A PROMOÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA NOS DISCURSOS OFICIAIS DO MINISTÉRIO DA CULTURA DO BRASIL *

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PROMOÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA NOS DISCURSOS OFICIAIS DO MINISTÉRIO DA CULTURA DO BRASIL *"

Transcrição

1 A PROMOÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA NOS DISCURSOS OFICIAIS DO MINISTÉRIO DA CULTURA DO BRASIL * Diego Barbosa da Silva ** Introdução A globalização e os avanços científicos e tecnológicos diminuíram as distâncias espacial e temporal entre os homens, conectou culturas, possibilitou trocas, promoveu profundas transformações no comportamento humano e aumentou o abismo sócio-econômico que divide ricos e pobres. Nesse novo ambiente sócio-cultural, o campo linguístico também foi afetado e hoje convive-se com a competição, cooperação, interação entre línguas num contexto/enfoque global. Nesse ambiente multilíngue global transitam línguas com diversos stati e esferas de atuação, entre eles, línguas locais, de imigrantes, minoritárias, frente às tais línguas nacionais, internacionais e apenas uma global: o inglês. Língua imperial, o inglês se impõe hegemonicamente como expressão dessa globalização e sem a necessidade de uma lei ou políticas que garantam seu espaço. A língua inglesa para chegar onde está hoje, acompanhou a expansão do império britânico nos séculos XIX e XX e a ascensão dos Estados Unidos como superpotência, principalmente depois da Guerra Fria (1989/1991). Contudo, no mesmo ambiente, ao lado do inglês, diversas línguas com importante peso econômico, cultural, político e/ou demográfico se destacam, como é o caso do francês, do espanhol, do alemão, do chinês, do russo, do árabe. E por que não do português? Afinal, nesta última década é facilmente perceptível a intensificação de uma política de promoção e difusão do português pelo mundo. Mas que língua é essa que busca internacionalizar-se? Qual o sentido da língua portuguesa nesse processo dentro de um contexto global e amplo, que envolve também um passado colonial, que opõe uma ex-metrópole e sete ex-colônias? Neste artigo, busco através de conceitos da análise de discurso de base francesa (PÊCHEUX, 1988; MAINGUENEAU, 1997), independente das divergências internas, identificar o sentido da * Parte desta pesquisa foi apresentada no X Encontro de Ciência Empírica em Letras, entre os dias 17 e 18 de setembro de 2009 na Universidade Federal do Rio de Janeiro. * Mestrando em Linguística do Programa de Pós-graduação em Letras da UERJ.

2 língua portuguesa em discursos oficiais brasileiros, referentes às últimas políticas para a promoção do português. Esses discursos se inserem em um contexto ainda maior de política linguística da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em que o Brasil é apenas um componente. Língua portuguesa: da colonização ao cenário global Segundo o Summer Institute of Linguistics (SIL) e Lewis (2009), que valorizam o peso das línguas minoritárias, o português é falado atualmente por 233 milhões de pessoas. Dessas, 89,9% como língua materna (LM) e 10,1%, ou seja, 23,5 milhões como segunda língua (L2), o que torna a quinta língua mais falada no mundo (SILVA, 2009). Já de acordo com o Ministério das Relações Exteriores do Brasil (2010) e a CPLP (2010) há no mundo 245 milhões de lusofalantes. Dentre todas as fontes é certo afirmar que o português é falado por 230 a 250 milhões de pessoas atualmente (2010). Embora língua oficial em nove países Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé Príncipe e Timor Leste o português atinge praticamente como língua falada a totalidade dos habitantes em apenas dois deles, Brasil e Portugal. Nos países africanos e no Timor Leste atua como língua de unificação na forja de uma identidade nacional que represente as dezenas de grupos étnicos, mas ainda não é falada por uma maioria expressiva sequer como segunda língua 1. Assim, o português está em plena expansão, pois ainda há nesses países, segundo os cálculos do SIL (2009), 25,8 milhões de pessoas que não falam português. Por esses motivos, pode-se inferir que a política linguística internacional do português se resume ao somatório 2 de duas políticas nacionais, a de Portugal e a do Brasil. Não se trata aqui de apagar a contribuição, a identidade ou a memória dos angolanos, moçambicanos, caboverdianos, são-tomenses, guineenses e timorenses na construção da língua portuguesa. Mas apenas de considerar metodologicamente somente os dois países referidos onde o português está 1 Segundo o Ethnologue (2009), em Moçambique, apenas 27% da população e em Angola, 40% da população dominam a língua portuguesa como LM e L2. Em Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe a maioria da população tem como língua materna crioulos de base portuguesa e no Timor Leste, a língua principal é o tetum, que, inclusive, é oficial ao lado do português. Já na Guiné Equatorial, o português tornou-se em 2007 a terceira língua oficial do país, ao lado do francês (oficial desde 1998) e do espanhol (desde a independência em 1968). 2 Nota-se que somatório aqui não necessariamente indica que as políticas se complementam ou estão em cooperação, mas que podem tanto se complementar, estar em oposição, quanto em aparente neutralidade.

3 consolidado político-nacionalmente. Essa característica específica ao Brasil e a Portugal justifica um maior interesse e a maior quantidade de políticas, executadas pelos dois na expansão do português externamente 3. Enquanto, que os demais países lusófonos passam por um processo de aportuguesamento com as especificidades de cada país, ou seja, por um processo de ampliação da atuação do ensino e do poder da língua portuguesa. Isso graças à recente independência e ao processo, ainda em curso, de construção de uma identidade nacional, a partir da língua europeia alóctone ressignificada. Observando a trajetória da língua portuguesa, notam-se duas características que marcam toda a sua história. A primeira é o fato de ter sido uma língua em expansão desde o seu surgimento. Do condado Portucalense ao Algarve, na expulsão dos árabes do solo europeu, às grandes navegações e à conquista da África no século XV e do Brasil e Ásia no século XVI até a expansão mais recente em solo africano e no Timor Leste pós-independência. A segunda é o fato de ter sido língua colonizadora em três continentes. Basta sobrepor o mapa das conquistas e das colônias portuguesas ao mapa atual dos países, das regiões que concentram falantes do português ou crioulos de base portuguesa para perceber que a língua europeia permaneceu no seu papel de língua oficial. Assim, o colonialismo está enraizado no português e por isso deixou marcas profundas, seja no contato com outras línguas na dominação de terras desconhecidas, seja no silenciamento dessas línguas autóctones ou ainda no papel que coube ao português como sinônimo da nação e do povo de Portugal. Afinal, os três língua, nação e povo carregam o mesmo nome, utilizam a mesma denominação português/portuguesa. Dessa forma, a memória da língua portuguesa está marcada pelo expansionismo e consequentemente pelo colonialismo. Colonizar supõe o contato, o encontro, entre povos e culturas, entre dois imaginários linguísticos constitutivos (...) línguas com memórias, histórias e políticas de sentidos desiguais como afirma Mariani (2004, p. 28). Difícil, porém, é imaginar que esse contato entre culturas tão diferentes, esse contato com o desconhecido, possa ser feito sem conflitos, ainda mais entre 3 Após o fim da guerra civil (2002) Angola tem apresentado políticas para a expansão do português na África, para assim aumentar sua influência no continente. O ministro de Zâmbia para os Assuntos da Presidência, Ronald Mukuma, em visita a Angola em 16 de abril de 2009, demonstrou interesse em adotar o português como língua estrangeira no ensino primário do país localizado entre Angola e Moçambique. Ele argumentou que um maior conhecimento das línguas oficiais fará com que a comunicação "não se torne barreira para o alcance das metas desejadas pelos dois Estados, viradas para o incremento da cooperação e das relações de irmandade entre os respectivos povos" (Jornal África 21 de 17 de abril de 2009).

