ÍNDICE. Lição 8 Conceitos Fundamentais da Teoria dos Conjuntos 49. Representação Simbólica dos Conceitos Fundamentais da Teoria dos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE. Lição 8 Conceitos Fundamentais da Teoria dos Conjuntos 49. Representação Simbólica dos Conceitos Fundamentais da Teoria dos"

Transcrição

1 ÍNDICE Prefácio PARTE I LÓGICA ARISTOTÉLICA Lição 1 Introdução. Lógica Aristotélica: Noções Básicas 9 Lição 2 O Quadrado da Oposição 15 Lição 3 Conversão, Obversão e Contraposição 21 Lição 4 A Teoria do Silogismo I Definições e Regras 27 Lição 5 A Teoria do Silogismo II Validação Silogística 33 Lição 6 A Teoria do Silogismo III Sistematização da sua Arquitectura Dedutiva 39 Lição 7 Tipologia Breve de Falácias 43 PARTE II TEORIA DOS CONJUNTOS Lição 8 Conceitos Fundamentais da Teoria dos Conjuntos 49 Lição 9 Conjuntos. Representação Simbólica dos Conceitos Fundamentais da Teoria dos Inclusão. Potência. 55 Lição 10 Operações sobre Conjuntos 61 Lição 11 Propriedades das Operações sobre Conjuntos I 65 Lição 12 Propriedades das Operações sobre Conjuntos II 69

2 Lição 13 Propriedades das Operações sobre Conjuntos III 75 Lição 14 Representação da Teoria Aristotélica da Inferência na Teoria dos Conjuntos. I Quadrado da Oposição e Teoria da Conversão 81 Lição 15 Representação da Teoria Aristotélica da Inferência na Teoria dos Conjuntos II A Silogística (1) 89 Lição 16 Representação da Teoria Aristotélica da Inferência na Teoria dos Conjuntos III A Silogística (2) 97 Lição 17 Pares Ordenados 105 Lição 18 Produto Cartesiano 111 Lição 19 Relações 117 Lição 20 Propriedades de Relações Definidas num Conjunto M. Funções 121 PARTE III LÓGICA PROPOSICIONAL Lição 21 Teoria das Funções de Verdade 129 Lição 22 Álgebra das Proposições I Fórmula da Álgebra das Proposições. Substituibilidade Geral e Parcial. Substituibilidades 135 Lição 23 Álgebra das Proposições II Derivação de Substituibilidades 141 Lição 24 Álgebra das Proposições III O Problema da Decisão 147 Lição 25 Álgebra das Proposições IV Teorema da Representação.

3 Formas Normais Distintas ou Perfeitas. Critério S* 155 Lição 26 Inferência Proposicional 163 Lição 27 O Cálculo Proposicional I Vocabulário. Sintaxe (1): Regras de Formação 169 Lição 28 O Cálculo Proposicional II Sintaxe (2): Regras Primitivas de Inferência 173 Lição 29 O Cálculo Proposicional III Sintaxe (3): Regras Derivadas de Inferência 181 Lição 30 O Cálculo Proposicional IV Sintaxe (4): Teoremas. Consistência e Completude. 187 Lista de Regras 193 PARTE IV LÓGICA DE PREDICADOS Lição 31 Introdução à Lógica de Predicados 197 Lição 32 Elementos Básicos da Teoria da Quantificação 205 Lição 33 O Cálculo de Predicados I Vocabulário. Sintaxe (1): Regras de Formação 211 Lição 34 O Cálculo de Predicados II Sintaxe (2): Regras Primitivas de Inferência 217 Lição 35 O Cálculo de Predicados III Sintaxe (3): Regras Derivadas de Inferência (1) 227 Lição 36 O Cálculo de Predicados IV Sintaxe (3): Regras Derivadas de Inferência (2) 235

4 Lição 37 O Cálculo de Predicados V Sintaxe (4): Teoremas. Substituição 243 Lição 38 Cálculo de Predicados com Identidade 249 Lição 39 Semântica do Cálculo de Predicados 255 Lição 40 O Problema da Decisão no Cálculo de Predicados. Extensões do Cálculo de Predicados 263 Bibliografia 271

5 PREFÁCIO 40 Lições de Lógica Elementar apresenta-se ao público como um manual de Lógica elementar dirigido, em primeiro lugar, aos estudantes de Filosofia e Linguística. Encontra-se, por isso, organizado num formato escolar. Está dividido em 4 partes: Lógica Aristotélica, Teoria dos Conjuntos, Lógica Proposicional e Lógica de Predicados. No seu todo, estas cobrem o programa das cadeiras Lógica I e Lógica II da licenciatura em Filosofia e Lógica de 1ª Ordem da licenciatura em Linguística. Está também dividido em 40 unidades auto-contidas (as lições), por forma a facilitar ao estudante tanto o contacto com o seu conteúdo como o acompanhamento do modo como o curso se desenrola nas aulas. Espera-se que, num futuro não muito distante, venha a ser complementado com um livro de exercícios resolvidos. A Lógica Proposicional e a Lógica de Predicados constituem o núcleo fundamental da Lógica Moderna. Ou melhor, dado que o Cálculo Proposicional pode ser encarado como a parte proposicional do Cálculo de Predicados, pode dizer-se deste último apenas que constitui o fundamento da Lógica Moderna. Com efeito, a Teoria Aristotélica da Inferência pode ser, com toda a vantagem, considerada como uma pequena e limitada subdivisão da moderna Lógica de Predicados e uma versão formalizada da Teoria dos Conjuntos pode ser desenvolvida como uma extensão do Cálculo de Predicados de 1ª Ordem com identidade ao qual se juntou o predicado binário x pertence a y e os axiomas que regulam a sua semântica. Este facto constitui à primeira vista um poderoso argumento a favor de um arranjo diferente do material aqui apresentado. Nomeadamente, a favor da apresentação da Lógica Aristotélica e da Teoria dos Conjuntos no final e não no início deste volume. A experiência de ensino, porém, levoume a preterir a ordenação conceptualmente correcta a favor da ordenação aqui apresentada. De facto, a Lógica Aristotélica, tal como é tradicionalmente apresentada, apresenta-se mais próxima dos hábitos intuitivos de raciocínio dos estudantes e a Teoria dos Conjuntos liga-se mais facilmente à sua experiência escolar anterior. Tanto uma como outra têm, por isso, um importante valor propedêutico. A minha justificação para ordenar o material do modo como aqui o apresento é, assim, de ordem pedagógica e não de ordem lógica. A Álgebra das Proposições não é uma teoria inferencial. Mas o seu estudo constitui uma excelente introdução ao estudo dos sistemas dedutivos propriamente ditos. Daí que a Parte III do presente volume se inicie com o estudo da Álgebra das Proposições.

6 O sistema dedutivo usado nas últimas lições da Parte III e na Parte IV é um sistema de dedução natural e não um sistema axiomático. Um sistema de dedução natural é um sistema de formalização do raciocínio lógico que consiste simplesmente na exposição de um conjunto de regras inferenciais e prescinde do recurso a quaisquer axiomas. Tais sistemas foram introduzidos por Gentzen em 1935 com o objectivo explícito de modelar o raciocínio lógico efectivo implementado na prática demonstrativa dos matemáticos. Independentemente de se saber se essa modelação é exacta ou não, a experiência tem mostrado que os sistemas de dedução natural se revelam bastante mais eficazes para o ensino da Lógica do que os sistemas axiomáticos. O sistema de dedução natural que aqui se apresenta segue o exposto no clássico de E.J. Lemmon (1965), embora nem a divisão que nele se estabelece entre regras primitivas e derivadas coincida com a de Lemmon nem o modo de expor as demonstrações seja a mesma. Na representação do raciocínio condicional segue-se o aparato gráfico introduzido por Nolt & Rohatyn (1988). Apesar de utilizar a regra EQE, tal como ela é classicamente apresentada por Lemmon, a distinção entre nomes próprios e nomes arbitrários, que ele introduz no seu sistema em associação com ela, foi abandonada por ser redundante em relação às restrições que acompanham a definição das regras IQU e EQE. Esta redundância constitui, aliás, mais um argumento a favor da regra EQE. Com efeito, nos sistemas de dedução natural é mais comum encontrar-se, em vez da regra EQE de Lemmon, a regra EE (Exemplificação Existencial). A regra EE tem sobre a regra EQE a vantagem de ser mais fácil de enunciar. Mas a regra EQE tem sobre a regra EE a vantagem de facilitar o trabalho demonstrativo propriamente dito (por exemplo, libertando o utente do sistema da preocupação de, no decurso de uma demonstração, ter que se desembaraçar primeiro dos quantificadores existenciais e só depois dos quantificadores universais). Do meu ponto de vista, a desvantagem inicial da regra EQE é largamente compensada pelas suas vantagens posteriores. Finalmente, gostaria ainda de acrescentar que, ao contrário do que é comum em publicações congéneres, nem no final da Parte III nem no final da Parte IV se encontram quaisquer demonstrações meta-teoréticas, seja de consistência seja de completude. A apresentação de tais demonstrações não estaria de acordo, parece-me, com o carácter assumidamente elementar destas 40 lições de Lógica. António Zilhão

Filosofia. Lógica. Lógica. Prof. José Fernando da Silva. Lógica:Proposições categoriais e silogismo aristotélico

Filosofia. Lógica. Lógica. Prof. José Fernando da Silva. Lógica:Proposições categoriais e silogismo aristotélico Filosofia Prof. José Fernando da Silva :Proposições categoriais e silogismo aristotélico A demonstração de um argumento coincide com a realização de uma operação de dedução. De acordo com Aristóteles,

Leia mais

Lógica: Quadrado lógico:

Lógica: Quadrado lógico: Lógica: 1. Silogismo aristotélico: Podemos encara um conceito de dois pontos de vista: Extensão a extensão é um conjunto de objectos que o conceito considerado pode designar ou aos quais ele se pode aplicar

Leia mais

Resumo de Filosofia. Preposição frase declarativa com um certo valor de verdade

Resumo de Filosofia. Preposição frase declarativa com um certo valor de verdade Resumo de Filosofia Capítulo I Argumentação e Lógica Formal Validade e Verdade O que é um argumento? Um argumento é um conjunto de proposições em que se pretende justificar ou defender uma delas, a conclusão,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA DISCIPLINA:

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA DISCIPLINA: DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA DISCIPLINA: Matemática A (10º Ano) METAS CURRICULARES/CONTEÚDOS... 1º Período (18 de setembro a 17 de dezembro) Metas/ Objetivos Conceitos/ Conteúdos Aulas Previstas

Leia mais

Lógica Proposicional. LEIC - Tagus Park 2 o Semestre, Ano Lectivo 2007/08. c Inês Lynce c Luísa Coheur

Lógica Proposicional. LEIC - Tagus Park 2 o Semestre, Ano Lectivo 2007/08. c Inês Lynce c Luísa Coheur Capítulo 2 Lógica Proposicional Lógica para Programação LEIC - Tagus Park 2 o Semestre, Ano Lectivo 2007/08 c Inês Lynce c Luísa Coheur Programa Apresentação Conceitos Básicos Lógica Proposicional ou Cálculo

Leia mais

Introdução à Lógica Contemporânea

Introdução à Lógica Contemporânea Introdução à Lógica Contemporânea Ricardo Pereira Tassinari Departamento de Filosofia UNESP 2014 PREFÁCIO A Lógica, hoje, é uma vasta área do conhecimento, extremamente complexa e profunda. Este livro

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o

P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o 2015-2016 DISCIPLINA / ANO: Matemática A 10ºano de escolaridade MANUAL ADOTADO: NOVO ESPAÇO 10 GESTÃO DO TEMPO Nº de Nº de Nº de tempos tempos tempos

Leia mais

Lógica Computacional

Lógica Computacional Aula Teórica 13: Dedução Natural em Lógica Proposicional António Ravara Simão Melo de Sousa Departamento de Informática, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa Departamento de

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 500. Planificação Anual /Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 500. Planificação Anual /Critérios de avaliação Disciplina: Matemática A _ 10º ano _ CCH 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 500 Planificação Anual /Critérios de avaliação Início

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DOS DOMÍNIOS POR PERÍODO

DISTRIBUIÇÃO DOS DOMÍNIOS POR PERÍODO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Planificação Anual da Disciplina de Matemática 10.º ano Ano Letivo de 2015/2016 Manual adotado: Máximo 10 Matemática A 10.º ano Maria Augusta Ferreira

Leia mais

Planificação do 1º Período

Planificação do 1º Período Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro Planificação do 1º Período Disciplina: Matemática A Grupo: 500 Ano: 10º Número de blocos de 45 minutos previstos: 74 Ano

Leia mais

(A1) As operações + e são comutativas, ou seja, para todo x e y em A, x + y = y + x e x y = y x

(A1) As operações + e são comutativas, ou seja, para todo x e y em A, x + y = y + x e x y = y x Notas de aula de MAC0329 (2003) 17 3 Álgebra Booleana Nesta parte veremos uma definição formal de álgebra booleana, a qual é feita via um conjunto de axiomas (ou postulados). Veremos também algumas leis

Leia mais

Para provar uma implicação se p, então q, é suficiente fazer o seguinte:

Para provar uma implicação se p, então q, é suficiente fazer o seguinte: Prova de Implicações Uma implicação é verdadeira quando a verdade do seu antecedente acarreta a verdade do seu consequente. Ex.: Considere a implicação: Se chove, então a rua está molhada. Observe que

Leia mais

Matemática para Ciência de Computadores

Matemática para Ciência de Computadores Matemática para Ciência de Computadores 1 o Ano - LCC & ERSI Luís Antunes lfa@ncc.up.pt DCC-FCUP Complexidade 2002/03 1 Teoria de Conjuntos Um conjunto é uma colecção de objectos/elementos/membros. (Cantor

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E AUDITORIA. 1 Ano

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E AUDITORIA. 1 Ano DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E AUDITORIA 1 Ano - 2010 1 Cadeira: Microeconomia 1 Esta disciplina irá capacitar o estudante a fazer análises simples do cenário económico usando conceitos por ele já conhecidos

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL: ANO LETIVO 2013/2014 DISCIPLINA DE MATEMÁTICA 7 º ANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL: ANO LETIVO 2013/2014 DISCIPLINA DE MATEMÁTICA 7 º ANO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E TECNOLOGIAS ÁREA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA PLANIFICAÇÃO ANUAL: ANO LETIVO 2013/2014 DISCIPLINA DE MATEMÁTICA 7 º ANO CALENDARIZAÇÃO DO ANO LETIVO Período Início Fim Nº Semanas

Leia mais

VERDADE E VALIDADE, PROPOSIÇÃO E ARGUMENTO

VERDADE E VALIDADE, PROPOSIÇÃO E ARGUMENTO ENADE 2005 e 2008 1 O que B. Russell afirma da matemática, em Misticismo e Lógica: "uma disciplina na qual não sabemos do que falamos, nem se o que dizemos é verdade", seria particularmente aplicável à

Leia mais

1. Métodos de prova: Construção; Contradição.

1. Métodos de prova: Construção; Contradição. Universidade Estadual de Santa Cruz Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas Bacharelado em Ciência da Computação Fundamentos Matemáticos para Computação 1. Métodos de prova: Construção; Contradição.

Leia mais

LÓGICA APLICADA A COMPUTAÇÃO

LÓGICA APLICADA A COMPUTAÇÃO LÓGICA APLICADA A COMPUTAÇÃO 2009.3 Aquiles Burlamaqui Ementa Unidade 2 Lógica de Predicados: Linguagem e Semântica Tradução do português para a Lógica Quantificadores e Tipos Quantificadores como Conjunções

Leia mais

Algumas sugestões para a gestão curricular do Programa e Metas curriculares de Matemática do 3º ciclo

Algumas sugestões para a gestão curricular do Programa e Metas curriculares de Matemática do 3º ciclo Algumas sugestões para a gestão curricular do Programa e Metas curriculares de Matemática do 3º ciclo No seguimento da análise das Orientações de Gestão Curricular para o Programa e Metas Curriculares

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO SECUNDÁRIO Planificação Anual 2012-2013 FILOSOFIA

Leia mais

Lógica e Raciocínio. Introdução. Universidade da Madeira.

Lógica e Raciocínio. Introdução. Universidade da Madeira. Lógica e Raciocínio Universidade da Madeira http://dme.uma.pt/edu/ler/ Introdução 1 Lógica... é a ciência que estuda os princípios e aproximações para estabelecer a validez da inferência e demonstração:

Leia mais

MD Lógica de Proposições Quantificadas Cálculo de Predicados 1

MD Lógica de Proposições Quantificadas Cálculo de Predicados 1 Lógica de Proposições Quantificadas Cálculo de Predicados Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br http://www.dcc.ufmg.br/~loureiro MD Lógica de Proposições Quantificadas Cálculo de Predicados

Leia mais

Racionalidade argumentativa e Filosofia

Racionalidade argumentativa e Filosofia Racionalidade argumentativa e Filosofia Conteúdos Competências a desenvolver / objetivos a concretizar Estratégias Recursos Avaliação Tempos 1. Argumentação e lógica formal 1.1 Distinção validade/verdade

Leia mais

Anexo I. I. Introdução

Anexo I. I. Introdução I. Introdução Relativamente ao Curso Técnico Superior Profissional em, a área a que se refere o n.º 1 do artigo 6.º do regulamento das condições de ingresso e das provas de avaliação de capacidade relativas

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 Conhecendo os Vários Tipos de Problema... 1

Sumário. Capítulo 1 Conhecendo os Vários Tipos de Problema... 1 Sumário Capítulo 1 Conhecendo os Vários Tipos de Problema... 1 Capítulo 2 Problemas sobre Correlacionamento... 5 2.1. Problemas Envolvendo Correlação entre Elementos...5 2.2. Considerações Finais Sobre

Leia mais

Raciocínio lógico matemático

Raciocínio lógico matemático Raciocínio lógico matemático Unidade 2: Introdução à lógica Seção 2.1: O que é a lógica? 1 Lógica Parte da filosofia que trata das formas do pensamento em geral e das operações intelectuais que visam determinar

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS NATURAIS E MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA PLANO ANALÍTICO DA DISCIPLINA GEOMATRIA EUCLIDIANA

FACULDADE DE CIÊNCIAS NATURAIS E MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA PLANO ANALÍTICO DA DISCIPLINA GEOMATRIA EUCLIDIANA O Regente: Leonardo Simão Competências Os estudantes deverão: FACULDADE DE CIÊNCIAS NATURAIS E MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA PLANO ANALÍTICO DA DISCIPLINA GEOMATRIA EUCLIDIANA

Leia mais

Matemática Discreta - 07

Matemática Discreta - 07 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 07 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Capítulo 1 Linguagens, Teorias e Sistemas Formais

Capítulo 1 Linguagens, Teorias e Sistemas Formais Capítulo 1 Linguagens, Teorias e Sistemas Formais 1.1.- Introdução O todo sem a parte não é todo,a parte sem o todo não é parte, mas se a parte o faz todo sendo parte não se diga que é parte sendo todo.

Leia mais

. Um termo ou designação é uma expressão que nomeia ou designa um ente.. Uma proposição é toda a expressão p susceptível de ser verdadeira ou falsa.

. Um termo ou designação é uma expressão que nomeia ou designa um ente.. Uma proposição é toda a expressão p susceptível de ser verdadeira ou falsa. Tema 1 Lógica e Teoria dos Conjuntos 1. Proposições e valores lógicos. Um termo ou designação é uma expressão que nomeia ou designa um ente.. Uma proposição é toda a expressão p susceptível de ser verdadeira

Leia mais

PROVA ESCRITA DE MATEMÁTICA 3.º Ciclo do Ensino Básico /2015

PROVA ESCRITA DE MATEMÁTICA 3.º Ciclo do Ensino Básico /2015 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À PROVA FINAL DE CICLO CÓDIGO 82 PROVA ESCRITA DE MATEMÁTICA 3.º Ciclo do Ensino Básico - 2014/2015 Decreto-Lei nº3 / 2008, de 7 de janeiro, Decreto-Lei n.º 139/2012, de

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2).

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2). EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Prova 714/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30

Leia mais

Calendarização da Componente Letiva

Calendarização da Componente Letiva Calendarização da Componente Letiva 2015/2016 7º Ano Matemática s 1º 2º 3º Número de aulas previstas (45 minutos) 61 50 48 Apresentação e Diagnóstico 2 Avaliação (preparação, fichas de avaliação e correção)

Leia mais

Geometria Espacial Curso de Licenciatura em Matemática parte I. Prof.a Tânia Preto Departamento Acadêmico de Matemática UTFPR

Geometria Espacial Curso de Licenciatura em Matemática parte I. Prof.a Tânia Preto Departamento Acadêmico de Matemática UTFPR Geometria Espacial Curso de Licenciatura em Matemática parte I Prof.a Tânia Preto Departamento Acadêmico de Matemática UTFPR - 2014 1 1. Conceitos Primitivos e Postulados L1. Noções 1. Conceitos primitivos:

Leia mais

Aula demonstrativa Apresentação... 2 Modelos de questões resolvidas IBFC... 4

Aula demonstrativa Apresentação... 2 Modelos de questões resolvidas IBFC... 4 Aula demonstrativa Apresentação... 2 Modelos de questões resolvidas IBFC... 4 1 Apresentação Olá, pessoal Tudo bem com vocês? Finalmente saiu o edital do TCM/RJ Para quem ainda não me conhece, meu nome

Leia mais

Lógica Dedutiva e Falácias

Lógica Dedutiva e Falácias Lógica Dedutiva e Falácias Aula 3 Prof. André Martins Lógica A Lógica é o ramo do conhecimento humano que estuda as formas pelas quais se pode construir um argumento correto. O que seria um raciocínio

Leia mais

DIREÇÃO DE ENSINO EMENTA DE DISCIPLINA - MATEMÁTICA AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL ELETRÔNICA ELETROMECÂNICA MEIO AMBIENTE

DIREÇÃO DE ENSINO EMENTA DE DISCIPLINA - MATEMÁTICA AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL ELETRÔNICA ELETROMECÂNICA MEIO AMBIENTE Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Fluminense Campus Macaé DIREÇÃO DE ENSINO EMENTA DE DISCIPLINA - MATEMÁTICA Nível Curso Série CH Semanal CH Anual Ensino Médio Integrado AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 FILOSOFIA 11º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 FILOSOFIA 11º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 FILOSOFIA 11º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa da Disciplina ENSINO SECUNDÁRIO TEMAS/DOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS

Leia mais

Lógica e Metodologia Jurídica

Lógica e Metodologia Jurídica Lógica e Metodologia Jurídica Argumentos e Lógica Proposicional Prof. Juliano Souza de Albuquerque Maranhão julianomaranhao@gmail.com Quais sentenças abaixo são argumentos? 1. Bruxas são feitas de madeira.

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa e Metas de Aprendizagem e manual adoptado 3º CICLO MATEMÁTICA 7ºANO TEMAS/DOMÍNIOS

Leia mais

Proposições e Conectivos

Proposições e Conectivos Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação Proposições e Conectivos Lógica Computacional 1 Site: http://jeiks.net E-mail: jacsonrcsilva@gmail.com

Leia mais

ANÁLISE MATEMÁTICA I. Curso: EB

ANÁLISE MATEMÁTICA I. Curso: EB ANÁLISE MATEMÁTICA I (com Laboratórios) Curso: EB Lógica - Resumo Ana Matos DMAT Noções básicas de Lógica Consideremos uma linguagem, com certos símbolos. Chamamos expressão a qualquer sequência de símbolos.

Leia mais

EMENTA ESCOLAR I Trimestre Ano 2016

EMENTA ESCOLAR I Trimestre Ano 2016 EMENTA ESCOLAR I Trimestre Ano 2016 Disciplina: Matemática Professor: Flávio Calônico Júnior Turma: 3 ano do Ensino Médio Datas 15/fevereiro 17/fevereiro 13/fevereiro 22/fevereiro 24/fevereiro Conteúdos

Leia mais

LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO

LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO Engenharia de Computação Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Apresentação Conteúdo Programático Referência bibliográfica Avaliações Dados pessoais Rosalvo Ferreira de Oliveira

Leia mais

QUANTIFICADORES NO CONTEXTO LÓ- GICO: MUITOS E POUCOS

QUANTIFICADORES NO CONTEXTO LÓ- GICO: MUITOS E POUCOS QUANTIFICADORES NO CONTEXTO LÓ- GICO: MUITOS E POUCOS QUANTIFIERS IN THE LOGICAL CONTEXT: MANY AND FEW Hércules de Araujo Feitosa 1 1. UNESP, Faculdade de Ciências haf@fc.unesp.br FEITOSA, Hércules de

Leia mais

RACIOCÍNIO LÓGICO. NÍVEL DE ENSINO: Graduação CARGA HORÁRIA: 80h PROFESSOR-AUTOR: Márcia Maria Guimarães Onaldo Chaves APRESENTAÇÃO

RACIOCÍNIO LÓGICO. NÍVEL DE ENSINO: Graduação CARGA HORÁRIA: 80h PROFESSOR-AUTOR: Márcia Maria Guimarães Onaldo Chaves APRESENTAÇÃO NÍVEL DE ENSINO: Graduação CARGA HORÁRIA: 80h PROFESSOR-AUTOR: Márcia Maria Guimarães Onaldo Chaves RACIOCÍNIO LÓGICO APRESENTAÇÃO Raciocínio Lógico é uma das disciplinas mais fascinantes para aqueles

Leia mais

ESTUDOS DE DETERMINAÇÃO

ESTUDOS DE DETERMINAÇÃO TEXTOS UNIVERSITÁRIOS DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS ESTUDOS DE DETERMINAÇÃO A OPERAÇÃO DE QUANTIFICAÇAO-QUALIFICAÇAO EM SINTAGMAS NOMINAIS CLARA NUNES CORREIA FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Fundação para

Leia mais

PERFIL DO ALUNO APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS - 5.ºANO

PERFIL DO ALUNO APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS - 5.ºANO EB 2.3 DE SÃO JOÃO DO ESTORIL 2016/17 MATEMÁTICA PERFIL DO ALUNO PERFIL DO ALUNO APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS - 5.ºANO /DOMÍNIOS NUMEROS E OPERAÇÕES NO5 GEOMETRIA E MEDIDA GM5 ALG5 ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO

Leia mais

Conteúdo. Conceitos e Resultados Gerais. 11 Combinatória. Introdução

Conteúdo. Conceitos e Resultados Gerais. 11 Combinatória. Introdução Introdução ix I Conceitos e Resultados Gerais 1 1 Linguagem Matemática e Lógica Informal 1.1 Sistemas matemáticos.. 1.2 Noção de conjunto... 1.3 Linguagem proposicional.. 1.4 Operações sobre conjuntos.

Leia mais

Curso de Matemática Aplicada.

Curso de Matemática Aplicada. Aula 1 p.1/25 Curso de Matemática Aplicada. Margarete Oliveira Domingues PGMET/INPE Sistema de números reais e complexos Aula 1 p.2/25 Aula 1 p.3/25 Conjuntos Conjunto, classe e coleção de objetos possuindo

Leia mais

Programa da Disciplina

Programa da Disciplina INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E tecnologia PARAÍBA Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba - Campus Cajazeiras Diretoria de Ensino / Coord. do Curso

Leia mais

Lógica de primeira ordem (Capítulo 8 - Russell) Inteligência Artificial

Lógica de primeira ordem (Capítulo 8 - Russell) Inteligência Artificial Lógica de primeira ordem (Capítulo 8 - Russell) Inteligência Artificial Estrutura 1- Contextualização 2- Definições 3- Lista de exercício 4- Prolog 5- Regras em Prolog - Mundo Wumpus 6- Aplicação do Mundo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO. Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho. Departamento de Matemática e Ciências Experimentais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO. Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho. Departamento de Matemática e Ciências Experimentais AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Planificação Anual de Matemática A 10º ano Ano Letivo

Leia mais

Índice. Introdução Unidade 1 Probabilidades e Cálculo Combinatório

Índice. Introdução Unidade 1 Probabilidades e Cálculo Combinatório Índice Introdução... 9 Unidade 1 Probabilidades e Cálculo Combinatório Probabilidades Introdução ao cálculo das probabilidades...12 Experiência...13 Classificação para os acontecimentos. Espaço de acontecimentos...14

Leia mais

DA LÓGICA À COMPUTAÇÃO. Prof. André Vignatti DINF - UFPR

DA LÓGICA À COMPUTAÇÃO. Prof. André Vignatti DINF - UFPR DA LÓGICA À COMPUTAÇÃO Prof. André Vignatti DINF - UFPR ALGO ERRADO COM A FIGURA? NA GRÉCIA ANTIGA Pensadores: como ganhar uma discussão? Como saber se um argumento é VERDADEIRO? NA GRÉCIA ANTIGA 1ª Tentativa:

Leia mais

12 AULA. Relações de Ordem LIVRO. META: Apresentar o conceito de relações de ordem e suas propriedades.

12 AULA. Relações de Ordem LIVRO. META: Apresentar o conceito de relações de ordem e suas propriedades. 2 LIVRO Relações de Ordem META: Apresentar o conceito de relações de ordem e suas propriedades. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Determinar se uma dada relação é uma relação

Leia mais

Introdução à Computação: Álgebra Booleana

Introdução à Computação: Álgebra Booleana Introdução à Computação: Álgebra Booleana Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória, ES

Leia mais

Algoritmos Fundamento e Prática

Algoritmos Fundamento e Prática Everton Coimbra de Araújo Algoritmos Fundamento e Prática 3 a Edição Ampliada e Atualizada Visual Books Sumário Prefácio... 15 Introdução... 17 Capítulo 1 - Os Cursos de Informática e Computação... 23

Leia mais

9.º Ano. Planificação Matemática 16/17. Escola Básica Integrada de Fragoso 9.º Ano

9.º Ano. Planificação Matemática 16/17. Escola Básica Integrada de Fragoso 9.º Ano 9.º Ano Planificação Matemática 1/17 Escola Básica Integrada de Fragoso 9.º Ano Funções, sequências e sucessões Álgebra Organização e tratamento de dados Domínio Subdomínio Conteúdos Objetivos gerais /

Leia mais

Silogismos Categóricos e Hipotéticos

Silogismos Categóricos e Hipotéticos Silogismos Categóricos e Hipotéticos Resumo elaborado por Francisco Cubal Apenas para publicação em Resumos.tk Primeiros objectivos a alcançar: Reconhecer os quatro tipos de proposições categóricas. Enunciar

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL DEPARTAMENTO: PLANIFICAÇÃO ANUAL - ANO LETIVO: DISCIPLINA: Matemática A (12.º ano) Matemática e Ciências Experimentais 2015/2016 UNIDADE Tema 1 - Probabilidades e Combinatória

Leia mais

Unidade de Formação: Matemática I. Unidade de Formação: Matemática II. Unidade de Formação: Inglês

Unidade de Formação: Matemática I. Unidade de Formação: Matemática II. Unidade de Formação: Inglês Unidade de Formação: Matemática I 1. Noções elementares de funções a. Generalidades sobre funções (módulo, trigonométricas, exponencial e logaritmo); b. Limites e continuidade. 2. Números complexos a.

Leia mais

Rui Ribeiro Marques SILOGÍSTICA ARISTOTÉLICA E QUANTIFICADORES DAS LÍNGUAS NATURAIS

Rui Ribeiro Marques SILOGÍSTICA ARISTOTÉLICA E QUANTIFICADORES DAS LÍNGUAS NATURAIS Rui Ribeiro Marques SILOGÍSTICA ARISTOTÉLICA E QUANTIFICADORES DAS LÍNGUAS NATURAIS 1. Introdução No século IV a.c., Aristóteles definiu uma teoria - Teoria dos Silogismos - que foi durante séculos objecto

Leia mais

Matemática Discreta - 04

Matemática Discreta - 04 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 04 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA

PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA Docente: FABIO LUIS BACCARIN Telefones: (43) 3422-0725 / 9116-4048 E-mail: fbaccarin@fecea.br Nome da Disciplina: Álgebra Elementar Curso: Licenciatura em Matemática Carga

Leia mais

O recurso solicita a mudança do gabarito da alternativa C para a alternativa A.

O recurso solicita a mudança do gabarito da alternativa C para a alternativa A. Nível: SUPERIOR Área: Raciocínio Lógico QUESTÃO 14. O recurso solicita a mudança do gabarito da alternativa C para a alternativa A. A alternativa correta é a letra C. O item em questão envolve Princípio

Leia mais

Elementos de Lógica Matemática p. 1/2

Elementos de Lógica Matemática p. 1/2 Elementos de Lógica Matemática Uma Breve Iniciação Gláucio Terra glaucio@ime.usp.br Departamento de Matemática IME - USP Elementos de Lógica Matemática p. 1/2 Vamos aprender a falar aramaico? ǫ > 0 ( δ

Leia mais

III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA

III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA III. RACIONALIDADE ARGUMEN NTATIVA E FILOSOFIA 1. Argumentação e Lóg gica Formal 1.1. Distinção validade - verdade 1.2. Formas de Inferên ncia Válida. 1.3. Principais Falácias A Lógica: objecto de estudo

Leia mais

MATEMÁTICA - 8.º Ano. Ana Soares ) Catarina Coimbra

MATEMÁTICA - 8.º Ano. Ana Soares ) Catarina Coimbra Salesianos de Mogofores - 2016/2017 MATEMÁTICA - 8.º Ano Ana Soares (ana.soares@mogofores.salesianos.pt ) Catarina Coimbra (catarina.coimbra@mogofores.salesianos.pt ) Rota de aprendizage m por Projetos

Leia mais

2 AULA. Conectivos e Quantificadores. lógicas. LIVRO. META: Introduzir os conectivos e quantificadores

2 AULA. Conectivos e Quantificadores. lógicas. LIVRO. META: Introduzir os conectivos e quantificadores 1 LIVRO Conectivos e Quantificadores Lógicos META: Introduzir os conectivos e quantificadores lógicos. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Compreender a semântica dos conectivos

Leia mais

No arquivo Exames e Provas podem ser consultados itens e critérios de classificação de provas desta disciplina.

No arquivo Exames e Provas podem ser consultados itens e critérios de classificação de provas desta disciplina. INFORMAÇÃO-PROVA FILOSOFIA 2017 Prova 714 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova de exame final nacional do ensino secundário

Leia mais

Inteligência Artificial IA II. LÓGICA DE PREDICADOS PARA REPRESENTAÇÃO DO CONHECIMENTO

Inteligência Artificial IA II. LÓGICA DE PREDICADOS PARA REPRESENTAÇÃO DO CONHECIMENTO Inteligência Artificial IA Prof. João Luís Garcia Rosa II. LÓGICA DE PREDICADOS PARA REPRESENTAÇÃO DO CONHECIMENTO 2004 Representação do conhecimento Para representar o conhecimento do mundo que um sistema

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA PLANO DE ENSINO FICHA N.º 1

DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA PLANO DE ENSINO FICHA N.º 1 DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA PLANO DE ENSINO FICHA N.º 1 Departamento de Estatística Setor de Ciências Exatas Disciplina: Elementos Básicos para Estatística Código: CE065 Natureza: Semestral Carga Horária:

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL. Documento(s) Orientador(es): Programa e Metas de Aprendizagem

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL. Documento(s) Orientador(es): Programa e Metas de Aprendizagem AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa e Metas de Aprendizagem 3º CICLO MATEMÁTICA 7ºANO TEMAS/DOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS

Leia mais

Um livro texto para Álgebra Aplicada à Computação

Um livro texto para Álgebra Aplicada à Computação Um livro texto para Álgebra Aplicada à Computação Jaime Evaristo Departamento de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Alagoas jaime@ccen.ufal.br Resumo O ensino de matemática discreta (ou álgebra

Leia mais

Conjuntos Fuzzy e Lógica Fuzzy

Conjuntos Fuzzy e Lógica Fuzzy 1 Introdução Conjuntos Fuzzy e Lógica Fuzzy users.femanet.com.br/~fabri/fuzzy.htm Os Conjuntos Fuzzy e a Lógica Fuzzy provêm a base para geração de técnicas poderosas para a solução de problemas, com uma

Leia mais

NÚMEROS REAIS RELATIVOS

NÚMEROS REAIS RELATIVOS NÚMEROS REAIS RELATIVOS Os números negativos apareceram, primeiramente, na China antiga, na tentativa de formular um algoritmo para resolução de equações de segundo grau. O matemático grego Diofanto operava

Leia mais

Lyneker Amorim (T1) Philipe Farias Rafael Mota Yure Bonifacio

Lyneker Amorim (T1) Philipe Farias Rafael Mota Yure Bonifacio Lyneker Amorim (T1) Philipe Farias Rafael Mota Yure Bonifacio A teoria de Herbrand foi criada por Jacques Herbrand (1908-1931), um matemático francês. Ela constata que um conjunto de -sentenças Φ é insatisfazível

Leia mais

Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro Escola Básica de Eugénio de Castro Planificação Anual

Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro Escola Básica de Eugénio de Castro Planificação Anual CONHECIMENTO DE FACTOS E DE PROCEDIMENTOS. RACIOCÍNIO MATEMÁTICO. COMUNICAÇÃO MATEMÁTICA. RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Reconhecer propriedades da relação de ordem em IR. Definir intervalos de números reais.

Leia mais

Geometria e Experiência

Geometria e Experiência Geometria e Experiência Albert Einstein A matemática desfruta, entre as ciências, de um particular prestígio pela seguinte razão: suas proposições são de uma certeza absoluta e a salvo de qualquer contestação,

Leia mais

Prova Final de Matemática

Prova Final de Matemática PROVA FINAL DO 2.º CICLO do Ensino BÁSICO Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de janeiro Prova Final de Matemática 2.º Ciclo do Ensino Básico Prova 62/2.ª Chamada Braille Critérios de Classificação 9 Páginas

Leia mais

Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos

Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos. Teoria dos Conjuntos Pode-se dizer que a é em grande parte trabalho de um único matemático: Georg Cantor (1845-1918). noção de conjunto não é suscetível de definição precisa a partir d noções mais simples, ou seja, é uma noção

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE DISCIPLINA Av. Dr. Lamartine Pinto de Avelar, n o 1120 Setor Universitário Bloco J C.P. 536 CEP:

Leia mais

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA Governo da República Portuguesa Descrição e interpretação da atividade cognoscitiva 1.1 Estrutura do ato de conhecer 1.2 Análise

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Lousada. Ficha de Trabalho de Matemática do 9.º Ano N.º. Assunto: Preparação para o 2º Teste de Avaliação

Escola Secundária com 3º CEB de Lousada. Ficha de Trabalho de Matemática do 9.º Ano N.º. Assunto: Preparação para o 2º Teste de Avaliação Escola Secundária com 3º CEB de Lousada Ficha de Trabalho de Matemática do 9.º Ano N.º Assunto: Preparação para o º Teste de Avaliação Lições nº e Data: /11/011 Apresentação dos Conteúdos e Objectivos

Leia mais

LÓGICA I ANDRÉ PONTES

LÓGICA I ANDRÉ PONTES LÓGICA I ANDRÉ PONTES 3. Introdução à Teoria dos Conjuntos Um conjunto é uma coleção ou um agregado de objetos. Introduzindo Conjuntos Ex.: O conjunto das vogais; O conjuntos de pessoas na sala; O conjunto

Leia mais

Filosofia COTAÇÕES GRUPO I GRUPO II GRUPO III. Teste Intermédio de Filosofia. Teste Intermédio. Duração do Teste: 90 minutos

Filosofia COTAÇÕES GRUPO I GRUPO II GRUPO III. Teste Intermédio de Filosofia. Teste Intermédio. Duração do Teste: 90 minutos Teste Intermédio de Filosofia Teste Intermédio Filosofia Duração do Teste: 90 minutos 20.04.2012 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março 1. 2. COTAÇÕES GRUPO I 1.1.... 10 pontos

Leia mais

Lógica Proposicional. Respostas dos exercícios

Lógica Proposicional. Respostas dos exercícios Lógica Proposicional Respostas dos exercícios Exercício 5 Use a tabela-verdade para verificar a validade dos argumentos a seguir Se o time joga bem, então ganha o campeonato. Se o time não joga bem, então

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Grupo 500 Planificação Anual / Critérios de Avaliação Disciplina: Matemática _ 9.º ano 2016 / 2017 Início Fim

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Informática 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais

O que é Realidade? 3 - Modelos Mentais (Johnson-Laird) Modelos mentais. Modelos mentais. Regra de ouro. Modelos mentais

O que é Realidade? 3 - Modelos Mentais (Johnson-Laird) Modelos mentais. Modelos mentais. Regra de ouro. Modelos mentais O que é Realidade? 3 - Modelos Mentais (Johnson-Laird) A fenômenos B imagem de A (observações Estágio Curricular Supervisionado em Física II D causas? (nãoobserváveis) REALIDADE Leis, Teorias, Princípios

Leia mais

Calendarização da Componente Letiva Ano Letivo 2016/2017

Calendarização da Componente Letiva Ano Letivo 2016/2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANDRÉ SOARES (150952) Calendarização da Componente Letiva Ano Letivo 2016/2017 8º Ano Matemática Períodos 1º Período 2º Período 3º Período Número de aulas previstas (45 minutos)

Leia mais

Segue, abaixo, o Roteiro de Estudo para a Verificação Global 2 (VG2), que acontecerá no dia 03 de abril de º Olímpico Matemática I

Segue, abaixo, o Roteiro de Estudo para a Verificação Global 2 (VG2), que acontecerá no dia 03 de abril de º Olímpico Matemática I 6º Olímpico Matemática I Sistema de numeração romano. Situações problema com as seis operações com números naturais (adição, subtração, multiplicação, divisão, potenciação e radiciação). Expressões numéricas

Leia mais

PROGRAMA e Metas Curriculares Matemática A. Lógica e Teoria dos Conjuntos

PROGRAMA e Metas Curriculares Matemática A. Lógica e Teoria dos Conjuntos PROGRAMA e Metas Curriculares Matemática A Lógica e Teoria dos Conjuntos António Bivar, Carlos Grosso, Filipe Oliveira, Luísa Loura, Maria Clementina Timóteo O tema de Lógica e Teoria dos Conjuntos faz

Leia mais

Aula demonstrativa Apresentação... 2 Modelos de questões resolvidas IBFC... 3

Aula demonstrativa Apresentação... 2 Modelos de questões resolvidas IBFC... 3 Aula demonstrativa Apresentação... 2 Modelos de questões resolvidas IBFC... 3 www.pontodosconcursos.com.br 1 Apresentação Olá, pessoal Tudo bem com vocês? Em breve teremos o concurso do TCM/RJ e sabemos

Leia mais

Lógica Matemática. Definição. Origem. Introdução

Lógica Matemática. Definição. Origem. Introdução Lógica Matemática Introdução 1 Definição A Lógica tem, por objeto de estudo, as leis gerais do pensamento, e as formas de aplicar essas leis corretamente na investigação da verdade. 2 Origem Aristóteles

Leia mais

Prova Final de Matemática

Prova Final de Matemática PROVA FINAL DO.º CICLO do Ensino BÁSICO Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de janeiro Prova Final de Matemática.º Ciclo do Ensino Básico Prova 92/1.ª Chamada Critérios de Classificação 8 Páginas 2012 1. COTAÇÕES

Leia mais

Resumo. Sistemas e Sinais Conjuntos e Funções. Conjuntos. Aula de Hoje

Resumo. Sistemas e Sinais Conjuntos e Funções. Conjuntos. Aula de Hoje Resumo Sistemas e Sinais Conjuntos e Funções lco@ist.utl.pt Instituto Superior Técnico Conjuntos. Atribuição e asserção. Operadores, variáveis e predicados. Quantificadores. Produto cartesiano. Funções.

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE. O que é Ciência?

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE. O que é Ciência? CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE O que é Ciência? O QUE É CIÊNCIA? 1 Conhecimento sistematizado como campo de estudo. 2 Observação e classificação dos fatos inerentes a um determinado grupo de fenômenos

Leia mais