Relatório sobre a Gestão de Riscos. Circular Banco Central do Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório sobre a Gestão de Riscos. Circular 3.477 Banco Central do Brasil"

Transcrição

1 Relatório sobre a Gestão de Riscos Circular Banco Central do Brasil Dezembro/2010

2 1. INTRODUÇÃO O presente relatório apresenta informações relativas à gestão de risco, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), e à adequação do Patrimônio de Referência (PR) do Conglomerado Econômico-Financeiro do Banco Opportunity S.A ( Conglomerado ), composto pelo Banco Opportunity S.A. ( Banco ), pela Opportunity Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários ( DTVM ) e pela Opportunity Logica Rio Consultoria e Participações Ltda., em cumprimento ao disposto na Circular 3.477/09 emanada pelo Banco Central do Brasil. O Banco possui como função atuar como administrador de carteiras de fundos de investimentos ( Fundos Administrados ) e prestar serviços de escrituração, controladoria, custódia e processamento. O Banco pode atuar, também, como intermediário financeiro das operações realizadas pelos fundos administrados pelo próprio, desde que não haja a obtenção de lucros ao realizar as referidas operações. A DTVM possui como função única atuar como distribuidor de cotas de fundos de investimentos. Em obediência aos normativos emanados pelo Banco Central do Brasil, os riscos mapeados pertinentes as suas atividades são: Risco de Mercado, Risco de Crédito, Risco de Liquidez e Risco Operacional. Importante esclarecer que as informações aqui divulgadas estão adequadas ao escopo e à complexidade das operações e à sofisticação dos sistemas e processos de gestão de riscos das empresas do Conglomerado. 2. OBJETIVO Este relatório busca garantir os altos níveis de governança corporativa do Conglomerado, cujos padrões prezam pela qualidade, consistência e transparência das informações divulgadas. 3. ESTRUTURA DA GESTÃO DE RISCOS O Conglomerado realiza o gerenciamento de riscos de forma a permitir o monitoramento de todos os produtos financeiros oferecidos, por meio da identificação, mensuração, mitigação e controle dos riscos envolvidos, de acordo com a complexidade de suas operações e a dimensão dos riscos assumidos. As estruturas de riscos estão formalizadas nas políticas de gerenciamento de risco de mercado, de crédito, de liquidez e operacional, cujas versões atualizadas encontram-se disponibilizadas na intranet do Conglomerado. Adicionalmente, o Conglomerado possui formalizadas diversas políticas e manuais de controles que auxiliam no monitoramento dos riscos inerentes as suas atividades. Dentre elas, destacam-se: Política de Segurança da Informação; Política de Controle de Acessos de Sistemas; Manual de Auditoria Interna; Manual de PDLD; Manual de Compliance; Código de Ética. Dezembro/2010 Conglomerado Econômico-Financeiro do Banco Opportunity 2

3 A atuação das áreas responsáveis pelo gerenciamento dos riscos ocorre de forma independente das áreas de negócio e operacionais do Conglomerado, o que garante a conformidade com as políticas internas e externas diretamente relacionadas. As áreas responsáveis pelo gerenciamento dos riscos, em conjunto com as áreas de controles e a área Jurídica formam o Sistema de Controles Internos do Conglomerado, conforme especificado abaixo: Sistema De Controles Internos Jurídico Auditoria Interna Risco de Crédito Compliance CONTROLES INTERNOS Risco de Mercado PDLD Risco Operacional O Sistema de Controles Internos do Conglomerado está estruturado de forma a garantir que as não conformidades sejam identificadas e avaliadas e que estas sejam devidamente tratadas, caso seja necessário. A área de Controles Internos atua como parte central deste Sistema, centralizando as ações para as não conformidades identificados, reais ou potenciais. As não conformidades são geralmente identificadas de duas formas: (a) por uma das unidades do SCI e/ou (b) por uma área operacional que reporta o problema para uma destas unidades. Uma vez identificadas e reportadas e caso seja necessário, as não conformidades recebem tratamento específico que envolve uma ação conjunta da área de Controles Internos com uma ou mais unidades do SCI e com a área operacional envolvida. A atuação específica irá depender da não conformidade real ou potencial detectada. Destacamos a seguir as informações qualitativas e quantitativas referentes ao gerenciamento dos riscos aos quais as instituições do Conglomerado estão expostas. 4. INFORMAÇÕES QUALITATIVAS DA GESTÃO DE RISCO 4.1 RISCO DE MERCADO A Estrutura de Gerenciamento de Risco de Mercado está formalizada com a finalidade de evidenciar os procedimentos adotados no processo de controle de Risco de Mercado pelas empresas do Conglomerado. O controle de Risco de Mercado é baseado em sistema desenvolvido pela Accenture que abrange dois aspectos de risco: i. Exposição aos fatores de risco pré-estabelecidos; ii. Cálculo do risco de mercado em situações de normalidade (Value at Risk) e em situações extremas (Teste de Estresse); Vale ressaltar que a área de Risco de Mercado é a responsável pela metodologia de precificação adotada e controle de risco, não havendo assim qualquer relação de subordinação com a área de Mesa de Operações, o que garante total isenção, representando mais uma garantia da fiel manutenção dos controles adotados. Assim, as informações divulgadas pela área de Risco de Mercado referente ao gerenciamento de risco estão sobre a responsabilidade da Diretoria de Risco do Banco. Dezembro/2010 Conglomerado Econômico-Financeiro do Banco Opportunity 3

