Padrões de cobertura de solos do Estado de Goiás

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Padrões de cobertura de solos do Estado de Goiás"

Transcrição

1 3 Padrões de cobertura de solos do Estado de Goiás Edson Eyji Sano Luiz Alberto Dambrós Geraldo César de Oliveira Ricardo Seixas Brites Este texto apresenta os principais resultados obtidos pelo Projeto Identificação de Áreas Prioritárias para Conservação da Biodiversidade em Goiás (PDIAP), no que diz respeito ao mapeamento dos remanescentes da cobertura vegetal natural e ao uso antrópico do Estado de Goiás na escala de semi-detalhe (1: ). Na exposição que se segue, enfatiza-se o cálculo de áreas ocupadas por diferentes classes de uso antrópico e por remanescentes de cobertura vegetal, bem como a distribuição espacial dessas mesmas classes, analisando-se, no final, a adequabilidade de uso das terras. É por demais conhecido que, dentre todos os estados brasileiros, Goiás é o que detém a maior cobertura ou representatividade do cerrado, o bioma considerado como uma das 25 áreas mais críticas do mundo para conservação, devido à sua riqueza biológica e à alta pressão antrópica a que vem sendo submetido 1 (Brasil, 2002). No PDIAP, o mapeamento de uso antrópico e dos remanescentes de vegetação natural do Estado de Goiás foi realizado através do emprego combinado de técnicas de classificação manual, a não-supervisionada e a supervisionada. Especificamente para as classes antrópicas, valeu-se da interpretação de imagens do satélite Landsat ETM+ (composição colorida RGB/345; anos-base das imagens: 2001 e 2002). Discriminaram-se, no início, as classes com menor nível de confusão espectral, isto é, tanto as áreas sob sistema de irrigação por pivô central quanto as áreas urbanas. A discriminação das demais classes foi feita através do algoritmo de classificação não-supervisionada (algoritmo: isodata Schowengerdt, 1997). Sempre que era integralmente mapeada, uma classe era subtraída da imagem, através do uso da função de multiplicação de imagens, para diminuir as confusões espectrais subseqüentes. O mapeamento foi subsidiado pelo Censo Agropecuário do IBGE, pelos mapas de vegetação do Projeto Radambrasil (escala 1: ) e pelos dados de campo. A área mínima de representação foi de 25 hectares. As classes de remanescentes de vegetação natural foram mapeadas através da análise visual de imagens Landsat ETM+, em formato analógico. Os polígonos

2 86 Padrões de cobertura de solos do Estado de Goiás isolados de vegetação natural, com dimensões inferiores a aproximadamente 0,5 cm² no papel fotográfico, correspondentes a aproximadamente 156 hectares no terreno, foram desconsiderados. No entanto, os polígonos menores interligados, caso em que a legenda foi definida como mosaico ou área de contato, foram mantidos. As áreas de vegetação ciliar, como as matas de galerias e/ou floresta aluvial, só foram consideradas quando possuíam dimensões superiores a 1,5 mm no papel (no terreno, cerca de 370 metros de largura, aproximadamente). As classes de remanescentes foram redefinidas com base na nomenclatura fitogeográfica do Projeto Radambrasil e especificada no Manual técnico da vegetação brasileira (IBGE, 1992). Ao todo, as seguintes tipologias foram contempladas: Áreas com vegetação natural remanescente (formações/subformações) a) Região fitoecológica da savana (cerrado): - Savana florestada (S1) - Savana arborizada sem floresta de galeria (S2) - Savana arborizada com floresta de galeria (S3) - Savana parque sem floresta de galeria (terrenos bem drenados) (S4) - Savana parque com floresta de galeria (terrenos bem drenados) (S5) - Savana parque sem floresta de galeria (terrenos mal drenados) (S6) - Savana parque com floresta de galeria (terrenos mal drenados) (S7) - Savana gramíneo-lenhosa sem floresta de galeria (terrenos bem drenados) (S8) - Savana gramíneo-lenhosa com floresta de galeria (terrenos mal drenados) (S9) b) Região fitoecológica da floresta estacional semidecidual: - Floresta estacional semidecidual aluvial (F1) - Floresta estacional semidecidual das terras baixas (F2) - Floresta estacional semidecidual submontana (F3) - Floresta estacional semidecidual submontana (terrenos calcáreos) (F4) - Floresta estacional semidecidual montana (F5) c) Região fitoecológica da floresta estacional decidual: - Floresta estacional decidual submontana (D1) - Floresta estacional decidual submontana (terrenos calcáreos) (D2) - Floresta estacional decidual montana (D3) d) Formações pioneiras: - Formação pioneira fluvial e/ou lacustre herbácea (P1) - Formação pioneira fluvial e/ou lacustre arbustiva (P2)

3 A encruzilhada socioambiental 87 e) Áreas de contato ou de tensão ecológica: - Contato savana floresta estacional semidecidual (SF ou FS) - Contato savana floresta estacional decidual (SD ou DS) Áreas antrópicas e outras áreas a) Uso antrópico: cultura agrícola (CA), pastagem cultivada (PC), reflorestamento (RE), área urbana, núcleo rural (AU). b) Outras: queimadas (QM), mineração (MI), área degradada (AD), corpos d água (CA), nuvens (NU). Tipologias vegetais do Estado de Goiás Segundo o IBGE (1992), a classificação da vegetação brasileira, voltada para um sistema universal, distingue as seguintes regiões fitoecológicas ou tipos principais de vegetação: floresta ombrófila densa (floresta pluvial tropical); floresta ombrófila aberta (faciações da floresta densa); floresta ombrófila mista (floresta de araucária); floresta estacional semidecidual (floresta tropical subcaducifólia); floresta estacional decidual (floresta tropical caducifólia); campinarana (campinas); savana (cerrado); savana estépica (caatinga do sertão árido, campos de Roraima, chaco sul-matogrossense e Parque de Espinilho da Barra do Rio Guaraí); e estepe (campanha gaúcha e campos gerais planálticos). Submetido a um clima continental com dois períodos bem demarcados por chuvas e secas, há em Goiás três dessas tipologias: savana (cerrado), floresta estacional semidecidual (floresta tropical subcaducifólia) e floresta estacional decidual (floresta tropical caducifólia). Nas áreas interfluviais, a distribuição desses três tipos é controlada pela gênese e fertilidade dos solos. Em terrenos areníticos, lixiviados e fortemente aluminizados, predominam formações da savana (cerrado); nos solos calcíferos e/ou de origem magmática, com fertilidade mais alta (latossolos e argissolos distróficos e/ou eutróficos), ocorrem os tipos florestais estacionais. Savana (cerrado) De acordo com IBGE (1992), o termo savana foi proposto pela primeira vez, em 1851, para designar os lhanos arbolados, da Venezuela, que são formações graminóides dos planaltos, geralmente cobertas ou entremeadas por plantas lenhosas. A savana corresponde a uma vegetação xeromorfa, preferencialmente de clima estacional (em que aproximadamente seis meses são marcados pela seca), embora também possa ser encontrada ainda em clima ombrófilo. Ocorre em toda a zona neotropical; no Brasil, é mais freqüente na região central. Subdivide-se em quatro subgrupos de formação, todos com boa representatividade no Estado de Goiás: savana florestada, savana arborizada, savana parque e savana gramíneo-lenhosa.