4 povos com modos de produção econômica tão distintos. Dessa forma, a colonização europeia na América, África, Ásia e Oceania impôs não apenas uma exploração brutal, mas também uma visão de mundo, imposição de valores, religião, modo de pensar, imposição da língua, uma violência simbólica, marcada por uma ideia valorativa de superioridade europeia, em oposição a uma inferioridade e incapacidade dos povos autóctones (SILVA, 2009). Destarte, os europeus estavam nesses continentes, em sua visão, também para civilizar. E nesse processo civilizatório, a língua portuguesa seria essencial, pois impõe-se com força institucionalizadora de uma língua escrita gramaticalizada, que já traz consigo uma memória, a memória do colonizador sobre a sua própria história e sobre a sua própria língua (MARIANI, 2004, p. 24). No entanto, a colonização não foi feita pacificamente, afinal é um ato de violência e se exerce na força. Os povos ameríndios, bantus, malaios e mauberes não aceitaram todas as imposições europeias. Eles resistiram de todas as formas possíveis, seja física, cultural, ou mesmo silenciosa. Essa resistência também se percebe na língua: o português que se passou a falar aqui (no Brasil, por exemplo) traz uma memória europeia, mas historicizou-se de modo diferente em função do contato com as demais línguas e em função da própria formação histórico-social e posterior transformação política da colônia em nação independente (MARIANI, 2004, p. 22). Por isso, mesmo após a independência da primeira colônia portuguesa em 1822 (Brasil) e das demais colônias em 1974 (Guiné-Bissau), 1975 (Angola, Cabo Verde, Moçambique e São Tomé e Príncipe) e 2002 (Timor Leste), a questão colonial continua opondo dentro do universo discursivo da língua portuguesa a ex-metrópole, Portugal e as ex-colônias, ao mesmo tempo que aproxima os países, formando um jogo discursivo complexo de interações histórico-ideológicas. Constitui-se, assim, uma língua que carrega, por não dizer representa a memória nacional e imaginária portuguesa, mais as memórias das línguas silenciadas pela primeira que resistiram durante a colonização, para juntos constituir/construir as novas memórias nacionais cisatlânticas na América, África e Ásia. É justamente nessa construção histórica que se insere a atual política linguística do português, impulsionada pela criação em 1996 da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que assumiu também a tarefa de expansão da língua portuguesa pelo mundo. Missão,

5 essa, antes executada apenas por Portugal e pelo Brasil. Pelo primeiro, desde a criação da Junta da Educação Nacional em 1929, que foi sucedida pelo Instituto para a Alta Cultura ( ), depois Instituto de Alta Cultura ( ), Instituto de Cultura Portuguesa ( ) e Instituto de Cultura e Língua Portuguesa ( ), para finalmente dar lugar à criação do Instituto Camões em 1992 e pelo segundo, a partir da criação em Montevidéu do Instituto Cultural Uruguaio-Brasileiro em 22 de agosto de Depois o governo brasileiro fundou mundo a fora os Centros de Estudos Brasileiros (CEB s), que posteriormente foram sucedidos pelos Centros Culturais Brasileiros, mantidos pelo Ministério das Relações Exteriores (MRE) e os Institutos Culturais, privados, mas com o apoio do MRE. Porém, embora seja um dos objetivos-pilares da CPLP 4, nos primeiros anos da organização, a língua em comum era vista mais como uma oportunidade de aproximar e unir países tão distantes, de culturas tão diferentes para cooperação também na área econômica, mas principalmente na educacional e cultural, a um instrumento de ampliação do poder dos países membros no mundo. Portanto, o Brasil seria porta de entrada de Portugal e dos países africanos na América Latina, assim como os africanos lusófonos seriam para brasileiros e portugueses na África e Portugal porta de entrada para o Brasil e os africanos na União Européia, aumentando, desse modo o intercâmbio entre o três continentes (SILVA, 2009). Foi apenas nesta última década que o interesse e a necessidade de uma política pela promoção da língua portuguesa têm-se mostrado mais presentes nos encontros da organização. A CPLP reuniu, assim, no objetivo de promover o português, os dois países que apresentam há décadas políticas próprias para a difusão da língua portuguesa no exterior para uma possível atuação conjunta, sem desconsiderar a soberania de ambos. De um lado, o Brasil, ex-colônia com vasta área, maior população, grande difusão e maior apelo cultural no mundo, com telenovelas, carnaval e futebol e 83,4% dos lusofalantes do mundo. De outro, Portugal, ex-metrópole, de civilização milenar, berço do idioma português, membro da União Européia, mas com apenas 4,5% dos falantes no mundo. Esses parâmetros distintos e por que não dizer discrepantes entre os países lusófonos, construídos através do colonialismo trazem às políticas de promoção da língua 4 Os objetivos da organização em três pilares: a) a concertação político-diplomática entre seus estados membros, nomeadamente para o reforço da sua presença no cenário internacional; b) a cooperação em todos os domínios, inclusive os da educação, saúde, ciência e tecnologia, defesa, agricultura, administração pública, comunicações, justiça, segurança pública, cultura, desporto e comunicação social; c) a materialização de projetos de promoção e difusão da língua portuguesa (Estatuto da CPLP, 1996).

6 uma tensão quase invisível, mas perceptível nos discursos de seus maiores representantes governamentais. Entre as políticas linguísticas recentes da CPLP para tal finalidade destacam-se: a criação e reformulação do Instituto Internacional de Língua Portuguesa (IILP) em Cabo Verde (1989/ ); a inauguração do portal da CPLP (2008); a criação por Portugal do Fundo da Língua Portuguesa (2008); o lançamento do edital Doc-TV ( ) para financiar documentários nos países lusófonos; a entrada em vigor do acordo ortográfico de 1990 (2009); a petição para que o português se torne língua oficial das Nações Unidas; a instituição do dia cinco de maio como dia da língua portuguesa e da cultura na CPLP (2009); e a proposta de instituir no Rio de Janeiro um centro de estudos do patrimônio. Essas políticas implantadas pela CPLP visam, como está expresso na Declaração sobre a língua portuguesa (2008), defender o patrimônio comum entre seus membros em tempos de globalização e também promover a língua portuguesa pelo mundo global. Somam-se às ações da CPLP, de Portugal e dos governos de Fernando Henrique Cardoso instituição pelo Brasil do Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros (Celpe-Bras) ( ) as recentes medidas do Brasil nos governos Lula: criação da Comissão para Definição da Política de Ensino-Aprendizagem, Pesquisa e Promoção da Língua Portuguesa ou simplesmente Comissão da Língua Portuguesa (Colip) no Ministério da Educação (MEC) ( ) composta por dezessete linguistas, um diplomata e um representante do Ministério da Cultura; a inauguração do Museu da Língua Portuguesa (2006) e a abertura da Universidade Federal da Integração Luso-Afro-Brasileira (Unilab) em Redenção no Ceará (2010). Além disso, houve a proposta em 2004 de criação pelo MEC do Instituto Machado de Assis (IMA), semelhante ao Instituto Camões, que foi duramente criticada pelo Itamaraty e por isso não vingou. Porém, as ações brasileiras ainda ficam prejudicadas por falta de orçamento e prioridade do governo, além de ações concorrentes entres os ministérios da Educação (MEC), Cultura (MinC) e Relações Exteriores (MRE). Todas essas políticas linguísticas nacionais comprovam que apesar da cooperação na CPLP, a independência de seus membros mantém vivas as suas vozes, seu poder político e soberania sobre a língua portuguesa em seus territórios e por extensão em suas ações fora deles, já que nenhum Estado membro da Comunidade pode intervir em outro. Tanto que o acordo ortográfico