4 O fluxo operacional da avaliação do risco de mercado das carteiras do Conglomerado foi desenhado de forma a garantir mecanismos de dupla checagem em vários pontos e segregações de funções bem definidas com chefes de áreas independentes. O alto nível de automação e integração entre sistemas ajuda a minimizar erros comumente causados quando há interferência humana no processo. Os dados utilizados pelo Opportunity na precificação dos ativos em suas carteiras são obtidos de fontes externas independentes, cuja seleção é função do Comitê de Marcação a Mercado (Comitê de MAM). A reavaliação dos parâmetros utilizados na precificação dos ativos, quando estes utilizam fontes alternativas, é feita com periodicidade semanal. As cotações dos ativos são importadas para o sistema operacional e processadas pela área de Risco e as formas de cálculo, bem como as exceções que fogem ao procedimento padrão estão explicitadas no Manual de Gerenciamento de Risco de Mercado. Ao longo do dia, as boletas referentes às operações são exportadas do sistema operacional para a conferência da área de Custódia junto às corretoras. Em seguida, são consideradas pela área de Risco para a avaliação dos parâmetros de risco e previsão de rentabilidade e então utilizadas para o processamento das carteiras. O resultado do processamento, depois de validado pela área de Risco, é exportado para o sistema de risco via arquivo XML para geração de relatórios de exposição aos diversos Fatores de Risco Primitivos (FRPs), cálculo do Value at Risk e teste de estresse. As carteiras do Conglomerado possuem limites e restrições acompanhados diariamente pela área de Risco. Tais carteiras possuem limite diário de VaR de 5% com intervalo de confiança de 95% e limite de Stress de 15% em um horizonte de três dias. O VaR é um método estatístico que, a partir da variação histórica dos preços dos ativos e considerando um determinado intervalo de confiança e horizonte de tempo, estima qual o valor máximo que a carteira pode, potencialmente, perder em situações normais de mercado. O Teste de Stress é uma medida de impacto de condições extremas de mercado sobre a performance de uma carteira através da simulação de cenários de crise. Relatórios diários indicando a situação das carteiras são enviados à diretoria do Banco. No caso de algum limite ou restrição ser extrapolado, a diretoria se reúne com a área de Risco de forma a tomar atitudes para a adequação das carteiras. Para fins de acompanhamento de risco de mercado, todas as operações são classificadas na carteira de negociação. De acordo com a Resolução 3.464, art.3º, III, pelo menos anualmente, os sistemas de gerenciamento de risco utilizados são submetidos a testes de validação. Os valores do obtidos ao longo do período pelos sistemas são analisados pelo teste de freqüência das caudas, cujo resultado é verificado pelo método de Kupiec. Para os testes de Stress, por sua vez, é feito uma análise das extrapolações ocorridas. 4.2 RISCO DE CRÉDITO A Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito está estabelecida de acordo com a atual complexidade das operações efetuadas pelo Conglomerado. Novas modalidades de operações não abordadas por esta estrutura deverão ser previamente analisadas com respeito ao risco de crédito associado e verificação da adequação dos procedimentos e controles efetuados. A referida estrutura foi elaborada a partir da descrição da política institucional, dos processos, dos procedimentos e dos sistemas utilizados pelo Conglomerado. As políticas, processos e procedimentos são aplicados de forma equivalente tanto para o Conglomerado como para cada instituição e empresa separadamente. Conforme definição do Banco Central do Brasil, o risco de crédito consiste na possibilidade de ocorrência de perdas associadas ao não cumprimento pelo tomador ou contraparte de suas respectivas obrigações financeiras nos termos pactuados, à desvalorização de contrato de crédito decorrente da deterioração na classificação de risco do tomador, à redução dos ganhos ou remunerações, às vantagens concedidas na renegociação e aos custos de recuperação. Dezembro/2010 Conglomerado Econômico-Financeiro do Banco Opportunity 4

