USANDO AS TECNOLOGIAS DA WEB PARA O ENSINO DE SIMULAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USANDO AS TECNOLOGIAS DA WEB PARA O ENSINO DE SIMULAÇÃO"

Transcrição

1 USANDO AS TECNOLOGIAS DA WEB PARA O ENSINO DE SIMULAÇÃO Cláudio Guilhermão Tavares 1, Anna Cristina B. D. de Carvalho 2, Renato Vairo Belhot 3 Universidade de São Paulo 1 Campus Universitário - São Carlos São Carlos - SP Universidade de São Paulo 2 Campus Universitário - São Carlos São Carlos - SP Universidade de São Paulo 3 Campus Universitário - São Carlos São Carlos - SP RESUMO. A simulação sempre foi usada para os mais diversos propósitos, desde aplicações militares a empresariais. no seu início estava muito ligada a jogos estratégicos, e a seguir começou a trilhar seu próprio caminho com a ajuda do desenvolvimento de modelos matemáticos. Atualmente, é possível encontrar aplicações da simulação em fábricas, em negócios, na educação etc. Embora a simulação apresente-se nos mais variados campos da engenharia, seu uso continua muito restrito devido à sua pesada manipulação matemática e estatística, além de possuir muitos passos a serem seguidos. o objetivo desse artigo é apresentar um tutorial que auxilie o iniciante em simulação a compreender essa técnica poderosa de uma maneira agradável. Esse tutorial usa tecnologias da Web, uma vez a Internet está cada vez mais presente dia a dia. Palavras-chave: Simulação, Tutorial, Internet EDV - 120

2 1. INTRODUÇÃO A Internet tem apresentado um novo ritmo de trabalho no qual cliente e servidor estão sempre em contato. Além disso, há a busca ilimitada de informação e acesso ao conhecimento onde quer que ele é desenvolvido. A universidade também acompanhou esse ritmo desenvolvendo cursos de ensino a distância. Agora, a separação física entre professor e aluno é um problema que já está superado. A simulação é uma ferramenta de grande importância para o estudo e planejamento de sistemas produtivos, naturais, médicos, financeiros, econômicos etc. Contudo, ainda é uma ferramenta de difícil manipulação devido a sua grande complexidade conceitual e matemática. A proposta é usar as facilidades proporcionadas pela Internet para a divulgação e contextualização do conhecimento que envolve a simulação, tornando-a assim uma ferramenta mais difundida e mais conhecida. 2. UM POUCO SOBRE EDUCAÇÃO Jean Piaget afirma que o professor deve se familiarizar ao estudante e o conhecimento que traz consigo, e usá-lo como início para o estudo de novos conceitos. Naturalmente, ele rejeita a idéia do professor detentor de todo o conhecimento e único capaz de ensinar um determinado tópico, e do aluno como um reservatório vazio pronto para receber o conhecimento proveniente do professor. Assim, o aluno tem uma posição passiva enquanto o professor aparece como elemento ativo do processo de ensino-aprendizagem. Piaget diz que o aluno é o construtor de seu próprio conhecimento, tornando assim o professor um guia que ajuda o aluno a permanecer na direção correta, ou melhor, facilitador da aquisição do conhecimento. Dessa nova forma, o aluno adquire uma postura ativa dentro do processo de ensinoaprendizagem. Uma vez que o aluno assume a posição de condutor da construção de seu próprio conhecimento ele se torna mais interessado no assunto estudado e um pensador em potencial daquela matéria. Para se alcançar esse nível dentro processo ensino-aprendizagem, o professor precisa se tornar sensível aos diferentes estilos de aprendizagem de seus alunos, já que existem aqueles que aprendem facilmente apenas ouvindo o professor explicar o assunto (auditivos), ou aqueles que precisam copiar tudo que o professor escreve no quadro e diz, e aqueles alunos que apenas precisam de diagramas para compreender a lógica e funcionamento dos conteúdos (visuais). Uma ferramenta muito eficaz para se tentar atender todos os possíveis estilos de aprendizagem dentro de uma sala de aula é o ciclo de Kolb. A figura 1 ilustra o ciclo. Experiência Testes dos conceito em novas situações Observação & Reflexão Formação de conceitos abstratos e de generalizações EDV - 121

