ANUÁRIO O Financiamento Especializado do Consumo em Portugal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANUÁRIO 2006. O Financiamento Especializado do Consumo em Portugal"

Transcrição

1 ANUÁRIO 2006 O Financiamento Especializado do Consumo em Portugal

2 Anuário ASFAC 2006 AGRADECIMENTO A Direcção da ASFAC agradece o contributo de todos que, com o seu empenho e profissionalismo, tornaram possível e facilitaram o trabalho desenvolvido pela Associação ao longo do ano 2006 e que agora se espelha neste anuário. Tal não teria sido possível sem a colaboração de todos os nossos Associados, que sempre colaboraram activamente nas consultas que lhe foram efectuadas; do Banco de Portugal e restantes autoridades tutelares; dos diferentes Parceiros que cooperam com a ASFAC; e ainda de todas as demais Entidades que se comprometem na defesa e representação dos interesses do Sector. A Direcção da ASFAC Lisboa, Outubro de

3 2 Índice Anuário ASFAC 2006 I. ASFAC ASSOCIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ESPECIALIZADO 7 1. A ASSOCIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ESPECIALIZADO Missão e Objectivos Prestação de serviços às Associadas e à comunidade Enquadramento institucional da actividade PRINCIPAIS PROJECTOS DESENVOLVIDOS EM Mudança de denominação e âmbito social A representação permanente dos interesses do sector Promoção da notoriedade da actividade do sector Remodelação do site Encontros e Seminários Especializados Interaccção com Entidades de Defesa do Consumidor Cooperação Associativa Nacional Código do Consumidor Projecto Legislativo Mediação se Seguros Basileia II/Revisão Regime Fundos Próprios Grupo de Trabalho Proposta de revisão da Directiva do Crédito ao Consumidor Depósitos à ordem dos Tribunais Judiciais Alteração do Código do Processo Civil Central de Responsabilidades de Crédito do Banco de Portugal/Novo Modelo Comercialização à Distância de Serviços Financeiros Sistema de Controlo Interno Pró-rata do IVA Regime de Imposto de Selo Cartões de Crédito Prevenção da Fraude Criação de Base de Dados A formação dos profissionais do sector Estatísticas ASFAC e EUROFINAS Acções de Educação Financeira ÓRGÃOS SOCIAIS 18 II. O CRÉDITO ESPECIALIZADO O FINANCIAMENTO DAS AQUISIÇÕES A CRÉDITO A Evolução Histórica Enquadramento Geral As vantagens do Financiamento Especializado do Consumo Para as empresas Para os particulares Tipos de Crédito A LOCAÇÃO FINANCEIRA A Evolução Histórica Enquadramento Geral Sobre o Leasing Sobre o Renting 27

4 Índice Anuário ASFAC A CESSÃO FINANCEIRA (FACTORING) A Evolução Histórica Enquadramento Geral As vantagens do Factoring 29 III. O ENQUADRAMENTO GERAL A ASFAC 1. EVOLUÇÃO LEGISLATIVA DO CRÉDITO ESPECIALIZADO EM PORTUGAL Evolução Geral INSTITUIÇÕES BANCÁRIAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO (IFIC) SOCIEDADES FINANCEIRAS PARA AQUISIÇÕES A CRÉDITO (SFAC) SOCIEDADES DE LOCAÇÃO FINANCEIRA (LEASING) AS SOCIEDADES DE CESSÃO FINANCEIRA (FACTORING) O REGIME JURÍDICO DOS CONTRATOS Dos Contratos de Crédito ao Consumo Enquadramento Geral Âmbito de aplicação Delimitação negativa Regras Jurídicas 40 a. Publicidade 40 b. Forma e Formalidades 40 c. Período de Reflexão 41 d. Cumprimento Antecipado 41 e. Venda de bens ou prestação de serviços por terceiro 42 f. Concessão de crédito em conta corrente 42 g. Concessão de crédito sob a forma de descoberto Do Contrato de Locação Financeira (Leasing) Forma e Formalidades Prazo de Vigência Posição jurídica do locador Posição jurídica do locatário Risco Resolução do contrato especificidades Regime Fiscal 45 a. IRC 45 b. IRS 45 c. IMT 45 d. IMI 46 e. IVA 46

5 4 Índice Anuário ASFAC Do Contrato de Cessão Financeira (Factoring) Forma e Formalidades Conteúdo Dos Contratos Financeiros à Distância 48 IV. A SUPERVISÃO DO SECTOR: O PAPEL DO BANCO DE PORTUGAL CONSIDERAÇÕES PRÉVIAS AS COMPETÊNCIAS DO BANCO DE PORTUGAL NORMAS PRUDENCIAIS A OBSERVAR PELAS ASSOCIADAS DA ASFAC Adequação de Fundos Próprios Rácio de Solvabilidade Controlo de Riscos de Crédito Concentração Reservas Reservas obrigatórias Provisões Controlo Interno de Erros e Fraudes Deveres de prestar informação ao Banco de Portugal Comunicação das responsabilidades por crédito concedido ou potencial Prazos e forma de publicação das contas Emissão de obrigações hipotecárias Informação sobre empresas incluídas no perímetro de consolidação para efeitos secundários Cálculo dos Juros 57 V. O ENDIVIDAMENTE E A GESTÃO DE CRÉDITO RÁCIO DE ENDIVIDAMENTO VS. TAXA DE ESFORÇO GESTÃO DE CRÉDITO Pré-contencioso Contencioso Cobrança Optimizada Procedimento de Injunção A Acção Declarativa Especial para cumprimento de obrigações pecuniárias emergentes de contratos A Acção Executiva para pagamento de dívida 65

6 Índice Anuário ASFAC VI. A ACTIVIDADE DO CRÉDITO ESPECIALIZADO EM AS CONDICIONANTES ECONÓMICAS DE OS PRINCIPAIS MERCADOS EUROPEUS O MERCADO PORTUGUÊS EM Indicadores do 1º Trimestre Indicadores do 2º Trimestre Indicadores do 3º Trimestre Indicadores do 4º Trimestre e Análise do ano de PERSPECTIVAS PARA O CONSUMIDOR 80 VII. ASSOCIADOS DA ASFAC 85 VIII. ADERENTES DA ASFAC 111

7 Capítulo I A ASFAC A Associação de Instituições de Crédito Especializado 7 1. A ASFAC - A Associação de Instituições de Crédito especializado Anuário ASFAC 2006