7 de 1990 só entrará em vigor em cada país, se o seu parlamento, assim, o desejar. Metodologia e coleta dos corpora de análise Como o objetivo desta pesquisa é melhor compreender o sentido da língua portuguesa na política linguística, implantada pelo Brasil para a sua promoção no exterior, consideramos para fins de análise apenas os discursos com algum caráter oficial em que estivessem expressas a voz ou vozes do governo federal. Por isso, foram excluídos da análise, discursos da imprensa não oficial que retrataram as políticas implantadas, pois expressam a voz do governo brasileiro através de um discurso terceiro ou relatado, ou seja, de forma não direta (MAINGUENEAU, 1997; SANT ANNA, 2004). Como discursos oficiais do governo federal têm-se a legislação ou informativos de sites ou blogues da presidência e de ministérios. Contudo, o gênero lei, por apresentar poucas marcas devido ao seu formato padronizado, não foi utilizado como objeto desta análise. Quanto às informações e textos do governo na internet, três são ministérios que compartilham atualmente as ações e os interesses diretos pela promoção internacional do português: Ministério das Relações Exteriores (MRE), Ministério da Educação (MEC) e Ministério da Cultura (MinC), embora a competência seja apenas do primeiro. Neste artigo, optamos por analisar as ações do MinC, pois esse ministério, como o MEC tem apresentado recentemente suas primeiras propostas de políticas a nível internacional para a expansão da língua portuguesa, ao contrário do MRE, que mantém há décadas projetos do gênero. Portanto, as ações dos ministérios da Educação e Cultura fazem parte dessa onda de políticas brasileiras nesta última década. No entanto, as propostas a cargo do MEC, como o IMA e a Colip não saíram do papel ou estão paralisadas. Para a coleta de corpora foi escrito no campo busca do site do MinC, acessado no dia 15 de abril de 2009, a expressão língua portuguesa, como podemos ver abaixo.

8 Depois, foi apresentada uma relação com todos os textos do próprio site relacionados ao tema: língua portuguesa.

9 Como limites para o recorte temporal a fim de selecionar as notícias foi utilizada a data de fundação do Museu da Língua Portuguesa 20 de março de e a data da entrada em vigor no Brasil do acordo ortográfico de de janeiro de O Museu da Estação da Luz, ligado à Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, planeja não ser o museu apenas da língua falada no Brasil, mas pretende retratar tanto a história do surgimento do português desde as Guerras de Resistências (194 a 19 a.c.) na invasão da Península Ibérica pelo Império Romano, até à difusão internacional do português, com os nove países e outros territórios de língua portuguesa. Para Silva Sobrinho (2008, p. 497) o Museu da Língua Portuguesa pode ser tomado como um instrumento linguístico na medida em que, assim como a gramática e o dicionário intervém na relação entre língua, sujeito e Estado. Assim, podese inferir a importância desse museu para o português, pois como instrumento linguístico no qual se pode observar o espetáculo da língua, esse museu produz um arquivo da língua e do saber sobre ela (SILVA SOBRINHO, 2008, p. 498).

10 Em relação às recentes políticas de promoção do português, o acordo ortográfico tem-se mostrado o de maior cobertura pela imprensa, já que afeta diretamente toda a população dos países lusófonos. Como se pode perceber no site da CPLP, o acordo ortográfico vem aumentar a partilha de conteúdos no plano internacional para consequentemente aumentar o peso da língua no mundo: Existem desvantagens na manutenção desta situação (dupla grafia) e a língua será internacionalmente tanto mais importante quanto maior for o seu peso unificado. A existência de dupla grafia limita a dinâmica do idioma e as diferenças criam obstáculos, maiores ou menores, em todos os incontáveis planos em que a forma escrita é utilizada: seja a difusão cultural (literatura, cinema, teatro); a divulgação da informação (jornais, revistas, mesmo a TV ou a Internet); as relações comerciais (propostas negociais, textos de contratos) etc., onde o Português escrito é utilizado. Isto, se considerarmos apenas as relações intracomunitárias (nos oito países da CPLP). Nas relações internacionais, recorde-se que existem quatro grandes línguas (Inglês, Francês, Português e Espanhol) e que o Português é a única com duas grafias oficiais. Assim, no plano intracomunitário, a dupla grafia dificulta a partilha de conteúdos, no plano internacional, limita a capacidade de afirmação do idioma, provocando, por exemplo, traduções quer literárias quer técnicas diferentes para Portugal e Brasil (grifo nosso). Entre os textos apresentados que se referem à língua portuguesa a partir da busca no site, têm-se notícias produzidas por jornalistas brasileiros do MinC e também discursos do Ministro da Cultura em cerimônias oficias. Diante do período mencionado pode-se selecionar oito textos. Todos estão listados abaixo: Data Título do corpus 20/03/06 Discurso do ministro Gilberto Gil no Museu de Língua Portuguesa 16/05/08 Línguas: Fortalecer o uso do português e valorizar as línguas indígenas 10/08/08 Ministros da Cultura brasileiro e português reúnem-se no Rio de Janeiro para tratar de ações bilaterais 19/08/08 Língua portuguesa 21/08/08 Ministros da Cultura de Brasil e Portugal debatem projetos 02/09/08 Ibero-américa 29/09/08 Solenidade dá largada para acordo ortográfico 15/11/08 CPLP quer o Português como língua oficial da ONU

11 Neste artigo foram analisados dois discursos. O primeiro do então ministro Gilberto Gil na inauguração do Museu da Língua Portuguesa, pela questão simbólica que é criar um Museu para o português, que tem como único equivalente o Afrikaans Language Museum, fundado em 1975 em Paarl na África do Sul (SILVA SOBRINHO, 2008, p. 496). O segundo, a notícia Ministros da Cultura de Brasil e Portugal debatem projetos de 21 de agosto de 2008, pois ela divulga um encontro político entre os dois países que apresentam os maiores investimentos financeiros e as principais políticas para a promoção do português no exterior. Teoria e análise do discurso A enunciação do primeiro discurso analisado aconteceu no dia da inauguração do Museu de Língua Portuguesa na Estação da Luz em 20 de março de O enunciador é o até então ministro da cultura Gilberto Gil, cantor de fama internacional, sendo um dos maiores divulgadores da cultura nacional no exterior e os coenunciadores empíricos no momento da enunciação na Estação da Luz são os amigos e amigas de São Paulo e aos amigos e amigas falantes da língua portuguesa, diversas autoridades, políticos e empresários dos países lusófonos. Observando o texto foi possível dividi-lo em cinco partes distintas de análise. Na primeira delas, do primeiro ao quinto parágrafos, o ministro faz uma saudação e uma exaltação à língua portuguesa. Para isso utiliza o discurso relatado com citações de escritores como Cecília Meireles e Manoel de Barros e suas poesias sobre o poder das palavras. Ele relaciona a poesia ao papel que o Museu da Língua Portuguesa irá desempenhar: a importância da comunicação e como ponto de encontro dos seres humanos. Na segunda parte, no sexto parágrafo Gilberto Gil discursa sobre a importância da linguagem, seja corporal, gestual ou falada e novamente cita um escritor, Monteiro Lobato. Na terceira, do sétimo ao décimo primeiro parágrafos, ele discorre sobre o lugar escolhido para ser sede do Museu, a cidade de São Paulo e a Estação da Luz. O ministro utiliza para isso citações de Mário de Andrade, a quem atribui a ideia de construir o Museu e também lembra a iniciativa do literato de organizar o 1º Congresso da Língua Nacional Cantada em Ele aproveita ainda como justificativa da escolha de São Paulo, a sua tradição literária modernista citando Oswald de Andrade e Haroldo de Campos. Além disso, lembra os cinquenta anos da obra Grande Sertão Veredas de Guimarães Rosa, informando a exposição comemorativa que será

