Regulatory Practice 2012 Bancos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulatory Practice 2012 Bancos"

Transcrição

1 Regulatory Practice 2012 Bancos Principais normativos emitidos em 2011 kpmg.com/br

2 Sumário Editorial...3 Editorial...4 CMN/BACEN...5 Administradoras de Consórcio...6 Câmbio...7 Cheques...9 Compulsório...12 Cooperativas de Crédito...16 CPC...17 Custo Efetivo Total CET...19 Estrutura de Gerenciamento de Capital...19 Fator de Ponderação de Risco...22 Fomento Mercantil...23 Microcrédito...23 Operações de Crédito...26 Ouvidoria...27 Patrimônio de Referência Exigido...27 Prestação de Informações...28 Prestação de Serviços...29 Registro de Operações Reservas de Capital...31 Sistema Financeiro Nacional...31 Transferência Eletrônica Disponível...33 Taxas e Índices...34 CVM...35 Auditoria Independente...36 BDR...37 Cias. Abertas...38 Cias. Incentivadas...39 Clubes de Investimento...39 CPC...41 Conceitos Contábeis...43 Demonstrações Financeiras...44 Fundos de Investimento...46 Informações Trimestrais...58 Prestação de Informações...59 Índice Cronológico de Regulamentações...65

3 Editorial

4 4 O Sistema Financeiro Nacional manteve em 2011 um longo período de estabilidade e crescimento, principalmente decorrente da robustez de um mercado doméstico que continua crescendo e ampliando a sua relevância como consumidor de produtos bancários. Esse comportamento permanece distante, comparativamente, do observado na maioria dos centros financeiros internacionais, onde o agravamento dos riscos soberanos e a retração de consumo impõem, às instituições internacionais, maiores incertezas, que vêm se refletindo nos resultados dessas instituições. A perspectiva de ajustamento global, seja por ações governamentais, seja pela revisão do marco regulatório já em andamento irá, inevitavelmente, provocar impactos no nosso Sistema. Essa conclusão se pauta, primariamente, na constatação que o Brasil se tornou um participante muito mais relevante do Sistema Internacional, ao longo dos últimos anos. Porém a dimensão desse impacto, e até mesmo o seu sentido, vão depender diretamente da condução das políticas econômicas e fiscais hoje presentes no Brasil. Outros fatores conspiram a favor, como a demanda por investimento em infraestrutura que continua a movimentar volumes financeiros relevantes que requerem financiamento e poderão servir de lastro para a expansão do mercado de capitais nacional. As discussões em fóruns mundiais para revisão do marco regulatório, mediante a emissão de regras e orientações de cunho prudencial, seja na determinação de capital regulatório, seja em medidas mais restritivas na utilização de instrumentos financeiros, aumentam a importância do papel da supervisão bancária nos próximos anos. As instituições financeiras brasileiras continuaram a buscar a ampliação da base de clientes por meio de fusões, aquisições e do crescimento orgânico. A entrada de novas instituições com controle estrangeiro e a expansão de suas atividades no país mostra que o Brasil continua sendo foco de interesse de grupos internacionais como opção estratégica para expandir os seus negócios. O ano de 2011 também foi marcado por grandes desafios para as entidades no Brasil com a consolidação da adoção de todas as normas IFRS. Algumas instituições financeiras apresentaram em 2010 pela primeira vez as demonstrações financeiras plenamente convergentes com as normas internacionais e determinadas instituições que não fizeram a primeira adoção das IFRSs em 2010 terão a oportunidade de apresentar tais demonstrações financeiras em A apresentação de demonstrações financeiras conforme as IFRSs está sendo um marco histórico para o ambiente empresarial brasileiro na sua integração ao mercado financeiro internacional. Contudo, embora um enorme passo tenha sido dado, ainda temos muito desafios pela frente, notadamente na busca da aplicação consistente das IFRSs com os demais países que já reportam dentro desta plataforma contábil. O cronograma de trabalho do IASB International Accounting Standards Board para os próximos anos prevê mudanças significativas em algumas normas contábeis como Receitas de Contratos com Clientes, Contratos de Seguros e Arrendamentos, com possíveis impactos para as instituições financeiras brasileiras. De forma semelhante, no final de 2011 o Banco Central alterou as regras sobre diferimento de operações de crédito, permitindo o diferimento dos ganhos ao longo do prazo da operação cedida. Estes são alguns exemplos de normas emitidas ou a serem emitidas, que implicam em uma necessidade de agilidade e aperfeiçoamento nos controles internos e processo das instituições financeiras brasileiras, com o objetivo de se responder de forma rápida e acertada às diversas mudanças no ambiente regulatório e aos desafios apresentados em uma economia global turbulenta e volátil. Nesta edição do Regulatory Practice 2012 Bancos, a KPMG no Brasil, no exercício de seu papel de destaque no atendimento às instituições financeiras no mercado nacional e internacional, apresenta, de forma consolidada, reunindo em um único documento, as principais normas emitidas pelos órgãos reguladores durante o ano de 2011 e que constaram da publicação mensal Regulatory Practice News. Os normativos contidos neste documento foram organizados e reunidos por assunto tratado, não obedecendo, portanto, a sua cronologia; também incorporam a eventuais modificações ocorridas no texto original durante o ano. Cabe ressaltar que a consolidação está restrita aos normativos editados no período, não contemplando normas emitidas posteriormente. Ao elaborar o Regulatory Practice 2012 Bancos, a KPMG mantém o compromisso de prestar serviços de alto padrão e contribuir para o aprimoramento e entendimento da legislação e regulamentação local. Esperamos que a leitura e consulta a este material possa contribuir com esse nosso propósito. Ricardo Anhesini Souza Sócio Financial Services José Gilberto M. Munhoz Sócio Departamento de Práticas Profissionais (DPP)

5 CMN/BACEN

6 6 Administradoras de Consórcio Circular 3.524, de Limites de alavancagem e imobilização Dispõe sobre os limites de alavancagem e imobilização para as administradoras de consórcio, e dá outras providências. O somatório do saldo das operações passivas das administradoras de consórcio com o saldo dos recursos dos grupos de consórcio não pode ultrapassar seis vezes o valor do respectivo Patrimônio Líquido Ajustado (PLA). O valor do PLA é calculado conforme definido na Circular 3.433/09. Para fins do cálculo do limite de alavancagem: considera-se saldo das operações passivas o valor correspondente ao Circulante e Exigível a Longo Prazo, subtraído o valor registrado no título Recursos Pendentes de Recebimento Cobrança Judicial; considera-se saldo dos recursos dos grupos de consórcio o somatório dos valores registrados nos títulos contábeis Disponibilidades, Aplicações Interfinanceiras de Liquidez e Cheques e outros Valores a Receber, subtraído o somatório dos valores registrados nos títulos contábeis Vinculadas a Contemplações Selic, Vinculadas a Contemplações Demais Aplicações; e o montante correspondente a eventuais participações detidas no capital social de empresas que exerçam a mesma atividade deve ser deduzido do PLA da administradora. O grau de alavancagem de cada administradora de consórcio, observado o limite de alavancagem, deve ser compatível com os níveis de excelência dos controles internos, nos termos da regulamentação em vigor. O Ativo Permanente das Administradoras de consórcio não pode ultrapassar 100% do PLA. As Administradoras em funcionamento que na data da entrada em vigor do presente normativo estejam excedendo o limite devem observar o seguinte cronograma de enquadramento: A partir de o limite de imobilização não poderá ultrapassar % do valor do respectivo PLA % do valor do respectivo PLA % do valor do respectivo PLA % do valor do respectivo PLA. Na situação descrita no parágrafo anterior é vedada às administradoras a realização de qualquer operação que implique elevar a proporção entre o Ativo Permanente e o PLA apurada na data da entrada em vigor do presente normativo. Os limites devem ser cumpridos diariamente. Devem ser encaminhadas ao Departamento de Monitoramento do Sistema Financeiro e de Gestão da Informação (DESIG), as informações correspondentes, entre outras informações estabelecidas na regulamentação em vigor, aos seguintes limites e padrões mínimos, por parte das instituições a eles sujeitas: Anterior Circular 3.398/08 Padrões mínimos de capital realizado e de patrimônio líquido ajustado e limite de alavancagem. Atual Circular 3.524/11 Capital realizado e patrimônio líquido ajustado e limite de alavancagem. Desde , a aplicação dos recursos dos grupos de consórcio em andamento, constituídos antes de , deve ser efetuada nos termos estabelecidos no artigo 6 da Circular 3.432/09. Os grupos de consórcio constituídos por associações e entidades civis sem fins lucrativos somente podem ser compostos por integrantes efetivos do seu quadro social, na forma de seu estatuto social. Vigência: Revogações: Circulares 2.861/, 3.026/01, 3.261/04, o parágrafo único do art. 2º da Circular 3.394/08 e, em , a Circular 2.454/94.

