Um sistema de alerta precoce contra as secas e a desertificação no semiárido brasileiro.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um sistema de alerta precoce contra as secas e a desertificação no semiárido brasileiro."

Transcrição

1 Um sistema de alerta precoce contra as secas e a desertificação no semiárido brasileiro. MCTI e SEDR/MMA III Reunião Técnica do CEMADEN Fortaleza, abril 2012

2 Coordenadores: Francisco Campello (MMA) Marcos Santana (MMA) Javier Tomasella Regina Célia dos Santos Alvalá Consultores: Adriana Affonso Giane de Fátima Valles Marcelo Francisco Sestini Pérola Calil Analista de Sistemas: Angela Harada Colaboradores: Rita Marcia S. P. Vieira Sebastião Ferraz-Neto Ana Paula M. do A. Cunha Vanessa Canavesi Poliana Bispo Paulo Gurgel

3 A Agenda 21, em seu capítulo 12, definiu a desertificação como sendo "a degradação da terra nas regiões áridas, semi-áridas e sub-úmidas secas, resultante de vários fatores, entre eles as variações climáticas e as atividades humanas. Contexto geográfico Aridez O Índice de Aridez (Precipitação / Evapotranspiração Potencial), estabelece as seguintes classes climáticas: Hiper-árido < 0,03 Árido 0,03-0,20 Semi-árido 0,21-0,50 Sub-úmido seco 0,51-0,65 Sub-úmido úmido> 0,65 Desertificação

4 Que é desejável em um sistema de alerta precoce? Deve prover as bases técnicas necessárias para a formulação de estratégias de redução de desastres e na formulação de ações em todos os níveis de governo e nas organizações sociais, bem como servir de fonte de informação para a sociedade. Deve permitir a integração e assimilação de dados espaciais e temporais, sejam de caráter bio-geofísicos, sejam de caráter sócio-econômicos, nas mais variadas escalas temporais e espaciais.

5 Elementos necessários no sistema Módulo de monitoramento e análise (modelos de frustração de safra, de previsões de tempo e clima sazonal, vegetação, de balanço hídrico e hidrológico, integrados em um SIG) Módulo de análise de risco (mapas de vulnerabilidade indicando áreas de risco) Módulo de disseminação de informações (listas de s, boletins, relatórios, etc) Módulo de apoio à tomada de decisões (mapas de análise de risco, cenários de situações de emergência, ações de contingência e resposta)

6 A desertificação no Brasil Apesar dos avanços na área de monitoramento e previsão de secas, a área de desertificação apresenta resultados muito incipientes. Procedimentos de avaliação do processo de desertificação são empíricos, de aplicação muito restrita, e focados muitas vezes nos sintomas e não nos drivers (promotores) do processo. Análise temporal é ainda muito limitada, e a regional praticamente inexistente.

7 Um sistema de alerta precoce para o semiárido Brasileiro A metodologia proposta baseia-se na identificação de Indicadores Regionais de Desertificação (RDIs) e Áreas Ambientalmente Sensíveis (ESAs), através de uma análise multifactorial simultânea, baseada num conhecimento geral e local dos processos atuantes. Para tal fim, usam-se informações disponíveis, incluindo imagens de satélite, informação topográfica (mapas e Modelos Digitais de Terreno DEMs), clima, solos e informação sobre a geologia, cobertura vegetal e fatores socioeconômicos, incluindo padrões de usos da terra. Atribuem-se pesos a cada um dos fatores determinantes do processo de degradação, o quais combinados resultam em um índice que indica a susceptibilidade de ocorrência de desertificação

8 Um sistema de alerta precoce para o semiárido Brasileiro Para esse fim, informações físicas, biológicas integradas em um SIG. e sócio ambientais Altimetria Geologia Geomorfologia Solos Informações sócio econômicas, Vegetação. Foco desta abordagem é na identificação dos precursores do processo de desertificação, mas do que na detecção do processo quando ele está instalado (uso de sensores remotos)

9 Como se define o índice de susceptibilidade à desertificação? DSI = Índice de sensibilidade à desertificação= (CQI*VQI*SQI*MQI) 1/4 CQI = Índice de qualidade climática = Índice de aridez SQI = Índice de qualidade do solo = (Material originário * Profundidade * Textura * Declividade) 1/4 VQI = Índice de qualidade da vegetação = Classificação da vegetação= (Proteção contra erosão * Resistência à seca * Tipo de vegetação * Risco de queimadas) 1/4 MQI = Índice de qualidade do manejo = (Intensidade do uso da terra * Política de proteção) 1/2

10 A desertificação no Brasil A maior restrição neste tipo de abordagem para o semiárido brasileiro é a escala da informação básica, geralmente grosseira, muitas vezes em escalas diferentes, com projeções geográficas diferentes. Isto impede o cruzamento destas informações de uma maneira coerente. Sendo assim, os dados básicos dos mapas de Geologia, Geomorfologia, Solos, etc, disponíveis para o semiárido precisam ser compatibilizados e refinados para que possam ser gerados índices de sensibilidade. Para tal fim é necessário a reinterpretação de dados preexistentes em diversas escalas, a partir de edição vetorial das quebras positivas e negativas de relevo (feições onde muda a declividade do terreno e ocorrem os contatos geológicos e geomorfológicos) geradas automaticamente, por exemplo, a partir de dados SRTM.

11 O que é a reinterpretação de bases de dados existentes? Mapas de Referência: Geomorfologia Projeto RADAM BRASIL escala 1: Dados SRTM (altimetria, declividade, perfil vertical, imagens sombreadas) Imagem sombreada/geomorfologiaradam Imagem sombreada linhas ajustadas de classes (unidades geomorfológicas) a partir de dados SRTM

12 O que esta sendo feito Reinterpretar mapas de Geologia a 90 m Reinterpretar mapas de Geomorfologia a 90 m Reinterpretar mapas de Solos a 90 m Reinterpretar mapas de Vegetação a 90 m

13 Mapas finalizados - geologia, geomorfologia, pedologia, uso/cobertura da terra. - Maranhão - Ceará - Rio Grande do Norte - Paraíba - Alagoas - Pernambuco - Piauí em interpretação

14 Base de dados Mapas de Referência ProVeg Projeto de Vegetação (INPE) ano base 2000 PROBIO Projeto de Biodiversidade (MMA) ano base 2002 Google Earth SAP_CE

15 Chave de Interpretação - CE

16 SAP_CE COMPONENTE GEOLOGIA Base de dados Mapas de Referência CPRM (Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais

17 SAP_CE Formas de origem estrutural: St tabulares SEpt patamares Formas de origem degradacional: Et tabular erosiva Ep pediplanos Formas de acumulação: Apf planície fluvial Atf terraço fluvial inconsolidado (com aluvião) Modelados de dissecação: drv forte dissecação em ravinas dc colinas fracamente dissecadas COMPONENTE GEOMORFOLOGIA

18 SAP_CE Componente Pedologia CE LEGENDA LVd LVe PV PE TRe BV NC PL CE SS SK SM Ae Re Red REd REe AQd CLASSES DE SOLOS LATOSSOLO VERMELHO AMARELO Distrófico LATOSSOLO VERMELHO AMARELO Eutrófico PODZÓLICO VERMELHO AMARELO PODZÓLICO VERMELHO AMARELO EQUIVALENTE EUTRÓFICO TERRA ROXA ESTRUTURADA SIMILAR BRUNIZÉM AVERMELHADO BRUNO NÃO CÁLCICO PLANOSSOL SOLÓDICO CAMBISSOLO SOLONETZ SOLODIZADO SOLONCHAK SOLONÉTZICO SOLOS INDISCRIMINADOS DE MANGUES SOLOS ALUVIAIS Eutróficos SOLOS LITÓLICO Eutrófico SOLOS LITÓLICO Distrófico REGOSSOLO Distrófico REGOSSOLO Eutrófico SOLOS ARENOQUARTZOSOS PROFUNDOS Distróficos

19 Cruzamento dos temas: geologia, geomorfologia, pedologia e uso/cobertura CRUZAMENTO TEMAS

20 Geologia Geomorfologia Pedologia Uso e Cobertura da Terra

21 Para cada tema devem ser atribuídos pesos (Crepani et al. 2001; Ribeiro e Campos, 2007) para cada uma das classes interpretadas e ajustadas. Vegetação Solos Geologia Geomorfologia Crepani et al. 2001

22 Geologia Geomorlogia Para cada tema são atribuídos pesos (Crepani et al. 2001; Ribeiro e Campos, 2007) para cada uma das classes interpretadas e ajustadas. Pedologia Declividade Uso/Cobertura

23 Fatiamento da vulnerabilidade à degradação do solo Crepani et al. 2001

24 Resultado do Fatiamento da vulnerabilidade à degradação do solo

25

26 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CREPANI, E.; MEDEIROS, J.S.; HERNANDEZ FILHO, P.; FLORENZANO, T.G.; DUARTE, V.; BARBOSA, C.C.F. Sensoriamento remoto e geoprocessamento aplicados ao Zoneamento Ecológico- Econômico e ao ordenamento territorial. São José dos Campos: INPE, (INPE-8454-RPQ/722). CREPANI, E.; MEDEIROS, J. S.; AZEVEDO, L. G.; HERNANDEZ FILHO, P.; FLORENZANO, T. G.; DUARTE, V. Curso de sensoriamento remoto aplicado ao zoneamento ecológico-econômico. São José dos Campos: INPE, p. Metodologia desenvolvida para subsidiar o Zoneamento Ecologico-Economico e capacitar os tecnicos dos Estados da Amazonia Legal (Convenio SAE/INPE). (INPE-6145-PUD/82). Disponível em: <http://urlib.net/sid.inpe.br/sergio/2004/ >. Acesso em: 28 mar RIBEIRO, F.L.; CAMPOS, S. Vulnerabilidade à erosão do solo da Região do Alto Rio Pardo, Pardinho, SP. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. v.11, n.6, p , VALLES, G. F. Sensoriamento remoto e geoprocessamento aplicados à geração de uma carta de vulnerabilidade natural à perda de solo p. (INPE TDI/1270). Dissertação (Mestrado em Sensoriamento Remoto) - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, São José dos Campos, Disponível em: Acesso em: 28 mar

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

Eixo: GEOGRAFÍA FÍSICA, RIESGOS SOCIOAMBIENTALES Y CAMBIO CLIMÁTICO.

Eixo: GEOGRAFÍA FÍSICA, RIESGOS SOCIOAMBIENTALES Y CAMBIO CLIMÁTICO. Eixo: GEOGRAFÍA FÍSICA, RIESGOS SOCIOAMBIENTALES Y CAMBIO CLIMÁTICO. Utilização de geotecnologias para determinação da vulnerabilidade à perda de solo em áreas quilombolas: Caso de Jamary dos Pretos, Maranhão,

Leia mais

Rafael Galvan Barbosa Ferraz 1 Carla Maria Maciel Salgado 1 Reginaldo Brito da Costa 1

Rafael Galvan Barbosa Ferraz 1 Carla Maria Maciel Salgado 1 Reginaldo Brito da Costa 1 Análise de Uso do Solo e Topografia do Município de Dois Irmãos de Buriti para elaboração de uma proposta de criação de Área de Proteção Ambiental (APA) Rafael Galvan Barbosa Ferraz 1 Carla Maria Maciel

Leia mais

Mesquita, M. 1 ; Silva Neto, J.C.A. 2 ; Aleixo, N.C.R. 3 ; Email:natachaaleixo@yahoo.com.br;

Mesquita, M. 1 ; Silva Neto, J.C.A. 2 ; Aleixo, N.C.R. 3 ; Email:natachaaleixo@yahoo.com.br; SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA APLICADAS À ANÁLISE DA Mesquita, M. 1 ; Silva Neto, J.C.A. 2 ; Aleixo, N.C.R. 3 ; 1 UEA Email:nsacj@hotmail.com; 2 UEA Email:joaokandido@yahoo.com.br; 3 UEA Email:natachaaleixo@yahoo.com.br;

Leia mais

1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA. 1.1 Introdução

1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA. 1.1 Introdução TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA, PESSOA FÍSICA, NA ÁREA DE MAPEAMENTO GEOLÓGICO E GEOPROCESSAMENTO PARA A IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE ALERTA PRECOCE DE SECA E DESERTIFICAÇÃO. 1 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS

ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS Passos, N.O. (UFBA) ; Melo, D.H.C.T.B. (UFBA) RESUMO Apresenta-se os principais resultados obtidos na

Leia mais

Zoneamento Ecológico-econômico da Região Nordeste

Zoneamento Ecológico-econômico da Região Nordeste Programa 0512 ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECONÔMICO Objetivo Promover o zoneamento ecológico-econômico de regiões selecionadas, como forma de consolidar o processo de ocupação e desenvolvimento, de forma sustentável.

Leia mais

Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM

Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM SPRING 5.0 1 O objetivo deste tutorial é apresentar de forma simples e prática como construir, no Spring, mapa de declividade a partir de dados do SRTM.

Leia mais

Ordilei Aparecido Gaspar de Melo¹ Manoel Luiz dos Santos²

Ordilei Aparecido Gaspar de Melo¹ Manoel Luiz dos Santos² Ordilei Aparecido Gaspar de Melo¹ Manoel Luiz dos Santos² ¹UNIMEO/CTESOP UEM Professor da Faculdade UNIMEO/CTESOP-Assis Chateaubriand/PR Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Geografia PGE-UEM ordmelo@hotmail.com

Leia mais

Paisagens Climatobotânicas do Brasil

Paisagens Climatobotânicas do Brasil Paisagens Climatobotânicas do Brasil 1. (UEL-2012) Os domínios morfoclimáticos brasileiros são definidos a partir da combinação dos elementos da natureza, como os climáticos, botânicos, pedológicos, hidrológicos

Leia mais

Documento de Projeto. Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite

Documento de Projeto. Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Documento de Projeto Projeto Número: 00061740 BRA/08/011 Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite Este projeto tem como objetivo

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

Iniciação em Sensoriamento Remoto

Iniciação em Sensoriamento Remoto Iniciação em Sensoriamento Remoto as mais indicadas no mapeamento do relevo. Para áreas de densa cobertura vegetal, como a floresta Amazônica, recomenda-se selecionar imagens do infravermelho próximo e

Leia mais

Instituto Tecnológico SIMEPAR

Instituto Tecnológico SIMEPAR Evolução e Aspectos Institucionais Missão e Foco de Atuação Modelo Institucional Sistemas de Monitoramento e Previsão Produtos, Serviços e Sistemas Áreas de Pesquisa & Desenvolvimento Ações Estratégicas

Leia mais

Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A

Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A Marina Silva Araújo Universidade Federal de Uberlândia marinas.araujo@hotmail.com Vinícius Borges Moreira Universidade Federal de Uberlândia vinicius_sammet@hotmail.com

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins

Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins Síntese de campo do trecho Peixe a Ipueiras, rio Tocantins: uma contribuição à Exploratória Rio Tocantins Thiago Morato de Carvalho * Introdução O rio Tocantins é bastante peculiar desde o ponto de vista

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE DO SOLO E DESERTIFICAÇÃO

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE DO SOLO E DESERTIFICAÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE DO SOLO E DESERTIFICAÇÃO MundoGEO#Connect LatinAmerica Nuno Duro Centro de Convenções Frei Caneca - São Paulo 31-05-2012 2012 Critical Software, All rights

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS Localização da Bacia do Rio São Francisco 13 milhões de habitantes 8% da população do País 8% 503 municípios 7 Unidades da Federação: Bahia (48,0%

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA E AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE DA PLANÍCIE COSTEIRA NO MUNICÍPIO DE BARRA DOS COQUEIROS SERGIPE

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA E AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE DA PLANÍCIE COSTEIRA NO MUNICÍPIO DE BARRA DOS COQUEIROS SERGIPE CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA E AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE DA PLANÍCIE COSTEIRA NO MUNICÍPIO DE BARRA DOS COQUEIROS SERGIPE Neise Mare de Souza Alves 1,2 ; Débora Barbosa da Silva 1,2 ; Aracy Losano

Leia mais

Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino

Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino CEX Seca no Semiárido Nordestino CEMADEN-MCTI Brasília, 28 de Maio de 2015 2 Operação do CEMADEN EM FUNCIONAMENTO

Leia mais

Criação automática de vetores para mapeamentos temáticos e espacialização de aspectos da legislação ambiental a partir de grades refinadas do SRTM

Criação automática de vetores para mapeamentos temáticos e espacialização de aspectos da legislação ambiental a partir de grades refinadas do SRTM Criação automática de vetores para mapeamentos temáticos e espacialização de aspectos da legislação ambiental a partir de grades refinadas do SRTM Edison Crepani José Simeão de Medeiros Instituto Nacional

Leia mais

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Projeto de Engenharia Ambiental Sensoriamento remoto e Sistema de Informação Geográfica Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Sensoriamento

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FISIOGRÁFICA DA BACIA DO RIO DO PEIXE EMPREGANDO SIG (SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS)

CARACTERIZAÇÃO FISIOGRÁFICA DA BACIA DO RIO DO PEIXE EMPREGANDO SIG (SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS) Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 CARACTERIZAÇÃO FISIOGRÁFICA DA BACIA DO RIO DO PEIXE EMPREGANDO SIG (SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS) Fernando Angelo Couto Cardoso (*), Deborah Luiza Poletto de Paula,

Leia mais

SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES. Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE

SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES. Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE O Território do Sertão do Araripe é formado por 10 municípios: Araripina,

Leia mais

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL E SUSCEPTIBILIDADE AOS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NA REGIÃO DO MÉDIO JAGUARIBE- CE.

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL E SUSCEPTIBILIDADE AOS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NA REGIÃO DO MÉDIO JAGUARIBE- CE. DEGRADAÇÃO AMBIENTAL E SUSCEPTIBILIDADE AOS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NA REGIÃO DO MÉDIO JAGUARIBE- CE. FRANCISCO ROBERTO BEZERRA LEITE SONIA BARRETO PERDIGÃO DE OLIVEIRA MANOEL MESSIAS SARAIVA BARRETO

Leia mais

Coordenadoria de Proteção à Biodiversidade

Coordenadoria de Proteção à Biodiversidade RELATÓRIO PARCIAL: MONITORAMENTO DOS FOCOS DE CALOR NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL (APA) ILHA DO BANANAL/CANTÃO, NO PERÍODO DE 01/01/2014 A 30/09/2014. Responsável pelo Relatório: Fábio Brega Gamba Biólogo

Leia mais

I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE

I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE 16 a 18 de novembro de 2009 Fundação Mokiti Okada Palestrante: Mônica Pavão Pesquisadora do Instituto Florestal INVENTÁRIO FLORESTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO INVENTÁRIO

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa (MG) jugurta@dpi.ufv.br Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Tópicos

Leia mais

O GEOPROCESSAMENTO APLICADO A AGRICULTURA: IDENTIFICAÇÃO DOS SOLOS PARA O CULTIVO DE COCO IRRIGADO NO MUNICÍPIO DE RODELAS - BAHIA

O GEOPROCESSAMENTO APLICADO A AGRICULTURA: IDENTIFICAÇÃO DOS SOLOS PARA O CULTIVO DE COCO IRRIGADO NO MUNICÍPIO DE RODELAS - BAHIA O GEOPROCESSAMENTO APLICADO A AGRICULTURA: IDENTIFICAÇÃO DOS SOLOS PARA O CULTIVO DE COCO IRRIGADO NO MUNICÍPIO DE RODELAS - BAHIA Roneíse de Jesus Lima¹, Diêgo Pereira Costa², Raphaela Santana Melo Araujo³,

Leia mais

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA Sabendo-se que a erosão pode comprometer até mesmo o volume de água de uma bacia hidrográfica, o presente

Leia mais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais 2012 2014 Novos Investimentos R$ 18,8 bilhões Socorro, assistência e reconstrução Prevenção Obras estruturantes Resposta Mapeamento Monitoramento

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

Natália da Costa Souza. Ana Paula Camargo Larocca

Natália da Costa Souza. Ana Paula Camargo Larocca USO DE GEOTECNOLOGIAS APLICADO AO ESTUDO DA SUSCETIBILIDADE E ANÁLISE DE RISCO DE PROCESSOS EROSIVOS EM FAIXAS DE DOMÍNIO DE LINHAS FÉRREAS - SUBSÍDIO AOS PROCESSOS DE LICENCIAMENTO OPERACIONAL E AMBIENTAL

Leia mais

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal 1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal Ações do Governo Federal Visando à Valorização e Conservação da Biodiversidade Vegetal João de Deus Medeiros joao.medeiros@mma.gov.br Departamento

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA O

ZONEAMENTO AGRÍCOLA O ZONEAMENTO AGRÍCOLA O Zoneamento Agrícola de Risco Climático é um instrumento de política agrícola e gestão de riscos na agricultura. O estudo é elaborado com o objetivo de minimizar os riscos relacionados

Leia mais

ANÁLISE ESPACIAL INTEGRADA NO BONFIM, PETROPÓLIS, RJ, APLICADO AO USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL, COM SUPORTE DE GEOTECNOLOGIAS

ANÁLISE ESPACIAL INTEGRADA NO BONFIM, PETROPÓLIS, RJ, APLICADO AO USO DA TERRA E COBERTURA VEGETAL, COM SUPORTE DE GEOTECNOLOGIAS RELATÓRIO TÉCNICO PROJETO DE PESQUISA FAPERJ AUXÍLIO À PESQUISA APQ1 PROCESSO E-26/111.893/2012 RESPONSÁVEL: GILBERTO PESSANHA RIBEIRO ANÁLISE ESPACIAL INTEGRADA NO BONFIM, PETROPÓLIS, RJ, APLICADO AO

Leia mais

CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais

CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI Workshop Complexo do CEMADEN São José dos Campos, SP, 14 de janeiro de 2014 Decreto

Leia mais

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT 04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT Padrões de evolução de atividades agropecuárias em regiões adjacentes ao Pantanal: o caso da série histórica da agricultura e da produção animal na bacia do Rio

Leia mais

Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER

Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER Murilo R. D. Cardoso Universidade Federal de Goiás, Instituto de Estudos Sócio-Ambientais/GO

Leia mais

DEGRADAÇÃO NO POLO REGIONAL DE GUANAMBI-BAHIA: A ANÁLISE MULTITEMPORAL DO NDVI APLICADO EM IMAGENS MODIS

DEGRADAÇÃO NO POLO REGIONAL DE GUANAMBI-BAHIA: A ANÁLISE MULTITEMPORAL DO NDVI APLICADO EM IMAGENS MODIS DEGRADAÇÃO NO POLO REGIONAL DE GUANAMBI-BAHIA: A ANÁLISE MULTITEMPORAL DO NDVI APLICADO EM IMAGENS MODIS Israel de Oliveira Junior 1, Jocimara Souza Britto Lobão 2 1 Geógrafo, Professor Auxiliar do Depto.

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES Estudante: Turma: Data: / / QUESTÃO 1 Analise o mapa

Leia mais

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação Praticando seus conhecimentos sobre desertificação O fenômeno de desertificação pode ocorrer através de um processo natural ou pela ação humana. O manejo inadequado do solo para agricultura, atividades

Leia mais

MAPEAMENTO FLORESTAL

MAPEAMENTO FLORESTAL MAPEAMENTO FLORESTAL ELISEU ROSSATO TONIOLO Eng. Florestal Especialista em Geoprocessamento OBJETIVO Mapear e caracterizar a vegetação visando subsidiar o diagnóstico florestal FUNDAMENTOS É uma ferramenta

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS Iug Lopes¹; Miguel Júlio Machado Guimarães²; Juliana Maria Medrado de Melo³. ¹Mestrando

Leia mais

ANÁLISE DA VULNERABILIDADE Á EROSÃO: BACIAS DOS RIOS ARACATIAÇU E ARACATIMIRIM (CE)

ANÁLISE DA VULNERABILIDADE Á EROSÃO: BACIAS DOS RIOS ARACATIAÇU E ARACATIMIRIM (CE) ANÁLISE DA VULNERABILIDADE Á EROSÃO: BACIAS S S ARACATIAÇU E ARACATIMIRIM (CE) GLEUBA MARIA BORGES DE SOUZA CARVALHO 1 MARCOS JOSÉ NOGUEIRA DE SOUZA 2 SILVANIA MARIA S SANTOS 1 1 FUNCEME Fundação Cearense

Leia mais

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO *Thomaz Alvisi de Oliveira 1 ; Paulina Setti Riedel 2 ; Célia Regina de Gouveia Souza 3

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

GIRH como Instrumento de Adaptação às Mudanças Climáticas. Instrumentos e Medidas de Adaptação

GIRH como Instrumento de Adaptação às Mudanças Climáticas. Instrumentos e Medidas de Adaptação GIRH como Instrumento de Adaptação às Mudanças Climáticas Instrumentos e Medidas de Adaptação Objetivos desta sessão Ao fim desta sessão, os participantes poderão: Compreender o conceito de adaptação às

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (SIG) Oficina - Overlay e Obtenção do Mapa de Suscetibilidade à Erosão

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (SIG) Oficina - Overlay e Obtenção do Mapa de Suscetibilidade à Erosão SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (SIG) Responsável: MARIA ISABEL C DE FREITAS Oficina - Overlay e Obtenção do Mapa de Suscetibilidade à Erosão O objetivo desta oficina é oferecer aporte à geração de mapa

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE CARIDADE-CE

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE CARIDADE-CE CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE CARIDADE-CE SONIA BARRETO PERDIGÃO DE OLIVEIRA 1 MARCOS JOSÉ NOGUEIRA DE SOUZA 2 FRANCISCO ROBERTO BEZERRA LEITE 1 RAIMUNDA NEUMA SEGUNDO

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil PROGRAMA DE AÇÃO A NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável Coordenação de Combate à Desertificação

Leia mais

MAPEAMENTO DAS UNIDADES GEOMORFOLÓGICAS DOS MUNICÍPIOS DE CASTELO DO PIAUÍ E JUAZEIRO DO PIAUÍ, PIAUÍ, BRASIL

MAPEAMENTO DAS UNIDADES GEOMORFOLÓGICAS DOS MUNICÍPIOS DE CASTELO DO PIAUÍ E JUAZEIRO DO PIAUÍ, PIAUÍ, BRASIL MAPEAMENTO DAS UNIDADES GEOMORFOLÓGICAS DOS MUNICÍPIOS DE dos Santos, F.A. 1 ; 1 IFPI / UFPI Email:francilio.amorim@ifpi.edu.br; RESUMO: O estudo objetivou identificar as características geoambientais

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA GEOMORFOLOGIA NA SENSIBILIDADE AMBIENTAL A DERRAMES DE ÓLEO: ESTUDO DE CASO DO RIO ARAQUÁ SP

A INFLUÊNCIA DA GEOMORFOLOGIA NA SENSIBILIDADE AMBIENTAL A DERRAMES DE ÓLEO: ESTUDO DE CASO DO RIO ARAQUÁ SP A INFLUÊNCIA DA GEOMORFOLOGIA NA SENSIBILIDADE AMBIENTAL A DERRAMES DE ÓLEO: ESTUDO DE CASO DO RIO ARAQUÁ SP Daniela Ferreira Ribeiro Cenira Maria Lupinacci Cunha ¹ Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Licenciatura Plena em Geografia Disciplina: Hidrogeografia Carga Horária: 60hs Teórica: 60hs Prática: 00hs Semestre: 2013.2 Professor: Antonio Marcos

Leia mais

CURSOS POR VIDEOCONFERÊNCIA

CURSOS POR VIDEOCONFERÊNCIA CURSOS POR VIDEOCONFERÊNCIA MODÚLOS BÁSICOS Introdução ao Sensoriamento Remoto com uso do ENVI - 12 horas Introdução ao Sensoriamento Remoto Bases físicas do Sensoriamento Remoto Sistemas de sensores.

Leia mais

Reinaldo Lúcio Gomide Embrapa Milho e Sorgo

Reinaldo Lúcio Gomide Embrapa Milho e Sorgo DETERMINAÇÃO DA VARIABILIDADE ESPAÇO-TEMPORAL DE DEMANDA HÍDRICA E PRODUTIVIDADE DA ÁGUA EM ESCALA REGIONAL POR MEIO DE TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO AGRÍCOLA, ASSOCIADAS À MODELAGEM, GEOPROCESSAMENTO

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE José Ivaldo Barbosa de Brito (1); Ioneide Alves de Souza; José Oribe Rocha Aragão (1) Departamento de Ciências

Leia mais

EUMETCast para fins de monitoramento

EUMETCast para fins de monitoramento SUA LOGO MARCA AQUI www.lapismet.com EUMETCast para fins de monitoramento Humberto Barbosa Skype: lapismet barbosa33@gmail.com Workshop de Lançamento Local : INPE - São José dos Campos SP Dia : 18 de julho

Leia mais

RECONHECENDO A REGIÃO METROPOLITANA DO VALE DO RIO CUIABÁ COM AUXILIO DOS SOFTWARES LIVRES TERRAVIEW E QGIS

RECONHECENDO A REGIÃO METROPOLITANA DO VALE DO RIO CUIABÁ COM AUXILIO DOS SOFTWARES LIVRES TERRAVIEW E QGIS RECONHECENDO A REGIÃO METROPOLITANA DO VALE DO RIO CUIABÁ COM AUXILIO DOS SOFTWARES LIVRES TERRAVIEW E QGIS Vanderley Severino dos Santos¹, Thiago Statella², Roberto Nunes Vianconi Souto³, Rosana Maria

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE GERENCIAMENTO COSTEIRO RELAÇÃO DE PÚBLICAÇÕES

PROGRAMA ESTADUAL DE GERENCIAMENTO COSTEIRO RELAÇÃO DE PÚBLICAÇÕES PROGRAMA ESTADUAL DE GERENCIAMENTO COSTEIRO RELAÇÃO DE PÚBLICAÇÕES (disponíveis para consulta. Biblioteca DEAMA IMA Rua Rio São Francisco nº. 01. Monte Serrat. Salvador-Bahia) 1. BRASIL. Ministério do

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS

Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS 5.1 - GEOPROCESSAMENTO E INTERNET...2 5.2 - BIBLIOTECAS DIGITAIS...4 5.2.1 - Introdução...4 5.2.2 - Natureza dos Dados Geográficos...4 5.2.3 - Apresentação dos Dados...5

Leia mais

VULNERABILIDADE NATURAL: MÉTODO PARA UMA DAS ETAPAS DA AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA, COM APLICAÇÃO DO SIG NO BAIRRO FIDÉLIS (BLUMENAU, SC)

VULNERABILIDADE NATURAL: MÉTODO PARA UMA DAS ETAPAS DA AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA, COM APLICAÇÃO DO SIG NO BAIRRO FIDÉLIS (BLUMENAU, SC) VULNERABILIDADE NATURAL: MÉTODO PARA UMA DAS ETAPAS DA AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA, COM APLICAÇÃO DO SIG NO BAIRRO FIDÉLIS (BLUMENAU, SC) MANSUR de M. S, C.¹ ¹ Universidade Regional de Blumenau FURB,

Leia mais

Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica SIG Sistema de Informação Geográfica O SIG é um sistema de Informação

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE MAPEAMENTO DE ÁREAS DE RISCO PARA A QUALIDADE DAS ÁGUAS SUFERFICIAIS

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE MAPEAMENTO DE ÁREAS DE RISCO PARA A QUALIDADE DAS ÁGUAS SUFERFICIAIS XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE MAPEAMENTO DE ÁREAS DE RISCO PARA A QUALIDADE DAS ÁGUAS SUFERFICIAIS Pedro Henrique de Omena Toledo¹; Cleuda Custódio Freire² RESUMO - Um dos principais problemas

Leia mais

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo Análise da Paisagem Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo (análise do meio físico como subsídio para o planejamento territorial) Desastres naturais ocorridos no mundo e seus respectivos

Leia mais

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins ? O QUE É O SOLO? É um meio natural, limitado, que tem origem na desagregação do material originário ou rocha-mãe, através de um processo designado

Leia mais

ANÁLISE GEOGRÁFICA DAS ÁREAS DE RISCO EM MANAUS (AMAZONAS, BRASIL)

ANÁLISE GEOGRÁFICA DAS ÁREAS DE RISCO EM MANAUS (AMAZONAS, BRASIL) ANÁLISE GEOGRÁFICA DAS ÁREAS DE RISCO EM MANAUS (AMAZONAS, BRASIL) Karla Regina Mendes Cassiano Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia karlamendes@inpa.gov.br Reinaldo Corrêa Costa Instituto Nacional

Leia mais

Reunião da Comissão Executiva do COEP Brasília-DF, 4 a 6 de Junho de 2013 A seca no Nordeste Brasília, 04 de junho de 2013

Reunião da Comissão Executiva do COEP Brasília-DF, 4 a 6 de Junho de 2013 A seca no Nordeste Brasília, 04 de junho de 2013 A seca no Nordeste Pedro Carlos Gama da Silva Embrapa Semiárido Brasília, 04 de junho de 2013 Nordeste Brasileiro Zoneamento Agroecológico do Nordeste - ZANE Grande diversidade agroecológica e socioeconômica.(172

Leia mais

Modelagem espacial e temporal do uso do solo na bacia do Rio Doce no estado do Espírito Santo utilizando Sensoriamento Remoto e SIG

Modelagem espacial e temporal do uso do solo na bacia do Rio Doce no estado do Espírito Santo utilizando Sensoriamento Remoto e SIG Modelagem espacial e temporal do uso do solo na bacia do Rio Doce no estado do Espírito Santo utilizando Sensoriamento Remoto e SIG Resumo A Bacia Hidrográfica do Rio Doce apresenta uma extensão territorial

Leia mais

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Simpósio Internacional e Mostra de Tecnologia da Agroindústria sucroalcooleira SIMTEC 01 de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 012/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: MUDANÇAS CLIMÁTICAS PARÁ O Projeto BRA/06/032

Leia mais

VULNERABILIDADE NATURAL DOS SOLOS À EROSÃO

VULNERABILIDADE NATURAL DOS SOLOS À EROSÃO VULNERABILIDADE NATURAL DOS SOLOS À EROSÃO A formação dos solos num determinado ambiente envolve um complexo de agentes e processos dentre os quais destacam-se a alteração física e química da rochaque

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA - MONITORAMENTO DA EVOLUÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS HIDROLÓGICAS DE UMA MICROBACIA HIDROGRÁFICA, EXTREMA, MINAS GERAIS -

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS. Valores utilizados conforme tabela da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS. Valores utilizados conforme tabela da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento Número de Controle: 00001/2015 Índice Geral de Preços do Mercado(IGPM) - 08/2014 à 01/01/2015 VTN (2015) Valores utilizados conforme tabela da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento Departamento

Leia mais

INTRODUÇÃO AO USO DO ENVI EM SENSORIAMENTO REMOTO/SIG

INTRODUÇÃO AO USO DO ENVI EM SENSORIAMENTO REMOTO/SIG CURSOS PRESENCIAIS INTRODUÇÃO AO USO DO ENVI EM SENSORIAMENTO REMOTO/SIG Aplicações Básicas em Sensoriamento Remoto com a Utilização do Software ENVI PROPOSTA DO CURSO ENVI 100: O curso proposto visa a

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ

PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ Prof. Dr. Marcelo R. de Lima (UFPR-Curitiba) mrlima@ufpr.br Prof. M.Sc. Jaime B. dos Santos Junior (UFPA-Altamira) jaime@ufpa.br Os solos são formados pela interação

Leia mais

TF096767 Projeto Políticas para o Cerrado e Monitoramento do Bioma Iniciativa Cerrado Sustentável MMA TERMO DE REFERÊNCIA N 2013.0122.

TF096767 Projeto Políticas para o Cerrado e Monitoramento do Bioma Iniciativa Cerrado Sustentável MMA TERMO DE REFERÊNCIA N 2013.0122. TF096767 Projeto Políticas para o Cerrado e Monitoramento do Bioma Iniciativa Cerrado Sustentável MMA TERMO DE REFERÊNCIA N 2013.0122.00032-0 OBJETO: CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PESSOA FÍSICA ESPECIALIZADA

Leia mais

Caracterização das Unidades de Manejo Florestal Lote-1 da Floresta Estadual do Amapá

Caracterização das Unidades de Manejo Florestal Lote-1 da Floresta Estadual do Amapá SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Caracterização geral da Flota Amapá... 2 3. Lote de Unidades de Manejo Florestal... 2 4. Ferramentas utilizadas para caracterização das UMFs... 3 4.1. Cálculo da área efetiva

Leia mais

Análise da vulnerabilidade à perda de solo do Parque Estadual do Jalapão - TO. Patrícia Azevedo dos Santos 1 José Ramiro Lamadrid Marón 2

Análise da vulnerabilidade à perda de solo do Parque Estadual do Jalapão - TO. Patrícia Azevedo dos Santos 1 José Ramiro Lamadrid Marón 2 Análise da vulnerabilidade à perda de solo do Parque Estadual do Jalapão - TO Patrícia Azevedo dos Santos 1 José Ramiro Lamadrid Marón 2 1 Escola Técnica Federal de Palmas ETF-TO AE 310 Sul, Av. LO 5 com

Leia mais

PROGRAMAÇÃO - UNDERSTANDING RISK BRASIL 2012 12 DE NOVEMBRO

PROGRAMAÇÃO - UNDERSTANDING RISK BRASIL 2012 12 DE NOVEMBRO PROGRAMAÇÃO - UNDERSTANDING RISK BRASIL 2012 10h às 12h Credenciamento 14h às 15h30 ABERTURA SOLENE: 12 DE NOVEMBRO Fernando Bezerra Coelho Ministro da Integração Nacional Antonio Augusto Junho Anastasia

Leia mais

do substrato gnáissico.

do substrato gnáissico. 55 6.2 - Descrição de eventos locais Informações obtidas em campo possibilitaram a descrição de eventos locais que permitem caracterizar situações práticas relacionadas aos processos erosivos. A presença

Leia mais

MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO

MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO Régia Estevam ALVES (UFG/Campus Jataí - E-mail: regiaestevam@gmail.com). Raquel Maria de OLIVEIRA (Profa.

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Hygor Evangelista Siqueira Gestor Ambiental,

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

Luciano J. de O. Accioly Embrapa/CNPS/UEP Recife. oaccioly@cnps.embrapa.br

Luciano J. de O. Accioly Embrapa/CNPS/UEP Recife. oaccioly@cnps.embrapa.br Indicadores da Desertificação no Semi-Árido Luciano J. de O. Accioly Embrapa/CNPS/UEP Recife. oaccioly@cnps.embrapa.br Introdução A desertificação como fenômeno de grandes proporções África anos 60 e 70

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS E A ECOLOGIA DA PAISAGEM Por Antônio Francisco Evangelista de Souza

RECURSOS HÍDRICOS E A ECOLOGIA DA PAISAGEM Por Antônio Francisco Evangelista de Souza RECURSOS HÍDRICOS E A ECOLOGIA DA PAISAGEM Por Antônio Francisco Evangelista de Souza Introdução: A cidade é uma estrutura espacial, onde todos os elementos estão em constante interação. Em conseqüência

Leia mais

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL SEDIMENT YIELD MODELING USING AN ALTERNATIVE ENVIRONMENTAL SCENARIO IN NORTHWESTERN

Leia mais

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5 VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5 Maurílio Neemias dos Santos 1, Heliofábio Barros Gomes 1,, Yasmim Uchoa da Silva 1, Sâmara dos Santos

Leia mais

CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL

CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL CAPÍTULO 3 ESTRUTURA E DINÂMICA DO MEIO NATURAL 3.1 CONSIRAÇÕES INICIAIS O meio natural representa um dos grandes bens da humanidade, pois sobre ele o homem desencadeia suas ações e se apropria de acordo

Leia mais

2000 árvores/minuto **

2000 árvores/minuto ** http://www.nominuto.com/noticias/natureza/alertas-de-desmatamento-tiveram-aumento-de-9-na-amazonia-legal/115318/ 20 minutos: 0,2 km 2* (200.000 m 2 = 18,5 campos de futebol) da Amazônia legal; 2000 árvores/minuto

Leia mais

CLIMATE CHANGE AND ENVIRONMENTAL SUSCEPTIBILITY TO DESERTIFICATION TOWNS OF THE STATE OF PERNAMBUCO

CLIMATE CHANGE AND ENVIRONMENTAL SUSCEPTIBILITY TO DESERTIFICATION TOWNS OF THE STATE OF PERNAMBUCO MUDANÇAS CLIMÁTICAS E CENÁRIOS DE SUSCEPTIBILIDADE AMBIENTAL À DESERTIFICAÇÃO EM MUNICÍPIOS DO ESTADO DE PERNAMBUCO Antonio Marcos dos Santos Doutorando em Geografia UFPE geo_fisica@yahoo.com.br Josiclêda

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS CENTRO DE CIÊNCIAS DO AMBIENTE PPG - CASA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS CENTRO DE CIÊNCIAS DO AMBIENTE PPG - CASA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS CENTRO DE CIÊNCIAS DO AMBIENTE PPG - CASA SENSORIAMENTO REMOTO E SIG NA ANÁLISE AMBIENTAL DA MICROBACIA DO RIO PURAQUEQUARA MANAUS, AM BRASIL Antonio da Mata Pequeno Filho

Leia mais

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT

ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT ESTUDO DA EXPANSÃO DO DESMATAMENTO DO BIOMA CERRADO A PARTIR DE CENAS AMOSTRAIS DOS SATÉLITES LANDSAT Elaine Barbosa da SILVA¹ Laerte Guimarães FERREIRA JÚNIOR¹ Antonio Fernandes dos ANJOS¹ Genival Fernandes

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D 4.5 Sistema de Planejamento Federal (32h) (Palestra 3: Programa Gestão de Riscos e e Resposta a Desastres - GRRD) Professora: Cristiane

Leia mais

Causas humanas Prejuízos ao ser humano Formas de evitar

Causas humanas Prejuízos ao ser humano Formas de evitar EROSÃO A erosão é um processo de deslocamento de terra ou de rochas de uma superfície. A erosão pode ocorrer por ação de fenômenos da natureza ou do ser humano. Causas naturais No que se refere às ações

Leia mais