12 inaugurada com o Museu. A quarta parte, do décimo segundo ao décimo terceiro parágrafos, apresenta características do discurso político em que o ministro faz uma prestação de contas e mostra que a iniciativa de construção do Museu contou com o apoio do Ministério da Cultura e do Governo Federal. Ele ainda defende uma política para os museus brasileiros. A quinta e última parte, do décimo quarto ao décimo sétimo parágrafo, em que Gilberto Gil fala sobre o Museu da Língua Portuguesa foi reproduzida abaixo. 14 A instalação do Museu da Língua Portuguesa nesta antiga estação ferroviária, parte de uma rede de caminhos de ferro que se espalham pelo Brasil, deve servir para inspirar a sua vocação. Que esse museu seja um ponto de intensa articulação de uma rede de valorização da língua portuguesa; que ele seja uma estação de idas e vindas, de chegadas e partidas, local de troca e irradiação dos movimentos da língua viva, que nos muda e é continuamente por nós modificada. 15 Um dos desafios desse Museu é tratar a língua portuguesa não apenas como patrimônio que se transmite de uma geração para outra, mas também como Mátria e Matriz que une e irmana, no mundo, todos os cidadãos que falam a língua portuguesa. Um povo é considerado extinto quando sua língua morre. Manter a língua viva é, portanto, manter uma cultura viva. 16 Segundo pesquisa da Unesco, metade das seis mil línguas do mundo estão em risco de extinção e, a cada duas semanas, uma língua desaparece. O mesmo estudo aponta o português como a sexta língua mais falada no planeta e como língua oficial de oito países, dos quatro continentes. O que mostra como a língua portuguesa é cada vez mais importante no mundo. 17 A vitalidade de uma língua é a vitalidade de um povo. Se os atos de fala e os atos de palavra podem ser ações, gerar movimentos e criar realidades, então faço aqui da minha palavra um voto: que este Museu amplifique e ressoe a voz da Língua Portuguesa no mundo. (grifo nosso). Nesse discurso de Gilberto Gil, o que nos chama atenção prontamente é a quantidade de citações de escritores e poetas empregadas pelo enunciador. Para Horta Nunes (2006, p.24) o interdiscurso é a memória do dizer, o horizonte de tudo o que já foi dito antes, independentemente de um enunciado. Trata-se do fato de que nenhum discurso é uma origem absoluta, sempre há um já-dito que precede o dizer e assim o interdiscurso incide sobre o intradiscurso, deixando aí seus efeitos mais ou menos visíveis: citações, evocações, paráfrases. Vale ressaltar que os discursos são constituídos por outros discursos. Não há origem pura do discurso, há sempre uma historicidade, um processo ininterrupto de produção de sentidos (NUNES, 2006, p.28). Logo, tais discursos não são ditos sem propósito pelo ministro. Maingueneau (1997, p. 75) em Novas Tendências em Análise do Discurso apresenta duas formas de heterogeneidade, isto é, a presença do outro no discurso. Para ele a heterogeneidade

13 mostrada incide sobre as manifestações explícitas, recuperáveis a partir de uma diversidade de fontes de enunciação. Já a constitutiva aborda uma heterogeneidade que não é marcada em superfície, mas que a Análise do Discurso pode definir, formulando hipóteses, através do interdiscurso, a propósito da constituição de uma formação discursiva. O ministro utiliza, assim, marcas de heterogeneidade mostrada, ao expressar explicitamente a presença do outro em seu discurso, com citações, inclusive, entre aspas. A utilização de diversos discursos literários, de autoria de Cecília Meireles, Monteiro Lobato, Haroldo de Campos, demonstra que está presente na memória discursiva dos enunciados sobre língua portuguesa, a literatura, através da intertextualidade. Afinal, os literatos uniriam o valorizado conhecimento da norma culta da língua com a poesia expressa em suas escritas e/ou as epopeias das conquistas portuguesas, como primeira língua europeia a romper as fronteiras da Europa, a partir do fascínio dos portugueses pelo desconhecido. Surgem, então, referências ao português como a língua de Camões, Machado de Assis, Eça de Queirós, Fernando Pessoa, Guimarães Rosa, Saramago, Craveirinha e tantos outros. Daí a necessidade da heterogeneidade mostrada marcar explicitamente o outro - para resgatar uma memória interdiscursiva, reforçar a compreensão, envolver e aproximar enunciador e coenunciadores. Aproximá-los num deleite a fim de (re)afirmar e compartilhar, inclusive com os literatos citados por Gilberto Gil, a poesia, a cultura 5, a expressão em português e consequentemente o orgulho de que a língua portuguesa traz aos seus falantes. O termo coenunciadores, aqui, refere-se tanto àqueles que estiveram presentes na Estação da Luz no dia da inauguração do museu como também àqueles que leram o discurso posteriormente no site do ministério. Bourdieu em A Distinção: Crítica Social do Julgamento (2007) ao estudar a formação e os efeitos do capital cultural na França mostrou como um interdiscurso mascarado, isto é, identificável pelo consumidor somente pelo seu conhecimento enciclopédico, é fundamental para valorizar um produto da indústria cultural e torná-lo o que chamamos hoje de cult. Afinal, quando o consumidor consegue fazer ligações, produzir uma intertextualidade, ele sente como se estivesse no mesmo patamar do autor, do diretor, do compositor por ser capaz de captar e 5 O substantivo cultura aqui empregado não se refere à Cultura, conceito antropológico, mas sim tanto à norma culta quanto ao conhecimento mais valorizado em nossa sociedade, isto é, aquele conhecimento científico ou conhecimentos gerais, enciclopédico compartilhado entre as pessoas escolarizadas.

14 decifrar a mensagem subentendida, em meio à multidão, inserindo-se, assim, no seleto grupo da elite cultural, que esses produtos circunscrevem. Da mesma forma se daria esse deleite através da literatura, que uniria enunciador e coenunciador na formação de uma comunidade discursiva, que envolve ambos e legitima o discurso entre eles. O enunciador pressupõe e de certa forma produz, um coenunciador discursivo capaz de compreender as intertextualidades exploradas por ele. Essa marca, essa heterogeneidade mostrada com fontes literárias está presente na maioria dos discursos sobre a língua portuguesa, coletados para esta pesquisa. Portanto, a língua portuguesa nesses discursos ganha um sentido de língua literária, culta e de vasto acervo cultural. Esse caráter literário sócio-histórico dado à língua portuguesa confronta-se, atualmente com a falsa ideia de restringir algumas línguas a (um) campo(s) discursivo(s), em que ela seria mais desenvolvida ou exercesse maior domínio. Como por exemplo, o francês como língua da diplomacia, filosofia e literatura, o alemão como língua da filosofia e ciência ou o inglês como língua da economia e globalização. Já a notícia Ministros da Cultura de Brasil e Portugal debatem projetos reproduzida abaixo, em parte, é de autoria do jornalista Marcelo Lucena e relata um encontro do ministro português da cultura, Pinto Ribeiro com o seu homólogo no Brasil. 4 Na avaliação de Pinto Ribeiro, uma política de articulação causa maior impacto e melhor efeito. Farei tudo o que puder politicamente para que nós consigamos aprofundar o conhecimento da língua portuguesa e a sua divulgação enquanto língua de instrução, de comércio, de contato, de relação, de identidade e de expressão. 5 Questionado sobre as resistências que existem em Portugal em relação ao acordo ortográfico, o ministro disse que este movimento não é tão forte em seu país. 6 Há resistências de algumas pessoas, e não são muitas, que têm uma relação emocional, clássica, física e sensorial com a língua. Mas ninguém será abatido, preso ou punido se não aderir às novas normas. O acordo é uma simplificação da língua, assinalou. 11 Neste momento, nós percebemos não só que o Brasil é muito maior, mais importante, mais rico e mais poderoso do que nós, mas que, independentemente das dimensões e dos tamanhos, somos, todos os países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, iguais, disse. (grifo nosso). Como podemos ver, esse discurso do jornalista Marcelo Lucena apresenta marcas de heterogeneidade mostrada, quando demarca entre aspas a fala do ministro Pinto Ribeiro. Primeiramente, então, analisaremos o discurso aspeado do governante português, no décimo primeiro parágrafo, e depois o discurso do jornalista brasileiro, que relata o anterior. Nesse fragmento, o ministro afirma que neste momento, os portugueses percebem não só

15 que o Brasil é muito maior, mais importante, mais rico e mais poderoso que Portugal, mas também que todos os países da CPLP são iguais. Nessa afirmação posta pode-se identificar um pressuposto. Segundo Ducrot (1987, p.20), o pressuposto pode ser apresentado como uma evidência, como um quadro incontestável no interior do qual a conversação, deve necessariamente inscrever-se e continua dizendo que ele pertence ao domínio comum das duas personagens do diálogo, como objeto de uma cumplicidade fundamental que liga entre si os participantes do ato de comunicação. Assim, o pressuposto seria que os portugueses antes daquele momento, não percebiam dois fatos. O primeiro que o Brasil era muito maior, mais importante, mais rico e poderoso que Portugal e o segundo que independente das dimensões e dos tamanhos, todos os países da CPLP eram iguais. Este pressuposto está marcado no uso da locução adverbial de tempo Neste momento com o verbo percebemos. Nesse fragmento, entre o pressuposto e o posto, nota-se a presença de duas formações discursivas opostas, uma colonial e outra, que aqui chamaremos de multicultural. Apesar dos nomes, ambas são marcadas profundamente pelo colonialismo. Pêcheux (1988, p. 162) define formação discursiva como aquilo que numa formação ideológica dada ou seja, a partir de uma posição dada em uma conjuntura sócio-histórica dada determina o que pode e deve ser dito. Ele acrescenta ainda que é nas formações discursivas que se opera o assujeitamento à interpelação do sujeito como sujeito ideológicos (CHARAUDEAU & MAINGUENEAU, 2008, p. 241). A formação discursiva colonial reflete aspectos ideológicos de superioridade, baseando-se num discurso fundador em que a sociedade europeia seria mais desenvolvida e civilizada e por isso teria a missão de civilizar o restante do mundo. Além do mais, essa formação discursiva é marcada pela busca de poder e exploração de outros povos, primeiramente pelos europeus. Portanto, sua principal marca é a desigualdade entres os povos. Esta é a formação discursiva do pressuposto de que anteriormente os portugueses não percebiam que os países eram iguais. Logo, Portugal reconhece que havia uma desigualdade entre (ex-)metrópole e (ex-)colônias, bem como a sua superioridade nessa relação. Na formação discursiva colonial, muitos discursos entrelaçam-se, como aqueles discursos em que Portugal seria berço da língua portuguesa e nação civilizadora, enquanto o Brasil seria uma colônia a ser civilizada ou aqueles em que Portugal já civilizou o Brasil. Há também aqueles

16 discursos em que o Brasil seria vítima da colonização e Portugal, vilão. Ou ainda que o Brasil, atualmente, em relação a Portugal, seria uma nação mais importante e mais poderosa que apresenta maior apelo cultural, através do carnaval, da música, do futebol e das telenovelas e uma economia em ascensão. Assim, todos os discursos estão repletos de nacionalismo e uma espécie de ressentimento em relação ao colonialismo. Já a formação discursiva multicultural, por oposição, não demonstra distinção de nação, de superioridade. Sua principal marca não está na desigualdade/igualdade entre povos e culturas, mas sim no direito à vida. Nessa formação, todos teriam o mesmo direito de existir, sem importar a dimensão e o tamanho, pois todas as nações e culturas contribuiriam para a diversidade cultural da humanidade, que seria positiva. Partiremos agora a análise do posto - Neste momento, nós percebemos não só que o Brasil é muito maior, mais importante, mais rico e mais poderoso do que nós, mas que, independentemente das dimensões e dos tamanhos, somos, todos os países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, iguais. No fragmento posto analisado, o ministro Pinto Ribeiro afirma que todos os países são iguais. Porém, tal afirmação se apresenta como ressalva à afirmação anterior que o Brasil é mais importante e poderoso. Assim, percebemos no dizer posto de Pinto Ribeiro, a presença das duas formações discursivas em oposição, separadas pela conjunção mas que se torna aditiva pela expressão não só. A primeira afirmação, dita com maior ênfase, filia-se também a formação discursiva colonial de uma nação, povo ou cultura superior só que desta vez, o Brasil estaria em posição de superioridade e não mais Portugal enquanto que a segunda afirma a igualdade entre os países da CPLP e portanto, dialogaria com a formação discursiva multicultural. O ministro português apropria-se de outra formação discursiva para modalizar, amenizar o fato de que o Brasil é hoje mais importante em comparação com seu país, Portugal. Para Pêcheux uma formação discursiva não é um espaço estrutural fechado, já que ela é constitutivamente 'invadida' por elementos provenientes de outros lugares (de outras formações discursivas), que nela se repetem, fornecendo-lhe suas evidências discursivas fundamentais (por exemplo, sob a forma de 'pré-construídos' e de 'discursos transversos') (CHARAUDEAU & MAINGUENEAU, 2008, p. 241). Horta Nunes (2006, p.28) acrescenta que as formações discursivas não são blocos

17 homogêneos, elas se constituem na relação com outras formações discursivas, incluindo-as, excluindo-as, absorvendo-as, negando-as etc. Portanto, o enunciador é atravessado por diversas formações discursivas. Vale ressaltar que a formação discursiva multicultural vem ganhando espaço, principalmente na Europa, depois da II Guerra Mundial e que atualmente os documentos e discursos da União Europeia apresentam marcas dessa formação. Contudo, na prática, as políticas multiculturais e multilíngues ainda são menores que as políticas protecionistas, nacionalistas e imperialistas de alguns países europeus, sobretudo no apoio a políticas linguísticas para o aumento da presença da sua língua nacional no exterior. Nos corpora de análise produzidos por jornalistas do ministério da cultura do Brasil coletados para a pesquisa, nota-se também que a voz atribuída a Portugal, representada pelos seus governantes é sempre para valorizar a imagem do Brasil, isto é, seu poderio em relação aos portugueses. Esse fato também ocorre quando o jornalista Marcelo Lucena, autor e enunciador da notícia analisada neste artigo, dá voz ao ministro Pinto Ribeiro quando ele afirma que Portugal reconhece que o Brasil é mais importante e poderoso, ou seja, um brasileiro diz que um português disse que o Brasil é mais importante e poderoso. E não é um português qualquer, mas sim um representante do governo de Portugal. Essa é mais uma marca da formação discursiva colonial, presente desta vez no discurso produzido pelo jornalista brasileiro que se deixa levar pela necessidade de destacar, de dizer que o português disse que o Brasil é mais importante. Nesse discurso do ministro Pinto Ribeiro, percebemos ainda dois sentidos entre as designações dadas à língua portuguesa. O primeiro de língua literária e cultural, que também está presente no discurso de Gilberto Gil, quando utiliza os termos patrimônio, Mátria e Matriz que une e irmana, além das citações literárias. O ministro português expressa esse sentido de língua, ao dizer que algumas pessoas têm uma relação emocional, clássica, física e sensorial com a língua ao explicar a resistência ao acordo ortográfico, criticando aqueles que defendem a grafia portuguesa como um patrimônio. Ele contrapõe, então a outra visão que entende a língua como língua de instrução, de comércio, de contato, ou seja, o sentido de língua econômica. Ele compartilha desse último sentido para a língua portuguesa atual e utiliza esse entendimento, de visão econômica da língua, como justificativa ao acordo ortográfico.

18 Considerações finais Através de conceitos como formação discursiva, interdiscurso e heterogeneidade discursiva, pode-se constatar nas primeiras análises dos discursos do ex-ministro Gilberto Gil, do MinC e tantos outros do mesmo espaço discursivo, que a língua portuguesa nesse processo de internacionalização ganha um sentido de patrimônio material de grande valor econômico, impulsionada pelo crescimento do Brasil. Esse sentido é contrário à visão predominante sobre a língua portuguesa de décadas anteriores, mais relacionada à ideia de idioma literário e símbolo de cultura. Percebe-se, ainda, nesses discursos uma formação discursiva colonial e outra multicultural em oposição, relacionadas à colonização. Quanto à política linguística de internacionalização do português nota-se na própria constituição da língua a memória expansionista e desafios advindos da história colonial. Nesse processo constitutivo da língua, a formação discursiva colonial, dominante, opõe ex-metrópole e ex-colônias, principalmente Portugal e Brasil, tornando a internacionalização mais complexa. Além disso, o espaço lusófono tem uma particularidade que desafia essa internacionalização da língua, afinal o português ainda depende e se restringe basicamente ao Brasil, que responde por 83,4% do número total de falantes no mundo (SILVA, 2009). Contudo, tais políticas linguísticas são recentes e a língua portuguesa talvez só se torne uma língua internacional, se superar os conflitos da própria lusofonia, do colonialismo, o que não será fácil, pois o colonialismo faz parte da história da língua portuguesa. Afinal, o português só é língua de países dispersos pelo globo, porque foi língua colonizadora. Colonialismo e língua portuguesa estão unidos discursivamente nas memórias dos além-mares, como afirmou o líder da independência de Cabo Verde, Amílcar Cabral: a maior herança do colonialismo é a língua portuguesa. Referências bibliográficas: BOURDIEU, Pierre, A Distinção: Crítica Social do Julgamento. São Paulo: Zouk, BRASIL, Ministério das Relações Exteriores. Disponível em: <http://www.dc.mre.gov.br/lingua-e-literatura/centros-culturais-do-brasil> Acessado: em: 28 set , Ministério da Cultura. Disponível em: <http://www.cultura.gov.br> Acessado em:

19 15 abr & CPLP, Mostra Língua Viagem em Português todos se encontram. Brasília: MRE, CHARAUDEAU, Patrick & MAINGUENEAU, Dominique, Dicionário de Análise do Discurso. São Paulo: Contexto, CPLP, Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. Disponível em Acessado em: 20 mai DUCROT, Oswald, O Dizer e o Dito. Campinas: Pontes: JORNAL ÁFRICA 21, Zâmbia vai adotar a língua portuguesa no seu Ensino Básico, de 26 de maio de Disponível em Acessado em: 15 mar MAINGUENEAU, Dominique, Novas Tendências em Análise do Discurso. Campinas: Pontes: MARIANI, Bethania, Colonização Lingüística. Campinas: Pontes, NUNES, José Horta, Dicionários no Brasil, Análise e História do século XVI ao XIX. Campinas: Pontes, PÊCHEUX, Michel, Semântica e Discurso. Campinas: Editora da Unicamp, PORTUGAL, Instituto Camões. Disponível em: <http://www.instituto-camoes.pt/> Acesso em: 28 set SANT'ANNA, Vera Lucia de A. O trabalho em notícias sobre o Mercosul: heterogeneidade enunciativa e noção de objetividade. São Paulo: EDUC, SIL, Summer Institute of Linguistics & LEWIS, M. Paul (edit.), Ethnologue, Languages of the World. Dallas: Sil International, 16ª edição, SILVA, Diego Barbosa da, Globalização e Internacionalização da Língua Portuguesa. In: CONGRESSO DA ASSEL, XV, 2009, Rio de Janeiro. Anais do XV Congresso da Assel. Rio de Janeiro: UFRJ, SILVA SOBRINHO, José Simão da, A língua que nos une: língua, sujeito e Estado no museu da língua portuguesa. In: SEMINÁRIO DE TESES EM ANDAMENTO, XIII. 2008, Campinas. Anais do Seta. Vol.2. Campinas: Unicamp, p Recebido em 01/07/2010. Aceito em 31/07/2010.

20

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 Daiana Marques Sobrosa 2 1. Introdução Em 26 de março de 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção

Leia mais

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão Alexandre Panosso Netto Escola de Artes, Ciências e Humanidades Universidade de São Paulo Fábia Trentin Departamento

Leia mais

As Políticas de Divulgação e Internacionalização da Língua Portuguesa O Exemplo do Mercosul. Edgard Fernando Viana da Cruz

As Políticas de Divulgação e Internacionalização da Língua Portuguesa O Exemplo do Mercosul. Edgard Fernando Viana da Cruz As Políticas de Divulgação e Internacionalização da Língua Portuguesa O Exemplo do Mercosul Edgard Fernando Viana da Cruz Dissertação de Mestrado em Ensino do Português como Língua Segunda e Estrangeira

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP Intervenção do Secretário Executivo da CPLP Senhor Presidente, Senhores Ministros, Senhor Secretário de Estado do Turismo, Senhores Embaixadores Senhores Representantes

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003 Intervenção de Sua Excelência a Ministra da Ciência e do Ensino Superior, na II Reunião Ministerial da Ciência e Tecnologia da CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Rio de Janeiro, 5 de Dezembro

Leia mais

Enunciação e política de línguas no Brasil

Enunciação e política de línguas no Brasil Enunciação e política de línguas no Brasil Eduardo GUIMARÃES Universidade Estadual de Campinas Considerando o fato de que o Brasil é um país multilingüe, tomo como objetivo específico aqui a reflexão sobre

Leia mais

Política de Línguas na América Latina 1

Política de Línguas na América Latina 1 Política de Línguas na América Latina 1 Eduardo Guimarães * Num momento como o atual, em que as relações internacionais vêm mudando rapidamente e que se caracteriza, entre outras coisas, pelo fato político

Leia mais

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA 3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA Uma língua viva, apesar da unidade que a torna comum a uma nação, apresenta variedades quanto à pronúncia, à gramática e ao vocabulário. Chama-se variação linguística

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS

DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS VIII Jornada Científica REALITER Terminologia e Políticas linguísticas DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS Maria da Graça Krieger (kriegermg@gmail.com) Universidade do Vale

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 ACONTECIMENTO

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A MATERIALIZAÇÃO

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

RESENHA A CORAGEM DA TEORIA CIÊNCIA DA LINGUAGEM E POLÍTICA: ANOTAÇÕES AO PÉ DAS LETRAS

RESENHA A CORAGEM DA TEORIA CIÊNCIA DA LINGUAGEM E POLÍTICA: ANOTAÇÕES AO PÉ DAS LETRAS RESENHA A CORAGEM DA TEORIA ORLANDI, E. P. Ciência da Linguagem e Política: anotações ao pé das letras. Campinas: Pontes, 2014, 128 pp. Pensar sozinho isto é sábio. Nietzsche para ler ao som de Panis et

Leia mais

Portugal, Brasil, a CPLP e a lusofonia

Portugal, Brasil, a CPLP e a lusofonia Portugal, Brasil, a CPLP e a lusofonia Lauro Moreira A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) cumpriu já seus 12 anos, coincidindo com a realização de sua VII Cimeira, reunida em Lisboa em Julho

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

O continente africano

O continente africano O continente africano ATIVIDADES Questão 04 Observe o mapa 2 MAPA 2 Continente Africano Fonte: . A região do Sahel, representada

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

A internacionalização da língua portuguesa. Difusão da Língua Portuguesa em Ensino a Distância. Metodologias de e-learning.

A internacionalização da língua portuguesa. Difusão da Língua Portuguesa em Ensino a Distância. Metodologias de e-learning. A internacionalização da língua portuguesa Difusão da Língua Portuguesa em Ensino a Distância. Metodologias de e-learning. Mário Filipe O ensino de línguas de grande difusão global é hoje servido por várias

Leia mais

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1 1 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA Élcio Aloisio FRAGOSO 1 Resumo O novo acordo ortográfico já rendeu uma série de discussões sob pontos de vistas bem distintos. O acordo

Leia mais

O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO. Profa. Dra. Luci Bonini

O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO. Profa. Dra. Luci Bonini O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO Profa. Dra. Luci Bonini Desde a assinatura da Declaração Universal dos Direitos Humanos, alguns órgãos da sociedade têm se manifestado no sentido de promover as garantias

Leia mais

Políticas Públicas e Equidade em Saúde

Políticas Públicas e Equidade em Saúde Políticas Públicas e Equidade em Saúde 24 de abril de 2014 Coimbra Organização Mundial da Saúde (OMS) http://youtu.be/4misscgkvoc Regina Ungerer Coordenadora da rede eportuguêse eportuguese@who.int Saúde

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso no almoço em homenagem

Leia mais

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6.

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. E T-CPLP: Entrevistas sobre a CPLP CI-CPRI Entrevistado: Embaixador Miguel Costa Mkaima Entrevistador:

Leia mais

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011)

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011) O IMPERIALISMO EM CHARGES 1ª Edição (2011) Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com Imperialismo é a ação das grandes potências mundiais (Inglaterra, França, Alemanha, Itália, EUA, Rússia

Leia mais

[Aprender Português / Portugiesisch lernen]

[Aprender Português / Portugiesisch lernen] [Aprender Português / Portugiesisch lernen] Sabias que segundo a última edição do livro The Ethnologue: languages of the world, o número de línguas faladas no mundo é de 6912. 1. Analisa o seguinte ranking

Leia mais

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE André William Alves de Assis 1 RESUMO: Como participantes do processo comunicativo,

Leia mais

DIEGO BARBOSA DA SILVA

DIEGO BARBOSA DA SILVA A LÍNGUA NACIONAL COMO AFIRMAÇÃO DA CULTURA NACIONAL NO EXTERIOR: O CASO DA FRANCOFONIA DIEGO BARBOSA DA SILVA RESUMO: Com o surgimento dos Estados nacionais, a língua e a cultura passam a ser questões

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE O I Seminário Internacional de Educação Superior na Comunidade de Países de Língua

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

CURSOS ON-LINE DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA DEMONSTRATIVA

CURSOS ON-LINE DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA DEMONSTRATIVA AULA DEMONSTRATIVA Olá pessoal. Com a publicação do edital para Auditor-Fiscal da Receita Federal, como é de costume, houve mudanças em algumas disciplinas, inclusão de novas, exclusão de outras. Uma das

Leia mais

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média.

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média. Questão 1: Leia o trecho abaixo a responda ao que se pede. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE Quando Maomé fixou residência em Yatrib, teve início uma fase decisiva na vida do profeta, em seu empenho

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

Dinâmicas de rede e valor económico da língua portuguesa

Dinâmicas de rede e valor económico da língua portuguesa 1 Jornada de Diplomacia Económica ISEG 5.12.2012 Dinâmicas de rede e valor económico da língua portuguesa jose.esperanca@iscte.pt 2 As línguas no mundo Ecologia da Língua (Calvet) 3 Hipercentral Inglês

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL - PIBELPE 2015-2016

RELATÓRIO GERENCIAL - PIBELPE 2015-2016 RELATÓRIO GERENCIAL - PIBELPE 2015-2016 Nº Coordenadores Título do Projeto Bolsista Resumo do Projeto 1 Ana Cristina Cunha da Silva Laboratório de Pronúncia de Língua Inglesa 01 Anexo 1 2 Andrea Cristina

Leia mais

A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA

A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA Lourdes Serafim da Silva 1 Joelma Aparecida Bressanin 2 Pautados nos estudos da História das Ideias Linguísticas articulada com Análise

Leia mais

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007)

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Excelentíssimos membros do Conselho Directivo, excelentíssimos professores, caríssimos alunos, É com enorme satisfação que

Leia mais

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2012. (Do Sr. Stepan Nercessian)

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2012. (Do Sr. Stepan Nercessian) REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2012. (Do Sr. Stepan Nercessian) Senhor Presidente: Requer informações ao Ministro da Educação sobre quais as medidas que estão sendo desenvolvidas pela COLIP (Comissão

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

O PASSADO NO PRESENTE: HISTÓRIA DA PROMOÇÃO E DIFUSÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA NO EXTERIOR Diego Barbosa da Silva (UERJ) vsjd@uol.com.

O PASSADO NO PRESENTE: HISTÓRIA DA PROMOÇÃO E DIFUSÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA NO EXTERIOR Diego Barbosa da Silva (UERJ) vsjd@uol.com. O PASSADO NO PRESENTE: HISTÓRIA DA PROMOÇÃO E DIFUSÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA NO EXTERIOR Diego Barbosa da Silva (UERJ) vsjd@uol.com.br 1. Introdução Neste artigo propomos apresentar a história da promoção

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 MODERNA

Leia mais

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!!

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! 1.(UFABC 2009) Exibicionismo burguês. Verdadeiros espetáculos da evolução humana (as e xposições universais) traziam um pouco de tudo: de

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO Joelma Aparecida Bressanin 1 Este trabalho é resultado de uma reflexão sobre o funcionamento dos programas de formação continuada de professores que desenvolvemos

Leia mais

Conteúdo: Aula: 1.1. - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano.

Conteúdo: Aula: 1.1. - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano. Aula: 1.1 Conteúdo: - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano. Habilidades: - Conhecer a origem e história da língua

Leia mais

Colégio Visão. História Prof. Alexandre. Discursiva D4. Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo.

Colégio Visão. História Prof. Alexandre. Discursiva D4. Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo. Colégio Visão História Prof. Alexandre Discursiva D4 Questão 01 - (UFJF MG) Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo. Figura 1: Imperador Napoleão III (left) em Sedan, a 2 de Setembro de 1870,

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LÍNGUA PORTUGUESA EM MOÇAMBIQUE Fátima Helena Azevedo de Oliveira 35 fatimavernaculas@yahoo.com.br CONTEXTO HISTÓRICO-SOCIAL A República de Moçambique

Leia mais

DICIONÁRIO REGIONALISTA E ESPANHOL: UMA ANÁLISE DISCURSIVA

DICIONÁRIO REGIONALISTA E ESPANHOL: UMA ANÁLISE DISCURSIVA DICIONÁRIO REGIONALISTA E ESPANHOL: UMA ANÁLISE DISCURSIVA Branco, Natieli Luiza Trabalho de Iniciação Científica/financiamento PET/Conexões de Saberes/MEC Universidade Federal de Santa Maria/Curso de

Leia mais

COOPERAÇÃO SUL SUL INSPEÇÃO DO TRABALHO. Brasília, 7 de dezembro de 2010

COOPERAÇÃO SUL SUL INSPEÇÃO DO TRABALHO. Brasília, 7 de dezembro de 2010 COOPERAÇÃO SUL SUL SEMINARIO BOAS PRÁTICAS NA INSPEÇÃO DO TRABALHO Brasília, 7 de dezembro de 2010 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO 1. O que se entende por Cooperação Sul-Sul 2. Princípios da Cooperação Sul-Sul

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 2 DE JULHO PALÁCIO DO ITAMARATY BRASÍLIA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 ÀS

Leia mais

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários.

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários. CARGA HORÁRIA: 60 horas-aula Nº de Créditos: 04 (quatro) PERÍODO: 91.1 a 99.1 EMENTA: Visão panorâmica das literaturas produzidas em Portugal, Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Elisandra Aparecida Palaro 1 Neste trabalho analisamos o funcionamento discursivo de documentos do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa *Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

II - Desenvolvimento. 1. O primeiro mundo. 2. Sociedades de consumo

II - Desenvolvimento. 1. O primeiro mundo. 2. Sociedades de consumo I - Introdução Consideram-se como Norte os países ricos ou industrializados: o primeiro Mundo ou países capitalistas desenvolvidos, em primeiro lugar e também os países mais industrializados do antigo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 LINGUÍSTICA

Leia mais

Plano de Ação de Brasília para a Promoção, a Difusão e a Projeção da Língua Portuguesa

Plano de Ação de Brasília para a Promoção, a Difusão e a Projeção da Língua Portuguesa Plano de Ação de Brasília para a Promoção, a Difusão e a Projeção da Língua Portuguesa I - Estratégias de implantação da língua portuguesa nas organizações internacionais O português é uma das seis línguas

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

Prova de Conhecimentos Específicos

Prova de Conhecimentos Específicos HISTÓRIA Prova de Conhecimentos Específicos 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Ao analisar a Corte de Luis XIV na França, o pensador alemão Norbert Elias afirmou: Numa sociedade em que cada manifestação pessoal

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

OPÇÕES 2.º Ciclo 2013-2014

OPÇÕES 2.º Ciclo 2013-2014 OPÇÕES 2.º Ciclo 2013-2014 0 ALIMENTAÇÃO FONTES, CULTURA E SOCIEDADE Alimentos, Medicamentos e Venenos Religiões e Alimentação ARQUEOLOGIA E TERRITÓRIO (escolher apenas uma em cada semestre) Antropologia

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

REDES DE P ESQUI SA E A P RODUÇÃO DE CONHECI MENTO CI ENTÍ FI CO.

REDES DE P ESQUI SA E A P RODUÇÃO DE CONHECI MENTO CI ENTÍ FI CO. REDES DE P ESQUI SA E A P RODUÇÃO DE CONHECI MENTO CI ENTÍ FI CO. GALLO, Solange L. (Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL) solange.gallo@unisul.br O objetivo que tenho neste trabalho é compreender

Leia mais

VOCABULÁRIOS DE LÍNGUAS INDÍGENAS NA REVISTA DO IHGB: O PROCESSO DE GRAMATIZAÇÃO

VOCABULÁRIOS DE LÍNGUAS INDÍGENAS NA REVISTA DO IHGB: O PROCESSO DE GRAMATIZAÇÃO Resumo VOCABULÁRIOS DE LÍNGUAS INDÍGENAS NA REVISTA DO IHGB: O PROCESSO DE GRAMATIZAÇÃO Dantielli Assumpção GARCIA. UNESP-IBILCE (São José do Rio Preto) FAPESP (proc. n 07/58250-1). dantielligarcia@gmail.com

Leia mais

A instituição midiática Veja e a produção de sentidos referentes aos sujeitos. candidatos à Presidência da República.

A instituição midiática Veja e a produção de sentidos referentes aos sujeitos. candidatos à Presidência da República. Crátilo: Revista de Estudos Linguísticos e Literários. Patos de Minas: UNIPAM, (3):30 37, 2010 ISSN 1984 0705 A instituição midiática Veja e a produção de sentidos referentes aos sujeitos candidatos à

Leia mais

ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL DA GUINÉ-BISSAU

ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL DA GUINÉ-BISSAU PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL DA GUINÉ-BISSAU A ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA - CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA (AIP-CCI) E A A ELO - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA

Leia mais

CURSO EXTENSIVO 2014**

CURSO EXTENSIVO 2014** Temos unidade em São Paulo e Campinas e nossas aulas são presenciais. *Lançamento de nosso curso on-line de exercícios com material exclusivo - última semana do mês de FEV/13. Índice de aprovação de 15

Leia mais

República de Moçambique Presidência da República DISCURSO PARA BANQUETE DE ESTADO

República de Moçambique Presidência da República DISCURSO PARA BANQUETE DE ESTADO República de Moçambique Presidência da República DISCURSO PARA BANQUETE DE ESTADO Discurso de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República de Moçambique, por ocasião do Banquete de Estado

Leia mais

Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 14U2 - Implantação, Instalação e Modernização de Espaços e Equipamentos Culturais

Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 14U2 - Implantação, Instalação e Modernização de Espaços e Equipamentos Culturais Momento do Tipo de Temático Macrodesafio Fortalecer a cidadania Eixo Desenvolvimento Social e Erradicação da Miséria Valor de Referência para Individualização de Projetos em Iniciativas Esferas Fiscal

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 93 Exposição na abertura do encontro

Leia mais

POPULAÇÃO SUBNUTRIDA - 2006

POPULAÇÃO SUBNUTRIDA - 2006 PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Observe os

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

我 が 国 のアクション プラン ( 改 訂 版 )(ポルトガル 語 )

我 が 国 のアクション プラン ( 改 訂 版 )(ポルトガル 語 ) 我 が 国 のアクション プラン ( 改 訂 版 )(ポルトガル 語 ) Japão Plano de Ação do Japão para promoção e difusão da Língua Portuguesa como observador associado da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) 1. Os significados

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

DECLARAÇÃO À IMPRENSA

DECLARAÇÃO À IMPRENSA DECLARAÇÃO À IMPRENSA SR. PRESIDENTE, hoje, na qualidade de Primeiro- Ministro de Timor- Leste, faço a minha primeira visita oficial à Indonésia a convite de V. Exa. Pak Joko Widodo Jokowi, o Presidente

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Com base nas afirmações anteriores, na imagem e em seus conhecimentos, cite e analise:

Com base nas afirmações anteriores, na imagem e em seus conhecimentos, cite e analise: Questão 1: Os Tribunais da Inquisição foram criados pela Igreja no século XIII, para investigar e punir os crimes contra a fé. No século XVI a Inquisição foi reativada em vários países europeus, inicialmente

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CIÊNCIAS HUMANAS 3º ANO FILOSOFIA FILOSOFIA NA HISTÓRIA

Leia mais

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho SOMOS TOD@S UFRB Síntese da Proposta de Trabalho Chapa SOMOS TOD@S UFRB Reitor: Silvio Soglia Vice-Reitora: Georgina Gonçalves "Aquele que quer aprender a voar um dia precisa primeiro aprender a ficar

Leia mais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais A Cooperação Internacional tem por objetivo conduzir o conjunto de atores que agem no cenário

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE UFMG, BELO HORIZONTE, BRASIL 16 a 19 de setembro de 2007.

Leia mais

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 UNIDADE DIDÁTICA: TEMA A: DOS PRIMEIROS POVOS À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL.

Leia mais

Capítulo 03 Mercados regionais

Capítulo 03 Mercados regionais Capítulo 03 Mercados regionais As organizações decidem atuar no mercado global quando sabem que o crescimento externo será maior do que o interno. Nesse sentido, a China é um dos mercados para onde as

Leia mais

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu.

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título Opções de financiamento para a CPLP não é meu. FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu. Poderia dar ideia que há opções de financiamento específicas para a CPLP em si mesma e para os Estados

Leia mais