7 7 Circular 3.558, de Prevenção de riscos Dispõe sobre a prevenção de riscos na contratação de operações e na prestação de serviços por parte das administradoras de consórcio. As administradoras de consórcio devem contemplar, em seus sistemas de controles internos, na contratação de operações e na prestação de serviços, a adoção e a verificação de procedimentos que assegurem: i. a prestação das informações necessárias à livre escolha e à tomada de decisão por parte dos consorciados, explicitando, inclusive, as cláusulas contratuais ou práticas que impliquem deveres, responsabilidades e penalidades, fornecendo tempestivamente cópia de contratos, recibos, extratos, comprovantes e outros documentos relativos a operações e a serviços prestados; e ii. a utilização no contrato de participação em grupo de consórcio, bem como em informativos e demais documentos, de redação clara, objetiva e adequada, de forma a permitir o entendimento do conteúdo e a identificação de prazos, valores, encargos, multas, datas, locais e demais condições. É vedada a cobrança pela emissão de boletos, carnês e assemelhados para pagamento das obrigações financeiras decorrentes das operações de consórcio. Vigência: Revogações:: Art. 7º e o inciso III do art. 8º da Circular 2.332/93 e, a partir de , as Circulares 3.085/02 e 3.285/05 Circular 3.560, de Envio de documentos Câmbio Resolução 3.941, de Contratações simultâneas A Resolução 3.912/10 e normas complementares dispõem sobre contratações simultâneas de câmbio em caso de migrações internas entre aplicações de investidor não residente no País, nas situações que especifica. A Resolução altera o normativo supracitado, como destacamos a seguir. Conforme definido na regulamentação vigente estão sujeitas à contratação de operações simultâneas de câmbio todas as migrações internas oriundas das aplicações abaixo indicadas efetuadas por investidor não residente no Brasil para aplicações nos demais ativos disponíveis no mercado financeiro e no mercado de capitais, de que trata a Resolução 2.689/00: em renda variável realizadas em bolsa de valores ou em bolsa de mercadorias e futuros, na forma regulamentada pelo Conselho Monetário Nacional, excetuadas operações com derivativos que resultem em rendimentos prédeterminados; ou na aquisição de ações em oferta pública registrada ou dispensada de registro na CVM ou na subscrição de ações, desde que, nos dois casos, as companhias emissoras tenham registro para negociação das ações em bolsa de valores. O disposto aplica-se também a todas as migrações internas de recursos em Real destinados à constituição de margem de garantia, inicial ou adicional, realizadas por investidor não residente no País, exigidas por bolsas de valores e de mercadorias e futuros. A presente Resolução determina que: Desde , o BACEN dispensou o envio dos seguintes documentos contábeis, previstos no COSIF, por parte das administradoras de consórcio: i. Demonstração dos Recursos de Consórcio Consolidada, documento 6 do COSIF, CADOC 4110; e ii. Demonstração das Variações nas Disponibilidades de Grupos Consolidada, documento 7 do COSIF, CADOC Entretanto, deve ser mantida, à disposição do BACEN, toda a documentação-suporte utilizada na elaboração destes documentos contábeis, pelo prazo mínimo de cinco anos, a partir da respectiva data-base. Vigência: Revogações: a partir de , o inciso V do art. 19 da Circular 2.381/93 e os incisos III e IV do art. 1º da Circular 3.212/03. Anterior Resolução 3.915/10 Excetuam-se da obrigatoriedade, as migrações dos valores resultantes de ajustes diários correspondentes a operações com contratos futuros negociados em bolsas de valores e de mercadorias e futuros. Vigência: Revogação: não há. Atual Resolução 3.941/11 Excetuam-se da obrigatoriedade, as migrações dos valores resultantes de ajustes correspondentes a operações com contratos derivativos com liquidação de ajustes diários negociados em bolsas de valores e de mercadorias e futuros.

8 8 Resolução 3.967, de Capital Estrangeiro ingressado ou existente no País A Resolução 3.844/10 dispõe sobre o capital estrangeiro ingressado ou existente no País, em moeda ou em bens, e seu registro no BACEN, aí incluído o registro das movimentações financeiras com o exterior dele decorrentes. Para fins do registro das movimentações financeiras citadas na Resolução 3.844, passam a estar sujeitas à realização de operações simultâneas de câmbio ou de transferências internacionais em Reais, sem entrega efetiva dos recursos e independentemente de prévia autorização do BACEN a renovação, a repactuação e a assunção de obrigação de operação de empréstimo externo, sujeito a registro no BACEN, contratado de forma direta ou mediante emissão de títulos no mercado internacional. Vigência: Revogação: não há. Resolução 4.033, de Aplicação no exterior e captação de recursos externos Dispõe sobre a aplicação no exterior das disponibilidades em moeda estrangeira dos bancos autorizados a operar no mercado de câmbio e sobre a captação de recursos externos para as finalidades que especifica. A aplicação no exterior de disponibilidades em moeda estrangeira de bancos autorizados a operar no mercado de câmbio deve limitar-se às seguintes modalidades: i. títulos de emissão do governo brasileiro; ii. iii. iv. títulos de dívida soberana emitidos por governos estrangeiros; títulos de emissão ou de responsabilidade de instituição financeira; depósitos a prazo em instituição financeira. Para efeito desta Resolução, consideram-se disponibilidades em moeda estrangeira: i. a posição própria de câmbio da instituição; ii. iii. os saldos observados nas contas-correntes em moeda estrangeira no País, abertas e movimentadas em conformidade com a legislação e regulamentação em vigor; outros recursos em moeda estrangeira em conta no exterior da própria instituição, inclusive os recebidos em pagamento de exportações brasileiras. Os bancos autorizados a operar no mercado de câmbio com Patrimônio de Referência (PR) superior a R$ 5 bilhões podem utilizar recursos captados no mercado externo para conceder crédito, no exterior, para empresas brasileiras, subsidiárias de empresas brasileiras e empresas estrangeiras cujo acionista com maior capital votante seja, direta ou indiretamente, pessoa física ou jurídica domiciliada no Brasil, bem como adquirir, no mercado primário, títulos de emissão ou de responsabilidade das referidas empresas. Vigência: Revogação: Resolução 3.443/07. Resolução 4.039, de Contratação de operações de câmbio A Resolução 3.912/10 dispõe sobre contratações simultâneas de câmbio em caso de migrações internas entre aplicações de investidor não residente no País. A Resolução faz uma inclusão no texto da norma supracitada, determinando que também ficam sujeitas à contratação de operações simultâneas de câmbio todas as migrações internas oriundas das aplicações a seguir indicadas, efetuadas por investidor não residente no Brasil, para aplicações nos demais ativos disponíveis, nos mercados financeiros e de capitais, de que trata a Resolução 2.689/00, na aquisição de títulos ou valores mobiliários emitidos na forma dos arts. 1º e 3º da Lei /11. Vigência: Revogação: não há.

9 9 Cheques Resolução 3.972, de Devolução e oposição ao pagamento Dispõe sobre cheques, devolução e oposição ao seu pagamento. As instituições financeiras mantenedoras de contas de depósito à vista devem aprimorar e explicitar a disciplina adotada para o uso do cheque por parte de seus correntistas, estabelecendo critérios objetivos e transparentes, de natureza operacional, para o fornecimento de folhas de cheque, que contemple as disposições legais e regulamentares sobre a matéria. Cabe às instituições financeiras manter os correntistas orientados sobre o uso do cheque, disposições legais e regulamentares, medidas cabíveis no caso de descumprimento da regulamentação e da disciplina em vigor, entre outros critérios estabelecidos no presente normativo. A instituição financeira deve: adequar seus sistemas de controles e de acompanhamento de contas de depósito à vista, objetivando monitorar comportamento incompatível com a disciplina estabelecida; e adotar, nos casos considerados incompatíveis com a disciplina estabelecida, as seguintes medidas: orientação; notificação formal; suspensão do fornecimento de folhas de cheques; ou encerramento da conta. As folhas de cheques fornecidas pelas instituições financeiras devem trazer impressas informações, estabelecidas no presente normativo, na área destinada à identificação do titular ou titulares de contas de depósitos à vista. A Resolução apresenta orientações que devem ser seguidas para a efetivação de sustação ou revogação de cheque. Esta resolução entrou em vigor na data de sua publicação em , estabelecendo os seguintes prazos, contados a partir desta data: seis meses, para os ajustes necessários à implementação do disposto no artigo 3º, inciso IV, do presente normativo; estes ajustes correspondem às informações que devem ser impressas nas folhas de cheques fornecidas pelas instituições financeiras. doze meses para: a. os ajustes dos instrumentos contratuais, relativos às contas de depósitos à vista, às disposições desta resolução; b. a disponibilização das informações de que trata o art. 9º do presente normativo. Estas informações correspondem às seguintes ocorrências relativas a um determinado cheque: cheque sustado ou revogado; cheque objeto de sustação ou revogação em caráter provisório, não expirada e ainda não confirmada; cheque enviado ao domicílio do correntista cujo desbloqueio não tenha sido realizado; cheque cancelado pela instituição financeira sacada; cheque referente à conta de depósitos à vista objeto de bloqueio judicial total; cheque furtado, roubado, extraviado ou destruído durante o processo de compensação; cheque referente à conta de depósito à vista mantida em cooperativa de crédito cujo contrato com a instituição financeira prestadora do serviço de compensação esteja encerrado, ocorrência a ser registrada pela cooperativa de crédito; e cheque referente à conta de depósitos à vista encerrada. Vigência: Revogações: artigo 25 do Regulamento anexo à Resolução 1.631/89, com a redação dada pela Resolução 1.682/90, a Resolução 2.537/98 e os artigos 3 e 4 da Resolução 2.747/00.