8 8 Anuário ASFAC A ASFAC - A Associação de Instituições de Crédito especializado 1. A Associação de Instituições de Crédito Especializado 1.1. Missão e objectivos A ASFAC Associação de Instituições de Crédito Especializado (ASFAC) é uma Associação sem fins lucrativos, regida pelas disposições estatutárias e pela Lei aplicável, e que prossegue como seus objectivos primordiais os que a seguir se descrevem: A representação e defesa dos interesses das Associadas, do sector em que se insere e da respectiva imagem, perante as entidades de tutela, eg., Ministério das Finanças e Banco de Portugal, bem como perante quaisquer outras entidades, públicas ou privadas, nacionais ou estrangeiras; A prática de todos os actos que possam contribuir para o progresso das Associadas; O estudo das questões de enquadramento legal e regulamentar da actividade das suas Associadas; O estudo das questões de natureza económica, financeira e social, com interesse directo ou indirecto para as Associadas; O acompanhamento de todas as questões de natureza ética e deontológicas relacionadas com o exercício da actividade das suas Associadas; A produção de informação sobre a actividade e o sector, nomeadamente informação estatística, com interesse para as Associadas, Estado, entidades públicas ou privadas, nacionais ou estrangeiras; A gestão e exploração de bases de dados de informações relevantes para a actividade, composta por informação produzida pelas Associadas ou terceiros; A cooperação com Associações, Federações ou outras entidades de natureza similar, nacionais ou estrangeiras, com relevância para o desenvolvimento e aperfeiçoamento do exercício da actividade e do sector. Fundada em 1991, com a designação inicial de ASFAC Associação de Sociedades Financeiras para Aquisições a Crédito, a Associação adoptou, em 2005, a denominação de ASFAC Associação de Instituições de Crédito Especializado (ASFAC), assim espelhando de forma mais actualizada o seu âmbito de representatividade em relação à actividade desenvolvida pelas suas Associadas. Na verdade, a Associação, que contou, desde a sua criação, com vinte e seis instituições financeiras Associadas, contabiliza actualmente trinta e um membros, dos quais vinte e cinco são instituições de crédito especializadas no financiamento do consumo, que no seu conjunto representam a quase totalidade do mercado do crédito especializado. Os restantes seis membros são empresas que prestam serviços especializados de apoio à actividade das empresas Associadas, nas áreas de consultoria e informação financeiras, seguros, compras e vendas de carteiras de crédito, entre outras. O empenho colocado pela Associação na sua missão de representação do sector do financiamento especializado do consumo, e a relevância do seu contributo activo para a evolução do mercado de crédito especializado, em especial, nas suas vertentes económica e legislativa, permitiu que, logo em 1995, ao fim de apenas quatro anos de actividade, a Associação passasse a ser considerada como parceiro privilegiado do Governo, designadamente, tendo sido especialmente consultada aquando da elaboração do actual regime jurídico das Sociedades Financeiras para Aquisições a Crédito (SFAC), aprovado pelo Decreto-Lei n.º 206/95, de 14 de Agosto.

9 Anuário ASFAC Desde então, o trabalho desenvolvido pela ASFAC tem sido pautado pelo crescente valor acrescentado dos serviços prestados às suas Associadas, sempre com o objectivo de defender os interesses específicos da actividade do financiamento especializado no mercado português bem como dos agentes intervenientes. Assim, em virtude do principal objectivo da ASFAC continuar a ser a promoção do mercado do crédito especializado em Portugal, resultante do protagonismo assumido pelas instituições de crédito como motor de desenvolvimento e vitalidade da economia nacional, a ASFAC tem assumido ela própria um papel preponderante, junto dos consumidores em particular e da sociedade em geral, como organismo de divulgação de informação e formação especializada. Nestes termos, na actualidade a ASFAC não pode já ser apenas percebida como uma mera associação sectorial, por tradição, limitada à representação das suas Associadas, antes devendo ser vista como uma verdadeira organização de interesse público, que para além de representativa das suas Associadss, é criadora de valor acrescentado tanto para aqueles como para os consumidores em geral. 1. A ASFAC - A Associação de Instituições de Crédito especializado 1.2. Prestação de serviços às Associadas e à comunidade A confirmar o que atrás se referiu, quanto aos objectivos e actuação da ASFAC, está o vasto acervo de serviços prestados por esta Associação, de entre os quais cumpre destacar, concretizando alguns dos aspectos já mencionados: A representação e defesa dos interesses das Associadas e do sector perante as entidades de tutela, eg, Ministério das Finanças e Banco de Portugal, bem como perante quaisquer outras entidades públicas Comissão Nacional de Protecção de Dados, Instituto do Consumidor, Comissão do Código do Consumidor, entre outras e privadas associações congéneres como a Associação do Comércio Automóvel de Portugal (ACAP), Associação Portuguesa de Leasing e Factoring (APLF), Associação Portuguesa de Seguradoras (APS) entre outras; A promoção da notoriedade pública das Associadas e da sua actividade, no âmbito da qual destacamos a realização de uma conferência anual do sector; A promoção do desenvolvimento e optimização da actividade das Associadas, designadamente através da realização do Programa de Formação Específico para o sector; O acompanhamento, análise e desenvolvimento de propostas no âmbito do enquadramento legal da actividade das Associadas, através de participação directa ou indirecta no processo legislativo; O estudo das questões de natureza económica, financeira e social relevantes para as Associadas; O acompanhamento das questões de natureza ética e deontológicas emergentes das actividades das Associadas; A produção de informação sobre a actividade e o sector, nomeadamente informação estatística. Neste ponto, é de registar a divulgação trimestral das estatísticas globais das Associadas, bem como, a colaboração da ASFAC com a European Federation of Finance House Associations (EUROFINAS), a Associação Europeia, fundada em 1959 pelas associações nacionais da Áustria, Bélgica, França, Alemanha, Holanda, Suécia, Suíça e Reino Unido que conta, actualmente, com mais seis membros (Espanha, Finlândia, Irlanda, Itália, Noruega e República Checa), mantendo ainda relações com a

10 10 Anuário ASFAC A ASFAC - A Associação de Instituições de Crédito especializado Associação Profissional das Sociedades de Financiamento de Marrocos (na qualidade de membro correspondente) e com a Associação Americana de Serviços Financeiros (E.U.A.); A gestão e exploração de Bases de Dados de informações relevantes para a actividade, das quais destacamos a CREDINFORMAÇÕES; A cooperação com Associações, Federações e outras entidades de natureza semelhante, nacionais ou estrangeiras, com relevância para o desenvolvimento e aperfeiçoamento da actividade do sector Enquadramento institucional da actividade A Associação realiza um importante trabalho sobre os condicionalismos legais e de mercado, representando os membros perante as autoridades financeiras, nomeadamente o Banco de Portugal e o Ministério das Finanças. Neste domínio, a ASFAC tem defendido a aplicação em Portugal de um quadro jurídico semelhante ao que rege a actividade das IFIC Instituições Financeiras de Crédito nos restantes países europeus, de modo a criar uma situação de igualdade a nível de funcionamento e a evitar distorções da concorrência no mercado único europeu. À ASFAC cabe igualmente a representação internacional das Associadas junto da EUROFINAS European Federation of Finance House Associations (www.eurofinas.org), de que a ASFAC é membro de pleno direito. No plano internacional, a Associação participa com as suas parceiras europeias nos vários comités especializados, acompanhando e analisando a evolução do mercado global e estabelecendo os compromissos considerados adequados à defesa dos interesses fundamentais das IFIC portuguesas. 2. Principais projectos desenvolvidos em Mudança de denominação e âmbito social Tendo em conta a mudança de denominação e de âmbito social da Associação, ocorridas no final de 2005, a ASFAC, agora intitulada Associação de Instituições de Crédito Especializado procedeu, no início do ano, à alteração de imagem em todos os suportes de comunicação. 2.2 A representação permanente dos interesses do sector Enquanto associação representativa do sector, a ASFAC está permanentemente atenta às alterações que podem surgir no mercado de crédito com o intuito de defender os interesses das suas Associadas. Assim, são estabelecidos contactos com as autoridades de supervisão e regulação do mercado, como são exemplo o Banco de Portugal e o Ministério das Finanças, no sentido de acompanhar e contribuir activamente nos processos de regulamentação da actividade no mercado nacional, procedendo, sempre que relevante à apresentação de propostas legislativas concretas.