3 Figura 1: Ciclo de Kolb Segundo Carvalho [5] o indivíduo sujeito a uma experiência no mundo real experiência concreta analisa o que ocorreu e reflete sobre a ocorrência observação reflexiva visando concluir conceitos, que lhe permitam enfrentar situações semelhantes futuras com mais eficácia conceituação abstrata esses conceitos em forma de idéias serão transformados em ações, que serão testados em situações reais experimentação ativa e se demonstrarem adequadas e eficazes, passam a fazer parte do conhecimento do indivíduo. Em todos os tipos de modelo de aprendizagem pode-se verificar algumas coisas em comum, como: observa-se, associa-se os conhecimentos, adquire-se novos conhecimentos, aplica-se e vivencia-se novas experiências. A aprendizagem está completa quando os conhecimentos conseguem ser aplicados e de frente de novas experiências os aprendiz consegue identificar soluções a partir de experiências vividas. Dentro do ciclo de aprendizagem identificamos etapas fundamentais para que os conhecimentos possam ser consolidados, porém o indivíduo precisa passar por todas as fases do ciclo. Em cada etapa existem métodos corretos para aquisição do conhecimento. A tecnologia vem de encontro às necessidades de facilitar o aprendizado em cada uma das etapas do ciclo. Uma ferramenta poderosa de ensino para se alcançar quase todos os estilos de aprendizagem é o uso de sistemas multimídia, porque como o próprio nome diz permite o uso das mais diferentes mídias (desde um simples texto, até complexas animações representando batimentos cardíacos ou rotações de moléculas), além do fato de que duas ou mais mídias podem ser combinadas para se alcançar um efeito educacional mais apurado do que se pretende ensinar. A única limitação de um sistema multimídia é de hardware do laboratório que o está desenvolvendo. Os sistemas multimídia permitem ao usuário encontrar uma determinada informação no momento em que ela é necessária. Aqui, o conhecimento não se apresenta embalado e apresentado apenas de maneira linear bem definida como geralmente acontece dentro de sala de aula, pelo contrário, a informação pode ser disposta de maneira hierarquizada e livre. A figura 2 mostra o fluxo da informação durante uma aula; perceba que as setas apresentam apenas uma ponta, representando a unicidade do caminho a ser seguido. A figura 3 mostra o fluxo de informação que acontece quando se usa um sistema multimídia; agora as setas têm pontas duplas, ou seja, a informação pode circular, além disso, um conhecimento tem acesso a vários outros tipos de conhecimento. Figura 2: Apresentação Linear EDV - 122

4 Figura 3: Apresentação Hierárquica 3. SIMULAÇÃO Segundo Banks [1], simulação é a imitação de uma operação de um processo do mundo real estudada através do tempo. Ainda, a simulação gera um histórico artificial do sistema, e a partir da observação desse histórico é possível extrair inferências sobre o caráter operacional do sistema real. É uma ferramenta usada para responder a perguntas do tipo e se? sobre o sistema real. Assim, simulação é usada quando diferentes configurações do sistema podem ser vistas e estudadas através de um modelo (semântico, matemático ou computacional), e mais, a simulação permite a previsão de comportamentos do sistema, a mínimos custos. Por exemplo, a simulação permite a verificação de: mudanças de layout, retirada ou adição de nova máquina ao processo produtivo, etc. Claro está que a simulação é uma ferramenta indispensável, mas o grande problema enfrentado atualmente é como concretizá-la. E tal questionamento não assola apenas iniciantes, mas também pessoas com certa experiência, visto que cada problema de simulação é único, ou seja, cada novo caso representa um recomeço, a estruturação de um novo trabalho. O objetivo desse trabalho é apresentar conceitos básicos e introduzir o vocabulário relacionado à simulação. Para a realização desse trabalho foi feita inicialmente uma revisão bibliográfica sobre o assunto; sem deixar de fora aspectos caracterizados como pré-requisitos como os conceitos de sistema e modelos. A seguir, especial atenção foi dada aos passos da simulação, que nesse trabalho não foram apresentados na sua forma usual como encontrado na literatura do assunto, mas sim numa maneira mais genérica de modo que o usuário tenha uma percepção global do que a simulação é e suas aplicações. Vale lembrar que esse tutor tem como público alvo iniciantes em simulação, e não apenas usuários avançados. Assim, os passos da simulação apresentados são: definição do plano de ação (definição de objetivos, restrições e determinação das especificações da simulação); estudo e determinação do sistema (levantamento de questões relevantes sobre o sistema e posterior modelagem); construção do modelo (construção e implementação computacional do modelo e testes tanto do modelo quanto do software, mais conhecidos como validação e verificação); análise das saídas (verificar o quanto o sistema se aproxima ou se afasta do sistema real para possíveis futuras calibrações); registro dos resultados. EDV - 123

5 Nenhum rigor matemático foi apresentado, se isso fosse feito descaracterizaria o propósito desse trabalho. Isso representa material para outro tutorial. Inúmeras aplicações e exemplos são apresentados no tutorial: manufatura, aplicações médicas, pequenos negócios, restaurantes, bancos etc. Tópicos complementares foram incluídos: histórico da simulação; breve comentário sobre Teoria dos Jogos; softwares mais usados e disponíveis no mercado; paradigmas computacionais; vantagens e desvantagens da simulação; armadilhas envolvidas na simulação. 4. A INTERNET A Internet é o meio mais rápido e conveniente de transferência de dados e informação de todos os tempos, faltando apenas com a segurança e inviolabilidade das informações; representando até uma revolução nos modos de comportamento já que a existência de sala de conversação virtuais onde pessoas de todo o mundo podem se comunicar livre e abertamente sem qualquer tipo de censura e trocar informações sobre suas cultura e costumes, situações econômicas e políticas de seus países de origem. Há ainda a possibilidade de se fazer compras sem sair de casa apenas abrindo alguma das infindáveis páginas da Internet, nas quais grandes redes de lojas exibem catálogos de seus produtos, bastando para a efetuação da compra o número do cartão de crédito. Um outro serviço muito útil que a Internet oferece e que começa a ganhar vulto é o pagamento de contas (como telefone, água, boletos e bloquetos, parcelas etc) através de páginas que alguns bancos oferecem, evitando assim a formação desnecessária de filas e consequentemente perda de tempo, além de provocar uma mudança de mentalidade nos cliente no tangente a uma maior familiarização com sua agência e sua carteira de produtos. Diante de tantas facilidades, ou melhor, maior acesso à informação de maneira direta e mais clara, o homem começa a trazer para suas atividade diárias essa eficiência e velocidade de acontecimentos. Um novo paradigma da atualidade é a necessidade de apreensão de conhecimento de maneira rápida e sem necessidade de consultas extensas e, às vezes, sem sucesso a bibliotecas. Surge a idéa de ensino a distância. Nesse ensino a distância, o aluno (que pode realmente ser um aluno de qualquer escolaridade, ou um empresário, ou funcionários de uma fábrica, ou quem estiver interessado) entra na página na Internet e ali, toma contato com dados e informações nas mais diferentes formas (diferentes mídias) como textos, planilhas, gráficos, figuras, animações, o aluno potencial interage com os conteúdos propostos. Essa variedade de apresentações tem a finalidade de alcançar todas as maneiras de aprendizado, já que nem todas as pessoas têm a mesma forma e capacidade de apreender informações. Para a viabilização de todos esses processos apresentados a Internet tem alguns recursos muito práticos e usados largamente. Dentre uma grande variedade de ferramentas disponíveis na Internet (como correio eletrônico, troca de dados por FTP, listas de discussão entre outras), existe a Web ou WWW (World Wide Web) que é uma tecnologia baseada em hipertexto e recursos multimídia interativos com o usuário, e é o processo mais simples e rápido de busca de informações de todos, e onde se localizam as páginas de acesso de qualquer serviço. Atualmente, desde pequenas a grandes indústrias do mercado se utilizam desse recurso para mostrarem seus produtos e serviços, além de outros ramos da sociedade EDV - 124

6 como hospitais, escolas, prefeituras, polícia, e outros, inclusive jornais e revistas de grande circulação. 5. O TUTORIAL A montagem do tutorial foi feita baseando-se na metodologia de criação de softwares multimídia usada no Laboratório de Multimídia e Processamento Científico da Área de Engenharia de Produção da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC), Universidade de São Paulo (USP). A metodologia divide-se em duas partes: uma conceitual e outra operacional. A figura 4 ilustra as etapas para criação do sistemas multimídia. Planejamento Objetivo Determinação do conteúdo Caracterização do público alvo Escolha das mídias Coleta de dados Definição da abordagem comunicativa Navegabilidade Modularização do conteúdo Estratégia Pedagógica Interatividade Figura 4: Etapas para a Criação de um Sistema Multimídia 5.1 Parte Conceitual da Criação de Sistemas Multimídia Essa etapa inicial pode ser dividida em duas, chamadas de Planejamento e Análise. Durante o Planejamento a equipe deve se preocupar com questões estruturais como: Determinação conteúdo; Caracterização do público alvo; Escolha das mídias; Coleta de dados. Na determinação do conteúdo é preciso delimitar os assuntos relevantes para o desenvolvimento do sistema, como por exemplo conteúdos essenciais, complementares e acessórios. É nesse momento que se determina o grau de interdisciplinaridade que o sistema deva proporcionar. A caracterização do público alvo deve ficar muito clara para que não se perca o objetivo final do trabalho. O público pode ser definido como um universo fechado como por exemplo, alunos do curso EDV - 125