10 10 Circulares 3.532, de , e 3.535, de Procedimentos-padrão e Devolução A Circular institui a truncagem como procedimento padrão no âmbito da Centralizadora da Compensação de Cheques (COMPE), altera e consolida a regulamentação. Truncagem: retenção do cheque em papel pela instituição financeira que o acolheu em depósito, realizando-se sua apresentação à instituição financeira sacada, por intermédio de imagem digital e outros registros eletrônicos. A instituição financeira acolhedora deve guardar o cheque em papel até a sua liquidação final. O Banco do Brasil S.A., executante dos serviços de compensação de cheques na forma da legislação em vigor, deve divulgar para os participantes da COMPE, os procedimentos, as especificações e os requisitos de segurança citados acima. O regulamento anexo ao presente normativo, disciplina de forma consolidada o funcionamento da COMPE. Os procedimentos de funcionamento da COMPE são detalhados em manual operacional elaborado pelo executante e aprovado pelo BACEN. O participante que até a data de vigência do presente normativo não tiver implantado a truncagem, não poderá participar da COMPE até que esteja apto a operar segundo a nova sistemática. A Circular trouxe alterações no Regulamento da COMPE, de que trata a Circular Veja, a seguir, as seções alteradas. Seção IV - Da Participação Seção X - Do depósito prévio para participação nas sessões diárias da COMPE Seção XII - Dos cheques em devolução Seção XIII - Do bloqueio de valores depositados em cheque A Circular dispõe ainda sobre motivos de devolução de cheques, que passaram a ter as especificações de utilização a seguir relacionadas. Motivo 13 Motivo 20 Motivo 21 Motivo 28 Conta encerrada, a ser utilizado na devolução de cheque objeto de conta encerrada, na condição de não ser aplicável a devolução por qualquer outro motivo. Cheque sustado ou revogado em virtude de roubo, furto ou extravio de folhas de cheque em branco, a ser utilizado na devolução de cheques objeto de sustação ou revogação realizada mediante apresentação de boletim de ocorrência policial e declaração firmada pelo correntista, relativos ao roubo, furto ou extravio de folhas de cheque em branco. Cheque sustado ou revogado, a ser utilizado na devolução de cheque objeto de sustação ou revogação realizada mediante declaração firmada pelo emitente ou portador legitimado, por qualquer motivo por ele alegado. Cheque sustado ou revogado em virtude de roubo, furto ou extravio, a ser utilizado na devolução de cheque efetivamente emitido pelo correntista, objeto de sustação ou revogação realizada mediante apresentação de boletim de ocorrência policial e declaração firmada pelo emitente ou beneficiário relativos ao roubo, furto ou extravio. Motivo 70 (Novidade) Sustação ou revogação provisória, a ser utilizado na devolução de cheque objeto de sustação ou revogação provisória, cujo prazo de confirmação não tenha expirado e cuja confirmação ainda não tenha sido realizada, nas condições estabelecidas na regulamentação em vigor. A sustação provisória não poderá ser renovada ou repetida em relação a um mesmo cheque.

11 11 As instituições financeiras sacadas devem observar os seguintes procedimentos em relação a cheque objeto de sustação ou revogação: cheque objeto de solicitação de sustação ou revogação provisória não expirada e ainda não confirmada: cheque objeto de solicitação de sustação ou revogação provisória expirada e não confirmada nos termos da regulamentação em vigor: cheque objeto de solicitação de sustação ou revogação confirmada, apresentado pela primeira vez ou após ter sido devolvido pelo motivo 70: cheque devolvido anteriormente pelo motivo 21 e reapresentado: cheque devolvido anteriormente pelos motivos 20 ou 28: proceder à devolução pelo motivo; realizar os procedimentos normais aplicados a cheques recebidos para liquidação, considerando inexistente qualquer pedido de sustentação ou revogação; proceder à devolução, conforme o caso, pelos motivos 20, 21 ou 28; verificar a existência de eventual anulação da sustação ou revogação e, em caso afirmativo, realizar os procedimentos normais aplicados a cheques recebidos para liquidação, ou, caso contrário, proceder à devolução pelo motivo 43; proceder à devolução pelo motivo 49. O cheque sem fundos e o cheque sacado contra conta de depósito à vista encerrada somente podem ser devolvidos pelo motivo correspondente, bem como gerar registro de ocorrência no Cadastro de Emitentes de Cheques sem Fundo (CCF), na condição de não ser aplicável a devolução por qualquer outro motivo. Vigências: Circular 3.532: , produzindo efeitos a partir de Circular 3.535: Revogações: Circular 3.532: Circulares 772/83, 1.584/90, 1.4/91, 2.193/92, 2.315/93, 2.398/93, 2.444/94, 2.557/95, 2.558/95, 2.644/95, 2.708/96, 3.050/01, 3.103/02, 3.118/02, 3.141/02, 3.149/02, 3.189/03, 3.440/09, 3.479/09; Cartas-Circulares 1.298/85, 2.6/ 96, 2.836/, 2.863/, 2.883/, 2.966/01, 3.114/03, e 3.411/09; Os arts. 3º e 4º da Circular 2.313/93, e os arts. 1º, 2º e 3º da Circular 2.655/96. Circular 3.535: Circulares 2.655/96 e 3050/01; e os incisos III do art. 1º e II do art. 6º da Circular 2.452/94, e o art. 4º da Circular 2.989/00.

12 12 Compulsório Circular 3.528, de Recursos a prazo e posição vendida de câmbio A Circular 3.144/02, e posteriores alterações, redefinem as regras do recolhimento compulsório sobre recursos a prazo e da exigibilidade adicional sobre depósitos. A Circular supracitada instituiu uma exigibilidade adicional de recolhimento compulsório e encaixe obrigatório sobre os depósitos. Esta exigibilidade adicional será deduzida das seguintes parcelas: Anterior Circular 3.514/10 Atual Circular 3.528/11 A presente Circular entra em vigor na data de sua publicação, produzindo efeitos a partir: de , para o recolhimento compulsório e encaixe obrigatório sobre posição vendida de câmbio; e do período de cálculo com início em e término em , cujos ajustes ocorrerão em , para o recolhimento compulsório e encaixe obrigatório sobre recursos a prazo, e em , para a exigibilidade adicional sobre depósitos. R$ ,00, para as instituições financeiras independentes ou integrantes de conglomerado financeiro cujo Nível I do PR seja inferior a R$ ,00; R$ ,00, para as instituições financeiras independentes ou integrantes de conglomerado financeiro cujo Nível I do PR seja igual ou superior a R$ ,00 e inferior a R$ ,00; zero, para as instituições financeiras independentes ou integrantes de conglomerado financeiro cujo Nível I do PR seja igual ou superior a R$ ,00. R$ ,00, para as instituições financeiras independentes ou integrantes de conglomerado financeiro cujo Nível I do PR seja inferior a R$ ,00; R$ ,00, para as instituições financeiras independentes ou integrantes de conglomerado financeiro cujo Nível I do PR seja igual ou superior a R$ ,00 e inferior a R$ ,00; R$ ,00, para as instituições financeiras independentes ou integrantes de conglomerado financeiro cujo Nível I do PR seja igual ou superior a R$ ,00 e inferior a R$ ,00. zero, para as instituições financeiras independentes ou integrantes de conglomerado financeiro cujo Nível I do PR seja igual ou superior a R$ ,00. Vigência: Revogação: Carta-Circular 3.434/10. Circular 3.529, de Recursos captados pela Caixa Econômica Federal Dispõe sobre o recolhimento compulsório sobre recursos captados pela Caixa Econômica Federal. Ficam instituídos, em substituição aos encaixes obrigatórios sobre recursos captados pela Caixa Econômica Federal, sem solução de continuidade, recolhimentos compulsórios que atenderão às mesmas formas, condições, custos e penalidades aplicáveis aos recolhimentos compulsórios estabelecidos para os bancos comerciais. O disposto não se aplica aos encaixes obrigatórios cuja exigência se ampara em normas do Conselho Monetário Nacional distintas da Resolução 1.857/91. Vigência: Revogação: não há.