5 O gerenciamento do risco de crédito do Conglomerado é de responsabilidade do departamento de Risco do Banco, que atua sob a supervisão do Diretor de Risco de Crédito e sob a coordenação do Gerente de Risco. As decisões quanto às políticas e estratégia de gerenciamento do risco de crédito, incluindo a validação dos limites estipulados e a adequada forma de supervisão dos controles efetuados, são tomadas pelo Diretor de Risco de Crédito. O Comitê de Risco de Crédito, do qual fazem parte o Gerente de Risco, o Diretor de Risco e o Diretor da Mesa de Operações, se reúne pelo menos anualmente para revisar as políticas e estratégias utilizadas para o gerenciamento do risco de crédito. O comitê reavalia também, pelo menos anualmente, as rotinas e procedimentos utilizados para identificar, mensurar, controlar e mitigar as exposições ao risco de crédito. É importante destacar que as instituições do Conglomerado Financeiro do Banco Opportunity não realizam operações de crédito. Dentro deste contexto, o único tipo de risco de crédito existente no Conglomerado é o risco de contraparte decorrente das operações com as demais instituições do mercado, que compreende o não cumprimento de obrigações referentes à liquidação de operações envolvendo ativos financeiros. As operações que acarretam em risco de contraparte são separadas por dia previsto de liquidação e aglomeradas por contraparte. O valor total a receber por contraparte está sujeito a um limite previamente aprovado pelo Comitê. O controle é efetuado diariamente pela área de Risco e os relatórios de acompanhamento são enviados para a Mesa de Operações, para o Diretor de Risco e para o responsável pela área de Controles Internos. Em caso de extrapolações dos limites previamente aprovados, um de alerta é enviado à Mesa de Operações do Banco e o evento é discutido pelo Comitê e registrado em ata. Nenhuma outra operação que acarrete em risco de contraparte é permitida com a contraparte extrapolada até que o limite seja reenquadrado. 4.3 RISCO DE LIQUIDEZ O gerenciamento do risco de liquidez dos ativos do Conglomerado é realizado pela área de Risco, não havendo qualquer subordinação com a Mesa de Operações do Conglomerado ou com o Gestor dos fundos. Tal fato garante uma total independência na elaboração dos critérios e dos procedimentos adotados pela área de Risco, os quais estão formalizados na Política de Gerenciamento do Risco de Liquidez. Os controles de liquidez adotados são divididos em quatro classes: Controles de liquidez de ativos: tais controles fazem a análise do tamanho das posições e operações das instituições do Conglomerado, confrontando-as com as posições abertas no mercado como um todo. Controles de lastro: tais controles realizam o controle dos títulos públicos, dos fundos referenciados DI, dos fundos de curto prazo, de contas correntes e do overnight das instituições do Conglomerado. Controles de margens depositadas: tais controles monitoram os ativos depositados nas contas de margem para operações de derivativos e empréstimos de ações. Estes controles geralmente não são utilizados para as instituições do Conglomerado uma vez que as operações mencionadas neste parágrafo não são efetuadas por elas. Controles de fluxo de caixa: tais controles gerenciam a solvência das instituições do Conglomerado, considerando para isso os seus diferentes compromissos financeiros referentes aos diferentes ativos e taxas. Considerando que a estratégia do Conglomerado está elaborada com foco em ativos de alta liquidez e visando retornos de médio a longo prazo, as aplicações em renda variável são feitas em ações de companhias de primeira linha, sendo o restante do capital aplicado em títulos públicos do governo brasileiro ou em operações compromissadas lastreadas em títulos públicos do governo brasileiro. Importante mencionar que não faz parte da estratégia a captação de recursos através de depósitos a prazo. Dezembro/2010 Conglomerado Econômico-Financeiro do Banco Opportunity 5

6 Diante de tal cenário, o plano de contingência está formulado com base na estratégia e na estrutura de alavancagem das instituições do Conglomerado. Tal plano consiste: i. na venda dos títulos públicos federais da carteira própria; ii. iii. na realização de operações de venda com recompra dos títulos públicos federais da carteira própria; ou na redução das operações de compra com revenda lastreadas em títulos públicos federais. O referido plano será acionado quando a instituição não possuir caixa para honrar com os seus compromissos, fato que geralmente ocorrerá devido ao default de alguma contraparte. Tendo em vista que as obrigações, tanto de curto como de longo prazo, não são significantes se comparadas ao ativo líquido do Conglomerado, não é feito monitoramento específico por índices de liquidez, uma vez que qualquer índice utilizado apresentará valores já conhecidos pela Diretoria. O referido acompanhamento somente será efetuado em caso de alteração da estratégia que aumente o risco de liquidez do Conglomerado. 4.4 RISCO OPERACIONAL A Estrutura de Gerenciamento de Risco Operacional foi elaborada para controlar e monitorar os riscos operacionais inerentes ao negócio das instituições do Conglomerado, buscando minimizá-los com o objetivo de proteger o patrimônio das instituições e, consequentemente, o patrimônio de seus sócios e clientes. Conforme definição do Banco Central do Brasil, o risco operacional consiste na possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falha, deficiência ou inadequação de processos internos, pessoas e sistemas, ou de eventos externos. Com base nesta definição, os riscos operacionais são classificados, internamente, em três grandes áreas: (1) Organizacional, (2) de Operações e (3) Humano. A responsabilidade pela adequação e monitoramento da referida estrutura está a cargo da área de Risco Operacional, que atua de forma independente das áreas operacionais. O cumprimento das diretrizes estabelecidas na Política de Gerenciamento de Risco Operacional é assegurado pela atuação direta da área de Risco Operacional junto aos demais componentes da estrutura das instituições do Conglomerado. Para montar e estruturar o sistema de Risco Operacional foi contratado o software Regence da empresa UB Sistemas. Na montagem da estrutura de gerenciamento do Risco Operacional foram utilizados as frameworks descritas abaixo: COSO Committee of Sponsoring Organizations; e COBIT Control Objectives for Information and Technology. Esta base de dados é utilizada no mapeamento dos processos riscos e controles, além de registrar as perdas operacionais efetivas e permitir a associação das referidas perdas aos riscos previamente mapeados. A seguir estão descritas as etapas do processo de gerenciamento dos riscos operacionais do Conglomerado: Mapeamento de processos; Identificação dos riscos; Descrição dos controles; Elaboração da matriz de riscos e controles; Validação dos controles; Identificação e registro das ocorrências; Elaboração de planos de ação/melhoria. Com o objetivo de prover a Alta Administração com as informações geradas pela Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional, a área de Risco Operacional emite anualmente o Relatório de Risco Operacional consolidando o histórico de perdas registradas no período, bem como informando um resumo das ocorrências identificadas no período. Dezembro/2010 Conglomerado Econômico-Financeiro do Banco Opportunity 6

