Manual para a Tomada de Decisões

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual para a Tomada de Decisões"

Transcrição

1 Manual para a Tomada de Decisões

2 Manual para a Tomada de Decisões Copyright 2007

3 Manual para a Tomada de Decisões Índice 1. Sobre a Cesim Geral Produtos Cesim Contactar a Cesim Cesim OnService O que é o Cesim OnService? Tomada de Decisão - Alunos Fluxo da tomada de decisão Página Inicial Fóruns Tomada de decisão Panorama de mercado Vendas Vendas Antecipadas Vendas para esta época Operações Instalações Esforços de poupança para aumentar a rentabilidade Pessoal Custos com recrutamentos e despedimentos Financiamento Indicadores Importantes Cálculo dos principais rácios financeiros: Relatórios financeiros Interpretar os resultados Critérios de sucesso Relatório de mercado Relatório de operações Demonstração de resultados Balanço Declaração de fluxo de caixa iii

4 Sobre a Cesim Capítulo 1. Sobre a Cesim 1.1. Geral A Cesim fornece a empresas, universidades e outras instituições de ensino, simuladores de negócios fáceis de usar a um custo eficiente. Os simuladores podem ser integrados em vários tipos de cursos. Sediada na Finlândia desde 1996, a Cesim opera globalmente através dos nossos escritórios e da nossa rede de parceiros Produtos Cesim A Cesim oferece três tipos de simuladores a instituições de ensino: Cesim Global Challenge Uma simulação online criada para estudos de negócios internacionais e estratégia. Desenvolve a percepção dos estudantes sobre a complexidade das operações de negócios internacionais, num ambiente dinâmico e competitivo. Simbrand Simulação de marketing online que desenvolve a percepção dos estudantes sobre o processo de tomada de decisão de marketing como um todo, com particular ênfase no lucro. OnService Simulação de negócios para serviços que ajuda os estudantes a praticar e a aprender os factores de sucesso para o sector dos serviços no ambiente das pequenas e médias empresas (PMEs). As simulações podem ser realizadas em alguns dias ou num semestre. Na simulação o número de jogadas, programações e estruturas das equipas podem ser ajustadas mesmo depois do início da simulação Contactar a Cesim Cesim Oy Arkadiankatu 21 A Helsinki Finlandia tel

5 Cesim OnService Capítulo 2. Cesim OnService 2.1. O que é o Cesim OnService? Cesim OnService é uma plataforma de formação interactiva que permite aos coordenadores e aos alunos participarem em simulações independentemente da hora ou localização geográfica. A simulação Cesim OnService é desenvolvida para coordenadores que pretendam proporcionar aos alunos a experiência real de como gerir uma pequena ou média empresa de serviços (PME), mas que não querem despender tempo na preparação logística do jogo. Este simulador integra as melhores características de um sistema interactivo de aprendizagem online e de uma simulação de negócio. A tarefa para as equipas de alunos é gerir um hotel familiar virtual no ambiente económico dinâmico do século XXI. Os alunos terão de enfrentar decisões estratégicas, como por exemplo expandir operações para um novo mercado. Os alunos irão gerir os recursos humanos, a capacidade, os investimentos, a qualidade do serviço, o preço e o marketing da sua empresa, ao mesmo tempo que desenvolvem e implementam uma estratégia sólida para a sua empresa virtual. A simulação tem várias jogadas de tomada de decisão em época baixa e época alta. O objectivo da simulação é maximizar o valor para o accionista. 2

6 Tomada de Decisão - Alunos Capítulo 3. Tomada de Decisão - Alunos 3.1. Fluxo da tomada de decisão Estas instruções ajudá-lo-ão a utilizar a ferramenta de tomada de decisões pela primeira vez. No início, aconselhamos a que siga o fluxo de tomada de decisão que é apresentado, mas à medida que o jogo vá avançando pode tomar decisões na ordem à sua escolha. Aconselhamos a que imprima estas instruções antes de começar a tomar decisões pois assim terá as instruções à mão quando começar a utilizar a ferramenta de tomada de decisão Página Inicial A época de cada jogada é indicada no canto superior direito. Altera no sentido em que cada segunda jogada é Inverno (época baixa) e a outra é Verão (época alta). Ambas as épocas têm uma duração de 6 meses Fóruns Os alunos podem usar o fórum para contactar os membros da sua equipa e os participantes do seu jogo. Ao usar este fórum, fará com que as suas mensagens sejam facilmente acedidas e lidas por todos os membros da equipa, mas é importante saber que o coordenador também terá acesso às mensagens e poderá assim fornecer informação adicional, se necessário Tomada de decisão O processo de tomada de decisão começa com a análise dos resultados da jogada anterior, que poderão ser encontrados na página de Resultados. Após esta análise inicial, poderá começar a tomar decisões e,posteriormente, com a análise dos resultados da primeira jogada, poderá continuar com a tomada de decisão para a jogada 2, e assim por diante. No início do jogo, estão disponíveis resultados com o nome Jogada Inicial e começará a tomar decisões numa jogada à experiência. Após esta jogada à experiência, a situação voltará à posição inicial (sem impacto nos resultados do jogo), e efectuará novamente a jogada, mas agora com o nome: primeira jogada. Note que no início do jogo tanto as vendas como os preços das jogadas anteriores são os mesmos para todas as equipas. Para aceder à área de tomada de decisão basta clicar em Decisões no menu no cimo da página. A área de tomada de decisão contém várias páginas com diferentes funções, mas preste especial atenção à página mais à direita Lista de decisões. Esta página mostra tanto as suas decisões pessoais e as dos seus membros de equipa como também as decisões finais da equipa. São estas decisões da equipa que serão usadas pelo simulador para calcular os resultados de cada jogada e, portanto, deve verificar sempre se as decisões da equipa foram guardadas antes do prazo final da respectiva jogada. Há outras páginas que também são usadas no processo de tomada de decisão e o resto deste manual irá ajudá-lo a tomar todas a decisões obrigatórias para completar uma jogada. Esta área de tomada de decisões consiste não só numa ferramenta para tomar decisões como também numa ferramenta para aceder às decisões financeiras da equipa. Permite-lhe acesso a cálculos auxiliares e a três formas de inserir dados. 1. Nas células brancas tem de introduzir as suas decisões. É muito importante que em todas as jogadas tome certas decisões, tais como as decisões relacionadas com o preço ou com o pessoal, mas há deci- 3