13 13 Circular 3.548, de Compulsório sobre posição vendida de câmbio Esta Circular redefine e consolida as regras do recolhimento compulsório sobre posição vendida de câmbio dos bancos comerciais, bancos múltiplos, bancos de desenvolvimento, bancos de investimento e bancos de câmbio, autorizados a operar no mercado de câmbio, e da Caixa Econômica Federal. O Valor Sujeito a Recolhimento para instituições financeiras independentes (VSRi) é calculado com base nas posições diárias vendidas de câmbio, apurada nos termos do Título 1, Capítulo 5, do Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI), convertida para a moeda nacional, à taxa de câmbio do dia da posição sob referência, divulgada no boletim Fechamento Ptax. A base de cálculo da exigibilidade do recolhimento compulsório sobre posição vendida de câmbio para instituições financeiras independentes corresponde à média aritmética dos VSRi apurados nos dias do período de cálculo, deduzida do menor dentre os seguintes valores: i. US$ 1,000,000, (um bilhão de dólares dos Estados Unidos da América), convertidos para a moeda nacional à taxa de câmbio do dia da posição sob referência divulgada no boletim Fechamento Ptax ; ii. o valor correspondente ao Nível I do Patrimônio de Referência (PR). O período de cálculo é móvel e compreende cinco dias úteis consecutivos, abandonando-se, a cada dia, o primeiro dia útil do período anterior. A exigibilidade do recolhimento compulsório sobre posição vendida de câmbio para instituições financeiras independentes é apurada mediante a aplicação da alíquota de 60% sobre a base de cálculo. O Valor Sujeito a Recolhimento para conglomerados financeiros (VSRc) é calculado com base na soma das posições diárias vendidas menos as posições diárias compradas de câmbio, das instituições financeiras integrantes do conglomerado, apuradas nos termos do Título 1, Capítulo 5, do Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI), convertidas para a moeda nacional à taxa de câmbio do dia da posição sob referência, divulgada no boletim Fechamento Ptax. A base de cálculo da exigibilidade do recolhimento compulsório sobre posição vendida de câmbio para conglomerados financeiros corresponde à média aritmética dos VSRc apurados nos dias do período de cálculo, deduzida do menor dentre os seguintes valores: i. US$ 1,000,000, (um bilhão de dólares dos Estados Unidos da América), convertidos para a moeda nacional à taxa de câmbio do dia da posição sob referência divulgada no boletim Fechamento Ptax ; ii. o valor correspondente ao Nível I do Patrimônio de Referência (PR). O período de cálculo é móvel e compreende cinco dias úteis consecutivos, abandonando-se, a cada dia, o primeiro dia útil do período anterior. A exigibilidade do recolhimento compulsório sobre posição vendida de câmbio para conglomerados financeiros é apurada mediante a aplicação da alíquota de 60% sobre a base de cálculo mencionada acima, devendo ser recolhida somente pela instituição líder do conglomerado. Para fins da dedução, será considerada a última posição disponível do valor correspondente ao Nível I do PR, cujo prazo regulamentar para remessa esteja esgotado, apurado na forma estabelecida pela Resolução 3.444/07, e informado ao BACEN por intermédio do Demonstrativo de Limites Operacionais (DLO) - Documento Para as instituições financeiras em início de atividade, o valor correspondente ao Nível I do PR será considerado zero enquanto não houver posição disponível. As instituições financeiras independentes ou líderes de conglomerados financeiros cujo valor da exigibilidade apurada seja igual ou inferior a R$ ,00 estão isentas do recolhimento de que trata esta Circular. A instituição financeira que não observar as normas relativas à manutenção de saldos para fins do recolhimento compulsório sobre posição vendida de câmbio incorrerá em pagamento de custo financeiro diário, idêntico ao estabelecido pela regulamentação em vigor para a deficiência diária relativa ao recolhimento compulsório sobre recursos à vista. A instituição financeira sujeita ao recolhimento compulsório de que trata esta Circular, não titular de conta Reservas Bancárias ou de conta de Liquidação, deve indicar a instituição financeira titular de conta Reservas Bancárias à qual serão encaminhadas as cobranças pertinentes a custos financeiros e creditadas eventuais devoluções. Vigência: , produzindo efeitos a partir do período de cálculo com início no dia Revogações: a partir do dia , a Circular 3.520/11 e os artigos 3º e 4º da Circular 3.528/11.

14 14 Circular 3.569, de Regras do recolhimento compulsório sobre recursos a prazo O recolhimento compulsório sobre recursos a prazo, ao qual se sujeitam os bancos comerciais, bancos múltiplos, bancos de desenvolvimento, bancos de investimento, bancos de câmbio, caixas econômicas e sociedades de crédito, financiamento e investimento, deve observar as regras desta Circular. Constitui Valor Sujeito a Recolhimento (VSR) a soma dos saldos inscritos nas seguintes rubricas contábeis do COSIF: i Ligadas Sociedade de Arrendamento Mercantil; ii. iii. iv Ligadas com Garantia - Sociedade de Arrendamento Mercantil; Não Ligadas - Sociedade de Arrendamento Mercantil; Não Ligadas com Garantia - Sociedade de Arrendamento Mercantil; v Depósitos a Prazo; vi Recursos de Aceites Cambiais; vii Cédulas Pignoratícias de Debêntures; viii Títulos de Emissão Própria; e ix Contratos de Assunção de Obrigações Vinculados a Operações Realizadas no Exterior. A base de cálculo da exigibilidade de recolhimento compulsório sobre recursos a prazo corresponde à média aritmética dos VSR apurados nos dias úteis, de uma semana, do período de cálculo, deduzida de R$ 30 milhões. A exigibilidade de recolhimento compulsório é apurada mediante a aplicação da alíquota de 20% sobre esta base de cálculo e será deduzida das seguintes parcelas: i. R$ 3 bilhões, para as instituições financeiras independentes ou integrantes de conglomerado financeiro cujo Nível I do PR seja inferior a R$ 2 bilhões. ii. iii. iv. R$ 2 bilhões, para as instituições financeiras independentes ou integrantes de conglomerado financeiro cujo Nível I do PR seja igual ou superior a R$ 2 bilhões e inferior a R$ 5 bilhões; R$ 1 bilhão, para as instituições financeiras independentes ou integrantes de conglomerado financeiro cujo Nível I do PR seja igual ou superior a R$ 5 bilhões e inferior a R$ 7 bilhões; zero, para as instituições financeiras independente ou integrantes de conglomerado financeiro cujo Nível I do PR seja igual ou superior a R$ 7 bilhões. Para fins da dedução mencionada, será considerada a última posição disponível do valor correspondente ao Nível I do PR, cujo prazo regulamentar para remessa esteja esgotado, apurado na forma estabelecida na Resolução 3.444/07, e informado ao BACEN por intermédio do Demonstrativo de Limites Operacionais (DLO) Documento Para as instituições financeiras em início de atividade, o valor correspondente ao Nível I do PR será considerado zero enquanto não houver posição disponível nos termos mencionados nesta Circular. As instituições financeiras cujas exigibilidades sejam iguais ou inferiores a R$ 500 mil estão isentas do recolhimento compulsório de que trata esta Circular, devendo, no entanto, fornecer os dados diários relativos ao VSR do período de cálculo, conforme previsto no art. 8º da Circular. A exigibilidade apurada vigora da sexta-feira da semana posterior ao encerramento do período de cálculo, ou do dia útil seguinte, se a sexta-feira não for dia útil, até a quinta-feira subsequente, devendo ser cumprida em espécie, mediante recolhimento em conta específica. A instituição financeira que não observar as normas relativas à manutenção de saldo nas contas de recolhimento no BACEN, relativas ao recolhimento compulsório sobre recursos a prazo, incorre no pagamento de custo financeiro, na forma estabelecida na regulamentação em vigor. A instituição deve fornecer, até o dia útil imediatamente anterior à data em que se inicia a vigência da respectiva exigibilidade, os dados diários relativos ao VSR do período de cálculo. A instituição está dispensada de prestar as respectivas informações caso a base de cálculo permaneça inalterada em relação à do período de cálculo anterior. Na hipótese de ausência de informações relativas a um período de cálculo até o prazo fixado, será atribuído à base de cálculo o valor relativo ao período anterior. A instituição que informar ou alterar os dados após o prazo incorre no pagamento de multa, na forma prevista na regulamentação em vigor. A instituição financeira sujeita ao recolhimento compulsório de que trata esta Circular, não titular de conta Reservas Bancárias ou de Conta de Liquidação, deverá indicar a instituição financeira titular de conta Reservas Bancárias à qual serão encaminhadas as cobranças, pertinentes a custos financeiros e multas, e creditadas eventuais devoluções.