11 Anuário ASFAC Enquanto membro da EUROFINAS - European Federation of Finance House Associations, a ASFAC defende, permanentemente, a nível internacional os interesses das suas Associadas. A título de exemplo, a ASFAC participa no conselho e comités executivos, de estatísticas, de assuntos jurídicos e de assuntos económicos da EUROFINAS, sempre com o objectivo de representar e promover a defesa dos interesses do sector português, a nível europeu. Neste domínio, e com vista à implementação do mercado único, a ASFAC tem-se debatido pela adopção, em Portugal, de um quadro jurídico semelhante ao dos outros países da União Europeia. Ainda a nível internacional, a Associação participou em alguns eventos com o objectivo de acompanhar as tendências dos mercados e antever as consequências para a actividade do sector no nosso país. 2.3 Promoção da notoriedade da actividade do sector Na Comunicação Social Com vista à promoção da notoriedade do sector do financiamento especializado do consumo foram estabelecidos regularmente contactos com a comunicação social. Além da divulgação trimestral dos indicadores de actividade e da resposta a solicitações dos media sobre diversos assuntos ligados à actividade da ASFAC, foram promovidos vários trabalhos jornalísticos na área da educação financeira. O caminho da pedagogia demonstra a preocupação do sector com o nível de literacia financeira dos portugueses. O objectivo em todas as acções foi dotar os receptores de mais conhecimentos financeiros, de forma a permitir-lhes ter uma relação saudável com o dinheiro. A parceria com a RTP2, iniciada em 2005, foi renovada em 2006 e a ASFAC participou em vários programas Causas Comuns e Sociedade Civil, uma vez que o primeiro programa foi extinto com a remodelação do canal. 1. A ASFAC - A Associação de Instituições de Crédito especializado Programa Causas Comuns Programa Como gerir o orçamento familiar A importância de se aprender a complexa linguagem do dinheiro As mulheres na gestão do orçamento familiar Data de emissão 13 Janeiro 2 Fevereiro 8 Março Programa Sociedade Civil Programa O crédito e os limites do sobreendividamento Férias descansadas Os jovens e a gestão financeira Poupar para ganhar Consumo compulsivo e fobia financeira Data de emissão 12 Abril 2 Junho 5 Setembro 31 Outubro 29 Novembro Como se pode perceber pelos programas emitidos, a ASFAC foi convidada a participar sempre que os temas estiveram relacionados com a área da educação financeira, crédito e gestão do dinheiro. É de salientar o interesse que este tipo de programas manifestou nos telespectadores, não só pelos telefonemas que são feitos durante as emissões para a produção e para a própria Associação, a pedir esclarecimentos, como também pelos posts que são colocados no blog do programa em Em parceria com a produção do programa Fátima emitido na SIC, a ASFAC participou numa emissão com o intuito de aconselhar os telespectadores sobre o que fazer quando determinado consumidor entra em incumprimento. Este aconselhamento partiu de uma situação real, em que se tentou dar resposta e solucionar o problema em causa.

12 12 Anuário ASFAC A ASFAC - A Associação de Instituições de Crédito especializado Em Setembro a ASFAC iniciou uma parceria com o programa Essência, da SIC Mulher em que a Secretária Geral da Associação é responsável pela rubrica Contas à Vida. Neste espaço são abordados diversos temas na área da educação financeira. Newsletter Legislativa Para divulgar as principais novidades legislativas e regulamentares importantes para o sector do financiamento especializado do consumo, a ASFAC continuou a editar quinzenalmente, com a colaboração da Sociedade de Advogados Raposo e Bernardo Associadas, a newsletter legislativa. Anuário do Financiamento Especializado do Consumo em Portugal Foi elaborado o primeiro Anuário do Financiamento Especializado do Consumo em Portugal. A apresentação do Anuário decorreu durante uma conferência de imprensa em que foram também apresentados os indicadores de actividades referentes ao ano de O livro foi distribuído às Associadas da ASFAC, aos Órgãos de Comunicação Social e a diferentes entidades que de alguma forma estão relacionadas com o desenvolvimento desta actividade. 2.4 Remodelação do site Durante o primeiro trimestre de 2006 foi remodelado o site Além de ter ficado mais apelativo para os utilizadores, o site está agora melhor organizado e com mais informação. A título de exemplo, foi incluído um menu destinado à comunicação social que apresenta toda a informação difundida pela ASFAC aos media. Foi também inserido um menu destinado às perguntas frequentes que são geralmente colocadas à Associação. Salienta-se a inclusão de uma área destinada apenas à educação financeira. Esta área possui diversos menus que além de darem alguns conselhos e dicas para uma boa gestão do dinheiro, também apresentam um conjunto de testes financeiros e um simulador da capacidade financeira. Com estas ferramentas, os utilizadores podem perceber rápida e facilmente qual a sua situação económica e qual a sua relação com o dinheiro. São ainda desmistificados alguns conceitos financeiros. O objectivo desta área do site é dotar os utilizadores dos conhecimentos essenciais a uma boa relação com o dinheiro. Este projecto foi executado pela empresa com quem a ASFAC regularmente trabalha nesta área, a Vector21.com, Tecnologias de Informação, S.A Encontros e Seminários Especializados No ano de 2006 a ASFAC organizou, por ocasião do seu 15º aniversário, um almoço em que foi feita, pelo professor Augusto Mateus, uma análise à conjunta macro-económica nacional e internacional. Este almoço teve como público alguns membros das Associadas e contou com a presença de alguns órgãos de comunicação social. Este tipo de iniciativas são consideradas pela Associação muito importantes na medida em que permitem o conhecimento e discussão, entre os diversos players do sector, sobre a actual situação económica do país e quais as perspectivas de evolução.