7 sões que terão de ser tomadas apenas em algumas jogadas consoante a estratégia da equipa, como por exemplo as decisões de investimento. 2. Nas células azuis vai introduzir as suas estimativas em relação às suas vendas, rotação do pessoal, entre outras. Estas estimativas servirão de base para os orçamentos apresentados pelo sistema. 3. Por vezes, terá de tomar decisões seleccionando uma de entre várias opções pré-definidas dos menus desdobráveis. Estas decisões serão feitas através de Listas. O sistema irá automaticamente actualizar os seus orçamentos e cálculos à medida que toma decisões e introduza valores. Para cada jogada, é necessário guardar como decisões da equipa o conjunto de decisões de determinado membro da equipa através do botão "Guardar como decisões da equipa". Caso não haja novas decisões guardadas, o simulador irá usar as decisões da última jogada sem alterações. As decisões da equipa podem ser guardadas quantas vezes for necessário até ao prazo final da jogada. Cada vez que inserirem valores nas células da área da tomada de decisões, estes serão guardados mesmo que não pressionem o botão Guardar. No entanto, o botão Guardar é necessário se a equipa quiser então guardar determinado conjunto de decisões como as decisões da equipa. Na página de Lista de Decisões, cada membro da equipa tem sempre a possibilidade de analisar as decisões mais recentes da sua equipa ou seleccionar outro conjunto de decisões como o conjunto de decisões da equipa. Além disso, pode ainda aceder à área de decisão de outros membros da sua equipa ao clicar no botão "Ir" de modo a proceder a alterações no conjunto de decisões desses membros. Não há nenhuma maneira de combinar algumas decisões de um membro com decisões de outro, por isso uma das possibilidades é concordar qual a área de decisões a que todos os membros da equipa irão aceder e onde vão tomar as decisões finais. Após se familiarizar com a introdução ao processo de tomada de decisão, pode então entrar nas páginas para a tomada de decisão. Os próximos capítulos estão organizados de acordo com a ordem aconselhada para este processo Panorama de mercado A informação dos panoramas de mercado deve ser analisada antes de tomar decisões. No lado esquerdo da página pode analisar a procura média estimada por equipa, tanto para o mercado doméstico como para o internacional, e os parâmetros para a jogada. O histograma mostra a procura estimada para uma equipa mediana que se encontra no mercado com preço de vendas, qualidade e investimento em marketing normais. Consoante a estratégia da equipa, pode decidir competir no mercado com valores acima ou abaixo da média estimada. Os parâmetros numéricos desta página são automaticamente inseridos na área de tomada de decisões das equipas e tidos em consideração nos orçamentos e outros cálculos. A tomada de decisão é efectuada separadamente para as duas épocas: Verão e Inverno, de acordo com a sazonalidade do negócio do Hotel le Bonheur. Ambas as épocas têm uma duração de 6 meses. 4

8 Nota 3.6. Vendas O crescimento de mercado poderá não ocorrer exactamente como previsto, mas os parâmetros quantitativos tendem a ser bastante precisos, mesmo sendo meras previsões para a época. O desenvolvimento do mercado, por outro lado, pode ser diferente do panorama descrito pois os mercados também são influenciados pelas acções das outras empresas a competir no mercado. Tem a possibilidade de vender capacidade para agências de viagens e agências de reservas da Internet para as duas épocas seguintes: para a próxima época (+1) e para a seguinte (+2). Finalmente, durante a época a decorrer terá de decidir o preço ao balcão para clientes individuais. De um modo geral, o mercado de vendas antecipadas é mais sensível a alterações no preço do que as vendas ao balcão Vendas Antecipadas No mercado de vendas antecipadas, tem de decidir quantas noites irá fornecer a agências de viagens para venda. Consoante as negociações e as ofertas dos compradores, a equipa terá noção do preço médio por noite para cada volume de vendas. Quantas mais noites forem fornecidas para vendas antecipadas, piores serão as ofertas de compra que terá de aceitar e, consequentemente, o preço médio por noite irá diminuir. Note que as vendas antecipadas para cada época estão interligadas, ou seja, as vendas na próxima época e na época seguinte influenciam-se mutuamente, de modos que, por exemplo se no Inverno anterior houve bastantes vendas antecipadas pelas equipas (com respeito ao Inverno seguinte, época +2), então as vendas antecipadas nesse Verão em relação ao mesmo Inverno +1 serão bastante inferiores. Outros factores que condicionam o preço por quarto são: Esforços de marketing Pessoal suficiente 5

9 Qualidade do pessoal Condição das instalações Prazo de pagamentos A percentagem do número de noites planeado altera-se nos gráficos de acordo com as suas decisões. Para obter mais informação sobre a constituição dos gráficos, basta colocar o cursor em cima dos gráficos e aparecerá uma pequena janela com a definição. Além disso, as cores nos gráficos são iguais às apresentadas ao lado do mesmo à frente de cada respectivo elemento Vendas para esta época Para a época actual terá de escolher o preço para as vendas ao balcão, ao qual os clientes do hotel podem reservar quartos. Deste modo, a quantidade de noites vendidas dependerá não só do preço estabelecido como também de outros factores que influenciam a procura, tais como: Esforço de marketing Pessoal suficiente Qualidade do pessoal Condições das instalações A quantidade de noites vendidas é incerta pois também depende da concorrência. No entanto, tente fazer uma previsão o mais acertada possível das vendas na célula azul. Esta previsão não afecta as suas vendas, mas é tida em consideração no cálculo da demonstração de resultados orçamentada. Na página de Vendas também tomará decisões em relação aos investimentos em marketing para a jogada actual. As decisões de marketing têm um efeito tanto a curto como a longo prazo e, por isso, têm consequências também nas seguintes jogadas. O marketing aumenta as vendas desta época e também as vendas antecipadas. Note que tem de tomar decisões em separado para o mercado doméstico e para o mercado internacional. Se decidir investir em capacidade no mercado internacional, pode desde já vender antecipadamente para as épocas +1 e +2 seguintes. Uma vez que demora uma jogada a que um novo hotel seja construído e fique pronto para receber clientes, não é necessário contratar pessoal durante essa jogada de construção, apenas quando o hotel estiver operacional. É importante notar ainda que o marketing é mais eficiente nas vendas ao balcão do que nas vendas antecipadas, mas pode sempre negociar um aumento no preço para vendas antecipadas em agências de viagens, especialmente no mercado internacional. 6

10 3.7. Operações Na página de Operações pode tomar decisões relativas às instalações do hotel e ao pessoal Instalações Cada quarto tem uma capacidade para 180 noites para uma época (um período de 6 meses). Devido a factores económicos e arquitectónicos, só se podem realizar investimentos na capacidade em grupos de 5 quartos, o que leva a que investir num grupo de 5 quartos aumente a capacidade em 900 noites por época. No mercado doméstico, o hotel assinou um contrato de arrendamento para o terreno para os próximos 100 anos e os edifícios são da propriedade do hotel. Sendo assim, todos os novos investimentos são pagos pelo hotel. Os investimentos poderão ser efectuados tanto para capacidade adicional como também para a renovação de quartos existentes. Em ambos os casos, demora uma época até que o investimento esteja pronto e operacional. A renovação aumenta a qualidade geral do hotel. As condições das instalações são indicadas por um número, sendo que 100 significa um edifício novo ou renovado. O bom estado das instalações indica uma melhor qualidade, mas claro este estado diminui com o passar do tempo devido ao uso e ao desgaste. Se pretender expandir operações para mercados internacionais, terá de decidir se adiciona os edifícios ao contrato de arrendamento existente ou se irá financiar os edifícios por conta do hotel. Esta é uma decisão que tem de tomar ao iniciar operações a nível internacional, tendo em consideração que adicionar os edifícios ao contrato de arrendamento significa que terá de pagar uma renda pelos edifícios, em vez de os financiar por inteiro. O proprietário concordou em aumentar a capacidade sempre que sentir que é necessário. 7

11 Esforços de poupança para aumentar a rentabilidade Tanto os custos operacionais como os custos administrativos são influenciados pelos esforços de poupança, que têm como objectivo criar processos mais eficientes. O primeiro projecto de esforço de poupança afecta os custos directos dos serviços e o segundo os custos fixos administrativos. Poderá escolher o nome dos projectos de esforço de poupança de acordo com a sua preferência. Não esquecer que os custos administrativos que aparecem na demonstração de resultados representam os custos administrativos através da contratação externa de serviços (outsourcing) Pessoal É importante planear a capacidade de recursos de forma a ser simultaneamente flexível e eficiente. Estão disponíveis dois tipos de pessoal: permanente e temporário. É necessário ter suficientes funcioná permanente suficiente com experiência e conhecimentos, que sejam capazes de realizar várias tarefas. Contudo, alterações no pessoal permanente não são muito acessíveis devido aos elevados custos, tanto com o recrutamento como com despedimentos. O processo de contratar pessoal temporário permite ao hotel uma melhor adaptação a flutuações da procura. Além disso, várias tarefas são facilmente desempenhadas pelo pessoal temporário e, como é um trabalho flexível, não é necessário que todos os empregados sejam capazes de desempenhar todas as tarefas. Não esqueça ainda que ambos os pessoais podem estar empregados em regime de tempo parcial, o que significa que pode ter decimais na quantidade de pessoal. O pessoal temporário é contratado tendo em conta o nível salarial presente no mercado, mas a administração pode decidir livremente a compensação para os empregados permanentes. Um determinado baixo nível salarial para o mercado internacional foi introduzido na ferramenta de tomada de decisão apenas com o objectivo de relembrar do baixo nível de custos nesse mercado. No entanto, as decisões em relação aos salários internacionais ficam totalmente ao critério da equipa e apenas influenciam os resultados quando as operações internacionais começam e o pessoal é contratado. Não esquecer que os salários estabelecidos influenciam a rotação do pessoal, sendo que a equipa deve evitar uma elevada rotação devido aos custos inerentes ao recrutamento de novo pessoal. Além disso, é necessário orçamentar mais e mais formação caso a rotação do pessoal aumente. Além dos salários e da formação, a rotação do pessoal permanente é influenciada pela quantidade de trabalho e pelo sucesso da empresa. O nível de stress do pessoal é um indicador da adequação da quantidade de pessoal considerando a escala das operações do hotel nesse momento. A formação aumenta sempre a motivação e a eficiência do pessoal, mas à medida que a competência do pessoal aumenta, a formação leva a menos e menos resultados. O nível de competência do pessoal depende de: Rácio pessoal novo / antigo Orçamento para formação (esta época e anteriores) Salários (pessoal novo) A qualidade do pessoal é uma função de Rácio pessoal temporário / permanente Nível de competência médio do pessoal 8

12 Custos com recrutamentos e despedimentos Os custos com recrutamentos consistem em despesas pagas a uma agência de recrutamento de pessoal com o objectivo de contratar pessoal permanente. Os custos com despedimentos ocorrem quando a equipa reduz o número de pessoal permanente por mais do que a rotação natural. O montante de custos com despedimentos é determinado pela quantidade de pessoal permanente despedido Financiamento As decisões de financiamento são tipicamente o último conjunto de decisões que terá de tomar. Todas as transacções financeiras são geridas a nível da turma. Cada equipa toma decisões em relação a: aumentos (+) e diminuições (-) em empréstimos de longo prazo Prazo do crédito (prazo dos pagamentos) Pagamento de dividendos No final do ano, o dinheiro não poderá estar abaixo do mínimo exigido ( ). Se o montante final estiver abaixo do exigido, o departamento financeiro irá preencher o valor em falta com passivo de curto prazo. Este será pago automaticamente quando não for mais necessário e a taxa de juro para o passivo de curto prazo é normalmente mais elevada do que para de longo prazo. O prémio da taxa do passivo corrente é apresentado na página de Panoramas. Fica ao seu critério a decisão do prazo do crédito (prazo dos pagamentos em dias) para as vendas antecipadas às agências de viagens e da Internet. O prazo do crédito (prazo dos pagamentos) vai influenciar o montante de dívidas a terceiros - transacções no seu balanço. 9

13 Indicadores Importantes RCI (Retorno do Capital Investido = ROCE) é o rácio que indica a eficiência e a rentabilidade dos investimentos de uma empresa. Aqui, RAJI (Resultado antes de Juros e Impostos = EBIT) é igual ao resultado menos os custos e as despesas ocorridas durante o ano, enquanto que o passivo corrente compreende os empréstimos de curto prazo e dívidas a terceiros a pagar no prazo de um ano. Dívida líquida em relação ao capital (alavanca financeira) é o rácio do nível de endividamento de uma empresa em comparação com o seu capital próprio. A alavanca financeira explica como uma empresa financia as suas operações. Este rácio descreve a quantidade de vendas geradas por cada euro dos activos que a empresa possui. O rácio P/E (price earning ratio) está disponível após cada jogada sempre que o valor de mercado da empresa seja realizado. 10

14 Cálculo dos principais rácios financeiros: Relatórios financeiros Nesta página encontrará tanto a demonstração de resultados como também o balanço, podendo escolher no canto superior direito qual pretende visualizar. Ambas as páginas são actualizadas continuamente à medida que a equipa efectua decisões. 11