15 15 O saldo de encerramento diário da conta de recolhimento no BACEN, limitado a 64% da respectiva exigibilidade, receberá a seguinte remuneração, calculada com base na Taxa Selic, de que tratam os 1º e 3º do art. 2º da Circular 2.900/: R1/252 = S x [(1+Selic) - 1] onde: R = remuneração a ser creditada, expressa com duas casas decimais, com arredondamento matemático; S = saldo de encerramento da conta de recolhimento, limitado 64% aplicado à respectiva exigibilidade; Selic = Taxa Selic anual, no formato unitário, expressa com quatro casas decimais, referente à data do saldo a ser remunerado. O limite percentual será de 73% até o período de cálculo entre 9 e , cujo ajuste ocorrerá em Os valores relativos a operações contratadas até a data de publicação desta Circular e computados na forma da Circular 3.427/08, e alterações posteriores, permanecem válidos para fins de dedução do recolhimento estabelecido por ela, até o final dos respectivos prazos. Vigência: , produzindo efeitos a partir do período de cálculo entre 13 e , cujo ajuste ocorrerá em Revogações: Circulares 3.091/02, 3.427/08, 3.456/09, 3.468/09, 3.485/10, 3.513/10 e 3.542/11, bem como o art. 1º da Circular 3.528/11.

16 16 Cooperativas de Crédito Carta-Circular 3.511, de Ouvidoria Informa o procedimento de comunicação da dispensa de remessa do documento 5151 referente às atividades de ouvidoria pelas cooperativas centrais de crédito e confederações. A Resolução 3.489/10 dispõe sobre a instituição de componente organizacional de ouvidoria. Com base no disposto na norma supracitada, fica definido que as cooperativas centrais de crédito e confederações, que não tenham instituído componente organizacional único de ouvidoria para atuar em nome das respectivas cooperativas singulares de crédito, devem comunicar o BACEN a dispensa de remessa do documento 5151 Relatório de Atividades de Ouvidoria. A comunicação deve ser efetuada por meio da opção 1 da transação PESP 930 do Sisbacen, até o último dia útil do mês referente à data-base prevista para entrega, com a indicação, nos campos específicos, do CNPJ correspondente e do código 5151, além da seguinte declaração de confirmação da respectiva dispensa ao final do processo, com a adequada data-base: De acordo com a Resolução nº 3.849, de 25 de março de 2010, comunico que esta instituição não firmou convênio com cooperativas de crédito singulares para constituição de componente organizacional de ouvidoria único, estando, portanto, desobrigada do envio do documento Ocorrendo, a qualquer tempo, o estabelecimento de convênio para constituição de componente organizacional único de ouvidoria, a cooperativa central de crédito ou a confederação deverá, por meio da opção 2 da transação do Sisbacen, registrar o encerramento da dispensa do envio do documento Resolução 4.020, de Constituição e funcionamento Altera a Resolução 3.859/10, que dispõe sobre a constituição e o funcionamento de cooperativas de crédito. O artigo 37 da mencionada Resolução teve seu texto reformulado pela norma atual, passando a vigorar com a seguinte redação: A cooperativa central de crédito que, juntamente com a adoção de sistema de garantias recíprocas entre as singulares filiadas, realize a centralização financeira das disponibilidades líquidas dessas filiadas pode valer-se do limite de exposição por cliente de 10% da soma do PR total das filiadas, limitado ao PR da central, nas seguintes operações: depósitos e títulos e valores mobiliários de responsabilidade ou de emissão de uma mesma instituição financeira, empresas coligadas e, controladora e suas controladas, observado o disposto no 2º do art. 36; e concessão de créditos e garantias a filiadas, em operações previamente aprovadas pelo conselho de administração da cooperativa central quando não forem utilizados recursos referidos no 1º deste artigo. Vigência: Revogação: não há.

17 17 Não estão sujeitas ao limite de exposição por cliente as operações de crédito na forma de repasses e garantias a filiadas, envolvendo recursos captados ao amparo das normas do crédito rural e outras linhas de crédito ou programas de equalização de taxas de juros sujeitos a legislação específica, destinados à concessão de financiamentos a cooperados, observadas, adicionalmente, as seguintes condições: i. adoção, nos contratos firmados entre a cooperativa central e a cooperativa singular e entre a cooperativa singular e o cooperado, de cláusulas estabelecendo prerrogativa em favor da cooperativa central, passível de ser acionada a qualquer tempo e de forma independente, que permita realizar a cobrança, diretamente dos cooperados, das parcelas vincendas dos financiamentos individuais, na forma de endosso do título de crédito ou de outro ato jurídico cujos efeitos possibilitem a referida cobrança; ii. iii. assunção de coobrigação contratual por parte das cooperativas filiadas, na qualidade de fiadoras mutuamente solidárias, obrigando-se a cobrir imediatamente, em favor da cooperativa central, na proporção dos respectivos PRs, a falta de pagamento de parcelas relativas à liquidação do repasse devido por qualquer das coobrigadas; e adoção de sistemática de pagamentos das cooperativas singulares para a cooperativa central, relativamente à quitação dos recursos a elas repassados, que limite a cinco dias úteis a permanência, em cada cooperativa singular, dos recursos pagos pelos cooperados a título de liquidação dos financiamentos individuais, inclusive no caso de liquidação antecipada. A concessão de créditos e garantias ao amparo deve observar normas próprias, aprovadas pela assembléia geral da cooperativa central, relativas aos limites de crédito, garantias a serem observadas e outros aspectos julgados relevantes para o controle dos riscos decorrentes dessas operações. Para o cálculo do montante admissível de operações de crédito e de garantia em favor de determinada filiada, realizadas ao amparo do limite estabelecido acima, devem ser deduzidas as operações em aberto, devidas por essa filiada, realizadas segundo o limite de exposição por cliente estabelecido no art. 36, inciso II, alínea b. CPC Resolução 3.973, de Eventos Subsequentes Dispõe sobre procedimentos aplicáveis à contabilização e divulgação de eventos subsequentes ao período a que se referem as demonstrações financeiras. As instituições financeiras e as demais instituições autorizadas a funcionar pelo BACEN devem observar, na contabilização e divulgação de eventos subsequentes ao período a que se referem as demonstrações financeiras, o Pronunciamento Técnico CPC 24, aprovado pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). Os pronunciamentos do CPC citados no texto do CPC 24, enquanto não referendados por ato específico do Conselho Monetário Nacional (CMN), não podem ser aplicados. O disposto no presente normativo não se aplica às administradoras de consórcio, que seguirão as normas editadas pelo BACEN no exercício de sua competência legal. O BACEN disciplinará os procedimentos adicionais a serem observados na contabilização e divulgação das informações de que trata o presente normativo. Vigência: Revogação: não há. Vigência: Revogações: não há.

18 18 Resolução 3.989, de Pagamento Baseado em Ações Estabelece que as instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo BACEN devem observar o Pronunciamento Técnico CPC 10 (R1) Pagamento Baseado em Ações, na mensuração, reconhecimento e divulgação das transações com pagamento baseado em ações. O CPC 10 (R1) especifica procedimentos para reconhecimento e divulgação, nas demonstrações financeiras, das transações de pagamento baseado em ações realizadas por uma entidade. O Pronunciamento exige que os efeitos das transações de pagamentos baseados em ações estejam refletidos nos resultados e no balanço patrimonial da entidade, incluindo despesas associadas com transações na quais opções de ações são outorgadas a empregados. A norma alcança todas as transações com pagamento baseado em ações, sejam elas liquidadas pela entrega de instrumentos patrimoniais ou em caixa (ou a liberdade de escolher uma das opções) e inclui também aquelas transações liquidadas por outra entidade do mesmo grupo (ou acionista de qualquer outra entidade do grupo). Os pronunciamentos do CPC citados no CPC 10 (R1), enquanto não referenciados por ato específico do CMN, não pode ser aplicados. O disposto nesta Resolução não se aplica às administradoras de consórcio. O BACEN disciplinará os procedimentos a serem observados na elaboração e divulgação dos informações de que trata esta Resolução. Vigência: , produzindo efeitos a partir de Revogação: não há. Resolução 4.007, de Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro As instituições financeiras e as demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil devem observar o CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro, aprovado pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), em Políticas contábeis são os princípios, as bases, as convenções, as regras e as práticas específicas aplicadas pela entidade na preparação e na apresentação de demonstrações financeiras. Este CPC é aplicável na definição de critérios e alterações de políticas contábeis, mudanças de estimativas contábeis e correção de erros nas demonstrações financeiras. Mudança de política contábil ocorre quando for exigida por um Pronunciamento, Interpretação ou Orientação ou resultar em informações mais confiáveis, e deverá gerar efeitos retrospectivos nas demonstrações financeiras. Este procedimento requer divulgação ampla, inclusive com a reapresentação das demonstrações financeiras afetadas por esta mudança. Quando a entidade não antecipar adoção de nova norma já emitida, deverá divulgar tal fato e o possível impacto decorrente de sua aplicação, ou explicação acerca da impossibilidade. Mudança na estimativa contábil é um ajuste nos saldos contábeis de ativo ou de passivo, ou nos montantes relativos ao consumo periódico de ativos, que decorrem de nova informação ou inovações. Mudanças de estimativas contábeis geram efeitos prospectivos e requerem divulgação de efeitos nos períodos subsequentes. Erros de períodos anteriores são omissões e incorreções nas demonstrações financeiras de um ou mais períodos anteriores decorrentes da falta de uso, ou do uso incorreto, de informação confiável que estava disponível quando da autorização para divulgação das demonstrações financeiras e pudesse ter sido razoavelmente obtida e levada em consideração. Erros geram efeitos retrospectivos e requerem divulgação e reapresentação das demonstrações financeiras corrigidas ou ajuste dos saldos de abertura do período mais antigo apresentado, se o erro ocorreu antes desse período. Quando a entidade proceder à apresentação retroativa, por retificação de erro ou mudança de política contábil, é requerida a divulgação do balanço de abertura do período mais antigo apresentado, o que implicará na apresentação de três balanços patrimoniais (inclusive notas explicativas correspondentes). Os pronunciamentos citados no texto do CPC 23, enquanto não referendados por ato específico do Conselho Monetário Nacional, não podem ser aplicados. O BACEN disciplinará os procedimentos adicionais a serem observados na contabilização e divulgação das informações de que trata esta Resolução. Vigência: Revogação: não há.

