COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS"

Transcrição

1 COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, COM(2006) 48 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Relatório sobre a aplicação das disposições transitórias estabelecidas no Tratado de Adesão de 2003 (período de 1 de Maio de 2004 a 30 de Abril de 2006) PT PT

2 ÍNDICE 1. Objectivo do presente relatório As disposições transitórias Consulta dos Estados-Membros e parceiros sociais Dados estatísticas sobre a mobilidade dos trabalhadores antes e depois do alargamento Mobilidade dos trabalhadores na União Europeia alargada Resultados do mercado de trabalho para os nacionais do país e da UE taxas de emprego Composição por sector e por aptidões da mão-de-obra da UE10 nos Estados-Membros da UE15 complementaridades ou substituição? Conclusões e recomendações ANNEX I STATISTICAL ANNEX ANNEX II BIBLIOGRAPHY PT 2 PT

3 COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Relatório sobre a aplicação das disposições transitórias estabelecidas no Tratado de Adesão de 2003 (período de 1 de Maio de 2004 a 30 de Abril de 2006) (Texto relevante para efeitos do EEE) 1. OBJECTIVO DO PRESENTE RELATÓRIO 1. A Comissão apresenta este relatório ao Conselho nos termos do artigo 3.º, n.º 2, das disposições transitórias relativas à livre circulação de pessoas 1 anexadas ao Tratado de Adesão de Nos termos destas disposições transitórias, a aplicação de uma parte da legislação comunitária em matéria de livre circulação de trabalhadores na UE alargada pode ser diferida por um período máximo de 7 anos O período transitório é dividido em três fases distintas, de acordo com a fórmula 2-mais 3-mais 2. Durante cada uma destas fases vigoram diferentes condições. A primeira fase das disposições transitórias (DT) teve início em 1 de Maio de 2004 e terminará em 30 de Abril de O Tratado de Adesão estabelece que antes do final desta fase o Conselho deve analisar a aplicação das DT com base num relatório da Comissão. Após esta análise, o mais tardar no final do período de dois anos posterior à data de adesão, os Estados-Membros da UE15 devem informar a Comissão das respectivas intenções no tocante à segunda fase das DT 4. Na ausência de notificação, a legislação comunitária em matéria de livre circulação de trabalhadores será aplicável a partir de 1 de Maio de A livre circulação de trabalhadores (artigo 39.º CE) deve ser juridicamente distinguida do livre estabelecimento (artigo 43.º CE) e da livre prestação de serviços (artigo 49.º CE). A directiva que regula o destacamento de trabalhadores, que se refere a esta última liberdade, não é abrangida pelas disposições transitórias, embora a Alemanha e a Áustria possam aplicar restrições à prestação transfronteiriça de serviços em determinados sectores sensíveis que impliquem o destacamento temporário de trabalhadores, tal como estabelece o n.º 13 das DT. O presente relatório trata da livre circulação de trabalhadores na UE e não da imigração económica de cidadãos não comunitários. Assinale-se que os nacionais de Malta e Chipre não podem ser alvo de restrições. No presente relatório, por os Estados-Membros da UE15 entende-se todos os Estados-Membros que faziam parte da UE antes de 1 de Maio de 2004, por os Estados-Membros da UE10 entende-se todos os Estados que aderiram à UE em 1 de Maio de 2004, e por Estados-Membros da UE8 entende-se os Estados-Membros da UE10 com excepção de Malta e Chipre. PT 3 PT

4 2. AS DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS 4. A livre circulação de pessoas é uma das liberdades fundamentais consagradas pelo direito comunitário. Inclui o direito de os nacionais da UE se mudarem para outro Estado-Membro da UE no intuito de começar a trabalhar e de se estabelecer no país de acolhimento com os respectivos familiares. Os Estados-Membros da UE estão proibidos de discriminar, directa ou indirectamente, os trabalhadores migrantes e respectivas famílias com base na nacionalidade. Os trabalhadores migrantes da UE e respectivas famílias têm direito à igualdade de tratamento não só em questões relacionadas com o emprego, mas também no que se refere a habitação social, benefícios fiscais ou regalias sociais 5. A eliminação de entraves à mobilidade entre Estados-Membros e no seu interior constitui um dos elementos centrais da Agenda de Lisboa renovada. 5. As disposições transitórias estabelecidas no Tratado de Adesão de 2003 prevêem um número limitado de excepções aos princípios referidos no parágrafo anterior, durante um período transitório que terminará impreterivelmente a 30 de Abril de As restrições só podem ser aplicadas a trabalhadores migrantes e não a qualquer outra categoria de cidadãos da UE. Por outro lado, as restrições só podem ser aplicadas ao acesso ao mercado de trabalho, podendo apenas limitar a elegibilidade para o emprego num Estado-Membro específico. Uma vez obtido o acesso ao mercado de trabalho de um determinado Estado-Membro, são aplicáveis as regras comunitárias em matéria de igualdade de tratamento quanto à remuneração, a outras questões relacionadas com o emprego e quanto ao acesso a regalias sociais e benefícios fiscais. Por outras palavras, não se permite qualquer tipo de discriminação com fundamento na nacionalidade entre trabalhadores empregados em conformidade com a lei, quer provenham dos Estados-Membros da UE15 quer dos Estados-Membros da UE10. Além disso, não existem disposições transitórias relativas à aplicação da legislação comunitária em matéria de coordenação de regimes de segurança social A Comissão elaborou diversos documentos que explicam o enquadramento jurídico das DT 7. O Tratado de Adesão prevê que, nos primeiros dois anos de aplicação das DT, os Estados-Membros da UE15 aplicam medidas nacionais ou medidas resultantes de acordos bilaterais para regular o acesso aos seus mercados de trabalho dos nacionais da UE8. As várias medidas nacionais tomadas nesta primeira fase de vigência das DT conduziram a regimes jurídicos diferentes de acesso aos mercados de trabalho da UE25. A Suécia e a Irlanda decidiram não aplicar restrições ao acesso aos respectivos mercados de trabalho de cidadãos da UE8. O Reino Unido também não prevê restrições prévias, mas dispõe de um regime de registo dos trabalhadores (Workers Registration Scheme) 8. Todos os outros países da UE15 mantiveram um regime de autorização de trabalho, por vezes combinado com quotas. Não existem DT relativas a Chipre. Malta emite autorizações de trabalho para efeitos de controlo. A Polónia, a Eslovénia e a Hungria aplicam restrições aos nacionais dos Artigo 39.º CE; Regulamento n.º 1612/68/CEE; Directiva 68/360/CEE. A partir de 30 de Abril de 2006, a Directiva 2004/38/CE será aplicada e virá substituir/alterar a legislação anterior. No entanto, verifica-se um impacto directo sobre o artigo 69.º do Regulamento n.º 1408/71/CEE. Ver bibliografia. Não aplicável em Gibraltar, que adoptou um regime de autorização de trabalho. PT 4 PT

5 Estados-Membros da UE15 que, por sua vez, também as apliquem. Todos os Estados-Membros da UE10 abriram os respectivos mercados de trabalho aos trabalhadores dos Estados-Membros da UE A partir de 1 de Maio de 2006 terá início a segunda fase do período transitório. Em qualquer caso, nos termos do Tratado de Adesão, os Estados-Membros que decidam levantar as restrições em 1 de Maio de 2006 poderão voltar a introduzi-las enquanto vigorar o período transitório, recorrendo ao procedimento de salvaguarda previsto nesse mesmo tratado, caso registem ou prevejam perturbações nos respectivos mercados de trabalho. O Tratado de Adesão estabelece igualmente que, sem prejuízo das restrições aplicadas, os Estados-Membros devem dar preferência aos trabalhadores nacionais dos países da UE8 relativamente a trabalhadores cidadãos de países terceiros, no que se refere ao acesso ao mercado de trabalho CONSULTA DOS ESTADOS-MEMBROS E PARCEIROS SOCIAIS 8. A Comissão convocou uma reunião de um Grupo de Alto Nível sobre a livre circulação de pessoas. Este grupo reuniu-se a 16 de Setembro de 2005 para debater a aplicação das DT. Além dos representantes dos Estados-Membros, foram também convidados representantes dos parceiros sociais europeus e nacionais. Durante a reunião, muitos Estados-Membros da UE15 referiram que se encontravam no início do processo de consultas internas destinado a determinar as respectivas posições relativamente à segunda fase. Todos consideraram necessária a existência de dados fidedignos para sustentar as decisões neste domínio. Os Estados que decidiram não aplicar quaisquer restrições durante a primeira fase revelaram-se, em regra, optimistas em relação aos efeitos desta decisão sobre os respectivos mercados de trabalho, salientando o contributo positivo que os trabalhadores da UE8 trouxeram às suas economias nacionais. 9. No tocante aos Estados-Membros da UE15 que aplicam restrições, alguns destes referiram que estas lhes permitem gerir a migração dos países da UE8 limítrofes. Dois Estados-Membros continuam a considerar que as medidas restritivas são necessárias num futuro próximo, atendendo à capacidade de absorção nacional, à necessidade de integrar todos os migrantes, incluindo os que provêm de países não comunitários, e para acompanhar as reformas estruturais internas. No entanto, foi reconhecido que as restrições poderão ter incentivado os nacionais da UE8 a procurar outros modos de realizar actividades económicas nos Estados-Membros da UE15, o que se reflectiu num influxo extremamente elevado de trabalhadores destacados ou de trabalhadores que se declaram independentes. 10. Praticamente todos os Estados-Membros da UE8 reclamaram o levantamento das restrições, sublinhando a natureza fundamental do direito dos seus cidadãos à livre 9 10 Uma visão geral circunstanciada das medidas nacionais aprovadas pelos Estados-Membros na primeira fase de vigência das DT pode ser consultada no Portal Europeu da Mobilidade Profissional (EURES). Um resumo destas medidas pode ser consultado no sítio Internet da DG EMPL indicado na Bibliografia. Cf. o disposto no n.º 14 das disposições transitórias, relativo ao tratamento preferencial. PT 5 PT

6 circulação de trabalhadores na UE25 e referindo dados estatísticos que mostram que os respectivos cidadãos, de facto, não invadiram os mercados de trabalho da UE15 nem causaram qualquer aumento súbito das despesas de segurança social nestes países. Realçaram igualmente o contributo dos respectivos cidadãos para atenuar os problemas causados pelo envelhecimento da mão-de-obra da UE Os parceiros sociais recorreram às autoridades nacionais respectivas para as consultar relativamente às suas posições para o segundo período. Muitos sublinharam que as restrições poderão resultar no adiamento de reformas estruturais indispensáveis dos mercados de trabalho tanto da UE15 como da UE8. Reconhecendo que os fluxos migratórios dos Estados-Membros da UE8 para os da UE15 têm sido reduzidos, os parceiros sociais insistiram no facto de que a erosão das normas laborais e o dumping social devem ser evitados. Referiram igualmente que as restrições relativas ao trabalho legal conduzem, actualmente, à proliferação de trabalho ilegal, ao falso trabalho por conta própria, à prestação de serviços e subcontratação fictícias. Foram também indicadas lacunas na aplicação da legislação comunitária vigente, em especial da directiva relativa ao destacamento de trabalhadores. A grande maioria dos parceiros sociais, à excepção dos que representam PME e/ou sindicatos de alguns países, declararam-se favoráveis ao levantamento das restrições, a fim de criar condições equitativas. 4. DADOS ESTATÍSTICAS SOBRE A MOBILIDADE DOS TRABALHADORES ANTES E DEPOIS DO ALARGAMENTO 12. Para que a Comissão pudesse avaliar a aplicação das DT, foi pedido aos Estados-Membros que enviassem, através do EUROSTAT, dados nacionais sobre autorizações de residência atribuídas a outros nacionais da UE por motivos de reagrupamento familiar, emprego, estudo ou outros, desagregados por nacionalidade, sexo e idade. Os dados nacionais recebidos pela Comissão em resposta ao referido pedido referem-se a autorizações de residência, a autorizações de trabalho e ao número de trabalhadores obtido a partir de outras fontes administrativas, tais como os registos da segurança social, consoante os sistemas nacionais e respectiva estrutura institucional. Ainda que os dados nacionais incluídos no presente relatório tenham sido, tanto quanto possível, harmonizados, é necessário ter presente que eles não estão totalmente harmonizados nem são comparáveis entre países, e ainda que o grau de pormenor varia de país para país. Deve também ser referido que, segundo determinados dados públicos, os fluxos migratórios em certos países podem diferir dos apresentados no presente relatório. Esta situação pode ser explicada pelo facto de nem todos os dados que circulam no domínio público terem sido sujeitos à análise rigorosa com que foram apreciados os dados do presente relatório 11. Por outro lado, os verdadeiros fluxos migratórios na UE alargada podem ser maiores do que os indicados pelos dados apresentados neste relatório, dado que o fenómeno do trabalho não declarado não é totalmente captado pelas estatísticas oficiais. 11 A Comissão recebeu dados administrativos de todos os Estados-Membros, à excepção do Luxemburgo e de Chipre, não incluídos na análise. PT 6 PT

7 13. Além dos dados administrativos nacionais atrás referidos, são também apresentados dados do Inquérito às Forças de Trabalho (IFT) 12 no presente relatório 13. A avaliação não tem em conta a interacção entre a aplicação das DT e outras alterações nos planos económico e/ou político. A avaliação da aplicação das DT foi igualmente alvo de relatórios de diversos Estados-Membros e outras partes interessadas; os dados relevantes incluídos nesses relatórios foram também utilizados. 4.1 Mobilidade dos trabalhadores na União Europeia alargada 14. Desde o alargamento, verificou-se um aumento do número de trabalhadores da UE10 nos Estados-Membros da UE15. Todavia, apesar deste aumento, o impacto relativo, medido pelo número de autorizações emitidas para efeitos de emprego em percentagem da população activa do país de acolhimento, é bastante limitado (ver quadro infra). Por outro lado, o número de autorizações de residência e de trabalho emitidas num dado momento sobrestima o número real de nacionais da UE10 que se estabeleceram no país de acolhimento, por não ter em conta as pessoas que regressam aos seus países de origem, isto é, os fluxos de saída, e a duração das autorizações de trabalho. O mesmo se pode dizer do facto de os dados poderem reflectir factores temporários como a regularização de migrantes ilegais que se instalaram em Estados-Membros da UE15 durante vários anos. 15. Na Áustria, o número de autorizações de trabalho emitidas em 2004, a maior parte das quais de curta duração 14, corresponde a 1,2% da população activa total, mas a média anual de pessoas com emprego corresponde a 0,7% da população activa (ver quadro infra). Por outro lado, note-se que, após um primeiro período de ajustamento, o número de nacionais da UE8 na Áustria, medido pela média anual de trabalhadores, estabilizou em 2005 (ver quadro A1 no anexo estatístico). De igual modo, apesar de as autorizações de trabalho emitidas na Alemanha em 2004 corresponderem a 0,9% da população activa, depois de tida em conta a duração das autorizações, o número de trabalhadores de países da UE8 (nomeadamente os que devem pagar contribuições à segurança social) cai para 0,2% da população activa Na Irlanda, os números pessoais de serviço público (Personal Public Service Numbers PPS) emitidos em nome de nacionais da UE10 entre Maio e Dezembro de 2004 corresponde a 1,9% da população activa; no entanto, estes valores, em rigor, não são comparáveis com os outros números incluídos no quadro seguinte, dado que os números PPS são atribuídos pelas autoridades irlandesas não apenas para efeitos de emprego. Os números PPS constituem números de referência únicos atribuídos também para outros efeitos, incluindo, por exemplo, o acesso à informação, à segurança social, à saúde ou a outros serviços públicos, abrangendo portanto não só os trabalhadores migrantes como também os seus familiares. A quantidade de números PPS atribuídos em 2005 aumentou, no período de Janeiro-Novembro de 2005 para 3,8%, mas este facto não parece ter originado perturbações no mercado de trabalho irlandês (ver quadros A4 e A5 do anexo estatístico) O IFT é um inquérito comunitário trimestral harmonizado que cobre toda a população residente em cada Estado-Membro, baseado numa amostra de cerca de 1,7 milhões de pessoas na EU25. A informação incluída nos dados administrativos é mais limitada do que a disponível nos IFT, sendo também mais sensível ao quadro normativo aplicável aos cidadãos estrangeiros. Ver adiante. Para mais informações quanto ao número de autorizações, ver quadro A1 do anexo estatístico. PT 7 PT

8 Nacionais da UE10 e da UE15 em percentagem da população activa/pa (15-64 anos) do país de destino 2004 País de destino Tipo de dados % PA Nacionalidade UE10 1 UE15 Bélgica 2 Autorizações de residência 0,2 2,7 República Checa Número de trabalhadores estrangeiros 1,0 0,1 Dinamarca Autorização de residência 0,1 0,2 Alemanha Número de trabalhadores estrangeiros 0,2 1,0 Autorização de trabalho 0,9 Estónia Autorização de residência 0,0 0,1 Grécia Autorização de residência 0,1 Espanha Autorização de residência 0,0 0,1 França Autorização de trabalho 0,0 Irlanda 3 4 Números Personal Public Service 1,9 Itália Pedido de autorização de trabalho 0,1 Letónia 4 Autorização de residência 0,0 0,0 Lituânia Autorização de residência 0,0 0,0 Hungria Autorização de residência 0,0 0,0 Malta Autorização de residência 0,1 0,8 Países Baixos Autorização de trabalho 0,2 Áustria Média anual de trabalhadores 0,7 Autorização de trabalho 1,2 Polónia Autorização de residência 0,0 0,0 Portugal Autorização de residência 0,0 0,0 Eslovénia Registo de trabalhadores 0,0 0,0 Eslováquia Autorização de residência 0,0 0,0 Finlândia Autorização de residência 0,0 0,0 Suécia 4 Autorização de residência 0,1 0,0 Reino Unido 4 Pedidos de inscrição no WRS 0,4 Fonte Dados administrativos dos Estados-Membros. Notas % PA em percentagem da população activa do país de destino (15-64 anos). '' não se aplica ou dados não disponíveis. Todos os dados se referem ao número de requerentes/pedidos/registos/autorizações emitidos (fluxos), excepto no caso da República Checa, em que os números se referem ao número de trabalhadores, da Alemanha, em que a primeira linha se refere ao número de trabalhadores, e da Áustria, em que a primeira linha se refere à média anual de trabalhadores. Os números relativos a autorizações de residência referem-se às autorizações concedidas apenas para efeitos de emprego, excepto no caso da Bélgica. Os dados relativos a 2005 foram enviados por alguns Estados-Membros (ver quadro A1 do anexo estatístico). 1 Os dados de França, Itália e Áustria e os números de autorizações de trabalho na Alemanha referem-se à UE8. 2 Os dados da Bélgica referem-se às autorizações de residência emitidas para todos os efeitos. 3 Os dados da Irlanda referem-se aos números PPS atribuídos não só para efeitos de emprego mas também para outros efeitos administrativos, incluindo segurança social, saúde e outros serviços públicos. 4 Data de referência Maio Dezembro de Os dados de Chipre e Luxemburgo não foram recebidos pela Comissão. 17. Os dados do IFT podem ser comparados com os dados fornecidos por fontes administrativas, se forem consideradas as diferenças em matéria de definições e de tempo 16. De facto, os valores do IFT representam o efeito líquido dos fluxos (de 16 Os dados do IFT referem-se ao primeiro trimestre de cada ano, ao passo que os dados administrativos se referem a diferentes períodos, tal como se especifica nos quadros em questão. Por outro lado, os valores do IFT referem o número líquido de indivíduos por nacionalidade num dado momento, ao passo que os dados administrativos, tanto de pessoas como de fluxos, se referem ao número de autorizações PT 8 PT

9 saída e de entrada), permitindo assim obter uma visão mais correcta do número efectivo de nacionais da UE10 que se estabeleceram em países da UE15. No primeiro trimestre de 2005, a proporção da população activa dos Estados-Membros da UE10 na UE15 era relativamente pequena, variando entre 0,1% em França e nos Países Baixos e 1,4% na Áustria ou 2% na Irlanda 17. População activa residente por nacionalidade percentagens por células Nacionalidade País de destino UE15 UE Bélgica 5,4 5,8 5,8 0,2 0,2 0,2 Dinamarca 1,0 1,1 1,1 Alemanha 2,7 2,6 2,8 0,7 Grécia 0,2 0,4 0,3 0,3 0,4 0,4 Espanha 1,1 1,2 1,2 0,2 0,2 0,2 França 1,9 2,1 1,9 0,1 0,1 0,1 Irlanda 3,4 3,3 3,0 2,0 Luxemburgo 37,2 37,6 37,6 0,3 0,3 0,3 Países Baixos 1,5 1,5 1,4 0,1 0,1 0,1 Áustria 1,7 1,8 1,9 0,7 0,8 1,4 Portugal 0,3 0,4 0,4 Finlândia 0,3 0,3 0,4 0,3 0,3 0,3 Suécia 2,2 2,2 2,3 0,2 0,2 0,2 Reino Unido 1,8 1,8 1,7 0,2 0,3 0,4 UE15 2,0 2,1 2,1 0,2 0,2 0,4 UE10 0,2 0,2 0,1 0,2 UE25 1,9 1,7 1,7 0,1 0,1 0,3 Fonte Eurostat, IFT, T1, Irlanda 2005 T2. Notas '' dados não disponíveis ou não fiáveis devido à reduzida dimensão da amostra. A Itália é excluída por não efectuar a desagregação por nacionalidade. Agregados UE15 e UE25 sem a Itália. Agregados UE15 e UE25 sem a Alemanha e a Irlanda em para os nacionais da UE10. Agregado UE10 sem a Polónia. 18. Além do mais, estes valores têm-se revelado estáveis relativamente aos dois anos anteriores ao alargamento, isto é, primeiros trimestres de 2003 e 2004, com um aumento moderado de 0,1 pontos percentuais por ano no Reino Unido e um aumento marcado na Áustria, onde a percentagem duplicou para 1,4%. Também é interessante indicar que, nos países da UE15, a percentagem de cidadãos não comunitários é significativamente superior à de cidadãos da UE10 (ver quadro A2 do anexo). Este facto pode igualmente ser explicado por razões históricas e pela natureza recente da imigração da UE10. O que significa que a imigração de países não comunitários é um fenómeno muito mais importante do que a mobilidade intracomunitária, tanto na UE15 como na UE No tocante às DT, não há dados tanto de fontes administrativas como do Inquérito às Forças de Trabalho que mostrem uma ligação directa entre a dimensão dos fluxos migratórios dos Estados-Membros da UE10 e as DT em vigor. Em 17 emitidas ou pedidas, independentemente da duração efectiva da residência, de regressos ao país de origem ou, no caso dos fluxos, de autorizações previamente atribuídas. Dado que o número de outros cidadãos comunitários estabelecidos nos Estados-Membros da UE10 é reduzido, a análise limitar-se-á à UE15 por motivos de fiabilidade dos dados. PT 9 PT

10 especial, os fluxos para o Reino Unido e a Suécia, os Estados-Membros sem restrições para os trabalhadores da UE8, são comparáveis, senão mesmo inferiores, aos fluxos para países que aplicam as DT 18. A experiência dos países nórdicos, com mercados de trabalho e resultados económicos comparáveis, confirmam-no 19. Em última análise, os fluxos migratórios são condicionados pelas condições da oferta e da procura. Quando muito, as DT atrasarão os ajustamentos do mercado de trabalho, existindo o risco de criar padrões de destino distorcidos, de carácter ainda mais permanente. 20. A nível mais geral, as restrições de acesso ao mercado de trabalho podem aumentar drasticamente o recurso ao trabalho não declarado. Se forem acompanhadas de lacunas na aplicação de legislação comunitária já em vigor, este fenómeno acarreta consequências sociais indesejáveis, tanto para os trabalhadores não declarados como para a mão-de-obra legal. 21. Quanto à duração das autorizações, os dados revelam que uma percentagem significativa de autorizações de residência/trabalho são concedidas para períodos curtos ou trabalhadores sazonais. É o caso, por exemplo, dos seguintes países - Na Áustria, de todas as autorizações concedidas a nacionais da UE8 em 2004, 87% foram concedidas por menos de 6 meses (85% na primeira metade de 2005), 12% (14% em 2005) com duração de 6 meses a um ano e 2% (0% em 2005) por período superior a um ano. - Na Alemanha, 95% das cerca de autorizações de trabalho foram atribuídas com restrições temporais ou outras. Em 30 de Junho de 2004, o número de nacionais da UE10 empregados que se encontravam na Alemanha por um período não muito limitado e que pagavam, portanto, contribuições à segurança social era de apenas cerca de , ou seja, 0,2% da população activa. - Nos Países Baixos, foram emitidas cerca de autorizações em Devido ao grande número de trabalhadores sazonais, este valor corresponde apenas a cerca de anos laborais. - Em Itália, 76% das autorizações de trabalho de 2004 e 71% das de 2005 foram concedidas a trabalhadores sazonais. - Em França, das autorizações de trabalho concedidas em 2004, 74% destinavam-se a trabalhadores sazonais, 11% a trabalhadores temporários, 5% a trabalhadores permanentes e 10% a outros beneficiários Os fluxos para a Irlanda são maiores, ainda que tal como referido no ponto 16 os números não sejam, em rigor, comparáveis. A migração dos Estados-Membros da UE8 para a Noruega é substancialmente superior à migração para todos os outros países nórdicos, com ou sem DT. A Suécia não impõe restrições mas a Noruega, Dinamarca, Finlândia e Islândia fazem-no. Destes últimos países, a Dinamarca e a Noruega têm um regime mais liberal. Note-se que, segundo as autoridades francesas, os dados administrativos fornecidos pela França não incluem as autorizações de trabalho emitidas para períodos inferiores a três meses. PT 10 PT

11 22. Desde o alargamento, o desenvolvimento do mercado de trabalho na UE8 tem sido positivo, com taxas de desemprego a baixar significativamente na maioria dos países (ver quadros A4 e A5 do anexo). Este facto sugere que não há razão para esperar um aumento da pressão para abandonar os países da UE8, dado que também as perspectivas de crescimento económico são animadoras e o aumento substancial dos fundos estruturais e de desenvolvimento rural começará a produzir resultados, promovendo o crescimento económico e a criação de emprego. 4.2 Resultados do mercado de trabalho para os nacionais do país e da UE taxas de emprego 23. Os resultados do mercado de trabalho para os nacionais da UE10 que se estabeleceram nos países da UE15 constituem um elemento central a considerar. No tocante aos países da UE15 relativamente aos quais existe informação estatística relevante disponível (ver quadro infra), o indicador-chave do mercado de trabalho a taxa de emprego revela que os nacionais da UE10 tendem a registar, em cada país, taxas de emprego comparáveis às dos nacionais desse país e de outros países da UE15. Por outro lado, estas taxas são geralmente mais elevadas do que as que se referem a cidadãos não comunitários. Na Irlanda, em Espanha e no Reino Unido, os nacionais da UE10 registam até taxas de emprego mais elevadas que as dos nacionais do país. Este facto mostra que os nacionais da UE10 contribuem positivamente em cada Estado-Membro para o desempenho geral do mercado de trabalho, para o crescimento económico sustentado e para o estado das finanças públicas. Taxas de emprego por nacionalidade 2005 percentagens por células País de destino Nacionalidade UE10 Nacional UE15 UE10 não-ue Bélgica Alemanha Grécia Espanha França Irlanda Países Baixos Áustria Finlândia Suécia Reino Unido UE UE UE Fonte Eurostat, IFT, T2. Notas '.' número não publicável devido à reduzida dimensão da amostra; '' dados não disponíveis ou não fiáveis devido à reduzida dimensão da amostra. A Itália é excluída por não efectuar a desagregação por nacionalidade. A Dinamarca, o Luxemburgo e Portugal são excluídos devido à reduzida dimensão da amostra. Agregados UE15 e UE10 em 2004 com base nos dados da Alemanha e Irlanda 2005 T É interessante verificar que, desde o alargamento, a taxa de emprego dos nacionais da UE10 em vários Estados-Membros da UE15 incluindo a Espanha, a França, os Países Baixos, a Áustria e o Reino Unido aumentou, em alguns casos PT 11 PT

12 substancialmente, o que pode ser relacionado com dois factores. Em primeiro lugar, o alargamento pode ter contribuído para trazer à superfície parte da economia subterrânea constituída por trabalhadores que não se encontravam declarados provenientes da UE10, com efeitos benéficos bem conhecidos, tais como o maior cumprimento das normas laborais legalmente consagradas, o aumento da coesão social graças a um menor risco de marginalização das pessoas em causa e maiores receitas públicas provenientes de impostos e contribuições para a segurança social. Isto significa igualmente que o aumento da mobilidade laboral proveniente dos Estados-Membros da UE10 devido ao alargamento pode ser, na realidade, inferior ao indicada pelos dados 21. Em segundo lugar, o aumento real da taxa de emprego dos nacionais da UE10 pode ter-se verificado depois do alargamento devido a uma mudança de atitude dos empregadores, a maiores oportunidades para criar empresas privadas e ainda a melhor informação e legislação Composição por sector e por aptidões da mão-de-obra da UE10 nos Estados-Membros da UE15 complementaridades ou substituição? 25. Atendendo aos baixos valores em questão, torna-se difícil dar uma visão estatística pormenorizada e ao mesmo tempo fiável da mão-de-obra da UE10. Assim, a análise que se segue considerará a UE15 no seu conjunto. Um elemento-chave da mobilidade dos trabalhadores não é só a dimensão do fenómeno mas também o facto de os trabalhadores da UE10 substituírem os que já se encontravam no país, concorrendo para empregos semelhantes, ou de poderem desempenhar um papel complementar. População empregada da UE15 por nacionalidade e sector 2005 percentagens por colunas Sector de actividade Nacionalidade Nacional UE15 UE10 Agricultura/ pescas 4 (2) (3) Indústria Construção Retalho; hotéis/restaurantes; transportes Int. financeira; imobiliário Ad. pública; educação; saúde; outros Fonte Eurostat, IFT, 2005 T1, França e Áustria 2005 T2. Notas Os dados entre parêntesis não são fiáveis devido à reduzida dimensão da amostra. 21 Os dados estatísticos sobre mobilidade e migração não representam simplesmente o fluxo real de indivíduos de um país para outro, mas também o facto de os trabalhadores anteriormente sem documentos poderem ser mais facilmente incluídos em inquéritos estatísticos, tanto pela sua inscrição, por exemplo, em registos da população que constituem com frequência a base das amostras como pelo seu maior interesse em responder a inquéritos estatísticos. PT 12 PT

Maria João da Cruz Nogueira

Maria João da Cruz Nogueira Maria João da Cruz Nogueira Trabalho elaborado para a Oficina de Formação: A Educação Sexual em Meio Escolar: metodologias de abordagem/intervenção Formadoras: Cândida Ramoa, Isabel Leitão Matosinhos Fevereiro

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

"SMS sem fronteiras": Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro

SMS sem fronteiras: Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro IP/08/1144 Bruxelas, 15 de Julho de 2008 "SMS sem fronteiras": Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro Os 2500 milhões de mensagens de texto enviadas

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Cartão Europeu de Seguro de Doença Nº: 20/DSPCS DATA: 18/05/04 Para: Todos os serviços dependentes do Ministério da Saúde Contacto

Leia mais

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL Súmula dos dados provisórios do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, IPCTN, 2007 I DESPESA 1. Despesa em I&D nacional total

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA 1952 CECA (TRATADO DE PARIS 18 de Abril 1951) Países aderentes: França Alemanha Bélgica Holanda Luxemburgo Itália Objectivos do Tratado de Paris: Criação do Mercado Comum

Leia mais

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós»

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 28.5.2014 COM(2014) 355 final ANNEXES 1 to 5 ANEXOS à COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» PT PT ANEXO I: ASPETOS PROCESSUAIS DA INICIATIVA

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 21.1.2003 COM(2003) 26 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU PENSAR EM TERMOS DE PEQUENAS EMPRESAS NUMA EUROPA EM ALARGAMENTO COMUNICAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.6.2015 COM(2015) 314 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos PT PT RELATÓRIO

Leia mais

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO O PÓS-EURO A B C D E MÓDULO V O Euro face às s principais moedas internacionais Pacto de Estabilidade e Crescimento O Tratado de Amesterdão O Tratado de Nice Reforçar e Reformar as Políticas da União na

Leia mais

O trabalho da Organização das Nações Unidas

O trabalho da Organização das Nações Unidas O trabalho da Organização das Nações Unidas Report A Inclusion Europe e os seus 49 membros de 36 países lutam contra a Inclusion Europe and its 47 members in these 34 countries are fighting exclusão social

Leia mais

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 DIREITO COMUNITÁRIO Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 As revisões dos tratados fundadores 07/02/1992: Assinatura do Tratado sobre a União Européia,, em Maastricht; 20/10/1997:

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2009 COM(2009) 411 final Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à assinatura do Acordo sobre certos aspectos dos serviços aéreos entre a Comunidade

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659 NOTA de: para: Assunto: Presidência Grupo de Avaliação de Schengen Projecto de decisão

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=168982 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA 3º TRIMESTRE DE 2005 NOTA: O presente documento constitui

Leia mais

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º).

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). 3. EDUCAÇÃO Quadro legal O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei n.º 46/86, de 14 de

Leia mais

LIVRE CIRCULAÇÃO DE PESSOAS - GUIA PRÁTICO PARA UMA UNIÃO EUROPEIA ALARGADA ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...2

LIVRE CIRCULAÇÃO DE PESSOAS - GUIA PRÁTICO PARA UMA UNIÃO EUROPEIA ALARGADA ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...2 COMISSÃO EUROPEIA Direcção-Geral Alargamento LIVRE CIRCULAÇÃO DE PESSOAS - GUIA PRÁTICO PARA UMA UNIÃO EUROPEIA ALARGADA ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...2 2. DIREITOS DOS TRABALHADORES SEGUNDO A LEGISLAÇÃO DA UE

Leia mais

Fusões e cisões transfronteiras

Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Consulta organizada pela Comissão Europeia (DG MARKT) INTRODUÇÃO Observações preliminares O presente questionário tem por objetivo recolher

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1997L0081 PT 25.05.1998 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições BDIRECTIVA 97/81/CE DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 respeitante ao acordo-quadro

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 NOTA de: para: Assunto: Presidência Grupo de Avaliação de Schengen Projecto de decisão do

Leia mais

Serviços Postais. Postal Services

Serviços Postais. Postal Services 002 Serviços Postais Postal Services 019 Serviços Postais Postal Services Prestadores de Serviços Postais Postal services Providers * Serviços não enquadrados na categoria de Correio Expresso Services

Leia mais

FAUBAI 2014 A Educação Superior Brasileira: Construindo Parcerias Estratégicas Joinville, 12 a 16 de Abril

FAUBAI 2014 A Educação Superior Brasileira: Construindo Parcerias Estratégicas Joinville, 12 a 16 de Abril FAUBAI 2014 A Educação Superior Brasileira: Construindo Parcerias Estratégicas Joinville, 12 a 16 de Abril A Internacionalização do Ensino A Experiência Europeia O Ensino Superior Europeu "in a nutshell"

Leia mais

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS:

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: Acesso a cuidados de saúde programados na União Europeia, Espaço Económico Europeu e Suiça. Procedimentos para a emissão do Documento

Leia mais

Mais de 250 milhões de europeus utilizam regularmente a Internet, diz relatório de progresso da Comissão relativo às TIC

Mais de 250 milhões de europeus utilizam regularmente a Internet, diz relatório de progresso da Comissão relativo às TIC IP/08/605 Bruxelas, 18 de Abril de 2008 Mais de 250 milhões de europeus utilizam regularmente a Internet, diz relatório de progresso da Comissão relativo às TIC Mais de metade dos europeus são neste momento

Leia mais

ACTA FINAL. FA/TR/EU/HR/pt 1. 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische Schlussakte (Normativer Teil) 1 von 20

ACTA FINAL. FA/TR/EU/HR/pt 1. 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische Schlussakte (Normativer Teil) 1 von 20 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische Schlussakte (Normativer Teil) 1 von 20 ACTA FINAL FA/TR/EU/HR/pt 1 2 von 20 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische

Leia mais

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV DOCUMENTO 3 DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS TITULARES DOS CARTÕES EUROPEUS DE SEGURO DE DOENÇA OU DE DOCUMENTOS EQUIVALENTES NA SEQUÊNCIA DAS ALTERAÇÕES DO PONTO I DA ALÍNEA A)

Leia mais

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes Este folheto explica as regras que se aplicam ao Benefício de

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2008/C 115/01) 9.5.2008 PT Jornal Oficial da

Leia mais

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de Regulamento (CEE) nº 1768/92 do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os medicamentos Jornal Oficial nº L 182 de 02/07/1992 p. 0001-0005

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. Desenvolvimento de uma política comunitária de aviação civil em relação à Austrália

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. Desenvolvimento de uma política comunitária de aviação civil em relação à Austrália COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 05.09.2005 COM(2005) 408 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Desenvolvimento de uma política comunitária de aviação civil em relação à Austrália 1. INTRODUÇÃO 1.1

Leia mais

Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa

Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa IP/09/343 Bruxelas, 3 de Março de 2009 Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa A Comissão declarou hoje considerar prioritária

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL E AO COMITÉ DAS REGIÕES

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 22.12.2008 COM(2008) 882 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL E AO COMITÉ DAS REGIÕES Implementação

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2013 31 de outubro de 2014 Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais O valor dos Impostos

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007 FaculdadedeEconomia João Salgueiro João Amador Seminário de Economia Europeia Economia Portuguesa e Europeia Exame de 1 a época 5 de Janeiro de 2007 Atenção:

Leia mais

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC Seminário 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Casa própria ou arrendamento perfil da ocupação residencial emportugal Bárbara Veloso INE 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Sumário Aumentaram

Leia mais

Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA

Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA Em que consiste, razões para a existência do programa e benefício principal Quem pode beneficiar do programa Como beneficiar do programa

Leia mais

Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014. José António Vieira da Silva

Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014. José António Vieira da Silva Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014 José António Vieira da Silva 1. A proteção social como conceito amplo a ambição do modelo social europeu 2. O modelo de proteção social no Portugal pós 1974 3. Os desafios

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit A solução para os seus problemas na Europa ec.europa.eu/solvit CONHEÇA OS SEUS DIREITOS Viver, trabalhar ou viajar em qualquer país da UE é um direito fundamental dos cidadãos europeus. As empresas também

Leia mais

Sobre este inquérito. Sobre a sua organização

Sobre este inquérito. Sobre a sua organização Sobre este inquérito Por toda a União Europeia, diferentes organizações proporcionam acesso e formação sobre Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC), juntamente com outros serviços para grupos

Leia mais

Análise Geral sobre a Migração Internacional: SOPEMI 2010

Análise Geral sobre a Migração Internacional: SOPEMI 2010 International Migration Outlook: SOPEMI 2010 Summary in Portuguese Análise Geral sobre a Migração Internacional: SOPEMI 2010 Sumário em Português A migração internacional continua a ser uma prioridade

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS Parecer COM(2012)722 Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho - Plano de Ação para reforçar a luta contra a fraude e a evasão fiscais 1 PARTE I - NOTA INTRODUTÓRIA Nos termos do artigo

Leia mais

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 31 de Março de 2005 (OR. en) AA 23/2/05 REV 2 TRATADO DE ADESÃO: ACTA FINAL PROJECTO DE ACTOS LEGISLATIVOS E OUTROS INSTRUMENTOS

Leia mais

Serviços de Transmissão de Dados (STD) Serviço de Acesso à Internet (ISP) Data Transmission Services / Internet Access Service

Serviços de Transmissão de Dados (STD) Serviço de Acesso à Internet (ISP) Data Transmission Services / Internet Access Service 009 Serviços de Transmissão de Dados (STD) Serviço de Acesso à Internet (ISP) Data Transmission Services / Internet Access Service 087 Serviços de Transmissão de Dados (STD) / Serviço de acesso à Internet

Leia mais

A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas.

A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas. A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas. Constança Paúl, 19 Abril 2012, IPO-Porto Health Cluster Portugal: Encontros com a inovação em saúde A procura

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

L 375/12 Jornal Oficial da União Europeia 23.12.2004

L 375/12 Jornal Oficial da União Europeia 23.12.2004 L 375/12 Jornal Oficial da União Europeia 23.12.2004 DIRECTIVA 2004/114/CE DO CONSELHO de 13 de Dezembro de 2004 relativa às condições de admissão de nacionais de países terceiros para efeitos de estudos,

Leia mais

Impacto económico da regulamentação no domínio das profissões liberais em diversos Estados-Membros

Impacto económico da regulamentação no domínio das profissões liberais em diversos Estados-Membros Impacto económico da regulamentação no domínio das profissões liberais em diversos Estados-Membros Regulamentação dos serviços profissionais Iain Paterson, Marcel Fink, Anthony Ogus et al. Resumo Estudo

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO EUROPEIA

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO EUROPEIA 28.10.2014 C 382/1 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO EUROPEIA CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS EACEA/31/2014 Programa Erasmus+, Ação-chave 3 Apoio à reforma de políticas Cooperação com

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 13.12.2010 COM(2010) 731 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU Relatório de Actividades EURES 2006-2008,

Leia mais

Embargo até 10H de 31-Maio-2012 COMUNICADO DE IMPRENSA ESPAD/2011. Lisboa, 31 de Maio de 2012

Embargo até 10H de 31-Maio-2012 COMUNICADO DE IMPRENSA ESPAD/2011. Lisboa, 31 de Maio de 2012 Embargo até 10H de 31-Maio-2012 COMUNICADO DE IMPRENSA Lisboa, 31 de Maio de 2012 O ESPAD European School Survey on Alcohol and other Drugs é um inquérito a nível europeu, que se realiza atualmente em

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

GUIA DE CANDIDATURA ESTÁGIO ERASMUS - ERASMUS PLACEMENTS (SMP)

GUIA DE CANDIDATURA ESTÁGIO ERASMUS - ERASMUS PLACEMENTS (SMP) GUIA DE CANDIDATURA ESTÁGIO ERASMUS - ERASMUS PLACEMENTS (SMP) INFORMAÇÃO GERAL 1. O que é um estágio Erasmus? O Estágio Erasmus é uma parte da sua formação académica (curricular ou extracurricular) efectuada

Leia mais

Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir

Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir IP/08/1831 Bruxelas, 28 de Novembro de 2008 Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir De acordo com um relatório publicado hoje pela Comissão Europeia,

Leia mais

Notas sobre o formulário Acto de Oposição

Notas sobre o formulário Acto de Oposição INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (IHMI) Marcas, Desenhos e Modelos Notas sobre o formulário Acto de Oposição 1. Observações gerais 1.1 Utilização do formulário O formulário pode ser obtido

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS Introdução O presente documento pretende apresentar uma visão geral das principais conclusões e recomendações do estudo da European Agency

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO. sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO. sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 21.1.2005 C(2005) 103/2 RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia Parte 1 Principais condições de oferta grossista

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS AO ESTATUTO DE PME DE UMA EMPRESA A presente comunicação tem por objectivo incentivar a aplicação

Leia mais

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 Esclarecimentos de dúvidas/informações adicionais: Carolina Peralta/Isabel Silva Gabinete de Relações Internacionais - GRI Rua de Santa Marta, 47, 1º Piso sala 112-1169-023

Leia mais

A Política Agrícola Comum pós 2013

A Política Agrícola Comum pós 2013 A Política Agrícola Comum pós 2013 Que Agricultura para Portugal no Séc. XXI? Desafios e Oportunidades Francisco Cordovil Director do GPP Universidade Évora 16 Dezembro 2011 A Política Agrícola Comum Pós-2013

Leia mais

Ano Europeu da Criatividade e Inovação

Ano Europeu da Criatividade e Inovação Ano Europeu da Criatividade e Inovação Imaginar criar inovar Índice A União Europeia O caminho da UE O Ano Europeu Criatividade e Inovação. Porquê? Criatividade e Inovação. Importância Criatividade e Inovação.

Leia mais

Artigo 3º. Artigo 4º. Artigo 5º. Efeitos do certificado Sob reserva do artigo 4º, o certificado confere os mesmos direitos que os conferidos pela

Artigo 3º. Artigo 4º. Artigo 5º. Efeitos do certificado Sob reserva do artigo 4º, o certificado confere os mesmos direitos que os conferidos pela Regulamento (CE) nº 1610/96 do Parlamento Europeu e do Conselho de 23 de Julho de 1996 relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os produtos fitofarmacêuticos Jornal Oficial nº

Leia mais

A aprendizagem da língua como patamar de acesso à nacionalidade

A aprendizagem da língua como patamar de acesso à nacionalidade A aprendizagem da língua como patamar de acesso à nacionalidade Área Temática Migrações, Etnicidades e Racismo Mesa: Percursos de Integração I Gabriela Semedo Estrutura da apresentação: 1. A língua como

Leia mais

Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013

Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013 Estatísticas das Receitas Fiscais 1995-2013 15 de maio de 2014 Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013 Em 2013, a carga fiscal aumentou 8,1%, após a diminuição observada em 2012,

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012?

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? junho 2012 PASSO A PASSO 1. 2. 3. 4. A União Europeia Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? Ano Europeu 2012: curiosidades iniciativas quiz Links para saber mais 1. A União Europeia 27 Estados-Membros

Leia mais

imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português

imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português Nuno Gonçalves Ana Paula Africano Resumo: Palavras-chave Códigos JEL Abstract: Keywords model. JEL Codes 41 estudos

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

Oportunidades de emprego jovem na União Europeia. Principais programas

Oportunidades de emprego jovem na União Europeia. Principais programas Oportunidades de emprego jovem na União Europeia Principais programas a. Garantia para a Juventude A União Europeia tem vindo a desenvolver uma série de iniciativas de combate ao desemprego jovem, tornando

Leia mais

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA?

