1 INTRODUÇÃO. 1 INPE:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 INTRODUÇÃO. 1 INPE: www.inpe.br"

Transcrição

1 11 1 INTRODUÇÃO A ocorrência de incêndios tornou-se uma problemática mundial, preocupando estudiosos na tentativa de monitorar com maior eficiência as queimadas. Segundo Carapiá (2006), países como Brasil, Portugal, México, Itália e Israel veem mostrando interesses em pesquisas sobre índices de risco de incêndio e o seu comportamento (direção e velocidade de propagação do fogo). No Brasil, conforme afirma Koproski (2010), as ocorrências de incêndios florestais acontecem periodicamente nos biomas e eco-regiões, o que implica em ameaças aos ecossistemas, no que se refere a diversidade faunística e florística, a saúde ecológica e aos processos atmosféricos relacionados. No Cerrado brasileiro, a presença do fogo tornou-se um evento muito comum, sobretudo, por duas causas. As causas naturais são calcadas basicamente devido aos períodos de seca juntamente com a alta incidência dos raios solares e à perda das folhas da vegetação, cuja grande parte das fitofisionomias deste bioma se caracteriza como caducifólia ou semi-caducifólia. E as causas antrópicas, representadas principalmente pelas limpezas de lotes e lavouras. No município de Barreiras, essa realidade não se faz diferente. As ocorrências de focos de calor são em grande quantidade, principalmente na época seca (Figura 1), compreendendo a estação de maio a outubro. A despeito do período mais crítico ser o da estiagem, na época das chuvas, de outubro a abril, os focos de calor, mesmo em menores quantidades, ainda são presentes, como mostra a Figura 2, que demonstra os focos de calor do período de chuva de 2007, ano de maior número de registros de focos dos últimos cinco anos, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) 1. 1 INPE:

2 12 FIGURA 1: Focos de calor no período de seca (01 de maio de 2007 a 15 de outubro de 2007), registrados pelo satélite NOAA-15 noite. FIGURA 2: Focos de calor no período de chuva (16 de outubro de 2007 a 30 de abril de 2008), registrados pelo satélite NOAA-15 noite.

3 Justificativa Na tentativa de desenvolver um modelo capaz de explicar como as variáveis da paisagem contribuem na propagação dos incêndios no município de Barreiras, foram inseridas e analisadas na modelagem as características da vegetação, declividade, solo, hidrografia e malha viária com a finalidade de apresentar um mapa como produto final, que revele por meio do processo de modelagem das variáveis da paisagem, as áreas de risco de incêndio no município de Barreiras-Ba. Desta forma, com a proposta de ajudar no monitoramento das áreas mais susceptíveis ao fogo e a conseqüente minimização dos seus impactos, este trabalho insere-se e contribui para no campo das Geotecnologias, mais precisamente na área do Geoprocessamento, que se constituem como ferramentas potenciais para estudos Geográficos, todavia ainda pouco exploradas e difundidas. Desta maneira, as Geotecnologias oferecem o suporte necessário para o desenvolvimento de uma metodologia para o planejamento ambiental do município, visando o monitoramento ambiental e, conseqüentemente, a preservação do patrimônio natural, e, portanto, o bem estar da população, posto que a problemática da área de estudo em relação à incidência de queimadas é crítica Problema Partindo dessa realidade apresentada e das conseqüentes preocupações causadas pela propagação do incêndio no Cerrado no município de Barreiras, principalmente no período de estiagem (maio a outubro), como identificar as áreas mais susceptíveis a ocorrência de incêndios pelo uso da modelagem em ambiente SIG? Hipótese Partindo da análise de que em terrenos mais íngremes a propagação do fogo é mais intensa devido à própria declividade e também à ação dos ventos, acredita-se,

4 14 a partir do método hipotético-dedutivo, que as zonas de maiores riscos de incêndio em Barreiras estão localizadas nas vertentes das serras que circundam a cidade Objetivos Objetivo Geral Modelar as zonas de riscos a incêndio no município de Barreiras, a partir, principalmente, das variáveis da paisagem, utilizando os recursos das Geotecnologias, como suporte ao planejamento e monitoramento ambiental Objetivos Específicos Identificar e caracterizar os agentes naturais e/ou induzidos que geram a formação de focos de incêndio no município de Barreiras; Identificar entre as variáveis vegetação, uso e ocupação do solo, declividade, altimetria, hidrografia e malha viária as características mais suscetíveis ao incêndio e a influência dos atributos de cada variável da paisagem na propagação do fogo; Interpretar as áreas que apresentam focos de calor do ano de 2007; Desenvolver uma modelagem, que apresente as áreas mais susceptíveis aos incêndios no município de Barreiras. 2 - REFERENCIAL TEÓRICO A revisão bibliográfica baseou-se numa breve contextualização dos Sistemas de Informações Geográficas; na discussão sobre a integração de planos de informações, abordando, assim, o método de álgebra de mapas e a modelagem de sistemas ambientais; em seguida tratou-se dos métodos de suporte às decisões, destacando o método AHP, utilizado na pesquisa; abordou-se a conceituação de

5 15 fogo e incêndio florestal assim como a discussão do fogo no Cerrado, focando a realidade de Barreiras e, por fim, tratou-se sobre as variáveis selecionadas para a modelagem. Silva (2003), afirma que a base dos Sistemas de Informações Geográficas (SIG), tecnologia que tem capacidade de integrar e transformar dados espaciais, data desde a metade do século XVIII, apesar de citar que a sua história está interligada com o começo da produção de mapas. Porém, como o autor aponta, foi no período da reorganização do Estado da civilização européia que a base cartográfica recebeu maior atenção e, conseqüentemente, um ganho, mesmo que modesto, no que se refere à precisão dos mapas. Embora o século XVIII tenha sido de importância única para a história dos SIG, apenas no século XIX, principalmente Pós-Revolução Industrial e as inúmeras ferramentas desenvolvidas nesta fase, essa tecnologia teve seu real desenvolvimento (SILVA, 2003). Em se tratando da estruturação dos SIG, Silva (2003) afirma que o século XX aparece como o período de destaque, posto que, foi o momento em que apareceram os avanços tecnológicos, o refinamento das técnicas cartográficas e a revolução quantitativa dos dados espaciais. O estudo do espaço geográfico interessa cada vez mais aos estudiosos de diversas áreas do conhecimento. Análises de vulnerabilidades e de riscos são produtos comumente elaborados e requeridos para diversas pesquisas, principalmente ligadas à área ambiental em virtude das discussões atuais calcadas, sobretudo, nas problemáticas ambientais e no polêmico assunto das mudanças climáticas. Desta forma, no ambiente SIG, muitos comandos e processos são elaborados para abranger maiores quantidades de produtos, assim como o melhoramento de dados já possíveis com técnicas mais antigas dentro do próprio sistema. Os Sistemas de Informações Geográficas são utilizados para diversas finalidades envolvendo a análise de dados espaciais. Uma destas utilidades é a análise integrada de diversos planos de informação gerando um novo dado. Desta forma, é necessária a escolha de um determinado procedimento que viabilize a execução dos objetivos da pesquisa. Um dos artifícios empregados é a modelagem de sistemas ambientais.

6 16 Nesta perspectiva, a álgebra de mapas e a modelagem espacial são ferramentas indispensáveis para resultados satisfatórios na obtenção de novos dados. A álgebra de mapas consiste basicamente na utilização de operações matemáticas pontuais, como a adição, subtração, multiplicação, logaritmos e funções algébricas, para a correlação de dados a fim de se gerar um novo produto (MIRANDA, 2005). A Figura 3 demostra um exemplo de álgebra de mapas com a lógica de adição. FIGURA 3: Álgebra de mapas Adição. Para Miranda (2005, p. 216), em SIG, modelagem é parte de um processo analítico para descobrir, descrever e predizer fenômenos espaciais. Segundo Tomlin (1990) apud Miranda (2005), os modelos cartográficos são classificados como descritivos e prescritivos. Os modelos descritivos referem-se a fenômenos existentes, indicando apenas o que está localizado em determinados locais e suas associações. Já os modelos cartográficos prescritivos fundamentam-se na predição de fenômenos, ou seja, baseiam-se principalmente na seleção de locais segundo um objetivo estabelecido pelo pesquisador (MIRANDA, 2005). Essa seleção será calcada a partir de critérios previamente selecionados. Para tanto, o pesquisador deverá ter bem estabelecido o conhecimento sobre a ocorrência deste fenômeno. Para Miranda (2005), essa tarefa parte da descrição, primeiramente, para depois terse a capacidade preditiva do atributo analisado. No trabalho ora apresentado, o modelo utilizado está enquadrado no modelo prescritivo, posto que pretende espacializar as zonas de risco de incêndio no município de Barreiras a partir de critérios selecionados segundo os conhecimentos adquiridos pelo pesquisador através de leituras e análises empíricas. Segundo Christofoletti (1999), o desenvolvimento metodológico da modelagem de sistemas ambientais está calcado na análise hipotético-dedutiva, pois é um

7 17 procedimento que visa trabalhar com hipóteses ou explicações de determinada realidade, que depende dos interesses do pesquisador. A elaboração de um modelo baseado em sistemas ambientais consiste basicamente na: [...] inserção de valores específicos sobre as variáveis dos elementos e suas relações descrevem as características e comportamento de um caso particular e sua ajustagem na classe referenciada pelo modelo. (CHRISTOFOLETTI, 1999, p. 21) Desta forma, os elementos analisados devem ser selecionados segundo o objetivo da pesquisa, para que, detalhes desnecessários não interfiram na visão da essência dos fatos. Essa seletividade das variáveis deve considerar também o ordenamento das informações segundo o grau de importância, ou seja, de acordo com a sua participação e conseqüente interferência na realização do fenômeno em estudo (CHRISTOFOLETTI, 1999). A relevância dos elementos deve estar em função do objetivo do modelo, para que, desta forma, as variáveis possam ser ponderadas de maneira a satisfazer a finalidade do procedimento. Partindo deste princípio, o modelo ora trabalhado, busca ponderar principalmente variáveis naturais, que permitam descrever a realidade do município de Barreiras, segundo o de risco de incêndio. Os critérios utilizados para a escolha dos elementos devem-se à percepção dos principais agentes que influenciam na formação e propagação do fogo na região, onde está inserida a área de estudo. Para Silveira, Vettorazzi e Valente (2008), a análise isolada destas variáveis não conseguiria responder à realidade da verdadeira localização dos maiores riscos de incêndio e não poderia haver, portanto, um monitoramento eficaz. Para eles, a integração dos planos de informação georreferenciados, poderá favorecer nas ações das entidades de combate ao fogo, uma vez que as áreas de maiores riscos de incêndio são espacializadas no território da cidade. Christofoletti (1999, p. 22), afirma que: A reaplicabilidade é pré-requisito dos modelos nas ciências empíricas. Isso significa que o modelo não se apresenta apenas como descritivo de um caso, mas possibilita que seja usado para outros casos da mesma categoria (...). Obviamente, em função das mensurações especificadas, cada exemplo oferece valores diferenciados para as variáveis mensuradas. Assim, o modelo desenvolvido possibilita a reaplicação, mas a análise e a atribuição dos valores às variáveis devem ser particulares às características de cada realidade analisada, segundo os objetivos do pesquisador. Os modelos cartográficos, que são modelos de processos/sistemas ambientais a partir de ferramentas do SIG, correspondem ao conjunto de dados de

8 18 entrada combinados através de uma função matemática, gerando um novo dado de saída (CÂMARA, DAVIS e MONTEIRO, 2001). onde, f é descritor da função A, B e C são dados de entrada D é novo dado de saída f(a+b+c) = D (1) Essa função pode assumir diferentes definições de acordo com modelos teóricos ou empíricos (CÂMARA, DAVIS e MONTEIRO, 2001). Os modelos teóricos baseiam-se em princípios mecânicos, como equações de movimento. O modelo de circulação de águas de um lago é um exemplo da aplicabilidade dos modelos teóricos (CÂMARA, DAVIS e MONTEIRO, 2001). Já nos modelos empíricos a relação estabelecida entre os dados de entrada está calcada em critérios estatísticos e podem ser entendidos sob duas óticas: modelos baseados em conhecimento e modelos baseados em dados (CÂMARA, DAVIS e MONTEIRO, 2001). Os modelos baseados em conhecimento são elaborados conforme os conhecimentos dos profissionais. Já os modelos baseados em dados fundamentamse segundo um conjunto de dados observados (CÂMARA, DAVIS e MONTEIRO, 2001). Entretanto, para análises mais específicas, como a ocorrência de determinado fenômeno em um dado espaço, por exemplo, torna-se necessário um modelo que possibilite a inferência do usuário na tomada de decisões, uma vez que as possibilidades da álgebra de mapas são diversas, dificultando a escolha que melhor represente a realidade observada. Assim, desenvolveram-se técnicas de suporte às decisões. Segundo Câmara, Davis e Monteiro (2001), o método Analystic Hierchy Process AHP (Processo Analítico Hierárquico) é o mais útil e promissor neste seguimento. Também chamado de Análise de Suporte à Decisão, o AHP está presente nas ferramentas do ambiente SIG. O procedimento foi desenvolvido por Thomas L. Saaty na década de 1970 (SILVA e NUNES, 2009) e consiste numa análise multicritério, com base nas variáveis que interferem na ocorrência de determinado fenômeno em estudo.

9 19 O método de modelagem AHP é um sistema de suporte às decisões e consiste na inferência geográfica de variáveis, tendo o limite de análise a integração de 20 critérios. Esse procedimento permite o controle do usuário durante todo o processo de ponderação dos dados de entrada para a interpolação, em virtude disso é o método de modelagem mais utilizado entre (quem disse??) os pesquisadores da área de Geotecnologias. Conforme Christofoletti (1999), o sistema de suporte às decisões pode ser genérico ou específico. De acordo com o autor, o primeiro tende a dar suporte a diversos problemas; já o segundo trata-se de uma aplicação direcionada, visando um problema determinado. No estudo em questão, a pesquisa visa viabilizar um melhor e mais preciso monitoramento nas áreas mais susceptíveis ao incêndio, a partir de um sistema de modelagem. Assim sendo, o sistema de suporte às decisões aqui desenvolvido caracteriza-se segundo um objetivo específico, conforme a classificação de Christofoletti, demonstrada anteriormente. A problemática do fogo, ora analisada, compreende-se como um dos agentes modificadores da paisagem, envolvendo ambientes ecológicos e antropizados, ocasionando, assim, perdas econômicas e ambientais. Nos ambientes ecológicos os danos são ainda maiores, visto que, como afirma Koproski (2010, p. 20), (...) o fogo ameaça ainda a manutenção da saúde ecológica, a qual corresponde ao equilíbrio da saúde nas esferas vegetal, animal, humana e do ecossistema. Nessa perspectiva, o fogo apresenta-se como um distúrbio na natureza e com alta competência para modificá-la (KOPROSKI, 2010). Essa situação se agrava quando ele se alastra sem controle na vegetação, caracterizando, assim, os incêndios. Segundo Almeida (2008, p. 25) o fogo é um tipo de combustão que produz chamas. A chama é uma mistura incandescente de gases que resulta da combustão de um combustível na forma gasosa. O incêndio florestal é a incidência de fogo que se propaga de forma descontrolada numa floresta, e esta vem sendo uma das grandes preocupações ambientais no Brasil e no mundo. Desta forma, nos últimos anos, diversos trabalhos surgem na perspectiva de ajudar no monitoramento de incêndios. Para tanto, a metodologia de modelagem é um instrumento que viabiliza a realização destas pesquisas com maior êxito. Historicamente, observa-se a intensa atuação do fogo na vegetação do Cerrado e, por esse fato, nota-se que a sua flora sofreu adaptação natural a tal

10 20 fenômeno. Apesar desta resistência e da capacidade de rebrotamento pós-fogo da maioria das fitofisionomias do bioma, pesquisas demonstram que as freqüentes queimadas ocasionam a diminuição da sua biodiversidade (LOPES, VALE e SCHIAVINI, 2009), posto que os incêndios contribuem para o avanço do processo de erosão dos solos, no aumento do efeito estufa, além da perda na qualidade atmosférica (SILVEIRA, VETTORAZZI e VALENTE 2008). Segundo Lopes, Vale e Schiavini (2009), a maioria das fitofisionomias do Cerrado apresentam-se na formação de gramíneas, que possuem um material lenhoso pouco espesso, com copa pouco exuberante e, portanto, um dossel descontínuo. Em períodos de seca, essa formação fitofisionômica do bioma favorece à incidência de queimadas, que, sem controle, avançam para incêndios. A realidade do município de Barreiras não é diferente, pois está localizado em uma região com predominância de vegetação de Cerrado, que, em épocas de seca, perde parcial ou totalmente as folhas, denominadas semicaducifólias e caducifólias respectivamente, ficando, portanto, mais susceptíveis à incidência e propagação do fogo. A área de estudo apresenta um histórico de intensa quantidade de focos de calor 2, denunciando a problemática enfrentada pelo município com as ocorrências de incêndios, tanto no período de seca quanto no chuvoso. No entanto, apesar das características da vegetação da área de estudo ser um importante agente na ocorrência do fogo, outros fatores, tanto naturais quanto os induzidos pelo homem, possuem relevância na análise das causas da formação e propagação dos focos de incêndio. O uso do solo e cobertura vegetal, a topografia do terreno (representada pela declividade e pela altimetria), e a proximidade com a malha viária e com a rede hídrica são alguns aspectos a serem analisados e ponderados para a realização da modelagem espacial das zonas de risco de incêndio em Barreiras. Em se tratando das causas antrópicas, apesar de serem importantes para a consideração do início do fogo, não serão aqui utilizadas de maneira detalhada, mas apenas com a abordagem do mapa de uso do solo e cobertura vegetal, entretanto, por ter sido elaborado com base em imagens Landsat 5-TM de resolução espacial 2 Informação adquirida através de pesquisas realizadas no site do INPE, no setor de queimadas, que apresenta diariamente as incidências de focos de calor <www.inpe.br> acesso em: 23 de outubro de 2009.

11 21 de 30 metros, a predição de valores com relação à influência na formação e propagaçãodo fogo para as causas antrópicas será generalizada. Desta forma, partindo da realidade do município, observa-se a necessidade de um acompanhamento prévio, para as áreas de maiores riscos de formação e propagação do fogo. Assim, se faz indispensável o conhecimento da localização e caracterização geográfica destas áreas, o que é possível com a realização do método de modelagem espacial de sistemas ambientais Localização e Caracterização da Área de Estudo Fundada em 1891, o município de Barreiras está localizado no Oeste da Bahia, exatamente a 12º09 10 a sul e 44º59 24 a oeste, e tem seu sítio urbano situado às margens do rio Grande. No que tange aos aspectos físicos, a região de Barreiras apresenta uma vegetação predominantemente de fitofisionomias de Cerrado, destacando-se o Cerradão, Campo Cerrado, Campo Limpo, Veredas e Cerrado Sensu Strictu. No tocante à formação geológica a mais presente é a Urucuia, já o aspecto geomorfológico mais atuante é do tipo plano sub-estrutural dos gerais e, apesar de englobar quatro classes de neossolos e duas de cambissolos, a predominância é do latossolo vermelho-amarelo distrófico. A Figura 4 apresenta o mapa de localização da área de estudo.

12 22 FIGURA 4: Mapa de localização da área de estudo. (melhorar) 3 - MATERIAIS Para o desenvolvimento da pesquisa foram necessários os seguintes materiais: computador; softwares ArcGis 9.3, ENVI 4.7 e ERDAS 2010; mapas de uso do solo e cobertura vegetal, de declividade, de altimetria, de hidrografia e de malha viária, vetor do limite municipal de Barreiras, imagens de satélite, focos de calor, livros, periódicos, artigos, teses e dissertações online.

13 METODOLOGIA O processo metodológico baseou-se em cinco etapas, buscando o melhor desempenho para alcance do objetivo proposto. Desta forma os trabalhos desenvolveram-se a partir da revisão bibliográfica, da pesquisa e interpretação de imagens de focos de calor, do pré-processamento e do processamento dos dados. Na revisão bibliográfica buscou-se identificar os principais agentes naturais e induzidos influentes na formação e propagação do fogo, e, assim, direcionando a leitura para a realidade da área de estudo, na tentativa de ponderar e hierarquizar as variáveis da paisagem da melhor forma possível. A pesquisa e a interpretação de imagens de focos de calor direcionaram-se para a compreensão das características das áreas que mais foram afetadas pelos incêndios nos últimos cinco anos, de modo a compreender como os atributos de cada variável seriam ponderados na modelagem. O procedimento do pré-processamento dos dados buscou manipular os elementos, selecionados para a modelagem, a fim de que todos cumprissem os critérios necessários para a interpolação na ferramenta AHP. Um dos aspectos considerados na escolha das variáveis foi a escala geográfica da área de estudo, uma vez que a mesma baseia-se num município, as questões relativas às condições climáticas, como umidade, temperatura e precipitação, não foram envolvidas, posto que não se têm dados de variação considerável no espaço analisado, mas apenas pontual, a exceção de que se optasse por dados de satélites e não das estações climatológicas. A Figura 5 mostra os procedimentos metodológicos realizados até que se obtivessem as variáveis prontas para a iniciação do processo de interpolação. O processamento dos dados consistiu, basicamente, na interpolação das informações, selecionadas e analisadas pelo pesquisador segundo a interferência na formação e propagação do fogo. Desta forma, o método então escolhido para a integração das informações denomina-se Processo Analítico Hierárquico (AHP), também designado de Análise de Suporte à Decisão. O interpolador é manipulado com base nas variáveis que interferem na ocorrência de determinado fenômeno em estudo.

14 24 Rivera-Lombardi (2001) empregou os métodos de AHP, Booleana e Fuzzy, com o operador Gama, para identificação de áreas vulneráveis à ocorrência de incêndios, dentre esses, o autor indica a AHP por considerar que a mesma ganha em objetividade quando apresenta os riscos de fogo segundo a importância relativa de cada classe e suas subclasses. Assim, para a consolidação da proposta apresentada analisou-se elementos naturais e induzidos. No que se refere às variáveis naturais, foram analisadas informações como a vegetação, presente no mapa de uso e ocupação do solo, declividade, altimetria e hidrografia, esta última analisada com base em buffers de 50 e 100 metros; já para as variáveis antrópicas, foram consideradas as informações sobre a proximidade com a malha viária, através de buffer de 50 metros, e mapa de uso do solo e cobertura vegetal Ponderação das variáveis As variáveis estabelecidas para análise de risco de incêndio baseou-se na metodologia de Rivera-Lombardi (2001), que utiliza as variáveis uso da terra, declividade, malha viária e drenagem para identificação de áreas vulneráveis à ocorrência de incêndios florestais. Entretanto, para o estudo em questão, decidiu-se analisar a altimetria como variável, posto que o local de estudo possui um histórico de intensas queimadas nas áreas mais elevadas, como é o caso dos topos tabulares da serras do Mimo e da Bandeira. E, para malha viária e hidrografia, optou-se em elaboração de buffers 3 para áreas de influência. Para que cada classe das variáveis supracitadas pudessem ser ponderadas, considerando a sua influência na formação e propagação do fogo, foi desenvolvida uma tabela de vulnerabilidade ao risco de fogo, onde cada valor dado a essas classes representa uma categoria de interferência, como mostra a Tabela 1. A etapa de ponderação das variáveis consiste em duas das mais difíceis atribuições, pois qualquer alteração que seja feita implica em modificações no resultado final da modelagem. 3 Análise de distância

15 25 TABELA 1: Classificação qualitativa e quantitativa quanto à vulnerabilidade ao fogo VULNERABILIDADE PESOS MUITO BAIXA 1 BAIXA 2 MODERADAMENTE BAIXA 3 MEDIANA 4 MODERADAMENTE ALTA 5 ALTA 6 MUITO ALTA 7 Foram estabelecidas sete classes de vulnerabilidades ao fogo, por considerar que o entendimento das mesmas é de fácil percepção e por compreender que, para o objetivo proposto, seriam as classes mais apropriadas, posto que, como foram utilizadas 6 variáveis na interpolação dos dados e cada uma contendo subclasses, um número pequeno de classes promoveria uma generalização das informações e, em contrapartida, o maior detalhamento das zonas de vulnerabilidade, a análise é facilitada Uso do solo e cobertura vegetal Nesse sentido, no pré-processamento dos dados a variável uso do solo e cobertura vegetal, na escala de 1: elaborada em 1998 pela (SFC), foi reeditada, por meio de interpretação visual com base na imagem de satélite TM/Landsat-5 de 1998, para integrar toda a área de estudo, uma vez que o limite municipal de Barreiras do dado original não estava de acordo com o limite oficial do município de 2008 publicado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em seguida o arquivo shapefile, do mapa de uso do solo e cobertura vegetal, foi rasterizado com pixel de 30 metros. Para gerar o produto para a interpolação dos dados, reclassificou-se o dado raster com base nos pesos admitidos como referentes à atuação de cada classe na formação e propagação do fogo, conforme se observa na Tabela 2. TABELA 2: Classes da variável uso do solo e cobertura vegetal e seus respectivos pesos de vulnerabilidade ao fogo. CLASSES PESOS

16 26 Barreiras 1 Cachoeira do Acaba 1 Vida Capão do Gerônimo 1 Cerrado "Sensu Strictu" 5 Cerradão 4 Floresta Estacional 3 Gentil 1 Itaboca 1 Mata Ciliar 2 Prata 1 Reflorestamento 3 Riacho da Capivara 1 Rio Branco 1 Rio Grande 1 Rio de Ondas 1 Sanguessuga 1 Vereda Alegre 1 Vereda e Campos 2 Umidos Área de Transição 6 Campo Limpo 7 Área Antropizada 2 Campo Cerrado 6 Para a atribuição dos pesos para as classes Barreiras, Capão do Gerônimo, Gentil, Itaboca, Prata, Sanguessuga e Vereda Alegre, considerou-se a dimensão espacial do dado, pois estas classes correspondiam a polígonos minúsculos, com a função de indicar a localização geográfica. Desta forma, por se tratar de povoados, exceto a primeira, e por serem pequenas comunidades estabelecidas no município, tiveram o menor peso, consideradas, então, de muito baixa vulnerabilidade à formação e propagação do fogo. As classes de rio e riacho, compreendendo a Cachoeira do Acaba Vida, riacho da Capivara, e os rios Branco, Grande e de Ondas, também apresentam o risco mínimo por estarem relacionadas às áreas de drenagem hídrica. A vulnerabilidade para algumas classes foi entendida da seguinte forma: Mata Ciliar e Veredas\Campos Úmidos foi adotado o peso 2, compreendendo baixo risco, devido à alta umidade destas áreas e função da proximidade com os rios, e pelas condições da vegetação sadia durante quase todo o ano, diminuindo, assim, a incidência de focos de queimadas; para a Área Antropizada, envolvendo as áreas de agricultura, o peso 2, baixo risco, também estabelecido, em função de ser espaços de plantios com sistemas de irrigação e com monitoramento praticamente diário por

17 27 se tratar, na sua maioria, de grandes fazendas pertencentes ao sistema do agronegócio da região Oeste da Bahia, onde há constantes fiscalizações e monitoramentos destas áreas. As zonas de vulnerabilidade moderadamente baixa, valor 3, foram incluídas as classes de Floresta Estacional e Reflorestamento, por não serem tão susceptíveis aos efeitos da sazonalidade, o que demonstrariam maior resistência a propagação dos incêndios. Partindo para as áreas de maiores riscos de propagação do fogo, as fitofisionomias do Cerrado e áreas de Transição tiveram os pesos estabelecidos a partir da seguinte lógica: o Cerradão, por se tratar de uma vegetação de porte arbóreo e/ou florestal, com material lenhoso espesso, com dossel mais alto, e por não perder totalmente as folhas no período de seca, o seu risco de propagação do fogo foi considerado mediano, com valor 4; para ambientes de Cerrado Sensu Strictu a vulnerabilidade moderadamente alta, de valor 5, deve-se ao fato de ser uma fitofisionomia arbórea, porém menos desenvolvida que o Cerradão e por apresentar característica de deciduidade foliar; já para a Área de Transição e Campo Cerrado, o risco caracteriza-se como alto, com peso 6, por se tratar de uma vegetação de porte arbustivo e material lenhoso mais fino do que as anteriores; a classe mais vulnerável tanto à incidência quando a propagação do fogo é a Campo Limpo, com peso 7, pois trata-se de gramíneas, que têm maior concentração de material combustível e, com a presença de ventos, o fogo é facilmente propagado, principalmente no período de estiagem prolongada, pois esta fitofisionomia alcança um stress hídrico bastante acirrado, implicando portanto em alto risco de incêndio Declividade A variável declividade foi gerada a partir do Modelo Digital de Elevação. Este é resultante das imagens SRTM (Shuttle Radar Topography Mission) com pixel originalmente de 90m que foram reamostrados para 30m, disponibilizados pelo programa Topodata no sítio do INPE. O dado de declividade foi reclassificado de acordo com os pesos de influência na formação e propagação do fogo (Tabela 3). O recorte com base no limite do município foi realizado após o processamento de

QUANTIFICAÇÃO E ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS FOCOS DE CALOR NA SUB-BACIA DO RIO GRANDE-BA. Priscila Santos Pinheiro 1, Elane Fiúza Borges 2

QUANTIFICAÇÃO E ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS FOCOS DE CALOR NA SUB-BACIA DO RIO GRANDE-BA. Priscila Santos Pinheiro 1, Elane Fiúza Borges 2 QUANTIFICAÇÃO E ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS FOCOS DE CALOR NA SUB-BACIA DO RIO GRANDE-BA Priscila Santos Pinheiro 1, Elane Fiúza Borges 2 1 Geografia, Estudante de Graduação, UEFS, Feira de Santana-BA,

Leia mais

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de padrões espaciais; Controle e ordenação do espaço. Técnicas

Leia mais

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ Resumo Patrícia Ladeira Pinheiro¹ Gabriel Pereira² (patricia.ladeira@gmail.com; pereira@ufsj.edu.br) Graduanda em Geografia - UFSJ

Leia mais

Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM

Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM SPRING 5.0 1 O objetivo deste tutorial é apresentar de forma simples e prática como construir, no Spring, mapa de declividade a partir de dados do SRTM.

Leia mais

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA Sabendo-se que a erosão pode comprometer até mesmo o volume de água de uma bacia hidrográfica, o presente

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

MAPEAMENTO FLORESTAL

MAPEAMENTO FLORESTAL MAPEAMENTO FLORESTAL ELISEU ROSSATO TONIOLO Eng. Florestal Especialista em Geoprocessamento OBJETIVO Mapear e caracterizar a vegetação visando subsidiar o diagnóstico florestal FUNDAMENTOS É uma ferramenta

Leia mais

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG.

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Tiago Brochado Pires Introdução: Estudos voltados para a interpretação

Leia mais

Modelagem Fuzzy para a geração do mapa de solos do município de Mucugê Chapada Diamantina Brasil

Modelagem Fuzzy para a geração do mapa de solos do município de Mucugê Chapada Diamantina Brasil Modelagem Fuzzy para a geração do mapa de solos do município de Mucugê Chapada Diamantina Brasil Elane Fiúza Borges - elaneborges@gmail.com Ardemírio de Barros Silva - abarros@uefs.br INTRODUÇÃO A área

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão 01 Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão Rodrigo G. Trevisan¹; José P. Molin² ¹ Eng. Agrônomo, Mestrando em Engenharia de Sistemas Agrícolas (ESALQ-USP); ² Prof. Dr. Associado

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS.

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. CÁSSIO SILVEIRA BARUFFI(1) Acadêmico de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Católica

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES

AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES Guilherme Mendonça da Cunha (PETROBRAS), Giovani Schifino Dellamea, Renato Fernandes, Wilson José de Oliveira. RESUMO Este Trabalho apresenta

Leia mais

Natália da Costa Souza. Ana Paula Camargo Larocca

Natália da Costa Souza. Ana Paula Camargo Larocca USO DE GEOTECNOLOGIAS APLICADO AO ESTUDO DA SUSCETIBILIDADE E ANÁLISE DE RISCO DE PROCESSOS EROSIVOS EM FAIXAS DE DOMÍNIO DE LINHAS FÉRREAS - SUBSÍDIO AOS PROCESSOS DE LICENCIAMENTO OPERACIONAL E AMBIENTAL

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Prof. Pablo Santos 4 a Aula SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA - SIG Introdução Definições Necessárias

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas

Sistema de Informações Geográficas UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Pós Graduação Ecologia e Manejo de Recursos Naturais Sistema de Informações Geográficas Prof. Fabiano Luiz Neris Criciúma, Março de 2011. A IMPORTÂNCIA DO ONDE "Tudo

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO. Quadro 11 - Exatidão dos mapeamentos de uso do solo

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO. Quadro 11 - Exatidão dos mapeamentos de uso do solo 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1. Mudanças ocorridas no uso do solo No Quadro 11 são apresentadas as exatidões dos mapas temáticos gerados a partir do processamento digital das imagens do sensor Landsat 5

Leia mais

Sensoriamento remoto e SIG

Sensoriamento remoto e SIG Multidisciplinar Sensoriamento remoto e SIG aplicados ao novo Código Florestal Allan Arnesen Frederico Genofre Marcelo Curtarelli Matheus Ferreira CAPÍTULO 3 Mapeamento de APP e Reserva Legal APP de corpos

Leia mais

Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS

Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS 5.1 - GEOPROCESSAMENTO E INTERNET...2 5.2 - BIBLIOTECAS DIGITAIS...4 5.2.1 - Introdução...4 5.2.2 - Natureza dos Dados Geográficos...4 5.2.3 - Apresentação dos Dados...5

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR Lucas Ricardo Hoenig Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Campus de

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

Inferências Geográfica: Inferência Bayesiana Processo Analítico Hierárquico Classificação contínua

Inferências Geográfica: Inferência Bayesiana Processo Analítico Hierárquico Classificação contínua Inferências Geográfica: Inferência Bayesiana Processo Analítico Hierárquico Classificação contínua Análise Multi-Critério Classificação continua (Lógica Fuzzy) Técnica AHP (Processo Analítico Hierárquico)

Leia mais

Monitoramento do Bioma Cerrado

Monitoramento do Bioma Cerrado Monitoramento do Bioma Cerrado Prof. Dr. Nilson C. Ferreira Monitoramento do Bioma Cerrado Biomas Brasileiros, destaque mapa antrópico do bioma Cerrado. Fonte: Sano et al. 2007(PROBIO-MMA). Monitoramento

Leia mais

ArcPlan S/S Ltda. Fone: 3262-3055 Al. Joaquim Eugênio de Lima, 696 cj 73.

ArcPlan S/S Ltda. Fone: 3262-3055 Al. Joaquim Eugênio de Lima, 696 cj 73. 1 de 27 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA PROJETO: GERENCIAMENTO INTEGRADO DE AGROECOSSISTEMAS EM MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DO NORTE-NOROESTE FLUMINENSE - RIO RURAL/GEF

Leia mais

Coordenadoria de Proteção à Biodiversidade

Coordenadoria de Proteção à Biodiversidade RELATÓRIO PARCIAL: MONITORAMENTO DOS FOCOS DE CALOR NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL (APA) ILHA DO BANANAL/CANTÃO, NO PERÍODO DE 01/01/2014 A 30/09/2014. Responsável pelo Relatório: Fábio Brega Gamba Biólogo

Leia mais

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida²

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² ¹Graduando em Agronomia, UAST, UFRPE,Serra Talhada-PE, tiagoamancio@hotmail.com

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Hygor Evangelista Siqueira Gestor Ambiental,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa (MG) jugurta@dpi.ufv.br Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Tópicos

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL

EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL Gabriela Nunes Wicke 1, Antonio Fontes de Faria Filho 2, Quintino Reis de Araujo 3, Gabriel Paternostro

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS

SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS FERNANDES, Marianne Durães 1 Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES mari170191@yahoo.com.br

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais.

Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais. Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais. Bruno Alves Nobre Bolsista da FAPEMIG bruno.nobre13@gmail.com Marcos Esdras Leite Professor Dr. Dep. de

Leia mais

DEFINIÇÃO DE ÁREAS POTENCIAIS AO RISCO DE DESLIGAMENTO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DEVIDO A INCÊNDIOS - PLANEJAMENTO E CRITÉRIOS DE MANUTENÇÃO

DEFINIÇÃO DE ÁREAS POTENCIAIS AO RISCO DE DESLIGAMENTO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DEVIDO A INCÊNDIOS - PLANEJAMENTO E CRITÉRIOS DE MANUTENÇÃO DEFINIÇÃO DE ÁREAS POTENCIAIS AO RISCO DE DESLIGAMENTO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DEVIDO A INCÊNDIOS - PLANEJAMENTO E CRITÉRIOS DE MANUTENÇÃO Giovani Eduardo Braga(1) Leonardo Santana O. Dias(2) Carlos Alberto

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR Andreza

Leia mais

Caracterização das Unidades de Manejo Florestal Lote-1 da Floresta Estadual do Amapá

Caracterização das Unidades de Manejo Florestal Lote-1 da Floresta Estadual do Amapá SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Caracterização geral da Flota Amapá... 2 3. Lote de Unidades de Manejo Florestal... 2 4. Ferramentas utilizadas para caracterização das UMFs... 3 4.1. Cálculo da área efetiva

Leia mais

RESUMO. José Rocha. Capítulo 2: Geotecnologias aplicadas à análise e gestão de riscos

RESUMO. José Rocha. Capítulo 2: Geotecnologias aplicadas à análise e gestão de riscos Cartografia Municipal de risco com recurso ao MODEL BUILDER José Rocha Departamento de Geografia, Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho jmanuelfrocha@sapo.pt RESUMO A cartografia municipal

Leia mais

Município de Colíder MT

Município de Colíder MT Diagnóstico da Cobertura e Uso do Solo e das Áreas de Preservação Permanente Município de Colíder MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Julho de 2008 Introdução O município de Colíder está localizado

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS NÚCLEO DOS BIOMAS MATA ATLÂNTICA E PAMPA PROJETO MATA ATLÂNTICA GCP/BRA/O61/WBK

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS NÚCLEO DOS BIOMAS MATA ATLÂNTICA E PAMPA PROJETO MATA ATLÂNTICA GCP/BRA/O61/WBK MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS NÚCLEO DOS BIOMAS MATA ATLÂNTICA E PAMPA PROJETO MATA ATLÂNTICA GCP/BRA/O61/WBK Relatório Metodológico do Mapeamento de Uso do Solo

Leia mais

Incêndio. quilómetros, devido aos seus fumos negros e densos

Incêndio. quilómetros, devido aos seus fumos negros e densos Incêndio A propagação de um incêndio depende das condições meteorológicas (direcção e intensidade do vento, humidade relativa do ar, temperatura), do grau de secura e do tipo do coberto vegetal, orografia

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável. Conceitos Básicos.

Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável. Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável Sistema de Informação Dados Armazenados Questão Informação Laboratório de Geoprocessamento (LAGEO) Programa de Mestrado em Ciências

Leia mais

ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS NA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS NA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS NA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS ALMEIDA, Paula Maria Moura de (Orientadora) 1 KOVAC, Marcel da Silva 2 Palavras-chave: Precipitação.

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

UFU 2014 Geografia 2ª Fase

UFU 2014 Geografia 2ª Fase QUESTÃO 1 (Geopolítica) A região representada no mapa conta com quase dois terços das reservas mundiais de petróleo. Nas últimas décadas, o controle sobre essas fontes de petróleo foi a principal causa

Leia mais

Utilização de Sistema de Informação Geográfica Para Composição do Atlas Pluviométrico do Distrito Federal Brasil. Resumo

Utilização de Sistema de Informação Geográfica Para Composição do Atlas Pluviométrico do Distrito Federal Brasil. Resumo Utilização de Sistema de Informação Geográfica Para Composição do Atlas Pluviométrico do Distrito Federal Brasil Valdir Adilson Steinke Instituto de Geociências, UnB Centro de Sensoriamento Remoto, IBAMA

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA Hogana Sibilla Soares Póvoas Bolsista do PET Solos Universidade Estadual de Santa Cruz hogana_sibila@hotmail.com Ednice de Oliveira Fontes Universidade

Leia mais

2. METODOLOGIA DE TRABALHO

2. METODOLOGIA DE TRABALHO TRAÇADO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO TÉCNICA AUXILIAR NA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE ÁREAS DEGRADADAS Autores: Adriana Gomes de Souza Pesquisadora

Leia mais

Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso

Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso Aula 02 Componentes de um GIS (SIE, ou SIG) Ideias dependem de pessoas. Pessoas trazem o conhecimento para uma equipe, que engendra ideias.

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO PRÁTICA PROPOSITIVA NA INTERVENÇÃO DAS QUEIMADAS NO MUNICIPIO DE MUCUGÊ CHAPADA DIAMANTINA- BA

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO PRÁTICA PROPOSITIVA NA INTERVENÇÃO DAS QUEIMADAS NO MUNICIPIO DE MUCUGÊ CHAPADA DIAMANTINA- BA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO PRÁTICA PROPOSITIVA NA INTERVENÇÃO DAS QUEIMADAS NO MUNICIPIO DE MUCUGÊ CHAPADA DIAMANTINA- BA Karla Christiane Ribeiro Tanan Graduanda em Geografia, Universidade Estadual de

Leia mais

Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Autores:

Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Autores: Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Desafios Uma cidade com a natureza exuberante e diferenciada merece um levantamento a sua altura: Inédito Único no Brasil Multidisciplinar

Leia mais

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 Sumário Pág. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2 1.2 Hidrografia 2 1.3 Topografia 2 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 1.5 Acesso 3 2 Objetivo Geral 4 3 Metodologia 5 3.1

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993. IV - existência, diversidade e quantidade de epífitas;

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993. IV - existência, diversidade e quantidade de epífitas; RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993 Legislação O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, com as alterações

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

MICROBACIA DO ARROIO CALIFÓRNIA FOZ DO IGUAÇU/ PR, COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE DE GEOPROCESSAMENTO

MICROBACIA DO ARROIO CALIFÓRNIA FOZ DO IGUAÇU/ PR, COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE DE GEOPROCESSAMENTO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL E DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE APP's DA MICROBACIA DO ARROIO CALIFÓRNIA FOZ DO IGUAÇU/ PR, COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE DE GEOPROCESSAMENTO gvsig Eng Esp Taciana

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG Aplicado ao Meio Ambiente - 2011 GA020- SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene S. Delazari -

Leia mais

CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES

CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES CONFLITO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO EM APPs DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ESTRELA DO NORTE- ES Franciane L. R. O. Louzada 1, Alexandre R. Santos 2 1 UFES/Departamento Engenharia Florestal, Programa

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14 Cobertura Vegetal A localização espacial e a diversidade da vegetação estão sistematicamente integradas às especificidades do meio físico e a ação humana sobre o território

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

I Encontro Brasileiro de usuários QGIS

I Encontro Brasileiro de usuários QGIS I Encontro Brasileiro de usuários QGIS Uso do QGIS no Processamento Digital de Imagens de Sensoriamento Remoto Jorge Santos jorgepsantos@outlook.com www.processamentodigital.com.br Dicas, tutoriais e tudo

Leia mais

CAPITULO 2: PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

CAPITULO 2: PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS CAPITULO 2: PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS 2.1 Operacionalização metodológica O trabalho se baseou, inicialmente, no inventário e análise de dados secundários, informações e resultados de pesquisas sobre

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO Natália Aragão de Figueredo 1, Paulo Henrique Dias Barbosa 2, Thiago Dannemann Vargas 3, João Luiz Lani 4

Leia mais

Avaliação das cicatrizes de queimadas nos municípios de Barreiras e São Desidério-BA. Priscila Santos Pinheiro¹ Elane Fiúza Borges¹

Avaliação das cicatrizes de queimadas nos municípios de Barreiras e São Desidério-BA. Priscila Santos Pinheiro¹ Elane Fiúza Borges¹ Avaliação das cicatrizes de queimadas nos municípios de Barreiras e São Desidério-BA Priscila Santos Pinheiro¹ Elane Fiúza Borges¹ ¹Universidade Estadual de Feira de Santana UEFS BR 116, KM 03, 44036-900

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÌPIO DE BRASÓPOLIS MG.

UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÌPIO DE BRASÓPOLIS MG. UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÌPIO DE BRASÓPOLIS MG. PEDRO HENRIQUE BAÊTA ANGELINI 1, ROSÂNGELA ALVES TRISTÃO BORÉM

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES.

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. Taynara Messias Pereira da Cunha Universidade Católica de Brasília, graduanda em Engenharia Ambiental. Com experiência em resíduos

Leia mais

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05 CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05 CONGRESSO NACIONAL AUDIÊNCIA PÚBLICA BRASILIA, 1 DEZEMBRO 2009 PROF. LUIZ CARLOS BALDICERO MOLION, PhD INSTITUTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Palavras chave: Expansão Urbana;Sensoriamento Remoto; SIG e Supressão da vegetação.

Palavras chave: Expansão Urbana;Sensoriamento Remoto; SIG e Supressão da vegetação. SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADOS NA ANÁLISE DA EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO SUDOESTE DA CIDADE DE MONTES CLAROS MG E A SUPRESSÃO DA VEGETAÇÃO NOS ANOS DE 2000 Á 2011 OLIVEIRA, Gustavo Henrique Gomes de

Leia mais

Incêndio Ambiental: Riscos, Consequências e Prevenção

Incêndio Ambiental: Riscos, Consequências e Prevenção Defesa Civil Do Paraná Incêndio Ambiental: Riscos, Consequências e Prevenção 2º Subgrupamento de Bombeiros/4ºGB Toledo PR 6 de agosto de 2013 1 Conceitos Fogo COMBUSTÍVEL COMBURENTE CALOR Incêndio: Fogo

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS ÁREAS DE CONFLITO DO USO DO SOLO NA MICROBACIA DO RIBEIRÃO ÁGUA-FRIA, BOFETE (SP), ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO

DETERMINAÇÃO DAS ÁREAS DE CONFLITO DO USO DO SOLO NA MICROBACIA DO RIBEIRÃO ÁGUA-FRIA, BOFETE (SP), ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO DETERMINAÇÃO DAS ÁREAS DE CONFLITO DO USO DO SOLO NA MICROBACIA DO RIBEIRÃO ÁGUA-FRIA, BOFETE (SP), ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO RAFAEL CALORE NARDINI; SÉRGIO CAMPOS; LUCIANO NARDINI GOMES;

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO TOPOGRÁFICA DOS VINHEDOS NO VALE DOS VINHEDOS, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL

AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO TOPOGRÁFICA DOS VINHEDOS NO VALE DOS VINHEDOS, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO TOPOGRÁFICA DOS VINHEDOS NO VALE DOS VINHEDOS, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL ELISEU WEBER, ELIANA CASCO SARMENTO, HEINRICH HASENACK Universidade Federal do Rio Grande do Sul, eweber@portoweb.com.br

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE TRABALHO 123: GEOPROCESSAMENTO E CADASTRAMENTO DE PROPRIEDADES DO OESTE BAIANO

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE TRABALHO 123: GEOPROCESSAMENTO E CADASTRAMENTO DE PROPRIEDADES DO OESTE BAIANO TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE TRABALHO 123: GEOPROCESSAMENTO E CADASTRAMENTO DE PROPRIEDADES DO OESTE BAIANO 1 - Identificação da Consultoria GEO 1 Prestação de serviço especializado de consultoria pessoa

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG.

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG. VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO

Leia mais

Implantação da Brigada de Incêndios Florestais na Universidade Federal de Lavras

Implantação da Brigada de Incêndios Florestais na Universidade Federal de Lavras Pedro Paulo Marcelino Abrão de Castro, graduando DCF/UFLA, ppfloresta@hotmail.com.br; Eng. Florestal Rossi Allan Silva, DCF/UFLA, rossiallan@gmail.com; Prof. José Aldo Alves Pereira, DCF/UFLA, j.aldo@ufla.br

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO ORIVALDO BRUNINI- JOÃO PAULO DE CARVALHO VANESSA BANCHIERI CIARELLI ANDREW PATRICK C,BRUNINI INSTITUTO AGRONÔMICO

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo Importância da Floresta Proteção e conservação do solo e da água; Produção de madeira (casas, barcos, carvão; etc); Produção de alimentos

Leia mais

SPRING 3.6.03 - Apresentação

SPRING 3.6.03 - Apresentação SPRING 3.6.03 - Apresentação GEOPROCESSAMENTO Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informações espaciais, geração de saídas na forma de mapas, relatórios, arquivos digitais, etc;

Leia mais

TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana.

TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana. TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana. NOME DOS AUTORES: Danilo Heitor Caires Tinoco Bisneto Melo. Formação: Bacharel em Geografia, pela Universidade

Leia mais

Estudo da fragilidade ambiental no Parque Nacional da Serra da Bocaina, Estado do Rio de Janeiro

Estudo da fragilidade ambiental no Parque Nacional da Serra da Bocaina, Estado do Rio de Janeiro Estudo da fragilidade ambiental no Parque Nacional da Serra da Bocaina, Estado do Rio de Janeiro Moraes, L.M.A.V. (UFRJ) ; Alexandre, S.T. (UFRJ) ; Brizzi, R.R. (UERJ) ; Souza, H.S. (UFRJ) ; Lopes, C.F.

Leia mais

Tarefa online 8º ANO

Tarefa online 8º ANO Tarefa online 8º ANO 1) Estabelecendo-se correlações entre a exploração florestal no Globo e as Zonas Climáticas, pode-se inferir que: 2) O Domínio morfoclimático das pradarias é uma área marcada: a) pelo

Leia mais

Site da disciplina: Site do Laboratório de Geotecnologias Aplicadas: https://moodleinstitucional.ufrgs.br. http://www.ufrgs.

Site da disciplina: Site do Laboratório de Geotecnologias Aplicadas: https://moodleinstitucional.ufrgs.br. http://www.ufrgs. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Geociências Departamento de Geografia Sistemas de Informações Geográficas I GEO 01007 Professora: Eliana Lima da Fonseca Site da disciplina: https://moodleinstitucional.ufrgs.br

Leia mais

ANEXO 1 RELAÇÃO DESCRITIVA DAS TAREFAS

ANEXO 1 RELAÇÃO DESCRITIVA DAS TAREFAS ANEXO 1 RELAÇÃO DESCRITIVA DAS TAREFAS Neste anexo estão delineadas, de forma sugestiva, as possíveis maneiras de se executar o Projeto de inovação do processo de monitoramento de safra da Conab com duração

Leia mais

EPB0733 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE APP DA SUB- BACIA DO RIBEIRÃO DA PEDRA NEGRA, TAUBATÉ/SP, POR MEIO DE GEOTECNOLOGIAS

EPB0733 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE APP DA SUB- BACIA DO RIBEIRÃO DA PEDRA NEGRA, TAUBATÉ/SP, POR MEIO DE GEOTECNOLOGIAS XV Encontro de Iniciação Científica XI Mostra de Pós-graduação V Seminário de Extensão II Seminário de Docência Universitária 18 a 22 de outubro de 2010 DESAFIOS DO SABER PARA UMA NOVA SOCIEDADE EPB0733

Leia mais

Anais do II Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais. Deise Regina Lazzarotto

Anais do II Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais. Deise Regina Lazzarotto SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS APLICADO AOS DADOS DO GRUPO DE PESQUISA BIODIVERSIDADE E SUSTENTABILIDADE DE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS DE IRATI PR. Deise Regina Lazzarotto Departamento de Engenharia Florestal

Leia mais

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias.

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de frentes frias. Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Apoio Didático - Exercícios Silvia Jun/09 10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias. a) O que são "frentes"?

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Promoção SEST / SENAT Conteúdo Técnico ESCOLA DO TRANSPORTE JULHO/2007 Queimadas: o que

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a exclusão social tornou-se assunto de importância mundial nos debates sobre planejamento e direcionamento de políticas públicas (Teague & Wilson, 1995). A persistência

Leia mais