13 Anuário ASFAC Interacção com Entidades de Defesa do Consumidor A ASFAC manteve, durante o ano de 2006, troca de informação entre consumidores e os seus representantes, mais especificamente com a DECO, o Instituto do Consumidor e vários Centros de Informação Autárquica ao Consumidor. Os objectivos desta troca de informação são optimizar a comunicação entre as diversas partes envolvidas e aumentar o conhecimento que as Associadas têm dos seus clientes. Foram mediados, com sucesso, 30 processos de reclamação. Este número subiu para quase o dobro quando comparado o ano de 2006 com o ano de Especificamente com o Gabinete de Apoio ao Sobreendividado da DECO, foi feito um almoço reunião em que a ASFAC entregou, aos representantes deste organismo, o resultado da consulta anteriormente feita às Associadas sobre o funcionamento deste serviço. Posteriormente, e para tornar mais fiável a informação que é recolhida pelos membros do Gabinete, junto dos consumidores, foram enviadas propostas de utilização de novos quadros de recolha de dados. A colaboração com o Observatório do Endividamento dos Consumidores (OEC) manteve-se, durante o ano de 2006, ao nível do acompanhamento dos trabalhos levados a cabo por este organismo. Salienta-se a participação da ASFAC em artigos da newsletter do OEC. 1. A ASFAC - A Associação de Instituições de Crédito especializado 2.7 Cooperação Associativa Nacional A ASFAC, a propósito da consulta pública apresentada pelo Governo, entre Março e Julho de 2006, sobre a proposta de Código do Consumidor encetou contactos e desenvolveu algumas acções em parceria com a Associação Portuguesa de Bancos e a Associação Portuguesa de Leasing e Factoring. É também de relevar a participação activa da ASFAC nas jornadas, congressos e conferências organizadas anualmente pela Associação do Comércio Automóvel de Portugal ACAP; pela Associação Nacional das Empresas do Comércio e Reparação Automóvel ANECRA e pela Associação Nacional do Ramo Automóvel ARAN. 2.8 Código do Consumidor Projecto Legislativo Para elaborar o parecer do sector sobre o projecto legislativo do Código do Consumidor a ASFAC fez uma consulta a todas as Associadas com o objectivo de apresentar uma proposta representativa dos interesses e opiniões de todos os players do mercado face ao novo projecto de lei. Após a entrega do parecer, a ASFAC continuou a acompanhar a evolução do processo. 2.9 Mediação de Seguros Durante o ano de 2006 a ASFAC reuniu com vários grupos parlamentares, com assento na Assembleia da República, e com elementos da Secretaria de Estado do Tesouro e das Finanças com o objectivo de apresentar as sugestões do sector face à transposição da directiva comunitária para o regime jurídico português. Neste âmbito, as sugestões da ASFAC foram no sentido de não extinguir o canal de distribuição/oferta dos seguros de protecção de riscos de crédito efectuados através das Associadas.

14 14 Anuário ASFAC A ASFAC - A Associação de Instituições de Crédito especializado As acções levadas a cabo durante o ano de 2006 tiveram reflexos na proposta apresentada pelo Instituto de Seguros de Portugal em Janeiro de Nesta proposta de aplicação do novo regime legal à actividade do sector foi considerada a oferta de seguros de protecção de riscos de crédito nos pontos de venda, na regulamentação e aplicação do novo regime legal Basileia II / Revisão Regime Fundos Próprios Grupo de Trabalho Em 2006 a Associação continuou a acompanhar o desenvolvimento da implementação das regras do Acordo de Basileia II, mais especificamente o trabalho desenvolvido pelo Banco de Portugal e pelo Comité de Assuntos Económicos da EUROFINAS. No último mês do ano foram submetidas à consulta directa das Associadas as novas normas referentes a este processo Proposta de revisão da Directiva do Crédito ao Consumidor No ano transacto a ASFAC continuou a acompanhar o processo de alteração da Directiva do Crédito ao Consumo. Neste âmbito, e sempre com o objectivo de assegurar a defesa dos interesses do sector do Crédito ao Consumo nacional, salienta-se a actuação da Associação, tanto junto da Direcção Geral de Consumidores DG SANCO, como junto da Direcção Geral de Empresas DG Markt - através do Comité de Assuntos Jurídicos da EUROFINAS e, após ter sido alcançado o consenso, através do EBIC European Banking Industry Committee, cujo Comité do Crédito ao Consumo continua a ser presidido pela EUROFINAS. No que diz respeito à actuação da ASFAC a nível nacional, foram desenvolvidas diversas acções junto do Banco de Portugal e da REPER Representação Permanente em Bruxelas, cujos responsáveis integram o Comité de Peritos do Conselho Europeu Depósitos à ordem dos Tribunais Judiciais Neste âmbito, a ASFAC pretende promover a alteração da legislação necessária ao levantamento, por parte dos credores, dos milhões de euros que se encontram há vários anos depositados à ordem dos tribunais judiciais. No seguimento das propostas enviadas e dos pedidos de audiência requeridos pela ASFAC ao Ministério das Finanças, à Secretaria de Estado do Tesouro, assim como ao Ministério da Justiça e à respectiva Secretaria de Estado, aguarda-se por um desfecho do processo. De salientar o apoio que a ASFAC conseguiu, sobre este assunto, junto do Banco de Portugal, que já apresentou uma posição formal e a enviou ao Ministério das Finanças Alteração do Código do Processo Civil Com o intuito de contribuir para a celeridade processual e o descongestionamento dos tribunais, a ASFAC, com o apoio das suas Associadas, participou directamente no processo de alteração do Código do Processo Civil. Tendo em conta as consultas efectuadas pelo Ministério da Justiça, a Associação analisou, com as Associadas, o impacto que as alterações propostas ao sistema judicial têm no exercício da sua actividade. Resultante desta análise, foram também recolhidas sugestões que permitam melhorar o sistema judicial

15 Anuário ASFAC português. Tanto as sugestões de alteração, como a análise do impacto das alterações propostas ao sistema judicial foram formalmente entregues ao Gabinete de Política Legislativa do Ministério da Justiça Central de Responsabilidades de Crédito do Banco de Portugal / Novo Modelo A ASFAC participou na reunião organizada pelo Grupo de Trabalho da Central de Riscos de Crédito. Neste encontro, o Banco de Portugal apresentou a proposta de reformulação do modelo da Central de Risco de Crédito a ser implementado nos próximos cinco anos. É de salientar que este novo modelo reflecte muitas das pretensões das Associadas da ASFAC, como é o caso do alargamento do horário de funcionamento do âmbito da informação. Durante o encontro foi também apresentado o projecto da Instrução nº 7/2006 que aprova o novo regulamento da Central de Risco de Crédito. 1. A ASFAC - A Associação de Instituições de Crédito especializado 2.15 Comercialização à Distância de Serviços Financeiros A ASFAC seguiu o processo de entrada em vigor do Decreto Lei n.º 95/2006, de 29 Maio. Após a obtenção de um Parecer Legal sobre a aplicação da nova legislação à actividade das instituições financeiras, a divulgação foi feita junto das Associadas Sistema de Controlo Interno A ASFAC seguiu o processo de entrada em vigor do Aviso 3/2006. Após ter requerido ao Banco de Portugal, a pedido de algumas Associadas, parecer sobre a aplicabilidade do Aviso às sucursais a operar em Portugal, o mesmo foi-lhe concedido pela entidade supervisora Pró-rata do IVA Com o objectivo de obter esclarecimento por parte da Administração Fiscal sobre os diversos entendimentos e interpretações do regime do pró-rata do IVA, que tem sido aplicado às Associadas, foi constituído na ASFAC um grupo de trabalho. Após várias reuniões foi requerida uma audiência à Direcção de Serviços do IVA, em parceria com a APLF Associação Portuguesa de Leasing e Factoring. Da audiência, que aconteceu no final do ano de 2006, resultou uma solicitação às Associações para a entrega de um requerimento formal com as propostas do sector neste âmbito, a ser entregue no início de Regime de Imposto de Selo Cartões de Crédito A propósito da aplicabilidade do regime de imposto de selo aos cartões de crédito, mais especificamente no que concerne à tributação dos mesmos, a ASFAC obteve um Parecer Jurídico para o sector do financiamento especializado.

16 16 Anuário ASFAC A ASFAC - A Associação de Instituições de Crédito especializado 2.19 Prevenção da Fraude Criação de Base de Dados Com o intuito de definir a informação existente para a prevenção da fraude, e uma possível troca entre a Associação e a Polícia portuguesa, foram desenvolvidos contactos com representantes da Polícia Judiciária, Guarda Nacional Republicana e Polícia de Segurança Pública. Destes contactos resultaram conversações com o Ministério da Administração Interna e a proposta à ASFAC, de apoio à implementação do sistema de detecção de veículos que permitirá detectar rápida e eficazmente as viaturas em situação ilegal a serem apreendidas. Deu-se continuidade à troca de informação sobre fornecedores que revelam comportamento ético e legalmente reprovável para prevenir os prejuízos decorrentes da contratação dos respectivos serviços A formação dos profissionais do sector Desde 1997 que a ASFAC desenvolve acções de formação para os profissionais do sector com o intuito de melhorar, cada vez mais, a qualidade dos serviços que são prestados pelas instituições de crédito especializado no financiamento do consumo. A qualidade e a importância das acções de formação desenvolvidas pela Associação foram reconhecidas, e, desde o ano de 2000, passaram a ser financiadas pelo Fundo Social Europeu (FSE) e pelo Governo Português. Durante o ano de 2006 foi concluída a execução do Programa de Formação aprovado pelo Programa Operacional Emprego, Formação e Desenvolvimento (POEFDS) da região Norte comparticipado no âmbito do FSE. Dado que o Quadro Comunitário de Apoio se encontrava esgotado, foram desenvolvidas acções de formação não co-financiadas para as Associadas da ASFAC. Salienta-se que a Associação conseguiu custos bastante competitivos, quando comparados com os valores de mercado, devido à negociação estabelecida com as empresas de formação. Estiveram envolvidos cerca de 50 profissionais do sector que atribuíram às acções de formação, numa escala de 1 a 10, entre 9 e 10 valores. Os formandos consideraram que as acções de formação corresponderam às suas expectativas, que os temas estavam adequados aos objectivos da formação e que se tratavam de conhecimentos muito úteis para o desempenho da sua função. Acções de formação realizadas no ano de 2006 em Lisboa: 1 Serviço ao Cliente e Atendimento Telefónico 2 Ganhar a Batalha da Fidelização 3 Trabalho em Equipa e Gestão de Equipas 4 Negociação Comercial No Porto apenas foi realizada uma acção de formação no âmbito das financiadas pelo POEFDS: 1 Crédito ao consumo para não juristas A promoção destas acções de formação pretende cumprir um dos objectivos a que a ASFAC se propõe - ser o parceiro na área da formação dos profissionais do sector.

17 Anuário ASFAC Estatísticas ASFAC e EUROFINAS Em 2006 a Associação continuou a recolha de dados junto das suas Associadas para elaborar os indicadores de actividade do sector. Esta recolha de dados tem como objectivo reforçar os estudos comparativos com os restantes sectores do crédito especializado e analisar o impacto do sector na economia. Neste âmbito, a ASFAC integra o Conselho Superior de Estatística. A nível europeu a ASFAC continuou a acompanhar e participar nas actividades do Comité de Estatísticas da EUROFINAS, através da troca e análise comparativa de informação estatística sobre os sectores nacional e europeu. De notar a divulgação trimestral dos indicadores da actividade das Associadas nos órgãos de comunicação social Acções de Educação Financeira 1. A ASFAC - A Associação de Instituições de Crédito especializado Desde 2005 que a ASFAC tem vindo a desenvolver várias acções de educação financeira com o intuito de aumentar os níveis de literacia financeira dos portugueses e, consequentemente, melhorar a sua relação com o dinheiro. No ano de 2006, além da continuação da parceria com a RTP2, através do programa Sociedade Civil e do início da rubrica Contas à Vida no programa Essência da SIC Mulher, que têm como objectivos informar e formar os portugueses sobre diferentes aspectos relacionados com o dinheiro, foi apresentada ao Ministério da Educação uma proposta que contempla as diferentes acções em escolas, para diversas faixas etárias, cujo objectivo único é ensinar as crianças a lidar com o dinheiro. Ainda no âmbito da educação financeira é de salientar a remodelação do site, que, tal como foi referido anteriormente, passou a integrar uma área destinada apenas para este tipo de conteúdos. Salienta-se também o lançamento público do I Concurso de Guionismo ASFAC Dá luz aos teus argumentos, cujo mote foi a Educação Financeira. O concurso teve como objectivo eleger um guião, para uma peça de teatro destinada a alunos dos 2º e 3º ciclos de escolaridade, que permitisse aos jovens aprender de uma forma lúdica a gerir o seu próprio dinheiro e a desenvolver competências face ao mesmo.

18 18 Anuário ASFAC A ASFAC - A Associação de Instituições de Crédito especializado 3. Órgãos Sociais Mesa da Assembleia Geral Presidente Secretária da Mesa Direcção Presidente CAIXA LEASING E FACTORING, IFIC, S.A., representada pelo Sr. Eng. António Guterres SANTADER CONSUMER EFC, S.A., representada pela Sra. Dra. Luísa Correia Marques GE CONSUMER FINANCE, IFIC, S.A., representada pelo Sr. Dr. Menezes Rodrigues Vice-Presidente Tesoureiro Vogais FIDIS RETAIL - IFIC, S.A., representada pelo Sr. Dr. Licínio Saraiva BANCO MAIS, S.A., representada pelo Sr. Dr. João Ibérico Nogueira SOFINLOC, IFIC, S.A., representada pelo Sr. Dr. Manuel Raposo; e BANQUE P.S.A. FINANCE - Sucursal em Portugal, representada pelo Sr. Dr. François Huteau Conselho Fiscal FINICRÉDITO, IFIC, S.A., representada pelo Sr. Dr. António Barreiros FCE Bank PLC Sucursal em Portugal, representada pela Sra. Dra. Maria Gabriel Sarmento GENERAL MOTORS ACCEPTANCE CORPORATION, IFIC, S.A., representada pelo Sr. Dr. Nuno Esteves

19 Capítulo II ASFAC 2006 O Crédito Especializado O Crédito Especializado Anuário ASFAC 2006

20 20 Anuário ASFAC O Financiamento das Aquisições a Crédito 1.1. A Evolução Histórica Nos seus primórdios, a concessão de crédito ao consumo, com ou sem juros, era prática dos próprios comerciantes que recorrendo a capitais próprios procuravam melhor colocar a sua mercadoria. 2. O Crédito Especializado As primeiras experiências registaram-se na primeira década do século XIX em França, Inglaterra, e Estados Unidos e, posteriormente, em 1849, em Hamburgo, onde mercadores começaram por vender as suas mercadorias a prestações e sem juros. Em 1850, a concessão de crédito ao consumo nesta sua manifestação inicial era prática generalizada nos Estados Unidos entre os comerciantes, que promoviam a venda a prestações como forma de financiamento do aprovisionamento doméstico dos novos colonos. Porém, a partir do final do século XIX, e mais ainda no século XX, este tipo de crédito autonomizou-se com a intervenção dos banqueiros. O financiamento de compras a prestações com juros havia-se tornado uma prática atractiva para os agentes bancários, que actuavam quer concedendo créditos especificamente destinados ao consumo, quer criando departamentos especializados no financiamento de aquisições a prestações. Esta transformação registou-se principalmente no 2º pós-guerra, na América do Norte, tendo passado à Europa posteriormente. À data, o crédito ao consumo manifestou-se na generalidade dos países europeus, em especial no Reino Unido, França e Espanha, onde existe uma grande tradição na concessão de crédito ao consumo. Porém em Portugal, só em 1989, foi legalmente consagrada a actividade do crédito ao consumo, com a criação, através do Decreto-Lei n.º 49/89, de 22 de Fevereiro, da figura jurídica das Sociedades Financeiras para Aquisições a Crédito SFAC, e a publicação em 1991 do Decreto-Lei n.º 359/91, de 21 de Setembro, que autonomiza o regime jurídico do Crédito ao Consumo, através da transposição da Directiva n.º 87/102/ CE, relativa à aproximação das disposições legislativas, regulamentares e administrativas dos Estados-membros relativas ao crédito ao consumo. As razões que fundamentaram a iniciativa do legislador em criar o Regime Jurídico do Crédito ao Consumo, através do Decreto-Lei n.º 359/91, resultam primordialmente do forte crescimento do crédito ao consumo que se começava a registar no início da década de noventa e da iniciativa comunitária de harmonização da legislação dos diferentes estados membros. Neste contexto, através da transposição do direito comunitário vigente, o legislador instituiu as regras mínimas de funcionamento do mercado de crédito ao consumo, com o objectivo de garantir a protecção dos direitos dos consumidores, principalmente em três vectores: i) Determinação dos requisitos do contrato de crédito ao consumo; ii) Instituição de regras relativas à efectiva prestação de informação completa e verdadeira, susceptível de contribuir para uma correcta formação da vontade de contratar; iii) Adopção da taxa anual de encargos efectiva global TAEG.

Agradecimento. A Direcção da ASFAC. Lisboa, Abril de 2006. Agradecimento Anuário ASFAC 2005 1

Agradecimento. A Direcção da ASFAC. Lisboa, Abril de 2006. Agradecimento Anuário ASFAC 2005 1 Anuário 2005 Agradecimento A Direcção da ASFAC agradece a todos os Associados a sua colaboração empenhada, activa e interessada nas consultas que lhes são efectuadas; ao Banco de Portugal e demais autoridades

Leia mais

ANUÁRIO 2007. O Financiamento Especializado do Consumo em Portugal

ANUÁRIO 2007. O Financiamento Especializado do Consumo em Portugal ANUÁRIO 2007 O Financiamento Especializado do Consumo em Portugal AGRADECIMENTOS A Direcção da ASFAC agradece a colaboração de todos quantos, institucional ou individualmente, facilitaram o trabalho por

Leia mais

ANUÁRIO 2008. O Financiamento Especializado do Consumo em Portugal

ANUÁRIO 2008. O Financiamento Especializado do Consumo em Portugal ANUÁRIO 2008 O Financiamento Especializado do Consumo em Portugal AGRADECIMENTOS A Direcção da ASFAC agradece a colaboração a todos os que ao longo do ano, institucional ou individualmente, facilitaram

Leia mais

Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras

Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras O Banco de Portugal acaba de publicar novas regras para os Preçários, que vêm reforçar e harmonizar a informação sobre

Leia mais

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME Santander Totta Santander Totta Especializado no Negócio de PME O Banco Santander Totta está integrado num dos maiores Grupos Financeiros a nível Mundial. Distingue-se pela sua capacidade de oferecer as

Leia mais

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada;

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada; Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 3/2006 Considerando que todas as instituições de crédito e sociedades financeiras, bem como os grupos financeiros, devem possuir um sistema de controlo interno adaptado

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do BANCO PRIMUS, SA, contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua

Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua Termos de referência para as condições mínimas de acesso ao Fundo de Contragarantia Mútua,

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto de e Despesas: 01-set-2015 Data de Entrada em vigor do

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008,

DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008, DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008, DE 29 DE MAIO E PELO DECRETO-LEI N.º 192/2009, DE 17 DE AGOSTO Regula as práticas comerciais das instituições de crédito no

Leia mais

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ASSUNTO: Comunicação de informação relativa a contratos de crédito abrangidos pelos procedimentos previstos no

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do BANCO PRIMUS, SA, contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO N. o 035/B/2010-DBS/AMCM Data: 05/10/2010 DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que

Leia mais

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 A Instrução n.º 27/2003 consagrou no ordenamento jurídico nacional os procedimentos mais relevantes da Recomendação da Comissão n.º 2001/193/CE, de 1 de Março de 2001,

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

ANUÁRIO 2010. O Financiamento Especializado do Consumo em Portugal. www.asfac.pt

ANUÁRIO 2010. O Financiamento Especializado do Consumo em Portugal. www.asfac.pt ANUÁRIO 2010 O Financiamento Especializado do Consumo em Portugal www.asfac.pt 1 ASFAC A todos, sem excepção, o nosso obrigado! O presente anuário reflecte o compromisso e empenho de todas as instituições

Leia mais

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO 13.3.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 68/3 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 11 de Março de 2009 que altera a Directiva 94/19/CE relativa aos sistemas de garantia

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do BANCO PRIMUS, SA, contém o Folheto de Comissões e Despesas

Leia mais

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7 INDICE Pág. 1. O que é o Factoring 2 2. A quem serve e para que serve 3 3. Modalidades 4 4. Breve resenha histórica internacional 6 5. O mercado de Factoring em Portugal Principais etapas de evolução 7

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL 38 PME Líder SOLUÇÕES FINANCEIRAS BES Helen King/CORBIS APOIO FINANCEIRO ÀS EMPRESAS O BES disponibiliza uma vasta oferta de produtos financeiros e serviços, posicionando-se como o verdadeiro parceiro

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Publicado no Diário da República, I.ª Série, n.º 60, de 28 de Março AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Havendo necessidade de regulamentar a concessão e a classificação das operações de créditos pelas instituições

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP 29.07.2010 REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho da Nazaré no âmbito do Programa FINICIA Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo)

Leia mais

Contratos financeiros

Contratos financeiros Contratos financeiros Dos vários contratos financeiros existentes, dois merecem especial destaque: o leasing e o factoring. LEASING OU LOCAÇÃO FINANCEIRA O leasing, ou a locação financeira, é o contrato

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS ASSOCIADOS DA ASFAC ASSOCIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ESPECIALIZADO. Preâmbulo

CÓDIGO DE CONDUTA DOS ASSOCIADOS DA ASFAC ASSOCIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ESPECIALIZADO. Preâmbulo CÓDIGO DE CONDUTA DOS ASSOCIADOS DA ASFAC ASSOCIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ESPECIALIZADO Preâmbulo O mercado financeiro, e em especial o mercado especializado no crédito ao consumo, exige por parte

Leia mais

Preçário GE CONSUMER FINANCE, I.F.I.C., INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, SA. Instituição Financeira de Crédito

Preçário GE CONSUMER FINANCE, I.F.I.C., INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, SA. Instituição Financeira de Crédito Preçário GE CONSUMER FINANCE, I.F.I.C., INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, SA Instituição Financeira de Crédito Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da GE Consumer Finance,

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

1. Quais as novas medidas de apoio para as pessoas sobreendividadas?

1. Quais as novas medidas de apoio para as pessoas sobreendividadas? Novos apoios a pessoas sobreendividadas Perguntas & Respostas 18 de Março de 2009 1. Quais as novas medidas de apoio para as pessoas sobreendividadas? As medidas hoje apresentadas visam criar novos mecanismos

Leia mais

Código de Conduta Voluntário

Código de Conduta Voluntário O Banif, SA, ao formalizar a sua adesão ao Código de Conduta Voluntário do crédito à habitação, no âmbito da Federação Hipotecária Europeia, e de acordo com as recomendações da Comissão Europeia e do Banco

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste:

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste: Protocolo de Cooperação Relativo ao Desenvolvimento do Centro de Formação do Ministério da Justiça de Timor-Leste entre os Ministérios da Justiça da República Democrática de Timor-Leste e da República

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal Publicado na revista TOC Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal O regime jurídico do contrato de locação financeira, vem consagrado no DL nº 149/95,

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines Programa FINICIA Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Sines Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar

Leia mais

SOLUÇÕES MOÇAMBIQUE-EMPRESAS JULHO 2013

SOLUÇÕES MOÇAMBIQUE-EMPRESAS JULHO 2013 JULHO 2013 EM MOÇAMBIQUE, COMO EM PORTUGAL O BPI e o BCI disponibilizam as Soluções Moçambique-Empresas, um conjunto de produtos e serviços desenhados para empresas que pretendam investir ou exportar para

Leia mais

Fiscalidade no Sector da Construção

Fiscalidade no Sector da Construção Fiscalidade no Sector da Construção Conferência AICCOPN Os Fundos de Investimento Imobiliário para Arrendamento Habitacional Lisboa, 26 de Março de 2009 Paulo Alexandre de Sousa Director de Financiamento

Leia mais

Financiamento. Financiamento

Financiamento. Financiamento É preciso ter em conta o valor de: Imobilizações corpóreas Imobilizações incorpóreas Juros durante a fase de investimento Capital circulante permanente 1 O capital circulante tem que financiar o ciclo

Leia mais

5º Workshop da Plataforma do Empreendedor

5º Workshop da Plataforma do Empreendedor 5º Workshop da Plataforma do Empreendedor Lisboa, AIP-CE 27 de Maio de 2010 EMPREENDEDORISMO Da ideia à actividade. O Montepio apoia a criação de negócios independentemente da sua dimensão e está disponível

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências:

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências: RELATÓRIO DAS ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO DESENVOLVIDAS NO EXERCÍCIO DE 2011 I Introdução O âmbito de actuação da Comissão de Auditoria e Controlo da EDP Renováveis, SA, como Comissão

Leia mais

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS Objectivo do presente documento O presente documento descreve a actual situação no que se refere ao comércio electrónico e serviços

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE A promoção da educação para a saúde em meio escolar é um processo em permanente desenvolvimento para o qual concorrem os sectores da Educação

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar à disposição das

Leia mais

Linha Específica para o Sector do Turismo

Linha Específica para o Sector do Turismo Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte das

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

Solução RCR DESENVOLVER

Solução RCR DESENVOLVER Solução RCR DESENVOLVER Destinatários Micro e pequenas empresas Objectivo da solução A Solução RCR DESENVOLVER disponibiliza as ferramentas e o apoio necessários para as empresas que procuram soluções

Leia mais

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal Apoios às s Empresas do Sector do Turismo ÍNDICE 2 Linha de apoio à qualificação da oferta Linha de apoio à tesouraria Carência de capital Linhas PME CRESCIMENTO 2013 MECANISMOS DE APOIO AO SECTOR DO TURISMO

Leia mais

CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS

CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS Anexo à Instrução nº 4/96 CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS As contas desta classe registam as responsabilidades ou compromissos assumidos pela instituição ou por terceiros perante esta e que não estão

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO

CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO I Introdução 1.1 O presente Regulamento destina-se a estabelecer as regras de acesso e de funcionamento do INOV.POINT Centro

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.10.2007 COM(2007) 619 final 2007/0216 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n. 2252/2004 do Conselho

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS N. o 032/B/2009-DBS/AMCM Data: 14/8/2009 DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que lhe foram atribuídas pelo Artigo 9. o

Leia mais

PROPOSTA CONJUNTA IEFP- CASES PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO

PROPOSTA CONJUNTA IEFP- CASES PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO PROPOSTA CONJUNTA IEFP- CASES PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO CONSIDERANDO: A Portaria n^ 985/2009, de 4 de Setembro, criou o Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE),