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA? 1 NOTA INFORMATIVA 1. O que é a SEPA? Para harmonização dos sistemas de pagamento no espaço europeu no sentido de impulsionar o mercado único, foi criada uma Área Única de Pagamentos em Euro (denominada

Leia mais

PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais nas eleições europeias de 2009

PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais nas eleições europeias de 2009 Direção-Geral da Comunicação Unidade do Acompanhamento da Opinião Pública Bruxelas, 13 de novembro de 2012 PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão da Cultura e da Educação 2007/2253(INI) 7.3.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a concentração e o pluralismo dos meios de comunicação social na União Europeia (2007/2253(INI))

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, L 197/30 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias 21.7.2001 DIRECTIVA 2001/42/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de Junho de 2001 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e

Leia mais

Macroeconomia II (1E207)

Macroeconomia II (1E207) Macroeconomia II (1E207) Equipa docente 2010/11 20 Maio 2011 Conceitos e factos Funções económicas do Estado - estabilização macroeconómica O financiamento da despesa pública e a dinâmica da dívida Financiamento

Leia mais

(Actos não legislativos) REGULAMENTOS

(Actos não legislativos) REGULAMENTOS 30.3.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 83/1 II (Actos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 267/2010 DA COMISSÃO de 24 de Março de 2010 relativo à aplicação do artigo 101. o, n. o

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 27.2.2009 COM(2009) 77 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

A UE volta a divulgar o número de emergência europeu 112 antes das férias de Verão

A UE volta a divulgar o número de emergência europeu 112 antes das férias de Verão IP/08/836 Bruxelas, 3 de Junho de 2008 A UE volta a divulgar o número de emergência europeu 112 antes das férias de Verão A Comissão Europeia acelerou hoje os seus esforços para promover a utilização na

Leia mais

Reembolso em espécie das prestações acumuladas na Previdência Profissional ao deixar definitivamente a Suíça a partir de 1 de Junho de 2007

Reembolso em espécie das prestações acumuladas na Previdência Profissional ao deixar definitivamente a Suíça a partir de 1 de Junho de 2007 Sicherheitsfonds BVG Geschäftsstelle Postfach 1023 3000 Bern 14 Tel. +41 31 380 79 71 Fax +41 31 380 79 76 Fonds de garantie LPP Organe de direction Case postale 1023 3000 Berne 14 Tél. +41 31 380 79 71

Leia mais

GOLDEN VISA Junho 2013 AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA ATRAVÉS DE INVESTIMENTO EM PORTUGAL

GOLDEN VISA Junho 2013 AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA ATRAVÉS DE INVESTIMENTO EM PORTUGAL GOLDEN VISA Junho 2013 AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA ATRAVÉS DE INVESTIMENTO EM PORTUGAL Portugal já está a atribuir os Golden Residence Permit a cidadãos não- Europeus no caso de realização de determinados

Leia mais

circular ifdr Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública SÍNTESE: ÍNDICE

circular ifdr Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública SÍNTESE: ÍNDICE N.º 01/2008 Data: 2008/07/16 Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública Elaborada por: Núcleo de Apoio Jurídico e Contencioso e Unidade de Certificação SÍNTESE: A

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 27.11.2007 COM(2007) 757 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO (nos termos da Decisão n.º 280/2004/CE do Parlamento

Leia mais

2º e 3º Ciclos Ensino Profissional

2º e 3º Ciclos Ensino Profissional 2º e 3º Ciclos Ensino Profissional Índice 1. A União Europeia O caminho da UE 2. Os Anos Europeus 3. 2010 Ano Europeu do Combate à Pobreza e Exclusão Social (AECPES) 4. 2010 AECPES. Pobreza e Exclusão

Leia mais

CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE COESÃO EM CASO DE INCUMPRIMENTO DAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONTRATOS PÚBLICOS

CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE COESÃO EM CASO DE INCUMPRIMENTO DAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONTRATOS PÚBLICOS Versão final de 29/11/2007 COCOF 07/0037/03-PT COMISSÃO EUROPEIA ORIENTAÇÕES PARA A DETERMINAÇÃO DAS CORRECÇÕES FINANCEIRAS A APLICAR ÀS DESPESAS CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE

Leia mais

L 61/28 Jornal Oficial da União Europeia 8.3.2011

L 61/28 Jornal Oficial da União Europeia 8.3.2011 L 61/28 Jornal Oficial da União Europeia 8.3.2011 DECISÃO DA COMISSÃO de 2 de Março de 2011 que altera a Decisão 2008/456/CE, que estabelece normas de execução da Decisão n. o 574/2007/CE do Parlamento

Leia mais

A questão da natalidade nos países da União Européia: desafios e alternativas em discussão 1.

A questão da natalidade nos países da União Européia: desafios e alternativas em discussão 1. Universidade do Vale do Itajaí Curso de Relações Internacionais LARI Laboratório de Análise de Relações Internacionais Região de Monitoramento: União Europeia LARI Fact Sheet Abril/Maio de 2011 A questão

Leia mais

(Actos não legislativos) REGULAMENTOS

(Actos não legislativos) REGULAMENTOS 23.4.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 102/1 II (Actos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 330/2010 DA COMISSÃO de 20 de Abril de 2010 relativo à aplicação do artigo 101. o, n. o

Leia mais

Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais

Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais Forum para a Sociedade da Informação Aveiro, 10 Mar 2006 Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento,

Leia mais

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO L 52/32 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO de 14 de Fevereiro de 2000 relativa à execução das políticas de emprego dos Estados-Membros

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 22 de Julho de 2004 (08.11) (OR. en) 11636/04 Dossier interinstitucional: 2004/0165 COD

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 22 de Julho de 2004 (08.11) (OR. en) 11636/04 Dossier interinstitucional: 2004/0165 COD CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 22 de Julho de 2004 (08.11) (OR. en) 11636/04 Dossier interinstitucional: 2004/0165 COD FSTR 17 SOC 367 CADREFIN 22 PROPOSTA Origem: Comissão Europeia Data: 16 de Julho

Leia mais

Orientações para as políticas de emprego

Orientações para as políticas de emprego C 87 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 1.4.2010 23. Considera que, com a liderança da UE no provimento de apoio financeiro e técnico aos países em desenvolvimento, as probabilidades de sucesso nas

Leia mais

Universidades Europeias diversificam financiamento

Universidades Europeias diversificam financiamento Universidades Europeias diversificam financiamento Maria da Graça Carvalho IST, PE Grupo PPE Manuel Loureiro - ULHT Ensino Superior: avaliação e sustentabilidade 28 de Fevereiro 2011, Lisboa ISG Instituto

Leia mais

III.4.1 - Indicadores do comércio internacional por NUTS II, 2004. III.4.1 - Indicators of international trading by NUTS II, 2004

III.4.1 - Indicadores do comércio internacional por NUTS II, 2004. III.4.1 - Indicators of international trading by NUTS II, 2004 III.4.1 - Indicadores do comércio internacional por NUTS II, 2004 III.4.1 - Indicators of international trading by NUTS II, 2004 Unidade: % Unit:% Taxa de cobertura das pelas para os 4 principais mercados

Leia mais

Nos termos da Resolução 1244 do Conselho de Segurança da ONU, de 10 de Junho de 1999. ECAA/pt 1

Nos termos da Resolução 1244 do Conselho de Segurança da ONU, de 10 de Junho de 1999. ECAA/pt 1 ACORDO MULTILATERAL ENTRE A COMUNIDADE EUROPEIA E OS SEUS ESTADOS-MEMBROS, A REPÚBLICA DA ALBÂNIA, A ANTIGA REPÚBLICA JUGOSLAVA DA MACEDÓNIA, A BÓSNIA E HERZEGOVINA, A REPÚBLICA DA BULGÁRIA, A REPÚBLICA

Leia mais