19 19 Custo Efetivo Total CET Carta-Circular 3.504, de Divulgação Esclarece sobre a divulgação do Custo Efetivo Total (CET) em operações de crédito com recursos de instituições financeiras públicas de desenvolvimento. As operações de crédito realizadas com recursos de instituições financeiras públicas de desenvolvimento, a exemplo do BNDES, em que as normas operacionais dessas instituições prevejam todos os custos incidentes, inclusive a remuneração da instituição financeira repassadora, não estão alcançadas pelas disposições contidas no artigo 1 da Resolução 3.517/07, com redação dada pela Resolução 3.909/10. Vigência: Revogação: não há. Estrutura de Gerenciamento de Capital Resolução 3.988, de Implementação Esta Resolução dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento de capital. As instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo BACEN obrigadas a calcular o Patrimônio de Referência Exigido (PRE) na forma estabelecida na Resolução 3.490/07, devem implementar estrutura de gerenciamento de capital compatível com a natureza das suas operações, a complexidade dos produtos e serviços oferecidos e a dimensão de sua exposição a riscos. O disposto nesta Resolução não se aplica às administradoras de consórcio. Para os efeitos desta Resolução, define-se o gerenciamento de capital como o processo contínuo de: monitoramento e controle do capital mantido pela instituição; avaliação da necessidade de capital para fazer face aos riscos a que a instituição está sujeita; e planejamento de metas e de necessidade de capital, considerando os objetivos estratégicos da instituição.

20 20 No gerenciamento de capital, a instituição deve adotar uma postura prospectiva, antecipando a necessidade de capital decorrente de possíveis mudanças nas condições de mercado. A estrutura de gerenciamento de capital deve abranger todas as instituições do conglomerado financeiro, conforme o COSIF. A estrutura deve ainda considerar também os possíveis impactos no capital do conglomerado financeiro oriundos dos riscos associados às demais empresas integrantes do consolidado econômico-financeiro, definido na Resolução 2.723/00. A estrutura deve prever: mecanismos que possibilitem a identificação e avaliação dos riscos relevantes incorridos pela instituição, inclusive aqueles não cobertos pelo PRE; políticas e estratégias para o gerenciamento de capital claramente documentais, que estabelecem mecanismos e procedimentos destinados a manter o capital compatível com os riscos incorridos pela instituição; plano de capital abrangendo no mínimo três anos; simulações de eventos severos e condições extremas de mercado (testes de estresse) e avaliações de seus impactos no capital; relatórios gerenciais periódicos sobre a adequação do capital para a diretoria e para o conselho de administração, se houver; e Processo Interno de Avaliação da Adequação de Capital (ICAAP). Plano de Capital O plano de capital deve ser consistente com o planejamento estratégico e conter, no mínimo: metas e projeções de capital; principais fontes de capital da instituição; e plano de contingência de capital. Na elaboração do plano de capital devem ser consideradas, no mínimo: ameaças e oportunidades relativas ao ambiente econômico e de negócios; projeções dos valores de ativos e passivos, bem como das receitas e despesas; metas de crescimento ou de participação de mercado; e política de distribuição de resultados. ICAAP O ICAAP deve ser implementado pelas instituições que: possuem ativo total superior a 100 bilhões de Reais; tenham sido autorizadas a utilizar modelos internos de risco de mercado, de risco crédito ou de risco operacional; ou sejam integrantes de conglomerado financeiro, nos termos do COSIF, que possua ativo total superior a 100 bilhões de Reais e seja composto por pelo menos um banco múltiplo, comercial, de investimento, de desenvolvimento, de câmbio ou caixa econômica. Ficam dispensados de implementar o ICAAP os bancos cooperativos, as cooperativas de crédito, as associações de poupança e empréstimo, as companhias hipotecárias, as agências de fomento, as sociedades corretoras de títulos e valores mobiliárias, as sociedades corretoras de câmbio, as sociedades distribuidoras de títulos e valores mobiliários, as sociedades de arrendamento mercantil, as sociedades de crédito ao microempreendedor e à empresa de pequeno porte, as sociedade de crédito, financiamento e investimento, as sociedades de crédito imobiliário, bem como as demais instituições que não se enquadrem no disposto acima. A descrição da estrutura de gerenciamento de capital deve ser evidenciada em relatório de acesso público, com periodicidade mínima anual. Um resumo da descrição deverá ser publicado em conjunto com as demonstrações financeiras, indicando o endereço de acesso público ao relatório. Deverá ser indicado um diretor responsável pelos processos e controles relativos à estrutura pelos processos e controles relativos à estrutura de gerenciamento de capital, que poderá desempenhar outras funções na instituição, exceto as relativas à administração de recursos de terceiros. O processo de gerenciamento de capital deve ser avaliado pela auditoria interna. A estrutura de gerenciamento de capital deve estar implementada até , observando o seguinte cronograma: y até indicação do diretor responsável e definição da estrutura organizacional para implementação do gerenciamento de capital; y até definição da política institucional, dos processos, dos procedimentos e dos sistemas necessários à sua efetiva implementação; y até efetiva implementação da estrutura de gerenciamento de capital, com exceção do ICAAP; y até efetiva implementação do ICAAP. Caso a avaliação da necessidade de capital pela instituição financeira aponte para um valor acima do PRE, a instituição deve manter capital compatível com os resultados das suas avaliações internas. Vigência: Revogação: não há.

Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento de capital.

Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento de capital. RESOLUCAO 3.988 Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento de capital. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que o Conselho

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014.

CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014. CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe sobre os procedimentos para a remessa das informações relativas às exposições ao risco de mercado e à apuração das respectivas parcelas no cálculo

Leia mais

BACEN. Regulatory Practice News. Limites operacionais. Correspondentes no País

BACEN. Regulatory Practice News. Limites operacionais. Correspondentes no País Regulatory Practice News Outubro 2014 BACEN Correspondentes no País Circular 3.722, de 07.10.2014 Procedimentos de contabilização da remuneração Esta Circular altera a Circular 3.693/13, que estabelece

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.248. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.346, de 28/3/2007.

CIRCULAR Nº 3.248. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.346, de 28/3/2007. CIRCULAR Nº 3.248 Documento normativo revogado pela Circular nº 3.346, de 28/3/2007. Dispõe sobre a transferência de recursos de que tratam os arts. 3º e 8º da Lei 9.311, de 1996, e 85 do Ato das Disposições

Leia mais

Bacen. Remessa de Documentos REGULATORY PRACTICE NEWS. Financial Services. Resolução 3.908, de 30.09.2010 Consulta a informações

Bacen. Remessa de Documentos REGULATORY PRACTICE NEWS. Financial Services. Resolução 3.908, de 30.09.2010 Consulta a informações REGULATORY PRACTICE NEWS Financial Services Resolução 3.908, de 30.09.2010 Consulta a informações Bacen Outubro 2010 Remessa de Documentos Circular 3.510, de 26.10.2010 Substituição Altera os procedimentos

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.347. Art. 2º O CCS consiste em sistema informatizado, sob a gestão do Banco Central do Brasil, com a capacidade de:

CIRCULAR Nº 3.347. Art. 2º O CCS consiste em sistema informatizado, sob a gestão do Banco Central do Brasil, com a capacidade de: CIRCULAR Nº 3.347 Dispõe sobre a constituição, no Banco Central do Brasil, do Cadastro de Clientes do Sistema Financeiro Nacional (CCS). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão realizada

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.954. Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País.

RESOLUÇÃO Nº 3.954. Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País. RESOLUÇÃO Nº 3.954 Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.721. Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento do risco de crédito.

RESOLUÇÃO Nº 3.721. Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento do risco de crédito. RESOLUÇÃO Nº 3.721 Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento do risco de crédito. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

RESOLUÇÃO N 2519. Art. 1º Alterar o art. 11 do Regulamento anexo à Resolução nº 1.980, de 30.04.93, que passa a vigorar com a seguinte redação:

RESOLUÇÃO N 2519. Art. 1º Alterar o art. 11 do Regulamento anexo à Resolução nº 1.980, de 30.04.93, que passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUÇÃO N 2519 Documento normativo revogado pela Resolução 3.005, de 30/07/2002. Dispõe sobre o direcionamento dos recursos captados em depósitos de poupança pelas entidades integrantes do Sistema Brasileiro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 351. Paulo H. Pereira Lira Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

RESOLUÇÃO Nº 351. Paulo H. Pereira Lira Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. RESOLUÇÃO Nº 351 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 12 de novembro de 1975,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.005 de 30 de julho de 2002.

RESOLUÇÃO Nº 3.005 de 30 de julho de 2002. RESOLUÇÃO Nº 3.005 de 30 de julho de 2002. Dispõe sobre o direcionamento dos recursos captados em depósitos de poupança pelas entidades integrantes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE).

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

Conhecimentos bancários Parte 1

Conhecimentos bancários Parte 1 Conhecimentos bancários Parte 1 Prezados Amigos Seguem minhas análises sobre a prova do Banrisul. Contudo, entendam que uma assertiva para estar certa não precisa ser verdade. Na minha visão as seguintes

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

Regulatory Practice News

Regulatory Practice News BANKING Regulatory Practice News Novembro 2009 FINANCIAL SERVICES Bacen Instrumentos Financeiros Circular 3.474, de 11.11.2009 Registro A Resolução 2.770/00 (vide RP News ago/00) altera e consolida as

Leia mais

Regulatory Practice News

Regulatory Practice News kpmg SETOR DE APOIO REGULAMENTAR (SAR) Regulatory Practice News Maio 2005 FINANCIAL SERVICES BACEN Depósitos de poupança Carta-Circ. 3188, de 10.05.05 Cumprimento da exigibilidade A Carta-Circular 3174/05

Leia mais

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95 CIRCULAR Nº 2568/95 Altera a classificação de fatores de risco de operações ativas, bem como os procedimentos para contabilização de operações de cessão de crédito e de receitas e despesas a apropriar.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições financeiras que especifica. O Banco Central do Brasil,

Leia mais

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUCAO 3.308 --------------- Altera as normas que disciplinam a aplicação dos recursos das reservas, das provisões e dos fundos das sociedades seguradoras, das sociedades de capitalização e das entidades

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN)

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) 1. As normas e os procedimentos, bem como as Demonstrações Contábeis padronizadas

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 4.000, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 Altera e consolida as normas que dispõem sobre a realização de operações de microcrédito destinadas à população de baixa renda e a microempreendedores. Altera

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE 67.424 76.165 DISPONIBILIDADES 4 5.328 312 TITULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INTRUMENTOS

Leia mais

Depósitos Compulsórios

Depósitos Compulsórios Diretoria de Política Econômica Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais Depósitos Compulsórios com informações até março de 2015 S é r i e Perguntas Mais Frequentes Depósitos

Leia mais

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08)

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Divulga procedimentos mínimos necessários para o desempenho do estabelecido pela Circular 3.400, de 2008, no cumprimento das atribuições especiais das cooperativas

Leia mais

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l R e s o l u ç ã o 3 7 9 0 B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l S u m á r i o SEÇÃO I: DA ALOCAÇÃO DOS RECURSOS E DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS... 1 Subseção I: Da Alocação dos Recursos... 1 Subseção

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2.747. II - endereços residencial e comercial completos; (NR) III - número do telefone e código DDD;

RESOLUÇÃO Nº 2.747. II - endereços residencial e comercial completos; (NR) III - número do telefone e código DDD; RESOLUÇÃO Nº 2.747 Altera normas relativas à abertura e ao encerramento de contas de depósitos, a tarifas de serviços e ao cheque. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.433, DE 23 DE JULHO DE 2015. Brasil. CAPÍTULO I DO OBJETO E DO ÂMBITO DE APLICAÇÃO

RESOLUÇÃO Nº 4.433, DE 23 DE JULHO DE 2015. Brasil. CAPÍTULO I DO OBJETO E DO ÂMBITO DE APLICAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 4.433, DE 23 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre a constituição e o funcionamento de componente organizacional de ouvidoria pelas instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar

Leia mais

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias 1 - Os títulos e valores mobiliários adquiridos por instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central

Leia mais

INFORME JURÍDICO. Mercado Financeiro e de Capitais AGOSTO - SETEMBRO/13

INFORME JURÍDICO. Mercado Financeiro e de Capitais AGOSTO - SETEMBRO/13 INFORME JURÍDICO Mercado Financeiro e de Capitais AGOSTO - SETEMBRO/13 BACEN CIRCULAR Nº 3.666, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 Altera e consolida as normas relativas à apuração da base de cálculo e ao recolhimento

Leia mais

Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE)

Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE) Depósito a Prazo com Garantia Especial do FGC (DPGE) 1. O depósito criado pela Resolução 3.692/09 do CMN é um RDB (Recibo de Depósito Bancário) ou um CDB (Certificado de Depósito Bancário)? R. É um Depósito

Leia mais

Regulatory Practice - Bancos Principais normativos emitidos em 2007

Regulatory Practice - Bancos Principais normativos emitidos em 2007 BANKING Regulatory Practice - Bancos Principais normativos emitidos em 2007 SETOR DE APOIO REGULAMENTAR (SAR) FINANCIAL SERVICES Regulatory Practice 2007 Bancos é uma publicação do Setor de Apoio Regulamentar

Leia mais

BACEN. Regulatory Practice News. Instituições do Sistema Financeiro Nacional (Cosif). Vigência: 29.06.2015 Revogação: não há. Benefícios a empregados

BACEN. Regulatory Practice News. Instituições do Sistema Financeiro Nacional (Cosif). Vigência: 29.06.2015 Revogação: não há. Benefícios a empregados Regulatory Practice News Junho de 2015 BACEN Benefícios a empregados Resolução 4.424, de 25.06.2015 Registro contábil e evidenciação de benefícios a empregados Dispõe que as instituições financeiras e

Leia mais

Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983.

Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983. 1 RESOLUÇÃO Nº 519 Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL,

Leia mais

NOVIDADES E PERSPECTIVAS

NOVIDADES E PERSPECTIVAS nº9/02 - SETEMBRO 2002 NOVIDADES E PERSPECTIVAS Mercado Financeiro e Mercado de Valores Mobiliários NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS PELA INTERNET NESTA EDIÇÃO Negociação de Valores Mobiliários pela Internet

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

a) agências de turismo e prestadores de serviços turísticos; b) embaixadas, legações estrangeiras e organismos internacionais;

a) agências de turismo e prestadores de serviços turísticos; b) embaixadas, legações estrangeiras e organismos internacionais; SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. Podem ser titulares de contas em moeda estrangeira no País na forma da legislação e regulamentação em vigor, observadas as disposições deste título: a) agências de turismo

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera as Instruções CVM n 247, de 27 de março de 1996 e 331, de 4 de abril de 2000. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução;

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução; RESOLUÇÃO Nº 2689 Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

O acordo da Basiléia:

O acordo da Basiléia: Soluções e serviços Serasa Experian e a Resolução CMN/BACEN 3.721/09 1 O acordo da Basiléia: Conjunto de recomendações visando melhoramento das práticas de supervisão bancária e aperfeiçoamento de ferramentas

Leia mais

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento;

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento; CAPÍTULO : 10 - Viagens Internacionais, Cartões de Uso Internacional e Transferências Postais SEÇÃO : 1 - Viagens Internacionais 1. Esta seção trata das compras e das vendas de moeda estrangeira, inclusive

Leia mais

DIRETORIA COLEGIADA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA FINANCEIRO E DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO

DIRETORIA COLEGIADA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA FINANCEIRO E DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO DIRETORIA COLEGIADA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA FINANCEIRO E DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO CARTA-CIRCULAR Nº 3.389, DE 26 DE MARÇO DE 2009 Altera e consolida os procedimentos

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.330. Art. 2º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

CIRCULAR Nº 3.330. Art. 2º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. CIRCULAR Nº 3.330 Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão extraordinária realizada em 27 de outubro de 2006,com

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003

INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e de

Leia mais

CIRCULAR Nº 2824. Documento normativo revogado pela Circular 3386, de 16/11/2008.