Leia mais

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010 7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações 15 de Outubro de 2010 Sessão Solene de Abertura Gostaria de começar por felicitar a APROSE pela

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual A. Elementos de Identificação 1. Identificação da instituição de crédito Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral Informação pré-contratual

Leia mais

O FINANCIAMENTO ÀS PME s

O FINANCIAMENTO ÀS PME s ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE LEASING, FACTORING E RENTING O FINANCIAMENTO ÀS PME s ÍNDICE 1. Formas de financiamento 2. Evolução recente do setor bancário 3. O financiamento generalista 4. O financiamento

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONCHIQUE

MUNICÍPIO DE MONCHIQUE CONCURSO LIMITADO POR PRÉVIA QUALIFICAÇÃO ao abrigo dos artigos 162.º a 192.º do Código dos Contratos Públicos (CCP) aprovado pelo n.º 1, do art.º 1.º do D.L. n.º 18/2008, de 29/01 AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010 Linha PME Investe V Millennium bcp Maio 2010 Protocolo celebrado entre o Millennium bcp, a PME Investimentos, o IAPMEI, as Sociedades de Garantia Mútua (Norgarante, Garval, Lisgarante e Agrogarante). Disponibiliza

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA -

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - 1. ENQUADRAMENTO Na sequência da consulta pública acima mencionada, promovida conjuntamente pelos reguladores português e espanhol, vem

Leia mais

Endereço Internet: www.millenniumbcp.pt. Cartão de crédito.

Endereço Internet: www.millenniumbcp.pt. Cartão de crédito. FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL Cartões de Crédito Gémeos TAP Gold VISA/American Express A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

Direito de Empréstimo Público: a Directiva Comunitária e suas Transposições Helena Simões Patrício

Direito de Empréstimo Público: a Directiva Comunitária e suas Transposições Helena Simões Patrício Direito de Empréstimo Público: a Directiva Comunitária e suas Transposições Helena Simões Patrício Lisboa, 29 de Maio de 2007 1 Sumário: 1. Direito de comodato público 2. Harmonização comunitária 3. Acções

Leia mais

I INTRODUÇÃO. versão pública da presente Decisão. 1 Informações confidenciais serão assinalados por [ ] ou [CONFIDENCIAL] ao longo do texto da

I INTRODUÇÃO. versão pública da presente Decisão. 1 Informações confidenciais serão assinalados por [ ] ou [CONFIDENCIAL] ao longo do texto da DECISÃO DE INAPLICABILIDADE DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA 1 AC I Ccent. 06/2005 CREDIBOM / BCP (activos de crédito ao consumo no ponto de venda) I INTRODUÇÃO 1. Em 13 de Janeiro de 2005, foi notificada

Leia mais

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário;

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário; ACORDO EUROPEU SOBRE UM CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO SOBRE AS INFORMAÇÕES A PRESTAR ANTES DA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE EMPRÉSTIMO À HABITAÇÃO ( ACORDO ) O presente Acordo foi negociado e adoptado pelas

Leia mais

E-Alicante: Serviços de peritos financeiros relacionados com a gestão da tesouraria 2012/S 153-254863. Anúncio de concurso.

E-Alicante: Serviços de peritos financeiros relacionados com a gestão da tesouraria 2012/S 153-254863. Anúncio de concurso. 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:254863-2012:text:pt:html E-Alicante: Serviços de peritos financeiros relacionados com a gestão da tesouraria 2012/S 153-254863

Leia mais

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs PROTOCOLO ORDENS PROFISSIONAIS CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs Para aderir a este Protocolo e beneficiar das respectivas condições, abra a sua Conta Gestão Tesouraria ou Conta

Leia mais

Evolução do n.º de efectivos dos Serviços de Apoio. Sede 547 525 497. Secção Regional dos Açores 44 44 38

Evolução do n.º de efectivos dos Serviços de Apoio. Sede 547 525 497. Secção Regional dos Açores 44 44 38 3. RECURSOS DISPONÍVEIS 3.1. RECURSOS HUMANOS À data de 31 de Dezembro de 2001, o Tribunal dispunha de 18 Magistrados, incluindo o Presidente (13 com formação base em Direito e 5 em Economia/ Finanças),

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos

Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos 1. Beneficiários Empresas com sede na Região Autónoma dos Açores que não tenham como actividade principal

Leia mais

PORTAL CITIUS NOVAS TECNOLOGIAS AO SERVIÇO DOS CIDADÃOS, DAS EMPRESAS E DA JUSTIÇA

PORTAL CITIUS NOVAS TECNOLOGIAS AO SERVIÇO DOS CIDADÃOS, DAS EMPRESAS E DA JUSTIÇA PORTAL CITIUS NOVAS TECNOLOGIAS AO SERVIÇO DOS CIDADÃOS, DAS EMPRESAS E DA JUSTIÇA Perguntas & Respostas 10 de Setembro de 2009 1. O que é o Portal CITIUS? (www.citius.mj.pt) O Portal CITIUS é um novo

Leia mais

A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO

A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO 1. Breve panorama da evolução histórica Em 1 de Janeiro de 1986, quando Portugal entra na então Comunidade Económica Europeia (CEE), o sector

Leia mais

DESTAQUE. I Introdução

DESTAQUE. I Introdução DESTAQUE Abril de 2011 BREVES NOTAS SOBRE AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO REGIME DOS DIREITOS REAIS DE HABITAÇÃO PERIÓDICA I Introdução O regime dos Direitos Reais de Habitação Periódica ( DRHP ), regulado

Leia mais

AVISO Nº 02/2014 de 20 de Março

AVISO Nº 02/2014 de 20 de Março Publicado no Diário da República, I Série, nº 60, de 28 de Março AVISO Nº 02/2014 de 20 de Março ASSUNTO: DEVERES GERAIS DE INFORMAÇÃO NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E PRODUTOS FINANCEIROS Considerando a necessidade

Leia mais

Marketing e Dados Pessoais no Crédito ao Consumo. Dezembro 2011

Marketing e Dados Pessoais no Crédito ao Consumo. Dezembro 2011 Marketing e Dados Pessoais no Crédito ao Consumo Dezembro 2011 Índice 1. História e Grupo da Cofidis 2. Tratamentos registados na CNPD: clientes e potenciais clientes 3. Meio de recolha típico utilizado

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II

Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II P6_TA(2005)044 Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II Resolução legislativa do Parlamento Europeu referente à posição comum adoptada

Leia mais

Regime dos Planos de Poupança em Acções

Regime dos Planos de Poupança em Acções Decreto-Lei n.º 204/95 de 5 de Agosto * A constituição de planos individuais de poupança em acções, além de procurar estimular a canalização dos recursos das famílias para a poupança de longo prazo, visa

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego Vítor Gaspar Lisboa, 23 de maio de 2013 Início de uma nova fase do processo de ajustamento 1ª fase: Prioridade na consolidação

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais