprio Rossi, coordenador do Projeto em Salvador. Posteriormente, seriam indicados Celso Cunha (Rio de Janeiro) e José Brasileiro Vilanova (Recife). Reuni num livrinho editado pelo Conselho Municipal de Cultura de Marília os documentos então gerados. 12 Para discutir a metodologia da pesquisa e seus rumos no País, foram realizadas 14 reuniões nacionais do Projeto: I, Porto Alegre, 1969; II, Capivari, 1970; III, Recife, 1971; IV, Rio de Janeiro, 1971; V, Salvador, 1972; VI, Porto Alegre, 1973; VII, São Paulo, 1974; VIII, Recife, 1974; IX, Rio de Janeiro, 1975; X, Rio de Janeiro, 1977; XI, Salvador, 1981; XII, Rio de Janeiro, 1984; XIII, Campinas, 1985; XIV, Porto Alegre, Designadas as equipes locais, cuja listagem aparece em Castilho, 13 teve início o trabalho de documentação da fala de 600 informantes de formação universitária, selecionados entre pessoas nascidas na cidade, filhas de pais igualmente nascidos na cidade, divididos por igual em homens e mulheres, distribuídos por três faixas etárias (25-35 anos, anos, e de 56 anos em diante). A fala dos informantes foi gravada em três situações distintas: diálogo com o documentador (DID), diálogo entre dois informantes (D2) e aulas e conferências (EF). A equipe nacional desistiu de realizar as gravações sigilosas previstas no projeto original. As entrevistas eram tematicamente orientadas, fundamentando-se em cerca de 20 centros de interesse, abrangidos por mais de 4 mil quesitos. As gravações foram realizadas entre 1970 e 1977, tendo-se apurado um corpus gigantesco, constante de entrevistas com informantes, totalizando horas de gravações. Começou então a árdua tarefa de transcrever parte desse corpus, organizando-se o corpus compartilhado, um conjunto de 18 entrevistas por cidade, selecionadas de acordo com os parâmetros sociolingüísticos do projeto, e distribuídas a todas as cidades participantes. Amostras do corpus começaram a ser publicados a partir de 1986, em São Paulo, 14 Rio de Janeiro, 15 Salvador, 16 Recife 17 e Porto Alegre. 18 As amostras das três últimas cidades ainda estão incompletas. Em 1988, representantes do Projeto do Português Fundamental (sediado no Centro de Lingüística da Universidade de Lisboa) e do Projeto NURC/Brasil firmaram um protocolo de intercâmbio de dados, de tal sorte que atualmente ambas as equipes dispõem de elementos para eventuais comparações entre as modalidades européia e americana do português falado culto. 12 Idem, Idem, 1990, pp CASTILHO & PRETI, 1986 e 1987, e PRETI & URBANO, CALLOU, 1992, e CALLOU & LOPES, 1993 e MOTTA & ROLLEMBERG, SÁ et al., HILGERT, impulso nº 27

8 De acordo com a metodologia do Projeto, a análise dos materiais assim recolhidos se faria a partir de um Guia-Questionário, que forneceria um roteiro básico para a pesquisa, visando a assegurar a comparabilidade dos resultados. A comissão brasileira adaptou a versão espanhola já publicada desse roteiro. 19 Os quesitos compreendiam três setores: Fonética e Fonologia, Morfo-sintaxe e Léxico. A partir de 1978 as análises tiveram início, tendo seguido duas grandes direções: estudos gramaticais e estudos de pragmática da língua falada. Parte desses trabalhos foi publicada em coletâneas. 20 Muitos textos foram publicados em revistas científicas e anais de congressos, outros são teses, como Menon. 21 O estudo do léxico de São Paulo foi empreendido por Enzo Del Carratore, permanecendo inédito. O do Rio de Janeiro foi concluído e publicado. 22 Para a história do Projeto NURC e a bibliografia gerada até 1990, ver Castilho. 23 As análises gramaticais já em 1981 mostravam que haveria problemas para a continuação dos trabalhos, na forma como eles tinham sido concebidos no final dos anos 60 pelo projeto congênere do espanhol da América, acolhido pelas equipes brasileiras: 1. não tinha havido uma discussão sobre a especificidade do oral, e os instrumentos de análise tomavam a língua escrita como ponto de partida; 2. o modelo teórico adotado, que combinava elementos da gramática tradicional com uma sorte de estruturalismo mitigado, não dava conta de uma série de fenômenos típicos da modalidade falada; 3. novas tendências da indagação lingüística, surgidas posteriormente à concepção do projeto, mostravam-se mais sensíveis à modalidade falada, particularmente as aproximações entre a sintaxe e o discurso. Para uma análise dessas e de outras questões, ver Castilho. 24 Apesar desses acidentes de percurso, deve-se reconhecer que esse projeto se mostrou plenamente vitorioso em sua fase de coleta e organização dos dados. Graças a ele, a Lingüística brasileira se manteve atualizada quanto à organização de inventários da língua falada, fenômeno cuja extensão vem caracterizada por Blanche-Benveniste e Jeanjean. 25 Fora do domínio do espanhol e do português, desenvolveram-se outros projetos sobre a língua falada. Limito-me a mencionar brevemente apenas os que se fundamentaram em registros magnetofônicos. Nos Estados Unidos, os primeiros de que tenho notícia são o estudo sobre o inglês falado em Nova York, de Labov, 26 o método para o levantamento da fala de 19 CUESTIONARIO, 1971 e CASTILHO, 1989, PRETI & URBANO, 1990, e PRETI, 1995, 1997 e MENON, MARQUES, CASTILHO, 1990b. 24 Idem, 1984 e 1990a. 25 BLANCHE-BENVENISTE & JEANJEAN, impulso nº 27 92

9 Detroit proposto por Shuy et al. 27 e o pioneiro estudo sobre a conversação, de Sacks et al. 28 Vinte anos depois, as sugestões contidas neste último motivaram um ambicioso programa, intitulado Conversation and Grammar: Ono & Thompson. 29 Esse projeto busca as relações entre as categorias pragmáticas da conversação e as categorias gramaticais da sintaxe, uma hipótese lançada entre nós por Dias de Moraes, 30 Marcuschi 31 e Castilho. 32 Na França, lembre-se a pesquisa sociolingüística do francês falado em Orleans, de Blanc-Biggs, 33 e o fecundo Groupe Aixois de Recherches en Syntaxe, organizado na Universidade de Aix-en-Provence. 34 Esses trabalhos tiveram uma forte repercussão em Portugal. 35 Na Itália, devem ser lembradas as pesquisas de Sornicolla 36 e aquelas ligadas ao Lessico Italiano di Frequenza Batalhando por uma gramática da língua portuguesa falada no Brasil As pesquisas brasileiras sobre a língua falada passaram por uma grande aceleração, depois que apresentei em 1987 à Associação Nacional de Pesquisa e Pós- Graduação em Letras e Lingüística, a convite da profa. Maria Helena Moura Neves, um projeto de preparação coletiva de uma gramática do português falado, com base nos materiais do Projeto NURC/Brasil. O Projeto de Gramática do Português Falado (PGPF) teve início em 1988, tendo esgotado sua agenda em Uma de suas motivações foi aproveitar os ricos materiais do Projeto NURC, que vinham sendo maiormente examinados por pesquisadores em Análise da Conversação, Análise do Discurso e Lingüística do Texto. O I Seminário do PGPF debateu o plano inicial, o de preparar uma gramática referencial do português culto falado no Brasil, descrevendo seus níveis fonológico, morfológico, sintático e textual. Reconheceu-se nesse primeiro encontro que seria impossível selecionar uma única articulação teórica que desse conta da totalidade dos temas que se espera ver debatidos numa gramática descritiva, numa gramática de referência como a que se planejava escrever. As primeiras discussões 26 LABOV, SHUY et al., SACKS et al., ONO & THOMPSON, DIAS DE MORAES, MARCUSCHI, CASTILHO, BLANC-BIGGS, BLANCHE-BENVENISTE et al., 1979, BLANCHE-BENVENISTE & JEANJEAN, 1987, e BLANCHE-BENVE- NISTE, 1990a. 35 NASCIMENTO, SORNICOLLA, VOGHERA, 1992, e DE MAURO, impulso nº 27

10 cristalizaram esse reconhecimento, tendo-se decidido dar livre curso à convivência dos contrários no interior do projeto. Como forma de organização, os 32 pesquisadores que atuaram no projeto, afiliados a 12 das maiores universidades brasileiras, distribuíram-se por grupos de trabalho (GTS), sob a coordenação de um deles, para a realização das tarefas previamente agendadas: 1. Fonética e Fonologia, coordenado inicialmente por João Antônio de Moraes, e posteriormente por Maria Bernadete M. Abaurre; 2. Morfologias Derivacional e Flexional, coordenado por Margarida Basílio e Ângela C. S. Rodrigues, respectivamente; 3. Sintaxe das Classes de Palavras, coordenado inicialmente por Rodolfo Ilari, e posteriormente por Maria Helena Moura Neves; 4. Sintaxe das Relações Gramaticais, coordenado inicialmente por Fernando Tarallo, e posteriormente por Mary Kato; 5. Organização Textual- Interativa, coordenado por Ingedore G.V. Koch. Cada GT traçou o perfil teórico que pautaria suas pesquisas. Os textos discutidos e preparados no interior de cada GT foram posteriormente submetidos à discussão pela totalidade dos pesquisadores, reunidos em seminários plenos. Foram realizados dez seminários plenos, terminados os quais os textos debatidos eram reformulados e publicados em uma série própria, editada pela Unicamp 38 A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) tem financiado as atividades, também apoiadas vez e outra pelo Conselho Nacional de Pesquisas. A partir de 1990, solicitou-se ao prof. Mílton do Nascimento que debatesse os problemas teóricos suscitados pelos trabalhos apresentados, na qualidade de assessor Acadêmico do PGPF. Isso ocorreu sistematicamente a partir do IV Seminário, resultando daí alguns textos, um dos quais apresentado ao Centro de Lingüística da Universidade de Lisboa, em 1993, em reunião convocada pelos drs. Maria Fernanda Bacelar do Nascimento e João Malaca Casteleiro. 39 A ESTRUTURA DA ORAÇÃO NO PORTUGUÊS FALADO Se é verdade que o português falado é mais pobre do que o português escrito, segue-se, entre outras coisas, que as orações nessas duas modalidades serão complexas na língua escrita e simples na língua falada. Vamos verificar essa afirmação, começando pela língua escrita. Como construímos uma oração quando escrevemos? Para início de conversa, é reconhecido há muito tempo que uma oração é um verbo que seleciona os termos com os quais ele vai organizar essa oração, seja na língua escrita, seja na língua falada. Enquanto empreendimento sintático, conclui-se portanto que para construir uma oração partimos do léxico, escolhemos ali 38 CASTILHO, 1990b e 1993, ILARI, 1992, CASTILHO & BASÍLIO, 1996, KATO, 1996, KOCH, 1996, NEVES, 1999, e ABAURRE & RODRIGUES, no prelo. 39 NASCIMENTO, 1993b. impulso nº 27 94

11 um verbo adequado ao que queremos expressar, selecionando a seguir os termos projetados por esse verbo. Quer dizer que os verbos se distinguem de outras classes porque têm a propriedade de selecionar seu termo-sujeito e o seu ou os seus termos-complementos. Sujeito e complementos mantêm com o verbo uma relação sintática forte, comprovável pela proporcionalidade que podemos estabelecer entre eles e os pronomes, essa classe primitiva de que derivam os nomes. Bom, a gramática tradicional ensina que o pronome é uma classe derivada, e o nome uma classe primitiva. Mas que pena, pois é exatamente o contrário! Mas deixa pra lá. Além desses termos, podem comparecer também os adjuntos, que por não serem pronominalizáveis não exibem essa relação sintática forte. Tudo isso se passa em nossa mente no momento em que vamos lançar ao papel um texto, forçosamente constituído de orações. Mas acontece que escrever é uma atividade solitária. Como já disse antes, o interlocutor não está presente, não interage conosco enquanto escrevemos, não interfere visivelmente nesse ofício. Tais condições de produção têm como resultado um conjunto de orações voltadas para a sintaxe. Qual é o resultado disso? Orações tipologicamente simples, dotadas de sujeito, verbo, complementos e adjuntos. Imagine que você está escrevendo um capítulo de sua autobiografia, e vai narrar como conseguiu seu primeiro emprego. No remanso do seu escritório, algumas orações que provavelmente escorreriam de sua pena seriam algo como: (1) O Diretor da Folha me chamou e me incumbiu de escrever sobre televisão. O que temos em (1)? O velho feijão com arroz de sempre: sujeito verbo complemento. Mas imagine agora que você está conversando com alguém, que de repente pergunta: (2)()Como você começou a escrever sobre televisão na Folha? Uma resposta provável dada aliás por uma senhora de 60 anos, numa entrevista recolhida pelo Projeto nurc é a seguinte: (3)()olha Francisca... eu... como você sabe... u:ma pessoa um Diretor lá da Folha certa feita me chamou e me incumbiu de escrever sobre televisão... Uma variante perfeitamente possível desse enunciado poderia ser como segue: 95 impulso nº 27

12 (4)()televisão... bom... olha Francisca... eu... assim... um Diretor lá da Folha me chamou... tá entendendo? e então... quer dizer... me incumbiu de escrever sobre televisão... tá? televisão... Em (3) e (4), nota-se que várias vezes o falante abandonou a estrutura propriamente sintática da oração, contida em (1), introduzindo em determinados espaços expressões discursivas de monitoramento da fala (olha Francisca / como você sabe / tá entendendo? / quer dizer / tá?). Foi igualmente introduzido o substantivo televisão, por meio do qual esse falante esclarece o assunto sobre o qual pretende falar, fornecendo a moldura da proposição. Em sua primeira menção, esse substantivo atua como tópico dessa oração, e em sua segunda menção, como seu antitópico. Observando mais de perto (3) e (4), nota-se que duas estruturas aí se cruzaram: uma estrutura orientada para a sintaxe, constituída por sujeito, verbo e complementos, na qual se concentra o núcleo proposicional, e uma estrutura orientada para o discurso, constituída por expressões de monitoramento da interlocução e do próprio texto que está sendo produzido. Observe, neste caso, o uso do recurso epilingüístico quer dizer. Por outras palavras, identificamos na oração escrita uma só estrutura, a estrutura sintática, que poderia ser assim representada: O -> S V O. Já na língua falada essa estrutura de base vem permeada por diferentes elementos, que constituem a estrutura discursiva da oração. Para representar as duas estruturas, Tarallo-Kato et al. 40 assim representaram a oração na língua falada: O -> [...Tópico (Sujeito... Verbo... Complemento 1... Complemento 2)... Antitópico]. Nesta representação, os termos entre parênteses constituem a estrutura sintática. O tópico, o antitópico e as reticências, enfeixados pelos colchetes, constituem a estrutura discursiva. Através das reticências, os autores indicaram os espaços que podem ser preenchidos por expressões discursivas de variada ordem, algumas das quais aqui exemplificadas. À primeira vista, a oração na língua falada é uma verdadeira bagunça. Mas basta verificar que as expressões discursivas têm uma distribuição previsível, isto é, algumas só podem vir no começo da oração, enquanto outras aparecem apenas no fim, para concluir que as mesmas regularidades identificadas na estrutura sintática são encontradas igualmente na estrutura discursiva. Tanto isso é verdade, que você nunca diria: 40 TARALLO-KATO et al., impulso nº 27 96

13 (4 a) * tá? tá entendendo? televisão... eu... assim... um Diretor lá da Folha me chamou... e então... quer dizer... me incumbiu de escrever sobre televisão... bom... olha Francisca... Em suma, enquanto na língua escrita predomina quase categoricamente uma estrutura a sintática, na língua falada precisamos operar com duas estruturas a sintática e a discursiva, dadas as respectivas condições de produção. Onde está, então, a pobreza da língua falada? Estas rápidas observações mostram que a língua falada é mais complexa do que a língua escrita. Na escrita, não precisamos monitorar a interação, podemos voltar atrás e corrigir o que não saiu bem, e com isso acabamos por produzir uma linguagem pasteurizada. Por fala, ao contrário, diferentes processos constitutivos se cruzam, exigindo um investimento muito maior, de que resulta uma linguagem mais complexa. Muito mais poderia ser dito a respeito das complexidades do oral. O PGPF produziu mais de duas centenas de ensaios, além de diversas dissertações e teses. Na falta de tempo e espaço, convido os interessados à leitura desses trabalhos, e à reflexão sobre eles. Sobretudo, peço que desde logo tirem da cabeça esta história da pobreza da língua falada. A riqueza da língua falada faz dela um grande assunto para a sala de aula. Por que, então, não se insere a consideração do oral em nossas práticas escolares? LÍNGUA FALADA E ENSINO Publiquei em 1998 um livrinho intitulado A Língua Falada no Ensino de Português. 41 Sustento ali que, antes de mais nada, está na hora de alterar as relações professor/aluno em sala de aula. Até aqui, temos considerado bom o professor que cumpre programa que ele não preparou, pois lhe foi imposto pela Secretaria da Educação, dá as provas e avalia os alunos segundo parâmetros que podem não coincidir com as expectativas destes. Por outras palavras, esse bom professor leva a seus alunos soluções a problemas que nem um deles formulou! Estranho, não? Depois disso tudo ainda ficamos espantados pelo fato dos alunos não aprenderem a gramática de jeito nenhum. Então, tome aulas de reforço, ou tome reprovação! Creio que uma razão muito singela está por trás desse malogro. Quero insistir neste ponto: são dadas aos alunos respostas a perguntas que eles não formularam. Não havendo curiosidade, não há ciência, não há aprendizado. 41 CASTILHO, 1998a. 97 impulso nº 27

ESTUDOS DE LÍNGUA FALADA UMA ENTREVISTA COM ATALIBA TEIXEIRA DE CASTILHO

ESTUDOS DE LÍNGUA FALADA UMA ENTREVISTA COM ATALIBA TEIXEIRA DE CASTILHO CASTILHO, Ataliba Teixeira. Estudos de Língua Falada: uma entrevista com Ataliba Teixeira de Castilho. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 3, n. 4, março de 2005. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br].

Leia mais

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com 1. Introdução Neste artigo trata-se, sob a perspectiva sociolinguística variacionista, a alternativa

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 C U R S O D E E N G E N H A R I A C I V I L Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 Componente Curricular: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL Código: ENG. 000 Pré-requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

Claudia Norete Novais Luz

Claudia Norete Novais Luz Claudia Norete Novais Luz Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/7788173410265540 Última atualização do currículo em 17/01/2013 Mestra em Estudo de Linguagens pela Universidade do Estado

Leia mais

Curriculum Vitae. José Mario Botelho

Curriculum Vitae. José Mario Botelho Dados pessoais Nome Nome em citações bibliográficas Sexo Endereço profissional José Mario Botelho Curriculum Vitae José Mario Botelho BOTELHO, José Mario Masculino Universidade do Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA HISTÓRIA E VARIEDADE DO PORTUGUÊS 2 José António Souto Cabo Márlio Barcellos Pereira da Silva GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE

Leia mais

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXTENSÃO DE

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio EtecPaulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos - SP Área do conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias Componente curricular: Inglês Série:

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

1. (FUVEST-SP) Em Queria que me ajudasses, o trecho destacado pode ser substituído por:

1. (FUVEST-SP) Em Queria que me ajudasses, o trecho destacado pode ser substituído por: COLÉGIO DE APLICAÇÃO DOM HÉLDER CÂMARA AVALIAÇÃO: EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES I DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSOR(A): ANA PAULA DA VEIGA CALDAS ALUNO(A) DATA: / / TURMA: M SÉRIE: 9º ANO DATA PARA ENTREGA:

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL NO MUNICÍPIO DO RJ: RELATOS DE PROFESSORES RAABE COSTA ALVES

O ENSINO DE ESPANHOL NO MUNICÍPIO DO RJ: RELATOS DE PROFESSORES RAABE COSTA ALVES O ENSINO DE ESPANHOL NO MUNICÍPIO DO RJ: RELATOS DE PROFESSORES RAABE COSTA ALVES Atualmente pode-se afirmar que a Língua Espanhola é a segunda língua mais importante do território nacional se considerarmos

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

MATRIZ DE TRANSIÇÃO BACHARELADO EM LETRAS PORTUGUÊS INGLÊS

MATRIZ DE TRANSIÇÃO BACHARELADO EM LETRAS PORTUGUÊS INGLÊS MATRIZ DE TRANSIÇÃO BACHARELADO EM LETRAS PORTUGUÊS INGLÊS Para integralizar a Matriz de Transição do Bacharelado em Letras Português Inglês, o aluno terá que atender às seis categorias abaixo, considerando,

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática -

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática - PLANO DE ENSINO LETRAS (PORTUGUÊS-INGLÊS) Turno: Noturno Currículo: 2003 INFORMAÇÕES BÁSICAS Período 2013/1 Natureza: Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS Teórica 60 Carga Horária Prática

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS Adriana Cristina Cristianini (USP, UNIBAN) dricris@usp.br Márcia Regina Teixeira

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA SANTOS, Lilian 1 NUNES, Célia 2 O presente trabalho tem como objetivo apresentar algumas considerações

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte.

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte. MARCAS DA ITÁLIA NA TOPONÍMIA DE BELO HORIZONTE Resumo Zuleide Ferreira Filgueiras 1 Esta comunicação tem como objetivo apresentar os principais resultados da dissertação de mestrado A presença italiana

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco REDAÇÃO AULA 5 Professora Sandra Franco DISSERTAÇÃO 1. Definição de Dissertação. 2. Roteiro para dissertação. 3. Partes da dissertação. 4. Prática. 5. Recomendações Gerais. 6. Leitura Complementar. 1.

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS REFERÊNCIA: LEFFA, Vilson J. ; LOPES, Rita de Cássia Campos. Determinação sócio-lingüística do conceito de leitura. 46 a Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Vitória, 17 a 22 de

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 A INTERCULTURALIDADE E SEUS REFLEXOS NA PRODUÇÃO DE TEXTOS DE ALUNOS DESCENDENTES DE POMERANOS Tatiani Ramos (UFES) tateletras@yahoo.com.br INTRODUÇÃO Segundo Costa Val (1997), o texto é uma unidade de

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS S DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem

Leia mais

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA EM SALA DE AULA Michael Gouveia de Sousa Júnior Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mikesousajunior@gmail.com Dione

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5. José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5. José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 5 José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE DE FILOLOXÍA. DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA

Leia mais

O curso de italiano on-line: apresentação

O curso de italiano on-line: apresentação O curso de italiano on-line: apresentação Índice Porque um curso de língua on-line 1. Os cursos de língua italiana ICoNLingua 2. Como é organizado o curso 2.1. Estrutura geral do curso 2.2. Andamento e

Leia mais

ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO

ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO 1 ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO Dóbia Pereira dos Santos NASCIMENTO Gisele da Paz NUNES Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão dobia@wgo.com.br

Leia mais

COMUNICAÇÃO: O VOCATIVO EM CORPUS DO DIALETO MINEIRO OITOCERNTISTA: UMA ABORDAGEM VARIACIONISTA

COMUNICAÇÃO: O VOCATIVO EM CORPUS DO DIALETO MINEIRO OITOCERNTISTA: UMA ABORDAGEM VARIACIONISTA COMUNICAÇÃO: O VOCATIVO EM CORPUS DO DIALETO MINEIRO OITOCERNTISTA: UMA ABORDAGEM VARIACIONISTA -Juliana Costa Moreira -UFOP -Mônica G. R. de Alkmim -UFOP O presente trabalho tem como objeto de estudo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 Marta Luz Sisson de Castro PUCRS O Banco de Dados Produção do conhecimento na área de Administração da Educação: Periódicos Nacionais 1982-2000

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO.

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. Gisele Martins SIQUEIRA (Mestranda FL/UFG) Gisele.msiqueira@gmail.com Maria Suelí de AGUIAR (FL/UFG) aguiarmarias@gamil.com

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHLADLEMPLIC04 OBSERVAÇÃO EM SALA DE AULA E/LE Bruna Mikaele Siquiera (1) María del Pilar Roca (3) Centro de Ciências Humanas, Artes e Letras/ Departamento de Letras Estrangeiras Modernas RESUMO Esse

Leia mais

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1 1 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA Élcio Aloisio FRAGOSO 1 Resumo O novo acordo ortográfico já rendeu uma série de discussões sob pontos de vistas bem distintos. O acordo

Leia mais

USO DOS PRONOMES DEMONSTRATIVOS NA FALA E NA ESCRITA 1

USO DOS PRONOMES DEMONSTRATIVOS NA FALA E NA ESCRITA 1 USO DOS PRONOMES DEMONSTRATIVOS NA FALA E NA ESCRITA 1 RESUMO Sirlei de Faria Andrade¹ Nesta pesquisa, o objeto de estudo é análise da apresentação dos pronomes demonstrativos nas gramáticas de Bechara

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas DISCIPLINA: Atividades de Estágio em Língua Portuguesa (Licenciatura em Letras)

Leia mais

CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS E PROPOSTAS DE SESSÕES E MINICURSOS

CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS E PROPOSTAS DE SESSÕES E MINICURSOS CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS E PROPOSTAS DE SESSÕES E MINICURSOS A Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação (RBMA) convida os interessados a participarem do seu VII Seminário, que acontecerá nos

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

A Pós-Graduação em Psicologia no Brasil

A Pós-Graduação em Psicologia no Brasil SEÇÃO LIVRE Entrevista com Oswaldo Hajime Yamamoto Pollyanna Santos da Silveira I Leonardo Fernandes Martins I I Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFJF. O Doutor Oswaldo Hajime Yamamoto é professor

Leia mais

O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA)

O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) RESUMO O objeto de estudo dessa pesquisa são os sintagmas preposicionados

Leia mais

AS ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM EM LÍNGUA ESPANHOLA NO ÂMBITO DO CAA - CENTRO DE AUTO-ACESSO

AS ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM EM LÍNGUA ESPANHOLA NO ÂMBITO DO CAA - CENTRO DE AUTO-ACESSO AS ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM EM LÍNGUA ESPANHOLA NO ÂMBITO DO CAA - CENTRO DE AUTO-ACESSO Gabriela Rodrigues Botelho Prof. Camila Maria Corrêa Rocha (Orientador) RESUMO Este artigo tem por objetivo abordar

Leia mais

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames.

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames. C U R S O S ESPECIAIS I n s t i t u t o C e r v a n t e s d e B r a s i l i a CURSOS ESPECIAIS O Instituto Cervantes de Brasília dispõe de uma ampla oferta de cursos especiais para se adaptar as necessidades

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias Componente Curricular: Inglês Série:

Leia mais

PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo

PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo Pergunta 01 Quais termos você usa para identificar uma pessoa surda? A Deficiente auditivo B Surdo-Mudo C Surdo D Mudinho

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Básico Informação Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS (LE I) Prova escrita e oral Prova 21 2015 do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame

Leia mais

EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA PESQUISA E PRÁTICA

EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA PESQUISA E PRÁTICA A EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA PESQUISA E PRÁTICA Prof.ª Ms. Keli Cristina Conti keli.conti@gmail.com Doutoranda em Educação pela Unicamp Licenciada em Matemática e Pedagoga Participante dos Grupos Prapem (Prática

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

Colaboradores deste número

Colaboradores deste número Colaboradores deste número Angela Maria Soares Mendes Taddei é mestre em Memória Social pela Unirio na linha de pesquisa Memória e Linguagem. Tem licenciatura plena em Letras pela Uerj e especialização

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO DE PORTUGUÊS 6.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No final do 6.º ano de escolaridade, o aluno deve ser capaz de: interpretar e produzir textos orais com diferentes finalidades e coerência, apresentando

Leia mais

A distribuição complementar entre a perífrase estar +gerúndio e o. presente do indicativo em português e espanhol

A distribuição complementar entre a perífrase estar +gerúndio e o. presente do indicativo em português e espanhol A distribuição complementar entre a perífrase estar +gerúndio e o presente do indicativo em português e espanhol Talita Vieira Moço (USP) Introdução Nesta ocasião apresentaremos algumas das observações

Leia mais

O PROCESSO DE ASSIMILAÇÃO DA NASALIDADE DAS VOGAIS ORAIS NA FALA ANAPOLINA

O PROCESSO DE ASSIMILAÇÃO DA NASALIDADE DAS VOGAIS ORAIS NA FALA ANAPOLINA O PROCESSO DE ASSIMILAÇÃO DA NASALIDADE DAS VOGAIS ORAIS NA FALA ANAPOLINA Vanilda Oliveira Coelho 1 ; Maria de Lurdes Nazário 1 ; Shirley Eliany Rocha Mattos 2 1 Pesquisadoras convidadas do Núcleo de

Leia mais

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro Olimpíada de LP Escrevendo o futuro QUATRO GÊNEROS EM CARTAZ: OS CAMINHOS DA ESCRITA Cristiane Cagnoto Mori 19/03/2012 Referências bibliográficas RANGEL, Egon de Oliveira. Caminhos da escrita: O que precisariam

Leia mais

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS Antonio Carlos Santana de Souza (UEMS / PPGLETRAS UFGRS) acssuems@gmail.com Reúno aqui a resenha de três textos que foram muito importantes para a minha formação sociolinguística.

Leia mais

2.4 recolocação da formação pedagógica para o ensino do português nas faculdades de Letras

2.4 recolocação da formação pedagógica para o ensino do português nas faculdades de Letras Ata da primeira reunião plenária da Comissão para definição da política de ensinoaprendizagem e pesquisa da Língua Portuguesa no Brasil e de sua internacionalização. No dia 17 de junho de 2004, realizou-se,

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA

A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA Emanuelle Camila Moraes de Melo Albuquerque (autora bolsista), Renata

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável: Sandra Mari Kaneko Marques

CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável: Sandra Mari Kaneko Marques INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS SÃO CARLOS CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável:

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF UFF carlosfabiano.teacher@gmail.com

Carlos Fabiano de Souza IFF UFF carlosfabiano.teacher@gmail.com VIII Jornada de Estudos do Discurso NARRANDO A VIDA SOCIAL A FALA DO PROFESSOR DE INGLÊS SOBRE A SUA ATIVIDADE DOCENTE EM CURSOS DE IDIOMAS: POR UM ITINERÁRIO INVESTIGATIVO NA INTERFACE TRABALHO & LINGUAGEM

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 Prova 06 / 2015 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares.

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares. APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI: POSSÍVEIS ENCONTROS COM A APRENDIZAGEM DIALÓGICA NOS CADERNOS DE PESQUISA 1 Adrielle Fernandes Dias 2 Vanessa Gabassa 3 Pôster - Diálogos Abertos

Leia mais

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Hernandes Santos, Amarílis Alfabetização na inclusão

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA. Trabalho de Conclusão de Curso

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA. Trabalho de Conclusão de Curso UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Trabalho de Conclusão de Curso Brasília 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA REITOR Prof. Dr. Gilberto Gonçalves Garcia PRÓ-REITOR

Leia mais

FILGUEIRAS, Karina Fideles - FaE-UFMG GT: Alfabetização, Leitura e Escrita/n. 10 Agência Financiadora: não contou com financiamento

FILGUEIRAS, Karina Fideles - FaE-UFMG GT: Alfabetização, Leitura e Escrita/n. 10 Agência Financiadora: não contou com financiamento (CON)FUSÕES ENTRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: AS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NUMA ESCOLA PÚBLICA E NUMA ESCOLA PARTICULAR. FILGUEIRAS, Karina Fideles - FaE-UFMG GT: Alfabetização,

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia

OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia INTRODUÇÃO: A proposta desse trabalho é apresentar a pesquisa de Mestrado,

Leia mais

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com RESUMO Neste trabalho, discutiremos sobre o estudo morfossintático da

Leia mais

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP)

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) RESUMO A língua sofre constantemente uma invasão de novos vocábulos que

Leia mais

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

Liliane Santana Curriculum Vitae

Liliane Santana Curriculum Vitae Liliane Santana Curriculum Vitae Abril/2008 Dados pessoais Nome: Endereço profissional: Endereço eletrônico: Liliane Santana UNESP - Instituto de Biociências Letras e Ciências Exatas de São José do Rio

Leia mais

Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas

Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas A PESQUISA SOBRE A REESCRITA DE TEXTOS Raquel Salek FIAD 1 RESUMO: Este trabalho, que se caracteriza como uma meta-pesquisa, tematiza as pesquisas sobre aquisição da escrita com foco na reescrita e tem

Leia mais

Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino

Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino César Reis (UFMG) Leandra Batista Antunes (UFOP) Leandro Augusto dos Santos (UFOP) Vanessa Pinha (UFMG) Apesar de os

Leia mais

VARIAÇÃO E MUDANÇA NO PORTUGUÊS DA AMAZÔNIA: UMA ANÁLISE DO MARCADOR PRAGMÁTICO EXTRA-CLÁUSULA TÁ NO FALAR SANTARENO(ESTADO DO PARÁ )

VARIAÇÃO E MUDANÇA NO PORTUGUÊS DA AMAZÔNIA: UMA ANÁLISE DO MARCADOR PRAGMÁTICO EXTRA-CLÁUSULA TÁ NO FALAR SANTARENO(ESTADO DO PARÁ ) VARIAÇÃO E MUDANÇA NO PORTUGUÊS DA AMAZÔNIA: UMA ANÁLISE DO MARCADOR PRAGMÁTICO EXTRA-CLÁUSULA TÁ NO FALAR SANTARENO(ESTADO DO PARÁ ) Ediene Pena-Ferreira Marcela de Lima Gomes Universidade Federal do

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADES DE ENGENHARIAS E DESIGN REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADES DE ENGENHARIAS E DESIGN REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADES DE ENGENHARIAS E DESIGN REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) INTRODUÇÃO O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e é um componente curricular obrigatório

Leia mais

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH,

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH, BORBA, Valquíria C. Machado. Resenha de Cohesion in English, de Halliday & Hassan. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 4, n. 6, março de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. RESENHA DE

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini

Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número: este, esse, aquele. Existem três invariáveis:

Leia mais

TEATRO COMO FERRAMENTA PARA ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA: RELATO DE EXPERIÊNCIA 1

TEATRO COMO FERRAMENTA PARA ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA: RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 TEATRO COMO FERRAMENTA PARA ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA: RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 Kaio César Pinheiro da Silva Raquel Espínola Oliveira de Oliveira Thais Fernandes da Silva Cristina Bongestab

Leia mais

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA 500 PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA Renata Aparecida de Freitas 1 FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Lorena - SP Este trabalho

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA COM ÊNFASE EM MULTILETRAMENTOS O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS Monissa Mattos - 2 Ten CMPA LETRAMENTO letrar é mais do que alfabetizar,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2010 Programa: Pós-Graduação stricto sensu em Educação/PPGE Área de Concentração: Sociedade,

Leia mais

O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA

O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA 03070 O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA Resumo Autor: Marcelo Ganzela Martins de Castro Instituições: UNINOVE/Instituto Singularidades/E.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DESCRIÇÃO E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO SINTÁTICO E SEMÂNTICO DOS ADVÉRBIOS EM - MENTE Coordenador/E-mail: Gessilene Silveira Kanthack/

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Ano letivo 2014/2015 Ensino Secundário - 1ª e 2ª Fase Disciplina de ESPANHOL (INICIAÇÃO BIENAL) - 375 Informação Prova de Equivalência à Frequência 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO

REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO SILVA, Wellington Jhonner D. B da¹ Universidade Estadual de Goiás - Unidade

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

Daniele Marcelle Grannier, UnB Tércia A. F. Teles, UnB. Introdução

Daniele Marcelle Grannier, UnB Tércia A. F. Teles, UnB. Introdução 1 Um estudo do vocabulário de crianças ouvintes de cinco anos como subsídio para elaboração de material didático para a iniciação à escrita de crianças surdas Introdução Daniele Marcelle Grannier, UnB

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA

SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA Ms. Jeferson Fernando de Souza Wolff RESUMO O computador, como ferramenta pedagógica para ensino e aprendizagem

Leia mais

MANUAL PARA OS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO- TCC

MANUAL PARA OS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO- TCC MANUAL PARA OS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO- TCC 1) INTRODUÇÃO A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, define o Trabalho de Conclusão de Curso - TCC como: Documento que representa o resultado

Leia mais

FACULDADE MONTES BELOS FISIOTERAPIA

FACULDADE MONTES BELOS FISIOTERAPIA FACULDADE MONTES BELOS FISIOTERAPIA PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DA LIGA ACADÊMICA DE REABILITAÇÃO EM ORTOPEDIA DA FACULDADE MONTES BELOS Francisco Dimitre Rodrigo Pereira Santos Marillia Pereira Cintra Sintia

Leia mais

CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder

CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder Entrevista concedida a Virginia Maria de Figueiredo e Silva e Tânia Maria Piacentini * Paulo Freire esteve em Florianópolis, no dia 8 de junho, a convite da

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 INFLUÊNCIAS MÚTUAS DE UMA MODALIDADE SOBRE A OUTRA NO INCONSCIENTE DE UM INDIVÍDUO COM UM ALTO GRAU DE LETRAMENTO José Mario Botelho (UERJ e ABRAFIL) botelho_mario@hotmail.com Marcela Cockell (UERJ) marcelacockell@hotmail.com

Leia mais