CIRCULAR Nº 2824. Documento normativo revogado pela Circular 3386, de 16/11/2008. CIRCULAR Nº 2824 Documento normativo revogado pela Circular 3386, de 16/11/2008. Altera procedimentos para reavaliação de imóveis de uso próprio por parte de instituições financeiras, demais instituições

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3622 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 3622 RESOLVEU: RESOLUÇÃO Nº 3622 Dispõe sobre as operações de redesconto e de empréstimo de que trata a Medida Provisória n 442, de 6 de outubro de 2008, e dá outras providências. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma

Leia mais

BACEN. Regulatory Practice News. Regulamentação do compulsório. Mercado de câmbio

BACEN. Regulatory Practice News. Regulamentação do compulsório. Mercado de câmbio Regulatory Practice News Maio de 2015 BACEN Mercado de câmbio Carta Circular 3.707, de 29.05.015 Credenciamento e descredenciamento de instituições dealers Altera a Carta Circular 3.601/13, que divulgou

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014.

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. Regulamenta a Lei nº 1.775, de 10 de junho de 2014, dispondo sobre o modelo, requisitos, emissão e cancelamento da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e, institui

Leia mais

Medidas de política econômica

Medidas de política econômica Medidas de política econômica Medidas relacionadas ao sistema financeiro e ao mercado de crédito Resolução nº 2.673, de 21.12.1999 - Estabeleceu novas características das Notas do Banco Central do Brasil

Leia mais

I. OBJETIVO II. ORIENTAÇÕES GERAIS

I. OBJETIVO II. ORIENTAÇÕES GERAIS Instruções de Preenchimento das Informações do Demonstrativo de Limites Operacionais (DLO) para Cooperativas de Crédito Optantes pelo Regime Prudencial Simplificado Carta-Circular 3.471/2010 I. OBJETIVO

Leia mais

BACEN. Recolhimento compulsório Circular 3.712, de 24.07.2014 Recolhimento compulsório sobre recursos à vista e a prazo

BACEN. Recolhimento compulsório Circular 3.712, de 24.07.2014 Recolhimento compulsório sobre recursos à vista e a prazo Regulatory Practice News Julho 2014 BACEN Recolhimento compulsório Circular 3.712, de 24.07.2014 Recolhimento compulsório sobre recursos à vista e a prazo Altera a Circular 3.622/12, que dispõe sobre o

Leia mais

Perguntas Frequentes - Tributação

Perguntas Frequentes - Tributação 1. Tributação do Ganho de Capital Perguntas Frequentes - Tributação 1.1 - Como é feita a tributação dos ganhos obtidos com a alienação de ações? A tributação é feita em bases mensais, ou seja: o ganho

Leia mais

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 www.pwc.com Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 PIS e COFINS sobre receitas financeiras Maio, 2015 Avaliação de Investimento & Incorporação, fusão, cisão Breve histórico da tributação pelo PIS

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente;

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente; INSTRUÇÃO CVM N o 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em novembro de 2010 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

COSIF PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL. Cláudio Filgueiras Pacheco Moreira Brasília 25 de setembro de 2015

COSIF PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL. Cláudio Filgueiras Pacheco Moreira Brasília 25 de setembro de 2015 COSIF PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Cláudio Filgueiras Pacheco Moreira Brasília 25 de setembro de 2015 AGENDA Resumo Contabilidade das Instituições Financeiras e o COSIF

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06 TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM N os 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06. Dispõe sobre a Constituição de funcionamento de Clubes

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

BACEN. Regulatory Practice News

BACEN. Regulatory Practice News Regulatory Practice News Julho de 2015 BACEN Ouvidoria Resolução 4.433, de 23.07.2015 - Constituição e funcionamento de componente organizacional Esta Resolução revoga e substitui a Resolução 3.849/10,

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente;

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente; INSTRUÇÃO CVM N o 382, 28 DE JANEIRO DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.568 CAPÍTULO I. Art. 3º Os agentes autorizados a operar no mercado de câmbio podem realizar as seguintes operações:

RESOLUÇÃO Nº 3.568 CAPÍTULO I. Art. 3º Os agentes autorizados a operar no mercado de câmbio podem realizar as seguintes operações: RESOLUÇÃO Nº 3.568 Dispõe sobre o mercado de câmbio e dá outras providências. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DO MERCADO DE CÂMBIO E CAPITAIS INTERNACIONAIS TÍTULO : 1 - Mercado de Câmbio CAPÍTULO : 11 - Exportação SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais

REGULAMENTO DO MERCADO DE CÂMBIO E CAPITAIS INTERNACIONAIS TÍTULO : 1 - Mercado de Câmbio CAPÍTULO : 11 - Exportação SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. Este capítulo dispõe sobre as operações no mercado de câmbio relativas às exportações brasileiras de mercadorias e de serviços. 2. O exportador de mercadorias ou de serviços

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR AEX Nº 007/2015, de 22 de junho de 2015.

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR AEX Nº 007/2015, de 22 de junho de 2015. BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AEX Nº 007/2015, de 22 de junho de 2015. Ref.: Circular AEX nº 001/2015, de 30 de janeiro de 2015. Ass.: Alteração das Normas Operacionais

Leia mais

Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários

Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários BANCO CENTRAL DO BRASIL O Banco Central do Brasil, criado pela Lei 4.595, de 31.12.1964, é uma autarquia federal, vinculada ao Ministério da Fazenda, que tem

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

RESOLUÇÃO 3.922 -------------------------

RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O Banco Central

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 76, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 76, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 76, DE 2014 Altera a Lei nº 8.894, de 21 de junho de 1994, para isentar de IOF as operações de câmbio efetuadas por bolsistas brasileiros em estudo no exterior. O CONGRESSO

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em fevereiro de 2009 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

FORPART S.A. - EM LIQUIDAÇÃO

FORPART S.A. - EM LIQUIDAÇÃO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 Demonstrações Contábeis Em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório da Administração e do Liquidante Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 531, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2013

INSTRUÇÃO CVM Nº 531, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2013 Altera dispositivos da Instrução CVM nº 356, de 17 de dezembro de 2001 e da Instrução CVM nº 400, de 29 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1748. Documento normativo revogado pela Resolução 2682, de 21/12/1999, a partir de 01/03/2000.

RESOLUÇÃO Nº 1748. Documento normativo revogado pela Resolução 2682, de 21/12/1999, a partir de 01/03/2000. RESOLUÇÃO Nº 1748 01/03/2000. Documento normativo revogado pela Resolução 2682, de 21/12/1999, a partir de Altera e consolida critérios para inscrição de valores nas contas de créditos em liquidação e

Leia mais

BACEN. Regulatory Practice News

BACEN. Regulatory Practice News Regulatory Practice News Setembro 2014 BACEN Mercados financeiro e de capitais no País Resolução 4.373, de 29.09.2014 - Aplicações de investidor não residente no Brasil Esta Resolução dispõe sobre aplicações

Leia mais

4. Operações Interfinanceiras de Liquidez, Operações com Títulos e Valores Mobiliários e Derivativos

4. Operações Interfinanceiras de Liquidez, Operações com Títulos e Valores Mobiliários e Derivativos 1 4. Operações Interfinanceiras de Liquidez, Operações com Títulos e Valores Mobiliários e Derivativos 1. Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias 1 - Os títulos e valores mobiliários

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi...

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi... Page 1 of 8 Aplicações Financeiras - Renda Fixa e Renda Variável 617 Quais são as operações realizadas nos mercados financeiro e de capital? Nesses mercados são negociados títulos, valores mobiliários

Leia mais

S a c h o Auditores Independentes Auditoria e Assessoria

S a c h o Auditores Independentes Auditoria e Assessoria CLIPPING COMENTÁRIOS, REGULAMENTAÇÕES E NORMATIVOS SOCIEDADES CORRETORAS, COOPERATIVAS DE CRÉDITO, ADMINISTRADORAS DE CONSÓRCIO, E INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS EM GERAL Nº 11 ref: Março/2009 São Paulo, 20

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.376. Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI).

CIRCULAR Nº 3.376. Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). CIRCULAR Nº 3.376 Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão realizada em 7 de fevereiro de 2008, com base

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.531. Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI).

CIRCULAR Nº 3.531. Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). CIRCULAR Nº 3.531 Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão realizada em 13 de abril de 2011, com base no

Leia mais

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF)) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 2: PASSIVO EXIGÍVEL E RECEITAS DIFERIDAS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DATA-BASE: JANEIRO/2014 PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 Sandra Figueiredo 1. Aspectos econômicos e jurídicos das instituições financeiras O Aparecimento das instituições financeiras foi motivado pelas relações

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL NORMATIVOS INTERNOS POLÍTICA Vigência: 08/09/2015 POLÍTICA DE Abrangência: Haitong Banco de Investimento do Brasil S/A Haitong Securities do Brasil CCVM S/A Haitong do Brasil DTVM S/A 1 ÍNDICE 1. OBJETIVO...

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais