A Utilização da Análise por Envoltória de Dados na Liberação de Crédito em uma Agência Bancária no Rio Grande do Sul

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Utilização da Análise por Envoltória de Dados na Liberação de Crédito em uma Agência Bancária no Rio Grande do Sul"

Transcrição

1 A Utlzação da Aálse po Eoltóa de Dados a Lbeação de Cédto e a Agêca Bacáa o Ro Gade do Sl Daae de Fáta Dos Satos Beo Ucz Elae Sel Eelg Pa Ucz Katsca Schee Vagas UFSM Gle Lz de UFSM Reso:O pesete tabalho te coo base o estdo dos cletes epesaas da agêca do Baco do Estado do Ro Gade do Sl (Basl), agêca de Júlo de Castlhos. Vsa a ao dsseação da técca DEA (Data Eelopet Aalss), deostado à sttção potos qe pode se tabalhados e elação à aálse de cédto de foa a apefeçoá-la e ass podedo se de apote à elho toada de decsão. A pesqsa caacteza-se coo de ateza qaltata e de acodo co ses objetos classfca-se e descta. A técca apesetada, DEA, deosto se de gade ala coo sbsído a toada de decsão podedo tabé se tlzada a slação de dfeetes stações, beefcado tato a socedade qato a sttção qe passa a toa as decsões co base e aálses possíes, atgíes e cocetas, ddo o sco e elação ao etoo de ses estetos. Nota-se qe a aáel aalsada deosta te ao eleâca paa a dstção ete os cletes, esta copeede os pedetos, e sepe cosdeados as aálses bacáas po estae ele clídos todos e qasqe atasos efeetes a pagaetos, po as qe teha sdo eglazados posteoete. Palaas Chae: Aálse de Cédto - Toada de Decsão - DEA - -

2 1. INTRODUÇÃO A aea coo as ogazações são gedas fleca detaete a socedade. Peea e Maqes (1997) see a déa de qe costateete os adstadoes toa decsões qe sozhas o soadas, afeta gpo, a ogazação o toda a polítca. Váos étodos ala esta toada de decsão, apeseta-se etão, a Pesqsa Opeacoal coo a das possbldades efcazes a se tlzada as ogazações. O so de aálse de eoltóa de dados (Data Eelopet Aalss DEA) paa ed a efcêca elata dos cletes, coo dades podtas, te se ostado bastate atato e desos setoes de aplcação, cofoe ctado po Goes et al (25). Nesse atgo seá tlzada a etodologa DEA, costída co os dados coletados, de odo a aalsa o qado de cletes poposto coo dades podtas e aala qas aáes fleca e caacteza o qado dos elhoes cletes. Os efedos cletes caactezase coo os qe tlza os seços dspoblzados pela sttção facea sob aálse de odo coeete e eqlbado. O plaejaeto e estdo, salzado o fto co teção de alcaça deteada patcpação do ecado e qe ata, ão é caacteístca da gade aoa das epesas. O scesso pode se potecalete zado. Co esta pesqsa acedta-se qe pode se leatadas e estgadas qestões potates paa o deseoleto de a agêca bacáa e atfca o odelo de aálse tlzado pela sttção, sado sepe o aílo a edção da adplêca dessas sttções. Os dados esltates da aálse po eoltóa de dados podeão ala a codção das atdades tato teas qato eteas, alé de possblta a ao odeação e taspaêca das estatégas a see pleetadas, toado a epesa as copetta e dfeecada e elação aos cocoetes. Taz-se coo poblea de pesqsa se a feaeta DEA é a opção ecoedáel a aalação das aáes, cosdeadas pepodeates a aálse de lbeação de cédto aos cletes e a agêca bacáa. 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A falta de coheceto dos pobleas qe a epesa efeta o abete e qe ata eplca po qe tas delas, eso co íco posso, ão cosege pepetação o ecado. Po sso é fdaetal qe se coheça as casas qe oga estes pobleas, as possíes alteatas de solção e o pacto de cada a delas tea e eteaete. Gestão estatégca o adstação estatégca é o pocesso de adaptação cotía qe as ogazações tê de efeta, dado hábtos, tepeaeto, clta, estatégas, postas, o setdo de adaptado-se às tblêcas do eo abete e às tedêcas ftas, agega alo paa o clete, segdo a costate e teáel bsca da ecelêca, o qe ablzaá a sa sobeêca e logo pazo. (TACHIZAWA E REZENDE, 22, pág. 27). Na são de Dos e Pocao (22) a eta da adstação facea estatégca é aza o alo da copaha, a gestão be scedda eqe o eqlíbo de a sée de fatoes e ão este egas qe gaata o scesso sob todas as ccstâcas, dee cosdea tabé o sco opeacoal e faceo, a atdade dos gahos e as polítcas de ddedos. Tato Matas (27) qato Dos e Pocao (22) cta o cédto coo dos pcpas tes da gestão de captal de go, sedo de etea potâca a alaacage das edas e esposáel po gade pate dos ecsos aplcados o ato cclate, os ecasos de cédto são fdaetas coo otadoes das tocas coecas. As

3 polítcas de cédto dee fa os paâetos da ogazação e elação à lbeação e cocessão de cédto. Daaete efeta-se a fdade de pobleas copleos e todas as áeas do coheceto e po essa azão a odelage toa-se essecal a tatabldade de odelos copleos, os odelos os pete splfca o do etado a copledade e eesbldade da ealdade. De acodo co Adade (2), a pesqsa opeacoal é a etodologa adstata qe agega, e sa teoa, qato cêcas fdaetas paa o pocesso decsóo: ecooa, ateátca, estatístca e coptação, apesetado-se ass coo a possbldade a aálse de lbeação de cédto, a das téccas estetes a pesqsa opeacoal é a DEA. Péco, Rebelatto e Sataa (28) defe a aálse po eoltóa de dados coo a técca geecal tlzada paa a aalação e a copaação de dades ogazacoas. Ao egloba gade úeo de foações, tasfoado-as e úco ídce de efcêca global, essa técca ala a toada de decsões. E cosoâca co Jo e Gaspa (26) este tabalho tlza a etodologa de aálse eoltóa de dados DEA, cja estação é obtda pelo étodo de pogaação lea. O étodo DEA, po sa ez, é desehado especfcaete paa estação de foteas (eoltóas) e eqe apeas algas popedades copoadas ao pocesso podto. A abodage po DEA, qe tlza pogaação lea paa esta a fotea efcete (lea po pates), é capaz de copoa desos pts (etadas, ecsos, sos o fatoes de podção) e otpts (saídas o podtos) paa o cálclo da efcêca de dades toadoas de decsão, desgadas po DMUs (Decso Makg Uts). As popedades estatístcas dos estadoes das fções de podção obtdas co o so de DEA pode se stas e Soza (23 apd GOMES et al., 25). Goes et al. (25) epõe qe os pobleas de pogaação lea (PPLs) de DEA apefeçoa cada obseação ddal co o objeto de calcla a fotea de efcêca, deteada pelas dades efcetes. Essas dades see coo efeêca o bechak 1 paa as dades efcetes. Há dos odelos DEA clásscos. a) Modelo CCR: Casa Noa (22 apd PÉRICO, REBELATTO e SANTANA, 28) cta qe o odelo CCR (tabé cohecdo po CRS o Costat ets to scale) fo deseoldo po Chaes, e qe esse odelo pete a aalação objeta da efcêca global e detfca as fotes e a estata de otates das efcêcas detfcadas tabalha co etoos costates de escala e asse popocoaldade ete pts e otpts. O odelo CCR oetado paa pts a Eqação 1, cofoe Péco, Rebelatto e Sataa (28, pág. 4) qe cta: O objeto cetal do odelo CCR co oetação paa o pt é bsca a efcêca a pat de alteações (edções) os íes de pt (sos), atedo costate o íel de podto (otpt), cosdeado o etoo costate de escala. 1 Método ssteátco de poca os elhoes pocessos, as déas oadoas e os pocedetos de opeação as efcazes qe codza a desepeho speo.

4 Ma Sjeto Cosdea j 1 1,, k h j otpts pts 1,..., 1,..., k pesos a 1 N : 1 A pea estção pode se defda coo o esltado da epesa, pos ada as é do qe a sbtação dos podtos (soatóo das qatdades podzdas ltplcadas pelos pesos dos podtos) dos sos (soatóo dos sos cosdos ltplcados pelos espectos pesos). Ele está ltado a ( zeo). Dessa foa, as epesas efcetes obteão esltado (zeo). A segda estção é o soatóo da ltplcação das qatdades cosdas pelos pesos específcos paa a epesa K, deedo se gal a 1(). Se a epesa K fo efcete, hk seá gal a 1(). Se ão fo, obteá dcado sepe feo a 1(). z 1 do o o : ; j k saídas etadas 1,..., ; ; e ; O Modelo CCR oetado paa otpts, Eqação 2, cofoe Péco, Rebelatto e Sataa (28, pág. 4) ode: o objeto do odelo CCR co oetação ao otpt é a azação do íel de podção, tlzado, o áo, o coso de pts obseados. As estções são as esas do odelo CCR co oetação paa o pt. M Sjeto Cosdea j 1 1 ;, h j k k otpts 1,..., 1,... pesos N a : do ; ; : ; j k pts 1,..., ; ; e Péco, Rebelatto e Sataa (28) ada efatza qe o dcado de efcêca do odelo CCR dca a edda de podtdade global, deoada de dcado de efcêca podta. b) Modelo BCC: E Feaza, Gedes e Goes (28) é possíel efca qe o odelo BCC, deseoldo po Bake, Chaes, Coope (1984) sg coo a foa esltate da (1) (2)

5 patção da efcêca do odelo CCR e das copoetes: a efcêca técca e a efcêca de escala. A edda de efcêca técca, esltate do odelo BCC, detfca a coeta tlzação dos ecsos à escala de opeação da DMU. A efcêca de escala é gal ao qocete da efcêca BCC co a efcêca CCR e dá a edda da dstâca da DMU e aálse até a DMU fctíca, qe opea co o taaho da escala as podto. Modelo BCC oetado paa pts cofoe Péco, Rebelatto e Sataa (28) deostado a Eqação 3 ode: o objeto cetal do odelo BCC co oetação paa o pt é bsca a efcêca a pat de alteações (edções) os íes de pt (sos), atedo costate o íel de podto (otpt), cosdeado o etoo aáes de escala. Ma Sjeto Cosdea j 1 1,, k j 1 otpts 1,..., 1,..., pesos N a 1 : 1 do ; ; k : ; j 1,..., k pts k ; e ; Modelo BCC oetado paa otpts cofoe Péco, Rebelatto e Sataa (28) deostado a Eqação 4 ode: o objeto do odelo BCC co oetação ao otpt é a azação do íel de podção, tlzado, o áo, o coso de pts obseados. (3) M Sjeto 1 a : k k 1 1 ; k j 1 Cosdea do : otpts ; pts ;, pesos ; 1,..., ; 1,..., ; e j 1,..., N 1 j k (4) 3. MÉTODO A pesqsa caacteza-se coo a pesqsa eploatóa, eplcata po te coo objeto a descção das caacteístcas dos cletes do Baco do Estado do Ro Gade do Sl agêca Júlo de Castlhos e detfcado os fatoes qe cotbía paa qe estes se toe adpletes as opeações cotatadas co o baco. É caactezada coo bblogáfca e

6 docetal dedo à fote de dados de pesqsas e los e atgos cetífcos e docetos de íel geecal do Basl dspoblzados pela geêca da agêca de Júlo de Castlhos. Apeseta-se coo qattata, co a aplcação do étodo de abodage dedto e copaato dedo ao cofotaeto de dados a bsca de aáes seelhates e deteates ete estes e a pedoâca do étodo estatístco caactezado pela aálse do feôeo da adplêca, ocodo de odo epetto e aleatóo. O eso do pesete estdo copeede os cletes de pessoa jídca, a poplação defda são os cletes epesaas da agêca do Baco do Estado do Ro Gade do Sl, a cdade de Júlo de Castlhos, os qas são e úeo de 448. Po eo da aosta estatfcada dde-se a poplação alo da pesqsa e dos gpos, cletes adpletes e adpletes paa esta dsão ebasa-se a adplêca das opeações, tlzação dos podtos/seços ofeecdos. A seleção é ealzada tedo po base elatóos efeetes aos aoes saldos e oetos e as aoes coposções de dída tegates dos cédtos e lqdação da agêca. Depos de selecoado o gpo, selecoase aleatoaete te cletes de cada dos gpos ctados sedo estes cletes tegates do gpo de pessoas jídcas. A aosta efeda caacteza-se coo pobablístca tedo e sta a possbldade de acesso a todos os eleetos da poplação. E elação à qatdade de cletes selecoados, atedea-se as egêcas de úeo ío de dades aalsadas, sedo este úeo, tês ezes o úeo de aáes aalsadas. Após a seleção das dades sege-se co a seleção das aáes qe seão aplcadas ao odelo escolhdo. Ls e Meza (22 apd SANTANA, 28, pág. 93) destaca qe as das aeas paa a seleção de aáes co esltados satsfatóos. Ua delas ecoe à opão do teessado, seja ele sáo e/o especalsta, deedo lea e cosdeação algas qestões, a sabe: a) Se a aáel cl a aálse de foações ecessáas qe ão teha sdo clídas e otas aáes; b) Se a aáel se elacoa o cotb paa o as objetos de sa aplcação; c) Se os dados são segos; d) Se as aáes eplca a efcêca de a dade. A ota aea tlzada cosste e pat do so da aálse da coelação, spado do étodo stepwse (passo a passo), paa a seleção e odelos de egessão lea. Segdo etodologa ctada po Ls e Meza (22 apd SANTANA, 28) tlzose a opão do pesqsado paa a seleção das aáes. Po deteação da Le Copleeta 15/21 qe tata do sglo das opeações das sttções faceas, os dados de cada clete, foecdos pela agêca bacáa, seão apesetados se cote o oe destes, sedo sbsttídos os oes po úeos qe dcaão cada clete selecoado. A coleta de dados de-se detaete co a geêca da agêca colaboadoa, a qal dspoblzo os etatos cosoldados dos cletes defdos a aostage, sedo o etato ctado o cadasto teo do baco efedo a cada clete ode costa todos os dados de cho pessoal, pofssoal, be coo stação edate ógãos faceos e opeações e seços tlzados, ataés dos qas seão defdas as aáes copoetes da aálse po eoltóa de dados.

7 Os dados coletados po eo do etato cosoldado, de cada clete selecoado foa tablados o softwae Mcosoft Ecel, de foa a possblta a salzação aálse e seleção das aáes, e segda foa defda as aáes pepodeates e eleates as qas tegaão o odelo ateátco a se costído. Paa o tataeto dos dados do odelo ateátco tlzo-se o softwae SIAD V3 deseoldo a f de calcla os esltados odos dos odelos DEA. O SIAD, cofoe Mello et al., (25), fo deseoldo, paaete, paa calcla todos os esltados dos odelos DEA clásscos (efcêca, pesos, alos, bechaks e folgas). Módlos adcoas de DEA ê sedo copoados, coo a possbldade de adcoa estções aos pesos (dos tpos Regões de Segaça e Ipts/Otpts Vtas) e calcla os esltados da fotea etda. Po tega e úco softwae feaetas de Apoo à Decsão, a sgla SIAD sgfca Sstea Itegado de Apoo à Decsão. Paa possblta a tlzação do atg e do sco coo aáes de copaação paa aálse dos esltados adapto-se a sbsttção das letas epesetates de cada faa po eação coespodete cofoe apesetado a Tabela 1. Tabela 1: Adaptação Ratg e Rsco paa posteo copaação. AA 1, A,875 B,75 C,625 D,5 E,375 F,25 G,125 H, Fote: elaboada pelos atoes. Cofoe se obsea a Tabela 1, a sbsttção das letas po úeos se de da segte foa: coo este oe letas epesetatas e o íel de efcêca da aálse DEA se ealza de zeo a, sedo zeo a efcete e a DMU efcete opto-se po a dsão do úeo e pates e posteo colocação e cada íel coespodete as letas, sedo o íel AA epesetate de (DMU as efcete), pesspõe coo o íel A efe-se a eos,125 e ass e todos os íes MODELAGEM Utlzo-se o pesete estdo a seleção das aáes co sta a opão dos pesqsadoes. Não foa cosdeadas as aáes tlzadas pelo BACEN e ctadas a Resolção 2682/2 dedo a estas see calcladas pelo pogaa tlzado a Isttção e ass foece de ateão o sco e o atg do clete. As aáes aq selecoadas efee-se as qe, o oeto do defeeto o defeeto do peddo, estão dspoíes de edato a eqpe geecal qe toaá a decsão. Baseado tabé a etodologa adotada po Feaza, Gedes e Goes (28, p., 7), foa escolhdas ses aáes apesetadas a tabela 3, paa aalsa a efcêca dos te

8 cletes selecoados. Destas, das aáes epeseta aáes de etada (pt) e qato as aáes de saída (otpt). Paa a escolha das aáes de etada (pt) cosdeaa-se aáes co a caacteístca de qato eo o se alo elho paa a epesa. E paa epeseta as aáes de saída (otpt), cosdeo-se qe qato ao foe os dados destas aáes elhoes são os esltados apesetados pelas epesas. A pat da etodologa apesetada, fo possíel faze as escolhas das aáes de etada e saída deste estdo apesetadas a Tabela 2. Tabela 2: Vaáes selecoadas OUTPUTS INPUTS Núeo da epesa (DMU) PL VENDAS ês FAT LIQ DEP PRAZ IMPEDIMENTOS RESP 1 R$ 1.25., R$ , R$ , R$ ,9 28 R$ , 2 R$ 24.67, R$ , R$ 99.83, R$ 2.541,2 1 R$ ,9 3 R$ , R$ , R$ , R$ 14.54,27 2 R$ 18.5, 4 R$ , R$ , R$ , R$ 3.155,62 R$ ,6 5 R$ ,92 R$ ,15 R$ ,11 R$ 6, 16. R$ , 6 R$ ,62 R$ ,62 R$ 6.919,13 R$ 2.959,48 17 R$ ,71 7 R$ , R$ ,87 R$ ,95 R$ 2.891,73 R$ ,71 8 R$ 1.139,15 R$ ,75 R$ ,37 R$ 112,22 15 R$ 7.97,41 9 R$ 5.162,59 R$ ,15 R$ ,47 R$ 81,87 29 R$ ,31 1 R$ 74.6,72 R$ ,4 R$ ,4 R$ 46,1 22 R$ , 11 R$ ,2 R$ 1.455, R$ 1.113, R$ 2,86 3 R$ , 12 R$ 7.61,11 R$ ,32 R$ ,33 R$ 165, R$ 5.431,62 13 R$ 33.98, R$ 2.563,75 R$ ,15 R$ 592,29 11 R$ 9.74,39 14 R$ 11.5, R$ 1.17,27 R$ ,64 R$ 169,75 3 R$ 5.572, 15 R$ 24.5, R$ ,91 R$ ,32 R$ 2.8, R$ 3.934,32 16 R$ ,9 R$ ,7 R$ ,11 R$ 418,97 3 R$ , 17 R$ 8.579, R$ ,67 R$ ,15 R$ 3.839,91 32 R$ , 18 R$ 29.21,65 R$ 3.863,25 R$ ,6 R$ 1.487,8 9 R$ , 19 R$ ,3 R$ ,9 R$ ,17 R$ 4.249,46 3 R$ , 2 R$ 32.5, R$ 7.375, R$ 2.46,53 R$ 9.394, R$ , Fote: elaboada pelos atoes co base o baco de dados do Baco do Estado do Basl. Opto-se a pesete aálse, pela tlzação do étodo BCC, po este lea e cosdeação o pote das dades aalsadas ajstado-se ass elho a ealdade dos cletes pessoas jídcas selecoados sedo estes epesetates de desos setoes e potes. Obseado o eposto o paágafo ateo obtea-se, a pat da slação o softwae SIAD V3 os ídces de efcêca, scoes, apesetados a Tabela 3. Paa fs de

9 elho salzação e aálse dos esltados, cofota-se-ão as efcêcas obtdas ataés da feaeta DEA (slado o softwae SIAD) e o íel de atg e sco tlzado pela sttção. Tabela 3: Copaato e esltados. DMUs RISCO RATING EFICIÊNCIAS 1,125, ,85 3, ,125, ,875, , , ,75, ,135 11, ,67 14,26 15, ,42 18, ,47 Fote: elaboado pelos atoes. Po eo da Tabela 3 obté-se a elho salzação dos dados podedo-se ass, descee qe dete as dez últas DMUs, petecetes ao segdo gpo de cletes qe posse alto íel de atg e sco de opeação, dedo a stações de dfcldades faceas e/o solêca apesetada pelos dados da epesa, obsea-se esltados apoados ete o étodo tlzado pela sttção e o étodo DEA. Na Tabela 4 são apesetados os alos, qe são as etas a see atgdas pelas efedas epesas de odo a alcaça íel de efcêca óto, e as folgas, qe se caacteza coo sedo a pate do alo já atgda até o oeto pela epesa. O objeto é defdo coo o alo a se atgdo pela epesa paa qe esta se toe efcete.

10 Tabela 4: Alos e folgas. DMUs IMPEDIMENTOS RESPONSABILIDADES PL VENDAS FATURAM FOLGA ALVO FOLGA ALVO FOLGA ALVO FOLGA ALVO FOLGA , 1.25., , 2 1, , , , , , , , 4, , , 5 14,24 1, , , , , , , ,62 7, , , , ,99,1, , , , , ,7 2, , , , , ,45 2, , , , , ,14, , , , , , ,27 -, , , , , ,49,5 9.74, , , , ,9 14 2,7, , , , , , ,57, , , , , ,2 16 3,68 -, , , , , ,82 6, , , , , ,44 2, , , , , ,99-6, , , , , 2 135, , , , , , Fote: elaboado pelos atoes.

11 Vefca-se os dados apesetados a Tabelas 4, a folga, ass defda coo o alo qe cada epesa apeseta e elação à aáel dcada, o alo, qe sea o poto deal a se atgdo pela epesa, segdo cada aáel, o objeto qe se osta coo a dfeeça ete o alo a se alcaçado e a folga qe a epesa já poss. Def-se-a ass o objeto coo o qe dee se atgdo pela epesa paa qe esta peteça à fotea de efcêca aalsada. A DMU 1 () obtee íel áo de efcêca pela aálse DEA ão coespodedo co o bao atg e alto sco de opeação apesetado pela agêca, e cofodade co os dados. Jstfca-se esta dscepâca ao alto íel de esposabldade paa co a sttção aalsada, o qe copoete o íel de egocação paa co esta sttção. Relebado qe a aáel esposabldade coespode às esposabldades da epesa paa co a sttção aalsada, o qe flêca detaete a aálse da sttção leado-se e cosdeação qe cada clete poss lte deto do qal pode-se ealza as opeações ecessáas. Co gade úeo de esposabldades gade pate deste lte apeseta-se copoetdo, o qe edz o atg e aeta o íel de sco das opeações ealzadas ete a sttção e a epesa. A aálse DEA ão lea e cosdeação o fato de as esposabldades see paa co a sttção soete, decoete dsso o ga de esposabldade ão é alto se detaete copaado paa co as deas aáes da DMU 1, este fato jstfca a dscepâca apesetada. Se obseadas as DMUs 8 (oto), 9 (oe) e 1 (dez), qe se apesetaa abao do íel de efcêca pela aálse DEA ota-se qe a aáel pedetos o objeto a se alcaçado pede a edção do úeo de pedetos paa qe esta possa petece ao ol das DMUs efcetes, be coo a DMU 5 ( cco) qe ão apeseto alto íel de efcêca coo o espeado. E elação à DMU 15 (qze) pecebe-se qe apesa de ped a edção o úeo de pedetos, esta fo cosdeada coo de ao efcêca e elação as deas DMUs tegates do segdo gpo, de 11 (oze) a 2 (te), dedo a deosta gade folga as aáes edas e fataeto líqdo, as qas ão apeseta objeto gade de se atgdo, cosdeado se pote, esta epesa apeseta bao íel de esposabldades, coo tabé depóstos a pazo. Apesa dos pedetos alcaço pela aálse do sstea íel de efcêca qe coespodea a atgs e sco e too do íel C e D e ão do íel H ao qal petece. Dado-lhe atage fete às deas epesas de se pote pela aálse DEA. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS A técca apesetada, DEA, deosto se de gade ala coo sbsdo a toada de decsões podedo tabé se tlzada a slação de dfeetes stações, pojeta ceáos de ecado e salza qas pactos tea alteações ecoôcas paa cada clete sea a foa de faclta a aálse e lbeação fete a pojetos apesetados pelos possíes toadoes de ecsos, a possbldade de salzação claa dos pactos fete a saúde facea da ogazação aba leqe possbltado o aeto dos cetos paa cesceto, aplação e platação de oas epesas, beefcado tato a socedade qato a sttção qe toaa esta decsão co base e aálses possíes e atgíes, cocetas ddo o sco e elação ao etoo de ses estetos. É apla a gaa de possbldades a pat desta técca, co a deda e coeta seleção de aáes, esta

12 VIII SEGeT Spóso de Ecelêca e Gestão e Tecologa deosta se de últplas aplcações e dfeetes setoes e áeas, be coo de desas foas e a esa stação. A aálse dos alos e folgas dspoblzada pelo softwae see de spote à epesa, qado alga epesa clete ão atg o íel de efcêca paa qe a pat dela possa-se bsca foas de adeqação e alcace dos objetos ecessáos. A técca DEA ão só apota qas epesas são efcazes, as apota ode essas epesas estão sedo efcazes de foa a possblta elhoaeto cotío da epesa e coseqüeteete beefcado a socedade a qal esta está seda. Co a deostação das aáes defctáas a bsca po solções toa-se deeas as fácl e toa o scesso ão a eta atgíel coo hoje se apeseta paa tas epesas, toa esse scesso possíel e palpáel, colocado a ecelêca epesaal coo eta plasíel ao íel geecal de tas epesas. Espea-se qe o pesete estdo possa cotb paa a aálse dos pocessos e a aldação do étodo tlzado pela sttção facea aalsada de odo a soa e se deseoleto e cesceto destas a edda e qe bsco deosta a abldade da aplcação pátca de steto de Pesqsa Opeacoal, coo cêca eata, paa esa eleetos típcos das Cêcas Socas Aplcadas. Natalete, e azão de se caáte, oado as ogazações, tato a poposta do estdo e s, coo os odelos deada o eoleto de estdos de otas dscplas paa elhoa e apla as opotdades de aplcação. O pesete odelo pode e dee se aplcado e todo e qalqe segeto epesaal, lgado a pessoas físcas e jídcas de odo a fdaeta a elho toada de decsão po pate destas, logcaete a cada caso o odelo dee se esto e adaptado. 5. REFERÊNCIAS ANDRADE, Edado Leopoldo de. Itodção a Pesqsa Opeacoal: étodos e odelos paa a aálse de decsão. 2ª ed. Ro de Jaeo: LTC, 2. DROMS, Wlla G.; PROCIANOY, Jao L. Faças paa eectos ão faceos. 4ª ed. São Palo: Booka, 22. FREAZA, Flao Pa; GUEDES, Ls Edado Madeo; GOMES, Lz Flao Ata Moteo. A efcêca da gestão estatégca o Basl: o caso do sstea bacáo. Vtóa, Espíto Sato. Bazla Bsess Reew. Vol. 5, º 1, ja- abl, 28 GOMES, Elae Goçales, MANGABEIRA, João Alfedo de Caalho; MELLO, João Calos Coea Baptsta Soaes. Aálse po eoltóa de dados paa aalação da efcêca e caactezação das tpologas e agclta: estdo de caso. Resta de Ecooa e Socologa Ral. Basíla, ol.43, ot/dez, 25. JUNIOR, Celso Vla Noa de Soza; GASPARINI, Calos Edado. Aálse da eqdade e da efcêca dos Estados o coteto do fedealso fscal. Estdos Ecoôcos, ol. 36, º 4. São Palo- ot/ dez 26. MATIAS, Albeto Boges. Faças Copoatas de Logo Pazo. São Palo: Atlas, 27. Faças Copoatas de Cto Pazo. São Palo: Atlas, 27. MELLO, João Calos Coea Baptsta Soaes; MEZA, Lída Âglo; GOMES, Elae Goçales; NETTO, Lz Bod. Cso de Aálse de Eoltóa de Dados. XXXVII Spóso Basleo de Pesqsa Opeacoal, Gaado RS, 25. PEREIRA, Maa José Laa de Betãs; MARQUES, João Gabel. paadgas e o pode de decsão. São Palo: Mako Books, Fases da decsão: as daças de PÉRICO, Aa Elsa; REBELATTO, Das Apaecda do Nasceto; SANTANA, Naja Badão. Efcêca Bacaa: os aoes bacos são os as efcetes? Ua aálse po eoltóa de dados. Gestão e Podção, São Calos,. 15, º 2, pág , ao- agosto, 28. SANTANA, Naja Badão. Resposabldade sóco abetal e alo da epesas: a aálse po eoltóa de dados e epesas dstbdoas de eega elétca. Dssetação (Mestado)- Escola de Egehaa de São Calos, Uesdade de São Palo, São Calos, 28.

13 Poweed b TCPDF (www.tcpdf.og) VIII SEGeT Spóso de Ecelêca e Gestão e Tecologa TACHIZAWA, Takesh; REZENDE, Wlso. Estatéga epesaal: tedêcas e desafos - efoqe a ealdade baslea. São Palo; Mako Books, 22.

Avaliação da Eficiência Técnica Relativa de Unidades Básicas de Saúde Empregando a Análise por Envoltória de Dados - DEA

Avaliação da Eficiência Técnica Relativa de Unidades Básicas de Saúde Empregando a Análise por Envoltória de Dados - DEA Avalação da Efcêca Técca Relatva de Udades Báscas de Saúde Epegado a Aálse po Evoltóa de Dados - DEA Bábaa de Cássa Xave Casss Agua Depataeto de Mateátca, UFPR 853-99, Cutba, P E-al: babateatca@ahoo.co.b

Leia mais

DEA, Análise Envoltória de Dados, Índices de Eficiência de Distribuidoras de Energia Elétrica.

DEA, Análise Envoltória de Dados, Índices de Eficiência de Distribuidoras de Energia Elétrica. SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GME - 25 6 a 2 Outubo de 2005 Cutba - Paaá GRUPO VI GRUPO DE ESTUDO EM MERCADOS DE ENERGIA ELÉTRICA - GME EXTENSÃO DA METODOLOGIA

Leia mais

EXPERIÊNCIA No. 2 - Associação de Resistores

EXPERIÊNCIA No. 2 - Associação de Resistores FTEC-SP Faculdade de Tecologa de São Paulo Laboatóo de Ccutos Elétcos Pof. Macelo aatto EXPEIÊNCI No. - ssocação de esstoes Nome do luo N 0 de matícula FTEC-SP Faculdade de Tecologa de São Paulo Laboatóo

Leia mais

Credenciada e Autorizada pelo MEC, Portaria n. o. 644 de 28 de março de 2001 Publicado no D.O.U. em 02/04/2001

Credenciada e Autorizada pelo MEC, Portaria n. o. 644 de 28 de março de 2001 Publicado no D.O.U. em 02/04/2001 Ceecaa e Autozaa pelo MEC, Potaa. o. 644 e 8 e maço e 00 Publcao o D.O.U. em 0/04/00 ESTATÍSTICA Pelo Poesso Gealo Pacheco A Estatístca é uma pate a Matemátca Aplcaa que oece métoos paa coleta, ogazação,

Leia mais

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada:

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada: Electóica 0/3 - Cicuitos espelho de coete com pefomace melhoada: Po ezes é ecessáio aumeta a pefomace dos cicuitos espelho de coete, tato do poto de ista da pecisão da taxa de tasfeêcia de coete como da

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CAMPEONATO MUNDIAL DE FÓRMULA 1 COM ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS

AVALIAÇÃO DO CAMPEONATO MUNDIAL DE FÓRMULA 1 COM ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS AVALIAÇÃO DO CAMPEONATO MUNDIAL DE FÓRMULA COM ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS Slvo Fgeredo Goes Júor Mestrado e Egehara de Prodção Uversdade Federal do Ro de Jaero Ra Passo da Pátra 56, 2420-240, Nteró, RJ

Leia mais

EFICIÊNCIA NO INVESTIMENTO EM FRANQUIAS: UMA ANÁLISE BASEADA EM ASSIMETRIA INFORMACIONAL

EFICIÊNCIA NO INVESTIMENTO EM FRANQUIAS: UMA ANÁLISE BASEADA EM ASSIMETRIA INFORMACIONAL EFICIÊNCIA NO INVESTIMENTO EM FRANQUIAS: UMA ANÁLISE BASEADA EM ASSIMETRIA INFORMACIONAL RESUMO Atoa: Igo Benad Sonza, Glbeto de Olea Kloeckne A nfomação é m aspecto fndamental dento das elações das fanqas.

Leia mais

A Base Termodinâmica da Pressão Osmótica

A Base Termodinâmica da Pressão Osmótica 59087 Bofísca II FFCLRP P Pof. Atôo Roque Aula 7 A Base emodâmca da Pessão Osmótca Elemetos de emodâmca As les báscas da temodâmca dzem espeto à covesão de eega de uma foma em outa e à tasfeêca de eega

Leia mais

Antonio Roberto Balbo Departamento de Matemática, FC, UNESP. 17033-360, Bauru, SP E-mail: arbalbo@fc.unesp.br

Antonio Roberto Balbo Departamento de Matemática, FC, UNESP. 17033-360, Bauru, SP E-mail: arbalbo@fc.unesp.br O étodo pevso-coeto pal-dual de pontos nteoes baea logaítca clássca/odfcada co estatégas de passo longo e convegênca global aplcado ao poblea de FPOR. Rcado Bento Noguea Pnheo* Gealdo Robeto Matns da Costa

Leia mais

CAPÍTULO 2 DINÂMICA DA PARTÍCULA: FORÇA E ACELERAÇÃO

CAPÍTULO 2 DINÂMICA DA PARTÍCULA: FORÇA E ACELERAÇÃO 13 CAPÍTULO 2 DINÂMICA DA PATÍCULA: OÇA E ACELEAÇÃO Nese capíulo seá aalsada a le de Newo a sua foma dfeecal, aplcada ao movmeo de paículas. Nesa foma a foça esulae das foças aplcadas uma paícula esá elacoada

Leia mais

Aluno(a): Professor: Chiquinho

Aluno(a): Professor: Chiquinho Aluo(a): Pofesso: Chquho Estatístca Básca É a cêca que tem po objetvo oeta a coleta, o esumo, a apesetação, a aálse e a tepetação de dados. População e amosta - População é um cojuto de sees com uma dada

Leia mais

Odete Maria de Oliveira Alves. Cálculo Financeiro e simuladores bancários: a teoria aplicada à prática real

Odete Maria de Oliveira Alves. Cálculo Financeiro e simuladores bancários: a teoria aplicada à prática real Uvesdade de Aveo Isttuto Supeo de Cotabldade e Admstação 20 da Uvesdade de Aveo Odete Maa de Olvea Alves Cálculo Faceo e smuladoes bacáos: a teoa aplcada à pátca eal Uvesdade de Aveo Isttuto Supeo de Cotabldade

Leia mais

Balanço de Massa e Energia Aula 2

Balanço de Massa e Energia Aula 2 alaço de assa e Eerga ula Udades e Desão Desão: Quatdade que pode ser edda, são as gradezas báscas coo copreto, assa, tepo, teperatura etre outras, ou quatdades calculadas pela dvsão ou ultplcação de outras

Leia mais

ESCOAMENTOS EM REGIME PERMANENTE

ESCOAMENTOS EM REGIME PERMANENTE ESOAMENTOS EM EGIME EMANENTE eime emaete: são escoametos qe ão aesetam aiação com o temo t Escoametos i-dimesioais: só aesetam m comoete de elocidade qe só aia em ma dieção Escoametos simles hidodiamicamete

Leia mais

Capítulo 6 Corpo Rígido, Estática e Elasticidade

Capítulo 6 Corpo Rígido, Estática e Elasticidade Capítulo 6 Copo Rígdo, Estátca e Elastcdade 6. Noção de Copo Rígdo Estudamos já os movmetos de copos cujas dmesões eam despezáves face às meddas das suas tajectóas ou po coveêca e smplfcação, tomados como

Leia mais

O uso de integradores numéricos no estudo de encontros próximos

O uso de integradores numéricos no estudo de encontros próximos Revsta TECCE volue núeo - setebo de 009 ISS 1984-0993 O uso de ntegadoes nuécos no estudo de encontos póxos Éca Cstna oguea 1 1 Obsevatóo aconal MCT - eca.noguea@on.b Resuo. O estudo da dnâca do Sstea

Leia mais

EFICIÊNCIA NO CONSUMO DE ENERGIA EM MUNICIPIOS FLUMINENSES CONSIDERANDO TEMPERATURAS

EFICIÊNCIA NO CONSUMO DE ENERGIA EM MUNICIPIOS FLUMINENSES CONSIDERANDO TEMPERATURAS EFICIÊNCIA NO CONSUMO DE ENERGIA EM MUNICIPIOS FLUMINENSES CONSIDERANDO TEMPERATURAS João Carlos Correa Baptsta Soares de Mello Unversdade Federal Flmnense Lda Anglo Meza Unversdade Federal Flmnense Elane

Leia mais

2. INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS FACTORIAIS

2. INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS FACTORIAIS . NRODUÇÃO AOS MÉODOS FACORAS CONCEOS GEOMÉRCOS. NÉRCA. Os métodos factoras de Aálse de Dados permtem descreer matrzes (segdo o modelo do Qadro Q da Fg..) de dmesão (, p) qe represetam os alores tomados

Leia mais

Capítulo I Erros e Aritmética Computacional

Capítulo I Erros e Aritmética Computacional C. Balsa e A. Satos Capítulo I Eos e Aitmética Computacioal. Itodução aos Métodos Numéicos O objectivo da disciplia de Métodos Numéicos é o estudo, desevolvimeto e avaliação de algoitmos computacioais

Leia mais

ANÁLISE DE MOVIMENTOS PERIÓDICOS EM SISTEMA BI- LINEAR COM FOLGA SIMÉTRICA

ANÁLISE DE MOVIMENTOS PERIÓDICOS EM SISTEMA BI- LINEAR COM FOLGA SIMÉTRICA UNIVERSIDDE FEDERL DO ESPÍRITO SNTO CENTRO TECNOLÓGICO PROGRM DE PÓS-GRDUÇÃO EM ENGENHRI MECÂNIC JOSÉ GUILHERME PELIÇÃO PNCIERI NÁLISE DE MOVIMENTOS PERIÓDICOS EM SISTEM I- LINER COM FOLG SIMÉTRIC VITÓRI

Leia mais

Breve Revisão de Cálculo Vetorial

Breve Revisão de Cálculo Vetorial Beve Revsão de Cálculo Vetoal 1 1. Opeações com vetoes Dados os vetoes A = A + A j + A k e B = B + B j + B k, dene-se: Poduto escala ente os vetoes A e B A B A B Daí, cos A AB cos A B B A A B B AB A B

Leia mais

Análise de uma Fila Única

Análise de uma Fila Única Aálise de ua Fila Úica The A of oue Syses Pefoace Aalysis Ra Jai a. 3 Fila Úica O odelo de filas ais siles coé aeas ua fila Pode se usado aa aalisa ecusos idividuais e siseas de couação Muias filas ode

Leia mais

ATENUAÇÃO DE RUIDO COERENTE COM FILTRO FX EM DADOS SÍSMICOS ORGANIZADOS EM FAMÍLIAS DE RECEPTOR COMUM

ATENUAÇÃO DE RUIDO COERENTE COM FILTRO FX EM DADOS SÍSMICOS ORGANIZADOS EM FAMÍLIAS DE RECEPTOR COMUM Copyght 24, Isttuto Basleo de Petóleo e Gás - IBP ste Tabalho Técco Cetífco fo pepaado paa apesetação o 3 Cogesso Basleo de P&D em Petóleo e Gás, a se ealzado o peíodo de 2 a 5 de outubo de 25, em Salvado

Leia mais

4. Análise Envoltória de Dados (DEA) e uma proposta de modelo para avaliar a eficiência das empresas de comércio eletrônico

4. Análise Envoltória de Dados (DEA) e uma proposta de modelo para avaliar a eficiência das empresas de comércio eletrônico 4. Aálie Evoltóia de Dado (DEA) e ma popota de modelo paa avalia a eficiêcia da empea de comécio eletôico 4.. Coceito Báico 4... Podtividade, Cva de Podção, Eficiêcia e Eficácia. Devido à globalização,

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL E ANÁLISE ENVOLTÓRIA DOS DADOS: APLICAÇÕES EM PROBLEMAS AMBIENTAIS

PESQUISA OPERACIONAL E ANÁLISE ENVOLTÓRIA DOS DADOS: APLICAÇÕES EM PROBLEMAS AMBIENTAIS Anas do XX Encontro de Incação Centífca ISSN 98-78 Anas do V Encontro de Incação e Desenvolvento Tecnológco e Inovação ISSN 37- e 3 de setebro de 5 PESQUISA OPERACIONAL E ANÁLISE ENVOLTÓRIA DOS DADOS:

Leia mais

UMA AVALIAÇÃO DE CURSOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CONSIDERANDO VARIÁVEIS NÃO CONTROLÁVEIS

UMA AVALIAÇÃO DE CURSOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CONSIDERANDO VARIÁVEIS NÃO CONTROLÁVEIS ISSN 275-6295 R de Jae- Basl, 08 e 09 vemb de 2007. SPOLM 2007 UMA AVALIAÇÃO DE URSOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ONSIDERANDO VARIÁVEIS NÃO ONTROLÁVEIS Feada Rdgues ds Sats us de Egehaa de Pduçã

Leia mais

Vitamina A Vitamina B Vitamina C Alimento 1 50 30 20 Alimento 2 100 40 10 Alimento 3 40 20 30

Vitamina A Vitamina B Vitamina C Alimento 1 50 30 20 Alimento 2 100 40 10 Alimento 3 40 20 30 Motvção: O prole d det Itrodução os Sstes Leres U pesso e det ecesst dgerr drete s segutes qutddes de vts: g de vt A 6 g de vt B 4 g de vt C El deve suprr sus ecessddes prtr do cosuo de três letos dferetes

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA E ANÁLISE DO PROCESSO DE FLOCULAÇÃO EM CÂMARAS EM SÉRIE

MODELAGEM MATEMÁTICA E ANÁLISE DO PROCESSO DE FLOCULAÇÃO EM CÂMARAS EM SÉRIE MODELAGEM MATEMÁTICA E ANÁLISE DO POCESSO DE FLOCULAÇÃO EM CÂMAAS EM SÉIE odrgo B Moruzz, Sauel Coceção de Olvera Professor da Uesp, Capus de o Claro, o Claro-SP, Brasl, roruzz@rcuespbr Professor da Uesp,

Leia mais

O transistor de junção bipolar (BJT) NPN Base. PNP Base. Departamento de Engenharia Electrotécnica (DEE)

O transistor de junção bipolar (BJT) NPN Base. PNP Base. Departamento de Engenharia Electrotécnica (DEE) Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) O tanssto de junção bpola (J) pola dos tpos de cagas, electões e buacos, enoldos nos fluxos de coente Junção duas junções pn. Junção base/emsso e junção base/colecto

Leia mais

i CC gerador tg = P U = U.i o i i r.i 0 i CC i i i

i CC gerador tg = P U = U.i o i i r.i 0 i CC i i i GEDO ELÉTIO "Levao-se em cota a esstêca tea o geao, pecebemos que a p ete os temas é meo o que a foça eletomotz (fem), evo à pea e p a esstêca tea." - + = -. OENTE DE TO-IITO Se lgamos os os temas e um

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Escola Básica e Secdária Dr. Âgelo Agsto da Silva Teste de MATEMÁTIA A º Ao Dração: 9 mitos Dezembro/ lassificação Nome Nº T: O Prof. (Lís Abre) ª PARTE Para cada ma das segites qestões de escolha múltipla,

Leia mais

IND 1603 - Gerência Financeira

IND 1603 - Gerência Financeira 6 IND 603 - Geêca Facea apítulo - Valo Pesete e o usto de Opotudade do aptal Neste capítulo estaemos teessados em calcula valoes pesetes (e futuos) e vamos apede como ada paa fete e paa tás com o dheo.

Leia mais

4- Método de Diferenças Finitas Aplicado às Equações Diferenciais Parciais.

4- Método de Diferenças Finitas Aplicado às Equações Diferenciais Parciais. MÉTODOS NM ÉRICOS PARA E QAÇÕES DIFEREN CIAIS PARCIAIS 4- Método de Dfereças Ftas Aplcado às Eqações Dferecas Parcas. 4.- Apromação de Fções. 4..- Apromação por Polômos. 4..- Aste de Dados: M ímos Qadrados.

Leia mais

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante 1. Intodução Apotila 4 Diciplina de Coneão de Enegia B Toque Eletoagnético de Máquina CA co Entefeo Contante Neta apotila ão abodado o pincipai apecto elacionado co a podução de toque e áquina de coente

Leia mais

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Faculdade de Ecooma, Admstração e Cotabldade de Rberão Preto Ecooma Moetára Curso de Ecooma / º. Semestre de 014 Profa. Dra. Rosel da Slva Nota de aula CAPM Itrodução Há dos modelos bastate utlzados para

Leia mais

TRABALHO E POTENCIAL ELETROSTÁTICO

TRABALHO E POTENCIAL ELETROSTÁTICO LTOMAGNTISMO I 5 TABALHO POTNCIAL LTOSTÁTICO Nos capítulos ateioes ós ivestigamos o campo elético devido a divesas cofiguações de cagas (potuais, distibuição liea, supefície de cagas e distibuição volumética

Leia mais

O mercado de renda fixa e a estrutura da taxa de juro

O mercado de renda fixa e a estrutura da taxa de juro O mercado de reda fxa e a estrtra da taxa de jro No Brasl, a egocação o mercado de reda fxa egloba títlos públcos e títlos prvados. O strmeto para a expressão da remeração e/o o valor de mercado de cada

Leia mais

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes Mostra Nacoal de Icação Cetífca e Tecológca Iterdscplar VI MICTI Isttuto Federal Catarese Câmpus Camború 30 a 3 de outubro de 03 A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: echetes Ester Hasse

Leia mais

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno.

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno. Matemátca Facera 2007.1 Prof.: Luz Gozaga Damasceo 1 E-mals: damasceo1204@yahoo.com.br damasceo@terjato.com.br damasceo12@hotmal.com http://www. damasceo.fo www. damasceo.fo damasceo.fo Obs.: (1 Quado

Leia mais

PROJETO ASTER: ESTRATÉGIA PARA MANOBRAS DE RENDEZVOUS DA SONDA ESPACIAL BRASILEIRA COM O ASTERÓIDE 2001 SN263

PROJETO ASTER: ESTRATÉGIA PARA MANOBRAS DE RENDEZVOUS DA SONDA ESPACIAL BRASILEIRA COM O ASTERÓIDE 2001 SN263 839 PROJETO ASTER: ESTRATÉGIA PARA MANOBRAS DE RENDEZOUS DA SONDA ESPACIAL BRASILEIRA COM O ASTERÓIDE 2001 SN263 Abeuçon Atanáso Alves 1 ;AntonoDelson Conceção de Jesus 2 1. Bolssta voluntáo, Gaduando

Leia mais

MICROECONOMIA II. 1) Equilíbrio Geral e Bem-Estar. A Caixa de Edgeworth. David Henriques. 1.1) Economia de troca pura; equilíbrio Walrasiano.

MICROECONOMIA II. 1) Equilíbrio Geral e Bem-Estar. A Caixa de Edgeworth. David Henriques. 1.1) Economia de troca pura; equilíbrio Walrasiano. Davd Henqe EN Eqlío Geal e e-eta MIOEONOMI II Eonoa de toa a; eqlío Walaano Eqlío Geal: anala-e oo a ondçõe de oa e oeta nteage e dveo eado aa detena o eço de dveo en aa de Edgeoth - aa de Edgeoth ode

Leia mais

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL SEUNDA LEI DE NEWON PARA FORÇA RAVIACIONAL, PESO E NORMAL Um copo de ssa m em queda live na ea está submetido a u aceleação de módulo g. Se despezamos os efeitos do a, a única foça que age sobe o copo

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍICA IV REGIÃO (SP) Itdçã à ISO 9:8 Stema de Getã da Qaldade tate: Nefe Bge Faça Teólg ambetal Geete de Negó da QS Cetfat Ctat: efebf@gmal.m Ap Sã Pal, de agt de Obevaçã: A veã gal

Leia mais

Geradores elétricos. Antes de estudar o capítulo PARTE I

Geradores elétricos. Antes de estudar o capítulo PARTE I PART I ndade B 9 Capítulo Geadoes elétcos Seções: 91 Geado Foça eletomotz 92 Ccuto smples Le de Poullet 93 Assocação de geadoes 94 studo gáfco da potênca elétca lançada po um geado em um ccuto Antes de

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE CÁLCULO DE INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM MEDIÇÕES DIRETAS E INDIRETAS

PROCEDIMENTOS DE CÁLCULO DE INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM MEDIÇÕES DIRETAS E INDIRETAS PROCEDIMENTOS DE CÁLCULO DE INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM MEDIÇÕES DIRETAS E INDIRETAS Prof José Leoardo Noroha M Eg Departameto de Egehara de Prodção Escola Federal de Egehara de Itabá EFEI RESUMO: Neste trabalho

Leia mais

Departamento de Informática. Modelagem Analítica. Desempenho de Sistemas de Computação. Arranjos: Amostras Ordenadas. Exemplo

Departamento de Informática. Modelagem Analítica. Desempenho de Sistemas de Computação. Arranjos: Amostras Ordenadas. Exemplo Depatameto de Ifomática Disciplia: Modelagem Aalítica do Desempeho de Sistemas de Computação Elemetos de Aálise Combiatóia Pof. Ségio Colche colche@if.puc-io.b Teoema: Elemetos de Aálise Combiatóia Modelagem

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Cocetos Báscos de Matemátca Facera Uversdade do Porto Faculdade de Egehara Mestrado Itegrado em Egehara Electrotécca e de Computadores Ecooma e Gestão Na prátca As decsões faceras evolvem frequetemete

Leia mais

Prática VIII CONSERVAÇÃO DA QUANTIDADE DE MOVIMENTO DE UM SISTEMA DE DUAS ESFERAS

Prática VIII CONSERVAÇÃO DA QUANTIDADE DE MOVIMENTO DE UM SISTEMA DE DUAS ESFERAS Pátca VIII CONSERVAÇÃO DA QUANTIDADE DE MOVIMENTO DE UM SISTEMA DE DUAS ESERAS OBJETIVO: Vefca expeetalete a cosevação a quatae e oveto lea e u sstea solao. INTRODUÇÃO TEÓRICA A segua le e Newto às vezes

Leia mais

AN EVALUATION OF THE EFFICIENCY OF THE BRAZILIAN MUNICIPALITIES IN THE PROVISION OF PUBLIC SERVICES USING DATA ENVELOPMENT ANALYSIS.

AN EVALUATION OF THE EFFICIENCY OF THE BRAZILIAN MUNICIPALITIES IN THE PROVISION OF PUBLIC SERVICES USING DATA ENVELOPMENT ANALYSIS. AN EVALUATION OF THE EFFICIENCY OF THE BRAZILIAN MUNICIPALITIES IN THE PROVISION OF PUBLIC SERVICES USING DATA ENVELOPMENT ANALYSIS. Rogéro Bouer Brazla Isttute for Appled Ecooc Research Catholc Uverst

Leia mais

INTERVALOS DE CONFIANÇA BOOTSTRAP PARA MODELOS DE REGRESSÃO COM ERROS DE MEDIDA

INTERVALOS DE CONFIANÇA BOOTSTRAP PARA MODELOS DE REGRESSÃO COM ERROS DE MEDIDA INTERVALOS DE CONFIANÇA BOOTSTRAP PARA MODELOS DE REGRESSÃO COM ERROS DE MEDIDA Wellgto José da CUNHA Erco Atôo COLOSIMO RESUMO: As meddas realzadas o da-a-da estão sjetas a erros Esses erros podem acotecer

Leia mais

Reconhecimento de objectos 3D a partir de imagens 2D usando protótipos

Reconhecimento de objectos 3D a partir de imagens 2D usando protótipos Poc. Wokshop BoMed 2002 Recohecmeto 3D Recohecmeto de obectos 3D a pat de mages 2D usado potótpos Raquel Césa, Nº 46020 aquelcesa@etcabo.pt Isttuto Supeo Técco Egehaa Ifomátca e de Computadoes Egehaa Bomédca

Leia mais

COLÉGIO ANCHIETA-BA UII_ 3EM_MAIO DE 2014 ORGANIZAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ E PROF. WALTER PORTO. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C.

COLÉGIO ANCHIETA-BA UII_ 3EM_MAIO DE 2014 ORGANIZAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ E PROF. WALTER PORTO. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. RESOUÇÃO DA a AVAIAÇÃO DE MATEMÁTICA COÉGIO ANCHIETA-BA UII_ EM_MAIO DE 0 ORGANIZAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ E PROF. WATER PORTO. PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Questão 0. Obseve e cassifique as afiações

Leia mais

Mecânica Técnica. Aula 12 Momento em Relação a um Eixo Específico e Momento de um Binário. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J.

Mecânica Técnica. Aula 12 Momento em Relação a um Eixo Específico e Momento de um Binário. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Ala 12 Momento em Relação a m Eio Específico e Momento de m Bináio Pof. MSc. Liz Edado Mianda J. Rodiges Pof. MSc. Liz Edado Mianda J. Rodiges Tópicos Abodados Nesta Ala Momento em Relação a m Eio Específico.

Leia mais

CAP RATES, YIELDS E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS pelo método do rendimento

CAP RATES, YIELDS E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS pelo método do rendimento CAP RATES, YIELDS E AALIAÇÃO DE IMÓEIS pelo étodo do rendento Publcado no Confdencal Iobláro, Março de 2007 AMARO NAES LAIA Drector da Pós-Graduação de Gestão e Avalação Ioblára do ISEG. Docente das caderas

Leia mais

Curso de Física Básica - H. Moysés Nussenzveig Resolução do Volume III Capítulo 2 A Lei de Coulomb

Curso de Física Básica - H. Moysés Nussenzveig Resolução do Volume III Capítulo 2 A Lei de Coulomb uso e Física Básica - H Mosés Nussenzveig Resolução o Volue III apítulo A Lei e oulob - Moste que a azão a atação eletostática paa a atação gavitacional ente u eléton e u póton é inepenente a istância

Leia mais

Endereço. Dados. Mem Read Mem select

Endereço. Dados. Mem Read Mem select Parte IV Sistea de Meória Os sisteas de coputação utiliza vários tipos de dispositivos para arazeaeto de dados e de istruções. Os dispositivos de arazeaeto cosiste e eória pricipal e eória secudária. A

Leia mais

Potencial Elétrico. Prof. Cláudio Graça 2012

Potencial Elétrico. Prof. Cláudio Graça 2012 Potencal Elétco Po. Cláudo Gaça Campo elétco e de potencal Campo e Potencal Elétcos E Potencal gavtaconal Potencal Elétco O potencal elétco é a quantdade de tabalho necessáo paa move uma caga untáa de

Leia mais

Avaliação do Ensino nos Cursos de Pós-Graduação em Engenharia: Um Enfoque Quantitativo de Avaliação em Conjunto

Avaliação do Ensino nos Cursos de Pós-Graduação em Engenharia: Um Enfoque Quantitativo de Avaliação em Conjunto Avalação do Ensno nos Crsos de Pós-Gradação em Engenhara: Um Enfoqe Qanttatvo de Avalação em Connto Lda Anglo Meza Insttto de Cênca e Tecnologa Unversdade Vega de Almeda Ra Ibtrna, 108, 4º andar, Maracanã,

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

Capitulo 7 Resolução de Exercícios

Capitulo 7 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Audades Costates Postecpadas HP C [g][end] Cp LN 1 1 1 1 C p R Cp R R a, R C p, 1 1 1 a LN 1 Sp LN 1 1 1 S p R S p R R s, R S p, 1 1 s LN 1 Audades Costates Atecpadas HP C [g][beg] 1 (1 ) 1

Leia mais

Texto 03: Campos Escalares e Vetoriais. Gradiente. Rotacional. Divergência. Campos Conservativos.

Texto 03: Campos Escalares e Vetoriais. Gradiente. Rotacional. Divergência. Campos Conservativos. 1 Unversdade Salvador UNIFACS Crsos de Engenhara Cálclo IV Profa: Ila Reboças Frere Cálclo Vetoral Teto 03: Campos Escalares e Vetoras. Gradente. Rotaconal. Dvergênca. Campos Conservatvos. Campos Escalares

Leia mais

Síntese de Transformadores de Quarto de Onda

Síntese de Transformadores de Quarto de Onda . Sítese de rasforadores de Quarto de Oda. Itrodução rasforadores de guia de oda são aplaete epregados o projeto de copoetes e oda guiada e são ecotrados e praticaete todas as cadeias alietadoras de ateas

Leia mais

Exercícios Propostos

Exercícios Propostos Exercícios Propostos Ateção: Na resolução dos exercícios cosiderar, salvo eção e cotrário, ao coercial de 360 dias. 1. Calcular o otate de ua aplicação de $3.500 pelas seguite taxas de juros e prazos:

Leia mais

Equações de Conservação

Equações de Conservação Eqaçõs d Consação Toma d Tanspo d Rnolds Eqação d Consação d Massa (conndad) Eqação d Consação d Qandad d Momno Lna ( a L d Non) Eqação d Na-Soks Eqação d Enga Mcânca Eqação d Consação d Qandad d Momno

Leia mais

ÁREA DE COBERTURA EM AMBIENTE DE PROPAGAÇÃO MODELADO COM A DISTRIBUIÇÃO κ µ

ÁREA DE COBERTURA EM AMBIENTE DE PROPAGAÇÃO MODELADO COM A DISTRIBUIÇÃO κ µ ÁREA DE COBERTURA EM AMBIENTE DE PROPAGAÇÃO MODELADO COM A DISTRIBUIÇÃO κµ κµ JAMIL RIBEIRO ANTÔNIO Dssetação apesetada ao Isttuto Nacoal de Telecomucações INATEL como pate dos equstos paa obteção do Título

Leia mais

SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE TRATORES AGRÍCOLAS Carlos Alberto Alves Varella 1 ÍNDICE

SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE TRATORES AGRÍCOLAS Carlos Alberto Alves Varella 1 ÍNDICE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO IT Depataento de Engenhaia ÁREA DE MÁQUINAS E ENERGIA NA AGRICULTURA IT 154- MOTORES E TRATORES SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE TRATORES AGRÍCOLAS Calos Albeto Alves

Leia mais

Projeto de rede na cadeia de suprimentos

Projeto de rede na cadeia de suprimentos Projeto de rede a cadea de suprmetos Prof. Ph.D. Cláudo F. Rosso Egehara Logístca II Esboço O papel do projeto de rede a cadea de suprmetos Fatores que fluecam decsões de projeto de rede Modelo para decsões

Leia mais

6. ANÁLISE MODAL DE SISTEMAS COM N GL

6. ANÁLISE MODAL DE SISTEMAS COM N GL VIBRAÇÕES EÂNIAS - APÍULO 6 - ANÁLISE ODAL N GL 78 6. ANÁLISE ODAL DE SISEAS O N GL Neste aítulo seão aalsadas as aateístas odas, feüêas atuas e odos de vba de ssteas ão aotedos o gaus de lbedade. Seão

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Centro de Tecnologia e Ciências Faculdade de Engenharia. Pedro Arlindo Barroso Hardman Vianna

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Centro de Tecnologia e Ciências Faculdade de Engenharia. Pedro Arlindo Barroso Hardman Vianna NVERSDDE DO ESDO DO RO DE NERO Ceto de ecolog e Cêcs Fculdde de Egeh Pedo ldo oso Hd V álse dos Modos de Plso e Fs Óptcs co Cotste táo de Ídces de Refção Ro de eo 9 Pedo ldo oso Hd V álse dos Modos de

Leia mais

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica.

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica. Análse do Retorno da Edcação na Regão Norte em 2007: Um Estdo à Lz da Regressão Qantílca. 1 Introdcão Almr Rogéro A. de Soza 1 Jâno Macel da Slva 2 Marnalva Cardoso Macel 3 O debate sobre o relaconamento

Leia mais

Análise de Componentes Principais

Análise de Componentes Principais PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA CPGA-CS Aálse Multvd Alcd s Cêcs Agás Aálse de Comoetes Pcs Clos Albeto Alves Vell Seoédc - RJ //008 Coteúdo Itodução... Mt de ddos X... 4 Mt de covâc S... 4 Pdoção com méd eo

Leia mais

TRANSFORMADA DISCRETA DE FOURIER. Prof. M.A.Garms

TRANSFORMADA DISCRETA DE FOURIER. Prof. M.A.Garms RSORMD DISCRE DE OURIER Pof. M..Gas UIP - 2 ELERÔIC EMBUID Co a volução da Micoltôica a dissiação dos coputados, todas as áas d aplicação da Eghaia Elética foa ivadidas po quipatos basados pocssados digitais.

Leia mais

Prof. Daniel I. De Souza, Jr., Ph.D.

Prof. Daniel I. De Souza, Jr., Ph.D. CONAMET/SAM 26 TESTE DE VIDA SEQÜENCIAL APLICADO A UM TESTE DE VIDA ACELERADO COM UMA DISTRIBUIÇÃO DE AMOSTRAGEM WEIBULL DE TRÊS PARÂMETROS - UMA ABORDAGEM UTILIZANDO-SE O MÉTODO DO MAXIMUM LIKELIHOOD

Leia mais

AÇÕES E COMBINAÇÕES DAS AÇÕES

AÇÕES E COMBINAÇÕES DAS AÇÕES AÇÕES E COMBINAÇÕES DAS AÇÕES 1. INTRODUÇÃO As oras brasileiras para projetos de estruturas especifica que u projeto é coposto por eorial justificativo, desehos e, tabé por plao de execução quado há particularidades

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2012 DA UNICAMP-FASE 2. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2012 DA UNICAMP-FASE 2. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA UNICAMP-FASE PROFA MARIA ANTÔNIA C GOUVEIA O velocíetro é u istrueto que idica a velocidade de u veículo A figura abaio ostra o velocíetro de u carro que

Leia mais

DESCRIÇÃO 18/06/2016 07:35

DESCRIÇÃO 18/06/2016 07:35 DESCRIÇÃO Registo 400693 Revisão 10/06/2016 Status Ativo Título Históia do Hospital Colônia Pedo Fontes e Educandáio Alzia Bley Data de início 01/04/2014 Pevisão de téino 31/12/2018 Data de apovação pelo

Leia mais

APLICAÇÃO DE TÉCNICAS PROBABILÍSTICAS ÀS TARIFAS DE USO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO. Djalma M. Falcão COPPE/UFRJ

APLICAÇÃO DE TÉCNICAS PROBABILÍSTICAS ÀS TARIFAS DE USO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO. Djalma M. Falcão COPPE/UFRJ GPL/026 2 a 26 de Outubo de 200 Campas - São Paulo - Basl GRUPO VII PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS APLICAÇÃO DE TÉCNICAS PROBABILÍSTICAS ÀS TARIFAS DE USO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO Yu S.B. Wllmesdof

Leia mais

SAMUEL V. DIAS 1, PAULO J. GONÇALVES 2, LAURINDA L. N. DOS REIS 2, JOSÉ C. T. CAMPOS 2

SAMUEL V. DIAS 1, PAULO J. GONÇALVES 2, LAURINDA L. N. DOS REIS 2, JOSÉ C. T. CAMPOS 2 CONTROE DE POTÊNCIA ATIVA E REATIVA AUTOCOMPENSADA UTIIZANDO TOPOOGIA DE CONVERSORES SIMPIFICADA APICADO A UM GERADOR EÓICO DUPAMENTE AIMENTADO SAMUE V. DIAS, PAUO J. GONÇAVES, AURINDA. N. DOS REIS, JOSÉ

Leia mais

Missa Nossa Senhora do Brasil

Missa Nossa Senhora do Brasil é%0'.m> }JÍU Pe. José Alves Mssa Nossa Senhoa do Basl PARTTURA Paa 3 vozes guas e Assebléa (*) (*) A pate paa Assebléa é edtada sepaadaente " en cha A 10. Publcado pela: Cossão Aqudocesana de Músca Saca

Leia mais

PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON

PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON Pofa Stela Maia de Cavalho Fenandes 1 PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON Dinâmica estudo dos movimentos juntamente com as causas que os oiginam. As teoias da dinâmica são desenvolvidas com base no conceito

Leia mais

PUCRS - FENG - DEE - Mestrado em Engenharia Elétrica Redes Neurais Artificiais Fernando César C. de Castro e Maria Cristina F. de Castro.

PUCRS - FENG - DEE - Mestrado em Engenharia Elétrica Redes Neurais Artificiais Fernando César C. de Castro e Maria Cristina F. de Castro. PUCRS - FENG - DEE - estrado e Egehara Elétrca Redes Neuras Artfcas Ferado César C. de Castro e ara Crsta F. de Castro Capítulo 6 Redes Neuras Artfcas para Decoposção de u Espaço Vetoral e Sub-Espaços

Leia mais

Técnicas de Linearização de Sistemas

Técnicas de Linearização de Sistemas EA66 Pro. Vo Ze DCA/FEEC/Uc éccs e Lerzção e Sses Iroção ese óco vos recorrer reqüeeee éccs e lerzção e sse ão-ler e oro e oo e oerção. Iso ere qe o sse ler resle se lso co se s oeross erres e álse váls

Leia mais

ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA

ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA EPÇO ETORIL REL DE DIMENÃO FINIT Defnção ejam um conjuno não ao o conjuno do númeo ea R e dua opeaçõe bnáa adção e mulplcação po ecala : : R u a u a é um Epaço eoal obe R ou Epaço eoal Real ou um R-epaço

Leia mais

2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros

2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros Estrutura a Termo de Taxa de Juros 20 2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros A Estrutura a termo de taxa de juros (também cohecda como Yeld Curve ou Curva de Retabldade) é a relação, em dado mometo, etre

Leia mais

4 REPRESENTAÇÃO E/S NO DOMÍNIO TRANSFORMADO (funções de transferência)

4 REPRESENTAÇÃO E/S NO DOMÍNIO TRANSFORMADO (funções de transferência) 4 REPRESENTAÇÃO E/S NO DOMÍNIO TRANSFORMADO (fuções de trasferêa) 4. Trasforada de Laplae É u operador lear, que opera sobre fuções de varável otíua postva, defdo por: L f(t) = f(s) = f(t) e -st dt Nota:

Leia mais

MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS. M. Z. Nascimento, A. F. Frère e L. A.

MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS. M. Z. Nascimento, A. F. Frère e L. A. MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS M. Z. Nascmeto, A. F. Frère e L. A. Neves INTRODUÇÃO O cotraste as radografas vara ao logo do campo de

Leia mais

Controle de Erros Adaptativo para Redes de Sensores sem Fio usando Valor de Informação de Mensagens Baseado em Entropia

Controle de Erros Adaptativo para Redes de Sensores sem Fio usando Valor de Informação de Mensagens Baseado em Entropia Contole de Eos Adaptatvo paa Redes de Sensoes sem Fo usando Valo de Inomação de Mensagens Baseado em Entopa João H. Klenschmdt e Walte C. Boell Resumo Este atgo popõe estatégas de contole de eos adaptatvo

Leia mais

Aula do capítulo 1. 11 de março de 2009

Aula do capítulo 1. 11 de março de 2009 Aula do caítulo de arço de 009 coceito fluido tesão de cisalhaeto equação de estado classificação fluidos Caítulo Itrodução, defiição e roriedades dos fluidos ideal escoaeto icoressíel fluido //009 - lei

Leia mais

3 Precificação de resseguro

3 Precificação de resseguro Precfcação de Resseguro 35 3 Precfcação de resseguro Este capítulo traz prmeramete uma oção ampla das aplcações das metodologas de precfcação de resseguro para melhor compreesão do mesmo Da seção 3 até

Leia mais

Dimensionamento de uma placa de orifício

Dimensionamento de uma placa de orifício Eata de atigo do engenheio Henique Bum da REBEQ 7-1 Po um eo de fechamento de mateial de ilustação, pate do atigo do Engenheio Químico Henique Bum, publicado na seção EQ na Palma da Mão, na edição 7-1

Leia mais

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2015

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2015 SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CENTRO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL CREDENCIADO PELO COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES (CBC) EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA

Leia mais

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Curso de Física - Laboratório de Física Experimental A

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Curso de Física - Laboratório de Física Experimental A Unesdde Estdul de Mto Gosso do Sul Cuso de ísc - otóo de ísc Expeentl A Pof. Pulo Cés de Souz (ט) OTEIO DA EXPEIÊNCIA Nº 9 VISCOSÍMETO DE STOKES 1. Ojetos Estud o efeto do tto scoso nu fludo tés d qued

Leia mais

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações Algortmos de Iterseções de Curvas de Bézer com Uma Aplcação à Localzação de Raízes de Equações Rodrgo L.R. Madurera Programa de Pós-Graduação em Iformátca, PPGI, UFRJ 21941-59, Cdade Uverstára, Ilha do

Leia mais

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST 58-2BR Comando linea modelos, -B e I Gaiola de esfeas Esfea Eixo Castanha Vedação Fig.1 Estutua do comando linea modelo Estutua e caacteísticas O modelo possui uma gaiola de esfeas e esfeas incopoadas

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos da físca ndade Capítulo 9 Geadoes elétcos esoluções dos execícos popostos 1 P.19 Dados: 4 ; 1 Ω; 0 a) 0 4 1 4 b) Pot g Pot g 4 4 Pot g 96 W Pot º Pot º 0 4 Pot º 80 W Pot d Pot g Pot º Pot d 96 80 Pot

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

Source: http://industrydocuments.library.ucsf.edu/tobacco/docs/rkmc0212

Source: http://industrydocuments.library.ucsf.edu/tobacco/docs/rkmc0212 ?e1.- '_v nescrit±v 3a Patent-- -le Xcdeio de Utilidede?e ''TECE O?a FL.'XC". Re ere-se o presente pedido, de Modelo de Utilidade, a :.^ia ao,:ina des ti nada a tecer fu- 05 ^io em varas. Como sabemos,

Leia mais

Universidade Federal do Piauí Pro-Reitoria de Ensino de Graduação Diretoria de Administração Acadêmica

Universidade Federal do Piauí Pro-Reitoria de Ensino de Graduação Diretoria de Administração Acadêmica Curso 3000-7 CIECIAS COTABEIS - S A 210968 ATEAT APLIC A COTALIDADE Período: 1 34142 0 60 40 T01 SEG-18/20-QUA-18/20-SEX-18/20-1863440-FRACISCO DE P. JUR 303592 COUIO EPRESARIAL Período: 1 2976 0 60 41

Leia mais

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros.

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros. JUROS MONTANTE JUROS SIMPLES J = C 0 * * t 00 M = C * + * t 00 TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplcada ao mesmo captal, o mesmo prazo, produze o mesmo juros. * = * JUROS COMPOSTOS MONTANTE M = C * + 00

Leia mais