7 de engenharia elétrica; ou pode ainda ser estimado como por exemplo, 80% dos usuários do sistemas serão alunos dos cursos de engenharia de mecânica e produção mecânica, e 20% por alunos de outras engenharias. A determinação clara do público é essencial para a apresentação de conceitos e adequação de vocabulário. A escolha das mídias obedece a critérios de restrição de hardware do laboratório responsável pelo sistema. Equipamentos como câmera digital, scanner, microfones, filmadoras entre outros devem estar presentes; caso o laboratório não disponha desses equipamentos, um trabalho terceirizado pode ser requerido. Há ainda restrições de software para edição de imagens, sons e vídeos, além da criação de animações. A etapa de coleta de dados se refere àqueles trabalhos que envolvem entrevistas, ou realização de questionários. Aqui é preciso definir quais as pessoas relevantes a serem entrevistadas, quais as perguntas (claras e objetivas) a serem feitas e quanto tempo a entrevista deve durar (uma vez que há a limitação de memória do hardware e diminuição da velocidade de transmissão quando ha grandes quantidades de dados via Internet) A fase de Análise se presta ao refino e preparação dos itens trabalhados na etapa de Planejamento. A Análise pode ser compreendida como: Abordagem comunicativa; Estratégia pedagógica; Navegabilidade; Interatividade. A abordagem comunicativa determina como o sistema multimídia se apresentará ao usuário e como ele o instruirá a navegar ao longo de seus conteúdos. Isso pode ser feito através de uma barra de menu que sempre fica aparente mostrando a estrutura principal do sistema. Ou opção de criação de um personagem fictício que acompanhar o usuário sempre identificando os elementos do sistema. A estratégia pedagógica está diretamente relacionada à determinação do público alvo. Se o público já tem uma certa familiaridade com o computador a estratégia pode ser Construtivista, com grandes liberdades de navegação; caso o público não esteja familiarizado com o computador, uma estratégia interessante seria a Comportamentalista, ou seja, telas que tenham um caráter de açãoreação: um sistema que sempre responde de maneira clara para que o usuário não se sinta perdido. Aqui volta-se novamente ao item anterior: é preciso uma abordagem comunicativa especial. A navegabilidade depende diretamente da estratégia pedagógica. Alto grau de navegabilidade significa forte inter-relacionamento dos assuntos e diversas possibilidades de navegação. A interatividade é função das mídias e do conteúdo. O sistema pode simplesmente apresentar dados, servindo basicamente como um livro digital, ou por outro lado, o sistema pode propor ao usuário que tome atitudes como resolução de exercícios através de múltipla escolha (ou até,mesmo estudo de caso) ou montagem de cenários utilizando-se recursos de animação. 5.2 Parte Operacional da Criação de um Sistema Multimídia Essa é a etapa de confecção do software, cabendo à equipe a determinação do software que irá gerenciar todas as mídias. Além disso é necessária a construção de todos os storyboards dos sistema. Um storyboard é o desenho de cada tela e o detalhamento de seus elementos. E por fim, as mídias devem ser produzidas, isto é, os desenhos devem ser elaborados, as gravações e filmagens devem ser realizados, além da digitação de textos e criação das animações. Parte-se finalmente para a implementação e a seguir a série de testes que se dividem em: EDV - 126

8 Testes internos: realizados pela própria equipe e pessoas familiarizadas com o assunto estudado; Testes externos: realizados por pessoas que não tiveram qualquer contato com a elaboração do projeto a fim de opinarem sobre a estrutura lógica do sistema. A seguir cria-se o protótipo que é apenas uma amostra da qual os usuários finais terão acesso para avaliar sua relevância e aplicabilidade. O tutorial apresentado nesse artigo está em fase de testes internos. Os softwares utilizados para a construção da interface para a Web foram DreamWeaver e Flash, ambos da empresa Macromedia. O DreamWeaver se presta para construção rápida e eficiente de arquivos HTML com a facilidade de construção de applets (pequenos aplicativos utilizando-se a linguagem Java), é um software simples sem quadros ou qualquer outra interface pronta, ideal para se construir páginas desde o início. O software Flash foi escolhido porque permite a criação e edição de animações para Web de maneira muito direta. Ambos os softwares exigem do projetista certa habilidade na montagem de seus arquivos, ao contrário do que ocorre com softwares comerciais que apresentam a mesma função, embora com bem menos flexibilidade e liberdade ao projetista. 6. REFERENCIAS [1] Banks, J. Introduction to Simulation, Winter Simulation Conference, [2] Blandin, B. Open learning: beyond the institutional approach, European Journal of Engieering Education, 1995 [3] Belhot, R. V., A informática no ensino. XXIII Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia, Recife - PE, Anais, p , [4] Belhot, R. V. Repensando o ensino em Engenharia, XXIV Congresso Brasileiro de ensino em Engenharia, Manaus - AM, [5] Carvalho, A. C. B. D., Porto, A. J. V., Belhot, R. V. Aprendizagem significativa no ensino de Engenharia. XXVII Congresso Brasileiro de Ensino em Engenharia, Natal - RN, [6] Hannon, B., Ruth, M. Dynamic Modeling, Springer -Verlar New York, [7] Harrel, C., Turmay, K. Simulation Made Easy: a manager's guide. EMP Groups, [8] Law, A. M., Kelton, W. D. Introduction to Simulation. McGraw-Hill, Inc, [9] Lima, R. V. e Belhot, R. V., Avaliação da multimídia em sistema de treinamento para o MRPII. XVI Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Piracicaba - SP, Anais, em CD-ROM, [10] Martins, J. P. Didática Geral: fundamentos, planejamento, metodologia, avaliação, 2ª ed., São Paulo: Atlas, EDV - 127

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

Exercícios orientadores da aprendizagem e sua solução; Indicação das referências complementares para cada

Exercícios orientadores da aprendizagem e sua solução; Indicação das referências complementares para cada 9 MATERIAIS DIDÁTICOS - Com base no conhecimento adquirido nas reuniões anteriores, o professor deve preparar uma proposta dos materiais que pretende produzir para o seu curso/disciplina. - É importante

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MÉTODOS DE ENSINO PARA OS CONHECIMENTOS EM MERCADO DE CAPITAIS NOS CURSOS DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

DEFINIÇÃO DE MÉTODOS DE ENSINO PARA OS CONHECIMENTOS EM MERCADO DE CAPITAIS NOS CURSOS DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE MÉTODOS DE ENSINO PARA OS CONHECIMENTOS EM MERCADO DE CAPITAIS NOS CURSOS DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Erica Soares - esoares@sc.usp.br Angela Rossi angelars@sc.usp.br Cláudio G. Tavares guilherm@sc.usp.br

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

CURSOS OFERECIDOS. seus objetivos e metas. E também seus elementos fundamentais de Administração, como: PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E CONTROLE.

CURSOS OFERECIDOS. seus objetivos e metas. E também seus elementos fundamentais de Administração, como: PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E CONTROLE. CURSOS OFERECIDOS Access 2007 Aproximadamente 20 horas O aluno aprenderá criar Banco de Dados de forma inteligente, trabalhar com estoques, número de funcionários, clientes etc. Conhecerá ferramentas aprimoradas

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA IV Congresso RIBIE, Brasilia 1998 CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA Cristina Vermelho, Glaucia da Silva Brito, Ivonélia da Purificação

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Utilização de métodos matemáticos & estatísticos em programas computacionais visando imitar o comportamento de algum processo do mundo real.

Leia mais

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS Dr. André Ricardo Magalhães andrerm@gmail.com Universidade do Estado da Bahia Brasil Modalidade: Comunicação Breve Nível

Leia mais

Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3

Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3 Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3 A LEGO Education tem o prazer de trazer até você a edição para tablet do Software LEGO MINDSTORMS Education EV3 - um jeito divertido

Leia mais

Software Tutorial sobre Sistema Solar

Software Tutorial sobre Sistema Solar Software Tutorial sobre Sistema Solar Alan Correa, Antônio Rocir, Sandro Niederauer Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil {sandroniederauer, alan.sms}@hotmail.com,

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Educação a Distância: Limites e Possibilidades

Educação a Distância: Limites e Possibilidades Educação a Distância: Limites e Possibilidades Bernardo de Azevedo Ramos Brillian Aquino Fernandes Lucas Fernandes Barbosa Rafael Castro e Abrantes RESUMO: O trabalho tem como meta avaliar a Educação a

Leia mais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais UNIPLAC fabiterezo@hotmail.com 1. Introdução Com o advento dos computadores, dos programas de desenho, das impressoras

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 6ª Série Teoria da Computação Ciência da Computação A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO

MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO 1. Identificação do proponente 1.1. Nome: Moeses Andrigo Danner 1.2. Vínculo com a instituição: Docente permanente 1.3. Coordenação /

Leia mais

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM Fernanda Maura M. da Silva Lopes 1 Lorena Luquini de Barros Abreu 2 1 Universidade Salgado de Oliveira/ Juiz

Leia mais

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores Profª Levany Rogge Os softwares são considerados programas educacionais a partir do momento em que são projetados através de uma metodologia que os contextualizem no processo ensino-aprendizagem; Tajra

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos

JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (UFMS) CAMPUS DE BONITO/MS, CURSO DE ADMINISTRAÇÃO JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos Prof. Ana Cristina Trevelin Conceitos Simulação Jogos de Empresa

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Pedro Henrique SOUZA¹, Gabriel Henrique Geraldo Chaves MORAIS¹, Jessiara Garcia PEREIRA².

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA

SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA Aula 7 SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA META Discutir a utilização de softwares no ensino de Química. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Através da utilização do software carbópolis,

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 1. Identificação

PLANO DE ENSINO. 1. Identificação 1. Identificação PLANO DE ENSINO Curso: A INTERNET E SUAS FERRAMENTAS Disciplina: A Internet e suas Ferramentas Período Ministrado/Semestre- Bimestre- Mês/Ano: 03 de setembro a 08 de outubro/2º Semestre

Leia mais

Valmir Heckler, Maria de Fátima Oliveira Saraiva e Kepler de Souza Oliveira Filho. Acadêmico do curso LCN - Mário Sérgio Nunes Bica Bolsista PIBID

Valmir Heckler, Maria de Fátima Oliveira Saraiva e Kepler de Souza Oliveira Filho. Acadêmico do curso LCN - Mário Sérgio Nunes Bica Bolsista PIBID Valmir Heckler, Maria de Fátima Oliveira Saraiva e Kepler de Souza Oliveira Filho Acadêmico do curso LCN - Mário Sérgio Nunes Bica Bolsista PIBID Fazendo um paralelo entre a sociedade da informação e o

Leia mais

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC A história da construção do conhecimento pessoal é a história da vida de cada um de nós, pois construímos esse conhecimento de uma maneira específica e individual. A teoria a respeito dos Mapas Conceituais

Leia mais

15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB!

15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB! 7 a e 8 a SÉRIES / ENSINO MÉDIO 15. OLHA QUEM ESTÁ NA WEB! Sua home page para publicar na Internet SOFTWARES NECESSÁRIOS: MICROSOFT WORD 2000 MICROSOFT PUBLISHER 2000 SOFTWARE OPCIONAL: INTERNET EXPLORER

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 FRAMEWORK PARA TREINAMENTOS NA WEB BASEADO EM VÍDEO SOBRE DEMANDA Ícaro Carlos Andrade Costa 1 Igor Antônio Andrade Costa 2 Ricardo Ariel Correa Rabelo 3 Renata Azevedo Santos Carvalho 4 RESUMO A educação

Leia mais

Um mundo de formas do concreto ao abstrato

Um mundo de formas do concreto ao abstrato Um mundo de formas do concreto ao abstrato Orientadora: Marcela dos Santos Nunes Matrícula SIAPE: 1673276 Orientado: Bruno da Silva Santos Matrícula UFF: 007705/06 Palavras-chave: Geometria, modelagem,

Leia mais

linguagem técnica de informática; Perceber os sinais de pontuação e identificar sua função no texto; Ler siglas e identificar seus significados;

linguagem técnica de informática; Perceber os sinais de pontuação e identificar sua função no texto; Ler siglas e identificar seus significados; PLANO DE CURSO Disciplina Competências Habilidades Bases Tecnológicas INGLÊS TÉCNICO Aumentar e consolidar o seu vocabulário ativo e passivo, através da fixação de novas palavras e expressões contidas

Leia mais

Médio Integrado Aula 01 2014 Thatiane de Oliveira Rosa

Médio Integrado Aula 01 2014 Thatiane de Oliveira Rosa Aplicativos Web e Webdesign Aula 01 2014 Thatiane de Oliveira Rosa 1 Roteiro Apresentação da disciplina e Introdução ao HTML Desenvolvimento de Web sites e Sistemas Web; Projeto de sites web; 2 Quem é

Leia mais

Interface Homem- Computador

Interface Homem- Computador Interface Homem- Computador (IHC) Profª. Leticia Lopes Leite Software Educacional I Interface Deve ser entendida como sendo a parte de um sistema computacional com a qual uma pessoa entra em contato física,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO NOME DO PROJETO Web Rádio: Escola César Cals- Disseminando novas tecnologias via web ENDREÇO ELETRÔNICO www.eccalsofqx.seduc.ce.gov.br PERÍODO DE EXECUÇÃO Março a Dezembro de

Leia mais

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1,Tiago Bonetti Piperno 1, Ricardo Germano 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR- Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

Softwares educativos com tecnologias Multimídia: uma ferramenta para apoio ao ensino da Matemática

Softwares educativos com tecnologias Multimídia: uma ferramenta para apoio ao ensino da Matemática Softwares educativos com tecnologias Multimídia: uma ferramenta para apoio ao ensino da Matemática Carlos Vitor de Alencar Carvalho1 1 Universidade Severino Sombra, Docente do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

Pós-graduação Lato Sensu em Informática Aplicada na Educação

Pós-graduação Lato Sensu em Informática Aplicada na Educação Pós-graduação Lato Sensu em Informática Aplicada na Educação 1. Público Alvo Este curso de Pós-Graduação Lato Sensu é destinado principalmente a alunos graduados em cursos da área de Educação (Pedagogia

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Coordenador: Duração: Carga Horária: LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Victor Emanuel Corrêa Lima 6 semestres 2800 horas Situação Legal: Reconhecido pela Portaria MEC nº 503 de 15/02/2006 MATRIZ CURRICULAR Primeiro

Leia mais

PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE *

PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE * PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE * Hudson Henrique de Souza LOPES 1 ; Wellington Garcia PEREIRA 2 ; Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 3. 1 Bolsista do PET EEEC/UFG hudsonhsl@hotmail.com.

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Tutorial Moodle Visão do Aluno

Tutorial Moodle Visão do Aluno Tutorial Moodle Visão do Aluno A P R E S E N T A Ç Ã O A sigla MOODLE significa (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment), em inglês MOODLE é um verbo que descreve a ação ao realizar com gosto

Leia mais

ANÁLISE DE SITES EDUCACIONAIS PELO PROFESSOR E PELO ALUNO

ANÁLISE DE SITES EDUCACIONAIS PELO PROFESSOR E PELO ALUNO Análise do professor: Parâmetros para avaliação Ao navegar por Web sites é importante observar alguns tópicos para determinar se um site é bom ou não. Navegação, design, conteúdo, velocidade de acesso,

Leia mais

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II)

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) A seguir vamos ao estudo das ferramentas e aplicativos para utilização do correio

Leia mais

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com ANIMAÇÕES WEB AULA 2 conhecendo a interface do Adobe Flash professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com O layout do programa A barra de ferramentas (tools) Contém as ferramentas necessárias para desenhar,

Leia mais

O curso é de conversação? Também, ele tem o objetivo de desenvolver habilidades como escrever, ler e ouvir na língua inglesa.

O curso é de conversação? Também, ele tem o objetivo de desenvolver habilidades como escrever, ler e ouvir na língua inglesa. FAQ BBC Como funciona o curso? O curso é EAD. Você faz o curso online através de um computador com acesso à banda larga. Professores-tutores estão disponíveis para resolver suas dúvidas e te dar suporte.

Leia mais

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO 1 A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² Bruna Barçante¹ Aylla Barbosa Ribeiro¹ Fernanda Teixeira Ferreira Leite¹

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 4ª Série Informática Industrial CST em Mecatrônica Industrial A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um

Leia mais

MATERIAL DE APOIO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA VIA WEB

MATERIAL DE APOIO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA VIA WEB 1 MATERIAL DE APOIO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA VIA WEB Edna Aniceto de Magalhães Universidade de Ribeirão Preto UNAERP edna@odin.unaerp.br Priscila de Oliveira Universidade de Ribeirão Preto UNAERP priscila.oliver@odin.unaerp.br

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: TÉCNICO EM PROGRAMAÇÃO DE

Leia mais

CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância

CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância 1 Introdução Bruno Astuto Arouche Nunes Sergio Barbosa Villas-Boas 1 Henrique Falleiros Tendo em vista que o processo de ensino, nos dias de hoje,

Leia mais

Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional

Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional Douglas Vaz, Suelen Silva de Andrade Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil {doug.vaz,

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO)

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) De acordo com o Edital de produção de conteúdo digitais multimídia, alguns aspectos

Leia mais

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD?

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD? Módulo 1. Introdução Cada vez mais o mundo social e do trabalho necessitam de sujeitos capazes de fazer a diferença através de suas ações e atitudes. A utilização do ambiente virtual, como meio de interação

Leia mais

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas.

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas. PALAVRA DO COORDENADOR Estimado, aluno(a): Seja muito bem-vindo aos Cursos Livres do UNIPAM. Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos

Leia mais

SALA DE AULA VIRTUAL DE MATEMÁTICA

SALA DE AULA VIRTUAL DE MATEMÁTICA SALA DE AULA VIRTUAL DE MATEMÁTICA GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior Jorge Luis Palacios Felix URI jlpfelix@urisan.tche.br Resumo: O presente trabalho traz uma motivação da maneira

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE AULA 1. estrutura do curso e conceitos fundamentais. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

ENGENHARIA DE SOFTWARE AULA 1. estrutura do curso e conceitos fundamentais. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com ENGENHARIA DE SOFTWARE AULA 1 estrutura do curso e conceitos fundamentais professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com Sobre o docente Especialista em Desenvolvimento Web (UEM) Mestre em Tecnologia Educacional

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA

TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA Débora Dalmolin Universidade Federal de Santa Maria debydalmolin@gmail.com Lauren Bonaldo Universidade Federal de Santa Maria laurenmbonaldo@hotmail.com

Leia mais

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA INTERCÂMBIOS ESTUDANTIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Requisitos Cap. 06 e 07 Sommerville 8 ed. REQUISITOS DE SOFTWARE» Requisitos são descrições de serviços fornecidos pelo sistema e suas restrições operacionais. REQUISITOS DE USUÁRIOS: São

Leia mais

UniRitter tecnológica: integrando Engenharias para desenvolvimento de um robô humanoide

UniRitter tecnológica: integrando Engenharias para desenvolvimento de um robô humanoide - SEPesq UniRitter tecnológica: integrando Engenharias para desenvolvimento de um robô humanoide 1. Introdução Diego Augusto de Jesus Pacheco Giovani Geremia Segundo Vargas (2012) é perceptível que uma

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

Introdução à Simulação

Introdução à Simulação Introdução à Simulação O que é simulação? Wikipedia: Simulação é a imitação de alguma coisa real ou processo. O ato de simular algo geralmente consiste em representar certas características e/ou comportamentos

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA IVINHEMA MS MAIO DE 2010 ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR

Leia mais

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Lúcia Helena de Magalhães 1 Maria Cristina de Oliveira 2 Resumo Este artigo

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: INSTITUIÇÃO: IFRS CAMPUS BENTO GONÇALVES CNPJ: 94728821000192 ENDEREÇO: Avenida Osvaldo Aranha, 540. Bairro Juventude. CEP: 95700-000 TELEFONE: (0xx54) 34553200 FAX: (0xx54) 34553246 Curso de Educação

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre Banco de Dados CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus PousoAlegre Professora Michelle Nery Conteúdo Programático Introdução O que é Banco de Dados O

Leia mais

PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA

PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA José Erildo Lopes Júnior 1 juniormat2003@yahoo.com.br RESUMO Neste trabalho, vamos apresentar o conteúdo de ângulos, através

Leia mais

Design Pedagógico. Módulo: O Modelo Atômico de Bohr

Design Pedagógico. Módulo: O Modelo Atômico de Bohr Design Pedagógico Módulo: O Modelo Atômico de Bohr 1. ESCOLHA DO TÓPICO 1.1. O que um aluno entre 14 e 18 anos acharia de interessante neste tópico? Que aplicações / exemplos do mundo real podem ser utilizados

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

T E C N O LO G I A E D U C AC I O N A L LOUSA EDUCACIONAL INTERATIVA

T E C N O LO G I A E D U C AC I O N A L LOUSA EDUCACIONAL INTERATIVA T E C N O LO G I A E D U C AC I O N A L LOUSA EDUCACIONAL INTERATIVA w w w. h o m e l a b. c o m.b r APRESENTAÇÃO Nos últimos anos, o perfil dos alunos no mundo tem mudado em consequência dos estímulos

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 25

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 25 Informática Prof. Macêdo Firmino Introdução a Informática Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 25 O Que é um Computador? É uma máquina composta de um conjunto de partes eletrônicas e

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

CRIAÇÃO DO SITE DA DISCIPLINA DE EXPERIMENTAÇÃO E DA CENTRAL DE ANÁLISES ESTATÍSTICAS NA UTFPR-DV

CRIAÇÃO DO SITE DA DISCIPLINA DE EXPERIMENTAÇÃO E DA CENTRAL DE ANÁLISES ESTATÍSTICAS NA UTFPR-DV CRIAÇÃO DO SITE DA DISCIPLINA DE EXPERIMENTAÇÃO E DA CENTRAL DE ANÁLISES ESTATÍSTICAS NA UTFPR-DV 1. Identificação do proponente Nome: Moeses Andrigo Danner Vínculo com a instituição: Docente permanente

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FORMANDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA O ACESSO A INTERNET: O CURSO DE WEB DESIGN E A

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE*

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* 1 O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* Resumo Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária CESB (Curso de Espanhol Básico) para

Leia mais

Universidade de Santa Cruz do Sul Departamento de Informática

Universidade de Santa Cruz do Sul Departamento de Informática Universidade de Santa Cruz do Sul Departamento de Informática II Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa Sistemas Computacionais de Apoio à Educação Santa Cruz

Leia mais