4 88 Padrões de cobertura de solos do Estado de Goiás Embora constituam formações florestais com estrutura típica, as florestas de galerias, pelas suas dimensões, não são separadas nesse sistema de classificação, sendo consideradas, portanto, como componentes da savana. A presença ou ausência delas, numa determinada área, entretanto, define as subformações vegetais, onde se pode ter, por exemplo, a savana arborizada sem floresta de galeria e/ou savana arborizada com floresta de galeria. No Manual técnico da vegetação brasileira, do IBGE, a savana florestada, ou o cerradão, como é designada popularmente, constitui um subgrupo restrito a áreas areníticas, lixiviadas e com solos profundos, ocorrendo em climas tropicais eminentemente estacionais. Para Ribeiro & Walter (1998), o cerradão é uma formação florestal, embora, em termos florísticos, possua maior similaridade com o cerrado propriamente dito. Essa fitofisionomia apresenta um dossel predominantemente contínuo e uma cobertura arbórea oscilando entre 50 a 90%, com altura variando de oito a quinze metros. Em sua maioria, ocorre em solos profundos e bem drenados. A savana arborizada corresponde a uma das formações savânicas do cerrado. Classifica-se no tipo fitofisionômico denominado cerrado no sentido restrito e, em especial, nos subtipos cerrado denso e cerrado típico. Nos terrenos bem drenados, a savana parque equivale aos subtipos definidos por Ribeiro & Walter como cerrado ralo e cerrado rupestre e, às vezes, como campo sujo e campo rupestre. Nos terrenos mal drenados, a correspondência se dá com o parque de cerrado e, eventualmente, com vereda, campo sujo úmido e campo sujo com murundus. Para esses autores, o cerrado ralo é um subtipo de vegetação arbóreo-arbustiva, com cobertura arbórea entre 5% e 20% e com altura média de dois a três metros. O cerrado rupestre é definido como um subtipo de vegetação arbóreo-arbustiva que ocorre em ambientes rupestres (litólicos ou rochosos). Possui cobertura arbórea entre 5% e 20%, altura média de dois a quatro metros e estrato arbustivo-herbáceo também destacado. As espécies arbóreas-arbustivas concentram-se nas fendas das rochas. A savana gramíneo-lenhosa é caracterizada pela presença de um número pequeno de arbustos e subarbustos e pela ausência completa de árvores. Pode ser encontrada em diferentes posições topográficas, em variados graus de umidade e fertilidade de solo, principalmente sobre encostas, chapadas, olhos d água, ou circundando veredas e bordas de matas de galeria. Ocorre ainda em solos litólicos, cambissolos e/ou solos hidromórficos, como os plintossolos. Se o lençol freático estiver próximo à superfície, surge o campo limpo úmido; quando o lençol freático é profundo, aparece o campo limpo seco; quando ocorre em áreas planas relativamente extensas, contíguas aos rios e inundadas periodicamente, é denominada campo de várzea, várzea ou brejo. Floresta estacional semidecidual (floresta tropical subcaducifólia) A floresta estacional semidecidual está condicionada pela dupla estacionalidade climática: uma tropical, com época de chuvas intensas de verão,

5 A encruzilhada socioambiental 89 seguida por estiagem acentuada; outra, subtropical, sem período seco, mas com seca fisiológica provocada pelo intenso frio do inverno, com temperaturas médias inferiores a 15 o C que ocasionam decidualidade ou perda parcial da folhagem. Tal tipologia é subdividida em quatro formações, ordenadas segundo uma hierarquia topográfica que também é válida para classificar a floresta estacional decidual: a) Formação aluvial situada nas planícies e terraços aluviais dos flúvios, independentemente de altitude. b) Formação das terras baixas situada entre 4 o de latitude N e 16 o de latitude S, a partir de 5 até 100 metros acima do mar; de 16 o a 24 o de latitude S, entre 5 e 50 metros de altitude; e de 24º a 32º de latitude S, entre 5 e 30 metros de elevação. c) Formação submontana situada nas encostas dos planaltos e/ou serras entre os 4 o de latitude N e os 16 o de latitude S, entre 100 a 600 metros de altitude; de 16 o a 24 o de latitude S, entre 50 e 500 metros de altitude; de 24 o a 32 o de latitude S, entre 30 e 400 metros de altitude. d) Formação montana situada no alto dos planaltos e/ou serras entre os 4 o de latitude N e os 16 o de latitude S a partir de 600 metros até em torno dos metros; de 16 o a 24 o de latitude S, de 500 a metros de elevação; e de 24 o a 32 o da latitude S, entre 400 metros e metros de elevação. No Estado de Goiás, a floresta estacional semidecidual aluvial ocupa os terraços e planícies holocênicas ao longo dos cursos d água, em especial do Rio Araguaia e dos baixos cursos de seus tributários que medeiam o domínio morfoestrutural das depressões e planícies, com coberturas detríticas e/ou lateríticas cenozóicas da área. É a formação que apresenta a menor decidualidade ou queda de folhas. Possui alguma similaridade estrutural com a mata ciliar de Ribeiro & Walter e também com a mata de galeria inundável. A floresta estacional semidecidual de terras baixas situa-se numa posição intermediária entre a das planícies holocênicas e a das florestas dos terrenos cristalinos mais altos, sem incidência de inundação. Posiciona-se geralmente em terrenos pleistocênicos e/ou pliopleistocênicos, com altitudes inferiores a cem metros. Tem correspondência com a mata seca de Ribeiro & Walter e elevada similaridade com o subtipo mata seca sempre verde. A floresta estacional semidecidual submontana distribui-se desde o Espírito Santo e o sul da Bahia até o Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo, o norte e sudoeste do Paraná, o sul do Mato Grosso do Sul, adentrando pelo sul de Goiás, através do Rio Paranaíba. Na sua forma disjunta, pode ocorrer ainda entremeada às formações savanícolas, ocupando terrenos aplainados, com solos mesotróficos e profundos (tipicamente latossolos). No Brasil, as áreas ocupadas pela floresta estacional semidecidual montana são reduzidas. Em Goiás, é encontrada principalmente na região sudeste, notadamente nos pontos mais elevados dos planaltos areníticos.

6 90 Padrões de cobertura de solos do Estado de Goiás Floresta estacional decidual (floresta tropical caducifólia) A floresta estacional decidual é um tipo de vegetação predominantemente caducifólia, com mais de 50% dos indivíduos despidos de folhagem no período seco. Em Goiás, ocorrem duas dessas áreas disjuntas de floresta estacional decidual submontana: o mato grosso de Goiás, que ocorre na região central e retrata uma fisionomia ecológica com mais de 50% de seus ecótipos sem folhas na época desfavorável. Essa tipologia tem correspondência com solos férteis ou eutróficos, derivados de rochas metamórficas e intrusivas básicas e/ou ultrabásicas granulitizadas, mas que, geralmente, são pouco profundos. Entretanto, é importante salientar que parte do chamado mato grosso de Goiás apresenta uma fisionomia bem menos caducifólia. Quando isso ocorre, corresponde a solos mais profundos e a áreas aplanadas, passando a ser designada como floresta estacional semidecidual. A floresta do Vão do Paranã é uma outra região representativa desse tipo de vegetação caducifólia. Possui uma estreita ligação com solos eutróficos e calcáreos, apresenta um dossel bem mais decidual e características de mistura entre as floras do cerrado e da caatinga nordestina. A floresta estacional decidual montana, por sua vez, possui uma distribuição muito restrita no Estado de Goiás. Cálculo de áreas Para uma área estadual aproximada de hectares (incluindo o Distrito Federal), este estudo apontou a presença de hectares de remanescentes de cobertura vegetal natural. Portanto, 35% é o que ainda resta de vegetação primitiva nessas duas unidades federativas do Brasil. Em termos de uso antrópico, foram obtidos um total de hectares (64% da área de estudo; o 1% restante refere-se a corpos d água e a áreas com cobertura de nuvens durante a passagem do satélite). Esses resultados, entretanto, devem ser vistos com certa cautela. No caso de florestas, esta pesquisa não discriminou as áreas de capoeiras em estágios mais avançados. Cabe lembrar que as áreas ocupadas por capoeiras foram incluídas no grupo dos remanescentes, da mesma forma que as áreas de cerrado com corte seletivo e as utilizadas para pastoreio. Ressalta-se ainda a simplificação no cálculo de áreas, que levou em conta apenas a vegetação dominante em cada polígono de mapeamento. Ao calcular as áreas de remanescentes de cobertura vegetal do Estado de Goiás por grandes tipologias (Quadro 1), verifica-se que predominam as formações de savana (95% das áreas preservadas). As áreas de remanescentes de vegetação primitiva no Estado de Goiás concentram-se principalmente na sua porção nordeste, notadamente no Vão do Paranã. Nessa região, os solos são arenosos e/ou pedregosos e geralmente pobres em nutrientes. Conseqüentemente, municípios como Flores de Goiás e Iaciara, localizados nesse compartimento geomorfológico, tendem a apresentar

7 A encruzilhada socioambiental 91 Quadro 1. Cálculo de áreas de remanescentes de vegetação primitiva do estado de Goiás, discriminadas por grandes tipologias Tipologia vegetal Área (hectares) Savana florestada Savana arborizada Savana parque Savana gramíneo-lenhosa Subtotal Floresta estacional semidecidual aluvial Floresta estacional semidecidual das terras baixas Floresta estacional semidecidual submontana Floresta estacional semidecidual montana Subtotal Floresta estacional decidual submontana Floresta estacional decidual montana Subtotal Formações pioneiras fluviais e/ou lacustres Total porcentagens elevadas de preservação. Os municípios que englobam parques nacionais por exemplo, o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, em Cavalcante, ou o Parque Nacional das Emas, em Mineiros ou que possuem relevo destacadamente acidentado, como os complexos máficos e ultramáficos em Niquelândia, também tendem a apresentar porcentagens elevadas de preservação (Figura 1). As áreas de culturas agrícolas ocupam hectares (18% da área estadual total), enquanto as áreas de pastagens cultivadas ocupam hectares (45% da área estadual total). As áreas urbanas e os núcleos rurais totalizam hectares. O total de reflorestamento encontrado atinge hectares. As Figuras 2 e 3 mostram, respectivamente, a distribuição espacial de culturas agrícolas e pastagens cultivadas no Estado. Em termos de cultura agrícola, há um destaque para duas regiões conhecidas por sua intensa produção agrícola: a de Rio Verde, no sudoeste, e a do Plano de Assentamento Dirigido do Distrito Federal (PAD-DF), no leste. Por sua vez, as pastagens cultivadas se estendem por todo o Estado. Há municípios com mais de 70% da sua área total ocupada por cultura agrícola. Os municípios de Montividiu, Rio Verde, Santa Helena de Goiás, Maurilândia e Porteirão, localizados na porção sul do Estado (Figura 4), são conhecidos por sua produção intensiva de grãos, notadamente soja e milho. Nerópolis e Anápolis, próximos a Goiânia, destacam-se pela produção de hortaliças, principalmente alho e cebola (Tabela 1).

8 92 Padrões de cobertura de solos do Estado de Goiás Figura 1. Mapa de distribuição de áreas com vegetação natural no Estado de Goiás Figura 2. Localização de áreas com culturas agrícolas no Estado de Goiás, destacando-se a região do município de Rio Verde e a do PAD-DF

9 A encruzilhada socioambiental 93 Figura 3. Localização de áreas com pastagens cultivadas no Estado de Goiás Figura 4. Municípios do Estado de Goiás com mais de 70% da área ocupada com culturas agrícolas

10 94 Padrões de cobertura de solos do Estado de Goiás Tabela 1. Municípios com mais de 70% da área ocupada por cultura agrícola Município Área municipal (ha) Cultura agrícola (ha) % relativa Montividiu Uruana Nova Glória Rialma São João da Paraúna Perolândia Anápolis Rio Verde Porteirão Maurilândia Santa Helena de Goiás Nerópolis Chapadão do Céu Entre os municípios predominantemente cobertos com vegetação natural, destacam-se os de Cavalcante e Crixás, no norte e noroeste do Estado, respectivamente (Quadro 2 e Figura 5). O primeiro engloba grande parte do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, enquanto o último possui terreno acidentado (complexos máficos e ultramáficos), impróprio para a produção agropecuária. Outro município que também pode ser destacado nesse grupo é Posse, situado na região do Vão do Paranã. Quadro 2. Municípios com menos de 1% das suas áreas ocupadas por cultura agrícola Município Área municipal (ha) Cultura agrícola (ha) Professor Jamil Gouvelândia Santa Tereza de Goiás Damolândia Aparecida do Rio Doce Uirapuru Buritinópolis Bonópolis Crixás Ouvidor (continua)

11 A encruzilhada socioambiental 95 Município Área municipal (ha) Cultura agrícola (ha) Posse Campinaçu Mambaí Santa Rita do Araguaia Cavalcante Novo Planalto Araguapaz Figura 5. Municípios do Estado de Goiás com menos de 1% dos seus territórios ocupados com culturas agrícolas Adequabilidade de uso da terra Um dos principais argumentos para a continuidade da expansão da agricultura no Estado de Goiás, assim como em toda a Região Centro-Oeste, é o seu grande potencial para se transformar no celeiro de grãos do mundo, em função da excelência do clima, do elevado percentual de áreas com relevo suavizado e da elevada fertilidade física dos solos (Tabela 2). Além desses fatores, Goiás, pela sua localização central e pela excelência de sua malha viária, oferece facilidades para o escoamento da produção, razão pela qual continua atraindo empresários rurais de diversos pontos do país, mesmo com carência

12 96 Padrões de cobertura de solos do Estado de Goiás Tabela 2. Classes de solos com percentual de recobrimento do estado de Goiás: principais locais de ocorrência e sugestões de adequabilidade para uso antrópico Classes de solos % Ocorrência Principais locais Latossolos 52 Predominante em praticamente todas as regiões do Estado. Principais características e adequação de uso - Geralmente adequados ao uso de maquinários devido a características físicas e ao relevo de ocorrência. - Elevada permeabilidade. - Pobreza química. - Apto para agronegócio. - Cuidados especiais com os latossolos com maior percentual de areia. Argissolos e Nitossolos 15 Maior ocorrência nas regiões norte (Ex.: Barro Alto, Ceres e Rubiataba), central (Ex.: São Luís dos Montes Belos, Inhumas, Goiânia e Ouro Verde), sul (Ex.: Goiandira, Anhangüera e Itajá) e oeste (Ex.: Doverlândia e Santa Rita). - Algumas restrições ao movimento de máquinas em função do relevo de ocorrência. - Elevada suscetibilidade à erosão. - Melhor adequação aos pequenos agricultores e pecuaristas. - Geralmente são dotados de maior fertilidade química e boa capacidade de retenção de água. Cambissolos 12 Maior ocorrência em áreas contínuas no nordeste do Estado. Na região de São Domingos, Guarani e em outros municípios, esses solos recobrem cerca de 40% da paisagem. Nessas regiões, estão associados aos solos litólicos. - Muito suscetíveis à erosão. - Solos rasos. - Baixa aptidão agrícola. - Com os devidos cuidados, a melhor recomendação de uso é para pastagens. - Dependendo da fertilidade química, podem ser adequados a pequenos agricultores. Neossolos Litólicos Neossolos Quartzarênicos 8 Maior ocorrência em áreas contínuas no nordeste do Estado. Em Iaciara, Campos Belos, Flores de Goiás e em outros municípios, esses solos recobrem cerca de 40% da paisagem e estão associados aos solos litólicos. 5 Maior ocorrência no sudoeste (Ex.: Mineiros, Serranópolis, Montividiu e Jataí); nordeste (Ex.: Mambaí e Sítio D Abadia) e oeste (Ex.: Aruanã e Britânia). - Relevo muito movimentado. - Solos rasos. - Preservação da flora e da fauna. - Muito suscetíveis à erosão. - Solos arenosos e de baixíssima capacidade de retenção de água. - Extremamente permeáveis. - Fertilidade química muito baixa. - Muito suscetíveis à erosão, mesmo sendo o relevo pouco movimentado. - Baixa aptidão agrícola. Plintossolos 4 Maior ocorrência no noroeste (Luís Alves, São Miguel do Araguaia, Britânia), no norte (Porangatu) e no nordeste (Flores de Goiás). Em pequenas extensões, esses solos ocorrem em todo o Estado, principalmente nas bordas das chapadas, como plintossolos pétricos. Outros 4 Variável Variável - Fortes limitações ao uso de máquinas. - Melhor aptidão para pastagens. - Aqueles localizados em áreas sujeitas a oscilações do lençol freático apresentam melhor aptidão para o cultivo de arroz inundado; quando drenados, se transformam em plintossolos pétricos. Fontes: Goedert (1987); Resende et al. (1999); Spera et al. (1999); Lepsch & Oliveira (2003) e Consórcio Imagem WWF (2004).

13 A encruzilhada socioambiental de informações mais detalhadas sobre a adequabilidade de uso de seus solos nas diversas regiões. Como ainda exis tem incentivos para o avanço da pecuária e da agricultura, pesquisadores e ambientalistas temem a possibilidade de danos irreversíveis ao meio am biente devido à expansão descontrolada dessas atividades (Galinkin, 2003). A princípio, Goiás poderia suportar um aumento na área de cultivo de grãos. Aproximadamente hectares são ocupados com essa atividade. Sabe-se que a maioria dos hectares de latossolos possui de mediana a elevada aptidão para agricultura, porém estes vêm sendo ocupados com pastagens, muitas das quais em estado acentuado de degradação. Embora os agricultores e pecuaristas já venham ado tando uma tecnologia que permite o melhor uso dos solos através da integra ção lavoura pecuária (Kluthcouski et al., 2000), ainda se observa que o maior problema de Goiás consiste na falta de planejamento de uso e manejo de suas terras. Isto está relacionado à carência de informações precisas sobre a distri buição dos solos nas diferentes regiões e sobre suas principais caracte rísticas, razão pela qual se torna necessário um levantamento de solos de todo o Esta do, em escala compatível. O mapa de vulnerabilidade à erosão do Estado de Goiás (Figura 6), definido com base na metodologia proposta por Crepani et al. (2001), revela que cerca de 60% da superfície do território goiano situa-se nas classes estável e medianamente estável. Isto se deve, em grande parte, ao relevo predominan- Figura 6. Mapa de vulnerabilidade à erosão do Estado de Goiás 97

14 98 Padrões de cobertura de solos do Estado de Goiás temente suavizado, ao elevado percentual de latossolos e ao fato de um elevado percentual dessas áreas de latossolos encontrar-se recoberta por pastagens ou sob sistema de plantio direto. Quando bem manejadas, essas áreas oferecem uma boa proteção contra a ação de agentes erosivos. Tabela 3. Levantamento da vulnerabilidade à erosão do Estado de Goiás e sugestão de adequabilidade para uso antrópico Grau de vulnerabilidade Área do Estado Sugestão de adequabilidade para uso antrópico km 2 % Estável Boa Medianamente estável Boa a regular Moderadamente vulnerável Regular a inadequada Vulnerável Inadequada O erro de ocupação em algumas áreas de Goiás, particularmente com a agricultura, se deve, em parte, à inobservância da grande diversidade dos componentes ambientais. A despeito de o relevo variar predominantemente de suave para suave-ondulado, existem diferenciações marcantes na fisionomia e no potencial de uso da terra. As maiores inadequações são encontradas nos municípios de Aporé, Chapadão do Céu, Mineiros, Jataí e Serranópolis (sudoeste), em Mambaí, Posse, Simolândia e Sítio D Abadia (leste), de uso mais recente. Essas áreas estão largamente associadas a neossolos quartzarênicos e a latossolos de textura média (particularmente aqueles com maior percentual de areia). Apesar de estarem localizadas em relevos suavizados e apresentarem solos muito permeáveis, elas são muito susceptíveis à erosão, em função da sua fraca estruturação (partículas soltas) (Goedert, 1987; Resende et al., 1999; Spera et al., 1999). A área de maior degradação, provocada pelo uso indevido, está localizada no entorno do Parque Nacional das Emas, onde esses solos recobrem aproximadamente 43% da paisagem (Oliveira et al., 2003). Embora essa região abrigue as nascentes do Rio Araguaia e dos afluentes do Rio Paranaíba, o uso deles para agricultura, e mesmo para pecuária, tem sido intensivo. Agrava-se daí o processo de voçorocamento que se multiplica ano após ano (Galinkin, 2003). A preservação da vegetação natural seria a recomendação mais razoável para os neossolos quartzarênicos (Spera et al., 1999; Oliveira et al., 2003), apesar dos relatos de produtividades surpreendentes para soja e feijão cultivados nesses solos, quando bem manejados e sob irrigação (Resende et al., 1999). Uma forte justificativa para o não-uso desses solos é a de que eles são importantíssimos na recarga dos aqüíferos, em particular do aqüífero guarani que se faz presente na região. 2

15 A encruzilhada socioambiental 99 Conclusão Ao final deste texto, cabe destacar que o desenvolvimento do PDIAP se deu graças às imagens de satélite que permitiram a geração de dois resultados extremamente importantes na gestão ambiental e territorial do Estado: o mapeamento confiável da cobertura vegetal natural e antrópica e a análise da adequabilidade de uso da terra nas áreas antropizadas. Esses resultados serão, sem dúvida, um subsídio importante na definição de áreas prioritárias para conservação da biodiversidade do cerrado e na gestão ambiental e territorial do Estado. Uma outra contribuição importante do mapeamento consistiu no avanço metodológico baseado na interpretação de imagens de satélite com resolução espacial moderada (tipicamente, resolução de 10 a 30 metros). A abordagem proposta permite a atualização do mapeamento temático efetuado e, principalmente, o detalhamento de algumas áreas que podem vir a ser consideradas como prioritárias para uso e conservação da biodiversidade, dos solos e dos recursos hídricos do Estado. Notas 1. Nas décadas de 1960 e 1970, houve, no Estado de Goiás, uma expressiva ocupação de solos com pastagens cultivadas, decorrente de fatores tais como: a implantação, por parte do governo federal, de programas de desenvolvimento como o Polocentro; a construção de Brasília e a melhoria do sistema viário da região. 2. Essa informação se acha disponível no site da Embrapa Meio Ambiente (<http://www. cnpma.embrapa.br>). Referências Brasil. Ministério do Meio Ambiente. Biodiversidade brasileira: avaliação e identificação de áreas e ações prioritárias para conservação, utilização sustentável e repartição de benefícios da biodiversidade brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente/Secretaria de Biodiversidade e Florestas, Consórcio Imagem-wwf Brasil. Memorial descritivo de vulnerabilidade ambiental do Estado de Goiás. São José dos Campos: Imagem - WWF Brasil, Crepani, E. et al. Sensoriamento remoto e geoprocessamento aplicados ao zoneamento ecológico-econômico e ao ordenamento territorial. São José dos Campos: INPE, (INPE RPQ/722). Galinkin, M. (Ed.). GeoGoiás Goiânia: Agência Ambiental de Goiás: Fundação Cebrac: PNUMA: Semarh, Goedert, W. J. (Ed.). Solos dos cerrados: tecnologias e estratégias de manejo. Planaltina: Embrapa-CPAC, Ibge. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, (Manuais Técnicos em Geociências, n. 1).

16 100 Padrões de cobertura de solos do Estado de Goiás Kluthcouski, J. et al. Integração lavoura pecuária pelo consórcio de culturas anuais com forrageiras, em áreas da lavoura, nos sistemas direto e convencional. Santo Antônio de Goiás: Embrapa Arroz e Feijão, (Circular Técnica, 38). Lepsch, I. F.; Oliveira, V. A. 5 Solos. In: Galinkin, M. (Ed.). GeoGoiás Goiânia: Agência Ambiental de Goiás: Fundação Cebrac: PNUMA: Semarh, p Oliveira, V. A. et al. Diagnóstico agroambiental do entorno do Parque Nacional das Emas. Goiânia: Agência Goiana de Desenvolvimento Rural e Fundiário, Resende, M. et al. Pedologia: base para distinção de ambientes. Viçosa: Neput, Ribeiro, J. F.; Walter, B. M. T. Fitofisionomias do bioma cerrado. In: Sano, S. M.; Almeida, S. P. (Eds.). Cerrado: ambiente e flora. Planaltina: Embrapa-CPAC, p Schowengerdt, R. A. Remote sensing: models and methods for image processing. 2. ed. San Diego: Academic Press, p Spera, S. T. et al. Solos areno-quartzosos no cerrado: problemas, características e limitações ao uso. Planaltina: Embrapa Cerrados, (Documentos, 7).

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral PEDRO EISENLOHR pedrov.eisenlohr@gmail.com Ao final da aula, vocês deverão ser capazes de: 1. Conceituar e diferenciar termos essenciais para o estudo da

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14 Cobertura Vegetal A localização espacial e a diversidade da vegetação estão sistematicamente integradas às especificidades do meio físico e a ação humana sobre o território

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS Como pode cair no enem? (FUVEST) Estas fotos retratam alguns dos tipos de formação vegetal nativa encontrados no território

Leia mais

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo Importância da Floresta Proteção e conservação do solo e da água; Produção de madeira (casas, barcos, carvão; etc); Produção de alimentos

Leia mais

CÁLCULO DA RESERVA LEGAL EM FUNÇÃO DAS DIFERENTES FITOFISIONOMIAS DA AMAZÔNIA LEGAL

CÁLCULO DA RESERVA LEGAL EM FUNÇÃO DAS DIFERENTES FITOFISIONOMIAS DA AMAZÔNIA LEGAL ESTUDO CÁLCULO DA RESERVA LEGAL EM FUNÇÃO DAS DIFERENTES FITOFISIONOMIAS DA AMAZÔNIA LEGAL Roseli Senna Ganem Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Desenvolvimento Urbano

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

BIOMAS PRESENTES NO ESTADO DO TOCANTINS

BIOMAS PRESENTES NO ESTADO DO TOCANTINS BIOMAS PRESENTES NO ESTADO DO TOCANTINS LUÍS ANTÔNIO G. C. SILVA Consultor Legislativo da Área VI Direito Agrário e Política Fundiária AGOSTO/2007 Luís Antônio G. C. Silva 2 2007 Câmara dos Deputados.

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto.

BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto. BIOMAS BRASILEIROS BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto. Bioma é uma área do espaço geográfico, com dimensões até superiores a um milhão de quilômetros quadrados, representada por

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Curso de Ecologia da Vegetação. Parte 6: Compreendendo o Domínio do Cerrado

Curso de Ecologia da Vegetação. Parte 6: Compreendendo o Domínio do Cerrado Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Biológicas Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal Curso de Ecologia da Vegetação Parte 6: Compreendendo o Domínio do Cerrado Ary T. Oliveira

Leia mais

MAPEAMENTO FLORESTAL

MAPEAMENTO FLORESTAL MAPEAMENTO FLORESTAL ELISEU ROSSATO TONIOLO Eng. Florestal Especialista em Geoprocessamento OBJETIVO Mapear e caracterizar a vegetação visando subsidiar o diagnóstico florestal FUNDAMENTOS É uma ferramenta

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado. Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP

A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado. Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP Sumário Conceituação, definições Classificações da vegetação do Cerrado Condições ambientais Origem

Leia mais

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ Resumo Patrícia Ladeira Pinheiro¹ Gabriel Pereira² (patricia.ladeira@gmail.com; pereira@ufsj.edu.br) Graduanda em Geografia - UFSJ

Leia mais

Ecossistemas Brasileiros

Ecossistemas Brasileiros Ecossistemas Brasileiros Biomas - É o conjunto de ecossistemas que funcionam de forma estável. Um bioma é caracterizado por um tipo principal de vegetação (num mesmo bioma podem existir diversos tipos

Leia mais

Relatório de Campo (operação II)

Relatório de Campo (operação II) Relatório de Campo (operação II) Referente a Definição de Áreas Prioritárias para Conservação do Estado de Goiás, Brasil Consórcio Imagem - WWF Brasil NOVEMBRO DE 2004 1 SUMÁRIO 1.0 Objetivos... 3 2.0

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS Creative Commons/Nao Iizuka Bioma Amazônia ou Domínio Amazônico Heterogêneo Perene Denso Ombrófila Três estratos Influenciado pelo relevo e hidrografia Bacia

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS NÚCLEO DOS BIOMAS MATA ATLÂNTICA E PAMPA PROJETO MATA ATLÂNTICA GCP/BRA/O61/WBK

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS NÚCLEO DOS BIOMAS MATA ATLÂNTICA E PAMPA PROJETO MATA ATLÂNTICA GCP/BRA/O61/WBK MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS NÚCLEO DOS BIOMAS MATA ATLÂNTICA E PAMPA PROJETO MATA ATLÂNTICA GCP/BRA/O61/WBK Relatório Metodológico do Mapeamento de Uso do Solo

Leia mais

Biomas Brasileiros. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

Biomas Brasileiros. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério Biomas Brasileiros FLORESTA AMAZÔNICA Solos com limitações quanto à fertilidade natural. Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS Situação Geográfica Este domínio estende-se se do sul do Brasil até o Estado da Paraíba (no nordeste), obtendo uma área total de aproximadamente 1.000.000 km².. Situado mais

Leia mais

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 Formações de Santa Catarina Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 O Estado de Santa Catarina está totalmente inserido dentro do Bioma Mata Atlântica. A Mata Atlântica "O espaço que contém aspectos

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna Domínio Amazônico Clima equatorial Solos relativamente pobres Relevo

Leia mais

INTERPOLADOR GEOESTATÍSTICO COMO FERRAMENTA DE PREDIÇÃO DA VEGETAÇÃO NATIVA EM ÁREAS ANTROPIZADAS NO BIOMA CERRADO EM GOIÁS E NO DISTRITO FEDERAL

INTERPOLADOR GEOESTATÍSTICO COMO FERRAMENTA DE PREDIÇÃO DA VEGETAÇÃO NATIVA EM ÁREAS ANTROPIZADAS NO BIOMA CERRADO EM GOIÁS E NO DISTRITO FEDERAL INTERPOLADOR GEOESTATÍSTICO COMO FERRAMENTA DE PREDIÇÃO DA VEGETAÇÃO NATIVA EM ÁREAS ANTROPIZADAS NO BIOMA CERRADO EM GOIÁS E NO DISTRITO FEDERAL Cassio Henrique Giusti CEZARE 1 Nilson Clementino FERREIRA

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir.

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. LISTA DE EXERCÍCIOS I) A partir de critérios geomorfológicos, os planaltos corrrespondem às regiões do relevo onde predomina o processo erosivo; neste compartimento

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia Vegetação Solo Relevo Clima Hidrografia VEGETAÇÃO E SOLOS HETEROGÊNEA CALOR E UMIDADE RÁPIDA DECOMPOSIÇÃO/FERTILIDADE. NUTRIENTES ORGÂNICOS E MINERAIS (SERRAPILHEIRA). EM GERAL OS SOLOS SÃO ÁCIDOS E INTEMPERIZADOS.

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e Mata Atlântica A Mata Atlântica (floresta pluvial costeira) está situada entre o R.N e o R.S. É um dos hotspots (O conceito dos Hotspots, criado em 1988 pelo Dr. Norman Myers, estabeleceu 10 áreas críticas

Leia mais

FATORES CLIMÁTICOS ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS ALTERAM A DINÂMICA LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO

FATORES CLIMÁTICOS ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS ALTERAM A DINÂMICA LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO FATORES CLIMÁTICOS LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO ALTERAM A DINÂMICA ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS TEMPERATURA, UMIDADE,PRESSÃ O ATMOSFÉRICA Climas

Leia mais

Palavras-chave: integração lavoura-pecuária, zoneamento agroecológico, geoprocessamento.

Palavras-chave: integração lavoura-pecuária, zoneamento agroecológico, geoprocessamento. Zoneamento Agroecológico da Microrregião de Bom Despacho diagnosticando a sua Aptidão Potencial para expansão do Sistema de Integração Lavoura-Pecuária Elena Charlotte Landau 1 e Daniel Pereira Guimarães

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp BIOMAS DO BRASIL BIOMA Definição: Bioma, ou formação planta - animal, deve ser entendido como a unidade biótica de maior extensão geográfica, compreendendo varias comunidades em diferentes estágios de

Leia mais

Capítulo 23. Cobertura vegetal atual do Rio Grande do Sul. Introdução. José Luís Passos Cordeiro 1 & Heinrich Hasenack 2

Capítulo 23. Cobertura vegetal atual do Rio Grande do Sul. Introdução. José Luís Passos Cordeiro 1 & Heinrich Hasenack 2 Capítulo 23 Cobertura vegetal atual do Rio Grande do Sul José Luís Passos Cordeiro 1 & Heinrich Hasenack 2 Introdução O primeiro mapeamento de vegetação do Rio Grande do Sul abrangendo a totalidade de

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 3ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA Aluno: Nº Série: 7º Turma: Data: Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

DISCREPÂNCIA ENTRE USO E CAPACIDADE DE USO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO DE ITAPURANGA-GO Adriana Aparecida Silva 1

DISCREPÂNCIA ENTRE USO E CAPACIDADE DE USO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO DE ITAPURANGA-GO Adriana Aparecida Silva 1 DISCREPÂNCIA ENTRE USO E CAPACIDADE DE USO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO DE ITAPURANGA-GO Adriana Aparecida Silva 1 1 Professora do Curso de Geografia/Unidade Cora Coralina/UEG RESUMO Localizado na micro-região

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993. IV - existência, diversidade e quantidade de epífitas;

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993. IV - existência, diversidade e quantidade de epífitas; RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993 Legislação O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, com as alterações

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Parâmetros Básicos dos Estágios Sucessionais dos Campos de Altitude Associados à Floresta Ombrófila Mista, à Floresta Ombrófila Densa

Leia mais

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG.

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG. VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO

Leia mais

SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES. Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE

SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES. Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE O Território do Sertão do Araripe é formado por 10 municípios: Araripina,

Leia mais

Principais características geográficas do estado do Goiás

Principais características geográficas do estado do Goiás Principais características geográficas do estado do Goiás Laércio de Mello 1 Para iniciarmos o estudo sobre o estado de Goiás é importante primeiramente localizá-lo dentro do território brasileiro. Para

Leia mais

CLIMATOBOTÂNICA O QUE É CLIMATOBOTÂNICA QUADRO CLIMATOBOTÂNICO

CLIMATOBOTÂNICA O QUE É CLIMATOBOTÂNICA QUADRO CLIMATOBOTÂNICO CLIMATOBOTÂNICA O QUE É CLIMATOBOTÂNICA Parte do estudo da ciência geográfica que combina elementos da botânica e geografia; Analisa características da vegetação partindo das características climáticas,

Leia mais

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas Capítulo 07 Distribuição dos Ecossistemas A terra possui regiões que apresentam características próprias, onde cada uma desenvolve sua flora e fauna típica, sejam elas aquáticas ou terrestres, vindo a

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Definição. Unidade Territorial com características naturais bem. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado

Definição. Unidade Territorial com características naturais bem. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado Definição Compreende-se como sendo uma Unidade Territorial com características naturais bem marcantes e que o individualizam. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado como sinônimo para identificar

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil A classificação morfoclimática reúne grandes combinações de fatos geomorfológicos, climáticas, hidrológicos, pedológicos e botânicos que por sua relativa homogeinidade,

Leia mais

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53.

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS 6 e 7: O RELEVO BRASILEIRO PLANALTOS BRASILEIROS: Muito desgastados, antigos, conhecidos também como cinturões orogênicos

Leia mais

Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Autores:

Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Autores: Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Desafios Uma cidade com a natureza exuberante e diferenciada merece um levantamento a sua altura: Inédito Único no Brasil Multidisciplinar

Leia mais

Paisagens Climatobotânicas do Brasil

Paisagens Climatobotânicas do Brasil Paisagens Climatobotânicas do Brasil 1. (UEL-2012) Os domínios morfoclimáticos brasileiros são definidos a partir da combinação dos elementos da natureza, como os climáticos, botânicos, pedológicos, hidrológicos

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 OS BIOMAS DO BRASIL: (Aziz Ab Saber) O que se leva em consideração nesses domínios morfoclimáticos? Clima. Relevo. Solo. Vegetação. Vida. História da Terra e da ocupação

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL UM MOSAICO DE PAISAGENS

BIOMAS DO BRASIL UM MOSAICO DE PAISAGENS BIOMAS DO BRASIL UM MOSAICO DE PAISAGENS Principais Biomas Os biomas diferem quanto à fisionomia, estrutura, e fatores ambientais relacionados ao clima, como temperatura, quantidade e distribuição das

Leia mais

3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas

3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas 3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas 2 Tipos de vegetação Vegetação é caracterizada como o conjunto de plantas de uma determinada região. Em razão da

Leia mais

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG.

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Tiago Brochado Pires Introdução: Estudos voltados para a interpretação

Leia mais

Terra frágil. ciência ambiente y

Terra frágil. ciência ambiente y ciência ambiente y Terra frágil Análises de imagens de satélite indicam perda de 266 mil km 2 do Cerrado e 90 mil km 2 da Caatinga, aumentando riscos de falta d água e de desertificação Carlos Fioravanti

Leia mais

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR Andreza

Leia mais

Os produtos resultantes da execução dos subprojetos de mapeamento são os seguintes:

Os produtos resultantes da execução dos subprojetos de mapeamento são os seguintes: Apresentação A vegetação é um dos componentes mais importantes da biota, na medida em que seu estado de conservação e de continuidade definem a existência ou não de hábitats para as espécies, a manutenção

Leia mais

Modelagem espacial e temporal do uso do solo na bacia do Rio Doce no estado do Espírito Santo utilizando Sensoriamento Remoto e SIG

Modelagem espacial e temporal do uso do solo na bacia do Rio Doce no estado do Espírito Santo utilizando Sensoriamento Remoto e SIG Modelagem espacial e temporal do uso do solo na bacia do Rio Doce no estado do Espírito Santo utilizando Sensoriamento Remoto e SIG Resumo A Bacia Hidrográfica do Rio Doce apresenta uma extensão territorial

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 1º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor: Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 1º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor: Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 1º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor: Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES Estudante: Turma: Data: / / QUESTÃO 1 Fonte: .

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO Natália Aragão de Figueredo 1, Paulo Henrique Dias Barbosa 2, Thiago Dannemann Vargas 3, João Luiz Lani 4

Leia mais

Biodiversidade em Minas Gerais

Biodiversidade em Minas Gerais Biodiversidade em Minas Gerais SEGUNDA EDIÇÃO ORGANIZADORES Gláucia Moreira Drummond Cássio Soares Martins Angelo Barbosa Monteiro Machado Fabiane Almeida Sebaio Yasmine Antonini Fundação Biodiversitas

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS O que você deve saber sobre DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS Segundo o geógrafo Aziz Ab Sáber, um domínio morfoclimático é todo conjunto no qual haja interação entre formas de relevo, tipos de solo,

Leia mais

DISTRIBUIÇAO DA VEGETAÇAO

DISTRIBUIÇAO DA VEGETAÇAO DISTRIBUIÇAO DA VEGETAÇAO O ESTUDO DA DISTRIBUIÇAO DA VEGETAÇAO PODE SER EFETUADO POR MEIO DE TRES APROXIMAÇOES, INCLUINDO DIFERENTES ESCALAS ESPACIAIS DO FENOMENO PARA OS ESTUDOS DA VEGETAÇAO POTENCIAL

Leia mais

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas,

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas, Relevo Brasileiro 1.Rochas magmáticas ou ígneas, formadas pela solidificação do magma.podem ser intrusivas formadas dentro da crosta terrestre ou extrusivas na superfície. Formação das Rochas 2.Rochas

Leia mais

Resumos do 56º Congresso Nacional de Botânica. A Floresta com Araucária no Paraná

Resumos do 56º Congresso Nacional de Botânica. A Floresta com Araucária no Paraná A Floresta com Araucária no Paraná RICARDO MIRANDA DE BRITEZ SOCIEDADE DE PESQUISA EM VIDA SELVAGEM E EDUCAÇÃO AMBIENTAL - SPVS 1. Introdução Define-se como área de abrangência da Floresta com Araucária

Leia mais

Professora Dra. da Universidade Estadual de Maringá (UEM), campus regional de Umuarama; e-mail: vanilde@yahoo.com

Professora Dra. da Universidade Estadual de Maringá (UEM), campus regional de Umuarama; e-mail: vanilde@yahoo.com ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 IMPORTÂNCIA DA CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS NO SISTEMA BRASILEIRO E QUANTO A CAPACIDADE DE USO

Leia mais

Unidade I Geografia física mundial e do Brasil.

Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. 2 2.2 Conteúdo: Os Grandes Biomas no Brasil. 3 2.2 Habilidade: Comparar as formações vegetais existentes no Brasil e seus diferentes biomas. 4 Biomas da

Leia mais

2 estratos (um arbóreo esparso e outro herbáceo) Heterogêneo (grande biodiversidade) Folhas coriáceas, decíduas (caducifólias) ou semidecíduas,

2 estratos (um arbóreo esparso e outro herbáceo) Heterogêneo (grande biodiversidade) Folhas coriáceas, decíduas (caducifólias) ou semidecíduas, Classificação do relevo brasileiro: Antigas: Eram simplistas Dividiam o Brasil em planaltos e planícies Consideravam altitude e topografia Nova (Jurandyr Ross) Considera 28 subunidades Considera além da

Leia mais

Monitoramento do Bioma Cerrado

Monitoramento do Bioma Cerrado Monitoramento do Bioma Cerrado Prof. Dr. Nilson C. Ferreira Monitoramento do Bioma Cerrado Biomas Brasileiros, destaque mapa antrópico do bioma Cerrado. Fonte: Sano et al. 2007(PROBIO-MMA). Monitoramento

Leia mais

AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL

AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO Formações vegetais do globo AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO As Grandes Formações Vegetais da Superfície da Terra Tundra Vegetação

Leia mais

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA Sabendo-se que a erosão pode comprometer até mesmo o volume de água de uma bacia hidrográfica, o presente

Leia mais

11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO. 11.1 Zona de Amortecimento

11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO. 11.1 Zona de Amortecimento 11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO 11.1 Zona de Amortecimento Vilhena (2002) menciona que o conceito de zona de amortecimento surgiu pela primeira vez em 1979, com o programa Man and Biosfere,

Leia mais

VEGETAÇÃO. Página 1 com Prof. Giba

VEGETAÇÃO. Página 1 com Prof. Giba VEGETAÇÃO As formações vegetais são tipos de vegetação, facilmente identificáveis, que dominam extensas áreas. É o elemento mais evidente na classificação dos ecossistemas e biomas, o que torna importante

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

REMANESCENTES DE VEGETAÇÃO DO BIOMA PAMPA

REMANESCENTES DE VEGETAÇÃO DO BIOMA PAMPA REMANESCENTES DE VEGETAÇÃO DO BIOMA PAMPA Proponente MMA Secretaria de Biodiversidade e Florestas Sub-projeto PROBIO: Remanescentes de vegetação dos biomas brasileiros Executor Fundação de Apoio da UFRGS

Leia mais

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH 01. (UDESC_2011_2) Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), existem no Brasil oito Bacias Hidrográficas. Assinale a alternativa

Leia mais

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA.

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A biosfera contém inúmeros ecossistemas (conjunto formado pelos animais e vegetais em harmonia com os outros elementos naturais). Biomas: conjuntos dinâmicos

Leia mais

Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais

Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais Dois trópicos e dois círculos Polares Tipos de Escalas Gráfica Numérica 1 : 100.000 Principais projeções cartográficas Cilíndrica Cônica Azimutal ou Plana

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP

A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP 123 A EXPLORAÇÃO DE ÁREAS DE VEGETAÇÃO PROTEGIDA NA BACIA DO RIBEIRÃO DA CONFUSÃO, RANCHARIA SP Lucas Prado Osco 1, Marcos Norberto Boin 2 1 Engenheiro Ambiental, pela UNOESTE, Aluno Especial do Mestrado

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR Lucas Ricardo Hoenig Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Campus de

Leia mais