7 5. INFORMAÇÕES QUANTITATIVAS DA GESTÃO DE RISCO, LIMITES OPERACIONAIS E ÍNDICE DE BASILÉIA Procedimento para cálculo do Índice de Basiléia - Conglomerado Econômico-Financeiro do Banco Opportunity: Indicador Descrição Calculado por Periodicidade Observação IB = Índice de Basiléia Risco Diário O Índice de Basiléia será calculado diariamente com base nas informações descritas abaixo. Como o IB do Conglomerado é bem superior ao exigido pelo normativo vigente, o cálculo exato será feito mensalmente pois, diariamente, a área de Risco utilizará valores aproximados do PR e do PEPR, os quais não devem impactar de forma significativa no cálculo final. De qualquer forma, caso o IB diário fique abaixo de 25%, a área Contábil irá gerar as informações atualizadas do PR e do PEPR de modo que o Índice possa ser recalculado. PR = PRE = Patrimônio de Referência Patrimônio de Referência Exigido Contabilidade Mensal A parcela será calculada tão logo a Contabilidade encerre o balanço mensal das instituições do Conglomerado. Uma vez calculada, esta informação será repassada por para Risco e Controles Internos e será utilizada nos cálculos diários do IB pelo Risco. Contabilidade Mensal Após integrar os arquivos gerados pela área de Risco, a Contabilidade irá executar a rotina no sistema CFI Basiléia para cálculo do PRE Mensal. Uma vez calculada, esta informação será repassada por para Risco e Controles Internos. Risco Diário A área de Riscos irá calcular diariamente esta parcela utilizando os valores das parcelas calculadas seguindo as regras descritas nos itens abaixo. PACS = Parcela de Ações Risco Diário N/A. PJUR = PCAM = PCOM = POPR = PEPR = Parcela de Taxa de Juros Parcela de Moedas Estrangeiras Parcela de Derivativos Parcela de Risco Operacional Parcela de Risco de Crédito Risco Diário N/A. Risco Diário N/A. Risco Diário N/A. Contabilidade Controles Internos Semestral Semestral A parcela será calculada tão logo a Contabilidade encerre o balanço semestral das instituições do Conglomerado. Uma vez calculada, esta informação será repassada por para Risco e Controles Internos, sendo o último responsável pela validação do cálculo. Este valor semestral será considerado no cálculo diário do IB feito pelo Risco e no calculo do PRE Mensal feito pela Contabilidade. Contabilidade Mensal A parcela será calculada tão logo a Contabilidade encerre o balanço mensal das instituições do Conglomerado. Uma vez calculada, esta informação será repassada por para Risco e Controles Internos. Neste cálculo serão considerados todos os ativos registrados no balanço das instituições do Conglomerado. Risco Diário Somente os ativos financeiros serão considerados no cálculo diário. Dezembro/2010 Conglomerado Econômico-Financeiro do Banco Opportunity 7

8 Fórmulas: = PEPR=F EPR PR 100 IB= EPR+ 1 F PCAM+PJUR+PCOM+PACS+POPR Art. 4: Detalhamento do Patrimônio de Referência II. Nível I do PR 182,300, ,891, ,918, ,973, III. Nível II do PR , IV. Deduções V. Patrimônio de Referência 182,301, ,891, ,919, ,974, Art. 5: Detalhamento do Patrimônio de Referência Exigido I. Risco de Crédito - PEPR 86, , , , II. Risco de Mercado 25,288, ,657, ,478, ,391, Pjur [1] Pjur [2] Pjur [3] Pjur [4] 899, ,652, ,889, ,466, Pacs 24,389, ,004, ,589, ,925, Pcom Pcam III. Risco Operacional - POPR 10,615, ,615, ,170, ,170, IV. Valor Total do PRE 35,990, ,356, ,728, ,635, Índice de Basiléia % V. Índice de Basiléia 55.72% 46.46% 53.55% 54.01% Art. 6: Valor total das Exposições relativas à Risco de Crédito e a Exposição Média trimestral I. Exposições 143, , , , Média do Trimestre 317, , , , FPR - 100% 143, , , , Dezembro/2010 Conglomerado Econômico-Financeiro do Banco Opportunity 8

9 II. N.A. Não temos operações com característica de concessão de crédito. III. N.A. IV. N.A. V. N.A. Art. 7: Instrumentos Mitigadores FPR - 0% 357,999, ,998, ,500, ,997, Art. 8: I. Vide Manual de Risco de Crédito, item 1.2 (Processos e Procedimentos). II. Vide Manual de Risco de Crédito, item 1.2 (Processos e Procedimentos). Risco de Crédito de Contraparte III. Valor Nocional - Sistemas de Liquidação 358,143, ,129, ,607, ,065, Valor Nocional - Fora de Câmaras IV. Valor positivo bruto 358,143, ,129, ,607, ,065, VI. Valor das Garantias 357,999, ,998, ,500, ,997, VII. Exposição Global Líquida 143, , , , Art. 9: O Banco não possui processos de securitização. Art. 10: Carteira de Negociação Comprada Vendida Comprada Vendida Comprada Vendida Comprada Vendida Ações 150,141, ,780, ,431, ,784, LFTs - Taxa de Juros 31,485, ,998, ,957, ,515, Títulos Privados 710, , , , Fundos de Investimento 500, , , , Compromissadas 109,494, TOTAL 292,332, ,960, ,540, ,426, Art. 11: N.A. Todas as operações do Banco são classificadas na carteira de negociação. Art. 12: N.A. O Banco não realiza operações de instrumentos financeiros derivativos. Dezembro/2010 Conglomerado Econômico-Financeiro do Banco Opportunity 9

10 6. DISPOSIÇÕES FINAIS As informações constantes neste relatório serão atualizadas com base na seguinte periodicidade: Anual, para as informações de natureza qualitativa, ou quando houver alteração relevante; e Trimestral, relativamente às datas-bases de 31 de março, 30 de junho, 30 de setembro e 31 de dezembro, para as informações de natureza quantitativa. A atualização das informações será realizada no prazo máximo de sessenta dias para as datas-bases de 31 de março, 30 de junho e 30 de setembro, e de noventa dias para a data-base de 31 de dezembro. * * * Dezembro/2010 Conglomerado Econômico-Financeiro do Banco Opportunity 10

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA Base normativa: Circular 3477, de 24.12.2009. Data base: 30.06.2013 1 I INTRODUÇÃO Visando atendimento as diversas resoluções que tratam sobre Riscos

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS 1º Trimestre de 2012 Conteúdo Perfil Corporativo...3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos...4 Atribuições...4 Risco Operacional...5 Limite de Tolerância ao Risco Operacional...6

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Portoseg ) é uma instituição financeira privada,

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Circular 3.477

Gerenciamento de Riscos Circular 3.477 Gerenciamento de Riscos Circular 3.477 4º Trimestre de 2011 Conteúdo 1. OBJETIVO 3 2. INTRODUÇÃO 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS 3 3.1. RISCO DE CRÉDITO 4 MENSURAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 4

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A.

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. Page 1 (13) ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ORGANOGRAMA DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 2.1. Responsabilidades... 4 3. RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A.

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. Page 1 (13) 1. Introdução O Scania Banco iniciou suas operações em Novembro de 2009, com o objetivo de fornecer produtos e serviços financeiros exclusivamente

Leia mais

Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito

Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito Dezembro/2008 Agenda 1. Histórico 2. Escopo de Aplicação 3. Estrutura da Norma 4. Detalhamento da Norma Normativos similares Histórico Resolução

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO A Um Investimentos S/A CTVM, conforme definição da Resolução nº 3.721/09, demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco de crédito.

Leia mais

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2013 Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS...

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 1. OBJETIVO Esta política tem como objetivo estabelecer as diretrizes necessárias para o adequado gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO Setembro 2013 2 1 INTRODUÇÃO Este documento resume as informações relativas à estrutura de gerenciamento do risco de crédito do BR Partners Banco de Investimentos

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 31 de março 2013 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 31 de dezembro 2013 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO Gerenciamento de Riscos Revisão: Julho/ 2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA... 3 3. LINHAS DE NEGÓCIOS PRODUTOS OFERTADOS... 3 3.1. CARTÃO DE CRÉDITO...

Leia mais

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos Dezembro de 2011 Introdução Este relatório foi elaborado com o objetivo de apresentar as atividades relacionadas à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO Documento tipo /Document type RELATÓRIO Título / Title Relatório Público Anual da Estrutura de Gerenciamento de Riscos do Scania Banco Nome do arquivo / File name Relatorio Publico Anual_Gerenciamento

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Diretoria Executiva / Dir. Risco de Credito Área de Crédito e Risco Área Comercial Área de Tecnologia da Informação Compliance Officer Elementos de Apoio:

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS Superintendência de Controles e Gerenciamentos de Riscos - SUCOR Gerência de Riscos GERIS Primeiro Trimestre de 2011 Índice APRESENTAÇÃO 3 1. GERENCIAMENTO

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Sumário 1. Gerenciamento de Riscos... 4 2. Risco de Mercado... 4 2.1 Estrutura para a gestão de risco... 5 2.2 Conceito... 5 2.3 Estrutura Organizacional... 5 2.4 Política Institucional...

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional Objetivo Este relatório tem como objetivo atender a Circular 3.678, de 31 de outubro de 2013, apresentando as informações referentes a gestão de riscos, à apuração do montante dos ativos ponderados pelo

Leia mais

DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477

DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477 DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477 Banco John Deere S.A Data de Referência: Março/2012 1/14 Sumário 1. Gestão de Riscos Aspectos Qualitativos... 3 1.1. Estrutura

Leia mais

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DATA-BASE: JANEIRO/2014 PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA DENOMINAÇÃO Gestão de Riscos e de Patrimônio de Referência Circular 3.477/99 ÁREA EMITENTE Data Base Gestão de Riscos 30/09/01 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA 1. Introdução Em

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 4 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

Vinculado ao Grupo Rodobens, que possui mais de 60 anos de tradição e experiência no mercado de veículos desde a sua fundação.

Vinculado ao Grupo Rodobens, que possui mais de 60 anos de tradição e experiência no mercado de veículos desde a sua fundação. 2013 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do Banco Central do Brasil, através da Circular 3.477, de 24/12/2009,

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 30 de dezembro 2011 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL 3º Trimestre 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL 1. INTRODUÇÃO 2. ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 3. GERENCIAMENTO DE CAPITAL

Leia mais

O gerenciamento de Risco de Mercado abrange todas as empresas do Conglomerado que constam do Balanço Consolidado do Banco Safra.

O gerenciamento de Risco de Mercado abrange todas as empresas do Conglomerado que constam do Balanço Consolidado do Banco Safra. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1 Objetivo Apresentar o modelo de gerenciamento de Risco de Mercado no Banco Safra e os princípios, as diretrizes e instrumentos de gestão em que este modelo

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO 3º TRIMESTRE - 2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTITUCIONAL... 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 4. TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.721. Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento do risco de crédito.

RESOLUÇÃO Nº 3.721. Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento do risco de crédito. RESOLUÇÃO Nº 3.721 Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento do risco de crédito. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público

Leia mais

O acordo da Basiléia:

O acordo da Basiléia: Soluções e serviços Serasa Experian e a Resolução CMN/BACEN 3.721/09 1 O acordo da Basiléia: Conjunto de recomendações visando melhoramento das práticas de supervisão bancária e aperfeiçoamento de ferramentas

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Março 2012 1 ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3. Políticas de Gerenciamento de Riscos... 5 4. Identificação e Avaliação

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

RELATORIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Circular 3.477/09 - BACEN

RELATORIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Circular 3.477/09 - BACEN RELATORIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Circular 3.477/09 - BACEN 12/2011 O Banco PSA Finance Brasil S/A e PSA Finance Arrendamento Mercantil S/A, operam como Banco múltiplo e estão formalmente constituídas

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO 1º TRIMESTRE - 2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTITUCIONAL... 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 4. TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS...

Leia mais

Banco do Estado do Pará S.A

Banco do Estado do Pará S.A Superintendência de Controles e Gerenciamento de Riscos - SUCOR Gerência de Riscos Financeiros GERIF Banco do Estado do Pará S.A ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS 03 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO - Resolução Bacen 3.721

GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO - Resolução Bacen 3.721 GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO - Resolução Bacen 3.721 RESOLUÇÃO 3.721 RISCO DE CRÉDITO Possibilidade de ocorrência de perdas associadas ao não cumprimento pelo tomador ou contraparte de suas respectivas

Leia mais

POLITICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

POLITICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO POLITICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO 1 Conceito O Conglomerado Cruzeiro do Sul, em acordo com a norma vigente, entende como Risco de Crédito a possibilidade de ocorrência de perdas associadas

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Sumário: 01. OBJETIVO:... 2 02. CONCEITUAÇÃO / DEFINIÇÃO:... 2 03. ABRANGÊNCIA / ÁREAS ENVOLVIDAS:... 2 04. RESPONSABILIDADES:... 2 04.01. Responsáveis pela execução das atribuições desta política... 2

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.678/2013

Gestão de Riscos Circular 3.678/2013 Gestão de Riscos Circular 3.678/2013 3 Trimestre de 2014 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 POSIÇÃO NO TRIMESTRE... 3 4 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 5 RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

4º Trimestre 2013 1 / 15

4º Trimestre 2013 1 / 15 Divulgação das informações de Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido e Adequação do Patrimônio de Referência. (Circular BACEN nº 3.477/2009) 4º Trimestre 2013 Relatório aprovado na reunião

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2014 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 POSIÇÃO NO TRIMESTRE... 3 4 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 5 RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco Responsável: Controle de Riscos Aprovação: BRCC Propósito deste documento Promover transparência quanto à estrutura de gestão de riscos

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL NORMATIVOS INTERNOS POLÍTICA Vigência: 08/09/2015 POLÍTICA DE Abrangência: Haitong Banco de Investimento do Brasil S/A Haitong Securities do Brasil CCVM S/A Haitong do Brasil DTVM S/A 1 ÍNDICE 1. OBJETIVO...

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS. Introdução

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS. Introdução - 1 - RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS Introdução A Administração acredita que a gestão efetiva de riscos é vital para o sucesso da Instituição e conseqüentemente mantém um ambiente de gerenciamento de riscos

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Crédito Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Crédito do conglomerado CRÉDIT AGRICOLE Brasil e estabelece as suas principais

Leia mais

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO 1. INTRODUÇÃO Este documento objetiva esclarecer as normas, políticas e procedimentos de controle utilizados pelo Banco Tricury S/A no processo de gestão de Risco de Crédito das operações, consoante a

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll)

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Índice Introdução... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 Informações Qualitativas... 4 Risco de Crédito... 4 Risco de Mercado... 5 Risco de Liquidez...

Leia mais

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014 Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014 Índice Introdução e Perfil 3 Crédito Política de Risco de Crédito 4 Exposição, exposição média e maiores clientes 6 Distribuição

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Estrutura de Gerenciamento de Capital Informações Adicionais e Dados Quantitativos Banco Mizuho do Brasil SA. 29/05/2014 1 Estrutura de Gerenciamento de Capital 1.

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

RISCO DE MERCADO E DE LIQUIDEZ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

RISCO DE MERCADO E DE LIQUIDEZ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO RISCO DE MERCADO E DE LIQUIDEZ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO RESUMO DESCRITIVO Princípios, Diretrizes e Instrumentos de Gerenciamento de Risco de Mercado. 1) Objetivo 2) Abrangência 3)

Leia mais

Política Institucional Gerenciamento de Capital

Política Institucional Gerenciamento de Capital P a g e 1 1 P a g e 2 Índice: 1. Objetivos... 2 2. Estrutura... 3 Diretoria BNY Mellon Serviços Financeiros Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A e BNY Mellon Banco S.A... 4 Diretor Responsável

Leia mais

Banco Western Union do Brasil S.A.

Banco Western Union do Brasil S.A. Banco Western Union do Brasil S.A. Relatório de Gerenciamento de Riscos para atender aos requisitos estabelecidos na Circular no. 3477/09 do Conselho Monetário Nacional. Data Base 31/12/2011 1 1. Introdução...

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR 2013 RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR Dez / 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. RISCO DE MERCADO... 1 3. RISCO DE LIQUIDEZ... 2 4. GESTÃO DE CAPITAL... 4 5. RISCO DE CRÉDITO... 6 6. RISCO OPERACIONAL...

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos 2 Trimestre de 2011

Relatório de Gerenciamento de Riscos 2 Trimestre de 2011 Relatório de Gerenciamento de Riscos 2 Trimestre de 2011 31 de agosto de 2011 DIRETORIA DE ECONOMIA E RISCOS Banco Cooperativo Sicredi Objetivo Este relatório busca atender ao disposto pela Circular BACEN

Leia mais

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Data-base: 30.06.2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos 1 Objetivo... 3 2 Gerenciamento de Riscos... 3 2.1 Política de Riscos... 3 2.2 Processo

Leia mais

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Comunica orientações preliminares relativas à utilização das abordagens baseadas em classificação interna de exposições segundo o risco de crédito, para fins da apuração

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Dezembro 2011 1 ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3. Políticas de Gerenciamento de Riscos... 5 4. Identificação e Avaliação

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

Banco do Estado do Pará S.A

Banco do Estado do Pará S.A Superintendência ia de Controles e Gerenciamento de Riscos - Sucor Gerência de Riscos Financeiros Gerif Banco do Estado do Pará S.A APRESENTAÇÃO ÍNDICE Relatório de Gerenciamento de Riscos 03 1. GERENCIAMENTO

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS O ICBC do Brasil Banco Múltiplo S/A considera de suma importância o processo de gerenciamento de riscos, pois utiliza-o para agregar valor aos seus negócios, proporcionar

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Estrutura de Gerenciamento de Capital Informações Adicionais e Dados Quantitativos Agosto/2013 1 Estrutura de Gerenciamento de Capital 1. Comitê de Gestão do Capital

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 30/09/2011 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA. Setembro de 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA. Setembro de 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA Setembro de 2012 SUMÁRIO 1 Introdução 03 1.1 O Banco do Nordeste 03 2 Gestão de Risco do BNB 05 2.1 Risco

Leia mais

Resolução 3.721 e Default Management. Setembro de 2010

Resolução 3.721 e Default Management. Setembro de 2010 Resolução 3.721 e Default Management. Setembro de 2010 1 Agenda Parte I Risco de Crédito Parte II Estrutura de Cobrança 2 I. Risco de Crédito Visão Geral de Basiléia II Regulamentação Adequação à Resolução

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ VERSÃO: 01.14. referentes aos diferentes ativos e taxas.

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ VERSÃO: 01.14. referentes aos diferentes ativos e taxas. referentes aos diferentes ativos e taxas. 2.1 Controle de Liquidez de Ativos 2.1.1 Relatório de Operações do Dia O relatório de Operações do Dia mostra, diariamente, um panorama das operações realizadas

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 INTRODUÇÃO O Banco Mercedes-Benz do Brasil considera a gestão de riscos como um dos pilares de sustentação de seus objetivos estratégicos.

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos 2T2012 ING Bank N.V. São Paulo Relatório de Gerenciamento de Riscos Page 1 of 14 Estrutura de gerenciamento de riscos A estrutura organizacional das áreas responsáveis

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS Circular 3.678 Set/14

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS Circular 3.678 Set/14 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS Circular 3.678 Set/14 Última atualização: 30/09/2014 Produzido pelas áreas de Risco Operacional e Compliance, Controladoria e Riscos. Aprovado e revisado pelo Comitê de Risco.

Leia mais

Informações sobre os Sistemas Internos de Classificação do Risco de Crédito (abordagens IRB) I INSTRUÇÕES

Informações sobre os Sistemas Internos de Classificação do Risco de Crédito (abordagens IRB) I INSTRUÇÕES Informações sobre os Sistemas Internos de Classificação do Risco de Crédito (abordagens IRB) I INSTRUÇÕES As informações a seguir devem compor relatório a ser fornecido pelas instituições financeiras que

Leia mais

Ano - 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLES E GERENCIAMENTO DE RISCOS - SUCOR GERÊNCIA DE RISCOS - GERIS. Banco do Estado do Pará S.A

Ano - 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLES E GERENCIAMENTO DE RISCOS - SUCOR GERÊNCIA DE RISCOS - GERIS. Banco do Estado do Pará S.A Ano - 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLES E GERENCIAMENTO DE RISCOS - SUCOR GERÊNCIA DE RISCOS - GERIS Banco do Estado do Pará S.A SUMÁRIO Pág. APRESENTAÇÃO... 03 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS 1.1 Cultura

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO OBJETIVO Atender as disposições trazidas pela Resolução CMN 3.721, de 30 de abril de 2009 ( Resolução 3.721/09 ), a qual determinou a implementação

Leia mais

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A.

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Gestão de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. 1º Trimestre de 2012 Conteúdo Introdução 3 Perfil do Banco 3 Princípios da Gestão de Riscos 3 Tipos de Riscos 4 Gerenciamento de Riscos 4 Risco

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. PILAR III Disciplina de Mercado

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. PILAR III Disciplina de Mercado RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR III Disciplina de Mercado 3º Trimestre - 2013 Sumário Introdução... 3 Perfil Corporativo... 3 Principais Tipos de Riscos (conceitos)... 4 Riscos Financeiros...

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Pilar 3

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Pilar 3 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. Pilar 3 3º Trimestre de 2013 Conteúdo Introdução... 3 Perfil do Banco... 3 Princípios da Gestão de Riscos... 4 Tipos de Riscos...

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 2º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 1º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÚLTIMA VERSÃO Abril 2013 APROVAÇÃO Conselho de Administração

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL Pilar 3 Basileia DATA-BASE: 31/03/2015 (1T2015) Sumário Introdução... 3 Principais Categorias de Risco... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos e de Capital...

Leia mais

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A.

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Gestão de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. 2010 Conteúdo Introdução 2 Perfil do Banco 2 Princípios da Gestão de Riscos 2 Tipos de Riscos 3 Gerenciamento de Riscos 3 Risco de Crédito 4 Risco

Leia mais

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01.

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01. Detalhamento do patrimônio de referência (PR) : 100 110 111 111.01 111.02 111.03 111.04 111.05 111.06 111.07 111.08 111.90 111.90.01 111.91 111.91.01 111.91.02 111.91.03 111.91.04 111.91.05 111.91.06 111.91.07

Leia mais