15 12

16 Interpretar os resultados Capítulo 4. Interpretar os resultados É importante analisar os resultados da jogada anterior cada vez que tiver de tomar decisões para a nova jogada. Desta forma, pode comparar as suas operações com as das outras equipas e melhorar a sua estratégia. Os resultados ficam disponíveis após o início da jogada à experiência. Após cada jogada, o sistema calcula os resultados para a jogada de acordo com as decisões das equipas. Ao escolher a jogada pretendida na lista, pode visualizar os resultados de todas as jogadas anteriores e comparar os seus resultados com os das outras equipas. Ao clicar nos símbolos em forma de gráfico, pode visualisar a informação em forma de gráfico Critérios de sucesso Normalmente as equipas são avaliadas pelo retorno total acumulado para o accionista, que indica o valor criado pela empresa para os accionistas durante todas as jogadas. Este valor aparece na página de Indicadores Importantes como "Retorno total acumulado para o accionista, pa %". A abreviatura "pa" refere que o valor é a média do crescimento anual (ex. por ano). O valor de mercado da empresa é determinado através do método do fluxo de caixa descontado e elevados fluxos de caixa resultam num elevado valor de mercado. O retorno total acumulado para o accionista representa os ganhos de capital (valor de mercado da empresa) mais os dividendos por acção pagos durante o jogo. É presumido que os dividendos pagos sejam investidos em empresas com um índice de risco similar e que, portanto, apresentam retornos similares, aumentando assim o retorno total para o accionista para o resto do jogo. Há ainda a possibilidade de se utilizarem outras medidas como critérios de sucesso para ganhar o jogo. Ao escolher um critério vencedor terá que ter em atenção os efeitos a longo e curto prazo do indicador escolhido. O Retorno total acumulado para o accionista é o melhor indicador de performance uma vez que é baseado no preço por acção e também nos dividendos pagos Relatório de mercado O Relatório de mercado fornece informação sobre preços por quarto, vendas, rentabilidade e vendas antecipadas. A época apresentada é automaticamente a última, caso nenhumas das jogadas anteriores sejam explicitamente seleccionadas. Os preços por quarto mostram o preço das noites da época estabelecido para 1) a mesma época, 2) uma época antecipada (+1) e 3) duas épocas antecipadas (+2). As vendas respectivas em noites são apresentadas por baixo dos preços. Por baixo disto, é apresentada a receita por quarto para a época. Note que cada quarto pode vender até 180 noites. O Relatório de mercado inclui uma área específica para o cálculo do lucro. A demonstração de resultados consolidado ao nível da turma aparece posteriormente na página de Demonstração de Resultados. Na área do cálculo do lucro, são retirados os seguintes custos ao resultado da época: Custos com pessoal, Custos directos, Custos com manutenção, Custos administrativos, Custos com marketing, Rendas e Custos com esforços de poupança. Custos com pessoal: Área que inclui salários e os custos de formação, recrutamento e despedimento. Custos directos: Os custos variáveis directos de uma noite no hotel. Manutenção: Despesas com manutenção e renovação, que são escolhidas na página de Operações. 13

17 Administração: O nível de custo com administração geralmente aumenta tendo em conta a taxa de inflação. Contudo, pode ser influenciada por projectos de poupança com o objectivo de diminuir os custos administrativos. Marketing: Este é o esforço de Marketing que a equipa decide para a área na página de Vendas. Rendas: Consiste numa renda fixa para terreno e edifícios no mercado internacional, caso estes sejam arrendados. Esforço de poupança: : Esta é a soma dos custos com poupança relativos aos custos adminstrativos e custos directos. As decisões relativas à poupança estão na página de Operações e diminuem os custos directos e as despesas adminstrativas consoante se investir em projectos de poupança para custos directos ou custos administrativos. RAJIDA (EBITDA) é o Resultado operacional antes de juros, impostos, depreciação e amortização (não existem itens de amortização neste simulador). Na simulação, consiste no Resultado Operacional - Despesas Operacionais. Depreciação: Activos, como por exemplo quartos do hotel, desvalorizam-se com o passar do tempo. A depreciação atribui um custo de compra a um bem ao longo da sua vida útil, correspondendo ao normal desgaste desse mesmo bem. A depreciação por cada quarto de hotel pode ser visualizada na página de Panorama. O valor da depreciação é retirado ao valor das instalações no balanço. Subtraindo a depreciação à RAJIDA, obtém-se o Resultado operacional (RAJI/EBIT). Na parte inferior da página de Relatório de Mercado, pode encontrar as vendas antecipadas e os preços para as próximas duas épocas. Além disso, a oferta total de mercado e a procura total de mercado são apresentadas com respeito à época actual Relatório de operações No topo da página de Relatório de operações, estão os valores relativos à capacidade e às vendas para a época. A ocupação é apresentada em percentagem. As vendas antecipadas e a percentagem de capacidade são apresentadas para as próximas duas épocas. Os investimentos a realizar em capacidade para a época são apresentados na forma do número de novos quartos. Funcionários efectivos: Salário / mês: O salário mensal que definiu para os funcionários efectivos. Formação / pessoa: Investimento em formação para os funcionários efectivos. Pessoal época anterior: Total de funcionários efectivos que teve na época anterior. Rotação de pessoal: Percentagem do pessoal que saiu. Em parte, a rotação é devida ao salário e à formação oferecidos serem inferiores aos da concorrência. No entanto, também resulta de outros factores fora do controlo da empresa (= rotação normal). Recrutamento(+) / Despedimentos(-): Depende da quantidade de pessoal que decidiu ser necessário, da quantidade de pessoal na época anterior e da rotação do pessoal. Pessoal esta época: A quantidade de pessoal que decidiu empregar esta época. O relatório apresenta ainda a quantidade de funcionários temporários empregados na época anterior e na época actual. O nível de competência é uma função dos salários oferecidos e da formação. Por baixo da informação relativa ao nível de competência, pode visualizar os custos com pessoal discriminados. No final, são apresentados os custos directos das equipas. É o custo variável directo de uma noite para o hotel. 14

18 4.4. Demonstração de resultados A demonstração de resultados contém um resumo das suas operações financeiras durante uma época e mostra o resultado líquido da época com a declaração das receitas e das despesas da empresa. Há duas demonstrações de resultados disponíveis. A primeira demonstração diz respeito à jogada (época) que seleccionou da lista onde diz Jogada. A segunda (ano corrente) inclui também a jogada anterior, ou seja, concerne as receitas e despesas do ano inteiro. Receita: noites vendidas multiplicadas pelo preço por quarto. Custo com pessoal: Salários pagos ao pessoal. A administração pode decidir o salário para os funcionários efectivos, mas o salário dos funcionários temporários é pago de acordo com o nível salarial definido pelo mercado (ver Panorama para obter este nível). Custos directos: Custo directo de uma noite para o hotel multiplicado pelo número de noites vendidas. Administração: Custos administrativos fixos, que podem ser influenciados por projectos de esforço de poupança. Marketing: É o esforço de marketing que a equipa decidiu na página de Vendas. Rendas: Pagamento de rendas para o terreno e/ou edifícios. Ver as páginas de Operações e Panorama para mais detalhes. Despedimento e recrutamento: Custos com despedimento e recrutamento do pessoal. Para mais detalhes, vá a Panorama. Formação do pessoal: Custos com formação do pessoal. Pode tomar estas decisões na página de Operações. Esforço de poupança: Inclui a soma dos custos do esforço de poupança relativo a custos directos e administrativos. As decisões em relação ao esforço de poupança são tomadas na página de Operações. Manutenção: Despesas com manutenção e renovação, que são decididas na página de Operações. Depreciação: Depreciação períodica das instalações (balanço). Ver em Panorama os parâmetros em relação à depreciação. Ganhos de juros: As empresas recebem juros de Dinheiro ou equivalentes. A taxa destes juros é apresentada em Panorama. Despesas com juros do passivo de longo prazo: Capital em dívida, ex. empréstimos de instituições financeiras obrigam ao pagamento de juros. A taxa de juro é baseada na sua situação financeira. Despesas com juros do passivo corrente: O mesmo que o anterior, com a excepção do prémio adicionado à taxa de juro de longo prazo. O prémio é apresentado na página de Panorama. Impostos directos: A taxa é apresentada na página de Panorama. As perdas de épocas anteriores são dedutíveis nos impostos Balanço O balanço apresenta o activo e o passivo da empresa no último dia do período financeiro. A equipa tem assim acesso ao estado financeiro actual da empresa. O balanço é calculado em duas partes, o lado do "activo" e o lado do "capital próprio e passivo". O "activo" descreve onde os fundos da empresa estão investidos e o "capital próprio e passivo" mostra a origem desses fundos. Assim, a soma total dos dois lados deverá ser igual. Imobilizado: O valor dos edifícios pertencentes à empresa. A depreciação é periodicamente subtraída a este montante. Dívidas de terceiros: As vendas antecipadas que ainda não foram pagas. Pode alterar este valor ajustando o prazo de pagamento (Crédito) na página Financiamento. Dinheiro e equivalentes: Existe um mínimo de dinheiro obrigatório no valor de , para assegurar a execução das operações diárias. O dinheiro disponível terá de ser pelo menos igual a este valor e, caso não seja, o valor em falta é automaticamente preenchido com passivo de curto prazo. O montante de dinheiro no balanço afecta a taxa de juro na demonstração de resultados. 15

19 Capital social: O capital social é fixado em Eur, ou seja, o aumento do capital e a recompra de acções não são possíveis na simulação. Outro capital próprio restrito: Capital restrito, isto é, não poderá ser usado para pagar dividendos. Resultados transitados: O resultado das épocas anteriores são apresentados aqui e é daqui que os dividendos são pagos. No final, obter um valor elevado nos Resultados transitados é um sinal de rentabilidade de longo prazo. Resultado líquido da época: É a última linha na demonstração de resultados dessa época. Ao contrário do anterior, um resultado elevado aqui é um sinal de rentabilidade de curto prazo. Passivo de longo prazo: As empresas têm acesso a elevados montantes de capital emprestado que é usado para fortalecer a posição financeira da empresa, caso as entradas de dinheiro das operações sejam fracas. Naturalmente, este passivo tem encargos de juros. Passivo corrente: Empréstimos de curto prazo, que são usados para preencher os possíveis casos de liquidez reduzida. Dívidas a terceiros: As empresas compram sempre de acordo com os mesmos prazos (30 dias) caso nada seja mencionado em contrário. O marketing, as rendas, os esforços de poupança, a manutenção e a renovação afectam os montantes das dívidas a pagar Declaração de fluxo de caixa A Declaração de fluxo de caixa mostra onde a empresa teve entrada e saída de dinheiro e consiste nos fluxos de caixa das operações, dos investimentos e do financiamento. A margem operacional (RAJIDA/EBITDA) que serve de base para o fluxo de caixa provém da demonstração de resultados. A esta margem somam-se os ganhos financeiros e deduzem-se as despesas financeiras, sendo que estes correspondem a ganhos ou pagamentos de juros, respectivamente. Após a dedução dos impostos directos, obtém-se como a empresa é financiada (fundos gerados das operações). Note que a depreciação não está incluída, uma vez que isto não consiste no fluxo de caixa real, mas num método para dividir investimentos anteriores na demonstração de resultados durante as épocas em que o investimento é usado. A alteração no fundo de maneio incluí alterações nas dívidas de e a terceiros, que são ambos itens pertencentes ao balanço. Quando as dívidas de terceiros aumentam, há uma restrição do capital disponível. Um aumento nas dívidas a terceiros, por outro lado, liberta capital, sendo que a parte das operações da empresa financiada por terceiros aumenta. Quando a alteração no fundo de maneio líquido é adicionada ao (deduzida do) financiamento dos resultados, obtemos o fluxo de caixa das operações. Quando deduzimos as compras do activo fixo (instalações), obtemos o fluxo de caixa após as despesas de aquisição de imobilizado. Deste valor, deduz-se o pagamento de empréstimos e adicionamos novos empréstimos adquiridos. Se os accionistas receberam dividendos, este valor é subtraído também. No final, obtém-se o aumento ou a diminuição líquidos em Dinheiro e equivalentes. Ao adicionar (subtrair) este valor a Dinheiro e equivalentes no ínício da época, obtém-se o Dinheiro e equivalentes no final da época. 16

Guia para a tomada de decisão

Guia para a tomada de decisão Guia para a tomada de decisão Guia para a tomada de decisão Copyright 2007 cesim@cesim.com Guia para a tomada de decisão Índice 1. Sobre a Cesim... 1 1.1. Geral... 1 1.2. Produtos Cesim... 1 1.3. Contato

Leia mais

Pesquisa de mercado Pesquisa de mercado

Pesquisa de mercado Pesquisa de mercado Pesquisa de mercado Pesquisa de mercado Pesquisa de mercado Copyright 2011 cesim@cesim.com Pesquisa de mercado Índice 1. Sobre a Cesim... 1 1.1. Geral... 1 1.2. Simuladores Cesim... 1 1.3. Contate a Cesim...

Leia mais

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova Governo da Região Administrativa Especial de Macau Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Ano de 2014 (1.ª É poca) Prestação de provas para registo como auditor de contas 24 de Maio de 2014

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO RENTING NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO.

OS BENEFÍCIOS DO RENTING NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO. OS BENEFÍCIOS DO RENTING NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO. ÍNDICE INTRODUÇÃO OS BENEFÍCIOS DO RENTING VANTAGENS FISCAIS O RENTING REDUZ CUSTOS PERMITE MANTER A LIQUIDEZ E AS LINHAS DE CRÉDITO INTACTAS FINANCIAMENTO

Leia mais

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira 18 de Maio de 2011 1 Modelo de análise económico-financeira 2 Modelo de análise económico-financeira

Leia mais

Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença.

Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença. Porquê NEXT Vision Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença.... Poder de adaptação Porque cabe a si decidir como pretende

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice BackOffice 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest/ZSPos FrontOffice... 4 4. Produto... 5 Activar gestão de stocks... 5 5. Armazém... 7 a) Adicionar Armazém... 8 b) Modificar Armazém... 8 c)

Leia mais

MEET Project: Management E-learning Experience for Training secondary school's students. Code: LLP-LDV-TOI-10-IT-560

MEET Project: Management E-learning Experience for Training secondary school's students. Code: LLP-LDV-TOI-10-IT-560 MEET Project: Management E-learning Experience for Training secondary school's students Code: LLP-LDV-TOI-10-IT-560 Lifelong Learning Programme (2007-2013) Leonardo da Vinci Programme Multilateral projects

Leia mais

1. Ambiente de Trabalho

1. Ambiente de Trabalho 1 Ambiente de Trabalho 1. Ambiente de Trabalho Ao nível do ambiente de trabalho, depois de o Excel 2007 ter introduzido novos componentes (e.g., Botão Office e Friso) e eliminado alguns dos componentes

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA 1/22 INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA... 4 ESTRUTURA DE CUSTOS... 7 VALOR ACRESCENTADO BRUTO... 7 ANÁLISE DOS FLUXOS DE TESOURARIA... 9 ANÁLISE DOS

Leia mais

Excel. Excel conceitos básicos

Excel. Excel conceitos básicos Excel Docente: Ana Paula Afonso Excel conceitos básicos A folha de cálculo não é mais do que um programa que manipula um conjunto de células dispostas em formato de matriz, cujo conteúdo, quando numérico,

Leia mais

IESF Instituto de Estudos Superiores Financeiros e Fiscais. 1. Introdução..2. 2. Gestão Financeira...2 a 4

IESF Instituto de Estudos Superiores Financeiros e Fiscais. 1. Introdução..2. 2. Gestão Financeira...2 a 4 Índice 1. Introdução..2 2. Gestão Financeira......2 a 4 3. Planeamento Financeiro de Curto Prazo:.. 5 3.1. Conta Previsional de Exploração e de Resultados...6 a 7 3.2. Orçamento Anual de Tesouraria..7

Leia mais

PROJECTO DE INVESTIMENTO

PROJECTO DE INVESTIMENTO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 5.º ANO 1.º SEMESTRE ECONOMIA & GESTÃO 2001/2002 3.º TRABALHO ANÁLISE DE UM PROJECTO

Leia mais

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009 Folha de cálculo para Plano de Negócios 7 de Novembro 2009 9 de Novembro de 2009 Modelo 9 de Novembro de 2009 2 Objectivos ferramenta Disponibilizar uma ferramenta que possibilite a um empreendedor efectuar

Leia mais

Rua Latino Coelho, 37-B 1050-132 Lisboa Portugal T. +351 213 232 960 F. +351 213 232 999

Rua Latino Coelho, 37-B 1050-132 Lisboa Portugal T. +351 213 232 960 F. +351 213 232 999 Guia do Utilizador 1. Abertura de Conta... 3 1.1 Manual... 3 1.2 Online... 3 1.2.1 Introdução... 3 1.2.2 Titulares... 4 1.2.3 Confirmar dados... 6 1.2.4 Finalizar... 7 2 Iniciar sessão... 9 3 A Minha Conta...

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo. Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo. Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO III Objectivo Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE ASPECTOS A NÃO ESQUECER o todo não é igual à soma das

Leia mais

GeoMafra SIG Municipal

GeoMafra SIG Municipal GeoMafra SIG Municipal Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar a

Leia mais

ZS Rest. Manual de Iniciação. BackOffice

ZS Rest. Manual de Iniciação. BackOffice Manual de Iniciação BackOffice 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar o ZSRest... 3 a) BackOffice:... 4 b) Acesso BackOffice:... 4 4. Zonas... 6 c) Criar Zona:... 7 d) Modificar Zona:... 8 e) Remover

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DA LOCAÇÃO NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO.

OS BENEFÍCIOS DA LOCAÇÃO NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO. ÍNDICE INTRODUÇÃO OS BENEFÍCIOS DA LOCAÇÃO VANTAGENS FISCAIS A LOCAÇÃO REDUZ CUSTOS PERMITE MANTER A LIQUIDEZ E AS LINHAS DE CRÉDITO INTACTAS FINANCIAMENTO A 100% SEM ENTRADA INICIAL EVITA REDUZIR O CUSTO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Introdução Alguns Conceitos Básicos O Conceito de Investimento Tipologias de Investimentos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Introdução Alguns Conceitos Básicos O Conceito de Investimento Tipologias de Investimentos Análise de Projectos ESAPL / IPVC Introdução Alguns Conceitos Básicos O Conceito de Investimento Tipologias de Investimentos Uma definição de empresa Uma empresa é um sistema em que se coordenam, para

Leia mais

João Carvalho das Neves

João Carvalho das Neves ANÁLISE FINANCEIRA João Carvalho das Neves Professor Associado e Director do MBA - ISEG Sócio ROC Neves, Azevedo Rodrigues e Batalha, SROC 1 Análise dos fluxos de caixa 52 1 Análise dos fluxos de caixa

Leia mais

Custos e benefícios. Custos a longo prazo tipos de custos contigência benefícios e teste de benefícios avaliação de investimentos

Custos e benefícios. Custos a longo prazo tipos de custos contigência benefícios e teste de benefícios avaliação de investimentos Custos e benefícios Custos a longo prazo tipos de custos contigência benefícios e teste de benefícios avaliação de investimentos Os verdadeiros custos da informação são raramente estudados....para fazer

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO Título do projecto: Nome do responsável: Contacto telefónico Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características inovadoras (Descreva

Leia mais

Guia do Usuário Guia do Usuário

Guia do Usuário Guia do Usuário Guia do Usuário Guia do Usuário Guia do Usuário Copyright 2014 cesim@cesim.com Guia do Usuário Índice 1. Sobre a Cesim... 1 1.1. Geral... 1 1.2. Simuladores Cesim... 1 1.3. Contate a Cesim... 1 2. Introdução

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Exame 2.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2008/09 Data: 19 de Junho de 2009 Início: 12h30m Duração: 2h00m Cotação e tempo esperado de resolução:

Leia mais

1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40)

1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40) AULA 08 1. Activos Fixos Intangíveis (IAS 38) 2. Propriedades de Investimento (IAS 40) 3. Capital Próprio - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 Activos Fixos Intangíveis Activo intangível:

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011 Plano [1] Guia de Acesso à Formação Online 2011 [2] ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...4 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...5 5. Avaliação...6 6. Apresentação

Leia mais

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Análise Financeira Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Introdução Objectivos gerais avaliar e interpretar a

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Menus. v2011 - Certificado

ZS Rest. Manual Avançado. Menus. v2011 - Certificado Manual Avançado Menus v2011 - Certificado 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar o ZSRest... 3 4. Menus... 4 b) Novo Produto:... 5 i. Separador Geral.... 5 ii. Separador Preços e Impostos... 7 iii.

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

Manual PowerPoint 2000

Manual PowerPoint 2000 Manual PowerPoint 2000 Índice 1. INTRODUÇÃO 1 2. DIRECTRIZES PARA APRESENTAÇÕES DE DIAPOSITIVOS 1 3. ECRÃ INICIAL 2 4. TIPOS DE ESQUEMA 2 5. ÁREA DE TRABALHO 3 5.1. ALTERAR O ESQUEMA AUTOMÁTICO 4 6. MODOS

Leia mais

ZS Rest. Manual de Iniciação. FrontOffice (ponto de venda)

ZS Rest. Manual de Iniciação. FrontOffice (ponto de venda) Manual de Iniciação FrontOffice (ponto de venda) 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest FrontOffice... 4 4. Início de Operador... 5 b) Fazer login de Empregado:... 5 c) Botões de Acção:...

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

INTRODUÇÃO. Análise Financeira. Gestão Financeira

INTRODUÇÃO. Análise Financeira. Gestão Financeira INTRODUÇÃO 1 Análise Financeira Dar a conhecer a situação económico-financeira e monetária A partir de documentos de informação contabilística Situação financeira Equilíbrio Financeiro, Solvabilidade,

Leia mais

A alteração não aparecerá no absentismo mas sim nas horas disponíveis para montagem, que serão menos do que teriam caso não houvesse uma greve.

A alteração não aparecerá no absentismo mas sim nas horas disponíveis para montagem, que serão menos do que teriam caso não houvesse uma greve. Produção Entendemos que quando há um aviso de greve nas folhas de decisões, a greve ocorre sempre. Entendemos que o único controlo que temos é impedir que volte a ocorrer no trimestre seguinte ao próximo.

Leia mais

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento Conteúdo Temático 1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro 2. Critérios de análise da rendibilidade de projectos de investimento 9.1. A dimensão temporal

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET MANUAL DO UTILIZADOR WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET 1. 2. PÁGINA INICIAL... 3 CARACTERÍSTICAS... 3 2.1. 2.2. APRESENTAÇÃO E ESPECIFICAÇÕES... 3 TUTORIAIS... 4 3. DOWNLOADS... 5 3.1. 3.2. ENCOMENDAS (NOVOS

Leia mais

O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo

O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo João Carvalho das Neves Professor catedrático, Finanças e Controlo, ISEG Professor convidado, Accounting & Control, HEC Paris Email: Página Web:

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Capital Próprio CAPITAL PRÓPRIO Conceitos Gerais Aplicação de resultados Valor nominal, contabilístico e de mercado Demonstração das Alterações do C.P. Aumentos de

Leia mais

GeoMafra Portal Geográfico

GeoMafra Portal Geográfico GeoMafra Portal Geográfico Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar

Leia mais

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) /curriculum Julho de 2008 Versão 1.1 1 Introdução O objectivo deste guia é auxiliar o utilizador da Plataforma

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Gestão de Stocks Local. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Gestão de Stocks Local. v2011 Manual Avançado Gestão de Stocks Local v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest FrontOffice... 4 4. Produto... 5 b) Activar gestão de stocks... 5 i. Opção: Faz gestão de stocks... 5 ii.

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

A Portugal Ventures está á procura de projetos com as seguintes características:

A Portugal Ventures está á procura de projetos com as seguintes características: 1. O que é o Candidatura ao FIAEA? Este programa de apoio ao empreendedorismo, é uma iniciativa liderada pela SDEA e pela Portugal Ventures, que visa fortalecer o ecossistema de empreendedorismo nas áreas

Leia mais

ANÁLISE ECONOMICO-FINANCEIRA DA PORTUGAL TELECOM

ANÁLISE ECONOMICO-FINANCEIRA DA PORTUGAL TELECOM Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 5.º ANO 1.º SEMESTRE ECÓNOMIA E GESTÃO 2001/2001 2.º TRABALHO ANÁLISE ECONOMICO-FINANCEIRA

Leia mais

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens Palavra Acções Significado Títulos que representam uma parte ou fracção de uma sociedade anónima e que dão ao seu proprietário o direito à parcela correspondente de votos, lucros líquidos e activos da

Leia mais

Acordo de licenciamento do EMPRESÁRIO

Acordo de licenciamento do EMPRESÁRIO Acordo de licenciamento do EMPRESÁRIO Ao abrir a caixa do CD que contém o programa EMPRESÁRIO, o utilizador aceita os termos do contracto de licenciamento deste acordo. Licença Garantias A T&T outorga-lhe

Leia mais

1. Lançamento em Contas Bancárias Liquidação de Clientes

1. Lançamento em Contas Bancárias Liquidação de Clientes Título: MÓDULO DE GESTÃO DE BANCOS & CONTROLO LETRAS Pag.: 1 Módulo Gestão Contas Bancárias O módulo Gestão de Contas Bancárias, tem como principal objectivo, permitir ao utilizador saber num exacto momento,

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação?

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Índice Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Como efectuar uma operação de confirmação de estimativas? Como aceder ao Serviço de Certificação

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FINANÇAS. MBA 2003/2004 (4º Bloco) Caderno de Exercícios. José Azevedo Pereira

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FINANÇAS. MBA 2003/2004 (4º Bloco) Caderno de Exercícios. José Azevedo Pereira INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FINANÇAS MBA 2003/2004 (4º Bloco) Caderno de Exercícios José Azevedo Pereira Estrutura de Financiamento Exercício 1 As empresas ALFA

Leia mais

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática O que são CFDs? Um CFD (Contract for difference) é um instrumento financeiro negociado fora de mercados regulamentados que proporciona, aos investidores, uma forma mais eficiente de negociação em acções.

Leia mais

Guia de utilização. Acesso Universal

Guia de utilização. Acesso Universal Guia de utilização Março de 2009 Índice Preâmbulo... 3 Acesso à Plataforma... 4 Área de Trabalho... 5 Apresentar Propostas... 12 Classificar Documentos... 20 Submeter a Proposta... 21 Solicitação de Esclarecimentos/Comunicações...

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Contabilidade e Sistemas de Custos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 5º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. 01 Introdução

Leia mais

Relatório de Gestão. Exercício de 2014 INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA. Audite Gestão Financeira

Relatório de Gestão. Exercício de 2014 INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA. Audite Gestão Financeira Relatório de Gestão INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA Audite Exercício de 2014 11-03-2015 Linda-a Velha, 11 de Março de 2015 Estimado cliente, O presente relatório pretende dar-lhe um flash da

Leia mais

Pergunta: Como é que o salário dos operários não especializados é calculado?

Pergunta: Como é que o salário dos operários não especializados é calculado? Como é que o salário dos operários não especializados é calculado? O cálculo do salário dos operários não especializados poderá ser feito da seguinte forma: Nº horas utilizadas no último trimestre + as

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2010 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

Finanças Internacionais

Finanças Internacionais Universidade dos Açores Departamento de Economia e Gestão Mestrado em Ciências Empresariais Finanças Internacionais Ponta Delgada, Abril de 2009 Fernando José Rangel da Silva Melo Sumário 1 Gestão Financeira

Leia mais

POS significa Point of Sale Posto de Venda um local onde ocorre uma transação financeira, por exemplo,

POS significa Point of Sale Posto de Venda um local onde ocorre uma transação financeira, por exemplo, Módulo POS Loja O que é um POS? Para que serve? POS significa Point of Sale Posto de Venda um local onde ocorre uma transação financeira, por exemplo, uma Loja que efetue venda ao público. Por outras palavras,

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

ZSRest. Manual Configuração. Cartão de Cliente/Fidelização. V2011-Certificado

ZSRest. Manual Configuração. Cartão de Cliente/Fidelização. V2011-Certificado Manual Configuração Cartão de Cliente/Fidelização V2011-Certificado 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Configuração... 3 4. Como acumular o saldo... 5 5. Como descontar o saldo... 8 2 2. Introdução O presente

Leia mais

Apresentação dos Resultados 2T06

Apresentação dos Resultados 2T06 Apresentação dos Resultados 2T06 Aviso Legal Esta apresentação contém considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros, e às perspectivas

Leia mais

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente ADMINISTRAR ----- NÃO É ABSOLUTO. SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... INTEGRAÇÃO = PESSOAS / EMPRESAS = ESSENCIAL SATISFAÇÃO FINANCEIRA RESULTANTE DA SINERGIA Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

Leia mais

Gestão de bases de dados e listas

Gestão de bases de dados e listas Gestão de bases de dados e listas Uma das tarefas mais comuns em que são utilizadas folhas de cálculo é a gestão de listas (listas de números de telefone, listas de clientes, listas de tarefas, listas

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

MANUAL DO GESTOR DE FINANÇAS

MANUAL DO GESTOR DE FINANÇAS MANUAL DO GESTOR DE FINANÇAS Manual de utilização e dicas para que conheça melhor esta nova ferramenta do millenniumbcp.pt.. 1 02 ÍNDICE 03 1 PORQUÊ USAR O GESTOR DE FINANÇAS? 04 2 ADESÃO 04 Como aderir?

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Norma Internacional de Relato Financeiro 2

Norma Internacional de Relato Financeiro 2 Norma Internacional de Relato Financeiro 2 Pagamento com Base em Acções OBJECTIVO 1 O objectivo desta IFRS é especificar o relato financeiro por parte de uma entidade quando esta empreende uma transacção

Leia mais

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL Balanço e Demonstração de Resultados Data 26-6-215 SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º, 125-44 LISBOA TEL.: 213 5 3 FAX: 214 276 41 ana.figueiredo@ama.pt

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO EM UM PERÍODO INFLACIONÁRIO

CONSIDERAÇÕES SOBRE A ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO EM UM PERÍODO INFLACIONÁRIO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA E INSTRUMENTOS DE GESTÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA E INSTRUMENTOS DE GESTÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA E INSTRUMENTOS DE GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO [LGE103] EXERCÍCIOS #2 [Matemática Financeira] 2007-2008 FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO Exercício 1 Uma taxa de juro anual nominal

Leia mais

Manual de Iniciaça o. Índice

Manual de Iniciaça o. Índice Manual de Iniciaça o Índice Passo 1- Definir... 2 Definir grupos de tarefas... 2 Definir funções... 6 Definir utilizadores... 11 Definir o Workflow... 14 Definir tarefas... 18 Passo 2 - Planear... 21 Planear

Leia mais

Sua campanha em Google AdWords com o vale desconto

Sua campanha em Google AdWords com o vale desconto Sua campanha em Google AdWords com o vale desconto Sua campanha em Google AdWords com o vale desconto Índice Crie a sua conta do Google AdWords 3 Versões do seu programa 3 Dados de acesso 3 Active a sua

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

Como proceder à renovação ou à confirmação de dados estimados

Como proceder à renovação ou à confirmação de dados estimados Como proceder à renovação ou à confirmação de dados estimados Para efectuarem qualquer operação de certificação (ex: confirmação de dados estimados, renovação da certificação), as empresas devem aceder

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA DESEMPENHO ECONÓMICO. Potencial para obtenção de resultados. Análise da rendibilidade e crescimento sustentado

GESTÃO FINANCEIRA DESEMPENHO ECONÓMICO. Potencial para obtenção de resultados. Análise da rendibilidade e crescimento sustentado GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO 9 Objectivo Análise da Rendibilidade A rendibilidade do investimento Rendibilidade dos capitais próprios Análise integrada da rendibilidade Crescimento Sustentável DESEMPENHO ECONÓMICO

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA II INTRODUÇÃO

GESTÃO FINANCEIRA II INTRODUÇÃO VAL- 1 GESTÃO FINANCEIRA II INTRODUÇÃO FINANÇAS EMPRESARIAIS VAL- 2! Objectivos do curso! Programa! Material de estudo / Grupos! Avaliação! Bibliografia! Contactos OBJECTIVOS VAL- 3 " Fornecer aos alunos

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

actualização gratuita *para clientes Gnotarium com contrato de manutenção activo.

actualização gratuita *para clientes Gnotarium com contrato de manutenção activo. novidades da versão 4.0 Registo automóvel o Pedido de certidão automóvel o Pedidos de registo automóvel o Estado dos pedidos Registo predial o Pedido de certidão predial o Pedido de depósito o Pedido de

Leia mais

22-05-2013 NUNO CASEIRO IPCB/ESA

22-05-2013 NUNO CASEIRO IPCB/ESA NUNO CASEIRO IPCB/ESA 1 Uma ideia não é um negócio!? Tempo Que restaurante? Onde? Para quem? Horário? Tenho uma ideia Um restaurante Como divulgar? O que preciso? Licenciamentos? Que tipo de comida? Horário?

Leia mais

VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS

VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS VAL- 2! Objectivo: " Identificação de uma teoria do valor (ainda rudimentar)! Caso os mercados funcionem bem os preços igualarão o valor dos diferentes produtos e serviços.! Qual

Leia mais

Simples Acessível À medida. é ainda muito mais MANUAL DE PROCEDIMENTOS

Simples Acessível À medida. é ainda muito mais MANUAL DE PROCEDIMENTOS Simples Acessível À medida O segredo de CFOlytics está na simplicidade: Com a importação do documento mais comum duma contabilidade - o balancete analítico - obtém, em poucos segundos, toda a informação

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Manual do utilizador. Aplicação de agente

Manual do utilizador. Aplicação de agente Manual do utilizador Aplicação de agente Versão 8.0 - Otubro 2010 Aviso legal: A Alcatel, a Lucent, a Alcatel-Lucent e o logótipo Alcatel-Lucent são marcas comerciais da Alcatel-Lucent. Todas as outras

Leia mais

P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 159

P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 159 P A R T E I I A n á l i s e G e r e n c i a l 159 C A P Í T U L O 1 4 Empresas de serviços Pergunta aos consultores e aposto que, para a maioria, a primeira afirmação do cliente é: Nossa empresa é diferente.

Leia mais

Como posso controlar o meu negócio? Como avaliar os principais rácios económico-financeiros? A análise do break-even point Como devo analisar os

Como posso controlar o meu negócio? Como avaliar os principais rácios económico-financeiros? A análise do break-even point Como devo analisar os 30 de Junho de 2015 Como posso controlar o meu negócio? Como avaliar os principais rácios económico-financeiros? A análise do break-even point Como devo analisar os gastos da minha Clínica? 5 dicas para

Leia mais

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres.

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres. VALORES MOBILIÁRIOS O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos e deveres, podendo ser comprados

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Grupo de contas do Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Grupo de Contas do Ativo. Ativo Circulante Realizável a Longo Prazo Permanente Grupo de Contas do Passivo.

Leia mais

JOGO ONLINE DE GESTÃO PARA ALUNOS DO ENSINO SECUNDÁRIO

JOGO ONLINE DE GESTÃO PARA ALUNOS DO ENSINO SECUNDÁRIO JOGO ONLINE DE GESTÃO PARA ALUNOS DO ENSINO SECUNDÁRIO Junior Business Challenge by IPAM O IPAM The Marketing School é uma Instituição de Ensino Superior, especializada e líder, na formação de profissionais

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais